VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos"

Transcrição

1 VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal Equilíbrio Equipamentos de Proteção Ambiental

2 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO: GRAU DE RISCO GRAU DE RISCO X PLANO DE PREVENÇÃO E COMBATE: Melhoria da eficiência da detecção e acionamento Elevação da mobilidade/agilidade para deslocamento Integração de atividades: Redução de custo Diminuição do tempo entre detecção e início de controle Melhoria do desempenho dos equipamentos/produtos de controle Treinamento Comunicação Integração de recursos entre empresas

3 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS Diagnóstico da situação: Clima Histórico das ocorrências Fatores de risco: estradas, conflitos sociais, etc. Tamanho e dispersão das áreas Topografia Acesso às áreas Fontes de água Vizinhos de risco Vizinhos a serem integrados no plano de prevenção e combate

4 PLANO DE PREVENÇÃO: Zonear áreas de risco PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS Campanhas Educativas e Informativas Monitoramento das condições meteorológicas Adequação das estruturas físicas: Construção e manutenção de aceiros internos e externos Manutenção das vias de acesso Construção e manutenção de pontos de captação de água Instalação de torres ou pontos de observação Limpeza e manutenção do sub-bosque do plantio Grau de risco X quantidade, tipo e distribuição de recursos

5 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS DETECÇÃO E COMUNICAÇÃO: Sistema de detecção de ocorrências: Vistorias terrestres Torres e estruturas de visualização Câmeras de vídeo instaladas em torres ou estruturas Satélites Sistema de comunicação central de comunicação: Rádio Telefone Celular

6 T R E I N A M E N T O

7

8

9

10

11 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CONTROLE EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS: Cortantes: Motosserra, foice, machado, facão Raspantes: Enxada, rastelo, enxadão Abafadores Queimador Pinga-fogo Bombas ou mochilas costais Caminhão Pipa Tratores e motoniveladora Aeronaves: Avião e Helicóptero Sistema Embarcado de combate kit combate

12 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS INTEGRAÇÃO DAS ATIVIDADES: Distribuição dos recursos de combate nas áreas: Diminuição do tempo entre detecção e combate Diminuição dos custos INTEGRAÇÃO: pensada para cada empresa.

13 Monitoramento e proteção florestal cerca de ha, entre eucalipto e áreas de conservação. Controle de mais de focos de incêndio por ano. Experiência: EQUILÍBRIO + CLIENTES

14 Áreas de atuações da Equilibrio no Brasil

15 EQUIPE DE TRABALHO 03 Técnicos Agrícolas ou florestais; 01 Pick-up; 01 Quadriciclo; 02 Rádios portáteis de comunicação; 02 Coletores de dados (Palm Top);

16 Aplicação Herbicida Carreadores ESCOPO TÉCNICO

17 Desobstrução de carreadores ESCOPO TÉCNICO

18 ESTRATÉGIA DE RASTREAMENTO DA OPERAÇÃO

19

20 HORA:MINUTOS ESCOPO TÉCNICO Registro Incêndios Permite gestão de todas as informações da ocorrência, geração de relatórios gerenciais. - Número de ocorrências e Focos por região - Número de focos x Ocorrência - Número de ocorrências por período - Horário - Média área queimada por ocorrência. - Área queimada (Plantio, Preservação e Vizinho) - Distância média de deslocamento - Tempo médio de deslocamento - Tempo médio de combate 01:14 01:07 00:59 00:52 00:44 00:37 00:29 00:22 00:14 00:07 TEMPO MÉDIO DE DESLOCAMENTO 00:21 0:23 0:23 00:26 0:26 0:29 0:27 0:26 0:29 0:28 0:32 0:42 0:31 0:31 0:30 0:25 0:31 ANUALAGO SET OUT NOV DEZANUALJAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL Mar-Dez/ AgoANUAL PERÍODO

21 ESTRATÉGIA DE RASTREAMENTO DA OPERAÇÃO

22 Área queimada (m2) Figura 1. Área queimada no início do combate X tempo para início do combate, no outono (Base, dados do Estado de SC, no outono) Área queimada (m2): Propagação em círculo Semi-círculo a favor do vento Semi-cìrculo contra o vento 1/4 círculo a favor do vento 1/4 círculo contra o vento Tempo para início combate (minutos) Padrão de propagaçao fogo 49 min - 20 min ha Propagação em círculo 1,89 Semi-círculo a favor do vento 1,45 Semi-cìrculo contra o vento 0,44 1/4 círculo a favor do vento 0,72 1/4 círculo contra o vento 0,22

23

24 Simulação mais adequada, pois considera um tempo, no exercício, de 20 minutos, para detecção e mobilização, entre o início do fogo e início do deslocamento. CONDIÇÃO DE PROPAGAÇÃO DIFERENÇA ENTRE 49 E 20 MIN FOCOS/ANO TOTAL POR ANO (ha) NÚMERO % DO TOTAL (HA) Em círculo 3, % 4.740,22 Em semicírclo a favor do vento 4, % 3.652,22 Em semicírclo contra do vento 0, % 273,72 Em 1/4 círculo a favor do vento 2, % 365,22 em 1/4 de círculo contra o vento 0, % 27,37 Total de focos por ano = % 9.058,76

25 PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CONTROLE EQUIPAMENTOS: 1- Equipamentos de grande autonomia: A maioria dos incêndios. Fogo rasteiro: serrapilheira e sub-bosque baixo. 2- Alto poder de combate (vazão) e pode ter baixa autonomia: Fogo em máquinas (de exploração). 3- Grande autonomia e alto poder de combate: Fogo em pilha de madeira. Fogo com sub-bosque alto. Fogo de copa.

26 Acesso para operação e manutenção Proteção equipamento Contaminação dos tanques pelo retardante

27 ITEM TANQUE OPÇÃO PARA O CLIENTE ECONÔMICA INTERMEDIÁRIA DESEMPENHO Flexível Fibra-de-vidro, único (removível) Fibra-de-vidro, caçamba especial PROPULSÃO Motor auxiliar Hidráulica TECNOLOGIA CCP Padrão 4F (CAFS)

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37 EXEMPLO: Cabine suplementar, para 6 pessoas, com porta para os assentos do lado direito do caminhão e porta exclusiva de acesso ao banheiro do outro lado.

38

39

40 INTERIOR DA CABINE SUPLEMENTAR: Até 7 lugares, considerando 2 lugares na cabine do caminhão (total permitido = 9). Com banheiro, 6 lugares, com 3 na

41 BANHEIRO: Porta exclusiva de acesso, do lado esquerdo do caminhão; banheiro totalmente isolado do restante da cabine.

42 INTERIOR DO BANHEIRO

43

44 Compressed Air Foam System CAFS significa Compressed Air Foam System, ou seja, Sistema de Espuma Pressurizada. CAFS é um sistema de alta-energia que utiliza ar pressurizado produzido por um compressor rotativo, misturando-o com a solução de espuma previamente criada por um dosificador de espuma automático.

45

46 1 água + 7 ar = 8 espuma úmida 1 água + 10 ar = 11 espuma úmida 1 água + 20 ar = 21 espuma úmida ou seca (% LGE) 1 água + 30 ar = 31 espuma seca 1 água +... ar =... espuma

47 Algumas Vantagens do CAFS Reduz a quantidade de água requerida. Reduz o tempo de combate. Redução nos danos causados pela extinção. 4 a 5 vezes mais eficaz do que utilizando só água. O lanço de mangueira é 10% mais leve do que utilizando só água. Requer menos pessoal no controle da mangueira, permitindo outras tarefas inerentes. Proporções de 0,3-1,0% de espumífero, reduzindo os gastos do mesmo. Menos formação de vapor. Reduz o risco de Flash-Over (ignição súbita generalizada) dado à elevada redução da temperatura. Reduz a reignição. Possibilidade de maiores alcances do jacto que no sistema convencional (sistema de maior vazão). Menos danoso para o ambiente. Facilidade de aplicação a qualquer tipo viatura. Aplicável a todo o tipo de incêndios (Florestal+Urbano+Industrial).

48

49

50 Módulos CAFS completos Com bomba incorporada

51 Módulos CAFS Sem bomba incorporada, utilizando a bomba acoplada da viatura

52

53

54 POR QUE NÃO EXISTE MAIS CAFS NO BRASIL? Custo de aquisição. Custo de manutenção. Facilidade de manutenção.

55

56

57

58

59

60

61

62 EQUILÍBRIO EQUIPAMENTOS - Equipmanto: 4F/CAFS-G Tanque único simples 300 l (T-US-300)

63

64

65

66

67 EQUILÍBRIO EQUIPAMENTOS - Equipmanto: 4F/CAFS-H Tanque único simples 2600 l (T-US-2600) - Multifuncional: mini-munch hidráulico.

68

69

70

71

72

73 OBRIGADO!

CAFS significa Compressed Air Foam System, ou seja, Sistema de espuma pressurizada.

CAFS significa Compressed Air Foam System, ou seja, Sistema de espuma pressurizada. Pág.1/6 SISTEMAS CAFS CAFS significa Compressed Air Foam System, ou seja, Sistema de espuma pressurizada. CAFS é um sistema de alta-energia que utiliza ar pressurizado produzido por um compressor rotativo,

Leia mais

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( )

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( ) Corretor: Seguro novo Nº apólice anterior: Possui outros seguros da mesma área? Recursos para a condução de floresta: Próprio Financiado Especificação do financiamento para condução da floresta? DADOS

Leia mais

COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO

COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO COMBATE INICIAL DE FOCOS DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO Nelson Sanches Bezerra Jr. Eng. Florestal nelson@equilibrioflorestal.com.br HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL JANEIRO DE 1996: MANEJO

Leia mais

TECNOLOGIA E EQUILÍBRIO. Sistemas versáteis de combate aos focos de incêndio.

TECNOLOGIA E EQUILÍBRIO. Sistemas versáteis de combate aos focos de incêndio. TECNOLOGIA E EQUILÍBRIO Sistemas versáteis de combate aos focos de incêndio. A Equilíbrio Equipamentos surgiu como consequência da necessidade de melhoria dos equipamentos de combate a incêndios florestais.

Leia mais

MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS SIMPOSIO SOBRE PRAGAS FLORESTAIS Montes Claros/MG MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

Incêndios florestais no Amapá

Incêndios florestais no Amapá FLORESTA 30(1/2): 23-36 Incêndios florestais no Amapá DORACI MILANI RESUMO Os incêndios florestais são responsáveis por grandes perdas tanto vegetais quanto animais e em sua maioria estão associados a

Leia mais

Implantação da Brigada de Incêndios Florestais na Universidade Federal de Lavras

Implantação da Brigada de Incêndios Florestais na Universidade Federal de Lavras Pedro Paulo Marcelino Abrão de Castro, graduando DCF/UFLA, ppfloresta@hotmail.com.br; Eng. Florestal Rossi Allan Silva, DCF/UFLA, rossiallan@gmail.com; Prof. José Aldo Alves Pereira, DCF/UFLA, j.aldo@ufla.br

Leia mais

Princípios de combate ao fogo

Princípios de combate ao fogo Princípios de combate ao fogo Mauricio Vidal de Carvalho Entende-se por fogo o efeito da reação química de um material combustível com desprendimento de luz e calor em forma de chama. Grande parte das

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

INTERFACE URBANA FLORESTAL E. Spartan ERV

INTERFACE URBANA FLORESTAL E. Spartan ERV Spartan ERV A Spartan ERV (Emergency Response Vehicles, veículos de resposta a emergências) é parte da Spartan Motors, Inc., uma empresa de capital aberto e diversificada que atende vários setores e que

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

CONTEXTO. mundial de celulose branqueada de eucalipto

CONTEXTO. mundial de celulose branqueada de eucalipto MONITORAMENTO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS NA ARACRUZ CELULOSE S.A. Ana Paula C. do Carmo (Aracruz( Celulose S.A.) Silvia R. Ziller (Instituto Hórus) CONTEXTO Maior produtora Unidade Barra

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes A Rodorei Transportes adota, há dez anos, uma política agressiva de

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Campo Grande, 11/04/2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Campo Grande, 11/04/2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Campo Grande, 11/04/2013 Organizadores Parceiros UFV LINHAS DE AÇÃO I. Qualidade de vida no trabalho II. Melhores práticas de produção

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

Relatório de Ocorrência de Incêndio Florestal N. 009 /2015

Relatório de Ocorrência de Incêndio Florestal N. 009 /2015 Relatório de Ocorrência de Incêndio Florestal N. 009 /2015 UNIDADE DE CONSERVAÇÃO: PARQUE ESTADUAL DA PEDRA AZUL Municípios envolvidos: Domingos Martins Nome do gestor: MARCELO NASCIMENTO DA SILVA Responsável

Leia mais

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Descrição A bomba dosadora de LGE FIRE DOS é o mais versátil sistema de proporcionamento existente no mercado. Este revolucionário sistema de

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção

Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção Defesa Civil Do Paraná Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção 2º Subgrupamento de Bombeiros/4ºGB Toledo PR 6 de agosto de 2013 1 Conceitos Fogo COMBUSTÍVEL COMBURENTE CALOR Incêndio: Fogo

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

Acessórios. Asperflex* (opcional exclusivo) Barra Irrigadora Traseira. Mangote de Sucção. Canhão Monitor. Pilotado Mod. CEPG300MI

Acessórios. Asperflex* (opcional exclusivo) Barra Irrigadora Traseira. Mangote de Sucção. Canhão Monitor. Pilotado Mod. CEPG300MI Kit Caixa-Bomba A TBA disponibiliza vários modelos e versões de Kit Caixa-Bomba para o manejo de líquidos nas aplicações de bombeamento móvel, como o de água em operações de combate a incêndios, tratamento

Leia mais

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Apóio: Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Ausência de uma visão estratégica da importância das redes Semafóricas e os impactos (positivos ou negativos) nas vidas das pessoas e das empresas; Serviços

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios Curso Defesa da Floresta contra Incêndios os antecedentes do Projecto: Fogos de 2003 e 2005 que devastaram a Região Centro; Implementação do Plano Nacional DFCI; Instalação das Comissões Municipais; Aprovação

Leia mais

Prof.Dr. Wyser José Yamakami

Prof.Dr. Wyser José Yamakami Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Campus Ilha Solteira-SP SP Prof.Dr. Wyser José Yamakami Introdução a Engenharia de Segurança: Capítulo 8 Prevenção de Incêndios 8.1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Antes da introdução de sistemas de supressão de fogo em veículos especiais na indústria de mineração,

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Monitoramento de bacias hidrográficas

Monitoramento de bacias hidrográficas Monitoramento de bacias hidrográficas Carolina R. Fontana (cabreuva@gmail.com) Piracicaba, 16 de setembro de 2008. Hidrologia Florestal A hidrologia florestal trata das relações floresta-água ramo da hidrologia

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE ANÁLISE DOS DADOS DE TEMPERATURA PARA DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DO METODO DE THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE Ana Lígia Chaves Silva José Roberto Gonçalves

Leia mais

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br Re9 Instalações e Sistemas contao@re9instalacoes.com.br A Empresa A Re9 Instalações e Sistemas, uma empresa especializada no fornecimento de Mão de obra especializada e implantação de sistemas para Condomínios

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Fábricas com eficientes sistemas de energia

Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas de hoje... A globalização e a concorrência entre as empresas estão causando revoluções no desenvolvimento de produtos, reduzindo cada vez mais o

Leia mais

Sistema de Proporcionamento FireDos de aditivos/ LGE para Corpos de Bombeiros

Sistema de Proporcionamento FireDos de aditivos/ LGE para Corpos de Bombeiros Sistema de Proporcionamento FireDos de aditivos/ LGE para Corpos de Bombeiros Unidades portáteis Viaturas de bombeiros Contêineres Aplicações especiais Sobre nós A FireDos GmbH Somos uma empresa de médio

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt Colectores Solares para Aquecimento de Água S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt POTENCIAL DE APLICAÇÃO DE COLECTORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Hotéis Apartamento Moteis Pousadas Estalagens

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

V M V & M FLORESTAL PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIOS NA V & M FLORESTAL LTDA

V M V & M FLORESTAL PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIOS NA V & M FLORESTAL LTDA V M V & M FLORESTAL APRESENTAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIOS NA V & M FLORESTAL LTDA Há séculos o fogo acompanha o homem e através dele registra-se a história da humanidade. É um marco no processo

Leia mais

SOLUÇÕES TELEMÁTICAS

SOLUÇÕES TELEMÁTICAS SOLUÇÕES TELEMÁTICAS A Plataforma agora poderá atender à todos estes nichos de negócios, atendendo a cada necessidade de controle de cargas, logística, pessoas e ainda por cima valorizando a segurança

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Preservação Ambiental Na faixa de servidão da LINHA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

Preservação Ambiental Na faixa de servidão da LINHA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA Preservação Ambiental Na faixa de servidão da LINHA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA Linha de Transmissão A Linha de Transmissão é responsável por conectar a usina IACO às subestações do Sistema Interligado Nacional,

Leia mais

Anexo 3. Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Parque Estadual de Vila Rica do Espírito

Anexo 3. Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Parque Estadual de Vila Rica do Espírito Anexo 3. Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Parque Estadual de Vila Rica do Espírito Autoria: Major Cosme Jorge da Luz e Capitão Juceli Simiano Junior 1. INTRODUÇÃO Os incêndios florestais

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

Disciplina de Tecnologia Pós-colheita Mestrado em Ciência e Tecnologia Pós-colheita Faculdade de Ciências, Universidade do Porto

Disciplina de Tecnologia Pós-colheita Mestrado em Ciência e Tecnologia Pós-colheita Faculdade de Ciências, Universidade do Porto 1 Transporte Disciplina de Tecnologia Pós-colheita Mestrado em Ciência e Tecnologia Pós-colheita Faculdade de Ciências, Universidade do Porto Domingos Almeida Transporte terrestre 2 Paletização (Thompson

Leia mais

Veículos destinados ao combate a incêndio, irrigação do solo, lavagem e transporte de água

Veículos destinados ao combate a incêndio, irrigação do solo, lavagem e transporte de água Veículos destinados ao combate a incêndio, irrigação do solo, lavagem e transporte de água Transporte eficaz de água potável ou não potável. Usado no abastecimento residencial, reservas ambientais, obras,

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

ANEXO II. Análise Preliminar de Perigos APP

ANEXO II. Análise Preliminar de Perigos APP ANEXO II Análise Preliminar de Perigos APP Sistema: Torre Subsistema: Top Drive Data: 05/05/5 Perigo Causas Mo de Corrosão da torre Desgaste por exposição tempo de operabilidade (corrosão) -Desabamento

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

SISTEMAS DE SPRINKLERS DE COMBATE A INCÊNDIOS

SISTEMAS DE SPRINKLERS DE COMBATE A INCÊNDIOS SISTEMAS DE SPRINKLERS DE COMBATE A INCÊNDIOS CBSpk 2014 CUIDADOS, ENG. CLAUDIO RAMALHO Sócio Diretor Técnico 11 3868 1000 11 99601 2490 MOTIVAÇÃO PARA ESCOLHA DO TEMA - CONSCIÊNCIA PROFISSIONAL E INDIGNAÇÃO

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

5(9,6 2'23/$1223(5$7,92'(35(9(1d 2 ( &20%$7($26,1&Ç1',26)/25(67$,612 31&9

5(9,6 2'23/$1223(5$7,92'(35(9(1d 2 ( &20%$7($26,1&Ç1',26)/25(67$,612 31&9 Ministério do Meio Ambiente MMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis IBAMA Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais PREVFOGO Diretoria de Ecossistemas

Leia mais

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL MINÉRIO DE FERRO BRASIL SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL Da prevenção à resposta às emergências e outros eventos críticos Mineração e pessoas que fazem a diferença. 1 Gerenciamento de risco Anglo American

Leia mais

Importância da imagem térmica na segurança. A experiência da Marinha Portuguesa. Paulo Machado

Importância da imagem térmica na segurança. A experiência da Marinha Portuguesa. Paulo Machado Importância da imagem térmica na segurança. A experiência da Marinha Portuguesa. Paulo Machado 1 História Radiação infravermelha detetada pela 1ª vez em 1800 Primeiro sensor infravermelho patenteado em

Leia mais

O chuveiro elétrico. continua. sendo um problema no período de ponta! Demanda de energia é problema para a ANEEL. Prof. Racine T. A.

O chuveiro elétrico. continua. sendo um problema no período de ponta! Demanda de energia é problema para a ANEEL. Prof. Racine T. A. Aquecimento solar de água em habitações de interesse social Prof. Racine T. A. Prado Demanda de energia é problema para a ANEEL O chuveiro elétrico continua O chuveiro elétrico permanece um problema no

Leia mais

RedPack. Protegendo a natureza e o patrimônio. pacote tecnológico

RedPack. Protegendo a natureza e o patrimônio. pacote tecnológico pacote tecnológico Protegendo a natureza e o patrimônio Para equipar ou retrofitar veículos-tanques ou reboques-tanques de prevenção e combate a incêndios ou controle de queimadas programadas em canaviais,

Leia mais

Atuação da Força Tarefa Previncênio. IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais

Atuação da Força Tarefa Previncênio. IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais Atuação da Força Tarefa Previncênio IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais Belo Horizonte, 27 de novembro de 2014 Atribuições da DPIFE Rodrigo Bueno Belo Diretor de Prevenção e Combate

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Monitoração e Diagnóstico de Equipamentos e Estruturas. Sistemas Inteligentes de Apoio à Decisão.

Monitoração e Diagnóstico de Equipamentos e Estruturas. Sistemas Inteligentes de Apoio à Decisão. Monitoração e Diagnóstico de Equipamentos e Estruturas. Sistemas Inteligentes de Apoio à Decisão. A Empresa Empresa brasileira inovadora*, fundada em 1998: Em 2013: 15 Anos. Equipe Técnica com mais de

Leia mais

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Segurança nas estradas Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Informação à imprensa 21 de novembro de 2012 Solução integrada da Mercedes-Benz inclui a oferta de itens de avançada

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 RESULTADOS SEMESTRAIS Brasília Agosto de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 MONITORAMENTO... 3 3

Leia mais

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução SP 03/95 NT 188/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Engº Marcio Antonio Anselmo 1. Introdução A sinalização horizontal contribui com a segurança dos usuários da via, influi na velocidade

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios Manteigas,27 de Abril 2011 Seminário de Encerramento do Projecto EEAGrants Rui Almeida EIXOS ESTRATÉGICOS DO PLANO NACIONAL

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

GESTÃO E TECNOLOGIA EM EQUIPAMENTOS PARA CONSTRUÇÃO E MINERAÇÃO. São Paulo, 22 de Janeiro de 2014

GESTÃO E TECNOLOGIA EM EQUIPAMENTOS PARA CONSTRUÇÃO E MINERAÇÃO. São Paulo, 22 de Janeiro de 2014 GESTÃO E TECNOLOGIA EM EQUIPAMENTOS PARA CONSTRUÇÃO E MINERAÇÃO São Paulo, 22 de Janeiro de 2014 01 Tempos Modernos, 1936 Charles Chaplin Último Filme de Chaplin. Início de uma nova era, o cinema falado

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.br VICTOR SALVINO BORGES victor.borges@lactec.org.br EDEMIR LUIZ

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br. VANT e Suas Aplicações

Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br. VANT e Suas Aplicações Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br VANT e Suas Aplicações Soluções existentes Cobertura Pequena Baixa Aéreo e LIDAR VANT Alta Satélites Flexibilidade & Atualização

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas 1. A COPASA MG; 2. ETE Arrudas; 3. Central Termelétrica; 4. Próximos passos; A COPASA MG Fornece serviços de água para 98%

Leia mais

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4:

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4: Skydrones, nova empresa gaucha de aviônica, que atua no desenvolvimento de microvants veículos aéreos não tripulados, testa seu protótipo SIRIUS SD4, com novo sistema de telemetria. O produto estará pronto

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM MÁQUINAS E VEÍCULOS FLORESTAIS

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EM MÁQUINAS E VEÍCULOS FLORESTAIS Kit Argus/Amerex - Aprovado FM - Factory Mutual - EUA UMA SOLUÇÃO SIMPLES PARA MÁQUINAS COMPLEXAS Incêndios em máquinas e veículos florestais são mais frequentes do que imaginamos e, em geral, acarretam

Leia mais

sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm

sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm Válvula de controle combinados a Válvula de Alívio Lança/Braço/ Freio hidrostático, Redução planetária. 12.9rpm. Grande diâmetro Acionado

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 041/DAT/CBMSC)

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono Escolha do agente extintor Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono É de notar que não se refere as substâncias halogenados por se encontrarem proibidos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML Sabesp a Partir de 1995 Reestruturação dos processos críticos para reduzir: Satisfação do cliente e qualidade de vida Aumento da qualidade dos serviços Custo Tempo

Leia mais

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO 1 TREM DE FORÇA SISTEMA MECÂNICO Diferencial Motor Câmbio Embreagem FUNCIONAMENTO DO MOTOR Motor

Leia mais

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Com experiência de 20 anos no mercado de instrumentação e um amplo portfólio de produtos e serviços, a Contech lança linha de proteção contra incêndio. Um fornecedor completo para atender as necessidades

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais