CONFORMIDADE DAS ROTINAS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL DE UM COMÉRCIO ATACADISTA DE CRICIÚMA EM RELAÇÃO À LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFORMIDADE DAS ROTINAS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL DE UM COMÉRCIO ATACADISTA DE CRICIÚMA EM RELAÇÃO À LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA."

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELEN RENATA AVILA DE SOUZA CONFORMIDADE DAS ROTINAS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL DE UM COMÉRCIO ATACADISTA DE CRICIÚMA EM RELAÇÃO À LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA. CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010

2 2 ELEN RENATA AVILA DE SOUZA CONFORMIDADE DAS ROTINAS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL DE UM COMÉRCIO ATACADISTA DE CRICIÚMA EM RELAÇÃO À LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Prof. Msc. Adilson Pagani Ramos CRICIÚMA, DEZEMBO DE 2010

3 3 ELEN RENATA AVILA DE SOUZA CONFORMIDADE DAS ROTINAS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL DE UM COMÉRCIO ATACADISTA DE CRICIÚMA EM RELAÇÃO À LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIARIA. Trabalho de Fim e de Conclusão de Curso aprovado pela Banca Examinadora para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, com linha de pesquisa em Formação e Exercício Profissional. Criciúma, 06 de dezembro de BANCA EXAMINADORA Prof. Msc. Adilson Pagani Ramos, Orientador Prof. Esp. Leonel Pereira, Examinador Prof. Esp. Moises Cardoso, Examinador

4 0 DEDICATÓRIA: Minha eterna e inesgotável gratidão ao meu Deus todo poderoso e fiel, que está sempre ao meu lado, e nas horas mais difíceis me deu força e coragem para prosseguir. Obrigada Senhor pela proteção de todos os dias e por me permitir alcançar essa vitória. Amém.

5 1 AGRADECIMENTOS A Deus primeiramente, por estar presente em todos os momentos da minha vida, dando-me saúde, orientação e capacitação. Agradeço especialmente meu amado esposo Admilson, que foi quem mais contribuiu para a concretização deste sonho, com seu amor, auxílio e incentivo. Aos meus pais, Felício e Lourdes, e meus irmãos Joseano e Diego, que em todos os momentos estimularam-me nessa caminhada. Sinceros agradecimentos a todos meus amigos e familiares, principalmente meu tio Carlos Ávila, que também contribuíram para essa conquista. A todos os meus colegas do curso de ciências contábeis, principalmente Juliani, obrigada pela amizade e pelos conhecimentos compartilhados. Ao meu orientador, Professor Pagani, pelas diretrizes seguras e pertinente incentivo transmitidos no desenvolvimento dessa pesquisa. A todos os professores e à coordenação do curso, que contribuíram para meu crescimento pessoal e profissional. Enfim, a todos os que, direta ou indiretamente, colaboraram na realização desse trabalho.

6 2 Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. (I Coríntios 15:57)

7 3 RESUMO SOUZA, Elen Renata Ávila de. Conformidade das Rotinas do Departamento de Pessoal de um comércio atacadista de Criciúma em relação à legislação trabalhista e previdenciária p. Orientador: Adilson Pagani Ramos. Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis. Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC. Criciúma SC. Com o crescimento da competitividade entre as organizações e da complexidade nas atividades empresariais, se intensifica a necessidade de acompanhamento regular frente às constantes mudanças ocorridas nas normas legais. Dentre as especialidades da profissão contábil que evoluem ativamente, o departamento de pessoal se destaca. Uma boa administração nesta área é indispensável às entidades, evitando-se assim falhas administrativas e prejuízos futuros. Neste contexto, o estudo em questão visa verificar se as rotinas do referido setor em um comércio atacadista de Criciúma estão em conformidade com a legislação trabalhista e previdenciária. Para tanto se utilizou pesquisa descritiva, com abordagens quantitativa, efetuadas por meio de estudo de caso, bibliográfico e documental. Com o auxílio destes instrumentos, foi possível alcançar o objetivo geral deste trabalho, onde os resultados apontaram que, algumas das práticas do departamento de pessoal na empresa pesquisada, não estavam de acordo com a Lei. Diante disso conclui que os procedimentos do setor estão parcialmente em conformidade com a legislação, ou seja, conforme visto algumas rotinas legais são executadas, outras não. Desta forma, por meio das análises realizadas tornou-se indispensável propor uma política para adequação do desempenho dos seus métodos para proporcionar tranquilidade e funcionalidade ao departamento. Palavras-chave: legislação trabalhista, legislação previdenciária, departamento de pessoal.

8 4 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 01: Gozo de Férias...26 Quadro 02: Seguro-Desemprego...37 Quadro 03: Prazo para Guarda de Documentos...43 Figura 1: Organograma de Cargos...46

9 5 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Contribuição do Segurado Empregado, Empregado Doméstico e Trabalhador Avulso...28 Tabela 2: Imposto de Renda na Fonte...29

10 6 LISTA DE ABREVIATURAS Art. - Artigo Esp. Especialista MSc. Mestre Nº - número p. Página Prof. Professor

11 7 LISTA DE SIGLAS ASO Atestado de Saúde Ocupacional CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados CEF Caixa Econômica Federal CF Constituição Federal CIPA CLT Consolidação das Leis do Trabalho CPF Cadastro de Pessoa Física CTPS Carteira de Trabalho e Previdência Social DIRF Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte FGTS Fundo de Garantia do Tempo de Serviço GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço Informações à Previdência Social GPS Guia da Previdência Social GRRF Guia de Recolhimento Rescisório INSS Instituto Nacional do Seguro Social IRRF Imposto de Renda Retido na Fonte LTCAT Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho MPS Ministério da Previdência Social MTE Ministério do Trabalho e Emprego NR Norma Regulamentadora PIS Programa de Integração Social PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário PPP RAIS Relação Anual das Informações Sociais RFB Receita Federal do Brasil RGPS Regulamento Geral da Previdencia Social RPS Regulamento da Previdência Social UFIR Unidade Fiscal de Referência e

12 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema e Problema Objetivos da Pesquisa Justificativa Metodologia FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Empregador Empregado Departamento Pessoal Aplicação das Leis Trabalhistas e Previdenciárias Registro de Empregado Documentos Admissionais ASO Atestado de Saúde Ocupacional Folha de Pagamento Salário Versus Remuneração Adicionais Integrantes do Salário Horas Extras Salário-Família Décimo Terceiro Salário Férias Descontos Salariais INSS Instituto Nacional do Seguro Social IRRF - Imposto de Renda Retido na Fonte FGTS Fundo de Garantia do Tempo de Serviço GFIP Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social PIS - Programa de Integração Social CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados RAIS Relação Anual das Informações Sociais Aviso Prévio Rescisão Contratual...34

13 Multa Rescisória Seguro-Desemprego LTCAT Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário PPP Infrações à Legislação Trabalhista Multas Administrativas Previdência Social Infrações à Legislação Previdenciária Fiscalização Orientadora Guarda da Documentação DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS Histórico e Caracterização da Empresa Verificação das rotinas do departamento de pessoal Penalidades pelo não cumprimento das práticas legais CONSIDERAÇÕES FINAIS...55 REFERÊNCIAS...57 APÊNDICE...60 ANEXO...64

14 10 1 INTRODUÇÃO Aborda-se neste capítulo o tema, cuja proposta é verificar se as práticas do departamento de pessoal em um comércio atacadista de Criciúma estão sendo realizadas de acordo com a legislação trabalhista e previdenciária. Diante do assunto selecionado, expõe-se o problema do estudo que servirá de base para a pesquisa elaborada. A seguir, apresentam-se o objetivo geral e os específicos, os quais limitarão o assunto analisado no presente projeto monográfico. Em seqüência a justificativa, tendo como meta enfatizar as contribuições que trazem o plano em questão para a ciência contábil e sociedade. Por fim enumeram-se os procedimentos metodológicos e as técnicas que serão empregados neste trabalho de conclusão de curso. 1.1 Tema e Problema Em virtude da competitividade entre as organizações e o aumento da complexidade nas atividades empresariais, intensifica-se a necessidade de acompanhamento regular dos procedimentos organizacionais. Desta forma as empresas devem manter-se atualizadas frente às constantes mudanças ocorridas nas normas legais, evitando-se assim falhas administrativas e prejuízos futuros. Dentre as especialidades da profissão contábil que evoluem ativamente, o departamento de pessoal se destaca pela considerável importância na gestão das organizações, pois todas as entidades sejam elas de pequeno, médio ou grande porte, necessitam de uma boa administração na área de pessoal. As rotinas desse setor envolvem os processos de admissão, folha de pagamento, benefícios, demissão, obrigações acessórias mensais e anuais e encargos sociais. É também responsável pela geração e manutenção de toda documentação constituída durante a realização de tais práticas, bem como pelo cumprimento às normas de saúde e segurança do trabalho, tendo em vista as exigências dos órgãos fiscalizadores. Os procedimentos relativos à esfera do trabalho devem ser administrados conforme os preceitos estabelecidos pela legislação trabalhista e previdenciária.

15 11 Qualquer equívoco nos atos pertinentes ao referido domínio, pode ocasionar conflitos indesejáveis entre o empregado e o empregador e penalidades aplicadas pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social. Um dos motivos que tornam as empresas vulneráveis a tais sanções é a falta de documentação legal exigível pelas referidas legislações, bem como a omissão ou fraude nos atos praticados desde a admissão até a rescisão contratual de um empregado. Nesse contexto, os gestores devem estar conscientes da relevância do Departamento de Pessoal para a companhia e investir na qualificação dos profissionais desta área. Caso contrário correm o risco iminente de arcar com altos custos provenientes de reclamações trabalhistas, pagamentos indevidos por erro nos cálculos ou multas desnecessárias. Diante do exposto, chega-se ao seguinte problema: Qual a conformidade dos procedimentos pertinentes ao departamento de pessoal, de um comércio atacadista sediado em Criciúma, em relação à legislação trabalhista e previdenciária? 1.2 Objetivos da Pesquisa O objetivo geral desta pesquisa consiste em verificar se as rotinas do departamento de pessoal de um comércio atacadista de Criciúma, estão sendo executadas de acordo com a legislação trabalhista e previdenciária. Para atingir o objetivo geral têm-se como propósitos específicos os seguintes: descrever os procedimentos do departamento de pessoal em um comercio atacadista sediado em Criciúma, observando a legislação trabalhista e previdenciária; confrontar as rotinas da empresa em estudo com as definições apontadas no referencial teórico, apresentando as penalidades pelo não cumprimento das práticas legais, e; propor uma política para adequação do desempenho das rotinas desse setor.

16 Justificativa As frequentes mudanças na legislação do trabalho e a complexidade de suas rotinas geram a necessidade de um acompanhamento regular nos procedimentos pertinentes ao setor pessoal. Uma administração eficaz por meio de profissionais capacitados é indispensável para o bom desempenho dos negócios, pois este segmento é parte integrante da estrutura organizacional de qualquer empresa. No departamento de pessoal é registrada toda a situação do empregado. São informações como: admissão, salários, cálculos de folha de pagamento, de rescisões contratuais, de guias de INSS, FGTS, e outras. Também denominado como administração de pessoal, devido sua importância e influência no auxílio à gestão dos processos organizacionais, inclusive na tomada de decisões. A literatura é de grande auxílio para os profissionais do setor contábil trabalhista, porém é necessário obter experiência, colocando em prática tudo o que foi assimilado por meio dos estudos científicos realizados na área. Desta forma, a contribuição teórica com o desenvolvimento desta pesquisa consiste em observar a legislação do trabalho e da previdência social por meio de pesquisas bibliográficas, verificando a adequação nas organizações e visando a sua melhor aplicação. Como colaboração prática deste estudo, pretende-se esclarecer e informar aos profissionais do setor pessoal, bem como verificar se os procedimentos trabalhistas estão sendo feitos corretamente em um comércio atacadista com sede em Criciúma. Para a referida organização, este projeto é de suma importância, pois também têm como finalidade conscientizá-la da relevância de se adotar medidas organizacionais que visem programar uma política de prevenção, de proteção e auxílio à gestão contra indesejáveis falhas nas obrigações relacionadas à esfera do trabalho. Por fim cabe ressaltar a relevância social da presente pesquisa, visto que, ao adotar uma administração de pessoal eficiente, a entidade diminui os riscos que possam causar a inviabilidade do empreendimento. Desta forma continuará produzindo emprego e renda, contribuindo assim com o crescimento da economia regional, e consequentemente gerando tributos que retornam em benefícios para sociedade.

17 Metodologia Na sequência, descrevem-se os procedimentos metodológicos e as técnicas que serão utilizadas para a elaboração da pesquisa deste trabalho monográfico. Conforme Cornelsen e Muller (2003, p. 2), a investigação científica se alicerça, desde há muito tempo, em um conjunto de normas e princípios estabelecidos. Desta forma, a seguir apresentam-se os métodos e procedimentos de investigação, definindo as tipologias orientadoras da pesquisa em relação aos objetivos, aos procedimentos de coleta dos dados e à abordagem do problema. Quanto aos objetivos a pesquisa evidencia-se como descritiva, sendo está muito utilizada nas áreas sociais, examinando e transcrevendo os fatos sem manipulá-los, pois este tipo de investigação de acordo Cervo, Bervian e Silva (2007, p. 61), observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los. Procura descobrir, com a maior precisão possível, a frequência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com os outros, sua natureza e suas características. Busca conhecer as diversas situações e relações que ocorrem na vida social, política, econômica e demais aspectos do comportamento humano, tanto do indivíduo tomado isoladamente como de grupos e comunidades mais complexas. Em relação aos procedimentos de coleta de dados, a investigação caracteriza-se como, bibliográfica, estudo de caso e documental. Conforme Silva e Menezes (2001), a pesquisa bibliográfica é aquela formada a partir de material já publicado, realizada por meio de livros, artigos, periódicos e atualmente, também de meios eletrônicos. Sendo assim, serão utilizados materiais disponíveis na internet como leis, decretos, portarias, entre outros, da legislação trabalhista e previdenciária, pois de entende que neste meio encontra-se precioso acervo que viabilizará e enriquecerá o estudo e contribuindo para a conclusão deste trabalho monográfico. Na visão de Yin (2005, p. 32), o estudo de caso é uma investigação empírica que investiga um fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto da vida real, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão claramente definidos. Assim sendo, os dados serão coletados em um comércio atacadista da cidade de Criciúma, pois o mesmo faz-se necessário quando envolve

18 14 uma análise aprofundada de um ou mais objetos permitindo detalhar o seu conhecimento. E por fim a pesquisa documental que, segundo Beuren (2006), é elaborada por meio de materiais que ainda não receberam uma análise detalhada. Este tipo de estudo tem por finalidade selecionar e explicar a informação bruta visando extrair dela algum sentido, agregando-lhe valor e possibilitando-lhe contribuição científica a fim de que outros possam no futuro resgatar a mesma ação. Para dar respaldo às análises, vários papéis serão averiguados na organização: os documentos relacionados à saúde e segurança do trabalho, como atestados médicos de saúde ocupacional e perfil profissiográfico previdenciário; os registros de empregados, relatórios de folha de pagamento, relação anual das informações sociais, e outros. Na tipologia de investigação quanto à abordagem do problema, o trabalho monográfico adotará o enfoque quantitativo, que segundo Sampieri, Collado e Lucio (2006), emprega a coleta e o exame de dados para responder às interrogações de pesquisa e provar as hipóteses fixadas previamente. Este modelo de estudo julga que tudo pode ser quantificável, ou seja, mensurar em números as informações para analisá-las e classificá-las. A pesquisa quantitativa utiliza a descrição matemática como uma linguagem, ou seja, a linguagem matemática é utilizada para descrever as causas de um fenômeno, as relações entre variáveis etc. O papel da estatística é estabelecer a relação entre o modelo teórico proposto e os dados observados no mundo real. (TEIXEIRA, 2005, p. 84) Enfim, são esses os procedimentos científicos que servirão de base para os exames a serem executados. A pesquisa bibliográfica e descritiva objetiva auxiliar na descrição teórica, as quais mediante a prática por meio dos métodos de estudo de caso e documental proporcionará um melhor entendimento diante do tema abordado.

19 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Para a compreensão do tema em questão, no presente capítulo será apresentado os principais procedimentos inerentes ao departamento de pessoal das organizações e os conceitos relacionados à Legislação Trabalhista e Previdenciária. O tema proposto fundamenta-se na literatura de célebres autores da área contábil, os quais darão sua contribuição para o entendimento do assunto. 2.1 Empregador Na prática costuma-se denominar empregador de patrão, proprietário da empresa que é o local onde ocorre a atividade econômica e a prestação de serviços. Segundo Gonçalves (2005, p. 71), empresa individual ou coletiva que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação de serviços é empregador. Complementando, Martins (2005, p. 148) acorda que empregador também é chamado patrão, empresário, dador do trabalho. O art. 2º da CLT considera empregador a empresa individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços. Em outros dizeres, Saad, Saad e Castelo Branco (2008) elucidam que o empregador é a organização, concluindo que ambas são palavras sinônimas, sendo a empresa uma realidade econômica organizada em que elementos humanos (chefes e subordinados), materiais (edificações, equipamentos, matéria-prima, etc.) e capital, se reúnem para que ocorra a geração de determinado produto. Entende-se então como empregador aquela atividade ordenada que, vende bens ou serviços no mercado, remunera seus subordinados e ao mesmo tempo ostenta a possibilidade de perda.

20 Empregado Após definido quem é o empregador, se descrevem nesta seção as características do próximo sujeito da relação de emprego. A Consolidação das Leis do Trabalho define o empregado, no seu art. 3º: toda pessoa física que prestar serviços de natureza não-eventual a empregador, sob dependência deste e mediante salário. (CAMINO, 2004 p. 211) Semelhantemente Nascimento (2009, p. 634) declara que, empregado é a pessoa física que com ânimo de emprego trabalha subordinadamente e de modo não eventual para outrem, de quem recebe salário. Para Martinez (2001, p. 124), a descrição do empregado, é praticamente a do art. 3º da CLT, com vistas ao assalariado subordinado urbano-rural da iniciativa privada e no serviço público: A lei previdenciária tenta fornecer o conceito próprio de empregado. O do art. 12, I, a, praticamente, é reprodução do art. 3º da CLT. Por isso, a remissão ao Direito do Trabalho é valida e necessária. O Decreto-Lei n /43 define empregado como quem presta serviços de natureza não eventual a empregador, subordinadamente, mediante salário. Desta forma se percebe que a definição de empregado está embasada principalmente nos seguintes quesitos: pessoalidade, trabalho contínuo, subordinação e onerosidade. 2.3 Departamento de Pessoal O departamento de pessoal tem por objetivo efetivar todos os registros legais e necessários para a administração burocrática exigida pelas legislações que regem a relação de emprego. Desta forma, Marras (2005, p. 190), cita suas funções mais importantes: a) Admissão de novos empregados b) Demissões de empregados c) Registros legais em controles diversos d) Aplicação e manutenção das leis trabalhistas e previdenciárias e) Folha de pagamento (férias, 13º salário etc.) f) Normas disciplinares Para Thomé (2001, p. 67), os serviços do departamento de pessoal podem ser divididos em quatro fases distintas:

21 17 por ocasião da admissão do funcionário; durante a permanência do vínculo empregatício; em razão do seu desligamento e, por fim, a elaboração de relatórios e informações impostas pela complexa legislação que rege as relações trabalhistas. Assim como todos os setores de uma organização devem ser eficientes para a continuidade dos negócios, um bom desempenho do departamento de pessoal é também de extrema importância, visto que os erros e omissões cometidos são detectados com muita rapidez, seja pelo empregado ou empregador. 2.4 Aplicação das Leis Trabalhistas e Previdenciárias O departamento de pessoal fundamenta todo seu exercício nos preceitos legais instituídos pela legislação trabalhista e previdenciária. Na visão de Marras (2005, p. 308), entre tais normas podem-se destacar as seguintes: Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT); Consolidação das Leis da Previdência Social ( CLPS); Normas Regulamentadoras de Higiene e Segurança no Trabalho (NRs); Convenção Coletiva de Trabalho (CCT); Acordos Coletivos de Trabalho (ACT); Leis Complementares e Medidas Provisórias etc. Para diminuir os riscos de uma administração de pessoal ineficiente, é fundamental que os profissionais que atuam nesta área dominem tais instrumentos e que se mantenham em permanente atualização devido às constantes mudanças que ocorre na legislação trabalhista. 2.5 Registro de Empregado Ao início de suas atividades, a empresa não deverá iniciar o trabalho sem o contrato por escrito e o registro em carteira de trabalho de seus empregados. Tal atitude representa riscos ao empregador, inclusive de responsabilidade indenizatória, em caso de acidente do trabalho. Segundo Ferreira, Machado e Santos (2008), a empresa tem o prazo de 48 horas para efetuar as anotações na CTPS relativas à admissão. É seu dever também fornecer um recibo ao empregado no ato da apresentação da mesma.

22 18 Além de anotar o contrato em CTPS, a organização deverá registrar seus empregados no livro ou ficha de registro de empregados. Em conformidade à CLT (2001, p. 163), art. 41, em todas as atividades será obrigatório para o empregador o registro dos respectivos trabalhadores, podendo ser adotados livros, fichas ou sistema eletrônico. De acordo com Gonçalves (2005, p. 118), o livro ou ficha de empregados contém obrigatoriamente as seguintes informações: a) Identificação do empregado, com número e série da CTPS; b) Data de admissão e demissão; c) Cargo ou função; d) Remuneração e forma de pagamento; e) Local e horário de trabalho; f) Concessão de férias; g) Identificação da conta vinculada do FGTS e da conta do PIS/PASEP; h) Acidente de trabalho ou doença profissional, quando tiverem ocorrido. Ferreira, Machado e Santos (2008), afirmam que a falta de registro de empregados sujeitará o empregador à multa de valor igual a 378,2847 Unidade Fiscal de Referência (UFIR). E Oliveira (2007, p. 508) complementa que aplicar-seá a multa de 189,1424 UFIR à empresa que receber a Carteira de Trabalho e Previdência Social para anotar e a retiver por mais de 48 horas. Vale ressaltar que, a UFIR foi extinta pelo parágrafo 3º, do artigo 29, da Medida Provisória nº , de 26 de outubro de Todavia, alguns tributos, inclusive multas, ainda após a publicação, utilizam esse indexador, que tem seu valor fixado em R$ 1,0641. É de extrema importância que o patrão formalize imediatamente o contrato de trabalho para evitar problemas futuros com a fiscalização do Ministério do Trabalho Documentos Admissionais O candidato ao emprego deverá dirigir-se ao departamento de pessoal da empresa com toda a sua documentação, para que sejam tomadas as medidas burocráticas necessárias para tornar-se um empregado efetivo da organização. Conforme Gonçalves (2006, p. 48), entre o período de seleção e contratação é obrigatório a apresentação dos seguintes documentos:

23 19 a) Carteira de Trabalho; b) CPF; c) Carteira de Identidade; d) Titulo de Eleitor; e) Carteira de Reservista; f) Cadastramento no PIS; g) Comprovante de escolaridade exigida; h) Comprovante de habilitação profissional; i) Fotografia; j) Outros documentos que a empresa achar por bem exigir. Garcia (2003) concorda com a documentação apresentada, mas alerta da necessidade e obrigatoriedade de apresentação do atestado de exame médico e do certificado militar para o candidato do sexo masculino. Oliveira (2007) complementa a relação citando também a obrigatoriedade de se apresentar no momento da admissão a certidão de casamento, de nascimento dos filhos menores de 14 anos ou inválidos de qualquer idade para o pagamento do salário-famíla, bem como a caderneta de vacinação ou comprovante escolar. Uma administração de pessoal eficiente mantém toda documentação de seus empregados conforme exige a legislação ASO Atestado de Saúde Ocupacional O empregado antes de ser admitido deve se submeter a um exame médico admissional, realizado por um médico especializado em Medicina do Trabalho. Conforme Marras (2005) o candidato aprovado pelo setor de recrutamento e seleção da empresa irá se submeter a exames médicos, que devem ser realizados por um especialista em medicina do trabalho, com a finalidade de verificar o estado de saúde geral do futuro empregado e registrar o seu histórico clínico no dossiê médico da empresa. Segundo estabelece o Art. 168 da CLT (2001, p. 83): Art Será obrigatório, exame médico por conta do empregador, nas condições estabelecidas neste artigo e nas instruções complementares a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho: I Na admissão; II Na demissão; III Periodicamente. A periodicidade do ASO está estabelecida na Norma Regulamentadora nº 7 de Segurança e Saúde do Trabalho, com a seguinte redação:

24 20 No exame médico periódico deverá ser realizado, de acordo com os intervalos mínimos de tempo abaixo discriminados: a) para trabalhadores expostos a riscos ou a situações de trabalho que impliquem o desencadeamento ou agravamento de doença ocupacional, ou, ainda, para aqueles que sejam portadores de doenças crônicas, os exames deverão ser repetidos: a.1) a cada ano ou a intervalos menores, a critério do médico encarregado, ou se notificado pelo médico agente da inspeção do trabalho, ou, ainda, como resultado de negociação coletiva de trabalho; a.2) de acordo com a periodicidade especificada no Anexo VI da NR 15, para os trabalhadores expostos a condições hiperbáricas; b) para os demais trabalhadores: b.1) anual, quando menores de 18 (dezoito) anos e maiores de 45 (quarenta e cinco) anos de idade; b.2) a cada dois anos, para os trabalhadores entre 18 (dezoito) anos e 45 (quarenta e cinco) anos de idade. E reforçando, em relação à punição para as entidades que infringirem tais normas, o Ministério do Trabalho (2010) destaca que a infração realizada em relação à medicina do trabalho, terá penalidade administrativa de no mínimo R$ 402,53 a no máximo R$ 4.025,33. Na reincidência a multa máxima será dobrada com embaraços, resistência, artifício ou simulação. O atestado de saúde ocupacional é o principal instrumento de que dispõe a empresa para comprovar e/ou verificar se o trabalhador possui, ou não, qualquer moléstia, anteriormente ou durante a sua atividade laboral. E deve ser atualizado periodicamente para evitar as referidas condenações legais. 2.6 Folha de Pagamento Após o efetivo registro de seus empregados, o departamento de pessoal da entidade deverá elaborar mensalmente a folha de pagamento, discriminando todos os proventos e descontos relativos à sua remuneração. De acordo com Marras (2005), o sistema da folha de pagamento é alimentado com as informações geradas pelo cartão ponto, onde são realizados todos os registros de entrada e saída do trabalho, inclusive nos intervalos para refeições e eventuais saídas temporárias. Na visão de Neves (2007, p. 119), folha de pagamento é onde são registrados os salários e ordenados a pagar (comissões, horas extras, prêmios, 13º salário etc.); também são lançados os descontos dos salários (vale ou antecipação salarial, contribuição ao INSS, IRRF etc.).

25 21 A folha salarial resume-se em calcular, registrar, pagar salários e efetuar o recolhimento dos tributos respectivos, desta forma: O final do processo da folha de pagamento dá-se com a confecção do hollerit, palavra inglesa que se adotou popularmente no Brasil para designar o demonstrativo de pagamento dos salários. Trata-se resumidamente de um demonstrativo de crédito de débito de toda a movimentação de um período. (MARRAS, 2005 p. 193). Assim sendo, percebe-se que a folha de pagamento é uma das principais funções que executa o setor pessoal, pois é a prova documental de quitação dos salários dos empregados pelos serviços prestados às organizações. 2.7 Salário versus Remuneração Inicia-se este tópico trazendo o conceito de salário segundo o artigo 457 da CLT, sendo que, conforme Gonçalves (2005 p. 123), é a contaprestação de serviços prestados pelo empregado, devida e paga diretamente pelo empregador. E diferenciando, segundo Garcia (2003, p. 147), verifica-se, pela CLT, art. 457, que a remuneração engloba salário (pago por empregador), gratificações, comissões, diárias e abonos (pagos por empregador) e gorjeta (paga por cliente). Desta maneira compreende-se que salário é a base de todos os abonos, ou seja, é o pagamento mínimo devido pelo empregador ao seu empregado pela contraprestação de serviço, e remuneração é o somatório de todos os seus vencimentos Adicionais Integrantes do Salário Algumas atividades são remuneradas com acréscimo, são os chamados adicionais. Estudam-se nesta seção os adicionais de insalubridade, periculosidade e noturno e transferência. Adicional, no sentido comum, significa algo que acrescenta. No sentido jurídico, adicional é um acréscimo salarial que tem como causa o trabalho em condições mais gravosas para quem o presta. (NASCIMENTO, 2009, p. 1103)

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS.

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. CARACTERÍSTICAS Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. O FGTS consiste em recolhimentos pecuniários mensais feitos pelo empregador em uma

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Carlos Antônio Maciel Luciano Nóbrega Cerqueira Maio/Junho 2009 1 SUMÁRIO 1 Admissões 2 Elaboração da Folha de Pagamento 3 Rescisões Contratuais 4 Obrigações Acessórias

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO 1 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO Camila Cristina Verly Vieira 1 Márcia Serafim Alves 2 Resumo: Como base sobre o termo rescisório o objetivo é demonstrar as diversas formas de se rescindir

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CRC-CE CE GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC FORTALEZA-CE

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015 Neste bip Participação nos Lucros e Resultados... Rescisão Complementar... 1 DIRF 2015... 2 Novas Alterações Trabalhistas e Previdenciárias... 3 EFD ICMS-IPI... 4 Nova Tabela de INSS e Salário Família...

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER USADO

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 26/2015 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SEAOF.GDGSET, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SEAOF.GDGSET, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 2/SEAOF.GDGSET, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre os procedimentos de fiscalização dos contratos de terceirização de mão-de-obra. O DIRETOR-GERAL

Leia mais

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505 OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Sumário 1. Introdução 2. Obrigações Mensais 2.1 - Salários 2.2 - CAGED 2.3 - INSS 2.4 - PIS - Cadastramento 2.5 - FGTS 2.6 - CIPA 2.7 - Exame Médico 2.8 - Acidente

Leia mais

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário:

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: FÉRIAS COLETIVAS - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Direito de Férias 3 - Duração 3.1 - Regime de Tempo Parcial 3.2 - Faltas Justificadas

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 DOU Nº 131, segunda-feira, 9 de julho de 2012 Seção 1 Página 108 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos

Leia mais

RESCISÕES CONTRATUAIS

RESCISÕES CONTRATUAIS RESCISÕES CONTRATUAIS Regras para o Aviso Prévio Proporcional A Lei 12.506/2011 determinou um acréscimo de 3 (três) dias para cada ano trabalhado, limitado a 90 (noventa) dias de indenização. A nova regra

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 Altera a Portaria nº 1.621 de 14/07/2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão do Contrato de Trabalho

Leia mais

1/7. Prof. Wilson Roberto

1/7. Prof. Wilson Roberto 1/7 5. Contrato individual de trabalho: Contribuição Sindical, INSS, Salário-família, IRRF trabalho assalariado, PIS/PASEP, e CAGED Contribuição Sindical A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 (quinta-feira) 15 Obrigação Salário- Maternidade Salário-Família Folha de Pagamento Código Receita 1007 1163 Fato Gerador e Fundamento Legal Parto e aborto espontâneo, conforme certidão

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato Concurso CEF/2012 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Programa Seguro- Desemprego Introdução O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da

Leia mais

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE

Leia mais

Conformidade das rotinas do departamento de pessoal de uma construtora de Coronel Fabriciano em relação à legislação trabalhista e previdenciária

Conformidade das rotinas do departamento de pessoal de uma construtora de Coronel Fabriciano em relação à legislação trabalhista e previdenciária Conformidade das rotinas do departamento de pessoal de uma construtora de Coronel Fabriciano em relação à legislação trabalhista e previdenciária Ivan Leonel Júnior ivan_leuhh@msn.com Centro Universitário

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº ÍNDICE DO MANUAL DE ROTINAS TRABALHISTAS TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº INTRODUÇÃO 6 SIGLAS UTILIZADAS 7 ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL E GERÊNCIA DE REC HUMANOS 8 ABANDONO DE EMPREGO 19 ACIDENTE NO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Empregado doméstico, direitos e deveres Leto Horongozo Corá RESUMO O empregado doméstico figurado pela Lei 5.859/78, não se caracterizando como trabalhador rural e nem urbano, pois

Leia mais

Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS

Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS Tributo Conceito Corresponde à toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor

Leia mais

Lei 8.036/90 ( FGTS: possibilidades e condições de utilização/saque; Certificado de Regularidade do FGTS; Guia de Recolhimento GRF)

Lei 8.036/90 ( FGTS: possibilidades e condições de utilização/saque; Certificado de Regularidade do FGTS; Guia de Recolhimento GRF) Lei 8.036/90 ( FGTS: possibilidades e condições de utilização/saque; Certificado de Regularidade do FGTS; Guia de Recolhimento GRF) FGTS Fundo indenizatório, criado com o objetivo de proteger o trabalhador

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013?

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013? TRABALHADOR DOMÉSTICO 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico? Resposta: É considerado trabalhador doméstico aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV.

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV. PORTARIA N o 1621 DE 14 DE JULHO DE 2010 Aprova modelos de Termos de Rescisão de Contrato de Trabalho e Termos de Homologação. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS Capítulo 1 Recrutamento... 3 1.1 Possíveis ocorrências de recrutamento... 4 1.1.1 Ampliação do quadro de pessoal... 4 1.1.2 Desligamento de empregado... 5 1.1.3 Promoção...

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho

Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho O fundamento da fixação da jornada de trabalho é de ordem tríplice, senão vejamos: de ordem social, no sentido

Leia mais

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014 1 DESCONTO NO CONTRA CHEQUE Ao receber o contra cheque é muito comum ver as pessoas indignadas com a quantidade de descontos no salário. Entretanto não existe salário sem descontos, por isso há uma diferença

Leia mais

As férias serão concedidas em um só período. Somente em casos excepcionais (a lei

As férias serão concedidas em um só período. Somente em casos excepcionais (a lei 12. FÉRIAS 12.1 AQUISIÇÃO DE FÉRIAS O empregado adquire o direito de férias após 12 meses de vigência do contrato de prestação de trabalho. Não é possível conceder férias individuais a empregados com período

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

A seguir apresentamos:

A seguir apresentamos: O Senado Federal aprovou em 26/03, em segundo turno, por unanimidade, a Proposta de Emenda à Constituição n 478/2010 (PEC das Domésticas). A promulgação ocorreu pelo Congresso Nacional nesta terça feira

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de novembro de 2012

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO Sara Costa Benevides 1 Advogada Sócia de Homero Costa Advogados Lorena Efigênia da Cruz Silva Estagiária de Homero Costa Advogados INTRODUÇÃO No Diário Oficial

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais