AULA 8: FLUXO DE CAIXA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 8: FLUXO DE CAIXA"

Transcrição

1 AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica grande e depois os exercícios. Nesta aula estou corrigindo apenas 05. Os demais estou deixando para vocês tentarem resolver sozinhos. Na Aula 09 (a seguinte) farei a correção. É uma técnica minha para que vocês tentem desenvolver o raciocínio. Estudar, somente, com questões já resolvidas não permite que vocês consigam assimilar bem a matéria. Bons estudos. 1. DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1.1.IINTRODUÇÃO A Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) ainda não é obrigatória no Brasil. Sendo assim, e acompanhando o entendimento adotado pelos autores do livro Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, autores Sérgio de Iudícibus, Eliseu Martins e Ernesto Rubens Gelbcke, editora Atlas, sexta edição, o presente capítulo adotará determinadas orientações do (Fasb), Financial Accounting Standards Board, e do (lasc), International Accounting Standards Committee, órgão que estabelece normas internacionais de contabilidade, uma vez que, de acordo com aqueles autores é bem provável que a norma que tornar obrigatória no futuro a elaboração da DFC deverá ser influenciada por aqueles dispositivos internacionais. 1.2.FINALIDADE As demonstrações financeiras elaboradas de acordo com a legislação brasileira (Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos e Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados) traduzem, para os leitores, a posição patrimonial da empresa, o resultado apurado pela sociedade e a destinação dos lucros apurados. Tudo pelo regime de competência. Acontece que uma empresa necessita de recursos para sobreviver e estas demonstrações não costumam detalhar como esta posição da empresa, ou seja, como se comportou seu fluxo de caixa (passado), como está no presente e tampouco a sua projeção futura. Para suprir esta falta de informações é que surge a necessidade de se elaborar a Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC). As informações da DFC, analisadas em conjunto com as demais demonstrações financeiras, auxiliam os leitores a identificar: 1

2 1. a conversão do lucro contábil (apurado pelo regime de competência) em caixa; 2. a capacidade de geração futura de caixa, principalmente de seus resultados operacionais; 3. a probabilidade da empresa honrar seus compromissos, pagar dividendos e retornar empréstimos obtidos; 4. a confirmação ou não de projeções passadas de fluxos futuros de caixa, etc. 1.3.CONCEITOS DISPONIBILIDADES E EQUIVALENTE-CAIXA Para fins da elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa, o conceito de caixa é ampliado e inclui-se também o chamado equivalente-caixa. Equivalente-caixa é o investimento de alta liquidez, com total facilidade de conversão em dinheiro, ou equivalente e de pouca ou rara possibilidade de diminuição de valor. Assim, as disponibilidades compreendem o caixa propriamente dito, os valores depositados em conta corrente bancária e as aplicações em equivalente-caixa. 1.4.ATIVIDADES Para se elaborar a DFC podemos traçar um paralelo com a elaboração da Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR). Quando estamos elaborando esta demonstração (DOAR), os recursos são apresentados na forma de origens e aplicações (Artigo 188, incisos I e II, da Lei número 6.404/76)..Já na elaboração da DFC, classificamse as alterações de caixa por grupos de atividades. Estas são divididas em OPERACIONAIS, INVESTIMENTOS e FINANCIAMENTOS ATIVIDADE OPERACIONAL Referem-se as atividades fins da empresa, ou seja, aquelas que fazem parte de seu objeto social e todo o esforço para a sua obtenção. Normalmente aparecem na Demonstração do Resultado, excluindo os resultados não operacionais. Também são definidos como operacionais aqueles eventos que não sejam classificados como atividades de investimento e financiamento. Podem ser agrupadas da seguinte forma: Ingressos de Recursos ou Entradas de Recursos: a) recebimentos, à vista, de mercadorias, serviços e produtos, bem como do recebimento das duplicatas das vendas a prazo; b) recebimentos de juros sobre empréstimos concedidos e sobre aplicações financeiras em outras entidades, bem como dos dividendos de participações em outras sociedades; 2

3 c) recebimentos que não se originem de transações definidas como atividades de investimento ou financiamento. Saídas de Recursos ou Alocações de Recursos: a) pagamentos, à vista, a fornecedores de bens objeto de sua atividade fim, bem como do pagamento dos fornecedores de compras originalmente a prazo; b) pagamento de despesas da atividade fim da empresa, tais como, salários, aluguéis, com vendas, financeiras (juros), etc; c) pagamentos de impostos e contribuições aos diversos governos, bem como aos pagamentos acessórios, tais como multas;, etc ATIVIDADE DE INVESTIMENTO Relaciona-se normalmente com operações envolvendo os ativos de longo prazo que a empresa utiliza para produzir bens e serviços, incluindo a aquisição e alienação de ativo permanente investimento, imobilizado, bem como a concessão de empréstimos. Ingressos de Recursos ou Entradas de Recursos: a) recebimento do principal dos empréstimos concedidos (os juros recebidos destes empréstimos são classificados como atividade operacional); b) recebimento pela venda de participações em outras empresas; c) recebimento pela venda de ativo permanente imobilizado. Saídas de Recursos ou Alocações de Recursos: a) concessão (desembolso) de empréstimos a outras empresas b) aquisição (pagamento) de títulos patrimoniais de outras empresas; c) aquisição (pagamento) de ativo permanente imobilizado ATIVIDADE DE FINANCIAMENTO Refere-se aos financiamentos concedidos à sociedade por terceiros e/ou pelos sócios. Basicamente são os valores constantes do passivo exigível de curto e longo prazo que sejam oriundos de empréstimos (financeiros) e capital social Ingressos de Recursos ou Entradas de Recursos: a) recebimento decorrente da realização do capital social; b) recebimento decorrente de empréstimo (financeiro) obtido no mercado de curto ou longo prazo; Saídas de Recursos ou Alocações de Recursos: a) pagamento de dividendo; b) pagamento pelo resgate de ações da própria empresa; c) pagamento do principal dos empréstimos obtidos (os juros são classificados como atividade operacional). 1.5.TÉCNICAS DE ELABORAÇÃO 3

4 Conforme comentado acima, a DFC, ao ser elaborada, irá dividir os ingressos e as saídas de recursos por atividades (operacional, investimento e financiamento). O resultado líquido aritmético das atividades será igual a variação ocorrida no CAIXA (caixa e equivalente-caixa) no período. Ou seja, verifica-se qual o saldo no início do período deste Caixa e qual o saldo final. A diferença encontrada deve ser igual ao resultado líquido algébrico apurado nas três atividades que compõem a DFC. De acordo com as regras internacionais, já comentadas no início deste capítulo, existem duas formas de elaboração da demonstração. Através do MÉTODO DIRETO ou através do MÉTODO INDIRETO MÉTODO DIRETO Consiste em demonstrar os ingressos e as saídas de recursos das principais atividades operacionais como, por exemplo, os recebimentos pelas vendas dos produtos e serviços, pagamento de fornecedores, salários, impostos. Após o cômputo das entradas e saídas teremos o resultado líquido de caixa (ingresso ou saída) da atividade operacional em um determinado período. Quanto mais detalhada for a demonstração, mais informações serão transmitidas aos leitores, que poderão analisar qual resultado (da atividade da empresa) está sendo convertido em caixa. Além do resultado operacional serão demonstrados os ingressos e as saídas de caixa das demais atividades, sempre de forma detalhada. Para a elaboração da DFC pelo método direto utilizaremos a inteligência nos passada pelo livro Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, já qualificado no início deste capítulo, que determina: O modelo utiliza a seqüência básica a seguir para calcular o fluxo de caixa das operações. Parte dos componentes da Demonstração de Resultados e os ajusta pelas variações nas contas circulantes do Balanço vinculadas às operações. Por isso, é útil criar uma coluna para expressar as variações positivas ou negativas de cada conta dos Balanços comparados. Assim: DFC - Seqüência para Apuração das Movimentações de Caixa - Método Direto - Receita ou despesa (DRE) > Ajustes pelas variações nas contas do Balanço -> Valores para registrar na DFC. Genericamente, um aumento no saldo das contas do Ativo Circulante vinculadas às operações diminui o Caixa, e uma diminuição no saldo dessas contas aumenta o Caixa. Do mesmo modo, um acréscimo no saldo das contas do Passivo Circulante vinculadas às operações aumenta o Caixa, e uma diminuição produz uma saída (redução) no Caixa. Esse 4

5 esquema é genérico, e deve ser utilizado com cuidado, pois podem existir transações no circulante que não pertençam às atividades operacionais (empréstimo de curto prazo, por exemplo) e também eventos fora do circulante que fazem parte das operações (juros e impostos a pagar no LP, créditos de LP etc.) MÉTODO INDIRETO Este método parte de um valor para chegar a outro, ou seja, de forma indireta chegase a uma mesma conclusão. Desta forma, parte-se do lucro líquido (apurado pelo regime de competência) para chegar ao valor deste lucro que foi convertido em caixa. Por este motivo é chamado de método da conciliação, uma vez que concilia o lucro líquido com o caixa. Para que a demonstração consiga passar essas informações é necessário: a) verificar quais valores estão no lucro e que não afetaram caixa neste período, ou seja, valores que afetaram caixa no passado mas afetaram o lucro somente agora (como as despesas antecipadas), bem como as receitas que afetaram o lucro mas não ingressaram no caixa (como as receitas a prazo), além daquelas despesas que diminuíram o resultado deste período mas que só serão pagas no futuro (despesas a prazo), entre tantas outras; b) identificar quais foram os valores que afetaram o lucro neste período mas que se referem a gastos que foram efetuados no passado e que são lançados a resultado paulatinamente, tais como depreciações, amortizações, exaustões, que devem ser eliminados deste lucro para verificação do efeito no caixa da empresa; c) verificar e ajustar resultados que se referem a atividade de investimento mas que estão alocadas no resultado do exercício,tais como o lucro ou a perda de capital na venda de bens ou direitos do ativo permanente (estes valores são excluídos da atividade operacional e são colocados na atividade de investimento). Este método de elaboração é bastante parecido com o da elaboração da DOAR, que, de acordo com a legislação societária (Lei número 6.404/76, artigo 188) é feito de modo indireto pela variação nos grupos não circulantes. Para a sua elaboração considera-se que todo o lucro líquido apurado pela empresa afetou o caixa. Sendo assim, a primeira linha da DFC (atividade operacional) tem a informação deste lucro. A partir deste valor efetua-se as adições e as diminuições dos valores que sabidamente não afetaram o caixa. Já foi citado acima o cuidado que se deve ter para identificar os valores que estão no resultado e que não pertencem à atividade operacional e sim a atividade de investimento. Ainda utilizando o ensinado pelo livro Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, deve-se seguir a seguinte ordem lógica para a estruturação da DFC pelo método indireto: 1. registrar o lucro líquido (transcrever da DRE); 5

6 2. somar (ou subtrair) os lançamentos que afetam o lucro mas que não têm efeito no caixa, ou cujo efeito no caixa se reconhece em outro lugar da demonstração ou num prazo muito longo (depreciação, amortização, resultado de equivalência patrimonial, despesa financeira de longo prazo etc.); 3. somar (ou subtrair) os lançamentos que, apesar de afetarem o caixa, não pertencem às atividades operacionais (por exemplo, ganho e perda na venda, a vista, de imobilizado ou de outro ativo não pertencente ao grupo circulante); 4. somar as reduções nos saldos das contas do Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo vinculadas às operações; 5. subtrair os acréscimos nos saldos das contas do Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo vinculados às operações; 6. somar os acréscimos nos saldos das contas do Passivo Circulante e Exigível a Longo Prazo vinculados às operações; 7. subtrair as reduções nos saldos das contas do Passivo Circulante e Exigível a Longo Prazo vinculadas às operações. Os ajustes efetuados nos itens 4 a 7 têm às seguintes explicações: a) redução nas contas do Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo se este grupo diminui de valor significa que o caixa aumentou. Para entender este item, considere que no início do exercício a conta Duplicatas a Receber (Clientes ou similar) estivesse com um saldo de $ ,00 decorrentes das vendas efetuadas no ano anterior e ainda não recebidas. Neste período, de acordo com a Demonstração do Resultado do Exercício, o valor das Vendas tenha sido de $ ,00 e que o saldo final da conta Duplicatas a Receber (Clientes ou similar) esteja com um valor de $ ,00. Analisando estes dados, podemos concluir que a empresa poderia ter recebido $ ,00 decorrentes de vendas, sendo $ ,00 de vendas efetuadas no ano anterior e $ ,00 de vendas deste período. Como ainda constam $ ,00 em Duplicatas a Receber significa que este valor só deverá ser recebido no ano seguinte. Portanto a empresa recebeu $ ,00. Deste valor $ ,00 já estão incluídos no Lucro do Exercício (na DRE consta $ ,00 de Vendas, que aumentaram o lucro da empresa e é informado na primeira linha da DFC) e os restantes $ ,00 decorrem da diminuição da conta Duplicatas a Receber (Clientes ou similar).cuidado tem que haver para verificar se a conta Duplicatas a Receber (Clientes ou similar) foi diminuída por outra razão que não o recebimento como, por exemplo, o reconhecimento de perdas, tendo sido baixado contra Provisão para Devedores Duvidosos; b) aumento nas contas do Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo a mesma análise do item anterior, só que agora o caixa diminui pela variação positiva nas contas destes subgrupos. Para entender este item basta considerar que, ao invés da conta Duplicatas a Receber (Clientes ou similar) diminuir para $ ,00, houve um aumento para $ ,00. Isto significa dizer que a empresa tendo, recebido todo o valor do ano 6

7 anterior, deixou para receber $ ,00 decorrentes das vendas deste ano para o ano seguinte. Se a empresa tinha a receber do ano anterior $ ,00 e vendeu este ano $ ,00, o total a receber era de $ ,00. Como restam $ ,00 concluímos que só recebeu $ ,00. Como na DRE o Lucro Líquido da empresa foi aumentado em $ ,00 (o valor das Vendas do período) e a empresa só recebeu $ ,00, precisamos diminuir o impacto no caixa em $ ,00, que é exatamente a variação positiva na conta Duplicatas a Receber (Clientes ou similar); c) aumento nas contas do Passivo Circulante e Exigível a Longo Prazo análise semelhante a adotada para os grupos do ativo, comentadas nos itens a e b. Considerando que exista um saldo de $ ,00 na conta Imposto de Renda a Pagar no início do período e ao final este saldo seja de $ ,00. Verificando as contas de resultado na DRE encontra-se uma despesa com Imposto de Renda de $ ,00. Podemos concluir que a empresa teria a pagar desta rubrica o valor de $ ,00 (soma do valor do ano anterior mais o valor deste ano). Deixou para pagar $ ,00 no ano seguinte (até por permissão da legislação). Portanto só pagou $ ,00. Como na DRE foi lançado o valor de $ ,00, reduzindo o lucro da empresa, a diferença tem que ser ajustada. E o valor é de $ ,00, exatamente igual a variação ocorrida na conta Imposto de Renda a Pagar; d) redução nas contas do passivo circulante mesma análise feita nos itens a, b e c acima. 1.6.EXEMPLO DE ELABORAÇÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Considerando as demonstrações financeiras abaixo, elaborar a Demonstração do Fluxo de Caixa pelos métodos direto e indireto da empresa BRANTSIL S/A. BALANÇO PATRIMONIAL DA EMPRESA BRANTSIL S/A Variação Caixa e Bancos Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata (6.000) Clientes - Duplicatas a Receber Duplicatas Descontadas - (40.000) (40.000) Provisão p/ Devedores Duvidosos (6.000) (6.300) (300) Estoques (80.000) Seguros a Vencer (8.000) Máquinas Depreciação Acumulada (20.000) (33.000) (13.000) TOTAL DO ATIVO (37.300) Duplicatas a Pagar Fornecedores (30.000) Provisão para Imposto de Renda (5.000) 7

8 Salários a Pagar Contas a Pagar Empréstimo de Longo Prazo (70.000) Capital Lucros Acumulados (9.300) TOTAL DO PASSIVO + PL (37.300) Demonstração do Resultado de 2002 (em $): Vendas Custo das Mercadorias Vendidas ( ) Lucro Bruto Despesa de Salários (60.000) Depreciação (13.000) Despesas Financeiras (5.000) Despesa com Provisão pa Devedores Duvidosos (6.300) Reversão de Provisão para Devedores Duvidosos Despesas Gerais (18.000) Receitas Financeiras Lucro Antes do IR/CS Provisão para Imposto de Renda (15.000) Lucro Líquido Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (em $): Capital Lucros Acumulados Total Saldo em Aumento de Capital Lucro Líquido Dividendos pagos (23.000) (23.000) Saldo em X Observação: a) Foram pagos $ de dividendos, sendo uma parte referente ao ano de 2001 que estava sem destinação. b) As despesas financeiras foram pagas e as receitas financeiras foram recebidas. Elaboração da Demonstração do Fluxo de Caixa a) PELO MÉTODO DIRETO Atividades Operacionais Recebimento de Clientes Duplicatas Descontadas Recebimento de Receitas Financeiras

9 Pagamento de Fornecedores Pagamento de Imposto de Renda Pagamento de Salários Pagamento de Despesas Financeiras Ingresso Líquido de Caixa Operacional Atividade de Investimentos Pagamento Aquisição de Máquina Caixa Líquido Consumido Investimento Atividade de Financiamento Ingresso pelo Aumento de Capital Social Pagamento de Dividendos Pagamento de Empréstimos de Longo Prazo Caixa Líquido Consumido Financiamento Aumento Líquido de Caixa em Saldo de Caixa em Saldo de Caixa em Variação Ocorrida no Caixa b) PELO MÉTODO INDIRETO Atividades Operacionais Lucro Líquido do Exercício Mais Depreciação Aumento de Duplicatas a Receber Aumento de Provisão para Devedores Duvidosos 300 Aumento de Duplicatas Descontadas

10 Diminuição de Estoques Diminuição de Seguros a Vencer Diminuição de Fornecedores Diminuição de Imposto a Pagar Aumento de Salários a Pagar Aumento de Contas a Pagar Ingresso Líquido da Atividade Operacional Atividades Investimentos Pagamento pela Compra de Máquina Caixa Líquido Consumido Investimento Atividades Financiamentos Recebimento pelo Aumento de Capital Pagamento de Dividendos Pagamento de Empréstimos Caixa Líquido Consumido Financiamento Aumento Líquido de Caixa em Saldo de Caixa em Saldo de Caixa em Variação Ocorrida no Caixa Considerando as instruções que foram detalhadas no item 9.5, faremos uma breve análise da DFC elaborada: a) Método Indireto: a. A empresa apurou um Lucro Líquido de $ ,00 mas o ingresso líquido no caixa decorrente deste resultado foi de $ ,00 (lucro de $ ,00 mais a depreciação de $ ,00). Porém, com as variações ocorridas nas contas do ativo e do passivo operacionais o caixa foi impactado positivamente em $ ,00, que decorre de operações registradas em períodos anteriores e que se transformaram em caixa neste período como, por exemplo, o a conta Estoques que foi diminuída em $ ,00, ou seja, parcela do Custo das Mercadorias Vendidas, registrada na DRE, portanto diminuindo o lucro do período não afetou o caixa neste ano e sim no período anterior quando foi adquirido. Mesma análise deve ser feita para as demais contas que representam a atividade operacional da empresa. b. Deste ingresso positivo no caixa da atividade operacional, $ ,00 foi investido na aquisição de novos equipamentos, que irão gerar resultados positivos nos próximos períodos; c. Outra parcela foi destinada ao pagamento de financiamentos e de dividendos, que líquidos dos novos recursos trazidos pelos sócios ($ ,00) consumiram $ ,00 do caixa da empresa. b) Método Direto: 10

11 a. Por este método, é mais fácil identificar a origens dos ingressos de recursos e da aplicação dos mesmos na atividade operacional como, por exemplo, qual foi o valor que afetou o caixa decorrente das vendas da empresa, qual foi o pagamento de fornecedores, de salários, etc; b. Os efeitos das demais atividades (investimento e financiamento) são apresentadas de forma semelhante à adotada pelo Método Indireto. c) O Método Indireto é muito parecido com a elaboração da Doar, pois parte do resultado líquido ajustando-o para verificar o efeito no caixa da empresa. Exercícios: AFRF Dadas as informações a seguir: I - As Demonstrações Contábeis, de três períodos consecutivos, da CIA. MARACANÃ, registram nas contas abaixo, os seguintes saldos: SALDOS FINAIS Vendas Custo das Mercadorias Vendidas Despesa c/ Devedores Duvidosos Clientes Estoques PDD Reversão de PDD Fornecedores Despesas do Período Contas a Pagar Perdas com Clientes II - O Balanço Patrimonial de 1998 evidenciava como saldos finais das contas a seguir os valores: Estoques Fornecedores Clientes PDD Contas a Pagar III - A empresa utilizava Contas a Pagar somente para registrar despesas a prazo. Com base unicamente nas informações fornecidas, responda às questões de 01 a O valor das compras efetuadas pela empresa em 2001 é: a) b) c) d)

12 e) Solução: Apesar da questão estar incluída em um grande grupo de questões relativas a Demonstração do Fluxo de Caixa, ela trata de operações com mercadorias, que já tratamos diversas vezes em aulas anteriores. Resolução considerada fácil. Basta lembrarmos da fórmula do Custo das Mercadorias Vendidas: CMV = Estoque Inicial + Compras - Estoque Final = Compras Compras = Gabarito - A 02- O valor de ingresso no Fluxo de Caixa, nos três períodos, proveniente das Vendas é: a) b) c) d) e) Solução: Esta questão, de Demonstração do Fluxo de Caixa, se refere à elaboração pelo chamado método direto. Quer o examinador que identifiquemos qual o valor que a empresa recebeu de vendas. Vamos fazer uma análise do ano de Repare, na DRE, que a empresa efetuou vendas de $ ,00, contabilizadas pelo regime de competência. No Balanço Patrimonial identificamos a conta cliente com saldo inicial de $ ,00 (é o saldo final de 1998). Este saldo inicial se refere a vendas efetuadas em 1998, não recebidas naquele ano e que devem ser recebidas em Ora, somando com as vendas de 1999 ($ ,00), a empresa deveria receber $ ,00. Porém, a conta clientes termina com um saldo de $ ,00. O que isso significa? Que a empresa deixou para receber, em 2000, o valor de $ ,00, decorrente de vendas realizadas em Como tinha a receber $ ,00 e $ ,00 ficaram para 2000, o máximo que poderia receber em 1999 seria $ ,00 ($ ,00 - $ ,00). Porém, analisando a conta de PDD, reparamos que seu saldo inicial de $ 3.000,00 foi baixado contra a conta clientes por se tornarem incobráveis. Como podemos concluir isso? O saldo inicial era de $ 3.000,00. A despesa com PDD em 1999 foi de $ ,00 e o saldo final de PDD também foi de $ ,00. Como o saldo inicial era de $, 3.000,00.e houve a constituição de $ ,00, o saldo final deveria ser de $ ,00. Como o saldo final é de $ ,00, significa que a PDD foi baixada em $ 3.000,00. Como não houve reversão neste período, de PDD, significa que os $ 3.000,00 foram baixados por perda no recebimento de clientes. Pessoal, se a conta clientes foi baixada em $ ,00, e $ 3.000,00 se referem a perdas no seu recebimento, recebemos apenas a diferença, ou seja, R$ ,

13 Não se esqueçam que a conta clientes pode ser diminuída, basicamente, pelos seguintes motivos: Recebimento dos Valores r Perda no Recebimento. Como $ 3.000,00 foram perdas, o restante foi recebimento. Esta mesma análise dever ser feita para os demais anos. Vejamos: Ano Na DRE, identificamos que a empresa efetuou vendas de $ ,00, contabilizadas pelo regime de competência. No Balanço Patrimonial identificamos a conta cliente com saldo inicial de $ ,00 (é o saldo final de 1999). Este saldo inicial se refere a vendas efetuadas em 1999, não recebidas naquele ano e que devem ser recebidas em Ora, somando com as vendas de 2000 ($ ,00), a empresa deveria receber $ ,00. Porém, a conta clientes termina com um saldo de $ ,00. O que isso significa? Que a empresa deixou para receber, em 2001, o valor de $ ,00, decorrente de vendas realizadas em Como tinha a receber $ ,00 e $ ,00 ficaram para 2001, o máximo que poderia receber em 2000 seria $ ,00 ($ ,00 - $ ,00). Porém, analisando a conta de PDD, reparamos que seu saldo inicial de $ ,00 foi baixado contra a conta clientes por se tornarem incobráveis. De novo, como podemos concluir isso? O saldo inicial era de $ ,00. A despesa com PDD em 2000 foi de $ ,00 e o saldo final de PDD também foi de $ ,00. Como o saldo inicial era de $ ,00.e houve a constituição de $ ,00, o saldo final deveria ser de $ ,00. Como o saldo final é de $ ,00, significa que a PDD foi baixada em $ ,00. Como não houve reversão neste período, de PDD, significa que os $ ,00 foram baixados por perda no recebimento de clientes. Mas, cuidado. Repare que existe uma conta com Perdas com Cliente no valor de $ 8.000,00. O que significa esta conta/ Que a empresa tomou calote dos clientes. O calote total foi de $ ,00. Uma parte já estava proviionada (lembra da baixa da PDD de $ ,00?). O restante não estava provisionado e por isso foi baixado contra despesa e não contra PDD, pois não estava provisionado. É uma análise difícil, concordo, principalmente para explicar no papel, sem um quadro negro. Analisem com calma. Se a conta clientes foi baixada em $ ,00, e $ ,00 se referem a perdas no seu recebimento, a empresa recebeu apenas a diferença, ou seja, R$ ,00. Agora o ano Na DRE, identificamos que a empresa efetuou vendas de $ ,00, contabilizadas pelo regime de competência. No Balanço Patrimonial identificamos a conta cliente com saldo inicial de $ ,00 (é o saldo final de 2000). Este saldo inicial se refere a vendas efetuadas em 2000, não recebidas naquele ano e que devem ser recebidas em Ora, somando com as vendas de 2001 ($ ,00), a empresa deveria receber $ ,00. Porém, a conta clientes termina com um saldo de $ ,00. O que isso significa? Que a empresa deixou para receber, em 2002, o valor de $ ,00, decorrente de vendas realizadas em Como tinha a receber $ 13

14 ,00 e $ ,00 ficaram para 2002, o máximo que poderia receber em 2001 seria $ ,00 ($ ,00 - $ ,00). Porém, analisando a conta de PDD, reparamos que seu saldo inicial de $ ,00 foi baixado em parte contra a conta clientes por se tornarem incobráveis. De novo, como podemos concluir isso? O saldo inicial era de $ ,00. A despesa com PDD em 2001 foi de $ ,00 e o saldo final de PDD também foi de $ ,00. Como o saldo inicial era de $ ,00.e houve a constituição de $ ,00, o saldo final deveria ser de $ ,00. Como o saldo final é de $ ,00, significa que a PDD foi baixada em $ ,00. Como houve reversão neste período, de PDD, no valor de $ 4.000,00, significa que apenas $ 8.000,00 foram baixados por perda no recebimento de clientes. Percebemos que houve a reversão da PDD na DRE. Vejam a conta nesta demonstração. Se a conta clientes foi baixada em $ ,00, e $ 8.000,00 se referem a perdas no seu recebimento, a empresa recebeu apenas a diferença, ou seja, R$ ,00. Gabarito E 03- Se 10% das Despesas do ano de 2000 representarem valores ligados a itens provisionados, pode-se afirmar que o valor das saídas de caixa decorrentes de pagamento de despesas é: a) b) c) d) e) Solução: Mais uma questão difícil. As despesas de 2000 totalizaram $ ,00. As despesas provisionadas foram de 10%, ou seja, $ ,00. O que significa despesa provisionada? Que não demanda pagamento. Como exemplo, PDD, Depreciação, etc. As despesas são registradas pelo regime de competência, ou seja, independentemente do pagamento. Foi informação do problema que a conta Contas a Pagar é utilizada para registrar as despesas a prazo. Como não sabemos se as despesas foram à vista ou prazo, consideramos que foram a prazo. Como o saldo da conta Contas a Pagar era de $ ,00 e $ as despesas do período (exceto as provisionadas) foram de $ ,00 ($ ,00 - $ ,00), o valor que a empresa deveria pagar seria de $ ,00. Como o saldo final desta conta foi de $ ,00, significa que este valor deverá ser pago em Portanto, a empresa pagou a diferença de $ ,00 ($ ,00 - $ ,00). Gabarito - B 14

15 04- No período de 2000 os pagamentos efetuados pela empresa aos fornecedores foram no valor de: a) b) c) d) e) Solução: Para sabermos quanto que a empresa pagou em 2000, devemos analisar a conta fornecedores, que significa compras a prazo realizadas pela empresa. O saldo inicial desta conta era de $ ,00, significando compras efetuadas em 1999 a serem pagas em Quanto a empresa comprou em 2000? Para tanto, a fórmula de CMV deve ser utilizada: CMV = EI + C - EF = C I C = As compras foram de $ ,00. Portanto o valor máximo de pagamento aos fornecedores seria de $ ,00 ($ ,00 + $ ,00). Como o saldo final da conta Fornecedores foi de $ ,00, este valor deverá ser pago em Logo, a empresa pagou a diferença, de $ ,00 Gabarito - E. 05- Das operações listadas a seguir, indique aquela que não tem como conseqüência alteração nas disponibilidades. a) diminuições de financiamentos por amortizações b) novos investimentos de longo prazo c) aumento de imobilizados por reavaliações d) créditos concedidos a coligadas e controladas e) operações com debêntures conversíveis em ações Solução: Quando ocorre a reavaliação de um ativo permanente imobilizado, debita-se a ativo e credita-se uma Reserva de Reavaliação no Patrimônio Líquido, não afetando as disponibilidades. Gabarito - C Não farei as correções das questões abaixo nesta aula. Deixo para vocês tentarem responder após estudar o que acima escrevi. Na aula 09 efetuarei a correção destas questões. Bons estudos. AFRF

16 01- (AFRF /ESAF) A composição da diferença entre o Lucro Contábil com o Fluxo de Caixa Operacional Líquido é evidenciada: a) na Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos. b) no Fluxo de Caixa Indireto. c) na Demonstração de Resultados. d) no fluxo gerado por Investimentos. e) na composição dos financiamentos de Caixa. 02- (AFRF /ESAF) O valor de resgate referente a aplicações financeiras de longo prazo é classificado no Fluxo de Caixa como item: a) de Empreendimentos b) de Financiamentos c) de Operações d) de Amortizações e) de Investimentos Das demonstrações contábeis da Cia. Azulão foram extraídas as contas abaixo com os seus respectivos saldos: Contas/Período Fornecedores CMV Compras Vendas Despesas Antecipadas Despesas Totais do Período Depreciações do Período Tomando como base os dados fornecidos, responda às questões de nº 03 a (AFRF /ESAF) O valor pago pelas compras no ano de 2001 foi: a) b) c) d) e) (AFRF /ESAF) Se o valor do estoque final for , o estoque inicial será: a) b) c)

17 d) e) (AFRF /ESAF) Considerando que o Passivo Circulante da empresa era formado unicamente pela rubrica fornecedores e o Balanço Patrimonial não evidenciava a existência de Realizável a Longo Prazo, pode-se afirmar que o valor das Despesas pagas no período é: a) b) c) d) e) AFRF 2003 Instruções para resolução das questões de nºs 01 a 07. Em uma operação de verificação dos livros contábeis, realizada na Cia. Luanda, foi possível identificar os seguintes dados: I - O Balanço Patrimonial dos exercícios 20x1 e 20x2 CONTAS DO ATIVO 20x1 20x2 Disponibilidades Clientes (-) Prov. p/ Créditos de Liq. Duvidosa (300) (800) Estoques Participações Societárias Imóveis Equipamentos Veículos (-) Depreciação Acumulada (2.000) (7.500) TOTAL DO ATIVO CONTAS DO PASSIVO+PL 20x1 20x2 Contas a Pagar Fornecedores Dividendos a Pagar Impostos Provisionados Notas Promissórias a Pagar Financiamentos de Longo Prazo Capital Social Reservas de Lucros Lucros/Prejuízos Acumulados TOTAL DO PASSIVO+PL

18 II - A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido CAPITAL RESERVA LUCROS/PREJUÍZOS TOTAL SOCIAL DE LUCROS ACUMULADOS Saldo em x Transferências (4.000) 0 p/capital Novas Subscrições Incorporação do Resultado Líquido 19x2 Distribuição do 0 Resultado Dividendos (3.000) (3.000) Saldo em x III - Itens da Demonstração de Resultado do Exercício Itens Adicionais 20x1 20x2 Vendas CMV Despesas totais do período Resultado antes do IR Variações Cambiais Passivas Despesas de Depreciações Provisão p/ pagamento do Imposto de Renda Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa IV - Outras informações adicionais - As Notas Promissórias vencem em 180 dias. - Os financiamentos foram contratados junto ao Banco ABC em x1 pelo prazo de 8 anos, com carência de 3 anos e juros de 5% anuais, pagáveis ao final de cada período contábil. O saldo devedor é corrigido pela variação da moeda x, com pagamento do principal em 5 parcelas anuais após o período de carência. Com base unicamente nos dados fornecidos, responder às questões de números 06 a (AFRF 2003/ESAF) -O valor dos ingressos de caixa gerado pelas vendas no período examinado foi: a) b) c) d)

19 e) (AFRF 2003/ESAF) -Examinando os dados, verifica-se que a empresa pagou aos fornecedores o valor de: a) b) c) d) e) (AFRF 2003/ESAF) - Com base nos dados identificados, pode-se afirmar que a saída de caixa para o pagamento de despesas foi: a) b) c) d) e) (AFRF 2003/ESAF) -No período a empresa efetuou compras de estoques no valor de: a) b) c) d) e) (AFRF 2003/ESAF) -Com os dados fornecidos e aplicando o método indireto para elaborar o fluxo de caixa, pode-se afirmar que a contribuição do resultado ajustado para a formação das disponibilidades é: a) b) c) d) e) (AFRF 2003/ESAF) -O valor dos itens de Investimentos que contribuíram para a variação das disponibilidades é: a) (5.500) b) (5.000) c) (500) d) e)

20 07- (AFRF 2003/ESAF) -O valor do caixa líquido consumido nas atividades operacionais é: a) (9.300) b) (8.000) c) (3.000) d) e) (AFRF 2003/ESAF) -Representam operações que não afetam o fluxo de caixa: a) recebimento por doação de terrenos e depreciações lançadas no período. b) aquisição de bens não de uso e quitação de contrato de mútuo. c) alienação de participações societárias e depreciações lançadas no período. d) amortizações efetuadas no período de diferidos e venda de ações emitidas. e) repasse de recursos para empresas coligadas e aquisição de bens. 09- (AFRF 2003/ESAF) -Na elaboração do fluxo de caixa são classificáveis como atividade de financiamento: a) desembolso por empréstimos concedidos a empresas coligadas e controladas. b) aquisição de máquinas, veículos ou equipamentos através de contrato de arrendamento mercantil. c) recebimento de contribuições de caráter permanente para aquisição de terrenos para expansão da capacidade instalada da empresa. d) venda de ações emitidas e recebimento de valores decorrentes da alienação de participações societárias. e) recebimento de juros sobre empréstimos concedidos a outras empresas. 20

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc.

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc. DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Regime de Caixa Regime de Competência X DFC: Objetivo/finalidade Permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. 2 Questões resolvidas 2.1 DFC

Sumário. 1 Introdução. 2 Questões resolvidas 2.1 DFC Sumário 1 Introdução... 1 2 Questões resolvidas... 1 2.1 DFC... 1 2.1.1 Concurso para AFRF 2003 prova de contabilidade avançada Questão 22... 1 2.1.2 Concurso para AFRF 2003 prova de contabilidade avançada

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS Olá, pessoal. Com a autorização para a realização do concurso da Receita Federal, vários candidatos que já fizeram algum tipo de curso de contabilidade (inclusive conosco),

Leia mais

1 Apresentação do problema

1 Apresentação do problema 1 APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA...1 1.1 CONCEITOS INICIAIS CCL E DOAR...1 1.2 ANÁLISE DO SIGNIFICADO DOS ITENS DA DOAR...2 2 DESENVOLVIMENTO DO TEMA...4 2.1 PREMISSA INICIAL EFEITO DAS RECEITAS E DESPESAS NO

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA)

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) Vou abordar, neste artigo, um assunto relativamente novo, mas que já foi cobrado por algumas bancas. Trata-se da Demonstração do Resultado Abrangente (DRA). Resultado

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 2.1 ENUNCIADO...3 2.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...3 2.3 GABARITO...5 3 QUESTÃO 30 DOAR...6 3.1 ENUNCIADO...6 3.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...6 3.3 GABARITO...9 4 FECHAMENTO...9

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL)

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO Prof. Emanoel Truta Conceito É uma demonstração contábil que visa evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem o Patrimônio

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

03 (CESGRANRIO/BR DISTRIBUIDORA 2008) FLUXO DE CAIXA

03 (CESGRANRIO/BR DISTRIBUIDORA 2008) FLUXO DE CAIXA FLUXO DE CAIXA 01 (CARLOS CHAGAS/TRT 18ª REGIÃO 2008) Um dos objetivos da Demonstração do Fluxo de Caixa, recém tornada obrigatória em virtude da modificação introduzida pela Lei nº 11.638/2007 na Lei

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial Prof. Dr. Dirceu Raiser O Balanço Patrimonial consiste em um conjunto de informações sistematizadas. Tais informações demonstram

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE PROF. M.Sc. RICARDO GONÇALVES DOS SANTOS LINS-SP/2012 1 TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Candidato: Plano de Aula FAPAS Prof. OLIVEIRA, A. S., Dr. 1) 2) Justificativa da Aula Passiv o O estudo do patrimônio é a espinha dorsal da Teoria da Contabilidade. (Iudícibus e Marion, 2002, p. 141).

Leia mais

Profa. Divane Silva. Unidade II CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

Profa. Divane Silva. Unidade II CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE SOCIETÁRIA A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais