2.3.2 Prática da Distribuição Hoteleira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.3.2 Prática da Distribuição Hoteleira"

Transcrição

1 de caráter internacional, quer de caráter nacional, nomeadamente os artigos 32.º a 40.º do Decreto Lei n.º 209/97, de 13 de agosto, com as alterações introduzidas nos diplomas subsequentes. De tudo o que se refere resulta a conclusão de que a função distribuição deve ser entendida pelo gestor como uma necessidade, um trabalho indispensável ao êxito de qualquer unidade hoteleira, tanto quanto possível a ser realizado por esta, mas sem descurar a participação no mesmo dos intermediários, os quais devem ser selecionados em função da sua capacidade de gerar fluxos de clientes para o hotel Prática da Distribuição Hoteleira Julgamos não carecer de demonstração a afirmação de que a um gestor mesmo que seja o responsável pela gestão de uma unidade hoteleira considerada como o hotel perfeito não lhe basta garantir o melhor serviço, abrir as portas e esperar que os clientes por elas entrem, para assegurar a necessária rentabilidade. Terá, sempre e necessariamente, de realizar um trabalho que permita criar as melhores condições para que todos os potenciais clientes possam concretizar a sua opção pelo hotel. Isto é, tem de assegurar a prática da distribuição hoteleira. A distribuição hoteleira pode integrar os seguintes tipos de situações básicas: Consumo direto no hotel Ocorre quando os clientes se alojam no hotel sem reserva prévia, conhecidos na gíria como os clientes passantes ou, simplesmente, passantes; Fracionamento do produto Impõe a colocação do produto hoteleiro no mercado sob a forma de frações ajustadas aos possíveis tipos de consumo, seja de clientes individuais ou de grupos, o que implica a realização de reservas e a consequente formalização prévia de contratos hoteleiros. Os tipos de consumo impõem a necessidade, como atrás se referiu, de se criarem condições para que os serviços do hotel possam ser disponibilizados e adquiridos nos lugares, por mais afastados que sejam, onde residem os seus potenciais consumidores. De uma forma gráfica e muito simplista, podemos descrever a função distribuição do produto turístico da seguinte forma (Figura 2.9): 86

2 Ferramentas da Gestão Hoteleira Direto Hotel Offline Online Indireto Direto Operadores turísticos AA VV Empresas Sítio do hotel Blogues Sítios sociais Redes sociais Blogging emobil Reputação online Cliente final Indireto OTA CRS Figura 2.9 Distribuição na hotelaria Existem, nos dias de hoje, duas formas básicas de realizar a distribuição: Offline Quando realizada com recurso aos canais tradicionais; Online Quando realizada através de um dos diferentes canais de distribuição disponibilizados pela internet. Já no que concerne à realização da venda do produto hoteleiro, a mesma pode ocorrer segundo duas formas básicas: Lidel Edições Técnicas Venda direta Ocorre quando a unidade hoteleira estabelece, por si mesma, acordos comerciais quer com clientes individuais de que são exemplo os já referidos clientes passantes, quer com empresas, utilizando, para o efeito, quer os canais de distribuição tradicionais, quer a internet. Acordos que, de acordo com as características do hotel, são realizados pela receção e/ou pelo departamento comercial; Venda indireta Quando a venda é realizada através de intermediários que tanto podem ser os operadores turísticos e/ou as agências de viagens tradicionais, bem como as agências de viagens online ou OTA (Online Travel Agence), as CRS (Computer Reservations System), de que os chamados GDS (Global Distribution Systems) são um exemplo, ou ainda qualquer outro tipo de empresas que distribua o produto hoteleiro através da internet. 87

3 Há que realçar que na venda indireta os intermediários realizam, muitas vezes, para além da mera venda, uma outra função: a de especialista e de prescritor do mercado. Estamos, então, na presença de um modelo de negócio no qual intervêm, com o mesmo objetivo, diferentes tipos de parceiros, cujas motivações como já se referiu nem sempre são coincidentes. Assim, ao definir a política de distribuição, o gestor deverá assentar a sua decisão em: Consciência dessas diferentes motivações; Realidades do mercado; Características da unidade hoteleira; Multiplicidade e capacidade dos canais de distribuição disponíveis. Tudo na certeza de que toda e qualquer unidade hoteleira tem de realizar, por si própria, um esforço no sentido de otimizar as suas possibilidades de venda direta, enquanto forma de distribuição mais rentável. Por último e mais uma vez, há que salientar a posição central que a internet assumiu enquanto canal de venda do produto turístico. Saiba que... Esta conclusão pode ser comprovada através de um estudo realizado pela American Society of Travel Agents (ASTA) 4 em relação ao mercado norte-americano um dos maiores mercados mundiais e um dos líderes mundiais na utilização da internet, no qual foram apresentados os seguintes dados referentes ao ano de 2010: 27% dos clientes contactaram as agências de viagem através da internet; 75% utilizam o sítio para a realização de negócios; 18% das receitas geradas resultaram de negócios realizados através da internet; 40% das reservas foram realizadas diretamente pelas agências de viagens nos sítios dos fornecedores; 43% das agências de viagens têm uma ferramenta online no seu sítio; 90% das agências utilizam o sítio para disponibilizar um acesso de correio eletrónico aos seus clientes; 80% utilizam o sítio para promover as suas áreas de especialização; 58% utilizam o sítio para a divulgação de notícias através das designadas e-newsletter e/ou s promocionais; 52% mencionam o Facebook como a rede social mais utilizada para contactos e ações comerciais. Estamos, então, numa situação de transição no que concerne à distribuição do produto hoteleiro, caracterizada pela subsistência dos princípios em que, ao longo dos tempos, a distribuição hoteleira assentou, mas que, cada vez mais, caminha para um novo paradigma no qual a internet assume uma função central. 4 Dados acessíveis em 88

4 Ferramentas da Gestão Hoteleira Trabalho Comercial nas Unidades Hoteleiras Tendo deixado para outra obra a já mencionada Introdução à Gestão Comercial na Hotelaria o desenvolvimento deste tema, importa aqui sublinhar que o trabalho comercial de uma unidade hoteleira deve: Assentar num planeamento que leve em consideração os princípios de marketing; Ser realizado na convicção da sua dificuldade e de que se trata de uma tarefa que nunca se poderá dar por concluída. Assim, o êxito do trabalho comercial depende, antes de tudo, da: Qualidade do serviço prestado; Participação dos próprios clientes no esforço de comunicação da empresa turística, o que implica a capacidade não só de satisfazer, mas também de exceder as expectativas desses mesmos clientes. Lidel Edições Técnicas Isto sem esquecer o papel dos elementos das forças de vendas, da sua formação e capacidade técnica, do seu trabalho persistente e empenhado. Assim: Quanto ao trabalho comercial realizado pela receção À partida, há que sublinhar que: É o pessoal da receção que, em boa parte das situações, contacta, em primeiro lugar, e, por vezes exclusivamente, o cliente. O seu profissionalismo e a sua capacidade de comunicação são essenciais para o êxito de tais contactos, indispensável ao sucesso da estadia do cliente. Sucesso que é condição necessária para que os clientes possam vir a constituir se como os primeiros promotores do hotel; O relacionamento com as agências de viagens deverá ter em conta a dupla função destas a de prescritores e a de clientes, o que implica a necessidade de um grande rigor e de uma grande correção de atitudes, por vezes, alguma firmeza, na certeza de que no meio das empresas turísticas tudo se acaba por saber e de que os erros se pagam caro, sendo mais fácil perder do que ganhar a confiança dos clientes. Assim, a participação dos trabalhadores da receção no trabalho comercial não visando especificamente os aspetos da sua promoção é um elemento relevante do trabalho a realizar; Quanto ao trabalho comercial do departamento comercial O primeiro problema a resolver é o da existência, ou não, deste departamento numa unidade hoteleira. Sendo nossa convicção que o presente da atividade hoteleira irá impor a presença desta estrutura na generalidade das unidades hoteleiras, há que assinalar o facto de 89

5 existirem autores que, tendo em vista os custos decorrentes, consideram só se justificar tal existência em unidades hoteleiras com mais de 100 quartos. Já no que concerne ao problema da dimensão de um departamento comercial, julgamos que a opção deverá ser uma estrutura tão ligeira quanto possível. Tal solução resulta não só da necessária contenção de custos, mas também da indispensabilidade de uma total coordenação entre os diferentes participantes no esforço comercial de um hotel. As categorias profissionais mais usuais são: Diretor de Marketing, Diretor Comercial, Chefe de Vendas ou Sales Manager, Técnico de Vendas ou Sales Executive, Gestor de Disponibilidades e de Preços ou Revenue Manager, Gestor de Redes Sociais ou Community Manager, Gestor de Sítios ou Channel Manager, entre outras. Saiba que... Das qualidades humanas e profissionais exigíveis ao desempenho destas funções destacaremos: Perfeito conhecimento da unidade hoteleira e das suas potencialidades de serviço, isto é, um perfeito domínio do produto; Bom senso e grande capacidade de diálogo; Grande disponibilidade; Eficácia assente na rapidez de raciocínio; Boa cultura geral e grande abertura de espírito; Bom conhecimento do meio; Bom domínio de línguas; Grande persistência e capacidade de planear e de trabalhar a longo prazo. Acresce, nos dias de hoje, a crescente importância do domínio das técnicas do comércio eletrónico, o chamado e Commerce, face não só à corrente utilização do correio eletrónico correntemente designado por e mail mas, principalmente, pela necessidade de explorar todas as potencialidades da internet. Trata se, portanto, de ter um total domínio da técnica e da arte de vender, na certeza de que um sorriso vê se, mesmo ao telefone, e um sorriso pode resolver alguns negócios; e ainda de que vender, em hotelaria, é semear num terreno pedregoso e com silvas, pelo que é preciso trabalhar muito para se alcançar alguns resultados, tendo sempre de contar com os esforços da concorrência. Os principais objetivos do trabalho comercial a desenvolver por um hotel são (Figura 2.10): 90

6 Ferramentas da Gestão Hoteleira Fazer Conhecer Trabalho comercial Fazer Experimentar Vender Figura 2.10 Objetivos do trabalho comercial Lidel Edições Técnicas A realização destes objetivos assenta, nomeadamente, na realização das tarefas a seguir enumeradas: Elaboração de planos que orientem a ação a desenvolver; Esforço permanente de observação e prospeção do mercado, na busca de novos negócios, assente na atenção sistemática ao mercado potencial através da internet, na participação em feiras, na análise dos órgãos de comunicação social, quer os generalistas, quer os da especialidade; Vigilância atenta das ações promocionais da concorrência; Tratamento dos dados gerados quer pela força de vendas, quer pelos programas informáticos de gestão, de forma a transformar esses dados em informação útil para uma gestão ajustada às realidades do mercado, na perspetiva de: Identificar, como se costuma dizer na gíria do setor, os 20% de clientes que geram 80% da receita, ou seja, com os quais há que estabelecer uma relação preferencial, com particular realce para os clientes habituais e, dentro destes, os chamados clientes VIP (Very Important Person) e para as empresas com que mais importa trabalhar; Analisar e interpretar os fluxos de clientes, na procura do conhecimento quanto à forma como o mercado está a evoluir em relação à unidade hoteleira; Avaliar o perfil dos diferentes tipos de clientes e o seu grau de satisfação em relação ao serviço prestado. Criação de ficheiros de agências de viagens, noa quais conste o historial dos contactos e dos negócios realizados, as formas de pagamento utilizadas, os cancelamentos e os no show expressão usada na hotelaria para indicar a não apresentação de um cliente com reserva confirmada e não cancelada verificados, bem como a identificação dos responsáveis pelas diferentes áreas em que as agências de viagens se organizam; Realização de contactos sistemáticos, quer com os clientes existentes, quer com os clientes potenciais de que se destacam as agências de viagens num esforço de comunicação eficaz, com recurso a todos os canais disponíveis (internet, telefone, contactos porta a porta, etc.). Tudo na certeza de que quem não aparece esquece e de que mais vale um contacto pessoal do que muitos contactos escritos; 91

7 Esforço permanente de conceção e elaboração de novos produtos, enquanto suporte necessário da ação comercial a desenvolver; Trabalho de adaptação contínua dos preços à realidade do mercado, no âmbito das tarefas de Revenue Management, questão a que, adiante, voltaremos; Realização de programas de fidelização, de que os clubes de clientes, nas suas múltiplas formas, são um exemplo. A estas tarefas há que acrescentar, nos dias de hoje, a crescente importância da gestão da presença das unidades hoteleiras na internet. Presença que implica, nomeadamente: Gestão diária dos conteúdos a publicar no sítio e a otimização dos mesmos visando um bom posicionamento, ou seja, uma maior visibilidade, nos portais de venda dos produtos turísticos, através do recurso às técnicas de Search Engine Marketing (SEM), que englobam quer as ações visando o posicionamento orgânico, designadas por Search Engine Optimization (SEO), quer as campanhas de publicidade paga, designadas por Pay Per Click (PPC); Utilização do correio eletrónico como forma privilegiada de contactar os clientes, através do recurso à técnica de Marketing; Utilização dos blogues quer os criados pelo hotel, quer os de terceiros, como forma de dialogar com os clientes e de ouvir o que estes têm a dizer sobre as suas experiências e anseios; Participação nas redes sociais, enquanto lugar onde se congregam um cada vez maior número de pessoas, isto é, de clientes potenciais, com recurso às técnicas de Social Marketing, na certeza de que não basta conseguir um elevado número de seguidores, mas que, essencialmente, importa identificar e privilegiar aqueles que efetivamente são úteis para, através da recomendação da unidade hoteleira, exercerem a função de prescritores, função também designada por advocacy; Recurso às novas funcionalidades dos telefones móveis, o mais recente campo a explorar para a comercialização do produto hoteleiro, através das novíssimas técnicas de Mobile Marketing. O elencar não exaustivo das tarefas atrás referidas torna evidente que se caminha para aquilo que Dean (2011) designa por Hotel Business Intelligence, que caracteriza da seguinte forma (Figura 2.11): 92

8 Ferramentas da Gestão Hoteleira Análise da procura Para aumentar a rentabilidade Revenue Management Decisões sobre rentabilidade e preços Hotel Business Intelligence Gestão de campanhas Segmentadas por critérios demográficos e experiências vividas Marketing optimization Por período e por canal Figura 2.11 Hotel Business Intelligence Fonte: Adaptado de Dean, 2011, p. 2. Esta figura aponta-nos para a conclusão de que o Hotel Business Intelligence tem em vista, por um lado, a realização de um esforço sistemático e racional na utilização do cada vez maior volume de informação que, hoje, se encontra ao alcance do gestor hoteleiro; e, por outro lado, a necessidade de perspetivar a gestão hoteleira como um todo, na multiplicidade das suas vertentes. Lidel Edições Técnicas Saiba que... Isto significa que, nos dias de hoje, não obstante ter de se continuar a levar em linha de conta as formas tradicionais de comercialização, há que ter em vista que a venda online na hotelaria implica: Cada vez mais informação e flexibilidade; A atenção do gestor à forma como os clientes planificam as suas deslocações no antes, no durante e no após a realização das mesmas; Um esforço continuado de adaptação do serviço disponibilizado às opções, gostos e necessidades de todos e de cada um dos clientes, ou seja a personalização ou customização desse mesmo serviço; Um trabalho permanente de ajustamento dos preços às condições do mercado. Gestão da Relação com os Clientes ou CRM A importância do relacionamento com os clientes foi sempre considerada como um dos pilares da gestão hoteleira. 93

9 Não obstante esta realidade, há que reconhecer que as condições geradas pela informatização dos serviços e pela internet potencializaram e modificaram a forma de estabelecer essa relação. Daí constituírem hoje uma das chaves da gestão hoteleira as técnicas de gestão da relação com os clientes, habitualmente designadas pela sigla CRM, da expressão inglesa Customer Relationship Management. O que é CRM Visa a identificação, a conquista e a fidelização dos clientes, na perspetiva de que estes constituem o maior ativo de uma empresa, ou seja, procura não só gerir e coordenar as relações com os clientes, mas também aperfeiçoar essas relações de forma a alcançar um melhor desempenho da empresa. O CRM, como propõem Morgan, Chan e Mackenzie (2011), está hoje a evoluir para um Social CRM que apresenta as seguintes características (Figura 2.12): Novas ferramentas Comunidades virtuais Facebook Twitter Linkedin Blogues Fóruns Dados Notícias Ferramentas tradicionais Telefone Cartas Reclamações de clientes Outras Instrumentos a utilizar CRM Perfis Interações Histórico Compras realizadas Preferências Dados dos clientes CRM Regras do negócio Macroautomatizado Micropersonalizado Regras do negócio Resposta Figura 2.12 Social CRM Fonte: Adaptado de Morgan, Chan e Mackenzie, 2011, p

10 Ferramentas da Gestão Hoteleira O CRM na hotelaria e como propõe Minghetti (2003, p. 1): Implica um conhecimento profundo das: Necessidades, comportamentos e preferências dos clientes; Novas tecnologias aplicáveis. Assenta no tratamento de dados que ajudem a dar respostas adequadas aos diferentes segmentos que caracterizam a procura da unidade hoteleira, na perspetiva de uma resposta ajustada àquilo que estes esperam do serviço que lhes é prestado; Visa a melhoria da taxa de ocupação e da rentabilidade através da satisfação e da fidelização dos clientes. Na Figura 2.13 apresentamos um exemplo de um programa informático que permite, nomeadamente: Definir critérios de segmentação de clientes, por características específicas destes, por tipologia de empresas e por montantes de vendas; Enviar informações a segmentos de clientes de uma forma seletiva; Ajudar a identificar e a caracterizar o cliente na perspetiva da personalização do serviço; Ajudar a adaptar o serviço prestado às necessidades e preferências dos clientes. Lidel Edições Técnicas 95

11 Figura 2.13 Programa informático de CRM Fonte: Imagem cedida pela Micros-Fidelio Contratos Hoteleiros O enquadramento legal deste tipo de contratos, para além das disposições legais aplicáveis aos contratos comerciais em geral, decorre do já citado Decreto Lei n.º 39/2008, de 7 de março. De referir, ainda, a existência de um Centro de Arbitragem de Conflitos entre os hotéis e as agências de viagens, acordado entre a Associação da Hotelaria de Portugal e a Associação Portuguesa de Agências de Viagens e de Turismo, autorizado pelo Despacho n.º 7813/2006, de 6 de abril, do Secretário de Estado da Justiça. Saiba que... Um contrato hoteleiro é estabelecido quando um hoteleiro convenciona com um agente de viagens fornecer serviços a um viajante ou grupo de viajantes cliente(s) daquele agente de viagens. Os princípios gerais a que deve obedecer tal contrato são os seguintes: 96 Necessidade da troca, com recurso a qualquer meio de comunicação, de documentos escritos entre o hoteleiro e o agente de viagens como forma de formalizar o con

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Agências de Viagens e Transportes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Amadeus Hotel Web Planning

Amadeus Hotel Web Planning Your technology partner Amadeus Hotel Web Planning Distribuição & Conteúdo 2 Amadeus Hospitality Pensando em como aumentar sua taxa de ocupação e rentabilidade? Gostaria de ampliar sua distribuição e atrair

Leia mais

Princípios a Considerar

Princípios a Considerar 3 Princípios a Considerar Num estudo de 2004 da Organização Mundial de Turismo com o significativo título de A indústria do turismo: um modelo de negócio a reinventar (OMT, 2004) é traçado um quadro que

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE AMORA Curso Profissional de Técnico de Turismo Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano Componente de Formação Técnica Ano Letivo

Leia mais

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions magazine HOTELS & TRAVEL Distributions 2 magazine O QUE FAZEMOS WHAT WE DO Somos uma empresa jovem e dinâmica com larga experiência na componente comercial através da execução de funções de gestão, em

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens Página2 Índice Empresa Valores Mercado Serviços Marcas Protocolo Vantagens a. Alunos / Docentes / Funcionários Contrapartidas Pág. 3 Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 7 Pág. 8 Pág. 8 4440-650 Valongo

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

edição Guia do E-Mail Marketing Como criar promotores da marca com e-mail marketing?

edição Guia do E-Mail Marketing Como criar promotores da marca com e-mail marketing? edição 06 Guia do E-Mail Marketing Como criar promotores da marca com e-mail marketing? COMO CRIAR PROMOTORES DA MARCA COM E-MAIL MARKETING? Não são poucas as pessoas e empresas que já praticamente declararam

Leia mais

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa.

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Economizar é a prioridade e sabemos que é possível ter até 40% de economia se a empresa nunca teve nenhum tipo de controle

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

QUER FAZER O SEU NEGÓCIO CRESCER?

QUER FAZER O SEU NEGÓCIO CRESCER? QUER FAZER O SEU NEGÓCIO CRESCER? GARANTIR A PRESENÇA DA SUA EMPRESA NOS MEIOS ONLINE? TER UM SITE TOTALMENTE OTIMIZADO? IMPULSIONAR O AUMENTO DAS SUAS VENDAS? CONHEÇA A CERTIFICAÇÃO EM MARKETING DIGITAL

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Home Quem Somos Produtos Vantagens Contactos. Apresentação Criada por SPICAROS Presentation Created by SPICAROS info@spicaros.com www.spicaros.

Home Quem Somos Produtos Vantagens Contactos. Apresentação Criada por SPICAROS Presentation Created by SPICAROS info@spicaros.com www.spicaros. .1 Spicaros é o resultado de 30 anos de trabalho de uma equipa global, constituída por profissionais altamente qualificados em distintos sectores de negócio. Aliando uma quantidade ímpar de conhecimentos,

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral PRÁTICA 1) TÍTULO FEEDBACK DE INTERAÇÕES CLIENTES E GESTORES REDES SOCIAIS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: 1. APRESENTAÇÃO O Serviço de Monitoramento em Redes Sociais da Infraero,

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

A evolução no setor da hotelaria e turismo. Qual é o espaço para os websites dos hotéis

A evolução no setor da hotelaria e turismo. Qual é o espaço para os websites dos hotéis ÍNDICE Introdução A evolução no setor da hotelaria e turismo Qual é o espaço para os websites dos hotéis Como garantir que o consumidor irá visitar o website de um hotel As vantages que um bom website

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Oferta da INBEL para empresas brasileiras que participam em feiras em Alemanha, Suíça e/ou Áustria

Oferta da INBEL para empresas brasileiras que participam em feiras em Alemanha, Suíça e/ou Áustria Pós-Feira Services - PFS Oferta da INBEL para empresas brasileiras que participam em feiras em Alemanha, Suíça e/ou Áustria Introdução Vantagens para você Módulos Condições Contate-nos 1 INBEL oferece

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing.

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. 10 coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. Quem é o seu público? Para quem você quer vender? Parece óbvio, não? Mas muitos empreendedores engasgam para responder esta pergunta. Na

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na atividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

BASES LEGAIS SORTEIO SUN & FUN

BASES LEGAIS SORTEIO SUN & FUN BASES LEGAIS SORTEIO SUN & FUN ORGANIZAÇÃO: O titular da presente promoção tem como finalidade realizar um sorteio denominado SUN & FUN entre a comunidade de seguidores do CARTÃO DE FIDELIZAÇÃO DA EQUIVALENZA.

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS Descubra a importância da reputação online do seu hotel na rentabilidade. Perceba qual a melhor maneira de tirar partido das ferramentas digitais. O PORQUÊ DE LER ESTE EBOOK!

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

QuEm SomoS missão 5 DESIGN & ComuNICação PublICIDaDE EvENtoS PromoçõES WEb

QuEm SomoS missão 5 DESIGN & ComuNICação PublICIDaDE EvENtoS PromoçõES WEb QUEM SOMOS MISSÃO DESIGN & Comunicação Publicidade Eventos Promoções Web 5 9 11 13 15 17 Quem Somos 5 Somos uma agência de Design e Comunicação, criada para disponibilizar um vasto leque de soluções na

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Comissão de Política Geral reuniu no dia 11 de junho de 2014, na delegação de Ponta Delgada da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, a fim de apreciar, relatar e dar parecer

Leia mais

Toda a informação da tua localidade num mesmo portal e à distância de um click.

Toda a informação da tua localidade num mesmo portal e à distância de um click. e d r e d í l e t Torna e n i l n o e d a publicid calidade! na tua lo INTERNET E COMUNICAÇAO ~ O GRUPO NETICO lançou uma nova rede de portais online devido ao forte aumento da publicidade online. O investimento

Leia mais

As melhores estratégias. online para hotéis

As melhores estratégias. online para hotéis As melhores estratégias online para hotéis Descubra como atrair mais visitas a seu site (SEO) As práticas recomendadas para receber mais reservas diretas através do site do seu hotel Veja as estratégias

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

REGULAMENTO MARCAMUNDOS

REGULAMENTO MARCAMUNDOS REGULAMENTO MARCAMUNDOS Título I (MarcaMundos) Capítulo I (Definição) Art.1 1. O MarcaMundos (MM) é um projeto da Associação de Estudantes da NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas da Universidade

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Caro Assinante, O presente escrito estabelece e explica a Política de Privacidade da SOCIAL COMICS ENTRETENIMENTO LTDA, adiante também mencionada por SOCIAL COMICS e/ou PLATAFORMA.

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÕES CURSOS NOTURNOS 1

INFORMAÇÕES CURSOS NOTURNOS 1 INFORMAÇÕES CURSOS NOTURNOS 1 VIA DE CONCLUSÃO DO 12º ANO, PARA ALUNOS DE CURSOS EXTINTOS (Ao abrigo do Decreto- Lei nº 357/2007, de 29 de Outubro) 1. Destinatários: Candidatos com idade igual ou superior

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos O DocuWare em vendas e distribuição Solution Info Mais volume de negócios com clientes satisfeitos Vendendo com sucesso em tempos difíceis: cada vez mais os clientes têm maiores expectativas quanto à velocidade

Leia mais

PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL

PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL SEMINÁRIO - SIAC 23174 (PI) ÉVORA 30-04-2014 PORTUGAL ANGOLA CABO CABO VERDE VERDE MACAU MOÇAMBIQUE SÃO SÃO TOMÉE PRÍNCIPE TIMOR PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL Economia

Leia mais

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS GEN LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO www.aese.pt/gen BEM-VINDO AO GEN É com muito gosto que lhe apresentamos o GEN, criado pela AESE, numa perspetiva de

Leia mais

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) dynam publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca Av. Carlos Gomes 141 Suite 411 - Porto Alegre. RS Tel. +55(11) 3522-5950 / (51)

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Principais Vantagens para membros Associados

Principais Vantagens para membros Associados Principais Vantagens para membros Associados ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO Fundada a 30 de Maio de 1950 Única Associação das Agências de Viagens em Portugal COMPOSIÇÃO DOS ASSOCIADOS

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos

Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Disciplina Objectivos Conteúdos Programáticos Legislação para Operação Hoteleira Analisar o quadro legal aplicável no contexto da atividade turística e hoteleira. Caracterizar os organismos institucionais

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes

XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes PLATAFORMAS/HERRAMIENTAS TECNOLOGICAS PARA LA GESTION Y COMUNICACION DE LOS SISTEMAS DE GARANTIA NEWSLETTER NORGARANTE Presentado

Leia mais

Anúncios de Emprego Cartas de Apresentação

Anúncios de Emprego Cartas de Apresentação Investe nas pessoas! Projeto cofinanciado pelo FUNDO SOCIAL EUROPEU através do Programa Operacional Setorial para o Desenvolvimento dos Recursos Humanos 2007 2013 Eixo prioritário 5: "Promoção de medidas

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

DIGITAL MARKETING PROFESSIONAL DIPLOMA PELO DIGITAL MARKETING INSTITUTE SEA SEO. www.cegoc.pt/news/marketingdigital WEB ANALYTICS.

DIGITAL MARKETING PROFESSIONAL DIPLOMA PELO DIGITAL MARKETING INSTITUTE SEA SEO. www.cegoc.pt/news/marketingdigital WEB ANALYTICS. O BO TC AM P DIGITAL MARKETING SEA WEB ANALYTICS SEO www.cegoc.pt/news/marketingdigital INTRODUÇÃO TIPOLOGIAS DE FORMAÇÃO ESTRATÉGICA OPERACIONAL PRÁTICA Formação estratégica, estruturante e pensante,

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Agenda. 1. O Marketing Digital. 2. Porque investir na Publicidade Online? 3. Ferramentas principais da Publicidade Online

Agenda. 1. O Marketing Digital. 2. Porque investir na Publicidade Online? 3. Ferramentas principais da Publicidade Online Agenda 1. O Marketing Digital 2. Porque investir na Publicidade Online? 3. Ferramentas principais da Publicidade Online 4. Vantagens da Publicidade Online na Hotelaria e Turismo O Marketing Digital Antes

Leia mais

Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à

Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Índice Amostra: Empresas organizadas por número de empregados 1. Amostra 2.

Leia mais

Modelo de CANVAS. Alexander Osterwalder

Modelo de CANVAS. Alexander Osterwalder Modelo de CANVAS Alexander Osterwalder Ferramenta de criação e gestão de modelos de negócio, simples e visual, que permite simplificar e reunir todos os pontos-chave do novo negócio ou negócio pré-existente.

Leia mais

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? São várias as substâncias e métodos proibidos cuja deteção só é possível com a realização de controlos

Leia mais

Marketing Digital 2013

Marketing Digital 2013 Marketing de Relacionamento Informação Consciência da Marca Geração de Leads Marketing Digital 2013 O papel das agências e consultorias Marketing Digital 2013 O papel das agências e consultorias 1 Sumário

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Como fazer um fluxo de nutrição de leads eficaz

Como fazer um fluxo de nutrição de leads eficaz Como fazer um fluxo de nutrição de leads eficaz COMO FAZER UM FLUXO DE NUTRIÇÃO DE LEADS EFICAZ Nutrir leads é a melhor maneira de manter um relacionamento próximo tanto com os atuais como com seus futuros

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO Fundada a 30 de Maio de 1950 Única Associação das Agências de Viagens em Portugal Medalha de Ouro de Mérito Turístico de Portugal Medalha de Ouro

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Gestão da Qualidade Total (TQM) Conjunto de ideias e

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião Pesquisas de Mercado Online 1. Apresentação O que é a Pesquisadireta? A Pesquisadireta é uma empresa de pesquisas de opinião e mercado exclusivamente online. De uma forma rápida e flexível, sua empresa

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO INFORMAÇÕES O Que é? A Galaicofolia e um evento de grande porte, de índole cultural, de lazer e entretenimento, inspirado nos hábitos e costumes das populações que ocuparam o castro do monte de S. Lourenço

Leia mais

Porque é que as equipas têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição Código Mundial Antidopagem

Porque é que as equipas têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição Código Mundial Antidopagem Porque é que as equipas têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? São várias as substâncias e métodos proibidos cuja deteção só é possível com a realização de controlos fora de competição.

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE

CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE CURSO DESENVOLVER A RELAÇÃO COM O CLIENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 3.1 (José João Amoreira) (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais