RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA"

Transcrição

1 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Ministério da Educação Janeiro de 2007

2 Introdução 1. O Ministério da Educação está a consultar os pais de crianças e jovens com dificuldades consideráveis na aprendizagem do inglês como língua adicional, assim como os educadores e o público em geral, para os informar das medidas que tencionamos tomar no sentido de apoiar estas crianças e jovens a terem acesso ao currículo escolar da Irlanda do Norte. Tratam-se de crianças e jovens que não têm a língua inglesa como língua materna e não possuem aptidões suficientes para participarem activamente na escola. 2. Esta brochura sintetiza os assuntos mais importantes do interesse de todos aqueles que têm dificuldades em aprender o inglês como língua adicional. O documento completo que aborda todas estas questões é intitulado Apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional e poderá adquiri-lo junto a nós ver detalhes de contacto na página 11. Junto a este Resumo, segue um questionário onde poderá registar os seus comentários. Valor das políticas 3. Todas as crianças e jovens, inclusive os que falam o inglês como língua adicional, têm direito à educação. Se a criança ou jovem não possuir os conhecimentos da língua inglesa necessários, não poderá ter acesso ao currículo escolar da Irlanda do Norte. Portanto, queremos facultar-lhe esses conhecimentos, no menor período de tempo possível, e contribuir para que tenha uma educação de boa qualidade. 1

3 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Medidas actuais 4. Nos últimos três anos, o número de crianças e jovens que têm o inglês como língua adicional cresceu pelo menos 30% em cada ano. Medidas para educar crianças e jovens que não têm o inglês como língua materna, estão disponíveis nas escolas primárias e pós-primárias (incluindo jardins-de-infância nalgumas regiões abrangidas pelo conselho de educação e bibliotecas). Em Outubro de 2006, havia crianças nestas condições no ensino público. Destas, 112 estavam no jardim-de-infância, no ensino primário (incluindo os primeiros anos e pré-primária), 21 no ensino especial e estavam no ensino pós-primário. 5. O nível de apoio varia em cada um dos cinco conselhos de educação e bibliotecas. Alguns disponibilizam professores, outros oferecem às escolas a possibilidade de contratar os serviços de professores, enquanto outros dão apoio através de conselheiros. Algumas escolas contratam serviços de interpretação para algumas línguas. Tempo de consulta 6. Devido ao aumento do número de crianças e jovens que têm o inglês como língua adicional nas escolas da Irlanda do Norte, temos de adaptar-nos a esta realidade através da elaboração de políticas formais que abordem o ensino do inglês como língua adicional. Temos de ajudar as escolas no seu relacionamento com estes alunos e ajudá-los a reduzir as despesas que incorrem fora da escola com a aprendizagem do inglês. Reconhecemos que é essencial oferecer um serviço consistente no jardim-deinfância, nas escolas primárias, pós-primárias e no ensino especial por toda a Irlanda do Norte. 2

4 7. Consultas anteriores levadas a cabo por nós e para nós com um variado número de pessoas e grupos, contribuíram para a elaboração desta proposta. Este processo incluiu consultas a representantes de organizações públicas, directores, professores, organizações não-governamentais (ONG) com interesse na língua inglesa como língua adicional, e também a crianças e jovens e respectivos pais, que não têm o inglês como língua materna. 8. Estas consultas registaram várias sugestões positivas e ideias acerca das melhores práticas e formas de aumentar o apoio a crianças e jovens que tenham o inglês como língua adicional. 9. Incluímos algumas das ideias destas consultas junto com as recomendações dos cinco conselhos de educação e bibliotecas nesta proposta. Estão todas discriminadas nesta brochura e gostaríamos que analisasse cada uma delas atenciosamente antes de registar o seu ponto de vista no Questionário em anexo. Serviço para a integração positiva das minorias étnicas Ethnic-minority achievement service (EMAS) 10. Um único Serviço para a Integração Positiva das Minorias Étnicas (EMAS na sigla em inglês) será criado em 1 de Abril de 2007, para tratar de assuntos relacionados com o inglês como língua adicional. 11. O Conselho de Educação e Bibliotecas da Região Nordeste foi escolhido para oferecer este serviço em nome dos cinco conselhos de educação e bibliotecas até à entrada em funções da nova Autoridade da Educação e Competências (Education and Skills Authority). O Serviço para a Integração Positiva das Minorias Étnicas, que será constituído por uma equipa regional de apoio liderada por um alto funcionário, está a ser criado para 3

5 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) assegurar um nível consistente de serviço em todas as escolas da Irlanda do Norte. 12. Sugerimos que o serviço regional seja responsável por: a Distribuir aos professores e às escolas informações sobre esta nova política. b Criar equipas regionais com as competências necessárias para treinar e apoiar os professores nas escolas primárias e pós-primárias, e ajudar as escolas a oferecer o apoio necessário aos alunos que têm o inglês como língua adicional para que possam aceder ao currículo da Irlanda do Norte. c Oferecer serviços de interpretação. d Fornecer aos professores, alunos e pais traduções de documentos importantes em várias línguas. e Desenvolver um website onde serão disponibilizadas aos alunos e pais informações escolares e sobre o currículo da Irlanda do Norte, assim como traduções de todos os documentos importantes. f Desenvolver métodos de ensino para professores e estratégias de aprendizagem para alunos que tenham o inglês como língua adicional. g Usar as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) para dar apoio às necessidades de aprendizagem dos alunos que não tenham o inglês como língua materna. h Produzir software relevante dentro da vasta variedade de aplicações disponíveis no pacote Ensino na Irlanda do 4

6 Norte (Learning Northern Ireland) (LNI). O programa Ensino na Irlanda do Norte encoraja as escolas, bibliotecas, colégios e comunidades a partilharem os recursos dentro e fora das escolas, incluindo as bibliotecas on-line, grupos de discussão e videoconferência, de modo a que o trabalho em conjunto promova o desenvolvimento de programas de aprendizagem em parceria. i Assegurar-se de que todas as escolas têm um responsável que forneça apoio às crianças e jovens que têm o inglês como língua adicional. j Desenvolver uma única avaliação padrão para garantir que todas as crianças e jovens que têm o inglês como língua adicional recebem o apoio necessário para atender às suas dificuldades. k Estabelecer metas e acompanhar regularmente cada aluno que não tem o inglês como língua materna. l Assegurar, através de acompanhamento regular, de que as estatísticas dos alunos em cada escola estão correctas e actualizadas, e de que estas nos são transmitidas atempadamente. m Monitorização, auditoria e avaliação regular de todos os serviços oferecidos aos alunos que não tenham o inglês como língua materna. n Facultarem-nos regularmente informações de carácter financeiro. o Pesquisar elementos que indiquem boas práticas (indicadores), com o objectivo de os incorporar nesta política. 5

7 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) p Promover o plano de Assistente de Língua Comenius (Comenius Language Assistant), que contribuirá para uma maior consciência cultural nas escolas. O plano Comenius foi criado pelo British Council e possibilita a parceria entre escolas por toda a Europa. Isto possibilita aos alunos e estudantes partilhar o seu trabalho a nível internacional, e aos professores trocar experiências e boas práticas com colegas noutros países. q Planear modos de reunir informações dos sectores público e privado, acerca de novos trabalhadores e residentes migrantes na Irlanda do Norte. r Assegurar o cumprimento das leis aplicáveis. Interpretação e tradução de documentos 13. Como alguns dos assuntos a discutir com os pais podem ser delicados, é crucial que intérpretes qualificados, especializados em protecção de crianças, estejam disponíveis para prestar assistência aos pais que necessitem dos seus serviços. Durante as primeiras consultas, tornou-se clara a importância de ter intérpretes e tradutores disponíveis. 14. Em 2006, foram disponibilizadas as verbas do Pacote de Fundos de Assistência a Crianças e Jovens para os anos fiscais de 2006/2007 e 2007/2008. Com estas verbas, foi possível adquirir serviços de interpretação e tradução. 15. Em conjunto com o Conselho de Educação e Bibliotecas da Região Nordeste (North Eastern Education and Library Board) (NEELB), estamos no processo de juntar estes dois serviços por um período experimental de dois anos. Estes serviços facilitarão o acesso aos serviços de interpretação e à tradução de 6

8 documentos importantes em várias línguas para professores, pais e alunos que têm o inglês como língua adicional. Informação aos pais 16. O proposto serviço regional deverá assegurar-se de que toda a informação estará disponível para os pais, crianças e jovens, em vários formatos e nas línguas mais relevantes. Isto será possível graças aos serviços de interpretação e de tradução. 17. Recomendamos que o Serviço para a Integração Positiva das Minorias Étnicas produza pacotes de boas-vindas com informações úteis sobre todos os aspectos do sistema escolar e o currículo da Irlanda do Norte, os quais deverão ser disponibilizados nas línguas mais relevantes. 18. Para facilitar a comunicação, aconselhamos que o Serviço para a Integração Positiva das Minorias Étnicas desenvolva e mantenha actualizado um website onde as escolas possam descarregar documentos importantes em várias línguas para comunicar com os pais. Formação e apoio curricular 19. Daremos particular atenção ao desenvolvimento profissional contínuo dos funcionários, através de formação e orientação especializadas. 20. Recomendamos que o Serviço Regional para a Integração Positiva das Minorias Étnicas, o qual actuará como uma equipa de apoio, seja responsável pelo desenvolvimento profissional contínuo dos profissionais de educação, incluindo directores escolares, professores, assistentes de sala de aula e dos 7

9 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) restantes funcionários da escola que necessitem de comunicar com os pais e com as crianças e jovens que tenham o inglês como língua adicional. Estas medidas terão particular enfoque no desenvolvimento de competências, na sensibilização das pessoas para as barreiras linguísticas na escola, e no desenvolvimento de práticas para garantir que todas as crianças estão incluídas nas actividades e nos procedimentos escolares. Os seus principais objectivos serão a promoção do bem-estar dos alunos, o acesso ao currículo e o desenvolvimento da língua. Avaliação 21. O Serviço para a Integração Positiva das Minorias Étnicas irá criar um processo único de avaliação através do qual os conhecimentos de inglês de cada aluno poderão ser avaliados individualmente para permitir a avaliação das dificuldades de acesso ao currículo. 22. O Serviço para a Integração Positiva das Minorias Étnicas deverá apresentar linhas orientadoras objectivas sobre a avaliação de alunos que têm o inglês como língua adicional, e disponibilizá-las às escolas para permitir a implementação de procedimentos consistentes em toda a Irlanda do Norte, 23. O processo de avaliação deverá ser usado assim que o aluno que tem o inglês como língua adicional se matricular na escola. Esta avaliação deverá identificar os conhecimentos de inglês de cada criança ou jovem. Deverá ser criado um plano individual de desenvolvimento para cada criança ou jovem nestas circunstâncias. Este plano deverá incluir os conhecimentos de inglês da criança ou jovem assim como a experiência da escola e dos professores nesta área. 8

10 Necessidades educativas especiais 24. As crianças ou jovens que tenham o inglês como língua adicional e também requeiram necessidades educativas especiais, serão tratadas da mesma forma do que as restantes crianças com necessidades educativas especiais (o que significa que receberão educação de acordo com as suas necessidades individuais). Áreas rurais 25. Ao longo de todo de desenvolvimento desta política, procurámos sempre atender às necessidades das áreas rurais. 26. Recomendamos que o serviço regional proposto tenha as suas equipas do Serviço Regional para a Integração das Minorias Étnicas nos locais onde melhor possam dar apoio às crianças e aos jovens das áreas rurais. Embora a sede deste serviço seja situada num local específico, os seus funcionários serão destacados em áreas específicas em toda a Irlanda do Norte, consoante as dificuldades. O serviço necessita de ser suficientemente flexível para dar apoio às escolas com alunos que tenham o inglês como língua adicional. 27. Uma vez que os serviços de interpretação e tradução estejam estabelecidos, a equipa do Serviço Regional para a Integração Positiva das Minorias Étnicas terá acesso a uma lista de intérpretes e tradutores. Como ambos serviços estarão sujeitos a prazos de entrega específicos, estes terão de chegar a todas as escolas da Irlanda do Norte, independentemente da sua localização. 9

11 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Garantia de qualidade 28. A Inspecção da Educação e Formação (The Education and Training Inspectorate) (ETI) inspeccionará regularmente o Serviço para a Integração Positiva das Minorias Étnicas para assegurar a provisão de um serviço de alta qualidade. Impacto da avaliação da igualdade 29. Desde o início do desenvolvimento desta política, temos dado particular destaque à questão da igualdade a todos os níveis e fases deste processo. 30. Não acreditamos que a introdução desta política tenha impacto negativo sobre qualquer uma das categorias da Secção

12 O questionário O questionário que segue em anexo dar-lhe-á a oportunidade de nos dar a conhecer os seus pontos de vista sobre as recomendações que abordámos. Preencha o questionário e devolva-o no envelope selado. Contactos Para obter o documento de consulta completo e o questionário, contactenos através dos seguintes métodos. Por correio Equality Unit Department of Education Rathgael House Balloo Road BANGOR Co Down BT19 7PR Por telefone Por fax Por telefone de texto Por 11

13 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) 12

14 A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade)

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. au.int Criada como um organismo Pan-africano continental único,

Leia mais

Tradução da brochura sobre Admissões às Escolas Secundárias em Brighton & Hove em 2012/13

Tradução da brochura sobre Admissões às Escolas Secundárias em Brighton & Hove em 2012/13 Tradução da brochura sobre Admissões às Escolas Secundárias em Brighton & Hove em 2012/13 Introdução Este resumo dos procedimentos de admissão à escola é para os pais que falam inglês como língua estrangeira.

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

New written reports for primary and secondary school students. school students

New written reports for primary and secondary school students. school students New written reports for primary and secondary school students New Novos written relatórios reports escritos for primary para alunos and da secondary escola primária school e students secundária NSW Escolas

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

Certified ISO 31000 Risk Manager

Certified ISO 31000 Risk Manager ANSI Accredited Program BEHAVIOUR Sobre o curso Neste curso, com duração de dois dias, os participantes irão desenvolver as competências necessárias de modo a, com sucesso, saberem aplicar um modelo de

Leia mais

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood As Escolas Públicas de Norwood acolhem estudantes de diversas origens e experiências culturais. Nós estamos atualmente prestando

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Acreditas no Cuidado dos Filhos? Síntese em português

Acreditas no Cuidado dos Filhos? Síntese em português Acreditas no Cuidado dos Filhos? Síntese em português O Conselho das Minorias Étnicas da Irlanda do Norte (NICEM) e Barnardo s da Irlanda do Norte trabalharam juntos para realizar uma investigação, conhecida

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Grupo Alumni. CMTrain - Associação

Grupo Alumni. CMTrain - Associação CMTrain - Formação para metrologia por coordenadas Quando se trata de desenvolver e produzir novos produtos, a metrologia por coordenadas é crucial. No entanto, só se consegue aproveitar o potencial da

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO

CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO O COMPLEXO O Complexo Municipal de Piscinas de Lamego é uma infra-estrutura do Concelho de Lamego, cuja mais recente obra se reflete na construção

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Regulamento e datas importantes da Categoria JÚNIOR 9º ano

Regulamento e datas importantes da Categoria JÚNIOR 9º ano Regulamento e datas importantes da Categoria JÚNIOR 9º ano Datas Importantes JÚNIOR 1º ELIMINATÓRIA (9º ano) 04-Fev-15 Envio testes e Folhas de Resposta por EMAIL ao Diretor do Agrupamento ou Director

Leia mais

Resolução de Vilnius: melhores escolas, escolas mais saudáveis - 17 de Junho de 2009

Resolução de Vilnius: melhores escolas, escolas mais saudáveis - 17 de Junho de 2009 Resolução de Vilnius: melhores escolas, escolas mais saudáveis - 17 de Junho de 2009 Introdução Educação e Saúde partilham os mesmos objectivos. Objectivos comuns permitem que as escolas se transformem

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Questionário de auto-avaliação do CIS/NEASC (Pais)

Questionário de auto-avaliação do CIS/NEASC (Pais) DEMOGRAFIA Questionário de auto-avaliação do CIS/NEASC (Pais) O(s) meu(s) filho(s) frequenta(m) o(s) ano(s) (seleccionar os que se aplicam) Nursery Reception Y1 Y2 Y3 Y4 Y5 Y6 Y7 Y8 Y9 Y10 Y11 Y12 Y13

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO de acção mediante a aquisição de novas formas de pensamento que lhes permitam levar a cabo diferentes acções. O percurso formativo do coach está dividido

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

ANALISE AS RESPOSTAS DA PESQUISA COMPARTILHE OS RESULTADOS COM OS SÓCIOS DO SEU CLUBE E OUTROS COMPANHEIROS LEÕES

ANALISE AS RESPOSTAS DA PESQUISA COMPARTILHE OS RESULTADOS COM OS SÓCIOS DO SEU CLUBE E OUTROS COMPANHEIROS LEÕES Serviços Leonísticos para Crianças Avaliação das necessidades da comunidade Os dados estatísticos atuais revelam que milhões de crianças em todas as partes do mundo sofrem de pobreza, doenças, deficiências

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

U. E. M. e ACBF Faculdade de Economia- Programa de Mestrado em Gestão de Políticas Económicas para o PALOPs CURRICULUM

U. E. M. e ACBF Faculdade de Economia- Programa de Mestrado em Gestão de Políticas Económicas para o PALOPs CURRICULUM CURRICULUM 1. Os Objectivos do Curso O objectivo geral do programa EPM, na Universidade Eduardo Mondlane (UEM) em parceria com o African Capacity Building Foundation (ACBF), é combinar as habilidades analíticas,

Leia mais

Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos. Estrangeiros Residentes no Japão

Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos. Estrangeiros Residentes no Japão Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos Estrangeiros Residentes no Japão (Tradução Provisória) 30 de janeiro de 2009 Escritório do Gabinete O mercado financeiro e de capitais global passa

Leia mais

Módulo 5 Representatividade

Módulo 5 Representatividade Módulo 5 Representatividade No Módulo 5... Quem tem mais e menos voz? Para profissionais de PGI: como assegurar a representatividade? Para participantes de PGI: como ter mais voz? Quem tem mais e menos

Leia mais

Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO. (3 a 3, definam desporto )

Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO. (3 a 3, definam desporto ) Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO (3 a 3, definam desporto ) Falemos um pouco sobre os conceitos DESPORTO Entendemos por Desporto todas as formas de actividade física que, através de uma participação

Leia mais

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa)

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) Atrair e manter o talento feminino de topo Data: 24 de setembro 2013 Local: Representação da Comissão Europeia em Portugal Largo Jean-Monnet 1, 10ª 1269-068

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director Schulleiterbrief Herbst 2010 Carta do Director Outono 2010 1 Índice: 1. Prefácio:... 3 2. Informações gerais... 4 2.1. Regulamento de entrada e controlo dos acessos... 4 2.2. Saída das instalações do colégio

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

INCLUSÃO. Isabel Felgueiras, 2012. CONNECT versão Portuguesa http://community.fpg.unc.edu/connect-modules

INCLUSÃO. Isabel Felgueiras, 2012. CONNECT versão Portuguesa http://community.fpg.unc.edu/connect-modules INCLUSÃO Isabel Felgueiras, 2012 Definição de Inclusão De acordo com a Division for Early Childhood (DEC) e com a National Association for the Education of Young Children (NAEYC), a inclusão engloba os

Leia mais

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul Projeto educativo A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul A Ponte Entre a Escola e a Ciência Azul é um projeto educativo cujo principal objetivo é a integração ativa de estudantes do ensino secundário

Leia mais

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE! Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: 9.302 THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

Jornadas da Educação, 2015

Jornadas da Educação, 2015 República de Moçambique Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação Jornadas da Educação, 2015 A nossa escola por uma educação inclusiva, humanista

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

27001 Lead Implementer

27001 Lead Implementer ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead ADQUIRA AS COMPETÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (SGSI) BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de cinco dias, permite

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

20000 Lead Implementer

20000 Lead Implementer ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead PARA IMPLEMENTAR E GERIR SISTEMAS DE GESTÃO DE SERVIÇOS (SGS) BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de cinco dias, permite aos

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal

Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal Título Programa de formação para voluntários no sistema (SJC). Descrição geral Este curso foi desenhado para combinar sessões presenciais e à distância para voluntários que trabalhem no SJC. Os voluntários

Leia mais

CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Reflexões sobre o Empreendedorismo na Escola Manuela Malheiro Ferreira manuelamalheirof@gmail.com Universidade Aberta CEMRI

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Escolher um programa de cuidados infantis

Escolher um programa de cuidados infantis Escolher um programa de cuidados infantis A escolha de um programa de cuidados infantis é uma opção muito pessoal para cada família. O melhor programa é aquele que mais tem a ver com a personalidade, gostos,

Leia mais

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção PASSE JOVEM NO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 2 Maio de 2011 1. O SVE como experiência de aprendizagem Ser um voluntário do SVE é uma valiosa experiência pessoal, social e cultural,

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas

Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas 1 Pergunta O que é a Avaliação de aptitudes básicas (FSA)? Resposta

Leia mais

Procedimento de selecção a que a

Procedimento de selecção a que a AGÊNCIA EUROPEIA DE MEDICAMENTOS (LONDRES) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Apresen tação Imprimir por formulári correio o electrón ico Convite à manifestação de interesse para Agentes Contratados para tarefas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

15 de Junho a 7 de Julho Lisboa MOTIVAÇÃO Conhecer a informação que utilizamos diariamente, os seus processos de gestão e procedimentos directamente com ela associados, constituem formas de melhor compreendermos

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais