DEPRESSÃO E O USO DO ÁLCOOL EM ADOLESCENTES Patrícia Santos Teixeira (Unesp Araraquara) Maria Cristina Bergonzoni Stefanini (Unesp Araraquara)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPRESSÃO E O USO DO ÁLCOOL EM ADOLESCENTES Patrícia Santos Teixeira (Unesp Araraquara) Maria Cristina Bergonzoni Stefanini (Unesp Araraquara)"

Transcrição

1 1 DEPRESSÃO E O USO DO ÁLCOOL EM ADOLESCENTES Patrícia Santos Teixeira (Unesp Araraquara) Maria Cristina Bergonzoni Stefanini (Unesp Araraquara) Raul Aragão Martins (Unesp Marília). RESUMO:As drogas legais, como álcool e tabaco, são as mais usadas entre os adolescentes e este consumo pode ter conseqüências tanto legais, sociais e também relacionadas á saúde. Levantamentos sobre o uso de álcool mostram que o consumo de drogas começa, geralmente, no início da adolescência, já havendo número razoável de dependentes nesta faixa etária. A presente pesquisa faz parte de um projeto que visa identificar os adolescentes que bebem pesadamente e checar se esses adolescentes apresentam um comportamento depressivo. Participaram da pesquisa 132 alunos do primeiro ano do Ensino Médio de duas escolas, uma publica e outra particular de uma cidade com cerca de habitantes do interior do estado de São Paulo. O instrumento constou do AUDIT Alcohol Use Disorder Identification Test, duas questões sobre o consumo de álcool entre familiares e o Inventário de Beck para Depressão. Resultados mostram que os alunos estão nas primeiras séries do período matutino do ensino médio, sendo que 89 estudavam em escola pública e 43 em particular. A amostra teve participação semelhante de homens (43,9%) e mulheres (56,1%), o que nos possibilitou investigar com maior precisão o consumo de álcool entre os sexos, 95,5% são adolescentes (14 a 16 anos de idade). Em relação aos turnos de aulas 84,8% e 15,2% nos períodos matutino e noturno respectivamente. Quanto ao consumo de bebidas alcoólicas, 15,9% dos estudantes atingiu níveis elevados de consumo, esta conduta é freqüente entre estudantes do mesmo sexo, 28,6% do sexo feminino e 27,3% do sexo masculino. Em relação as escolas encontramos 17,4% na pública e 14,3% de consumidores de níveis elevados na particular. O indicador membro familiar que bebe apontou que 18,9% dos estudantes possuem algum membro da família que já bebeu a ponto de causar problemas em casa, no trabalho ou com amigos, 6,1% indicou o pai e 12,8% outro membro da família. Quanto aos sintomas depressivos podemos observar que 11,4% dos estudantes apresentam depressão sendo que na escola pública a porcentagem é muito mais alta 18,7% para 2,5% da escola particular. Em relação ao período encontramos 11,1% para alunos da manhã e 25% para estudantes do período noturno. As meninas (14,7%) são pouco mais depressivas que os meninos (10,6%). Portanto, como indicadores de alto consumo de álcool temos: ser estudante de qualquer sexo, de escolas públicas ou privadas, possuir família que bebe e estudar no período noturno.

2 2 DEPRESSÃO E O USO DO ÁLCOOL EM ADOLESCENTES Patrícia Santos Teixeira (Unesp Araraquara); Maria Cristina Bergonzoni Stefanini (Unesp Araraquara); Raul Aragão Martins (Unesp Marília). As drogas legais, como álcool e tabaco, são as mais usadas entre os adolescentes e este consumo pode ter conseqüências tanto legais, sociais e também relacionadas á saúde. Levantamentos sobre o uso de álcool mostram que o consumo de drogas começa, geralmente, no início da adolescência, já havendo número razoável de dependentes nesta faixa etária. A presente pesquisa faz parte de um projeto que visa identificar os adolescentes que bebem pesadamente e checar se esses adolescentes apresentam um comportamento depressivo. Participaram da pesquisa 132 alunos do primeiro ano do Ensino Médio de duas escolas, uma publica e outra particular de uma cidade com cerca de habitantes do interior do estado de São Paulo. O instrumento constou do AUDIT Alcohol Use Disorder Identification Test, duas questões sobre o consumo de álcool entre familiares e o Inventário de Beck para Depressão. Resultados mostram que os alunos estão nas primeiras séries do período matutino do ensino médio, sendo que 89 estudavam em escola pública e 43 em particular. A amostra teve participação semelhante de homens (43,9%) e mulheres (56,1%), o que nos possibilitou investigar com maior precisão o consumo de álcool entre os sexos, 95,5% são adolescentes (14 a 16 anos de idade). Em relação aos turnos de aulas 84,8% e 15,2% nos períodos matutino e noturno respectivamente. Quanto ao consumo de bebidas alcoólicas, 15,9% dos estudantes atingiu níveis elevados de consumo, esta conduta é freqüente entre estudantes do mesmo sexo, 28,6% do sexo feminino e 27,3% do sexo masculino. Em relação as escolas encontramos 17,4% na pública e 14,3% de consumidores de níveis elevados na particular. O indicador membro familiar que bebe apontou que 18,9% dos estudantes possuem algum membro da família que já bebeu a ponto de causar problemas em casa, no trabalho ou com amigos, 6,1% indicou o pai e 12,8% outro membro da família. Quanto aos sintomas depressivos podemos observar que 11,4% dos estudantes apresentam depressão sendo que na escola pública a porcentagem é muito mais alta 18,7% para 2,5% da escola particular. Em relação ao período encontramos 11,1% para alunos da manhã e 25% para estudantes do período noturno. As meninas (14,7%) são pouco mais depressivas que os meninos (10,6%). Portanto, como indicadores de alto consumo de álcool temos: ser estudante de qualquer sexo, de escolas públicas ou privadas, possuir família que bebe e estudar no período noturno.

3 3 DEPRESSÃO E O USO DO ÁLCOOL EM ADOLESCENTES Patrícia Santos Teixeira (Unesp Araraquara); Maria Cristina Bergonzoni Stefanini (Unesp Araraquara); Raul Aragão Martins (Unesp Marília). Introdução O uso excessivo do álcool encontra se hoje como um dos mais graves problemas de saúde pública no Brasil (BRASIL, 2003), apesar disso, podemos observar discursos veementes sobre drogas ilícitas enquanto a posição em relação ao uso de álcool está voltada para á condescendência. A sociedade parece não reconhecer a importância dos problemas realizados em conseqüência do uso de álcool e drogas por adolescentes, pesquisas indicam (MINAYO, 1998) e alertam para o alto padrão de delinqüência estabelecido por jovens de classes socioeconômicas abastardas. Um estudo realizado em Curitiba indicou que 58,9% dos autores de crimes e 53,6% das vítimas de 130 processos de homicídios ocorridos entre 1990 e 1995 na cidade estavam sob efeito de bebida alcoólica no momento da ocorrência (DUARTE & CARLINI-COTRIN, 2000). A delinqüência não está restrita a um único grupo social, e nem apresenta um padrão de comportamento que possa ser atribuído a ela e que está ligado a situação de pobreza ou de riqueza e da personalidade do sujeito. Essas condutas são manifestações da sociedade que fazem parte da cultura. O álcool além de ser a droga mais consumida no país (cerca de 70% da população brasileira experimentou bebidas alcoólicas pelo menos uma vez na vida) é, também, a droga de maior custo social no Brasil. Segundo o DATASUS de 2001, foram efetivadas internações de pacientes para tratamento com problemas relacionados ao uso de álcool no Brasil. O Sistema Único de Saúde SUS, tem um custo anual de 60 milhões de reais com esses pacientes (BRASIL, 2003). (CRUZ no prelo)

4 4 A população com maior vulnerabilidade ao uso de SPA (substancias Psicoativas) é o adolescente que por encontrar-se em uma fase de desenvolvimento ainda não sabe determinar apropriadamente os resultados do uso excessivo de álcool, também por estarem vulneráveis as mensagens publicitárias sobre álcool que acertam em cheio a fragilidade do jovem, onde as mensagens apresentam o álcool como um ponto de reconhecimento social e principalmente um usuário que é sexualmente atraente e jovem. A depressão, apresenta sintomas centrais segundo os critérios da Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (CID 10), são o humor deprimido, a perda de interesse, de prazer e a energia reduzida, tem sido registrada desde a antiguidade. Não existem estudos relacionando a sintomas ou transtornos depressivos e uso de álcool em adolescentes, nenhum estudo foi encontrados pelos autores. Este estudo tem por objetivo avaliara a presença de sintomas depressivos em uma amostra de adolescentes associados com fatores de uso excessivo de álcool. Material e métodos Essa pesquisa faz parte de um projeto que visa identificar os adolescentes que bebem pesadamente e checar se esses adolescentes apresentam um comportamento depressivo. Participaram da pesquisa 132 alunos do primeiro ano do Ensino Médio de duas escolas, uma publica e outra particular de uma cidade com cerca de habitantes do interior do estado de São Paulo. Foi utilizado o AUDIT Alcohol Use Disorder Identification Test, instrumento que mede o consumo de bebidas alcoólicas, questões que avaliam a quantidade de freqüência e questões acerca do consumo de álcool entre membros da família e na seqüência, os sintomas depressivos foram mensurados através do Inventário para depressão Beck (BDI Beck Depression

5 5 Inventory), instrumento de alto-preenchimento composto por 21 itens que avaliam a sintomatologia presente na última semana. Resultados Resultados mostram que os alunos estão nas primeiras séries do período matutino do ensino médio, sendo que 89 estudavam em escola pública e 43 em particular. A amostra teve participação semelhante de homens (43,9%) e mulheres (56,1%), o que nos possibilitou investigar com maior precisão o consumo de álcool entre os sexos, 95,5% são adolescentes (14 a 16 anos de idade). Em relação aos turnos de aulas 84,8% e 15,2% nos períodos matutino e noturno respectivamente. Quanto ao consumo de bebidas alcoólicas, 15,9% dos estudantes atingiu níveis elevados de consumo, esta conduta é freqüente entre estudantes do mesmo sexo, 28,6% do sexo feminino e 27,3% do sexo masculino. Em relação as escolas encontramos 17,4% na pública e 14,3% de consumidores de níveis elevados na particular. O indicador membro familiar que bebe apontou que 18,9% dos estudantes possuem algum membro da família que já bebeu a ponto de causar problemas em casa, no trabalho ou com amigos, 6,1% indicou o pai e 12,8% outro membro da família. Portanto, como indicadores de alto consumo de álcool temos: ser estudante de qualquer sexo, de escolas públicas ou privadas, possuir família que bebe e estudar no período noturno, já que 35% dos bebedores freqüentam a escola a noite, contra 13% dos alunos que freqüentam o período matutino. Quanto aos sintomas depressivos podemos observar que 11,4% dos estudantes apresentam depressão sendo que na escola pública a porcentagem é muito mais alta 18,7% para 2,5% da escola particular. Em relação ao período encontramos 11,1% para alunos da manhã e 25% para estudantes do período noturno. As meninas (14,7%) são pouco mais depressivas que os meninos (10,6%).

6 6 Discussão A prevalência de sintomatologia depressiva pode ser maior observada em indivíduos dos dois sexos, sendo feminino (14,7%) e masculino (10,6%), que estudam em escolas públicas com 18,7% contra 2,5% da escola particular e que existe uma associação estatisticamente significativa entre a presença desses sintomas e com o uso de álcool. No decorrer da vida de cada sujeito se formam expectativas em relação aos efeitos provocados pelo consumo de álcool, mesmo quando ainda não são consumidores. Acreditamos que essas expectativas são positivas á experiências diretas e indiretas com bebidas. As expectativas exercem influência no início, na manutenção e na administração do uso de bebidas alcoólicas e os comportamentos relacionados a ela. A prevalência dos sintomas ainda não foi avaliada. Entretanto acreditamos haver uma ligação entre o desconforto causado pela depressão e a sensação inicial de prazer provocada pelo uso do álcool em demasia. BIBLIOGRAFIA ARAÚJO, L., GOMES, Adolescência e expectativas em relação aos efeitos do álcool. Ver. Psicologia Reflexão Crítica, v. 11 n 1 Porto Alegre BRASIL. Ministério da saúde, Secretaria executiva, Secretaria de atenção a Saúde, Coordenação Nacional DST/AIDS. A política do ministério da saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, BECK, K.H. et al. The social context of drinking scales: construct validation and relationship to indicants of abuse in an adolescent population. In: Addictive Behaviors, vol. 18. USA, p CARLINI, B. C. CARVALHO, C. G. GOUVEIA. N. Comportamento de saúde entre jovens estudantes das redes públicas e privada da área metropolitana do Estado de São Paulo. Revista de Saúde Pública, vol 34, número 6, dezembro de 2000, p São Paulo.

7 7 CUNHA JÁ. Manual da versão em português da Escala Beck, São Paulo: Casa do Psicólogo Livraria e editora, 2001, p CORDÀS, A.T. et al Distimia Do Mau Humor ao Mal do Humor diagnóstico e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas, KERR-CÔRREA, F. et al. I levantamento do uso de álcool e de drogas e das condições gerais de vida dos estudantes da unesp (1998). São Paulo: Fundação Vunesp, p. (Pesquisa Vunesp, 14). MARTINS, R. A. Padrões de uso de substâncias psicoativas, julgamento sociomoral e intervenção breve para redução do uso de álcool entre estudantes do ensino médio. Projeto de Pesquisa aprovado pela FAPESP. Instituto de Biociências e Ciências Exatas da Unesp de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto. (no prelo) MARTINS, R.A. MANZATO, A. J. CRUZ, L. N. O uso de bebidas alcoólicas entre adolescentes. Juventude Contemporânea: Perpectivas Nacionais e Internacionais.Rio de Janeiro: Nau FAPERJ, MENDEZ, E. B. Uma versão brasileira do AUDIT - Alcohol Use Disorders Identification Test Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, MINAYO, M.C.S.; DESLANDES, S.F. A.complexidade das relações entre drogas, álcool e violência. Caderno de Saúde Pública, Rio de janeiro. V.14. n. 1. p FERRARI, A.B. Adolescência o segundo desafio: Considerações Psicanalíticas. São Paulo Casa do Psicólogo, FORTES, J.R. A, CARDO, W. Alcoolismo: Diagnóstico e Tratamento. São Paulo: Sarvier, 1991.

Filosofia e Ciências Unesp de Marília -Bolsa: CNPq.

Filosofia e Ciências Unesp de Marília -Bolsa: CNPq. 1 CONTEXTO DO USO DE ÁLCOOL E JULGAMENTO SÓCIO-MORAL ENTRE ADOLESCENTES Luciana Ap. Nogueira da Cruz 1 RESUMO: O estudo objetivou identificar características do consumo de álcool e do julgamento sócio-moral

Leia mais

Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro

Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro Organização: Coordenação: Comissão organizadora: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Raul Caetano Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro 1 Por que esse estudo é relevante? A maconha é a substância ilícita

Leia mais

PREVALÊNCIA DO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS EM JOVENS SEGUIDOS EM CONSULTA DE PEDOPSIQUIATRIA

PREVALÊNCIA DO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS EM JOVENS SEGUIDOS EM CONSULTA DE PEDOPSIQUIATRIA PREVALÊNCIA DO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS EM JOVENS SEGUIDOS EM CONSULTA DE PEDOPSIQUIATRIA N. Urbano, F. Pedro, A. Moscoso, P. Vilariça, A. Prata, C. Milheiro, C. Silva, A. Matos Clínica da Juventude,

Leia mais

CIGARRO PERCENTUAL DE ESCOLARES FREQUENTANDO O 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL QUE EXPERIMENTARAM CIGARRO ALGUMA VEZ

CIGARRO PERCENTUAL DE ESCOLARES FREQUENTANDO O 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL QUE EXPERIMENTARAM CIGARRO ALGUMA VEZ Ações preventivas devem fazer parte do cotidiano dos alunos, desde muito cedo, de forma intensiva e contínua, com forte estímulo à incorporação de hábitos saudáveis. Veja aqui informações sobre a experimentação

Leia mais

Área: ,5km População

Área: ,5km População Área: 1.606.445,5km 2 1. População Capitais Habitantes* Brasília DF 2.051.146 Campo Grande MS 663.021 Cuiabá MT 483.346 Goiânia GO 1.093.007 Total 4.290.520 *IBGE, censo 2004. 2. Estudantes Estudantes

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

LEVANTAMENTO DE DADOS SOBRE O USO DE CIGARROS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA EM SOBRAL-CE

LEVANTAMENTO DE DADOS SOBRE O USO DE CIGARROS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA EM SOBRAL-CE LEVANTAMENTO DE DADOS SOBRE O USO DE CIGARROS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA EM SOBRAL-CE Gláucia Monte Carvalho¹; Maria do Livramento Oliveira Nascimento; Dougliane Gomes de Souza; Larisse

Leia mais

1º Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira

1º Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira 1º Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira Equipe Brasil: Universidade Federal de São Paulo - Ronaldo Laranjeira - Ilana Pinsky - Marcos Zaleski USA: Universidade

Leia mais

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos Política Nacional sobre drogas Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos A arma mais importante que nós temos- os que temos uma perspectiva democrática para a vida social para tratar do tema das drogas

Leia mais

Avaliação da prevalência de ansiedade e depressão dos pacientes estomizados da microregião de Divinopólis/Santo Antonio do Monte-MG

Avaliação da prevalência de ansiedade e depressão dos pacientes estomizados da microregião de Divinopólis/Santo Antonio do Monte-MG Avaliação da prevalência de ansiedade e depressão dos pacientes estomizados da microregião de Divinopólis/Santo Antonio do Monte-MG Juliano Teixeira Moraes 1,Isabela Teixeira Rezende Guimarães 2, Magda

Leia mais

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência

Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Aspectos psicossociais relacionados ao uso de drogas na adolescência Juliana Joni Parada Psiquiatra clínica e forense pela ABP Especialista em Dependência Química pela UNIFESP Coordenadora do Ambulatório

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

Ilana Pinsky Raul Caetano Sandro Sendin Mitsuhiro

Ilana Pinsky Raul Caetano Sandro Sendin Mitsuhiro Organização: Coordenação: Comissão organizadora: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Marcelo Ribeiro Ilana Pinsky Raul Caetano Sandro Sendin Mitsuhiro 1 Por que esse estudo é relevante? Em publicação

Leia mais

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 Consumo de substâncias psicoativas na população laboral Casimiro Balsa Clara Vital Cláudia Urbano CESNOVA

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 17 de outubro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no município de Belo Horizonte, com o objetivo de consulta à população sobre situação eleitoral

Leia mais

Núcleo de Estudos e Pesquisa em Trânsito e Álcool da UFRGS

Núcleo de Estudos e Pesquisa em Trânsito e Álcool da UFRGS Núcleo de Estudos e Pesquisa em Trânsito e Álcool da UFRGS Estudos Nacionais Consumo de álcool e outras drogas entre motoristas privados e profissionais do Brasil Flavio Pechansky, Raquel De Boni, Paulina

Leia mais

PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: O USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE UNIVERSITÁRIOS

PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: O USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE UNIVERSITÁRIOS 149 PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: O USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE UNIVERSITÁRIOS Resumo Franciéli Brönstrup Sara Eduarda Pires Siham Irsan de Moraes Shubeita Taísa Mariluz Rommel Paula Desconzi

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. PROJETO DE LEI Nº DE DE 2015. Determina a obrigatoriedade de inserção de mensagens educativas sobre o uso de drogas ilícitas nos ingressos de eventos esportivos e shows culturais ou esportivos voltados

Leia mais

Artigos LENAD II. Descritivo e Multivariada. Descritivo e Multivariada. Descritivo e Multivariada. Descritivo e Multivariada

Artigos LENAD II. Descritivo e Multivariada. Descritivo e Multivariada. Descritivo e Multivariada. Descritivo e Multivariada Artigos LENAD II Tema Objetivo Plano de Pesquisadores Responsáveis Orientação Previsão de Submisão Estágio Perfil dos usuários de cocaína Política e propaganda de tabaco Perfil dos usuários de maconha

Leia mais

Aplicação da Children s Depression Inventory numa população clínica de adolescentes: estudo exploratório

Aplicação da Children s Depression Inventory numa população clínica de adolescentes: estudo exploratório Aplicação da Children s Depression Inventory numa população clínica de adolescentes: estudo exploratório Ana Lúcia Moreira, Paula Vilariça, João Marques, Fernanda Pedro, António Matos Clínica da Juventude

Leia mais

Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar

Prevenção de comportamentos aditivos e dependências em meio escolar SESSÃO PARALELA VI Contextos e Tipos de Intervenção II CONGRESSO DO SICAD 6 de abril de 2016 Finalidades do Programa de Apoio à Promoção e Educação para a Saúde (PAPES) CONTEXTUALIZAÇÃO O PAPES visa incentivar

Leia mais

COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS

COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS Resumo COMPORTAMENTO DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM UNIVERSITÁRIAS UMEBARA, L.M.; VIROTE, W. Os transtornos alimentares tiveram aumento na incidência nos últimos anos, principalmente entre a

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DOS ACADEMICOS QUANTO AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOOLICAS DURANTE PROCESSO DE GRADUAÇÃO EM UMA FACULDADE

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DOS ACADEMICOS QUANTO AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOOLICAS DURANTE PROCESSO DE GRADUAÇÃO EM UMA FACULDADE II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DOS ACADEMICOS QUANTO AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOOLICAS DURANTE PROCESSO DE GRADUAÇÃO EM UMA FACULDADE 1 INTRODUÇÃO Jhon Kerrey Honorio Ribeiro 1 Marlene Guimarães

Leia mais

Adultos com Trissomia 21

Adultos com Trissomia 21 Adultos com Trissomia 21 Caraterização e desafios no diagnóstico de demência Mendes, R., Gonçalves, M. J., Silvestre, A., Figueira, M. J., Bispo, R., & Breia, P. Projecto Alterações cognitivas e comportamentais

Leia mais

Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento. Paula de Oliveira e Sousa

Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento. Paula de Oliveira e Sousa Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento Paula de Oliveira e Sousa Dados do Boletim de 2012 No Estado de São Paulo de 1980 a 2012 são 217.367 casos de AIDS Queda de 33,7% de 2000 a 2010 A taxa de incidência

Leia mais

PARECER CREMEC nº 10/ /11/2016

PARECER CREMEC nº 10/ /11/2016 PARECER CREMEC nº 10/2016 28/11/2016 Processo - Consulta Protocolo CREMEC nº 4174/2016 Assunto Escala de Depressão de Beck e Escala de Ansiedade de Beck Relatora: Conselheira Stela Norma Benevides Castelo

Leia mais

Dra Hedi Martha Soeder Muraro

Dra Hedi Martha Soeder Muraro Dra Hedi Martha Soeder Muraro hemuraro@sms.curitiba.pr.gov.br Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando-se pela gestão e regulação dos serviços

Leia mais

Indicadores. da situação da mulher no Brasil

Indicadores. da situação da mulher no Brasil Indicadores da situação da mulher no Brasil A Seção INDICADORES do Observatório da Justiça traz, neste mês, de forma simples e didática, números que ajudam a entender a situação de desigualdade da mulher

Leia mais

SAÚDE MENTAL: AGRAVOS A SAÚDE DA MULHER. Ana Patrícia Pires Nalesso, Daniela da Silva de Azevedo, Darci Zotareli,Larissa Fernandes Telles

SAÚDE MENTAL: AGRAVOS A SAÚDE DA MULHER. Ana Patrícia Pires Nalesso, Daniela da Silva de Azevedo, Darci Zotareli,Larissa Fernandes Telles SAÚDE MENTAL: AGRAVOS A SAÚDE DA MULHER Ana Patrícia Pires Nalesso, Daniela da Silva de Azevedo, Darci Zotareli,Larissa Fernandes Telles Introdução: O processo saúde doença vai assumindo diferentes contornos

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A asma é uma doença inflamatória crônica caracterizada por hiper-responsividade das vias aéreas inferiores e por limitação variável ao fluxo aéreo, reversível espontaneamente ou com

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO

CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO CUSTOS INDIRETOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM HOSPITAIS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MARANHÃO Patrícia Lima Queiroz, Florene Vale dos Anjos, Queldilene Pereira Protázio, Caroline Ferreira Farias,

Leia mais

A relação entre a iniciação do uso de drogas e o primeiro ato infracional entre os adolescentes em conflito com a lei

A relação entre a iniciação do uso de drogas e o primeiro ato infracional entre os adolescentes em conflito com a lei A relação entre a iniciação do uso de drogas e o primeiro ato infracional entre os adolescentes em conflito com a lei Relationship between first-time drug use and first offense among adolescents in conflict

Leia mais

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde População brasileira, 16 anos ou mais Setembro de 2015 Índice Introdução Planos de saúde SUS X Plano de saúde Perfil da amostra Principais

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

PLANO DECENAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM/PARÁ. Fevereiro/2016. Belém Pará

PLANO DECENAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM/PARÁ. Fevereiro/2016. Belém Pará PLANO DECENAL DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM/PARÁ Fevereiro/2016 Belém Pará CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE BELÉM (COMDAC) Diretoria Executiva Presidência:

Leia mais

Investigação como suporte ao desenho das intervenções

Investigação como suporte ao desenho das intervenções Investigação como suporte ao desenho das intervenções Investigação e desenho das intervenções - ciclo de vida e contexto - Ludmila Carapinha 1 O desenho da intervenção O que mudar Quem De que forma Intervenção:

Leia mais

8. DETERMINANTES DA SAÚDE

8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8.1. Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) as doenças crónicas não transmissíveis constituem hoje a principal causa de morbilidade e mortalidade calculando-se,

Leia mais

CAMPANHA INSTINTO DE VIDA Redução de homicídios ABRIL 2017

CAMPANHA INSTINTO DE VIDA Redução de homicídios ABRIL 2017 CAMPANHA INSTINTO DE VIDA Redução de homicídios ABRIL 07 Metodologia Técnica Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal dos entrevistados em pontos de fluxo populacionais. As entrevistas foram realizadas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TRABALHO NO NÍVEL DE ESTRESSE EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA

A INFLUÊNCIA DO TRABALHO NO NÍVEL DE ESTRESSE EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA A INFLUÊNCIA DO TRABALHO NO NÍVEL DE ESTRESSE EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA Byanca Eugênia Duarte Silva Faculdade Santa Maria - byanca_psi@outlook.com Bruna Eugênia Duarte Silva Faculdade Santa Maria - bruninhaeugenia@hotmail.com

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE

CUIDADOS COM A SAÚDE CUIDADOS COM A SAÚDE Andressa Malagutti Assis Realizar exames periodicamente, fazer exercícios e cuidar da alimentação são medidas básicas para cuidar da saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 08 de Dezembro de 2015 Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Estado do Rio Grande do Sul, com o objetivo de consulta à população sobre avaliação da administração

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 09 de setembro de 2015. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no município de São Bernardo do Campo, com o objetivo de consulta à população para avaliação

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 11 de outubro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no município de Contagem, com o objetivo de consulta à população sobre avaliação das administrações

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X PERFIL PSICOSSOCIAL DE SUICIDAS A PARTIR DE INQUÉRITOS POLICIAIS: CASOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Introdução Aline Cristina Antonechen* Lucia Cecília da Silva A palavra suicídio deriva-se do latim sui (próprio)

Leia mais

Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL

Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL Conhecendo a realidade de Crianças, Adolescente e Jovens Adultos em Situação de Rua da GRANPAL Evolução da População, Indicadores Sociais, Situação de Rua e Saúde Mental Adriana Furtado Lirene Finkler

Leia mais

ADOLESCENTE INFRATOR-UM OLHAR PARA COMPORTAMENTOS NA INFÂNCIA

ADOLESCENTE INFRATOR-UM OLHAR PARA COMPORTAMENTOS NA INFÂNCIA ADOLESCENTE INFRATOR-UM OLHAR PARA COMPORTAMENTOS NA INFÂNCIA Eliana Arara da Costa 1 Neila Rodrigues Oliveira 2 Elisângela Maura Catarino 3 Resumo Este trabalho apresenta a problemática de menores infratores

Leia mais

Vigilância de Causas externas

Vigilância de Causas externas Vigilância de Causas externas Acidentes e Quedas Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva _ UFF Metas nacionais para controle DCNT Reduzir TM prematura (< 70 anos) por DCNT em 2% ao ano.

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 24 de outubro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no município de Belo Horizonte, com o objetivo de consulta à população sobre situação eleitoral

Leia mais

DEPENDÊNCIA DIGITAL ATÉ QUE PONTO A TECNOLOGIA É BOA OU RUIM? Dr. Rodrigo Menezes Machado

DEPENDÊNCIA DIGITAL ATÉ QUE PONTO A TECNOLOGIA É BOA OU RUIM? Dr. Rodrigo Menezes Machado DEPENDÊNCIA DIGITAL ATÉ QUE PONTO A TECNOLOGIA É BOA OU RUIM? Dr. Rodrigo Menezes Machado INTRODUÇÃO População total estimada em 7 bilhões, sendo que 6,29 bilhões já possuem acesso à tecnologia móvel.

Leia mais

Associação entre síndrome pré-menstrual e transtornos mentais Celene Maria Longo da Silva Gicele Costa Minten Rosângela de Leon Veleda de Souza

Associação entre síndrome pré-menstrual e transtornos mentais Celene Maria Longo da Silva Gicele Costa Minten Rosângela de Leon Veleda de Souza Associação entre síndrome pré-menstrual e transtornos mentais Celene Maria Longo da Silva Gicele Costa Minten Rosângela de Leon Veleda de Souza Denise Petrucci Gigante 1 Síndrome pré-menstrual (SPM) Conjunto

Leia mais

Acidentes de trânsito e Álcool

Acidentes de trânsito e Álcool O CUSTO DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO CAUSADOS POR ABUSO DO ÁLCOOL NA CIDADE DE PORTO ALEGRE BRASIL Tanara Sousa, Esmeralda Correa, Marianne Stampe, Sabino Pôrto Jr, Flávio Pechansky, Raquel de Boni Acidentes

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE ÍNDICES DE CRIMINALIDADE E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS NAS REGIÕES ADMINISTRATIVAS DO DISTRITO FEDERAL

RELAÇÕES ENTRE ÍNDICES DE CRIMINALIDADE E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS NAS REGIÕES ADMINISTRATIVAS DO DISTRITO FEDERAL RELAÇÕES ENTRE ÍNDICES DE CRIMINALIDADE E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS NAS REGIÕES ADMINISTRATIVAS DO DISTRITO FEDERAL Victor Hugo Costa Dias Engenheiro de Controle e Automação pela Universidade de Brasília

Leia mais

situado à 187 km da cidade do Recife. O município dispõe de 8 Escolas Municipais,

situado à 187 km da cidade do Recife. O município dispõe de 8 Escolas Municipais, TÍTULO: PERFIL DAS ADOLESCENTES NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO JARDIM, RECIFE/ PE AUTORES: Amélia Silva Rocha de Lima, Ana Maria Soares da Silva, Ivanildo Mangueira da Silva, Joselito Silva Medeiros ÁREA

Leia mais

ANEXO Nº 1. Questionário

ANEXO Nº 1. Questionário ANEXOS ANEXO Nº 1 Questionário ANEXO Nº 2 Cronograma de Actividades Cronograma do trabalho de Investigação Mês Fase Fev. Escolha e delimitação do tema Revisão bibliográfica Fase metodológica Pré-teste

Leia mais

LIVRO DE RESUMOS COORDENADORES:

LIVRO DE RESUMOS COORDENADORES: IX Congresso da Associação Portuguesa de Licenciados em Farmácia XXVII Encontro Nacional de Técnicos de Farmácia IV Encontro Nacional de Estudantes de Farmácia LIVRO DE RESUMOS COORDENADORES: Luís Miguel

Leia mais

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem

Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Estudos de Psicologia Fatores associados à depressão relacionada ao trabalho de enfermagem Marcela Luísa Manetti Maria Helena Palucci Marziale Universidade de São Paulo Ribeirão Preto Resumo ao trabalho

Leia mais

Revista de Criminologia e Ciências Penitenciárias Conselho Penitenciário do Estado - COPEN ANO 2 nº 03 Setembro/2012

Revista de Criminologia e Ciências Penitenciárias Conselho Penitenciário do Estado - COPEN ANO 2 nº 03 Setembro/2012 C A R A C T E R Í S T I C A S D A P O P U L A Ç Ã O C A R C E R Á R I A A T E N D I D A N O S E R V I Ç O D E U R G Ê N C I A P S I Q U I Á T R I C A D O C E N T R O D E A T E N Ç Ã O I N T E G R A D A

Leia mais

Quadro 1. Características dos estudantes da amostra. F. MEDICINA FCDEF Total 71 86

Quadro 1. Características dos estudantes da amostra. F. MEDICINA FCDEF Total 71 86 Pela análise do Quadro 1, verificamos que em relação aos estudantes da Faculdade de Medicina (FM), 30 são do género masculino e 41 são do género feminino. Por outro lado temos a considerar 64 indivíduos

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil

Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil APRESENTAÇÃO No Brasil os homens vivem em média 7,2 anos menos do que as mulheres, segundo dados do IBGE em 2015, a expectativa de vida da população masculina

Leia mais

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2013, este informativo apresenta um perfil dos 50.798 profissionais

Leia mais

APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO

APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO Raul Aragão Martins UNESP - Universidade Estadual Paulista Campus São José do Rio Preto Apoio: Fundação de Amparo

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara Faculdades Integradas de Taquara DEPRESSÃO Disciplina: Fisiologia Humana Semestre: 1/2016 Docente: Debora Morsch Acadêmicas: Haiesha Wolff Katieli Córdova Vanessa A. Brocker Vanessa S. Ferreira Priscila

Leia mais

O estirão Nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce.

O estirão Nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce. A sexualidade no ser humano atravessa um longo desenvolvimento e tem início na adolescência. Cada pessoa tem seu desenvolvimento. No menino a puberdade se inicia com a primeira ejaculação ou polução e

Leia mais

COLEGIADO ESPECIAL DE LICENCIATURA FAE/UFMG DISCIPLINAS TEÓRICAS DOS CURSOS REGULARES DE LICENCIATURA HORÁRIO PARA O 2 o SEMESTRE DE 2013

COLEGIADO ESPECIAL DE LICENCIATURA FAE/UFMG DISCIPLINAS TEÓRICAS DOS CURSOS REGULARES DE LICENCIATURA HORÁRIO PARA O 2 o SEMESTRE DE 2013 CÓDIGO DISCIPLINAS C/H CRED. ADE003 Política Educacional 60 04 CAE001 Sociologia da Educação 60 04 CAE002 Psicologia da Educação - aprendizagem e ensino 60 04 MTE101 Didática de Licenciatura 60 04 Q U

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges Mestranda do Programa de Pós Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Marconi Gomes da Silva Professor Doutor do Departamento de Economia da Universidade

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

Uso de Medicação Psicotrópica em uma Grande Instituição para Deficientes Mentais - I(1)

Uso de Medicação Psicotrópica em uma Grande Instituição para Deficientes Mentais - I(1) D Deficiência Mental / Déficit Sensorial / Delírio / Depressão / Desenvolvimento / Diabetes Melitus / Diagnóstico / Distúrbio de Leitura / Doença / Doença de Moyamoya / Drogadição DEFICIÊNCIA MENTAL Uso

Leia mais

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo COGESPA 2016 PREVENÇÃO Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo Diminuir a incidência de HIV/Aids entre as mulheres

Leia mais

Fundamentos de Programação Lista de Exercícios F

Fundamentos de Programação Lista de Exercícios F Universidade Federal do Ceará Campus Quixadá Prof. Jeferson Kenedy Fundamentos de Programação Lista de Exercícios F Exercício 1 Foi feita uma estatística em cinco cidades brasileiras para coletar dados

Leia mais

3.4. TIPOLOGIAS DE SITUAÇÕES DE HOMICÍDIO COM UM AGRESSOR E UMA VÍTIMA

3.4. TIPOLOGIAS DE SITUAÇÕES DE HOMICÍDIO COM UM AGRESSOR E UMA VÍTIMA 3.4. TIPOLOGIAS DE SITUAÇÕES DE HOMICÍDIO COM UM AGRESSOR E UMA VÍTIMA Através do programa HOMALS, efectuou-se o estudo multivariado das diferentes variáveis seleccionadas tendo-se obtido 3 tipologias

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal

RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal RESPOSTA RÁPIDA 430/2014 Informações sobre Depressão: Clo e Frontal SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.1563-7 DATA

Leia mais

RADIOGRAFIA DAS ESCOLAS MÉDICAS DO BRASIL

RADIOGRAFIA DAS ESCOLAS MÉDICAS DO BRASIL RADIOGRAFIA DAS ESCOLAS MÉDICAS DO BRASIL Total das escolas médicas no Brasil Números de vagas no Brasil 271 24.495 Total de escolas privadas 162 Total de escolas estaduais e federais 109 Média do valor

Leia mais

ESTATÍSTICA II Ficha de Revisões - 1

ESTATÍSTICA II Ficha de Revisões - 1 Um dos objectivos da Estatística Indutiva é permitir conhecer o valor dos parâmetros populacionais de uma variável a partir de estatísticas descritivas calculadas numa amostra retirada da população. Este

Leia mais

WWW.RMPSIQUIATRIA.COM.BR Coordenador do curso: Rafael Moreno Ferro de Araújo Médico Psiquiatra UFCSPA, Porto Alegre-RS Mestre e Doutorando em Medicina PUCRS, Porto Alegre-RS Professor e coordenador da

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais

SUICÍDIO COMO IDENTIFICAR?

SUICÍDIO COMO IDENTIFICAR? COMO IDENTIFICAR? Ludmila Palhano 1 O detalhamento do conhecimento dos fatores de risco auxilia na delimitação da populações nas quais os eventos poderão ocorrer com maior frequência. ABP, 2014 Dois principais

Leia mais

ACIDENTES E USO DE ÁLCOOL ENTRE ESCOLARES DE DIFERENTES IDADES QUE PARTICIPARAM OU NÃO DE UM PROGRAMA PREVENTIVO

ACIDENTES E USO DE ÁLCOOL ENTRE ESCOLARES DE DIFERENTES IDADES QUE PARTICIPARAM OU NÃO DE UM PROGRAMA PREVENTIVO Resumo ACIDENTES E USO DE ÁLCOOL ENTRE ESCOLARES DE DIFERENTES IDADES QUE PARTICIPARAM OU NÃO DE UM PROGRAMA PREVENTIVO SILVA, Adilson Gonçalves UNESP/Marília adilson.gsilva@bol.com.br GIMENIZ-PASCHOAL,

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes

Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes Dimensão dos acidentes e violências na saúde pública 969.850 internações e 145.093 mortes em 2011 por causas externas (toda causa não natural, como queimadura,

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do curso superior de Tecnologia em Radiologia

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do curso superior de Tecnologia em Radiologia Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do curso superior de Tecnologia em Radiologia A presente pesquisa foi realizada em dezembro de 2010 na Unidade de Duque de

Leia mais

Tempo integral no ensino médio e desigualdades sociais. Pesquisa Políticas para o Ensino médio o caso de quatro estados (CE, PE, GO e SP)

Tempo integral no ensino médio e desigualdades sociais. Pesquisa Políticas para o Ensino médio o caso de quatro estados (CE, PE, GO e SP) Tempo integral no ensino médio e desigualdades sociais Pesquisa Políticas para o Ensino médio o caso de quatro estados (CE, PE, GO e SP) Diversificação da oferta e criação de uma rede dupla A diversificação

Leia mais

2. Método Instrumentos de mensuração

2. Método Instrumentos de mensuração 72 2. Método 2.1. Amostra O presente estudo utilizou como amostra 317 sujeitos, divididos em 2 grupos: população clínica e população geral. A amostra total foi composta por crianças e adolescentes com

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS Luciana de Melo Borges 1,3 ; Naiana Kelly Silva Bitencourt 1,3 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2,3 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora - Orientadora

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DA INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM PACIENTES OSTOMIZADOS POR CÂNCER

TÍTULO: O IMPACTO DA INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM PACIENTES OSTOMIZADOS POR CÂNCER TÍTULO: O IMPACTO DA INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM PACIENTES OSTOMIZADOS POR CÂNCER CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1)

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1) RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1) TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental TEMAS Psicopatologia geral. Transtornos psicológicos, cognitivos, relacionados ao uso

Leia mais

Jovens de hoje e de antigamente: cidadania e sociabilidades

Jovens de hoje e de antigamente: cidadania e sociabilidades Ocupação científica dos Jovens nas férias Ciência Viva 2012 Jovens de hoje e de antigamente: cidadania e sociabilidades Beatriz Gomes, Cláudia Espadinha, Cláudia Domingues, Raquel Gomes, Rita Campos, Vera

Leia mais

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 INFORMAÇÕES Professor: Roberto C. Leoni BLOG: http://aedbest.wordpress.com Apostilas com exercícios e gabaritos Software R http://cran.r-project.org/

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE JULHO A SETEMBRO DE 2016

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE JULHO A SETEMBRO DE 2016 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE JULHO A SETEMBRO DE 2016 Belém / Pará Setembro/ 2016 Relatório das atividades do Projeto Escola Viva OBJETIVO 1: Efetivar diagnóstico acerca do uso de álcool, outras drogas

Leia mais

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Métodos Computacionais para Estatística II Prof: Jony Arrais Pinto Junior Lista 05 1. Leia o banco de dados

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 Márcia Regina Buzzar Divisão de Zoonoses CVE SES-SP mbuzzar@saude.sp.gov.br INTRODUÇÃO A Leptospirose é doença infecciosa

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O Prova Anglo P-02 Tipo D8-08/200 G A B A R I T O 0. C 07. D 3. C 9. A 02. B 08. A 4. A 20. C 03. D 09. C 5. B 2. B 04. B 0. C 6. C 22. B 05. A. A 7. A 00 06. D 2. B 8. D DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS.

Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS. Sobrecarga emocional em familiares de portadores de sofrimento psíquico de Pelotas-RS. Os CAPs Elaine TOMASI Luiz Augusto FACCHINI Roberto Xavier PICCINI Elaine THUMÉ Ricardo Azevedo da SILVA Helen Denise

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do curso superior de Engenharia de Petróleo e Gás

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do curso superior de Engenharia de Petróleo e Gás Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do curso superior de Engenharia de Petróleo e Gás A presente pesquisa foi realizada em dezembro de 2010 na Unidade de Duque

Leia mais