Web 2.0 na empresa. Web 2.0. Publicado em: 29 de outubro de 2007 Por Michael Platt. Resumo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Web 2.0 na empresa. Web 2.0. Publicado em: 29 de outubro de 2007 Por Michael Platt. Resumo:"

Transcrição

1 Web 2.0 na empresa Publicado em: 29 de outubro de 2007 Por Michael Platt Resumo: Recentemente, os modelos antigos que estabelecem como as pessoas publicam e consomem as informações na Web transformaram-se de modo radical. Em lugar de simplesmente visualizar as informações em páginas da Web estáticas, os usuários agora publicam conteúdo próprio nos blogs, em wikis e sites que compartilham fotos e vídeos. As pessoas estabelecem colaboração, listas de discussões e comunidades online; combinam dados, conteúdo e serviços de várias fontes para criar experiências e aplicativos personalizados. Comum e coletivamente denominados Web 2.0, esses novos sites que compartilham áreas de conteúdo, listas de discussões e colaboração, além de padrões de projeto de aplicativo ou mashups estão transformando a Web de consumidor. Representam, também, uma significativa oportunidade para que as organizações construam novos sistemas sociais, baseados na Web de colaboração, produtividade e de negócio, para aprimorar o custo e retorno de receita. Este artigo examinará como tecnologia, dados e pessoas reúnem-se para formar a Web 2.0, como a Web 2.0 está hoje sendo utilizada no espaço de consumidor e como essas técnicas e conceitos podem ser usados dentro e fora da empresa, para fornecer novas oportunidades de produtividade e negócios. Web 2.0 Durante a última década, os aplicativos para a Web sofreram mudanças significativas; há dez anos, não havia sites ou aplicativos que permitissem o compartilhamento na Web, apenas sites compostos de páginas estáticas ou aplicativos para ecommerce. As empresas que tinham sites na Web com interface de consumidor podiam se conectar com consumidores experientes em Internet e usar seus sites na Web como canais de comunicação com o mercado e de venda de seus produtos; intranets corporativas eram utilizadas principalmente como locais para publicação de notícias e políticas da empresa. Mais recentemente, os sites da Web tornaram-se o destino de comunidades de usuários para criar e compartilhar dados ricos e complexos como músicas, imagens, vídeo e para discutir e avaliar esse conteúdo. Este fenômeno foi batizado de Web 2.0 em um artigo de Tim O'Reilly que discutiu o tema embrionariamente, em setembro de 2005, e que ainda hoje continua em expansão. Em essência, a Web 2.0 é a concretização coletiva de que a habilidade de usar a Web para escrever e ler conteúdo complexo - combinada ao suporte de rede social e a rápida disseminação do acesso por banda larga - permite a interação das pessoas com a Web, conteúdo online e entre si. Representando uma mudança fundamental na forma com que as pessoas interagem com conteúdo, aplicativos e outros usuários, a nova Web é uma plataforma para canalizar e promover a inteligência coletiva. As pessoas já não são mais consumidores de conteúdo e aplicativos, simplesmente: são participantes, criam conteúdo e interagem com vários serviços e pessoas. Mais e mais pessoas estão criando blogs, contribuindo para bases de conhecimento como a Wikipedia e utilizando tecnologias ponto a ponto (P2P). Algumas vezes denominado o efeito da rede, este aumento na participação e na criação de conteúdo propõe novas oportunidades para envolver o usuário de forma mais profunda e significativa. Originalmente, Tim O Reilly assim definiu as características da Web 2.0: Web como plataforma;

2 canalizando a inteligência coletiva; dados como a próxima característica "Intel inside"; fim do ciclo de lançamento de software; modelos leves de programação; software acima do nível de um único dispositivo; rica experiência do usuário. Essas características podem ser agrupadas em três áreas: o uso da Web como uma plataforma, a Web como um lugar para ler e escrever conteúdo complexo e o uso social e colaborativo da Web. A Web como uma plataforma Os sistemas da Web 2.0 usam a Web como uma plataforma, como uma enorme gama de dispositivos interconectados que podem fornecer um novo nível de experiência rica e imersiva para o usuário, um modelo de programação leve e fácil de usar para o desenvolvedor e um mecanismo de implantação rápido e flexível para o fornecedor. A Web 2.0 recria a Internet pelas perspectivas dos usuário, desenvolvedor e fornecedor; cada uma delas permite novos e criativos usos da Internet. O conceito do serviço serve de base para todos os sistemas conectados, inclusive, obviamente, para a Web 2.0. Um sistema baseado em serviço tem como fundamento o princípio da separação de interesses, por meio do uso de baixo acoplamento ou troca de mensagens. O baixo acoplamento permite a criação da funcionalidade como um serviço, com distribuição por rede; por exemplo, no mundo da Web 2.0, a funcionalidade diária pode ser fornecida por um mecanismo de blog e ser distribuída como um serviço para o usuário final ou blogger, pela Internet. Essa distribuição da funcionalidade de software pela Internet é comumente denominada Software como Serviço (SaaS) e, hoje em dia,serve de base para a maior parte dos sistemas da Web 2.0. Quando consideramos a Internet como uma plataforma, podemos ver que ela deve fornecer uma quantidade de elementos importantes de plataforma como a independência do dispositivo, interface de usuário rica e comum, interface de programação comum, a implantação de software ou serviço e mecanismo de gestão. Software acima do nível de um único dispositivo Conhecemos muito bem o software em um servidor fornecendo serviços ao software em um PC (em Windows ou em um navegador), o qual, então, consome ou exibe esses serviços. Embora este seja um modelo com o qual estamos familiarizados, ele não cobre vários casos comuns, como os sistemas P2P ou a distribuição para dispositivos não-pc como players de música, celulares ou dispositivos de navegação. Precisamos de um modelo que inclua esses casos e absorva um nível de serviço superior ao básico HTTP para conectá-los: é preciso abordar os conceitos de um serviço de música como os itunes, Napster ou um serviço de telefonia como o Skype. Precisamos ter um modelo que trate do software acima do nível de dispositivo ou serviço único mas que inclua serviços ricos, de alto nível, interconectando uma malha de vários tipos de dispositivos, de modo simétrico. Provavelmente, o melhor exemplo desse tipo de serviço de alto nível é o Xbox Live: os serviços relativos ao jogo são fornecidos entre dispositivos de hardware especializados, operando de modo ponto a ponto. Este modelo é o caso de computação baseada em serviço de uso geral, denominado pela Microsoft como modelo de computação Software + Serviços. Rica experiência do usuário O valor da experiência rica e imersiva do usuário foi bem entendida no mundo do PC desde o advento do Windows e tem sido, há muitos anos, o enfoque dos aplicativos baseados em

3 navegador, com JavaScript e DHTML apresentados como formas leves de fornecimento de capacidade de programação do lado do cliente e enriquecendo a experiência do usuário no que é comumente denominado aplicativos ricos para a Internet (RIA). A habilidade da Web para fornecer essa funcionalidade RIA foi mostrada pela primeira vez pelo Outlook Web Access (OWA) que usava JavaScript e DHTML para fornecer interatividade plena no navegador, tipo Windows. A coleção de tecnologias usada para fornecer esses sistemas baseados em navegador, ricos e dinâmicos, foi denominada Ajax, acrônimo de Asynchronous JavaScript and XML. O Ajax não é uma tecnologia simples, nem mesmo um conjunto de novas tecnologias mas, sim, várias tecnologias usadas em conjunto, de novas formas eficientes, para fornecer a funcionalidade RIA. O Ajax inclui: apresentação baseada em padrões, usando XHTML e CSS; exibição e interação dinâmicas, usando o modelo de objeto de documento; intercâmbio e manipulação de dados usando XML e XSLT; recuperação assíncrona de dados, usando o objeto XMLHttpRequest; JavaScript como a metáfora de programação. O Ajax é o componente-chave da maioria dos aplicativos Web 2.0 e está fornecendo a possibilidade de criar aplicativos Web tão ricos e dinâmicos como os aplicativos baseados em Windows - na verdade, estamos vendo, agora, o advento dos aplicativos baseados em Ajax que podem trabalhar enquanto desconectados da Internet fornecendo, assim, funcionalidade offline similar aos clientes baseados em Windows, como o Outlook. Existem também conjuntos de tecnologias, além do Ajax, que estão aumentando o valor da experiência do usuário em áreas como as comunicações, voz e vídeo. A troca de mensagens instantâneas (IM) é intensamente usada nos aplicativos Web 2.0 para fornecer comunicações instantâneas e existe uma ampla gama de agentes e opções de distribuição disponíveis para os sistemas IM. Os sistemas de voz sobre IP (VoIP) permitem a comunicação por voz e teleconferência pela Internet como parte da experiência do usuário. E, por fim, o fornecimento de vídeo transmitido e armazenado em tempo real refina a experiência do cliente. As amplitude, riqueza e flexibilidade fornecidas por essas tecnologias levam a interface do usuário para além de uma IU dinâmica, para uma experiência audiovisual totalmente interativa com novas e poderosas formas de interação das pessoas com sistemas e entre si, ainda a serem exploradas. Modelos leves de programação Na Web 2.0, os modelos de programação, os conceitos e as técnicas são significativamente diferentes daqueles que têm sido usados na empresa. Embora tenham os serviços como base e apóiem-se no conceito de troca de mensagens, utilizam protocolos REST (Representational State Transfer) e têm como ponto central a simplicidade e a facilidade de uso. A programação da Web 2.0 baseia-se no conceito de separação de interesses, usando um modelo de baixo acoplamento, baseado na troca de mensagens, na parte superior de um conjunto padrão de protocolos de comunicação baseados em Internet (HTTP) e, freqüentemente, é chamada de programação RESTful (tranqüila ou sossegada, em inglês). Implica atos de distribuição e composição pelos quais os serviços são fornecidos sem conhecimento do seu uso. Isso é muito diferente de um sistema convencional orientado a objeto, transacional e fortemente acoplado. Possui um conjunto diferente de benefícios como flexibilidade e rapidez na implementação e desafios, como integridade e gerenciamento. As linguagens (como Perl, Python e Ruby) e os frameworks usados na Web 2.0 são simples e dinâmicos, facilitando a entrada e a reutilização, em alta produtividade. Os frameworks têm suportes internos para padrões comuns de projeto, como o MVC (Model View Controller) e

4 metodologias como o ágil desenvolvimento de software. São de rápido aprendizado e uso fácil, e possibilitam produtividade imediata. Os aplicativos da Web 2.0 são, em essência, passíveis de composição e aceitam elementos compostos, pois são construídos com modelos leves de programação e serviços baseados em padrões; novos aplicativos podem ser criados por composição ou "agregando" aplicativos e serviços atuais. Os mashups acontecem nos locais em que aplicativos e serviços são compostos na IU; a composição é o caso mais geral de serviços sendo reutilizados, mas ambos são facilmente suportados na programação da Web 2.0. Fim dos ciclos de lançamento e implantação de software Os conceitos que dão suporte à Web 2.0 revelam um novo equilíbrio entre controle/facilidade administrativa de sistemas centralizados e flexibilidade/capacitação do usuário com relação aos sistemas distribuídos. Por natureza, os aplicativos Web são implantados de modo centralizado e, assim, os serviços centralizados podem gerenciar aplicativos e desktops completos, automaticamente. O SaaS baseia-se nesse conceito para apresentar a idéia de entrega de software e serviços pela Internet. A Web 2.0 baseia-se no SaaS para apresentar serviços sociais e de conteúdo através do mecanismo de SaaS. Este uso do Saas pela Web 2.0 como metodologia de implantação e lançamento proporciona todas as vantagens bastante conhecidas do Saas: implantação simples, gerenciamento e administração minimizados e, provavelmente o mais importante, atualização ininterrupta. Assim, uma das características mais desejadas da Web 2.0 (e do Saas) é o conceito de que o sistema está em constante atualização e aprimoramento, quase sempre em tempo real, respondendo às solicitações do usuário. Obviamente, o problema desta condição de "beta perpétuo" que a comunidade da Web 2.0 ainda precisa compreender é o que acontece aos aplicativos ou serviços de downstream/offline quando os serviços ou dados fornecidos por um aplicativo da Web 2.0 dos quais passaram a depender, desaparecem ou sofrem alterações. A Web que lê e escreve A segunda área importante da Web 2.0 é o enfoque nos dados e no conteúdo, particularmente a capacidade de as pessoas criarem e interagirem com conteúdo complexo, em lugar de apenas consumi-lo. Se a Internet original fornecia acesso de leitura de dados, a Web 2.0 trata, sobretudo, de proporcionar acesso de leitura e escrita a dados de qualquer origem. Esta capacidade que permite a qualquer pessoa criar material publicável motivou uma explosão de disponibilidade de conteúdo, vindo de todos os lados (com todos os tipos de qualidade) e, ao mesmo tempo, criou todo um conjunto novo de questões sobre vandalismo, propriedade intelectual e integridade de dados. Como a disponibilidade de banda larga para o usuário final aumenta continuamente, a riqueza de conteúdo que pode ser enviada pela Internet também aumenta. A questão da Internet original era sobretudo, texto; A Web 2.0 começou com música e imagens e passou para voz e vídeo. Agora, TV e filmes são as áreas de conteúdo investigadas como parte da Web 2.0. Nesse tempo em que as pessoas e as organizações fizeram pesquisas, uploads e downloads de todos esses dados e conteúdo "explícitos" na Web, criaram, ao mesmo tempo, um vasto volume de dados implícitos sobre o que fazem e qual será o seu destino. Esses dados implícitos ou de informação de atenção da Web 2.0 podem ser utilizados para prever o comportamento futuro ou fornecer novos recursos baseados nessas informações de atenção. Assim é como trabalham os principais mecanismos de pesquisa: monitoram as consultas feitas pelas pessoas e utilizam esses dados para prever qual segmento apresentará melhor probabilidade no futuro. Por certo, a coleta, o armazenamento e o uso desses dados implícitos levanta questões instigantes sobre propriedade, privacidade e propriedade intelectual (IP), as quais ainda precisam ser analisadas de modo satisfatório.

5 Outra questão com o gigantesco volume de dados da Web é como localizar o que se procura e os meios de se navegar pelos dados. Os mecanismos de busca utilizam dados implícitos (ou avaliações de páginas) para localizar dados textuais, mas isso não funciona muito bem com imagens ou dados de áudio. Além disso, em muitos casos, o mecanismo de busca talvez não tenha informações contextuais suficientes para fornecer um resultado válido. Nesses casos, a marcação dos dados torna-se uma forma valiosa de ajudar na navegação pelos dados. Os aplicativos da Web 2.0 utilizam muito a marcação e as nuvens de tags (tag clouds) como forma de localizar e navegar através do vasto volume de dados disponível na Web. Os dados de marcação (tag data) tratam de dados sobre dados ou metadados e um dos principais problemas com dados e conteúdo na Web é aquele causado pela falta de normas para metadados e esquemas. É impossível cortar-colar algo tão simples como um endereço da Web porque não existe um formato-padrão para endereços. Precisamos entender os vários níveis de metadados e ter padrões para o que são os metadados para liberar dados na Web e, especialmente, para permitir que aplicativos combinem dados. Esta padronização de metadados na Web é o que a organização Microformats está tentando fornecer A Web social e colaborativa O terceiro elemento-chave dos sistemas Web 2.0 é o conceito de redes sociais, comunidade, colaboração e discussão. Naturalmente, as pessoas desejam se comunicar, compartilhar e discutir; essa comunicação é uma parte primordial do entendimento, do aprendizado e da criatividade. O elemento original que a Web 2.0 traz são as redes de comunicações sociais e comunitárias as quais, de modo geral, viabilizam-se pelos blogs, grupos de discussão e wikis. Na Web 2.0, a escala abrupta e o número de pessoas na Internet criam uma "arquitetura participativa" na qual a interação entre as pessoas cria informações e sistemas que ficam melhor na medida em que são mais usados e mais pessoas os utilizam. Esta canalização da inteligência coletiva cria sistemas que possuem mais e melhores informações do que qualquer pessoa poderia gerar: oferece a "sabedoria das multidões". Existem vários tipos de colaboração que podem ocorrer nos sistemas Web 2.0: baseadas em conteúdo. As pessoas se reúnem e colaboram à volta de uma notícia ou conteúdo, tipicamente em um blog ou ambiente tipo "espaço"; baseadas em grupos. As pessoas se reúnem à volta de uma idéia ou interesse, como um passa-tempo, discutindo-o em fóruns; baseadas em projetos. As pessoas trabalham juntas em uma tarefa ou projeto comum, como um projeto de desenvolvimento, um livro ou até mesmo algo tão grande como uma enciclopédia, utilizando wikis. Os três tipos de colaboração são compatíveis com sistemas Web 2.0. Web 2.0 na empresa As organizações de todos os tipos e portes, das iniciantes às empresas citadas pela Fortune 100 e de todos os setores verticais, têm presenciado o crescimento dos sites sociais e comunitários da Web nos espaços de consumidores como MySpace, YouTube e o dilúvio dos sites da Web 2.0. As empresas testemunharam os movimentos dos principais participantes da Web como Amazon, ebay, Live, Google e Yahoo para incluir elementos sociais e comunitários, assim como o interesse e a demanda que isso criou. No momento, estão ativamente investigando e, em muitos casos, construindo novos portais baseados em comunidades e negócios para suas próprias organizações: a Web 2.0 está entrando na empresa. As organizações estão interessadas em usar as técnicas de Web 2.0 em duas áreas, principalmente: dentro da organização, para aprimorar a eficiência e a produtividade, e da organização para os clientes, para aprimorar a receita e a satisfação do cliente. O uso da Web 2.0 no âmbito das organizações denomina-se Enterprise 2.0 e, provavelmente, esta será a primeira área que usará a Web 2.0. O uso da Web 2.0 pelas empresas para fazer a interface

6 com seus clientes e consumidores é similar à atividade B2C (do negócio para o cliente) mas com um enfoque social e comunitário e, por isso, denomina-se B2C 2.0 (do negócio para a comunidade). O interesse neste uso da "comunidade como um cliente" cresce rapidamente. Enterprise 2.0 A Enterprise 2.0 ou Web 2.0 na empresa é um termo cunhado pelo Professor MacAfee da Harvard Business School, em 2006, para descrever o uso das técnicas da Web 2.0 no âmbito da organização, com o intuito de aprimorar a produtividade e a eficiência. Pela adoção das técnicas da Web 2.0, os information workers, como suas contrapartes consumidoras, podem controlar suas próprias experiências de usuário com menos orientação do pessoal de TI e assim, criar para eles mesmos um ambiente de trabalho mais intuitivo e eficiente. O resultado final é produtividade, moral e satisfação aprimorados para a o information worker. Entendidos e implantados de modo adequado, as tecnologias, os métodos e os padrões da Web 2.0 podem ser usados na empresa para um grande efeito, estimulando toda produtividade e eficiência globais da organização. Nesta seção, analisamos alguns dos elementos da Web 2.0 que possibilitam isso. Rica experiência do usuário Proporcionar aos usuários uma experiência única para todas as suas necessidades aumenta a produtividade, minimiza os custos de treinamento e incentiva adoção e uso mais intensos. Isso inclui o acesso às informações e aos aplicativos, quer conectados ou desconectados, utilizando um dispositivo móvel ou laptop ou, ainda, quer estejam usando um thin ou smart client. O suporte à rica experiência do usuário fornecido pelo Ajax e pelos subsistemas gráficos, como o Silverlight, permitem a rica experiência do usuário esperada pelas pessoas dos sistemas atuais. Modelos leves de programação Um dos princípios da Web 2.0 é o conceito dos aplicativos criados pelo usuário ou mashups de aplicativos gerados pelo usuário, com modelos leves de programação. Estes prometem uma mudança dramática dos gargalos e restrições associados aos aplicativos gerados por TI. Com as técnicas da Web 2.0, os usuários podem facilmente criar aplicativos específicos para suas próprias necessidades. Entretanto, muitas estratégias atuais de aplicativos compostos deixam a desejar, concentrando-se em aplicativos que apenas fazem o refaceamento de uma IU do Ajax e deixando de fornecer a verdadeira capacitação do usuário. Para capitalizar a oportunidade do aplicativo dirigido ao usuário, as empresas precisam fornecer departamentos e usuários com um ambiente gerenciado e ferramentas familiares que lhes permitam, facilmente, personalizar ou criar soluções e espaços de trabalho próprios. Fim dos ciclos de lançamento e implantação de software O uso subjacente da Internet como uma plataforma na Web 2.0 permite a distribuição simples, rápida e flexível de aplicativos e dados em toda a organização, tirando o usuário dos ciclos de atualização de TI, fixos e inflexíveis, e permitindo um novo nível de suporte organizacional e de capacidade de resposta para o usuário. A Web que lê e escreve Dados e documentos são críticos para qualquer organização e os sistemas baseados em serviços, como a Web 2.0, permitem criar, modificar e trocar dados e documentos com complexidade bastante reduzida e facilidade de uso aprimorada. A provisão de dados, o gerenciamento de conteúdo e os sistemas colaborativos que podem suportar as técnicas social e de formato do rico conteúdo da Web 2.0 são críticos para o uso da Web que lê e escreve na empresa.

7 Web colaborativa As empresas com bancos de dados de grande porte de funcionários, parceiros e clientes há muito conhecem o valor do conhecimento que reside nas mentes dos funcionários, nos bancos de dados e nos documentos não estruturados encontrados em toda a organização. No passado, tentativas de coletar essas informações nos sistemas de gestão de conhecimento foram feitas, com vários níveis de sucesso, mas as tecnologias da Web 2.0, como blogs, wikis e o empenho da empresa em descobrir pessoas e dados poderão facilitar a gestão de conhecimento e fornecer uma nova plataforma de colaboração para tarefas complexas e criativas. Entretanto, deve-se notar que a verdadeira barreira para a gestão do conhecimento ergue-se nas organizações à volta das questões sociais e de valor e não das técnicas; essas barreiras não são abordadas pelas tecnologias da Web 2.0 e, assim, não fica claro se a Web 2.0 possibilitará a gestão bem-sucedida do conhecimento nas organizações. Concluindo, muitas técnicas da Web 2.0 podem ser usadas nas organizações, em áreas como a do desenvolvimento rápido de aplicativos utilizando mashups e gestão de conhecimento baseado em blogs e wikis. B2C 2.0 (do negócio para a comunidade) Pelas perspectivas organizacional e de receitas, as áreas empresariais que têm o maior impacto em potencial para uso da Web 2.0 são as que fazem interface com o cliente; é possível dizer que a totalidade dos contatos com o cliente, as vendas e o ciclo CRM estarão modificados com o uso das técnicas da Web 2.0. Em marketing, a oportunidade de fornecer mídia rica e interativa, além da interatividade mais próxima do cliente por meio de wikis e blogs, oferecerá novas formas de contato e sedução para clientes prospectivos. Em vendas, o uso de dispositivos agentes de formas novas, como celulares, para interagir com o cliente durante todo o processo de venda é outra área importante para novos desenvolvimentos. No atendimento ao cliente, o uso de especialistas da comunidade para ajudar na resolução de problemas por meio de grupos de discussão, cria modelos de suporte totalmente novos. As razões para tal interesse são: receita e crescimento - Novos fluxos de receitas podem ser construídos e esses fluxos podem apresentar um aumento por meio da integração social e comunitária. Especificamente, o conteúdo do custo dos últimos cinco anos revelou o interesse do lado do negócio em crescimento e receita baseados na inovação. O rápido crescimento e a inovação do espaço da Web 2.0 são vistos como algo que as empresas desejam imitar; economias de escala baseadas na Web - As empresas percebem que podem cortar radicalmente o custo com bens de capital e recursos humanos, utilizando um modelo de entrega baseado na Web para as comunidades e os seus clientes. As empresas B2C 2.0 têm planos para dar suporte a dezenas de milhares de clientes, com apenas algumas centenas de funcionários; modelos de contratação flexível - O uso de pessoal contratado e temporário para a entrega permite flexibilidade e agilidade. O pessoal temporário e o contratado pode ser considerado uma outra comunidade especializada e pode ter o apoio das técnicas de Web 2.0, da mesma forma que os clientes; criação de comunidades como evangelismo e suporte - Os clientes são o que de melhor tem um negócio em organização de vendas, marketing, suporte e desenvolvimento. A criação de comunidades terceiriza, efetivamente, esses centros de custo, a custo zero. Na verdade, com a inclusão de publicidade dirigida para a comunidade, muitos dos atuais centros de custo podem tornar-se centros de lucro; vantagem do líder da comunidade - A dinâmica da comunidade é tal que a primeira, bem-sucedida, será, de longe, a mais poderosa; e a organização proprietária dessa comunidade controla o espaço. Se os concorrentes da organização forem os primeiros no espaço da comunidade, terão vantagem competitiva muito significativa. Existem cinco áreas nas quais as técnicas da Web 2.0 podem ser utilizadas no trabalho com comunidades de clientes para viabilizar o B2C 2.0, conforme descrito abaixo.

8 Inovação e desenvolvimento de novos produtos Um grande percentual de inovações e idéias para novos produtos nas organizações advém de fornecedores e clientes e não de pesquisa interna e organizações de desenvolvimento. Essas idéias para novos produtos geradas pelos clientes têm maior probabilidade de serem bemsucedidas pois vieram dos usuários finais do produto. Obviamente, as organizações que podem construir um sistema que extrai essas idéias pode obter benefícios significativos. O uso de comunidades de clientes e fornecedores baseadas na Web 2.0, como fóruns e grupos de discussão de idéias e incubação de novos produtos, representa uma técnica poderosa para coletar idéias de modo simples e econômico. Muitas organizações estão efetivamente estudando o uso de fóruns comunitários e grupos de discussão no processo de desenvolvimento de produtos. Um benefício adicional deste desenvolvimento de novos produtos baseado na comunidade é que os clientes conseguem ter um entendimento melhor do produto ou serviço entregue quando estão envolvidos nos respectivos processos de gestação e, dessa forma, a sua percepção do produto será significativamente aprimorada. Marketing Certamente, a aplicação mais conhecida das técnicas da Web 2.0 nas organizações está nos departamentos de marketing como marketing viral. São muitos os exemplos de comunidade e conteúdo complexo, como o vídeo, usado para gerar e disseminar novidades sobre produtos e serviços. Existem dois elementos para este marketing viral: geração do interesse inicial e, em seguida, a disseminação viral. A geração do interesse inicial é melhor realizada utilizando imagem, vídeo e filmes inovadores; não é difícil registrar-se milhões de downloads de um vídeo criativo após poucas horas ou dias do lançamento e o interesse contínuo em um produto pode ser sustentado pela inclusão de um elemento informativo ou explicativo do conteúdo. A disseminação desse material é feita pela comunidade da Internet utilizando, quase sempre, mensagens instantâneas, ou fóruns comunitários. Novamente, essa disseminação pode ser muito rápida e abundante. O vídeo cativante de um produto ou serviço novo pode ser transmitido a milhões de pessoas em horas e aparecer em mídia comercial, como TV ou jornal, em dias. Contudo, existem algumas limitações sobre o marketing viral: em primeiro lugar, o públicoalvo precisa ser bem compreendido e, mesmo assim, o material talvez não desperte o interesse da comunidade. Em segundo lugar, as organizações não podem controlar a disseminação ou o uso dos materiais; o uso de técnicas de marketing viral pela comunidade de formas imprevistas é bem documentado e pode criar problemas significativos para uma organização. Vendas Em geral, o custo de vendas representa uma parte significativa de todo o custo de um produto ou serviço. Em uma organização B2C 2.0, a comunidade age como um vendedor e, assim, o custo de vendas fica acentuadamente reduzido e, em muitos casos, chega a zero. Os próprios clientes agem como representantes e vendedores da organização. Não há necessidade de grande pressão, nem de uma organização de vendas de alto custo nos negócios baseados na comunidade; em muitos casos, é contraproducente e, na verdade, vai obstruir as vendas. Suporte O suporte é a segunda área mais conhecida para o uso das técnicas da Web 2.0. Primeiramente, as organizações usam as técnicas de mensagens instantâneas e de bate-papo para suporte em tempo real para os produtos. Depois, o uso de captura de imagem e vídeo

9 para comunicação e resolução de problemas. O uso de especialistas de produtos baseados em comunidade e grupos de discussão de auto-ajuda é a terceira e mais importante área: a autoajuda tem funcionado muito bem em comunidades e é um meio de fornecer suporte de alta qualidade e de custo muito baixo. Contudo, como acontece com a maioria dos sistemas baseados em sociedade, a mecânica real desses grupos de auto-ajuda não é simples e exige raciocínio e especialização. Treinamento e educação Provavelmente, o treinamento e a educação são os usos menos explorados da Web 2.0 na empresa. A disponibilidade de imagem e vídeo de alta qualidade oferece um custo muito baixo e uma forma simples de proporcionar treinamento e materiais de demonstração. Esse conteúdo rico, quando integrado aos especialistas do tema na comunidade e nos grupos de discussão ativos oferece um ambiente de treinamento e educação poderoso e simples. Embora atualmente tenha havido relativamente pouca atividade na área de treinamento e educação, esta sem dúvida crescerá muito no futuro. As organizações estão aprendendo a ver seus clientes e funcionários como comunidades com as quais mantêm relações online e offline em um ciclo multifacetado de vendas baseado na comunidade: uma loja especializada de varejo pode realizar uma palestra, proferida por um especialista nacional, que cria uma comunidade online à volta de um tópico de interesse, moderado por esse especialista. Como parte da discussão online, os membros da comunidade visitam a loja para conhecer itens de interesse específico e, em seguida, fazem o pedido desses itens online, no âmbito de um esquema de prêmios da comunidade. Conclusão Resumindo, hoje em dia, as áreas da Web 2.0 de comunidade e conteúdo complexo estão sendo utilizadas com sucesso pelas organizações, internamente para captura de conhecimento e reutilização e, externamente para criar comunidades de clientes. Embora grande parte do atual interesse esteja na captura de conhecimento e reutilização, ainda há problemas significativos, culturais e sociais, para a implementação bem-sucedida desses sistemas, os quais não são resolvidos pelas técnicas da Web 2.0. A área menos explorada do uso das comunidades de clientes traz uma promessa muito maior para a organização, mas também traz riscos próprios concomitantes sobre IP e vandalismo, os quais precisam ser discutidos. No geral, o uso das técnicas da Web 2.0 na empresa promete ter efeitos profundos e extensos sobre como as organizações trabalham, interna e externamente, criando formas poderosas e completamente novas para a movimentação, as vendas e o suporte aos clientes como comunidades.

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

Plataforma Sharp OSA VAÇÃO

Plataforma Sharp OSA VAÇÃO Plataforma Sharp OSA VAÇÃO A plataforma Sharp OSA abre sua MFP para se tornar um portal personalizado, localizado estrategicamente dentro do seu negócio. Associado a um amplo potencial de desenvolvimento

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

IBM Rational Requirements Composer

IBM Rational Requirements Composer IBM Requirements Composer Aprimore os resultados do projeto por meio da melhor definição e gerenciamento de requisitos Destaques Obter maior agilidade, foco no cliente, qualidade e menor tempo de lançamento

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas APROVEITE AS TECNOLOGIAS DE HOJE PARA MAXIMIZAR A ADOÇÃO POR PARTE DOS USUÁRIOS Para os profissionais de venda, o tempo nunca havia

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Folha de dados Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Para mais informações, visite: http://www.google.com/enterprise/search/ Quais

Leia mais

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013 OBSERV ATÓRIO Outro dia, por mais uma vez, decidi que freqüentaria a uma academia. Como acabei de me mudar de casa, busquei no Google maps do meu celular por Academia e de imediato diversos pontinhos vermelhos

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Informe técnico: Archiving Symantec Enterprise Vault Armazena, gerencia e descobre informações essenciais da empresa

Informe técnico: Archiving Symantec Enterprise Vault Armazena, gerencia e descobre informações essenciais da empresa Armazena, gerencia e descobre informações essenciais da empresa Gerenciando milhões de caixas de correio de milhares de clientes em todo o mundo, o Enterprise Vault, líder do mercado em archiving de e-mail

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 Simplifique e otimize seu DB2 para tarefas de gerenciamento de carga de trabalho

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma Página 1 de 5 Mídia interativa - Comportamento - Criação - Web 2.0 Web 2.0: a nova internet é uma plataforma 07/12/2005 0:00 Por: Gilberto Alves Jr. Os empreendimentos na internet que deram certo pensam

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos FOLHA DE PRODUTOS: CA AppLogic Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos agility made possible O CA AppLogic é uma plataforma de computação na nuvem pronta para o uso que ajuda a

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03 UNIDADE 03 / AULA 06 UNIDADE 03 Apostila Estácio Sociedade da Informação de Demerval L. Polizelli e Adalton M. Ozaki, 1ª Edição/2007 1 O CONHECIMENTO DIGITALIZADO 2 O que é informação? É um conjunto de

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil Gerenciamento unificado milhares de ativos por toda a vida útil O Endpoint Manager da IBM, construído com tecnologia BigFix, oferece gerenciamento mais rápido e inteligente Destaques Gerencie milhares

Leia mais

acesse: vouclicar.com

acesse: vouclicar.com Transforme como sua empresa faz negócios, com o Office 365. Vouclicar.com A TI chegou para as pequenas e médias empresas A tecnologia é hoje o diferencial competitivo que torna a gestão mais eficiente,

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO SEGURANÇA MÓVEL. Você pode acelerar com segurança seus negócios móveis?

RESUMO DA SOLUÇÃO SEGURANÇA MÓVEL. Você pode acelerar com segurança seus negócios móveis? RESUMO DA SOLUÇÃO SEGURANÇA MÓVEL Você pode acelerar com segurança seus negócios móveis? A CA Technologies permite acelerar a inovação móvel para clientes e funcionários sem colocar em risco seus dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Solução completa de gerenciamento online de embalagens

Solução completa de gerenciamento online de embalagens Solução completa de gerenciamento online de embalagens WebCenter O WebCenter é uma poderosa plataforma baseada na web para gerenciamento de embalagens que administra seu processo de negócios e aprova ciclos

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou Módulo 6 Usando a Internet Internet 3.1 Como tudo começou A internet começou a se desenvolver no ano de 1969 onde era chamada de ARPANET, criada pelo departamento de defesa dos Estados Unidos com o propósito

Leia mais

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens)

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens) O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Introdução A expressão cloud computing começou a ganhar força em 2008, mas, conceitualmente, as ideias por trás da denominação existem há muito mais tempo.

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Série SV8000 UNIVERGE 360 UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Tudo a ver com mudança E estar preparado para ela Com UNIVERGE360 você estabelece a direção. O ambiente de trabalho está

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Autor: Ellie Fields, Diretora de marketing de produto da Tableau Software Junho de 2011 p2 Cinco práticas recomendadas de business

Leia mais

Os 10 principais benefícios do Microsoft Office Excel 2007. Autor: Leonardo Barroso Galvao

Os 10 principais benefícios do Microsoft Office Excel 2007. Autor: Leonardo Barroso Galvao Os 10 principais benefícios do Microsoft Office Excel 2007 Autor: Leonardo Barroso Galvao Os 10 principais benefícios do Microsoft Office Excel 2007 O Microsoft Office Excel 2007 é uma ferramenta poderosa

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS.

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA FOLHETO COM TANTOS EQUIPAMENTOS MÓVEIS... VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, QUER CRIAR UM APLICATIVO COMPATÍVEL COM TODOS ELES. COM RHOELEMENTS,

Leia mais

egenial soluções para vídeos online e streaming

egenial soluções para vídeos online e streaming egenial soluções para vídeos online e streaming Quem Somos Somos uma das empresas líderes no desenvolvimento de soluções em streaming e comunicação em tempo real, altamente competitivo e eficiente, nós

Leia mais

Afiliados. Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii. Every Business Every Country

Afiliados. Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii. Every Business Every Country Afiliados Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii Every Business Every Country Copyright SISS 2011 Oportunidade para Afiliados 18 de janeiro de 2011 Página 1 de 11 Índice Sumário...

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Software as a Service aka SaaS Qual é o impacto disto no mercado de software?

Software as a Service aka SaaS Qual é o impacto disto no mercado de software? Software as a Service aka SaaS Qual é o impacto disto no mercado de software? Por Roberto Carlos Mayer Roberto Carlos Mayer Diretor da MBI (desde 1990) Mestre em Ciência da Computação (IME USP) e exprofessor

Leia mais

O que procurar em um aplicativo de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (CRM) para pequenas empresas

O que procurar em um aplicativo de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (CRM) para pequenas empresas 1 O que procurar em um aplicativo de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (CRM) para pequenas empresas O Excel já não basta. Usar o seu sistema de e-mail para acompanhar os seus clientes é complicado

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Como posso permitir um acesso conveniente e seguro ao Microsoft SharePoint?

Como posso permitir um acesso conveniente e seguro ao Microsoft SharePoint? RESUMO DA SOLUÇÃO Solução de segurança do SharePoint da CA Technologies Como posso permitir um acesso conveniente e seguro ao Microsoft SharePoint? agility made possible A solução de segurança do SharePoint

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Prof.: Salustiano Rodrigues de Oliveira Email: saluorodrigues@gmail.com Site: www.profsalu.wordpress.com Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Leia mais

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson. Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.gomes Apresenta!!! 1. A Empresa A HCCONSYS com o intuito de ser

Leia mais

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado.

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado. UFF Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Engenharia de Software II Professora: Bianca Zadrozny 1º Trabalho Prático: Documento de Visão Alunos: Diego Soares, Felipe Maia e Leandro Feijó.

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

Sistema de Mídia Digital

Sistema de Mídia Digital Sistema de Mídia Digital Sistema completo para gestão de conteúdo informativo, entretenimento e publicidade para diversos ramos mercadológicos: Supermercados; Ônibus; Academias; Shoppings; Universidades;

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento da infraestrutura convergente da CA Technologies Como posso fornecer serviços inovadores ao cliente com uma infraestrutura cada vez mais complexa e convergente? E com gerenciamento

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009 Rafael Polo e Sabrina Arêas Contexto 60 s - Primeiros sistemas de informação corporativos. 70 s Desenvolvimento e comercialização

Leia mais

Consumerização de TI. Paula Nobre. Presented by. Copyright 2011 OSIsoft, LLC

Consumerização de TI. Paula Nobre. Presented by. Copyright 2011 OSIsoft, LLC Consumerização de TI Presented by Paula Nobre Copyright 2011 OSIsoft, LLC ANTES AGORA NO ESCRITÓRIO EM QUALQUER LUGAR DURANTE AS HORAS DE TRABALHO A QUALQUER HORA COMPUTADOR ATRIBUÍDO DISPOSITIVOS E MEU

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais