Sistemas de Remuneração. Gestão dos Recursos Humanos OGE+GE+AP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Remuneração. Gestão dos Recursos Humanos OGE+GE+AP"

Transcrição

1 Sistemas de Remuneração Gestão dos Recursos Humanos OGE+GE+AP 1

2 Características dos salários Pagos em dinheiro ou espécie Assume um carácter de regularidade e periodicidade Assume-se enquanto contrapartida de um trabalho prestado 2

3 Regularidade Salarial Não se traduz na obrigatoriedade de ser pago com carácter mensal podendo ser acordado entre as partes. Ex. em algumas multinacionais paga-se à semana. 3

4 Contrapartidas financeiras Assenta no pressuposto da existência de um trabalho subordinado. Este facto distingue-o de outras contrapartidas financeiras como, por exemplo, os honorários ou as avenças, resultantes da modalidade contratual em regime de prestação de serviços 4

5 Descontos Trabalhador 11% de desconto sobre o salário bruto do empregado Empregador 23,75% de desconto sobre o salário bruto do empregado 5

6 Descontos oficiais TSU e IRS Exemplo: nº de trabalhadores contratados a termo + de 15% A duração dos contratos + de 3 anos entre 4 e 5 anos Aumento de 0,6 %, ou seja 23,75% + 0,6% = 24,35% superiores a 5 anos Aumento de 1 %, ou seja 23,75% + 1% = 24,75% No caso do contrato a termo se converter em contrato sem termo, o empregador é compensado com a majoração dispendida em igual período e montante. 6

7 Que tipo de variáveis estão isentas de IRS? Subsídio de refeição excepto na parte que exceder em 50% o limite legal estabelecido, ou em 70% sempre que o respectivo subsídio seja através de vales de refeição. Limite actual: (5,75 ) Vales de refeição: (6,51 ) Indemnizações por revogação de contratos de trabalho, excepto na parte que exceda o valor correspondente a uma vez e meia o valor médio das remunerações fixas sujeitas a imposto,auferidas nos últimos 12 meses, multiplicando pelo número de anos ou fracção de antiguidade ou de exercício de função na entidade devedora. Prestações afectadas pelas entidades patronais para os regimes de segurança social caso de reforma, invalidez e sobrevivência. 7

8 O conceito de salário pode assumir duas formas: Salário Fixo Identifica-se pelo salário base acrescido das prestações regulares e periódicas resultantes da prestação do trabalho Salário Variável Em função dos resultados obtidos pelo empregado, poderá ou não ser atribuído um valor pecuniário compensatório Os prémios e os bónus enquadram-se aqui pois dependem da introdução na empresa de um sistema de gestão por objectivos 8

9 Prémios e Bónus O prémio ou o bónus é, em muitos casos, atribuído de acordo com uma periodicidade anual. E para coincidir com o ciclo de negócios da empresa, este refere-se ao trabalho ocorrido de Janeiro a Dezembro do mesmo ano 9

10 Salários variáveis As empresas receiam recorrer a esta modalidade, na medida em que esta pode tornar-se perigosa para a empresa pois pode representar custos adicionais Em boa verdade o receio da perigosidade dos salários base elevados deve ser minimizado se assumirmos que existe uma tendência nas empresas, hoje, para assumirem uma orientação de redução do seu quadro de pessoal 10

11 Vantagens de um salário elevado Incremento da produtividade através de um quadro de pessoal menor Maior produtividade global Maior capacidade efectiva Vantagem competitiva 11

12 Vantagem dos salários mais elevados Empresa X 2000 trabalhadores, custo anual per capita índice de produtividade 4 Custo anual de produzindo um output de (2000 x x 4 = ) Empresa Y Redução de 2000 para 1500 trabalhadores e índice de produtividade de 6 Massa salarial de (5% acima do custo inicial) produzindo um output de (acréscimo de 125% resultante de: 1500 x x 6 = ) 12

13 Então se nos referir-mos às modalidades de salários, temos Fixo Variável Base = remuneração Base + subsídios = retribuição Curto prazo Médio e longo prazo 13

14 Cálculo do vencimento Hora RM (retribuição mensal) N (período normal de trabalho semanal) Ex.: 748, Resultado:4,31 14

15 Exercício O senhor José aufere mensalmente a importância de 2827,20. Actualmente trabalha das 9h às 17h, de Segunda a Sexta Feira. Qual o valor da retribuição horária do senhor José? 15

16 Cálculo de horas de trabalho nocturno Vencimento base: 1,000 Vencimento hora: 5,77 Se tiver que processar 16 horas de trabalho nocturno 5,77 25% = 1,44 16 h = 23,04 23,04 Valor pago pelo trabalho nocturno. A este valor acresce 5,77 por cada hora 92, ,04 = 115,36 16

17 Exercício O senhor José trabalhou 20 horas de trabalho nocturno em Fevereiro. Face ao exposto quanto terá de ser processado ao senhor José pelas horas efectuadas? 17

18 Cálculo do subsídio de férias Vencimento base = 1,250 Apurar o Vencimento Hora [vencimento base horas semanais 12 meses 52 semanas] = 1, x = 7,21 Apurar o Valor Dia [vencimento hora (horas semanais 52 semanas 12meses) 22 dias úteis] = 7,21 ( =173,33) 22 = 56,81 Aquisição do direito a férias 2 dias úteis por cada mês efectivo de trabalho prestado. Então, teremos: 56,81 22 dias =

19 Exercício O senhor Vicente trabalhou o ano passado sem ter dado nenhuma falta. Entretanto, já marcou a totalidade de dias de férias para este ano a gozar no mês de Agosto, e pretende saber qual o subsidio inerente a que tem direito. Respondendo ao senhor Vicente diga quanto ele auferirá respeitante a esse subsídio nas férias deste ano. 19

20 Cálculo dos proporcionais referentes ao ano da saída em contrato sem termo Admissão: 02/01/2007 s/termo Saída: 31/01/2008 Vencimento base = 1,250 Apurar o Vencimento Hora = 1, = 7,21 Apurar o Valor Dia = 7,21 ( =173,33 ) 22 = 56,81 Então, teremos: 56,81 22 dias = 1,250 20

21 Teremos nas contas finais: Subsídio de férias ano anterior: 1,250 referentes a 22 dias úteis do ano anterior Férias não gozadas ano anterior: 1,250 referentes a 22 dias úteis do ano anterior Pagamento parcial subsídio de férias ano corrente: 56,81 2 dias úteis ref. ano corrente = 113,62 (1,249,82 ) ou 1, =113,64 (1,250,04 ) Pagamento parcial férias não gozadas ano corrente: 113,64 Subsídio de Natal ano corrente: 1, = 41,67 2,5 dias = 104,18 [Valor hora (40 horas 52 12) 12 ou RM 1]/12 Então, 7,21 173, m = 104,18 = 2,5 dias 21

22 Exercício Gervásio e Herculano são trabalhadores contratados sem termo em 23/04/2007 tendo saído da empresa em 02/03/2008. Calcule os proporcionais referentes ao ano de saída. 22

23 Cálculo dos proporcionais referentes ao ano da saída em contrato a termo certo Admissão: 01/10/2007 Termo certo 6 meses Saída: 31/03/ ,81 22 dias = Valor hora: 7,21 23

24 Então, teremos nas contas finais: Subsídio de férias ano corrente: 6m 2 = 12 dias úteis = 56,81 12 = 681,72 Férias não gozadas ano corrente: 6 m 2 = 12 dias úteis = Subsídio de Natal ano corrente: 1, = 41,67 2,5 dias 6 m = 15 dias 41,67 = 625,05 ou RM

25 Exercício Josué, foi admitido em 25/06/2007 em contrato a termo certo. Tendo saído a 25/03/2008, calcule os respectivos proporcionais para a modalidade em contrato 25

26 Se a entidade patronal não renovar o contrato o colaborador terá direito a uma compensação/ indemnização: 6 meses 3 dias por cada mês efectivo de trabalho prestado = 18 dias 18 dias 8 horas = 144 horas 7,21 = 1,038,24. 26

27 Exercício Qual o montante da indemnização que a entidade patronal terá de pagar a Josué? 27

28 Cálculo do trabalho extraordinário prestado nos feriados Vencimento base: Valor hora: = 5.77 Trabalho em dia Feriado acréscimo 100% horas = % = 46,16 ou seja 1 dia feriado =

29 Cálculo do trabalho extraordinário prestado em dia normal Vencimento base: RM(remuneração mensal) 12 52(semanas) (carga horária semanal) Após apurar o valor hora (5.77 ) vai fazer um acréscimo de 50% na 1ª hora de trabalho extraordinário e 75% na segunda e restantes. 1.ª hora % = 2.89 = ª hora % = 4.33 = horas = Total sobre 8 h de trabalho extraordinário =

30 Exercício Isaltino, aufere um vencimento de 800, e realizou no passado mês de Fevereiro 10 horas de trabalho extraordinário prestados em dia normal. Quanto terá a receber por esse trabalho prestado? 30

31 Como calcular a IHT? Código do Trabalho Artigo 173.º, n.º 3 Obrigatória comunicação à IGT Vencimento Base: 997,60 Salário Hora: [valor hora (média horas mensais trabalho extraordinário) 50% ] ou 100% O trabalhador com IHT pode fazer 2 horas de trabalho extraordinário/dia, daí o acréscimo de 50%+50%=100% Então, 5,76 21,5 50% = 185,76 ou 100% = 247,68 31

32 Exercício Leonel é Director de Recursos Humanos e acordou com a empresa estar em regime de isenção de horário de trabalho. A remuneração de Leonel é de 6000 mensais. Trabalhou 27 horas de trabalho extraordinário Calcule a respectiva IHT. 32

33 Subsídio de doença vs maternidade Enquadramento Lei n.º 35/2004 de 29/07 Artigo 191.º Requerimento Possibilidade de fiscalização das situações de doença através do médico designado pelo empregador, após intervenção da Segurança Social Baixas por doença e maternidade DL n.º 28/2004 de 4 Fevereiro com a redacção dada pelo DL n.º 146/2005 de 26/08 Regime Jurídico de Protecção na Doença Subsídio de doença Condições de acesso: 6 meses seguidos ou interpolados com registo de remunerações. Período de concessão 1095 dias, no máximo (3 anos); Sem limite de tempo, se a doença for tuberculose; Não é pago nos 3 primeiros dias, excepto nos casos de tuberculose ou internamento hospitalar. 33

34 34

35 A remuneração de referência é calculada da seguinte forma: R/180, em que R = Total de remunerações registadas nos 6 meses civis que precedem o 2.º mês do início da doença. 180 = 30 dias 6 meses Aumento de 5% do subsídio de doença para famílias que incluem crianças e jovens deficientes e para os que têm uma remuneração mensal igual ou inferior a 500 ; Entrega da declaração de doença, que reduz de seis meses para cinco dias úteis a contar da data de início da situação de incapacidade temporária. 35

36 Maternidade Incapacidade ou indisponibilidade para o trabalho, por motivo de gravidez, paternidade, adopção, assistência a filhos, assistência na doença a filhos do beneficiário ou do cônjuge e a adoptados, menores ou deficientes, assistência a deficientes profundos e doentes crónicos e nascimento de netos; 6 meses civis, seguidos ou interpolados, com registo de remunerações, referentes ao 2º mês que precede a data do facto determinante da protecção (1º dia de impedimento para o trabalho); 36

37 Cálculo das prestações O cálculo das prestações, para a generalidade dos beneficiários, é efectuado com base numa remuneração de referência definida por R/180 Ex.: /180 = dias =

38 Subsídio de Maternidade Condições especiais de atribuição Impedimento para o trabalho da beneficiária, por motivo de maternidade. Período de concessão 120 dias seguidos, com um período mínimo obrigatório de 6 semanas. Este período é acrescido de 30 dias, por cada gémeo, além do primeiro, em caso de nascimentos múltiplos. Aborto conforme prescrição médica, 14 a 30 dias. Montante 100 % da remuneração de referência, não podendo ser inferior a 50 % do salário mínimo nacional. 38

39 Subsídio de Paternidade Código do Trabalho Artigo 36.º Licença por paternidade 1. Licença de 5 dias úteis a seguir ao nascimento ou durante o 1.º mês. 2. Período igual àquele a que a mãe teria ainda, direito, depois do parto, no caso de: a) Incapacidade física ou psíquica da mãe e enquanto a mesma se mantiver; b) Morte da mãe (período mínimo: 30 dias); c) decisão conjunta dos pais (a mãe gozará, obrigatoriamente 6 semanas de licença); Montante 100 % da remuneração de referência, não podendo ser inferior a 50% do salário mínimo nacional. 39

40 Subsídio por licença parental Período de concessão É atribuído durante os primeiros 15 dias de licença parental, gozados pelo pai, desde que imediatamente subsequentes à licença de maternidade ou paternidade. Montante 100% da remuneração de referência. 40

41 Enquadramento Lei n.º 35/2004 Artigo 68.º Licença por maternidade 1. A trabalhadora pode optar por uma licença por maternidade superior em 25% à prevista no n.º 1 do artigo 35.º do Código do Trabalho, devendo o acréscimo ser gozado necessariamente a seguir ao parto, nos termos da legislação da segurança social. 120 dias + 30 dias = 150 dias 2. A trabalhadora deve informar o empregador até sete dias após o parto de qual a modalidade de licença por maternidade por que opta, presumindo-se, na falta de declaração, que a licença tem a duração de 120 dias. Nota: Licença de maternidade de 120 dias = 100% de comparticipação Licença de maternidade de 150 dias = 80% de comparticipação 41

42 Pirâmide de remunerações Salário de qualificação (salário base) Salário individualizado (prémios, fixos, complementos salariais, modulação individual, horas extras) Salário dependente da performance (Comissões, bónus, prémios de objectivos, e podem ser individualizados ou em grupo) 42

43 Complementos da Remuneração Interesses na produtividade e nos resultados Stock options Plano de Poupança empresa Participação Interesses Na produtividade E nos resultados 43

44 Complementos de Remuneração a Curto Prazo (normalmente em espécie) Tendencialmente colectivos Membro de um clube desportivo Subsidio de alimentação Instalações para tempos livres Apoio jurídico e financeiro Bolsas de apoio ao estudo dos filhos Empréstimos por parte da empresa Ajuda familiar Descontos em serviços da empresa Tendencialmente individuais Membros de uma organização profissional Oferta de habitação Telefone pessoal Pagamento de despesas de representação Automóvel da empresa Oferta de viagens Pagamento de despesas de deslocação 44

45 Complementos da Remuneração a Longo Prazo Previdência familiar Seguro de doença Lar da 3.ª Idade Invalidez Seguro contra riscos (vários) Seguro de vida Seguro automóvel Complemento de reforma Distinção profissional Conta poupança 45

46 Acordo de empresa e negociação salarial Empregador Associação sindical Associação sindical Processo de negociação Associação sindical Associação sindical Acordo de empresa 46

47 Acordo colectivo e negociação salarial Empregador Empregador Empregador Empregador Processo de negociação Acordo de empresa Associação sindical Associação sindical Associação sindical Associação sindical 47

48 Contrato colectivo e negociação salarial Associação patronal Associação sindical Processo de negociação Associação sindical Associação sindical Associação sindical Contrato Colectivo 48

49 Recibo de Vencimento Na folha de pagamento deve constar pelo menos a seguinte informação: Nome completo do empregado; Período a que se refere a retribuição; Número de inscrição na instituição de previdência; Referência às importâncias das horas extraordinárias; Referência às importâncias relacionadas com a prestação de trabalho em dias de descanso, semanal ou feriado; Os vários descontos e as deduções especificadas; Montante líquido a receber. 49

50 Pagamento do salário A entidade patronal pode pagar através de cheque bancário, vale postal ou depósito à ordem do trabalhador. Existem alguns princípios em relação aos quais é preciso atender, como sejam: O recibo de vencimento deve ser entregue até à data do vencimento da retribuição; Quaisquer despesas efectuadas com a conversão dos títulos de crédito em dinheiro ou com o levantamento, por acto único, da retribuição, são da responsabilidade da empresa, desde que o trabalhador faça prova dessas despesas através de suporte documental; 50

51 51

52 Os Incentivos salariais têm como objectivo Premiar o bom desempenho e atender a um pressuposto previamente negociado ou acordado entre empregador e empregado Um programa de incentivos relaciona o quantitativo da recompensa com a produtividade do indivíduo 52

53 Importância da manutenção dos incentivos Os incentivos podem ser analisados na óptica dos motivadores extrínsecos Embora não se deva desvalorizar os programas de incentivos, estes podem apresentar custos adicionais para as organizações 53

54 Tomemos como exemplo: teorias passadas lógica do reforço positivo a frustração pode assumir proporções acrescidas em consequência da percepção alguns programas de incentivos, quando apenas ligados a desempenhos individuais As recompensas afectam negativamente o processo criativo As recompensas desviam a atenção para o materialismo 54

55 Pressupostos do sistema de recompensas conhecer de forma inequívoca os objectivos globais da empresa a cultura organizacional deve assentar no princípio da confiança. os incentivos, embora possam ser diferenciados, devem assumir carácter de continuidade e orientar-se para um mesmo sentido. Neste contexto, os incentivos devem ser percepcionados enquanto resultantes de um reconhecimento pelo bom desempenho e não enquanto forma de controlo desses gestores por partes dos seus superiores hierárquicos O principal objectivo subjacente à atribuição desses incentivos relaciona-se com a importância do reforço da auto-estima e da autorealização. 55

56 56

57 Razões dos Benefícios Os benefícios sociais abrangem todos os colaboradores da organização e trabalham os aspectos que se enquadram na teoria da motivação de Maslow 57

58 58

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.4) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Código do trabalho: Lei 99/2003, de 27 de Agosto Grávida, puérpera e lactante art. 34 Licença de maternidade 35º/68º Em situação de risco clínico na gravidez 35º/68º Licença

Leia mais

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho)

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho) O QUE DIZ O CÓDIGO DE TRABALHO - PRIVADO (IPSS) - O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA Regime da Função Pública FALTAS As ausências inferiores a um dia são somadas até perfazerem

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE A tributação nesta Categoria de rendimentos é fundamentalmente baseada na existência de uma remuneração proveniente do trabalho por conta de outrém. A classificação como

Leia mais

Apoio Social à Maternidade e Paternidade

Apoio Social à Maternidade e Paternidade Apoio Social à Maternidade e Paternidade Compete aos serviços de saúde proporcionar à mulher o conhecimento sobre as condições de apoio que o estado pode dar à prossecução da gravidez e à maternidade.

Leia mais

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro As Mudanças na Maternidade e Paternidade Inês Albuquerque e Castro Nova terminologia Licença em situação de risco clínico durante a gravidez; Licença por interrupção de gravidez; Licença parental, em qualquer

Leia mais

Noções de Processamento Salarial

Noções de Processamento Salarial C A P Í T U L O I Noções de Processamento Salarial MANUAL PRÁTICO LIDEL n Noções de Processamento Salarial Apresentamos neste capítulo algumas noções básicas de processamento salarial na vertente administrativa

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória Legislação da Maternidade e da Paternidade Leis da maternidade e da paternidade (Código do Trabalho e Regulamentação do Código do Trabalho) Consagração do direito que assiste à familia, de protecção da

Leia mais

Código Contributivo Uma nova visão. Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2010 Deloitte & Associados, SROC, SA

Código Contributivo Uma nova visão. Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2010 Deloitte & Associados, SROC, SA Código Contributivo Uma nova visão Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2 Novo Código Contributivo Tax Global Employer Services Alargamento da base contributiva Código Contributivo Aproximação ao Código do

Leia mais

Apoio Social à Maternidade e Paternidade

Apoio Social à Maternidade e Paternidade Apoio Social à Maternidade e Paternidade 2 Compete aos serviços de saúde proporcionar à mulher o conhecimento sobre as condições de apoio que o estado pode dar à prossecução da gravidez e à maternidade.

Leia mais

Lei da protecção da maternidade e da paternidade

Lei da protecção da maternidade e da paternidade Lei da protecção da maternidade e da paternidade Decreto-Lei n.º 194/96 de 16 de Outubro Revoga o Decreto-Lei n.º 135/85, de 3 de Maio, e regulamenta as últimas alterações à lei da maternidade e da paternidade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 194/96, de 16 de Outubro

Decreto-Lei n.º 194/96, de 16 de Outubro Decreto-Lei n.º 194/96, de 16 de Outubro A Lei n.º 17/95, de 9 de Junho, que reviu a Lei n.º 4/84, de 5 de Abril, relativa à protecção da maternidade e da paternidade, determina, no seu artigo 4.º, que

Leia mais

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe).

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Parentalidade Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Adopção equiparada à licença parental. Trabalhadores independentes com direitos alargados.

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

A Maternidade e a Paternidade dos Docentes

A Maternidade e a Paternidade dos Docentes Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades A Maternidade e a Paternidade dos Docentes A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes. A mãe e

Leia mais

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM MUNICIPIO DE CASTRO MARIM Câmara Municipal REGULAMENTO, INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO MARIM Regulamento Interno de Funcionamento, Atendimento

Leia mais

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE Denominação da entidade empregadora: informa que, de acordo com a legislação em vigor, designadamente

Leia mais

Lei n.º 17/95 de 9 de Junho

Lei n.º 17/95 de 9 de Junho Lei n.º 17/95 de 9 de Junho Estabelece protecção social aos agregados familiares de que façam parte deficientes profundos e doentes crónicos A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º,

Leia mais

Lei da maternidade e da paternidade

Lei da maternidade e da paternidade Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Lei da maternidade e da paternidade "Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação

Leia mais

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados. TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente:

A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente: ENTIDADES EMPREGADORAS 1. Inscrição na segurança social Como é feita a inscrição A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente: Através dos elementos remetidos

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes PARENTALIDADE A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação ao

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl REGIMES de Previdência Social: - Trabalhadores por Conta de Outrem - Trabalhadores por Conta Própria/Independentes - Agentes da Administração Pública Central -

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.10) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.16) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 52/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 52/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 52/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a alínea b) do artigo 18 da Lei nº 7/04, Lei de Bases da Protecção Social, consagra a protecção na maternidade

Leia mais

As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho

As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho A tão aguardada e falada terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009 de 12 de Fevereiro,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO, HORÁRIO DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO NOTA JUSTIFICATIVA A entrada em vigor da Lei n.º 59/2008, de

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade Conciliação do Trabalho com a Família e a vida pessoal Para pais, filhos e avós SITRA 1 Este guia sumário de Direitos é apenas informativo e destina-se fundamentalmente a resolver

Leia mais

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO Rua Braamcamp, 88-2º Dto. - 1269-111 LISBOA Tel. 21 386 00 55 / Fax 21 386 07 85 www.ste.pt / ste@ste.pt PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE 1.O STE considera que a melhor

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 A Lei nº 23/2012, de 25 de Junho procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro. Principais

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 12/83, de 12 de Fevereiro. Regulamenta a base de incidência das contribuições para a segurança social

Decreto Regulamentar n.º 12/83, de 12 de Fevereiro. Regulamenta a base de incidência das contribuições para a segurança social Decreto Regulamentar n.º 12/83, de 12 de Fevereiro Regulamenta a base de incidência das contribuições para a segurança social 1. A regulamentação vigente sobre a base de incidência das contribuições para

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril No âmbito da concretização do direito à segurança social de todos os trabalhadores, a Lei n.º 4/2009, de 29 de Janeiro,

Leia mais

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009.

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 1/200 /2009 Data: 30 de Abril de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: PARENTALIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER Código do Trabalho Decreto-Lei nº91/2009, de 9 de Abril,

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 1- Falta: Considera-se falta a ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a atividade durante

Leia mais

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

Maternidade. Quanto tempo dura a licença de maternidade? Gémeos. Risco clínico (gravidez de risco) Aborto. Internamento depois do parto

Maternidade. Quanto tempo dura a licença de maternidade? Gémeos. Risco clínico (gravidez de risco) Aborto. Internamento depois do parto Maternidade Quanto tempo dura a licença de maternidade? A mãe trabalhadora tem direito a 120 ou 150 dias seguidos de licença de maternidade. Destes, 30 podem ser gozados antes do parto. Gémeos Se nascerem

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n. PARECER N.º 88/CITE/2010 Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.º 396 DV/2008 I OBJECTO 1.1. A CITE recebeu em 28 de Julho de 2008, um

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho

Alterações ao Código do Trabalho São três as alterações: Lei nº 53/2011, de 14 de Outubro Primeira alteração, revogada (parcialmente) pela terceira alteração. Lei 3/2012, de 10 de Janeiro Segunda alteração, revogada (parcialmente) pela

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE HORÁRIOS DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MURÇA NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO INTERNO DE HORÁRIOS DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MURÇA NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO INTERNO DE HORÁRIOS DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MURÇA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do disposto no art.º 115º da Lei 59/2008, de 11 de Setembro,

Leia mais

Os artistas sujeitos ao regime dos independentes podem optar, como a generalidade dos restantes trabalhadores, entre dois esquemas de protecção.

Os artistas sujeitos ao regime dos independentes podem optar, como a generalidade dos restantes trabalhadores, entre dois esquemas de protecção. I. o regime de protecção social aplicável aos artistas tem algumas particularidades em relação ao regime geral, porque se reconhece que as condições do exercício da sua actividade, designadamente uma certa

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2015/janeiro/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2015

Leia mais

TRABALHADOR - ESTUDANTE

TRABALHADOR - ESTUDANTE TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalhador-Estudante Trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento em instituição

Leia mais

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança -

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança - Regime Fiscal i) Pessoas Singulares 1. PPR Plano Poupança Reforma pág.2 2. Seguros Vida: Capitalização e Reais pág.4 3. Seguros de Acidentes Pessoais pág.4 4. Seguro de Saúde pág.5 5. Regimes Especiais

Leia mais

Segurança Social Manual Prático

Segurança Social Manual Prático Segurança Social Manual Prático (8.ª Edição) Actualização N.º 3 Segurança Social Manual Prático 2 TÍTULO: AUTORES: SEGURANÇA SOCIAL MANUAL PRÁTICO Actualização N.º 3 Apelles J. B. Conceição EDITOR: EDIÇÕES

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade Conciliação do Trabalho com a Família e a vida pessoal Para pais, filhos e avós 1 Este guia sumário de Direitos é apenas informativo e destina-se fundamentalmente a resolver

Leia mais

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e ESTATUTO DO PESSOAL Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de 6 de Julho de 2000.

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade 1 - INFORMAÇÃO POR PARTE DA ENTIDADE EMPREGADORA (Artigos 24.º n.º 4 e 127º nº 4 do Código do Trabalho) O empregador deve afixar nas instalações da empresa, em local apropriado,

Leia mais

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva Feriados, férias e faltas Feriados: 234 a 236 (ex-208 a 210) Férias: 237 a 247 (ex-211 a 223) Faltas: 248 a 257 (ex-224

Leia mais

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014;

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014; 7 de Agosto 2014 Direito do Trabalho Em 24 e 30 de Julho de 2014 foram publicadas quatro Portarias com o objectivo de combater o desemprego, e sobretudo o desemprego jovem, a saber: A Portaria 149-A/2014,

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro REPÚBLICA DE ANGOLA PRESIDENTE DA REPÚBLICA DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro Considerando a necessidade de se regulamentar de modo sistemático as prestações que integram o regime jurídico

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral 3. Proteção na parentalidade Tânia Santos Direito Laboral Protecção na parentalidade conciliação entre a vida profissional e as situações de maternidade e paternidade. Concretiza-se na consagração de normas

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a Clientes com perfil de risco conservador, que privilegiam a preservação do capital investido e a

Leia mais

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente DESPACHO Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente Face à entrada em vigor da Lei n.º 68/2013 de 29 de agosto e às alterações provocadas no regime da duração

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS I Encontro sobre Aleitamento Materno da ULS da Guarda, 7 e 8 Outubro 2011 Paula Rabaça Semana Mundial do Aleitamento Materno 2011: Comunicação! Aleitamento Materno Experiência

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Notas Sobre o Direito do Trabalho Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Notas sobre o Direito do Trabalho As empresas já instaladas bem como

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

Tutela da Parentalidade. Catarina de Oliveira Carvalho

Tutela da Parentalidade. Catarina de Oliveira Carvalho Tutela da Parentalidade Catarina de Oliveira Carvalho 1 Análise do regime legal português Início de vigência O novo Código do Trabalho publicado em 12/02/2009 + vacatio legis = entrada em vigor em 17/02/09

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS DE, FALTAS E LICENÇAS TIPO DE AUSÊNCIA BASE LEGAL PERÍODO Secção I - Pessoal Nomeado Funcionário até aos 39 anos de idade alínea a) do nº 1 do artº 2º e artº 4º do D.L nº 100/99 - na redacção dada pelo

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações compensatórias dos subsídios

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004.

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3/2004 Data:2 de Setembro de 2004 RECURSOS HUMANOS Nº PAUTA: 203.14 ASSUNTO: PROTECÇÃO DA MATERNIDADE E DA PATERNIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho e Regulamentação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

1.1. Falta é a ausência do trabalhador no local de trabalho e durante o período em que devia desempenhar a actividade a que está adstrito.

1.1. Falta é a ausência do trabalhador no local de trabalho e durante o período em que devia desempenhar a actividade a que está adstrito. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº. 5/2004 De 26 de Novembro de 2004 Nº. Pauta 203.14 ASSUNTO: FALTAS ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER; Código do Trabalho; REVOGAÇÕES: Orientação Normativa nº.02/2000,

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO DESPACHO Para efeitos de apoio à implementação das medidas previstas na Lei do Orçamento do Estado para 2013, é aprovada a nota técnica em anexo, a qual deverá ser divulgada pela Direção Geral do Orçamento

Leia mais