MARKETING DIGITAL: AS MUDANÇAS NO MERCADO E NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COM O ADVENTO DA INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING DIGITAL: AS MUDANÇAS NO MERCADO E NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COM O ADVENTO DA INTERNET"

Transcrição

1 1 MARKETING DIGITAL: AS MUDANÇAS NO MERCADO E NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COM O ADVENTO DA INTERNET Diego Andrade de ABREU e Kaio Henrique F. NAZIOZENO 1 Orientação: Drª. Arlete Eni GRANERO Resumo: O objetivo deste artigo é reunir e discutir informações sobre as mudanças no mercado e no comportamento do consumidor com o advento do Marketing Digital. Para tanto, explica as mudanças mercadológicas com a segregação de mercado, demonstra a participação do consumidor no processo de compra e desenvolvimento de produtos e de como estas mudanças implicam no mundo empresarial. Palavras-chave: Internet; Marketing Digital; Novo Consumidor; Globalização. Desde seus primórdios, o marketing tem passado por sucessivas transformações, buscando aperfeiçoar sua estrutura para gerar uma margem cada vez maior de lucro. Mas é a partir de meados do Século XX que o conceito de Marketing começa a integrar princípios das ciências sociais, incorporando ideias ligadas às relações humanas. Começa então a preocupação dos profissionais da área com o relacionamento com o cliente, construindo vínculos entre produto ou serviço e consumidor. Ainda assim, tal relação empresa-público era majoritariamente unilateral, pois ouvir a opinião de seus consumidores era algo bastante complicado para a instituição. A comunicação era feita e transmitida por meios de massa e não havia como obter a resposta de todos os atingidos por ela. Porém, a partir da década de 1990, houve finalmente a possibilidade desse consumidor se expressar. Com a popularização da internet e da Web 2.0, todo indivíduo com um microcomputador em casa estava conectado a diversos outros e, consecutivamente, às empresas. Sem grandes custos, cada indivíduo poderia se expressar para qualquer outra pessoa com acesso à rede mundial. Estas mudanças do comportamento do consumidor alteraram profundamente a estrutura existente do marketing. A possibilidade de clientes comunicarem experiências, tanto positivas quanto negativas, além das novas possibilidades de venda online, 1 Alunos regularmente matriculados no quinto período do curso de Biblioteconomia e Documentação e terceiro período de Publicidade e Propaganda, respectivamente, da Universidade Federal Fluminense.

2 2 geralmente a custos mais baixos por não usar espaços físicos, impôs às empresas uma remodelação, restando a falência às resistentes. 1 A Cauda Longa: A Era da Abundância 1.1 O Mercado de Nicho Após a Segunda Guerra Mundial, a Guerra Fria evidenciou e propagou ainda mais os ideais e cultura norte-americana. Em consequência disso, grandes sucessos começam a dominar o mercado mundial. A indústria de Hollywood, já amadurecida, continuava a lotar cada vez mais as salas de cinema, e os grupos musicais de maior renome travavam verdadeiras batalhas em busca dos primeiros lugares nos rankings de álbuns mais vendidos, assim como os produtos e hábitos relacionados com os personagens deste cenário dominavam o comércio. Todo este panorama representa bem o mercado de massa. Entretanto, pode-se afirmar que este mercado vem perdendo força nos últimos anos. A maior parte dos álbuns mais vendidos de todos os tempos foi gravada nas décadas de 1970 e 1980, assim como a bilheteria de Hollywood e a audiência de todo o broadcast vêm caindo, apesar do aumento populacional. Uma explicação para essa queda está na quantidade de escolhas disponível para o público. Enquanto nas décadas citadas o consumo era ditado pela mídia de massa, onde as pessoas ficavam restritas a uma pequena quantidade de canais de televisão, jornais, revistas e emissoras de rádio, que por sua vez também veiculavam seu conteúdo limitado, o advento da internet trouxe a possibilidade de escolhas praticamente infinitas. Assim, o mercado que antes convergia para apenas uma direção, consumida por um amplo público, agora se fragmenta em diversos caminhos diferentes, cada um deles atendendo a uma pequena parcela de pessoas, dando origem aos mercados de nicho, voltados para especificidades dentro dos segmentos (ANDERSON, 2009, p. 2). Com essa maior quantidade de opções, o consumo se fragmentou, para atender a demanda cada vez mais exigente dos consumidores. Embora tal mercado sempre tenha existido, a queda nos custos de manutenção e acesso aos produtos potencializou a demanda do consumidor por

3 3 itens mais segmentados, a ponto de se tornar uma opção tão ou mais rentável que o próprio mercado de massa. 1.2 e-commerce Os principais problemas enfrentados pelo mercado de nicho eram que, para se tornar rentável, o preço final dos produtos deveria ser mais elevado do que os do mercado de massa, para que o retorno se equiparasse, devido à baixa procura do primeiro em relação ao segundo, pois um produto tem que superar, com suas vendas, o custo gasto para sua manutenção e ainda gerar lucro. Outra dificuldade está no acesso aos produtos. Por se tratar de itens direcionados para um público específico, estes quase sempre ficavam fora das prateleiras ou estoques, pois não vendem tanto como os produtos de massa, e é mais vantajoso ter um produto na prateleira que vende cem unidades em um mês do que outro que vende dez, no mesmo período (ANDERSON, 2009, p. 9). Mas a internet pôs fim a esses dois entraves. Através do e-commerce, é possível oferecer uma variedade absurdamente maior de produtos, pois não há espaço físico de estoques ou prateleiras limitando a quantidade de itens oferecidos. Sendo assim, não há a seleção entre mercadorias com maior demanda, gerando espaço para a comercialização dos produtos de nicho. A otimização das ferramentas de busca da Web 2.0 tornou possível encontrar itens com maior facilidade, o que é necessário, com o aumento da oferta. E todo este processo costuma ser menos custoso do que o de vendas tradicionais, pois não há gastos com aluguéis ou outros fatores do mercado físico. Também não há restrições quanto à distribuição. Se uma loja ou vendedor está em um local diferente do seu cliente, este pode fazer a compra online e esperar que seu produto chegue à sua casa, através de uma transportadora, tornando a venda mais cômoda e possibilitando a escolha da melhor oferta pelo cliente. Deste modo funciona o comércio da Amazon.com. O site varejista oferece um estoque gigantesco a preços razoavelmente mais baixos que os varejistas tradicionais. Isso acontece porque não há limite para produtos anunciados e seu acesso ao público é quase ilimitado. Qualquer pessoa com um computador e conexão a internet tem contato com seu amplo estoque de produtos. E no mercado

4 4 do entretenimento, a diferença entre comércio físico e virtual costuma ser ainda mais gritante. Em alguns casos, como na categoria de livros, a Amazon.com consegue produzir sobre demanda, ou seja, os livros só são impressos quando comprados, reduzindo os custos e riscos de estocagem. Em outros casos, o custo é ainda menor, pois o produto é completamente virtual, como músicas em formato mp3 e filmes, entregues ao consumidor através de download (ANDERSON, 2009, p ). O e-commerce também potencializou as vendas por parte dos clientes. Sites como o ebay e Mercado Livre são plataformas que possibilitam a troca de mercadoria usadas pelos próprios usuários, dando força aos domínios de marketing iniciados pelo cliente, o C2C (Consumer to Consumer), e o C2B (Consumer to Business). Este último não está presente somente nestes sites, mas na maioria dos negócios online, pela maior facilidade que o cliente tem para entrar em contato com a empresa, ou o próprio consumidor ir em busca dos vendedores na Web e fazer propostas a estes, ultrapassando o limite do papel passivo que o consumidor desempenhava (KOTLER & ARMSTRONG, 2008, p ). 1.3 A Regra dos 98% Mas, ainda no mercado do entretenimento, a maior diferença entre o comércio físico e o virtual não está em nenhuma das características citadas anteriormente, mas sim em sua porcentagem e estatística de vendas. Segundo Anderson (2009, p. 7), a porcentagem da diversificação de vendas padrão do mercado digital é de 98% dos itens, em comparação com a regra de 80/20 (20% dos produtos correspondem a 80% das vendas), empregada no mercado tradicional. A maior variedade na hora de escolher dá ao cliente mais liberdade, e como o custo de manutenção destes produtos é bem mais baixo, torna-se uma boa opção ter essa maior quantidade de ofertas. E este número foi confirmado por empresas que atuam no ramo digital, como a Netflix, que aluga DVDs através de seu site, ou a itunes, da Apple (ANDERSON, 2009, p. 8-9), que vende músicas para download. Somando-se esta porcentagem de vendas aos baixos custos de manutenção de estoque e distribuição, determinado item pode não ter uma demanda tão grande quanto produções de sucesso, mas sua soma com outros produtos de nicho geraria um

5 5 enorme volume de vendas e, consequentemente, de lucro. Em seu livro A Cauda Longa (2009, p.9), Anderson explica bem este processo: Quando nos referimos ao varejo tradicional, a primeira coisa que nos vem à mente é o que gerará grandes volumes de vendas. Não se está muito interessado nas vendas ocasionais, porque no varejo tradicional um CD que vende apenas uma unidade por trimestre consome exatamente o mesmo espaço de prateleira que outro CD que vende mil unidades no mesmo período. E esse espaço tem valor aluguel, despesas indiretas, custo de pessoal etc. a ser remunerado por certo número de giros de estoque por mês. Em outras palavras, os CDs que vendem uma ou duas cópias por trimestre desperdiçam espaço. No entanto, quando este espaço não custa nada, de repente há como aproveitar essas vendas infrequentes, e também elas passam a ter valor. Observando o gráfico de demanda deste mercado, descreve-se uma curva baseada na lei da potência 2, onde os produtos com maior demanda estariam no início do gráfico, em sua parte mais alta, e os produtos com um número de vendas mais baixo estariam situados nas partes mais próximas do eixo horizontal. Tal fenômeno ganhou o nome de Cauda Longa (ANDERSON, 2009, p. 10). 1.4 A Cauda Longa Cauda Longa é o nome dado, em estatística, a gráficos com grande extensão no eixo horizontal, onde seu início, ou seja, a cabeça da curva, é elevado (valores altos no eixo vertical), e seu prolongamento vai decrescendo sem nunca atingir o zero (ANDERSON, 2009, p. 10). E, segundo o autor, esta é a tendência atual de mercado, principalmente com as facilidades geradas pela internet. A maior quantidade de produtos possibilita novas escolhas, fazendo com que o consumidor varie mais na hora da compra. E essa maior quantidade vem, principalmente, da democratização das ferramentas de produção. Com os custos para se produzir cada vez menores, o número de produtores aumenta, contribuindo para a segmentação e ampliação dos produtos no mercado. Mas o aumento da variedade implica uma maior dificuldade para se encontrar o que deseja. Entram em cena, então, os agregadores da Cauda Longa, agindo para democratizar a distribuição. O surgimento dos grandes varejistas online, 2 Matematicamente, a lei da potência é um tipo de relação especial entre duas variáveis, representada por uma curva logarítmica decrescente que alcança e se mantém em níveis próximos do mínimo, mas sem nunca atingir o zero.

6 6 como a Amazon.com e o ebay, contribuem para que essa larga escala de produtos seja oferecida para seu público. Entretanto, descer a cauda pode significar perda de qualidade por parte dos produtos, uma vez que a fabricação destes tende a se tornar cada vez mais próximo do amador. Começam a ter importância, então, os filtros criados pelos próprios consumidores, ligando a oferta à demanda. A Web 2.0 é baseada no compartilhamento de informação por parte de seus usuários, e é com isso que se difere produtos de qualidade de outros inferiores, e graças à otimização das ferramentas de busca, crescimento das redes sociais e as próprias recomendações de produtos feitas pelos varejistas, conseguir informações se tornou mais fácil e menos custoso, dando a segurança necessária ao consumidor na hora da compra. Essas são as três forças da Cauda Longa, segundo Anderson (2009, p ). Facilitar o acesso às ferramentas de produção, democratizar a distribuição e ligar oferta à demanda. São elas que regem o mercado da cultura de nicho e virtual, possibilitando a comercialização dos produtos sem grande participação de mercado. E uma vez que a maior parte dos produtos não está entre os mais conhecidos, a tendência é que se desça mais na curva da Cauda Longa, pois não atender a uma massa possibilita o desenvolvimento de um produto mais segmentado, que atenda melhor as exigências dos consumidores. Sendo assim, o lucro geral das vendas sobre os produtos menos conhecidos torna-se equiparável à dos produtos mais vendidos, porque os primeiros existem em quantidade absurdamente maior que os segundos. Para a itunes, por exemplo, manter as músicas que estão fora das paradas de sucesso disponíveis para compra é tão lucrativo quanto manter os principais hits. A Apple afirmou que cada uma das suas mais de um milhão de músicas disponíveis havia vendido pelo menos uma vez (ANDERSON, 2009, p. 9). Se forem comparados, o lucro das vendas das cem faixas mais vendidas estará em valores próximos do lucro das faixas a partir dessa colocação. E como estas músicas não passam de bits, não custam nada considerável para a Apple. 2 Consumidores mais que Consumidores 2.1 O poder que as Redes Sociais deram para os Consumidores

7 7 A internet revolucionou não só o mercado, mas todo o mundo. A possibilidade de se comunicar com qualquer pessoa no planeta, desde que conectada, gerou uma troca de culturas, informações e opiniões nunca vista. Boa parte desta troca se deu por meio de sites de relacionamento, que formaram e ampliaram as redes sociais na internet, pois se tornaram agregadores de público. Isso gerou uma transparência maior no mundo. Comunicar experiências sempre foi algo comum, mas com o advento dos sites de relacionamento, a capacidade de alcance de um indivíduo comum ganhou proporções quase infinitas. E isto, obviamente, afetou a estrutura das empresas. Primeiramente, essa nova mídia transferiu o poder de formadores de preferência da mídia de massa, onde a informação é dada de um para muitos, para o que se pode chamar de mídia social, onde a informação é criada por muitos e divulgada para muitos (ANDERSON, 2009, p. 105), através da utilização de blogs e outros tipos de redes. O consumidor passa então a fazer parte do processo de decisão de compra, assim como os vendedores, experts e outros, pois sua opinião está ao alcance de outros consumidores interessados em conhecimento prévio sobre determinado produto ou empresa. Portanto, é necessário que a empresa invista não só em seus produtos, para que estes sejam de qualidade e evitem que más experiências com consumidores sejam difundidas para outros indivíduos, gerando uma imagem negativa da marca ou produto, mas também para estar presente junto a seus clientes, através dos sites de relacionamento e outras redes sociais da internet, a fim de desenvolver laços afetivos com estes, estabelecer diálogo e mostrar transparência, transformando o CRM (Customer Relationship Management), que visa obter dados do cliente para gerar resposta a suas necessidades através de produtos, em SRM (Social Relationship Management), que é a atuação nos locais onde estes clientes estão, proporcionando as relações citadas, pois não há mais um relacionamento entre um cliente e a empresa, mas sim entre uma sociedade interconectada e esta instituição, que é avaliada e julgada de acordo com seu posicionamento e atos (NESSY, 2010). 2.2 Os Prosumers

8 8 A internet deu poder de voz para o consumidor. Essa capacidade de se expressar possibilitou para as empresas um mapeamento da imagem que elas possuem, além da capacidade de se mostrar cada vez mais sociais para seu público. Mas uma das maiores vantagens da Web para as empresas é a participação do cliente na construção de seus produtos. Esses consumidores próativos, chamados de prosumers, estão dispostos a compartilhar e criar ideias em troca de uma remuneração que está além do financeiro, como status ou o sentimento de participação social (TAPSCOTT; WILLIAMS, 2007, p ). Esses prosumers geralmente se reúnem em torno de uma comunidade virtual para criar e modificar produtos que lhes interessem. Embora tais grupos sempre tenham existido, a internet potencializou e divulgou sua atuação. Um caso interessante aconteceu com a Lego. A empresa, que cresce constantemente no mercado de brinquedos tecnológicos, lançou em 1998 o Lego Mindstorms, onde os usuários poderiam montar seus próprios robôs a partir de peças programadas. Com pouco tempo de lançamento do produto, alguns usuários começaram a reprogramar as peças do Mindstorms e enviar suas modificações para a Lego. A princípio, a empresa ameaçou processar os usuários, mas quando estes se rebelaram, a instituição cedeu e adicionou o direito à modificação na licença do software do produto. Atualmente, a empresa estimula estas experimentações em seu site, oferecendo um kit gratuito para desenvolvimento de novos softwares, além de realizar eventos para demonstração de invenções feitas com seus produtos. A cada nova invenção interessante, o Mindstorms ganha mais valor, e tudo isso é feito sem custos para a Lego, através da voluntariedade dos consumidores (TAPSCOTT; WILLIAMS, 2007, p ). 3 Fim Da Distância 3.1 As 3 globalizações Pode-se pensar na globalização como um processo de integração econômica, social, cultural e política dos países, que torna o mundo uma "grande aldeia". Mas, aprofundando essa reflexão, percebe-se que a globalização não foi ou é um único processo, mas o resultado de três processos distintos (FRIEDMAN, 2009, p ).

9 9 A primeira dessas mudanças, ou 1ª globalização, se deu quando na história - e Colombo deu a partida - os países saindo no que pode se chamar de uma corrida pelo desenvolvimento comercial, movido pelas grandes navegações e tendo como agentes eles próprios, como nações. A preocupação era de como inserir o país na concorrência de âmbito global e como tais países poderiam interagir nessa concorrência. Nessa fase, a globalização ainda não podia ser percebida como tal, o combustível para manter-se na disputa era a religião e o imperialismo, que faziam uma forte química com músculos, vento e, mais tarde, o vapor. Mais adiante, o papel do agente globalizador sai das nações e vai para outro âmbito, o empresarial. A recém-chegada tecnologia do vapor, personagem da Revolução Industrial, unida com a queda nos custos de comunicação (que pode ser entendida como desde a difusão do telégrafo à própria World Wide Web inicial) possibilitou o avanço das multinacionais em busca de mão-de-obra, que se tornaram o principal agente dessa nova fase. É aqui que se pode enxergar já uma economia global realmente madura, onde há uma movimentação de bens e informações em âmbito global e se pode ver o mundo como um grande mercado. A preocupação se torna em como inserir a empresa nessa instalada economia global. Esta é a 2ª globalização. E é nesta última década que se inicia o que se pode chamar de 3ª globalização. Se na ideia inicial de globalização imagina-se o mundo reduzindo de grande pra pequeno, dividindo esse processo, vê-se a redução do papel do agente globalizador de países para empresas, e por fim, para indivíduos. A criação do computador pessoal permitiu que cada pessoa pudesse criar seus conteúdos de forma digital; o cabo de fibra ótica permitiu que essas pessoas se conectassem e o avanço dos softwares de fluxo de trabalho permitiu a rápida interação dessas pessoas e conteúdos em qualquer distância. Agora são os indivíduos que colaboram e interagem entre si em escala global. São as próprias pessoas que se preocupam em como se inserir nessa concorrência, por conta própria. É o indivíduo que tem o grande poder nas mãos. Outro aspecto importante é que as duas primeiras fases foram lideradas basicamente por americanos e europeus e, nessa terceira, um grupo cada vez mais diversificado de pessoas e culturas pode colocar as mãos no volante e entrar nessa corrida, num piscar de olhos.

10 A nova era empresarial Erra quem pensa que essa mudança de poder individual não se relaciona com as empresas. São elas as mais beneficiadas com todo esse movimento. Se hoje há o desafio de ver e entender a mudança de comportamento do consumidor, há também a mudança de alcance, as novas ferramentas e a grande competitividade que as empresas obtêm ao entrarem nessa nova estrutura comunicacional, inclusive permitindo que as pequenas e médias empresas tenham possibilidade de concorrer com as maiores praticamente de igual pra igual Terceirização à longa distância A internet gerou um novo tipo de consumidor, mais perspicaz, interessado, ágil ao comparar produtos e serviços e exigente, pois tem nas mãos um grande poder de decisão que vem da enorme quantidade de possibilidades que se abrem ao acessar um site e efetuar uma pesquisa. Se antes, para comprar uma camisa, a pessoa tinha que sair de casa e se locomover a um centro comercial próximo, estando restrita às lojas e produtos daquele lugar, hoje se usa um teclado e um mouse para comprar essa camisa de qualquer lugar do país ou até do mundo. A quantidade de ofertas aumenta, a variedade de preços aumenta e, mais ainda, a exigência desse consumidor. Esse é um dos desafios enfrentados pelas empresas de hoje. No entanto, da mesma maneira, as empresas se tornam mais perspicazes e ágeis no que tange à sua dinâmica de produção. Isto acontece graças à grande possibilidade de terceirização que surge com o advento dessas mesmas ferramentas. Tradicionalmente, as empresas caminhavam de maneira extremamente individual, focadas no produto, com muitos fornecedores, praticando marketing de massa e se responsabilizando por tudo na produção; hoje, é possível, senão essencial, modificar totalmente essa estrutura. As empresas contemporâneas podem contar com a terceirização de diversas maneiras, o que possibilita maior

11 11 variedade de ofertas (de produtos ou serviços), maior interação com outras empresas, uma gerência mais eficaz e, com a internet, operar também de maneira virtual, o que amplia exponencialmente seu mercado. Todo esse esquema permite que a empresa foque agora no mercado e no cliente, possibilitando atender às expectativas e necessidades desse novo consumidor exigente. A terceirização já é presente desde antes e independente da internet, mas esse recurso, a internet, trouxe uma nova dinâmica de ações. Hoje, pode-se contar com a terceirização à longa distância, onde uma empresa pode contratar serviços ou produtos de outra em qualquer outro lugar. Isso se dá graças não só à internet, mas também a diversos fatores tecnológicos indispensáveis ao funcionamento desse sistema. Friedman (2009, p. 16) demonstra como uma empresa indiana pode convocar toda a cadeia de fornecimento global de qualquer projeto seu numa reunião virtual em um telão presente em sua sede. Graças à facilidade de comunicação vinda com a internet, designers americanos podem conversar ao mesmo tempo com programadores indianos e fabricantes de qualquer lugar da Ásia. É uma nova dinâmica, impossível há dez anos. Com esse tipo de interação, as empresas podem se concentrar em outros fatores antes impossíveis, desenvolvendo produtos ou serviços de maior qualidade. Esse é o caso vivido por contadores americanos. Hoje, grande parte dos serviços de declaração do imposto de renda dos americanos é feita através de terceirização indiana. Todo o serviço é realizado pela internet, como explica Friedman, em O mundo é Plano (2009, p ): Na Índia, os contadores pegam os dados brutos diretamente no servidor nos EUA [mediante uma senha] e preenchem a sua declaração. O tempo todo ninguém sabe quem você é, e nenhuma informação deixa o território americano, de modo a não violar a legislação referente ao sigilo profissional. Levamos muito a sério as questões de segurança dos dados de privacidade. O contador indiano pode visualizar as informações na tela, mas não tem como baixar na sua máquina nem como imprimi-las - o programa não permite. Com a parte bruta do serviço sendo feita fora, os contadores americanos podem se concentrar na criação de estratégias mais complexas de planejamento, bem como estudar pessoalmente a melhor maneira de atender ao cliente e suas necessidades. O serviço fica mais dinâmico e de maior qualidade, pois o contador pode agregar valores antes não existentes, e o cliente fica satisfeito.

12 12 O mais incrível ainda é que a própria empresa indiana que realiza serviços terceirizados para os contadores americanos também pode "reterceirizar" esses serviços. Isso se dá através do homesourcing O Homesourcing Parte desses serviços de contabilidade podem ser feitos por contadores instalados em suas próprias casas, o que caracteriza um serviço de terceirização doméstica, chamado homesourcing. Por estar instalado em sua própria casa, o funcionário atua sem gerar nenhum custo adicional para a empresa. Um grande exemplo disso, segundo Friedman (2009, p ), é o sistema de reservas da JetBlue, uma companhia aérea de tarifas baixas americana. Todo o sistema de reservas da empresa foi terceirizado para donas de casa de Utah, que "trabalham em casa e administram os pedidos de reservas quando não estão cuidando das crianças, fazendo ginástica, escrevendo um livro ou preparando o jantar" (FRIEDMAN, 2009, p ). Com esse sistema, os funcionários são 30% mais produtivos e conseguem 30% mais reservas simplesmente por estarem mais satisfeitos, o que também gera menos conflitos. Conclusão O Marketing Digital transformou e continua transformando a estrutura de mercado. Conforme Anderson (2009), o aumento da variedade de ofertas nos mercados, por causa da facilidade da distribuição e manutenção dos produtos oriunda do advento da internet, tende a impulsionar o consumo cada vez mais para a cultura de nicho, pois esta também se tornou lucrativa com o aumento de sua demanda. A internet também modificou o papel passivo do consumidor, no processo de compra, segundo Tapscott e Williams (2007), assim como, segundo Friedman, essas novas tecnologias estão modificando a forma de trabalhar das empresas ao redor do mundo, derrubando fronteiras físicas e culturais, e possibilitando a maior excelência em seus produtos e serviços.

13 13 Referências ANDERSON, Chris. A Cauda Longa. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. 7ª Ed. Rio de Janeiro: ELSEVIER/CAMPUS, FRIEDMAN, Thomas L. O mundo é plano: o mundo globalizado do século XXI. 3ª ed. atual. e ampl. - Rio de Janeiro: Objetiva, KOTLER, Philip & ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. Tradução: Cristina Yamagami. Revisão Técnica: Prof. Dr. Dílson Gabriel dos Santos. 12ª ed. São Paulo: Afiliada, 2008 NESSY, Gabriela Otto. A Socialização do CRM. Disponível em acesso em 19/06/2010. TAPSCOTT, Don & WILLIAMS, Anthony D., Wikinomics Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. Tradução de Marcello Lino. 2ª ed. Nova Fronteira, 2007.

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO ELETRÔNICO: O CONSUMO POR MEIO DE BITS

INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO ELETRÔNICO: O CONSUMO POR MEIO DE BITS André Salvaro Furtado INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO ELETRÔNICO: O CONSUMO POR MEIO DE BITS Florianópolis, 2008. André Salvaro Furtado INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO ELETRÔNICO: O CONSUMO POR MEIO DE BITS Florianópolis,

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO No ano 2000, surgiu no mundo uma nova geração de seres. Esses estranhos personagens postulavam que a realidade virtual era mais importante do que a vida real. Comunicavam-se

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

Augusto Campos www.efetividade.net

Augusto Campos www.efetividade.net A Internet e os mercados de nicho Augusto Campos www.efetividade.net Nossa geração está vivendo a transição do mercado de massa para o mercado de nicho. Veremos como isto nos favorece como consumidores,

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Roberto Torres Novatec Editora 23 Capítulo 1 O que é Personalização? Este

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias CONSULTORIA COMÉRCIO ELETRÔNICO CONSULTORIA PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Alta gerência líderes

Alta gerência líderes Alta gerência líderes Manual de um As melhores práticas de um líder empresarial, assim como as tendências tecnológicas e de mercado, foram alguns dos temas desenvolvidos por John Chambers, presidente-executivo

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FOTOGRAFIA E FILMAGEM

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FOTOGRAFIA E FILMAGEM OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FOTOGRAFIA E FILMAGEM 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Extra, Extra notícias fresquinhas Você pode ter uma loja que funciona 24hs, inclusive aos domingos e feriados, não paga aluguel e nem condomínio

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL?

POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? POR QUE OFERECER UM ATENDIMENTO MULTICANAL? Por que oferecer um atendimento multicanal? Este livro reúne em uma única fonte dicas para inovar na experiência com clientes, de um jeito simples e prático;

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

28/08/2015. e-business. Reflita...

28/08/2015. e-business. Reflita... e-business Reflita... 1 Você topa um desafio? Desafio A Universidade dos Negócios é uma empresa jovem na área de Cursos e Treinamentos, consultoria empresarial e palestras. Ela agrega, através de agenciamento,

Leia mais

Item 2- Marketing. Atendimento

Item 2- Marketing. Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Processo usado para determinar quais produtos ou serviços poderão interessar aos consumidores e qual a melhor estratégia a ser utilizada nas

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA A ERA DIGITAL E AS EMPRESA Em 1997 o Brasil já possuia 1,8 MILHÕES de usuários Brasil O 5 Maior país em extensão territorial Brasil 5 Vezes campeão do Mundo Brasil O 5 Maior país em número de pessoas conectadas

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet. Análise:

Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet. Análise: Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero Análise: Introdução: Ao longo da história do homem contemporâneo tivemos diversos avanços nas chamadas tecnologias de comunicação,

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Resumo: Este trabalho tem o objetivo de compreender como as transformações

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Plano Aula 11 31/10/2011

Plano Aula 11 31/10/2011 Plano Aula 11 31/10/2011 - Vantagem Competitiva Estratégias Competitivas - Caso Verizon & ATT, Caso Dell e Land s End, Artigo TI e Vantagem Competitiva, Rede Vende Tudo 1 Estratégias Competitivas Básicas

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud Aprimore a jornada de seus clientes com a plataforma de marketing digital 1:1 líder de mercado 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget

Leia mais

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução 14 1 Descrição do Problema 1.1.Introdução Desde a década de 90, a Internet tem-se mostrado importante instrumento na vida cotidiana do consumidor, não somente para ampliar a pesquisa de informações sobre

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

ADM. AURELIANO TAVARES

ADM. AURELIANO TAVARES ADM. AURELIANO TAVARES Mestre em Engenharia Civil pela UFF. Possui MBA em Gestão Empresarial - IDHGE - FUNCEFET. Possui graduação em Administração pelo Instituto Superior de Estudos Sociais Clovis Bevilacqua.

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 São Paulo, 07 de Novembro de 2005 - O Submarino S.A. (Bovespa: SUBA3), empresa líder dentre aquelas que operam exclusivamente no varejo eletrônico

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM Ligia Caranicola Cano Google AdWords, a plataforma de publicidade online do Google São Paulo 2012 Ligia Caranicola Cano Google

Leia mais

7 Características Indispensáveis para Melhorar a Eficácia nas Vendas e Estimular Hoje Sua Taxa de Sucesso

7 Características Indispensáveis para Melhorar a Eficácia nas Vendas e Estimular Hoje Sua Taxa de Sucesso 7 Características Indispensáveis para Melhorar a Eficácia nas Vendas e Estimular Hoje Sua Taxa de Sucesso Sete Características Indispensáveis da Eficácia nas Vendas 1 As companhias de hoje não querem apenas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Novo mundo, nova web, novas habilidades

Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo, nova web, novas habilidades Novo mundo. Globalizado.. Comunicação possível 24 horas/dia, 7 dias/semana. Empresas tornam-se multinacionais. Trabalhadores podem estar em qualquer lugar. (orientais

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Pagamento On line. Meios de pagamento nas lojas virtuais

Pagamento On line. Meios de pagamento nas lojas virtuais Comércio Eletrônico Professor: Anderson D. Moura Pagamento On line Setembro, 2008 Uma decisão importante a ser tomada pelo lojista virtual, refere-se aos meios de pagamento que serão disponibilizados aos

Leia mais

CENTRO PAULA SOUZA TÉCNICO EM MARKETING A HISTÓRIA DO MARKETING ALEXANDRE MARTINS Nº03 PIRASSUNUNGA

CENTRO PAULA SOUZA TÉCNICO EM MARKETING A HISTÓRIA DO MARKETING ALEXANDRE MARTINS Nº03 PIRASSUNUNGA CENTRO PAULA SOUZA TÉCNICO EM MARKETING A HISTÓRIA DO MARKETING ALEXANDRE MARTINS Nº03 PIRASSUNUNGA MARÇO DE 2011 ALEXANDRE MARTINS Nº03 A HISTÓRIA DO MARKETING Trabalho desenvolvido em atendimento aos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária Publicação: 7 de dezembro de 2009 A Amazon Web Services (AWS) oferece a empresas de todos os tamanhos serviços de rede

Leia mais

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto PROJETO EXEMPLO Os aparelhos de som compactos da Sonic Jane Melody é a gerente de produto da linha de aparelhos de som compactos da Sonic. Cada sistema consiste em um amplificador/rádio AM-FM, um aparelho

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Modelos de Negócios Digitais

Modelos de Negócios Digitais Modelos de Negócios Digitais O que é um modelo de negócio? Um Modelo de Negócios descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor por parte de uma organização. Definição do negócio da empresa Negócio

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais