TCE/PI - Escola de Contas MiniCurso. Noções Atuariais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TCE/PI - Escola de Contas MiniCurso. Noções Atuariais"

Transcrição

1 TCE/PI - Escola de Contas MiniCurso Noções Atuariais Dezembro de 2012

2 O Cálculo Atuarial A ciência Atuarial é a ciência dedicada aos cálculos feitos pelas companhias de seguro de vida, estabelecendo as bases de suas operações e verificando os resultados, ou seja, é calculado o risco protegido e os recursos para sua cobertura, vislumbrando as possibilidades em variadas situações, no caso do sistema previdenciário, especialmente dentro das expectativas futuras em relação ao envelhecimento da população e às tendências da natalidade populacional.

3 O Cálculo Atuarial Através das análises atuárias, os administradores públicos do regime previdenciário podem elaborar medidas para a correção de desvios, de maneira que através das correções, o sistema continue protegido, mantendo sempre seu equilíbrio financeiro, evitando sua falência e a ausência de cobertura para os cidadãos. Neste tipo de equilíbrio, cabe à entidade, ao desenvolver o plano de benefício adotado, trabalhar com uma gama de variáveis existentes, como o número de segurados existentes, número de segurados que futuramente irão existir, etc.

4 O Cálculo Atuarial O equilíbrio financeiro, reflete a existência de reservas monetárias ou de investimentos, numerário ou aplicações suficientes para ao adimplemento dos compromissos atuais e futuros previstos. Não se vislumbra apenas os direitos atuais, mas também os que futuramente irão se materializar, isto é, a razoável certeza do adimplemento dos benefícios que irão surgir.

5 O Cálculo Atuarial O Cálculo Atuarial Fornece meios para a apuração de prêmios de seguros ligados à vida e a custos previdenciais; Utiliza as tábuas de mortalidade para avaliar a esperança de vida para uma certa idade (função sobrevivência) Utiliza, conjuntamente, os conceitos dos regimes de capitalização financeiros e a teoria da Probabilidade O papel e a atividade de um atuário envolve projeto; adaptação; resolução de problemas; estimativa do risco; inovação e conhecimento técnico no campo contínuamente mutável dos sistemas de seguridade financeira.

6 A Função Sobrevivência Existe um padrão geralmente observado no que se refere à mortalidade entre as vidas dos seres humanos. Se x é a variável aleatória que representa a idade de um ser humano e que pode variar no intervalo [0,w] A Função sobrevivência [ s(x) ] é uma função probabilística definida pelo valor da probabilidade de que um ser humano de idade (0) chegue a atingir a idade (x) s(x) é contínua e decrescente com relação à (x)

7 A Função Sobrevivência s 10 s x = 1 x 130 = 1 10 = 92, 3077% = PROBABILIDADE DE 0 SOBREVIVER ATÉ 10 ANOS 130 Probabilidade de (0) falecer entre 10 e 18 anos: s(10)- s(18) Probabilidade de (10) sobreviver até a idade de 50 anos: s(50) s(10) Probabilidade de (10) morrer até 50 anos: 1 s(50) s(10) Probabilidade de 32 morrer antes dos 53 anos: s 32 s(53) s(32) Probabilidade de 32 morrer entre os 43 e os 53 anos: s 43 s(53) s(32)

8 Tábua de Mortalidade Efeito da mortalidade em 10 6 pessoas recem nascidas (0): O valor esperado do número de sobreviventes até 1 ano de idade será: E x 1 = 10 6 s 1 = l 1 O valor esperado do nº de mortes entre (0) e (1) será: 10 6 (1 s 1 )=d 1 Utilizando o mesmo procedimento para os pares (l 2, d 2 );..., teremos a tábua de mortalidade onde: l x = k. s x ; representa o número de sobreviventes à idade x d x = l x l x+1 ; representa o número de óbitos entre as idades (x) e (x+1)

9 Tábua de Mortalidade - Probabilidades A probabilidade de (x) sobreviver pelo menos mais 1 ano é: p x = l x+1 l x A probabilidade de (x) falecer em menos de 1 ano (antes de atingir (x+1)) é: q x = l x l x+1 l x = d x l x A probabilidade de (x) viver até atingir (x+n) é: npx = l x l x+n A probabilidade de (x) falecer antes de chegar a (x+n) é: /nqx = 1 - npx = [ l(x) / l(x+n) ] A probabilidade de (x) viver até (x+n) e falecer antes de completar (x+n+1) é: n/qx = d(x+n) / l(x)

10 Tábua de Mortalidade - Construção Normalmente são construídas a partir dos dados dos estudos de mortalidade: 1. Define-se a raiz da tábua (normalmente uma potência de 10 maior ou igual a 5) 2. Atribui-se o valor valor da raiz, para o valor inicial de l(x) [ l(0) ] 3. Faz-se d(0) = l(0). q(0) 4. Faz-se l(1) = l(0) d(0); d(1) = l(1). q(1); l(2) = l(1) d(1) d(x) = l(x).q(x) ; l(x+1) = l(x). d (x)... l(x) = l(0). s(x)

11 Tábua de Mortalidade - Construção Se admitirmos que s(x) e, portanto, l(x) varia linarmente ao longo de 1 ano, podemos conceber uma função L(x) que representaria o número de sobreviventes até(x) mas que ainda nã atingiram (x+1) L(x) = l(x+1/2) = ½ (lx+lx+1) L(x) representa a média de sobreviventes entre (x) e (x+1) q(x)=d(x)/l(x) taxa anual de mortalidade M(x)=d(x)/L(x) taxa central de mortalidade = 2 ( 1 P x 1+P x ) = 2q x 2 q x Taxa instantânea (anual) ou força da mortalidade: M x = s (x) = l (x) s(x) l(x) (log(u)) = u /u M(x) = log( l(x) )

12 Quantidade de Existência Considere uma função [ T(x) ] que represente a área sob a curva l(x) entre 0 e (w) Como L(x) representa o número médio de sobreviventes entre as idades x+t e x+t+1 e como Lx+t = ½ (lx+t + lx+t+1) Podemos definir T(x) como: Tx = Lx + Lx+1 + Lx = l x j=w + l 2 j=1 x+j A função T(x) [ quantidade de existência] representa a quantidade (em anos) que viverão todos os componentes do grupo (população), desde a idade x até que o grupo se extinga.

13 Vida Média Vida Média Completa e x 0 = T x l x expectativa de vida das pessoas à idade (x) Vida média abreviada admitindo que as mortes ocorrem no início do ano e x = e x 0 - (1/2) P x = e x 1+e x+1

14 Vida Média Quando começamos a contar os anos apenas apartir de uma idade (x+n) vamos calcular a Vida Média Diferida que será dada por: j=w x n 1 T(x+n) / l(x) = l x+n + (l 2 j=1 x+n+j ) A Vida Média Temporária por n anos será a diferença entre a vida média completa e a vida média diferida (contada a partir de n anos)

15 As forças da mortalidade e dos juros Todas as vezes que um capital aplicado durante um certo período, seja pago apenas caso a pessoa que aplicou esteja viva, teremos as taxas de mortalidade e de juros atuando conjuntamente: O valor esperado do montante do investimento após n períodos será: FV = PV(1 + i) n. P x = PV(1 + i) n. (1 q x ) δ = log e (1 + i) = força dos juros e δ = (1 + i)

16 Cálculo de Anuidades Vamos considerar a operação de seguro que consiste no capital diferido, comprado através de prêmio único, a ser pago num prazo de n anos caso a pessoa esteja viva nesta altura 3 fatores contribuem para o cálculo de prêmio: O Capital segurado diferido (FV) O fator de desconto financeiro A probabilidade (Px) de que a pessoa esteja viva dentro de n anos O valor presente do prêmio a ser pago é dado por: nex = FV.Px (1+i) n = FV.l x+n (1+i) n.l x valor atuarial l x+n (1+i) n.l x. = v n (fator desconto atuarial)

17 Tábuas de Comutação nex = FV.Px (1+i) n = FV.l x+n (1+i) n.l x valor atuarial l x+n. = (fator desconto atuarial) ; (1+i) n.l = vn. x l x+n = vx l v n 1 x v x. v n. lx+n = l x = n = fator de desconto financeiro l x (1+i) vx+n nex = vn. lx+n. l v x. x+n l lx x nex = vn. l x+n = = vx D x+n v x. v n. lx+n = vx+n. lx+n Dx l x v x. lx = vx v x. v n. lx+n = l x : D x = v x. l x e D x+n vx+n = v x+n. l. lx+n onde: x+n v x = D, ou seja, x+n D x = v x D. l x+t = v x+t. l x e D x+n = v x+n x+t. l x+n,. lx Dx A primeira coluna onde: D x = v x da Tábua de Comutação. l x e D x+n = v x+n é formada por todos os produtos D desde x. = l x+n 0 até, ou x = seja, w D x+t = v x+t. l x (sendo w a primeira idade onde não há mais sobreviventes). = D x+n Dx

18 Cálculo de Anuidades Anuidade de sobrevivência com pagamentos iguais - Anuidade vitalícia de valor unitário, pagável a uma pessoa a partir de um determinado ano da sua vida desde que ela esteja viva na altura. w x 1 - a x = je x w-x-1 j=1 a x = v t w-x-1 Dx+t. t P x = t=1 t=1 D x a x é o valor presente da série de pagamentos ou a renda unitária vitalícia postecipada Definindo uma nova comutação: w-x-1 Nx = D x+t t=0 a fórmula de a x torna-se: a x = N x D x 1

19 Cálculo de Anuidades Anuidade de sobrevivência com pagamentos iguais - Anuidade de valor unitário, paga a uma pessoa a partir de um determinado ano da sua vida, por um período de tempo limitado desde que ela esteja viva na altura. n D a x: n = = x+t n n tex D t=1 D a t 1 x x: n = = x+t tex t 1 t=1 Dx é a renda unitária de n Visto que sobrevivência n D x+t = N x+1 - N x+n+1, te Visto t 1 postecipada que D x+t = N x+1 - N x+n+1, temos que: t 1 a = N x+1 N x+n+1 x: n a = N x+1 N x+n+1 Dx x: n Dx n

20 Cálculo de Anuidades Anuidade de sobrevivência com pagamentos iguais Anuidade vitalícia, de valor unitário, que provê (x) pagamentos a uma pessoa a partir de um determinado ano da sua vida (x+n+1). n a w-x-1 1 w-x-1 / x = t E x =. Dx+t = N x+n+1 t=n+1 D x t=n+1 D x ou n/ a x = a x - a = N x+1 x:n Dx ou - N x+1 - N x+n+1 Dx = N x+n+1 Dx n/ a x = n E x. a x+n = D x+n Dx. N x+n+1 Dx+n = N x+n+1 Dx renda unitária, vitalícia, postecipada Cesar diferida Oliveira por n anos

21 Cálculo de Anuidades De um modo Geral: Modelo Antecipado-prestações (p) pagas ao início de cada período Financeiro s xn = p. (1 + i)n (1 + i) i Atuarial a x = w x 1 k=0 kex Renda Vitalícia Antecipada n a xn = k=0 kex Renda Temporária Antecipada s xn = p. N x N x+n = p. a D xn. 1 x+n nex

22 Cálculo de Anuidades De um modo Geral: Modelo Postecipado-prestações (p) pagas ao final de cada período Financeiro s n = p. (1 + i)n 1 i Atuarial a x:n = a x = n w x k=0 kex Renda Temporária Postecipada k=1 kex Renda Vitalícia Postecipada s x:n = p. N x+1 N x+n+1 1 = p. a D x:n. x+n nex

23 Cálculo Atuarial e Financeiro Exemplo Operação Financeira Cálculo do valor presente de ,35 aplicados com i= 6%aa durante 20anos C 0 =10.000,00 Operação Atuarial Cálculo do valor presente de uma operação previdencial que estabeleça o montante necessário ao pagamento de rendas, considerando x = 20 e n = 20: π 0 = s x (1 + i) n (m) nex. a x+n=32.071,35.nex= , 35(1, 06) 20. l 40 =9414,98 l 20 π 0 =Custo da operação no seu início Sx = salário do participante na idade x Is = incremento real dos salários N = nº de períodos da operação (m) =renda atuarial postecipada considerando apenas o decremento morte para um a x+n participante de idade x+n C 0 π 0 C n. (npx) (1 + i A ) n = C n (1 + i f ) n

24 Cálculo Atuarial e Financeiro Os valores de capitalização de prestações atuariais levam à formação de montantes mais elevados que os obtidos através do regime puramente financeiro. A partir da comparação entre os valores obtidos nos dois modelos, mede-se o nível de esforço adicional necessário (P) à formação de reserva matemática por contribuição definida por meio da prestação acumulada. Deste modo, para valores distintos das prestações (financeira e atuarial), tem-se o valor da reserva matemática, igualando as expressões obtidas para o valor futuro nos dois modelos. s x:n = s n pf. (1+i)n 1 =pa. N x+1 N x+n+1 i D x+n i(n x N x+n ) p F = p A 1 + i n+1 (1 + i). D x+n

25 Tábua de Mortalidade

26 Os Sistemas Previdenciários Arranjos institucionais para a proteção de idosos, inválidos e dependentes que perderam a sua fonte de sustento em razão do falecimento de seus provedores Previstos em lei contribuições e benefícios A solvência e a capacidade de pagar benefícios futuros é garantida pelo governo Podem ser complementados por sistemas privados de aposentadoria

27 Sistemas de Previdência Social Benefícios Fixos A fórmula de benefício é especificada e o modelo financeiro (contribuições) é estruturado de modo a financiar adequadamente os benefícios Contribuições Fixas As contribuições são definidas a priori e os benefícios são resultantes do investimento das contribuições

28 Sistemas de Previdência Social Benefícios Definidos Fontes de financiamento Contribuições (valor uniforme ou relacionadas à renda) Pagas pelas pessoas cobertas pelo sistema Pagas pelos empregadores em favor dos empregados cobertos pelo sistema Subsídios Outras receitas governamentais

29 Sistemas de Previdência Social Benefícios Definidos Fórmula da aposentadoria Valor uniforme Valor relacionado ao rendimento A base de cálculo pode ser O salário final segurado A média final dos salários segurados A média final dos salários segurados da carreira do indivíduo

30 Sistemas de Previdência Social Contribuições Definidas Fundos nacionais de previdência São abertas contas individuais para cada segurado e as contribuições são registradas nessas contas Os juros são adicionados periodicamente às contas O saldo acumulado pode ser pago como Um pecúlio na aposentadoria Invalidez Morte antes da aposentadoria Saques parciais para outros propósitos (habitação, saúde, educação)

31 Segurança Social Financiamento Modelo que permitirá a existência de um fluxo de recursos capaz de suprir as despesas (benefícios e administração) na medida em que estas ocorram; mecanismo que determina o valor e a periodicidade das contribuições adequadas ao sistema previdenciário;

32 Segurança Social Financiamento Parâmetros demográficos e econômicos A força da taxa de juros ( δ ) A força do crescimento de novos entrantes ( ρ ) A força do crescimento dos salários ( γ ) Taxa instantânea de mudança do nível geral dos salários responsável pela escala dos salários (progressão dos salários em função da idade) A força da indexação das aposentadorias (β) A força da mortalidade, invalidez, etc... μ x d A força da inflação ( θ )

33 Segurança Social Financiamento Parâmetros demográficos e econômicos Pressupostos : A taxa de crescimento dos salários ( salvo durante grandes transformações econômicas) deve superar a taxa de inflação pelos ganhos de produtividade A indexação das aposentadorias deve manter o poder de compra dos indivíduos cobertos pelo sistema (indexação de preços) e manter o padrão de vida dos aposentados semelhante ao dos ativos (γ β θ) δ > ρ + γ a taxa de juros (no longo prazo) deve superar a soma da taxa de crescimento do números de segurados com a taxa de crescimento da escala salarial

34 Segurança Social Financiamento Parâmetros demográficos e econômicos Pressupostos : A densidade de contribuições é de 100% O nº de novos entrantes no intervalo (t, t+dt) = e ρt A unidade de salários irá crescer segundo: e γt A unidade de aposentadoria deverá crescer segundo: e βt A unidade de tempo (contínuo) é o ano

35 Segurança Social Demografia Função População Ativa A(t) Função População aposentada R(t) Pressupostos : Assume-se que as pessoas que já alcançaram a idade da aposentadoria no início do funcionamento do sistema de previdência, não terão direito a este benefício Assumimos uma idade para os novos entrantes ( b ) Fixamos uma idade para a aposentadoria ( r )

36 Segurança Social Demografia Diagrama de Lexis Aposentad oria Entrada no Sistema

37 Segurança Social Desenvolvimento Demográfico Função População Ativa A(t) Função População aposentada R(t) Características das Funções demográficas: R t > 0 R (t) > A (t) R(t) A (t) (t < w 1 ) R (t) R(t) = A (t) A (t) = ρ (t w 1) w 1 = neste momento o sistema alcançou a sua maturidade demográfica

38 Segurança Social Desenvolvimento Financeiro Função Despesa (com benefícios ) B(t) Função Salário Segurado S(t) Características das Funções demográficas: B t > 0 B (t) > S (t) B(t) S (t) (t < w 2 ) R (t) = S (t) = ρ + γ (t w R(t) S (t) 2) w 2 = neste momento o sistema alcançou a sua maturidade financeira Taxa de reposição é o valor percentual da aposentadoria inicial em relação ao salário que serviu de base para o cálculo

39 Segurança Social Desenvolvimento Financeiro

40 Segurança Social Métodos de Financiamento Qualquer método de financiamento procura estabelecer um equilíbrio entre despesas e receitas, sem necessariamente igualar as contribuições com as despesas correntes (este é apenas um dos caminhos). Temos de considerar duas funções: C(t) função taxa de contribuição caracterizadora do método V(t) função reservas matemáticas representa o excesso das entradas sobre as saídas (acumulada com força de juros δ ) dv t = V t δ t + C t S t dt B t dt V m = e δm [B t C t S t ]e δt dt (expressão prospectiva para a m função reserva para um sistema de previdência novo)

41 Segurança Social Métodos de Financiamento Repartição Simples (PAY as YOU GO) - PAYG Definido teoricamente como V(t) =0 para todos os valores de ( t ) C t = B(t) S(t) Deverá ser aplicado para os RPPS em que a massa de participantes tenha alcançado um estado estacionário, onde as despesas previstas apresentem estabilidade, devidamente demonstradas nas avaliações atuariais anuais O Método PAYG alcança seu equilíbrio em um determinado (t), com as pessoas ativas arcando com os custos dos inativos. A alíquota de contribuição para o ano n+1 é dada por: PAYG n+1 = n+1 n B(t)e δt dt n+1 S(t)e δt dt

42 Segurança Social Métodos de Financiamento Prêmio Médio Geral - GAP Definido teoricamente como tendo uma alíquota de contribuição constante C(t) = C aplicada durante todo o tempo de vida do sistema de previdência. m C t = B(t)e δt dt V(m)e δm S(t)e δt dt m Se considerarmos a partir do início do sistema (m=0) 0 C t = B(t)e δt dt S(t)e δt dt 0

43 Segurança Social Métodos de Financiamento Capitalização Terminal TFS Repartição de Capitais de Cobertura-RCC Bastante utilizado em sistemas de seguros e acidentes de trabalho e também em sistemas de previdência Cada aposentadoria é capitalizada no momento da exigibilidade do prêmio capitalização prévia total no momento da ocorrência da exigibilidade do prêmio. Ka(t)dt = valor capitalizado dos prêmios em (t+dt) O valor presente dos gastos futuros com benefícios é: B(t)e δt 0 dt = 0 Ka(t)e δt dt Alíquota de Contribuição: C t = TFS t = Ka(t) S(t) Reserva p/ n períodos: V n = e n n [Ka t B t ]e δt 0 dt

44 Segurança Social Métodos de Financiamento PAYG GAP TFS Pouco prático para sistemas de previdência pela necessidade de alterar o valor da alíquota de contribuição com frequência, a alíquota final é elevada e praticamente não se acumulam reservas Tem uma alíquota constante mas que necessita ser relativamente elevada desde o início do sistema. Acumula bastante reserva. tem a característica da reserva ser adequada para cobrir as despesas futuras com os benefícios já concedidos. O método de períodos sucessivos de controle fornece um equilíbrio entre o PAYG e o GAP permitindo o controle da alíquota de contribuição e da acumulação de reservas.

45 Segurança Social Métodos de Financiamento Para cada Regime Financeiro de Capitalização Repartição Simples; Rep. de capitais de Cobertura; Capitalização Terminal Existem vários métodos de financiamento. Os mais usuais são: UC Crédito Unitário; PUC Crédito Unitário Projetado; PNI Prêmio Nivelado Individual; e, IEN Idade de Entrada Normal.

46 Segurança Social Métodos de Financiamento UC Crédito Unitário Num RPPS em equilíbrio financeiro e atuarial para um grupo de segurados o ativo líquido (AL) representa o valor atual dos benefícios futuros. No início do exercício financeiro temos: Al i = VABF i e no final teremos: AL f = VABF i + dvabf(t) B(t) CA(t) + R(t) + [C(t) * S(t)] ALf ativo líquido do plano no final do exercício financeiro; VABFi valor atual dos benefícios futuros no início do exercício financeiro; dvabf(t) acréscimo a ser considerado no exercício financeiro para o valor atual dos benefícios futuros; B(t) montante de benefícios pagos no exercício financeiro; CA(t) custo administrativo no exercício financeiro; R(t) remuneração no exercício financeiro do capital aplicado; C(t) percentual total a incidir (alíquota) mensalmente sobre a folha de contribuição dos segurados no exercício financeiro.

47 UC Crédito Unitário Segurança Social Métodos de Financiamento O valor de C(t) é dado por: VABF(t) = 13 * R(t) * ay * Dy / Dx VASF(t) = 13 * R(t) * ax C(t) = VABF(t) * 100 / VASF(t) VABF(t) VA do benefício futuro no final do exercício financeiro dos servidores ativos; R(t) remuneração de contribuição dos servidores ativos; ay anuidade vitalícia postecipada com pagamento sub-anual em 12 parcelas para um servidor com idade y y idade de um servidor na elegibilidade a uma ap. voluntária; Dy e Dx representam função atuarial para as idades y e x. x idade do servidor na data do cálculo. VASF(t) representa o valor atual dos salários futuros no final do exercício financeiro dos servidores que contribuem; ax representa uma anuidade postecipada com pagamento sub-anual em 12 parcelas diferida de (n) anos e temporária de (s) anos; É diferida do tempo passado que já contribuiu, é temporária porque se considera o tempo que falta para atingir a elegibilidade ao benefício (ex: aposentadoria voluntária).

48 Segurança Social Métodos de Financiamento PUC Crédito Unitário Projetado Na data de cálculo se projeta a remuneração para a data da elegibilidade do benefício By(t) = Rx(t) * (1+i)s By(t) valor do benefício na data que o servidor atinge a elegibilidade ao benefício (ex: aposentadoria voluntária) Rx(t) remuneração de contribuição do servidor na data do cálculo; (1+i)s fator de capitalização da remuneração com de taxa de juros ( i ) do crescimento real dos salários. Com a projeção do valor de Rx(t), obtém-se C(t) do mesmo modo que no Regime UC

49 Segurança Social Métodos de Financiamento Regime Financeiro de Capitalização PNI Prêmio Nivelado Individual O valor da alíquota de contribuição é determinada pela seguinte expressão: C(t) = (VABF x AL i ) * 100 / VASF x AL i ativo líquido do plano no início do exercício financeiro; VABF x valor atual dos benefícios futuros calculados na idade x; VASF x valor atual dos salários futuros calculados na idade x

50 Segurança Social Métodos de Financiamento Regime Financeiro de Capitalização IEN Idade de Entrada Normal Neste método de financiamento o plano de custeio é determinado pela seguinte expressão: C(t) = VABFm * 100 / VASFm VABFm valor atual do benefício futuro calculado na idade (m) que o segurado começou a contribuir para Regime (RGPS ou RPPS) considerando o valor do benefício na data de elegibilidade (ex: no caso de aposentadoria voluntária) VASFm valor atual dos salários futuros calculado na idade (m) que o segurado começou a contribuir para o Regime (RGPS ou RPPS) mas considerando o salário na data do cálculo.

51 Segurança Social Técnicas de Análise Atuarial Projeção Valor Presente

52 Segurança Social Métodos de Financiamento

53 Segurança Social Métodos de Financiamento

54 Reserva Matemática Para que haja equilíbrio, na contratação de um seguro, no momento inicial, o valor atual do compromisso do segurador, deve ser igual ao valor atual do compromisso do segurado. P. a = A ( O produto do prêmio anual pela renda antecipada é igual ao prêmio único) Será que este equilíbrio se manterá ao longo do tempo? Suponha que o contrato fosse feito alguns anos depois. Neste caso, a idade do segurado seria (x+t) e, como o prêmio único cresce com a idade do segurado, teríamos: P (t) > P ; A(t) > A estando rompido o equilíbrio inicial pois o compromisso do segurador é, agora em (t), maior do que o compromisso do segurado.

55 Reserva Matemática Como o valor do prêmio cresce com a idade do segurado, em (t) P (t) > P Para que haja equilíbrio, no instante (t), há que observar a diferença (Reserva Matemática) representada por : A t P. a (t) = [P (t) P ]. a (t) = V(t)

56 Reserva Matemática Exemplo: seguro de vida inteira de (x) a prêmio anual antecipado, t anos após o a celebração contrato. Nesta altura (t), o valor atual dos compromissos futuros do segurador é A x+t o valor atual dos prêmios puros futuros a serem pagos pelo segurado é: P x. a x+t. A diferença (A x+t - P x. a x+t) é a Reserva Matemática e representa a obrigação líquida do segurador. a reserva matemática é, neste caso, o excesso do valor atual dos benefícios futuros em relação ao valor atual dos prêmios puros futuros

57 Reserva Matemática Método Prospectivo Vamos considerar um seguro vida de (x), de valor unitário (t) anos após o contrato: O valor atual dos compromissos do segurador é: A x+t O valor atual dos compromissos futuros do segurado: P x. a x+t A Reserva Matemática (prospectiva) do final do ano (t) de seguro é o excesso do valor atual dos benefícios futuros a serem pagos pelo segurador sobre o valor dos prêmios futuros a serem pagos pelo segurado.

58 Reserva Matemática Exemplos de Cálculo Seguro ordinário de vida contratado em (x): t V x = (A x+t ) - (P x. a x+t) = M x+t (P x.n x+t ) D x+t Seguro de vida inteira com pagamento limitado a n prêmios anuais A reserva matemática do final do ano t é: n t V x.... Mx t - n Px (Nx t - Nx n ) Ax t - n Px.ä para t<n, x t:n-t Dx t

59 Reservas Matemáticas O equilíbrio financeiro, reflete a existência de reservas monetárias ou de investimentos, numerário ou aplicações suficientes para ao adimplemento dos compromissos atuais e futuros previstos. Não se vislumbra apenas os direitos atuais, mas também os que futuramente irão se materializar, isto é, a razoável certeza do adimplemento dos benefícios que irão surgir.

60 Fluxo de caixa PV = Valor Presente; FV = Valor Futuro J = juro composro; n = tempo de aplicação i=taxa de juros unitária[ i/100 ] PMT = Valor de uma prestação NPV = Valor presente líquido do investimento Investimento IRR = Taxa interna de retorno PB = Payback = Tempo de retorno Saídas Entradas Flx Líquido Flx Líquido Acum

61 Bibliografia ASSAF NETO, Alexandre. Matemática Financeira e suas aplicações. São Paulo : Atlas, AYRES JR., Frank. Matemática Financeira. Rio de Janeiro : McGraw-Hill, PUCCINI, Abelardo de Lima. Matemática Financeira - Objetiva e Aplicada. São Paulo : Saraiva, Rodrigues, José Angelo. Gestão do Risco Atuarial Saraiva 2008 Iyer, Subramanian. Matemática Atuarial dos Sistemas de Segurança Social Tradução do MPAS-2002 Março a Maio de 2012

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário

Previdência Social. Joel Fraga da Silva - Atuário Regime Próprio de Previdência Social Gestão Atuarial Dos RPPS Bento Gonçalves RS Joel Fraga da Silva - Atuário 1 Avaliação Atuarial Calcular as Reservas Matemáticas: representam o compromisso do RPPS Passivo

Leia mais

Página 1 de 7 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial - 2014 RJ - PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA CNPJ : 32512501000143 SIAFI : 985925 Cadastro de Nome do Plano : Plano Previdenciário QUADRO

Leia mais

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária

Introdução à atuária. Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Universidade de Cuiabá Tangará da Serra Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Noções de Atuária Introdução à atuária Aula 01 Prof. Dr. Junio C. Martinez O ATUÁRIO Profissão regulamentada em 03/04/1970

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM SANTA MARIA/RS AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2013 Data Base:31/12/2012 Índice 1. Introdução... 02 2. Origem

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO

MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO 0 REAVALIAÇÃO ATUARIAL Base Dez 2013 Exercício 2014. MUNICÍPIO DE LUZIÂNIA - GO Base DEZEMBRO / 2013 Alcir Antonio de Azevedo Atuário - Miba 548 MTPS RJ Tel.: (62) 99761219 Vivo, 9353 0319 Claro ou 8290

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS. CÁLCULO ATUARIAL e EQUILÍBRIO ATUARIAL 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA ATUARIAL APLICADA AO RPPS Por Dalvin Gabriel José de Souza Bacharel em Ciências Atuariais/UFRGS, MIBA Nº 1003 Licenciado em Matemática/UFRGS Servidor Público Municipal, Atuário do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ

SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ SOLUÇÕES NA MEDIDA CERTA PARA VOCÊ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ATUARIAIS EM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA E FECHADA REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA PLANOS DE SAÚDE E SERVIÇOS ASSISTENCIAIS SEGUROS DE VIDA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

3 Matemática financeira e atuarial

3 Matemática financeira e atuarial 3 Matemática financeira e atuarial A teoria dos juros compostos em conjunto com a teoria da probabilidade associada à questão da sobrevivência e morte de um indivíduo são os fundamentos do presente trabalho.

Leia mais

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal

NOTA TÉCNICA ATUARIAL. Plano Executivo Federal NOTA TÉCNICA ATUARIAL Plano Executivo Federal do Plano Executivo Federal, administrado pela Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (FUNPRESP-EXE). Julho de

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013

I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013 I Workshop de Regimes Próprios de Previdência Social RPPS Universidade Federal da Paraíba - UFPB João Pessoa, 18 de outubro de 2013 1) A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA 2) O CRESCIMENTO NATURAL NO BRASIL 1872-2100

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários Um novo plano, com muito mais futuro Plano 5x4 dos Funcionários Sumário 03 Um novo plano, com muito mais futuro: 5x4 04 Comparativo entre o plano 4 x 4 e 5 x 4 08 Regras de resgate 10 Como será o amanhã?

Leia mais

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1

Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial. Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa de Certificação REGUS Módulo Atuarial Brasília DF, 24 de maio de 2013 1 Programa Definição de Atuária, aplicações na previdência complementar e atuação do atuário Obrigações atuariais estabelecidas

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

07/02/2015. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira

07/02/2015. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira 3º ADMINISTRAÇÃO Oliveira 3º ADMINISTRAÇÃO Oliveira PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 Inflação e Preços 2 Variação Média e Variação Ponta a Ponta 3 Número Índice e Valor Base/Reajustado 4 Regra de Três Simples/Compostas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando de cada uma das questões de 1 a 20, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; o campo designado com o código E,

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP

AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP AVALIAÇÃO ATUARIAL DA CARTEIRA DE PREVIDÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO IPESP Julho de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. BASE CADASTRAL...4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES

Leia mais

Consultoria e Serviços Atuariais. 12 Junho 2012

Consultoria e Serviços Atuariais. 12 Junho 2012 Consultoria e Serviços Atuariais 12 Junho 2012 1 Sobre a Consultoria No mercado apenas desde 2006, porém a Exacttus conta com a colaboração de profissionais com experiência no mercado atuarial. Sua sócia

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO DE METAS FISCAIS V - AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO PARÁ RPPS A Emenda Constitucional nº 20, de 15

Leia mais

Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no

Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no Capitalização previdenciária quer dizer, antes de tudo, aposentadoria pré-financiada. Expressa uma vontade de garantir o futuro com base no sacrifício da poupança presente, mas somente é admitida como

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O NOVO DRAA 1) O envio do DRAA de 2015 não será mais realizado pela atual plataforma: http://www.previdencia.gov.br/demonstrativo-de-resultados-da-avaliacao-atuarial/ 2) Foi desenvolvido

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

Previdência Privada Instrumento de Planejamento Pessoal

Previdência Privada Instrumento de Planejamento Pessoal PGBL PLANO GERADOR DE BENEFÍCIOS LIVRES Ideal para quem faz a declaração completa do IRPF, permite a dedução das contribuições efetuadas até o limite de 12% da renda bruta anual, reduzindo o valor a ser

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Caríssimos, Acabei de voltar de uma longa auditoria em que visitamos inúmeros assentamentos federais do INCRA no interior do estado. Ou seja:

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL RA- 41/13 Fundo de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município de Florianópolis RPPS - FLORIANÓPOLIS Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 5

Leia mais

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência No dia 21 de julho, o RH do Banco Bradesco e diretores do Bradesco Previdência expuseram, a cerca de 50 dirigentes sindicais, as mudanças no plano de

Leia mais

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS

AUDITEC- Auditoria Técnica Atuarial RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO ATUARIAL MUNICÍPIO CACEQUI - RS Avaliação realizada em 31.12.2013 ÍNDICE GERAL 1ª PARTE 1.1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.2. HISTÓRICO 1.3. REGRAS DA PREVIDÊNCIA APLICADAS NA

Leia mais

AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO PALOTINA - PR. Curitiba, 31 de março 2014.

AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO PALOTINA - PR. Curitiba, 31 de março 2014. AVALIAÇÃO ATUARIAL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDENCIA SOCIAL SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PALOTINA - PR Curitiba, 31 de março 2014. 1 Índice APRESENTAÇÃO... 5 OBJETIVOS... 5 BASE CADASTRAL... 5 Base

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos

GESTÃO FINANCEIRA. Conceitos. Conceitos GESTÃO FINANCEIRA Conceitos Capital (C ou PV) é o valor do dinheiro que você pode aplicar ou emprestar. Também chamado de Capital Inicial ou Principal, representado pela letra C ou PV (Valor Presente abreviação

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

Regime Próprio De Previdência Social do Município de Quatis - RJ

Regime Próprio De Previdência Social do Município de Quatis - RJ AVALIAÇÃO ATUARIAL Regime Próprio De Previdência Social do Município de Quatis - RJ Data base: 31/12/2014 Quatis 26/07/2015 1 Telefone: (13) 3878-840 Índice 1. Introdução...4 1.1. Objetivo... 4 1.2. Conteúdo...

Leia mais

Exame de Certificação IBA. Apoio FUNENSEG

Exame de Certificação IBA. Apoio FUNENSEG Exame de Certificação IBA 2005 Apoio FUNENSEG Módulo 1 - ATUÁRIA 1) Maria tem 27 anos. A partir do próximo ano, ela receberá 10.000 u.m. (unidade monetária) anualmente enquanto estiver viva. Encontre uma

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O futuro que você faz agora FUNPRESP-JUD Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário 2 Funpresp-Jud seja bem-vindo(a)! A Funpresp-Jud ajudará

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [06.184.184/000173] SEBRAE PREVIDENCIA INSTITUTO SEBRAE DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2004.002883] SEBRAEPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL O que é o Plano Brasilprev Exclusivo? O Brasilprev Exclusivo é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 1- SIGLA: OABPREV 2- CÓDIGO: 04501 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.070.021-83 - PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO - PREV DADOS

Leia mais

ÍNDICE. 2 Conde Consultoria Atuarial Ltda. Rua João Anes 157 São Paulo Fone: 55 11-3834.4933. ccaconde@ccaconde.com.br www.ccaconde.com.

ÍNDICE. 2 Conde Consultoria Atuarial Ltda. Rua João Anes 157 São Paulo Fone: 55 11-3834.4933. ccaconde@ccaconde.com.br www.ccaconde.com. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. BASE CADASTRAL... 4 3. OUTRAS INFORMAÇÕES REFERENTES À BASE CADASTRAL... 12 4. A ESTRUTURA PREVIDENCIÁRIA... 17 5. BASES TÉCNICAS... 22 6. TERMOS TÉCNICOS... 24 7. METODOLOGIA

Leia mais

Avaliação Atuarial dos Compromissos Financeiros da União com os Militares das Forças Armadas e seus Pensionistas

Avaliação Atuarial dos Compromissos Financeiros da União com os Militares das Forças Armadas e seus Pensionistas Anexo III Metas Fiscais III.7 Avaliação Atuarial do Regime Próprio de Previdência Social dos Militares da União (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) MINISTÉRIO

Leia mais

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação Retificação DOU DE 31/08/2000 O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais