OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS"

Transcrição

1 OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

2 ÍNDICE I. Importância do Sector Bancário na Economia II. III. Actividade de Crédito Financiamento IV. Solvabilidade V. Regimes de Recapitalização Pública e de Concessão de Garantias Pessoais pelo Estado a favor das Instituições de Crédito

3 OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS I. Importância do Sector Bancário na Economia

4 Contrariamente ao ocorrido na área do Euro, a crise financeira não abrandou o crescimento dos activos totais dos bancos portugueses. Índice Evolução dos activos totais do sector bancário (Dez. 2005=100) Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = 9,5% Área do Euro = 11,1% Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = 8,7% Área do Euro = 1,8% Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = -0,1% Área do Euro = 1,5% Contudo, os bancos portugueses iniciaram o processo de desalavancagem depois do início do Programa de Assistência Económica e Financeira. Este processo intensificouse depois de Agosto de Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 Fonte: BCE Portugal Área do Euro 4

5 O sector bancário tem um papel importante na economia portuguesa, no entanto o peso dos seus activos no PIB nacional situa-se abaixo do nível da área do Euro. Activos totais do sector bancário em proporção do PIB*, em Portugal e na área do Euro 400% Área do Euro 300% Portugal 200% 100% 0% Apesar do decréscimo dos activos dos bancos portugueses por via do processo de desalavancagem recentemente seguido, o decréscimo do PIB nacional em 2012 conduziu a um aumento do rácio Activos Totais / PIB. No final do ano passado, o peso dos activos bancários no PIB em Portugal era já muito próximo do observado na área do Euro * Produto Interno Bruto (nominal). Fonte: BCE 5

6 Em Portugal, a contribuição das actividades de serviços financeiros para o Valor Acrescentado Bruto nacional situa-se acima dos valores da área do Euro. VAB das actividades de serviços financeiros em proporção do VAB total, em Portugal e noutros países da União Europeia (2009) Reino Unido Irlanda Portugal Espanha Grécia Área do Euro Itália França Alemanha Em Portugal, as actividades de serviços financeiros (excepto seguros e fundos de pensões e incluindo aquelas desenvolvidas pelo Banco de Portugal), contribuem para aproximadamente 6% do Valor Acrescentado Bruto do país. Este valor é relativamente elevado quando comparado com outros países da área do Euro. Actividades de serviços financeiros (excepto seguros e fundos de pensões) Seguros, fundos de pensões e actividades auxiliares de serviços financeiros 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% Fonte: Eurostat, INE, Central Statistics Office Ireland 6

7 OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS II. Actividade de Crédito

8 Na banca portuguesa, o crédito a clientes absorve quase 50% dos activos totais. Crédito a clientes* em proporção dos activos totais (Junho 2013) 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 45,2% Comparativamente a outros países da área do Euro, a actividade dos bancos portugueses está essencialmente centrada na concessão de crédito a clientes. 37,5% * Empréstimos ao sector não monetário (saldos brutos em fim de mês). ** Valores agregados. Fonte: BCE 8

9 No período que antecedeu a crise financeira, o volume de crédito revelou uma forte tendência crescente, tanto em Portugal como na área do Euro. Índice Evolução do crédito* em Portugal e na área do Euro (Dez. 2005=100) Portugal (100 = M ) Área do Euro (100 = M ) Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = 1,5% Área do Euro = 0,6% Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = -4,6% Área do Euro = 0,4% No verão de 2008, a taxa de crescimento do crédito começou a abrandar. Em Portugal, o volume de crédito tem diminuído desde o segundo trimestre de 2011, afastando-se da tendência da área do Euro, fruto da desalavancagem seguida pelo sector. 90 Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 * Empréstimos aos sectores monetário e não monetário (saldos brutos em fim de mês). Fonte: BCE 9

10 Apesar da redução do Rácio Crédito / PIB em 2012, o nível de endividamento bancário da economia portuguesa ainda é elevado, face ao contexto europeu. % PIB** 250% 200% Rácio Crédito a Clientes* / PIB** No final de 2012, o crédito a clientes em Portugal representava cerca de 156% do PIB nominal. Desde 2010, este rácio diminuiu aproximadamente 14 pontos percentuais. O processo de desalavancagem seguido pelos bancos portugueses levou a uma diminuição de quase 8 pontos percentuais do rácio Crédito a Clientes/ PIB em % 100% 50% 0% Irlanda Espanha Reino Unido Portugal Área do Euro Itália Grécia Alemanha França * Empréstimos à totalidade do sector não monetário (saldos brutos em fim de mês). ** Produto Interno Bruto (nominal). Fonte: BCE, Eurostat

11 Os stocks de crédito a particulares e sociedades não financeiras demonstram evoluções divergentes face ao stock de crédito à administração pública. Evolução do volume de crédito* por sector institucional (Dez. 2005=100) Índice O acordo de um plano de ajuda financeira à Grécia, em Maio de 2010, veio acentuar as dificuldades no acesso da República Portuguesa ao financiamento através dos mercados financeiros. Nesse período, a taxa de juro das Obrigações do Tesouro nacional (a 10 anos) atingiu o máximo histórico desde a adesão ao euro, 6,29%, levando o recurso ao crédito bancário, por parte da administração pública, a crescer abruptamente. Administração Pública** Particulares Em Abril de 2011, quando Portugal pediu assistência financeira internacional, o volume de crédito à administração pública atingiu o seu máximo histórico Sociedades não financeiras*** 0 Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 * Saldos brutos em fim de mês. ** Inclui apenas empréstimos (não inclui títulos de dívida pública). *** Inclui empresas públicas. Fonte: Banco de Portugal 11

12 O diferencial entre as taxas de juro de novos empréstimos a sociedades não financeiras em Portugal e na área do Euro aumentou depois do início da crise da dívida soberana. Evolução das taxas de juro dos empréstimos de instituições financeiras monetárias a sociedades não financeiras (apenas novas operações) em Portugal e na área do Euro % Portugal Área do Euro Junho 2013 Portugal: 5,53% Área do Euro: 2,59% 0 Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 Fonte: BCE 12

13 Em Portugal, os particulares e as sociedades não financeiras revelam uma maior dependência do crédito bancário do que na área do Euro. Peso do crédito a particulares, sociedades não financeiras e administração pública no PIB*, em Portugal e noutros países da União Europeia (Dezembro 2012) = 158,9% 150,1% 149,7% 118,7% 115,2% 112,0% 107,0% 103,9% 103,7% 10,9% 4,7% 20,7% 69,4% 64,3% 59,4% 5,0% 52,1% 12,1% 17,1% 47,8% 55,9% 10,3% 43,0% 0,5% 27,5% 14,4% 34,4% 78,6% 81,1% 69,6% 61,6% 55,3% 39,0% 53,7% 75,9% 54,9% Espanha Portugal Irlanda Grécia Área do Euro Itália França Reino Unido Alemanha * Produto Interno Bruto (nominal). ** Inclui apenas empréstimos (não inclui títulos de dívida pública). *** Inclui empresas públicas. Fonte: Ameco, BCE Administração Pública** Sociedades não financeiras*** Particulares 13

14 No entanto, as empresas públicas representam quase 10% da dívida total das sociedades não financeiras ao sector financeiro residente. Crédito a sociedades não financeiras públicas em Portugal* 10,5% 9,8% 10,1% 5,7% 6,0% 6,6% ,4% 63,1% Em Portugal, o crédito ao Sector Empresarial do Estado absorve uma parte significativa do total do crédito a sociedades não financeiras. Ainda assim, aumentou substancialmente desde ,6% 36,9% Empréstimos Títulos de dívida * Em percentagem dos saldos de empréstimos contraídos e títulos de dívida emitidos por empresas não financeiras face ao sector financeiro residente. O conceito de sector financeiro residente inclui não apenas bancos, mas também outras instituições financeiras. Fonte: Banco de Portugal 14

15 Se o crédito a particulares é maioritariamente para habitação, o crédito a sociedades não financeiras destina-se sobretudo ao sector da construção e do imobiliário. Crédito a particulares Habitação 82% Crédito* (Junho 2013) Consumo 10% Outros fins 8% Particulares 40% Crédito a sociedades não financeiras Adm. Pública 2% Outros 26% Sociedades não financeiras 32% Outros 36% Indústria 13% Construcção e imobiliário 32% Comércio, alojamento e restauração 17% * Empréstimos aos sectores monetário e não monetário, incluindo não residentes (saldos brutos em fim de mês). Fonte: Banco de Portugal Agricultura, caça, floresta e pesca 2% 15

16 Em Portugal, a proporção do crédito à habitação no total do crédito concedido a particulares tem maior expressão do que na área do Euro. Portugal 10,1% 8,6% 8,1% 10,8% 10,9% 9,6% 79,1% 80,5% 82,3% Área do Euro 15,7% 15,9% 15,6% 12,9% 12,4% 11,2% 71,4% 71,7% 73,2% O peso do crédito ao consumo no total do crédito concedido a particulares tem vindo a diminuir tanto em Portugal como na área do Euro. Contudo, este tipo de crédito é menos relevante no caso português do que na área do Euro Jun Jun-13 Fonte: BCE Outros fins Consumo Habitação 16

17 A evolução dos preços da habitação em Portugal tem sido relativamente estável quando comparada com a de outros países da área do Euro. Índice de preços da habitação, em Portugal e noutros países da área do Euro (Mar. 2005=100) Índice Área do Euro Portugal Espanha Irlanda Apesar da crise do sub-prime, os preços da habitação em Portugal mantiveramse relativamente constantes. O sector imobiliário não foi alvo de boom especulativo, ao contrário do que aconteceu em Espanha e na Irlanda. Fonte: BCE 17

18 Na área do Euro, o sector das actividades imobiliárias absorve a maior proporção do total do crédito a sociedades não financeiras. Portugal 17,0% 19,3% 19,6% 23,8% 21,0% 19,0% 45,6% 21,8% 20,2% 20,0% 18,1% 18,3% 17,1% 19,3% 21,2% 24,3% 39,0% Área do Euro 22,2% 22,3% 23,4% 9,7% 9,3% 9,0% 40,7% 41,9% 31,0% 33,2% 33,9% 15,0% 14,8% 15,5% 22,0% 20,4% 18,2% Em Portugal, o peso dos sectores da construção e do imobiliário, em termos agregados, tem vindo a diminuir desde Por oposição, na área do euro, a proporção destes sectores de actividade no total do crédito a sociedades não financeiras aumentou por força da actividade imobiliária Agricultura e indústria Construção Actividades imobiliárias, de consultoria, técnicas e administrativas Comércio, alojamento e restauração Outros Fonte: Banco de Portugal, BCE 18

19 O crédito em cobrança duvidosa aumentou desde 2008, especialmente no segmento empresarial. Crédito em cobrança duvidosa* em percentagem do crédito total correspondente 12% 10% 8% 6% 4% Sociedades não financeiras Habitação Total O crédito às sociedades não financeiras em cobrança duvidosa começou a crescer especialmente no fim de No entanto, piorou ainda mais após o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (Maio de 2011). Entretanto, o crédito à habitação em cobrança duvidosa tem-se mantido relativamente estável. No entanto, a sua taxa de crescimento tem vindo a aumentar. 2% 0% * Prestações vencidas e prestações futuras de cobrança duvidosa. Fonte: Banco de Portugal 19

20 OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS III. Financiamento

21 Os depósitos de clientes constituem a fonte mais importante de financiamento dos bancos portugueses. Comparação da estrutura de financiamento dos bancos portugueses com a de outros países da União Europeia (Junho 2013) 13% 12% 28% 47% 21% 15% 12% 22% 23% 9% 9% 6% 14% 7% 34% 32% 41% 24% 34% 42% 41% 41% 37% 35% 41% 8% 19% 31% 29% 39% 6% 12% 41% 28% 24% 21% No contexto europeu, o sector bancário português detém uma maior proporção de depósitos de clientes na estrutura de financiamento. Comparativamente aos depósitos de clientes, o financiamento por grosso assume uma posição menos relevante. Espanha Grécia Portugal Alemanha Itália Área do Euro Reino Unido França Irlanda Depósitos Dívida por grosso Capital Outros* * Inclui responsabilidades com entidades não residentes na área do Euro, excepto para o Reino Unido em que inclui responsabilidades com não residentes no país. Fonte: BCE 21

22 A tendência de crescimento dos depósitos em Portugal revela algumas divergências face à da área do Euro. Evolução dos depósitos* em Portugal e na área do Euro (Dez. 2005=100) Índice 180 Portugal (100 = M ) Área do Euro (100 = M ) 160 Após meados de 2010, os depósitos em Portugal iniciaram uma tendência de crescimento bastante mais acentuado do que na área do Euro. Mais recentemente, o seu volume tem vindo a diminuir Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = 0,2% Área do Euro = 2,1% 80 Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 * Depósitos do sector não monetário (saldos em fim de período). Fonte: BCE 22

23 O recurso ao financiamento por grosso por parte dos bancos portugueses cresceu a um ritmo bastante superior ao da área do Euro. Evolução do financiamento por grosso*, em Portugal e na área do Euro (Dez. 2005=100) O crescimento dos depósitos em Portugal não foi suficiente para compensar o crescimento dos activos dos bancos nacionais, conduzindo a uma maior dependência do financiamento por grosso. Índice * O financiamento por grosso inclui os depósitos do sector monetário, títulos de dívida emitidos e fundos do mercado monetário (saldos em fim de período). Fonte: BCE Portugal (100 = M ) Área do Euro (100 = M ) Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = 14,7% Área do Euro = 9,2% Média das taxas de crescimento anuais (YoY) Portugal = 2,3% Área do Euro = -0,1% 60 Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 23

24 Em Portugal, os depósitos são maioritariamente detidos por particulares e o seu peso tem vindo a aumentar. Evolução dos depósitos* em Portugal, por sector institucional M Administração pública Instituições financeiras não monetárias Sociedades não financeiras Particulares O peso das instituições financeiras não monetárias aumentou consideravelmente no segundo semestre de 2010 e em 2011, mas começou a diminuir em Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 * Depósitos do sector não monetário (saldos em fim de período). Fonte: Banco de Portugal 24

25 Os depósitos com maturidade inferior a um ano são os que têm maior expressão, apesar do recente crescimento verificado nos depósitos a prazos mais longos. Evolução dos depósitos* em Portugal, por prazo M A mais de 2 anos De 1 a 2 anos Até 1 ano Responsabilidades à vista Depósitos com pré-aviso Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13 * Depósitos do sector não monetário (saldos em fim de período). Fonte: Banco de Portugal 25

26 O crescimento dos depósitos de particulares coincide com a diminuição das suas unidades de participação em fundos de investimento. 30% Taxas de crescimento dos depósitos, unidades de participação em fundos de investimento e certificados de aforro detidos por particulares, em Portugal (YoY) 20% 10% 0% Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Dez-12 Jun-13-10% -20% -30% -40% Depósitos Unidades de participação dos fundos de investimento -50% Certificados de aforro Fonte: Banco de Portugal Esta tendência expõe um efeito substituição entre produtos de investimento e poupança com diferentes perfis de risco, revelando uma maior preferência por activos cujo nível de risco é mais reduzido. No entanto, esta propensão começou já a mostrar sinais de reversão. 26

27 A diminuição do Rácio de Transformação reflecte a desalavancagem que tem vindo a ser realizada pelo sistema bancário português. Rácio Crédito* / Recursos de Clientes, em base consolidada 165% 155% 152,1% 160,1% 160,3% 161,5% 157,8% 145% 135% 125% 115% 115,3% 122,6% 130,7% 134,7% 136,5% 143,5% Na sequência da aplicação do Programa de Assistência Financeira (PAEF) em Portugal, o Banco de Portugal recomenda aos oito maiores grupos bancários que reduzam este rácio para 120% até ,2% 127,6% 105% * Crédito líquido de imparidades (inclui créditos titularizados e não desreconhecidos). Saldos em fim de período. Fonte: Banco de Portugal 27

28 Tanto em Portugal como na área do Euro, os depósitos do sector monetário são a principal componente do financiamento por grosso do sector bancário. Estrutura do financiamento por grosso, por tipo de instrumento Portugal Área do Euro 0,3% 0,0% 0,9% 6,6% 5,5% 4,5% 55,2% 49,6% 68,0% 53,1% 51,4% 53,1% 44,7% 49,5% 31,7% 40,3% 43,1% 42,4% No entanto, em Portugal, o peso do mercado de emissão de títulos de dívida aumentou face a Inclusivamente, esta fonte de financiamento tem hoje mais expressão para os bancos portugueses do que para os da área do Euro Jun Jun-13 Fonte: BCE Fundos do mercado monetário Depósitos do sector monetário Títulos de dívida 28

29 Tanto em Portugal como na área do Euro, os títulos de dívida emitidos pelos bancos são predominantemente de longo prazo. Estrutura dos títulos de dívida, por maturidade na data de emissão (Dezembro 2012) Portugal Área do Euro 2% 2% 96% 4% 10% 86% Ainda assim, a emissão de títulos de dívida de curto prazo assume um papel mais importante no contexto do sector bancário da área do Euro do que no português. Até 1 ano De 1 a dois anos A mais de 2 anos Fonte: BCE 29

30 Nos últimos anos, as covered bonds tornaram-se importantes fontes de financiamento dos bancos portugueses. Emissão e saldos de covered bonds em Portugal No final de 2012, o saldo de covered bonds representava cerca de 6,4% do financiamento dos bancos portugueses. M Covered bonds por tipo de activo subjacente (2012) ,4% Saldo em fim de período Emissão 3,6% Sector público Fonte: European Covered Bond Council, Factbook, 2013 Habitação 30

31 Restrições no acesso aos mercados interbancários contribuíram para aumentar de forma significativa a dependência dos bancos portugueses face ao BCE. Operações de cedência de liquidez do Banco Central Europeu* M Date M Dez M Dez M Dez M Mai M Jun M +383,8% 0 * Saldos em fim de período. Fonte: Banco de Portugal 31

32 Em termos percentuais, a proporção do recurso a operações de cedência de liquidez do BCE por parte dos bancos portugueses também aumentou consideravelmente. Peso dos bancos portugueses no total de operações de cedência de liquidez do BCE* 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% No entanto, o esforço dos bancos portugueses em reduzir a sua quota no recurso a operações de cedência de liquidez do Eurosistema tem sido bem sucedido. * Operações de cedência de liquidez aos bancos portugueses em percentagem do total cedido pelo Eurosistema ao conjunto dos países da área do Euro (saldos em fim de período). Fonte: Banco de Portugal 32

33 OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS IV. Solvabilidade

34 O nível de risco dos activos dos bancos portugueses tem vindo a diminuir ao longo dos últimos anos. Activos ponderados pelo risco em proporção dos activos totais* 66,9% 66,8% 64,0% 61,4% 59,1% 58,9% 58,5% O Rácio Activos Ponderados pelo Risco / Activos Totais dos bancos portugueses sofreu um decréscimo considerável nos últimos anos. Esta tendência intensificou-se depois do PAEF e reflecte uma diminuição do risco médio dos activos que compõem o balanço dos bancos portugueses Jun-2012 Dez-2012 * Os activos ponderados pelo risco incluem rúbricas fora de balanço. Dados dos grupos bancários e bancos domésticos, em base consolidada excluindo a actividade seguradora. Fonte: BCE 34

35 Os activos totais têm crescido a uma taxa superior face aos activos ponderados pelo risco. Evolução dos activos ponderados pelo risco e dos activos totais dos bancos portugueses* (Dez. 2007=100) Índice Activos ponderados pelo risco Activo total Taxas de crescimento 95 Activo total = 7,5% Activos ponderados pelo risco = 7,3% 90 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Dez-11 Jun-2012 Dec-12 * Dados dos grupos bancários e bancos domésticos, em base consolidada excluindo a actividade seguradora. Fonte: BCE 35

36 Os fundos próprios de melhor qualidade dos bancos portugueses, core Tier 1, aumentaram significativamente desde Evolução dos fundos próprios dos bancos portugueses* (Dez. 2009=100) Índice Core Tier 1 Tier 1 Fundos próprios totais Dez-09 Dez-10 Dez-11 Jun-12 Dez-12 * Dados em base consolidada. Fonte: Banco de Portugal 36

37 Historicamente, os níveis de capital dos bancos portugueses têm-se situado acima dos mínimos legais exigidos. 8,0 8,3 6,7 6,2 Rácio Tier 1(%) 9,9 10,5 10,7 7,5 7,9 8,1 11,0 12,0 O Acordo de Basileia II impõe que o Rácio Tier 1 das instituições financeiras seja igual ou superior a 4% e que o Rácio de Solvabilidade não seja inferior a 8% Rácio de Solvabilidade(%) 13,2 13,6 10,3 11,7 10,2 9,1 10,4 10,2 9,5 13,5 14,6 12,5 Portugal UE 27 * Dados dos grupos bancários e bancos domésticos, em base consolidada excluindo a actividade seguradora. Fonte: BCE

38 No âmbito do Acordo de Assistência Financeira e Económica a Portugal, os bancos portugueses enfrentam, desde 2011, novos requisitos de capital. Requisitos rácio core Tier 1 Fonte: APB, Banco de Portugal % % Para além dos novos valores do rácio core Tier 1 a serem cumpridos, existem outros factores que contribuem para ampliar as necessidades de capital dos bancos portugueses, nomeadamente: Haircut dívida Grécia Transferência do Fundo de Pensões da banca para a Segurança Social Impactos Estes impactos foram reconhecidos para efeitos prudencias ao longo do 1º semestre de 2012, reflectindo-se no rácio core Tier 1 nessa altura. Reconhecimento de imparidades adicionais na carteira de crédito Aumento dos requisitos de fundos próprios para risco de crédito Resultados do Programa Especial de Inspecções realizado aos 8 maiores grupos bancários, em 2011, 2012 e Estas avaliações visaram validar os dados que suportam o apuramento da posição de solvabilidade das instituições e avaliar a adequação das imparidades. 38

39 Simultaneamente, também a EBA impôs maiores requisitos de capital aos bancos europeus a serem cumpridos até Junho de Rácio core Tier 1 9% Buffer exposição dívida soberana Necessidades adicionais de capital Perante a crise da dívida soberana que assola a Europa, a Autoridade Bancária Europeia, em conjunto com outras entidades europeias, estabeleceu algumas medidas que visam fortalecer a resiliência do sector bancário. Desta forma, foram introduzidos novos requisitos de capital por via de duas formas distintas, nomeadamente: Aumento do rácio core Tier 1 de 4,5% para 9%; Constituição de um buffer de capital para fazer face à exposição a dívida soberana a 30 de Setembro de Fonte: APB, EBA 39

40 Os resultados do Exercício Europeu de Reforço de Capitais revelaram necessidades de capital para bancos de 12 países da Europa. FR 6,4% PT 6,1% DE 11,4% AT 3,4% BE 5,5% IT 13,4% NO CY 1,3% 3,1% SI NL 0,3% 0,1% = Milhões EUR GR 26,2% ES 22,8% Em Dezembro de 2011, a Autoridade Bancária Europeia apresentou os resultados da avaliação realizada ao capital dos grupos bancários que integraram o exercício de stress-tests de Julho de 2011, tendo em conta o valor de mercado das suas exposições a dívida soberana e do seu capital, a 30 de Setembro de Deste exercício resultou que as necessidades adicionais de capital, para cumprir os 2 requisitos impostos a todos os bancos europeus, se situavam nos milhões de euros. Para os bancos portugueses incluídos no exercício foi detectada uma necessidade de capital core Tier 1 de cerca de milhões de euros. Fonte: APB, EBA 40

41 Resultados do Exercício Europeu de Reforço de Capitais Capital core Tier 1 Excedente de capital Necessidades de reforço de capital Capital core Tier 1 a (milhões EUR) Necessidades de reforço de capital* 85% Nível de capital necessário para cumprir os requisitos = 100% 20% 14% 6% 3% 29% 12% % 86% 94% 97% 71% 100% 100% Fonte: APB, EBA ES IT DE FR PT GB IE ES IT DE FR PT GB IE * A

42 Para os bancos portugueses, as necessidades de capital detectadas resultavam tanto da exposição a dívida soberana como do aumento do rácio mínimo exigido. Origem das necessidades adicionais de capital, por país = Espanha (ES) Itália (IT) Alemanha (DE) França (FR) Portugal (PT) Bélgica (BE) Áustria (AT) Chipre (CY) Noruega (NO) Eslovénia (SI) Holanda (NL) Fonte: APB, EBA Constituição do buffer de exposição a dívida soberana Aumento do rácio core Tier 1 e alteração do cálculo dos activos ponderados pelo risco 42

43 Após o exercício de recapitalização, os níveis de capital dos bancos portugueses aumentaram significativamente, inclusivamente quando comparados com os seus pares Europeus. Rácio core Tier 1 a Rácio core Tier 1 a % 16% 18% 16% Buffer soberano CT1 deduzido do buffer soberano 14% 14% 12% 10% Mínimo exigido em Junho de 2012 Rácio core Tier 1 = 9% 12% 10% 8% 8% 6% 6% 4% 4% 2% 2% 0% IE GB DE FR IT PT ES 0% IE PT GB DE IT FR ES Fonte: APB, EBA 43

44 Os requisitos impostos a nível europeu vieram agravar as necessidades de capital entretanto impostas pelas autoridades nacionais. Decomposição das necessidades adicionais de capital dos 4 bancos portugueses que participaram na avaliação da EBA (Dezembro 2012) * Não inclui o efeito da redução dos activos ponderados pelo risco. Fonte: APB, EBA A estimativa da Autoridade Bancária Europeia não incluiu os impactos sobre o capital core Tier 1 dos eventos que ocorreram em 2011 e que apenas se reflectiram nos níveis de capital para efeitos prudenciais em 2012, nomeadamente as imparidades adicionais da carteira de crédito, as alterações aos requisitos de fundos próprios para risco de crédito, o haircut aplicado à dívida grega exigido pelo Banco de Portugal e a transferência do fundo de pensões da banca para a segurança social. Desta forma, as necessidades efectivas de capital até Junho de 2012 foram superiores aos valores apurados na altura do Exercício Europeu de Reforço de Capitais. Adicionalmente, os bancos portugueses tiveram de cumprir, em Dezembro de 2012, o aumento do rácio core Tier 1 de 9% para 10%, o que implicou novas necessidades de capital. 44

45 Os requisitos impostos e eventos extraordinários ocorridos recentemente afectaram gravemente os níveis de capital dos 4 maiores grupos bancários portugueses. Dezembro 2010 Dezembro 2011 Junho 2012 Dezembro 2012 Capital core Tier 1 EUR M Haircut 50%-60% dívida Grécia EUR 800 M Aumento de capital para cumprir o rácio core Tier 1 9% (PAEF) EUR M Transferência parcial dos fundos de pensões EUR 929 M Imparidades adicionais carteira de crédito (SIP) EUR 318 M Buffer exposição dívida soberana (EBA) EUR M Aumento de capital CT1 EUR M BdP EUR BdP EUR M M Buffer EBA EUR EBA EUR M M Aumento de capital CT1 EUR 500 M BdP EUR BdP EUR M M Buffer EBA EUR EBA EUR M M RWAs EUR M Novas regras de cálculo dos RWAs (CRD 3) EUR -133 M EUR M Aumento dos requisitos risco de crédito (SIP) EUR 185 M EUR M EUR M 7,5 % 9,0 % * O rácio core Tier 1 calculado de acordo com a definição da EBA e deduzido do buffer era de 9,6% e 9,2% em Junho e Dezembro de 2012, respectivamente. Fonte: APB, EBA 9,8 %* 10,1 %* 11,5 % 11,7 % 45

46 Os bancos portugueses conseguiram cumprir todos os requisitos de capital que lhe foram impostos e desta forma fortalecer as suas posições de solvabilidade. Rácio core Tier 1 dos grupos bancários portugueses (em ) 18% 16% 14% BdP EBA (deduzido do buffer para exposição a dívida soberana) Rácio core Tier 1 mínimo exigido (9%) 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Banco BPI BCP CGD ESFG TOTAL Fonte: APB, EBA 46

47 OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS V. Regimes de Recapitalização Pública e de Concessão de Garantias Pessoais pelo Estado a favor das Instituições de Crédito

48 Cronologia dos regimes de recapitalização pública e de concessão de garantias pessoais pelo Estado a favor das instituições de crédito Out Mai Regime de Garantias Fev Mar Jul Jan Jun Programa de Assistência Económica e Financeira Dez Mai. / Jun Dez Regime aprovado até Dez M Orçamento alterado M Prorrogação até Jun 2010 Orçamento alterado M Prorrogação até Dez 2010 Prorrogação até Jun 2011 Prorrogação até Dez 2011 Orçamento alterado M Prorrogação até Jun 2012 Prorrogação até Dez 2012 Prorrogação até Jun 2013 Regime de Recapitalização Regime aprovado até Nov M Prorrogação até Jun 2010 Orçamento alterado M* Prorrogação até Dez 2010 Prorrogação até Jun 2011 Prorrogação 31 Dez 2011 Orçamento alterado M Prorrogação até Dez 2012 Prorrogação até Dez 2013 Lei nº 60-A/2008 Lei nº 63-A/2008 Lei nº 3-B/2010 Fonte: APB, Comissão Europeia DGCOMP, Direcção Geral do Tesouro e Finanças Lei nº 48/2011 Lei nº 4/2012 * A utilização de ambos os regimes não pode exceder EUR M. 48

49 Os bancos portugueses ultrapassaram a crise financeira sem apoio estatal em termos de recapitalização Regimes de apoio estatal utilizados até fim de Junho de 2011 Até fim de Junho de 2011: EUR 3 mil milhões Não foi utilizado* 6 bancos (incluindo a CGD) tinham utilizado o regime de garantias; Σ= EUR 4,95 mil milhões > EUR M 3 operações em operações no valor de EUR 75 M tinham sido amortizadas (uma em 2009 e outra em 2010); EUR 9,15 mil milhões < EUR M > EUR 100 M < EUR 100 M 2 operações em operação em 2008, 2 operações em 2009 O montante de garantias em vigor totalizava EUR M, correspondente a 53% do orçamento existente. * Não foi utilizado por bancos privados. Em Dezembro de 2010, a CGD aumentou o seu capital em EUR 550 M, dos quais EUR 56 M procederam do orçamento do regime de recapitalização. Fonte: APB, Comissão Europeia DGCOMP, Direcção Geral do Tesouro e Finanças 49

50 entretanto, a crise da dívida pública levou ao aumento da utilização de garantias concedidas pelo Estado. Regimes de apoio estatal utilizados desde Julho de 2011 EUR 12 mil milhões EUR 35 mil milhões Σ= EUR 5,6 mil milhões Σ= EUR 16,5 mil milhões 3 novas operações* > EUR M 10 novas operações < EUR M > EUR 100 M * Não inclui a recapitalização da CGD, em Junho de 2012, no valor de EUR 1.65 milhões. Fonte: APB, Comissão Europeia DGCOMP, Direcção Geral do Tesouro e Finanças 3 novas operações < EUR 100 M 3 novas operações Desde Julho de 2011: 6 bancos usaram o regime de garantias em novas operações de financiamento; As novas operações ascenderam a EUR M, o correspondente a 47,2% do orçamento respectivo. No final de Agosto de 2013, os bancos que recorreram ao regime de recapitalização já tinham reembolsado EUR 730 M. O montante utilizado à data era de EUR 4,87 mil milhões. 50

51 Custo suportado pelas instituições de crédito com comissões de garantia Custo total associado às garantias concedidas em cada ano (Milhões EUR) , Total 17,9 0,0 186,2 485,3 807,4 Para o crescimento do custo das comissões contribuiu não só o maior volume de garantias concedidas em 2011, como também o efeito preço proveniente do aumento da taxa média de comissão de garantia sobre as novas operações, em 39 pontos base aproximadamente. Fonte: APB, Direcção Geral do Tesouro e Finanças 51

52 Comissões de garantia pagas e a pagar pelas instituições de crédito Comissões pagas e a pagar anualmente* (Milhões EUR) ,0 11, ,3 56, ,6 Montante acumulado pago até , , ,1 199,2 = EUR 807,4 Milhões , * Estimativas. Fonte: APB, Direcção Geral do Tesouro e Finanças 5,7 52

53 OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS SECTOR BANCÁRIO PORTUGUÊS (I/II) Principais Indicadores a Março de 2015 69 Instituições de crédito EUR 465,2 mil milhões em activos Rácio de Transformação (Dez 14):

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA ÍNDICE I. Evolução da banca na última década II. Efeitos da crise financeira 2008-2010 III. Situação actual IV. Financiamento à economia V. Principais desafios

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010 Exercício de stress test na União Europeia Principais resultados para os bancos portugueses 23 Julho 2010 Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado I. As raízes

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio O QUE SÃO E PORQUE SURGEM NOS BALANÇOS DOS BANCOS? Os impostos diferidos têm origem, fundamentalmente, nas diferenças existentes entre o resultado contabilístico e o resultado apurado de acordo com as

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira EXEMPLO Tendo em conta as operações realizadas pela empresa CACILHAS, LDA., pretende-se a elaboração da Demonstração de fluxos de caixa, admitindo que o saldo de caixa e seus equivalentes, no início de

Leia mais

A gestão dos ativos imobiliários da banca na sequência da crise. Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações

A gestão dos ativos imobiliários da banca na sequência da crise. Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações www.pwc.com/pt A gestão dos ativos imobiliários da banca na sequência da crise Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações 27 fevereiro 2013 Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações

Leia mais

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011 A EUROPA FINANCEIRA Lisboa, 30 Novembro 2011 As economias avançadas confrontam-se com o esgotamento do modelo de crescimento baseado num endividamento e com efeitos sofríveis no potencial de crescimento

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE A crise financeira: causas, respostas e os planos de assistência financeira Índice 1. Da crise

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Portugal Área Euro (1) EUA 7.0 7.3 3.9 5.2 5.8 4.4 2.6 1.5 1.2 7.1 12.0 4.9 5.8 5.5 4.9 6.5 4.8 5.6. Portugal. em percentagem -10 -15.

Portugal Área Euro (1) EUA 7.0 7.3 3.9 5.2 5.8 4.4 2.6 1.5 1.2 7.1 12.0 4.9 5.8 5.5 4.9 6.5 4.8 5.6. Portugal. em percentagem -10 -15. Dezembro A. Contas nacionais Fonte: Banco de, Instituto Nacional de Estatística, Banco Central Europeu, Eurostat e Bureau of Economic Analysis Área Euro () EUA ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO SOBRE A CONCESSÃO DE GARANTIAS PESSOAIS PELO ESTADO PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS O presente Relatório é elaborado nos termos

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Fernando Faria de Oliveira VIII Conferência Anual de Economistas de Moçambique Novembro 2012 Índice Desenvolvimento Económico de Moçambique:

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

Indicadores Económico Financeiros da Empresa e do Sector Ana Margarida de Almeida

Indicadores Económico Financeiros da Empresa e do Sector Ana Margarida de Almeida Indicadores Económico Financeiros da Empresa e do Sector Ana Margarida de Almeida TÓPICOS 1. Central de Balanços 2. Quadros da Empresa e do Sector 3. Estatísticas da Central de Balanços 4. Bases de dados

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

A evolução do Mercado Imobiliário português

A evolução do Mercado Imobiliário português A evolução do Mercado Imobiliário português Introdução Neste artigo será feita uma leitura da evolução do mercado imobiliário português desde 2008, altura em que ocorreu a crise da dívida subprime, período

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2014 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 28 de Fevereiro de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Financiamento, Investimento e Competitividade

Financiamento, Investimento e Competitividade Financiamento, Investimento e Competitividade João Leão Departamento de Economia ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa Conferência Fundação Gulbenkian "Afirmar o Futuro Políticas Públicas para Portugal

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Grupo Caixa Económica Montepio Geral APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Atividade Consolidada (Informação financeira não auditada) 12 de maio 2015 CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL A CEMG NO PERÍODO

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que BLOCO 10 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Balanço e Conta de Exploração PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Os Balanços sucessivos dos anos n-2, n-1 e n referem-se a outra exploração agrícola

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL Índice: 1. Introdução 3 2. Evolução das finanças públicas em Portugal 7 3. Perspectivas macroeconómicas para 2005 19 3.1 Comparação com o cenário

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português. Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014

A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português. Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014 A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português Carlos da Silva Costa Governador São Paulo, 28 abril 2014 A criação da União Bancária Europeia e o sistema bancário português Estrutura

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

Manual de Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 13/2009. ASSUNTO: Informações periódicas de liquidez

Manual de Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 13/2009. ASSUNTO: Informações periódicas de liquidez Manual de Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 13/2009 ASSUNTO: Informações periódicas de liquidez Considerando que o Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras prevê, no

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo)

Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo) Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo) Objetivo - Financiar o reforço do fundo de maneio ou dos capitais permanentes e investimento novo em ativos fixos corpóreos ou incorpóreos; - Até

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

A Situação Financeira Portuguesa 1986-2009. 1986-2010: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 2010

A Situação Financeira Portuguesa 1986-2009. 1986-2010: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 2010 A Situação Financeira Portuguesa 1986-29 1986-21: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 21 Estrutura de Balanço Como evoluiu em Portugal PORTUGAL (1986) APLICAÇÃO

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Seminário BPI-Primavera

Seminário BPI-Primavera Seminário BPI-Primavera Relevância da qualidade da informação na gestão 12 de Março de 2013 ÍNDICE 1. Empresas vs. Informação 2. Como BPI acompanha o risco das Empresas 3. Consequências 2 EMPRESAS VS.

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 900 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais