ENCARGOS SOCIAIS HORISTA A. GRUPO A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENCARGOS SOCIAIS HORISTA A. GRUPO A"

Transcrição

1 1 de 12 ENCARGOS SOCIAIS HORISTA A. GRUPO A A.1 INSS 20,00% A.2 SESI 1,50% A.3 SENAI 1,00% A.4 INCRA 0,20% A.5 SEBRAE 0,60% A.6 Salário-educação 2,50% A.7 Seguro contra acidente de trabalho 3,00% A.8 FGTS 8,00% A.9 SECONCI 1,00% SUBTOTAL A 37,80% B. GRUPO B B.1 Repouso semanal remunerado 17,71% B.2 Feriados 3,90% B.3 Aviso prévio 11,98% B.4 Auxílio-enfermidade 0,83% B.5 13 o salário 11,09% B.6 Licença-paternidade 0,05% B.7 Acidente do trabalho e faltas abonadas 1,48% SUBTOTAL B 47,04% C. GRUPO C C.1 Multa por rescisão do contrato de trabalho 5,88% C.2 Férias (inclusive 1/3) 14,79% C.3 Indenização adicional 0,67% SUBTOTAL C 21,34% D. GRUPO D D.1 Incidência de A sobre B 17,78% D.2 Incidência do FGTS sobre o aviso prévio indenizado 0,93% SUBTOTAL D 18,71% SUBTOTAL (A+B+C+D) 124,89% E GRUPO E E.1 Vale-transporte 21,82% E.2 Café da manhã 6,55% E.3 Alimentação 0,97% E.4 EPI 5,71% E.5 Ferramentas 0,95% E.6 Seguro de vida em grupo 1,11% SUBTOTAL E 37,11% TOTAL (A+B+C+D+E) 162,00%

2 2 de 12 Fundamentação de cada índice apresentado: Grupo A Este grupo engloba os encargos básicos, ou seja, aqueles que incidem diretamente sobre a folha de pagamento. Os percentuais são definidos em lei e de recolhimento obrigatório pelo empregador. Grupo B A1-INSS 20,00% - Incidente sobre a remuneração paga no decorrer do mês de referência. (Lei n 7787/89 e Decreto n 3048/99) A2-SESI 1,50% - Contribuição ao Serviço Social da Indústria. (Decreto n 60446/67 e Lei n 5107/66) A3-SENAI -1,00% Contribuição para o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. (Decreto n 60446/67 e Decreto n 6246/44) A4-INCRA 0,20% Contribuição para o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Lei n 2613/55 e Decreto-lei n 1146/70) A5-SEBRAE 0,60% Contribuição para o Serviço de Apoio à Pequena e Média Empresa. (Lei n 8029/90, Decreto n 99570/90 e Lei n 8154/90) A6-Salário-Educação 2,50% - Recolhimento efetuado pelo empregador sobre o salário do empregado, independentemente da idade, do estado civil e do número de filhos. (Decreto n /82) A7-Seguro contra acidente de trabalho 3% O acidente de trabalho na construção civil é enquadrado no grau de risco 3 (grave) (Lei n 7787/89 e Portaria n 3002/92 do Ministério do Trabalho) A8-FGTS 8% - Contribuição para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (Lei n 5107/66 e Decreto n 59820/66) A9-SECONCI 1% - Contribuição para o Serviço Social do Distrito Federal. Percentual fixado em lei. Este grupo engloba os encargos pagos na folha de pagamento, bem ora não havendo a efetiva prestação de serviços. Para o calculo do impacto percentual de cada item, mister se faz definir preliminarmente a quantidade de dias efetivamente trabalhados durante um ano, descontando-se do total de dias do ano aqueles não trabalhados: férias, feriados, repouso remunerado, licenças e faltas. A Tabela 1 demonstra o cálculo dos dias efetivamente trabalhados. Assim, com o objetivo de tornar o estudo mais abrangente e representativo, consideramos a média dos dias para os anos de 2011, 2012 (bissexto), 2013 e 2014, levando em conta ainda os feriados distritais. B1-Repouso semanal remunerado 17,71% - O pagamento do repouso semanal remunerado, que é um ônus sem contraprestação do trabalho, pode ser

3 3 de 12 representado percentualmente como a razão entre a quantidade desses dias e o número de dias trabalhados. O numero de dias a ser considerado é igual a quantidade de domingos do ano menos os domingos que caem nas férias. (CLT e Lei n 605/43) B2-Feriados 3,90% - O pagamento dos feriados, por força de lei, pode ser representado percentualmente como a razão entre a quantidade desses dias e o número de dias trabalhados. Tivemos o cuidado de computar, para o período de 2011 a 2014, apenas os feriados que não coincidem com domingos. (CLT e Lei n 605/43) B3-Aviso prévio 11,98% - Constitui-se na obrigação que o empregador tem de avisar ao trabalhador, com antecedência mínima de 30 dias, que irá rescindir seu salário unilateralmente. No presente estudo, considerou-se que as construtoras praticam o aviso prévio indenizado em 87% dos casos. (CLT e Lei n 9.528/97). B4-Auxílio enfermidade 0,83% - Em conformidade com o que dispõe a Lei n 3.807/60, os primeiros 15 dias de afastamento são de responsabilidade do empregador. Usando a média registrada na literatura temos que 15% dos empregados recorrem ao auxílio-enfermidade. O período de afastamento indicado acima representa uma incidência de 2,25 dias per capita de ausência por operário por ano em virtude de problema de saúde. Essa quantidade de dias não é nada despropositada. Basta uma breve enquete verbal para se constatar que 2 dias de falta por doença ao longo de um ano é muito plausível. (Lei n 3.807/60). B5-13 Salário 11,09% - Tecnicamente nominado de gratificação natalina, é uma bonificação anual equivalente a um salário e paga em dezembro, sendo que a metade pode ser paga por ocasião das férias ou até final de novembro. (Lei n 7.787/89; Lei n 4.090/62). B6-Licença-paternidade 0,05% - São 05 dias de afastamento do empregado, pagos quando do nascimento do filho. Adotamos que 95% dos trabalhadores são homens e que 3 é a taxa de fecundidade (percentual de homens que tem nascimento de filho ao longo de um ano). A Licença-maternidade não entra no cômputo por ser de atribuição do Governo Federal. (Constituição Federal) B7-Acidente de trabalho e faltas abonadas 1,48% - O empregador arca com os primeiros 15 dias de ausência do trabalhador em caso de acidente de trabalho. Segundo dados do Ministério do Trabalho, ao longo de um ano um contingente de 13,31% dos trabalhadores da construção civil recorre a tal benefício. No que diz respeito a faltas abonadas, a legislação prevê casos em que o trabalhador pode se ausentar do trabalho e ter o dia pago pelo empregador. Tais casos estão previstos em lei e nas convenções coletivas de trabalho: morte de conjugue, ascendente ou descendente, registro de nascimento de filho, casamento, doação de sangue, alistamento eleitoral, exigências do serviço militar. Assim, adotou-se um total de 02 (duas) faltas por trabalhador por ano. (CLT e Convenção Coletiva DF) Grupo C Os encargos deste grupo são as férias e aqueles de natureza indenizatória.

4 4 de 12 Grupo D C1-Multa por rescisão do contrato de trabalho 5,88% - Por ser um cálculo feito em função do montante do FGTS recolhido até o momento da rescisão, o cálculo deste item está vinculado ao Grupo B. Quando a demissão é sem justa causa a empresa deve pagar uma multa de 50% sobre o saldo da conta vinculada do FGTS, sendo 40% ao trabalhador e 10% a título de contribuição social. (Decreto n /66; Lei n 5.107/96). C2-Férias (inclusive 1/3) 14,79% - Benefício anual equivalente a 30 dias. É pago com um abono de 1/3. Há pagamento de férias proporcionais em caso de demissão. (CLT e Constituição Federal). C3-Indenização adicional 0,67% - Esta indenização se aplica a demissões feitas no mês anterior ao da correção salarial, que enseja o pagamento de 01 salário adicional ao empregado. (Lei n 7.238/84). Neste grupo computam-se as incidências cumulativas entre os demais grupos. Grupo E D1-Incidência de A sobre B 17,78% - Um vez que os tributos representados pelo Grupo A também recaem sobre os direitos trabalhistas dos empregados (Grupo B) mister se faz calcular a incidência cumulativa entre os dois grupos. D2-Incidência de FGTS sobre o aviso prévio indenizado 0,93% - O FGTS incide sobre o aviso prévio indenizado, conforme Instrução Normativa n 03/96 da Secretaria de Fiscalização do Trabalho. Aqui são computados os encargos complementares, assim nomeados por representarem uma ampliação dos encargos sociais oficiais tradicionais. A ampliação ao consiste em incluir no rol dos encargos todos os demais custos que possam ser referenciados a hora do trabalhador. Com a incorporação destes custos, a hora do trabalhador passa a ser um valor completo que engloba todas as despesas associadas a ele. O estudo demonstrando cada índice está consubstanciado na Tabela 02. E1-Vale-transporte - 21,82% - A aplicação está vinculada à Convenção Coletiva do Trabalho 2011/ DF E2-Café da manhã 6,55% - A aplicação está vinculada à Convenção Coletiva do Trabalho 2011/ DF E3-Alimentação 0,97% - A aplicação está vinculada à Convenção Coletiva do Trabalho 2011/ DF E4- EPI 5,71% - O custo médio do equipamento de proteção individual por operário é estimado em função do consumo de cada equipamento. A aplicação está vinculada à Convenção Coletiva do Trabalho 2011/ DF

5 5 de 12 E5-Ferramentas 0,95% - O custo médio de ferramentas por operário é estimado em função do consumo próprio de cada uma delas. A aplicação está vinculada à Convenção Coletiva do Trabalho 2011/ DF E6-Seguro de vida em grupo 1,11% - A aplicação está vinculada à Convenção Coletiva do Trabalho 2011/2013 DF.

6 6 de 12 ENCARGOS SOCIAIS MENSALISTA COMPOSIÇÃO ENCARGOS SOCIAIS MENSALISTA A. GRUPO A 1 INSS 20,00% 2 SESI 1,50% 3 SENAI 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 SEBRAE 0,60% 6 Salário-educação 2,50% 7 Seguro contra acidente de trabalho 3,00% 8 FGTS 8,00% 9 SECONCI 1,00% SUBTOTAL A 37,80% B. GRUPO B 1 Aviso prévio 9,73% 2 Auxílio-enfermidade 0,00% 3 13 o salário 8,95% 4 Licença-paternidade 0,00% 5 Acidente do trabalho 1,48% SUBTOTAL B 20,16% C. GRUPO C 1 Multa por rescisão do contrato de trabalho 4,81% 2 Férias (inclusive 1/3) 11,93% 3 Indenização adicional 0,54% SUBTOTAL C 17,28% D. GRUPO D 1 Incidência de A sobre B 7,62% 2 Incidência do FGTS sobre o aviso prévio indenizado 0,75% SUBTOTAL D 8,37% TOTAL = SUBTOTAIS (A+B+C+D) 83,61%

7 7 de 12 Fundamentação de cada índice apresentado: Grupo A Este grupo engloba os encargos básicos, ou seja, aqueles que incidem diretamente sobre a folha de pagamento. Os percentuais são definidos em lei e de recolhimento obrigatório pelo empregador e portanto idêntico ao de HORISTA (37,80%). Grupo B O calculo dos dias trabalhados é demonstrado a seguir: Tendo em vista que o salário mensal já incorpora o repouso semanal remunerado, os feriados, as licenças e as faltas justificadas, a base de cálculo de dias difere daquela calculada para o horista. Grupo C B1-Aviso prévio 9,73% - Considera-se que as construtoras praticam o aviso prévio indenizado em 87% dos casos, e que a rotatividade média do trabalhador mensalista é de 10 meses. B2-13 Salário - 8,95% - Tecnicamente batizado de gratificação natalina, é uma bonificação anual equivalente a um salário e paga em dezembro, sendo que a metade pode ser paga por ocasião das férias ou até final de novembro. (Lei n 7.787/89; Lei n 4.090/62). B3-Acidente de trabalho - 1,48% - Cálculo análogo ao feito para o horista. Os encargos deste grupo são as férias e aqueles de natureza indenizatória e portanto é análogo ao usado nos encargos sociais do horista. C1-Multa por rescisão do contrato de trabalho 4,81% - Por ser um cálculo feito em função do montante do FGTS recolhido até o momento da rescisão, o cálculo deste item está vinculado ao Grupo B. Quando a demissão é sem justa causa a empresa deve pagar uma multa de 50% sobre o saldo da conta vinculada do FGTS, sendo 40% ao trabalhador e 10% a título de contribuição social. (Decreto n /66; Lei n 5.107/96). C2-Férias (inclusive 1/3) 11,93% - Benefício anual equivalente a 30 dias. É pago com um abono de 1/3. Há pagamento de férias proporcionais em caso de demissão. (CLT e Constituição Federal). C3-Indenização adicional 0,54% - Esta indenização se aplica a demissões feitas no mês anterior ao da correção salarial, que enseja o pagamento de 01 salário adicional ao empregado. (Lei n 7.238/84).

8 8 de 12 Grupo D Neste grupo computam-se as incidências cumulativas entre os demais grupos. O cálculo do Grupo D é análogo ao usado nos encargos sociais de horista. D1-Incidência de A sobre B 7,62% - Um vez que os tributos representados pelo Grupo A também recaem sobre os direitos trabalhistas dos empregados (Grupo B) mister se faz calcular a incidência cumulativa entre os dois grupos. D2-Incidência de FGTS sobre o aviso prévio indenizado 0,75% - O FGTS incide sobre o aviso prévio indenizado, conforme Instrução Normativa n 03/96 da Secretaria de Fiscalização do Trabalho.

9 9 de 12 TABELA 01 CALCULO DOS DIAS TRABALHADOS POR ANO HORISTAS Descrição Dias A Dias do ano 365,25 365,00 366,00 365,00 365,00 B Férias C Domingos 52,25 52,00 53,00 52,00 52,00 D Domingos coincidentes com férias 1 4,35 4,33 4,42 4,33 4,33 E Feriados em dias úteis 2 11, Confraternização Universal Ano Carnaval Dia do Trabalhador da Construção Civil (DF) Sexta-feira Santa Tirandentes Dia do Trabalho Corpus Christi Independência do Brasil Nossa Senhora Aparecida Finados Proclamação da República Dia do Evangélico (DF) Natal F Feriados coincidentes com férias 3 0,96 0,92 1,00 1,00 0,92 G Auxílio-enfermidade 2,25 % de empregados no ano 4 15% Dias de ausência 15 H Licença paternidade 0,14 % de empregados no ano 5 3,0% % de homens na construção civil 5 95% Dias de ausência 5 I Acidente do trabalho 2,00 % de empregados no ano 6 13,31% Dias de ausência 15 J Faltas justificadas 7 2 Total = A B C + D E + F G H I J = 270, Adotada a quantidade média de domingos em um mês Computados os feriados oficiais federais e distritais que não caem num domingo Adotada a quantidade média de feriados em um mês Percentual idêntico ao do Sinapi, corresponde a dado do Anuário Estatístico do Brasil (1990) Conforme pesquisa do Qualiop (Programa da Qualidade das Obras Públicas da Bahia) Fonte: Ministério do Trabalho (cf. MATTOS, 2006) Inclui morte do cônjuge, casamento, doação de sangue, alistamento militar e serviço eleitoral

10 10 de 12 CÁLCULO DO AVISO PRÉVIO Aviso prévio indenizado 11,58% Duração média do emprego (meses) 10 Representatividade 87% Aviso prévio trabalhado 0,39% Redução da jornada mensal (dias) 6,82 Representatividade 13% Total AVISO PRÉVIO 11,98% CÁLCULO DA MULTA POR RESCISÃO Multa por rescisão 5,88% Multa 50% Grupo B 47,04% Demissão sem justa causa 100% Indenização adicional 0,67% Duração média do emprego 10 Probabilidade de ocorrência 5%

11 11 de 12 TABELA 02 - ENCARGOS COMPLEMENTARES - HORISTA E1 VALE TRANSPORTE a)valor do vale transporte = (50% x 3,00) + (50% x 2,50) x 1 2,75 b) 2 vales/dia 2 5,50 TOTAL DE VALES POR DIA 5,50 c) horas trabalhadas/dia (44/6) 7, d) salário médio ponderado 3,44 E2 E3 E4 2 servente mês 649,00 hora 2,95 1 aux. oficial mês 719,40 hora 3,27 1 oficial mês 1007,60 hora 4,58 ponderação: 1 oficial, 1 aux oficial e 2 serventes d) desconto Lei ,00% 0 e) vale transporte R$/h 0,75 f) vale transporte % 21,82% CAFÉ DA MANHÃ a)valor do café da manhã 1,65 b) horas trabalhadas/dia 7, c) salário médio ponderado 3,44 d) café da manhã R$/h 0,225 2) café da manhã % 6,55% EPI EPI Equipamento R$/un HT/mês Coef. Vida Útil R$/h Bota de couro 35,97 183, , Bota de borracha 31,86 183, , Capacete 7,91 183, ,00717 Luvas 5,86 183, , Óculos de proteção 2,58 183, ,2 6 0, Capa de chuva 8,50 183, , Proteção facial 12,62 183, ,2 12 0, Abafador de ruídos 0,88 183, ,2 12 7,98E-05 Mascara descartável 0,84 183, , Uniforme 39,90 183, , Total 0,19644 Salário médio ponderado 3,44 5,71% HT hs/semana semanas/mês feriado/mês 44 4, , ,8572 ALIMENTAÇÃO Valor Do ticket alimentação 8,00 Horas trabalhas/mês 183,85718 desconto conf. acordo coletivo 15,00% Custo cesta básica 0,

12 12 de 12 E5 E9 Salário médio ponderado 3,44 % que não recebem 10,00% 0,97% FERRAMENTAS Equipamento R$/un HT/mês Coef. Vida Útil R$/h Carrinho de mão 76,09 183, ,05 6 0, Pá 17,61 183, ,25 6 0, Enxada 10,28 183, ,25 6 0,00233 Picareta 21,52 183, ,25 6 0, Cavadeira de boca 28,71 183, , , Trena de 5 metros 7,46 183, ,5 12 0, Prumo de centro 24,74 183, ,5 12 0, Prumo de face 15,36 183, ,5 12 0, Martelo/torquesa/régua 17,95 183, ,5 12 0, Total 0,03275 Salário médio ponderado 3,44 0,95% HT hs/semana semanas/mês feriado/mês 44 4, , ,8572 SEGURO DE VIDA EM GRUPO Custo Mensal 6,99 Numero de Horas Trabalhadas 183,86 Salário médio ponderado 3,44 1,11% TOTAL 37,10% BASE CENTRO ENC SAL BASE ENC SOCIAIS COMPL. SAL C/ES SAL TOTAL SERVENTE 2,95 3,67 1,09 6,62 7,72 AUX. OFICIAL 3,27 4,07 1,21 7,34 8,56 OFICIAL 4,58 5,70 1,70 10,28 11,98 Os encargos complementares incidem sobre o salário base, antes da aplicação dos encargos sociais Observação Ferramenta: Considerando que 50% dos empregados são Oficiais e 50% são Serventes/Aux oficiais, têm-se os seguintes coeficientes de utilização: Carrinho de mão: 50% são Serventes/Aux. De oficiais, onde apenas 10% utilizam carrinho de mão; Pá/enxada/picareta/cavadeira de boca; sendo 50% dos empregados ocupando a função de servente/aux. de oficiais, podemos considerar que cada um deles utiliza ao menos duas dessas ferramentas. Dessa forma, o coeficiente de utilização foi obtido considerando 50% de serventes/aux. de oficiais utilizando-se de uma das quatro ferramentas citadas, onde se obtêm 12,5% para cada uma delas, multiplicando pelo uso estimado de duas ferramentas por empregado, chegando-se ao coeficiente de 25%. Já para os insumos trena, prumos e martelo/torquesa/régua, considerou-se que são de uso exclusivo dos oficiais da obra, os quais correspondem a 50% dos empregados.

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS CONSTRUÇÃO CIVIL

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS CONSTRUÇÃO CIVIL ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Janeiro de 2004 Setor de Economia ENCARGOS SOCIAIS DO CUB Apresentação Além do salário, vários outros custos devem ser calculados ou estimados

Leia mais

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios a empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método de cálculo do percentual de encargos

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011 ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011 I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios à empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método

Leia mais

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais.

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. 1. Introdução 1.1 Trata-se de atualização dos estudos relativos aos percentuais máximos de encargos sociais admissíveis nas contratações de serviços

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Encargos Sociais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Encargos Sociais SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL Encargos Sociais SUMÁRIO - ENCARGOS SOCIAIS 1. Encargos Sociais...03 1.1. Memória de Cálculo dos Percentuais Adotados...04 1.2.

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011

INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011 Publicado no DOE em 17 de março de 2011 INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual sobre os encargos sociais a serem utilizados na fixação

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013 Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Planilha de Custo e Formação de Preços (Em conformidade à Portaria nº 7, de 09/03/2011

Leia mais

Encargos Sociais, BDI e Curva ABC

Encargos Sociais, BDI e Curva ABC Senai Dendezeiros Área de Construção Civil Encargos Sociais, BDI e Curva ABC Unidade Curricular: Orçamento de Obras e Controle de Custos Emanuele Cristian Fer Senai Dendezeiros Área de Construção Civil

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO)

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES Inicialmente é necessário esclarecer que este estudo permite ser moldado às características de cada empresa,

Leia mais

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

DIÁLOGO PÚBLICO TCU EXPOSIÇÃO E COMENTÁRIOS DO SICEPOT-MG

DIÁLOGO PÚBLICO TCU EXPOSIÇÃO E COMENTÁRIOS DO SICEPOT-MG EXPOSIÇÃO E COMENTÁRIOS DO SICEPOT-MG CONSIDERAÇÕES INICIAIS Agradecimento ao TCU através da SECOBEDIF Cumprimentos aos demais participantes: TCU Exmo. Sr. Min. José Múcio Monteiro Dr. José Ulisses Rodrigues

Leia mais

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011.

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. PORTARIAS PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. Altera o anexo III da Instrução Normativa nº 02/2008, de 30 de abril 2008, que dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos proponentes em licitações

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS

ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS JANEIRO / 2007 ÍNDICE ÍNDICE 2 HISTÓRICO 3 RECOMENDAÇÕES 4 QUADRO RESUMO 5 EXEMPLO DE CÁLCULO 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS 7 GRUPO "A" 8 A.1 INSS A.2 FGTS A.3 SESI A.4 SENAI A.5

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PREGÃO 56/2011 ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA - ESTIMATIVA DE CUSTOS Manutenção preventiva e corretiva das instalações hidráulicas dos prédios do TRE em

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA Objeto: Referência: PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS

Leia mais

ANEXO III. Página 1. Quantidade (total) a contratar (em função de medida)

ANEXO III. Página 1. Quantidade (total) a contratar (em função de medida) ANEXO III PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS N Processo Licitação n Dia / / às : horas Discriminação dos Serviços (referente à contratada) A Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano) B Município/UF

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul DAT Unidade de Assessoramento Contábil DOCUMENTO DAT-CO N.º 0664/2014 LICITAÇÕES PESSOA JURÍDICA

Ministério Público do Rio Grande do Sul DAT Unidade de Assessoramento Contábil DOCUMENTO DAT-CO N.º 0664/2014 LICITAÇÕES PESSOA JURÍDICA PARECER DOCUMENTO DAT-CO N.º 0664/2014 LICITAÇÕES PESSOA JURÍDICA PARA: Luís Antônio Benites Michel Comissão Permanente de Licitações DE: Beatriz Scherer de Oliveira Assessora em Contabilidade Pregão eletrônico

Leia mais

Mão-de-obra. Prof. Me. Laércio Juarez Melz www2.unemat.br/laerciomelz laercio@unemat.br

Mão-de-obra. Prof. Me. Laércio Juarez Melz www2.unemat.br/laerciomelz laercio@unemat.br UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Mão-de-obra Prof. Me. Laércio Juarez Melz www2.unemat.br/laerciomelz laercio@unemat.br Considere que:

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL REF.: CONCORRÊNCIA Nº 006 / 2014 CCL ANEXO ERRATA Nº 002/2014 - CCL RESUMO Mês base: Agosto/2013 DISCRIMINAÇÃO VALOR PARCIAL TOTAL A - EQUIPE TÉCNICA 2.025.871,44 A.1 - Pessoal de Nível Superior* 1.891.997,04

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Unidade da Federação Pará 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de MG Câmpus São João del-rei Diretoria de Administração e Planejamento ANEXO IV Modelo de Planilha de Custos e Formação

Leia mais

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total ANEXO... PLANILHA DE CUSTOS 2º TURNO Quantidades (veículos/diárias): Tipo da contratação: ( ) Terceirizada ( ) Regime da CLT ( ) Cooperativa (Lei nº 5.764/71) ( ) Regime Tributário: ( ) Lucro Real ( )

Leia mais

Encargos Sociais. Limites Máximos

Encargos Sociais. Limites Máximos Encargos Sociais Limites Máximos Sugeridos 1. Introdução Conforme solicitação do Senhor Diretor da SEAD encaminhamos breve estudo sobre a aplicação de percentuais de encargos sociais máximos aceitáveis.

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

Recursos Humanos. Encargos Sociais. Comparação de cálculos e encargos na várias formas de contratação. Encargos Sociais e Trabalhistas

Recursos Humanos. Encargos Sociais. Comparação de cálculos e encargos na várias formas de contratação. Encargos Sociais e Trabalhistas Recursos Humanos Prof. Rafael Beluzzo Comparação de cálculos e encargos na várias formas de contratação e Trabalhistas Taxas e contribuições pagas pelo empregador para financiamento das políticas públicas

Leia mais

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições:

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 013, de 30 de outubro de 1996 O MINISTRO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO, no uso de sua competência, e considerando o disposto no Decreto nº 2.031, de 11 de

Leia mais

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA Ao ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S/A COMISSÃO DE LICITAÇÃO COLIC Ref. PREGÃO ELETRÔNICO N. 2013/ Prezados Senhores, Apresentamos em atendimento ao Edital do Pregão em epígrafe

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS RECEPÇÃO_POA Nº do processo: Contrato Dia: XX/XX/2013 - Hora: XxhXXmin A PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Data de apresentação da proposta

Leia mais

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 ANEXO - II PROCESSO Nº 23216.000072/2014-31 APRESENTAÇÃO MEMÓRIA DE CÁLCULO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 A presente Memória de Cálculo demonstram os passos seguidos para a fixação

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 01/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Distrito Federal

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00 Q AU SECRETARIA A DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - ANAC Ref.: D PREGÃO ELETRÔNICO N.º 07/2013 Processo R Nº 00055.002521/2013-99 Abertura: O 09/10/2013 às 09:00 h R PROPOSTA COMERCIAL E Prezados

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 17/2014 Serviços de Vigilância da Federação: PR Data de início

Leia mais

Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012

Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012 Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012 DLSG/SLTI SUMÁRIO 1. Histórico 2. Objetivo 3.Acórdão nº 1.753/2008 4. Metodologia

Leia mais

10º Congresso Mundial Rio/2016. 10º Congresso Mundial Rio/2016

10º Congresso Mundial Rio/2016. 10º Congresso Mundial Rio/2016 2014 10º Congresso Mundial Rio/2016 10º Congresso Mundial Rio/2016 Índice 1- Objetivo... 3 2- Condições para realização do Fórum nas cidades... 4 3- Custo Estimado de cada Evento... 5 4- Metodologia para

Leia mais

ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA

ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA DADOS COMPLEMENTARES DO ANEXO DA PROPOSTA DE PREÇOS: ADSERTE - ADMINISTRAÇÃO E TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação)

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Obs.: O modelo utiliza o Regime de Tributação Lucro Real. A empresa deverá utilizar o seu Regime de Tributação indicando as respectivas alíquotas no item C, do Módulo 5. MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da da Folha de Pagamentos José Pastore Setembro de 2014 Custos do Trabalho Mudança de Cálculo Alterações legais Lei nº 13.043/2014 (MP651/2014)

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 54/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Amapá Data de

Leia mais

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº Processo Licitação Nº Dia / / às : horas Discriminação dos Serviços A Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano)

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Dados complementares para composição dos custos referente à mãodeobra 1.742,57 Supervisor Administrativo (Protocolo e Diretoria 1 Salário 100,00% 1.742,57 2 Hora Extra 3 Adicional noturno 4 Adicionais

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO

RELATÓRIO DE JULGAMENTO RELATÓRIO DE JULGAMENTO Pregão nº 012/2011 Trata-se o presente Relatório de Julgamento relativo à licitação na modalidade de Pregão Eletrônico, Tipo Menor Preço para a contratação de especializada para

Leia mais

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA Kelly Amichi O custo de mão-de-obra refere-se ao montante das despesas dos serviços prestados pelos funcionários à empresa. É o segundo maior custo no segmento de refeições

Leia mais

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT O contrato de trabalho por prazo determinado é aquele cuja duração dependa de termo prefixado ou da execução de serviços específicos ou ainda

Leia mais

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Matheus Florencio Rodrigues Assessor Jurídico do INAMARE www.inamare.org.br Fone: (44) 3026-4233 Juliana Patricia Sato Assessora Jurídico do

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso semanal remunerado (DSR) 09/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03

Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03 Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03 Número do processo: Data de apresentação da proposta: Unidade

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO SEMINÁRIO ESPECIAL PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE CÁLCULO DE CADA RUBRICA

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 42/2014 Serviços de Limpez za da Federação: SP Data de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇOS de Serviços e Produtos

FORMAÇÃO DE PREÇOS de Serviços e Produtos Nildo Silva Leão FORMAÇÃO DE PREÇOS de Serviços e Produtos Sumário Introdução...7 PARTE I 1. Composição do custo...13 2. Mão-de-obra...20 3. Veículos...31 4. Equipamentos e ferramentas...37 5. Materiais

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 21/2014 Serviços de Limpeza Unidade da Federação: SC Data

Leia mais

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas.

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito do Trabalho / Aula 05 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada;

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS NAS EMPRESAS DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO

ENCARGOS SOCIAIS NAS EMPRESAS DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO Matéria Trabalhista SUMÁRIO ENCARGOS SOCIAIS NAS EMPRESAS DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO 1. Introdução 2. Cálculo dos Encargos 2.1. Enquadramento de FPAS 2.2. Enquadramento no SAT/RAT 2.3. Outras entidades (terceiros)

Leia mais

Direitos na Rescisão Folha 1:

Direitos na Rescisão Folha 1: Direitos na Rescisão Folha 1: 1º dia útil após o término do 04 EXPERIÊNCIA c) Férias proporcionais aos meses trabalhados contrato d) Salário família (se for o caso) c) Férias proporcionais aos meses trabalhados

Leia mais

ENCARGOS PREVIDENCIÁRIOS E TRABALHISTAS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ANÁLISE NACIONAL

ENCARGOS PREVIDENCIÁRIOS E TRABALHISTAS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ANÁLISE NACIONAL ENCARGOS PREVIDENCIÁRIOS E TRABALHISTAS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ANÁLISE NACIONAL C172e Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Encargos previdenciários e trabalhistas no setor da construção

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Planilhas_Custo_final

Planilhas_Custo_final Planilhas_Custo_final Quadro demonstrativo - Valor Global da Proposta Valor Global da Proposta Descrição Qtde de Postos Valor Por Posto Valor Mensal Valor Global (12 meses) Auxiliar 7 R$ 2.070,36 R$ 14.492,53

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000009/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/01/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000380/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.000250/2013-67 DATA

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

ANEXO III A -PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

ANEXO III A -PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do processo: Contrato Dia: XX/XX/2014 Hora: XxhXXmin C NEXO III PLNILH DE CUSTOS E FORMÇÃO DE PREÇOS Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Data de apresentação da proposta Município/UF

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO RECEPCIONISTA. Página 1. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação)

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO RECEPCIONISTA. Página 1. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Obs.: O modelo utiliza o Regime de Tributação Lucro Real. A empresa deverá utilizar o seu Regime de Tributação indicando as respectivas alíquotas no item C, do Módulo 5. MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal cia de Vigilân Serviços Data de início Versão 2.0

contratação ncia e limpeza Federal cia de Vigilân Serviços Data de início Versão 2.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 02/2015 Serviços de Vigilân cia da Federação: SP Data de

Leia mais

Encargos sociais nas empresas: demonstrativo de cálculo - procedimentos

Encargos sociais nas empresas: demonstrativo de cálculo - procedimentos Encargos sociais nas empresas: demonstrativo de cálculo - procedimentos SUMÁRIO 1. Introdução 2. Cálculo dos Encargos 2.1. Enquadramento de FPAS 2.2. Enquadramento no SAT/RAT 2.3. Outras entidades (Terceiros)

Leia mais

. Conceito: sustação temporária dos efeitos do contrato de trabalho, unilateralmente (interrupção) ou bilateralmente (suspensão)

. Conceito: sustação temporária dos efeitos do contrato de trabalho, unilateralmente (interrupção) ou bilateralmente (suspensão) Material do Professor: Tema: Suspensão e Interrupção do contrato de trabalho (471 segs. CLT). Denominação: - suspensão X interrupção - suspensão total X suspensão parcial. Conceito: sustação temporária

Leia mais

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO APERFEIÇOAMENTO ENGENHARIA DE CUSTOS E ORÇAMENTOS TURMA 01 FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Milagres do Nascimento Engenheira civil orçamentista

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE

Leia mais

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já!

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! 1 Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! O debate da redução da jornada de trabalho no Congresso Nacional Nesta semana, a campanha pela redução da jornada de trabalho sem redução de salários

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP010191/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054036/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.003848/2010-91 DATA DO

Leia mais