A BASE ATUARIAL DOS PLANOS DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BASE ATUARIAL DOS PLANOS DE SAÚDE"

Transcrição

1 A BASE ATUARIAL DOS PLANOS DE SAÚDE INTRODUÇÃO Este trabalho tem por objetivo analisar as atuais iniciativas de regulamentação dos planos de saúde e a base atuarial necessária a uma regulação adequada desses planos. Incluem-se ainda no escopo deste trabalho apresentar uma retrospectiva da crise da Saúde no Brasil, analisar o surgimento do seguro-saúde e dos planos de saúde, bem como comentar as diversas tentativas de regulamentação destes últimos. Os planos de saúde e o seguro-saúde passam por um momento crítico, em que correm o risco de terem uma regulamentação defeituosa e sem uma base atuarial mínima, que lhes dê sustentação técnica. Os planos de saúde e o seguro-saúde cobrem a assistência médico-hospitalar de mais de 40 milhões de participantes, o que representa um enorme alívio para a União, Estados e Municípios, que não tem capacidade nem recursos para atender a tanta gente, além da evidente economia, com os recursos que estão deixando de ser aplicados na assistência à saúde desse enorme contingente da população. Mesmo assim, ao contrário do que alguém de bom senso possa pensar, os planos de saúde e o seguro-saúde foram escolhidos como bode expiatório da crise crônica da saúde. Planos de Saúde é matéria, quase que diária, nos meios de comunicação de massa, onde se questiona preços, reajustes, carência, abrangência de cobertura, etc. Esse questionamento, regra geral, é feito de forma superficial, sem o cuidado de informar aos participantes os princípios técnicos que devem reger as operações com esses planos. Trata-se de uma atividade que envolve o atendimento de necessidades fundamentais nos momentos em que as pessoas, na maioria dos casos, estão vivendo emoções fortes e expectativas em torno da vida humana exposta aos efeitos de doenças ou de acidentes, momentos estes em que há uma propensão acentuada ao conflito, principalmente no caso de uma atividade que, pelo fato de não ter sido ainda regulamentada, reforça o sentimento de insegurança e abandono. Antes de analisar as bases atuariais que devem nortear as operações e a regulamentação dos planos de saúde, faremos uma retrospectiva ampla sobre assistência à saúde, planos de saúde e seguro-saúde, com os respectivos comentários e análises, que serão apresentados a seguir sob a forma de tópicos específicos. Página 1 de 33

2 2 - PLANOS DE SAÚDE E SEGURO-SAÚDE NO FOGO CRUZADO DE BATALHAS IDEOLÓGICAS Os planos de saúde ainda não foram regulamentados pelo Poder Público. Por essa razão, as suas atividades pairam numa espécie de limbo jurídico, que os deixam mais vulneráveis as demandas de cobertura universal e igualitária, difundidas, principalmente pelas corporações e grupos ligados ao setor público de saúde. A cobertura universal e igualitária será analisada adiante sob o prisma técnico.cabe aqui apenas o registro de que até hoje ninguém alertou aos mais de 40 milhões de participantes, para o fato de eles terem de pagar a conta, caso venha a ser instituída essa cobertura, de forma obrigatória, como pretendem os patronos das nossas causas sociais. Da mesma forma, apesar de regulamentado com base no Decreto-Lei 73/66, o seguro-saúde operado por Seguradoras também está sendo bastante questionado, mediante o argumento de que há a prevalência da Lei 8080/90, que regulamentou o SUS, sobre o Decreto-Lei 73/66, de modo que as Companhias de Seguros também estão obrigadas a garantir assistência médico-hospitalar, através de cobertura universal e igualitária. Na realidade, trata-se de mais uma estratégia adotada na batalha ideológica, que se trava, com a finalidade de identificar a opção de alguns grupos minoritários da Sociedade pela estatização total no setor de saúde. São freqüentes as disputas na área de saúde. Estas ocorrem, desde a nomeação de um diretor de hospital público até as definições operacionais do sistema, transformando-se, muitas vezes, em batalhas intermináveis. Conforme matéria publicada na Gazeta Mercantil de , o Ministro da Saúde, Carlos Albuquerque, se referiu à questão nos seguintes termos: Não é mais possível, por exemplo, uma disputa ideológica e de métodos entre sanitaristas e tecnologistas. Assim, é que o setor de saúde sofre os efeitos de um patrulhamento ideológico ferrenho e permanente. Tem sido difícil livrar as discussões dos estigmas que dividem as pessoas em grupos. Nesse contexto, é considerado retrógrado e individualista quem defende, por exemplo, a assistência médico-hospitalar paga pelas pessoas que tem renda ou salário suficiente para tal e que, se assim fosse feito, a União, Estados e Municípios poderiam priorizar o atendimento aos mais pobres, especialmente a criança e o idoso. Além de retrógrado, quem defende tamanha heresia, passa inexoravelmente, segundo o pensamento dominante dos defensores da estatização total da saúde, a fazer parte dos setores sociais privilegiados. De acordo com os objetivos deste trabalho, cabe-nos apenas relatar esses fatos, como preliminar, para a análise que se segue sobre a crise crônica da saúde e as medidas preconizadas na Constituição Federal de 1988, dentro da neutralidade, que uma análise técnica exige. Página 2 de 33

3 3 - O SUS NO CONTEXTO DE UM PROJETO AMBICIOSO DE SEGURIDADE SOCIAL PARA O BRASIL A Constituição Federal de 1988 veio finalmente incorporar a tese de algumas correntes acadêmicas e políticas ligadas à saúde pública, que desde a década de 30 defendem um sistema único integrando a medicina preventiva e curativa, no plano legal e operacional. Essa questão é considerada por alguns como um tabu científico onde, dificilmente se permite a análise e a discussão de qualquer outra alternativa. Quando na 6ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em agosto de 1987, as autoridades sanitárias federais brasileiras, defenderam um sistema admitindo a dicotomia entre ações preventivas e curativas foram crucificadas como praticantes de heresia científica. O debate sobre esse tema, quase sempre esbarra numa discussão também iniciada na década de 30, sobre se os serviços de saúde devem ser predominantemente privatizados ou predominantemente estatizados. Esta separação dogmática, coloca os serviços da saúde numa disputa sem tréguas de algumas facções. A questão colocada pela corrente estatizante é de que os serviços de saúde devem ser analisados sob o prisma de quem deve controlar esses serviços, que são os consumidores, por conseqüência, a melhor alternativa para que os consumidores exerçam esse controle é através do Estado, que melhor representa os consumidores. A premissa de controle pelos consumidores é atual e aceita pela maioria, porém há uma total incerteza quanto à alternativa de que o Estado é o melhor gestor dos interesses dos consumidores. Há dúvidas consideráveis, quanto à viabilidade de um modelo de seguridade social amplo, tipo welfare state, nos países desenvolvidos que atingiram há algum tempo elevado nível de abrangência, e que hoje estão pagando um altíssimo preço por essa abrangência. Num país como o Brasil é apenas mais uma quimera. Discute-se, amplamente nas sociedades dos países desenvolvidos, a possibilidade de redução dos benefícios. Há também dúvidas sobre a eqüidade do sistema, na medida em que benefícios desvinculados da necessidade social estimulam ações passivas e de acomodação dos membros da sociedade. As bases legais da nossa Seguridade Social estabelecem a universalidade da cobertura e do atendimento, de forma igualitária (art. 194, da CF, de 1988), porém decorridos quase 9 anos da promulgação da Carta Magna, a realidade no atendimento público é outra, marcado pela iniquidade. Segundo informações e dados divulgados em artigo publicado recentemente na imprensa, de autoria do Dr. Jorge Darze, Diretor da Federação Nacional dos Médicos: O quadro é mais grave do que imaginamos. Um aspecto pouco divulgado de profunda repercussão social é o das filas na saúde. Só no Rio de Janeiro mais de 8 mil pessoas aguardam nas diversas filas pelo atendimento cirúrgico. Isso sem falar na espera ambulatorial, Página 3 de 33

4 que tem número muito maior. As filas se sucedem. Dois mil pacientes esperam pelo transplante renal, alguns há mais de oito anos. No ano passado o número de cirurgias desse tipo não passou de 100. Nos últimos cinco anos, em nosso Estado, apenas um transplante de fígado foi realizado no Hospital Universitário do Fundão, enquanto mais de 300 pacientes aguardam na fila. Prossegue o Dr. Darze, em outro trecho do seu artigo: Ainda na área dos transplantes, vale relatar que só no banco de olhos da Cruz Vermelha foram cadastrados, até o final de 1996, 300 mil doadores de córneas. Apesar das três diferentes listas de espera existentes no Rio, com um total aproximado de 2 mil pessoas, o município do Rio realizou apenas 400 transplantes com tempo de espera que pode chegar a três anos. As filas não param por aí. Mais de 600 pacientes aguardam por cirurgias do coração. Detalhe: um cirurgião cardíaco recebe R$ 156,00 para operar uma ponte de safena pelo convênio do SUS. A mesma tabela que desprestigia o profissional, privilegia os fabricantes de material cirúrgico, que recebem pagamento com base no custo real. A situação também é grave no setor de ortopedia, onde mais de 3 mil esperam pela substituição de próteses de quadril, alguns há mais de 10 anos. Isso para não falar das próteses de joelho, coluna, ombro, etc. Paralelamente, centenas de idosos padecem nas filas do setor público de saúde por vários meses com sondas na bexiga, enquanto políticos conseguem livrar-se rapidamente de seus males com cirurgias da próstata. Nem os pacientes com câncer escapam das filas de espera, apesar da gravidade da doença. Na medida em que se vislumbram dificuldades de financiamento dos sistemas de seguridade social amplos, começa a ser discutido também o tabu da unificação das ações da seguridade social ampla, como modelo. O financiamento da assistência médico-hospitalar por si só já é um problema de difícil solução para os governos, na medida em que as demandas imediatas da população constituem fonte de pressão permanente, o que acaba em sacrifício dos recursos destinados a proteção preventiva. A forte predominância das ações curativas é considerada uma distorção grave do Sistema de Saúde Brasileiro. Quanto à proteção preventiva não há dúvida sobre a necessidade da atuação do Estado, já que há uma gama bastante ampla de serviços de saúde, controle e vigilância que são coletivos pela sua natureza: serviços preventivos, as campanhas de vacinação, as campanhas contra endemias, contra epidemias, saneamento básico, vigilância sanitária, pesquisas, alimentação, nutrição, etc., serviços esses que não são passíveis de serem individualizados, ou seja os benefícios dessas atividades necessariamente atingem a todos os membros das comunidades. Embora tenham um custo para a Sociedade, essas ações são de caráter coletivo, financiadas via imposto e operados diretamente pelo Estado, até que se encontre uma alternativa melhor. Com relação as ações curativas, ou seja a prestação de serviços de assistência médico-hospitalar não há um modelo estatal de referência para que se possa adaptar à realidade brasileira. O Canadá com custeio elevadíssimo. A Inglaterra e os Países Socialistas e outros casos estão sendo reavalidados, de modo que Página 4 de 33

5 predomina na maioria dos países principalmente no Brasil, o modelo misto em que ações do Estado são complementados pelos planos privados de saúde. A Constituição de 1988 estabelece, em seu Artigo 188, que as instituições privadas podem participar de forma complementar ao SUS. O conceito de Seguridade Social foi incorporado à Constituição Federal de 1988 (Artigo 194), resultou da predominância das teses dos chamados conceitos progressistas, através de aliança política constituída a partir de 1986, com os da 8ª Conferência Nacional de Saúde. A idéia de um Sistema Único de Saúde vinha sendo defendida há bastante tempo. No Simpósio sobre Política Nacional de Saúde, realizado na Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados, no período de 09 a 11 de outubro de 1979, o Deputado Dário Tavares fez uma defesa veemente da criação de um sistema integrado, a exemplo do modelo atual, nos seguintes termos: Criação do Sistema Único de Saúde, unificando os Ministérios de Saúde e Previdência, com a tarefa de planificar e implantar em conjunto com os Governos Estaduais e Municipais, a nova Política Nacional de Saúde, com o efetivo apoio e participação da população, na sua execução, o que significa reconhecer o papel primordial do Município, esfera mais próxima de eclosão dos problemas de saúde. A idéia de um Sistema Único foi sendo consolidada paulatinamente, na medida dos fracassos dos planos governamentais na área de saúde, como exemplo, o plano CONASP, que, apesar de não ter sido implantado de forma ampla, serviu de base para mudanças significativas, como o Sistema Unificado e Descentralizado de Saúde (SUDS), que visava ampliar as coberturas de assistência, com a integralização de Estados e Municípios, mediante delegação de competência. A Constituição de 1988, em seu Artigo 194, instituiu modelo dos mais abrangentes, nos moldes do welfare state, de forma unificada, impondo uma transformação radical ao sistema de saúde brasileiro. Assim é que o conceito de seguridade social - um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinadas à assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social (Artigo 194), prescreve uma formula já amplamente testada nos países desenvolvidos. A lei 8.080, de , regulamentou o SUS, com um notável nível de datalhamento, ampliando ainda mais o horizonte do modelo de saúde. A realidade do Brasil, de dimensões continentais, difere astronomicamente das condições dos países desenvolvidos, de modo que a eficácia de um modelo tão amplo depende de uma enorme gama de ações e condições, difíceis de serem atingidas pelos nossos governantes, com as disponibilidades de financiamento no País para atender as enormes demandas sociais. Para se ter uma idéia das nossas dificuldades, a regulamentação do SUS através da Lei 8.080/90, levou quase dois anos, a contar da promulgação da Constituição de Página 5 de 33

6 Foram gastos mais três anos, a contar da edição da Lei 8.080/90, para que o processo de descentralização fosse normalizado, através da Norma Operacional Básica NOB/SUS 01/93. Algumas questões relativas às ações preconizadas pelo SUS ainda não foram suficientemente estudadas. Ao incorporar saúde, assistência e previdência social, sob o conceito de Seguridade Social, a Constituição de 1988, em seu Artigo 195, criou um orçamento próprio: O Orçamento de Seguridade Social, que financia o SUS. Esta medida não representa necessariamente a garantia de uma alocação e aplicação eficientes de recursos, bem como, por exemplo, a garantia de que as ações de proteção e vigilância, tenham a prioridade e destinação de recursos adequadas as suas necessidades. O fato é que continuará a ocorrer a priorização da medicina curativa, diante das pressões sociais por atendimento médico-hospitalar, dificultando a implementação de uma Política Nacional de Saúde eficaz. Uma distorção relevante do sistema amplamente comprovada, ao longo do tempo, é a vinculação da assistência médico-hospitalar (antigo INAMPS) ao sistema previdenciário e de assistência social, tida como extremamente nociva aos dois sistemas, que ainda não foi tratada adequadamente no novo modelo. Apesar das diversidades das bases de financiamento da Seguridade Social (Artigo 195, da CF. de 1988), não há condições financeiras efetivas, mesmo no longo prazo, para atender integralmente os direitos a benefícios preconizados pela nossa Seguridade Social, seja em relação a saúde, em relação à previdência ou em relação à assistência social. Portanto, acreditamos na possibilidade de que seja restaurado o bom senso e o País possa contar com uma meta mais realista e possível de ser cumprida no médio prazo. Assim sendo, havendo ou não dicotomia, em termos de financiamento e gestão, entre as ações curativas e preventivas, é certo que o novo modelo terá de estabelecer uma seleção justa, privilegiando a população carente, de modo que a assistência médico-hospitalar será paga pelos que tem renda ou salário para tal, num processo competitivo de preços praticados por organizações privadas e as vinculadas ao Estado. Assim sendo, o Estado poderá concentrar esforços para o atendimento dos pobres, especialmente a criança e o idoso, com financiamento via imposto. A Assistência Social também amparada pelo enorme cobertor legal da Constituição de 1988, na prática, representa muito pouco. A Lei 8.742/93 (Lei Orgânica da Assistência Social), estabelecendo a Política de Seguridade Social não contributiva ainda não conta com meios de financiamento suficientes. É notório que o Brasil necessita de reformas profundas, principalmente fiscal, para poder implementar políticas sociais eficientes. Para resultados tão modestos, temos custos públicos elevadíssimos: as empresas recolhem 20% da folha para a Previdência Social, além da contribuição dos empregados. Cerca de 2%, em média, a mais para o acidente de trabalho. COFINS 2% do faturamento das empresas e o PIS mais 0,75% do mesmo. A informalidade, por essa razão, tem um peso significativo na economia. Página 6 de 33

7 Hoje, a nossa Seguridade Social continua sendo maculada pelas injustiças na distribuição dos valores de benefícios. Uma minoria recebe aposentadorias astronômicas para o padrão de renda do brasileiro e a maioria quase 12 milhões de pessoas recebem apenas um salário-mínimo. Estas pessoas, além do esforço hercúleo para sobreviver com um salário mínimo tem de enfrentar a via crucis do atendimento médico-hospitalar da rede pública, por absoluta impossibilidade de pagar um plano privado de saúde, ou buscar qualquer outra alternativa. Além destes, mais de 10 (dez) milhões de brasileiros, sobreviventes excluídos e internados no nosso país de dimensões continentais, que não têm acesso a qualquer tipo de assistência médico-hospitalar, a não ser os raros casos em que alguém caridoso ou político, os leva a uma clínica ou a um hospital público, em estado terminal, para receber a extrema-unção do nosso injusto sistema. Por outro lado, duas questões centrais contribuem significativamente para degradar o atendimento médico-hospitalar público, seja através de convênios ou credenciamento. A primeira delas é o preço irrisório, muito abaixo do custo, pago por consultas, exames, partos e procedimentos cirúrgicos em geral, sendo de se registrar, entretanto, os casos de serviços complementares pagos a preços acima dos valores de mercado. Ocorre que os preços de materiais e componentes são regulados pelo mercado, de modo que, pelos processos legais de compra do setor público aliados a fraudes e corrupção, o preço pago em muitos casos é superior ao de mercado. Já em relação aos preços dos serviços médicos e hospitalares há um controle dos mesmos pelo Estado usuário, de modo que os mesmos são irrisórios, como se pode verificar na tabela a seguir: QUANTO PAGA O SUS (Em % ) Procedimento Sem reajuste Com reajuste de 25% Consulta 2,04 2,55 Diária 3,53 4,42 Consulta no pronto socorro (com observação de 6 horas) 5,97 7,46 Parto 126,12 157,65 Cesariana 202,09 252,61 Cirurgia do apêndice 190,88 238,60 Página 7 de 33

8 Broncopneumonia (com quatro dias de internação) Crise asmática (com dois dias de internação) Diabetes (com quatro dias de internação) Tratamento de queimado (com 10 dias de internação) 127,90 159,80 204,05 255,06 122,66 153,06 740,35 925,44 Fonte: Federação das Santas Casas. A questão do preço irrisório serve para justificar outra fundamental, que é o enorme ralo das fraudes. As fraudes catalogadas são emissão de AIHS fantasmas, cobrança de exames desnecessários, desvio de verbas, cobrança indevida de diárias de UTI e superfaturamento. Em 1995, o Tribunal de Contas investigou as fraudes, chegando a conclusões estarrecedoras. Antes, uma CPI da Câmara dos Deputados também apurou as fraudes em diversos níveis, estimando estas em aproximadamente 30 % dos gastos do setor, cerca de 1,6 milhões de Reais, a valor da época. Para finalizar este capítulo, transcrevemos a seguir alguns tópicos das conclusões de um importante estudo denominado Política da Saúde no Brasil: Diagnóstico e Perspectivas desenvolvido por uma equipe de Técnicos do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas - IPEA: 1 - Quanto à descentralização e gestão do SUS: a)há lacunas e conflitos de interpretação na legislação vigente sobre a organização do SUS, particularmente no que se refere às relações intergovernamentais, ao financiamento do sistema e à limitação de papéis, no caso das competências concorrentes. b)ainda que tenha havido avanços na institucionalização e instrumentalização, a operacionalização do processo de descentralização esbarra, sobretudo, na incipiente autonomia técnico-administrativa de muitas unidades federadas e nas incertezas quanto ao financiamento. c)há resistências, freqüentemente implícitas, de grupos de interesses da esfera federal em transferir ou partilhar seus poderes cristalizados no modelo organizacional anterior ao SUS. 2 - Quanto ao financiamento, gastos e custos: a)tendência de crescimento dos gastos com saúde. Há fatores universais de Página 8 de 33

9 pressão sobre as despesas - envelhecimento da população, inflação médica, incorporação de novas tecnologias e novas epidemias (AIDS) - somando-se, no caso brasileiro, a presença de antigas endemias como a malária, e o ressurgimento de outras como a cólera e a dengue. b)ausência de controle de custos, a despeito das disponibilidades de metodologias, acarretando: b.1)remuneração de serviços freqüentemente abaixo dos custos reais ou, em alguns casos, acima dos valores de mercado; b.2)aumentos diferenciados de determinados procedimentos da tabela, em virtude de incorporação tecnológica, não regulada de forma adequada pelo poder público, e por pressão de lobbies; c)inexistência de sistema de informações que permita acompanhar e avaliar a participação de recursos da União, dos Estados e Municípios no financiamento do SUS, a estrutura dos gastos e a efetividade das ações e serviços." Página 9 de 33

10 4 - A CRISE CRÔNICA NOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO- HOSPITALAR E A ORIGEM DO SEGURO-SAÚDE DOS PLANOS DE SAÚDE PRIVADOS A grande expansão dos planos privados de saúde ocorreu porque o cidadão com emprego ou outra fonte de renda buscou alternativas para um atendimento melhor, na medida em que aumentava a crise da saúde pública. Essa crise, principalmente no atendimento médico-hospitalar, com origem na década de 60 atingiu o auge na atual década, acumulando uma dívida social incalculável para com a população, especialmente a criança e o idoso pobres. A sociedade tem assistido impassível ao prolongado processo de deterioração do atendimento médico-hospitalar, mostrando alguma indignação em casos notórios como a morte dos velhinhos da Santa Genoveva, hemodiálise de Caruaru e o assassinato em massa de bebês em berçários de maternidades. Em decorrência dessa crise prolongada, ocorreu nos últimos 30 anos, uma procura gigantesca pelos planos privados de saúde, num processo de fuga maciça ao atendimento público, onde muitos brasileiros tiveram de sacrificar drasticamente o orçamento doméstico, na tentativa de evitar que a família enfrente a via crucis do atendimento público. O processo de ocupação do espaço deixado pelo Estado, resultou verdadeira miscelânea de planos. Temos as Clínicas de Bairro e Hospitais que prestam serviços mediante mensalidades pré-pagas, Medicina de Grupo, Cooperativas Médicas, Planos Administrados, Autogestão, Seguro-Saúde operado por Seguradoras, Planos específicos de servidores e funcionários de empresas ligadas a Estados e Municípios, Caixas de Assistência, Forças Armadas, Forças Policiais e outros. A assistência médico-hospitalar prestada diretamente pela rede pública já foi referência, no auge dos Institutos Previdenciários, época em que o Hospital do IPASE era um dos mais conceituados na cidade do Rio de Janeiro, além do Hospital dos Bancários e outros. As dificuldades do Estado em cumprir o seu papel de prover assistência médica aos trabalhadores, aumentaram com a unificação dos chamados IAPs nos anos 60 e 70, resultando numa verdadeira degradação do padrão de atendimento. Curiosamente, na medida em que os serviços de saúde, à época na órbita da Previdência Social, se deterioravam, o setor público ampliava ainda mais o universo de pessoas abrangidas. Assim foi feito em relação aos autônomos e aos trabalhadores rurais, que foram incluídos no sistema, independente de contribuição. Marcaram nessa época o Programa de Pronta Ação e o FUNRURAL. É oportuno destacar que, no final da década de 60, teve início nas grandes empresas uma ação em busca de recuperação mais rápida das condições de saúde de seus empregados, visando a produtividade, ação esta materializada, no plano legal, pelo Decreto , de , que possibilitava a celebração de convênio entre as empresas e o INAMPS, pelo qual este retornava à patrocinadora do plano convenente um percentual dos recursos pagos por esta à Previdência Social. Já no Página 10 de 33

11 início da década de 80, o INANPS, Órgão hoje extinto, passou a não celebrar novos contratos e também não renovar os antigos, rompendo assim uma parceria que tinha dado bons frutos na década anterior. De fato, foi graças aos efeitos decorrentes do alívio no atendimento da rede pública, ao longo dos anos 70, que o sistema público sobreviveu a uma crise controlada, ou seja, sem sofrer efeitos mais graves no atendimento à população. A crise de intensidade total veio, no entanto, na década de 80, quando a política de saúde centrada no INAMPS caminhou, demagogicamente, a passos largos, em direção à universalização de coberturas. Dentre as causas para a crise crônica, especialmente no que se refere a queda da qualidade dos serviços, três destacam-se: 1) universalização dos serviços; 2) o aviltamento progressivo dos preços pagos pelo então INAMPS ao setor privado contratado/credenciado; e 3) a extinção dos convênios INAMPS Empresas. O aviltamento do preço pago pelos serviços contratados/credenciados continua atualmente com o SUS (Sistema Único de Saúde), com defasagem ainda maior em relação aos custos dos serviços. A Associação Médica Brasileira (AMB) passou a intervir no processo de operação dos planos de saúde e seguro-saúde a partir de 1984, quando passou a editar uma tabela de honorários médicos para todo o território nacional, atuando como uma verdadeira corporação com objetivo de determinar os honorários e os ordenados dos profissionais de medicina, em consonância com a política dos Sindicatos Médicos, Conselhos Regionais e o Federal de Medicina. Atuando numa ação de busca de melhor remuneração para os seus associados, a Federação Brasileira de Hospitais (FBH) tem também procurado, de forma eficiente, influir nos preços da assistência. Os preços praticados pelo SUS nos convênios e credenciamentos não servem como referência, pois são irrisórios. No início da década de 70, começam a tomar vulto as cooperativas médicas, os planos administrados e autogestão, estes como opção viável para que as empresas administrassem seus próprios serviços ou planos de saúde, segmentos que se firmaram e permanecem até hoje. Nessa época, começam também a tomar vulto as entidades de classe das empresas, como o SINANGE (Sindicato Nacional das Empresas de Medicina de Grupo e a ABRANGE ( Associação Brasileira de Empresas de Medicina Grupo). Essas empresas tem sido pressionadas ao longo dos anos, no sentido de oferecerem coberturas mais amplas. A acentuada participação das empresas como patrocinadoras desses planos tendem a ampliar as coberturas. A tendência de maior participação das empresas como patrocinadoras dos planos de saúde se confirma, de modo que, hoje, cerca de 85% de todos os planos tem patrocínio integral ou parcial das mesmas. É interessante notar que, sem a necessidade de uma Lei impositiva, a cobertura dos serviços vem se tornando progressivamente mais abrangente, cobrindo atendimentos ambulatoriais, hospitalares, odontológicos e outros. Em meados da década de 70 ocorreu a regulamentação do Seguro-Saúde operado Página 11 de 33

12 por seguradoras, no meio a um grande fogo cruzado de críticas, protestos e ameaças. Finalmente, a tese da universalização do modelo público de proteção à saúde foi incorporada à Constituição Federal de A década de 80 foi considerada perdida para o Brasil, em termos econômicos e a década da utopia, em termos de seguridade social e políticas de proteção à saúde. O preço do irrealismo é muito alto para as gerações futuras, que serão cada vez mais penalizadas socialmente, pela frustração e pela redução de benefícios. Esse irrealismo inconseqüente rompeu de forma irreversível o pacto de gerações que deveria sustentar o financiamento da seguridade social nos níveis dos regimes de repartição. Tão verdadeira quanto a Lei da Gravidade está para o nosso sistema solar, é a Lei que estabelece, para cada benefício, inexoravelmente um custo. Essa lei tem sido ignorada solenemente pelos patronos das nossas causas sociais. A diversidade de fontes de recursos instituída na Constituição de 1988 não elimina o custo de cada benefício oferecido à população. Toda sociedade tem um limite natural determinado pela sua capacidade econômica para bancar os benefícios sociais. Nota-se uma tendência mundial de dificuldades cada vez mais acentuadas para financiar esses benefícios, principalmente se o País já tem uma elevada carga tributária. No Brasil esse quadro é ainda mais agravado, o que exige obrigatoriamente uma definição justa de prioridades, uma vez que temos uma imensa dívida social, em vários níveis: educação, miséria, saúde, previdência e desemprego, este último será sem dúvida um dos principais problemas a afligir todos os países no século XXI. A distância astronômica entre a Lei Magna e a realidade do País choca-nos, pois de acordo com a Constituição de 1988 os serviços de saúde do Estado devem ter cobertura universal. Daí a grande questão: Que justiça distributiva é esta que, apenas na letra da lei, reparte de forma solidária com toda a sociedade, os custos dos benefícios concedidos a todos indistintamente, num modelo de cobertura universal, que ampara de forma igualitária a todos? Na prática, o sistema privilegia pessoas com salário ou padrão de renda confortável, em detrimento do direito de uma maioria de brasileiros excluídos do atendimento médico-hospitalar, seja público ou privado. Trata-se de um verdadeiro estelionato social. Se houvesse recursos suficientes para atender a todos, bem que o Estado poderia dar cobertura integral à saúde dos pobres. O fato curioso é que a força da Constituição tem possibilitado à Justiça obrigar o SUS a pagar tratamentos caros no Exterior para pessoas com posses e rendas para arcar com tais as despesas. Em ensaio recentemente publicado, Cláudio de Moura Castro afirma que pela regra constitucional todos tem direito a tudo, capturam a parte do leão os mais sabidos, os mais poderosos e os mais próximos dos centros de decisão, bem como os grandes hospitais oferecendo tratamentos sofisticados. Tratamentos que a Europa não tem recursos para oferecer, o nosso sistema não pode negar pela Constituição. As cortes de Justiça dão ganho de causa a quem pedir reais para fazer um tratamento quase inútil nos Estados Unidos. Sobra pouco para os outros. Por outro lado, o envelhecimento da população, ao mesmo tempo em que representa uma conquista para o País, gera uma demanda maior por serviços de Página 12 de 33

13 saúde e benefícios da previdência social, sendo natural que o custo do atendimento a essa faixa de idade seja de valor elevado. Por falta de recursos e de uma Política Nacional de Saúde perene, o País não tem conseguido sair da crise, nem tampouco dar a ênfase necessária a Medicina Preventiva, nem priorizar o atendimento do idoso e da criança pobres. Tudo isso pode deixar de ser feito, como vimos, com o amparo da Lei. Ao contrário, o atendimento da rede pública, principalmente à criança e ao idoso, fica cada vez mais precário. No caso do idoso, o problema tende a se agravar, uma vez que vem ocorrendo um envelhecimento progressivo da população, criando uma demanda crescente na faixa da terceira idade. Conforme estudo do Banco Mundial, o número de pessoas com mais de 60 anos deverá passar de meio bilhão em 1990 para 1,4 bilhão no ano Em termos percentuais, tem-se que a população mundial com 65 ou mais anos, que em 1960 era de 5,4%, passou a 5,9% em 1980 e estima-se em 6,6% no ano No Brasil, conforme dados da Fundação IBGE, o índice de envelhecimento da população (relação entre a população de 65 ou mais anos e a população abaixo de 15 anos) passou de 10,4% em 1980 para 13,91% em A proporção de pessoas com 65 anos e mais, passou de 4,01% em 1980 para 4,83% em No Brasil, as últimas pesquisas revelaram surpresas, pela elevação na vida média. Vale destacar a região norte do País, onde temos esperança de vida ao nascer de 75,8 anos em Roraima e 69,5 no Amazonas. As demais Unidades da Federação também apresentaram melhoria significativa na vida média ao nascer: Rio Grande do Sul 74,6, Santa Catarina 70,8, Distrito Federal 70,1 e Mato Grosso 69,6, conforme dados constam do Relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Caso especial é o do Estado do Rio de Janeiro, com média de vida de 68,8 anos, com uma população pobre de 3,8 milhões (31% dos habitantes, com mesmo percentual de Sergipe). O fato de o Rio de Janeiro não acompanhar o mesmo padrão do índice de desenvolvimento humano medido pelo programa das Nações Unidas dos demais Estados brasileiros é atribuído, em boa parte, a problemas na Política de Saúde, principalmente o atendimento precário à população de terceira idade. O Rio também tem a maior concentração de população urbana no País 95,3%. O crescimento da expectativa de vida no Brasil é significativo. A esperança de vida ao nascer passou de 33,7 anos no início do século para 66,5 em 1993, sendo que algumas estimativas indicam que estará em torno de 72 anos no ano A esperança de vida da mulher em 1993 era de 68,9 anos, enquanto que a do homem era de 64,1. Essa diferença é um fenômeno mundial. No Japão, por exemplo, de acordo com a última apuração, a vida média ao nascer era de 82,6 anos para as mulheres e 76,5 para os homens. Os dados apresentados neste trabalho demonstram de forma inequívoca, a necessidade de reformas de base no setor de saúde e na previdência social, com vistas a proteção social do idoso. Página 13 de 33

14 O atendimento à população idosa deveria ser diferenciado. É inconcebível submeter o doente idoso ao ritual da burocracia e às precárias condições do sistema público vigente. Não está visível, num horizonte de curto prazo, uma melhoria neste campo. O Brasil tinha uma renda per capita de R$4.243,67 em 1995, com uma péssima distribuição de renda, salário mínimo de R$112,00. A cobertura do idoso através de planos privados de saúde é inviável para maioria deles, uma vez que na quase totalidade são pessoas aposentadas que não contam com o patrocínio de uma empresa. Além disso, o paciente idoso tem um custo muito elevado, por está mais sujeito as doenças. Acima dos 70 anos, o custo atuarial dos planos de saúde não é acessível a maioria dos idosos. São poucas as pessoas nessa faixa de idade que tem renda suficiente para pagar o seu plano de saúde. O pagamento dos planos de saúde, em muitos casos, é feito pelos descendentes ou outras pessoas da família, o que também representa uma minoria de casos. Página 14 de 33

15 5 - REGULAMENTAÇÃO DO SEGURO-SAÚDE OPERADO POR SEGURADORAS - UM PROCESSO DIFÍCIL E DEMORADO O extinto Departamento Nacional de Seguros Privados e Capitalização iniciou os estudos com vistas à instituição do seguro-saúde privado. Porém, só em novembro de 1966 ocorreu a criação do seguro-saúde privado, no plano legal, através do Decreto-Lei nº 73/66. Este Decreto-Lei, em seus artigos 129 a 133, estabeleceu condições para as operações de seguro-saúde pelas Companhias de Seguros, possibilitando o início das operações do mesmo no âmbito do mercado segurador. O artigo 134 do referido Decreto-Lei proibiu a venda pelas sociedades civis ou comerciais de títulos, contratos, garantias de saúde, segurança de saúde, benefícios de saúde, títulos de saúde ou seguros sob qualquer outra denominação, para atendimento médico, farmacêutico e hospitalar, integral ou parcial. Duas exclusões foram feitas à proibição do artigo 134. A primeira diz respeito às sociedades beneficentes que estavam em funcionamento na data da promulgação do Decreto-Lei 73/66, as quais poderão preferir o regime de seguro-saúde a qualquer tempo ( 3º do art. 134). A segunda exclusão foi consignada no artigo 135 pelo qual as entidades organizadas sem objetivo de lucro, por profissionais médicos e paramédicos ou por estabelecimentos hospitalares, visando a institucionalizar suas atividades para a prática da medicina social e para a melhoria das condições técnicas e econômicas dos serviços assistenciais, isoladamente ou em regime de associação, poderão operar sistemas próprios de pré-pagamento de serviços médicos e/ou hospitalares, sujeitas ao que dispuser a Regulamentação do Decreto-Lei 73/66, às Resoluções do CNSP e à fiscalização dos órgãos competentes. Ocorre que o Decreto do Poder Executivo nº , de , Regulamento do Decreto-Lei nº 73/66, silenciou sobre o seguro-saúde, de forma que a proibição do artigo 134 não pode ser exigida, nem tampouco foi possível ao CNSP baixar as normas complementares abrangendo todos os segmentos de planos de saúde, conforme previsto no artigo 135. No ano seguinte à edição do Decreto /67, foi criada uma Comissão com a finalidade de propor a regulamentação ampla do art. 135, do DL 73/66. A Comissão foi instalada na SUSEP em , contando com a participação de representantes ilustres e conhecedores do assunto. A comissão elaborou projeto de regulamentação do seguro-saúde relativamente sucinto, contendo 25 artigos, tomando por base estudos anteriores elaborados pelo ex-dnspc, que foi submetido ao Ministro da Indústria e Comércio, a quem a matéria seguros estava afeta à época. O Ministro, através da EM/GM 186, de , encaminhou o projeto ao Presidente da República, o qual acabou engavetado nos Gabinetes da Presidência e a primeira iniciativa de regulamentação não foi concluída. Na ocasião, a Associação Médica Brasileira, fez um apelo veemente ao Ministro da Página 15 de 33

16 Indústria e do Comércio, Gal. Edmundo de Macedo Soares no sentido de serem revogados os artigos 129 a 135 do Decreto-Lei nº 73/66, que tratam de Seguro- Saúde. Outras entidades de classe manifestaram, na ocasião através de memoriais e telegramas ponto de vista contrário a regulamentação do seguro-saúde, entre elas a Associação Paulista de Medicina, Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Associação Médica Rio Grandense (RS), Associação Médica de Minas Gerais, Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação, Associação Médica do Paraná, Conselhos Regionais e Federal e outras. Decorridos mais de sete anos, na 85ª seção ordinária do CNSP, realizada em , o Conselheiro Alpheu Amaral trouxe a debate o seguro-saúde, tecendo comentários sobre a complexidade do problema focalizando, em especial, o modo de enquadrar a modalidade de pré-pagamento, uma vez que, no seu entender se tratava de uma prestação de serviços e não de seguros. O Conselheiro Paulo Gavião Gonzaga apresentou, na 86ª Reunião do CNSP, proposta de Resolução, acompanhada de relatório justificando o seu trabalho, do qual destacamos o seguinte: I - Dividiu em duas etapas a regulamentação do seguro-saúde previsto no Decreto- Lei n º 73/66. A primeira etapa, dispondo sobre a modalidade Seguro de Reembolso de Despesas Médicas e/ou Hospitalares, a ser operada pelas sociedades seguradoras. A segunda, dispondo sobre a modalidade pré-pagamento a ser operada por cooperativas, empresas de medicina de grupo ou entidades organizadas para esse fim. II- Nomear dois grupos de trabalho. O primeiro, sob a presidência do Superintendente da SUSEP, e com a participação do IRB, com a incumbência de submeter à aprovação do CNSP, dentro do prazo de 30 (trinta) dias, a regulamentação do Seguro de Reembolso de Despesas de Assistência Médica e/ou Hospitalares. O segundo, sob a presidência de representante do Ministério da Previdência e Assistência Social, e com a participação de representantes do Ministério da Saúde, com a incumbência de submeter ao CNSP, dentro do prazo de 180 (cento e oitenta) dias, a regulamentação dos demais contratos de prépagamento. Na 86ª reunião ordinária do CNSP, de , a proposta de Resolução apresentada pelo Sr. Paulo Galvão foi apreciada pelos conselheiros e votada naquela mesma data, daí resultando na Resolução CNSP nº 11, de Novamente as entidades médicas se manifestaram de forma veemente com críticas a iniciativa, em especial a Federação Nacional dos Médicos, através do ofício dirigido ao Sr. Luiz Gonzaga do Nascimento e Silva, Ministro da Previdência e Assistência Social. Logo em seguida, foi então criado o Grupo de Trabalho encarregado de elaborar o projeto de regulamentação da Medicina de Grupo e demais planos de saúde. O Grupo concluiu os trabalhos em , sendo que o projeto elaborado teve o mesmo destino do anterior, a gaveta. Página 16 de 33

17 Por essas razões, coube ao CNSP, apenas, baixar, através da Resolução CNSP nº 11/76, as normas sobre as atividades de seguro-saúde operado por Companhias de Seguros, rebatizando esse seguro com o nome de Seguro de Reembolso de Despesas de Assistência Médica e/ou Hospitalar, pois havia, na época, uma enorme discussão, suscitada principalmente pelos órgãos da classe médica, sobre a implantação do seguro-saúde, com diferentes conceitos e significados. Houve, portanto, apenas uma regulamentação parcial do Decreto-Lei nº 73/66. A instituição do seguro-saúde pelo DL 73/66 estabelece o direito a escolha livre de serviços médicos e hospitalares. Na verdade, o seguro saúde visa a garantir o amparo financeiro das pessoas que possam ter despesas com a sua saúde ou de seus dependentes, evitando despesas inesperadas e insuportáveis. O seguro saúde facultativo constitui ferramenta auxiliar do sistema estatal de proteção à saúde, complementando-o. A regulamentação teve por finalidade estabelecer condições técnicas e operacionais adequadas a dinamização do seguro-saúde, dentro dos princípios técnicos já consagrados pelo DL 73/66. Com relação às Seguradoras, é indiscutível a competência do Conselho Nacional de Seguros Privados baixar as normas complementares que se fizerem necessárias, tendo em vista o disposto nos arts. 32 (incisos I a V), 130 e 131, do DL 73/66. É de se considerar, que o seguro-saúde operado por sociedades seguradoras vem ao encontro do interesse da Sociedade, na medida em que empresas sólidas, fiscalizadas pelo Governo tem por objetivo elevar esse seguro a um padrão máximo de confiança e seriedade. O progresso da medicina trouxe benefícios incalculáveis para a humanidade. As descobertas científicas e inovações técnicas dotam a medicina de inúmeros recursos de diagnóstico e terapêutica, os quais, infelizmente, não estão ainda ao alcance da maioria da população brasileira. Observa-se, cada vez mais, uma barreira financeira ao acesso dessas pessoas à medicina, face, principalmente aos preços elevados dos produtos farmacêuticos e tratamentos especializados. Nesse contexto, o seguro-saúde e os planos de saúde poderão desempenhar um importante papel como fator de equilíbrio de preços e alternativas de financiamento de assistência. A Constituição de 1988 não tratou especificamente do seguro-saúde, embora conste no capítulo da Seguridade Social, seção I, amplo ordenamento jurídico em matéria de saúde. De acordo com o seu art. 197, as ações e serviços de saúde são de relevância pública, executados diretamente pelo eetado ou através de terceiros, pessoas físicas ou jurídicas de direito privado, cabendo ao Poder Público dispor sobre sua regulamentação e exercer a fiscalização e controle dos mesmos. As operações de seguro-saúde operado por seguradoras, como as demais operações de seguro, passam periodicamente por um aperfeiçoamento legislativo através das normas emanadas dos Órgãos Fiscalizadores do Ministério da Fazenda, além de se submeter as regras do mercado, onde a concorrência tende a reduzir e a equilibrar preços. O Art. 192 da Constituição de 1988 trata especificamente das operações de seguro, Página 17 de 33

18 devendo ser a base legal maior para uma reforma da legislação de seguros, a um nível mais geral. Na atual discussão da regulamentação é comum a generalização, englobando-se num só contexto todos os segmentos. Entendemos, que a regulamentação deve levar em conta as particularidades desses segmentos. O tratamento jurídico a ser dado aos planos administrados, não pode ser o mesmo dado à medicina de grupo, embora a operação desses segmentos sob o prisma atuarial seja semelhante. As cooperativas de serviços médicos, por exemplo, operam modalidade de assistência à saúde, pré-paga, não enquadradas no Decreto-Lei 73/66. Este Decreto, em seu art. 24, estabelece que poderão operar seguros privados, apenas Sociedades Anônimas ou Cooperativas devidamente autorizadas. O parágrafo único deste artigo prescreve: As sociedades cooperativas operarão unicamente em seguros agrícolas, de saúde e de acidentes de trabalho. Em 16 de dezembro de 1971, a Lei definiu a Política Nacional de Cooperativismo e instituiu o regime jurídico das sociedades cooperativas, sem referência expressa às cooperativas médicas. Estas não foram incluídas no art. 92, da referida Lei 5.764/71, que trata da fiscalização e controle das cooperativas, nem no art. 103, que rege a subordinação das cooperativas a órgãos governamentais. A fiscalização das cooperativas, de uma maneira geral, esta afeta ao Banco Central e ao INCRA. A regulamentação dos planos de saúde ora em discussão no Executivo e no Congresso Nacional, abrange também as cooperativas de serviços médicos. O sistema UNIMED, criado a partir da reunião de 17 médicos da Cidade de Santos, no Estado de São Paulo, tem uma estrutura sofisticada, em que além da UNIMED Singular Básica, das Federações por Estado ou grupos de Estado e da Confederação, reunindo todas cooperativas, há o Sistema Nacional UNIMED S/C, que é uma espécie de holding. Foi criada também a UNIMED Seguradora, que tem uma atuação significativa no mercado segurador. Página 18 de 33

19 6 - CUSTEIO DO SEGURO-SAÚDE E DOS PLANOS DE SAÚDE A assistência médico-hospitalar privada é custeada de duas formas. Com o pagamento dos seus custos diretamente aos médicos e hospitais prestadores do serviço, pelos pacientes com os seus próprios recursos, ou mediante cobertura desses custos através das modalidades privadas de financiamento da assistência médica e hospitalar existentes no País, que são o seguro-saúde e os demais planos de saúde. Essas modalidades de financiamento são conhecidas do público através de uma multiplicidade de denominações, sendo comum confundir-se a prestação da assistência à saúde com o financiamento da mesma. Portanto, para facilitar a compreensão do assunto apresentaremos a seguir, de forma esquemática, as características fundamentais dessas modalidades de financiamento. Na realidade, todo plano de saúde, garantindo a cobertura de riscos caracterizados como dano involuntário à saúde, qualquer que seja a sua denominação, pode ser considerado modalidade de financiamento de assistência médico-hospitalar. Do ponto de vista técnico, esses planos integram, como vimos, apenas duas modalidades básicas de financiamento. O seguro-saúde e o sistema de prépagamento, sendo que em relação a este último ocorrem algumas formas diferentes de financiamento. Ambas as modalidades, dependem de cálculo atuarial para que possam ter o custeio avaliado corretamente. A técnica atuarial dos planos de saúde pressupõe um sistema de repartição em que o volume provável de gastos médicos e hospitalares com as pessoas assistidas pelo plano em determinado período é repartido e pré-pago pelo grupo ou grupos que integram o plano. O ingresso em planos de saúde sob o regime de pré-pagamento ocorre de forma individual ou grupal. No acesso individual, o ônus do custeio, obviamente, é suportado integralmente pelo participante. No grupal, sendo o plano instituído por uma pessoa jurídica que congrega o grupo de participantes, o respectivo custeio é pago totalmente por essa pessoa jurídica ou dividido entre ela e os participantes. O custeio dos planos de saúde e do seguro-saúde é determinado por idade nos planos individuais e eventualmente por idade média atuarial nos planos coletivos. Os planos de saúde são operados por inúmeras organizações de matizes distintas, dentre as quais destacam-se as cooperativas médicas e as empresas de saúde que integram a medicina de grupo. Poucas entidades que operam nesse sistema acumulam as funções de financiamento da assistência médico-hospitalar com a prestação direta desta. A medicina de grupo tem suas raízes históricas em iniciativa do Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Industriários (IAPI) que, em 1964, pela primeira vez, firmou convênio com a Volkswagem, transferindo a ela os encargos da prestação de assistência médico-hospitalar aos seus empregados, tendo a Volkswagem contratado, na ocasião, uma empresa médica para garantir essa assistência. Página 19 de 33

20 Os planos administrados e a autogestão, da mesma forma que os demais planos de saúde devem ter o financiamento do seu custeio determinado pelo sistema de repartição, mediante cálculo atuarial. Página 20 de 33

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

SAÚDE DA PESSOA IDOSA. Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso

SAÚDE DA PESSOA IDOSA. Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso SAÚDE DA PESSOA IDOSA Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso Ninguém duvida que O SUS é uma das grandes conquistas da Constituição

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL I RISCO SOCIAL 04/08/2014. Aula 1. RISCO SOCIAL Incapacidade ou impossibilidade de trabalhar. Saúde. Assistência Social

PREVIDÊNCIA SOCIAL I RISCO SOCIAL 04/08/2014. Aula 1. RISCO SOCIAL Incapacidade ou impossibilidade de trabalhar. Saúde. Assistência Social PREVIDÊNCIA SOCIAL Aula 1 - RISCO SOCIAL - CONCEITOS DE SAÚDE, ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA SOCIAL - PRINCÍPIOS DA SEGURIDADE SOCIAL I RISCO SOCIAL Trata-se de acontecimentos, pela natureza das coisas

Leia mais

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO Uma questão do servidor PREVI-RIO EM TESE (I) O Previ-Rio é o Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro,

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br DIREITO MÉDICO PLANOS DE SAUDE-SEGURO-SAÚDE- AUTOGESTÃO DIFERENÇAS-LEGISLAÇÃO-DIREITOS- LUCROS- AVILTAMENTO DA CLASSE MÉDICA BRASILEIRA. Nelson de Medeiros Teixeira* A Lei que dispõe

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

O DIREITO À SAÚDE. Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli

O DIREITO À SAÚDE. Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli O DIREITO À SAÚDE Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli Previsão : Arts. 196 à 200 da CF. Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS

REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA E REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COMPARATIVO DE CUSTOS Atualmente, no Brasil, aproximadamente 3000 municípios possuem Regimes Próprios de Previdência. Ao final do ano

Leia mais

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO

O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO O NOVO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO PARA O SERVIDOR PÚBLICO MEIRELES 1, Jéssica Maria da Silva KATAOKA 2, Sheila Sayuri Centro de Ciências Sociais Aplicadas /Departamento de Finanças, Contabilidade e Atuária

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde:

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Pergunta: O Plano de Saúde dos Correios mudou? A PostalSaúde é um novo Plano? Resposta: Não. O Plano

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

, 13 de agosto de 2015.

, 13 de agosto de 2015. Painel: Desafios do lado da despesa e possíveis alternativas O financiamento da política pública de saúde Sérgio Francisco Piola 9º Congresso de Gestão Pública do Rio Grande do Norte Natal, 13 de agosto

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais

Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais Seguridade Social Existe no Brasil um sistema de proteção social destinado a proteger todos os cidadãos em todas as situações de necessidade,

Leia mais

Histórico da Seguridade Social

Histórico da Seguridade Social Histórico da Seguridade Social Capítulo I Histórico da Seguridade Social 1. Técnico do Seguro Social INSS 2012 FCC Grau de Dificuldade: Médio O INSS, autarquia federal, resultou da fusão das seguintes

Leia mais

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 Direito Previdenciário 67. (Auditor de Controle Externo/TCE-CE/FCC/2015): O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar

Leia mais

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio.

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECER CRM/MS N 12/2014 PROCESSO CONSULTA CRMMS 0011/2014 Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECERISTA:

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES E O CÁLCULO DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS FACE A EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 41, DE 2003 1.

Leia mais

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei.

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei. LEI Nº 599/2011 DISPÕE SOBRE AS CONSIGNAÇÕES EM FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEONARDO FARIAS ZAMPA, Prefeito Municipal de Novo São Joaquim MT faz saber

Leia mais

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras?

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Algumas pessoas têm me procurado sobre dúvidas quanto aos repasses feitos pelas prefeituras às câmaras. Em regra, queixam-se que os valores transferidos

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Ronaldo Nogueira) Dispõe o credenciamento de profissionais e de empresas da área de saúde, para o atendimento de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) em nível ambulatorial.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA * Juliana de Oliveira Xavier Ribeiro 1) Introdução A finalidade do presente texto é demonstrar a natureza jurídica do

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

A QUESTÃO DA SAÚDE NO DISTRITO FEDERAL. (Documento elaborado pelo CEBES do Distrito Federal) Dossiê Corrupção na Saúde (Núcleo DF)

A QUESTÃO DA SAÚDE NO DISTRITO FEDERAL. (Documento elaborado pelo CEBES do Distrito Federal) Dossiê Corrupção na Saúde (Núcleo DF) A QUESTÃO DA SAÚDE NO DISTRITO FEDERAL (Documento elaborado pelo CEBES do Distrito Federal) Dossiê Corrupção na Saúde (Núcleo DF) O texto traça um breve histórico sobre a reforma sanitária no Brasil e

Leia mais

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

O PAPEL DOS PROFISSIONAIS MÉDICOS NA JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA. Florentino Cardoso

O PAPEL DOS PROFISSIONAIS MÉDICOS NA JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA. Florentino Cardoso O PAPEL DOS PROFISSIONAIS MÉDICOS NA JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA Florentino Cardoso SUS Operadoras de Saúde SUS CF 1988 SUS 1990 Universalidade, Equidade, Integralidade Financiamento Gestão

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE O QUE É A EMENDA 29? Foi promulgada no ano de 2000 e considerada uma grande conquista social vez que vinculou recursos públicos para o financiamento da Saúde dos

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Sistema de Saúde Suplementar

Sistema de Saúde Suplementar 300 Sistema de Saúde Suplementar Marcia Cunha S. A. de Carvalho 1 INTRODUÇÃO Desde as últimas décadas do século XX, assistimos à demissão do Estado de seu dever de prestar assistência à saúde da população,

Leia mais