Caderno de Direito Penal II Dom Alberto / Nidal Khalil Ahmad. Santa Cruz do Sul: Faculdade Dom Alberto, 2010.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de Direito Penal II Dom Alberto / Nidal Khalil Ahmad. Santa Cruz do Sul: Faculdade Dom Alberto, 2010."

Transcrição

1

2 Página 2 / 187 A286c AHMAD, Nidal Khalil Caderno de Direito Penal II Dom Alberto / Nidal Khalil Ahmad. Santa Cruz do Sul: Faculdade Dom Alberto, Inclui bibliografia. 1. Direito Teoria 2. Direito Penal II Teoria I. AHMAD, Nidal Khalil II. Faculdade Dom Alberto III. Coordenação de Direito IV. Título CDU (072) Catalogação na publicação: Roberto Carlos Cardoso Bibliotecário CRB10 010/10

3 Página 3 / 187 APRESENTAÇÃO O Curso de Direito da Faculdade Dom Alberto teve sua semente lançada no ano de Iniciamos nossa caminhada acadêmica em 2006, após a construção de um projeto sustentado nos valores da qualidade, seriedade e acessibilidade. E são estes valores, que prezam pelo acesso livre a todos os cidadãos, tratam com seriedade todos processos, atividades e ações que envolvem o serviço educacional e viabilizam a qualidade acadêmica e pedagógica que geram efetivo aprendizado que permitem consolidar um projeto de curso de Direito. Cinco anos se passaram e um ciclo se encerra. A fase de crescimento, de amadurecimento e de consolidação alcança seu ápice com a formatura de nossa primeira turma, com a conclusão do primeiro movimento completo do projeto pedagógico. Entendemos ser este o momento de não apenas celebrar, mas de devolver, sob a forma de publicação, o produto do trabalho intelectual, pedagógico e instrutivo desenvolvido por nossos professores durante este período. Este material servirá de guia e de apoio para o estudo atento e sério, para a organização da pesquisa e para o contato inicial de qualidade com as disciplinas que estruturam o curso de Direito. Felicitamos a todos os nossos professores que com competência nos brindam com os Cadernos Dom Alberto, veículo de publicação oficial da produção didático-pedagógica do corpo docente da Faculdade Dom Alberto. Lucas Aurélio Jost Assis Diretor Geral

4 Página 4 / 187 PREFÁCIO Toda ação humana está condicionada a uma estrutura própria, a uma natureza específica que a descreve, a explica e ao mesmo tempo a constitui. Mais ainda, toda ação humana é aquela praticada por um indivíduo, no limite de sua identidade e, preponderantemente, no exercício de sua consciência. Outra característica da ação humana é sua estrutura formal permanente. Existe um agente titular da ação (aquele que inicia, que executa a ação), um caminho (a ação propriamente dita), um resultado (a finalidade da ação praticada) e um destinatário (aquele que recebe os efeitos da ação praticada). Existem ações humanas que, ao serem executadas, geram um resultado e este resultado é observado exclusivamente na esfera do próprio indivíduo que agiu. Ou seja, nas ações internas, titular e destinatário da ação são a mesma pessoa. O conhecimento, por excelência, é uma ação interna. Como bem descreve Olavo de Carvalho, somente a consciência individual do agente dá testemunho dos atos sem testemunha, e não há ato mais desprovido de testemunha externa que o ato de conhecer. Por outro lado, existem ações humanas que, uma vez executadas, atingem potencialmente a esfera de outrem, isto é, os resultados serão observados em pessoas distintas daquele que agiu. Titular e destinatário da ação são distintos. Qualquer ação, desde o ato de estudar, de conhecer, de sentir medo ou alegria, temor ou abandono, satisfação ou decepção, até os atos de trabalhar, comprar, vender, rezar ou votar são sempre ações humanas e com tal estão sujeitas à estrutura acima identificada. Não é acidental que a linguagem humana, e toda a sua gramática, destinem aos verbos a função de indicar a ação. Sempre que existir uma ação, teremos como identificar seu titular, sua natureza, seus fins e seus destinatários. Consciente disto, o médico e psicólogo Viktor E. Frankl, que no curso de uma carreira brilhante (trocava correspondências com o Dr. Freud desde os seus dezessete anos e deste recebia elogios em diversas publicações) desenvolvia técnicas de compreensão da ação humana e, consequentemente, mecanismos e instrumentos de diagnóstico e cura para os eventuais problemas detectados, destacou-se como um dos principais estudiosos da sanidade humana, do equilíbrio físico-mental e da medicina como ciência do homem em sua dimensão integral, não apenas físico-corporal. Com o advento da Segunda Grande Guerra, Viktor Frankl e toda a sua família foram capturados e aprisionados em campos de concentração do regime nacional-socialista de Hitler. Durante anos sofreu todos os flagelos que eram ininterruptamente aplicados em campos de concentração espalhados por todo território ocupado. Foi neste ambiente, sob estas circunstâncias, em que a vida sente sua fragilidade extrema e enxerga seus limites com uma claridade única,

5 Página 5 / 187 que Frankl consegue, ao olhar seu semelhante, identificar aquilo que nos faz diferentes, que nos faz livres. Durante todo o período de confinamento em campos de concentração (inclusive Auschwitz) Frankl observou que os indivíduos confinados respondiam aos castigos, às privações, de forma distinta. Alguns, perante a menor restrição, desmoronavam interiormente, perdiam o controle, sucumbiam frente à dura realidade e não conseguiam suportar a dificuldade da vida. Outros, porém, experimentando a mesma realidade externa dos castigos e das privações, reagiam de forma absolutamente contrária. Mantinham-se íntegros em sua estrutura interna, entregavam-se como que em sacrifício, esperavam e precisavam viver, resistiam e mantinham a vida. Observando isto, Frankl percebe que a diferença entre o primeiro tipo de indivíduo, aquele que não suporta a dureza de seu ambiente, e o segundo tipo, que se mantém interiormente forte, que supera a dureza do ambiente, está no fato de que os primeiros já não têm razão para viver, nada os toca, desistiram. Ou segundos, por sua vez, trazem consigo uma vontade de viver que os mantêm acima do sofrimento, trazem consigo um sentido para sua vida. Ao atribuir um sentido para sua vida, o indivíduo supera-se a si mesmo, transcende sua própria existência, conquista sua autonomia, torna-se livre. Ao sair do campo de concentração, com o fim do regime nacionalsocialista, Frankl, imediatamente e sob a forma de reconstrução narrativa de sua experiência, publica um livreto com o título Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração, descrevendo sua vida e a de seus companheiros, identificando uma constante que permitiu que não apenas ele, mas muitos outros, suportassem o terror dos campos de concentração sem sucumbir ou desistir, todos eles tinham um sentido para a vida. Neste mesmo momento, Frankl apresenta os fundamentos daquilo que viria a se tornar a terceira escola de Viena, a Análise Existencial, a psicologia clínica de maior êxito até hoje aplicada. Nenhum método ou teoria foi capaz de conseguir o número de resultados positivos atingidos pela psicologia de Frankl, pela análise que apresenta ao indivíduo a estrutura própria de sua ação e que consegue com isto explicitar a necessidade constitutiva do sentido (da finalidade) para toda e qualquer ação humana. Sentido de vida é aquilo que somente o indivíduo pode fazer e ninguém mais. Aquilo que se não for feito pelo indivíduo não será feito sob hipótese alguma. Aquilo que somente a consciência de cada indivíduo conhece. Aquilo que a realidade de cada um apresenta e exige uma tomada de decisão.

6 Página 6 / 187 Não existe nenhuma educação se não for para ensinar a superar-se a si mesmo, a transcender-se, a descobrir o sentido da vida. Tudo o mais é morno, é sem luz, é, literalmente, desumano. Educar é, pois, descobrir o sentido, vivê-lo, aceitá-lo, executá-lo. Educar não é treinar habilidades, não é condicionar comportamentos, não é alcançar técnicas, não é impor uma profissão. Educar é ensinar a viver, a não desistir, a descobrir o sentido e, descobrindo-o, realizá-lo. Numa palavra, educar é ensinar a ser livre. O Direito é um dos caminhos que o ser humano desenvolve para garantir esta liberdade. Que os Cadernos Dom Alberto sejam veículos de expressão desta prática diária do corpo docente, que fazem da vida um exemplo e do exemplo sua maior lição. Felicitações são devidas a Faculdade Dom Alberto, pelo apoio na publicação e pela adoção desta metodologia séria e de qualidade. Cumprimentos festivos aos professores, autores deste belo trabalho. Homenagens aos leitores, estudantes desta arte da Justiça, o Direito.. Luiz Vergilio Dalla-Rosa Coordenador Titular do Curso de Direito

7 Página 7 / 187 Sumário Apresentação... 3 Prefácio... 4 Plano de Ensino... 8 Aula 1 Conceito de Crime Aula 2 Conceito Material... Aula 3 Da Relação de Causalidade Aula 4 Teoria da Tipicidade Aula 5 Teoria do Crime Doloso Aula 6 Modalidades de Culpa Aula 7 Da Tentativa Aula 8 Arrependimento Posterior Aula 9 Erro de Tipo Aula 10 Erro Provocado por Terceiro

8 Página 8 / 187 Centro de Ensino Superior Dom Alberto Plano de Ensino Identificação Curso: Direito Disciplina: Direito Penal II Carga Horária (horas): 60 Créditos: 4 Semestre: 3º Ementa A Conduta. Ação: teoria causalista, finalista e social da ação. Ausência de conduta. Sujeitos. Omissão. Relação de causalidade. Tipo e Tipicidade. Dolo e Culpa. Antijuridicidade. Causas de Justificação. Culpabilidade. Teoria normativa pura. Excludente de Culpabilidade. Erro de Tipo e Erro de Proibição. Crime Consumado e Crime Tentado. Avaliação da Disciplina. Objetivos Geral: Proporcionar ao aluno a compreensão de cada um dos elementos que compõem o conceito de crime e as causas que excluem o delito, capacitando-o, com isso, a estabelecer um juízo crítico e a relacionar o conteúdo teórico a casos práticos. Específicos: A) Fazer com que o aluno compreenda os elementos que envolvem o crime, por meio do estudo pormenorizado da tipicidade, antijuridicidade e culpabilidade. B) Propiciar ao aluno identificar as causas que excluem o crime, para, ao final, ter capacidade para aplicar a teoria apreendida a casos concretos; C) Demonstrar as circunstâncias que envolvem os crimes dolosos e culposos; C) Proporcionar ao aluno conhecimentos acerca do caminho do crime, desde a fase da ideação até a execução, sem olvidar as hipóteses que envolvem a tentativa do delito, a desistência voluntária, o arrependimento eficaz e o crime impossível; D) Por fim, trazer subsídios para que o aluno possa identificar as hipóteses de erro de tipo e erro de proibição. Horizontal: Direito Constitucional. Inter-relação da Disciplina Vertical: Direito Penal I, III e IV; Processo Penal, Medicina Legal, Direito Administrativo, Direito Civil V(Família), Direito Constitucional. Competências Gerais - Elaboração de textos com informações sobre o Direito Penal, pesquisando a legislação, doutrina e jurisprudência. - Análise, aplicabilidade e a interpretação da lei penal conforme o entendimento da doutrina e jurisprudência - Compreensão das normas e princípios gerais previstos na Parte Geral do Código Penal Brasileiro. - Interpretação jurídica da aplicação do Direito Penal de modo crítico. - Utilização com desenvoltura de expressões técnicas na interpretação dos institutos jurídicos do Direito Penal. - Desenvolvimento de formas judiciais e extrajudiciais de prevenção e solução de conflitos. - Compreensão crítica da função social do Direito Penal. - Conduta ética no julgamento e tomada de decisões. - Busca de soluções harmônicas para as demandas que envolvem o Direito Penal. Competências Específicas Interpretação de textos legais, doutrinários e jurisprudenciais. Utilização de expressões técnicas na interpretação dos institutos jurídicos do Direito Penal. Habilidades Gerais - Elaborar textos com informações sobre o Direito Penal, pesquisando a legislação, doutrina e Missão: "Oferecer oportunidades de educação, contribuindo para a formação de profissionais conscientes e competentes, comprometidos com o comportamento ético e visando ao desenvolvimento regional.

9 Página 9 / 187 jurisprudência. - Analisar a aplicabilidade e a interpretação da lei penal conforme o entendimento da doutrina e jurisprudência - Compreender as normas e princípios gerais previstos na Parte Geral do Código Penal Brasileiro. - Conhecer as fontes do Direito Penal para aplicá-las convenientemente. - Interpretação jurídica da aplicação do Direito Penal de modo crítico. - Utilizar com desenvoltura expressões técnicas na interpretação dos institutos jurídicos do Direito Penal. - Desenvolver formas judiciais e extrajudiciais de prevenção e solução de conflitos. - Compreender criticamente a função social do Direito Penal. - Estimular ações reflexivas, críticas e éticas no julgamento e tomada de decisões. - Equacionar problemas e buscar soluções harmônicas para as demandas que envolvem o Direito Penal. Habilidades Específicas Interpretar textos legais, doutrinários e jurisprudenciais sobre o Direito Penal, de forma crítica. Utilizar expressões técnicas na interpretação dos institutos jurídicos do Direito Penal. Compreender criticamente a função social do Direito Penal. Manusear de maneira eficaz o Código Penal. Contextualizar o Direito Penal em relação a outras disciplinas. PROGRAMA Conteúdo Programático 1.1) CONCEITO DE CRIME (breve revisão); 1.2) DO FATO TÍPICO: 1.2.1) Conceito; 1.2.2) Elementos do fato típico; 1.3) CONDUTA: 1.3.1) Conceito, características e elementos, 1.3.2) Teorias da conduta (ou da ação): a) Teoria naturalista ou causal da ação, b) Teoria social da ação, c) Teoria finalista da ação; 1.3.3) Ausência de conduta. 2.1) SUJEITOS DA AÇÃO ) Sujeito ativo ) sujeito passivo 2.2) A OMISSÃO E SUAS FORMAS: 2.2.1) Considerações gerais conceito; 2.2.2) Teorias da omissão ) Crimes omissivos próprios; 2.2.4) Crimes omissivos impróprios ou comissivos por omissão; 2.2.5) Dever jurídico de impedir o resultado hipóteses: a) Ter por lei obrigação de cuidado, proteção ou vigilância; b) De outra forma assumir a responsabilidade de impedir o resultado; c) Com o comportamento anterior, criar o risco da ocorrência do resultado; 2.3) RESULTADO: 2.3.1) Conceito; 2.3.2) Teorias: Resultado jurídico e resultado naturalístico; 2.3.3) Crimes materiais, crimes formais e crimes de mera conduta; 2.3.4) Crimes instantâneos e crimes permanentes; 2.3.5) Há crimes sem resultado? 3.1) DA RELAÇÃO DE CAUSALIDADE: 3.1.1) Introdução; 3.1.2) Teoria da Equivalência dos Antecedentes Causais (ou da Conditio sine quo non); 3.1.3) Aplicação da Teoria da Equivalência dos Antecedentes; 3.1.4) Limitações do Alcance da Teoria da Equivalência dos Antecedentes: a) causas (concausas) absolutamente independentes; b) causas relativamente independentes; c) superveniência de causa relativamente independente; 3.2) DA CAUSALIDADE POR OMISSÃO; 3.3) TEORIA DA IMPUTAÇÃO OBJETIVA 4.1) TEORIA DA TIPICIDADE: 4.1.1) Noção Introdutória; 4.1.2) O tipo legal e o fato concreto; 4.1.3) Evolução histórica da tipicidade: fases: a) Primeira fase: Independência; b) Segunda fase: caráter indiciário da antijuridicidade; c) Terceira fase: ratio essendi da antijuridicidade; d) Diretriz dominante; e) Tipicidade e antijuridicidade. 4.2) TEORIA DO TIPO: 4.2.1) Conceito e importância do tipo; 4.2.2) Tipicidade Da adequação típica: formas; 4.2.3) Funções do tipo penal; 4.2.4) Elementos do Tipo: a) Elementos objetivos; b) Elementos normativos; c) Elementos subjetivos 5.1) DO TIPO DO CRIME DOLOSO: 5.1.1) Conceito de Dolo; 5.1.2) Teorias do Dolo: a) Teoria da Vontade; b) Teoria da representação; c) Teoria do assentimento ) Elementos do dolo ) Espécies de dolo: a) Dolo Direto e Indireto (ou dolo eventual); b) dolo de dano e de perigo; c) dolo genérico e específico; d) dolo normativo e dolo natural; e) dolo geral (erro sucessivo). 5.2) PRINCÍPIO DA ADEQUAÇÃO SOCIAL. 5.3) PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA 6.1) DO TIPO DO CRIME CULPOSO: 6.1.1) Conceito; 6.1.2) Elementos do fato típico culposo; 6.1.3) Modalidades de culpa: a) Imprudência; b) Negligência; c) Imperícia ) Espécies de Culpa: a) Culpa consciente; b) Culpa inconsciente; c) Culpa própria e culpa imprópria; 6.1.5) Dolo eventual e culpa consciente; 6.1.6) Concorrência e compensação de culpas. 6.2) DO CRIME PRETERDOLOSO: 6.2.1) Crimes preterdolosos ou preterintencionais; 6.2.2) Nexo Subjetivo e Normativo 7.1) DO CRIME CONSUMADO: 7.1.1) Conceito; 7.1.2) Crime exaurido; 7.1.3) A consumação nas várias espécies de crimes; 7.1.4) O Iter Criminis ; 7.1.5) Atos preparatórios e executórios: distinção. 7.2) DA TENTATIVA: 7.2.1) conceito; 7.2.2) Natureza jurídica; 7.2.3) Elementos; 7.2.4) Formas de tentativa: a) Perfeita; b) Imperfeita ) Aplicação da pena ) Infrações que não admitem tentativa. 7.3) DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA. 7.4) ARREPENDIMENTO EFICAZ. 7.5) ARREPENDIMENTO POSTERIOR. Missão: "Oferecer oportunidades de educação, contribuindo para a formação de profissionais conscientes e competentes, comprometidos com o comportamento ético e visando ao desenvolvimento regional.

10 Página 10 / ) CRIME IMPOSSÍVEL 8.1) DA ANTIJURIDICIDADE: 8.1.1) Conceito e terminologia; 8.1.2) Antijuridicidade formal e material; 8.1.3) Causas de exclusão da antijuridicidade ou causas de justificação: a) Introdução; b) Elementos objetivos e subjetivos das causas de justificação; c) causas supralegais de exclusão da antijuridicidade; d) Excesso nas causas de justificação. 8.2) DO ESTADO DE NECESSIDADE: 8.2.1) Considerações Gerais; 8.2.2) Conceito e natureza jurídica; 8.2.3) Estado de necessidade justificante e estado de necessidade exculpante ; 8.2.4) Requisitos: a) Perigo atual; b) não-provocação voluntária do perigo; c) inevitabilidade do perigo por outro meio; d) inexigibilidade do sacrifício do bem ameaçado; e) ameaça a direito próprio ou alheio; f) elemento subjetivo: finalidade de salvar o bem do perigo; g) inexistência do dever legal de enfrentar o perigo ) causa de diminuição de pena ) formas de estado de necessidade ) Exemplos ) Excesso 9.1) DA LEGÍTIMA DEFESA: 9.1.1) Considerações gerais; 9.1.2) Fundamento e natureza jurídica; 9.1.3) Conceito e requisitos; a) agressão injusta, atual ou iminente; b) direito próprio ou alheio; c) repulsa com os meios necessários; d) moderação na repulsa necessária; e) elemento subjetivo da legítima defesa ) Legítima defesa real, putativa, sucessiva e recíproca ) legítima defesa e estado de necessidade ) Ofendículos. 9.2) ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL E EXERCÍCIO REGULAR DO DIREITO ) Estrito cumprimento de dever legal ) Exercício regular do direito ) Intervenções médicas e cirúrgicas ) violência esportiva ) consentimento do ofendido 10.1) DA CULPABILIDADE: ) Considerações introdutórias ) conceito de culpabilidade ) culpabilidade como predicado do crime ou pressuposto da pena? ) Responsabilidade penal objetiva. 10.2) TEORIAS DA CULPABILIDADE ) Teoria psicológica da culpabilidade ) Teoria. 11.1) CAUSAS DE EXCLUSÃO DA CULPABILIDADE ) Introdução ) Elenco ) A inexigibilidade de conduta diversa como causa supralegal de exclusão da culpabilidade. 11.2) DA COAÇÃO MORAL IRRESISTÍVEL ) Conceito e espécies de coação ) Espécie de coação prevista no art. 22, 1ª parte, do CP ) Responsabilidade do coator. 11.3) DA OBEDIÊNCIA HIERÁRQUICA: ) Conceito e espécies de ordem de superior hierárquico; ) Obediência hierárquica como causa de exclusão de culpabilidade; ) Responsabilidade do superior hierárquico; ) Tratamento da obediência hierárquica no Código Penal Militar. 11.4) DA INIMPUTABILIDADE POR DOENÇA MENTAL OU DESENVOLVIMENTO MENTAL INCOMPLETO: ) Introdução; ) Critérios de aferição da inimputabilidade; ) Requisitos normativos da inimputabilidade; ) Doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado; ) Diminuição da capacidade de entendimento e de vontade capacidade diminuída; ) Menoridade penal 12.1) EMOÇÃO E A PAIXÃO. 12.2) DA INIMPUTABILIDADE POR EMBRIAGUEZ E SUBSTÂNCIAS ANÁLOGAS: ) Conceito, fases e espécies de embriaguez; ) Formas ou modalidades de embriaguez; a) Embriaguez não acidental: voluntária ou culposa; b) Embriaguez acidental: caso fortuito ou força maior; c) Embriaguez preordenada; d) Embriaguez habitual e patológica. 12.3) Actio Libera in causa. 12.4) Caso Fortuito e Força maior. 12.5) ERRO DE PROIBIÇÃO: ) Inescusabilidade de Ignorância da lei; ) Conceito de erro de proibição; ) Modalidades de erro de proibição: a) Erro de proibição direto. b) Erro mandamental. c) erro de proibição indireto ) Formas de erro de proibição 13.1) ERRO DE TIPO: ) Conceito ) Erro de tipo e delito putativo por erro de tipo ) Formas ) Erro de tipo essencial ) Efeitos do Erro de tipo essencial ) Erro de tipo permissivo. 13.2) DESCRIMINANTES PUTATIVAS. 13.3) ERRO PROVOCADO POR TERCEIRO. 13.4) ERRO ACIDENTAL: ) conceito ) Erro sobre objeto ( error in objecto ) ) Erro sobre a pessoa ( error in persona ) ) Erro na execução ( aberratio ictus ) ) Resultado diverso do pretendido ( Aberratio criminis ) Estratégias de Ensino e Aprendizagem (metodologias de sala de aula) O planejamento do trabalho em sala de aula é à base da construção do processo de ensino e aprendizagem. Planejando a ação, o professor tem a possibilidade de saber exatamente qual o ponto de partida e o de chegada para cada tema abordado em seu curso. Um planejamento não é um esquema de trabalho rígido, inflexível. Pelo contrário, devem-se levar em conta as situações inesperadas que vão ocorrendo e adaptar ou modificar o que se havia inicialmente previsto, de acordo com suas observações de classe e necessidades dos alunos. Há metas que devem ser estabelecidas e alcançadas, sendo necessário que o professor disponha de um fio condutor para a ação que vai desenvolver e de uma previsão para os resultados dessa ação. Avaliação do Processo de Ensino e Aprendizagem A avaliação do processo de ensino e aprendizagem deve ser realizada de forma contínua, cumulativa e sistemática com o objetivo de diagnosticar a situação da aprendizagem de cada aluno, em relação à programação curricular. Funções básicas: informar sobre o domínio da aprendizagem, indicar os efeitos da metodologia utilizada, revelar conseqüências da atuação docente, informar sobre a adequabilidade de Missão: "Oferecer oportunidades de educação, contribuindo para a formação de profissionais conscientes e competentes, comprometidos com o comportamento ético e visando ao desenvolvimento regional.

11 Página 11 / 187 currículos e programas, realizar feedback dos objetivos e planejamentos elaborados, etc. Para cada avaliação o professor determinará a(s) formas de avaliação podendo ser de duas formas: 1ª uma prova com peso 10,0 (dez) ou uma prova de peso 8,0 e um trabalho de peso 2,0 2ª uma prova com peso 10,0 (dez) ou uma prova de peso 8,0 e um trabalho de peso 2,0 Avaliação Somativa A aferição do rendimento escolar de cada disciplina é feita através de notas inteiras de zero a dez, permitindo-se a fração de 5 décimos. O aproveitamento escolar é avaliado pelo acompanhamento contínuo do aluno e dos resultados por ele obtidos nas provas, trabalhos, exercícios escolares e outros, e caso necessário, nas provas substitutivas. Dentre os trabalhos escolares de aplicação, há pelo menos uma avaliação escrita em cada disciplina no bimestre. O professor pode submeter os alunos a diversas formas de avaliações, tais como: projetos, seminários, pesquisas bibliográficas e de campo, relatórios, cujos resultados podem culminar com atribuição de uma nota representativa de cada avaliação bimestral. Em qualquer disciplina, os alunos que obtiverem média semestral de aprovação igual ou superior a sete (7,0) e freqüência igual ou superior a setenta e cinco por cento (75%) são considerados aprovados. Após cada semestre, e nos termos do calendário escolar, o aluno poderá requerer junto à Secretaria-Geral, no prazo fixado e a título de recuperação, a realização de uma prova substitutiva, por disciplina, a fim de substituir uma das médias mensais anteriores, ou a que não tenha sido avaliado, e no qual obtiverem como média final de aprovação igual ou superior a cinco (5,0). Sistema de Acompanhamento para a Recuperação da Aprendizagem Serão utilizados como Sistema de Acompanhamento e Nivelamento da turma os Plantões Tira-Dúvidas que são realizados sempre antes de iniciar a disciplina, das 18h00min às 18h50min, na sala de aula. Professor. Laboratórios, visitas técnicas, etc. Recursos Multimídia. Recursos Necessários Humanos Físicos Materiais Bibliografia Básica BATISTA, Nilo. Introdução Crítica ao Direito Penal brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, GRECO, Rogério. Curso de Direito Penal: parte geral. Artigos 1º a 120 do código penal. 10.ed. Rio de Janeiro: Impetus, v.1. ZAFFARONI, Eugenio Raul; PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direito Penal Brasileiro. São Paulo: RT, BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal parte geral. Volume I. São Paulo: Saraiva. PRADO, Luiz Régis. Curso de Direito Penal brasileiro: parte geral. Vol. 1. Ed. São Paulo: RT, Complementar FERRAJOLI, Luigi. Direito e razão: teoria do garantismo penal. 2.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, JESUS, Damásio E. de. Direito Penal. Volume I. São Paulo: Saraiva. MIRABETE, Julio Fabrini. Manual de Direito Penal. Volume I parte geral. São Paulo: Atlas. FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal. Rio de Janeiro: Forense. GOMES, Luiz Flávio. Direito Penal: Parte Geral introdução. São Paulo: RT. Legislação: NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. São Paulo: Saraiva. DELMANTO, Celso. Código Penal Anotado. Rio de Janeiro: Renovar. FRANCO, Alberto Silva et alli. Código Penal e sua interpretação jurisprudencial. São Paulo: RT, 1998 Revista de Estudos Criminais. Editora NOTADEZ. Periódicos Missão: "Oferecer oportunidades de educação, contribuindo para a formação de profissionais conscientes e competentes, comprometidos com o comportamento ético e visando ao desenvolvimento regional.

12 Página 12 / 187 Revista do IBCCRIM. Editora Revista dos Tribunais. Revista da AJURIS Sites para Consulta Outras Informações Endereço eletrônico de acesso à página do PHL para consulta ao acervo da biblioteca: Cronograma de Atividades Aula Consolidação Avaliação Conteúdo Procedimentos Recursos 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 1.1) CONCEITO DE CRIME (breve revisão); 1.2) DO FATO TÍPICO: 1.2.1) Conceito; 1.2.2) Elementos do fato típico; 1.3) CONDUTA: 1.3.1) Conceito, características e elementos, 1.3.2) Teorias da conduta (ou da ação): a) Teoria naturalista ou causal da ação, b) Teoria social da ação, c) Teoria finalista da ação; 1.3.3) Ausência de conduta. 2.1) SUJEITOS DA AÇÃO ) Sujeito ativo ) sujeito passivo2.2) A OMISSÃO E SUAS FORMAS: 2.2.1) Considerações gerais conceito; 2.2.2) Teorias da omissão ) Crimes omissivos próprios; 2.2.4) Crimes omissivos impróprios ou comissivos por omissão; 2.2.5) Dever jurídico de impedir o resultado hipóteses: a) Ter por lei obrigação de cuidado, proteção ou vigilância; b) De outra forma assumir a responsabilidade de impedir o resultado; c) Com o comportamento anterior, criar o risco da ocorrência do resultado; 2.3) RESULTADO: 2.3.1) Conceito; 2.3.2) Teorias: Resultado jurídico e resultado naturalístico; 2.3.3) Crimes materiais, crimes formais e crimes de mera conduta; 2.3.4) Crimes instantâneos e crimes permanentes; 2.3.5) Há crimes sem resultado? 3.1) DA RELAÇÃO DE CAUSALIDADE: 3.1.1) Introdução; 3.1.2) Teoria da Equivalência dos Antecedentes Causais (ou da Conditio sine quo non); 3.1.3) Aplicação da Teoria da Equivalência dos Antecedentes; 3.1.4) Limitações do Alcance da Teoria da Equivalência dos Antecedentes: a) causas (concausas) absolutamente independentes; b) causas relativamente independentes; c) superveniência de causa relativamente independente; 3.2) DA CAUSALIDADE POR OMISSÃO; 3.3) TEORIA DA IMPUTAÇÃO OBJETIVA 4.1) TEORIA DA TIPICIDADE: 4.1.1) Noção Introdutória; 4.1.2) O tipo legal e o fato concreto; 4.1.3) Evolução histórica da tipicidade: fases: a) Primeira fase: Independência; b) Segunda fase: caráter indiciário da antijuridicidade; c) Terceira fase: ratio essendi da antijuridicidade; d) Diretriz dominante; e) Tipicidade e antijuridicidade. 4.2) TEORIA DO TIPO: 4.2.1) Conceito e importância do tipo; 4.2.2) Tipicidade Da adequação típica: formas; 4.2.3) Funções do tipo penal; 4.2.4) Elementos do Tipo: a) Elementos objetivos; b) Elementos normativos; c) Elementos subjetivos. 5.1) DO TIPO DO CRIME DOLOSO: 5.1.1) Conceito de Dolo; 5.1.2) Teorias do Dolo: a) Teoria da Vontade; b) Teoria da representação; c) Teoria do assentimento ) Elementos do dolo ) Espécies de dolo: a) Dolo Direto e Indireto (ou dolo eventual); b) dolo de dano e de perigo; c) dolo genérico e específico; d) dolo normativo e dolo natural; e) dolo geral (erro sucessivo). 5.2) PRINCÍPIO DA ADEQUAÇÃO SOCIAL. 5.3) PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA 6.1) DO TIPO DO CRIME CULPOSO: 6.1.1) Conceito; 6.1.2) Elementos do fato típico culposo; 6.1.3) Modalidades de culpa: a) Imprudência; b) Negligência; c) Imperícia ) Espécies de Culpa: a) Culpa consciente; b) Culpa inconsciente; c) Culpa própria e culpa imprópria; 6.1.5) Dolo eventual e culpa consciente; 6.1.6) Concorrência e compensação de culpas. 6.2) DO CRIME PRETERDOLOSO: AE Aula expositiva Aula expositiva Aula expositiva Aula expositiva Aula expositiva Aula expositiva Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Missão: "Oferecer oportunidades de educação, contribuindo para a formação de profissionais conscientes e competentes, comprometidos com o comportamento ético e visando ao desenvolvimento regional.

13 Página 13 / 187 8ª 9ª 10ª ) Crimes preterdolosos ou preterintencionais; 6.2.2) Nexo Subjetivo e Normativo 7.1) DO CRIME CONSUMADO: 7.1.1) Conceito; 7.1.2) Crime exaurido; 7.1.3) A consumação nas várias espécies de crimes; 7.1.4) O Iter Criminis ; 7.1.5) Atos preparatórios e executórios: distinção. 7.2) DA TENTATIVA: 7.2.1) conceito; 7.2.2) Natureza jurídica; 7.2.3) Elementos; 7.2.4) Formas de tentativa: a) Perfeita; b) Imperfeita ) Aplicação da pena ) Infrações que não admitem tentativa. 7.3) DESISTÊNCIA VOLUNTÁRIA. 7.4) ARREPENDIMENTO EFICAZ. 7.5) ARREPENDIMENTO POSTERIOR. 7.6) CRIME IMPOSSÍVEL 8.1) DA ANTIJURIDICIDADE: 8.1.1) Conceito e terminologia; 8.1.2) Antijuridicidade formal e material; 8.1.3) Causas de exclusão da antijuridicidade ou causas de justificação: a) Introdução; b) Elementos objetivos e subjetivos das causas de justificação; c) causas supralegais de exclusão da antijuridicidade; d) Excesso nas causas de justificação. 8.2) DO ESTADO DE NECESSIDADE: 8.2.1) Considerações Gerais; 8.2.2) Conceito e natureza jurídica; 8.2.3) Estado de necessidade justificante e estado de necessidade exculpante ; 8.2.4) Requisitos: a) Perigo atual; b) nãoprovocação voluntária do perigo; c) inevitabilidade do perigo por outro meio; d) inexigibilidade do sacrifício do bem ameaçado; e) ameaça a direito próprio ou alheio; f) elemento subjetivo: finalidade de salvar o bem do perigo; g) inexistência do dever legal de enfrentar o perigo ) causa de diminuição de pena ) formas de estado de necessidade ) Exemplos ) Excesso 9.1) DA LEGÍTIMA DEFESA: 9.1.1) Considerações gerais; 9.1.2) Fundamento e natureza jurídica; 9.1.3) Conceito e requisitos; a) agressão injusta, atual ou iminente; b) direito próprio ou alheio; c) repulsa com os meios necessários; d) moderação na repulsa necessária; e) elemento subjetivo da legítima defesa ) Legítima defesa real, putativa, sucessiva e recíproca ) legítima defesa e estado de necessidade ) Ofendículos. 9.2) ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL E EXERCÍCIO REGULAR DO DIREITO ) Estrito cumprimento de dever legal ) Exercício regular do direito ) Intervenções médicas e cirúrgicas ) violência esportiva ) consentimento do ofendido 10.1) DA CULPABILIDADE: ) Considerações introdutórias ) conceito de culpabilidade ) culpabilidade como predicado do crime ou pressuposto da pena? ) Responsabilidade penal objetiva. 10.2) TEORIAS DA CULPABILIDADE ) Teoria psicológica da culpabilidade ) Teoria psicológica-normativa da culpabilidade ) teoria normativa pura da culpabilidade. a) definição e fundamento. b) elementos da culpabilidade ) Teoria limitada da culpabilidade. 10.3) IMPUTABILIDADE: ) conceito ) imputabilidade e responsabilidade ) fundamento da imputabilidade ) causas de exclusão da imputabilidade. 10.4) POTENCIAL CONSCIÊNCIA DA ILICITUDE: ) Introdução ) teoria extrema do dolo ) teoria limitada do dolo ) teoria extrema da culpabilidade ) teoria limitada da culpabilidade. : 10.5) DA EXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA: ) Introdução; ) Teoria da circunstância concomitante; ) Efeito da exigibilidade de conduta diversa 11.1) CAUSAS DE EXCLUSÃO DA CULPABILIDADE ) Introdução ) Elenco ) A inexigibilidade de conduta diversa como causa supralegal de exclusão da culpabilidade. 11.2) DA COAÇÃO MORAL IRRESISTÍVEL ) Conceito e espécies de coação ) Espécie de coação prevista no art. 22, 1ª parte, do CP ) Responsabilidade do coator. 11.3) DA OBEDIÊNCIA HIERÁRQUICA: ) Conceito e espécies de ordem de superior hierárquico; ) Obediência hierárquica como causa de exclusão de culpabilidade; ) Responsabilidade do superior hierárquico; ) Tratamento da obediência hierárquica no Código Penal Militar. 11.4) DA INIMPUTABILIDADE POR DOENÇA MENTAL OU DESENVOLVIMENTO MENTAL INCOMPLETO: ) Introdução; ) Critérios de aferição da inimputabilidade; ) Requisitos normativos da inimputabilidade; ) Doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado; ) Diminuição da capacidade de entendimento e de vontade capacidade diminuída; ) Menoridade penal Aula expositiva Aula expositiva Aula expositiva Aula expositiva Aula expositiva Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show Missão: "Oferecer oportunidades de educação, contribuindo para a formação de profissionais conscientes e competentes, comprometidos com o comportamento ético e visando ao desenvolvimento regional.

14 Página 14 / ª 12ª 12.1) EMOÇÃO E A PAIXÃO. 12.2) DA INIMPUTABILIDADE POR EMBRIAGUEZ E SUBSTÂNCIAS ANÁLOGAS: ) Conceito, fases e espécies de embriaguez; ) Formas ou modalidades de embriaguez; a) Embriaguez não acidental: voluntária ou culposa; b) Embriaguez acidental: caso fortuito ou força maior; c) Embriaguez preordenada; d) Embriaguez habitual e patológica. 12.3) Actio Libera in causa. 12.4) Caso Fortuito e Força maior. 12.5) ERRO DE PROIBIÇÃO: ) Inescusabilidade de Ignorância da lei; ) Conceito de erro de proibição; ) Modalidades de erro de proibição: a) Erro de proibição direto. b) Erro mandamental. c) erro de proibição indireto ) Formas de erro de proibição 13.1) ERRO DE TIPO: ) Conceito ) Erro de tipo e delito putativo por erro de tipo ) Formas ) Erro de tipo essencial ) Efeitos do Erro de tipo essencial ) Erro de tipo permissivo. 13.2) DESCRIMINANTES PUTATIVAS. 13.3) ERRO PROVOCADO POR TERCEIRO. 13.4) ERRO ACIDENTAL: ) conceito ) Erro sobre objeto ( error in objecto ) ) Erro sobre a pessoa ( error in persona ) ) Erro na execução ( aberratio ictus ) ) Resultado diverso do pretendido ( Aberratio criminis ) Aula expositiva Aula expositiva Quadro verde e giz Data Show Quadro verde e giz Data Show 13ª Legenda Código Descrição Código Descrição Código Descrição AE Aula expositiva QG Quadro verde e giz LB Laboratório de informática TG Trabalho em grupo RE Retroprojetor PS Projetor de slides TI Trabalho individual VI Videocassete AP Apostila SE Seminário DS Data Show OU Outros PA Palestra FC Flipchart Missão: "Oferecer oportunidades de educação, contribuindo para a formação de profissionais conscientes e competentes, comprometidos com o comportamento ético e visando ao desenvolvimento regional.

15 Página 15 / 187 Aula CONCEITO DE CRIME A) CONCEITO MATERIAL - reserva legal - Sob o ponto de vista material, o conceito de crime visa aos bens jurídicos protegidos pela lei penal. Dessa forma, crime nada mais é do que a violação de um bem penalmente protegido. - Ex. João mata Pedro: comete fato previsto como crime e ofende bem penalmente protegido (vida). LD e EN. Ex. inimp. B) CONCEITO ANALÍTICO -Trata-se de uma conduta típica, antijurídica e culpável. - Portanto, para que haja crime é preciso, em primeiro lugar, um conduta humana positiva ou negativa (ação ou omissão) descrita na norma penal como crime. Isto é o FATO TÍPICO. - Ex: A esfaqueia B, matando-o. Homicídio simples Art 121. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte anos

16 Página 16 / furto - incesto - Não basta, porém, que o fato seja típico para que exista crime. É preciso que seja contrário ao direito, ANTIJURÍDICO. - Ex: LD. Fato típico, mas não antijurídico. - É, pois, a antijuridicidade o segundo requisito do crime. Por meio do juízo de valor sobre ela é que se saberá se o fato é ou não contrário ao ordenamento jurídico. Verificada a ilicitude do comportamento, teremos os dois requisitos do crime: fato típico e antijuridicidade. - Não basta, porém, seja o fato típico e antijurídico. Exige-se, ainda, que o agente seja CULPÁVEL. - Ex: homicídio - (doente mental). Fato típico, antijurídico, mas não culpável. - Vale dizer: crime é uma ação ou omissão ajustada a um modelo legal de conduta proibida (tipicidade), contrária ao direito (antijuridicidade) e sujeita a um juízo de reprovação social incidente sobre o fato e seu autor, desde que existam imputabilidade, consciência potencial de ilicitude e exigibilidade e possibilidade de agir conforme o direito (culpabilidade). - Damásio, Mirabete, Delmanto, entre outros, conceituam o crime como sendo um fato típico e antijurídico, sendo a culpabilidade pressuposto de aplicação da pena.

17 Página 17 / ) DO FATO TÍPICO 1.2.1) Conceito - É o fato que se amolda ao modelo legal da conduta proibida. É o fato que se enquadra no conjunto de elementos descritivos do delito contidos na lei penal. Homicídio simples Art 121. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte anos Furto Art Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa ) Elementos do fato típico - Para a integração do fato típico deve haver um comportamento humano. A ação ou omissão humana (conduta), porém, não é suficiente, sendo necessário um resultado. - Entre a conduta e o resultado se exige uma relação de causalidade. Ex. A desfere facadas em B, que, transportado para um hospital, vem a falecer. Surge, assim, outro elemento do fato típico: a relação de causalidade ou nexo de causalidade. - Por último, para que seja um fato típico, é necessário que os demais elementos estejam descritos como crime. É a própria tipicidade.

18 Página 18 / Ex: A mata B com tiros de revólver... Homicídio simples Art 121. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte anos - Portanto, os elementos do fato típico são: a) a conduta b) o resultado c) o nexo de causalidade d) a tipicidade - Faltando um dos elementos do fato típico a conduta passa a constituir um indiferente penal. É um fato atípico. 1.3) CONDUTA 1.3.1) CONCEITO, CARACTERÍSTICAS E ELEMENTOS A) Conceito - CONDUTA é a ação ou omissão humana consciente e dirigida a determinada finalidade. B) Características: a) A conduta se refere ao comportamento do homem, não dos animais irracionais.

19 Página 19 / 187 b) Só as condutas corporais externas constituem ações. O Direito Penal não se ocupa da atividade puramente psíquica. c) A conduta humana só tem importância para o Direito Penal quando voluntária. d) O comportamento consiste num movimento ou abstenção de movimento corporal. C) Os elementos são: a) um ato de vontade, dirigido a uma finalidade; - Este elemento abrange: a) O objetivo pretendido pelo sujeito; b) os meios usados na execução; c) as conseqüências secundárias da prática. b) atuação positiva ou negativa dessa vontade no mundo exterior (manifestação da vontade por meio de um fazer ou não fazer). - conduta x ato ) TEORIAS DA CONDUTA (OU DA AÇÃO) A) Teoria naturalista ou causal da ação - Esta teoria conceitua a conduta como um comportamento humano voluntário no mundo exterior, consistente num fazer ou não fazer, sendo estranha a qualquer valoração. - É denominada naturalista porque incorpora as leis da natureza no Direito Penal.

20 Página 20 / Séc. XIX até meados XX Von List. - Não importa se o agente quis (dolo) ou se teve culpa na causação do crime. A configuração da conduta típica depende apenas de o agente causar fisicamente (naturalisticamente) um resultado previsto em lei como crime. - Logo, só interessa duas coisas: saber quem foi o causador do resultado e se tal resultado estava definido em lei como crime. - Nessa teoria a conduta é concebida como um simples comportamento, sem apreciação sobre a sua ilicitude ou reprovabilidade. - Ex: suicida pula carro - Em outras palavras, a ação era tomada como pura realização da vontade no mundo exterior, não importando o conteúdo dessa vontade (dolo e culpa). - Esta teoria sofreu severas críticas. - De acordo com o moderno Direito Penal, o centro de interesse não é o efeito jurídico produzido pelo resultado, mas sim a natureza do comportamento reprovável. Diante disso, cai por terra a teoria naturalista da ação, uma vez que se importa somente com o aspecto causal da questão, sendo equivocado distinguir a conduta em duas partes: processo causal exterior e conteúdo subjetivo da vontade, pois, como vimos, a ação ou omissão humana consciente é dirigida a determinada finalidade.

21 Página 21 / 187 B) Teoria social da ação - Para essa teoria, ação é a realização de um resultado sociamente relevante, questionado pelos requisitos do Direito e não pelas leis da natureza. - Diante disso, ação nada mais é que a causação de um resultado, não importando qual. O conteúdo da vontade, em que se perquire qual o resultado visado pelo agente, não pertence à ação, mas à culpabilidade. - A teoria social da ação também recebeu críticas. - Primeiro, porque se a ação é a causação de um resultado socialmente relevante, como se define a conduta nos crimes de mero comportamento? - Segundo, porque a teoria social, assim como a causal, deu muita importância ao desvalor do resultado, quando o que importa é o desvalor da conduta. - Hom. Dol. = Hom. Culp. C) TEORIA FINALISTA DA AÇÃO - Opondo-se ao conceito causal de ação, e especialmente à insustentável separação entre a vontade e seu conteúdo, Welzel elaborou a teoria finalista da ação. - Para a teoria finalista, a ação é uma atividade final humana. É, portanto, um acontecimento finalista, e não somente causal.

22 Página 22 / A finalidade ou atividade finalista da ação, segundo esta teoria, baseia-se em que o homem, consciente dos efeitos causais do acontecimento, pode prever as conseqüências de sua conduta, propondo, dessa forma, objetivos de distinta índole. - Conhecendo a teoria da causa e efeito, tem condições de dirigir sua atividade no sentido de produzir determinados efeitos. A causalidade, pelo contrário, não se encontra ordenada dessa maneira. Ela é cega, enquanto a finalidade é vidente. - # hom. e raio mortal. suicida - A doutrina finalista da ação não se preocupa apenas com o conteúdo da vontade, o dolo, que consiste na vontade de concretizar as características objetivas do tipo penal, mas também com a culpa. - O Direito não deseja apenas que o homem não realize condutas dolosas, mas, também, que imprima em todas as suas atividades uma direção finalista capaz de impedir que produzam resultados lesivos. - As ações que, produzindo um resultado causal, são devidas à inobservância do mínimo de direção finalista no sentido de impedir a produção de tal conseqüência, ingressam no rol dos delitos culposos. - Em conseqüência, o dolo é retirado da culpabilidade, constituindo-se elemento subjetivo do tipo, integrando a conduta, primeiro elemento do fato típico. - Quanto à culpa, a conduta descrita no tipo ( se o homicídio é culposo ) está integrada pela inobservância do dever de diligência na vida de relação. Quem tem habilidade para realizar uma conduta adequadamente, deve executá-la

23 Página 23 / 187 adequadamente. Aquele que não possui tal habilidade, deve abster-se de realizar o comportamento desejado. Com o comportamento adequado que assim se estabelece, deve ser comparado o efetivo comportamento do agente, para verificarse se ele é típico no sentido de um crime culposo: toda ação que não corresponder a tal comportamento adequado é típica no sentido do crime culposo ) AUSÊNCIA DE CONDUTA - Se a vontade constitui elemento da conduta, é evidente que esta não ocorre quando o ato é involuntário. - Para a caracterização da conduta, sob qualquer prisma, é indispensável a existência do binômio vontade e consciência. - VONTADE é o querer ativo, apto a levar o ser humano a praticar um ato, livremente. O ato voluntário deve ser espontâneo, isto é, proceder de uma tendência própria e interior à vontade; se não, é coagido e forçado. - CONSCIÊNCIA é a possibilidade que o ser humano possui de separar o mundo que o cerca dos próprios atos, realizando um julgamento moral das suas atitudes. Significa ter noção clara da diferença existente entre realidade e ficção. - Há ausência de ação, segundo a doutrina dominante, em três grupos de caso: a) Coação física irresistível ( vis absoluta ) - Ocorre quando o sujeito pratica o movimento em conseqüência de força corporal exercida sobre ele. Quem atua obrigado por uma força irresistível não age

24 Página 24 / 187 voluntariamente. Neste caso, o agente é mero instrumento realizador da vontade do coator. - Ex. segurar pulso faca (leg.). - Ass. Doc. - enfermeiro - Diversa é a situação, contudo, se se tratar de coação moral. - Na coação moral, não há aplicação da força física, mas de ameaça ou intimidação, feita através da promessa de um mal, para que se determine o coato à realização do fato criminoso. O coagido poderá optar. - No caso da coação moral, o fato é revestido de tipicidade, mas não é culpável, em face da inexigibilidade de conduta diversa. - Portanto, existe o fato típico, pois a ação é juridicamente relevante, mas não se há falar em culpabilidade, aplicando-se a regra do art. 22, 1ª parte (causa de exclusão da culpabilidade). Coação irresistível e obediência hierárquica Art Se o fato é cometido sob coação irresistível ou em estrita obediência a ordem, não manifestamente ilegal, de superior hierárquico, só é punível o autor da coação ou da ordem. Ex. gerente

25 Página 25 / 187 b) Movimentos reflexos - São atos reflexos, puramente somáticos, aqueles em que o movimento corpóreo ou sua ausência é determinado por estímulos dirigidos diretamente ao sistema nervoso. - Nestes casos, o estímulo exterior é recebido pelos centros sensores, que o transmitem diretamente aos centros motores, sem intervenção da vontade, como ocorre, por exemplo, em um ataque epilético (ex...). - Os atos reflexos não dependem da vontade, uma vez que são reações motoras, secretórias ou fisiológicas, produzidas pela excitação de órgãos do corpo humano (ex. tosse, espirro, etc.). - No contexto dos movimentos reflexos, é preciso distinguir tais movimentos das ações semi-automáticas, pois estas são penalmente relevantes, uma vez que resultam de um processo de formação da vontade, originalmente existente, que se concentrou no subconsciente através da prática. - Nestes casos, o ato pode ser controlado pela atenção, o que basta para que seja considerado conduta tipicamente relevante. - Ex. vespa motorista picado - rodear conduta semi-automática - De outro lado, os movimentos reflexos não se confundem com os atos em curtocircuito.

26 Página 26 / Os atos em curto-circuito são as reações primitivas do ser humano, nas quais existe um estímulo externo, não registrando totalmente a presença de uma personalidade desenvolvida, surgindo, à superfície, de improviso, ações momentâneas e impulsivas ou mecanismos anímicos profundos, bem como reações explosivas. - Ex. reações explosivas que se seguem ao encarceramento, estados de embriaguez patológica, estados crepusculares afetivos. Nestes casos, existe vontade, ainda que de maneira fugaz. Há um querer, ainda que primitivo, razão pela qual não se exclui a conduta. c) Estados de inconsciência - Consciência é o resultado da atividade das funções mentais. Não se trata de uma faculdade do psiquismo humano, mas do resultado do funcionamento de todas elas. - Quando essas funções mentais não funcionam adequadamente se diz que há estado de inconsciência, que é incompatível com a vontade, e sem vontade não há ação. - A doutrina tem catalogado como exemplos de estados de inconsciência a hipnose, o sonambulismo a narcolepsia. - O sonambulismo é a doença de quem age ou fala durante o sono, tornando seus sentidos obtusos. Trata-se de um sono patológico, quando o enfermo nem percebe estar dormindo, embora mantenha a sua atividade locomotora. - Ex. vaso

27 Página 27 / A hipnose é um estado mental semelhante ao sono, provocado artificialmente por alguém, levando o hipnotizado a agir como se fosse um autômato, obedecendo ordens e comandos. - A narcolepsia é outra doença que provoca acessos repentinos de sono, transportando o enfermo a um estado de irrealidade, permitindo-lhe, no entanto, continuar a ter movimentos e relações com o meio ambiente.

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime.

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar ao aluno contato com toda a teoria do delito, com todos os elementos que integram o crime. DISCIPLINA: Direito Penal II SEMESTRE DE ESTUDO: 3º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR118 1. EMENTA: Teoria Geral do Crime. Sujeitos da ação típica. Da Tipicidade. Elementos.

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

Caderno de Direito do Trânsito Dom Alberto / Diogo Durigon. Santa Cruz do Sul: Faculdade Dom Alberto, 2010.

Caderno de Direito do Trânsito Dom Alberto / Diogo Durigon. Santa Cruz do Sul: Faculdade Dom Alberto, 2010. Página 2 / 33 D962c DURIGON, Diogo Caderno de Direito do Trânsito Dom Alberto / Diogo Durigon. Santa Cruz do Sul: Faculdade Dom Alberto, 2010. Inclui bibliografia. 1. Direito Teoria 2. Direito do Trânsito

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Ementa aula 18 de abril de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO PENAL Professor: Leandro França Advogado criminal; Sócio do Escritório Corsetti & França

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR É possível um finalismo corrigido? Saymon Mamede Várias teorias sobre o fato típico e a conduta surgiram no Direito Penal, desde o final do século XIX até hodiernamente. A pretensão deste artigo é expor

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA.

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios XL Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal SEGUNDA PROVA

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2016 Disciplina: Direito Penal II Departamento III Penal e Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 3º ano Docente Responsável: José Francisco Cagliari

Leia mais

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito.

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-09 PERÍODO: 3 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Introdução:

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito Medicina Legal Professor Sergio Simonsen Conceito A deontologia médica é a ciência que cuida dos deveres e dos direitos dos operadores do direito, bem como de seus fundamentos éticos e legais. Etimologicamente,

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA INFRACÇÃO PENAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA INFRACÇÃO PENAL Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular TEORIA DA INFRACÇÃO PENAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Teoria Geral do Processo; Direito Penal I; Direito Penal II; Direito Constitucional II.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Teoria Geral do Processo; Direito Penal I; Direito Penal II; Direito Constitucional II. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora: Ms. Anna Karyne Turbay Palodetto anakaryne@uniarp.edu.br Período/ Fase: 6º Semestre:

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO 331 A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL Cícero Oliveira Leczinieski 1 Ricardo Cesar Cidade 2 Alberto Wunderlich 3 RESUMO Este artigo visa traçar breves comentários acerca da compatibilidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen E-MAIL: thiara@uniarp.edu.br Período/ Fase: 5ª Semestre: 2º Ano: 2012

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar que o aluno tome conhecimento do conceito, das finalidades e da importância do Direito Penal.

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar que o aluno tome conhecimento do conceito, das finalidades e da importância do Direito Penal. DISCIPLINA: Direito Penal I SEMESTRE DE ESTUDO: 2º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR112 1. EMENTA: Propedêutica Penal. Relação do Direito Penal com outras ciências: a criminologia

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina

Plano de Ensino de Disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito Departamento de Direito e Processo Penal Plano de Ensino de Disciplina DISCIPLINA: DIREITO PE AL I CÓDIGO: DIN101 PRÉ-REQUISITO: DIT027 DEPARTAMENTO:

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL A Universidade Estadual de Goiás, por meio do Núcleo de Seleção, vem perante aos candidatos que fizeram a prova

Leia mais

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA Karina Nogueira Alves A legítima defesa é um direito natural, intrínseco ao ser humano e, portanto, anterior à sua codificação, como norma decorrente da própria constituição do

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies:

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies: DO CRIME Introdução O Brasil adotou somente dois tipos de infrações penais como a doutrina denomina de sistema dicotômico ou bipartido, conforme se extrai da leitura do art. 1º da Lei de Introdução ao

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO.

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO. 1 REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO. VAGULA, J. E. M. Resumo No decorrer desta pesquisa buscou-se a melhor forma, dentre

Leia mais

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável.

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável. CRIMES DE INFORMÁTICA Introdução O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável Introdução O QUE É CRIME - Tipicidade: perfeito enquadramento da conduta ao

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

AN 01 IT 013 PQ 03 Plano de Ensino Rev. 00. 21/02/2011 Página 1 de 5. Série 3 Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional

AN 01 IT 013 PQ 03 Plano de Ensino Rev. 00. 21/02/2011 Página 1 de 5. Série 3 Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - Curso Semestral - 2015 Disciplina DIREITO DAS OBRIGAÇÕES Curso Graduação Série 3 Período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Turmas A, B e D Código

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO

O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO Rodrigo Fragoso O consentimento do ofendido constitui objeto de intenso debate entre os penalistas que, divergindo quanto à sua posição na estrutura do delito, atribuem efeitos

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro;

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro; 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Responsabilidade Civil. Introdução.

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS - PROCEDIMENTOS INTERNOS - Divisão Administrativa Serviço de Segurança e Higiene no Trabalho Índice CÂMARA Nota Prévia...2 1. Legislação Aplicável...2 2. Âmbito...3 3. Conceitos...3

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Direito Tributário Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução ao Direito Tributário

Leia mais

JORGE Luís de CAMARGO 1

JORGE Luís de CAMARGO 1 O ELEMENTO SUBJETIVO NAS EXCLUDENTES DE ILICITUDE E A NECESSIDADE DE SUA QUESITAÇÃO NOS PROCESSOS A SEREM JULGADOS PELO CONSELHO DE SENTENÇA NO TRIBUNAL DO JÚRI JORGE Luís de CAMARGO 1 Sumário: 1. Conceito

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS UFABC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS UFABC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS UFABC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM DIREITO AERONÁUTICO COM ÊNFASE EM INVESTIGAÇÃO JURÍDICA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS E SEGURANÇA DE VOO

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo

CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS. César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo CRIME CONTINUADO EM HOMICÍDIOS César Dario Mariano da Silva 8º PJ do II Tribunal do Júri de São Paulo A figura do crime continuado surgiu na antigüidade por razões humanitárias, a fim de que fosse evitada

Leia mais