FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO: O USO DO CRM COMO ESTRATÉGIA GERENCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO: O USO DO CRM COMO ESTRATÉGIA GERENCIAL"

Transcrição

1 FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO: O USO DO CRM COMO ESTRATÉGIA GERENCIAL Valéria Martin Valls 1, Adriana Maria de Souza 2, Rosa Maria Andrade Grillo Beretta Souza 3 1 Doutora em Ciências da Comunicação ECA/USP, FESPSP, São Paulo, SP 2 Mestranda no programa de Pós-graduação em Ciência da Informação ECA/USP, FESPSP, São Paulo, SP 2 Especialista em Gerência de Sistemas e Serviços de Informação FESPSP, FESPSP, São Paulo, SP Resumo Apresenta e discute alguns conceitos amplamente utilizados na gestão de empresas com o objetivo de aproximá-los da realidade dos serviços de informação, possibilitando aos seus gestores melhor entendimento desses conceitos, para que seja possível sua adaptação e incorporação às suas práticas gerenciais. A estratégia a ser apresentada é a Gestão de Relacionamento com o Cliente (do inglês Customer Relationship Management - CRM) traçando um panorama conceitual e prático para entender e adaptar os fundamentos dessa estratégia empresarial à realidade dos serviços de informação. Esse trabalho é baseado no artigo publicado por Valls, Souza e Beretta (2010). Palavras-Chave: Gestão de Relacionamento com o Cliente; Fidelização de Clientes; Serviços de Informação. Abstract It presents and discusses some concepts widely used in business management with the aim of bringing them closer to the reality of information services, enabling its managers to understand these concepts, so that you can adapt and incorporate their management practices. The strategy is to be presented to Management Customer Relationship - CRM outlining a conceptual and practical overview to understand and adapt the fundamentals of business strategy to the reality of information services. This work is based on article published by Valls, Souza and Beretta (2010). Keywords: Customer Relationship Management; Customer Loyalty; Information Services. 1

2 1 Introdução Os gestores de serviços de informação, especialmente de bibliotecas, convivem atualmente com um panorama bem inusitado: a grande quantidade de informação disponível na internet pode ser considerada como uma forte concorrente para os produtos e serviços oferecidos pelos serviços tradicionais. Os usuáriosclientes têm acesso direto, por exemplo, a revistas, livros e jornais eletrônicos - uma infinidade de fontes de informação que há poucas décadas era acessível basicamente com a consulta a acervos físicos hoje está a apenas alguns cliques. Essa fácil disponibilidade alterou significativamente a relação cliente-serviço e têm exigido dos gestores novas estratégias para atrair e manter os seus clientes. Neste cenário de farto acesso à informação, vários setores e profissionais estão revendo suas formas de atuação para dar conta das mudanças aceleradas que a sociedade vem vivenciando. O mercado editorial e a indústria fonográfica estão se reinventando para manter os produtos tradicionais e se adequar aos novos suportes; os jornalistas hoje têm como concorrente a própria fonte de notícias, que pode divulgar nas redes sociais a notícia diretamente, não precisando mais do jornalista como exclusivo meio para divulgação. Diante dessas questões, os gestores de serviços de informação também não podem mais negligenciar esse cenário. Devem planejar e implementar produtos e serviços cada vez mais adequados às necessidades dos seus clientes, atraindo-os e mantendo-os para que eles continuem a acioná-los quando tiverem demandas de informação. Eles o farão apenas quando entenderem que, por meio dos serviços de informação, terão acesso a informações fidedignas e mais adequadas à sua necessidade, ao invés de investir um tempo enorme navegando na infinidade de dados e informações disponíveis na rede. Expressões usuais no mundo corporativo como fidelização do cliente, valor agregado, customização de produtos e serviços podem e devem ser contemplados à gestão de serviços de informação, até mesmo para a sobrevivência desses serviços, em alguns casos. O objetivo deste trabalho é apresentar e discutir alguns conceitos amplamente utilizados na gestão de empresas e aproximá-los da realidade dos serviços de informação, possibilitando aos seus gestores melhor entendimento desses conceitos, para que seja possível sua adaptação e incorporação às suas práticas gerenciais. A estratégia a ser apresentada é a Gestão de Relacionamento com o Cliente (do inglês Customer Relationship Management - CRM) traçando um panorama conceitual e prático para entender e adaptar os fundamentos dessa estratégia empresarial à realidade dos serviços de informação. Esse trabalho é baseado no artigo publicado por Valls, Souza e Beretta (2010). 2 Revisão de Literatura A Gestão de Relacionamento com o Cliente (CRM) é uma estratégia empresarial que coloca o cliente como elemento central dos processos do negócio, entendendo e antecipando suas necessidades com o objetivo de atendê-las da melhor forma. A implantação do CRM embora esteja ligada à utilização de soluções tecnológicas, é muito mais ampla do que isso, pois envolve toda a filosofia e práticas gerenciais de produtos e serviços voltados ao cliente, objetivando processos e 2

3 padrões bem definidos e mensuráveis. Como reforçam Anderson e Kerr (2002, p. 2, tradução nossa), CRM é um enfoque abrangente para criar, manter e expandir as relações com os clientes, não pertencendo apenas às áreas de vendas e marketing. Tampouco é uma idéia da equipe de Tecnologia da Informação. Embora, em qualquer uma destas áreas, possa ser o campeão interno do modelo na organização, na verdade, ele deve ser uma forma de se fazer negócios integrando todas as áreas dentro desta. Quando é delegado a apenas uma área específica, tais como Tecnologia da Informação, o relacionamento com o cliente será prejudicado. Da mesma forma, quando uma área é deixada de fora do planejamento do modelo, a organização coloca em risco o relacionamento com o cliente que ela tanto procura manter e fidelizar. Os fundamentos do CRM são apresentados na TABELA 1, de forma panorâmica visando contextualizar essa estratégia e detalhar seus principais aspectos: Tabela 1 Fundamentos do CRM Fundamento Descrição Dimensão organizacional Planejamento estratégico e monitoramento, recursos humanos, mudança na filosofia empresarial. Dimensão tecnológica Identificação das ferramentas tecnológicas apropriadas à implementação do CRM e o gerenciamento de dados dos clientes para captura de informações Acordo de Níveis de Serviço (do inglês Service Level Agreements) Metodologia proposta das estratégias: os 4 pilares Descrição contratual formalizada entre os serviços prestados e o cliente. Identificação, diferenciação, interação e personalização. Fonte: Adaptado pelas autoras de Anderson e Kerr (2002), Peppers e Rogers (2004) e Brambilla, Sampaio e Perin (2008). Para a implementação bem sucedida dessa estratégia é necessário atentar para todas as etapas reunidas no quadro descritivo acima, não negligenciando nenhuma delas. A aplicação do modelo deve ser fruto de uma visão estratégia definida de fora para dentro da organização, ou seja, com base em uma nova cultura focada no cliente que se quer obter a longo prazo em concordância com as suas necessidades e expectativas, visando a lucratividade de seu negócio e não centrada no produto ou serviço que se tem para oferecer, devendo ser concebida e estimulada primeiramente pela alta cúpula da organização. Como observa Fisk (2010, p. 84), citando o exemplo da Amazon que procura ser a empresa mais centrada no cliente em todo o mundo. O objetivo da maior livraria do planeta e varejista de muitos outros produtos acredita que, em um mundo em constante mudança, as estratégias mais eficientes são aquelas centradas no cliente, não na concorrência. A Amazon queria ser um líder no setor para redefinir o mercado como nenhuma outra empresa fizera antes, então escolheu o cliente como guia. Retomando o contexto dos serviços de informação, como afirmam Finger, 3

4 Castro e Costa (2007, p. 50), de forma alguma se pretende afirmar que os gestores de bibliotecas não pensam em seus usuários, mas apenas salientar que, na prática, dificilmente a biblioteca é gerida com foco no cliente. Entende-se que a gestão dos serviços de informação deve dar ênfase à ótica do cliente, ou seja, deve considerar, entender e captar as suas reais expectativas, buscando atendê-las e, antes de tudo, entendê-las (VALLS, 2005, p. 77). Um grande equívoco dos gestores é considerar que sabem o que o cliente precisa, sem estabelecer canais efetivos para que ele o próprio cliente expresse seus anseios e necessidades. Como definido até agora, o CRM deve ser planejado de forma sistêmica, envolvendo processos, pessoas e tecnologia em sua estratégia de desenvolvimento, pelo qual o foco central esteja na experiência do cliente e em suas percepções quanto aos serviços prestados. Nos serviços de informação, o caminho a ser percorrido para a tão sonhada excelência não pode ser diferente e, os gestores deverão estruturar processos, identificar ferramentas apropriadas à coleta de dados de seus clientes e qualificar sua equipe, comunicando-se com esta, além de ser fundamental a identificação do grau de satisfação da equipe, seu comprometimento, motivação e entusiasmo, uma vez que o CRM cobre uma ampla variedade de atividades a serem desenvolvidas em benefício do sucesso de sua implementação, no qual uma equipe bem capacitada, devidamente treinada e satisfeita opera milagres na interação com o cliente, sendo vital que os seus integrantes estejam engajados em todo o processo dessa empreitada e, sendo esta, uma iniciativa contínua e incorporada à prática regular em benefício do cliente. Como abordam Silva e Rados (2002, p. 202), a qualidade dos serviços pode ser percebida pelos clientes através dos seus componentes tangíveis e intangíveis, no tocante aos produtos e serviços oferecidos. Os componentes tangíveis dizem respeito aos recursos materiais e palpáveis, já os intangíveis estão diretamente ligados as emoções e percepções sentidas pelas pessoas, como cordialidade, cooperação que podem ser traduzidas com a disposição de servir, de cooperar em benefício de alguém ou de algo. Portanto, estão equiparados com o relacionamento da equipe com os clientes. Assim, antes de implementar o CRM nos serviços de informação, primeiramente, os gestores precisam se comunicar com seus clientes (internos e externos), para saber sobre suas necessidades e obter feedback espontâneo e apropriado para promover mudanças significativas, até mesmo continuar desenvolvendo ações que estão dando certo e excluindo aquelas que estão obsoletas e não trazem retorno satisfatório. No tocante à prática dos serviços, o Acordo de Níveis de Serviço (SLA) que foi apresentado na Tabela 1 - deve ser introduzido visando o acordo definido e formalizado dos limites entre o que se pode ou não ofertar aos clientes efetivamente, evitando o comprometimento de um serviço que não se pode entregar e/ou oferecer. Como ressalta Vergueiro (1996, p. 14), pode-se começar o processo de valorização do cliente firmando-se compromissos reais e viáveis de atendimento. Em outras palavras, informando à clientela sobre o serviço oferecido, deixando claro o que pode esperar obter e como deve agir quando não conseguir fazê-lo. Garantindo que serão consideradas suas eventuais queixas e reclamações como possibilidades de melhoria a ser apreciadas e valorizadas, evitando assim a expectativa frustrada do cliente e consequentemente à perda na credibilidade e fidelização. Após ter sido aceita a implementação estratégica do CRM pela organização, 4

5 bem como, a escolha da ferramenta tecnológica mais apropriada à sua aplicabilidade, inicia-se então a identificação do cliente, baseando-se em seu perfil como citam Neves, Souza e Lucas (2006, p. 122), o cadastramento deve incluir não apenas dados básicos sobre este, mas toda e qualquer informação pormenorizada que complemente as características que o tornam uma pessoa única quanto às suas necessidades de informação, estando integrado com outros cadastros dentro da organização, criando assim a base sólida para o relacionamento, mesmo que estas características estejam relacionadas ao material pendente com este cliente, tal informação propiciará a familiaridade com os tipos de recursos informacionais de maior interesse, passando-se assim para o pilar da diferenciação (NEVES, SOUZA e LUCAS, 2006, p. 123), sendo traçados direitos e políticas destinadas a cada grupo de clientes identificados com características e necessidades informacionais específicas na organização, tais clientes podem ser internos, ou seja, diz respeito a todos os funcionários de dentro da organização, como: Recursos Humanos, Diretoria, Tecnologia da Informação; ou externos diretamente relacionados com os clientes de fora da organização: público-alvo dos serviços de informação, fornecedores, parceiros, entre outros. É função do gestor identificar quais desses são responsáveis por agregar valor ao setor de informação, sendo considerados seus advogados, recomendando os serviços prestados à sua rede de contatos pelo simples fato de se sentirem únicos e especiais, diferenciados da grande maioria. Esses clientes, ao utilizar os serviços, sugerem bibliografias, solicitam informação, fazem pesquisas e usufruem do espaço. Desta forma, como lembram Finger, Castro e Costa (2007, p. 57), poderia ser objeto de serviços e atendimentos diferenciados, tais como: treinamentos ministrados pela equipe para uma melhor utilização dos recursos e serviços informacionais disponíveis e sobre o seu funcionamento, disseminação seletiva de informação, workshops, palestras e eventos sobre temas de interesse do cliente e capacitação dos funcionários (clientes internos), sendo diferenciado por tipo de necessidade, interesse e expectativas. Para obter a interação, o gestor pode implementar ações simples e concretas para capturar informações sobre o cliente e exceder suas expectativas, através de entrevistas informais com aqueles que já utilizam os serviços e com aqueles que estão adentrando pela primeira vez; o propósito é entender suas expectativas, necessidades e desejos, bem como, relatos de suas experiências quanto aos serviços oferecidos, deixando-o expressar suas opiniões e reações. Tais evidências propiciarão ao gestor a oportunidade de aprimorar e customizar seu atendimento em prol da fidelização do cliente. Baseando-se na participação em treinamentos realizados sobre Excelência em Serviços ao Cliente (do inglês Customer Services Excellence) ministrados pela CalcomGroup 1 em 2007 no escritório do British Council em Bogotá, algumas ações podem ser implementadas: a) Capacitação da equipe de informação: propiciar um ambiente de autodesenvolvimento e aprendizagem contínua, oferecendo treinamentos para aprimoramento de competências e habilidades necessárias ao sucesso do atendimento eficiente e diferenciado, clientes satisfeitos são o reflexo de funcionários satisfeitos e motivados, devendo ser envolvidos em toda a estratégia 1 Empresa britânica, fundada em 1992 por Natalie Calvert, dedicada ao gerenciamento de equipes, clientes e vendas para aumentar o desempenho, a participação e os resultados dentro de um organismo empresarial. Disponível em: 5

6 organizacional, uma vez que representam a imagem da organização, seus produtos e serviços; b) Mapeamento de processos: identificação de todo o serviço oferecido e também solicitado, ou seja, cada questão, dúvida e pedido de informação, baseado na experiência do cliente (do inglês Customer Experience Management) suas características e detalhamento (consulta local, empréstimo, reserva, pendências, reclamações, etc) sendo de fácil entendimento tanto pela equipe de funcionários quanto pelo cliente. Na definição dos procedimentos adotados para o mapeamento, eliminam-se potenciais duplicações de esforços humanos e materiais, gerando uniformidade nos processos e estrutura definidos, entretanto, é uma tarefa em constante avaliação, pois um cliente é único em sua necessidade informacional; c) Padronização dos processos: a partir do mapeamento, desenvolvem-se processos padronizados de interação com o cliente que englobam todos os canais de comunicação existentes com este, ou seja, todas as formas de acesso que ele utiliza para interagir com os serviços de informação disponíveis, referindo-se assim a interação desde o momento em que o cliente procura o serviço (na solicitação de uma determinada informação) até o momento em que ele o conclui, satisfazendo ou não a sua necessidade, seja ao telefone, presencialmente, por ou online, este momento é crucial na avaliação da qualidade do serviço oferecido e é conhecido como o momento da verdade, a oportunidade de exceder as expectativas; d) Reclamações, sugestões e comentários: objetiva instituir uma política de recebimento de feedback, com o desenvolvimento de ações concretas na resolução do descontentamento, sugestão ou comentário do cliente. Além disso, cabe-lhe também divulgar a política em todos os canais de comunicação com o cliente, apresentando a questão como oportunidade de corrigir lacunas e aprimorar o serviço e atendimento prestados, informando o tempo de duração do resultado e as ações que foram ou serão tomadas. É de grande importância identificar na equipe e na própria organização, pessoas que serão responsáveis por lidar com cada nível de solicitação recebida. De posse dos dados coletados durante a interação com os clientes, o gestor poderá personalizar diferentes serviços, desenvolvendo estratégias considerando o valor da oferta do serviço e o canal para o seu fornecimento; escolher qual a tecnologia para o armazenamento e análise dos dados e informações; implantar ou adequar processos para atender as necessidades do cliente, garantindo a qualidade do serviço. E uma etapa complementar e muito relevante é o estabelecimento das ferramentas de avaliação e medição destes serviços, com foco na melhoria contínua dos processos e, quando aplicável, na correção dos desvios e falhas cometidas. Desta forma, o ciclo se completa, desde o planejamento, passando pela implantação propriamente dita e culminando no estabelecimento de melhorias, que podem gerar novos produtos e serviços, retroalimentando o processo. E, para finalizar, personalizar serviços de informação significa desenvolver ações com foco às necessidades de um cliente ou um grupo de clientes com características específicas. Como exemplo: Não basta que o serviço de informação desenvolva ações genéricas e padronizadas de orientação ao cliente na busca de 6

7 informação: um estudante da área da saúde possui características e até mesmo uma dinâmica diferente de um estudante da área da administração ou negócios. Outro exemplo está ligado aos tradicionais serviços de Disseminação Seletiva da Informação (DSI), que muitas vezes são implantados de forma automática, através da coleta de dados do cadastro dos clientes do sistema. Este passa a receber informativos de atualização de acervo ou até mesmo informações sobre a sua área de interesse de forma massificada ou generalizada. Ou seja, o planejamento dos produtos e serviços tende a apresentar o foco interno, do próprio serviço de informação e não externo, ou seja, de seus clientes! 3 Do CRM para o CRM social 2.0 Contextualizando esta questão, no início deste trabalho foram abordadas as mudanças no perfil dos clientes dos serviços de informação decorrentes da facilidade e rapidez na localização de informação via web. As estratégias de gestão também estão se adaptando à nova lógica social e já se fala em CRM social, com o qual é possível também desenvolver ações que promovam habilidades e competências dos clientes com o objetivo de oferecer autonomia na busca e localização de informações confiáveis. Segundo Greenberg (2010, p. 474, tradução nossa) em seu sentido mais amplo, o CRM social 2.0 é uma estratégia que está centrada em torno de um compromisso com o cliente, o que o difere da estratégia do CRM tradicional, pois a principal preocupação não é a gestão de relações que se baseiam apenas na compreensão dos comportamentos e transações de um cliente com a empresa, mas sim, em tratá-lo como um parceiro que, em troca de benefícios de qualquer espécie, fornecem valor para esta. Para tanto é necessário que a equipe esteja consciente que seu serviço de informação, além de todas as outras atividades, também é um ambiente de aprendizagem, seja de forma presencial ou à distância com foco no desenvolvimento de programas customizados sobre competências informacionais de clientes. Conforme apresenta Belluzzo (2007), alguns objetivos devem capacitar o cliente para poder determinar a natureza e a extensão da necessidade de informação, saber acessar a informação necessária com efetividade; saber avaliar criticamente a informação e suas fontes; saber usar a informação apropriadamente para alcançar um objetivo ou obter um resultado; saber compreender as questões econômicas, legais e sociais da ambiência do uso da informação, acessando-a de forma ética e legal. Os clientes devem aprender a utilizar a informação e esse pode e deve ser um objetivo do serviço de informação, propiciando um ambiente para que essa aprendizagem aconteça. O recurso a ser considerado sob o ponto de vista do CRM social, portanto, são as ferramentas web e web 2.0 que praticamente são ilimitadas e estão à disposição, onde o cliente interage com o serviço em tempo real, contribuindo nos conteúdos, sendo ao mesmo tempo consumidor e produtor de informações. Os serviços de informação podem e devem utilizar destes recursos proporcionando serviços e produtos, atendendo às necessidades de seus clientes e principalmente coletando informações adicionais para compor os grupos de clientes. Comprometer-se com clientes por meio de mídia social é algo crítico. O que precisa acontecer primeiro é uma experiência de cliente encantadora e depois um maior comprometimento com os clientes por meio de novos canais (ARUSSY, 2010, p. 44). Como contribuição para contextualizar essas possibilidades serão 7

8 apresentados alguns exemplos de ações, produtos e serviços possíveis para serem desenvolvidos nos serviços de informação com foco no perfil baseados nos pilares do CRM social através dos recursos web 2.0: Tabela 2 Ações via web e web 2.0 CRM Ações via web e web 2.0 Identificar Análise de dados estatísticos identificando freqüência de uso de serviços e produtos (incluindo dados coletados nos produtos web 2.0); Blog de discussão temática: lista de discussão mediada pelo bibliotecário; Enquetes via site ou portal do serviço de informação como coleta de dados sobre o perfil de clientes ou avaliação de qualidade de serviços e produtos. Identificar Blogs temáticos: serviço de levantamento bibliográfico Interagir colaborativo onde o bibliotecário controla a qualidade e Diferenciar pertinência das colaborações. Com links para conteúdos na Personalizar íntegra; Wiki temático utilizando o conhecimento coletivo e mediado pelo serviço de informação; Twitters: como meio de comunicação rápida, mantendo o cliente informado sobre novas publicações inseridas no acervo e coletando dados para compor o perfil do cliente; Facebook: para divulgação de fotos, vídeos, mural de recados, eventos e interação dos clientes; Serviço de referência via chat / Atendimento virtual via chats para esclarecimentos de dúvidas e informações rápidas; Twitter de Evento: informar um grupo em tempo real durante um evento. Personalizar Ambiente de Aprendizagem: através de ferramentas de EaD disponibilizar tutoriais e cursos sobre o uso de bases de dados específicas e desenvolvimento de competência informacional; Formulário de pedido/sugestão de Aquisição on-line: disponível no site da biblioteca com serviços de acompanhamento e retorno da solicitação; Alertas e comunicados via s informando situação sobre empréstimos, confirmação de devoluções e atrasos quando a circulação de materiais; Repositórios temáticos de imagens utilizando ferramentas como YouTube, Picasa e SlideShare; Repositórios de Produção Técnica Científica armazenando e disponibilizando o acervo gerado pela própria instituição Fonte: Elaborado pelas autoras Esses exemplos demonstram que o planejamento de ações concretas por parte dos gestores podem aproximar os clientes desses serviços, otimizando recursos e garantindo a eficácia dos produtos e serviços prestados. 8

9 4 Considerações Parciais/Finais A pretensão ao apresentar este capítulo foi convidar os gestores de serviços de informação a repensar seu ambiente e sua prática profissional e considerar a possibilidade de introduzir o CRM como uma proposta de gestão organizacional tendo como parceiro fundamental: o cliente. Para tanto, todos os setores envolvidos na organização deverão integrar essa estratégia, uma vez que o modelo proposto é uma iniciativa corporativa, visando uma mudança cultural de forma holística e integrada. O desenvolvimento de uma empresa centrada no cliente requer uma sistematização bem administrada, ou seja, é uma jornada gradativa que requer etapas previamente definidas e projetadas para o sucesso de sua implementação, com base nos benefícios que serão conquistados a longo prazo, sendo utópico objetivar que esta se torne diferente do dia para noite. Dentro desse contexto, a iniciativa de introduzir o CRM deve ser conduzida primeiramente pela Diretoria da organização, embora a ideia e a sua concepção possa advir do gestor dos Serviços de Informação e essa é a intenção também deste trabalho: apresentá-lo como precursor da mudança e convidá-lo a ousar e se destacar como líder na tomada de decisão estratégica da organização. O ponto de partida deve envolver suas necessidades e seus interesses de negócio, a partir do planejamento estratégico desta, para então, iniciar o projeto envolvendo todos os pilares aqui apresentados. Entretanto, para que esta proposta seja concretizada a contendo, há de se observar e não se esquecer que o ambiente informacional tradicionalmente utilizado pelo cliente mudou, transformou-se e o fez interagir de forma mais independente e mais exigente também, essa realidade está presente na revolução das interações, no uso das redes sociais e meio de comunicação atualmente existentes: Facebook, Twitter, Orkut, Blogs, Podcasts, entre outros, sendo também apresentadas como características integrantes das estratégias de CRM, novos desafios ao gestor dos Serviços de Informação. Nesse atual e emergente ambiente tecnológico e informacional, o que esse cliente espera de uma organização é ser surpreendido, encantado e que os funcionários e a organização estejam preparados e empenhados a propiciar o melhor dos serviços que dispõem, ou seja, ele espera que aquilo que vê e lê no ambiente da web esteja também disponível no serviço de informação, por telefone ou por , além de poder ser escutado e recompensado caso algo dê errado no momento dessa interação. É nessa premissa que foi utilizada a palavra fidelizar e que deve estar diretamente relacionada a expressão comprometer-se. Ou seja, para se obter um cliente fiel é preciso antes de tudo comprometer-se com ele e colocá-lo em primeiro lugar dentro das iniciativas corporativas, deixando para trás ações obsoletas que tem apresentado, ao longo dos serviços prestados, os mesmos resultados. 9

10 A proposta é ir além do conhecido, é explorar e vencer os próprios melindres e inseguranças, é desafiar-se e ter a coragem de surpreender a si mesmo, dando o primeiro passo para a transformação, entretanto, é notório que para o desenvolvimento de uma organização centrada no cliente se requer um processo de mudança estruturado que é muito mais do que uma intenção. Esse processo exige, antes de qualquer coisa, ação. E - por que não? Emoção. 5 Referências ANDERSON, K.; KERR, C. Customer relationship management. New York: McGraw- Hill, ARUSSY, E. CRM social e esperiência do cliente: você está preparado? Consumidor Moderno, São Paulo, ano 15, p , jul., BARRETO, A. de A. A questão da informação. São Paulo, 23 jan Disponível em: Acesso em: 09. set BELLUZO, R. C. B. Construção de Mapas: desenvolvendo competências em informação e comunicação. 2. ed. Bauru: Cá entre nós, BRAMBILLA, F. R.; SAMPAIO, C. H.; PERIN, M. G. Indicadores tecnológicos e organizacionais do Customer Relationship Management (CRM): relação entre firma desenvolvedora, firma usuária e preceitos teóricos. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 13, n. 2, mai./ago COULSON-THOMAS, C. Transforming the company. 2 th ed. London: Kogan Page, FINGER, A. B.; CASTRO, G. de; COSTA, M. D. Gestão de bibliotecas universitárias com a implementação do Customer Relationship Management (CRM). In: AMARAL, S. A. do (Org.). Marketing na ciência da informação. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2007, p FISK, P. O gênio dos clientes. Porto Alegre: Bookman, GREENBERG, P. CRM at the speed of light: social CRM strategies, tools, and techniques for engaging your customers. 4 th ed. New York: McGraw Hill, LE COADIC, Yves-François. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos, LUCAS, E. R. de O.; SOUZA, N. A. de. Disseminação seletiva da informação em bibliotecas universitárias sob o prisma do Customer Relationship Management. Informação & Informação, Londrina, v. 12, n. 1, jan./jun NEVES, G. L. C.; SOUZA, N. A. de; LUCAS, E. R. de O. Aplicativos de gestão de 10

11 bibliotecas e a utilização do Customer Relationship Management. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 11, n. 1, p , jan./jul., PEPPERS, D.; ROGERS, M. CRM series: marketing 1 to ed. rev. e ampl. São Paulo: Carlson Marketing Group, SILVA, C. M. da; RADOS, G. J. V. Gestão de serviços em bibliotecas: melhoria com foco no cliente. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 7, n. 1, p , jan./jul., VALLS, V. M. Gestão da qualidade em Serviços de Informação no Brasil: estabelecimento de um modelo de referência baseado nas diretrizes da NBR ISO , 247 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, Disponível em: <http://www.teses.usp.br/>. Acesso em: 03. out VALLS, V.M.; SOUZA, A. M.; BERETTA, R. M. A. G. Fidelização dos clientes de serviços de informação: o uso do CRM como estratégia gerencial. In: VALLS, V. M.; VERGUEIRO, W. (Org.). Tendências contemporâneas na gestão da informação. São Paulo: Editora Sociologia e Política, 2011, p VERGUEIRO, W. O fortalecimento do cliente: alternativa para a valorização das bibliotecas públicas em um ambiente de informação eletrônica. Informação & Informação, Londrina, v. 1, n. 2, p. 7-18, jul./dez.,

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com. SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL Expositor Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.br (61) 9613-6635 5 PILARES DO MARKETING DIGITAL 1 2 3 4 5 Presença digital: Ações

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois...

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... livro Comunicação Interpessoal Empresas investem cada vez mais no desenvolvimento de pessoas e processos

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital Apresentação Presença Digital 2012 ÍNDICE 1. GESTÃO MÍDIAS SOCIAIS... 03 2. ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES... 04 3. PERSONALIZAÇÃO... 05 4. CASES... 06 5. SOBRE A INTERMIDIA BRASIL... 13 6. CLIENTES... 14

Leia mais

p3k.com.br contato@p3k.com.br

p3k.com.br contato@p3k.com.br p3k.com.br contato@p3k.com.br Rua Irmã Pia, 422, salas 302/303/1307 Edifício Green Office Jaguaré - São Paulo - SP Tel.: 11 3719.3149 FACEBOOK TWITTER VIMEO SLIDESHARE /p3kcomunicacao @p3kcomunicacao /p3kcomunicacao

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

22 DICAS para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER. em Clínicas de Imagem

22 DICAS para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER. em Clínicas de Imagem para REDUZIR O TMA DO CALL CENTER em Clínicas de Imagem Objetivo Um atendimento eficiente e personalizado é um dos principais fatores que o cliente leva em consideração ao iniciar um processo de fidelização

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos.

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos. CONHEÇA A VALECARD Soluções completas e integradas para a gestão de benefícios, gestão financeira e de frotas. Cartões aceitos em todo território nacional, por meio da Redecard, Cielo e ValeNet, o que

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

O Coaching proporciona ao profissional ampliar sua visão estratégica de pessoas e organizações.

O Coaching proporciona ao profissional ampliar sua visão estratégica de pessoas e organizações. PARCEIRO EDUCACIONAL O Coaching proporciona ao profissional ampliar sua visão estratégica de pessoas e organizações. José Roberto Marques JRM Módulo Internacional na Universidade SOBRE O MBA O Instituto

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Gestão da Qualidade Total (TQM) Conjunto de ideias e

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil lacerda e franze Escritório de Advocacia Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil CLIENTE Lacerda e Franze Advogados Associados V I S Ã O G E R A L

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais