Microeconomia. Bibliografia. Maximização de Lucro. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 14. Rubinfeld e Pindyck, cap. 8.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microeconomia. Bibliografia. Maximização de Lucro. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 14. Rubinfeld e Pindyck, cap. 8."

Transcrição

1 Microeconomia Arilton Teixeira Bibliografia Mankiw, ca. 14. Rubinfeld e Pindyck, ca Maximização de Lucro O objetivo das emresas é maximizar lucro (ou maximizar o valor da emresa). Nossa abordagem é achar a uantidade ótima ue a emresa deve vender ara maximizar lucro. 3 1

2 Receita e Demanda A função demanda é a relação entre o reço máximo de um bem e a uantidade ue ode ser vendida, dadas as demais variáveis. = f ( ) ou = f () Tudo o mais constante, o reço e a uantidade demandada do bem vão em direção contraria. 4 Função Demanda D 5 Receita Total, Média e Marginal Receita Total: uantia ue a emresa recebe ela suas vendas. Receita Média (RMe): é a receita total (RT) dividida ela uantidade roduzida. Receita Marginal (RMg): é a variação da receita total devido a venda de uma unidade adicional. 6 2

3 Exemlo Quantidade Preço RT Rme RMg Teoria da Firma: Quantidade Ótima a ser roduzida A função lucro é dada or Lucro = RT ( ) CT ( ) Para achar a uantidade ótima, devemos observar o MR e o MC. Lucro = RT Lucro = RMg CMg = CT ( RMg CMg ) 8 Da última euação é fácil ver ue a uantidade ótima a ser roduzida, *, é auela onde MR=MC. Se MR>MC, então, um aumento em, gera aumento do lucro total ( Lucro > 0 ). Se MR<MC, um aumento em gera uma redução do lucro total ( Lucro < 0 ). 9 3

4 Maximização de Lucro O objetivo das emresas é maximizar lucro. A função lucro associa a cada nível de rodução o lucro máximo ue a firma ode obter. π (, ) = max{ RT( ) CT ( ) } 10 Quantidade Ótima a ser Produzida O lucro é dada or Lucro = RT ( ) CT ( ) Para achar a uantidade ótima, devemos derivar a função lucro e igualar a zero. dlucro drt( ) dct( ) = = 0 d d d RMg ( ) = CMg ( ) 11 MC MR MC * D * MR 12 4

5 Organização Industrial Existem várias estruturas de mercado: concorrência erfeita, monoólio, oligoólio e concorrência monoolística. 13 Concorrência Perfeita O mercado de concorrência erfeita é caracterizado ela: existência de um grande número de emresas e de consumidores; bem homogêneo (não existe diferenciação entre emresas). Livre entrada. 14 O grande número de emresas imede ue elas se identifiuem no mercado. Além disto, cada emresa é muito euena relativo ao tamanho do mercado. Assim cada emresa individualmente não afeta o reço. Vender acima do reço gera grande ueda na uantidade demandada. Vender abaixo gera exlosão de demanda. 15 5

6 Lucro ou Prejuízo Até o momento discutimos a uantidade ótima a ser roduzida ela firma. Devemos agora determinar se ara esta uantidade ótima a firma tem lucro ou rejuízo. 16 Se ara a uantidade ótima escolhida, o reço for maior ue o custo médio, então a firma tem lucro. Caso contrário, a firma tem rejuízo. O onto onde o reço é igual ao custo médio (RT=CT) é conhecido como Break Even Point. 17 CMg 1 0 Lucro >0 P>CMe Lucro <0 0 1 CMe 18 6

7 Curva de Oferta É a relação entre a uantidade ótima ue a firma oferta ara diferentes níveis de reços. 19 Gráfico Curva de Oferta S 20 Curva de Oferta da Firma Na concorrência erfeita, o reço é dado. Ou seja, como cada emresa é muito euena em relação ao mercado, a venda de unidades adicionais é feita com o reço constante. Em outras alavras, MR=. 21 7

8 Como a uantidade ótima a ser roduzida é auela onde RMg = CMg. Temos, ue a uantidade ótima na concorrência erfeita é auela onde =MC(). Como a firma oera somente se o P>CVMe, então, a curva de oferta é igual a curva de CMg no ramo em ue CMg > CVMe. 22 > 0 CMg CMg = S CVMe 2 1 = Curva de Oferta do Mercado A curva de oferta do mercado é a soma das curvas de oferta de todas as emresas oerando no mercado. 24 8

9 Decisões de Curto Prazo No curto razo a firma ode ter lucro ou rejuízo. Se a firma tem rejuízo, deve decidir se ela roduz ou não. A regra é ue se o P > CVMe, então a firma deve roduzir, mesmo tendo rejuízo (roduzir reduz o rejuízo). Caso contrário, a firma não deve roduzir, ois isto aumentaria seu rejuizo >0 Lucro: P>CMe Prejuizo: P<CMe CMg CMe CVMe 0 = 0 26 Curto Prazo x Longo Prazo No curto razo, oderíamos ter um euilíbrio com lucro ou rejuízo. No longo razo isto não oderia acontecer. No mercado de concorrência erfeita a entrada é livre. Como a firma está tendo lucro econômico, isto irá atrair novas firmas, levando o reço ara baixo, até ue o lucro econômico seja zero. 27 9

10 0 CMg CMe E Lucro S S * * 0 Q0 Q* 28 D Choues e Ajustamento Choues odem vir a afetar as curvas de demanda (or exemlo, a descoberta ue determinada substância tem agentes cancerígenos, ode levar a ueda de demanda). A entrada e saída de firmas levará ao novo euilíbrio de longo razo, onde o lucro econômico é zero. 29 Curva de Oferta no Curto Prazo No curto razo, a curva de oferta da emresa é dada ela curva de CMg, no ramo da curva onde CMg > CVMe. Se P < CVMe, a firma não oera

11 Curva de Oferta de Mercado de Longo Prazo No longo razo a curva de oferta de mercado é horizontal, no nível onde o reço é igual ao custo médio mínimo 31 0 * CMg CMe E Lucro S S S_LP * 0 Q0 Q* 32 D 11

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 26-03-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do Lucro.

Leia mais

Notas de Aula 2: MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

Notas de Aula 2: MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Microeconomia. Maximização de Lucros e Concorrência Perfeita. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Maximização de Lucros e Concorrência Perfeita. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Maximização de Lucros e Concorrência erfeita rof.: Antonio Carlos Assumpção Conteúdos da Seção Maximização de lucros e oferta competitiva As receitas total, média e marginal Lucro econômico

Leia mais

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Microeconomia - 6 a Lista de Exercícios Prof.: Carlos Eugênio Monitora:Amanda Schutze

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Microeconomia - 6 a Lista de Exercícios Prof.: Carlos Eugênio Monitora:Amanda Schutze Mestrado em Finanças e Economia Emresarial Microeconomia - 6 a Lista de Exercícios Prof.: Carlos Eugênio Monitora:Amanda Schutze (schutze@fgvmail.br) Parte I - Exercícios Básicos a Questão As funções de

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Teoria da Produção. Arilton Teixeira Mankiw, cap 13; Pindyck e Rubinfeld, caps 6 e 7.

Microeconomia. Bibliografia. Teoria da Produção. Arilton Teixeira Mankiw, cap 13; Pindyck e Rubinfeld, caps 6 e 7. Microeconomia Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap 13; Pindyck e Rubinfeld, caps 6 e 7. 2 Teoria da Produção As firmas operam no mercado. O objetivo das firmas é maximização

Leia mais

FORÇAS DE OFERTA E DEMANDA DOS MERCADOS

FORÇAS DE OFERTA E DEMANDA DOS MERCADOS FORÇAS DE OFERTA E DEMANDA DOS MERCADOS OBJETIVO GERAL Apresentar os movimentos de mercado como resultado das forças de oferta e demanda, e o papel dos preços nesta dinâmica. OBJETIVOS ESECÍFICOS Apresentar

Leia mais

FORÇAS DE OFERTA E DEMANDA DOS MERCADOS

FORÇAS DE OFERTA E DEMANDA DOS MERCADOS FORÇAS DE OFERTA E DEMANDA DOS MERCADOS OBJETIVO GERAL Apresentar os movimentos de mercado como resultado das forças de oferta e demanda, e o papel dos preços nesta dinâmica. OBJETIVOS ESECÍFICOS Apresentar

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-03-2012 João Correia da ilva (joao@fe.u.t) 2. Estruturas de Mercado 2.1. Concorrência Perfeita. 2.2. Monoólio. 2 CONCORRÊNCIA PERFEITA O modelo de concorrência erfeita

Leia mais

Microeconomia Discriminação de Preços

Microeconomia Discriminação de Preços Microeconomia Discriminação de reços rof. Antonio Carlos Assumpção Discriminação de reços: Monopólio Discriminação de preço é a prática de cobrar, pelo mesmo produto, preços diferentes de consumidores

Leia mais

Gabarito da Lista 8 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Rafaela Nogueira

Gabarito da Lista 8 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Rafaela Nogueira Gabarito da Lista de exercícios - Microeconomia Professora: Joisa Dutra Monitor: Rafaela Nogueira 1. No duoólio de Cournot, cada rma escolhe a quantidade que imiza o seu lucro dada a quantidade da outra

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG PAEN 2011/12 6 de Janeiro de 2011 Duração Total do Teste: 2h00m IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO NOME COMPLETO:......... Nº DE PROCESSO:. CURSO TURMA:. PARTE

Leia mais

Les 201 Matemática Aplicada à Economia

Les 201 Matemática Aplicada à Economia Les 0 Matemática Aplicada à Economia Aulas 0- Derivadas Aplicação em Economia Derivadas de Ordem Superiores Derivadas Parciais Determinante Jacobianno Luiz Fernando Satolo Aplicações da a. Derivada em

Leia mais

TP043 Microeconomia 23/11/2009 AULA 21 Bibliografia: PINDYCK capítulo 12 Competição monopolística e oligopólio.

TP043 Microeconomia 23/11/2009 AULA 21 Bibliografia: PINDYCK capítulo 12 Competição monopolística e oligopólio. TP043 Microeconomia 3//009 AULA Bibliografia: PINDYCK capítulo Competição monopolística e oligopólio. Características da competição monopolística:. Muitas empresas. Livre entrada e saída 3. Produtos diferenciados

Leia mais

PRO Introdução à Economia

PRO Introdução à Economia Introdução à Economia Aula 13 Monopólio Monopólio Uma empresa é considerada um monopólio quando: É a única produtora de um bem ou serviço O bem ou serviço não tem substitutos próximos Em um monopólio,

Leia mais

CURSO: MARKETING ECONOMIA I Época de Recurso 4 de Março de 2009 duração: 2h. Resolução NOME: Nº. GRUPO I (7 valores)

CURSO: MARKETING ECONOMIA I Época de Recurso 4 de Março de 2009 duração: 2h. Resolução NOME: Nº. GRUPO I (7 valores) URO: MARKTING ONOMIA I Éoca de Recurso 4 de Março de 2009 duração: 2h NOM: Nº. RPONA NO NUNIAO Resolução GRUPO I (7 valores) deve assinalar com um círculo a resosta correcta cada questão tem uma cotação

Leia mais

PRO INTRODUÇÃO A ECONOMIA. Aula 12 Mercados Perfeitamente Competitivos

PRO INTRODUÇÃO A ECONOMIA. Aula 12 Mercados Perfeitamente Competitivos PRO2208 - INTRODUÇÃO A ECONOMIA Aula 12 Mercados Perfeitamente Competitivos Estruturas de Mercado Preço e Quantidade de equilíbrio Oferta e Demanda Resultados diferentes em diferentes mercados Estruturas

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

Estrutura de mercado. Capítulo VII CONCORRÊNCIA PERFEITA CONCORRÊNCIA PERFEITA CONCORRÊNCIA PERFEITA. Características da concorrência perfeita

Estrutura de mercado. Capítulo VII CONCORRÊNCIA PERFEITA CONCORRÊNCIA PERFEITA CONCORRÊNCIA PERFEITA. Características da concorrência perfeita CONCORRÊNCIA PERFEITA Estrutura de mercado Características da concorrência perfeita 1. Aceitadores de preços 2. Homogeneidade de produtos 3. Livre entrada e saída Capítulo VII CONCORRÊNCIA PERFEITA Aceitadores

Leia mais

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011 MICROECONOMIA II E08 00- -04-0 João Correia da Silva joao@fe.u.t . Estruturas de Mercado.. Concorrência Perfeita... Monoólio. MONOPÓLIO O Monoólio é uma estrutura de mercado na ual:. Existe aenas emresa

Leia mais

Empresas em Mercados Competitivos

Empresas em Mercados Competitivos Empresas em Mercados Competitivos Introdução à Economia Mankiw, N.G. Capítulo 14 Copyright 2001 by Harcourt, Inc. All rights reserved. Requests for permission to make copies of any part of the work should

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Oligopólio Prof.: Antonio Carlos Assumpção Interdependência e o Equilíbrio de Nash Concorrência via Quantidade O Modelo de Cournot Cartel Modelo de Stackelberg Os Modelos Comparados Concorrência

Leia mais

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-02-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do ucro. 2

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

Oligopólio. lio. Janaina da Silva Alves

Oligopólio. lio. Janaina da Silva Alves Oligopólio lio Janaina da Silva Alves Sumário Definição de oligopólio Modelos de competição imperfeita 3 Modelo de Cournot 4 Cartel ou conluio 5 Modelo de Stackelberg 6 Modelo de liderança de preços 7

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4

Microeconomia I. Bibliografia. Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4 Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4 2 Mercado Definição: É o conjunto de agentes, compradores e vendedores, que negociam

Leia mais

29/03/2016. Oferta e Demanda. Oferta e Demanda. O Que São os Mercados? Mercado. Mercado. Preços

29/03/2016. Oferta e Demanda. Oferta e Demanda. O Que São os Mercados? Mercado. Mercado. Preços Oferta e Demanda Oferta e Demanda ARTE I São as duas palavras mais usadas por economistas. São as forças que fazem os mercados funcionarem. A microeconomia moderna lida com a oferta, demanda e o equilíbrio

Leia mais

Monopólio. Varian cap. 24

Monopólio. Varian cap. 24 Monopólio Varian cap. 24 Introdução Definição: Uma empresa produz uma mercadoria sem substitutos próximos. Monopolista pode obter lucro econômico puro, mesmo no longo prazo. Mas, e novas empresas não são

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Economia do Trabalho Demanda e Oferta por Mão de Obra Fábio Lobo

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Economia do Trabalho Demanda e Oferta por Mão de Obra Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Economia do Trabalho Demanda e Oferta por Mão de Obra Fábio Lobo Demanda e Oferta por Mão de Obra. Prof. Fábio Lobo.

Leia mais

MICROECONOMIA II. Monopólio CAP. 24 Varian CAP. 10 Nicholson CAP. 10 Pindyck

MICROECONOMIA II. Monopólio CAP. 24 Varian CAP. 10 Nicholson CAP. 10 Pindyck MICROECONOMIA II Monopólio CAP. 24 Varian CAP. 10 Nicholson CAP. 10 Pindyck 1. Introdução Um monopólio ocorre quando há uma única firma no mercado A firma monopolista pode escolher produzir em qualquer

Leia mais

Economia Pesqueira I

Economia Pesqueira I Economia Pesqueira I Custos de Produção Prof. Rogério César Conceito de Custos Custo de Oportunidade: O custo de um produto é o valor da melhor alternativa abandonada para se obter aquele produto. Custo

Leia mais

Capítulo Introdução à Economia Mankiw, N.G. Copyright 2001 by Harcourt, Inc.

Capítulo Introdução à Economia Mankiw, N.G. Copyright 2001 by Harcourt, Inc. Monopólio. Introdução à Economia Mankiw, N.G Capítulo 15 Copyright 2001 by Harcourt, Inc. All rights reserved. Requests for permission to make copies of any part of the work should be mailed to: Permissions

Leia mais

Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Rafaela Nogueira

Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Rafaela Nogueira Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia Professora: Joisa Dutra Monitor: Rafaela Nogueira 1. (a) Verdadeiro, or de nição. (b) Falso. Para que o segundo teorema valha, o conjunto de rodução também

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 16 OFERTA DA EMPRESA E DA INDÚSTRIA (Krugman cap.9) CONDICIONANTES DA CURVA DE OFERTA A oferta de qualquer empresa será condicionada por duas decisões

Leia mais

Microeconomia II. Competição Imperfeita Oligopólio. Pindyck Cap: 12

Microeconomia II. Competição Imperfeita Oligopólio. Pindyck Cap: 12 Microeconomia II Competição Imperfeita Oligopólio Pindyck Cap: 12 1. Oligopólio Oligopólio não cooperativo: Como existem poucas firmas no mercado, elas sabem que suas estratégias podem afetar o preço de

Leia mais

[Ano] Estruturas de Mercado e Decisão. Campus Virtual Cruzeiro do Sul

[Ano] Estruturas de Mercado e Decisão. Campus Virtual Cruzeiro do Sul [Ano] Estruturas de Mercado e Decisão Estruturas de Mercado e Decisão MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Andressa Guimarães Rego Revisão Textual: Profa. Ms. Alessandra Fabiana Cavalcante

Leia mais

MICROECONOMIA PARA ADM* MARIA ISABEL BUSATO

MICROECONOMIA PARA ADM* MARIA ISABEL BUSATO MICROECONOMIA PARA ADM* MARIA ISABEL BUSATO *Baseados Pyndick e slides J. Paranhos AULA 15 7. Custos Componentes básicos dos custos Tipos de custos Economias de Escala e Escopo Bibliografia: PINDYCK, Robert

Leia mais

Curva de Oferta (Cap. 9) 1º SEMESTRE 2014

Curva de Oferta (Cap. 9) 1º SEMESTRE 2014 Curva de Oferta (Cap. 9) 1º SEMESTRE 2014 Marta Lemme - IE/UFRJ Concorrência Perfeita 1. Produtores e consumidores são tomadores de preço suas ações não podem influenciar os preços Goldman Sachs Group

Leia mais

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar?

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar? Introdução Teoria da Firma A tecnologia de produção representa a relação entre os insumos e a produção. Dada a tecnologia de produção, os administradores da empresa devem decidir como produzir. Capítulo

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

MICROECONOMIA PARA CONCURSOS. Prof. Daniel da Mata MICROECONOMIA PARA CONCURSOS. Teoria Econômica. Modelos Econômicos. Modelos Econômicos

MICROECONOMIA PARA CONCURSOS. Prof. Daniel da Mata MICROECONOMIA PARA CONCURSOS. Teoria Econômica. Modelos Econômicos. Modelos Econômicos MICROECONOMIA PARA CONCURSOS Prof. Daniel da Mata MICROECONOMIA PARA CONCURSOS Introdução Prof. Daniel da Mata A economia faz arte de nossas vidas...... As forças econômicas imactam o nosso dia-a-dia Via

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.2. Externalidades: Solução de Pigou. Isabel Mendes

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.2. Externalidades: Solução de Pigou. Isabel Mendes Microeconomia II ursos de Economia e de Matemática Alicada à Economia e Gestão AULA 5. Externalidades: olução de Pigou Isabel Mendes 007-008 4/8/008 Isabel Mendes/MIRO II 1 5. olução de Pigou 1. O que

Leia mais

Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da

Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da 3. Teoria da Firma Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da firma. De maneira muito simplificada,

Leia mais

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos Teoria da firma: e custos de Teoria da firma: e custos de Introdução Considerações preliminares Uma economia de mercado é orientada pelas forças da oferta e da procura. Consumidores Firmas Unidades do

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA Monopólio 1. Indique se as afirmações a seguir são verdadeiras ou falsas e

Leia mais

6, , , Equilíbrio 3, ,

6, , , Equilíbrio 3, , José Wladimir Freitas da Fonseca 1 O objetivo desta aula é apresentar os princípios elementares da teoria microeconômica começando pelas variáveis determinantes do equilíbrio do mercado, passando pelos

Leia mais

MUANÇA NA VARIÁVEL A A ROVOCA ECONOMIA EMANA & OFERTA MUANÇA NA VARIÁVEL B B Resposta de B Elasticidade Maior Se a mudança for forte: B é elástico a A Resposta forte Elasticidade Menor Se a mudança for

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 14 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Estruturas de Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, caps 15, 16 e 17.

Microeconomia. Bibliografia. Estruturas de Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, caps 15, 16 e 17. Microeconomia Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, caps 15, 16 e 17. Pindyck and Rubenfeld caps 10, 11 e 12. 2 Estruturas de Mercado Nesta parte do curso vamos estudar estrutura

Leia mais

MICROECONOMIA II. Competição Perfeita CAP. 9 Nicholson CAP. 8 e 9 Pindyck CAP. 22, 23 Varian

MICROECONOMIA II. Competição Perfeita CAP. 9 Nicholson CAP. 8 e 9 Pindyck CAP. 22, 23 Varian MICROECONOMIA II Competição Perfeita CAP. 9 Nicholson CAP. 8 e 9 Pindyck CAP. 22, 23 Varian 1. Competição Perfeita Como os preços são determinados em um mercado competitivo? Restrições tecnológicas: Representadas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia REC110 MICROECONOMIA II EXERCÍCIOS SOBRE MONOPÓLIO, MONOPSÔNIO E DISCRIMINAÇÃO DE PREÇOS. ROBERTO GUENA DE OLIVEIRA 1. Uma empresa vende seu produto em dois mercados distintos. A demanda por esse produto

Leia mais

O objectivo último da empresa é a maximização do lucro económico total, a diferença entre:

O objectivo último da empresa é a maximização do lucro económico total, a diferença entre: Estruturas de Mercado Atendendo às condições do mercado, quanto é que a empresa deve produzir? A que preço? Tudo depende da estrutura de mercado na qual a empresa está inserida Estrutura de Mercado Concorrência

Leia mais

Estrutura Tarifária de Energia Elétrica

Estrutura Tarifária de Energia Elétrica Estrutura Tarifária de Energia Elétrica A Estrutura Tarifária de Energia Elétrica II: Teoria de precificação e metodologia regulatória Cristiano Silva Silveira Bloco 1 Microeconomia aplicada à precificação

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Os países envolvem-se no comércio internacional por dois motivos básicos: Os países diferem quanto aos recursos ou à tecnologia.

Leia mais

Monopólio. Copyright 2004 South-Western

Monopólio. Copyright 2004 South-Western Monopólio 15 Copyright 2004 South-Western Definição Enquanto a firma competitive é tomadora de preço (price taker), o monopólio é um fazedor de preço (má tradução para price maker). A firma é um monopólio

Leia mais

Unidades II ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta

Unidades II ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta Unidades II ECONOMIA E MERCADO Profa. Lérida Malagueta Microeconomia A microeconomia ou teoria dos preços analisa como consumidores e empresas interagem no mercado, e como essa interação determina o preço

Leia mais

CONCORRÊNCIA PERFEITA Enunciados e tópicos de resolução de alguns exercícios (alunos)

CONCORRÊNCIA PERFEITA Enunciados e tópicos de resolução de alguns exercícios (alunos) Exercício 1 CONCORRÊNCIA PERFEITA Enunciados e tópicos de resolução de alguns exercícios (alunos) Considere a empresa produtora do bem BÊ, integrada num mercado de concorrência perfeita, com a seguinte

Leia mais

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto

Leia mais

Custos de Produção. Copyright 2004 South-Western

Custos de Produção. Copyright 2004 South-Western 5 Teoria da Firma Custos de Produção 13 Copyright 2004 South-Western Lei da Oferta: Teoria da Firma As firmas estão dispostas a produzir e vender uma quantidade maior quando o preço do bem aumenta. A curva

Leia mais

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de asso Fundo - RS Eduardo Belisário Finamore 1 Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar a visão da teoria econômica sobre

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp.

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp. A empresa e o mercado Fernando Branco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno essão 4 A empresa produz para servir os seus clientes (o mercado). Não há uma teoria geral para prescrever as decisões óptimas

Leia mais

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: EXERCÍCIOS 1. Aumentos na demanda de produtos monopolizados sempre resultarão em preços mais elevados? Explique. Um aumento na oferta com que se defronta

Leia mais

MICROECONOMIA II. Exame 1ª época 25/06/2007. Licenciatura em Economia LEC106

MICROECONOMIA II. Exame 1ª época 25/06/2007. Licenciatura em Economia LEC106 Licenciatura em Economia MICROECONOMIA II LEC106 Exame 1ª época 25/06/2007 Antes de iniciar o exame, leia atentamente as observações que se seguem: a duração da prova é de 2 horas e 30 minutos; a prova

Leia mais

TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS

TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS INTRODUÇÃO CONSUMIDORES: atendimento de necessidades teoria do consumidor FIRMAS: desenvolvimentos de atividades produtivas teoria da firma TEORIA DA PRODUÇÃO: CONCEITOS

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

UC: Economia da Empresa

UC: Economia da Empresa UC: Economia da Empresa 10ª Sessão Curso: Licenciatura em Gestão de Marketing ocente: Nuno J. Farinha 1 6. Mercado 6.1 Mercados rfeitamente Competitivos Modelo teórico como forma de entender a realidade

Leia mais

TP043 Microeconomia 11/11/2009 AULA 19 Bibliografia: PINDYCK capítulo 10

TP043 Microeconomia 11/11/2009 AULA 19 Bibliografia: PINDYCK capítulo 10 TP043 Microeconomia 11/11/2009 AULA 19 Bibliografia: PINDYCK capítulo 10 DESLOCAMENTOS DA DEMANDA: No mercado monopolista não existe uma curva de oferta. A cada movimentação da demanda a oferta se modifica,

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia GRITO: PRIMEIR LIST E EXERCÍCIOS MICROECONOMI I ersão:.6 Universidade ederal de Roraima eartamento de Economia ) (a) Excedente do Consumidor: i. umento de reço dos insumos de rodução. EC S S : Reresenta

Leia mais

ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA

ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA Exame 2ª Época, 1º Semestre 2012-2013 Tempo de duração: 2h30 Nome: Nº Turma PARTE I: Fundamentos de Economia (2,5) 1. (1,5 v) Na atual conjuntura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ISSN 1678-1988 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS TEXTO DE DISCUSSÃO Nº 11 UM ENSAIO SOBRE OS CUSTOS SOCIAIS DE MONOPÓLIO JOSÉ LOURENÇO CANDIDO

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira 31demaiode2017 USP

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira 31demaiode2017 USP Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira 31demaiode2017 USP Sumário Discriminação de preços Tipos de discriminação Simplificações

Leia mais

matematicaconcursos.blogspot.com

matematicaconcursos.blogspot.com Professor: Rômulo Garcia Email: machadogarcia@gmail.com Conteúdo Programático: Teoria dos Números Exercícios e alguns conceitos imortantes Números Perfeitos Um inteiro ositivo n diz-se erfeito se e somente

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira 31demaiode2017 USP

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira 31demaiode2017 USP Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira 31demaiode2017 USP Sumário Discriminação de preços Tipos de discriminação Simplificações

Leia mais

Les 201 Matemática Aplicada à Economia. Relações entre CMg e CMe. Aulas Relações entre CMg e CMe. dct. dcme. CMe = = = =

Les 201 Matemática Aplicada à Economia. Relações entre CMg e CMe. Aulas Relações entre CMg e CMe. dct. dcme. CMe = = = = Les 0 Matemática Aplicada à Ecoomia Aulas -4 Derivadas Aplicação em Ecoomia Derivadas de Ordem Superiores Derivadas Parciais Determiate Jacobiao 9 e 0/09/06 Aplicações da a. Derivada em Ecoomia Dada a

Leia mais

Parte III Mercados. Concorrência Perfeita. Roberto Guena de Oliveira 28 de abril de 2017 USP

Parte III Mercados. Concorrência Perfeita. Roberto Guena de Oliveira 28 de abril de 2017 USP Parte III Mercados Concorrência Perfeita Roberto Guena de Oliveira 28 de abril de 2017 USP Sumário 1 Hipóteses 2 A demanda de mercado 3 Equilíbrio de curto prazo Oferta de curto prazo 4 Oferta da indústria

Leia mais

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Graduação em economia Exercícios para entrega 08 de junho de 2016 Exercício 1. Uma empresa produz bolas de gude e possui a seguinte função de produção: Q = 2(KL) 0.5,

Leia mais

PARTE IV Análise Mercado Competitivo. Marta Lemme - IE/UFRJ

PARTE IV Análise Mercado Competitivo. Marta Lemme - IE/UFRJ PARTE IV Análise Mercado Competitivo Marta Lemme - IE/UFRJ EQUILÍBRIO DE MERCADO E EFICIÊNCIA DE PARETO Se pudermos encontrar uma forma de melhorar a situação de uma pessoa sem piorar a de nenhuma outra,

Leia mais

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total Custos de Produção Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total 1 Introdução Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

Monopólio. 15. Monopólio. Porque Surgem os Monopólios. Porque Surgem os Monopólios. Economias de Escala. Monopólio Natural

Monopólio. 15. Monopólio. Porque Surgem os Monopólios. Porque Surgem os Monopólios. Economias de Escala. Monopólio Natural 15. Enquanto uma firma compettitiva é tomadora de preço, a firma monopolista é fazedora de preço Uma firma é considerada monopolista se: É a única vendedora de um produto O produto não tem um substituto

Leia mais

Economia. Prof.Carlos NEMER 1. Sumário. Introdução. Estruturas de Mercado

Economia. Prof.Carlos NEMER 1. Sumário. Introdução. Estruturas de Mercado Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 10: Estruturas de Mercado Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Parte II-6-Slide 1 de 51/2005.1 Sumário 1. Introdução 2. Objetivos da Firma 3.

Leia mais

UC: Economia da Empresa

UC: Economia da Empresa UC: Economia da Empresa 11ª Sessão Curso: Licenciatura em Gestão de Marketing Docente: Nuno J. Farinha 1 Estruturas de Mercado: Extremos Mercados imperfeitamente competitivos Mercados Perfeitamente Competitivos

Leia mais

Custo, Receita e Lucro Marginais

Custo, Receita e Lucro Marginais Custo, Receita e Lucro Marginais Samuel Lima Picanço 02 de Junho de 2015 Custo Marginal Seja CT = CT (x), x 0 o custo total para produzir x unidades de um determinado produto. Suponha que a produção atual

Leia mais

Solução de exercícios selecionados Krugman e Wells capítulo 8

Solução de exercícios selecionados Krugman e Wells capítulo 8 Solução de exercícios selecionados Krugman e Wells capítulo 8 Roberto Guena de Oliveira 21 de junho de 2010 Problema 4 BobproduzfilmesemDVDparavenda, paraoqueprecisaapenasde umprédio e uma máquina que

Leia mais

Módulo 11 Estruturas de Mercado

Módulo 11 Estruturas de Mercado Módulo 11 Estruturas de Mercado Nos módulos anteriores pudemos analisar os fatores que determinam a oferta e a demanda de bens e ser de bens e serviços. Na análise da determinação dos preços no mercado,

Leia mais

6,00 2 000 8 000 5,00 3 000 6 000. 4,00 4 000 4 000 Equilíbrio 3,00 5 000 2 000 2,00 6 000 0

6,00 2 000 8 000 5,00 3 000 6 000. 4,00 4 000 4 000 Equilíbrio 3,00 5 000 2 000 2,00 6 000 0 José Wladimir Freitas da Fonseca 1 O objetivo desta aula é apresentar os princípios elementares da teoria microeconômica começando pelas variáveis determinantes do equilíbrio do mercado, passando pelos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª PARTE: Concorrência Perfeita, Concorrência Monopolística, Monopólio e Oligopólio.

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª PARTE: Concorrência Perfeita, Concorrência Monopolística, Monopólio e Oligopólio. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II ESTÁGIO DOCÊNCIA: VÍVIAN DOS SANTOS QUEIROZ PROFESSOR:

Leia mais

Receita, Custo e Lucro

Receita, Custo e Lucro eceita, Custo e ucro eceita total eceita total ou, simplesmente, eceita é a quantia monetária recebida por uma empresa com a venda de seus produtos. Supondo que a empresa vende apenas um produto e que

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/01 1) A tabela abaixo demonstra que conforme o número de insumos variáveis aumenta com a produção de um bem, teremos um

Leia mais

Capítulo 4 Teoria da Produção

Capítulo 4 Teoria da Produção Capítulo 4 Teoria da Produção 1. Produção Econômica i. Produção econômica: é a arte ou técnica de reunir insumos e transformá-los, através da aplicação de uma tecnologia, em um novo produto. O aspecto

Leia mais

Decisões da empresa com poder de mercado

Decisões da empresa com poder de mercado ecisões da empresa com poder de mercado IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Normalmente as empresas têm alguma capacidade para influenciar o preço (poder de mercado), isto é, enfrentam

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO MICROECONOMIA É a parte da teoria econômica que estuda o comportamento das famílias e das empresas e os mercados nos quais operam.

Leia mais

TP043 Microeconomia 16/11/2009 AULA 20 Bibliografia: PINDYCK capítulo 11 Determinação de Preços e Poder de Mercado.

TP043 Microeconomia 16/11/2009 AULA 20 Bibliografia: PINDYCK capítulo 11 Determinação de Preços e Poder de Mercado. T043 Microeconomia 6//009 AULA 0 Bibliografia: INDYCK capítulo Determinação de reços e oder de Mercado. Quem administra uma empresa com grau de monopólio, tem um trabalho mais difícil do que quem administra

Leia mais

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ Parte III: Construindo a Curva de Oferta Marta Lemme - IE/UFRJ III.1. Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz.

Leia mais

A ESTRUTURA DO MERCADO A concorrência perfeita e a concorrência imperfeita. A teoria dos jogos e a estratégia. Universidade Autónoma de Lisboa

A ESTRUTURA DO MERCADO A concorrência perfeita e a concorrência imperfeita. A teoria dos jogos e a estratégia. Universidade Autónoma de Lisboa A ESTRUTURA DO MERCADO A concorrência perfeita e a concorrência imperfeita. A teoria dos jogos e a estratégia Arlindo Alegre Donário Ricardo Borges dos Santos Universidade Autónoma de Lisboa CARS Centro

Leia mais

Sistema de preços. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro de Oferta e demanda. 1.1 Curva de demanda

Sistema de preços. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro de Oferta e demanda. 1.1 Curva de demanda Sistema de preços Prof. Regis Augusto Ely Agosto de 2011 - Revisão Novembro de 2012 1 Oferta e demanda 1.1 Curva de demanda A curva de demanda descreve a relação entre preço e quantidade demandada. Aumentando

Leia mais

preço das matérias primas e dos fatores de

preço das matérias primas e dos fatores de Oferta Individual versus Oferta de Mercado A oferta de determinado bem depende de vários fatores: preço do próprio bem preço das matérias primas e dos fatores de produção tecnologia utilizada Oferta Individual

Leia mais

Análise do Ponto de Equilíbrio, Margem de Segurança e Grau de Alavancagem.

Análise do Ponto de Equilíbrio, Margem de Segurança e Grau de Alavancagem. Análise do Ponto de Equilíbrio, Margem de Segurança e Grau de Alavancagem. Ponto de equilíbrio (break-even point) é um nível de atividades em que as receitas são iguais às despesas e, conseqüentemente,

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA Equilíbrio 1. Sejam 100 firmas idênticas atuando em concorrência perfeita.

Leia mais

Modelos de Oligopólio. Paulo C. Coimbra

Modelos de Oligopólio. Paulo C. Coimbra Modelos de Oligopólio Paulo C. Coimbra 1 Modelos de Oligopólio Existem três modelos de oligopólio dominantes Cournot Bertrand Stackelberg líder-seguidora Eles são distinguidos pela variável de decisão

Leia mais

Microeconomia. 6. A Empresa com Poder de Mercado. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Microeconomia. 6. A Empresa com Poder de Mercado. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Microeconomia 6 A Empresa com Poder de Mercado Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial A Empresa com Poder de Mercado (concorrência imperfeita) Monopólio

Leia mais