ABNT NBR5410: Objetivos. Prof. Getúlio Teruo Tateoki

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABNT NBR5410: Objetivos. Prof. Getúlio Teruo Tateoki"

Transcrição

1 ABNT NBR5410: 5410 Objetivos Prof. Getúlio Teruo Tateoki

2 Objetivo Estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki 2

3 Objetivo Aplica-se principalmente às instalações elétricas de edificações, qualquer que seja seu uso (residencial, comercial, público, industrial, de serviços, agropecuário, hortigranjeiro etc.), incluindo as préfabricadas. Instalações elétricas 3

4 Objetivo Aplica-se também às instalações elétricas: em áreas descobertas das propriedades, externas às edificações; de reboques de acampamento (trailers), locais de acampamento (campings), marinas e instalações análogas; e de canteiros de obra, feiras, exposições e outras instalações temporárias. Instalações elétricas 4

5 Objetivo Aplica-se: aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a V em corrente alternada, com freqüências inferiores a 400 Hz, ou a V em corrente contínua; Instalações elétricas 5

6 Objetivo Aplica-se: a toda fiação e a toda linha elétrica que não sejam cobertas pelas normas relativas aos equipamentos de utilização; e Instalações elétricas 6

7 Objetivo Aplica-se às instalações novas e a reformas em instalações existentes. Instalações elétricas 7

8 Objetivo Não se aplica a: instalações de tração elétrica; instalações elétricas de veículos automotores; instalações elétricas de embarcações e aeronaves; equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, na medida que não comprometam a segurança das instalações; Instalações elétricas 8

9 Objetivo Não se aplica a: instalações de iluminação pública; redes públicas de distribuição de energia elétrica; instalações de proteção contra quedas diretas de raios. No entanto, considera as conseqüências dos fenômenos atmosféricos sobre as instalações (por exemplo, seleção dos dispositivos de proteção contra sobretensões); Instalações elétricas 9

10 Objetivo Não se aplica a: instalações em minas; instalações de cercas eletrificadas (ver IEC ). Instalações elétricas 10

11 Objetivo Os componentes da instalação são considerados apenas no que concerne à sua seleção e condições de instalação. A aplicação desta Norma não dispensa o atendimento a outras normas complementares, aplicáveis a instalações e locais específicos. Instalações elétricas 11

12 Objetivo Exemplos de normas complementares: ABNT NBR 5413: 1992 Iluminância de interiores Procedimento ABNT NBR 5419: 2001 Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas ABNT NBR 13570: 1996 Instalações elétricas em locais de afluência de público Requisitos específicos Instalações elétricas 12

13 Objetivo A aplicação desta Norma não dispensa o respeito aos regulamentos de órgãos públicos aos quais a instalação deva satisfazer. Instalações elétricas 13

14 Objetivo As instalações elétricas cobertas por esta Norma estão sujeitas também, naquilo que for pertinente, às normas para fornecimento de energia estabelecidas pelas autoridades reguladoras e pelas empresas distribuidoras de eletricidade. Instalações elétricas 14

15 Referências normativas 5413: : : : : : 1996 Instalações elétricas 15

16 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Componentes da instalação componente: termo empregado para designar itens da instalação que, dependendo do contexto, podem ser materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos (de geração, conversão, transformação, transmissão, armazenamento, distribuição ou utilização de eletricidade), máquinas, conjuntos ou mesmo segmentos ou partes da instalação (por exemplo, linhas elétricas). Instalações elétricas 16

17 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Componentes da instalação quadro de distribuição principal: primeiro quadro de distribuição após a entrada da linha elétrica na edificação. Naturalmente, o termo se aplica a todo quadro que seja o único de uma edificação. Instalações elétricas 17

18 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Linhas elétricas linha de sinal: linha em que trafegam sinais eletrônicos, sejam eles de telecomunicações, de intercâmbio de dados, de controle, de automação etc. linha externa: linha que entra ou sai de uma edificação, seja a linha de energia, de sinal, uma tubulação de água, de gás ou de qualquer outra utilidade. Instalações elétricas 18

19 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Linhas elétricas ponto de entrega: ponto de conexão do sistema elétrico da empresa distribuidora de eletricidade com a instalação elétrica da(s) unidade(s) consumidora(s) e que delimita as responsabilidades da distribuidora, definidas pela autoridade reguladora. ponto de entrada: ponto em que uma linha externa penetra na edificação. Instalações elétricas 19

20 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Linhas elétricas ponto de utilização: ponto de uma linha elétrica destinado à conexão de equipamento de utilização. Instalações elétricas 20

21 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Linhas elétricas Um ponto de utilização pode ser classificado, entre outros critérios, de acordo com a tensão da linha elétrica, a natureza da carga prevista (ponto de luz, ponto para aquecedor, ponto para aparelho de arcondicionado etc.) e o tipo de conexão previsto (ponto de tomada, ponto de ligação direta). Uma linha elétrica pode ter um ou mais pontos de utilização. Um mesmo ponto de utilização pode alimentar um ou mais equipamentos de utilização. Instalações elétricas 21

22 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Linhas elétricas ponto de tomada: ponto de utilização em que a conexão do equipamento ou equipamentos a serem alimentados é feita por tomada de corrente. Instalações elétricas 22

23 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Linhas elétricas Um ponto de tomada pode conter uma ou mais tomadas de corrente. Um ponto de tomada pode ser classificado, entre outros critérios, de acordo com a tensão do circuito que o alimenta, o número de tomadas de corrente nele previsto, o tipo de equipamento a ser alimentado (quando houver algum que tenha sido especialmente previsto para utilização do ponto) e a corrente nominal da ou das tomadas de corrente nele utilizadas. Instalações elétricas 23

24 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Serviços de segurança serviços de segurança: serviços essenciais em uma edificação para a segurança das pessoas; evitar danos ao ambiente ou aos bens. Instalações elétricas 24

25 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Serviços de segurança exemplos: iluminação de segurança (de emergência), bombas de incêndio, elevadores para brigada de incêndio e bombeiros, sistemas de alarme, como os de incêndio, fumaça, CO e intrusão, sistemas de exaustão de fumaça, equipamentos médicos essenciais. Instalações elétricas 25

26 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Serviços de segurança alimentação ou fonte normal: alimentação ou fonte responsável pelo fornecimento regular de energia elétrica. Uma determinada alimentação pode ser a normal durante certo período de tempo e não ser em outro. Por exemplo, em uma instalação cujo consumo de energia elétrica é suprido pela rede de distribuição pública durante certos períodos do dia, mas por geração própria em outros, a fonte normal pode ser a rede pública ou a geração local, dependendo do período considerado. Instalações elétricas 26

27 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Serviços de segurança alimentação ou fonte reserva: alimentação ou fonte que substitui ou complementa a fonte normal. alimentação ou fonte de segurança: alimentação ou fonte destinada a assegurar o fornecimento de energia elétrica a equipamentos essenciais para os serviços de segurança. Instalações elétricas 27

28 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Serviços de segurança O conceito de fonte de segurança está associado à função (serviços de segurança) desempenhada por equipamentos que a fonte alimenta, enquanto o conceito de fonte de reserva está associado ao fato de a fonte complementar a fonte normal ou suprir a sua falta. Como se trata de atributos distintos, que não são incompatíveis, uma fonte pode ser, ao mesmo tempo, de segurança e de reserva, desde que reúna os dois atributos. Mas uma fonte de reserva destinada a alimentar exclusivamente equipamentos outros que não os de serviços de segurança não pode ser qualificada como de segurança. Instalações elétricas 28

29 Definições (ABNT IEC 60050(826)) Serviços de segurança Uma alimentação de segurança pode eventualmente atender a outros equipamentos, além dos essenciais aos serviços de segurança, observados os requisitos desta Norma. Esta Norma não inclui prescrições específicas para alimentações de reserva destinadas a outros serviços que não os de segurança. Instalações elétricas 29

30 Princípios fundamentais Proteção contra choques elétricos As pessoas e os animais devem ser protegidos contra choques elétricos, seja o risco associado a contato acidental com parte viva perigosa, seja a falhas que possam colocar uma massa acidentalmente sob tensão. Instalações elétricas 30

31 Princípios fundamentais Proteção contra efeitos térmicos A instalação elétrica deve ser concebida e construída de maneira a excluir qualquer risco de incêndio de materiais inflamáveis, devido a temperaturas elevadas ou arcos elétricos. Além disso, em serviço normal, não deve haver riscos de queimaduras para as pessoas e os animais. Instalações elétricas 31

32 Princípios fundamentais Proteção contra sobrecorrentes As pessoas, os animais e os bens devem ser protegidos contra os efeitos negativos de temperaturas ou solicitações eletromecânicas excessivas resultantes de sobrecorrentes a que os condutores vivos possam ser submetidos. Instalações elétricas 32

33 Princípios fundamentais Circulação de correntes de falta Condutores que não os condutores vivos e outras partes destinadas a escoar correntes de falta devem poder suportar essas correntes sem atingir temperaturas excessivas. Instalações elétricas 33

34 Princípios fundamentais Circulação de correntes de falta Convém lembrar que tais partes estão sujeitas à circulação desde pequenas correntes de fuga a correntes de falta direta à terra ou à massa, passando por correntes de falta de intensidade inferior à de uma falta direta. No caso de condutores vivos, considera-se que sua suportabilidade às correntes de falta deve ser assegurada mediante proteção contra sobrecorrentes. Instalações elétricas 34

35 Princípios fundamentais Proteção contra sobretensões As pessoas, os animais e os bens devem ser protegidos contra as conseqüências prejudiciais de ocorrências que possam resultar em sobretensões, como faltas entre partes vivas de circuitos sob diferentes tensões, fenômenos atmosféricos e manobras. Instalações elétricas 35

36 Princípios fundamentais Serviços de segurança Equipamentos destinados a funcionar em situações de emergência, como incêndios, devem ter seu funcionamento assegurado a tempo e pelo tempo julgado necessário. Instalações elétricas 36

37 Princípios fundamentais Desligamento de emergência Sempre que forem previstas situações de perigo em que se faça necessário desenergizar um circuito, devem ser providos dispositivos de desligamento de emergência, facilmente identificáveis e rapidamente manobráveis. Instalações elétricas 37

38 Princípios fundamentais Seccionamento A alimentação da instalação elétrica, de seus circuitos e de seus equipamentos deve poder ser seccionada para fins de manutenção, verificação, localização de defeitos e reparos. Instalações elétricas 38

39 Princípios fundamentais Independência da instalação elétrica A instalação elétrica deve ser concebida e construída livre de qualquer influência mútua prejudicial entre instalações elétricas e nãoelétricas. Instalações elétricas 39

40 Princípios fundamentais Acessibilidade dos componentes Os componentes da instalação elétrica devem ser dispostos de modo a permitir espaço suficiente tanto para a instalação inicial quanto para a substituição posterior de partes, bem como acessibilidade para fins de operação, verificação, manutenção e reparos. Instalações elétricas 40

41 Princípios fundamentais Seleção dos componentes Os componentes da instalação elétrica devem ser conforme as normas técnicas aplicáveis e possuir características compatíveis com as condições elétricas, operacionais e ambientais a que forem submetidos. Se o componente selecionado não reunir, originalmente, essas características, devem ser providas medidas compensatórias, capazes de compatibilizá-las com as exigências da aplicação. Instalações elétricas 41

42 Princípios fundamentais Prevenção de efeitos danosos ou indesejados Na seleção dos componentes, devem ser levados em consideração os efeitos danosos ou indesejados que o componente possa apresentar, em serviço normal (incluindo operações de manobra), sobre outros componentes ou na rede de alimentação. Instalações elétricas 42

43 Princípios fundamentais Prevenção de efeitos danosos ou indesejados Entre as características e os fenômenos suscetíveis de gerar perturbações ou comprometer o desempenho satisfatório da instalação podem ser citados: o fator de potência; as correntes iniciais ou de energização; o desequilíbrio de fases; as harmônicas. Instalações elétricas 43

44 Princípios fundamentais Instalação dos componentes Toda instalação elétrica requer uma cuidadosa execução por pessoas qualificadas, de forma a assegurar, entre outros objetivos, que: as características dos componentes da instalação não sejam comprometidas durante sua montagem; os componentes da instalação, e os condutores em particular, fiquem adequadamente identificados; Instalações elétricas 44

45 Princípios fundamentais Instalação dos componentes nas conexões, o contato seja seguro e confiável; os componentes sejam instalados preservando-se as condições de resfriamento previstas; os componentes da instalação suscetíveis de produzir temperaturas elevadas ou arcos elétricos fiquem dispostos ou abrigados de modo a eliminar o risco de ignição de materiais inflamáveis; e as partes externas de componentes sujeitas a atingir temperaturas capazes de lesionar pessoas fiquem dispostas ou abrigadas de modo a garantir que as pessoas não corram risco de contatos acidentais com essas partes. Instalações elétricas 45

46 Princípios fundamentais Verificação da instalação As instalações elétricas devem ser inspecionadas e ensaiadas antes de sua entrada em funcionamento, bem como após cada reforma, com vistas a assegurar que elas foram executadas de acordo com esta Norma. Instalações elétricas 46

47 Princípios fundamentais Qualificação profissional O projeto, a execução, a verificação e a manutenção das instalações elétricas devem ser confiados somente a pessoas qualificadas a conceber e executar os trabalhos em conformidade com esta Norma. Instalações elétricas 47

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira NBR 5410 Evolução: Primeira edição em 1941 (Norma Brasileira para Execução de Instalações Elétricas). Segunda edição em 1960. Terceira edição

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

Apresentado por Hilton Moreno

Apresentado por Hilton Moreno Apresentado por Hilton Moreno Cuidando dos seus bens mais valiosos. Um projeto de conscientização e orientação sobre a necessidade de modernizar as instalações elétricas, minimizando os riscos de acidentes,

Leia mais

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR 8 e NR-10 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-8 Edificações Dispõe sobre os requisitos técnicos mínimos que devem ser observados nas edificações

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil Instalações Elétricas Prof.ª Letícia Chaves Fonseca Normas Técnicas: Instalações Elétricas ABNT NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão CELG-D: NTC-04 Fornecimento de Energia

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Prof. Marcos Fergütz fev/2014 - O Surto - Geração da Sobretensão(Surto): Descarga Atmosférica (raio) Direta; Indução por descarga

Leia mais

Proteção contra choques elétricos. Proteção em instalações elétricas. Proteção contra choques elétricos. Proteção contra choques elétricos

Proteção contra choques elétricos. Proteção em instalações elétricas. Proteção contra choques elétricos. Proteção contra choques elétricos Proteção em instalações elétricas Na disciplina de instalações elétricas, verificamos os quatro tipos de proteção previstos na NBR 5410: Proteção contra sobre tensão; Proteção contra sobrecorrente e curto-circuito;

Leia mais

NR 10. Prof. Felipe A. Camargo

NR 10. Prof. Felipe A. Camargo QMASS NR 10 Prof. Felipe A. Camargo NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE 01 10.1 - OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 10.1.1 Esta NR estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando

Leia mais

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta:

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta: DECRETO Nº 93.412, de 14/10/1986 Revoga o Decreto nº 92.212, de 26 de dezembro de 1985, regulamenta a Lei nº 7.369, de 20 de setembro de 1985, que institui salário adicional para empregados do setor de

Leia mais

Projetos Elétricos Especiais

Projetos Elétricos Especiais Projetos Elétricos Especiais Prof. Laís Hauck de Oliveira Disciplina de Projetos Elétricos Especiais - PEE Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Universidade do

Leia mais

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010 Capítulo 3 Proteção contra choques elétricos fundamentos 2008 by Pearson Education slide 1 3.1 A corrente elétrica no corpo humano A publicação IEC/TS 60479-1: Effects of current on human beings and livestock.

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

EVENTO BUS WAY ACE/CELESC

EVENTO BUS WAY ACE/CELESC EVENTO BUS WAY ACE/CELESC DISJUNTORES Definição Disjuntor Disjuntor: dispositivo de seccionamento automático para proteção de circuitos elétricos. Normas Vigentes no Brasil * NBR NM 60898:2004 (em processo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão LEGGA SOLUÇÕES EM ENERGIA Eng. Adriel de Oliveira Engenheiro Eletricista - CREA PR: 119.257/D Av. Santos Dumont, 633 Londrina PR Fones: (43) 3039-2142 / (43) 9150-1414 E-mail: adriel@legga.com.br Laudo

Leia mais

Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão

Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão Qual a norma vigente para instalações elétricas de piscinas? NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão 9.2.1 Campo de aplicação As prescrições complementares desta subseção são aplicáveis aos

Leia mais

Segurança em instalações e projetos, conforme a nova NR-10

Segurança em instalações e projetos, conforme a nova NR-10 Segurança em instalações e projetos, conforme a nova João Cunha Algumas questões iniciais 2 Norma x Regulamento Regulamento Técnico: Documento aprovado por órgãos governamentais em que se estabelecem as

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37. Subestação elétrica

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37. Subestação elétrica ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 37 Subestação elétrica SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS!

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS! Treinamento: Obrigatoriedade prevista na NR-10: Todos devem ter Treinamento básico de 40 horas; Trabalhos em SEP e proximidades o Treinamento complementar, além do básico, mais 40 horas Conteúdo e carga

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho SEGURANÇA DE PESSOAS: TECNOLOGIAS E CONCEITOS 1 Sumário Acidentes com a eletricidade. Porque acontecem Proteção contra choques elétricos Prevenção de

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 12/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 12/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus São João del-rei Questão 01 Considere um instrumento de medição básico de tensão de alcance 10 V e corrente máxima igual a 5 ma. Foi calculado um resistor de 24 Ω, com a finalidade de aumentar o calibre para 130 V. Calcule

Leia mais

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados.

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. Transmissores CA/CC Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. As Vantagens A classe de precisão é de 0,5 não há necessidade de reajustar as faixas comutáveis.

Leia mais

DISJUNTORES. Funções. b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 1P. Disjuntores. 2P Disjuntores.

DISJUNTORES. Funções. b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 1P. Disjuntores. 2P Disjuntores. 5 ka 127/230 V - 3 ka 230/400 V NOVIDADE NOVIDADE NOVIDADE DISJUNTORES b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 2 A - EZ9F33102 4 A - EZ9F33104 6 A EZ9F13106 EZ9F33106

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE

LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA (SISTEMAS ELETRÔNICOS EMBARCADOS) LAUDO TÉCNICO DE SEGURANÇA : SERVIÇOS COM ELETRICIDADE ADRIANO LEAL CARLOS

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

Dispositivos de proteção

Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção Conceitos básicos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

No-break. 650i / 650 / 850i / 850 / 1200i / 1200 / 2200 i / Protege seus dados e equipamentos eletrônicos

No-break. 650i / 650 / 850i / 850 / 1200i / 1200 / 2200 i / Protege seus dados e equipamentos eletrônicos 5E 650i / 650 / 850i / 850 / 00i / 00 / 00 i / 00 No-break Protege seus dados e equipamentos eletrônicos Eaton 5E 650i / 650 / 850i / 850 / 00i / 00 / 00i / 00 Instruções de segurança importantes Leia

Leia mais

Temporizador Eletrônico DT3000

Temporizador Eletrônico DT3000 Temporizador Eletrônico DT3000 Manual de Instalação e Manutenção BR Rev.00 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações gerais do produto 1 1. Termo de garantia A Spirax Sarco

Leia mais

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Florianópolis, 21 de outubro de 2013 Assuntos: Plano de Consultoria do Teste de Queima; Diagnóstico Inicial; Plano do Teste de Queima; Plano de

Leia mais

Descrição Geral: Conexões disponíveis:

Descrição Geral: Conexões disponíveis: Descrição Geral: Conexões disponíveis: - 3 - Instalação em banheiras de hidromassagem: Erros comuns de instalação: - 4 - Instalação elétrica: A montagem e instalação elétrica para a motobomba devem ser

Leia mais

Separata ao Boletim do Exército

Separata ao Boletim do Exército Separata ao Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO SEPARATA AO BE Nº 45/2015 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 105-DCT, DE 7 DE DEZEMBRO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2015 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Bloco Autônomo com Balizamento Acrílico Somente Emergência Código: AFLPA25X16 O Bloco Autônomo de Balizamento é constituído de um suporte de ferro e duas placas acrílicas que fixam, em seu interior, pictogramas

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 2 1. OBJETIVO Comunicar os procedimentos que devem ser adotados para homologação de conjuntos blindados

Leia mais

Sistemas de Proteção para minirredes com Sistemas Fotovoltaicos FINDER BRASIL 26/05/2011

Sistemas de Proteção para minirredes com Sistemas Fotovoltaicos FINDER BRASIL 26/05/2011 Sistemas de Proteção para minirredes com Sistemas Fotovoltaicos FINDER BRASIL 26/05/2011 Como proteger uma Minirrede Rural? As minirredes rurais autônomas, apesar de não estarem sujeitas as sobretensões

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM O Inversor de Emergência SLIM trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Fontes de alimentação

MANUAL DE INSTRUÇÕES Fontes de alimentação MANUAL DE INSTRUÇÕES Fontes de alimentação DT 150M FW 7333SM, 7362M, 7401M, 7405M, 7488M, 7555M, 7556M, 7660M, 7662M, 7721M, 8000M, 8001M, 8002M, 8030M, 8030M/DT TOC ÍNDICE ALEMÃO PARA SUA SEGURANÇA...

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 4 : Motores de indução trifásicos (MIT). Partida manual, reversão e ligação em estrela/triângulo. 1 - Introdução: Chaves manuais de partida de motores de indução trifásicos

Leia mais

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Tem o objetivo de evitar que o trabalhador entre em contato com partes móveis da máquina. Definições Maquinas

Leia mais

Proteção contra choques elétricos

Proteção contra choques elétricos 68 Capítulo V Proteção contra choques elétricos Por Eduardo Daniel* O princípio fundamental associado Exemplos de proteção supletiva podem providências que atendem à regra geral da às medidas de proteção

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED

MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED * Estas luminárias apenas ser montados em superfícies não-combustíveis (gesso, concreto, peças de metal, etc.), de modo que: "EM NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA

Leia mais

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada

Capítulo 2 - Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais 2.1. Simbologia Padronizada Capítulo 1 - Conceitos Básicos de Eletricidade para Aplicação em Instalações Elétricas 1.1. Tipos e Formas de Distribuição de Energia 1.1.1. Energia 1.2. Geração de Energia Elétrica 1.2.1. Barragem 1.2.2.

Leia mais

care Roubo ou Furto Qualificado

care Roubo ou Furto Qualificado Roubo ou Furto Qualificado Furto simples do bem segurado. Entende-se por Furto simples o furto comedo sem emprego de violência e sem que seja deixado qualquer ves gio; Estelionato, perda, extravio ou simples

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT/MT Características complementares Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão:

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções M MA AS ST E T ER R Manual de Instruções N MÁX.20A VOLTÍMETRO RL LZVT RACK RACK LIGHT LIGHT LIGA PROTEÇÃO SURTO D E S L I G A ENTRADA M N N N Á N N N N X 115V/230V 20A RACK LIGHT RL LZVT INSTRUÇÕES DE

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 Fernando Moreno Suarte Júnior Engenheiro Civil, Arquiteto e Urbanista Pós Graduação - MBA em Gestão Eficaz de Obras e Projetos Palmas

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte Inversora +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi)

bambozzi Manual de Instruções Fonte Inversora +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-06/08/2014 06/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

As máquinas no dia-a-dia das empresas. Vânia Xisto

As máquinas no dia-a-dia das empresas. Vânia Xisto As máquinas no dia-a-dia das empresas Vânia Xisto Índice: - Apresentação da empresa - Enquadramento Legal - Riscos associados -Metodologia de implementação e controlo de equipamentos -Formação - Considerações

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Art. 1 o Os equipamentos objeto desta regulamentação

Leia mais

NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Segurança e Saúde do Trabalho ao seu alcance! NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou efeito de prevenir ou de se prevenir;

Leia mais

Easy9 A melhor escolha

Easy9 A melhor escolha Easy9 A melhor escolha Segurança Conforto Praticidade > PROTEÇÃO DA INSTALAÇÃO Disjuntores modulares Easy9 A oferta de disjuntores modulares Easy9 é destinada ao comando e à proteção da instalação elétrica

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz Esquemático Simplificado Instalação residencial 3-Medidor 1-levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. NT-001 NT-001 Potência Total instalada

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários:

PLANO DE EMERGÊNCIA. Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.: 1 de 5 Responsável Técnico: Executante: Portador/ Ponto de Uso: Recursos Necessários: PLANO DE EMERGÊNCIA TÍTULO: PLANO DE EMERGÊNCIA N.º PRO- -DECG Pág.:

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

Ligação intencional à terra por meio da qual correntes elétricas podem fluir. Pode ser: Funcional: ligação à terra de um dos condutores do sistema.

Ligação intencional à terra por meio da qual correntes elétricas podem fluir. Pode ser: Funcional: ligação à terra de um dos condutores do sistema. ATERRAMENTO Ligação intencional à terra por meio da qual correntes elétricas podem fluir. Pode ser: Funcional: ligação à terra de um dos condutores do sistema. Proteção: ligação à terra das massas e dos

Leia mais

Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade

Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade Engenheiro Eletricista Edson Martinho Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade abracopel@abracopel.org.br 11-99688-1148 PROXIMIDADE COM A

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROJETO RESIDENCIAL MÓDULO I Introdução Prof. Marcos Fergütz setembro/2016 LEGISLAÇÃO CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Art. 10. O fornecedor

Leia mais

(12) Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: Jacareí/SP

(12) Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: Jacareí/SP (12) 9 7404.2887 Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: 12.305-490 - Jacareí/SP 02 Localizada no Vale do Paraíba, a Energy Economy surgiu com o intuito de gerar

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Bloco Autônomo de Iluminação de Emergência À Prova de Tempo (IP 65) - Com 01 Lâmpada Fluorescente de 8 W. Código AFMAC8IP O Bloco Autônomo com uma lâmpada fluorescente de 8 Watts é um equipamento de iluminação

Leia mais

Fonte Full Range Vac/Vdc 24 Vdc/ 3A

Fonte Full Range Vac/Vdc 24 Vdc/ 3A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem duas saídas

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE)

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.025 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO... 3

Leia mais

Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos

Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos 22/set/15 Workshop USP/Abinee - A qualificação profissional e formação de mão de obra para atendimento da demanda

Leia mais

e) ABNT NBR IEC Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios;

e) ABNT NBR IEC Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios; MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0084 REATOR ELETRÔNICO PARA LÂMPADA

Leia mais

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10:

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10: Adequação e Consultoria à norma NR10 A NR10 é uma norma regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego que estabelece uma série procedimentos e condutas para a realização de atividades que envolvem

Leia mais

LEI Nº 3.839, de 27 de setembro de 2013

LEI Nº 3.839, de 27 de setembro de 2013 LEI Nº 3.839, de 27 de setembro de 2013 EMENTA: Dispõe sobre a presença de nas edificações, áreas de risco ou eventos de grande concentração pública no âmbito do município de Vitória de Santo Antão - Pernambuco

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades CLT Consolidação das Leis do Trabalho É de obrigação legal para os empregadores a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977 relativa a segurança e medicina do trabalho

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz outubro/2016 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT PORTUGUÊS

MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT PORTUGUÊS MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT versão. Nov. 2013 Agradecemos a aquisição do nosso produto. Antes de utilizar o equipamento, leia cuidadosamente este manual e guarde-o para referências futuras.

Leia mais

ABNT NBR / 2015 GERENCIAMENTO DE RISCO. Dr. Hélio Eiji Sueta

ABNT NBR / 2015 GERENCIAMENTO DE RISCO. Dr. Hélio Eiji Sueta ABNT NBR 5419 2 / 2015 GERENCIAMENTO DE RISCO Dr. Hélio Eiji Sueta ABNT NBR 5419:2005 Avaliação do Risco de Exposição Densidade de DAs para a terra N g = desc. 0,04. T 1,25 d km 2. ano T d = número de

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Componentes das instalações Componente: podem ser materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos, máquinas, conjuntos, partes

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

Maquinas, equipamentos e ferramentas diversas na construção civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Maquinas, equipamentos e ferramentas diversas na construção civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho na construção civil Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho A operação de máquinas e equipamentos que exponham o operador ou terceiros a riscos só pode ser feita por trabalhador

Leia mais

(atualizada em 11/2006) NBR 5667-1:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Parte 1 - Hidrantes de Coluna NBR 5667-2:06 Hidrantes urbanos de incêndio de ferro dúctil - Parte 2 - Hidrantes

Leia mais

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas.

Nobreaks. Smart-UPS C. Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. Nobreaks Smart-UPS C Proteção e disponibilidade para aplicações críticas. APC Smart-UPS C Proteção inteligente e eficiente de energia, ideal para servidores, pontos de venda e equipamentos de rede. Design

Leia mais

MANUAL DE USUÁRIO AQUECEDOR ELÉTRICO

MANUAL DE USUÁRIO AQUECEDOR ELÉTRICO MANUAL DE USUÁRIO AQUECEDOR ELÉTRICO GAC15-12R GAC18-22R Característica de uso e do aparelho Os aquecedores elétricos da GREE foram projetados para proporcionar alto rendimento, com baixos custos de manutenção

Leia mais

Tubos Condutivos KPS. Zero eletricidade estática. Total segurança.

Tubos Condutivos KPS. Zero eletricidade estática. Total segurança. Tubos Condutivos KPS Zero eletricidade estática. Total segurança. Prevenção contra incêndios Incêndios ocasionados pelo uso de tubos Incêndio no carregamento de combustíveis Após uma operação de carregamento

Leia mais

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN MICROPROCESSADO SAÍDA SENOIDAL ISOLADA OPÇÃO EM RACK 19 Modelos de gabinetes auto-sustentados, tipo torre e rack 19. Disponíveis também em gabinete para fixação em parede.

Leia mais

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO NR-10 CHOQUE ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br Definição CHOQUE ELÉTRICO É a perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA

INVERSOR DE EMERGÊNCIA INVERSOR DE EMERGÊNCIA O Inversor de Emergência trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação normal e emergência.

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Revisão e panorama da NBR 5410 e verificação das instalações elétricas Eduardo Daniel Coordenador da CE 03:064-001 ORIGEM ABNT - Associação

Leia mais

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100 Manual do usuário Série: A MAN-DE- Rev.: 01.01-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível a leitura completa deste manual para um bom entendimento

Leia mais

CRISTINA DE CAMPOS CASANOVA MAURICIO MARTINS FERNANDES PAULO RICARDO DE MARTIN

CRISTINA DE CAMPOS CASANOVA MAURICIO MARTINS FERNANDES PAULO RICARDO DE MARTIN CRISTINA DE CAMPOS CASANOVA MAURICIO MARTINS FERNANDES PAULO RICARDO DE MARTIN ALGUNS ASPECTOS DA NBR 5410 RELACIONADOS AO PLANEJAMENTO, À EXECUÇÃO E A FISCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE OBRAS PÚBLICAS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 2676, DE 2015 Torna obrigatória a implantação de instalações de distribuição de gás combustível em edifícios de uso público. I RELATÓRIO A proposição em análise tem como objetivo tornar

Leia mais

Módulo de Expansão de Entrada de Encoder EEN1 SCA06

Módulo de Expansão de Entrada de Encoder EEN1 SCA06 Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Módulo de Expansão de Entrada de Encoder EEN1 SCA06 Guia de Instalação, Configuração e Operação Índice ÍNDICE 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA...

Leia mais