UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS HUGO YAMASHITA DE MOURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS HUGO YAMASHITA DE MOURA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS HUGO YAMASHITA DE MOURA SOFTWARE DE BUSINESS INTELLIGENCE COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE E TOMADA DE DECISÕES NA ERA DO CONHECIMENTO JOINVILLE - SC 2010

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS HUGO YAMASHITA DE MOURA SOFTWARE DE BUSINESS INTELLIGENCE COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE E TOMADA DE DECISÕES NA ERA DO CONHECIMENTO Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Dr. Adalberto José T. Vieira JOINVILLE - SC 2010

3 HUGO YAMASHITA DE MOURA SOFTWARE DE BUSINESS INTELLIGENCE COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE E TOMADA DE DECISÕES NA ERA DO CONHECIMENTO Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Dr. Adalberto José Tavares Vieira Membro: Msc. Gerson Volney Lagemann Membro: Msc. Nilson Campos Joinville, 25/10/2010

4 Dedico este trabalho aos meus pais por todo carinho, apoio, incentivo, paciência e, principalmente, pelo amor incondicional que tiveram ao longo de minha vida e, mais ainda, na fase final desta jornada acadêmica.

5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço a Deus pelo dom da vida e pela oportunidade em poder estudar. Agradeço à minha família: aos meus pais, Carlos e Marina, por proporcionarem toda estrutura necessária para minha formação acadêmica, para superar os momentos adversos e por estarem ao meu lado em todos os momentos de minha vida. Aos meus irmãos: Paula, Douglas e Raquel; pela compreensão, apoio e carinho. À minha namorada, pelo amor, pela compreensão, incentivo e paciência. A todos meus amigos, pela amizade, colaboração e ajuda despendida durante os longos anos de faculdade. Ao Rogério Stein e Alexandre Pereira, por todo apoio e dedicação. Aos professores e funcionários da Universidade do Estado de Santa Catarina. Ao professor Lírio Nesi Filho pela colaboração e, em especial, ao professor Adalberto José Tavares Vieira, pela orientação, conhecimento compartilhado e viabilização deste trabalho.

6 A dúvida é o princípio da sabedoria. (Aristóteles)

7 HUGO YAMASHITA DE MOURA SOFTWARE DE BUSINESS INTELLIGENCE COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE E TOMADA DE DECISÕES NA ERA DO CONHECIMENTO RESUMO O presente trabalho tem como objetivo apresentar a implantação de software de Business Intelligence como uma importante ferramenta para análise e tomada de decisões. Os sistemas transacionais que utilizam tecnologias ERP (Entreprise Resource Planning), CRM (Customer Relationship Management), PLM (Product Lifecycle Management) e SCM (Supply Chain Management) geram um grande volume de dados. Porém, os gestores não estão interessados em dados armazenados por estas tecnologias, mas sim em seus relatórios ou, então, na transformação dos dados em informações úteis para a tomada de decisão. Para atingir os objetivos propostos neste trabalho, foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre o assunto. Realizada, também, pesquisa documental de caráter descritivo, onde foram citados os resultados obtidos por empresa que recentemente implantou software de Business Intelligence. Apresenta-se o conceito de Business Intelligence (BI), alguns dos principais players do mercado, bem como estudo de caso de sucesso e uma sugestão de metodologia de implantação. PALAVRAS-CHAVE: Business Intelligence, Enterprise Resource Planning, Customer Relationship Management, Product Lifecycle Management, Supply Chain Management, Data Warehouse, Cockpits, Cubos, Mineração, Relatórios, Estatísticas, Dashboards.

8 HUGO YAMASHITA DE MOURA SOFTWARE DE BUSINESS INTELLIGENCE COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE E TOMADA DE DECISÕES NA ERA DO CONHECIMENTO ABSTRACT This academic work aims to present the deployment of business intelligence software as an important tool for analysis and decision making. The transactional systems that use technologies ERP (Enterprise Resource Planning), CRM (Customer Relationship Management), PLM (Product Lifecycle Management) and SCM (Supply Chain Management) generate a large volume of data. However, managers are not interested in data stored by these technologies. They are rather interested in their reports and then in the transformation of data into useful information for decision making. This study discusses the concept of Business Intelligence (BI), suggests an implementation methodology, present some of the main players in the market, as well as case of success. To achieve the proposed objectives for this work, the author carried out a bibliographic research on the subject. He also carried out a documentary research for a descriptive nature, analyzing the results obtained by company that recently deployed Business Intelligence software. KEYWORDS: Business Intelligence, Enterprise Resource Planning, Customer Relationship Management, Product Lifecycle Management, Supply Chain Management, Data Warehouse, Cockpits, Cubes, Mining, Reports, Statistics, Dashboards.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 The Diverse and Exploding Digital Universe Figura 2 Processo ETL e categorias de aplicações de BI Figura 3 Exemplo de Dashboard Figura 4 Exemplo de Cubo Figura 5 - Exemplo de Data Warehouse Figura 6 - Exemplo de Dispositivos Móveis Figura 7 - Pesquisa da Revista BusinessWeek Figura 8 - Oportunidades para BI Figura 9 - Quadrantes Mágicos do Gartner Figura 10 Metodologia Figura 11 Problemas com ambiente de relatórios Figura 12 Modelo básico do RUP Figura 13 Registro depois do BI... 43

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Principais Diferenças entre OLTP e OLAP Tabela 2 Tipos de usuários e funcionalidades de BI Tabela 3 Comparativo de Fornecedores BI 1ª. parte Tabela 4 Comparativo de Fornecedores de BI 2ª. parte Tabela 5 Equipe do Projeto Tabela 6 Fases do Projeto Tabela 7 Macro Cronograma do Projeto Tabela 8 Benefícios Operacionais... 43

11 LISTA DE ABREVIATURAS BI CEP CRM DSS DW ECT EIM EIS ERP ETL KDD KPI OLAP OLTP P&D PLM RUP SARA SCM TCO TI Business Intelligence (Inteligência de Negócios) Controle Estatístico do Processo Customer Relationship Management (Gestão do Relacionamento com o Cliente) Decision Support System (Sistema de Suporte à Decisão) Data Warehouse (Armazém de Dados) Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Enterprise Information Management (Gerenciamento de Informação Empresarial) Executive Information System (Sistema de Informação Executiva) Entreprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) Extract, Transform and Load (Extração, Transformação e Carga) Knowledge Discovery in Databases (Extração de Conhecimento) Key Performance Indicator (Indicador Chave de Desempenho) On Line Analytical Processing (Processamento Analítico On Line) On Line Transactional Processing (Processamento Transacional On Line) Pesquisa e Desenvolvimento Product Lifecycle Management (Gerenciamento de Ciclo de Vida do Produto) Rational Unified Process (Processo Unificado Racional) Sistema de Automação de Agências Supply Chain Management (Gestão da Cadeia de Suprimentos) Total Cost Ownership (Custo Total de Propriedade) Tecnologia da Informação

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA DEFINIÇÃO DE BUSINESS INTELLIGENCE Cockpits ou Dashboards Cubos Data Wharehouse (DW) Mineração ou Data Mining Alertas Estatística Relatórios Dispositivos Móveis IMPORTÂNCIA DO BUSINESS INTELLIGENCE PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE BI DISPONÍVEIS NO MERCADO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS MÉTODO DE PESQUISA COLETA E PROCEDIMENTOS PARA ANÁLISE DOS DADOS RESULTADOS E DISCUSSÃO CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO ANTES DE IMPLANTAR BI PROCESSO DE ESCOLHA DE APLICAÇÃO DE BI IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA DE BI APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS METODOLOGIA SUGERIDA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 48

13 13 1 INTRODUÇÃO No amplo campo das teorias empresariais, nenhum assunto tenha, talvez, merecido maior atenção nas últimas décadas do que, sinteticamente, pode-se denominar de informação. Em um mundo em constante evolução, no qual a rapidez da decisão pode influenciar a vida de milhões de pessoas, informação é conhecimento e poder. Quem possui acesso a informações privilegiadas e confiáveis, consegue tomar decisões que podem mudar, radicalmente, sua vida pessoal e/ou profissional. A informação é usada, absorvida, assimilada, manipulada, transformada, produzida e transmitida a todo instante. E, com a tecnologia em crescente expansão, a informação transpõe extensas distâncias geográficas em termos de frações de segundo. No campo profissional, diversas técnicas surgiram para multiplicar o volume de informações disponíveis ou para acelerar sua geração e o seu trânsito dentro das empresas e das organizações em geral. Qual o motivo disso tudo? Para melhorar a qualidade das decisões a serem tomadas, auxiliar os administradores na coordenação de ações, viabilizar o controle tempestivo das ações empreendidas e permitir as correções de rumo inevitáveis na ação executiva. Ao mesmo tempo, o avanço exponencial da eletrônica digital diversificou as ferramentas tecnológicas para processar informações: os sistemas de entrada de dados tornaram-se progressivamente mais fáceis e seguros, o processamento de dados mais rápido, as memórias e sistemas de armazenamentos mais vastos e de preços cada vez mais acessíveis. De lá para cá, vivemos em um mundo em que os processos de comunicação entre pessoas e empresas; entre fornecedores e clientes; bem como a rápida resposta à necessidades e desejos de consumidores, passam do terreno da ficção futurística dos desenhos animados e filmes hollywoodianos para o das possibilidades concretas. Esse mundo da eletrônica digital a serviço da economia é uma espécie de terceira revolução industrial e a expressão Era do Conhecimento ganhou popularidade para designar nossos tempos. A economia contemporânea demonstra que as empresas, mesmo quando muito bem administradas, estão muito longe desse estado da arte organizacional. Na realidade, são verdadeiras torres de Babel. As informações chegam de uma miríade de fontes e transitam de maneira aparentemente caótica e descontrolada em todas as direções. Os mercados evoluem com velocidade cada vez maior; gostos, hábitos, preferências se alteram do dia pra

14 14 noite; os membros se comunicam, seguindo linhas formais e informais indistintamente; as estruturas de autoridade e de poder não são necessariamente as mesmas. A informação transita rapidamente, por vários meios de comunicação e são armazenadas em distintos lugares. Ou seja, o concreto que mantém essas torres de Babel em pé chama-se informação. Então, administradores sensíveis à complexidade desses problemas ampliaram sua atenção e investimentos para dispor de informações de maneira mais rápida, confiável e abrangente. Sendo assim, o Business Intelligence entra na pauta dos executivos e no budget das empresas como uma poderosa ferramenta de organização e análise de informações e tomada de decisões. Estas são ferramentas computacionais, que vêm em auxílio dos usuários que, a cada dia, necessitam tomar decisões de uma forma rápida e certeira. Sendo assim, como objetivo geral, este estudo propõe-se a explicar o conceito de Business Intelligence, citar ferramentas existentes no mercado mundial e mostrar estudo de caso de empresa que implantou solução de BI recentemente. Para atingir o objetivo geral proposto neste trabalho, definimos os objetivos específicos a seguir: realizar pesquisa da história do Business Intelligence (como surgiu, evolução, sua importância, entre outros) e, conseqüentemente, explanar o conceito deste termo; identificar ferramentas de BI disponíveis no mercado mundial, citando, entre outros aspectos, a ferramenta mais utilizada (líder de mercado); apresentar um business case, demonstrando resultados obtidos após a implantação de ferramenta de Business Intelligence e, por fim, propor uma metodologia de implantação de ferramentas de BI. Ao surgir a idéia de realizar este trabalho, notou-se que a literatura a respeito deste tema ainda é enxuta em relação à grande importância que o mesmo tem diante do cenário econômico e político na era do conhecimento. Procura-se aprimorá-la fazendo uma ligação mercado-engenharia-bi. Ou seja, o problema existe; a engenharia procura identificar problemas, divisar soluções e implantá-las. A engenharia de produção e sistemas deve ter por foco desenvolver ou coordenar recursos metodológicos ou ferramentais para auxiliar na resolução de problemas práticos. Business Intelligence é uma ferramenta, mas, por si só, não resolve esta questão. Portanto, a visão de Engenharia de Produção e Sistemas pode contribuir ao identificar as potencialidades de BI e indicar procedimentos para sua efetiva aplicação. O presente estudo, além de conceituar BI, mostrará um estudo de caso como forma de exemplificar as possíveis contribuições que o Business Intelligence traz para as organizações. Este trabalho subdivide-se em 5 (cinco) partes principais, sendo a primeira de forma introdutória, com apresentação do tema pesquisado, objetivos, a justificativa, delimitação e

15 15 estrutura do estudo. A parte segunda apresenta a definição, por fundamentação teórica, de BI, bem como sua história e evolução ao longo do tempo. Nesta, examinam-se as necessidades principais para realizar Business Intelligence. Na terceira parte, são apresentadas as principais ferramentas de BI existentes no mercado mundial e é feita uma padronização das nomenclaturas e componentes pertinentes ao assunto. A quarta é constituída por estudo de caso de empresa que implantou, recentemente, ferramenta de Business Intelligence. Nela apresenta-se, também, a metodologia de implantação sugerida pelo autor. Por fim, a última parte apresenta as conclusões e considerações finais, onde é evidenciado o alcance dos objetivos propostos e sugeridas recomendações.

16 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A sociedade contemporânea e o mundo corporativo crescem em um cenário de rara complexidade: globalização, rapidez dos meios de comunicação, velocidade das mudanças, concorrência mais agressiva, necessidade de inovação, era da informação. Para digerir e sobreviver ao acima exposto, as empresas necessitam fazer uso das informações de uma forma organizada e estabelecer conexões claras entre a posse das informações e a estratégia a ser abordada. Há necessidades de recursos que lhes permitam, de maneira rápida e eficiente, aprimorar os processos decisórios. Considerando que existem ferramentas que se propõem a isso, dentre elas as de Business Intelligence, o problema estaria em identificar qual a real contribuição que podem apresentar. Peter Ferdinand Drucker (1998) afirmou que o uso da informação de uma forma estratégica e voltada para a inovação, pautaria as companhias de sucesso nos próximos 20 anos. Drucker previu a redução dos cargos gerenciais, o papel estratégico da Tecnologia da Informação (TI) na transformação e a valorização dos profissionais capazes de converter dados em informações estratégicas. Atualmente, o mundo recupera-se de uma grave crise econômica. Com o desaquecimento da economia, a reação de várias empresas é retrair e reduzir custos para superar esta crise. Embora a redução de custos seja importante, muitas vezes as empresas deixam de considerar outro aspecto fundamental nas decisões estratégicas: as oportunidades de usar informações de negócio para fortalecer suas ofertas de produto e serviços; e, conseqüentemente, se destacar da concorrência. A realidade é que você pode gerar valor agregado das informações existentes, explica Don Tapscott (2009), célebre autor e autoridade em impacto e valor estratégico de TI. "Quando você tem visão inteligente de seus dados, pode aproveitá-los para tomar melhores decisões e alcançar sustentabilidade e lucros mais altos. As empresas precisam de tecnologias que desvendem o valor das informações. Dados significativos geram novos insights para transformar e alavancar os negócios, sobretudo em um cenário de incerteza econômica. De acordo com a Gartner (2008), A crise econômica revelará quais empresas têm as informações e as ferramentas necessárias para dar suporte a decisões empresariais.

17 DEFINIÇÃO DE BUSINESS INTELLIGENCE Há milhares de anos, Fenícios, Persas, Egípicios e países Orientais, possivelmente, já faziam Business Intelligence (BI). Ou seja, cruzavam informações provenientes da natureza, tais como: período de chuvas e secas; comportamento das marés, posição das estrelas, entre outras, para tomarem decisões que permitissem a melhora de qualidade de vida das suas comunidades. Utilizavam-se de informações e conhecimento empírico para prever o futuro. A história do Business Intelligence dos tempos modernos começa na década de 70, quando alguns softwares de BI foram disponibilizados para analistas de sistemas. Entretanto, estas ferramentas exigiam muito conhecimento técnico e programação; não disponibilizavam informação em tempo hábil (nem de forma flexível) e, principalmente, tinham elevado custo de implantação. Na década de 80, o Gartner Group ajudou a divulgar e difundir o conceito de Business Intelligence pelo mundo, principalmente nas empresas dos Estados Unidos da América, da Europa e do Japão. Nesse período, grandes corporações de vários setores da economia investiram em equipes de tecnologia da informação com o intuito de desenvolverem internamente programas de BI. Como o passar do tempo e com o surgimento de banco de dados relacionais, computadores pessoais e interfaces gráficas (como, por exemplo, Microsoft Windows) surgiram, também, os primeiros produtos de BI realmente direcionados aos analistas de negócios e executivos, que possibilitavam mais rapidez, maior flexibilidade e menos conhecimento técnico do usuário. Nos anos 90, as tecnologias de ERP (Enterprise Resourcing Planning), CRM (Customer Relationship Management) e SCM (Supply Chain Management) geraram e trataram um grande volume de dados, aperfeiçoando os processos empresariais de forma integrada. Ou seja, essas ferramentas proporcionaram visibilidade, controle, agilidade e precisão no processamento de informações das empresas e da respectiva cadeia. Porém, ainda assim, pecaram no tratamento de dados para transformá-los em informações úteis para a tomada de decisão. O resultado natural dos novos modelos de negócio empresarial causou um boom na quantidade disponível de informação, conforme Figura 1.

18 18 Figura 1 The Diverse and Exploding Digital Universe Fonte: IDC, De acordo com pesquisa da IDC (2008), 281 bilhões de gigabytes de dados digitais foram criados em Isso representa 5 (cinco) milhões de vezes a informação contida em todos os livros já publicados. Outro fator percebido é que as empresas são responsáveis pela segurança, privacidade, confiança e compliance (conformidade) de 85% dos dados existentes. Estima-se que, em 2010, a quantidade de dados crescerá 10 vezes comparada ao que era em No final desta década, ocorre a consolidação do BI. O mesmo surge como solução para a ordenação e aproveitamento de toda informação gerada na empresa, tornando-se ferramenta de significativo valor para uma gestão empresarial sólida e próspera. O BI também auxilia na redução do TCO (Total Cost of Ownership) das empresas. Conforme Pinheiro (2005), O Custo Total de Propriedade pode ser definido como um modelo do ciclo de vida de um equipamento, produto ou serviço, que considera os custos de aquisição, propriedade, operação e manutenção ao longo de sua vida útil. O TCO também inclui os valores associados ao uso ou gozo do bem/serviço em seu máximo potencial.

19 19 Várias são as definições para Business Intelligence. Um dos players do mercado, a MICROSTRATEGY, define BI como Injetar inteligência nas informações latentes das empresas para traduzir medidas tangíveis em estratégia e objetivos para a organização. Conforme Tyson (1997, p. 9), Segundo Santana, Duclós (2009, p. 154), BI é um processo que envolve a coleta, análise e validação de informações sobre concorrentes, clientes, fornecedores, candidatos potenciais à aquisição, candidatos à joint venture e alianças estratégicas. Inclui também eventos econômicos, reguladores e políticos que tenham impacto sobre os negócios da empresa. O processo de BI analisa e valida todas estas informações e as transforma em conhecimento estratégico. Business Intelligence é a tecnologia que permite a construção de recursos analíticos a partir de fontes de dados internas e externas. Normalmente utiliza processos de ETL (Extract, Transform and Load) para agrupar dados em uma base de dados analítica separada da transacional típica de ERP. Diante da bibliografia pesquisada e do estudo realizado, podemos dizer, didaticamente, que: Business Intelligence é um processo de transformar dados em informações confiáveis para a tomada de decisão. A tecnologia BI pode ser considerada uma evolução de tecnologias desenvolvidas em décadas passadas, tais como: EIS (Executive Information System) e DSS (Decision Support System). O EIS e o DSS foram tecnologias que surgiram com o mesmo propósito de BI: suportar decisões bem informadas. BI atualmente agrega diferentes ferramentas: como Data Warehouse (Armazém de dados), Data Mining (mineração ou extração de dados) e análises estatísticas com a finalidade de fornecer informações que possam suportar decisões gerenciais. A Figura 2 explica, graficamente, o significado de BI e mostra categorias de aplicações analíticas desta tecnologia: Cockpits de Gestão, Cubos (análise multidimensional), Mineração de dados, Alertas, Relatórios, Estatísticas e Simulações. A principal fonte de dados para o processo ETL (Extract, Transform and Load) são as bases de dados transacionais como ERP, WEB, planilhas eletrônicas, arquivos tipo texto e sistemas legados. Os dados transacionais (OLTP Online Transactional Processing) armazenam dados operacionais de transações. Exemplos: pedidos de vendas, estoques, cadastros, contabilidade, entre outros. Este tipo de base de dados sofre manutenções constantes de forma online e por vários usuários simultaneamente. Entretanto, a modelagem

20 20 desta base é rígida e segue princípios definidos pela corporação. Já o BI utiliza a base de dados OLTP para coletar as informações, mas utiliza base de dados analítica (OLAP Online Analytical Processing). Isto porque estas bases armazenam resumos das bases OLTP para permitir o uso de aplicações analíticas com maior flexibilidade e performance (desempenho). Figura 2 Processo ETL e categorias de aplicações de BI. Fonte: Duclós e Santana, A Tabela 1 mostra as principais diferenças entre um processo OLTP e um OLAP, considerando os tipos de: usuários, sistema e acesso, bem como a característica e missão de cada processo. Tabela 1 Principais Diferenças entre OLTP e OLAP Fonte: Autor.

21 Cockpits ou Dashboards São painéis de indicadores de desempenho que resumem informações consolidadas para os executivos e tomadores de decisão. Os dashboards fornecem uma representação ilustrada do desempenho dos negócios em toda uma organização. Em Business Intelligence, os dashboards têm duas características principais: flexibilidade e dinamismo. Flexibilidade, pois, além de apresentarem os indicadores de desempenho relacionados com os objetivos estratégicos da organização, também apresentam os KPIs (Key Performance Indicator Indicadores de Desempenho) personalizados por usuário e respectiva área de gestão. Dinamismo, pois permitem a cada usuário montar seu próprio cockpit, escolhendo que tipo de KPI quer monitorar, sem necessariamente precisar ter conhecimentos em linguagem de programação e requerer auxílio de um profissional especializado em tecnologia da informação. A Figura 3 representa um tipo de dashboard utilizado na área de vendas. Figura 3 - Exemplo de dashboard Fonte: SAP, 2009 (Adaptado pelo autor) Cubos Em Business Intelligence, um recurso analítico muito importante é a carga da base de dados transacional (OLTP) para a composição da base de dados analítica (OLAP). Este é o processo ETL (Extract, Transform and Load), pelo qual os dados são extraídos, tratados e transformados em dados multidimensionais. Estes dados são armazenados em estruturas

22 22 cúbicas, como na Figura 4, em um Data Wharehouse (DW), popularmente chamado de Armazém de Dados. Figura 4 Exemplo de Cubo Fonte: Duclós e Santana, Data Wharehouse (DW) O Data Warehouse é um repositório de informações da empresa, o qual é composto por conjunto de dados organizados por assunto, integrados, não voláteis e que possuem variáveis com o tempo, criados para dar suporte à decisão. Singh (2001) apresenta a seguinte caracterização: Por estas características, DW é organizado por assuntos, pois foca entidades de negócio. É integrado, pois os dados estão armazenados em formato consistente. Não volátil, pois os dados não se alteram depois de inclusos no DW. E variante no tempo porque os dados estão associados a um ponto no tempo.

23 23 O DW é de suma importância em qualquer processo de Business Intelligence, pois contribui: auxiliando na revitalização de sistemas da empresa na qual está sendo aplicado; consolidando dados inconsistentes de sistemas mais antigos em conjuntos de informações coerentes; permitindo que sistemas mais antigos continuem em operação; e permitindo a extração de benefícios de novas informações provenientes das operações correntes. A Figura 5 representa um Data Warehouse. Figura 5 Exemplo de Data Warehouse Fonte: Autor Mineração ou Data Mining É o processo de análise de dados com o intuito de descobrir novas correlações, associações, padrões e tendências entre as informações de uma organização e o ambiente de negócios da mesma. A mineração de dados é composta por um conjunto de ferramentas e técnicas (através do uso de algoritmos, redes neurais e estatísticas) que são capazes de extrair um grande conjunto de dados, auxiliando na construção e no descobrimento de novos padrões de conhecimento.

24 24 Ao longo da história, o ser humano adquiriu conhecimento através de observações, formulando hipóteses e testando-as com o intuito de descobrir novas regras. Entretanto, é grande o volume de dados sendo gerado a todo o momento, e é curto o espaço de tempo para analisá-los. Assim, cada dia mais, é importante que as organizações usem a tecnologia de Data Mining aliada à tecnologia de computadores para impulsionar a geração de conhecimento. Por exemplo, um caso muito conhecido na área de TI mostra que, com o uso da técnica de Mineração de Dados, a empresa americana Wal-Mart descobriu um hábito curioso de consumidores. Estudando relações entre vendas de produtos e dias da semana, percebeu-se que, às sextas-feiras, as vendas de cerveja cresciam na mesma proporção de vendas de fraldas. Após uma pesquisa mais detalhada, notou-se que os pais, ao comprar fraldas, aproveitavam para aumentar o estoque de cerveja para o fim de semana Alertas São mensagens disparadas de forma automática via celular, , entre outros; com o intuito de avisar o usuário que algum evento ocorreu (ou ocorrerá) fora das condições normais de operação. Por exemplo: um alerta pode ser disparado de um forno de fundição automaticamente para o celular do supervisor de manutenção, avisando que a temperatura do mesmo está abaixo do padrão Estatística O uso de estatística auxilia na geração de alertas. Em Business Intelligence, usualmente, são utilizadas técnicas de Controle Estatístico do Processo (CEP) para detectar situações anormais, contribuindo para reduzir a variabilidade nos processos e também identificar tendências Relatórios São documentos que possuem informações para reportar resultados de dada atividade e de certo período analisado. No âmbito coorporativo, muitos relatórios são gerados diariamente para abastecer gestores, servindo de ferramenta para tomada de decisão. Em

25 25 Business Intelligence, quando o número de usuários e consumidores da informação é extenso, o indicado é criar perfil de acesso para cada tipo de usuário que gera relatórios, conforme Tabela 2: Tabela 2 Tipos de usuários e funcionalidades de BI Fonte: DUCLÓS, SANTANA, Dispositivos Móveis Operadoras de telefonia e internet em conjunto com fabricantes de notebooks e smartphones, oferecem uma enorme gama de dispositivos móveis. Estes, com acesso à internet de alta velocidade e qualidade. Aproveitando-se deste fato e acompanhando esta tendência, fabricantes de softwares de Business Intelligence disponibilizam aos consumidores de informação, o acesso remoto das informações corporativas. Por exemplo, um executivo pode viajar e, através de seu smartphone, acessar informações confiáveis de sua empresa em tempo real, de qualquer lugar e a qualquer hora. A Figura 6 exemplifica dispositivos móveis: Figura 6 Exemplos de Dispositivos Móveis Fonte: Autor

26 IMPORTÂNCIA DO BUSINESS INTELLIGENCE Manter expansão dos negócios com enfoque operacional, planejar e prever o futuro; tomar decisões importantes sem visibilidade dos negócios, trabalhar com restrições mínimas de recursos e orçamentos de TI são dilemas comuns enfrentados pelas empresas. A maioria dos analistas de negócios e executivos ainda dependem do feeling e do sexto sentido para tomar decisões. A Figura 7 mostra uma pesquisa realizada pela BusinessWeek Research Services, com 575 executivos e gerentes de negócios norte americanos e europeus. O principal resultado é que a intuição é utilizada por mais 60% dos entrevistados em mais de 50% do tempo para a tomada de decisão. Isto é, a decisão poderia ser melhor tomada se fosse sustentada a partir de informações e dados inteligentes e confiáveis. Figura 7 Pesquisa da Revista BusinessWeek Fonte: SAP AG, 2010 O Gartner Research Group (2009) relaciona seis benefícios principais com o uso do Business Intelligence. São eles: aumentar rentabilidade, tomar melhores decisões, gerenciar objetivos, aperfeiçoar processos, direcionar resultados e minimizar riscos. A Figura 8 mostra dados de uma compilação, realizada pela revista Computer World (2008), de várias pesquisas realizadas por importantes consultorias internacionais do mercado de Tecnologia da Informação. Os dados revelam que os gastos em TI continuam crescendo

27 27 anualmente e que o investimento em Business Intelligence segue esta tendência. Ou seja, ficam claras as oportunidades para se realizar BI. Figura 8 Oportunidades para BI Fonte: Computerworld, PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE BI DISPONÍVEIS NO MERCADO Na pesquisa realizada, detectou-se que as principais ferramentas de Business Intelligence disponíveis no mercado e que atendem a vários setores da economia são: SAS, Informatica, SAP Business Objects, Oracle BI Applications, TOTVS BI, Microsoft BI, QlikTech, IBM Cognos, MicroStrategy e Hypirion. A Figura 9 representa o Quadrante Mágico do Gartner (2008). O mesmo posiciona as ferramentas de Business Intelligence segundo critérios de gestão de desempenho, capacidade de ETL de negócios e qualidade de informações. O quadrante superior esquerdo posiciona as ferramentas que possuem boa capacidade de execução. Também do lado esquerdo, o quadrante inferior posiciona as ferramentas de BI que são destinadas a nicho de mercados. Já no quadrante inferior direito, estão as soluções que possuem um alinhamento com a visão da Gartner de como o mercado evoluirá. Por fim, o quadrante superior direito representa as soluções de Business Intelligence que são líderes de mercado. Pela análise dos Quadrantes

28 28 Mágicos do Gartner, conclui-se que o posicionamento ideal é o quadrante superior direito, que une a classificação mais alta de Completeza de Visão e Capacidade de Execução. Figura 9 Quadrantes Mágicos do Gartner Fonte: Gartner, Inc., Definido o conceito de Business Intelligence, demonstrada a real importância da sua aplicação em uma organização e localizadas as ferramentas de BI líderes de mercado, apresentam-se, na próxima seção, os aspectos metodológicos desta pesquisa.

29 29 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Nesta pesquisa, a metodologia utilizada foi do tipo pesquisa documental seguida de estudo de caso. Para a verificação de um estudo de caso de aplicação prática, foi analisada a metodologia de implantação de ferramenta de Business Intelligence em uma empresa de prestação de serviços postais. 3.1 MÉTODO DE PESQUISA Neste item, serão apresentados os tipos de pesquisa utilizados, a população abrangida, bem como os instrumentos de pesquisa que foram aplicados para que os objetivos fossem atingidos. Marconi (2001), diz que pesquisa bibliográfica abrange toda a bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo. Marconi (2001) afirma, também: A característica da pesquisa documental é que a fonte de coleta de dados está restrita a documentos, escritos ou não, constituindo o que se denomina de fontes primárias. Estas podem ser feitas no momento em que o fato ou fenômeno ocorre, ou depois. As pesquisas qualitativas descritivas consistem em investigações de pesquisa empírica cuja principal finalidade é o delineamento ou análise das características de fatos ou fenômenos, a avaliação de programas, ou o isolamento de variáveis principais ou chave. Qualquer um desses estudos pode utilizar métodos formais, que se aproximam dos projetos experimentais, caracterizados pela precisão e controle estatísticos, com finalidade de fornecer dados para a verificação de hipóteses. Foram utilizados documentos da empresa selecionada pelo autor, os quais continham os principais fatores que levaram à mesma a implantar uma solução de Business Intelligence. A consultoria responsável pela implantação da ferramenta disponibilizou vários dados e informações do processo, bem como resultados mensurados por ela e pela organização estudada. Realizou-se, também, pesquisa bibliográfica do assunto abordado neste trabalho. Sendo assim, utilizou-se material disponibilizado pela empresa objeto deste estudo, dados fornecidos pela fabricante do software de Business Intelligence, e, também, informações prestadas pela consultoria de implantação da ferramenta para a realização e viabilização deste estudo.

30 COLETA E PROCEDIMENTOS PARA ANÁLISE DOS DADOS Inicialmente, realizou-se macro pesquisa sobre o conceito e importância de BI. O procedimento utilizado para efetuar a coleta de dados iniciou-se com a pesquisa de quais as ferramentas de Business Intelligence posicionavam-se entre as líderes de mercado, segundo os Quadrantes Mágicos do Gartner. Localizadas as soluções e respectivas fabricantes, iniciaramse os contatos com as mesmas com o intuito de obter dados para apoio a esta pesquisa. Após análise dos materiais recebidos, optou-se pela escolha de um caso de sucesso da SAP, com o uso do software SAP BusinessObjects. Tiveram importante peso nesta escolha: o fato de a SAP figurar no quadrante leaders em todas as análises indicadas na Figura 9 e, também, por ser a única que enviou case de empresa brasileira. A Figura 10 representa o passo a passo da metodologia utilizada neste trabalho. Figura 10 Metodologia Fonte: Autor Diversos contatos foram realizados via e telefone com a fornecedora do software, sendo que a mesma disponibilizou casos de sucesso, tanto internacionais quanto nacionais. Após estudo dos materiais, decidiu-se pela escolha do caso de sucesso de uma empresa do ramo de correios e telégrafos. A partir de então, houve vários contatos com a consultoria responsável pela implantação da ferramenta de Business Intelligence, com o intuito de obter mais informações sobre o processo de escolha, metodologia de implantação,

31 31 desafios a serem superados e dificuldades percebidas, bem como os resultados obtidos. Como a organização estudada é um Órgão Público e, conseqüentemente, o caso de sucesso também o é, há autorização da área de comunicação da empresa para utilização dos dados em publicações, revistas e peças de marketing.

32 32 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA A empresa selecionada para o estudo deste trabalho é a ECT: trata-se da empresa nacional de serviços postais do Brasil. Sua criação foi em 20 de março de 1969, pela Lei Federal número 509. Apesar de a ECT ser uma empresa relativamente nova, a mesma é, na realidade, resultado de várias transformações ao longo do tempo. Podemos considerar que nasceu com a chegada dos portugueses ao Brasil, em 1500, início da colonização portuguesa. Foi quando Pero Vaz de Caminha escreveu e enviou ao Rei de Portugal uma correspondência relatando o descobrimento das terras tupiniquins. Esta carta ficou conhecida como a Carta de Caminha e é considerada a certidão de nascimento do Brasil, por ser o primeiro documento oficial do País. No dia 25 de janeiro de 1663, foi nomeado o alferes João Cavalheiro Cardozo para o cargo de Correio da Capitania do Rio de Janeiro, quando então originaram-se os correiosmores no Brasil. Oficialmente, neste dia foi considerada a data inicial da instituição da atividade postal regular do País. Por essa razão, no dia 25 de janeiro é comemorado o Dia do Carteiro. Em 1798, foi instituído o processo de organização postal dos correios terrestres e estabelecida a ligação postal marítima entre Portugal e Brasil. Já em 1805, foi promulgado em Lisboa o decreto que instituía a Nova Regulação de Correio para Portugal e colônias. Durante o período Imperial, foram lançados vários serviços, tais como: emissão dos primeiros selos postais, criação do corpo de carteiros e de condutores de malas; instalação das primeiras Caixas de Coletas do Império e do telégrafo elétrico, início do uso de Bilhetes Postais, dentre outros. Já na época da República, foi criado o primeiro Museu Postal Brasileiro, em O Brasil inicia, em 1900, o serviço de Encomendas Internacionais. Em 1º. de fevereiro de 1921, houve a realização do primeiro transporte de malas postais via aérea. No ano de 1931, foi criado o Departamento de Correios e Telégrafos. Criado, em 1941, o Correio Aéreo Nacional, pela fusão do Correio Aéreo Militar com o Correio Aéreo Naval. O Departamento de Correios e Telégrafos teve este nome até 1969, quando transformou-se na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. O Serviço de Encomenda Expressa Nacional foi implantado em 1982 e abrangia, inicialmente, as principais capitais do País. Em 2002, houve a inauguração das

33 33 primeiras agências do Banco Postal, iniciando-se, a prestação de serviços bancários a milhões de brasileiros que, até então, viviam à margem do sistema financeiro. Em 2005, implantado o Sistema de Automação de Rede de Atendimento na milésima agência. Com esta instalação, a agência começou a operar com o novo sistema on-line, de forma integrada em todo o País. Assinado, em 2006, acordo com o Banco do Brasil com o objetivo de integrar os serviços Exporta Fácil, da ECT, e o Balcão de Comércio Exterior do banco em questão. Em 2007, ocorre a inauguração da Central Braille dos Correios, com o intuito de prestar o Serviço Postal Braille para todo o Brasil. No ano de 2008, foi assinado acordo de cooperação técnica da ECT com o Departamento de Polícia Federal, visando atuação conjunta na remessa ilegal de drogas e entorpecentes. Atualmente, a ECT possui sua sede em Brasília-DF, conta com cerca de agências postais em municípios do Brasil e transporta toneladas de encomendas por dia. A ECT foi nomeada pelo Instituto de Reputação Forbes, como A mais respeitada empresa de serviços postais do mundo. A organização faturou US$5,3 bilhões no ano de 2008 e é constituída por cerca de funcionários. 4.2 DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO ANTES DE IMPLANTAR BI O Brasil é um país com dimensões continentais, sendo que muitos municípios situamse em locais remotos e de difícil acesso. A ECT desempenha um papel muito importante no país: promove serviços postais, entrega vários tipos de encomendas e oferece alguns tipos de serviços bancários. Em certas localidades do interior do Brasil, a única forma de contato com o mundo exterior é através desta empresa. Devido à larga cobertura nacional e um grande leque de serviços oferecidos, a ECT necessita de um ambiente confiável de geração de relatórios para seus cerca de consumidores de informação. Consumidores da direção e das gerências contam com relatórios para avaliar a eficiência dos negócios, simular cenários e tomar decisões. Enquanto isso, os demais funcionários necessitam de relatórios para identificar e solucionar, rapidamente, problemas relacionados ao dia-a-dia das operações. Estes relatórios devem ser feitos de forma ágil e conter muita precisão, para que a ECT possa manter e melhorar sua eficácia; e para que sempre exista a capacidade de gerenciar sua rede de agências e a operação logística que, por sua vez, é muito complexa.

34 34 Entretanto, o ambiente de geração de relatórios que a ECT utilizava no passado estava defasado em relação às tecnologias atuais. Este fato agravava consideravelmente os desafios existentes e colocava em dúvida a continuidade desta solução na empresa. A Figura 11 reporta os principais problemas enfrentados pelos consumidores de relatórios da ECT: Figura 11: Problemas com ambiente de relatórios Fonte: Dados da pesquisa Devido à tecnologia utilizada ser antiga e de difícil manutenção, o sistema parava diversas vezes ao dia. Este fato gerava muito estresse nos usuários, demandando freqüentes intervenções do Departamento de TI da ECT e, consequentemente, aumentava o Custo Total de Propriedade da ferramenta. A colaboração de dados com empresas parceiras e clientes representava, também, um desafio a ser superado pela ECT. A identificação dos motivos da parada de sistema, a precisão e o tempo de resposta dada pela TI aos usuários não mais atendiam as necessidades. A criação, geração e manutenção de relatórios eram trabalhosas e, como conseqüência, demasiadamente demoradas. Requeria-se, assim, grande esforço da área de Tecnologia da Informação e Infraestrutura. Apesar da ECT ser líder em seu mercado de atuação, cada vez mais, a mesma disputa espaço com concorrentes dos mais diversos setores da economia. Entre eles, operadores logísticos, instituições financeiras e tecnologias como, por exemplo, os s que contribuem para a diminuição no volume de correspondências enviadas. Pelas razões acima mencionadas, a ECT tomou a decisão estratégica de substituir sua antiga aplicação por uma ferramenta de Business Intelligence. A mesma, além de gerar relatórios, permite simular cenários e propicia melhor organização dos dados.

35 35 Sendo assim, listaram-se os principais desafios a serem superados pela nova ferramenta de geração de relatórios: Melhorar o tempo de geração de relatórios e acuracidade das informações; Estabilizar a infra-estrutura de relatórios; Reduzir custos de TI e melhorar a produtividade; Gerar relatórios e simulações de cenários em uma única ferramenta; Permitir flexibilidade para os usuários; Ser escalável; Capacidade de integração com as outras cerca de 300 aplicações que a empresa já possuía; Migrar mais de relatórios para o novo ambiente sem impactar as operações; e, Melhorar a interface de dados com clientes e parceiros de negócio. 4.3 PROCESSO DE ESCOLHA DE APLICAÇÃO DE BI Como a ECT é um Órgão Público, a mesma elaborou e lançou um edital contendo as características técnicas que a nova aplicação deveria possuir, bem como os requisitos de Consultoria de Implantação. A nova solução tinha que ser confiável, segura e de fácil utilização. O fornecedor do software de Business Intelligence deveria garantir suporte de longo prazo e melhoria contínua na ferramenta. A vencedora da licitação foi a ferramenta SAP BusinessObjects, da fabricante alemã SAP, com implantação pela empresa aqui denominada de ETZ. A escolha por esta solução deveu-se à boa aderência aos requisitos do edital e, principalmente, pelos seguintes fatores: Custo-Benefício da solução; Fácil integração com sistemas legados; Reputação de confiança (líder de mercado); SAP investe, anualmente, US$1 bilhão em P&D; e Certeza de suporte futuro e evolução do produto.

36 36 Outros itens que tiveram grande importância na escolha da nova aplicação foram: a análise do Quadrante Mágico de Gartner, conforme Figura 9, a larga experiência em implantação da consultoria ETZ e, também, a base tecnológica da fabricante do software SAP Business Objects, conforme comparativos nas Tabelas 3 e 4: Tabela 3 - Comparativo de Fornecedores BI 1ª. parte. Fonte: SAP, 2009 (Adaptado pelo autor) Da Tabela 3, percebem-se dois fatores principais: A importância de que a ferramenta escolhida possui interface de desenvolvimento única, o que facilita o trabalho dos desenvolvedores de aplicações e minimiza os impactos de atualização de ferramentas interligadas; e O ambiente de execução é separado do ambiente de administração, o que possibilita melhor desempenho e velocidade e, também, garante maior segurança nos dados.

37 37 Tabela 4 - Comparativo de Fornecedores de BI 2ª. parte. Fonte: SAP 2009 (Adaptado pelo autor) Da Tabela 4, destacam-se: A ferramenta é interativa e intuitiva, fatos que colaboram na redução da curva de aprendizagem; Possibilidade de o usuário criar e modificar os relatórios, sem a necessidade de intervenção da área de Tecnologia da Informação; e Ferramenta que proporciona escalabilidade. Isto é, possui base tecnológica capaz de dar sustentabilidade a novos projetos. 4.4 IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA DE BI As soluções e serviços implantados na ECT foram um conjunto de soluções de Business Intelligence da fornecedora SAP, composto por: SAP Business Objects: plataforma macro de BI; SAP Crystal Reports: módulo responsável por gerar relatórios e pela criação de dashboards; e

38 38 SAP Business Objects Web Intelligence: solução que permite a utilização do BI em dispositivos móveis através da internet. O processo de implantação do software de Business Intelligence foi realizado por equipe de projeto da ETZ e usuários-chave da ECT, conforme Tabela 5: Tabela 5 Equipe do Projeto Fonte: Dados da pesquisa Não será tratada em detalhes a metodologia de implantação aplicada neste estudo, pois, esta, é um dos diferenciais da consultoria que realizou o projeto. Entretanto, mostrar-se-á uma visão geral deste processo, o qual foi composto pelo Kick-Off (termo comumente utilizado pela área de TI para indicar a etapa de Preparação Inicial do Projeto) e dividido em 7 (sete) fases de implementação A metodologia, então aplicada, foi criada a partir de práticas do RUP (Rational Unified Process), de conhecimento específico (expertise) da consultoria e de práticas adaptadas para as soluções de Business Intelligence. O projeto também seguiu a estrutura definida pelos padrões adotados pela ECT e determinada pelo edital de licitação. O Rational Unified Process é uma metodologia criada pela empresa Rational para viabilizar que grandes projetos de software sejam bem sucedidos. A Figura 12 representa os elementos básicos do RUP que são: Inception: nesta fase, ocorre o entendimento da necessidade e visão do projeto pelos participantes; Elaboration: etapa onde há a especificação e abordagem dos pontos de maior risco e revisão da modelagem do negócio para os projetos; Construction: fase em que ocorre o desenvolvimento principal do sistema; e

39 39 Transition: nesta etapa, realiza-se o plano e a entrega da implantação, os ajustes necessários, capacitação dos usuários e a transferência de propriedade do sistema. Figura 12 Modelo básico do RUP Fonte: IBM Rational, 2006 O RUP trata-se de um processo considerado pesado e, preferencialmente, aplicável a grandes equipes de desenvolvimento e projetos. Todavia, por possuir característica amplamente moldável a cada caso, torna possível que o modelo seja adaptado para projetos de qualquer escala. Para a gerência do projeto, o RUP provê uma solução disciplinada de como assinalar tarefas e responsabilidades dentro de uma organização de desenvolvimento de software. Evitando, assim, problemas relacionados a planejamento, tomada de decisões, desvios do processo, ruídos entre equipe de implantação e problemas de natureza humana. Para a implantação do software de Business Intelligence na ECT, a consultoria mesclou a experiência adquirida em outros projetos de BI com as técnicas do Rational Unified Process. A Tabela 6 representa uma visão geral das fases do projeto, bem como o descritivo das atividades realizadas, sua respectiva duração e os recursos alocados no projeto.

40 40 Tabela 6 - Fases do Projeto Fonte: Dados da pesquisa. O projeto iniciou-se no mês de outubro de 2007, com a preparação inicial do projeto. Nessa preparação, foi apresentada e validada a metodologia de implantação para os envolvidos no processo. Os objetivos do projeto foram revisados, bem como definido o escopo, os papéis e responsabilidades de cada membro da equipe; planejou-se a infra-estrutura de TI e definiu-se um macro cronograma de implantação (em semanas) conforme mostrado na Tabela 7. Tabela 7 Macro Cronograma do Projeto

41 41 Fonte: Dados da pesquisa Na Fase 1, ocorreu a entrega das licenças. Estas foram instaladas nas máquinas, na Fase 2, juntamente com a instalação do novo ambiente. Na seguinte Fase, as atividades principais foram: levantamento de necessidades, redesenho processos e migração de legado para o novo ambiente. Fez-se a modelagem de dezenas de relatórios de gestão e faturamento para o Banco Postal e a criação de um portal de relatórios para o SARA (Sistema de Automação de Agências). A Fase 4 foi composta por: levantamento e estudos para a integração das 300 aplicações já existentes, análise crítica de Risco e de Impacto; foi desenvolvido plano de migração e desenho da nova arquitetura e estrutura da solução. Para garantir que as operações da ECT não sofressem nenhum risco, a equipe de implantação efetuou as migrações gradualmente e capacitou os usuários desenvolvedores de relatórios na Fase 5. Em paralelo, a ECT implementou uma série de padrões de criação de relatórios, reduzindo, assim, a incidência de erros. Na Fase 6, realizou-se a completa migração do legado existente e sua respectiva adaptação ao novo ambiente; efetuou-se a manutenção dos códigos e houve a construção das aplicações. A solução de Business Intelligence foi configurada para operar a Folha de Pagamento de toda a empresa e, também, realizada a integração do BI com o sistema de ERP da ECT. Em novembro de 2008, finalizou-se a implantação do projeto. Na Fase 7 ocorreu a operação assistida. Isto é, aplicação por completo da nova ferramenta e acompanhamento aos usuários na utilização da plataforma.

42 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Durante a implantação e logo após o início do uso da ferramenta de Business Intelligence, foram percebidos e mensurados os resultados. Os mesmos foram divididos em 4 (quatro) grupos: Custo Total de Propriedade (TCO); Benefícios Estratégicos e Financeiros; Melhores Práticas de Implementação; e Benefícios Operacionais / Indicadores de Desempenho. A ferramenta de Business Intelligence implantada trouxe uma boa redução no Custo Total de Propriedade (TCO) para a empresa. O foco no uso de uma metodologia e a escolha por uma consultoria experiente neste tipo de projeto fez com que a implantação fosse finalizada dentro do tempo e orçamentos planejados. A solução de BI demonstrou fácil integração com as outras aplicações legadas e não ofereceu riscos às operações da empresa que ocorriam em paralelo. Percebeu-se grande melhoria com a produtividade de TI na criação, geração e manutenção de relatórios. Essa redução deveu-se, também, ao fato de que muitos usuários que eram dependentes dos relatórios feitos pela área de TI, começaram a criar e a gerar seus próprios relatórios. Houve redução de tempo na criação e na alteração de relatórios. Com a redução no número de chamados provenientes dos geradores e consumidores de relatórios, o Departamento de Tecnologia da Informação e Infraestrutura da ECT focou-se em sua real função, ou seja, servir como TI estratégico para a corporação e não apenas como área de suporte técnico. Duas principais melhores práticas de implementação foram observadas: o intenso treinamento de desenvolvedores de relatórios, o que possibilitou rápida aprendizagem e adaptação na nova ferramenta; e permitir que somente os usuários-chave pudessem criar novos relatórios em um primeiro momento. Os principais Benefícios Operacionais / Indicadores de Desempenho podem ser observados na Tabela 8:

43 43 Tabela 8 Benefícios Operacionais Fonte: Dados da pesquisa Os principais resultados Estratégicos e Financeiros percebidos são os seguintes: Entrega de informações precisas e rápidas para a tomada de decisões. Ou seja, não existe duplicação da informação. A mesma está em local único e seguro. O que possibilita que os consumidores desses dados tenham a mesma versão da informação, conforme mostra a Figura 13: Figura 13 Registro depois BI Fonte: Dados da Pesquisa (adaptado pelo autor)

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Business Intelligence para todos

Business Intelligence para todos Business Intelligence para todos CCFB - Rio de Janeiro DeciLogic - 2008 Eric Sarzana Diretor eric.sarzana@decilogic.com Agenda DeciLogic O que é o Business Intelligence? Porquê o Business Intelligence?

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Gerencie a força de trabalho móvel, sem a complexidade e o custo de uma instalação on-premise

Gerencie a força de trabalho móvel, sem a complexidade e o custo de uma instalação on-premise de Soluções SAP SAP Afaria, edição para nuvem Objetivos Gerencie a força de trabalho móvel, sem a complexidade e o custo de uma instalação on-premise 2013 SAP AG ou empresa afiliada da SAP. Investimentos

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Oracle Hyperion Essbase

Oracle Hyperion Essbase Oracle Hyperion Essbase Guia Claudio Bonel Oracle Hyperion Essbase Guia Dedicatória Este Livro é dedicado a minha família. 2 Guia Oracle Hyperion Essbase Sumário Agradecimentos Introdução Capítulo 1: OLAP

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI Com o crescimento acelerado, uma das mais tradicionais empresas do Brasil em produtos agrícolas precisava

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Dashboards dinâmicos para executivos

Dashboards dinâmicos para executivos dos produtos SAP Soluções SAP Crystal SAP Crystal Dashboard Design Objetivos Dashboards dinâmicos para executivos Transforme dados complexos em dashboards atraentes e interativos Transforme dados complexos

Leia mais

[ Empowering Business, Architecting IT. ]

[ Empowering Business, Architecting IT. ] SOA coloca TI da Rede Ipiranga em linha com os negócios Setembro/2012 Sumário Matéria publicada na Information Week... 4 Artigo Case Ipiranga... 7 SOA coloca TI da Rede Ipiranga em linha com os negócios

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Gestão de TI Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Aula passada... Gestão do Conhecimento 08:46 2 Aula de Hoje... BI Apresentação do artigo IT doesn t matter Debate 08:48 3 Caso da Toyota Toyota Motor

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+ Faturamento: R$ 1

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais