Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais."

Transcrição

1 Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 Aula 3 Propriedades de ites. Limites laterais. Objetivos Estudar propriedades elementares de ites, tais como: soma, produto, quociente e confronto. Compreender, a partir da discussão de eemplos concretos, a noção de ite lateral. Referências: Aulas e 2, e aula 34 de Pré-Cálculo. Iniciaremos esta aula estudando algumas propriedades básicas de ites que contribuirão para simplificar o cálculo dos mesmos, e a concluiremos introduzindo a noção de ite lateral. Dadas duas funções f, g : D R, podemos a elas associar uma nova função, f + g, definida por (f + g( f( + g( para todo D. Por eemplo, se f, g : R R são definidas por f( + 2 e g( 3, então (f + g( f( + g( para todo R. Proposição 3. Sejam f, g : D R e a R tal que todo intervalo aberto contendo a intercepte D {a}. Se então f( l e g( l 2, a a (f + g( l + l 2. a Demonstração: Seja ( n uma seqüência arbitrária de elementos de D tal que n a para todo n e n a. Como f( l, f( n l e, a como g( l 2, g( n l 2. Pela Proposição 2., obtemos: a (f + g( n (f( n + g( n f( n + g( n l + l 2. Portanto, pela definição de ite, a (f + g( l + l 2, como havíamos afirmado. Eemplo 3. Calculemos 2 ( 3 +. Para todo R, podemos escrever 3 + (f + g(, onde f( 3 e g(. Além disso, já sabemos que f( f( e g( g( CEDERJ

2 Propriedades de ites. Limites laterais. Portanto, pela Proposição 3., ( Dadas duas funções f, g : D R, podemos a elas associar uma nova função, fg, definida por (fg( f(g( para todo D. Por eemplo, se f, g : R R são definidas por f( 4 e g( sen, então (fg( 4 sen para todo R. Proposição 3.2 Sejam f, g : D R e a R tal que todo intervalo aberto contendo a intercepte D {a}. Se então f( l e g( l 2, a a (fg( l l 2. a Demonstração: Argumentaremos como na demonstração da Proposição 3.. De fato, seja ( n uma seqüência arbitrária de elementos de D tal que n a para todo n e n a. Como f( l, f( n l e, como a g( l 2, g( n l 2. Pela Proposição 2.2, obtemos: a (fg( n (f( n g( n ( f( n ( g( n l l 2. Portanto, pela definição de ite, a (fg( l l 2. Eemplo 3.2 Calculemos ( Para isto, consideremos o polinômio p( Já sabemos que Portanto, pela Proposição 3.2, p( p(0 3. ( (p( 2 ( p(( p( Você também poderia observar que ( é um polinômio, para daí concluir que ( CEDERJ 30

3 Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 Eemplo 3.3 Calculemos ( Como no eemplo anterior, você poderia notar que ( é um polinômio para obter o valor do ite. Ou então, lançar mão da Proposição 3.2 e do Eemplo 3.2. Senão vejamos: ( (p( 3 ((p( 2 p( ((p( 2 ( p( De modo geral, podemos afirmar que para todo inteiro k, (2 + 3 k 3 k. Suponhamos f( l e g( l 2, sendo f e g duas funções a a de D em R e a como na definição de ite. Aplicando as Proposições 3. e 3.2, é possível garantir que Este fato decorre da Proposição 3.2 e do príncipio de indução finita. cf( ( c ( f( cl a a a para todo c R (olhando c como a função constante e igual a c e (f( g( a (f( + ( g( a f( + ( g( l l 2. a a Temos ainda a seguinte Proposição 3.3 Sejam g : D R e a R tal que todo intervalo aberto contendo a intercepte D {a}, e suponhamos g( 0 para todo D. Se g( l 2 e l 2 0, a então ( (. a g l 2 Se g( l 2 0, é a possível verificar que g( 0 para D {a} próimo de a. Assim, faz sentido considerar a função definida para D {a} g próimo de a, e a conclusão da Proposição 3.3 permanece verdadeira. ( g No enunciado da Proposição 3.3, representa a função definida por g ( para todo D. g( Notemos que a condição de g nunca se anular em D não implica, em geral, que l 2 0. Por eemplo, a função g( 2, definida em R {0}, satisfaz g( > 0 para todo R {0}; entretanto, g( 0. A demonstração da Proposição 3.3 é análoga às das Proposições 3. e 3.2. Sugerimos que você a faça, lembrando que a Proposição 2.3 deverá ser utilizada. 3 CEDERJ

4 Propriedades de ites. Limites laterais. Dada uma função f : D R e sendo g como no enunciado da Proposição 3.3, representemos por f a função definida por ( f g g ( f( para g( todo D. Por eemplo, se f( sen e g( 4 +, então ( f g ( f( sen para todo R. g( 4 + Notando que f f e supondo f( l g g e g( l 2, com a a l 2 0, podemos aplicar as Proposições 3.2 e 3.3 para garantir que Eemplo 3.4 a Calculemos 3 ( ( f ( f. ( g a g ( f( ( ( ( a a g l l 2 l l 2. Para isto, consideremos os polinômios p( 3 7+ e q( 2 +, o segundo dos quais nunca se anula. Então ( p ( para todo R. 2 + q Como p( p( 3 3 ( 33 7( e segue que q( q( 3 3 ( , Eemplo 3.5 Calculemos 2 2. Para isto, escrevamos ( f 2 g (, onde f( e g( 2. Para todo R {, }, 2 ( ( + 0, isto é, g( 0. Além disso, 2 f( f(2 2 e 2 g( g( CEDERJ 32

5 Portanto, Propriedades de ites. Limites laterais A próima proposição, conhecida como propriedade do confronto, é muito útil para o cálculo de certos ites. Proposição 3.4 Sejam f, g, h : D R tais que f( g( h( para todo D e seja a R tal que todo intervalo aberto contendo a intercepte D {a}. Se MÓDULO - AULA 3 Na Proposição 3.4 basta supor f( g( h( para D próimo de a. então f( h( l, a a g( l. a Este resultado é bastante natural e intuitivo, e decorre do fato de que se (u n, (v n e (w n são três seqüências tais que u n v n w n para todo n e u n w n u, então v n u. Eemplo 3.6 ( Vejamos que cos 0. De fato, como cos para todo R, segue que cos ( cos ( para todo R {0}. Isto significa que ( cos para todo R {0}. Como ( 0, a Proposição 3.4 fornece ( cos 0. Consideremos agora o seguinte Eemplo 3.7 Seja f a função definida em R {0} por f( se < 0 e f( 2 + se > 0, cujo gráfico é esboçado na Figura CEDERJ

6 Propriedades de ites. Limites laterais n y n 0 n y n Figura 3. Você já deve ter percebido que f( não eiste, o que pode ser justificado da seguinte forma: as seqüências ( n e ( n convergem para zero, a seqüência ( f ( n ( n converge para zero e a seqüência ( f ( n ( n 2 + converge para. Por outro lado, se tomarmos qualquer seqüência ( n de números negativos tal que n 0, teremos f( n n 0; e, se tomarmos qualquer seqüência (y n de números positivos tal que y n 0, teremos f(y n (y 2 n +. Isto significa que, se se aproimar de zero apenas por valores menores do que zero, f( se aproimará de 0; e, se se aproimar de zero apenas por valores maiores do que zero, f( se aproimará de. Vamos a mais um eemplo, no qual ocorre um fenômeno parecido. Eemplo 3.8 Seja f( para todo R {0}. Para todo < 0, f( ; e, para todo > 0, f(. Assim, o gráfico de f é, na verdade, muito simples (ver a Figura 3.2. CEDERJ 34

7 Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 n 0 yn Figura 3.2 Como no Eemplo 3.7, f( não eiste (justifique esta afirmação detalhadamente. Por outro lado, dada uma seqüência ( n qualquer tal que n < 0 para todo n e n 0, tem-se f( n para todo n; logo, f( n. E, dada uma seqüência (y n qualquer tal que y n > 0 para todo n e y n 0, tem-se f(y n para todo n; logo, f(y n. Vimos, nos Eemplos 3.7 e 3.8, que apesar de f( não eistir, ocorre um fenômeno simpático se nos restringirmos eclusivamente a valores de menores do que zero ou a valores de maiores do que zero. Isto caracteriza o fato dos ites laterais à esquerda e à direita eistirem, para ambas as funções, quando tende a zero. No caso da função f do Eemplo 3.7, o ite lateral à esquerda em questão (denotado por f( é zero e o ite lateral à direita em questão (denotado por f( é. No + caso da função f do Eemplo 3.8, tem-se f( e No caso geral, usaremos as notações a f( e f(. + a + f( para representar, respectivamente, os ites laterais à esquerda e à direita de f em a. a Cabe mencionar que f( eiste se, e somente se, os ites laterais a f( e f( eistem e são iguais. a + Este fato poderia ser usado para garantir que, se f é a função do Eemplo 2.3, então f( 0. Com efeito, dada qualquer seqüência f( l lê-se: ite a de f( quando tende a a pela esquerda é igual a l. f( l lê-se: ite a + de f( quando tendo a a pela direita é igual a l. Para que f( faça a sentido, é preciso assegurar que eistam elementos do domínio de f, menores do que a, tão próimos de a quanto desejarmos, valendo observação análoga para f(. a + 35 CEDERJ

8 Propriedades de ites. Limites laterais. ( n tal que n < 0 para todo n e n (pois f( n 0 para todo n; logo uma seqüência (y n qualquer tal que y n 0, tem-se f( n 0 f( 0. Por outro lado, dada > 0 para todo n e y n 0, tem-se f(y n y n 0; logo, f( 0. Conseqüentemente, + f( 0. Finalmente, observemos que as propriedades sobre ites, vistas nesta aula, permanecem verdadeiras tanto para o ite lateral à esquerda quanto para o ite lateral à direita. Resumo Nesta aula você estudou certas propriedades elementares de ites, bem como a noção de ite lateral. Eercícios. Calcule os seguintes ites: (a (b ; ( ; (c ; (d. 2. Sejam k um inteiro positivo e a um número real. (a Mostre que a ( k a k 0. k a k (b Mostre que a a kak. (c Escrevendo k a k k a k partir de (b. a 3. Use a definição de ite para mostrar que cos ( a para a, obtenha (a a ( (a Use a definição de ite para mostrar que ( 2 sen 0 e 2 sen 0. CEDERJ 36

9 Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 (b Use a propriedade do confronto para mostrar que ( 2 sen 0 e 2 sen Defina f : R {0} R por f( 2 + se < 0 e f( se > 0. (a Esboce o gráfico de f. (b Calcule f( e f(. + (c Decida se f( eiste. 6. Defina g : R R por g( 2 + se < 0, g(0 0 e g( + se > 0. (a Esboce o gráfico de g. (b Calcule g( e g(. + (c Decida se g( eiste. Em caso afirmativo, g( g(0? 7. Sejam f e g as funções dos Eercícios 5 e 6. (a Forneça (f+g(, +(f+g(, (fg( e +(fg(. (b Decida se (f + g( e (fg( eistem. 8. Defina f : R {0} R por f( 2 ++2c se > 0 e f( c se < 0, onde c é um número real. Determine o valor de c para que f( eista. 9. (a Sejam f, g : D R e a R tal que todo intervalo aberto contendo a intercepte D {a}. Se a f( 0 e eiste M > 0 tal que g( M para todo D (ou apenas para D próimo de a, mostre que a (fg( 0. (b Obtenha o Eemplo 3.6 e o Eercício 4 a partir de (a. Auto-avaliação As propriedades discutidas nesta aula serão usadas freqüentemente durante o curso. Por esta razão, é importante que você tenha feito corretamente os eercícios propostos, pois eles visam a assimilação das referidas propriedades. Caso haja alguma dúvida nos eercícios, releia a aula com atenção e depois volte a eles. Caso ainda persista alguma dúvida, consulte os tutores. 37 CEDERJ

10

11 Um ite fundamental. MÓDULO - AULA 4 Aula 4 Um ite fundamental. Objetivos fato. sen Compreender porque, e ver algumas conseqüências deste Referências: Aula 3, e aula 34 de Pré-Cálculo. eemplos: Antes de justificar a validade do fato mencionado acima, vejamos alguns Eemplo 4. sen 0 ( sen0. De fato, consideremos a função f( sen, cujo gráfico esboçamos na Figura 4.. π 2 3π 2 2π 2π 3π 2 π 0 π 2 π Figura 4. Para qualquer seqüência ( n tal que n < 0 para todo n e n 0, temos f( n sen n 0; logo, sen 0. Por outro lado, para qualquer seqüência (y n tal que y n > 0 para todo n e y n 0, temos f(y n sen y n 0; logo, sen 0. Portanto, sen 0. + Eemplo 4.2 cos ( cos 0. De fato, consideremos a função f( cos, cujo gráfico esboçamos na Figura CEDERJ

12 Um ite fundamental. 2π 3π 2 π π 2 0 π 2 π 3π 2 2π Figura 4.2 Para qualquer seqüência ( n tal que n < 0 para todo n e n 0, temos f( n cos n ; logo, cos. Por outro lado, para qualquer seqüência (y n tal que y n > 0 para todo n e f(y n Eemplo 4.3 y n 0, temos cos y n 0; logo cos. Portanto, cos. + O domínio da função tangente é o conjunto dos R tais que cos 0. tg 0. De fato, como tg sen, e como cos do que vimos na aula 3 que sen 0 e cos, segue Teorema 4. sen. tg 0 0. Demonstração: Provemos, inicialmente, que sen +. De fato, consideremos o < < π, e comparemos as áreas dos triângulos 2 OAB e ODC e do setor circular ODB (ver a Figura 4.3. C B 0 A D CEDERJ 40 Figura 4.3

13 Um ite fundamental. MÓDULO - AULA 4 é 2 sen cos Como a área do triângulo OAB é, a área do setor circular ODB 2 tg e a área do triângulo ODC é sen, obtemos 2 2 cos sen cos 2 < 2 < sen 2 cos. Como sen > 0 para 0 < < π, segue que 2 cos < Mas, pela Proposição 3.3, temos sen < cos. + cos cos +. Podemos então aplicar a propriedade do confronto, vista na aula 3, para concluir que Portanto, sen + + sen + sen. + sen. Mostremos agora que sen. De fato, como sen( sen para todo R (a função seno é ímpar, podemos escrever para < 0, sen sen sen(, onde > 0. Logo, sen Em resumo, temos sen( sen + sen y 0 + sen y y.. Conseqüentemente, como queríamos demonstrar. sen, 4 CEDERJ

14 Um ite fundamental. Você deve ter notado que, para provar o Teorema 4., não poderíamos passar ao ite no numerador (sen e no denominador ( separadamente, pois neste caso temos sen 0 (Eemplo 4. e 0. Vamos dedicar o resto da aula a discutir alguns eemplos nos quais se faz uso do Teorema 4.. Eemplo 4.4 tg. De fato, como cos 0 para todo ( π 2, π 2, podemos escrever tg sen cos para todo ( π 2, π 2, 0. É possível então aplicar a Proposição 3.2 para concluir que tg ( ( sen. cos Eemplo 4.5 cos 0. De fato, observemos inicialmente que + cos 0 para todo ( π, ( π 2 2. Então, para todo π, π 2 2, 0, tem-se: cos ( cos ( + cos ( + cos cos2 ( + cos sen 2 ( + cos Como a Proposição 3.3 garante que sen sen + cos. ( + cos + cos + 2, + cos 2. CEDERJ 42

15 Um ite fundamental. MÓDULO - AULA 4 Portanto, pela Proposição 3.2, cos ( sen ( ( sen + cos Eemplo 4.6 cos 2 2. Realmente, como +cos 0 para todo ( π 2, π 2, podemos escrever cos 2 sen2 ( sen cos + cos para todo ( π 2, π 2, 0. Portanto, pela Proposição 3.2, ( 2 cos sen 2 + cos ( ( ( sen sen cos Eemplo 4.7 sen( 2 0. De fato, como sen(2 sen (2 para todo 0 e como 2 0, 2 temos sen ( 2 ( ( sen ( Eemplo 4.8 π sen π. Com efeito, tendo em vista a igualdade sen(z + w sen z cos w + sen w cos z, válida para quaisquer z, w R, segue que sen(π sen(π + ( sen π cos( + cos πsen( sen( ( sen sen para todo R. 43 CEDERJ

16 Um ite fundamental. Conseqüentemente, π sen π π sen(π. π Finalmente, como π (π 0, resulta do Teorema 4. que sen(π π π. Portanto, π sen π. Resumo Nesta aula você estudou um ite muito importante e viu algumas conseqüências do mesmo. Eercícios. Calcule os seguintes ites: 2 (a sen. sen ( 2 a 2 (b, a R. a a 3 2 (c tg sen. Sugestão: Escreva 3 2 ( 2 tg sen 3 cos. sen tg(2 (d sen(3. Sugestão: Escreva sen cos (e + sen. cos Sugestão: Escreva tg(2 sen(3 2 3 sen cos + sen cos sen(2 2 3 sen(3 sen cos + sen cos cos(2.. CEDERJ 44

17 Um ite fundamental. MÓDULO - AULA 4 sen(a (f, a, b R {0}. sen(b sen 2 (a 2 (g, a R {0}. 4 Sugestão: Escreva sen 2 (a 2 4 a 2 ( sen(a 2 a 2 2. (h cos(a 2, a R {0} (use o Eemplo 4.6. (i π sen(tg tg (note que π tg 0. sec (j. 2 tg 2 (a (k, a, b R {0}. cos(b Sugestão: Escreva Como sec cos, a função secante está definida no conjunto dos R tais que cos 0. e use (f. tg 2 (a ( sen(a 2 cos(b + cos(b sen(b cos 2 (a sec(a sec(b (l, a, b R {0}. 2 Sugestão: Escreva sec(a sec(b 2 e use (h. 2. Calcule os seguintes ites: sen sen(3 sen(5 (a tg(2 tg(4 tg(6. Sugestão: Escreva ( cos(a cos(b (cos(a(cos(b 2 2 sen sen(3 sen(5 tg(2 tg(4 tg(6 ( sen ( sen(3 ( sen(5 sen(2 cos(2 sen(4 cos(4 sen(6 cos(6 e use o Eercício (f. + sen (b 2 sen. 45 CEDERJ

18 Um ite fundamental. 3. Mostre que tg 3 ( sen( sen 2 ( 2 4. Sugestão: Escreva tg 3 ( sen( sen 2 ( 2 ( 2 ( sen( 2 2. cos 3 ( ( + 2 sen( 2 4. Lembrando que cos( π cos, mostre que π + cos ( π Mostre que cos 3 2 sen cos Mostre que sen( 2 + sen( 0. Sugestão: Escreva sen( 2 + sen( Auto-avaliação sen(2 cos( + cos(2 sen( sen( ( ( sen( 2 cos + 2 ( ( sen cos( 2 Esta aula gira em torno de um resultado importante: 2. sen. Nos eercícios propostos, além de aplicar este resultado, você deve demonstrar domínio das propriedades de ites bem como das propriedades básicas das funções seno e cosseno. Vários dos eercícios são acompanhados de sugestões que facilitam a sua resolução. Caso você tenha alguma dificuldade, releia a aula 3. CEDERJ 46

Aula 5 Limites infinitos. Assíntotas verticais.

Aula 5 Limites infinitos. Assíntotas verticais. MÓDULO - AULA 5 Aula 5 Limites infinitos. Assíntotas verticais. Objetivo lim Compreender o significado dos limites infinitos lim f(x) = ±, f(x) = ± e lim f(x) = ± + Referências: Aulas 34 e 40, de Pré-Cálculo,

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital.

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o : Limites Innitos e no Innito. Assíntotas. Regra de L'Hospital Objetivos da Aula Denir ite no innito e ites innitos; Apresentar alguns tipos

Leia mais

13 Fórmula de Taylor

13 Fórmula de Taylor 13 Quando estudamos a diferencial vimos que poderíamos calcular o valor aproimado de uma função usando a sua reta tangente. Isto pode ser feito encontrandose a equação da reta tangente a uma função y =

Leia mais

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL BÁRBARA DENICOL DO AMARAL RODRIGUEZ CINTHYA MARIA SCHNEIDER MENEGHETTI CRISTIANA ANDRADE POFFAL CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL a Edição Rio Grande Editora da FURG 206 Universidade Federal

Leia mais

4 Cálculo Diferencial

4 Cálculo Diferencial 4 Cálculo Diferencial 1. (Eercício IV.1 de [1]) Calcule as derivadas das funções: a) tg, b) +cos 1 sen, c) e arctg, d) e log2, e) sen cos tg, f) 2 (1 + log ), g) cos(arcsen ) h) (log ), i) sen 2. 2. Derive:

Leia mais

Volume de um gás em um pistão

Volume de um gás em um pistão Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo Volume de um gás em um pistão Suponha que um gás é mantido a uma temperatura constante em um pistão. À medida que o pistão é comprimido, o volume

Leia mais

LIMITE. Para uma melhor compreensão de limite, vamos considerar a função f dada por =

LIMITE. Para uma melhor compreensão de limite, vamos considerar a função f dada por = LIMITE Aparentemente, a idéia de se aproimar o máimo possível de um ponto ou valor, sem nunca alcançá-lo, é algo estranho. Mas, conceitos do tipo ite são usados com bastante freqüência. A produtividade

Leia mais

8. AS FÓRMULAS DA ADIÇÃO DE DOIS ARCOS.

8. AS FÓRMULAS DA ADIÇÃO DE DOIS ARCOS. 8. AS FÓRMULAS DA ADIÇÃO DE DOIS ARCOS. Vamos considerar fórmulas que calculam as funções trigonométricas da soma e diferença de dois arcos quando são dadas as funções trigonométricas desses arcos. Usaremos

Leia mais

O limite trigonométrico fundamental

O limite trigonométrico fundamental O ite trigonométrico fundamental Meta da aula Continuar a apresentação de ites de funções. Objetivo Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Calcular ites usando o ite trigonométrico fundamental.

Leia mais

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5 Capítulo III Limite de Funções. Noção de Limite Dada uma unção, o que é que signiica ( 5? A ideia intuitiva do que queremos dizer com isto é: quando toma valores cada vez mais próimos de, a respectiva

Leia mais

MAT Cálculo Diferencial e Integral I Bacharelado em Matemática

MAT Cálculo Diferencial e Integral I Bacharelado em Matemática MAT- - Cálculo Diferencial e Integral I Bacharelado em Matemática - 200 a Lista de eercícios I. Limite de funções. Calcule os seguintes ites, caso eistam: 2 3 + 9 2 + 2 + 4 2 + 6 5 ) 2 3 2 2 2) + 4 + 8

Leia mais

Se tanto o numerador como o denominador tendem para valores finitos quando x a, digamos α e β, e β 0, então pela álgebra dos limites sabemos que.

Se tanto o numerador como o denominador tendem para valores finitos quando x a, digamos α e β, e β 0, então pela álgebra dos limites sabemos que. FORMAS INDETERMINADAS E A REGRA DE L HÔPITAL RICARDO MAMEDE Consideremos o ite. Se tanto o numerador como o denominador tendem para valores initos quando a, digamos α e β, e β, então pela álgebra dos ites

Leia mais

Limite e continuidade

Limite e continuidade Limite e continuidade Noção intuitiva de ite Considere a função f qualquer que seja o número real o Eemplo Se f ( ) Esta função está definida para todo R, isto é, f está bem definido, o valor ( ) o então

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 2: Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Limite Eercícios de Limite. Eercícios de Fiação Cálculo I (05/) IM UFRJ Lista : Limites e Continuidade Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão 30.03.05 Fi.: Considere o gráco de = f() esboçada no gráco

Leia mais

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim Lista de Férias Bases Matemáticas/FUV Encontre uma epressão para a função inversa: + 3 a) 5 2 + e b) e c) 2 + 5 d) ln( + 3) 6 Prove a partir da definição de ite que: a) 3 ( + 6) = 9 b) = c) 2 = 4 2 d)

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim .. Limites e Continuidade... Limites em IN Comecemos por relembrar as propriedades dos ites das sucessões: Propriedades dos Limites das Sucessões: Sejam n a n = L e n b n = K e c IR então: n [a n ± b n

Leia mais

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5

Capítulo III. Limite de Funções. 3.1 Noção de Limite. Dada uma função f, o que é que significa lim f ( x) = 5 Capítulo III Limite de Funções. Noção de Limite Dada uma unção, o que é que signiica ( 5? A ideia intuitiva do que queremos dizer com isto é: quando toma valores cada vez mais próimos de, a respectiva

Leia mais

Capítulo Diferenciabilidade de uma função

Capítulo Diferenciabilidade de uma função Cálculo - Capítulo.6 - Diferenciabilidade de uma função 1 Capítulo.6 - Diferenciabilidade de uma função.6.1 - Introdução.6.4 - Diferenciabilidade e continuidade.6. - Diferenciabilidade.6.5 - Generalização

Leia mais

CAPITULO I PRIMITIVAS. 1. Generalidades. Primitivação imediata e quase imediata

CAPITULO I PRIMITIVAS. 1. Generalidades. Primitivação imediata e quase imediata CAPITULO I PRIMITIVAS. Generalidades. Primitivação imediata e quase imediata Sendo f () uma função real de variável real definida no intervalo não degenerado I, chama-se primitiva de f () em I a qualquer

Leia mais

Limites envolvendo infinito primeira parte

Limites envolvendo infinito primeira parte Limites envolvendo infinito primeira parte Ao infinito... e além! Buzz Lightyear, Toy Story Meta da aula Estender o conceito de ites de funções aos casos que envolvem o símbolo. Objetivos Ao final desta

Leia mais

MAT146 - Cálculo I - Derivada de funções polinomiais, regras de derivação e derivada de funções trigonométricas

MAT146 - Cálculo I - Derivada de funções polinomiais, regras de derivação e derivada de funções trigonométricas MAT146 - Cálculo I - Derivada de funções polinomiais, regras de derivação e derivada de funções trigonométricas Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira Vimos que uma função

Leia mais

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto -

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - MÓDULO 2 - AULA 10 Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - Aplicações II Objetivos Estudar as posições relativas entre retas no espaço. Obter as expressões para calcular distância entre retas. Continuando

Leia mais

TÉCNICAS DE DIFERENCIAÇÃO13

TÉCNICAS DE DIFERENCIAÇÃO13 TÉCNICAS DE DIFERENCIAÇÃO3 Gil da Costa Marques 3. Introdução 3. Derivada da soma ou da diferença de funções 3.3 Derivada do produto de funções 3.4 Derivada de uma função composta: a Regra da Cadeia 3.5

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Derivada de Funções Elementares

CÁLCULO I. 1 Derivada de Funções Elementares CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. Edilson Neri Prof. André Almeida Aula n o : Derivada das Funções Elementares. Regras de Derivação. Objetivos da Aula Apresentar a derivada das funções elementares; Apresentar

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Capítulo Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais

Capítulo Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais Cálculo 2 - Capítulo 27 - Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais Capítulo 27 - Diferenciabilidade e continuidade das derivadas parciais 27 - Teorema do Valor Médio 272 - Diferenciabilidade

Leia mais

6. EXTENSÕES DAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS

6. EXTENSÕES DAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 6. EXTENSÕES DAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS Vamos agora estender a noção de seno, cosseno e tangente, já conhecidas no triângulo retângulo, e portanto, para ângulos agudos, para ângulos e arcos quaisquer.

Leia mais

Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real

Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real Limites e Continuidade de Funções Reais de Uma Variável Real Carla Montorfano João César Guirado João Roberto Gerônimo Jorge Ferreira Lacerda Rui Marcos de Oliveira Barros Valdeni Soliani Franco Apresentação

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Velocidade Instantânea. Objetivos da Aula. Aula n o 05: Limite e Continuidade

CÁLCULO I. 1 Velocidade Instantânea. Objetivos da Aula. Aula n o 05: Limite e Continuidade CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. André Almeida Prof. Edilson Neri Júnior Aula n o 05: Limite e Continuidade Objetivos da Aula Denir ite de funções; Calcular o ite de uma função; Utilizar as propriedades

Leia mais

Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral

Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral Notas de Aula de Cálculo Diferencial e Integral Volume I Fábio Henrique de Carvalho Copright c 03 Publicado por Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco Univasf) www.univasf.edu.br Todos

Leia mais

Capítulo 3 Limite de uma função

Capítulo 3 Limite de uma função Departamento de Matemática - ICE - UFJF Disciplina MAT54 - Cálculo Capítulo 3 Limite de uma função Podemos afirmar que o conceito de ite é uma das ideias fundamentais do Cálculo Diferencial. Seu processo

Leia mais

Exercícios sobre Polinômios

Exercícios sobre Polinômios uff Universidade Federal Fluminense Campus do Valonguinho Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada - GMA Eercícios sobre Polinômios Prof Saponga Rua Mário Santos Braga

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Resolução do Eame / Testes de Recuperação I.. (, val.)determine os ites das seguintes sucessões convergentes (i) u n n + n n e n + n, (ii) v n n + π n Resolução: i) A sucessão

Leia mais

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo Cálculo I IM UFRJ Lista : Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão 7.03.05 Para o Aluno O sucesso (ou insucesso) no Cálculo depende do conhecimento de tópicos do ensino médio que chamaremos de pré-cálculo.

Leia mais

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas. Aula 05 GRUPOS QUOCIENTES METAS Estabelecer o conceito de grupo quociente. OBJETIVOS Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II. Ficha de trabalho nº 3.

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II. Ficha de trabalho nº 3. Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II Ficha de trabalho nº 3 1. Resolver, da página 80 do seu manual, 1.1. as alíneas a), c) e e) dos

Leia mais

Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1

Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1 Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume. Eercícios. Eplique com suas palavras o significado da equação É possível que a equação anterior seja verdadeira, mas que f? Eplique.. Eplique o que significa

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

Obter as equações paramétricas das cônicas.

Obter as equações paramétricas das cônicas. MÓDULO 1 - AULA 1 Aula 1 Equações paramétricas das cônicas Objetivo Obter as equações paramétricas das cônicas. Estudando as retas no plano, você viu que a reta s, determinada pelos pontos P = (x 1, y

Leia mais

FEUP - MIEEC - Análise Matemática 1

FEUP - MIEEC - Análise Matemática 1 FEUP - MIEEC - Análise Matemática Resolução da a Chamada - de Janeiro de 9 Respostas a perguntas diferentes em folhas diferentes Justifique cuidadosamente todas as respostas. Não é permitida a utilização

Leia mais

de Potências e Produtos de Funções Trigonométricas

de Potências e Produtos de Funções Trigonométricas MÓDULO - AULA 1 Aula 1 Técnicas de Integração Integração de Potências e Produtos de Funções Trigonométricas Objetivo Aprender a integrar potências e produtos de funções trigonométricas. Na aula anterior,

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais

Limite e Continuidade

Limite e Continuidade Matemática Licenciatura - Semestre 200. Curso: Cálculo Diferencial e Integral I Professor: Robson Sousa Limite e Continuidade Neste caítulo aresentaremos as idéias básicas sobre ites e continuidade de

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADAS PARCIAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADAS PARCIAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques 7 DERIVADAS PARCIAIS TÓPICO Gil da Costa Marques Fundamentos da Matemática II 7.1 Introdução 7. Taas de Variação: Funções de uma Variável 7.3 Taas de variação: Funções de duas Variáveis 7.4 Taas de Variação:

Leia mais

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a Sequencias e Series Autor: Dr. Cristian Novoa MAF- PUC- Go cristiancalculoii@gmail.com Este texto tem como objetivo principal, introduzir alguns conceitos de Sequencias e Series,para os cursos de Engenharia,

Leia mais

INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A Atualizada em A LISTA DE EXERCÍCIOS

INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A Atualizada em A LISTA DE EXERCÍCIOS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A Atualizada em 007. A LISTA DE EXERCÍCIOS 0. Esboce o gráfico de f, determine f ( ), f ( ) e, caso eista, f ( ) : a a+ a, >, e a) f (

Leia mais

x lim, sendo: 03. Considere as funções do exercício 01. Verifique se f é contínua em x = a. Justifique.

x lim, sendo: 03. Considere as funções do exercício 01. Verifique se f é contínua em x = a. Justifique. INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CÁLCULO A 008. A LISTA DE EXERCÍCIOS 0. Esboce o gráfico de f, determine f ( ), f ( ) e, caso eista, f ( ) : a a a, >, e a) f ( ) =, = (a = )

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBIOM, MEFT 1 o SEM. 2014/15 1 a FICHA DE EXERCÍCIOS 1 [

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBIOM, MEFT 1 o SEM. 2014/15 1 a FICHA DE EXERCÍCIOS 1 [ Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBIOM, MEFT o SEM. 04/5 a FICHA DE EXERCÍCIOS 0. Desigualdades e Módulos. Mostre que:.. R : + < =, 7, +.. R

Leia mais

5.1 Noção de derivada. Interpretação geométrica de derivada.

5.1 Noção de derivada. Interpretação geométrica de derivada. Capítulo V Derivação 5 Noção de derivada Interpretação geométrica de derivada Seja uma unção real de variável real Deinição: Chama-se taa de variação média de uma unção entre os pontos a e b ao quociente:

Leia mais

Resolvendo Integrais pelo Método de

Resolvendo Integrais pelo Método de Capítulo Resolvendo Integrais pelo Método de Substituição. Métodos da substituição em integrais indefinidas O teorema fundamental do cálculo permite que se resolva rapidamente a integral b a f(x) dx, desde

Leia mais

Cálculo diferencial em IR n

Cálculo diferencial em IR n Cálculo diferencial em IR n (Limites e Continuidade) Sandra Nunes e Ana Matos DMAT 3 Maio 2001 Conteúdo 1 Limites e Continuidade em Campos Escalares 2 1.1 NoçãodeLimite... 2 1.2 LimitesRelativos... 4 1.3

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência.

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Trigonometria II Prof.: Rogério

Leia mais

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro MAT 1511 - Laboratório de Matemática I - Diurno - 2005 Profa. Martha Salerno Monteiro Representações decimais de números reais Um número real pode ser representado de várias maneiras, sendo a representação

Leia mais

CÁLCULO I - MAT Estude a função dada com relação à concavidade e pontos de inflexão. Faça o esboço do gráfico de cada uma das funções.

CÁLCULO I - MAT Estude a função dada com relação à concavidade e pontos de inflexão. Faça o esboço do gráfico de cada uma das funções. UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza Centro Interdisciplinar de Ciências da Natureza CÁLCULO I - MAT0009 9 a Lista de eercícios.

Leia mais

Conjunto dos Números Complexos

Conjunto dos Números Complexos Conjunto dos Unidade Imaginária Seja a equação: x + 0 Como sabemos, no domínio dos números reais, esta equação não possui solução, criou-se então um número cujo quadrado é. Esse número, representado pela

Leia mais

Capítulo Aplicações do produto interno

Capítulo Aplicações do produto interno Cálculo - Capítulo 1.4 - Aplicações do produto interno - versão 0/009 1 Capítulo 1.4 - Aplicações do produto interno 1.4.1 - Ortogonalidade entre vetores 1.3.3 - Ângulo entre vetores 1.4. - Projeção ortogonal

Leia mais

= 2 sen(x) (cos(x) (b) (7 pontos) Pelo item anterior, temos as k desigualdades. sen 2 (2x) sen(4x) ( 3/2) 3

= 2 sen(x) (cos(x) (b) (7 pontos) Pelo item anterior, temos as k desigualdades. sen 2 (2x) sen(4x) ( 3/2) 3 Problema (a) (3 pontos) Sendo f(x) = sen 2 (x) sen(2x), uma função π-periódica, temos que f (x) = 2 sen(x) cos(x) sen(2x) + sen 2 (x) 2 cos(2x) = 2 sen(x) (cos(x) sen(2x) + sen(x) cos(2x) ) = 2 sen(x)

Leia mais

Derivadas 1 DEFINIÇÃO. A derivada é a inclinação da reta tangente a um ponto de uma determinada curva, essa reta é obtida a partir de um limite.

Derivadas 1 DEFINIÇÃO. A derivada é a inclinação da reta tangente a um ponto de uma determinada curva, essa reta é obtida a partir de um limite. Derivadas 1 DEFINIÇÃO A partir das noções de limite, é possível chegarmos a uma definição importantíssima para o Cálculo, esta é a derivada. Por definição: A derivada é a inclinação da reta tangente a

Leia mais

Capítulo 2. Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt. Curso: Licenciatura em Matemática

Capítulo 2. Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt. Curso: Licenciatura em Matemática Capítulo 2 Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt Curso: Licenciatura em Matemática Professor-autor: Danilo Felizardo Barboza Wilberclay Gonçalves de Melo Disciplina: Álgebra Linear II Unidade II Aula

Leia mais

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matem[atica I LIMITES. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques LIMITES Gil da Costa Marques. O cálculo. Definição de limite. Funções contínuas e descontínuas.4 Limites quando a variável independente cresce indefinidamente em valor absoluto.5 Limites infinitos.6 Limites

Leia mais

Teoremas e Propriedades Operatórias

Teoremas e Propriedades Operatórias Capítulo 10 Teoremas e Propriedades Operatórias Como vimos no capítulo anterior, mesmo que nossa habilidade no cálculo de ites seja bastante boa, utilizar diretamente a definição para calcular derivadas

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I NOTAS DE AULAS Prof. Dr. Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática UNESP/Bauru REGRA DE LHÔPITAL Teorema: Suponhamos que f (a) g(a) e que f (a) e g (a) eistam com g(a). Então: lim a f() g() f(a) g(a). in det er min ação. Forma mais avançada do Teorema de L Hospital: Suponhamos que

Leia mais

Cálculo de primitivas ou de antiderivadas

Cálculo de primitivas ou de antiderivadas Aula 0 Cálculo de primitivas ou de antiderivadas Objetivos Calcular primitivas de funções usando regras elementares de primitivação. Calcular primitivas de funções pelo método da substituição. Calcular

Leia mais

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais.

12 AULA. ciáveis LIVRO. META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. 1 LIVRO Diferen- Funções ciáveis META Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. OBJETIVOS Estender os conceitos de diferenciabilidade de funções de uma variável a valores reais. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1

Material de Apoio. Roteiro para Esboçar uma Curva 1 Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Matemática Disciplina: Cálculo M I Prof a Yane Lísle Material de Apoio Roteiro para Esboçar uma Curva A lista a seguir pretende servir como um guia

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

1. As funções tangente e secante As expressões para as funções tangente e secante são

1. As funções tangente e secante As expressões para as funções tangente e secante são CÁLCULO L1 NOTAS DA SETA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula definiremos as demais funções trigonométricas, que são obtidas a partir das funções seno e cosseno, e determinaremos

Leia mais

Lista de Exercícios de Calculo I Limites e Continuidade

Lista de Exercícios de Calculo I Limites e Continuidade Lista de Eercícios de Calculo I Limites e Continuidade ) O gráfico a seguir representa uma função f de [ 6, 9] em Determine: ) Dada a função f definida por:, se f ( ), se, se Esboce o gráfico de f e calcule

Leia mais

de Potências e Produtos de Funções Trigonométricas

de Potências e Produtos de Funções Trigonométricas MÓDULO - AULA 0 Aula 0 Técnicas de Integração Integração de Potências e Produtos de Funções Trigonométricas Objetivo Aprender a integrar potências e produtos de funções trigonométricas. Introdução Apesar

Leia mais

Limites e Continuidade. Departamento de Matemática

Limites e Continuidade. Departamento de Matemática Limites e Continuidade Mariana Dias Júlia Justino Departamento de Matemática Conteúdo Limites. Noção Intuitiva.... Definição... 3.3 PropriedadesdosLimitesFinitos... 5. Limites Laterais... 7.5 Limites Infinitos...

Leia mais

Questão 4 (2,0 pontos). Defina função convexa (0,5 pontos). Seja f : I R uma função convexa no intervalo aberto I. Dado c I (qualquer)

Questão 4 (2,0 pontos). Defina função convexa (0,5 pontos). Seja f : I R uma função convexa no intervalo aberto I. Dado c I (qualquer) DM IMECC UNICAMP, Análise I, Prof. Marcelo M. Santos Exame Final, 15/07/2009 Aluno: RA: Ass.: Observações: Tempo de prova: 100min; Justifique sucintamente todas as suas afirmações; Disponha as suas resoluções

Leia mais

Fórmulas de Taylor - Notas Complementares ao Curso de Cálculo I

Fórmulas de Taylor - Notas Complementares ao Curso de Cálculo I Fórmulas de Taylor - Notas Complementares ao Curso de Cálculo I Gláucio Terra Sumário 1 Introdução 1 2 Notações 1 3 Notas Preliminares sobre Funções Polinomiais R R 2 4 Definição do Polinômio de Taylor

Leia mais

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o Integral de Linha As integrais de linha podem ser encontradas em inúmeras aplicações nas iências Eatas, como por eemplo, no cálculo do trabalho realizado por uma força variável sobre uma partícula, movendo-a

Leia mais

1 Definição de Derivada

1 Definição de Derivada Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014 Lista 5 Derivada 1 Definição de Derivada Eercício 1. O que é f (a)? Eplique com suas palavras o

Leia mais

Desigualdades - Parte I. n a 1 a 2...a n,

Desigualdades - Parte I. n a 1 a 2...a n, Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível Prof. Marcelo Mendes Aula 8 Desigualdades - Parte I Fatos Elementares i) Nenhum quadrado de número real é negativo. ii) Desigualdade de Cauchy (Médias

Leia mais

O limite de uma função

O limite de uma função Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 O ite de uma função Se s(t) denota a posição de um carro no instante t > 0, então a velocidade instantânea v(t) pode ser obtida calculando-se

Leia mais

por José Adonai Pereira Seixas

por José Adonai Pereira Seixas Cálculo 1 l Q l Q l Q l Q l Q l Q l Q t = f(a + ) Q t b γ Q Q Q Q Q P l f(a) γ : = f() P f(a + ) f(a) l θ θ Q a s θ θ Q a s = a + por José Adonai Pereira Seias Maceió-010 Conteúdo 4 Aplicações da Derivada

Leia mais

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções

Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo Aula 1 Professor: Carlos Sérgio. Revisão de Funções Centro de Ciências e Tecnlogia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Cálculo - 01. Aula 1 Professor: Carlos Sérgio Revisão de Funções Sistema cartesiano ortogonal O Sistema de Coordenadas Cartesianas,

Leia mais

1 Cônicas Não Degeneradas

1 Cônicas Não Degeneradas Seções Cônicas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 11 de dezembro de 2001 Estudaremos as (seções) cônicas,

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Tópicos de Matemática Elementar 2 a série de exercícios 2004/05. A seguinte prova por indução parece correcta, mas para n = 6 o lado esquerdo é igual a 2 + 6 + 2 + 20 + 30 = 5 6, enquanto o direito é igual

Leia mais

LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE LIMITES E CONTINUIDADE Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE

Leia mais

Notas de Aulas 2 - Retas e Circunferências Prof Carlos A S Soares

Notas de Aulas 2 - Retas e Circunferências Prof Carlos A S Soares Notas de Aulas - Retas e Circunferências Prof Carlos A S Soares Preliminares O Plano Cartesiano e o Ponto Você certamente está familiarizado com o plano cartesiano desde o término do seu ensino fundamental

Leia mais

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D

A Prática. Perfeição. Cálculo. William D. Clark, Ph.D e Sandra Luna McCune, Ph.D A Prática Leva à Perfeição Cálculo William D. Clark, P.D e Sandra Luna McCune, P.D Rio de Janeiro, 01 Para Sirley e Donice. Vocês estão sempre em nossos corações. Sumário Prefácio i I Limites 1 1 O conceito

Leia mais

Análise Matemática I 1 o Semestre de 2002/03 LEBM, LEFT, LMAC Exercícios para as aulas práticas

Análise Matemática I 1 o Semestre de 2002/03 LEBM, LEFT, LMAC Exercícios para as aulas práticas Análise Matemática I o Semestre de 2002/03 LEBM LEFT LMAC Eercícios para as aulas práticas I Elementos de Lógica e Teoria dos Conjuntos (30/9/2002-4/0/2002) (Eercício 2 de [3]) Prove que quaisquer que

Leia mais

DERIVADA. A Reta Tangente

DERIVADA. A Reta Tangente DERIVADA A Reta Tangente Seja f uma função definida numa vizinança de a. Para definir a reta tangente de uma curva = f() num ponto P(a, f(a)), consideramos um ponto vizino Q(,), em que a e traçamos a S,

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 1 1 FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 11 Funções trigonométricas inversas 111 As funções arco-seno e arco-cosseno Como as funções seno e cosseno não são injectivas em IR, só poderemos definir as suas funções

Leia mais

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear MÓDULO 1 - AULA 4 Objetivos Compreender os conceitos de independência e dependência linear. Estabelecer condições para determinar quando uma coleção

Leia mais

Á lgebra para intermedia rios Ma ximos, mí nimos e outras ideias u teis

Á lgebra para intermedia rios Ma ximos, mí nimos e outras ideias u teis Á lgebra para intermedia rios Ma imos, mí nimos e outras ideias u teis 0) O que veremos na aula de hoje? Máimos e mínimos em funções do º grau Máimos e mínimos por trigonometria Máimos e mínimos por MA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CÁLCULO L NOTAS DA DÉCIMA TERCEIRA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula, apresentaremos a Regra de L Hôpital, que será utilizada para solucionar indeterminações de ites de qualquer

Leia mais

Capítulo 1. Limites nitos. 1.1 Limite nito num ponto

Capítulo 1. Limites nitos. 1.1 Limite nito num ponto Capítulo 1 Limites nitos 1.1 Limite nito num ponto Denição 1. Seja uma função f : D f R R, x y = f(x, e p R tal que p D f ou p é um ponto da extremidade de D f. Dizemos que a função f possui ite nito no

Leia mais

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes 2011

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes 2011 Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes Introdução Neste teto apresentam-se os enunciados de conjuntos de eercícios para as aulas de problemas do curso

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 016. Gabarito Questão 01 [ 1,00 ] A secretaria de educação de um município recebeu uma certa quantidade de livros para distribuir entre as escolas

Leia mais

Derivadas. Derivadas. ( e )

Derivadas. Derivadas. ( e ) Derivadas (24-03-2009 e 31-03-2009) Recta Tangente Seja C uma curva de equação y = f(x). Para determinar a recta tangente a C no ponto P de coordenadas (a,f(a)), i.e, P(a, f(a)), começamos por considerar

Leia mais

15 AULA. Máximos e Mínimos LIVRO. META Encontrar os pontos de máximo e mínimo de uma função de duas variáveis a valores reais.

15 AULA. Máximos e Mínimos LIVRO. META Encontrar os pontos de máximo e mínimo de uma função de duas variáveis a valores reais. 1 LIVRO Máximos e Mínimos 1 AULA META Encontrar os pontos de máximo e mínimo de uma função de duas variáveis a valores reais. OBJETIVOS Maximizar e/ou minimizar função de duas variáveis a valores reais.

Leia mais

Limites, derivadas e máximos e mínimos

Limites, derivadas e máximos e mínimos Limites, derivadas e máimos e mínimos Psicologia eperimental Definição lim a f ( ) b Eemplo: Seja f()=5-3. Mostre que o limite de f() quando tende a 1 é igual a 2. Propriedades dos Limites Se L, M, a,

Leia mais

Extensão da tangente, secante, cotangente e cossecante, à reta.

Extensão da tangente, secante, cotangente e cossecante, à reta. UFF/GMA Notas de aula de MB-I Maria Lúcia/Marlene 05- Trigonometria - Parte - Tan-Cot_Sec-Csc PARTE II TANGENTE COTANGENTE SECANTE COSSECANTE Agora estudaremos as funções tangente, cotangente, secante

Leia mais