GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA"

Transcrição

1 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA Daniel de Castro Feijo (UFC) Rogerio Teixeira Masih (UFC) Fernando Ribeiro de Melo Nunes (UFC) Este artigo tem como objetivo avaliar o custo por quilômetro de três veículos utilitários. Para isso foi realizada uma pesquisa que consiste na identificação e análise dos custos fixos e variáveis associados a cada um dos veículos em estudoo. Para analise foram estabelecidos dois cenários, dos quais diferem entre si em função do peso total da carga a ser transportada. Os resultados mostram que não existe um melhor veiculo em todas as situações e sim veiculos com características mais adequadas a uma situação especifica. Palavras-chaves: custos logísticos, custo de frete, transporte rodoviários de cargas

2 1. Introdução A logística empresarial inclui as atividades de movimentação de produtos e a transferência de informações, porém para a que seja gerenciada de forma integrada, a logística deve ser trabalhada como um sistema, ou seja, um conjunto de componentes interligados, trabalhando de forma coordenada, com o objetivo de atingir um objetivo comum. Segundo Ballou (2001), a logística empresarial é um campo de estudos relativamente novo da gestão integrada, se feito comparação aos campos tradicionais como finanças, produção e marketing. No entanto, segundo Bowersox e Closs (2001), a logística moderna é um paradoxo, pois existe desde o inicio da civilização, não sendo algo novo, procura-se, a aplicação de melhores praticas logística nas áreas operacionais e de interesse da administração. O objetivo central da Logística Empresarial é atingir um nível desejado de serviço ao cliente pelo menor custo total possível (BOWERSOX e CLOSS 2001, p. 21.) O transporte tem como funções principais é movimentação e estocagem de mercadorias: a movimentação de mercadorias, ou seja, movimenta mercadorias de um determinado local de origem até o seu destino; e estocagem de mercadorias, pois, mesmo que temporária, não deixa de ser uma função do transporte (BOWERSOX e CLOSS, 2001). O transporte interage com o meio ambiente, podendo provocar diversas interferências, como quebras do veículo, congestionamentos, deficiência das entregas ou na recepção de mercadorias, produtos estocados em pontos diferentes, manipulação inadequada dos produtos, necessidade de equipamentos especiais para carregá-los e descarregá-los O transporte tem como funções principais é movimentação e estocagem de mercadorias: a movimentação de mercadorias, ou seja, movimenta mercadorias de um determinado local de origem até o seu destino; e estocagem de mercadorias, pois, mesmo que temporária, não deixa de ser uma função do transporte (BOWERSOX e CLOSS, 2001). O presente artigo apresenta uma pesquisa sobre custos logíticos, a qual baseia-se na utilização da analise gerencial de custo para identificar o veículo com menor custo total para um determinado cenário. Neste sentido, é realizada a caracterização dos veículos selecionados, identificando seus os custos fixos e custos variáveis, e analisando o custo total em Km para cada cenário escolhido. 2. Custos de Transporte Segundo Caixeta Filho (2001, p.154) gasto é o sacrifício financeiro arcado pela empresa para obtenção de um produto ou serviço qualquer [...]o custo está diretamente relacionado à execução efetiva de um serviço. Os custos fixos englobam o conjuntos de gastos, cujo valor, dentro de limites razoáveis de produção, não varia em função do nível de atividade da empresa ou grau de utilização do equipamento (Valente et Al 2008, pag.130). No caso de transportes inclui os custos que não são influenciados diretamente pela quantidade de carga movimentada. São os custos de terminais, direitos de acesso, sistemas de informação e depreciação (BOWERSOX e CLOSS, 2001). 2

3 Os Custos variáveis incluem os custos diretos da transportadora ao transporte de cada carga. São geralmente referidas como custo/quilômetro ou por unidade de peso. Normalmente os custos dessa categoria são combustível, manutenção e algumas vezes mão-de-obra (BOWERSOX e CLOSS, 2001). Para Valente, Passaglia, Novaes e Vieira (2008, pag.130) os custos variáveis são proporcionais a utilização Fazem parte desses custos, lubrificantes, material de oficina, peças, acessório e manutenção em geral. A manutenção de veículos consiste em procurar manter a frota em boas condições de uso, dentro dos limites econômicos, de forma que a sua imobilização seja mínima. Valente, Passaglia, Novaes e Vieira (2008, p.199). Para Valente, Passaglia, Novaes e Vieira (2008, p.142) existem três métodos de da depreciação que podem ser a taxa media ou linear, o dos dígitos ou soma dos anos e o exponencial. 3. Estudo de Caso 3.1 Metodologia da pesquisa A presente pesquisa pode ser classificada, quanto à sua natureza, como uma pesquisa aplicada, pois objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática e dirigidos à solução de problemas específicos. Quanto à forma de abordagem do problema, a pesquisa classifica-se como quantitativa, pois todas as informações foram quantificadas e receberam tratamento matemático. Os principais procedimentos utilizados foram pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e estudo de caso. O Estudo de caso encontra-se divido em etapas, conforme detalhado a seguir Etapa 1 Caracterização dos veículos em estudo A caracterização dos veículos selecionados encontra-se apresentada no Quadro 1. Nesta caracterização consta: Especificação de motores; Dimensões e capacidades; Capacidade de carga; demais características mecânicas. Motor/ Desempenho Pequeno Médio Médio Motor: 1.4 Flex 2.4 Felx 2.8 Diesel Alimentação: Injeção Injeção Injeção direta Potência (cv): Torque (kgf.m): 13,2 21,9 34,7 Velocidade Máxima: Tempo (s): 13 12,2 12,3 Dimensões 3

4 Altura (mm): Largura (mm): Comprimento (mm): Tanque (L): Porta Malas (Kg): Mecânica Câmbio: Manual Manual Manual Tração: Dianteira Traseira Traseira Direção: Mecânica Hidráulica Hidráulica Quadro 1 - características dos veículos Fonte: O autor, 2010 Etapa 2 Identificação dos Custo fixo por veículo Os custos fixos são os que incorrem independente do uso do bem e não sendo influenciados diretamente pela quantidade de carga movimentada. No quadro 2 apresenta-se os principais custos fixos dos veículos, com a definição e a forma de cálculo para cada um deles. Item Definição Calculo Remuneração mensal do capital (RC) Corresponde ao ganho no mercado financeiro caso o capital não tivesse sido usado para adquirir o veículo. O coeficiente Z corresponde à taxa (anual ou mensal) de juros, equivalente rendimento esperado em Aplicação RC = Valor do veículo x Z Salário do motorista (SM) Corresponde às despesas mensais com salário de motorista e horas extras, se houver acrescidas dos encargos sociais. SM= salário do motorista + encargos Salário do ajudante (SA) Corresponde às despesas mensais com salário de motorista e horas extras, se houver acrescidas dos encargos sociais. SA= salário do ajudante + encargos Reposição de veículo (RV) Representa a quantia que deve ser destinada mensalmente a um fundo para repor o bem atual completar seu ciclo de RV= (valor do veículo novo valor residual) / VV 4

5 vida útil.considera-se que, no fim deste período (VV, em meses), é possível obter como valor residual. Licenciamento (LC) Este item reúne os tributos fiscais relacionados: Imposto sobre a propriedade de veículos automotores (IPVA); Seguros por danos pessoais causados por veículos automotores (DPVAT); e Taxa de licenciamento (TL) pago ao DETRAN. LC = (DPVAT) + IPVA + TL) / 12 Seguro do veículo (SV) Representa um fundo mensal que deve ser formado para pagar o seguro (colisão, incêndio, roubo etc.) ocorridos com o veículo. SV=( Custo da apólice + franquia ) / 12 Provisão para multas (PML) Prevê a partir de dados históricos um valor mensal para um fundo para possíveis multas. Observação: caso não tenha histórico de multas poderá atribuir um valor de uma multa grave ou gravíssima multiplicando pela quantidade possíveis multas ao longo do ano gerando um valor anual para provisão de multas. PML = (custo de multas anual) / 12 Provisão para manutenções não previstas (PMT) Prevê a partir de dados históricos um valor mensal para um fundo para possíveis manutenções não previstas. Observação: caso não tenha histórico de manutenção poderá atribuir uma porcentagem sobre o valor do veiculo ficando o valor obtido como custo de manutenção anual. PMT = (custo de manutenção anual) / 12 Custo fixo mensal O custo fixo mensal resulta da soma das parcelas acima: CF = RC + SM + SA + RV + LC + SV+ PML + PMT Quadro 2 - Itens da composição do custo fixo Fonte: O autor, 2010 Etapa 3 - Custo variável 5

6 O custo variável esta diretamente ligado ao transporte, são geralmente referidas como custo/quilômetro ou por unidade de peso. Normalmente os custos dessa categoria são combustíveis, manutenção, lavagens e mão-de-obra correlata a estes serviços. Para o cálculo dos custos variáveis, primeiramente, foram elaborados quais os custos de manutenção. Ressalta-se que somente a manutenção preventiva. Os custos das diversas peças necessárias à manutenção foram levantados junto às concessionárias e lojas especializadas. No quadro 3 apresenta-se os principais custos fixos dos veículos, com a definição e a forma de cálculo para cada um deles. Item Definição Calculo Combustível (DC) Manutenção (M) Lavagem e graxas (LG) Pneus (PN) Alinhamento (AL) Custo variável total Quadro 3 Custo variável dos veículos São as despesas efetuadas com combustível para cada quilômetro rodado pelo veículo. São as despesas com a manutenção do Veículo. Observação: despesas com peças mão de obra e lubrificantes. São as despesas com lavagem e lubrificação externa do veículo.o custo por quilômetro é obtido dividindo-se o custo de uma lavagem completa do veículo pela quilometragem recomendada pelo fabricante para lavagem periódica. São as despesas com a substituição dos Pneus. São as despesas com o Alinhamento e Balanceamento dos Pneus. O custo variável total é obtido pela soma das quatros parcelas já relacionadas. DC = PC / RM PC = Preço do combustível (R$/litro) RM = Rendimento do combustível (km/litro) M = Soma de todos os itens de manutenção preventiva do veículo LG = PL/QL PL = Preço da lavagem completa do veículo QL = Quilometragem recomendada pelo fabricante do veículo PN = P / QL x QT PL = Preço do Pneu QL=Quilometragem recomendada pelo fabricante do veículo QT= Quantidade de Pneus AL = P / QL AL = Preço do Alinhamento QL = Quilometragem recomendada pelo fabricante do veículo CV = DC + M + LG + PN+AL CV = Custo variável (R$/km) 6

7 Fonte: O autor, Resultados Obtidos Etapa 1 - Custos fixos Remuneração mensal do capital (RC) - Corresponde ao ganho no mercado financeiro caso o capital não tivesse sido usado para adquirir o veículo. Que neste estudo foi a partir da taxa SELIC, que é um índice referência pela política monetária. Para efeito de calculo tiramos o valor do bem Residual da tabela FIPE(http://www.fipe.org.br/web/index.asp?aspx=/web/indices/veiculos/introducao.aspx) e multiplicamos este residual pelo valor médio taxa SELIC (http://www.bcb.gov.br/?selictaxa) no valor de 0,8% ao mês. Salário do motorista (SM) / salário do ajudante (SA) - Corresponde às despesas mensais com salário de motorista ou ajudante com horas extras, se houver acrescidas dos encargos sociais. Tirando como base um salário médio de R$ 750,00 para motorista e um salário mínimo para o ajudante sem hora extra acrescido os encargos trabalhista, que para este calculo foi de 64,30% retirado a partir do site (http://www.reimer.com.br/servicos_ dep_pessoal_encargos.asp) para empresas que não optam pelo SIMPLES. Reposição de veículo (RV) - Representa a quantia que deve ser destinado mensalmente a um fundo afin de repor o bem atual quando completar seu ciclo de vida útil.considera-se que, no fim deste período que neste calculo foi de 2 (dois) anos, é possível obter o valor mensal para reposição do veiculo (0KM). Que foi encontrado pela diferença do valor do veiculo (0Km) menos o valor do mesmo veiculo após 2 (Dois anos) dividindo este valor pelo período em meses. Licenciamento (LC) - Para melhor detalhamento sobre o Licenciamento (LC) Este item reúne os tributos fiscais relacionados e já mencionados neste trabalho: Como base de cálculo do IPVA utiliza-se os valores previstos pela Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará(http://www.sefaz.ce.gov.br/content/aplicação/internet /ipva/tabela%20ipva% pdf) para a categoria dos veículos estudados que é de 2,5%.(http://www.sefaz.ce.gov.br/content/aplicacao/internet/ipva/gerados/ aliquotas_ praticadas.asp). Ainda, foi utilizado como valor base para o seguro obrigatório o valor de R$ 93,87 (http://www.dpvatseguro.com.br/servicos/tabcompleta asp) para todos os períodos e todos os veículos, com o fim de evitar variações desnecessárias. Igualmente, o valor de seguro total, é mantido constante para todos os períodos, uma vez que, se torna difícil determinar as variações dos mesmos a partir da redução do valor dos veículos. Seguro do veículo (SV) - Representa um fundo mensal que deve ser formado para pagar o seguro particular do veículo. Para detalhamento do calculo acima foi consultado no Site (www.bb.com.br) uma simulação de contratação de seguro-auto com franquia reduzida que 7

8 para cada carro ficou no valor de R$ 2.856,31 para o utilitário de carga de pequeno porte 1.4 Flex com franquia reduzida de R$ 774,31, já para o utilitário de carga de médio porte 2.4 Flex o valor da apólice foi de R$ 3.116,96 com franquia de R$ 1.930,43 e finalizando as cotações com o utilitário de carga de médio porte 2.8 Diesel com apólice de R$ 7.143,81 e franquia de R$ 2.273,78. Somando os valores citados da franquia e da apólice e dividindo por 12 encontramos o valor do (SV) em mês, mas para melhor entendimento entrou no calculo só uma franquia, mas caso tenha histórico de colisão, incêndio e roubo, poderá adicionar franquias no calculo. Provisão para multas (PML) - Prevê a partir de dados históricos um valor mensal para um fundo para possíveis multas. Observação: caso não tenha histórico de multas poderá atribuir um valor de uma multa grave ou gravíssima multiplicando pela quantidade possíveis multas ao longo do ano gerando um valor anual para provisão de multas. Para o calculo da (PML) foi usado o valor arredondado da multa por infração gravíssima que é de R$ 200,00 (http://portal.detran.ce.gov.br/index.php /outras-informacoes) e colocamos que o motorista tivesse uma por mês, mas caso tenha histórico poderá somar todas as multas durante o período de 1 ano e depois dividi-lo por 12 encontrando um valor do (PML). Provisão para manutenções não previstas (PMT) - Prevê a partir de dados históricos um valor mensal para um fundo para possíveis manutenções não previstas. No calculo da (PMT) foi feito a partir do valor do veiculo residual retirado da tabela FIPE multiplicado por uma taxa que neste quadro foi de 5% para todos os carros, encontrado este valor é dividido por 12 para encontrar o valor mensal. Observação: caso tenha histórico de manutenção do período de 1 ano o valor obtido será o custo de manutenção anual que deverá ser transformado em mensal. Custo fixo mensal - O custo fixo mensal resulta da soma das parcelas descritas e calculadas uma a uma anteriormente com seus respectivos quadros e detalhamentos: CF = RC + SM + SA + RV + LC + SV+ PML + PMT Pequeno Médio Médio Remuneração mensal do capital (RC) 210,88 392,61 486,41 Salário do motorista (SM) 1.232, , ,25 Salário do ajudante (SA) 857,93 857,93 857,93 Reposição de veículo (RV) 201,50 566,25 813,17 Licenciamento (LC) 63,03 92,48 142,80 Provisão para multas (PML) 200,00 200,00 200,00 Provisão para manutenções não previstas (PMT) 109,83 204,48 253,34 Seguro do veículo (SV) 302,55 420,62 784,80 Custo Fixo Mensal 3.157, , ,69 8

9 Quadro 4 Custos fixos mensal (todos os valores em R$) Fonte: O autor, 2010 A partir destes resultados, o custo fixo mensal, verifica-se que os veículos, independente do seu uso, já implicam nos seguintes gastos: pequeno porte com motor 1.4 Flex com o menor custo total mensal de R$ 3.157,97; carga de médio porte com motor 2.4 Flex ficou em R$ 3.946,62; e o utilitário de carga médio porte com motor 2.8 Diesel que ficou em R$ 4.750,69 mensais. No entando ainda não é possível indicar que será o melhor carro para o trabalho a ser feito, pois isto dependerá de outros fatores ainda ser descritos e mostrados durante a aplicação dos cenários. Etapa 2 - Custos variáveis Combustível (DC) - São as despesas efetuadas com combustível para cada quilômetro rodado pelo veículo. Calculado por DC = PC / RM onde PC = Preço do combustível (R$/litro) e RM = Rendimento do combustível (km/litro). O custo variável com combustível, para efeito de análise neste estudo, tem como parâmetro o consumo urbano (cidade) de cada veículo. O consumo médio dos veículos nas condições de cidade pesquisados foi retirado do site da montadora. Manutenção (M) - São as despesas com a manutenção preventiva do Veiculo incluindo lubrificantes, peças, mão de obra de substituição para os utilitários de carga de pequeno e médio porte. Lavagem e graxas (LG) - São as despesas com lavagem e lubrificação externa do veículo. O custo por quilômetro é obtido dividindo-se o custo de uma lavagem completa do veículo pela quilometragem recomendada pelo fabricante para lavagem periódica. Para este calculo indicamos uma lavagem completa com lubrificação externa a cada 1500 km e os valores praticados para cada um varia entre R$ 25,00 para o utilitário de carga de pequeno porte, R$ 50,00 para o utilitário de carga de médio porte Flex e R$ 75,00 para o utilitário de carga de médio porte Diesel. Este valor foi obtido apartir do preço da lavagem completa do veículo e dividimos pela quilometragem recomendada pelo fabricante do veículo. Pneus (PN) - São as despesas com a compra e substituição dos Pneus. Neste cálculo, valor foi obtido apartir dos preços praticados pela autorizada na compra de pneus novos dividido pela vida útil e multiplicado pela quantidade para cada carro, que neste caso foi de 4 (Quatro) e o preço foi de R$ 251,60 para o utilitário de carga de pequeno porte e de R$ 517,00 o utilitário de carga de médio porte para a Diesel e Flex Alinhamento (AL) - São as despesas com o Alinhamento e Balanceamento dos Pneus. O calculo foi feito pelo que é recomendado pela autorizada que a cada km seja feito a verificação de alinhamento, balanceamento e cambagem que sai por volta de R$ 100,00 para o utilitário de carga de pequeno porte e R$ 150,00 para o utilitário de carga de médio porte Diesel e Flex Custo variável total (CV) - O custo variável total em Km/rodado é obtido pela soma das parcelas já relacionadas. 9

10 CV = DC + M + LG + PN+AL Pequeno Pequeno Médio Médio Médio Álcool Gasolina Álcool Gasolina Diesel Combustível (DC) 0,2321 0,2033 0,2955 0,2688 0,1532 Manutenção (M) 0,3762 0,3762 0,4140 0,4140 0,4828 Lavagem e graxas (LG) 0,0167 0,0167 0,0333 0,0333 0,0500 Pneus (PN) 0,0335 0,0335 0,0689 0,0689 0,0689 Alinhamento/Balanceamento (AL) 0,0200 0,0200 0,0300 0,0300 0,0300 Custo Variável Total por Km 0,6786 0,6497 0,8417 0,8151 0,7850 Quadro 5 Custo variável por Km (valores em R$) Fonte: O autor, Análise de cenarios do custo total por entrega Como forma ilustrativa, apresentamos 2 (dois) cenários para a escolha do veículo, sempre rodando somente na cidade, com média de 100 km rodados por entrega e transportando: (i) uma carga média de 500 Kg (quinhentos quilos); e (ii) Kg (mil quilos) por dia. E todos os casos, o custos total por período (mês) foi obtido através da seguinte expressão: CT= CF + CV x Km, onde CT é o custo total; CF é o custo fixo; CV é o custo variável; e Km é o total de quilometros rodados Cenário 01 Para o primeiro cenário a carga média é de 500 Kg (quinhentos quilos) para entrega. O resultado para cada veículo encontra-se apresentado no gráfico da Figura 1. Os valores apresentados foram obtidos através do cálculo do custo total para cada veículo (valores em R$), conforme apresentado a seguir: - Pequeno Flex no Álcool CT = 3.157,97 + (0,6786 x 3.000) CT = 5.193,77 - Pequeno Flex na Gasolina CT = 3.157,97 + (0,6497 x 3.000) CT = 5.107,07 - Médio Flex no Álcool CT = 3.946,62 + (0,8417 x 3.000) CT = 6.471,72 - Médio Flex na Gasolina CT = 3.946,62 + (0,8151 x 3.000) CT = 6.391,92 - Médio Diesel CT = 4.750,69 + (0,7850 x 3.000) CT = 7.105,69 10

11 Figura 1 - Custo total por entrega no primeiro cenário Fonte: O autor, 2010 Assim, com base no exposto, verifica-se que o veículo de pequeno porte utilizando gasolina se torna mais econômico, tanto em função de um menor custo fixo como em função da melhor adequação de sua capacidade de carga Cenário 02 Para o segundo cenário a carga média passou para 1.000kg (mil quilos) para entrega. O resultado para cada veículo encontra-se apresentado no gráfico da Figura 1. Os valores apresentados foram obtidos através do cálculo do custo total para cada veículo (valores em R$), conforme apresentado a seguir: - Pequeno Flex no Álcool: CT= 3.157,97 + (0,6786 x 6.000) CT=7.229,57 - Pequeno Flex na Gasolina: CT = 3.157,97 + (0,6497 x 3.000) CT = 5.107,07 - Médio Flex no Álcool: CT=3.946,62 + (0,8417 x 6.000) CT=8.996,82 - Médio Flex na Gasolina: CT= 3.946,62 + (0,8151 x 6.000) CT=8.837,22 - Médio Diesel: CT=4.750,69 + (0,7850 x 3.000) CT=7.105,69 11

12 Figura 2 - Custo total por entrega no segundo cenário Fonte: O autor, 2010 Para o segundo cenário, mesmo mantido os valores dos custos fixos e variáveis, percebe-se que o resulado do custo total sofreu alterações. Estas alterações são decorrentes da nova necessidade de carga a ser transportada, a qual pode exigir mais de uma viagem dos dois primeiros modelos de veículos para completar as entregas. O resultado aponta uma pequena diferença entre o custos total do utilitário Diesel e do utilitário 1.4 Flex usando Gasolina, tendo o utilitário 1.4 Flex usando Gasolina um custo total de R$ 7.056,17 contra os R$ 7.105,69 do utilitário Diesel. Dessa forma, observa-se que o resultado obtido na escolha de um veículo para realizar o transporte rodoviário de cargas pode ser alterado em função das características do cenário selecionado,existindo uma melhor alternativa condicionada a um conjunto de fatores e não uma melhor alternativas que se aplica a qualquer cenário. 4. Considerações Finais A realização deste estudo mostra a importância do gerenciamento dos custos logísticos, neste caso especificamente dos custos de transporte, para gestão empresarial. Neste estudo buscouse identificar os custos de forma a determinar o veículo mais adequado em cada cenário. 12

13 Analisando os componentes dos custos, concluiu-se que em cenários onde curtas distâncias são percorridas durante um período de tempo, os custos fixos possuem uma relevancia maior que os custos variáveis. No caso de cenários com longas distâncias longas ocorre o inverso, ou seja, os custos variáveis, como o dos combustíveis, se tornam relevantes, e acabam sendo determinantes na escolha do veículo com menor custo total. Assim para definir qual o veículo adequado, faz-se nescessario definir as variáveis importante para o cenário, conforme mostrado ao lomgo do estudo. Cabe lembrar que não é possível generalizar o resultado do melhor veículo encontrado neste estudo. Os resultados se limitam ao período em que os dados foram coletados, aos modelos analisados e às características de cenários que foi estipulado. Este estudo ajuda a lançar luzes sobre um tema que ainda é pouco pesquisado, o estudo de caso permitiu aprofundar conhecimentos sobre os principais custos que incidem sobre a aquisição, a manutenção e a operação dos veículos. Por fim, espera-se que este trabalho sirva de estímulo para a realização de outras pesquisas científicas que venham contribuir para a melhoria do desempenho das organizações, tornando-as mais eficientes e eficazes, minimizando o custo do serviço e tornando as cargas mais lucrativas. REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial / BALLOU, Ronald. H; trad. Elias Pereira. 4. Ed. Porto Alegre: Bookman, BANCO DO BRASIL; Acessado em 14 de Março de BOWERSOX, Donald J.e CLOSS, David J. Logística Empresarial: O Processo de Integração da Cadeia de Suprimento. São Paulo: Atlas, CAIXETA-FILHO, José V. e MARTINS, Ricardo S. (Org.) Gestão Logística do Transporte de Cargas. São Paulo: Atlas, DETRAN-CE; (http://portal.detran.ce.gov.br/index.php/outras-informacoes) Acessado em 13 de Fevereiro de 2010 DPVAT; ta asp Acessado em 15 de Março de 2010 FIPE:http://www.fipe.org.br/web/index.asp?aspx=/web/indices/veiculos/introducao.aspx Acessado em 14 de Março de REIMER; Acessado em 5 de Fevereiro de 2010 SEFAZ-CE ipva % pdf Acessado em 15 de Março de aliquotas_praticadas.asp Acessado em 15 de Março de

14 TAXA SELIC; Acessado em 15 de fevereiro de VALENTE, Amir Mattar; PASSAGLIA, Eunice; NOVAES, Antonio Galvão; VIEIRA, Heitor. Gerenciamento de Transporte e Frotas. 2. ed. rev. São Paulo: Cengage Learming,

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Fiat Uno Mille Fire Flex, motor 1.0, 8 válvulas, 2 portas, ano de fabricação/modelo 2012, 0 km. Preço do bem: R$ 22.990,00.

Fiat Uno Mille Fire Flex, motor 1.0, 8 válvulas, 2 portas, ano de fabricação/modelo 2012, 0 km. Preço do bem: R$ 22.990,00. Sonho de consumo de dez Você entre sabe dez quanto brasileiros, custa o seu automóvel carro? de preocupada recursos. A maioria das pessoas, quando decide comprar pode um ser carro, um sorvedouro prestação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: 1.1 - Registro de Preços visando à contratação de Serviços de Locação de Veículos Automotores, para atender às necessidades desta Secretaria, bem como de seus Órgãos vinculados

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Leonardo Maluta (POLI-USP) leonardo.maluta@poli.usp.br Enrico Barnaba Ferri (POLI-USP) enrico.ferri@poli.usp.br Hugo Yoshizaki (POLI-USP)

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 - Licitação para Registro de Preços visando à contratação de Serviços de Locação de Veículos, para atender às necessidades dos Órgãos e Entidades da Administração Estadual

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III A

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III A TERMO DE REFERÊNCIA PARA A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III A JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por objetivo, estabelecer as especificações técnicas para a contratação de empresa

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

A RESOLUÇAO DE PROBLEMAS E O DILEMA: IR DE TRANSPORTE PÚBLICO OU PRIVADO PARA A FACULDADE?

A RESOLUÇAO DE PROBLEMAS E O DILEMA: IR DE TRANSPORTE PÚBLICO OU PRIVADO PARA A FACULDADE? A RESOLUÇAO DE PROBLEMAS E O DILEMA: IR DE TRANSPORTE PÚBLICO OU PRIVADO PARA A FACULDADE? Geliaine Teixeira Malaquias Universidade Federal de Uberlândia geliainetm@gmail.com Douglas Marin Universidade

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM Olá Caro Aluno, Você já reparou que, no dia a dia quantificamos, comparamos e analisamos quase tudo o que está a nossa volta? Vamos ampliar nossos conhecimentos sobre algumas dessas situações. O objetivo

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

3.3 Análise Detalhada do Estado de Conservação do Veículo. 4.3 Interiores (estofado/couro, painéis, comandos, etc.)

3.3 Análise Detalhada do Estado de Conservação do Veículo. 4.3 Interiores (estofado/couro, painéis, comandos, etc.) Índice 1. Recompra Garantida 2. Agendamento da inspeção 3. Recompra do Veículo 3.1 Estado geral do veículo 3.2 Mecânica 3.3 Análise Detalhada do Estado de Conservação do Veículo 4. Danos permitidos/não

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. ITEM Código ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL UN QUANT

TERMO DE REFERÊNCIA. ITEM Código ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL UN QUANT GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO, PLANEJAMENTO E FINANÇAS GERÊNCIA DE APOIO LOGÍSTICO E DE SUPRIMENTOS TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE MBA EXECUTIVO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE LOGÍSTICA EMPRESARIAL EDSON RENATO PRIEBERNOW LETTNIN

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE MBA EXECUTIVO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE LOGÍSTICA EMPRESARIAL EDSON RENATO PRIEBERNOW LETTNIN ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE MBA EXECUTIVO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE LOGÍSTICA EMPRESARIAL EDSON RENATO PRIEBERNOW LETTNIN GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS COM ÊNFASE NO CÁLCULO DO QUILÔMETRO

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Davidson de Almeida Santos, MSC. 1 Telmo Roberto Machry, MSC. 2 Resumo.

Leia mais

Um Estudo Comparativo dos Custos de Veículos Populares Nacionais. Autoria: Altair Borgert, Emanuella Seemann Hunttemann, Charles Albino Schultz

Um Estudo Comparativo dos Custos de Veículos Populares Nacionais. Autoria: Altair Borgert, Emanuella Seemann Hunttemann, Charles Albino Schultz Um Estudo Comparativo dos Custos de Veículos Populares Nacionais Autoria: Altair Borgert, Emanuella Seemann Hunttemann, Charles Albino Schultz RESUMO O processo de aquisição de um veículo ou uma frota

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Programas de Manutenção Scania.

Programas de Manutenção Scania. . Melhor performance, maior economia. SCAN1112_0857_Folheto_210x297mm.indd 1 A alta produtividade que somente um Scania pode apresentar é potencializada com os Programas de Manutenção Scania. Para oferecer

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

Detalhamento do sistema Carcheck Consultas veiculares

Detalhamento do sistema Carcheck Consultas veiculares Detalhamento do sistema Carcheck Consultas veiculares pág.1/12 ÍNDICE 1 SOBRE O CARCHECK...3 2 OBJETIVO...3 3 PRODUTOS CARCHECK...3 3.1 SISTEMA CARCHECK...3 3.1.1 Consulta Completa...3 3.1.2 Consulta Segura...4

Leia mais

Programas de Manutenção Scania.

Programas de Manutenção Scania. Respeite os limites de velocidade. Programas de Manutenção. Melhor performance, maior economia. Para mais informações sobre os produtos e serviços, entre em contato com a Casa mais próxima ou acesse http://www.scania.com.br/pecas-e-servicos

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Logística

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Logística Disciplina: Intermodais C.H. Teórica: 20 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Logística Período Letivo: Série: Periodo: 2 sem/2011 3ª Série Não definido C.H. Outras: 20 Semestre de Ingresso:

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR (VWXGRGH&DVR,QWURGXomR O objetivo do estudo é determinar os custos para operação de movimentação interna de diversos tipos de contêineres utilizados para armazenamento e transporte de produtos químicos.

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

ANEXO I MODELO INDICATIVO DE REQUISIÇÃO DE ABASTECIMENTO

ANEXO I MODELO INDICATIVO DE REQUISIÇÃO DE ABASTECIMENTO ANEXO I MODELO INDICATIVO DE REQUISIÇÃO DE ABASTECIMENTO REQUISIÇÃO DE COMBUSTÍVEL NÚMERO: VEÍCULO (MODELO/PLACA): HODÔMETRO: MOTORISTA (NOME/MATRÍCULA): Local, data. ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QUANTIDADE PREÇO

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI CNPJ Nº 11.040.896/0001-59 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI CNPJ Nº 11.040.896/0001-59 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CONTRATO Nº 003/2012 Contrato Processo Administrativo nº 004/2012, Tomada de Preços nº 003/2012, com amparo no Artigo 40, 2º, inciso III da Lei 8.666/93, destinado a Locação de 01 (um) veículo automotor,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 784/2007. (republicada no DOAL nº 9212, de 12 de março de 2008) (vide publicação original abaixo)

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO SERVIÇO DE TRANSPORTE... 4 2.1.

Leia mais

Apresentação. E&L ERP Frotas. PostgreSQL 8.2/ 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0

Apresentação. E&L ERP Frotas. PostgreSQL 8.2/ 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0 Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: O permite efetuar o controle sobre o consumo de combustível de cada veículo ou máquina permitindo o seu total monitoramento no

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO)

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO) PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO) SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO SERVIÇO

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Segurança dos Pneus. Data de validade

Segurança dos Pneus. Data de validade Segurança dos Pneus Dirigimos diariamente e quase nunca prestamos atenção a uma das partes mais importantes do automóvel, O PNEU. Veja a seguir como ler e entender a fabricação e o uso correto de um pneu.

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3.

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3. Política de Atendimento de Lubrificantes Índice Item Tópico Página 1. Introdução e Propósito 2 2. Nossa Missão 2. CALL Center 2 e. Disponibilidade de Produtos.1 Pedidos Mínimos.2 Tipos e Características

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Tudo que você precisa saber no dia a dia com seu carro

Tudo que você precisa saber no dia a dia com seu carro Tudo que você precisa saber no dia a dia com seu carro FINANÇAS / ECONOMIA 01 - Como financiar um carro usado? 02 - Saiba tudo sobre IPVA, DPVAT e Licenciamento. 03 - Veja as melhores opções para financiamento

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

Manual para usuários site Lucrei no Frete

Manual para usuários site Lucrei no Frete Manual para usuários site Lucrei no Frete Para login clicar no endereço abaixo ou copiar e colar no navegador. http://lucreinofrete.a3sistemas.com.br/minha_conta/login.php Clicar em Registrar Preencher

Leia mais