Dicas para utilização dos recursos Financeiros Projovem Adolescente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dicas para utilização dos recursos Financeiros Projovem Adolescente"

Transcrição

1 Dicas para utilização dos recursos Financeiros Projovem Adolescente 1. Como é feito o co-financiamento do ProJovem Adolescente? O co-finaciamento do Serviço é feito da seguinte forma: Sob a forma de Piso Básico Variável ( PBV I ); repasse mensal de recursos financeiros aos municípios e Distrito Federal de maneira regular e automática - Fundo a Fundo (Fundo Nacional de Assistência Social para Fundo Municipal de Assistência Social); valor de referência - R$ 1.256,25 para cada coletivo co-financiado pela União. 2. Qual o valor a ser pago a cada coletivo do Projovem Adolescente? O valor a ser pago mensalmente a cada coletivo será definido, como determina a Portaria 171/09, em função do número de jovens com participação regular ao serviço. Para determinar o número de jovens com participação regular em cada coletivo, o SISJOVEM verificará, para cada jovem, os seguintes parâmetros: freqüência ao serviço, freqüência escolar e tempo de vinculação provisória (sem NIS), aplicando as regras estabelecidas no art. 35 da Portaria. Até que seja tecnicamente viável, a freqüência escolar será aferida apenas para os jovens de famílias beneficiárias do PBF. Jovens que tenham concluído o ensino médio serão dispensados da verificação de freqüência escolar. Verificados estes parâmetros, os coletivos que tiverem de 15 (quinze) a 30 (trinta) jovens com participação regular farão jus ao valor de referência do Piso Básico Variável I, de R$ 1.256,25 (mil duzentos e cinqüenta e seis reais e vinte e cinco centavos). Coletivos em formação ou em recomposição, com 7 (sete) a 14 (catorze) jovens com participação regular, serão co-financiados com o valor mensal de R$ 628,00 (seiscentos e vinte e oito reais). Coletivos com jovens com participação regular, em número igual ou menor que 6 (seis), serão suspensos e terão seu pagamento igualmente suspenso, e não haverá pagamento retroativo nestes casos. Os recursos são previstos para: pagamento de facilitadores de oficinas (esportes, cultura e formação geral para o trabalho) - 240horas/ano, para pagamento do orientador social, alimentação e materiais de consumo. Os recursos não podem ser usados para aquisição de materiais permanentes.

2 3. Como garantir o pagamento do valor integral do Piso Básico Variável I (PBV I) para cada coletivo? Para fazer jus ao pagamento integral (R$ 1.256,25), o Coletivo deve possuir entre 15 e 30 jovens vinculados ou vinculados provisoriamente, com participação regular, no último dia do mês a que se refere o pagamento. 4. Se o coletivo tiver menos de 15 jovens com participação regular, ele fará jus ao cofinanciamento? Coletivos com 7 a 14 jovens com participação regular receberão R$ 942,00. Isso equivale a ¾ do valor de referência do Piso Básico Variável I (desprezados os centavos). Nos dois primeiros meses o pagamento será integral, independente do número de jovens vinculados. O MDS não reconhece, para efeitos de pagamento, os coletivos com menos de 07 jovens com participação regular. Não há pagamento nestes casos (a não ser nos dois primeiros meses de pagamento do coletivo) 5. Nos dois primeiros meses de funcionamento do coletivo será feito o pagamento integral, sem considerar o número de jovens vinculados? Sim. Por um período de dois meses, a contar da data de início prevista do coletivo, o MDS repassará, para cada coletivo, o valor integral do Piso Básico Variável I, que é de R$ 1.256,25. Isso independe do número de jovens vinculados e do envio da frequência. Como contrapartida, o município se compromete a investir esse valor em atividades de planejamento e mobilização para o início das atividades do Projovem Adolescente. 6. Quando será iniciado o repasse do recurso ao município? No mês seguinte ao indicado para o início de cada coletivo, conforme data informada no Termo de Adesão e Compromisso. 7. No SUASWEB, qual sigla se refere ao repasse de recursos do ProJovem Adolescente? A sigla é PBV I - Piso Básico Variável I. 8. Onde encontrar o número da agência e conta corrente para as quais o recurso do ProJovem Adolescente será repassado? O Fundo Nacional de Assistência Social - FNAS é o responsável por abrir a conta para realização do repasse dos recursos. Essa conta corrente será utilizada exclusivamente para repasse do co-financimento do ProJovem Adolescente.

3 Para saber o número da agência e conta Corrente, acesse o SUASWEB no Portal do MDS no seguinte caminho: Assistência Social - Rede SUAS em seguida, clique sobre o link correspondente ao SUASWEB. Após acessar o SUASWEB, clique na aba Consulta - Contas Correntes. 9. Como utilizar os recursos do PBV I? Para informações sobre utilização de recursos transferidos do FNAS, consultar as orientações sobre a utilização de recursos Fundo a Fundo por meio do link: 10. Como saber se o repasse do recurso do ProJovem Adolescente foi realizado? Acesse o SUASWEB no Portal do MDS: Assistência Social Rede SUAS - Em seguida, clique sobre o link correspondente ao SUASWEB. Após acessar o SUASWEB, clique na aba Consulta - Parcelas Pagas. O repasse dos recursos financeiros do Serviço não é exibido no item PBV 15 a 17 anos, pois esse se refere ao repasse do Agente Jovem. 11. Quais as orientações acerca da reprogramação de saldos do PBVI Projovem Adolescente? De acordo com a Portaria n 96 de 26 de março de 2009, o saldo dos recursos financeiros repassados pelo FNAS aos fundos de assistência social municipais, estaduais e do Distrito Federal, existente em 31 de dezembro de cada ano, poderá ser reprogramado, dentro de cada nível de proteção social, básica ou especial, para todo o exercício seguinte, desde que o órgão gestor tenha assegurado à população, durante o exercício em questão, os serviços socioassistenciais co-financiados, correspondentes a cada Piso de Proteção, sem descontinuidade. Informamos que a reprogramação só poderá ser realizada após a aprovação da Prestação de Contas do referido ano. 12. Como o município deverá proceder, caso necessite fazer a devolução de recursos do Projovem Adolescente? Caso o município necessite fazer a devolução de recursos do Projovem Adolescente, deverá enviar um ofício com a assinatura do Prefeito ou do Secretário Municipal de Assistência Social comunicando o motivo que levou a não utilização do recurso. Assim que for certificada a necessidade da devolução do recurso, o Fundo Nacional de Assistência Social entrará em contato com o município com as devidas instruções para tal procedimento.

4 O ofício deve ser encaminhado ao Fundo Nacional de Assistência Social no seguinte endereço: Fundo Nacional de Assistência Social Setor de Administração Federal Sul Quadra 02 Bloco H Lote 08 CEP: Distrito Federal. 13. Qual a data limite para envio de freqüência para efeito de pagamento do coletivo? O pagamento referente a cada coletivo do Projovem Adolescente somente será liberado após o envio da freqüência dos jovens ao serviço, do mês ao qual se refere o pagamento. Se a frequência for informada até o dia 7 (sete) do mês, o pagamento será liberado no mesmo mês do envio da frequência. Se a frequência for informada depois do dia 7 (sete), o pagamento será bloqueado naquele mês e pago retroativamente no mês seguinte. IMPORTANTE: A partir da data de início efetivo das atividades (gerada pelo sistema no ato de vinculação do 7º jovem ao coletivo) o envio da freqüência de um mês só será possível se a freqüência do mês anterior tiver sido enviada. 14. Como as informações geradas no SISJOVEM refletirão na transferência do recurso? O SISJOVEM gerará automaticamente, a cada mês, no dia imediatamente posterior à data limite para o envio da frequência dos jovens ao serviço, o conjunto de informações cujo processamento orientará as transferências do PBV I, de acordo com a normativa vigente. Participarão deste processamento apenas os coletivos cuja frequência dos jovens ao serviço, relativa ao mês anterior, tenha sido registrada no sistema e enviada ao MDS, pelos municípios dentro do prazo. 15. O que ocorrerá com os coletivos já iniciados, mas que não informaram a frequência dos jovens no prazo estabelecido? Coletivos já iniciados, mas que não tiverem a frequência dos jovens relativa ao mês anterior informada no prazo estabelecido, terão bloqueadas automaticamente as transferências do recurso do PBV I, relativas ao mês não informado. Este bloqueio poderá ser mantido por até três meses, desde que neste período persista a ausência de informação sobre a frequência dos jovens ao serviço. Para fins de cálculo do período de três meses, não será contado o mês marcado no SISJOVEM como recesso.

5 Uma vez enviada a frequência dos jovens ao serviço, referente a um mês de competência cuja transferência do recurso esteja bloqueada, e tendo esta informação sido prestada dentro do prazo de tolerância de três meses para o envio da frequência, o desbloqueio se dará de forma automática e transferência relativa aquele mês será realizada retroativamente, a partir de informação complementar gerada pelo sistema e enviada ao FNAS. Esgotado o período de tolerância de três meses, sem que haja o envio da frequência dos jovens às atividades de um dado coletivo, os recursos referentes ao mês de competência serão suspensos, e o município perderá o direito à transferência retroativa daquele mês. Os coletivos suspensos poderão ser cancelados, a critério do MDS. 16. É obrigatório o envio da frequência relativa aos meses cujo pagamento foi suspenso? Sim. É obrigatório o envio da frequência escolar relativa aos meses cujo pagamento foi suspenso para fins de desbloqueio dos meses subseqüentes. 17. Quais são as regras de repasse dos recursos do Projovem Adolescente PBVI? As transferências dos recursos de cofinanciamento federal do Projovem Adolescente PBV I obedecem às regras estabelecidas na Portaria 848, de 28 de dezembro de Essas começaram a ser aplicadas a partir de 01 de janeiro de É importante observar três importantes regras para melhor compreensão do processo de repasse. O prazo de envio da frequência quando a frequência é enviada no prazo estabelecido, do 1º ao 7º dia de cada mês ou prazo prorrogado pelo MDS, os recursos são transferidos em Folha de Pagamento Ordinária do mês corrente. Caso a frequência não seja informada dentro do prazo, o recurso fica bloqueado para pagamento no mês. Ao enviar a frequência (após o prazo limite), o pagamento é desbloqueado e irá compor a Folha de Pagamento Complementar do mês seguinte. O FNAS prioriza o pagamento a Folha de Pagamento Ordinária e, em seguida, transfere os recursos da Folha de Pagamento Complementar. O número de jovens vinculados aos coletivos frequências enviadas com coletivos que possuem de 7 a 14 jovens vinculados recebem o valor de ¾ do piso, R$ 942,00. Coletivos que possuem de 15 a 30 jovens vinculados e com frequência regular de, no mínimo, 15 jovens, recebem o valor integral de R$ 1256,25. A Portaria 848/2010 estabeleceu novas regras de transferência de recursos para os dois primeiros meses para coletivos com data de início prevista para 01/2011, etapa Referenciamento A regra diz que os municípios receberão recursos independente de terem iniciado as atividades nos dois primeiros meses, ou seja, janeiro/11 e fevereiro/11. Para receber o terceiro mês (março/11) seria necessário cadastrar o coletivo e vincular os jovens, gerando assim, Data de Início Efetivo

6 das atividades. 18. O que é o complemento do Piso Básico Variável I? Aqueles municípios que informam a frequência dentro do prazo e possuem entre 1 e 2 coletivos recebem complemento do Piso Básico Variável, conforme Art. 35B da Portaria 171/2009. Parágrafo único: Nenhum município, nem o Distrito Federal, que enviar ao MDS a frequência mensal de todos os seus coletivos dentro dos prazos estabelecidos em ato ministerial, receberá parcela mensal inferior a R$ 2.512,50 (dois mil, quinhentos e doze reais e cinquenta centavos), correspondente a dois valores de referência do Piso Básico Variável I, complementando-se para tanto, sempre que necessário, o valor resultante das operações estabelecidas no caput. (Acrescido pela Portaria MDS nº 848, de 28 de dezembro de 2010, Art. 36). Fonte de pesquisa: MDS

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N 148, DE 27 DE ABRIL DE 2006 Estabelece normas, critérios e procedimentos para o apoio à

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL PORTARIA N o 7, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2001 A Secretária de Estado de Assistência Social, no uso de suas atribuições legais, conferidas pela Portaria Ministerial

Leia mais

Considerando a disponibilidade orçamentária e financeira do Fundo Estadual de Assistência Social - FEAS, resolve:

Considerando a disponibilidade orçamentária e financeira do Fundo Estadual de Assistência Social - FEAS, resolve: GOVERNO DA PARAIBA PORTARIA/ SEDH Nº 036 de 02 de dezembro de 2015. Dispõe sobre a forma de repasse dos recursos do cofinanciamento Estadual aos Municípios e sua prestação de contas, e dá outras providências.

Leia mais

DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015?

DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015? DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015? Regulamenta o cofinanciamento federal do Sistema Único de Assistência Social - SUAS e a transferência de recursos na modalidade fundo a fundo

Leia mais

Instrução Operacional nº 37 SENARC/MDS Brasília, 19 de novembro de 2010.

Instrução Operacional nº 37 SENARC/MDS Brasília, 19 de novembro de 2010. 1 Brasília, 19 de novembro de 2010. 1. INTRODUÇÃO Assunto: Divulga procedimentos para apresentação da comprovação dos gastos feitos com os recursos recebidos pelos municípios, no exercício de 2009, a título

Leia mais

Dicas para utilização dos recursos do PVMC Peti

Dicas para utilização dos recursos do PVMC Peti Dicas para utilização dos recursos do PVMC Peti 1. Como incluir os Municípios no PETI - Programa de Erradicação do Trabalho Infantil? A primeira ação para se enfrentar o trabalho infantil é saber de que

Leia mais

Plano de Ação Coordenação Geral de Apoio ao Controle Social e à Gestão Descentralizada (CGACS/MDS)

Plano de Ação Coordenação Geral de Apoio ao Controle Social e à Gestão Descentralizada (CGACS/MDS) Plano de Ação 2011 Coordenação Geral de Apoio ao Controle Social e à Gestão Descentralizada (CGACS/MDS) Conhecendo o plano de ação O cofinanciamento no SUAS A NOB/SUAS instituiu novos mecanismos e formas

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL PORTARIA N o 8, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2001 A Secretária de Estado de Assistência Social, no uso de suas atribuições legais, conferidas pela Portaria MPAS

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social fevereiro / 2011 O PLANEJAMENTO E A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO SUAS Bases Legais do Financiamento Instrumentos

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento

Programa de Aceleração do Crescimento Programa de Aceleração do Crescimento Início do PAC Seleções de Intervenções Relevantes Estados, Municípios, Cias Saneamento, Habitação - 2007 Projetos existentes Obras estruturantes Mobilização Imediata

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 97, DE 30 DE MARÇO DE 2016

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 97, DE 30 DE MARÇO DE 2016 Nº 61, quinta-feira, 31 de março de 2016 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 97, DE 30 DE MARÇO DE 2016 Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR, integrante do Programa

Leia mais

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único para Programas Sociais Definição Instrumento de identificação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS MARCO LEGAL O IGDSUAS foi instituído pela Lei n.º 12.435/2011, que altera a Lei n.º 8.742/1993 (LOAS) art. 12-A Regulamentado pelo Decreto n.º 7.636 de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 459, DE 09 DE SETEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU de 15 de setembro de 2005) (Alterada pelas Portarias

Leia mais

Resolução nº 05 de 18 de maio de 2016

Resolução nº 05 de 18 de maio de 2016 Resolução nº 05 de 18 de maio de 2016 Aprova ad referendum critérios, prazos e procedimentos do repasse de recursos estaduais, alocados no Fundo Estadual de Assistência Social de Santa Catarina- FEAS/SC,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2000 Entre as partes, de um lado: SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS FABRICANTES DE PEÇAS E PRÉ-FABRICADOS EM CONCRETO DO ESTADO DE SÃO PAULO e de outro lado: SINDICATO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Aprova metas e critérios de partilha para o cofinanciamento federal do Programa Nacional de Promoção da Integração ao Mundo do Trabalho para o exercício de 2014 e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) Dá nova redação à Instrução Normativa nº 22, de 14 de dezembro de 2015, do Ministério das Cidades, que regulamenta o Programa Carta de

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/8 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: DESBLOQUEAR SALDOS DE EMPENHO DE RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dá nova redação à Portaria Interministerial nº 326, de 31 de agosto de 2009, que dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF A Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, órgão que regulamenta e fiscaliza os fundos de pensão no Brasil, aprovou em 13 de

Leia mais

INSTRUÇÃO OPERACIONAL SNAS/MDS N 01, DE 19 DE SETEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO OPERACIONAL SNAS/MDS N 01, DE 19 DE SETEMBRO DE 2007 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO OPERACIONAL SNAS/MDS N 01, DE 19 DE SETEMBRO DE 2007 1. APRESENTAÇÃO A presente Instrução Operacional,

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE. REUNIÃO AMPLIADA DO COSEMS - CEARÁ 04 de outubro de 2013

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE. REUNIÃO AMPLIADA DO COSEMS - CEARÁ 04 de outubro de 2013 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE REUNIÃO AMPLIADA DO COSEMS - CEARÁ 04 de outubro de 2013 OBJETIVO Portaria Nº 719/GM/MS, de 07 de abril de 2011 Contribuir para a PROMOÇÃO DA SAÚDE da população e fomentar PRÁTICAS

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento. Modelo de Aferição por Parcelas e Portaria 130/2013

Programa de Aceleração do Crescimento. Modelo de Aferição por Parcelas e Portaria 130/2013 Programa de Aceleração do Crescimento Modelo de Aferição por Parcelas e Portaria 130/2013 Modelo de Aferição Por Parcelas Histórico: Com o advento do PAC2 foram estabelecidas algumas medidas a fim de otimizar

Leia mais

Controle de Financiamentos. Sumário

Controle de Financiamentos. Sumário Fernanda Klein Both 02/04/2013 008.011.0035 B13 1/8 Controle de Financiamentos Sumário 1. Objetivo... 2 2. Cadastros... 2 2.1. Instituições Financeiras... 2 2.2. Conta Corrente... 2 2.3. Linhas de Crédito...

Leia mais

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS NO RIO GRANDE DO SUL CIRCULAR ESPECIAL CONVENÇÃO COLETIVA CUT 2010/2011

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS NO RIO GRANDE DO SUL CIRCULAR ESPECIAL CONVENÇÃO COLETIVA CUT 2010/2011 CIRCULAR ESPECIAL CONVENÇÃO COLETIVA CUT 2010/2011 Pela presente informamos que foram encerradas as negociações coletivas do ano em curso, resultando na Convenção Coletiva de Trabalho com a Federação e

Leia mais

Manual de utilização do portal NIX-UP para Upload de Notas Fiscais de Serviço

Manual de utilização do portal NIX-UP para Upload de Notas Fiscais de Serviço Manual de utilização do portal NIX-UP para Upload de Notas Fiscais de Serviço Este manual tem como objetivo demonstrar a utilização do portal NIX- UP para upload (carregamento) das notas fiscais de prestação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX - 008/2008

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX - 008/2008 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX - 008/2008 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Estadual de Londrina, considerando a seleção de projetos para o Programa de Extensão Universitária Universidade

Leia mais

INSTRUÇÕES BACEN JUD DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA 2º GRAU

INSTRUÇÕES BACEN JUD DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA 2º GRAU INSTRUÇÕES BACEN JUD DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA 2º GRAU Acesso e navegação O acesso ao sistema é feito por intermédio do endereço internet www.bcb.gov.br, no qual está disponibilizado link de acesso ao

Leia mais

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS)

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS) Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS) PORTARIA Nº 1.708, DE 16 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta o Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS), com a definição

Leia mais

Controle de imobilizado

Controle de imobilizado Controle de imobilizado São apresentadas as regras de validação e controle de acesso do controle de imobilizado, nas telas que são as 1160, 1162, 1163 e 1165. 1. Devem ser cadastradas as permissões de

Leia mais

Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) CEP:

Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) CEP: Institui o Regulamento da oferta do Programa de Parcelamento Alternativo Arthur Thomas de Mensalidade Escolar PAAT. Art. 1º. Este Regulamento disciplina o processo de concessão, funcionamento, destinação

Leia mais

GRFGTS Recolhimento mensal

GRFGTS Recolhimento mensal BOTUCATU 17/05/2016 Reflexos no FGTS Reflexos no FGTS Otimização na forma de geração e disponibilização das guias de recolhimento mensal e rescisório, e definição de um único modelo de guia - GRFGTS; Adequação

Leia mais

GRFGTS Recolhimento mensal

GRFGTS Recolhimento mensal JALES 19/05/2016 Reflexos no FGTS Reflexos no FGTS Otimização na forma de geração e disponibilização das guias de recolhimento mensal e rescisório, e definição de um único modelo de guia - GRFGTS; Adequação

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARATAÍZES ESPÍRITO SANTO

MUNICÍPIO DE MARATAÍZES ESPÍRITO SANTO Página 1 de 5 LEI N 1187 de 04 de maio de 2009 AUTORIZA O CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL A REPASSAR AJUDA FINANCEIRA À ASSOCIAÇÃO CASA DE DAVI - ACD E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O de Marataízes, Estado do Espírito

Leia mais

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo.

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo. NOTA TÉCNICA N. 035/2013 Brasília, 24 de outubro de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV). REFERÊNCIA: Resolução CNAS n

Leia mais

Parágrafo Quarto - O aplicativo para registro das batidas não permitirá:

Parágrafo Quarto - O aplicativo para registro das batidas não permitirá: ACORDO QUE ENTRE SI FAZEM O BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A (BNB), CNPJ EMPREGADOS DO BNB, OBJETO DA CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. CLÁUSULA PRIMEIRA _ DO SISTEMA DE

Leia mais

DEPOIS DO NASCIMENTO ANTES DO NASCIMENTO RETORNANDO AO TRABALHO

DEPOIS DO NASCIMENTO ANTES DO NASCIMENTO RETORNANDO AO TRABALHO LICENÇA-MATERNIDADE A gestação e o nascimento do bebê são fases muito significativas na vida da mulher, com muitas novidades a cada mês. Para garantir que o seu período de afastamento e retorno ao trabalho

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL BARRO ALTO

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL BARRO ALTO LEI Nº 069/2009 De 31 de dezembro de 2009. Estima a Receita e Fixa a Despesa do Município de BARRO ALTO Ba, para o Exercício Financeiro de 2010. O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRO ALTO, Estado da Bahia, no

Leia mais

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá:

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá: CLÁUSULA PRIMEIRA DO SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO - O Banco do Nordeste adotará, para registro e controle de frequência dos seus empregados, um sistema de ponto eletrônico, nos termos da Portaria nº 373/2011,

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv

Portal dos Convênios - Siconv MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Análise, Aprovação de Proposta/Plano

Leia mais

IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M. Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012

IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M. Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012 IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012 MARCO LEGAL 1) Lei nº 12.058, de 13 de outubro de 2009, altera o Art. 8º da Lei 10.836/2004: Institucionaliza o IGD,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE IMBITUBA Faço saber que a Câmara Municipal de Imbituba aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE IMBITUBA Faço saber que a Câmara Municipal de Imbituba aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 4.764, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2016. Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Imbituba para o Exercício de 2017. O PREFEITO MUNICIPAL DE IMBITUBA Faço saber que a Câmara Municipal de Imbituba

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-140 APROVADA EM DEZ/2015 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013.

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. AUTORIZA O MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ A CONTRATAR, EM CARÁTER TEMPORÁRIO, PROFISSIONAL PARA O DESEMVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE INCLUSÃO DE JOVENS - PROJOVEM ADOLESCENTE.

Leia mais

A marca que mais respeita você. Primeiro ACESSO

A marca que mais respeita você. Primeiro ACESSO A marca que mais respeita você. Primeiro ACESSO Bem-vindo à VR Benefícios Entendemos a importância deste benefício aos seus funcionários e por isso queremos estar com você neste momento. Utilize este guia

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui o incentivo financeiro de custeio

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Instrução Operacional Conjunta SENARC/MDS/SAS/MS nº 11 Brasília, 18 de novembro de 2011. 1 INTRODUÇÃO Assunto: Divulga informações e procedimentos sobre a implantação do Benefício Variável destinado a

Leia mais

MAHLE METAL LEVE S.A. C.N.P.J/MF / COMPANHIA ABERTA FATO RELEVANTE

MAHLE METAL LEVE S.A. C.N.P.J/MF / COMPANHIA ABERTA FATO RELEVANTE MAHLE METAL LEVE S.A. C.N.P.J/MF 60.476.884/0001-87 COMPANHIA ABERTA FATO RELEVANTE Os administradores de Mahle Metal Leve S.A. ("Companhia"), na forma e para os fins das Instruções CVM nºs 319/99 e 358/02,

Leia mais

Em 3 de janeiro de 2017, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições e considerando:

Em 3 de janeiro de 2017, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 002/2017 Em 3 de janeiro de 2017, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições e considerando: - o art. 80 da Lei n o 8.112 de

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 028/2015

NOTA TÉCNICA N o 028/2015 NOTA TÉCNICA N o 028/2015 Brasília, 07 de dezembro de 2015. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Condicionalidades e Processos Administrativos do Programa Bolsa Família. REFERÊNCIAS: Medida Provisória

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015. DOU de 11.12.2015 Regulamenta o cofinanciamento federal do Sistema Único de Assistência

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Publicado no DO em 14 out 2016 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação de dívidas originárias de operações de crédito rural inscritas em dívida ativa da União,

Leia mais

Colégio Ensitec Ensino Fundamental, Médio e Profissional

Colégio Ensitec Ensino Fundamental, Médio e Profissional EDITAL Nº03/2013 Dispõe sobre o Processo de Matrícula para os Cursos Técnicos concomitantes e subsequentes ao Ensino Médio: Administração Contabilidade Eletrônica Mecânica Mecatrônica Qualidade Segurança

Leia mais

Perguntas e Respostas PNAIC/UNESP 2016

Perguntas e Respostas PNAIC/UNESP 2016 Perguntas e Respostas PNAIC/UNESP 2016 PERGUNTAS RESPOSTAS TEMA Escolas não cadastradas no Censo Escolar em 2015, não poderão indicar coordenador pedagógico. Escola nova, não cadastrada no Censo 2015,

Leia mais

REGULAMENTO Promoção Novo Vivo Sempre

REGULAMENTO Promoção Novo Vivo Sempre REGULAMENTO Promoção Novo Vivo Sempre VIVO PRÉ BA e SE Antes de participar da Promoção, o usuário deve ler o presente Regulamento. A adesão à Promoção implica no entendimento e na aceitação total das condições,

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES. 1) Quando é decretada a liquidação extrajudicial?

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES. 1) Quando é decretada a liquidação extrajudicial? DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1) Quando é decretada a liquidação extrajudicial? A liquidação extrajudicial é decretada quando uma seguradora se enquadrar nas hipóteses previstas no art. 96 do Decreto-Lei n 73/66

Leia mais

CAPÍTULO I DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA - PMCMV

CAPÍTULO I DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA - PMCMV DECRETO Nº 6819, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Regulamenta as Seções II, III e IV do Capítulo I da Medida Provisória nº 459, de 25 de março de 2009, que dispõe sobre o Programa

Leia mais

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU )

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU ) PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU 30.06.2010) Dispõe sobre o salário mínimo e o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes

Leia mais

DETALHAMENTO DO COMPONENTE CONSTRUÇÃO & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE CONSTRUÇÃO DE UBS NO SISMOB

DETALHAMENTO DO COMPONENTE CONSTRUÇÃO & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE CONSTRUÇÃO DE UBS NO SISMOB DETALHAMENTO DO COMPONENTE CONSTRUÇÃO & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE CONSTRUÇÃO DE UBS NO SISMOB COMPONENTE CONSTRUÇÃO CONCEITO DE CONSTRUÇÃO DE UNIDADE DE SAÚDE PARA O MINISTÉRIO DA SAÚDE

Leia mais

Servidor ou Pensionista: Tutorial da criação de senha no SIGAC/SIGEPE

Servidor ou Pensionista: Tutorial da criação de senha no SIGAC/SIGEPE Servidor ou Pensionista: Tutorial da criação de senha no SIGAC/SIGEPE (1º Tópico) Quem precisa criar senha no Sigac? Todos os servidores (ativos e aposentados) e pensionistas que precisam acessar as funcionalidades

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009.

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009. Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre a regulamentação da portabilidade das carências previstas

Leia mais

AVISO AOS ACIONISTAS

AVISO AOS ACIONISTAS COMPANHIA VALE DO RIO DOCE COMPANHIA ABERTA CNPJ 33.592.510/0001-54 CAEMI MINERAÇÃO E METALURGIA S.A COMPANHIA ABERTA CNPJ 31.865.728/0001-00 AVISO AOS ACIONISTAS As administrações da COMPANHIA VALE DO

Leia mais

INSTRUÇÃO OPERACIONAL N. 05 / SNAS

INSTRUÇÃO OPERACIONAL N. 05 / SNAS INSTRUÇÃO OPERACIONAL N. 05 / 2008 - SNAS Dispõe sobre instruções de preenchimento do Questionário sobre a Execução do Piso Básico de Transição, disponibilizado pelo Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

O material a seguir foi preparado de forma a orientar os usuários quanto aos procedimentos para cadastro e utilização do Caixa.

O material a seguir foi preparado de forma a orientar os usuários quanto aos procedimentos para cadastro e utilização do Caixa. Apostila Caixa Índice Introdução... 3 Conceito... 3 Cadastro de Caixa... 3 Liberação de Caixa... 3 Abertura de Caixa... 4 Movimentação do Caixa... 4 1. Receber... 4 2. Estornar... 6 Emissão de 2ª Via...

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CF-88 art. 204 as ações governamentais na área da assistência social devem ser realizadas com recursos

Leia mais

KINEA RENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ/MF nº /

KINEA RENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ/MF nº / KINEA RENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ/MF nº 16.706.958/0001-32 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE COTISTAS REALIZADA EM 09 DE MARÇO DE 2017 I - DATA, HORA E

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA TROCO PREMIADO

REGULAMENTO DA CAMPANHA TROCO PREMIADO REGULAMENTO DA CAMPANHA TROCO PREMIADO 1. Cessão: apenas do direito de participação nos sorteios vinculados aos Títulos de Capitalização. 2. Promotora: A CDF- CENTRAL DE FUNCIONAMENTO TECNOLOGIA E PARTICIPAÇÕES

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 - DOU DE 03/01/2011 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores

Leia mais

A marca que mais respeita você. Primeiro ACESSO

A marca que mais respeita você. Primeiro ACESSO A marca que mais respeita você. Primeiro ACESSO Bem-vindo à VR Benefícios Entendemos a importância deste benefício aos seus funcionários e por isso queremos estar com você neste momento. Utilize este guia

Leia mais

Esse manual visa fornecer orientações às instituições concedentes de estágios. Após

Esse manual visa fornecer orientações às instituições concedentes de estágios. Após Esse manual visa fornecer orientações às instituições concedentes de estágios. Após acessar o endereço www.sigaa.ufs.br, você deve clicar no botão ENTRAR NO SISTEMA Obs.: Os dados utilizados nos exemplos

Leia mais

Pagadoria. Agillitas Soluções de Pagamentos

Pagadoria. Agillitas Soluções de Pagamentos Pagadoria Agillitas Soluções de Pagamentos Cadastramento Perfil de Acesso Imobiliária www.recebasuacomissao.com.br Cadastramento - CNPJ Perfil para cadastramento, que será disponibilizado para imobiliária

Leia mais

ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE SELVÍRIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012.

ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE SELVÍRIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012. LEI N.º 830/2011, de 21 de dezembro de 2011 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE SELVÍRIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012. PROFESSOR JOSÉ DODO DA ROCHA, Prefeito do Município de Selvíria,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O TREINAMENTO DO PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES

INSTRUÇÕES PARA O TREINAMENTO DO PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES 1 INSTRUÇÕES PARA O TREINAMENTO DO PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES Sumário 1- CADASTRO NO PORTAL DE PERIÓDICOS...2 2- CONFIRMAÇÃO DO CADASTRO DO MEU ESPAÇO...4 3- RECUPERAÇÃO DO USUÁRIO / SENHA DO MEU ESPAÇO...5

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 129/2016.

PROJETO DE LEI Nº 129/2016. PROJETO DE LEI Nº 129/2016. AUTORIZA O EXECUTIVO A CELEBRAR TERMO DE CONFISSÃO DE DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS E ACORDO DE PARCELAMENTO COM O FUNDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS FPSM, E DÁ

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CONSELHOS SUPERIORES

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CONSELHOS SUPERIORES NORMA PARA PAGAMENTO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A BOLSISTAS DO PNPD (CAPES) E DOCENTES PESQUISADORES PARA PARTICIPAÇÃO EM ATIVIDADES ACADÊMICAS OU CIENTÍFICAS Art. 1º - Esta norma estabelece os critérios para

Leia mais

PPA Estratégias Nacionais de Atuação Perguntas Frequentes

PPA Estratégias Nacionais de Atuação Perguntas Frequentes PPA 2018-2019 Estratégias Nacionais de Atuação Perguntas Frequentes Publicada 19/07/2017 1. PROJETOS 1.1 É possível realizar alterações no Projeto após sua aprovação via DIREX NA? Quais seriam os procedimentos?

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos GABINETE DO MINISTRO

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos GABINETE DO MINISTRO Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos GABINETE DO MINISTRO Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 555,

Leia mais

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados PROPOSTA DE DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO QUE CONTENHA, NO MÍNIMO, AS INFORMAÇÕES INDICADAS NO ANEXO 9.1.II DA INSTRUÇÃO NORMATIVA CVM n. 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro

Leia mais

DETALHAMENTO DO COMPONENTE REFORMA & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE REFORMA DE UBS NO SISMOB

DETALHAMENTO DO COMPONENTE REFORMA & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE REFORMA DE UBS NO SISMOB DETALHAMENTO DO COMPONENTE REFORMA & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE REFORMA DE UBS NO SISMOB COMPONENTE REFORMA CONCEITO DE REFORMA DE UNIDADE DE SAÚDE PARA O MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) Reforma

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA IGD DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS INDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA CARACTERÍSTICAS Fortalecimento da Gestão Municipal e Estadual do PBF e do Cadastro Único Fortalecimento

Leia mais

SINDIMETAL LONDRINA COMUNICADO IMPORTANTE - ERRATA FECHAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017

SINDIMETAL LONDRINA COMUNICADO IMPORTANTE - ERRATA FECHAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017 SINDIMETAL LONDRINA COMUNICADO IMPORTANTE - ERRATA FECHAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017 Em substituição ao comunicado enviado esta manhã às empresas, solicitamos que considerem este informativo,

Leia mais

S E R V I Ç O P Ú B L I C O F E D E R A L Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Pró- Reitoria de Pós- Graduação e Pesquisa

S E R V I Ç O P Ú B L I C O F E D E R A L Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Pró- Reitoria de Pós- Graduação e Pesquisa PROCEDIMENTOS PARA PAGAMENTO DE AUXÍLIO FINANCEIRO DIÁRIO RECURSOS CAPES PROAP Programa de Apoio à Pós- Graduação PNPD Programa Nacional de Pós- Doutorado Em atendimento a Portaria CAPES nº. 132 de 18/08/2016,

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Conhecendo o sistema Certidões Negativas Cadastros das certidões... 6

SUMÁRIO. 1. Conhecendo o sistema Certidões Negativas Cadastros das certidões... 6 SUMÁRIO 1. Conhecendo o sistema... 3 2. Certidões Negativas... 5 2.1 Cadastros das certidões... 6 2.2 Exclusões de Negativas cadastradas com erro... 7 3. Geração de Anexo de Nota Fiscal... 8 3.1. Como

Leia mais

Regulamento. 1 Cadastro. 1.1 Cadastro inicial plano básico deve conter:

Regulamento. 1 Cadastro. 1.1 Cadastro inicial plano básico deve conter: Regulamento 1 Cadastro 1.1 Cadastro inicial plano básico deve conter: 1.1.1 Nome Completo 1.1.2 E-mail válido 1.1.3 Senha e confirmação de senha 1.1.4 Aceitar Termo de uso e Regulamento 1.2 Cadastro plano

Leia mais

PARABÉNS!! Seja Bem Vindo à Universidade Federal de Itajubá! Após concurso público de rigorosa seleção, você passa a integrar o quadro da UNIFEI.

PARABÉNS!! Seja Bem Vindo à Universidade Federal de Itajubá! Após concurso público de rigorosa seleção, você passa a integrar o quadro da UNIFEI. Após concurso público de rigorosa seleção, você passa a integrar o quadro da UNIFEI. PARABÉNS!! Agora, além de cidadão, você passa a ser também um Servidor do Poder Executivo Federal. Além de ansioso,

Leia mais

COMUNICADO. Das Normas

COMUNICADO. Das Normas COMUNICADO Edital de Abertura de Inscrições para a Etapa de Estágio Supervisionado em Docência do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino - PAE - para o 1º semestre de 2018. O Museu de Arqueologia e Etnologia

Leia mais

SCPO. Sistema de Comunicação Prévia de Obras

SCPO. Sistema de Comunicação Prévia de Obras Ministério do Trabalho Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Coordenação Geral de Normatização e Programas SCPO Sistema de Comunicação Prévia de Obras Manual

Leia mais

Como Fazer Renegociação de Parcelas (Contas a Receber)? FS136

Como Fazer Renegociação de Parcelas (Contas a Receber)? FS136 Como Fazer Renegociação de Parcelas (Contas a Receber)? FS136 Sistema: Futura Server Caminho: Contas a Receber>Renegociação de Parcelas Referência: FS136 Versão: 2016.02.15 Como Funciona: Esta tela é utilizada

Leia mais

Abaixo, discriminamos a relação dos documentos necessários para análise do processo, que deverão ser encaminhados ao Banco Volkswagen no endereço:

Abaixo, discriminamos a relação dos documentos necessários para análise do processo, que deverão ser encaminhados ao Banco Volkswagen no endereço: LIQUIDAÇÃO ANTECIPADA APÓS 24ª PARCELA ORIENTAÇÕES IMPORTANTES: A opção pela compra do bem só poderá ser feita após o prazo mínimo de 24 meses da contratação, sob pena de descaracterização da operação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2016 AUXÍLIO TRANSPORTE PARA DESLOCAMENTO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E DE NÍVEL TÉCNICO PRESENCIAL FORA DO DOMICÍLIO

CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2016 AUXÍLIO TRANSPORTE PARA DESLOCAMENTO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E DE NÍVEL TÉCNICO PRESENCIAL FORA DO DOMICÍLIO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2016 AUXÍLIO TRANSPORTE PARA DESLOCAMENTO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E DE NÍVEL TÉCNICO PRESENCIAL FORA DO DOMICÍLIO O MUNICÍPIO DE SERTANÓPOLIS, ESTADO DO PARANÁ, CNPJ n. 76.245.034/0001-08,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ACESSO AO MUNDO DO TRABALHO. PERGUNTAS FREQUENTES

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ACESSO AO MUNDO DO TRABALHO. PERGUNTAS FREQUENTES MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA W3 Norte SEPN 515, Bloco b 2º Andar sala 202 CEP 70770-502 Brasília

Leia mais

Edital de Convocação DC Nº 04/2016

Edital de Convocação DC Nº 04/2016 Edital de Convocação DC Nº 04/2016 Brasília, 28 de novembro de 2016. O MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES (MRE), por intermédio da Divisão de Temas Educacionais (DCE), convoca as Instituições de Ensino

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO PIAUÍ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO PIAUÍ GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 503/2015, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2015. Estima a receita e fixa a despesa do município de São Francisco do Piauí para o exercício financeiro de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO PIAUÍ,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Cadastro, financiamento e processo de trabalho para municípios que receberam

Leia mais

EDITAL Nº 01/2017/PROEXT/PROPESQ/IFAP SELEÇÃO DE PROJETOS DE INOVAÇÃO

EDITAL Nº 01/2017/PROEXT/PROPESQ/IFAP SELEÇÃO DE PROJETOS DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 01/2017/PROEXT/PROPESQ/IFAP SELEÇÃO DE PROJETOS DE INOVAÇÃO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá (IFAP), por meio da Pró-Reitoria de Extensão e Pró-Reitoria de Pesquisa,

Leia mais

PUBLICADO NO DOM DE 19/06/09 ALTERADO PELOS DECRETOS Nº , de 18/09/2009, , de 11/03/2010 e , de 24/08/2010.

PUBLICADO NO DOM DE 19/06/09 ALTERADO PELOS DECRETOS Nº , de 18/09/2009, , de 11/03/2010 e , de 24/08/2010. PUBLICADO NO DOM DE 19/06/09 ALTERADO PELOS DECRETOS Nº 19.998, de 18/09/2009, 20.644, de 11/03/2010 e 21.088, de 24/08/2010. DECRETO N 19.682 de 18 de junho de 2009 Altera dispositivos do Decreto n 18.

Leia mais

Processo de Retificação/alteração/exclusão de informações; Processo de Transferência de trabalhadores; Processo de Cancelamento do desligamento;

Processo de Retificação/alteração/exclusão de informações; Processo de Transferência de trabalhadores; Processo de Cancelamento do desligamento; Reflexos no FGTS Reflexos no FGTS: Geração e disponibilização das guias de recolhimento mensal e rescisório, e definição de um único modelo de guia - GRFGTS; Adequação da prestação da informação à nova

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SELVÍRIA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE SELVÍRIA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI N.º 968/2015, de 21 de dezembro de 2015. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE SELVÍRIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016. JAIME SOARES FERREIRA, Prefeito do Município de Selvíria, Estado

Leia mais