PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA"

Transcrição

1

2

3 PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área Permeável; IV. Projeto de remembramento, quando for o caso. V. Projeto arquitetônico em dwg. Após primeira análise, enviar duas cópias do projeto de Arquitetura com as devidas correções, juntamente com a cópia do projeto analisado anteriormente. I. LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO (escala 1:100 ou 1:200) - Cota geral/área total do terreno/raio. - Curvas de nível a cada metro. - Indicar níveis dos extremos do lote. - Indicar nível no alinhamento do recuo frontal. - Considerar como RN = 00 o nível do ponto médio da guia fronteira ao lote, conforme Anexo Indicar as divisas (lote, rua, área de lazer, APM, etc.) - Indicar Norte. II. PROJETO DE ARQUITETURA 1. PLANTA DE SITUAÇÃO (escala 1:1000) - Desenhar o terreno inserido na quadra, com medidas e raios conforme descrição do lote no Contrato ou Escritura. - Desenhar rua frontal ao alinhamento do lote e cotá-la. No caso de lote de extremo de quadra, indicar rua lateral. - Cotar o lote em relação à quadra. - Identificar o número do lote, número da quadra, nome da rua frontal e nome das ruas laterais lote de extremo de quadra. - Indicar Norte. 2. PLANTA DO 1º PAVIMENTO E LOCAÇÃO (escala 1:100 ou 1:75) - Desenhar todo o terreno com suas medidas e raios conforme planta contratual. - Os níveis indicados no projeto de arquitetura deverão ser os mesmos indicados no levantamento planialtimétrico. Considerar nível RN = 00, o ponto médio da guia fronteira. Indicar níveis nos extremos do lote conforme levantamento topográfico. 1 Versão 01 Novembro de 2014

4 PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA - Desenhar faixa de passeio público, cotando-a conforme padrão (Anexo 04) estipulado pelo Condomínio Residencial Jardins Marselha. - Anotar: Faixa de passeio público terá o perfil natural mantido. - Anotar: Meio fio conforme padrão Jardins - Indicar nome da rua frontal e, para lotes de extremo de quadra, indicar A.U.C. - Indicar poste, grelhas, caixa de inspeção de rede esgoto sanitário existente, canaleta de águas pluviais, árvores existentes no recuo frontal, conforme levantamento planialtimétrico. - Desenhar e cotar a locação do pavimento térreo no terreno, cotas internas e externas. - Indicar níveis projetados internos (da construção) e externos (do terreno). - Indicar projeção do beiral e perímetro da construção e cotá-los (recuo e afastamentos) PERPENDICULARMENTE em relação às divisas do lote ou fazer linha auxiliar indicando recuo e afastamentos exigidos. - Não é permitido pergolado no recuo. - Indicar projeção do pavimento superior que exceda o pavimento térreo (1º pavimento) e projeção do beiral, com cotas demarcando o afastamento ou recuo da projeção da construção e cobertura em relação à divisa. - Indicar por onde passam os cortes e a visualização da fachada. - Desenhar e cotar acessos de automóveis, pedestres e pisos externos, especificando o tipo de revestimentos destes locais (impermeável ou permeável). - Indicar taludes, jardins, muretas (altura), rampas (cotas e inclinações), elementos arquitetônicos (dimensões). - Espelhos d água poderão avançar no máximo 1,50 m no recuo frontal e devem ter profundidade máxima de 0,25 m e extensão máxima de 3,00 m. - Indicar e especificar altura dos muros de arrimo (quando existente) em relação ao Perfil Natural do Terreno (P.N.T). - Indicar e especificar alturas dos muros de divisa, grades, cercas vivas ou outro fechamento específico. Caso não haja fechamento, anotar: Sem fechamento. - Indicar e cotar localização da parede de serviços, localizada dentro do recuo frontal, (dimensões 1,40 x 0,30 x 1,70 m), conforme anexos 05 e Indicar casa de gás no recuo lateral (altura máxima 1,00 m), *OBS: Orientação da prefeitura, apenas representar e anotar as medidas, não nomear Casa de Gás. - Desenhar piscina e projeção da casa de máquinas cotando seus recuos e afastamentos em relação à divisa do lote. Dimensionar casa de máquinas com profundidade máxima de 1,80 m, enterrada e com acesso por alçapão. - Piscina, cascata e ducha podem se localizar no recuo lateral e de fundo, desde que não ultrapassem a altura do muro e se afastem no mínimo 1,00 m das divisas do terreno. - Indicar drenagem junto aos muros para águas pluviais quando houver declive no terreno. - Indicar locação da Caixa de Infiltração, cotando seus recuos/afastamentos em relação à divisa do lote. - Indicar e anotar a lateral de saída de esgoto e águas pluviais, dentro do afastamento (ou recuo) lateral de 2,00 m do lote vizinho, quando necessário. - Indicar Norte. 2 Versão 01 Novembro de 2014

5 PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA - Indicar nome do pavimento e sua escala. - Cotar o perímetro externo da edificação. - Quando a garagem utilizar o recuo lateral (conforme permitido no item 3.8 da Convenção de Condomínio), indicar corte e cotar sua extensão incluindo os beirais. A largura máxima da garagem, quando alocada como parte da fachada frontal, é de 5,00m (cinco metros). Cotar e representar na planta de cobertura a extensão do muro do abrigo de veículos que tem altura superior a 2,00 m. - Indicar função e área útil de todos os ambientes. - Obs.: o muro deverá ser desenhado da divisa para dentro do lote. 3. PLANTA DO PAVIMENTO SUPERIOR (escala 1:100 ou 1:75) - Desenhar todo o terreno com suas medidas e raios. - Desenhar e cotar a locação da planta do pavimento superior no terreno, com cotas internas e externas. - Indicar níveis do pavimento superior. - Indicar e cotar os recuos e afastamentos da projeção do beiral, avançando este no máximo 1,00 m sobre qualquer recuo, e da construção até a divisa do lote. - Indicar os cortes. - Indicar projeção do alçapão de acesso ao forro (máx. 0,80 x 0,80m) - Indicar nome do pavimento e sua escala. - Indicar função e área útil de todos os ambientes. - Indicar Norte. 4. PLANTA DE COBERTURA (escala 1:100 ou 1:75) - Desenhar todo o terreno com suas medidas e raios. - Desenhar e cotar a locação da planta de cobertura no terreno, especificando as inclinações do telhado, rufos, dutos, chaminés, calhas e outros elementos que venham fazer parte da cobertura. - Indicar e cotar recuo e afastamentos da projeção do beiral, avançando este no máximo 1,00 m sobre qualquer recuo. - Locar, cotar e especificar o volume da caixa d água. - Indicar Norte. - Indicar nome da planta e sua escala. 5. CORTES LONGITUDINAIS E TRANSVERSAIS (escala 1:100 ou 1:75) - Usar como referência o ponto médio da guia fronteira ao lote. - Indicar linha natural do terreno e cotar os aterros e cortes, do nível natural do terreno até o piso acabado. - Cotar pé-direito de piso a piso de cada pavimento. - Indicar nome/função e área útil de cada ambiente. - Indicar a localização e volume da caixa d água, discriminando Espaço inabitável, acesso único por alçapão. Fica vetado qualquer tipo de ventilação e iluminação natural neste local. - Indicar e cotar muros de divisa. - Cotar altura da cobertura em relação à face superior da laje de cobertura. 3 Versão 01 Novembro de 2014

6 PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA - Indicar e cotar a piscina em relação ao recuo e afastamentos. - Indicar via de passeio público e recuo frontal. - É obrigatório fazer um dos cortes no sentido longitudinal do lote, passando pelo nível mais baixo, cortando inclusive a guia fronteira. - Passar corte na garagem mostrando sua altura quando esta estiver utilizando a divisa, mostrando seu ponto mais alto e representando o muro acabado com calha e rufo. - Passar corte na edícula e cotar. - Cotar a edificação com altura máxima de 11,00 m incluindo caixa d água, em relação ao primeiro piso interno. 6. FACHADAS (escala 1:100) - Apresentar as quatro fachadas (principal, posterior e laterais). 7. DADOS INDISPENSÁVEIS NO PROJETO DE ARQUITETURA - Anotar: Será mantida a faixa de passeio público, seguindo o meio-fio, sem obstáculos junto às divisas laterais do lote. - Anotar: Quando existirem taludes, eles deverão ter inclinação máxima de 45%. - Anotar: Área mínima permeável 30% da área do lote. - Anotar: Neste projeto, as medidas dos beirais representam a cobertura acabada incluindo calhas e rufos. - Anotar: Quando existirem tampas de caixas de passagem localizadas no passeio público, elas não deverão ser revestidas para possibilitar sua abertura e realizar eventuais inspeções. - Constar quadro de esquadrias das janelas e portas, com suas devidas especificações de dimensão, quantidade e tipo. - Constar quadro de áreas: terreno, 1º pavimento (edificação principal, edícula e total do 1º pavimento), pavimento superior, área total construída, piscina, ocupação e área permeável. - Os aterros dos lotes não poderão ultrapassar a altura máxima de 1,00 m tendo como referência o nível do perfil natural do terreno. - Apresentar projeto estrutural do muro de arrimo, com ART, quando houver. - Apresentar memoriais de cálculo. III. MEMORIAL DE CÁLCULO DE ÁREA CONSTRUÍDA E MEMORIAL DE CÁLCULO DE ÁREA PERMEÁVEL 1. CÁLCULO DE ÁREA CONSTRUÍDA Itens necessários para a conferência do cálculo da área construída por meio de cálculo matemático: - Apresentar a projeção da área construída e cotar o perímetro. Caso se forme várias figuras, fazer o resumo das mesmas para que se tornem apenas uma. - Constar no desenho: o nome do pavimento, sua área construída e sua escala. 4 Versão 01 Novembro de 2014

7 PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA - Dividir a projeção apresentada no projeto em figuras geométricas, cotando todo o desenho e descrevendo o cálculo com o resultado de cada área e o total por cada pavimento. Quando houver contornos irregulares as figuras deverão acompanhar o desenho. - O modelo encontra-se no Anexo CÁLCULO DE ÁREA PERMEÁVEL Itens necessários para a conferência do cálculo da área construída por meio de cálculo matemático: - Apresentar a projeção da área construída e cotar o perímetro. Caso se forme varias figuras, fazer o resumo das mesmas para que se tornem apenas uma. - Constar no desenho: a escala e a área permeável em m 2 e em %. - Dividir a projeção apresentada no projeto em figuras geométricas, cotando todo o desenho e descrevendo o cálculo com o resultado de cada área. Quando houver contornos irregulares as figuras deverão acompanhar o desenho. - O modelo encontra-se no Anexo DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS - Autorização da FGR para análise de projeto (entregue pelo Depto. Pós Venda) emitida após consulta de adimplência e instrumento particular registrado. - Recibo de quitação da taxa de aprovação. - Taxa de aprovação no valor de 1 / 2 salário mínimo, pago a arquiteta responsável pela aprovação dos projetos do Condomínio Residencial Jardins Marselha. Para primeira análise: - 01 (uma) via do projeto arquitetônico completo; - 01 (uma) via do levantamento planialtimétrico; - 01 (uma) via do memorial de cálculo de área construída e memorial de cálculo de área permeável; - 01 (uma) via do projeto de remembramento, quando for o caso. Para segunda análise: - 02 (duas) vias do projeto arquitetônico completo com as devidas correções e o projeto analisado anteriormente, com suas anotações. 3. LIBERAÇÃO PARA INÍCIO DE OBRA CONCEDIDO PELO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA 5 Versão 01 Novembro de 2014

8 PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Apresentação de ART do autor do projeto e do responsável técnico pela obra (CREA). 01 (uma) cópia do Alvará de Execução de obras fornecido pela Prefeitura. 01 (uma) cópia do projeto completo aprovado pela Prefeitura. Termo de responsabilidade de construção antes da entrega do condomínio. 4. ANEXOS (H) Modelo de carimbo Modelo de cálculo de área construída Modelo de cálculo de área permeável Detalhamento de passeio público Locação da parede de serviço Detalhe da parede de serviço Detalhe da Caixa de Infiltração Modelo de Levantamento Planialtimétrico Entrega de projetos e dúvidas falar com o Arquiteto(a) na Administração do Condomínio Residencial Jardins Marselha. 6 Versão 01 Novembro de 2014

9

10 MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 O fechamento do canteiro de obra deve ser feito com placas de concreto ou metálicas, com altura mínima de 2,00 m (dois metros), não devendo ultrapassar os limites do lote. O fechamento deverá receber pintura na cor branca e portão feito de chapa metálica. Não será permitida a ocupação do passeio e de áreas de lazer; 2.2 A construção será iniciada após o fechamento do terreno, a instalação do portão de acesso e a construção da parede de serviço e do depósito de materiais; 2.3 O barracão e o banheiro do canteiro de obra podem ser locados no recuo frontal, podendo utilizar as divisas laterais, desde que não exista residência no lote vizinho; 2.4 Reservar local para caçamba de entulho. 3. NORMAS ADMINISTRATIVAS 3.1 Horário de expediente das obras: - Segunda a Sexta-feira: entrada 07:00 h saída 17:30 h; - Todos os serviços que provoquem ruídos só poderão ser iniciados após as 08:00 h. 3.2 Cadastramento Pessoal - Todos os PRESTADORES DE SERVIÇOS deverão estar devidamente autorizados e cadastrados junto a Administração pelos Srs. Proprietários e somente terão acesso pela PORTARIA DE SERVIÇO; - Engenheiros, Fiscais de obras, Arquitetos e Decoradores terão acesso pela PORTARIA SOCIAL. 4. REGRAS GERAIS 4.1 Não será permitido o acesso de veículos de tração animal; 1 Versão 02 Novembro de 2014.

11 MANUAL DO CONSTRUTOR 4.2 Não será permitido o acesso de caminhão truck (dois ou mais eixos) e carreta (carregados ou não) após a conclusão da pavimentação; 4.3 Não serão solicitados refeições, lanches, materiais, peças e serviços para prestadores de serviços e/ou empreiteiros por esta Administração; 4.4 Não será permitida a entrada de nenhum tipo de veículo nos lotes vizinhos para qualquer eventual serviço ou estacionamento; 4.5 Não será permitida a entrada e/ou permanência de trabalhadores, trajando bermudas, shorts, camisetas, chinelos ou sandálias; devendo as empreiteiras e/ou prestadores de serviços atenderem a legislação de segurança do trabalho em vigor; 4.6 As ligações externas de luz, força elétrica, telefone, campainha ou similares serão obrigatoriamente subterrâneos, entre a parede de serviços e a edificação principal; 4.7 As construções secundárias não poderão ser edificadas antes do início da construção principal. Todavia, após a expedição da Autorização do CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA será permitida a construção de um barracão provisório para depósito de materiais de construção estando o lote fechado em todo o seu perímetro: esse barracão deverá ser demolido se a obra não for iniciada dentro do prazo de 120 (cento e vinte) dias a contar da data de expedição do referido Alvará. 5. ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DOS RAMAIS DOMICILIARES 5.1 Ramal Elétrico - Executar a mureta de medição e locar a caixa padrão Celpa conforme os Anexos 05 e Solicitar à Concessionária a interligação à rede, conforme diretrizes da Celpa. - Quando a rede estiver do outro lado da via, a ligação se dará de forma aérea, conforme Normas da Celpa. - Quando a ligação for do mesmo lado da rede, a mesma se dará por ramal subterrâneo, exceto se não permitido pela Celpa. - Caso essa interligação subterrânea seja permitida, fazer a ligação da mureta de medição até a caixa de passagem existente no passeio, de acordo com as seguintes recomendações: I. Escavar uma vala com profundidade mínima de 60 cm; II. Lançar dois dutos corrugados de 50 mm, da marca Kanaflex ou similar, interligando a mureta até a caixa de passagem de BT; III. Recuperar a parede da caixa de passagem BT após a colocação dos dutos; 2 Versão 02 Novembro de 2014.

12 MANUAL DO CONSTRUTOR IV. Fazer o envelopamento em concreto da tubulação lançada e colocar fita de advertência; V. Fazer o reaterro da vala; VI. Fornecer e lançar os cabos para alimentação da residência conforme projeto elétrico de cada residência; VII. É obrigatório deixar uma folga de 1 metro de cabo dentro da caixa de passagem BT; VIII. Após a conclusão dos serviços, solicitar vistoria por parte da equipe do CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA IX. Após a aprovação da vistoria, solicitar a ligação domiciliar junto a Celpa. 5.2 Ramal Telecomunicação - Executar a mureta de medição e locar a caixa padrão telefônica conforme os Anexos 05 e Quando a rede estiver do outro lado da via, a ligação se dará de forma aérea, conforme Normas da Concessionária. - Quando a ligação for do mesmo lado da rede, a mesma se dará por ramal subterrâneo. Para esse caso, fazer a ligação da parede de serviço até a caixa de passagem existente no passeio, de acordo com as seguintes recomendações: I. Escavar uma vala com profundidade mínima de 60 cm; II. Lançar no mínimo dois dutos corrugados de Æ 30 mm, da marca Kanaflex ou similar, interligando a mureta até a caixa de passagem de Telecomunicações; III. Recuperar a parede da caixa de passagem telecomunicações após a colocação dos dutos; IV. Fazer o envelopamento em concreto da tubulação lançada e colocar fita de advertência; V. Fazer o reaterro da vala; VI. Após a conclusão dos serviços, solicitar vistoria por parte da equipe do CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA ; VII. Após a aprovação da vistoria, solicitar a ligação domiciliar junto à concessionária; VIII. É obrigatório deixar a guia nos dutos lançados; IX. Lançar dutos adicionais para utilização futura de TV a Cabo conforme necessidades dos projetos da residência. 5.3 Ramal Hidráulico - Executar a mureta de medição e locar a caixa padrão da concessionária conforme os Anexos 05 e 06; - Fazer a ligação da residência até a mureta de medição. - Dados para a ligação da residência até a mureta de medição: I. Fornecer e executar a montagem do kit cavalete e hidrômetro deixando um registro de emergência junto à mureta de medição, posicionado entre o kit cavalete e a rede interna da residência; II. A montagem somente deverá ser feita por uma pessoa autorizada pela concessionária ou pela Associação; 3 Versão 02 Novembro de 2014.

13 MANUAL DO CONSTRUTOR III. Após a conclusão dos serviços, solicitar vistoria por parte da equipe do CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA ; IV. Após a aprovação da vistoria, solicitar a ligação domiciliar junto à concessionária ou Associação; V. A concessionária ou a Associação fará a ligação da mureta de medição até a rede existente no passeio. 6. NIVELAMENTO DO TERRENO 6.1 Aterro / Corte - Os aterros dos lotes não poderão ultrapassar a altura máxima de 1,00 m tendo como referência o nível do perfil natural do terreno. No que se refere aos cortes, observar o item 3.20 da Convenção de Condomínio. 6.2 Serviços de terraplenagem e retirada de terra Não poderá ser feito no terreno qualquer terraplenagem, retirada de terra ou extração de material sem prévia autorização emitida por escrito pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA. 7. SERVIDÃO DE ÁGUA E ESGOTO 7.1 Todo e qualquer associado será obrigado a dar servidão para passagem de águas pluviais e esgotos, na faixa de recuo lateral livre, desde que devidamente canalizados. Correrá por conta do usuário da servidão toda e qualquer despesa inerente a este serviço, bem como sua manutenção. 8. POLUIÇÃO VISUAL 8.1 São proibidos letreiros e anúncios de qualquer natureza nos terrenos e nas edificações. Somente será permitido o anúncio de revenda de terrenos em quadros colocados nas portarias respectivas, ficando desde já autorizada o CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA a retirar qualquer placa de anúncio ou de venda nos respectivos terrenos. 9. TODAS AS OBRAS DEVERÃO TOMAR AS SEGUINTES PROVIDÊNCIAS A PARTIR DO SEU INÍCIO 4 Versão 02 Novembro de 2014.

14 MANUAL DO CONSTRUTOR 9.1 Manter obrigatoriamente o projeto aprovado pelo condomínio no canteiro de obra; 9.2 Fazer limpeza da obra retirando todo tipo de entulho principalmente latas, tambores e outros tipos de materiais que possam acumular água; 9.3 Manter todo e qualquer tipo de reservatório de água tampado e esvaziar tambores d água ao final do expediente diário; 9.4 Apresentar por escrito, autorização para utilização do lote vizinho como canteiro de obras. O lote deve ser fechado com placas metálicas ou de concreto pintadas de branco; 9.5 Os containers devem ser retirados assim que estiverem cheios; 9.6 As concreteiras devem proteger o asfalto, com areia debaixo da bomba de lançamento, no momento da concretagem; 9.7 Qualquer dano causado ao meio-fio e asfalto é de responsabilidade da obra; 9.8 Só será permitida a retirada das placas de fechamento da obra, quando a mesma estiver fechada, com as esquadrias instaladas. E quando estiver sendo executado o paisagismo da frente (jardim, calçada, etc.), o mesmo deverá ser isolado com fita zebrada ; 9.9 Manter a obra fechada em todo o seu perímetro. 10. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO 10.1 O proprietário obriga-se a concorrer com todas as despesas relativas à limpeza dos lotes e serviços de vigilância da área, portaria e conservação do muro ou cerca de segurança, bem como a manutenção dos jardins, quadras, praças, fontes luminosas e tudo o mais de uso comum. Despesas estas, apuradas pela Associação e rateadas entre os proprietários de lotes, variando a taxa proporcionalmente ao tamanho dos mesmos; 10.2 Os serviços de limpeza dos lotes a que se refere o item 10.1 excluem a remoção de entulhos provenientes de obras; 10.3 A contratação dos serviços de vigilância e portaria não implica a assunção de qualquer responsabilidade por parte da VENDEDORA, ou do CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA, quer sejam eles decorrentes de atos delituosos ou não, caso fortuito, acidentes, etc. 5 Versão 02 Novembro de 2014.

15 11. VERIFICAÇÃO PARA MUDANÇA MANUAL DO CONSTRUTOR 11.1 Antes da mudança deve ser solicitado na administração um laudo de vistoria técnica final da obra; 11.2 A mudança deverá ser comunicada por escrito com antecedência de no mínimo 15 dias úteis à Administração da CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS MARSELHA ; 11.3 A taxa de condomínio deve estar rigorosamente em dia; 11.4 As portas e janelas devem estar devidamente instaladas e concluídas; 11.5 É necessário que o acesso de veículos (garagem) e pedestres estejam prontos; 11.6 O recuo frontal deve estar completamente gramado; 11.7 A residência deve ter o acabamento externo finalizado de forma a não comprometer o aspecto visual do condomínio; 11.8 Todo material, equipamento e entulho devem ser retirados dos recuos. É obrigação do proprietário solucionar os seguintes danos que por ventura forem causados: I. Reconstituição da guia fronteira do lote (meio-fio e tubulações) que for danificada; II. O lote de apoio deve ser desocupado e a vegetação reconstituída. Após a vistoria será entregue ao proprietário a notificação com pendências, caso existam, ou autorização para mudança. A mudança é autorizada somente após a regularização das pendências. 6 Versão 02 Novembro de 2014.

16

17 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA O CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA, por Unidades Autônomas de Habitação Seriada, doravante denominado, simplesmente, por CONDOMÍNIO, rege-se pelas disposições contidas na Lei nº /2002 (Código Civil), na Lei Federal nº 4.591/64, pela Lei Municipal nº 185/2007, de 13/11/2007, e Decreto Municipal nº 021/2008, de 11/02/2008, e legislação complementar aplicável, pelas cláusulas e condições desta convenção. Planejado nos moldes e utilizando-se da concepção Jardins de loteamentos e condomínios horizontais, concepção tal adotada pelas empresas do Grupo FGR em todo o país, o CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA, além de todos os diferenciais em quesitos como infra-estrutura e qualidade de materiais empregados, contempla, daí advindo o maior diferencial do conceito e da marca empregados, uma filosofia de bem-estar e viver-bem única, caracterizada pelo restabelecimento e desenvolvimento das relações humanas e comunitárias dos moradores do empreendimento, bem como a relação direta e sustentável da coletividade com o meioambiente e a natureza. E como parte essencial ao alcance do acima disposto, seguem adiante as normas gerais que nortearão a convivência entre os moradores e frequentadores do condomínio, bem como o aproveitamento e as restrições de uso das unidades autônomas de habitação seriada (doravante simplesmente unidades autônomas ) e das áreas de uso comum do condomínio. CONSIDERAÇÕES GERAIS: Sempre que nesta convenção se fizer menção a condômino ou condôminos, no que se referir ao uso e utilização de unidade autônoma e partes de propriedade e uso comuns, as regras se estenderão e serão obedecidas pelo usuário, a qualquer título, seus familiares, convidados, clientes e empregados; no que se referir ao direito de propriedade, as regras se aplicarão ao titular de domínio e se estenderão, e serão obedecidas, pelo titular de direito de compra de unidade autônoma. Não obstante o estabelecido acima, o usuário da unidade autônoma que dela não seja proprietário ou titular do respectivo direito de compra, não terá qualquer representação perante o CONDOMÍNIO, ficando o proprietário ou titular desse direito de compra responsável pelas infrações e danos por aquele cometido e eventual débito por aquele assumido. Fica ressalvado, no entanto, o direito de o locatário votar nas decisões de assembléia geral que não envolvam despesas extraordinárias do condomínio, na hipótese de o condômino-locador a ela não comparecer, consoante o disposto no art. 24, 4º, da lei nº 4.591/64. DO CONDOMÍNIO O CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA será edificado sobre a Área 03, Quinhão 04/05, matriculada sob o número de ordem 4.310, devidamente registrada junto ao Cartório do 2º Ofício de Registro de Imóveis de Marituba Estado do Pará Brasil, parte da Fazenda Itapepucú, localizado na Avenida Atheon Santana, s/n, Bairro Reserva Jardins, em uma área de ,59m 2 (trezentos e cinquenta e sete mil, setecentos e cinquenta e cinco metros quadrados e cinquenta e nove decímetros quadrados).

18 O CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA será destinado ao uso residencial unifamiliar, exclusivamente. Com ,59m 2 (trezentos e cinquenta e sete mil, setecentos e cinquenta e cinco metros quadrados e cinquenta e nove decímetros quadrados) de área total, da qual ,64m² (quarenta e dois mil, quatrocentos e oitenta e oito metros quadrados e sessenta e quatro decímetros quadrados) corresponde a áreas de preservação permanente, terá área parcelável equivalente a ,95m 2 (trezentos e quinze mil, duzentos e sessenta e seis metros quadrados e noventa e cinco decímetros quadrados). Da área parcelável destacam-se as áreas privativas, de uso e propriedade exclusivos, que ocuparão uma área de ,88m² (duzentos e dois mil e quatro metros quadrados e oitenta e oito decímetros quadrados) e compreenderão as unidades autônomas, e as áreas de uso e propriedades comuns, que abrangerão uma área de ,07m² (cento e treze mil, duzentos e sessenta e dois metros quadrados e sete decímetros quadrados). 1 DAS PARTES DE USO E PROPRIEDADE COMUNS 1.1. Com área de ,07m² (cento e treze mil, duzentos e sessenta e dois metros quadrados e sete decímetros quadrados), indissoluvelmente vinculadas às partes de propriedade e uso exclusivos, nos termos das plantas aprovadas pela Prefeitura Municipal de Marituba-PA e especificações estabelecidas nos quadros NB , cuja construção, em condomínio, se dará conforme a Lei 4.591, de 16/12/1964, as partes de propriedade e uso comuns do CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA compreendem: I - 04 (quatro) áreas verdes extra-muro, somando 3.925,18m² (três mil, novecentos e vinte e cinco metros quadrados e dezoito decímetros quadrados); II - 08 (oito) áreas verdes intra-muro, compreendendo ,41m² (vinte e oito mil, oitocentos e noventa e cinco metros quadrados e quarenta e um decímetros quadrados); III - sistema viário intra e extra-muro (vias e canalização de tráfego), que ocupa uma área de ,31m² (setenta e nove mil, quatrocentos e sessenta e nove metros quadrados e trinta e um decímetros quadrados); IV - o Complexo da Portaria, formado por bloco de administração, guarita principal, bloco de serviço e guarita de serviço, a ser edificado em 3 (três) áreas de uso comum, somando 972,17m² (novecentos e setenta e dois metros quadrados e dezessete decímetros quadrados); V - o muro e o gradil do perímetro, bem como todo e qualquer equipamento de segurança aí instalado; VI o Sistema de Abastecimento de Água e todos os equipamentos e materiais necessários para tanto, ainda que externos ao perímetro delimitado pelos muros, com exceção da ligação domiciliar dos lotes (unidades uni familiares); VII o Sistema de Esgoto Sanitário e todos os equipamentos e materiais necessários para tanto, ainda que externos ao perímetro delimitado pelos muros, com exceção da ligação domiciliar dos lotes (unidades uni familiares); VIII as Galerias de Águas Pluviais, incluindo todos os equipamentos desde a coleta até o lançamento, ainda as partes externas ao perímetro delimitado pelos muros. 1º Caso seja desenvolvido por concessionária (pública e/ou privada) de serviços de rede de distribuição de água ou de rede coletora de esgoto, sistemas de abastecimento de água e coleta de esgoto sanitário, que atendam a região de instalação do empreendimento e possam ser utilizados pelo CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA, a incorporadora (FGR) não edificará as obras descritas nos itens VI e VII, visto que os sistemas oferecidos pelas concessionárias atenderam a demanda do empreendimento.

19 Ficando ao encargo da incorporadora a construção apenas das redes de distribuição de água e das redes coletoras de esgoto (intra e extramuros), e essas após a edificação, serão doadas às concessionárias competentes, não sendo parte do memorial deste condomínio. Entretanto, caso não sejam criados esses sistemas pelas concessionárias, a incorporadora será responsável pela edificação dos mesmos acima descritos nos itens VI e VII Algumas áreas verdes intra-muro (A.U.C.), serão destinadas para a instalação dos equipamentos de esporte e lazer São, também, consideradas partes de propriedade e uso comuns do CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS MARSELHA as edificações construídas e os equipamentos instalados sobre e sob os terrenos considerados partes comuns do Condomínio, inclusive sobre os lotes do complexo da portaria. Desta forma, o são: as fundações, paredes, tetos e coberturas, pisos, áreas internas, estruturas de concreto armado, divisórias, sistemas: hidráulicos, de esgoto e elétricos, vestiários, banheiros, alambrados, equipamentos esportivos (tais como cestas de basquete, redes de vôlei e tênis, redes de futebol, gols, equipamentos de ginástica), esquadrias, vidros, muros do perímetro, cerca elétrica, pavimentação das vias internas, sinalização horizontal e vertical, plantas das áreas verdes, bancos, dutos subterrâneos internos e externos ao perímetro do muro dos sistemas citados nos incisos VI, VII e VIII do Item 1.1, ressalvado o disposto no parágrafo 1º do mesmo item, bem como todo e qualquer equipamento que, embora não citado acima, sirva às edificações em geral e aos equipamentos instalados sobre terrenos considerados partes comuns As partes de propriedade e uso comuns não são suscetíveis de divisão e alienação destacadas de cada unidade autônoma, ou de utilização exclusiva por qualquer condômino, e somente podem ser alteradas, suprimidas ou substituídas na forma prevista nesta Convenção ou mediante o consentimento dos condôminos, na forma da lei. 2 DAS PARTES DE PROPRIEDADE E USO EXCLUSIVOS 2.1. Com área de ,88m² (duzentos e dois mil e quatro metros quadrados e decímetros quadrados), as partes de propriedade e uso exclusivos corresponderão a 822 (oitocentos e vinte e dois) unidades autônomas (lotes), numeradas de forma sequencial, conforme demonstrado abaixo,, com área mínima de 230,00m² (duzentos e trinta metros quadrados) cada, distribuídas não uniformemente em 30 (trinta) quadras. No Projeto Urbanístico aprovado pela Prefeitura Municipal de Marituba-PA, e que detalha o condomínio, as unidades autônomas são identificadas pelos seus números de quadra e lote, identificação tal que será aqui adotada. A discriminação, individualização e estremação das unidades de propriedade exclusiva são as constantes da documentação que instrui o processo de registro do empreendimento junto ao cartório de registro de imóveis competente. QUADRA LOTES 1 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12 2 1;2;3;4 3 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29;30 4 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14 5 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29;30 6 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29;30 7 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29;30

20 8 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29;30 9 1;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28;29; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28; ;2;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21;22;23;24;25;26;27;28; As partes de propriedade e uso exclusivos de cada condômino são de domínio individual e se constituem nas unidades autônomas do empreendimento As unidades autônomas têm área total, privativa, de uso comum e fração ideal conforme as constantes da documentação que instrui o processo de registro do empreendimento junto ao cartório de registro de imóveis competente. 3 - DAS RESTRIÇÕES URBANÍSTICAS DAS UNIDADES AUTÔNOMAS 3.1. Todos os condôminos são obrigados a observar e cumprir em suas unidades autônomas (lotes) as restrições urbanísticas aqui previstas, inclusive e principalmente no que tange aos Projetos, Construções e Uso e Gozo das que compõem o CONDOMÍNIO. DAS OBRAS 3.2. A execução de toda e qualquer atividade (construções, reformas, obras e serviços de qualquer natureza) em unidades autônomas (lotes) integrantes do CONDOMÍNIO, ou nas edificações destas, deverá atender, obrigatória e incondicionalmente, as exigências, disposições e restrições urbanísticas aqui previstas As restrições urbanísticas aqui contidas, ainda que mais exigentes que as normas federais, estaduais e municipais de mesma natureza, prevalecem e devem ser totalmente observadas e cumpridas pelos condôminos, haja vista a importância das mesmas ao alcance e atendimento do conceito proposto e aplicado ao Condomínio Horizontal JARDINS MARSELHA.

21 3.4. O conceito JARDINS de condomínio horizontal, proposto e aplicado no Condomínio Horizontal JARDINS MARSELHA, visa promover o desenvolvimento comunitário, a integração e a melhoria da qualidade de vida dos condôminos/moradores, sendo que o franco atendimento das Normas de Restrições Urbanísticas e demais disposições de proteção, uso e gozo dos imóveis, têm a finalidade precípua de assegurar o uso apropriado das unidades autônomas (lotes), sempre atendendo aos seguintes princípios básicos: a) proteger os proprietários contra o uso indevido e danoso dos imóveis, o que poderá vir a desvalorizar a propriedade; b) assegurar a adequação do imóvel às especificações do seu uso no empreendimento; c) segurança; d) harmonia Faz-se necessária a prévia aprovação, pelo CONDOMÍNIO e pela Prefeitura Municipal de Marituba-PA, de todos os projetos de arquitetura das unidades habitacionais a serem edificadas nas unidades autônomas (lotes) integrantes do CONDOMÍNIO. Uma vez aprovados os projetos, vinculado estará o condômino às condições aí constantes, não podendo, em hipótese alguma, as obras colidirem ou desobedecerem os projetos já aprovados A fim de que o CONDOMÍNIO aprove os projetos de arquitetura das unidades habitacionais (a serem edificadas sobre as unidades autônomas), cada um dos condôminos deverá apresentar, no ato da solicitação de aprovação, autorização expressa para tanto da FGR URBANISMO BELÉM S/A-SPE, incorporadora do empreendimento Não serão aprovados pelo CONDOMÍNIO projetos de unidades habitacionais (casas) com área a ser construída menor que 100,00m² (cem metros quadrados) e/ou mais de dois pavimentos (térreo e superior), no entanto, a construção da edificação poderá ocorrer em fases, desde que a primeira fase não seja executada com área menor que 80,00m² (oitenta metros quadrados). Não serão aprovados, também, projetos contemplando a construção de pavimento subsolo, ainda que destinado a abrigo de veículos. Todas as entradas localizadas na fachada frontal da edificação, inclusive o abrigo de veículos, deverão ter cota mínima de 21 cm (vinte e um centímetros) acima da cota do meio fio exatamente à frente de cada entrada A unidade se destinará exclusivamente à habitação de uma única família e de seus empregados, ou seja, destinar-se-á unicamente à edificação voltada à finalidade de residência e moradia unifamiliar. Toda e qualquer acessão ou construção edificada sobre a unidade deverá ter por fim único e exclusivo o estabelecimento de residência e moradia, vedado, sob qualquer hipótese, construções tipo: (i) Prédio não residencial; (ii) Prédio de apartamentos para habitação coletiva; (iii) Prédio para fins comerciais, industriais, prestação de serviços, escritórios, artísticos, religiosos e de associações; (iv) Prédios e/ou edificações que de alguma forma venha a ter por objetivo a obtenção de lucros e/ou finalidade econômica, incluindo também as sociedades simples; enfim, todo e qualquer ramo de atividade que descaracterize a destinação residencial do imóvel. (D) Cada unidade comportará somente uma única residência e sua respectiva construção secundária, obedecidas todas as demais disposições deste instrumento O início dos serviços de construção das unidades habitacionais nas unidades autônomas (lotes), tais como movimentação de terra; construção de muros de arrimo; muros de divisa ou qualquer fechamento do imóvel; ou qualquer outro trabalho relacionado ao início das

22 construções (servindo a enumeração aqui contida somente como exemplificação, não esgotando as possibilidades), somente se dará mediante autorização expressa, diversa da autorização de aprovação dos projetos, do CONDOMÍNIO. RECUOS E TRATAMENTO DE DIVISAS 3.7. A construção principal, obrigatoriamente, obedecerá aos seguintes afastamentos/recuos mínimos: a) Afastamento/Recuo de frente: 4,00 m (quatro metros), medidos a partir do alinhamento com a divisa de frente do terreno (calçada); (F) b) Afastamento/Recuo de fundos: 2,00 m (dois metros), medidos a partir da divisa de fundos do terreno; (F) c) Afastamento/Recuo lateral: 2,00m (dois metros), a partir da divisa lateral do terreno, a ser considerado na lateral indicada nas tabelas constantes do Item 3.8 abaixo. Nenhuma das aberturas para iluminação e ventilação naturais da edificação poderá distar das divisas do terreno a menos de 2,00m (dois metros); (F) d) Todos os Afastamentos/Recuos mencionados nas alíneas "a", "b" e "c" serão contados a partir da alvenaria. Jardineiras, pergolados e outros elementos arquitetônicos não deverão avançar sobre qualquer Afastamento/Recuo. A projeção do beiral do telhado poderá avançar sobre os Afastamento/Recuos no máximo 1,00 m (um metro); (F) e) Os Afastamentos/Recuos mínimos exigidos deverão ser respeitados em todos os pavimentos e deverão ter tratamento paisagístico; (F) f) Unidades Autônomas (lotes) remembradas pela divisa dos fundos serão consideradas imóveis com duas frentes, assim, devem respeitar o Afastamento/Recuo mínimo de 4,00 m (quatro metros) para as duas testadas; (F) g) Não será permitida a construção de piscinas, duchas ou cascatas no recuo frontal. Porém, tais equipamentos poderão avançar até 1,00m (um metro) no recuo lateral e/ou no de fundos. Espelhos d água poderão avançar no máximo 1,50m (um metro e meio) sobre o recuo frontal (distar pelo menos 2,50m dois metros e meio do alinhamento coma divisa de frente do terreno), deverão atender Afastamentos/ Recuos de fundo e lateral de 1,00m (um metro), medido a partir da divisa de fundos ou lateral do terreno, e não poderão ter profundidade superior a 25cm (vinte e cinco centímetros). (F) Parágrafo Único: É obrigatória a construção em cada unidade residencial de uma caixa de infiltração, conforme padrão definido e modelo fornecido pela Associação. (F) 3.8. As tabelas abaixo dividem os lotes do Jardins Marselha em conformidade com as seguintes condições: a) - Lotes que podem encostar sua construção somente na divisa lateral esquerda: QUADRA LOTE Quadra 02 01,02,03 Quadra 03 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 04 07,09,10,11,12,13,14 Quadra 05 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 06 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 07 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 08 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30

23 Quadra 09 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 10 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 11 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 12 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 13 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 14 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 15 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12 Quadra 16 15,16,17,18,19,20,21,22,23,24,25,26 Quadra 17 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12 Quadra 18 15,16,17,18,19,20,21,22,23,24,25,26 Quadra 19 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 20 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 21 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 22 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 23 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 24 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 25 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 26 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 27 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 28 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 29 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 30 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29 b) Lotes que podem encostar sua construção somente na divisa lateral direita: QUADRA LOTE Quadra 01 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11 Quadra 03 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 04 01,02,03,04,05,06,08 Quadra 05 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 06 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 07 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 08 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 09 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 10 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 11 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 12 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 13 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 14 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 15 15,16,17,18,19,20,21,22,23,24,25,26 Quadra 16 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12 Quadra 17 15,16,17,18,19,20,21,22,23,24,25,26 Quadra 18 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12 Quadra 19 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 20 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 21 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 22 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 23 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 24 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 25 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 26 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14

24 Quadra 27 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30 Quadra 28 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 Quadra 29 17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29 Quadra 30 01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14 c) Lotes que podem encostar sua construção em qualquer uma das laterais, ou seja, pode optar pelo lado direito ou o lado esquerdo: QUADRA LOTE Quadra Quadra Quadra 03 15,16 Quadra 05 15,16 Quadra 06 15,16 Quadra 07 15,16 Quadra 08 15,16 Quadra 09 15,16 Quadra 10 15,16 Quadra 11 15,16 Quadra 12 15,16 Quadra 13 15,16 Quadra 14 15,16 Quadra 15 13,14 Quadra 16 13,14 Quadra 17 13,14 Quadra 18 13,14 Quadra 19 15,16 Quadra 20 15,16 Quadra 21 15,16 Quadra 22 15,16 Quadra 23 15,16 Quadra 24 15,16 Quadra 25 15,16 Quadra 26 15,16 Quadra 27 15,16 Quadra 28 15,16 Quadra 29 15,16 Quadra 30 15, A servidão a que se refere o item adiante, deverá ser permitida na lateral do terreno na qual for observado o Afastamento/ Recuo Lateral Em cada unidade residencial (a ser construída) é obrigatória a construção de abrigo para veículos (garagem), devendo este abrigo constar do projeto arquitetônico O acesso ao abrigo de veículos necessariamente deverá ser realizado pela divisa de frente da unidade. O abrigo de veículos não poderá ocupar o Afastamento/Recuo de frente e nem o Afastamento/ Recuo de fundos. Sendo do interesse que o abrigo de veículos encoste na lateral da unidade, o mesmo somente poderá ser encostado naquela lateral na qual é permitido, conforme demonstrado no croqui anexo, encostar a edificação.

25 O abrigo de veículos necessariamente deverá possuir o máximo de 5,00m (cinco metros) de largura, quando alocado como parte da fachada frontal da edificação. (F) A faixa de recuo frontal se destinará, obrigatoriamente, a jardim, sendo vedada qualquer outra utilização, fechamento ou bloqueio visual, mesmo que com cerca viva, sendo permitido, porém, a implantação das lixeiras, observando, porém, sua continuidade com os terrenos adjacentes, de modo a haver concordância entre esses terrenos, sem a formação de degraus ou elementos que impeçam ou dificultem a mobilidade As unidades autônomas (lotes) são distribuídas em quadras, as quais são organizadas a partir de uma linha mediana, sendo as unidades (lotes) distribuídas em ambos os lados desta linha, esta considerada, sempre, como divisa de fundos de todos os lotes. Uma vez estabelecida tal linha como divisa de fundos das unidades de cada uma das quadras, considerar-se-á como frente do lote o lado oposto a tal linha de fundo; e como laterais das unidades os demais lados da unidade (lote) O acesso aos lotes se dará, necessariamente, por sua(s) divisa(s) frontal(is), não sendo permitido, em hipótese nenhuma, acesso de veículos pela lateral dos lotes A faixa de 2,00m (dois metros), destinada a passeio público, deve permanecer totalmente desobstruída, livre de qualquer obstáculo, rampas ou degraus, devendo ainda acompanhar o nível do meio-fio, com inclinação máxima de 3% (três por cento) entre o lote e o meio-fio, devendo ser construída conforme o projeto anexado à presente Convenção As áreas de uso comum destinadas à construção da portaria e guaritas não se sujeitam às restrições de afastamento de divisas e de construção aqui impostas. RESTRIÇÕES DE CONSTRUÇÃO A altura máxima de fechamento das unidades não poderá exceder a medida de 2,00 m (dois metros), observando: a) na divisa frontal não será permitido nenhum tipo de fechamento, sendo permitido apenas a partir do recuo frontal de 4,00 m (quatro metros);(f) b) nas divisas laterais será permitido o fechamento por muro, devendo ser respeitada a faixa de Afastamento/Recuo frontal de 4,00 m (quatro metros);(f) c) na divisa de fundos será permitido o fechamento por muro;(f) d) para o fechamento de lotes que fazem divisa com áreas de uso comum ou passagem de pedestre, preferir-se-á o fechamento com cerca viva, gradil ou vidro, sendo, no entanto, possível a utilização de muro (rebocado e pintado), observando as regras de afastamentos/ recuos; (F) e) na utilização de gradis, a altura máxima de fechamento, 2,00m (dois metros), deve sempre ser respeitada, e, caso o gradil seja apoiado em mureta de alvenaria, esta mureta não poderá exceder a altura de 50cm (cinquenta centímetros). A soma da altura do gradil e da mureta não poderá ultrapassar a medida de 2,00m (dois metros).(f) A parede de serviço, com medidores de água, luz, telefone, tv a cabo e caixa de correio, deverá ser erguida conforme os padrões (de locação, dimensão, disposição etc) definidos pelo CONDOMÍNIO, constantes do Manual do Usuário, sendo as ligações realizadas conforme as normas das respectivas concessionárias.(f)

26 3.19. Todas as entradas localizadas na fachada frontal da edificação, inclusive o abrigo de veículos, deverão ter cota mínima de 21 cm (vinte e um centímetros) acima da cota do meio fio exatamente à frente de cada entrada Os aterros nos lotes não poderão ultrapassar a altura máxima de 1,00 m (um metro), tendo como referência o nível do perfil natural do terreno. (F) Parágrafo Único: A realização de cortes nos lotes alterarão o perfil natural do terreno e poderão prejudicar o escoamento natural da água. Solução técnica deverá ser ofertada a esta questão (escoamento da água) por profissional devidamente qualificado e a ART desta solução deverá ser apresentada à Associação juntamente dos projetos para aprovação. Além disso, o associado que fizer corte em seu lote deverá assinar Termo de Responsabilidade fornecido pelo Condomínio, mediante somente o qual os projetos de sua unidade habitacional serão aprovados A altura máxima da edificação, a partir do piso acabado do pavimento térreo, não poderá exceder 11,00m (onze metros), tomando-se por referência a parte mais alta da edificação (incluindo cumeeira, platibanda, caixa d água e casa de máquinas, que devem fazer parte do conjunto arquitetônico e estar dentro dos limites da unidade). (F) 1. A Unidade Habitacional (residência) terá 01 (um) ou 02 (dois) pavimentos. (F) 2. Para todos os efeitos, não será considerado pavimento inferior cômodo construído abaixo da cota do meio-fio, desde que possua área igual ou menor que 12,00m² (doze metros quadrados). Somente será admitido 1 (um) cômodo deste tipo por Unidade Habitacional (residência). Todos os recuos determinados neste regimento deverão ser obedecidos por este pavimento. (F) Para a edificação da Unidade Habitacional a estabilidade dos terrenos próximos e o escoamento das águas deverão ser garantidos, sendo o proprietário da Unidade Habitacional o único responsável perante todos os demais. Sendo necessária qualquer intervenção nos terrenos próximos, o proprietário da Unidade Habitacional deverá solicitar autorização expressa e por escrito do proprietário do terreno que sofrerá a intervenção antes da realização da mesma Ainda que não serão analisados pelo CONDOMÍNIO, os projetos técnicos e suas respectivas ART s, relativos à manutenção da estabilidade dos terrenos próximos e ao escoamento das águas, deverão ser apresentados ao CONDOMÍNIO juntamente dos demais projetos exigidos Todo e qualquer proprietário obriga-se a dar servidão para passagem de águas pluviais e esgotos, na faixa de recuo lateral livre, desde que devidamente canalizados. O eixo da rede deve distanciar-se, ao menos, 0,50m (cinquenta centímetros) da divisa do lote. Correrá por conta do usuário da servidão toda e qualquer despesa inerente a este serviço, bem como sua manutenção, respondendo diretamente e em primeiro grau pelos danos causados a terceiros inerentes à servidão. (F) Parágrafo Único: Àquele proprietário que der início à construção de sua unidade habitacional antes que seu vizinho, sugere-se que, mediante comum acordo, já construa a estrutura de passagem de águas pluviais e esgotos a que se refere o Item 3.24, seja no seu

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA PROVISÓRIA Esta Autorização provisória permitirá a execução dos seguintes itens: - Limpeza do lote e nivelamento; - Implantação da mureta de medidores; - Fechamento

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções:

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções: * Código citado no Artigo 10º, item I do Estatuto Social. 1 - APROVAÇÃO DE PROJETOS 1.1 Para primeira análise: 01(uma) via do projeto arquitetônico completo (inclusive projeto contendo memorial de áreas);

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF)

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF) 1. OBJETIVO... 2 2. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO DE LOTES... 2 2.1. Documentações necessárias... 2 2.2. Modelo Prancha Única Remembramento (fig. 01)... 2 2.3. Restrições para Áreas...

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA 1. GENERALIDADES A gleba destinada ao condomínio horizontal de lotes possui superfície de 446.750,54 m², em Atlântida município de Xangrilá-RS, conforme plantas

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

Condomínio Residencial Rural

Condomínio Residencial Rural Condomínio Residencial Rural CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 ÍNDICE. 1.0 PROJETOS...03 1.1 Aprovação/ Reaprovação/ Substituição...03 1.1.1 Considerações Gerais...03 1.1.2 Documentos

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA

REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA Os adquirentes de lotes obrigar-se-ão a contribuir para a manutenção do alto nível deste loteamento. O cumprimento desta obrigação, como de todas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 591, DE 02 DE OUTUBRO DE 2012 AUTORIZA A DESAFETAÇÃO E A ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS PARA FINS DE IMPLANTAÇÃO DE PARQUE INDUSTRIAL A EMPRESAS DEVIDAMENTE CONSTITUÍDAS NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONDOMÍNIO VILLA JARDIM

MEMORIAL DESCRITIVO CONDOMÍNIO VILLA JARDIM MEMORIAL DESCRITIVO CONDOMÍNIO VILLA JARDIM O Empreendimento CONDOMÍNIO VILLA JARDIM está situado na continuação da Avenida estrutural projetada pelo município, no bairro Ribeirão do Lipa, no município

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE

MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE MINUTA DA FUTURA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL TOP LIFE CLUB & RESIDENCE Pelo presente instrumento particular, em cumprimento à determinação contida no artigo 9º da Lei 4.591, de 16.12.1964, MRV

Leia mais

CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO CENTRO EMPRESARIAL ASSIS CHATEAUBRIAND LOTE 01 SETOR DE RÁDIO E TV SUL

CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO CENTRO EMPRESARIAL ASSIS CHATEAUBRIAND LOTE 01 SETOR DE RÁDIO E TV SUL GRUPO OK CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S/A, empresa com sede na rua Guararapes, no 1855, Conjunto 101, do 10º andar, Brooklin Novo, na cidade de São Paulo-SP, inscrita no CGC/MF sob o no 01.535.160/0001-06,

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

MINUTA DE INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS COIMBRA

MINUTA DE INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS COIMBRA MINUTA DE INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS COIMBRA O CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS COIMBRA, doravante denominado, simplesmente, por CONDOMÍNIO, rege-se

Leia mais

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença.

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença. DECRETO N o 1487/2006 DATA: 27 de janeiro de 2006. SÚMULA: Aprova, com ressalvas, o Loteamento denominado LOTEAMENTO ALPHAVILLE. MARINO JOSE FRANZ, Prefeito Municipal de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS I- Requerimento (modelo fornecido pela EMURB), assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II- Número da inscrição cadastral do imóvel

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

Procedimentos. de projetos

Procedimentos. de projetos Procedimentos para aprovação de projetos 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

Condomínios & Associações: principais diferenças

Condomínios & Associações: principais diferenças Condomínios & Associações: principais diferenças Por Mariangela Iamondi Machado CNPJ Despersonalizado Condomínio Associação de Proprietários em Loteamentos CNPJ idêntico a de empresas Não pode adquirir

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 DISPÕE SOBRE O PLANO VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIOERÊ EM CONFORMIDADE COM A LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 001/2007 LEI DO PLANO DIRETOR, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A

Leia mais

Normas de Construção

Normas de Construção Normas de Construção As presentes normas foram elaboradas em complemento as normas e procedimentos já existentes do Residencial Granja Carneiro Viana, objetivando ampliar as disposições e regras da Prefeitura

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 de 31 ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RATIFICADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE MAIO DE 2007 Página 2 de 31 1.0 PROJETOS...

Leia mais

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas Tão bom quanto um Damha. só outro Damha. Bem-vindo ao Residencial Damha II O Residencial Damha II Brasília seguirá o mesmo padrão e a mesma infraestrutura de sucesso

Leia mais

RESIDENCIAL CENTRAL PARK RIO VERDE

RESIDENCIAL CENTRAL PARK RIO VERDE MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO 01 - SITUAÇÃO O empreendimento, situar-seá Avenida I (Direita), Quadra 12, Lotes 04, 05 e 06, Parque dos Buritis e Rua Onze, Quadra 01, Lote 14, Parque Solar do Agreste, Gleba

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

Propostas de Alteração do Regimento Interno

Propostas de Alteração do Regimento Interno Propostas de Alteração do Regimento Interno 1- Proposta de Antônio de Jesus Ribeiro Q22 L17: Incluir Único no Artigo 1º Parágrafo único Caso o dano seja no meio, caberá ao proprietário da unidade danificada

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares.

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. Artigo 47º. O CONDOMÍNIO, uma vez instituído na conformidade das disposições constantes do respectivo Memorial

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA- A JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas, diretrizes e condicionantes

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA

MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA MEMORIAL DESCRITIVO NOVO MUNDO EMPRESARIAL - RESERVA DO PAIVA O empreendimento imobiliário NOVO MUNDO EMPRESARIAL, a ser implantado na Reserva do Paiva, à Avenida A, Quadra F-1, Lote 4A2, Praia do Paiva,

Leia mais

EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA

EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome: Endereço: Porto Oceânico Rua "C", Lote 13, Quadra 28, Lot. Cidade Balneária de Itaipu, Itaipu,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO São os seguintes os Critérios de Edificação para o Condomínio Quintas do Sol, aprovados na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 08.12.2002 e complementados na AGE de 17.10.2004.

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL Agosto/2011 CONDOMÍNIO VISION Engº Claudio Eduardo Alves da Silva CREA nº: 0682580395 F o n e / F a x : ( 1 1 ) 2 6 5 1-5918 R. C e l. B e n to J o s é d e C a r v a lh o,

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS AMSTERDÃ

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS AMSTERDÃ INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA CONVENÇÃO DO CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS AMSTERDÃ O CONDOMÍNIO HORIZONTAL JARDINS AMSTERDÃ, doravante denominado, simplesmente, por CONDOMÍNIO, rege-se pelas

Leia mais