CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) VIII RECENSAMIENTO GENERAL DE BRASIL CENSO DEMOGRÁFICO BRASIL 1970

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) VIII RECENSAMIENTO GENERAL DE BRASIL CENSO DEMOGRÁFICO BRASIL 1970"

Transcrição

1 CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) VIII RECENSAMIENTO GENERAL DE BRASIL CENSO DEMOGRÁFICO BRASIL 1970

2 OC",Co," a.o-. ~.~. I"~o ;c.-.;t..-- -'

3

4

5

6 3. Quesito 7 - Beligiao 1 - Catolica romana 2 Evangelica 3 - Esp{rita 4 - Outra religiio 5 - Sem religiao Sem declara~ao Quesito 8 - Nacionalidade 0 - Bras11e1ro nata 1 - Natural1zado bras11e1ro 2 - Estrangeirc Ma fa1ta de resposta a este ques1to. sera cod;f;cado: 0 - Quando a resposta ao Ques1to 9 for uma Un1d~ de da Federa~io ou quando nao houver declar~...,., ~ao 2 - Quando a resposta ao Ques1to 9 for urn estrange1ro Pais Quesito 9 - Naturalidade - - Na falta de resposta a este quesito. sera codificado: 00 - Quan~o a resposta ao Quesito 8 for Brasi1e! ro nato ou quando nao houver resposta 99 - Quando a resposta ao Ques1to 8 for Natural! zado bras1le1ro Nos demais casos sera codificado: ou Estrange1ro

7 BRASIL Rondonia 15 - Sergipe 02 - Acre 16 - Bahia 03 - Amazonas 17 - 'linas Gerai s 04 - Roraima 18 - Espfrito Santo 05 - Para 19 - Rio de Janeiro 06 - Amapa 20 - Guanabara 07 - Maranhao 21 - Sio Paulo 08 - Piauf 22 - Parana 09 - Ceara 23 - Santa Catarina 10 - Rio Grande do Horte 24 - Rio Grande do Sul 11 - Parafba 25 - Mato Grosso 12 - Pernambuco 26 - Goias 13 - Alagoas 27 - Distr1to Federa Fernando de Noronha 00 - Brasi1, sem especifica~ao e Brasi1eiros Matos nascidos no Exterior ou a bordo PArSES ESTRAHGEIROS America 30 - Argentina ~1 - Bo1fvia 32 - Canada 33 - Chi1e 34 - Co1ombia 35 - Costa Rica 36 - Cuba 37 - Equador 38 - EE.UU Guatella1a 40 - Guiana Francesa 41 - Guiana Ing1esa 42 - Haiti 43 - Honduras 44 - Honduras Britanicas 45 - Jamaica 46 - "exico 47 - Nicaragua 48 - Panama 49 - Paraguai 50 - Peru 51 - Republica Dominicana 52 - Salvador 53 - Suriname 54 - Uruguai 55 - Venezuela 56 - Outros parses da America - Antilhas Hcland! sas. Baha.as. Bermudas. Cura~au. Falkland. Guadalupe. Martinica. Tobago. Trinda~e. etc.

8 5. ~urop! 57 - Alemanha - Rep. Federal 69 - Hungria 58 - Alemanha - Rep. Democratica 70 - Irlanda (Eire) 59 - ~ustria 71 - Italia 60 - Belgica 72 - Iugoslavia 61 - Bulgaria 73 - Noruega 62 - Dinamarca 74 - Polonia 63 - Espanha 75 - Portugal 64 - FinlGndia 76 - Ru8enia 65 - Fran~a 77 - Suecia 66 - Gri-Bretanha 78 - Sui~a 67 - Gricia 79 - Tcheco-Eslovaquia 68 - Holanda 80 URSS 81 - Outros patses da Europa - Albinia, Andorra, Islandia, Luxemburgo, Monaco, San Marino, Vaticano, etc. ~frica 82 - Republica ~rabe Unida - Egito 83 - Outros parses da ~frica - ~frica do Sul. Argelia. Alto Vol tat Angola. Cabo Verde. Camaraes. ~'--.p~a. Congo(BrazzaYil~) Daome. Etiopia. Gambia. Gana. Guine. Liberia. Lfbia. Madagascar. Marrocos. Haurtcia. ~1auritania. Mo~ambique. "iger. Nigeria. Quenia. Republica Centro Africana. Rupublica Dem~ cratica do Congo. Reuniao. Rodesia. Senegal. Serra Leoa, Somilia. Sudio. Togo. Tunfsia. Uganda. Zambia. etc. 84 China Continental 89 Japao 85 China - Nacionalista 90 Ltbano 86 - Coriia 91 - Paquistao 87 - India 92 - Stria 88 - Israel 93 - Turquia!ill 94 - Outros patses da ~sia - Aden. Afga~'1s. 80. Arabia Saud1ta. "Cl" rot Birmania. Borneu. Cambojl. Ceilio. 1ngapura. Filipinas. Goa. Hong-Kong. Iemen. Ira. Iraque. Java. Kuwait. Laos. ~! cau, Halaia. Nepal. Republica Popular da Mongolia. Silo. Sumatra. Tailandia. Viet-Nan. etc.

9 6 Oceania 95 - Australia 96 - Outros parses da Oceania - Fidji, Guan, Mova Caledonia, Hova Guine, Nova Zelindia, Tasmania, etc. Quesito 10 - N~e!! neste Municip!o? soas que responderem!!!o. Nao havera cod1f1ca~io neste ques1to para as pe! cod1ficado: Para as pessoas que responderem~. devera ser E - Para os menores de 5 anos x - Para as pessoas com 5 anos e ma1s e os!i2.oradores presentes - Cod1go 2, no Quesito ~ Neste caso a cod1 f1 ca~io continuari a ~a.rt1 r do Ques1to 15. Quesfto 12 -.!i! quanta ~ ~ neste "'un1cfpfo? '- ~stes quesitos so serao codtftcados para as pessoas que responderem ~ eo Quostto 10, sendo 0 codigo: 1 - '.1enos de 1 ano 2-1 ano 3-2 anal 4-3 anos 5 - " anal 6-5 anal 7 6 a 10 enol 8-11 anos e mais 0 - "io declarado

10

11 8 Quesito 17 - ~ frcqoenta ~ freqoentou esco1~. indica...! ~~ ~!.2. ~ da. mesma. ~ conc1 ui ~ 2!!P..!E.-!!ili 1ft Parte - ~ - Cursa la. serie elementar 2 - la. serie 3-2a. serie 4-3a. serie S - 4a. serie 6 - Sa. ou 6a. series 7 - Admissao ou Vestibular 8 - Artigo Curso de alfabetiza~ao de adultos 0 - Nenhuma e Sem declara~ao 1 - E1ementar 2 - Medio 19 cic Medio 29 cic10 2a. Parte - ill! 4 - Superior 5 - Menhum 0 - Sem declaracao Quasi to 18 - Espic1_~ do c~rso conc1~ldo com aprovacao Devera ser codifieado: E - Para as pessoas maiores de 5 anos e men~ res de 10 anos 99 - Quando a resposta for negativa ou 98 - Curso de grau nao determinado 00 - Ha falta de resposta Nos dema1s casas sera registrado tra~o 0 curso conclu! do segundo 0 seu grau. de acordo com os cod1gos constantes quadro que se segue. do Se 0 quadro nao for suf1c1ente para a co~ reta cod1fica~ao. devera ser consultado 0 anexo Cod1go ~!!- ~. em ordem alfabetica. que relaciona a maioria das declara- ~oes ocorrentes.

12 9. GRAU ESPECIE IEleme! I tar Hed;o 10 e1e10 29 I c1c10 Superior E"SINO GERAl Co1egia ENSINO CULTURAL OU PROFISSIONAL Bacharelado e d1dit1ca: tetras (Class1cas. Meo-lat1nas Matemit1ca. e Ang10-German1cas) Ffs1ca e Qutmica.. Ciencias economical. contabeis e Enfe~agem.."""'..".""'."j Industrial '1 f4edi c1 n a Psicologia Qufmica industria1! 0 u t ro s I ' ENSINO EMENDATIVO 28 48

13 10. Ques1to 19 - Esta~o conjugal 1 - Casamento civil e religioso 2 - So casamento civil 3 - So casamento religioso 4 - Consens~al (Outra) 5 - Solte1ro 6 - Separado 7 - Desqu1tado 8 - D1vorc1ado 9 - V1uvo 0 - Sem c!eclara~ao r V 0 cod1go deste quesito sera composto de 4 a1garismos Ques1to 20 - Rend1mento med10 mensal No caso de haver sido registrada uma importancia. devera ser codificada essa importancia em cruzeiros novas. Quando a importanc1a registrada for NCr$ 9.998,00 devera ser cod1f1cado superior a ~ Quando a importincia codificada for composta de menos de 4 algarismos, devera ser completada com zeros a esque~ da. digo sera Exemplo: para a dec1ara~ao de NCr$ c Nos demais casos, devera ser codificado: - Se a resposta for!!. ~!!!. lr!! ou so nao houver resposta e a d~ clara~ao do Quesito 22 for diferente de!. 1 ou I. com declara~ao diferente de 5 no quesito Sem declara~io. estando assinalados. no Quesito 22. os retangulos 2.3 ou 7. com declara~io diferente de 5 no quesito 26.

14 Se a resposta for~. Nenhum. ~ ou se nao houver resposta e nao trabalha nem estuda. 2. Se a resposta for 0 nome do mun1cfp10 onde a pesso~.foi recenseada. 3 - Se a resposta for 0 nome de um mun1cfp10 d1. ferente daquele em que a pessoa fo1 recense~ da. D. Sem declara~ao. mas trabalha ou estuda. c Ques1 to 22 - ~e-.n80. traba1ha. ~ procura traba1ho. g.!!!!! OCUpa~80.2! s i t~a~80 ~ ~ ~ cons1dera pr!nc1pa1? DE. Afezeres domesticos 1 - Estudante 2E Aposentado 3E Vivede renda 4E - Doente ou invalido 5E Detento 6E - Sem ocupa~ao 1 - Traba1ha, Procure traba1ho ~ao. ou Sem declara- Somente para as pessoas em que estiver assinalado 0 retangu1o! (Traba1ha. Procura traba1ho ou Sam dec1ara~ao) haveri codifica~ao nos quesitos 23 a 28. No caso de mu1her de 15 anos e ma;s nao econom;- camente ativa (Codigos de 0 a 6 no ques;to 22) substituir a 1etra E. apos 0 codigo. par X. No caso do Chefe da familia (coluna 1 do tim) 08 codigos ~ a! serao seguidos da letra!. Bole-

15 12. Ques1to 23 - Ocupacao. profissao. ca~go, fun~iq. ill.. ~ exerceu durante!!!!!! tempo Antes da codifica~io deste quesito. deverao observadas as respostas rladas aos quesitos 24 e 25. ser Ha cod1f1ca~ao devera ser adotado 0 esquema Que se segue. Se 0 esquema nao for suf1c1ente para a correta cod;- f1ca~ao. devera ser consu1tado 0 anexo f d1go ~ ocupacao. em ordem a1fabet1ca. Que re1ac10na a ma;or1a des dec1ara~oes ocorrides. OCUPAC~O Ocupa~oes administrativas Proprietarios 011. Agr1cultores Pecuaristas Av1cu1tores e criadores de pequenos an;ma;s Industriais Comerciantes Hote1eiros e donos de pensao Outros proprietarios Administradores Administradores. diretores e assistentes no servi~o P! blico (inclusive cargos eletivos) Administradores de bancos e companhias de seguros Administradores na agropecuaria Outros administradores

16 13. Fun~oes burocrat1cas ou de escr1tor Agentes fiscais no servi~o publico Inspetores de trabalho e fiscais de pr~yi~onciq,- '" 033 Oficiais e tecnicos de administra~ao 034 Coletores e exatores 035 Ca1xas e tesoure1ros Tecn1cos de contab111dade 037 A1moxar1fes e armazen1stas 038 Oat11ografos 039 Taqufgrafos 040 Redatores 041 Interpretes e tradutores B1b11otecar1os e documentar1stas Programadores Operadores de apura~8o mecanica Auxiliares de escritorio e de administra~ao em geral Engenheiros, fun~oes afins e auxil1ares 101 Engenhe1ros Arquitetos Agrimensores e topografos Desenhistas e cartografos Quimicos. far~aceuticos. fisicos e outros especia1istas e~ cie~ cias afins Qufmicos Farmaceuticos F;sicos Geo1ogos Astronomos 116 ~ Meteoro1ogistas

17 14. Agronomos. veterinarios e natura1istas Agronomos Veterinarios Natura1istas Medicos. dentistas e fun~oes auxiliares r,~, Medicos Dentistas Parteiras Enfermeiros dip1omados 134. Enfermeiros nao dip1omados Fisioterapistas e massagistas Proteticos Operadores de Ra10 X Prat1cos de farmic1a Laborator1stas Matematicos. socio1ogos e outros especia1istas em ciencias afins Matemat;cos 142 Estatfst1cos e atuar1os 143 Econom;stas 144 Contadores Socio1ogos. antropo1ogos e arqueo1ogos Professores e fun~oes auxiliares 151 Professores primarios Profossores secundarios 153 Professores superiores 154 Professores sem espec;fica~io Inspetores de ensino e tecnicos de educa~ao Inspetores de a1unos

18 15. Magistrados. advogados. fun~oes afins e aux11iares Magistrados Procuradores, promotores e curadores pub1icos Advogados e defensores pub1icos Tabe1iaes e oficiais de registro Escrivaes e auxi1iares de justi~a Re11g1osos. ass1stentes soc;a1s e at1v1dades aux;11ares Re11g1osos Assistentes sociais Agentes sociais Escritores e jornalistas Escritores e jorna1istas Art1stas. fun~oes af1ns e aux11fares Escu1tores e pintores 192 Musicos 193 Artistas de cinema, teatro, circo, radio e te1evisao 194 Locutores < Decoradores e cenografos 196 Cinegrafistas e operadores de cameras 197 Fotografos Outros tecnicos de cine~a. teatro. radio e te1evisao! Trabalhadores qual1ffcados da 8gropecuarfa Tecnicos agrfco1as e praticos rurais Aradores Tratoristas

19

20

21 18. Ocupa~oes da industria tixtil (conclus8o) Redeiro$ A1vejadores e tintureiros texteis Estampadores texteis Acabadores de pano Ocupa~oes da industria do couro Correeiros e se1eiros Curtidores c Ocupa~oes da industria do vestuar10. A1faiates e costureiros Bordade1ras e cerzideiras 473 Chapeleiros de palha 474 Chapeleiros, exclusive de palha Sapateiros Bolseiros e cinteiros Ocupa~oes das industrias de madeira e de moveis ( Harceneiros Carpinteiros Tanoe1ros Serradores Estofadores e capoteiros Colchoeiros Lustradores de madeira Eletricistas E1etricistas Radiotecnicos (consertadores e montadores)

22 19 Ocupa~oes da industrie de constru~ao civil <:: 511 Mestres de obras 512 Armadores de concreto Pedre1ros 514 Serventes de pedre1ro 515 Pintores e caiadores 516 Estucadores 517 Ladri1heiros e taqueiros Encanadores Vidraceiros (co1ocador de vidros) 520 Ca1ceteiros e asfa1tadores Ca1afates Operado~es de maquinas de constru~ao civil Ocupa~oes das industrial de alimenta~ao e de bebidas 531 Linguiceiros e sa1sicheiros 532 Charqueadores Magarefes 534 Manteigueiros e queijeiros 535 Doceiros e confeiteiros 536 Macarroneiros e pasteleiros Padeiros Farinheiros e mo1eiros Ocupa~oes das usinas e engenhos de a~ucar Ocupa~oes ~as desti1arias de bebidas Ocupa~oes da moagem e torrefa~ao de cafe Ocupa~oes da industrial1za~ao do pescado Ocupa~oes da industria grafica Linotipistas Tipografos C1icheristas e gravadores

23

24

25

26 23. Ocupa~oes ~ presta~ao ~ servi~o! Ocupa~oes domesticas remuneradas e dol servi~os de a1imenta~ao Calin heir s Gar '~i os Emp regado domest1cos Ocupa~oes dol sery1~os de h1g1ene pessoa Barbe1ros e cabe1e1re1ros 822 Man1curas e ped1curos 823 Lavade1ras e engomade1ras Engraxates Atleta, proftsstonats e fun~oes af1ns Jogadores de futebo Lutadores e outros at1etas profissionais 833 Juizes de esportes Tecnicos de esportes Ocupa~oes ~ defe!a nacional!..!.eguranea 2ubliC! Ocupa~oes da defesa nacional e seguran~a publica f.it, - ~ - Oficiais e pra~as das For~as Armadas 142. ese Oficiais e pra~as do Corpo de Bollbeiros t~3 ~ - Delegados e comissarios de po1fcia 8~4 &S4. Investigadores de polfc1a 14" - ass - Guardas c1v;s e 1nspetores de trafego ill. Carcere1ros e guardas de presfd ~ - Dat;loscop1stas

27

28 25. RAMOS E CLASSES DE ATIVIDADES Agricultura. pecuaria e silvicultura Cu1tura de agave Cu1tura de a1godao Cu1tura de arroz Cu1tura de banana Cu1tura de cacau Cu1tura de cafe Cu1tura de cana de a~gcar Cu1tura de fumo Cu1tura de trigo Horticu1tura e f1or1cu1tura Silvicultura Culturas nao discr1minadas anteriormente ~J3 - K-1- - Pecuaria 1~1t ~ - Avicultura e cunicu1tura IJ Apicultura e sericicu1tura ~ - Atividades neo compreend1das nas c1asses anteriores ou mal defini~as Extra~ao vege~a1. ~! ~ Extra~ao vegetal Extra~ao de borracha e gomas e1asticas Extra~ao de erva-mate Extra~ao de p1antas fibrosas 214 Extra~ao de frutos e sementes o1eaginosas e teras Extra~ao ~e madeiras Produ~ao de carvao vegetal Atividades nao compreendidas nas classes anteriores ou mal definidas

29

30 27. Industria de transformacao (conclusao) Industrias do mobiliirio (inclusive co1choarias) Industrias de madeira Industrias de couro, pales e produtos similares (excl~ live artigos do vestuario e cal~ados) Industr1as farmaceut;cas e med;c1na1s Industrias de materiais plasticos Industr1as qu;m1cas Industrias de produtos derivados do petroleo e do carvao (exclusive produ~ao de gas de ilumina~ao) Industries texte1s Industrias domici1iarias texteis Industrias domici1iarias de artigos de pa1ha Industrias do vestuario Industrias do ca1~ado Industrias de produtos a1imentares Industrias de bebidas e a1coois \ Industrias editoriais e graficas ~~I\ Atividades nao compreendidas nas classes anteriores ou mal definidas Industrias de constru~ao 34i!5+ - Constru~ao civil Servi~os industriais de utilidade publica g5t m - Produ~ao e distribui~ao de energia eletrica e gas 35.1, - - ~ - Abastecirnento d'agua e servi~os de esgoto

31 28. Cpmercio ~ mercador1as Comerci0 de produtos agropecuarios e extrativos (exc1! sive aves para a1imenta~ao) Comerci0 de produtos a1imenticios e bebidas Comercio de tecidos e arte~~tos de teci~os. artigos do vestuari0 e armarinho Comercio de moveis. tape~aria. objetos de arte e ornamenta~ao Comerci0 de pape1. impressos e artigos de escritorio Comercio de ferragens. 1ou~as. materiais de constru~ao e produtos meta1urgicos Comercio de maquinas. apare1hos. instrumentos. materia1 e1etrico. vefcu1os e acessorios Comercio de produtos farmaceuticos e medicinais Comercio de combusttveis e 1ubrificantes Comercio ambu1ante Feiras e mercados '\ti vi dades auxi 1 i ares do comerci 0 de mercador1 as 1',23 - Atividades nao compreendidas nas classes anter1ores ou mal definidas Presta~ao.1! sery1~os Servi~os de a1ojamento e de a1imenta~ao Servi~os de higiene pessoa Serv1~o: ra~ao d Serv1~o~ 515 Serv1~o: Serv1 ~o: At1v1da, mal def confec~ ao. sob medida. conserva~ao e repavestuario :1 r:os do d1verso est radiodifusao lest1 cos conserv lac compreendidas nas classes anteriores IS remunerados a~ao de edif;cios e televisao ou

32

33 30 Administratao publica Servi~os administrativos governamentais. Legis1ativo. Justi~a ( Poder legislativo Justi~a e atividades auxiliares Servi~o administrativo federal Serv1~o administrativo estadual Serv1~o adm1nistrat1vo municipal Servi~o administrat1vo autarquico Atividades nao compreendidas nas classes anteriores ou Defesa national mal defin1das e Seguran~a publica f~' &Sf - Exercito f.2~ &&e - Marinha de Guerra m - Aeronautica &.24 ~ 8S4 - Po11cia Mi1itar tj Po1;cia Civil tj.~. &5V - Corpo de Bombeiros 8'3.:f ~ - Outras organiza~oes de seguran~a Outras atividades Comercio de imoveis e valores mo~iliarios. credito. seguros e capitaliza~ao Comercio de imoveis Comercio de t;tulos e moedas Bancos e casas bancarias Caixas economicas e cooperativas de credito Seguros e capitaliza~ao Atividades nao compreendidas nas classes anter;ores ou mal definidas

34 31 Profissoes m liberais li~\ ~ - Advocacia e ativi<1ades auxiliares - Engenharia, arquitetura e atividades auxiliares q~3 9Sa - Odontologia e atividades auxiliares m q,1~ 9&4 - Agrono.ia,veterinaria e atividades auxiliares - Hedicina e atividades auxiliares q2~ ~ - Ciencias, letras, artes e ativi~ades auxiliares q2:j 9if - Contabilidade e atividades auxiliares q.1.j ~ - Atividades nao compreendidas nas classes anteriores ou mal definidas At1v1dades nio compreend1das nos dema1s ramos, at1v1dades.a1 def1n1das ou nio dec1aradas q~1 99i - Representa~oes estrange1ras 2lt - Outras at1v1dades nio compreend1das ~ q3j- Procurando traba1ho pela pr1me1ra vel ~3!f t99 - At1v1dade~ mal def1n1das ou nao declaradas nos dema1s ramos Quesito 25 - Posieio!!! ocupaeao 1 - Empregado publico 5 - Empregador 2 - Empregado particular 3 - Conta propria 4 - Parceiro ou meeiro 6 - Nao remunerado e P~ocura trabalho pela la. vel 0 - Sem declara~io Ques1to 26 - Ocupaeao M u1t1ma seman a 1 - So 2 - So 3 - Oc ocup outr upa~a~ 4 - Desellpregado io habitua1 Icupa~ao 5 - Procurando trabelho pela primeira vel 0 - Sem dec1aracao labftua1 e outre ocupa~ao

35 32. Quesito 27 - Tempo ~ trabalho Ocupa~oes agropecuarias ou de extra~ao vegetal 1 - P1enos de 3 meses 2-3 a menos de 6 meses 3-6 a menos de 9 meses 4-9 a 12 meses Outras ocupa~oes 5 Menos de 15 horas 6 15 a 39 horas 7-40 a 49 horas 8-50 horas e mais 9 - Procurandc traba1ho pe1a 1a. vel 0 - Sem dqclara~ao 1 - ttenos de 3 meses 2-3 m~ses e ma;s 3 - Trabalha 0 - Sem dec1ara~ao Sendo 0 recenseado Homem ou entao Mu1her de menos de 15 anos. par cima do corligo ~ impressc no Quesito 29 registre: x - Quando for 0 Chefe da famfl;a E - Para as demais pessoas

36

37

38

39 36 Quesito 6 -!!!!p. de r~sidenc_1a 1 - Menos de 1 ano 2-1 ano 3-2 anos 4-3 a 6 anos 5-7 a 10 anos 6-11 anos e ma1s 0 - Sem dec1ara~ao Quesito 7 - Abastec;mento ~'agu~ ( 1 - Rede geral com canaliza~ao interna 2 - Rede geral com canal1za~ao externa 3 - Po~o ou nascente com canaliza~ao interna 4 - Po~o ou nascente sem canaliza~ao interna 5 - Outra forma 0 - Sem declara~ao Ques1to 8 - Insta1atoes _san;tarias 1 - Rede geral ou rede de esgoto 2 - Fossa sept1ca 3 - Fossa rudimentar 4 - Outro escoadouro 5 - Nao tern 0 - Sem dec1ara~ao Ques1to 9 - ill ~letrica 1 - Tem 2 - Nao tem 0 - Sem declaracao

40 : 1:I ~ ~: Ques1to 10 - ~ Lenha 2 - Gas 3 - Carvao 4 - Oleo ou querosene 5 - Eletrico 6 - Nao tern 0 - Sem declara~ao Ques1to 11 - ~ C7':; ~ 1 - Tern 2 - Nao tern 0 - Sem dec'ara~ao Quesito 12 - Ge1adeira 1 - Tem 2 - rlao tem 0 - Sem declara~ao Quesito 13 - Te1evisao 1 - Tem 2 - r~a(l tem 0 - Sem declara~ao Quesito 14 - Automove Nao tem 0 - Sem declara~ao

41 38. Ques1to 1S la. Parte) - Lotal de comodos Se a dec1ara~ao for expressa por um so algarismo, sera anteposto 0 (zero) 80 algarismo consignado no boletim. Nao havendo indica~ao do numero tota1 de como- dos, sera codificado..q.q.. Ques1to 15 (2a. Parte). Comodos serv;ndo de dormitorio c Se a dec1ara~io for expressa por um so algarismo, sera anteposto 0 (zero) ao algarismo consignado no boletim. Nao havendo 'nd1ca~ao do numero tota1 de como- dos, sera codif1cado~.

42 39 CARACTERfSTICAS PREDIAIS Co1una 2 - Numero de ordem nas Folhas de coleta. Embora 0 numero de ordem seja perfurado com 3 d! gitos, nao sera necessaria, na codifica~ao, a complementa~ao para os numeros compostos de um ou dois algarismos. No caso de numeros com quatro anu1ado 0 1agarismo da unidade de milhar. algarismos. sera Co1una 3 - Nijmer~!! pavimentos Sera uti1izado 0 numero de pavimentos Sera ut111zado 0 numero de ordem dos predios registrados registra- dos nas Fo1has de co1eta. Embora 0 numero de pavimentos seja perfurado com 2 dfg1tos, nao sera necessaria, na codificacao, a comple~enta- Cio para os numeros compostos de um algarismo. Na fa1ta de dec1ara~io codtftcar ~ Co1una 4 - Paredes 1 Alvenar1a 2 Madeira 3 - Ta1pa nao revest1da 4 - Outro tipo 0 - Sem declara~ao

43

44

45

46

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai IX-5 Lista de Consulado Geral e s em Kansai 1. Consulado Geral, e consulado em Kansai Consulado Geral Endereço Telefone Australia Ed. Twin 21 MID Tower 16º andar, 06-6941-9271 Consulado Geral da Austrália

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n. º 206/2016-SIC/DIREX/PF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação protocolado

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Local A. Empresa: BLUE TELECOMUNICAÇÕES B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Local BLUE C. Identificação para a Anatel: Plano Básico de Serviço Local BLUE 01/2015 D. Modalidade

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) CÓDIGOS RAMA DE ACTIVIDADES BRASIL 1960

CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) CÓDIGOS RAMA DE ACTIVIDADES BRASIL 1960 CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) CÓDIGOS RAMA DE ACTIVIDADES BRASIL 1960 QUESITO X RAMO E CLASSE DE ATIVIDADE Antes de codificar êste quesito, o codificador deve observar as respostas

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

IPD Instituto de Promoção do Desenvolvimento NORDESTE SUSTENTÁVEL - Produção Orgânica no Brasil. Ming Chao Liu

IPD Instituto de Promoção do Desenvolvimento NORDESTE SUSTENTÁVEL - Produção Orgânica no Brasil. Ming Chao Liu IPD Instituto de Promoção do Desenvolvimento NORDESTE SUSTENTÁVEL - Produção Orgânica no Brasil Joao Pessoa 30 de Junho de 2011 Ming Chao Liu Coordenador Executivo Agricultura Orgânica O Censo Agropecuário

Leia mais

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Benfica Telecom Destino preço por minuto / sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,190 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,084 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Sistema AFRICANO INTERAMERICANO EUROPEU Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Organização da Unidade Africana (OUA) (54) África do Sul, Angola, Argélia, Benim, Botswana, Burkina Faso,

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

GABARITO PROVA OBJETIVA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE NOVA IGUAÇU. Edital n 01/2010 NÍVEL: FUNDAMENTAL INCOMPLETO

GABARITO PROVA OBJETIVA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE NOVA IGUAÇU. Edital n 01/2010 NÍVEL: FUNDAMENTAL INCOMPLETO NÍVEL: FUNDAMENTAL INCOMPLETO CARGOS: ARMADOR/ AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS/ BOMBEIRO HIDRAÚLICO/ CARPINTEIRO/ ELETRICISTA/ JARDINEIRO/ MANILHEIRO/ MARCENEIRO/ MECÂNICA DE MÁQUINA PESADA/ OPERADOR DE ACABADORA/

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE Apesar do saldo agregado negativo nos três primeiros meses do ano, 13 dos 25 subsetores de atividade geraram postos formais de trabalho.

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Outros 1 Psicólogo do trabalho C.L.T. Caraguatatuba Graduação 3

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Regime de Contratação Outros 1 Psicólogo do trabalho C.L.T. Caraguatatuba Graduação 3 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 1 Psicólogo do trabalho C.L.T. Caraguatatuba Graduação 3 Outros 1 Professor de história no ensino médio

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 147 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa Brasileira

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

PREÇOS SERVIÇO TELEFÓNICO 2016

PREÇOS SERVIÇO TELEFÓNICO 2016 I. COMUNICAÇÕES REALIZADAS EM TELEFONE PÚBLICO... 2 I.1. Comunicações Fixo-Fixo (de telefone público) 2 I.2. Comunicações Fixo PT-Prestador de serviço de voz através da internet [PT-VoIP] (de telefone

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Apoio à Participação em Eventos para Discentes

Apoio à Participação em Eventos para Discentes Apoio à Participação em Eventos para Discentes O PPGEdu/UFRGS oferece aos estudantes regularmente matriculados nos Cursos de Mestrado e Doutorado do Programa e vinculados a projeto de pesquisa em desenvolvimento,

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo Portas Automáticas Resistentes ao Fogo 1 Criada em 1966, a Manusa é uma empresa líder no mercado das portas automáticas graças ao desenvolvimento de uma tecnologia própria e a uma equipa de profissionais

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RA Central 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,193 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,145 SMS Todas as redes nacionais 0,098 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE fechou 1.344 postos de trabalho em junho,

Leia mais

O Jornal na Educação e a Educomunicação. Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro

O Jornal na Educação e a Educomunicação. Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro O Jornal na Educação e a Educomunicação Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro CONTATO Talita Moretto talitamoretto@hotmail.com vamosler@jmnews.com.br Site do

Leia mais

Emprego Industrial Julho de 2015

Emprego Industrial Julho de 2015 Emprego Industrial Julho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de julho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de junho (-14.770 postos e variação de -0,7%). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Fevereiro de 2015

Emprego Industrial Fevereiro de 2015 Emprego Industrial Fevereiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de fevereiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação ao estoque de janeiro (12.108 postos e variação de 0,6%). A

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2015

Emprego Industrial Setembro de 2015 Emprego Industrial Setembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de agosto (-4.425 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)*

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)* 16 de maio de 22 As exportações brasileiras têm crescido substancialmente desde 1981 com diversificação observada no período de 1995 a 2. Baseado em dados anuais obtidos da aliceweb (http://aliceweb.desenvolvimento.gov.br/default.asp),

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

MARÍLIA. Regime de Contratação. Outros 7 Ajudante de motorista C.L.T. Assis Ensino Fundamental 6

MARÍLIA. Regime de Contratação. Outros 7 Ajudante de motorista C.L.T. Assis Ensino Fundamental 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Comércio 20 Instalador de sistemas eletroeletrônicos de segurança Comércio 2 Reparador de rádio, TV e som Construção Civil 1 Comércio 1 Comércio 1 Outros 5 Instalador

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Perfil de geração de empregos no setor comercial de Juara de janeiro a outubro de 2016 de acordo com o CAGED.

Perfil de geração de empregos no setor comercial de Juara de janeiro a outubro de 2016 de acordo com o CAGED. 1 Perfil de geração de empregos no setor comercial de Juara de janeiro a outubro de 2016 de acordo com o CAGED. Perfil do Município CBO 2002 Salário Médio Adm. Admissão Desligamento Saldo 521110: Vendedor

Leia mais

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 a Página da Educação www.apagina.pt Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) acaba de publicar o seu Relatório sobre o Desenvolvimento Humano

Leia mais

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio.

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio. SISTEMAS DE TV MUNDIAIS Países diferentes usam sistemas de TV diferentes. A diferença entre estes sistemas reside em parte na forma como a informação do sinal de cor é modulada com a informação de luminosidade

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2015

Emprego Industrial Dezembro de 2015 Emprego Industrial Dezembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de embro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de novembro (-34.971 postos e variação de -1,7%). A indústria

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Paulo Tafner I n st itut o T eot ônio Villela I T V Br a sília N ov embro

Leia mais

Anexo estatístico do desenvolvimento humano

Anexo estatístico do desenvolvimento humano Anexo Estatístico Anexo estatístico do desenvolvimento humano Guia do leitor 129 Legenda dos países e classificações do IDH, 2011 132 Tabelas estatísticas 133 Notas técnicas Cálculo dos índices de desenvolvimento

Leia mais

Dicionário de variáveis da PNAD arquivo de domicílios Microdados

Dicionário de variáveis da PNAD arquivo de domicílios Microdados 1 4 V0101 Ano referência 2 UF 2 Unida da Feração 8 V0102 2 Número controle 1 V010 Número série 16 2 V0104 18 2 20 2 V0106 6 22 1 V010 V0201 4 1 PARTE 1 IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE Tipo entrevista Total moradores

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 1939-45 11/3/2010 TIS 1 CLC_7 FERNANDO GUITA GRUPO: JOÃO ALEXANDRE, TOMÉ E THEODORE DEFINIÇÃO A segunda guerra mundial foi um acontecimento que teve impacto no mundo inteiro. 11/3/2010

Leia mais

Emissões de CO 2 na geração de energia

Emissões de CO 2 na geração de energia Emissões de CO 2 na geração de energia São Paulo, 03 de junho de 2008 Danielle Magalhães Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação-Geral de Mudança Global de Clima Compromissos dos Países na Convenção-Quadro

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009 Embargado para 24 de Março de 2009 Público AMNISTIA INTERNACIONAL LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) 24 de Março de 2009 ACT 50/002/2009 SECRETARIADO INTERNACIONAL,

Leia mais

BAURU. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bariri Ensino Médio 3. Comércio 1 Almoxarife C.L.T. Bariri Ensino Médio 6

BAURU. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bariri Ensino Médio 3. Comércio 1 Almoxarife C.L.T. Bariri Ensino Médio 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bariri Ensino Médio 3 Comércio 1 Almoxarife C.L.T. Bariri Ensino Médio

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2016

Anuário Estatístico de Turismo - 2016 Secretaria Executiva Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2016 Volume 43 Ano base 2015 Sumário I - Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2014-2015 1.1. Chegadas de turistas

Leia mais

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional temas de economia aplicada 11 Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional Rogério Nagamine Costanzi (*) Trata-se de fato amplamente conhecido que existe

Leia mais

BARRETOS. Regime de Contratação Prestador de Serviços 6 Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos

BARRETOS. Regime de Contratação Prestador de Serviços 6 Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação 1 Esteticista Agropecuária, Extrativa Vegetal, Regime de Contratação Local de Trabalho Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos

Leia mais