ANÁLISE COMPARATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ENTRE AS ÁREAS DE PASTAGEM E FLORESTA NA AMAZÔNIA CENTRAL RESUMO ABSTRACT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ENTRE AS ÁREAS DE PASTAGEM E FLORESTA NA AMAZÔNIA CENTRAL RESUMO ABSTRACT"

Transcrição

1 ANÁLISE COMPARATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ENTRE AS ÁREAS DE PASTAGEM E FLORESTA NA AMAZÔNIA CENTRAL João Roberto P.Feitosa 1, Mário de Miranda V.B.R.Leitão 2 RESUMO No presente trabalho são efetuados estudos que visam realizar uma análise comparativa da evapotranspiração potencial( ETp ) através dos métodos de Penman e Priestley-Taylor, entre áreas de pastagem e floresta, durante as estações seca e chuvosa, a fim de identificar qual o método que melhor se ajusta as condições reinantes na Amazônia central. As medidas que deram suporte a este trabalho foram obtidas durante as campanhas experimentais do projeto ANGLO-BRAZILIAN AMAZONIAN CLIMATE OBSERVATION STUDY (ABRACOS). Os experimentos de campo foram realizados na área de floresta na Reserva Ducke ( 2 19 S ; 59 57W ) e na área de pastagem Fazenda Dimona ( 2 19 S ; W ), durante o meses de outubro de 1990 (seca) e Julho (chuvosa). O valor médio diário da ETp estimado pelo método de Penman (PM) na estação seca foi de 3,90 mm na pastagem e 4,88 mm na floresta, enquanto que pelo método de PRIESTLEY-TAYLOR foi de 4,13 mm na pastagem e 4,98 mm na floresta, já no período chuvoso a ETp pelo método de PENMAN foi de 4,27 mm na pastagem, enquanto que na floresta o valor chegou a 5,39 mm, para o método de PRIESTLEY-TAYLOR os valores foram de 4,37 mm na pastagem e 5,59 mm na floresta. ABSTRACT Penman e Priestley-Taylor method is used to evaluate potencial evapotranspiration at both the sites, and this values are compared with yhose obtained by the Bowen ratio equations. The data used in the study was obteined from the filed experiments of the Anglo-Brazilian Amazonian Climate Observation (ABRACOS). The experiments were conducted at reserva Ducke forest (2 19 S ; W), and Fazenda Dimona pasture (2 19 S; W) during the years 1990 and Mean values of the Penman during dry season showed values of the 3,90mm in the pature and 4,88mm in the forest, while that Priestley-Taylor method were 4,13mm in the pasture and 4,98mm in the forest. In the wet season, penman method was 4,27mm in the pasture, and 5,39mm in forest. The Priestley-Taylor the values were 4,37mm in pasture and 5,59 mm in forest INTRODUÇÃO Estudos efetuados tem mostrado que os parâmetros meteorológicos que formam o clima são os mais importantes no estabelecimento das perdas hídricas por evapotranspiração em superfícies vegetadas. Os primeiros trabalhos realizados utilizando um método que considera fatores como o saldo de energia e transporte turbulento de vapor d água à superfície evaporante, foram desenvolvidos por PENMAN (1948), posteriormente seguidos por pesquisadores que desenvolveram outros

2 métodos de estimativas, como MONTEITH (1965), PRIESTLEY-TAYLOR (1972), entre outros. Os estudos de VILLA NOVA et al.,(1976) na Amazônia central, mostraram que aproximadamente 75% da energia disponível à superfície é utilizada no processo de evapotranspiração. Esse trabalho utilizou o balanço de energia para calcular o balanço hídrico na bacia Amazônica e adaptou o método de Penman para estimar a evapotranspiração potencial. Os resultados indicaram que 90% da evapotranspiração potencial é resultado da contribuição do termo energético, enquanto que apenas 10% é devido ao termo aerodinâmico. Como o balanço de energia é responsável por cerca de 90% da evapotranspiração potencial VILLA NOVA et al., (1976) afirmaram que qualquer modificação nas características da cobertura do solo, implicará não somente em alterações nas variavéis do balanço de energia, como também na dinâmica do escoamento, afetando diretamente o processo evaporativo. O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise comparativa da evapotranspiração potencial através dos métodos de PENMAN e PRIESTLEY-TAYLOR, entre as áreas de floresta e pastagem nas estações seca e chuvosa, com a finalidade de identificar que método melhor se ajusta as condições climáticas da Amazônia central MATERIAIS E MÉTODOS 2.1 MATERIAIS O conjunto de dados foi obtido do Projeto ABRACOS (Anglo Brazilian Amazonian Climate Observacional Study ), coletados em áreas de pastagem e floresta na Amazônia, durante as campanhas experimentais realizados de outubro a novembro (1990) e de junho a setembro(1991). O local escolhido para as medições na pastagem foi a Fazenda Dimona, distante 100 Km ao norte de Manaus (2 19 S ; W), com altitude de 120m. Os instrumentos meteorológicos utilizados na Fazenda Dimona foram: anemômetros montados em seis níveis (0,5;0,9;1,58;2,88;5,05 e 9m), termo sensores com precisão de 0,1 C. Os dados de radiação solar global e radiação refletida foram medidos com piranômetros do tipo Eppley, já o saldo de radiação foram medidos com saldo radiômetro. Os fluxos de calor sensível e de calor latente foram medidos pelo Hydra-Mark2, que é um sistema de medição que utiliza a técnica de correlação de vórtices (SHUTTLEWORTH et al., 1988). Na área de floresta foram efetuadas medições na Reserva Florestal Ducke (2 57 S ; W; 84m), situada 26 Km ao norte de Manaus-AM. Na floresta os dados foram coletados por uma estação automática, instalada numa torre metálica com 45m de altura, com instrumentação similar a descrita na área de pastagem 2.2 MÉTODOS Método de Penman Esse método se baseia na combinação do balanço de energia com os efeitos aerodinâmicos. PENMAN (1948) propôs a seguinte equação para estimar a evapotranspiração potencial ETp = RnG Ea (2.1)

3 sendo E a o poder evaporante da superfície, expresso por: E 1+ 0,54U e e a 0,26 2 s a (mm/h) (2.2) onde: U é a velocidade média do vento estimada à 2m acima da superfície da pastagem e da copa das árvores na floresta em m/s, e s e e a são as pressões de saturação e parcial do vapor dados em (mb), é o coeficiente angular da curva que relaciona pressão de saturação do vapor d'água e a temperatura do ar expressa em (mb/ C). O coeficiente é o parâmetro psicrométrico estimado segundo a equação MÉTODO DE PRIESTLEY-TAYLOR = Pcp/0,662L (mb/ C) (2.3) Priestley-Taylor (1972) mostraram que para superfícies líquidas e solos vegetados sem restrição hídrica, na ausência de advecção de calor sensível, a evapotranspiração potencial pode ser obtida pela seguinte expressão: ETp = Rn G + (2.4) A equação acima constitui-se num modelo semi-empírico correspondente à equação de PENMAN, na qual o termo aerodinâmico Ea é substituido por. O parâmetro foi calculado por VISWANADHAM et al.,(1991) para a floresta Amazônica, quando obtiveram um valor da ordem de = 1,16 0,56. Esse valor foi obtido fazendo-se a média aritmética horária, para um período de três dias. 3.0-RESULTADOS Observa-se primeiramente que os menores valores médios diários de ETp, estimado pelo dois métodos, foram obtidos durante a estação seca nas duas áreas em estudo. A tendência de variação da ETp apresenta semelhança nas duas áreas, cujos coeficientes de determinação (R 2 ) foram de 0,95 para área de pastagem e 0,97 para área de floresta. Na estação chuvosa percebe-se uma maior variação entre as duas áreas, com coeficientes de determinação de 0,958 na pastagem e 0,983 na floresta. O total médio diário (Figura 3.1) da ETp estimado pelo método de PENMAN (PM) na estação seca foi de 3,90mm na pastagem e 4,88mm na floresta, enquanto que pelo método de PRIESTLEY-TAYLOR foi de 4,13mm na pastagem e 4,98mm na floresta. O valor médio de 3,90mm é ligeiramente menor que o valor encontrado por WRIGHT et al.,(1992) para a mesma área de pastagem. Na estação chuvosa, o valor médio diário da ETp estimado pelo método de Penman foi de 4,27mm na pastagem e 5,39mm na floresta, enquanto que pelo método de PRIESTLEY-TAYLOR foi de 4,37mm na pastagem e 5,59mm na floresta. O método de PRIESTLEY-TAYLOR para área de pastagem foi o que apresentou menor desvio relativo, ou seja, 5,5%, ao passo que este mesmo método para floresta apresentou desvio de 10,2%, o que representa quase o dobro do verificado na pastagem. Por outro lado, o desvio observado pelo método de PENMAN para pastagem e para floresta, não apresenta uma variação tão acentuada como o método de Priestley-Taylor. Nas figuras 3.1 e 3.2, é mostrado o comportamento diário de ETp, pelos métodos de PENMAN e PRIESTYLOR-TAYLOR para um período de 20 dias, durante as estações seca e chuvosa.

4 4.0 CONCLUSÃO Após analisar os resultados obtidos para as áreas de pastagem e floresta na Amazônia central, durante as estações seca e chuvosa, as seguintes conclusões referentes a evapotranspiração potencial são apresentadas: -A evapotranspiração potencial média diária estimada pelo método de PENMAN durante a estação seca, na área de pastagem, foi de 3,9mm/dia e de 4,9mm/dia para área de floresta, enquanto que pelo método de PRIESTLEY-TAYLOR foi de 4,1mm/dia na pastagem e 4,9mm/dia na floresta -Durante a estação chuvosa a ETp média estimada pelo método de PENMAN foi de 4,3mm/dia na pastagem e de 5,3mm/dia na floresta, já pelo método de PRIESTLEY-TAYLOR a ETp foi de 4,4mm/dia na pastagem e de 5,6mm/dia na floresta. Esses valores concordam com os valores encontrados por RIBEIRO (1993). - A quantidade elevada de precipitação na Amazônia, associado ao elevado grau de umidade do solo, proporciona que estimativas de ETP sejam próximas dos valores obtidos para superfícies saturadas, ou seja, observou-se que a ETp pelo método de Penman proporcionou boa estimativa de ETp, após a ocorrência de precipitação. 5.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MONTEITH,J.L. Evaporation and environment. The state and moviment of water in living organisms. Soc.Exp.Biol. New York, p , PENMAN,H.L. Natural Evaporation from open water, bare soil and grass. Proceedings Royal Society, 193: , PRIESTLEY,C.H.B. and TAYLOR,R.J. On the assessment of surface heat flux and evaporation using large-scale parameters. Monthly Weather Review, 106:81-92, RIBEIRO,J.B.M. Análise Comparativa das Características Microclimáticas entre áreas de floresta e de pastagem na Amazônia (Tese de Mestrado). Universidade Federal de Viçosa, (1993). SHUTTLEWORTH,W.J.; GASH,J.H.C.; LlOYD,C.R.; McNEIL,D.D.; MOORE,C.J.; WALLACE,J.S. An integrated micrometeorological system for evaporation measurements. Agricultural and Forest Meteorology, 43(3-4): , Sept VILLA NOVA,N.A. Estudo Sobre o Balanço de Energia em Culturas de Arroz.(Tese de Livre Docência). ESALQ-USP. Piracicaba, 1973, 78p. VILLA NOVA,N.A.; SALATI,E.; MATSUI,E. Estimativa de evapotranspiração na bacia Amazônica. Acta Amazônica, 6(12): , VISWANADHAM,Y; SILVA FILHO,V.P.; ANDRÉ,R.G.B. The Priestley-Taylor parameter for the Amazon forest. Forest Ecology and Management. 38: , WRIGHT,I.R.;GASH,J.H.C.;ROCHA,H.R.;SHUTTLEWORTH,W.J.;NOBRE,C.A.; MAITELLI,G.T.;ZAMPORONI,C.A.G.P.;CARVALHO,P.R.A. Dry season micrometeorology. Journal of Royal Meteorological Society. 118(508): , Oct., 1992.

5 Fig.3.1- Estimativa da ETp pelos métodos de Penman e Priestley-Taylor para as áreas de pastagem e floresta, durante a estação seca:(a) método de PM; (b)método de PTL Fig.3.2-Estimativa da ETp pelos métodos de Penman e Priestley-Taylor para as áreas de pastagem e floresta, durante a estação chuvosa: (a) método de PM ; (b) método de PTL.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS MÉTODOS DE EVAPOTRANSPIRAÇAO DE REFERÊNCIA (ET0) PARA A REGIÃO AGRESTE DE ALAGOAS

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS MÉTODOS DE EVAPOTRANSPIRAÇAO DE REFERÊNCIA (ET0) PARA A REGIÃO AGRESTE DE ALAGOAS ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS MÉTODOS DE EVAPOTRANSPIRAÇAO DE REFERÊNCIA (ET0) PARA A REGIÃO AGRESTE DE ALAGOAS A. P. C. da SILVA 1 ; J. C. da SILVA 2 ; R. dos SANTOS 2 ; M. A. A. dos SANTOS 2 ;D. P.

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM BELÉM PA: ESTIMATIVA POR MÉTODOS SIMPLIFICADOS

EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM BELÉM PA: ESTIMATIVA POR MÉTODOS SIMPLIFICADOS EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM BELÉM PA: ESTIMATIVA POR MÉTODOS SIMPLIFICADOS Maria do Socorro da Silva Rocha (1); José Gomes Chaves; Sílvia de Nazaré Monteiro dos Santos; Olívio Bahia do Sacramento Neto; Márcia

Leia mais

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES O objetivo deste trabalho consistiu em analisar o balanço de radiação na área de policultivo do Projeto SHIFT na Amazônia, durante a estação seca, comparando-o com área

Leia mais

Universitário s/nº, Alegre-ES, CEP: , Caixa Postal 16,

Universitário s/nº, Alegre-ES, CEP: , Caixa Postal 16, PRIESTLEY-TAYLOR: ESTIMATIVA DA ET E COMPARAÇÃO COM O MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH FAO 5 Glaucio L. Araujo 1, Leonardo C. Lacerda, Camila Aparecida da S. Martins 3, Rogério R. Rodrigues 1, Maria M. Cazotti

Leia mais

5. Evaporação e Transpiração

5. Evaporação e Transpiração Transpiração 5.1. Definição Na fase terrestre do ciclo hidrológico, a evaporação e a transpiração são os processos físicos responsáveis pelas perdas de água da superfície para a atmosfera. Aos processos

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Evaporação e evapotranspiração. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Evaporação e evapotranspiração. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Evaporação e evapotranspiração Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir os conceitos básicos da evaporação e evapotranspiração

Leia mais

6-1. Capitulo 6- Método de Priestley-Taylor para evapotranspiração de referência ETo

6-1. Capitulo 6- Método de Priestley-Taylor para evapotranspiração de referência ETo de referência ETo 6.1 Introdução O Método de Priestley-Taylor é uma simplificação das equações de Penman e de Penman-Monteith. Apresenta a vantagem de se exigir menos dados. Este método é também citado

Leia mais

Agroclimatologia : Prof.Dr. José Alves Júnior EVAPOTRANSPIRAÇÃO

Agroclimatologia : Prof.Dr. José Alves Júnior EVAPOTRANSPIRAÇÃO Agroclimatologia : Prof.Dr. José Alves Júnior EVAPOTRANSPIRAÇÃO Como é praticamente impossível se distinguir o vapor d água proveniente da evaporação da água no solo e da transpiração das plantas, a evapotranspiração

Leia mais

Comparação interanual dos fluxos de energia em floresta primária na Amazônia Central: a seca de 2005

Comparação interanual dos fluxos de energia em floresta primária na Amazônia Central: a seca de 2005 Comparação interanual dos fluxos de energia em floresta primária na Amazônia Central: a seca de 25 Maria Betânia Leal de Oliveira, Alexandre Santos, Antônio Ocimar Manzi, Javier Tomasella, José Galúcio

Leia mais

COMPARAÇÃO DA MEDIÇÃO DE RADIAÇÃO DE ONDA LONGA ATMOSFÉRICA COM MÉTODOS DE ESTIMATIVAS EM ÁREA DE PASTAGEM NO ESTADO DE RONDÔNIA.

COMPARAÇÃO DA MEDIÇÃO DE RADIAÇÃO DE ONDA LONGA ATMOSFÉRICA COM MÉTODOS DE ESTIMATIVAS EM ÁREA DE PASTAGEM NO ESTADO DE RONDÔNIA. COMPARAÇÃO DA MEDIÇÃO DE RADIAÇÃO DE ONDA LONGA ATMOSFÉRICA COM MÉTODOS DE ESTIMATIVAS EM ÁREA DE PASTAGEM NO ESTADO DE RONDÔNIA. HENRIQUE F. B. REPINALDO 1, DARLAN M. SCHMIDT 2, CINTIA R. DA ROCHA 2 1

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA ESTIMATIVA DIÁRIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA A REGIÃO CAFEEIRA DE AREADO MG

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA ESTIMATIVA DIÁRIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA A REGIÃO CAFEEIRA DE AREADO MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMIAS 04 e 05 de novembro de 014, Pouso Alegre/MG AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA ESTIMATIVA DIÁRIA DA EVAPOTRASPIRAÇÃO DE REFERÊCIA

Leia mais

COMPARISON OF REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE METHODS (ETO) THE MUNICIPALITY OF ARACAJU- SE

COMPARISON OF REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE METHODS (ETO) THE MUNICIPALITY OF ARACAJU- SE COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ET0) PARA O MUNICÍPIO DE ARACAJU- SE A. N. de OLIVEIRA 1, A. P. C. da SILVA 2, C.B da SILVA 2, J. C. da SILVA 2, D. P. dos SANTOS

Leia mais

REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE (ETo) THE METHOD OF PENMAN-MONTHEITH FOR DIFFERENT ALAGOAS STATE MUNICIPALITIES

REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE (ETo) THE METHOD OF PENMAN-MONTHEITH FOR DIFFERENT ALAGOAS STATE MUNICIPALITIES ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTHEITH PARA DIFERENTES MUNICÍPIOS DO ESTADO DE ALAGOAS J. C. SILVA 1 ; T. F. CIRILO ; L. A. SANTOS; D. F. LIMA; D. P. dos SANTOS

Leia mais

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ Francisco Solon Dantas Neto (1); Tarcísio Da Silveira Barra (1) Eng.º Agrº, Pós-graduação em Agrometeorologia, DEA/UFV, CEP:

Leia mais

EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO. Prof. Dr. Doalcey Antunes Ramos

EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO. Prof. Dr. Doalcey Antunes Ramos Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil HIDROLOGIA APLICADA Capítulo 4 : Hidrometeorologia (parte 5) EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO Prof.

Leia mais

REDUÇÃO DE EVAPORAÇÃO EM RESERVATÓRIOS ARTIFICIAIS

REDUÇÃO DE EVAPORAÇÃO EM RESERVATÓRIOS ARTIFICIAIS REDUÇÃO DE EVAPORAÇÃO EM RESERVATÓRIOS ARTIFICIAIS Msc. Fábio Adriano Monteiro Saraiva, Rua Gilson Bezerra de Sousa, 370, Bairro Malvinas, Campina Grande Paraíba Brasil, CEP: 58108-428, Dr. Francisco de

Leia mais

MEDIDAS E ESTIMATIVAS HORÁRIAS DE EVAPOTRANSPIRAÇÃO NUMA CULTURA DE AMENDOIM

MEDIDAS E ESTIMATIVAS HORÁRIAS DE EVAPOTRANSPIRAÇÃO NUMA CULTURA DE AMENDOIM MEDIDAS E ESTIMATIVAS HORÁRIAS DE EVAPOTRANSPIRAÇÃO NUMA CULTURA DE AMENDOIM Gertrudes Macario de OLIVEIRA Mário de Miranda Vilas Boas Ramos LEITÃO 2 Mestranda em Meteorologia - CCT/UFPB, bolsista da CAPES.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PID0007 AGROMETEOROLOGIA [ ] Obrigatória [ X ] Optativa PROFESSOR(ES): José Espínola Sobrinho CARGA HORÁRIA SEMANAL TEÓRICA

Leia mais

Disciplina INSTRUMENTOS METEOROLÓGICOS E MÉTODOS DE OBSERVAÇÃO

Disciplina INSTRUMENTOS METEOROLÓGICOS E MÉTODOS DE OBSERVAÇÃO AULA 5 Disciplina INSTRUMENTOS METEOROLÓGICOS E MÉTODOS DE OBSERVAÇÃO ACA 221 Graduação Departamento de Ciências Atmosféricas / Iag / USP Responsável: Prof. Humberto Ribeiro da Rocha Material apresentado

Leia mais

SAZONALIDADE TERMOHIGROMÉTRICA EM CIDADES DE DIFERENTES DIMENSÕES NO ESTADO DO PARÁ

SAZONALIDADE TERMOHIGROMÉTRICA EM CIDADES DE DIFERENTES DIMENSÕES NO ESTADO DO PARÁ SAZONALIDADE TERMOHIGROMÉTRICA EM CIDADES DE DIFERENTES DIMENSÕES NO ESTADO DO PARÁ Antonio Carlos Lôla da Costa (1); Paulo Wilson Uchôa (2). João de Athayde Silva Júnior (3); José Raimundo Abreu(4); 1-Universidade

Leia mais

Palavras-Chave evapotranspiração potencial, evaporação potencial, Thornthwaite, reanálise.

Palavras-Chave evapotranspiração potencial, evaporação potencial, Thornthwaite, reanálise. CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DO METODO DE THORNTHWAITE E COMPARAÇÃO COM DADOS DE REANÁLISE DE EVAPORAÇÃO POTENCIAL DO NCEP PARA A CIDADE DE PELOTAS-RS Diego Simões Fernandes 1, Paulo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia FLUXOS DE ENERGIA EM ÁREA AGRÍCOLA E DE FLORESTA NA AMAZÔNIA ORIENTAL Adriano Ferreira Silva; Regimary Luana Pereira;

Leia mais

NOÇÕES DE HIDROLOGIA

NOÇÕES DE HIDROLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NOÇÕES DE HIDROLOGIA Antenor de Oliveira Aguiar Netto ARACAJU - MARÇO 2011 Se não gerenciar a água, não vai conseguir governar o país. (Provérbio chinês) CICLO HIDROLÓGICO

Leia mais

TENDÊNCIAS CLIMÁTICAS NO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO PETROLINA-PE/JUAZEIRO-BA. ANTÔNIO H. de C. TEIXEIRA 1

TENDÊNCIAS CLIMÁTICAS NO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO PETROLINA-PE/JUAZEIRO-BA. ANTÔNIO H. de C. TEIXEIRA 1 TENDÊNCIAS CLIMÁTICAS NO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO PETROLINA-PE/JUAZEIRO-BA ANTÔNIO H. de C. TEIXEIRA 1 1 Eng. Agrônomo, Pesq. III, Depto. de Agrometeorologia, Embrapa Semiárido, Petrolina/PE, Fone: (0

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NA REGIÃO DE CANINDÉ DO SÃO FRANCISCO - SE

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NA REGIÃO DE CANINDÉ DO SÃO FRANCISCO - SE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NA REGIÃO DE CANINDÉ DO SÃO FRANCISCO - SE W. R. M. BATISTA 1 ; A. A. G. da SILVA ; G. G FACCIOLI 3 ; N. O. de O. GOMES 4 R. B. de SANTANA 5 RESUMO - O presente

Leia mais

Phenotyping Network (DPN) Project Embrapa Milho e Sorgo.

Phenotyping Network (DPN) Project Embrapa Milho e Sorgo. Caracterização Climática e Determinação da Necessidade Hídrica de Culturas do Sítio- Específico de Precisão de Sete Lagoas para a Fenotipagem de Genótipos de Cereais Tolerantes à Seca 1 Reinaldo L. Gomide

Leia mais

Estudos climatológicos da

Estudos climatológicos da Estudos climatológicos da Reserva Florestal Ducke, Manaus, AM. 111. Evapotranspiração(*) Maria de Nazaré Góes Ribeiro(!) Nilson Augusto Villa Nova(2) Resumo Neste trabalho, são utilizados os dados referentes

Leia mais

MARIA DAS GRAÇAS PIRES PEREIRA BALANÇO DE RADIAÇÃO E DE ENERGIA EM UM ECOSSISTEMA DE FLORESTA TROPICAL NA AMAZÔNIA CENTRAL

MARIA DAS GRAÇAS PIRES PEREIRA BALANÇO DE RADIAÇÃO E DE ENERGIA EM UM ECOSSISTEMA DE FLORESTA TROPICAL NA AMAZÔNIA CENTRAL MARIA DAS GRAÇAS PIRES PEREIRA BALANÇO DE RADIAÇÃO E DE ENERGIA EM UM ECOSSISTEMA DE FLORESTA TROPICAL NA AMAZÔNIA CENTRAL Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do

Leia mais

MÉTODO DE ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO LÍQUIDA EM SUPERFÍCIE GRAMADA NA DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL

MÉTODO DE ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO LÍQUIDA EM SUPERFÍCIE GRAMADA NA DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL MÉTODO DE ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO LÍQUIDA EM SUPERFÍCIE GRAMADA NA DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ADRIANE T. ALFARO ( ), NILSON A. VILLA NOVA ( ), ANDRÉ B. PEREIRA ( ), GUSTAVO C. BERUSKI (

Leia mais

ANÁLISE AGROMETEOROLÓGICA DA SAFRA DE SOJA 1998/99, EM PASSO FUNDO, RS

ANÁLISE AGROMETEOROLÓGICA DA SAFRA DE SOJA 1998/99, EM PASSO FUNDO, RS Resultados de Soja da Embrapa Trigo 9 ANÁLISE AGROMETEOROLÓGICA DA SAFRA DE SOJA 1998/99, EM PASSO FUNDO, RS Gilberto R. Cunha1 Introdução As variáveis meteorológicas exercem notável influência sobre a

Leia mais

DESEMPENHO COMPARATIVO DE MODELOS DE ESTIMATIVA DA ETo MENSAL PARA A CIDADE DE JUAZEIRO DE NORTE-CE

DESEMPENHO COMPARATIVO DE MODELOS DE ESTIMATIVA DA ETo MENSAL PARA A CIDADE DE JUAZEIRO DE NORTE-CE DESEMPENHO COMPARATIVO DE MODELOS DE ESTIMATIVA DA ETo MENSAL PARA A CIDADE DE JUAZEIRO DE NORTE-CE M. M. Pereira 1 ; J. L. Fernandes 2 ; J. B. Oliveira 3 ; M. H. Almeida 4 ; A. L. M. Sousa 5 ; A. A. Batista

Leia mais

MÉTODOS DE ESTIMATIVA DIÁRIA DO DÉFICIT DE PRESSÃO DE SATURAÇÃO DO AR NA REGIÃO SEMIÁRIDA DO ESTADO DE PERNAMBUCO

MÉTODOS DE ESTIMATIVA DIÁRIA DO DÉFICIT DE PRESSÃO DE SATURAÇÃO DO AR NA REGIÃO SEMIÁRIDA DO ESTADO DE PERNAMBUCO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DIÁRIA DO DÉFICIT DE PRESSÃO DE SATURAÇÃO DO AR NA REGIÃO SEMIÁRIDA DO ESTADO DE PERNAMBUCO M. T. Silva 1 ; H. A. de Almeida 2 ; D. L. de Araújo 3 ; A. de S. Santos 4 RESUMO: Com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: MICROMETEOROLOGIA CÓDIGO: METR034 CARGA HORÁRIA: 80 horas

Leia mais

Avaliação de modelos de estimativa do saldo de radiação e do método de Priestley-Taylor para a região de Dourados, MS

Avaliação de modelos de estimativa do saldo de radiação e do método de Priestley-Taylor para a região de Dourados, MS Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.13, n., p.9 53, 9 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 13.7 1/1/7 Aprovado em /1/ Avaliação de modelos de estimativa

Leia mais

CIMIS CALIFORNIA IRRIGATION MANAGEMENT INFORMATION SYSTEM

CIMIS CALIFORNIA IRRIGATION MANAGEMENT INFORMATION SYSTEM APOIO AO IRRIGANTE: O MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM O CIMIS CALIFORNIA IRRIGATION MANAGEMENT INFORMATION SYSTEM Discentes: Maria Eliza Falaschi Nucci Patrícia Helena Junqueira Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino

Leia mais

AJUSTE DAS ALTURAS DE ÁGUA DENTRO DO EVAPORATÓRIO DO IRRIGÂMETRO PARA ESTIMAR A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS

AJUSTE DAS ALTURAS DE ÁGUA DENTRO DO EVAPORATÓRIO DO IRRIGÂMETRO PARA ESTIMAR A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS AJUSTE DAS ALTURAS DE ÁGUA DENTRO DO EVAPORATÓRIO DO IRRIGÂMETRO PARA ESTIMAR A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS L. B. Giovanelli 1, R. A. de Oliveira 2, J. da C. O. Filho

Leia mais

The impact of interpolation of meteorological measurements in the quality of IWV-GNSS. values

The impact of interpolation of meteorological measurements in the quality of IWV-GNSS. values The impact of interpolation of meteorological measurements in the quality of IWV-GNSS Mariana Dias Chaves Luiz Fernando Sapucci João F. Galera Monico values Sumário Introdução; Propagação dos erros do

Leia mais

Métodos de Extrapolação de Velocidade do Vento para Regiões Litorâneas do Nordeste Brasileiro

Métodos de Extrapolação de Velocidade do Vento para Regiões Litorâneas do Nordeste Brasileiro Métodos de Extrapolação de Velocidade do Vento para Regiões Litorâneas do Nordeste Brasileiro Henrique do Nascimento Camelo, Paulo Henrique Santiago de Maria, Paulo Cesar Marques de Carvalho 3, Thiago

Leia mais

DEFASAGEM TEMPORAL ENTRE O ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR E A EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM FLORESTA DECÍDUA TROPICAL

DEFASAGEM TEMPORAL ENTRE O ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR E A EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM FLORESTA DECÍDUA TROPICAL DEFASAGEM TEMPORAL ENTRE O ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR E A EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM FLORESTA DECÍDUA TROPICAL PINTO-JÚNIOR, O. B. 1 ; SANCHES, L. 2 ; LOBO, F. A. 3 ; AMORIN, A. B. 4 ; NOGUEIRA, J. S. 5 1 Biólogo,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS FENÔMENOS EL NIÑO E LA NIÑA NO BALANÇO DE ENERGIA DA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR NO ESTADO DE ALAGOAS

INFLUÊNCIA DOS FENÔMENOS EL NIÑO E LA NIÑA NO BALANÇO DE ENERGIA DA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR NO ESTADO DE ALAGOAS INFLUÊNCIA DOS FENÔMENOS EL NIÑO E LA NIÑA NO BALANÇO DE ENERGIA DA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR NO ESTADO DE ALAGOAS GABRIEL B. COSTA 1, IVENS BARBOSA LEÃO 2, MÔNICA RODRIGUES QUEIROZ 3, JOSIANE SARMENTO

Leia mais

PRECIPITAÇÃO PLUVIAL E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DA CANA-DE- AÇÚCAR NA REGIÃO DE RIO LARGO-ALAGOAS

PRECIPITAÇÃO PLUVIAL E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DA CANA-DE- AÇÚCAR NA REGIÃO DE RIO LARGO-ALAGOAS PRECIPITAÇÃO PLUVIAL E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DA CANA-DE- AÇÚCAR NA REGIÃO DE RIO LARGO-ALAGOAS Kleyton Danilo da Silva Costa 1, Klebson Santos Brito 2, Iêdo Teodoro 3, José Dantas Neto 4 1 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Análise da variação da temperatura e precipitação em Belém em anos de El Niño e La Niña.

Análise da variação da temperatura e precipitação em Belém em anos de El Niño e La Niña. Análise da variação da temperatura e precipitação em Belém em anos de El Niño e La Niña. Analysis of the temperature and precipitation s variation in Belém during years of El Niño and La Niña. Luciana

Leia mais

ESTIMATIVA DOS FLUXOS DE CALOR SENSÍVEL E LATENTE NA FLORESTA ATRAVÉS DO MÉTODO DO GRADIENTE

ESTIMATIVA DOS FLUXOS DE CALOR SENSÍVEL E LATENTE NA FLORESTA ATRAVÉS DO MÉTODO DO GRADIENTE ESTIMATIVA DOS FLUXOS DE CALOR SENSÍVEL E LATENTE NA FLORESTA ATRAVÉS DO MÉTODO DO GRADIENTE 1-ABSTRACT Pâmela Lorena Ribeiro Ávila¹ (panloly@hotmail.com) Adriana Alves¹ (adrianaalvesc@hotmail.com) Jose

Leia mais

Caracterização Climática do Sítio-Específico de Janaúba para a Fenotipagem de Cereais Visando Estudos de Tolerância à Seca

Caracterização Climática do Sítio-Específico de Janaúba para a Fenotipagem de Cereais Visando Estudos de Tolerância à Seca Caracterização Climática do Sítio-Específico de Janaúba para a Fenotipagem de Cereais Visando Estudos de Tolerância à Seca Paulo E. P. de Albuquerque 1, Reinaldo L. Gomide 1, Camilo de L. T. de Andrade

Leia mais

4 - Evaporação e Evapotranspiração. Ciclo hidrológico

4 - Evaporação e Evapotranspiração. Ciclo hidrológico 4 - Evaporação e Evapotranspiração Ciclo hidrológico 4.1 - Introdução EVAPORAÇÃO Água Líquida Condições naturais Vapor Força de atração entre as partículas dos corpos Energia cinética média das partículas

Leia mais

Balanço Hídrico Seriado de Petrolina, Pernambuco

Balanço Hídrico Seriado de Petrolina, Pernambuco Balanço Hídrico Seriado de Petrolina, Pernambuco Antônio Heriberto de Castro Teixeira, Bernardo Barbosa da Silva (Professo) Pesquisador, Embrapa Semi-Árido, CP 23 CEP 56300-000 Petrolina-PE, Brazil Fone:

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA DO RIO IGUAÇU

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA DO RIO IGUAÇU VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA DO RIO IGUAÇU Luiz Medeiros de Noronha Pessoa Filho 1 * Alexandre K. Guetter 2 & Heinz Dieter Oskar August Fill 3 Resumo Este artigo apresenta

Leia mais

COEFICIENTE DE CULTIVO DA CULTURA DA CENOURA

COEFICIENTE DE CULTIVO DA CULTURA DA CENOURA COEFICIENTE DE CULTIVO DA CULTURA DA CENOURA R. S. S. Santos 1, J. C. da Silva 2, C. B. da Silva 3, L. F. F. Costa 4, D. P. dos Santos 5, M. A. L. Santos 6. RESUMO: A região agreste do estado de Alagoas

Leia mais

Palavras-chave: evapotranspiração, tanque classe A, Thornthwaite, Penman simplificado, Camargo.

Palavras-chave: evapotranspiração, tanque classe A, Thornthwaite, Penman simplificado, Camargo. Revista UNIMAR 19(4):1113-1124, 1997. ESTIMATIVAS DE EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL PARA A REGIÃO DE MARINGÁ: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS DO TANQUE CLASSE A, THORNTHWAITE, CAMARGO E PENMAN SIMPLIFICADO

Leia mais

EFEITOS DOS ELEMENTOS DO CLIMA SOBRE A EVAPOTRANSPIRAÇÃO ESTIMADA PELO IRRIGÂMETRO NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS

EFEITOS DOS ELEMENTOS DO CLIMA SOBRE A EVAPOTRANSPIRAÇÃO ESTIMADA PELO IRRIGÂMETRO NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS EFEITOS DOS ELEMENTOS DO CLIMA SOBRE A EVAPOTRANSPIRAÇÃO ESTIMADA PELO IRRIGÂMETRO NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS L. B. Giovanelli 1, R. A. de Oliveira 2, J. da C. O. Filho 3, G. C. Sediyama 2, P. R. Cecon

Leia mais

Prof. Felipe Gustavo Pilau

Prof. Felipe Gustavo Pilau UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB0495 Análise Física do Ambiente Prof. Felipe Gustavo Pilau Balanço de Radiação Constituintes

Leia mais

VAPOTRANSPIRAÇÃO DE FLORESTAS DA REGIÃO AMAZÔNICA (1. Ari de Oliveira Marques Filho C) Maria de Nazaré Góes Ribeiro^' Enéas Salati ^ Resumo

VAPOTRANSPIRAÇÃO DE FLORESTAS DA REGIÃO AMAZÔNICA (1. Ari de Oliveira Marques Filho C) Maria de Nazaré Góes Ribeiro^' Enéas Salati ^ Resumo VAPOTRANSPIRAÇÃO DE FLORESTAS DA REGIÃO AMAZÔNICA (1 Ari de Oliveira Marques Filho C) Maria de Nazaré Góes Ribeiro^' Enéas Salati ^ Resumo Neste trabalho foi estimada a evapotranspiração de florestas da

Leia mais

Universitário s/nº, Alegre-ES, CEP: , Caixa Postal 16,

Universitário s/nº, Alegre-ES, CEP: , Caixa Postal 16, FAO- CORRECTED PENMAM: ESTIMATIVA DA ET E COMPARAÇÃO COM O MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH FAO Glaucio L. Araujo, Leonardo C. Lacerda, Camila Aparecida da S. Martins, Rogério R. Rodrigues, Aline A. Nazário,

Leia mais

Modelo de estimativa de fluxo regional aplicado em áreas de floresta e pastagem na Amazônia.

Modelo de estimativa de fluxo regional aplicado em áreas de floresta e pastagem na Amazônia. Modelo de estimativa de fluxo regional aplicado em áreas de floresta e pastagem na Amazônia. Julio Tóta Instituto Nacional de Pesuisas Espaciais, INPE CP 5, 1-97, São José dos Campos, SP, Brasil. Telefone:

Leia mais

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA Priscilla Nascimento Barreto¹; Antonio Carlos Lôla da Costa¹;Selma Maria Castro de Menezes¹;Hildo Jiuseppe Garcia Caldas Nunes¹;Heloisa Márcia dos

Leia mais

PHD Hidrologia Ambiental. Aula 6: Evaporação e Transpiração

PHD Hidrologia Ambiental. Aula 6: Evaporação e Transpiração Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD2308 - Hidrologia Ambiental Aula 6: Evaporação e Transpiração Mario Thadeu Leme de Barros Renato Carlos

Leia mais

ESTUDO DO BALANÇO DE RADIAÇÃO EM ÁREAS DE FLORESTA E PASTAGEM NA AMAZÔNIA

ESTUDO DO BALANÇO DE RADIAÇÃO EM ÁREAS DE FLORESTA E PASTAGEM NA AMAZÔNIA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-7236-TDI/689 ESTUDO DO BALANÇO DE RADIAÇÃO EM ÁREAS DE FLORESTA E PASTAGEM NA AMAZÔNIA José Alexandre da Costa Galvão Dissertação

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA O MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA O MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA O MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE Leonardo Paula de Souza 1, Osimar de Souza Farias 2, José Genivaldo do Vale Moreira 3,

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil EVAPOTRANSPIRAÇÃO. Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil EVAPOTRANSPIRAÇÃO. Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 08 5 semestre - Engenharia Civil EVAPOTRANSPIRAÇÃO Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br CONCEITOS Retorno da água precipitada para a atmosfera, fechando o ciclo hidrológico.

Leia mais

Estimativa da ETo a partir de duas estações meteorológicas em Ouricuri-PE

Estimativa da ETo a partir de duas estações meteorológicas em Ouricuri-PE Estimativa da ETo a partir de duas estações meteorológicas em Ouricuri-PE Maria Zélia de Souza S. Queiroz 1, Lucas M. Vellame 2 ; Maria do Socorro C. de Freitas 2 ; Geysse Kalynne S. Peixoto 3 1 Bolsista

Leia mais

Determinação da ET de referência pela razão de Bowen com psicrômetros instalados a diferentes alturas 1

Determinação da ET de referência pela razão de Bowen com psicrômetros instalados a diferentes alturas 1 ...................................................... Determinação da ET de referência pela razão de Bowen com psicrômetros instalados a diferentes alturas Determination of reference evapotranspiration

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO TANQUE CLASSE A PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DENTRO DE CASA DE VEGETAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO TANQUE CLASSE A PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DENTRO DE CASA DE VEGETAÇÃO UTILIZAÇÃO DO TANQUE CLASSE A PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DENTRO DE CASA DE VEGETAÇÃO CAROLINA FERNANDES 1, JOSÉ E. CORÁ 2, JAIRO A. C. de ARAÚJO 3 RESUMO: O trabalho teve como

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

ANÁLISE E ESTIMATIVA DOS COMPONENTES DO BALANÇO DE ENERGIA EM ECOSSISTEMA DE MANGUEZAL AMAZÔNICO.

ANÁLISE E ESTIMATIVA DOS COMPONENTES DO BALANÇO DE ENERGIA EM ECOSSISTEMA DE MANGUEZAL AMAZÔNICO. Revista Brasileira de Meteorologia, v.28, n.1, 75-84, 2013 ANÁLISE E ESTIMATIVA DOS COMPONENTES DO BALANÇO DE ENERGIA EM ECOSSISTEMA DE MANGUEZAL AMAZÔNICO. PRISCILA LIMA PEREIRA E HERNANI JOSÉ BRAZÃO

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC Katiani ELI 1, Leonardo NEVES 2, Roberto HAVEROTH 3, Joabe W. PITZ 1, Isaac W. PITZ 3, Júlio

Leia mais

Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolândia, Estado de Pernambuco

Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolândia, Estado de Pernambuco Avaliação de desempenho do modelo SWAT para estimativa da evapotranspiração potencial para a região de Petrolândia, Estado de Pernambuco Mislainy Mayana Moura Araújo Silva 1 Madson Tavares Silva 1 1 Universidade

Leia mais

Estudo da interceptação da água de chuva em cobertura florestal amazônica do tipo terra firme

Estudo da interceptação da água de chuva em cobertura florestal amazônica do tipo terra firme Estudo da interceptação da água de chuva em cobertura florestal amazônica do tipo terra firme Wclfram Franken ('), Paulo Rodolfo Leopoldo ( 2 ), Eiichi Matsui ( 3 ) e Maria de Nazaré Goes Ribeiro (') Resumo

Leia mais

Disciplinarum Scientia. Série: Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 16, n. 1, p , Recebido em: Aprovado em:

Disciplinarum Scientia. Série: Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 16, n. 1, p , Recebido em: Aprovado em: Disciplinarum Scientia. Série: Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 16, n. 1, p. 33-43, 2015. Recebido em: 16.03.2015. Aprovado em: 21.05.2015. ISSN 2176-462X RESUMO PERDA D ÁGUA POR EVAPORAÇÃO EM

Leia mais

Balanço de Energia. Capítulo IV. Objetivos:

Balanço de Energia. Capítulo IV. Objetivos: Balanço de Energia Capítulo IV Objetivos: 1. Apresentar o balanço de radiação numa superfície; 2. Descrever instrumentos de medição da radiação solar. Desenvolvimento: 1. Generalidades 2. Fluxos adiativos

Leia mais

Evapotranspiração Capitulo 09- Método de Blaney-Criddle, 1975 Engenheiro Plínio Tomaz 28/06/08

Evapotranspiração Capitulo 09- Método de Blaney-Criddle, 1975 Engenheiro Plínio Tomaz 28/06/08 Capítulo 09 Método de Blaney-Criddle, 1975 para evapotranspiração de referência ETo Latitude Varejao-Silva, 2005 9-1 Ordem SUMÁRIO 9.1 Introdução 9.2 Método novo de Blaney-Criddle, 1978 9.3 Evapotranspiração

Leia mais

EVAPORAÇÃO MENSAL E ANUAL PELO MÉTODO DE THORNTHWAITE PARA MATINHAS - PARAÍBA, BRASIL

EVAPORAÇÃO MENSAL E ANUAL PELO MÉTODO DE THORNTHWAITE PARA MATINHAS - PARAÍBA, BRASIL EVAPORAÇÃO MENSAL E ANUAL PELO MÉTODO DE THORNTHWAITE PARA MATINHAS - PARAÍBA, BRASIL Milla Nóbrega de Menezes Costa 1 ; Raimundo Mainar de Medeiros 1 ; Francisco de Assis Salviano de Sousa 2 ; Manoel

Leia mais

PROJETO SONDA: MONITORAMENTO DOS DADOS DA PLATAFORMA DE OURINHOS.

PROJETO SONDA: MONITORAMENTO DOS DADOS DA PLATAFORMA DE OURINHOS. PROJETO SONDA: MONITORAMENTO DOS DADOS DA PLATAFORMA DE OURINHOS. Débora Moreira de Souza, Jonas Teixeira Nery. Universidade Estadual Paulista Campus de Ourinhos. http://www.ourinhos.unesp.br. A proposta

Leia mais

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO.

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. GUILHERME FRANCISCO CAMARINHA NETO¹, ANTONIO CARLOS LÔLA DA COSTA², ALEX

Leia mais

Modelagem do Impacto das Mudanças no Uso da Terra na Reciclagem de Água na Amazônia

Modelagem do Impacto das Mudanças no Uso da Terra na Reciclagem de Água na Amazônia Modelagem do Impacto das Mudanças no Uso da Terra na Reciclagem de Água na Amazônia Liviany Pereira Viana 1 ; Francis Wagner Silva Correia 1 ; Saulo Ribeiro Freitas 2 1 Universidade do Estado do Amazonas

Leia mais

ALBEDOS EM ÁREAS DE PASTAGEM E DE FLORESTA NO SUDOESTE DA AMAZONIA

ALBEDOS EM ÁREAS DE PASTAGEM E DE FLORESTA NO SUDOESTE DA AMAZONIA ALBEDOS EM ÁREAS DE PASTAGEM E DE FLORESTA NO SUDOESTE DA AMAZONIA Leonardo J. G. Aguiar 1, José Maria N. da Costa 2, Renata G. Aguiar 3, Viviane Gomes 4 RESUMO Os albedos da radiação solar global (α S

Leia mais

Caracterização de Trocas de Calor Latente e suas Consequências na Evolução da Camada Limite Atmosférica no Cerrado do Distrito Federal

Caracterização de Trocas de Calor Latente e suas Consequências na Evolução da Camada Limite Atmosférica no Cerrado do Distrito Federal Caracterização de Trocas de Calor Latente e suas Consequências na Evolução da Camada Limite Atmosférica no Cerrado do Distrito Federal Luis Aramis dos Reis Pinheiro Dissertação de Mestrado Universidade

Leia mais

EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL

EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL Manoel F. Gomes Filho Mário de Miranda Leitão Vicente de Paula S. Filho Edglay

Leia mais

Sazonalidade da radiação solar e temperatura do ar na Região Amazônica Brasileira

Sazonalidade da radiação solar e temperatura do ar na Região Amazônica Brasileira Sazonalidade da radiação solar e temperatura do ar na Região Amazônica Brasileira Ingrid Monteiro Peixoto de Souza¹, Antônio Carlos Lola da Costa 1, Maria do Carmo Felipe de Oliveira 1, José Danilo Souza

Leia mais

HIDROLOGIA ENGENHARIA AMBIENTAL

HIDROLOGIA ENGENHARIA AMBIENTAL HIDROLOGIA ENGENHARIA AMBIENTAL Objetivos da disciplina 2 Conhecer os princípios, métodos de análise e interpretação dos fenômenos do ciclo hidrológico. Desenvolver conceitos e práticas da hidrologia quantitativa.

Leia mais

Balanço Hídrico Climatológico e Classificação Climática da Região de Sinop, Mato Grosso

Balanço Hídrico Climatológico e Classificação Climática da Região de Sinop, Mato Grosso Scientific Electronic Archives Volume 3 p. 38-44 2013 Balanço Hídrico Climatológico e Classificação Climática da Região de Sinop, Mato Grosso Climatic Water Balance and Classification of Climate of the

Leia mais

Umidade do ar Definições UMIDADE DO AR. Umidade relativa do ar e orvalho Definições

Umidade do ar Definições UMIDADE DO AR. Umidade relativa do ar e orvalho Definições AC33F AGROCLIMATOLOGIA UMIDADE DO AR PROF. DR. FREDERICO M. C. VIEIRA Umidade relativa do ar e orvalho Definições Definições Importância da água: desempenha diversas funções em diversos processos físicos

Leia mais

MONITORAMENTO AUTOMÁTICO DA NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DO FEIJOEIRO E MILHO POR MEIO DO BALANÇO DE ENERGIA/ RAZÃO DE BOWEN 1

MONITORAMENTO AUTOMÁTICO DA NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DO FEIJOEIRO E MILHO POR MEIO DO BALANÇO DE ENERGIA/ RAZÃO DE BOWEN 1 1 MONITORAMENTO AUTOMÁTICO DA NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DO FEIJOEIRO E MILHO POR MEIO DO BALANÇO DE ENERGIA/ RAZÃO DE BOWEN 1 R. L. Gomide 2 ; M. K. Kobayashi 3 ; I. M. de P. Boratto 4 RESUMO: O

Leia mais

INFLUÊNCIA DA CONDUTÂNCIA ESTOMÁTICA NO CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM RONDÔNIA. Íria Vendrame, Válter F. de Albuquerque e Gilberto Fisch

INFLUÊNCIA DA CONDUTÂNCIA ESTOMÁTICA NO CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM RONDÔNIA. Íria Vendrame, Válter F. de Albuquerque e Gilberto Fisch RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume n.2 Abr/Jun 2000, 9-70 INFLUÊNCIA DA CONDUTÂNCIA ESTOMÁTICA NO CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM RONDÔNIA Íria Vendrame, Válter F. de Albuquerque e Gilberto

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Avaliação do escoamento IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009 2 Ciclo hidrológico:

Leia mais

TRANSMITÂNCIA ATMOSFÉRICA PARA PIRACICABA-SP

TRANSMITÂNCIA ATMOSFÉRICA PARA PIRACICABA-SP TRANSMITÂNCIA ATMOSFÉRICA PARA PIRACICABA-SP Rafael FERREIRA DA COSTA 1, Sylvia Elaine Marques de FARIAS 1, Valter BARBIERI 2 1 Alunos de Pós-graduação em Agrometeorologia, 2 Professor Dr., Departamento

Leia mais

TENDÊNCIAS DE ÍNDICES DE EXTREMOS CLIMÁTICOS PARA A REGIÃO DE MANAUS-AM

TENDÊNCIAS DE ÍNDICES DE EXTREMOS CLIMÁTICOS PARA A REGIÃO DE MANAUS-AM TENDÊNCIAS DE ÍNDICES DE EXTREMOS CLIMÁTICOS PARA A REGIÃO DE MANAUS-AM 1 Camilla Kassar Borges, 2 Anna Raquel D. Ramos, 3 Lúcia Helena G. de Sousa e 4 Carlos A. C. dos Santos UACA-UFCG-Brasil Campina

Leia mais

ESTAÇÃO METEOROLÓGICA CONVENCIONAL E AUTOMÁTICA NA ESTIMATIVA DA ETO EM OURICURI PE

ESTAÇÃO METEOROLÓGICA CONVENCIONAL E AUTOMÁTICA NA ESTIMATIVA DA ETO EM OURICURI PE ESTAÇÃO METEOROLÓGICA CONVENCIONAL E AUTOMÁTICA NA ESTIMATIVA DA ETO EM OURICURI PE L.S. Fraga Júnior 1 ; L. M. Vellame 2 ; L. B. Marinho 3 ; R. P. Barbosa 4 RESUMO: O objetivo do estudo foi apresentar

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA EM BOA VISTA (RR) COM BASE NA TEMPERATURA DO AR W. F. Araújo 1 ; M. A. F. Conceição 2 ; J. B.Venâncio 3 RESUMO: O método padrão de estimativa da evapotranspiração

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO COM BASE NO CLIMA NA CULTURA DA MELANCIA NO MUNICÍPIO DE IGUATU-CE

MANEJO DE IRRIGAÇÃO COM BASE NO CLIMA NA CULTURA DA MELANCIA NO MUNICÍPIO DE IGUATU-CE MANEJO DE IRRIGAÇÃO COM BASE NO CLIMA NA CULTURA DA MELANCIA NO MUNICÍPIO DE IGUATU-CE J. M. Souza 1 ; M. M. Pereira 2 ; K. A. Duarte 1 ; F. N. F. B. Xerez 1 ; P. C. Viana 3 ; R. S. Arruda 4 RESUMO: O

Leia mais

IV. EVAPOTRANSPIRAÇÃO Susana Prada

IV. EVAPOTRANSPIRAÇÃO Susana Prada IV. EVAPOTRANSPIRAÇÃO Susana Prada EVAPORAÇÃO: processo físico pelo qual a água superficial e humidade do solo passa do ESTADO LÍQUIDO para o ESTADO DE VAPOR. Inclui a evaporação a partir de superfícies

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA REGIÃO DE DOURADOS, MS. Palavras-chave: suporte à decisão, agrometeorologia, estação meteorológica.

SISTEMA DE MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA REGIÃO DE DOURADOS, MS. Palavras-chave: suporte à decisão, agrometeorologia, estação meteorológica. SISTEMA DE MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA REGIÃO DE DOURADOS, MS Carlos Ricardo Fietz 1 Eder Comunello 2 Luciano Édipo Pereira da Silva 3 Pablo Soares de Souza 4 RESUMO - O objetivo deste trabalho é apresentar

Leia mais

SIMULAÇÃO DA NECESSIDADE DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO FEIJÃO UTILIZANDO O MODELO CROPWAT-FAO

SIMULAÇÃO DA NECESSIDADE DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO FEIJÃO UTILIZANDO O MODELO CROPWAT-FAO SIMULAÇÃO DA NECESSIDADE DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO FEIJÃO UTILIZANDO O MODELO CROPWAT-FAO Z. B. de Oliveira 1 ; R. Carlesso 2 ; M. P. Petry 3 ; A. E. Knies 4 ; T. François 3 ; M. G. G. Piñango 3 RESUMO:

Leia mais

5 EVAPOTRANSPIRAÇÃO. 5.1 Evaporação, Transpiração e Evapotranspiração Conceitos

5 EVAPOTRANSPIRAÇÃO. 5.1 Evaporação, Transpiração e Evapotranspiração Conceitos 1 5 EVAPOTRANSPIRAÇÃO 5.1 Evaporação, Transpiração e Evapotranspiração 5.1.1 Conceitos Evaporação é o conjunto de fenômenos de natureza física que transformam em vapor a água da superfície do solo, a dos

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEUS EFEITOS SOBRE OS PLANTIOS DE EUCALIPTO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEUS EFEITOS SOBRE OS PLANTIOS DE EUCALIPTO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEUS EFEITOS SOBRE OS PLANTIOS DE EUCALIPTO FERNANDO BERTOLUCCI Seminários Valor Econômico Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Copyright 2014 Fibria todos os

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 ESTUDO DA VARIAÇÃO SAZONAL DE ELEMENTOS METEOROLÓGICOS EM DIFERENTES ECOSSISTEMAS JUNTO AO LITORAL ATLÂNTICO DA AMAZÔNIA Kellen Carla Lima & Midori Makino Universidade Federal do Pará Rua Augusto Corrêa,

Leia mais

Comparação entre métodos de estimativa da Evapotranspiração de Referência (ETo) na região de Petrolina-PE

Comparação entre métodos de estimativa da Evapotranspiração de Referência (ETo) na região de Petrolina-PE Artigo Original DOI:10.5902/2179460X13154 Ciência e Natura, Santa Maria, v. 36 Ed. Especial II, 2014, p. 456 461 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM ISSN impressa: 0100-8307 ISSN on-line:

Leia mais

4. BALANÇO HÍDRICO DA REGIÃO DE MANAUS - AM.

4. BALANÇO HÍDRICO DA REGIÃO DE MANAUS - AM. 4. BALANÇO HÍDRICO DA REGIÃO DE MANAUS - AM. Marcelo Rangel Mota ¹ Carlos Moisés Medeiros ² Resumo O objetivo do presente trabalho consiste em determinar o balanço hídrico pelo método proposto por Thornthwaite

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO EMPÍRICO PARA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL MODELO DE ALLEN

AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO EMPÍRICO PARA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL MODELO DE ALLEN AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO EMPÍRICO PARA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL MODELO DE ALLEN Cátia C. B. R. Nogueira*, Mônica R. Queiroz* e Simone Vieira de Assis** * Alunas do Curso de Graduação em Meteorologia/Fac.

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO DE ONDA LONGA ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE PASTAGEM EM RONDÔNIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO DE ONDA LONGA ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE PASTAGEM EM RONDÔNIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO DE ONDA LONGA ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE PASTAGEM EM RONDÔNIA LEONARDO J. G. AGUIAR 1, JOSÉ MARIA N. DA COSTA 2, GRACIELA R. FISCHER 3, RENATA G. AGUIAR 4 1 Matemático, Doutorando

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA.

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA. ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA. Ronaldo da Silva Rodrigues¹; Antonio Carlos Lôla da Costa²; Bruno Takeshi Tanaka Portela³; Paulo Henrique Lopes Gonçalves

Leia mais