1º Simulado EBSERH. Legislação do SUS 09/01/2017

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º Simulado EBSERH. Legislação do SUS 09/01/2017"

Transcrição

1 1º Simulado EBSERH Legislação do SUS Prof. Elton Chaves (EBSERH/HUAP UFF/IBFC/ 2016) De acordo com a Constituic a o da Repu blica, no que diz respeito a seguridade social, nela inclui da a Sau de, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta: I. A Constituic a o Federal na o aborda a coleta, processamento e transfusaõ de sangue e seus derivados. II. A Unia o, os Estados, o Distrito Federal e os Municiṕios aplicaraõ, anualmente, em ac o es e servic os pu blicos de sau de recursos mińimos derivados da aplicac a o de percentuais calculados, no caso dos estados, sobre a receita corrente li quida do respectivo exercićio financeiro, naõ podendo ser inferior a 15%. III. Sa o isentas de contribuic a o para a seguridade social as entidades beneficentes de assiste ncia social que atendam a s exige ncias estabelecidas em lei. a) I, II e III saõ corretas. b) Apenas III e correta. c) Apenas I e III saõ corretas. d) Apenas II e correta. e) As sentenc as I, II e III saõ incorretas. 2 1

2 (EBSERH/HUAP UFF/IBFC/ 2016) Considerando o texto da lei 8080/90, a assiste ncia sem preconceitos ou privileǵios de qualquer espećie corresponde a um dos princiṕios do SUS, que e a (o): a) Universalidade de acesso aos servic os de sau de em todos os ni veis de assiste ncia. b) Preservac aõ da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade fiśica e moral. c) Integralidade de assiste ncia. d) Igualdade da assiste ncia a sau de. e) Direito a informac a o, a s pessoas assistidas, sobre sua sau de. 3 (EBSERH/HUAP UFF/IBFC/ 2016) Considerando o decreto presidencial de 28 de junho de 2011, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta: O Ministeŕio da Sau de e o o rgaõ competente para dispor sobre a RENAME (Relac a o Nacional de Medicamentos Essenciais) e os Protocolos Clińicos e Diretrizes Terape uticas em a mbito nacional. O acesso universal e igualitaŕio a assiste ncia farmaceûtica naõ pressupoẽ estar o usuaŕio assistido por ac o es e servic os de sau de do SUS. O Mapa da Sau de sera utilizado na identificac a o das necessidades de sau de e orientara o planejamento integrado dos entes federativos, contribuindo para o estabelecimento de metas de sau de. a) I, II e III saõ corretas b) Apenas III e correta c) Apenas II e correta d) As sentenc as I, II e III saõ incorretas e) Apenas I e III saõ corretas 4 2

3 (EBSERH/HUAP UFF/IBFC/ 2016) Considerando a Resoluc a o 453 do Conselho Nacional de Sau de, de 10 de maio de 2012, assinale a alternativa incorreta: a) O nu mero de conselheiros nos Conselhos de Sau de será definido pela Secretaria de Sau de ou Ministe rio da Sau de e constituído em lei. b) As vagas nos Conselhos de Sau de deveraõ ser distribuídas de modo que havera 25% de representac aõ de governo e prestadores de servic os privados conveniados, ou sem fins lucrativos c) A representac aõ nos segmentos deve ser distinta e auto noma em relac a o aos demais segmentos que compoẽm o Conselho de Sau de, por isso um profissional com cargo de direc a o ou de confianc a na gestaõ do SUS, ou como prestador de servic os de sau de, na o pode ser representante dos usuaŕios ou de trabalhadores. d) Quando naõ houver Conselho de Sau de constitui do ou em atividade no Municiṕio, cabera ao Conselho Estadual de Sau de assumir, junto ao executivo municipal, a convocac a o e realizac a o da Confere ncia Municipal de Sau de, que tera como um de seus objetivos a estruturac a o e composic a o do Conselho Municipal. e) Atuar na formulac a o e no controle da execuc a o da política de sau de, incluindo os seus aspectos econo micos e financeiros, e propor estrateǵias para a sua aplicac a o aos setores pu blico e privado e compete ncia dos Conselhos de Sau de. 5 (EBSERH/HUAP UFF/IBFC/ 2016) O Pacto pela Sau de foi um marco na evoluc a o histo rica da organizac aõ do sistema de sau de no Brasil. Seus componentes foram o Pacto pela Vida, Pacto em defesa do SUS e Pacto de Gestaõ. A sau de do idoso e uma das seis prioridades do Pacto pela Vida. Sobre a sau de do idoso, considerando os termos do Pacto pela Vida, assinale a alternativa incorreta. a) Para efeitos desse Pacto foi considerada idosa a pessoa com 60 anos ou mais b) A implantac aõ de servic os de atenc a o domiciliar e uma das diretrizes previstas no que diz respeito a sau de do idoso c) O acolhimento preferencial em unidades de sau de, independente do criteŕio de risco, e uma das diretrizes previstas no que diz respeito a sau de do idoso d) Promoc aõ do envelhecimento ativo e sauda vel domiciliar e uma das diretrizes previstas no que diz respeito a sau de do idoso e) Na Assiste ncia Farmace utica, desenvolver ac o es que visem qualificar a dispensac a o e o acesso da populac a o idosa, e uma das ac o es estrateǵicas, previstas no que diz respeito a sau de do idoso 6 3

4 (EBSERH/HUAP UFF/IBFC/ 2016) Sobre o Sistema Uńico de Sau de (SUS), assinale a alternativa correta. a) O SUS e o sucessor do Instituto Nacional de Assiste ncia Me dica da Previde ncia Social (INAMPS). b) E uma nova formulac a o política e organizacional para o reordenamento dos servic os e ac o es de sau de estabelecida pela Constituic a o de c) O SUS e o sucessor do Sistema Unificado e Descentralizado de Sau de (SUDS). d) O SUS naõ segue a mesma doutrina e os mesmos princiṕios organizativos em todo o territoŕio nacional, ou seja, existem diferenc as dentre as regioẽs brasileiras. e) O SUS e um servic o ou uma instituic a o com finalidade distinta. 7 (EBSERH/HUAP UFF/IBFC/ 2016) Sobre os gestores do Sistema Uńico de Sau de (SUS), leia as afirmativas a seguir e assinale a alternativa correta. I. No municiṕio, o uńico gestor e o secretário municipal de sau de. II. No estado, o gestor e o secretário estadual de sau de. III. No ni vel federal, o gestor e o Ministeŕio da Sau de. IV. No ni vel federal, cabe aos gestores programar, executar e avaliar as ac o es de promoc a o, protec aõ e recuperac a o da sau de. Isto significa que o governo federal deve ser o primeiro e o maior responsa vel pelas ac o es de sau de para a sua populac a o. Estaõ corretas as afirmativas: II, III e IV, apenas I, II, III e IV c) I, II e III, apenas d) II e III, apenas e) I e IV, apenas 8 4

5 (EBSERH/ CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que dispoẽ a Constituic a o Federal, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Ao sistema u nico de sau de compete, ale m de outras atribuic o es, nos termos da lei, participar da formulac a o da poli tica e da execuc a o das ac o es de saneamento baśico. (B) E vedada a destinac a o de recursos pu blicos para auxiĺios ou subvenc o es a s instituic o es privadas com fins lucrativos. (C) A sau de e direito de todos e dever do Estado, garantidos mediante poli ticas sociais e econo micas que visem a reduc aõ do risco de doenc a e de outros agravos e ao acesso universal e igualitaŕio a s ac oẽs e servic os para sua promoc a o, protec aõ e recuperac a o. (D) Sa o de releva ncia pu blica as ac o es e servic os de sau de, cabendo ao Poder Pu blico dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentac a o, fiscalizac a o e controle, devendo sua execuc a o ser feita diretamente ou atraveś de terceiros e, tambeḿ, por pessoa fiśica ou juri dica de direito privado. (E) A previde ncia social compreende um conjunto integrado de ac o es de iniciativa dos Poderes Pu blicos e da sociedade, destinado a assegurar os direitos relativos a sau de, educac a o, moradia e tambeḿ a seguridade e assiste ncia social. 9 (EBSERH/ CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que dispoẽ a Resoluc a o 453/2012 do Conselho Nacional da Sau de, acerca da Organizac a o dos Conselhos de Sau de, assinale a alternativa correta. (A) O nuḿero de conselheiros dos Conselhos de Sau de sera definido pelo chefe do executivo de cada ente federativo e constitui do por meio de decreto. (B) As vagas nos Conselhos de Sau de deveraõ ser distribui das da seguinte forma: 25% de entidades e movimentos representativos de usuaŕios; 25% de entidades representativas dos trabalhadores da aŕea de sau de; 50% de representac aõ de governo e prestadores de servic os privados conveniados, ou sem fins lucrativos. (C) A participac aõ dos membros eleitos do Poder Legislativo, representac a o do Poder Judiciaŕio e do Ministeŕio Pu blico, como conselheiros, naõ e permitida nos Conselhos de Sau de. (D) As func o es do membro do Conselho de Sau de saõ de releva ncia pu blica e seraõ remuneradas, por meio de subsi dio, correspondente a 67% do teto remuneratoŕio do Poder Legislativo correspondente. (E) A representac aõ nos segmentos e auto noma e independente em relac a o aos demais segmentos que compoẽm o Conselho, por isso um profissional com cargo de direc a o ou de confianc a na gestaõ do SUS, ou como prestador de servic os de sau de, pode ser representante dos(as) Usuaŕios(as) ou de Trabalhadores(as). 10 5

6 (EBSERH/ CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que estabelece o Decreto Presidencial no 7.508, de 28 de junho de 2011, a pactuac a o das diretrizes gerais para a composic a o da RENASES (Relac a o Nacional de Ac o es e Servic os de Sau de) sera de compete ncia. (A) exclusiva do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Sau de CONASEMS. (B) comum entre o Ministro da Sau de e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Sau de CONASEMS. (C) exclusiva do Presidente da Repu blica. (D) exclusiva da Comissaõ Intergestores Tripartite CIT. (E) exclusiva da Comissaõ Intergestores Bipartite CIB. 11 (EBSERH/ CH-UFPA /AOCP/ 2016) Conforme estabelece o Decreto Presidencial no 7.508, de 28 de junho de 2011, o acordo de colaborac a o entre os entes federativos para a organizac a o da rede interfederativa de atenc a o a sau de sera firmado por meio de: (A) Lei Complementar de a mbito Nacional. (B) resoluc a o do Ministeŕio da Sau de, apo s ser aprovado por meio de Decreto Estadual dos entes federativos envolvidos. (C) decreto do Ministeŕio da Sau de, apo s ser aprovado por meio de resoluc a o dos governadores dos entes federativos envolvidos. (D) Contrato Organizativo da Ac a o Pu blica da Sau de. (E) Contrato de Gestaõ Concorrente, mediante licitac aõ na modalidade concorre ncia. 12 6

7 (EBSERH/ CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que dispoẽ a Lei Orga nica da Sau de - Lei no 8.080/1990, assinale a alternativa correta. (A) As ac o es e servic os de sau de, executados pelo Sistema Uńico de Sau de (SUS), seja diretamente ou mediante participac a o complementar da iniciativa privada, seraõ organizados de forma regionalizada e hierarquizada em ni veis de complexidade crescente. (B) Entende-se por vigila ncia sanitaŕia um conjunto de ac o es que proporciona o conhecimento, a detecc a o ou prevenc a o de qualquer mudanc a nos fatores determinantes e condicionantes de sau de individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenc a o e controle das doenc as ou agravos. (C) Entende-se por vigila ncia epidemioloǵica um conjunto de ac o es capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos a sau de e de intervir nos problemas sanitaŕios decorrentes do meio ambiente, da produc a o e circulac a o de bens e da prestac a o de servic os de interesse da sau de. (D) A execuc aõ de ac o es de sau de do trabalhador, especialmente no que se refere a assiste ncia ao trabalhador vi tima de acidentes de trabalho, por tratar-se de mateŕia de compete ncia da seguridade social, naõ esta no campo de atuac a o do Sistema Uńico de Sau de (SUS). (E) Os municiṕios poderaõ constituir consoŕcios para desenvolver em conjunto as ac o es e os servic os de sau de que lhes correspondam, de modo que naõ se aplica aos consoŕcios administrativos intermunicipais o princiṕio da direc a o u nica. 13 (EBSERH/ CH-UFPA /AOCP/ 2016) A Lei Complementar no 141/2012 foi um avanc o para as conquistas do Sistema Uńico de Sau de porque A) dispo e sobre os valores mińimos a serem aplicados anualmente pela Uniaõ, Estados, Distrito Federal e Municiṕios em ac o es e servic os pu blicos de sau de. B) altera a forma de repasse financeiro para o SUS, extinguindo os fundos de sau de. C) define as bases para o decreto 7508 que regulamenta a lei orga nica de sau de 8080/90. D) aprova a Poli tica Nacional de Atenc a o Básica, estabelecendo a revisaõ de diretrizes e normas para a organizac a o da Atenc a o Básica. (E) regulamenta o exercićio da Enfermagem e prescric a o de medicamentos de interesse coletivo no SUS. 14 7

8 (EBSERH NACIONAL/ AOCP/2015) De acordo com o que dispoẽ a Constituic a o Federal, assinale a alternativa correta. a) A sau de compreende um conjunto integrado de ac o es de iniciativa dos Poderes Pu blicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos a seguridade social, a educac a o, a previde ncia e a assiste ncia social. b) A seguridade social compreende um conjunto integrado de ac o es de iniciativa dos Poderes Pu blicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos a sau de, a previde ncia e a assiste ncia social. c) A seguridade social compreende um conjunto integrado de ac o es de iniciativa dos Poderes Pu blicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos a sau de, a educac a o e a assiste ncia social. d) A assiste ncia social compreende um conjunto integrado de ac o es de iniciativa dos Poderes Pu blicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos a sau de, a educac a o, a previde ncia e a seguridade social. e) A previde ncia social compreende um conjunto integrado de ac o es de iniciativa dos Poderes Pu blicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos a sau de, a educac a o e a seguridade social. 15 (EBSERH NACIONAL / AOCP/ 2015) De acordo com o que dispoẽ a Lei 8.142/90, acerca do Conselho de Sau de, assinale a alternativa correta. a) Tem cara ter permanente e deliberativo. b) Reunir-se-a a cada quatro anos com a representac a o dos municiṕios para avaliar a situac a o da assiste ncia social. c) Tem como func a o preciṕua avaliar a situac aõ da sau de e da assiste ncia social em a mbito estadual. d) E um o rgaõ municipal formado somente quando convocado pelo Poder Executivo. e) E formado pela reuniaõ dos Secretaŕios de Sau de municipais e pelo Ministro da Sau de. 16 8

9 (EBSERH NACIONAL / AOCP/ 2015) De acordo com o Decreto Presidencial no , de 28 de junho de 2011, acerca da Relac a o Nacional de Ac o es e Servic os de Sau de RENASES, assinale a alternativa correta. a) Sera acompanhada do Formulaŕio Terape utico Nacional - FTN que subsidiara a prescric a o, a dispensac a o e o uso dos seus medicamentos. b) Tem como func a o u nica efetuar a padronizac a o de medicamentos indicados para atendimento de doenc as ou de agravos no a mbito do SUS. c) Tem como func a o preciṕua estabelecer os Protocolos Clińicos e Diretrizes Terape uticas em a mbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela Comissaõ Intergestores Bipartite - CIB. d) Compreende todas as ac o es e servic os que o SUS oferece ao usuaŕio para atendimento da integralidade da assiste ncia a sau de. e) A cada quatro anos, o Ministeŕio da Sau de consolidara e publicará as atualizac o es da RENASES. 17 (EBSERH NACIONAL / AOCP/ 2015) De acordo com o que dispoẽ a Lei 8.080/90, entende-se por Vigila ncia Epidemioloǵica: a) A formulac aõ da poli tica de medicamentos, equipamentos, imunobioloǵicos e outros insumos de interesse para a sau de e a participac a o na sua produc a o. b) A participac a o na formulac aõ da poli tica e na execuc a o de ac o es de saneamento baśico. c) Um conjunto de ac o es que proporcionam o conhecimento, a detecc a o ou prevenc a o de qualquer mudanc a nos fatores determinantes e condicionantes de sau de individual ou coletiva,com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenc a o e controle das doenc as ou agravos. d) Um conjunto de ac o es capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos a sau de e de intervir nos problemas sanitaŕios decorrentes do meio ambiente, da produc a o e circulac a o de bens e da prestac a o de servic os de interesse da sau de. e) O controle de bens de consumo que, direta ou indiretamente, se relacionem com a sau de, compreendidas todas as etapas e processos, da produc a o ao consumo. 18 9

10 (EBSERH NACIONAL / AOCP/ 2015) De acordo com o que dispoẽ a Resoluc a o 453/2012 do Conselho Nacional da Sau de, as func o es, como membro do Conselho de Sau de: a) Sa o remuneradas por meio de func a o gratificada, com acreścimo de 20% sobre o subsidio do servidor, quando houver cumulac a o das func o es de conselheiro e servidor. b) Na o saõ remuneradas em pecuńia, mas para cada dia de exercićio da func a o seraõ acrescidos 3 (tre s) dias ao periódo de feŕias do trabalhador. c) Na o saõ remuneradas em pecuńia, mas para cada dia de exercićio da func a o seraõ acrescidos 5 (cinco) dias ao periódo de feŕias do trabalhador. d) Sa o remuneradas por meio de func a o gratificada, com acreścimo de 10% sobre o subsi dio do servidor, que devera permanecer afastado de seu cargo, sendo vedada a cumulac a o das func o es. e) Na o seraõ remuneradas, considerando-se o seu exercićio de releva ncia pu blica e, portanto, garante a dispensa do trabalho sem prejuiźo para o conselheiro. 19 (EBSERH NACIONAL / AOCP/ 2015) Os recursos da Uniaõ para o SUS saõ transferidos pelo Fundo Nacional de Sau de (FNS) para os estados, o Distrito Federal e os municiṕios, a fim de que esses entes federativos realizem: a) De forma centralizada, ac o es e servic os de sau de, bem como investimentos na rede de servic os e na cobertura assistencial e hospitalar, no a mbito do SUS. b) De forma centralizada, ac o es e servic os de sau de suplementar, bem como investimentos na rede de servic os e na cobertura assistencial e hospitalar, no a mbito suplementar. c) De forma descentralizada, ac o es e servic os de sau de, bem como investimentos na rede de servic os e na cobertura assistencial e hospitalar, no a mbito dos planos de sau de. d) De forma descentralizada, ac o es e servic os de sau de, bem como investimentos na rede de servic os e na cobertura assistencial e hospitalar, no a mbito do SUS. e) De forma centralizada, ac o es e servic os de sau de, bem como investimentos na rede de servic os e na cobertura assistencial e hospitalar, no a mbito dos planos de sau de

11 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que dispoẽ a Constituic a o Federal, a proposta de orc amento da seguridade social sera elaborada: a) De forma integrada pelos oŕgaõs responsa veis pela sau de, previde ncia social e assiste ncia social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orc amentárias, assegurada a cada aŕea a gesta o de seus recursos. b) De forma integrada pelos oŕgaõs responsa veis pela sau de, educac a o, previde ncia social e assiste ncia social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orc amentárias, ficando a gestaõ dos recursos de cada aŕea sob a compete ncia exclusiva do Ministeŕio da Sau de. c) Pelo oŕgaõ responsa vel pela previde ncia social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orc amentárias para sau de e assiste ncia social, ficando a gestaõ dos recursos sob a compete ncia exclusiva do Ministeŕio da Previde ncia Social. d) Pelo oŕgaõ responsa vel pela previde ncia social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orc amentárias para sau de, educac a o e assiste ncia social assegurada a cada aŕea a gesta o de seus recursos. e) De forma integrada pelos oŕgaõs responsa veis pela sau de, educac a o, previde ncia social e assiste ncia social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orc amentárias, assegurada a cada aŕea a gesta o de seus recursos. 21 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que dispoẽ a Resoluc a o n 453/2012 do Conselho Nacional da Sau de, acerca da estrutura e funcionamento dos Conselhos de Sau de, assinale a alternativa INCORRETA. a) O Conselho de Sau de contará com uma secretaria-executiva coordenada por pessoa preparada para a func a o, para o suporte tećnico e administrativo, subordinada ao Plenaŕio do Conselho de Sau de, que definira sua estrutura e dimensaõ. b) O Plenaŕio do Conselho de Sau de se reunirá, no mińimo, a cada 90 (noventa) dias e, extraordinariamente, quando necessaŕio, tera como base o seu Regimento Interno. A pauta e o material de apoio a s reunioẽs devem ser encaminhados aos conselheiros com antecede ncia mińima de 20 (vinte) dias. c) As reunioẽs plenaŕias dos Conselhos de Sau de saõ abertas ao pu blico e deveraõ acontecer em espac os e horaŕios que possibilitem a participac a o da sociedade. d) Os Conselhos de Sau de, com a devida justificativa, buscaraõ auditorias externas e independentes sobre as contas e atividades do Gestor do SUS. e) Cabe ao Conselho de Sau de deliberar em relac a o a sua estrutura administrativa e ao quadro de pessoal

12 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que dispoẽ a Lei Orga nica da Sau de - Lei no 8.080/1990, o Conselho Nacional de Secretaŕios de Sau de (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Sau de (Conasems): a) Receberaõ recursos do orc amento geral da Uniaõ por meio do Fundo Nacional de Sau de, para auxiliar no custeio de suas despesas institucionais, podendo ainda celebrar conve nios com a Uniaõ. b) Receberaõ recursos do orc amento geral da Uniaõ por meio do Fundo Nacional de Sau de, para auxiliar no custeio de suas despesas institucionais, sendo vedada a celebrac a o de conve nios com a Uniaõ e com os estados. c) Na o receberaõ recursos do orc amento geral da Uniaõ, mas podem celebrar conve nios com a Uniaõ por meio do Fundo Nacional de Sau de. d) Na o receberaõ recursos do orc amento geral da Uniaõ quando celebrarem conve nios, por meio do Fundo Nacional de Sau de, com qualquer ente da federac a o. e) Receberaõ recursos do orc amento geral da Uniaõ somente quando celebrarem conve nios por meio do Fundo Nacional de Sau de. 23 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) Para efeito do Decreto Presidencial no 7.508, de 28 de junho de 2011, considera-se Mapa da Sau de. a) As insta ncias de pactuac a o consensual entre os entes federativos para definic a o das regras da gestaõ compartilhada do SUS. b) O espac o geogra fico contińuo constitui do por agrupamentos de Municiṕios limi trofes, delimitado a partir de identidades culturais, econo micas e sociais e de redes de comunicac a o e infraestrutura de transportes compartilhados, com a finalidade de integrar a organizac a o, o planejamento e a execuc a o de ac o es e servic os de sau de. c) A descric a o geogra fica da distribuic a o de recursos humanos e de ac o es e servic os de sau de ofertados pelo SUS e pela iniciativa privada, considerando-se a capacidade instalada existente, os investimentos e o desempenho aferido a partir dos indicadores de sau de do sistema. d) O documento que estabelece: criteŕios para o diagnośtico da doenc a ou do agravo a sau de; o tratamento preconizado, com os medicamentos e demais produtos apropriados, quando couber; as posologias recomendadas; os mecanismos de controle clińico; e o acompanhamento e a verificac a o dos resultados terape uticos, a serem seguidos pelos gestores do SUS. e) O conjunto de ac o es e servic os de sau de articulados em ni veis de complexidade crescente, com a finalidade de garantir a integralidade da assiste ncia a sau de

13 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) De acordo com o que dispoẽ o Decreto Presidencial no 7.508, de 28 de junho de 2011, acerca da Relac a o Nacional de Medicamentos Essenciais RENAME, assinale a alternativa correta. a) O Ministeŕio da Sau de e o o rgaõ competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clińicos e Diretrizes Terape uticas em a mbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela Comissaõ Intergestores Bipartite CIB. b) A Comissaõ Intergestores Tripartite CIT e o o rgaõ competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clińicos e Diretrizes Terape uticas em a mbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pelo Ministeŕio da Previde ncia Social. c) A Comissaõ Intergestores Tripartite CIT e o o rgaõ competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clińicos e Diretrizes Terape uticas em a mbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pelo Ministeŕio da Sau de. d) O Ministeŕio da Previde ncia Social e o o rgaõ competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clińicos e Diretrizes Terape uticas em a mbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela Comissaõ Intergestores Bipartite CIB. e) O Ministeŕio da Sau de e o o rgaõ competente para dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clińicos e Diretrizes Terape uticas em a mbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela Comissaõ Intergestores Tripartite CIT. 25 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) O Sistema Uńico de Sau de, nos uĺtimos 30 anos, vem se desenvolvendo para atender seus princiṕios de universalidade, integralidade e igualdade. Sendo assim, saõ fundamentais e necessaŕios arranjos organizacionais de ac o es e servic os de sau de de diferentes densidades tecnoloǵicas que, integrados por meio de apoio tećnico, logiśtico e de gestaõ, busquem garantir a integralidade do cuidado. Esses arranjos organizacionais se referem: a) a s Redes de Atenc a o a Sau de (RAS). b) aos distritos de sau de. c) aos Sistemas Unificados e Descentralizados de Sau de (SUDS). d) aos distritos sanitaŕios. e) ao Programa de Sau de da Famiĺia (PSF)

14 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) O Sistema Uńico de Sau de, nos uĺtimos 30 anos, vem se desenvolvendo para atender seus princiṕios de universalidade, integralidade e igualdade. Sendo assim, saõ fundamentais e necessaŕios arranjos organizacionais de ac o es e servic os de sau de de diferentes densidades tecnoloǵicas que, integrados por meio de apoio tećnico, logiśtico e de gestaõ, busquem garantir a integralidade do cuidado. Esses arranjos organizacionais se referem: a) a s Redes de Atenc a o a Sau de (RAS). b) aos distritos de sau de. c) aos Sistemas Unificados e Descentralizados de Sau de (SUDS). d) aos distritos sanitaŕios. e) ao Programa de Sau de da Famiĺia (PSF). 27 (EBSERH/CH-UFPA /AOCP/ 2016) O Pacto Pela Vida e um conjunto de compromissos sanitaŕios, resultado da anaĺise da situac a o de sau de do paiś e das prioridades dos governos federal, estadual e municipal. Em 2006, essas prioridades estabelecidas, com relac a o ao ca ncer, foram voltadas para: a) ca ncer de pele. b) ca ncer infantil. c) ca ncer de colo de u tero e mama. d) ca ncer de pulma o. e) ca ncer de pulmaõ e prośtata

15 15

(A)A seguridade social será financiada apenas pelas contribuições sociais.

(A)A seguridade social será financiada apenas pelas contribuições sociais. 1º Simulado EBSERH Legislação do SUS Prof.ª Andrea Paula Prof. Elton Chaves 1. (EBSERH/HRL UFS /AOCP/ 2017) A respeito do financiamento da seguridade social, de acordo com as disposições contidas na Constituição

Leia mais

2) O SUS foi desenvolvido em razão do artigo 198 da Constituição Federal, com base nos seguintes princípios, exceto:

2) O SUS foi desenvolvido em razão do artigo 198 da Constituição Federal, com base nos seguintes princípios, exceto: QUESTÕES DO SUS ) São objetivos do SUS: a) identificação de fatores que condicionem à saúde; b) política financeira de incentivo à saúde; c) ação de ordem social que vise arrecadação de recursos; d) identificação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA

CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA PROF. HÉLDER PACHECO CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 LEI 141 1988 1990 1991 1993 1996 2001/2002 2006 2011 2012 NOB NOAS

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL - 1988 TÍTULO VIII CAPÍTULO II SEÇÃO II DA SAÚDE Profª. Andréa Paula Enfermeira E-mail - andreapsmacedo@gmail.com Facebook - http://facebook.com/andreapsmacedo Art. 194 A seguridade

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde Brasília, 25/01/2017 Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais,

Leia mais

Eduardo Tanaka. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Eduardo Tanaka. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Eduardo Tanaka Pós-graduado em Direito Constitucional. Bacharel em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Graduado em Odontologia pela USP. Auditor

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br AULA 2 (CF/88 ARTIGOS 196 A0 200) Legislação do SUS - Professora Ana Flávia Alves e-mail: anaflaviaprofessora@yahoo.com Garantido mediante políticas sociais e econômicas. A saúde

Leia mais

DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE. CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP. Mar/12

DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE. CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP. Mar/12 DECRETO 7508/11 E O PROCESSO DE PACTUAÇÃO TRIPARTITE CONGRESSO DO COSEMS - SÃO PAULO Marília - SP Mar/12 FORTALECIMENTO DO SUS Lei 8080/90 - art. 8º - As ações e serviços de saúde, executados pelo SUS,

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS QUESTÕES COMENTADAS EBSERH Lagarto- Se 2017 Gabarito preliminar Prof.ª Natale Souza

LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS QUESTÕES COMENTADAS EBSERH Lagarto- Se 2017 Gabarito preliminar Prof.ª Natale Souza LEGISLAÇÃO APLICADA AO SUS QUESTÕES COMENTADAS EBSERH Lagarto- Se 2017 Gabarito preliminar Prof.ª Natale Souza Olá pessoal, trago hoje cinco questões comentadas, da disciplina Legislação Aplicada ao SUS,

Leia mais

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508

CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 XXVIII Congresso de Secretários Municipais de do Estado de São Paulo CURSO: Desafios da Implantação dos Dispositivos do Decreto 7.508 CRS Coordenadoria de Regiões de da Secretaria de Estado da de São Paulo

Leia mais

Níveis de Atenção à saúde Origem do SUS

Níveis de Atenção à saúde Origem do SUS Níveis de Atenção à saúde Origem do SUS Saúde pública Consiste na aplicação de conhecimentos (médicos ou não), com o objetivo de organizar sistemas e serviços de saúde, atuar em fatores condicionantes

Leia mais

LEI Nº 8.080, DE 19 DE SETEMBRO DE 1990

LEI Nº 8.080, DE 19 DE SETEMBRO DE 1990 LEI Nº 8.080, DE 19 DE SETEMBRO DE 1990 Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.

Leia mais

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA SAÚDE ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA Brasília, 25 de agosto de 2011 22/06/2015 1 PRESSUPOSTOS DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA I PRESSUPOSTOS

Leia mais

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP

Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP NOTA TÉCNICA 03/2015 Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde - COAP Brasília, 02 de março de 2015 1 INTRODUÇÃO O Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde é um acordo de colaboração firmado

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

ANVISA. EXERCÍCIOS - CESPE Lei 8.080/90. Profa. Andréa Paula

ANVISA. EXERCÍCIOS - CESPE Lei 8.080/90. Profa. Andréa Paula ANVISA EXERCÍCIOS - CESPE Lei 8.080/90 Profa. Andréa Paula Banca: CESPE - Órgão: SESA- ES Ano: 2013 Cargos: Todos os cargos Lei n.º 8.080/1990, conhecida como a Lei Orgânica da Saúde, foi criada para regular,

Leia mais

Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde

Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde 1 DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES Lei Orgânica da Saúde Lei n. 8.080 de 19 de setembro de 1990. Art. 7º: I - universalidade de acesso aos serviços de saúde em

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE LIRCE LAMOUNIER

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE LIRCE LAMOUNIER SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ESTADO DE GOIÁS ORGANIZAÇÃO DO SUS LIRCE LAMOUNIER DISCIPLINA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, GESTÃO PESSOAL E MULTIPROFISSIONAL (ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS) FACULDADE DE FARMÁCIA

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

LEI 8.080/90 CONTEÚDO COMUM A TODOS OS CARGOS: ANALIS- TA E TÉCNICO

LEI 8.080/90 CONTEÚDO COMUM A TODOS OS CARGOS: ANALIS- TA E TÉCNICO Lei Orgânica da Saúde Andréa Paula LEI 8.080/90 CONTEÚDO COMUM A TODOS OS CARGOS: ANALIS- TA E TÉCNICO 01. O Brasil institucionalizou o direito à saúde a todos os cidadãos brasileiros com a promulgação

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

APRIMORAMENTO DO SUS POR MEIO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÕES PÚBLICAS DE SAÚDE COAP 2013

APRIMORAMENTO DO SUS POR MEIO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÕES PÚBLICAS DE SAÚDE COAP 2013 APRIMORAMENTO DO SUS POR MEIO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÕES PÚBLICAS DE SAÚDE COAP 2013 Convento da Penha, Vila Velha/ES CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO Espírito Santo Capital - Vitória 78 municípios População

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE Conjunto de reformas institucionais do SUS. Pacto entre União, Estados e Municípios. Objetivo - promover inovações nos processos

Leia mais

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS MARÍLIA Março/2012 1 REGIONALIZAÇÃO NO SUS ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES 1988: CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1990:

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, Distrito Federal e municípios em

Leia mais

NOTA TÉCNICA DECRETO 7.508/11 REGULAMENTA LEI 8.080/90

NOTA TÉCNICA DECRETO 7.508/11 REGULAMENTA LEI 8.080/90 NOTA TÉCNICA 25 2011 DECRETO 7.508/11 REGULAMENTA LEI 8.080/90 1 INTRODUÇÃO Essa Nota Técnica se propõe a apresentar uma análise do Decreto 7.508 de 28 de junho de 2011, que regulamenta a Lei nº 8.080

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA No- 2.728, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS

Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS Os componentes da Gestão Estratégica e Participativa do SUS Natal/RN, agosto 2014 XIII Congresso de Prefeituras e Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Norte SUS 25 anos: avanços e enfrentamentos

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES)

GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES) GRUPO DE ESTUDOS ( LAGES) Apresentação: O SUS trata-se de um sistema de saúde de atendimento gratuito,que garante o acesso integral, universal e igualitário à população brasileira, desde a atenção básica

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE O Pacto pela Vida é o compromisso entre os gestores do SUS em torno de prioridades que apresentam impacto sobre a situação

Leia mais

REGULAMENTO DA PROVA - 6km e 10km São Paulo Por ser um evento destinado ao mundo corporativo, o conceito da Corporate Run e bem diferenciado dos

REGULAMENTO DA PROVA - 6km e 10km São Paulo Por ser um evento destinado ao mundo corporativo, o conceito da Corporate Run e bem diferenciado dos REGULAMENTO DA PROVA - 6km e 10km São Paulo Por ser um evento destinado ao mundo corporativo, o conceito da Corporate Run e bem diferenciado dos outros eventos de corrida. Formato diferenciado: Equipes

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Institui as Diretrizes para implantação da Política Pública de Valorização da Família no âmbito do Distrito Federal. A CÂMARA LEGISLATIVA

Leia mais

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objeto de Aprendizagem Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objetivo: Apresentar sucintamente a Lei Orgânica de Saúde nº 8080 de 19 de setembro de 1990,

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

SUS Sistema Único de Saúde

SUS Sistema Único de Saúde SUS Sistema Único de Saúde SUS O Sistema Único de Saúde (SUS) é constituído pelo conjunto das ações e de serviços de saúde sob gestão pública. Está organizado em redes regionalizadas e hierarquizadas e

Leia mais

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE EDERSON ALVES DA SILVA Vice-Presidente Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais conselhoestadualdesaudemg@gmail.com O Sistema

Leia mais

Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42

Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42 PORTARIA Nº 154, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

FINANCIAMENTO FEDERAL

FINANCIAMENTO FEDERAL FINANCIAMENTO FEDERAL SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE O art. 198 da CF preconiza que as ações e serviços públicos de saúde - asps integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único organizado

Leia mais

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza

Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza Institui, na forma do art. 43 da Constituição Federal, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, estabelece a sua composição, natureza jurídica, objetivos, área de competência e instrumentos

Leia mais

A Transparência Fiscal e Orçamental. Princípios primordiais

A Transparência Fiscal e Orçamental. Princípios primordiais A Transparência Fiscal e Orçamental Princípios primordiais Uma definição Estar aberto ao público sobre a estrutura & funções do Governo, sobre os objectivos da politica orçamental/fiscal e sobre as contas

Leia mais

Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011

Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 Regulamentação da Lei nº 8.080/90 1ª edição 4ª reimpressão Brasília - DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 06

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 06 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 06 L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO

OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências de Saúde Departamento de Saúde Comunitária Disciplina: Saúde Pública I Professor: Walfrido Kühl Svoboda SUS Sistema Único de Saúde OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO

Leia mais

Movimento da Reforma Sanitária Saúde como Direito de Todos e Dever do Estado responsabilidade compartilhada Normas Operacionais com divisão de

Movimento da Reforma Sanitária Saúde como Direito de Todos e Dever do Estado responsabilidade compartilhada Normas Operacionais com divisão de Julho de 2012 Movimento da Reforma Sanitária Saúde como Direito de Todos e Dever do Estado responsabilidade compartilhada Normas Operacionais com divisão de tarefas Resgate da solidariedade entre os entes

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO Projeto de melhoria da estrutura de equipamentos públicos e programas de saúde existentes A Cidade de Osasco constitui-se em importante polo de desenvolvimento da Região Oeste Metropolitana de São Paulo

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Capítulo I SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 196 a 200, Constituição Federal de 1988. 1. (Secretaria Estadual de Administração do Amapá-AP/2012/UNIVERSA) Assinale a alternativa que apresenta

Leia mais

Critérios para Captação de Recursos Federais Transferência Voluntária SIAFI (CAUC/CADIN) e SICONV

Critérios para Captação de Recursos Federais Transferência Voluntária SIAFI (CAUC/CADIN) e SICONV Critérios para Captação de Recursos Federais Transferência Voluntária SIAFI (CAUC/CADIN) e SICONV Marco Antonio Toccolini Secretário de Estado Chefe do Escritório de Representação do Governo do Maranhão.

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde Legislação Rápida O Conselho Federal

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições O Orçamento Público é um Planejamento que gera um compromisso de um governo em relação às políticas públicas; Ele reflete

Leia mais

Sistema Único de Saúde. Profa Cristiana Tengan

Sistema Único de Saúde. Profa Cristiana Tengan Sistema Único de Saúde Profa Cristiana Tengan A saúde de uma população, nítida expressão das condições concretas de existência, é resultante, entre outras coisas, da forma como é estabelecida a relação

Leia mais

Conselho Municipal de Habitação

Conselho Municipal de Habitação Conselho Municipal de Habitação O que é o Conselho Municipal de Habitação? Canal institucional de participação da população na gestão habitacional da cidade. Caráter deliberativo, fiscalizador e consultivo.

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Janise Braga Barros

Leia mais

Rio de Janeiro, 12 de dezembro de Aos Senhores Inspetores e Auditores da ANVISA

Rio de Janeiro, 12 de dezembro de Aos Senhores Inspetores e Auditores da ANVISA Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2016 Aos Senhores Inspetores e Auditores da ANVISA Viemos por meio desta, consultar-lhes a respeito da interpretação dos tópicos seguintes mencionados na lei 13021, RDC

Leia mais

SEMINÁRIO ENTÃO PREFEITO!...E A SAÚDE? COSEMS MG

SEMINÁRIO ENTÃO PREFEITO!...E A SAÚDE? COSEMS MG SEMINÁRIO ENTÃO PREFEITO!...E A SAÚDE? COSEMS MG R E G I O N A L I Z A Ç Ã O E O P R O C E S S O D E P L A N E J A M E N T O D O S U S A P A R E C I D A L I N H A R E S P I M E N T A A S S E S S O R A

Leia mais

TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO

TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NA SEGURIDADE SEGUNDO OS PRINCÍPIOS DA INTEGRALIDADE, UNIVERSALIDADE E EQUIDADE 2 Acesso

Leia mais

GESTÃO DA MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE NO SUS PARA ALÉM DOS REGISTROS DE ALTA INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA MÉDICA

GESTÃO DA MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE NO SUS PARA ALÉM DOS REGISTROS DE ALTA INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA MÉDICA GESTÃO DA MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE NO SUS PARA ALÉM DOS REGISTROS DE ALTA INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA MÉDICA Marília C. P. Louvison Faculdade de Saúde Pública da USP 2016 mariliacpl@gmail.com Princípios

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DO SUS

A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DO SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM SAÚDE - DCEBAS A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS

Leia mais

COMPROMISSO PARA A SUSTENTABILIDADE E O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

COMPROMISSO PARA A SUSTENTABILIDADE E O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE COMPROMISSO PARA A SUSTENTABILIDADE E O DESENVOLVIMENTO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2016-2018 fevereiro 2016 Conteúdos Princıṕios Gerais 3 Acesso, Inovaça o e Sustentabilidade 5 Utilizaça o Racional do

Leia mais

Gestão do SUS nos Municípios

Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS Como o Município participa do SUS? - Atenção básica/primária Atenção integral à saúde - Média complexidade - Alta complexidade Atenção Básica A Atenção Básica

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011 REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Programa SOS Emergências Ministério da Saúde Brasil Ação Estratégica do Ministério da Saúde para as Portas de Entrada Hospitalares Prioritárias Lançamento Nacional

Leia mais

Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino Saúde

Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino Saúde Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino Saúde Base Legal Constituição Federal de 1988 Leis 8.080 e 8.142 de 1990 Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996 (LDB) Lei 12.871 de 22 de outubro de 2013: capítulos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016

AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA. REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 AVALIAÇÃO DO FUNDO CLIMA REUNIÃO DE PARES 29 de março de 2016 Lei 12.114/2009 Lei 12.114/2009 Art. 5º Os recursos do FNMC serão aplicados: I - em apoio financeiro reembolsável mediante concessão de empréstimo,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde São Paulo, 13 de abril de 2016 No momento em que se aproxima o fim da

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. Institui o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna, autoriza a União

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. Dispõe sobre o Pacto de Aprimoramento da Gestão dos Estados e do Distrito Federal no âmbito do Sistema Único de Assistência Social SUAS, estabelece a revisão

Leia mais

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro FINANCIAMENTO Modelo descentralizado de gestão do SUS: a União é a responsável por distribuir a maior parte dos recursos financeiros para Estados, Municípios e Distrito Federal; Transferência fundo a fundo:

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA No- 2.728, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR PNHOSP M A R I A F Á T I M A D A C O N C E I Ç Ã O

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR PNHOSP M A R I A F Á T I M A D A C O N C E I Ç Ã O POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR PNHOSP 1 M A R I A F Á T I M A D A C O N C E I Ç Ã O PRINCIPAIS ASPECTOS DAS PORTARIAS 3390/13 (PNHOSP); 3.410/13 (CONTRATUALIZAÇÃO); 142/14 (IGH); e, 2.839/14 (Prorrogação

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS REGULADORES

PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS REGULADORES Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação-Geral de Regulação e Avaliação PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS

Leia mais

INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS

INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS NOTA TÉCNICA 01 2012 INCENTIVOS FINANCEIROS PARA QUALIFICAÇÃO DA GESTÃO DO SUS 1 INTRODUÇÃO Esta Nota Técnica visa apresentar uma análise da Portaria/GM 2.979 de 15/12/11 que dispõe sobre a transferência

Leia mais

Câmara Municipal de São Caetano do Sul

Câmara Municipal de São Caetano do Sul SENHOR PRESIDENTE PROJETO DE LEI INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA, COM A FINALIDADE DE ELABORAR E IMPLEMENTAR O PROGRAMA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA E AO COOPERATIVISMO POPULAR

Leia mais

Ref: Resposta a diversas solicitações de Secretários Municipais de Saúde de e Técnicos dos Municípios de Minas Gerais.

Ref: Resposta a diversas solicitações de Secretários Municipais de Saúde de e Técnicos dos Municípios de Minas Gerais. Nota Técnica. 001/2016 Assessoria Contábil. Assunto: Aspectos Orçamentos e Financeiros para operacionalização do componente Básico do Bloco da Assistência Farmacêutica considerando as formas de gestão

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 4.164/2016

LEI MUNICIPAL N.º 4.164/2016 LEI MUNICIPAL N.º 4.164/2016 AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A CELEBRAR CONTRATOS DE GESTÃO COM ENTIDADE CIVIL FILANTRÓPICA PARA OPERACIONALIZAR O SAMU BÁSICO E/OU O SAMU AVANÇADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

DA COMISSÃO AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EDITAL Nº 01, DE 09 DE ABRIL DE 2012

DA COMISSÃO AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EDITAL Nº 01, DE 09 DE ABRIL DE 2012 DA COMISSÃO AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EDITAL Nº 01, DE 09 DE ABRIL DE 2012 A COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO (CADAR), no uso de suas atribuições, torna público o Plano de Classificação

Leia mais

SEMINÁRIO COSEMS PI Os instrumentos orçamentários e do planejamento do SUS

SEMINÁRIO COSEMS PI Os instrumentos orçamentários e do planejamento do SUS SEMINÁRIO COSEMS PI Os instrumentos orçamentários e do planejamento do SUS Gestão: Mauro Guimarães Junqueira Secretário de São Lourenço e Presidente do COSEMS/MG Paola Soares Motta e Douglas Moreira Dias

Leia mais

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). NOTA TÉCNICA 41 /2012 Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). INTRODUÇÃO As doenças crônicas não transmissíveis constituem o problema

Leia mais

Desafios da implantação dos dispositivos do Decreto 7.508/11

Desafios da implantação dos dispositivos do Decreto 7.508/11 Desafios da implantação dos dispositivos do Decreto 7.508/11 SBC/SP, 05/03/2013 Saúde Direito de todos e dever do Estado Constituição Federal Lei 8.080 Lei 8.142 Decreto 7.508 Lei 12.401 Lei 12.466 Lei

Leia mais

DICAS ESSENCIAIS PARA CANDIDATOS E QUESTÕES COMENTADAS DE CONCURSOS DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE.

DICAS ESSENCIAIS PARA CANDIDATOS E QUESTÕES COMENTADAS DE CONCURSOS DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE. 4 DICAS ESSENCIAIS www.multiresidencia.com.br PARA CANDIDATOS E QUESTÕES COMENTADAS DE CONCURSOS DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE Dica 1 Ao escolher a vaga de Residência Multiprofissional em Saúde

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP

SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP SECRETARIA EXECUTIVA FIT- FUNCAP ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 RESUMO DO PROJETO 05 I. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJETO NO PLANEJAMENTO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 05 II. DIAGNÓSTICO 06 III. JUSTIFICATIVA 06

Leia mais

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015.

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015. Financiamento da Saúde Fortaleza, 15 de maio de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº 29

Leia mais

Oficina sobre Estratégias para o Enquadramento de Corpos d Água: Aspectos Técnicos e Institucionais

Oficina sobre Estratégias para o Enquadramento de Corpos d Água: Aspectos Técnicos e Institucionais Oficina sobre Estratégias para o Enquadramento de Corpos d Água: Aspectos Técnicos e Institucionais Aspectos Legais e Institucionais do Enquadramento Maria Luiza Machado Granziera Brasília-DF, 09 de Setembro

Leia mais

ATA Assistente Técnico Administrativo Direito Previdenciário Custeio da Seguridade Social Gilson Fernando

ATA Assistente Técnico Administrativo Direito Previdenciário Custeio da Seguridade Social Gilson Fernando 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Direito Previdenciário Custeio da Gilson Fernando Custeio da Lei nº 8.212/1991 e alterações

Leia mais

PORTARIA No- 957, DE 10 DE MAIO DE 2016

PORTARIA No- 957, DE 10 DE MAIO DE 2016 PORTARIA No- 957, DE 10 DE MAIO DE 2016 Estabelece o conjunto de dados e eventos referentes aos medicamentos e insumos da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) e do Programa Farmácia Popular

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE-CONASS-CONASEMS

MINISTÉRIO DA SAÚDE-CONASS-CONASEMS Considerações Iniciais: O Decreto 7.508, sancionado em 28 de junho de 2011, vem preencher uma lacuna no arcabouço jurídico do SUS, ao regulamentar, depois de 20 anos, a Lei 8.080/90, dispondo sobre a organização

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas,

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais