Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013"

Transcrição

1 Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013 DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 1 de 12

2 Controlo de Versões Versão Descição da Versão Data Responsável V 1.0 Criação de documento Rui Miguel (DSI) V 2.0 Correção do portugues com o novo acordo ortográfico Rui Miguel (DSI) Direitos Autorais Documento inédito com todos os direitos reservados. A inscrição COPYRIGHT 2010 Galp Energia, SA foi atribuída a este documento para, em caso de publicação acidental, proteger os direitos da Galp Energia SA. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida sob qualquer forma, inclusive fotocópia ou transmissão electrónica para qualquer computador, sem o prévio consentimento escrito da Galp Energia SA. Confidencialidade As informações contidas neste documento são confidenciais e da propriedade exclusiva da Galp Energia SA, não podendo ser utilizadas, divulgadas, ou cedidas a terceiras partes, sem o prévio consentimento escrito da Galp Energia SA. DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 2 de 12

3 Table of Contents 1 Introdução Arquitectura Introdução Desenho e Desenvolvimento Cuidados a ter com o desenho TFS Team Foundation Server Plataformas de Integração Integração - Logging de Actividades e Erros Integração Siebel versus Tibco Documentação Introdução Documentos referência Normas, standards e melhores práticas Guia de Integração... 9 Normas e Regras... 9 Deployment Templates Software Introdução DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 3 de 12

4 1 Introdução Este documento tem como objectivo apresentar um breve enquadramento das principais vertentes da arquitectura da plataforma de CRM existente na Galp Energia, de modo a facilitar futuros desenvolvimentos/projecto por parte de novos fornecedores de serviços. Os projectos com componentes de CRM na plataforma Siebel devem seguir as directivas definidas na Galp Energia. Estas directivas acompanham todo o ciclo de vida do projecto, desde a identificação da necessidade até ao seu deployment em produção. DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 4 de 12

5 2 Arquitectura 2.1 Introdução A plataforma de crm, Siebel 8.1, está instalada em 3 ambientes ( Desenvolvimento, qualidade e Produção), sendo os ambientes compostos pela seguinte infra-estrutura: A Galp Energia dispõe, em complemento aos ambientes supra, de um ambiente de formaçã que se destina à formação dos utilizadores da plataforma, em especial para os que prestam serviço nos Contact- Center s. Adicionalmente o ambiente de qualidade em termos lógicos comporta o ambiente de qualidade isolado e o ambiente de qualidade consolidado. Para a realização de desenvolvimentos por parte de um projecto o mesmo terá que criar um ambiente próprio para esse efeito. A utilização do ambiente de desenvolvimento da Galp Energia, só será possível de utilizar pelos projectos em casos muito especiais. DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 5 de 12

6 3 Desenho e Desenvolvimento 3.1 Cuidados a ter com o desenho O desenho de novos projectos deverá ter como objectivo a reutilização e composição de objectos já disponibilizados, devendo-se evitar, sempre que possível a duplicação de objectos com funcionalidades muito semelhantes. O desenho deverá ser efectuado tendo por base os processos de negócios, tal como definido pela área de Análise Funcional, e efectuando o deltalhe dos mesmos ao nível técnico desde uma perspectiva mais alto nível até ao desenho do objecto. 3.2 TFS Team Foundation Server A disponibilização dos objectos ( código) é efectuado via TFS. Para isso, no início do projecto é criada uma pasta de projecto no TFS por forma a ser disponibilizada à equipa as sources que a equipa tem autorização para modificar. Nota: A documentação do projecto é gerido noutra área (ao nível do site do projecto e ao nível do site da Arquitectura e Análise Funcional). 3.3 Plataformas de Integração Para os processos/fluxos de integração do Siebel com outras aplicações são disponibilizadas duas tecnologias: Plataforma de ETL Informática, a qual deverá ser utilizada fundamentalemente em processos batch e/ou grande volumes de dados; Plataforma de EAI TIBCO, a qual deverá ser utilizada fundamentalmente em processo transaccionais e com baixo volume de dados; 3.4 Integração - Logging de Actividades e Erros Independentemente da solução de integração que seja utilizada a mesma deverá efectuar logging das actividades para a componente transversal de logging. Esta componente disponibiliza um conjunto de mecanismos, os quais se poderão encontrar exemplos já desenvolvidos, de interacção com o Siebel nesta vertente,e que passa simplemente pelo envio de um conjunto de dados para um a queue de JMS. DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 6 de 12

7 EAI_LOG_HEADER PK LogID TrackingID Step UserName Component ComponentName Domain Type Service Action StartTime EndTime ecode edescription ncode ndescription Trace EAI_LOG_KEYS PK,FK1 LogID Field Values EAI_LOG_DEBUG PK,FK1 LogID startmsg endmsg Figure 1 Schema de Base de Dados utilizado para registo de logs Cockpit de Integração 3.5 Integração Siebel versus Tibco O processo de integração entre o Siebel e o Tibco deverá ser efectuada através da criação de serviços no Siebel de forma a que o Tibco não tenha que conhecer a lógica dos dados que o Siebel pretende enviar\receber. O Siebel para o Tibco deverá ser visto como uma caixa negra. Nota: Pretende-se com esta abordagem reduzir, tanto quanto possível, a utilização do adaptador TIBCO para o Siebel. Esta alteração tem, entre outros, como objectivo garantir uma melhor despistagem dos problemas em caso de erro. DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 7 de 12

8 4 Documentação 4.1 Introdução De forma a sistematizar a informação associada aos desenvolvimentos efectuados na plataforma Siebel, foi produzido um conjunto de documentação de suporte e respectivos templates. Esta documentação deverá servir de base para o desenvolvimento, instalação e monitorização dos desenvolvimentos efectuados. A documentação e templates encontram-se disponíveis no portal do colaborador mygalp, sob a categoria Arquitectura e Análise Funcional, mediante atribuição de acesso. cional/default.aspx 4.2 Documentos referência Normas, standards e melhores práticas. Os documentos que deverão ser compreendidos numa primeira abordagem encontram-se listados no mygalp ( Arquitectura e Análise Funcional> 01. Guias e Normas> 02. Arquitectura> 02. Siebel ). Eles são: DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 8 de 12

9 Guia de Integração PIGEND306 Guia de Integração O documento consolida a visão da Galp Energia em termos da plataforma Siebel, da documentação e dos templates que a suportam. Normas e Regras PIARQD103 Standards de Programação Este documento os suportes orientadores de standards de programação a serem usados. PIARQD303 - Normas Funcionais e Técnicas de Integração Este documento define um conjunto de normas funcionais e técnicas que pretendem assegurar uma correcta implementação das capacidades na plataforma. PIARQD321 - Galp Regras de Promoção entre Ambientes Este documento define como é que estão montados os vários ambientes (Desenvovlimento, Qualidade, Produção, etc.) na Galp Energia e quais a regras e processos a seguir para que os desenvolvimentosejam promovidos de ambiente. PIARQD322 - Galp Regras utilização do TFS Este documento define como é que a ferramenta de gestão de versões está montada e respectivas regras de utilização. Deployment PIARQD314 Regras de Deployment Este documento define como é efectuado o deployment das capacidades nos diferentes ambientes, respectivos pré-requisitos e responsabilidades. PIGENT022 CheckList Deploy Contém a lista de passos a executar/verificar antes e durante o do deployment. 4.3 Templates Além dos documentos de referência, também existem templates no mygalp em: (1) Arquitectura e Análise Funcional> 01. Guias e Normas> 99. Templates> 00. Transversais e em (2) Arquitectura e Análise Funcional> 01. Guias e Normas> 99. Templates> 05. Siwebel, que deverão ser utilizados aquando do desenvolvimento de projectos. De notar que a entrega desta documentação, por parte da Equipa de Projecto, é fundamental para se assegurar a total aceitação do sistema por parte do da equipa de Arquitectura Aplicacional e pelo Outsourcer, e que servirá de base ao bom cumprimento das suas funções. Apresenta-se de seguida alguns dos documentos que os projectos terão que produzir: DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 9 de 12

10 PIARQT011 Checklist de Projecto Identifica os serviços/interfaces a serem usados/criados/alterados pelo projecto e serve de controlo à documentação a produzir pelo projecto (que tem que ser produzida e respectivo estado de aceitação pela Galp). PIGENT004 Análise de Gap s Usado em projectos de grande dimensão servindo para avaliar o Gap existente entre o que está implementado e as necessidades futuras. PIGENT005 Inventário de Requisitos Identificação detalhada dos requisitos funcionais e técnicos. PIGENT010 Desenho Funcional Neste documento é efectuada a especificação da solução. PIGENT312 Definição Desenho Técnico da Solução Neste documento é efectuada a especificação da arquitectura técnica nas suas várias componentes de uma forma detalhada, e é efectuado o desenho dos vários processos e das suas componentes. PIGENT319 Especificação do Serviço Cada Documento conterá o desenho funcional/técnico e regras específicas do Serviço/objecto. PIGENT015 Inventário de erros e de avisos Identificação dos erros e avisos que podem ser gerados e respectivas acções a serem efectuadas pela várias áreas intervenientes, em especial manutenção aplicacional. PIGENT022 Checklist Deploy Deverá ser criado com as acções de todas as equipas para se assegurar que nenhum ponto seja esquecido aquando a passagem a qualidade/produção. PIGENT314 Deployment Deverá ser preenchido sempre que um projecto passe de ambiente (Qualidade e Produção). Este documento conterá regras, variáveis e nomenclaturas adicionais que não se encontrem já definidas no documento de Deployment Global PIARQD314. PIGENT313 Modelo de Entidades Modelo Entidade/Associação utilizado. PIGENT319 DocumentServer Template Documento com a especificação dos templates a usar pelo document server. PIQAST001 Plano de Abordagem aos testes Documento com a especificação dos requisitos para a realização dos testes e como os mesmos vão ser executados. Este documento só é necessário caso a complexidade dos testes obrigue à disponibilização de condições fora do normal. Caso contrário, o PIQAST003 é suficiente. DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 10 de 12

11 PIQAST003 Plano de Testes Documento com a especificação dos testes a serem executados: Condições de Teste; Ciclos de Teste; Cenários de Teste; Script de Teste; Gestão de erros Controlo da resolução das anomalias identificadas. Este documento inclui cenários de: testes funcionais, testes técnicos (ex: falhas de componentes) e testes de carga. PIGENT326 Manual de Exploração Documento com as instruções que permitam à equipa de manutenção efectuar acções de manutenção sobre as capacidades implementadas,nomeadamente: Monitorizações; Parametrizações; Acções de limpeza de dados; Etc. DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 11 de 12

12 5 Software 5.1 Introdução A versão de Siebel utilizada na Galp Energia sã é o Siebel 8.1.1, com o Quick Fix QF0030, base de dados Oracle SO hp-ux. O sistema operativo do Siebel é o Windows 2003 Entreprise DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 12 de 12

Guia de Projetos - TIBCO

Guia de Projetos - TIBCO Guia de Projeto - Tibco Guia de Projetos - TIBCO Tibco Versão 3.3 / Junho-2014 DSI/DIS Arquitetura Aplicacional DSI/DIS Arquitetura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 1 de 24 Controlo de Versões

Leia mais

Implementação de Projetos de Integração Versão 2.0 / Dez 2012

Implementação de Projetos de Integração Versão 2.0 / Dez 2012 Implementação de Projetos de Integração Versão 2.0 / Dez 2012 DSI-Arquitectura Aplicacional DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 1 de 34 Controlo de Versões 0,12 Actualização de

Leia mais

GUIA DE ANÁLISE FUNCIONAL

GUIA DE ANÁLISE FUNCIONAL GUIA DE ANÁLISE FUNCIONAL Jan 013 DSI/DIS Análise Funcional PAF001 Guia de Análise Funcional (Versão para anexo a Caderno de Encargos) Controlo Direitos Autorais Documento inédito com todos os direitos

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Considerações Gerais A documentação a submeter pelas equipas de projeto à área de Arquitetura Empresarial da DSI deve ser colocada na pasta de projeto criada para o efeito no site da Arquitetura, no ibpms

Leia mais

Guia de Documentação - Siebel

Guia de Documentação - Siebel Guia de Documentação - Siebel Guia de Projecto - Siebel Versão 2.1 / Maio 2013 DSI-Arquitetura Aplicacional DSI Arquitetura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 1 de 14 Controlo de Versões V1 Actualização

Leia mais

Solução BAM Business Activity Monitoring

Solução BAM Business Activity Monitoring Solução BAM Business Activity Monitoring Versão [v1.0] / [Jan-2013] DSI/DIS Arquitetura Aplicacional CONTROLO DE VERSÕES E DISTRIBUIÇÃO Controlo de Versões Versão Data Alteração Responsável 1.0 03-12-2013

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 14 de Dezembro de 2013

Leia mais

Deployment e Segurança

Deployment e Segurança Deployment e Segurança 5ª Conferência de Sistemas de Informação Código Seguro ESTG - Leiria José Pina Miranda www.multicert.com Novembro 2004 Deployment e Segurança E agora que toda a plataforma aplicacional

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

Guia de Integração SAP PI

Guia de Integração SAP PI Guia de Integração SAP PI Guia de Integração SAP PI Versão 3.2 / Maio-2013 DSI-Arquitetura Aplicacional DSI Arquitetura Aplicacional COPYRIGHT 2010 Galp Energia, SA 1 de 19 Controlo de Versões V1 Criação

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Recrutamento de RH. Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional. ID do Documento:

Recrutamento de RH. Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional. ID do Documento: Recrutamento de RH Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional ID do Documento: Versão: Elaborado por: Aprovado por: Data de Re99visão: 1 Administração de Base de Dados e Plataforma

Leia mais

Módulo de Administração de Utilizadores

Módulo de Administração de Utilizadores base Módulo de Administração de Utilizadores Versão 2.0 Manual do utilizador Janeiro 2002 Ficha técnica Título BIBLIObase : Módulo de Administração de Utilizadores: versão 2.0 : manual do utilizador Autores

Leia mais

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6 Cartão de Cidadão Autenticação com o Cartão de Cidadão 20 de Novembro de 2007 Versão 1.6 AMA ÍNDICE 1. I TRODUÇÃO... 3 Modelo base de Autenticação... 3 Modelo de Autenticação Federado... 4 2. AUTE TICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 PARTE I Aspectos Gerais Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se os procedimentos de funcionamento da Incubadora do Taguspark,

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio ÍNDICE 1. Descrição da empresa 2. Descrição do problema 2.1 Subcontratação da produção 2.2 Relacionamento da empresa 2.3 Dois departamentos de qualidade 2.4 Inspecções actualmente efectuadas 2.5 Não conformidades

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Docentes 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva Descrição Geral do Centro de Informação Executiva Canais de Compras Online Clientes Comerciais Premier PremierConnect Processo de encomenda simplificado Confirmações pontuais das encomendas Acesso a informações

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Software de gestão em tecnologia Web

Software de gestão em tecnologia Web Software de gestão em tecnologia Web As Aplicações de Gestão desenvolvidas em Tecnologia Web pela Mr.Net garantem elevados níveis de desempenho, disponibilidade, segurança e redução de custos. A Mr.Net

Leia mais

1. Disposições Gerais

1. Disposições Gerais Instituto Politécnico de Santarém CiIPS Centro de Informática ANEXO REGULAMENTO INTERNO Junho de 2007 1. Disposições Gerais 1.1. Organização Interna 1.1.1. O CiIPS adopta uma forma de organização interna

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais

Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais Os presentes Termos e Condições e Política de Protecção de Dados Pessoais (adiante abreviadamente designados Termos

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA Termos utilizados nos Regulamentos: Utilizador o Cliente que solicitou ou utiliza o Sistema de Gestão de Conta à

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

CA Business Service Insight

CA Business Service Insight CA Business Service Insight Guia de Conteúdo Predefinido da ISO 20000 8.2 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada

Leia mais

Formação. Cursos Personalizados

Formação. Cursos Personalizados Formação Formação Técnica O Desenvolvimento das competências ao longo das carreiras profissionais, é obrigatoriamente um investimento das empresas e dos seus colaboradores, contribuindo para uma rentabilidade

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC Empresa de Projecto e Desenvolvimento de Engenharia Civil - EPDEC Pedido de Proposta para Implementação da Rede Informática Projecto: Rede Informática da EPDEC Novembro de 2007 Índice 1 Introdução...1

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas operações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar a operação segura e correta

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua

Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua Janeiro 2015 Área de Desenvolvimento Departamento de Arquitetura e Desenvolvimento Agenda Processo

Leia mais

MANUAL UTILIZADOR SERVIÇO FTP

MANUAL UTILIZADOR SERVIÇO FTP Edição: 1.0 Data: 07/08/15 Pág.: 1/10 O sistema de FTP é um serviço de transmissão de ficheiros bilateral, disponibilizado pela Monoquadros para os seus parceiros de negócio, com vista á fácil e rápida

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DEFINIÇÕES As expressões que se seguem, tal como são usadas nestes Termos e Condições, terão o significado abaixo especificado: 1. CONTRATO Clausulado, respectivos anexos e apêndices

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL Técnico de Informática Instalação e Gestão de Redes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA

Leia mais

Descrição de Funcionalidades

Descrição de Funcionalidades Gestão Integrada de Documentos Descrição de Funcionalidades Registo de documentos externos e internos O registo de documentos (externos, internos ou saídos) pode ser efectuado de uma forma célere, através

Leia mais

A BDAP Passo a Passo. www.bdap.min-financas.pt

A BDAP Passo a Passo. www.bdap.min-financas.pt A BDAP Passo a Passo www.bdap.min-financas.pt Versão 1 BDAP passo a passo A BDAP Base de Dados dos Recursos Humanos da Administração Pública - é um repositório de informação sobre os Recursos Humanos da

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS

MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS O relacionamento com os prestadores convencionados tem vindo a sustentar-se na utilização de transferências electrónicas de dados (TED) que permitem alterar

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento do servidor Tomcat. tomcat série 1.2

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento do servidor Tomcat. tomcat série 1.2 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento do servidor Tomcat tomcat série 1.2 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins informativos

Leia mais

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents CR.Doc Management Platform for Clients and Documents Agenda Introdução O que é o CR.Doc? Principais funcionalidades Demonstração O que é o CR.Doc? O CR.doc é um novo conceito de Sistema Integrado de CRM

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

CONTRATOS ITBASE. Ver. 2.0 2010-2011. Documento de suporte comercial

CONTRATOS ITBASE. Ver. 2.0 2010-2011. Documento de suporte comercial Documento de suporte comercial Ver. 2.0 CONTRATOS ITBASE 2010-2011 A presente tabela de preços anula todas as tabelas anteriores, entra em vigor a 1 de Outubro de 2010 até substituição por outra. Esta

Leia mais

Service Oriented Architectures

Service Oriented Architectures Service Oriented Architectures Uma abordagem evolutiva Manager, IT Middleware Vodafone Portugal Mario.saraiva@vodafone.com Agenda 1. O desafio da Integração O princípio do Middleware, ActiveWorks e Middleware

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Hardware & Software. SOS Digital: Tópico 2

Hardware & Software. SOS Digital: Tópico 2 Hardware & Software SOS Digital: Tópico 2 Os objetos digitais são acessíveis somente através de combinações específicas de componentes de hardware a parte física do computador software programas para operar

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

CA Business Service Insight

CA Business Service Insight CA Business Service Insight Guia do Business Relationship View 8.2 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

15 de Junho a 7 de Julho Lisboa MOTIVAÇÃO Conhecer a informação que utilizamos diariamente, os seus processos de gestão e procedimentos directamente com ela associados, constituem formas de melhor compreendermos

Leia mais

CAPÍTULO I REGULAMENTO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO. O objecto do presente Regulamento é estabelecer as regras do startweb Madeira Caça Talentos 2013.

CAPÍTULO I REGULAMENTO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO. O objecto do presente Regulamento é estabelecer as regras do startweb Madeira Caça Talentos 2013. Preâmbulo. O startweb é um programa de caça talentos na Madeira nas áreas da programação, design, informática, gestão, mas também destinado a todos os empreendedores que ambicionam novos desafios. CAPÍTULO

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Construir uma estratégia

Construir uma estratégia Aula 7 Construir uma estratégia Construindo um Percurso - Programa de Empreendedorismo para o 3º Ciclo do Ensino Básico - Aula 7 - Página: 1 / 21 Programa de Empreendedorismo para o 3º Ciclo do Ensino

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Alunos 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

ÍNDICE DO REGULAMENTO DO CONCURSO HOTSPOT DESIGN

ÍNDICE DO REGULAMENTO DO CONCURSO HOTSPOT DESIGN ÍNDICE DO REGULAMENTO DO CONCURSO HOTSPOT DESIGN 0- Enquadramento/Objectivos 1- Tema do Concurso 2- Cronograma 3- Elegibilidade 4- Fases de Candidatura 5- Descrição detalhada da Fases 1 e 2 6- Submissão

Leia mais

GESTIP. Web Hosting - Desenvolvimento e alojamento de sites e ligação à Internet.

GESTIP. Web Hosting - Desenvolvimento e alojamento de sites e ligação à Internet. GESTIP Web Hosting - Desenvolvimento e alojamento de sites e ligação à Internet. Maio de 2007 Gestip 2 Índice INTRODUÇÃO...3 CARACTERIZAÇÃO DA COLABORAÇÃO...4 CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO WEB SITE...4

Leia mais

Internet Móvel Clix. Guia de Instalação

Internet Móvel Clix. Guia de Instalação Internet Móvel Clix Guia de Instalação Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes de instalar... 2 Instalar a Internet Móvel... 3 Desinstalar a Internet Móvel... 3 Janela principal da Internet Móvel... 4 Informações

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

Gestão de Entradas em Produção

Gestão de Entradas em Produção Gestão de Entradas em Produção Versão: V1.0 Novembro 2014 Índice: Gestão de Entradas em Produção Enquadramento & Objetivos Princípios e Regras de Base C.E.P. Entrada em Produção Projetos S.I. Regras Especificas

Leia mais

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 Segundo Exame 16 de Julho de 2010, 9:00H 11:30H (Versão A) Nome:

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

soluções transversais SOLUÇÕES segurança

soluções transversais SOLUÇÕES segurança soluções transversais SOLUÇÕES segurança RESUMO DA SOLUÇÃO single sign-on acessos prevenção autenticação Os serviços de segurança são implementados como um layer do tipo Black Box, utilizável pelos canais

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 FEARSe Requisitos para a 1 a entrega 18 de Março de 2010 1 Introdução O projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

Asset Inventory Service (AIS)

Asset Inventory Service (AIS) Asset Inventory Service (AIS) Última revisão feita em 02 de Setembro de 2008. Objetivo Neste artigo veremos detalhes sobre o Asset Inventory Service (AIS), um serviço disponível através do System Center

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ARCHICAD 15 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ARCHICAD 15 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ARCHICAD 15 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Archicad 15. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER No final da formação o formando deverá ser capaz de criar a simulação de um edifício

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais