CITOESQUELETO E MOTILIDADE CELULAR

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CITOESQUELETO E MOTILIDADE CELULAR"

Transcrição

1 CITOESQUELETO E MOTILIDADE CELULAR Citoesqueleto consiste de uma rede de proteínas filamentosas que se extendem através do citoplasma de todas as células eucarióticas. Função do citoesqueleto - Determina a forma da célula - Organização geral do citoplasma - Movimentação de células inteiras - Transporte interno de organelas e outras estruturas (cromossomo durante divisão celular) Nota. Embora o nome de citoesqueleto sugere uma estrutura rígida, ele representa uma estrutura dinâmica que é continuamente reorganizado conforme a célula se move ou muda de forma, por exemplo, durante divisão celular, fagocitose, endocitose, exocitose, etc.

2 COMPOSIÇÃO DO CITOESQUELETO O citoesqueleto é composto por três tipos principais de proteínas e várias proteínas acessórias: - actina (forma filamentos de actina) - filamentos intermediários - tubulinas (forma microtúbulos) - proteínas acessórias As proteínas do citoesqueleto estão envolvidas, por exemplo: - Manutenção da forma bicôncava de eritrócitos (hemáceas) - Atividade fagocítica de macrófagos e neutrófilos - Junção entre células enterociticas (intestinos) - Formação de microvilosidades intestinais - Adesão inter-celular (relação entre matrix extracelular, proteínas de membrana e elementos do citoesqueleto, filamentos de actina e outras proteínas acessórias)

3 Actina 43 kda (375 aminoácidos) Monômero - actina G (globular) Microfilamento - actina F Polimerização e estrutura dos filamentos de actina Actina monomérica (actina-g) polimeriza para formar os filamentos de actina (actina-f). A primeira etapa é a formação de dímeros e trímeros chamado de nucleação. O terceiro monômero estabiliza o dímero e oferece condições para o crescimento do filamento chamado de elongação A elongação do filamento origina actina F. Actina G (monômero) vão se orientando na mesma direção no microfilamento conferindo uma polaridade ao complexo. Extremidade mais (+) e extremidade menos (-)

4 Elongação do filamento de actina - cresce pela adição de monômeros em ambas extremidades mais (+) e menos (-). A adição de monômero na extremidade mais (+) é 5 a 10 vezes mais rápido do que na menos (-). Como ocorre essa polimerização? Embora ATP não seja necessário para o processo de polimerização, a ligação de ATP-actina e depois sua hidrólise para ADP-actina tem papel importante na regulação dinâmica da polimerização e despolimerização dos filamentos de actina. A polimerização de filamento de actina pode ocorrer expontâneamente em condições de força iônica fisiológica. In vitro a baixa força iônica promove despolimerização dos filamentos. Polimerização de actina é um processo reversível, na qual os monômeros associam e dissociam em ambos lados do filamento de actina. Aparente equilibrio é estabelecido quando a concentração crítica de monômeros é alcançada. Actina-ATP associa-se na extremidade mais (+) Actina-ADP dissocia-se na extremidade menos (-) Isto estabelece uma dinâmica para os filamentos de actina e assim eles podem ser regulados em seu tamanho.

5 Moléculas de miosina sobre filamentos de actina A diferença na razão de crescimento é refletida pela concentração crítica de actina, pela adição de actina-g para os dois lados do filamento. Actina-ATP associa-se mais rápidamente extremidade mais (+), e ATP ligado a actina é hidrolisado para ADP. Actina-ADP da extremidade menos (-) se dissocia na mesma razão que actina-atp se associa ao lado mais (+), balanceando assim o tamanho do filamento de actina.

6 Actina - proteína mais abundante do citoesqueleto (5 a 10% da proteína total de células eucarióticas) Organização dos filamentos de actina Polimerização de actina leva a formação de filamentos também chamados de microfilamentos Microfilamentos estão organizados em: - filamentos de actinas que estão disposto em paralelo unidos por proteínas acessórias pequenas que estão associadas à actina não covalentemente. - filamentos de actinas que estão dispostos em rede unidos por proteínas grandes e flexíveis que estão associadas também não covalentemente, porém em posições ortogonais com actina conferindo a forma de rede. Os filamentos de actina apresentam característica de gel semi-sólido e estão próximo a membrana plasmática providenciando suporte mecânico, forma e permitindo movimento celular.

7 Associação de filamentos de actina com a membrana plasmática Eritrócitos ou hemáceas são particularmente importante para o estudo de rede de filamento de actinas por não possuirem organelas internas e outros componentes do citoesqueleto como microtubulos e filamentos intermediários. Associação do citoesqueleto cortical de eritrócitos com a membrana plasmática. A membrana plasmática é associada com uma rede de tetrâmeros de espectrina ligados a curtos filamentos de actina em associação com proteina banda 4.1. A rede actina-espectrina é ligada para a membrana pela anquirina, a qual liga-se ambas espectrina e uma proteína abundante chamada banda 3. Adicional ligação é providenciada pela ligação da proteína banda 4.1 para glicoforina.

8 JUNÇÕES ADERENTES Fibras de actina ligadas a membrana plasmática nos pontos de adesão focal exemplo fibroblastos aderidos a placas de cultura (cultura de tecidos) via integrina (proteína transmembrana) As adesões focais são mediadas por ligação com integrinas para proteínas da matrix extracelular. Filamentos de actinas (ligação cruzada com alfaactinina, proteína acessória) estão interagindo com as integrinas

9 JUNÇÕES ADERENTES CADERINAS Interação Célula-Célula Image of human epithelial cells with cadherin stained green and nucleus blue. The green staining cadherin is very widely distributed between these cells. This is why it appears that the plasma membrane is stained green. (courtesy of Louise Cramer, Laboratory for Molecular Cell Biology & Cell Biology Unit, University College London, UK and Vania Braga, Imperial College London, UK)

10 PAPEL DE FILAMENTOS DE ACTINA NA FORMAÇÃO DE PROJEÇÕES DA SUPERFÍCIE DAS CÉLULAS. Organização da microvilosidades. Filamentos de actina das microvilosidades são interligados por fimbrina e vilina (proteínas acessórias) em posições paralelas formando as projeções da superficie celular das células do epitélio intestinal envolvidos em processos de absorção de nutrientes. Isto aumenta a superficie de contato destas células com seu ambiente.

11 MICROTUBULOS - São o terceiro componente principal do citoesqueleto, se apresentam como bastões cilíndricos de natureza rígida. - Como filamentos de actina, os microtubulos também polimerizam e despolimerizam contínuamente atuando como estruturas dinâmicas. - Função - Determina forma da célula - Atua numa variedade de movimentos celulares (ex.locomoção) - Transporte intracelular de organelas - Separação dos cromossomos durante a divisão celular - Composição - Proteína globular tubulina dímero de 55 kda (subunidades alfa e beta-tubulina)

12 Microtubulos Dímeros de alfa e betatubulinas polimerizam para formar microtubulos, os quais são compostos por 13 protofilamentos montandos em núcleo cilindríco Como actina, microtubulos também tem uma polaridade. Extremidade mais (+) cresce mais rápido, enquanto a extremidade menos (-) cresce lentamente. Tubulina-GTP é adicionado a + e rápidamente GTP é hidrolisado a GDP. A hidrólise para GDP enfraquece a interação da tubulina-gdp com moléculas adjacentes e então despolimerização acontece O processo leva a elongação e encurtamento de microtubulos (instabilidade dinâmica) que é importante para a função destes elementos na célula, principalmente durante divisão celular.

13

14 Filamentos intermediários polipeptídeo dímero tetrâmero protofilamento filamento Em contraste com filamentos de actina e microtubulos, os filamentos intermediários não estão envolvidos diretamente na motilidade celular, eles proporcionam resistência mecânica a células e tecidos. Estão organizados em aproximadamente 8 protofilamentos a partir de tetrâmeros. Os filamentos intermediários tem suas extremidades equivalentes e portanto não apresentam extremidades mais (+) ou menos (-) como em microtubulos e filamentos de actina.

15 Mais de 50 tipos diferentes de proteínas que compoem os filamentos intermediários tem sido identificadas e foram classificadas segundo similaridades em suas sequências de aminoácidos.

16 Organização intracelular dos filamentos intermediários Filamentos intermediários forma uma elaborada rede no citoplasma de muitas células, estendendose da circunvizinhaça do núcleo para a periferia da membrana plasmática Associam-se com os outros elementos do citoesqueleto promovendo a organização da estrutura interna da célula Distribuição de queratina (anticorpo anti-queratina com fluoróforo vermelho) e lamina (azul) amarelo-plectina Azul-filamentos intermediários Vermelho-microtúbulos Verde- fibras de conexão Microscopia eletrônica de fibroblasto corado com anticorpo anti-plectina. Plectina liga-se a filamentos de actina, microtubulos e filamentos intermediários promovendo uma ligação entre esses componentes do citoesqueleto. Estas interações estabilizam os componentes e aumentam a estabilidade mecânica da célula.

17 Motilidade celular e motores moleculares

18 Proteínas motoras Miosina-II é um protótipo de um motor molecular - uma proteína que converte energia química na forma de ATP para energia mecânica, então gerando força e movimento. Miosina-V é uma miosina com duas cabeças e cauda globular. É considerada uma miosina não convencional, está envolvida no transporte de organelas e outras cargas, por ex. Filamentos intermediários, em direção a extremidade + de filamentos de actina.

19 Proteínas motoras Miosina-I contém um grupo cabeça similar a miosina II, mas ela tem uma cauda relativamente curta e não forma dímeros ou filamentos. Embora não possa induzir contração, miosina I move-se ao longo de filamentos de actina (direção a extremidade +) e também está envolvida no transporte de organelas e outras cargas.

20 Proteínas motoras Kinesin uma proteína motora que se move ao longo de microtubulos em direção a extremidade mais (+) Dynein também uma proteína motora move-se ao longo de microtubulos em direção a extremidade menos (-) (-) (+) Transporte de vesículas ao longo dos microtubulos por cinesinas e dineínas. Note que cada uma transporta em uma direção no microtubulo.

21 Proteína EB1 liga-se ao lado + de microtubulos, somente se o CAP-GTP está presente. EB1 com fusão para GFP (green fluorescent protein) demonstra o crescimento de microtubulos do centrossomo para a periferia. Na segunda parte. Microtubulos que perderam o CAP-GTP podem tanto encurtar como elongar, assim o vídeo mostra tubulina-gfp revelando esse movimento.

22 Estrutura das células musculares Sarcômero. A unidade contráctil das células musculares são compostos por filamentos de actina e miosina interangindo entre si.

23 Estrutura do sarcômero Banda I - filamentos de actina Banda A - miosinas Modelo de contração muscular. Os filamentos de actina deslizam-se pelos filamentos de miosina em direção ao meio do sarcômero. O resultado é um encurtamento do sarcômero sem nenhuma mudança no comprimento dos filamentos.

24 Modelo de ação da miosina - A cabeça da molécula de miosina liga filamentos de actina, - Hidrólise do ATP providencia energia para o deslizamento sobre o filamento de actina. - A tradução de energia química para movimento é mediada pela mudança na forma da miosina pela ligação de ATP. - O modelo geralmente aceito é que hidrólise de ATP direciona repetidos ciclos de interação entre cabeça de miosina e actina. - Durante cada ciclo, mudanças conformacionais de miosina resulta em movimento das cabeças de miosina ao longo do filamento de actina.

25 Miosinaactina 1 Miosinaactina 2

26 Microtubulos e transporte de organelas por dineina e quinesina Quinesina lado (+) Dineína lado (-)

27 Fagocitose Motilidade celular Lamelopódia Filopódia

28 Projeções da superfície celular envolvida em fagocitose e movimento de células A B C A) macrófago fagocitando uma célula tumoral B) Ameba com varias extensões de pseudópodes C) Lamelopódia (seta-branca) e filopódia (seta vermelha)

29

30 MOVIMENTO INTERNO NA CÉLULA Exemplos. O citoesqueleto atua como um trilho na qual as células podem mover organelas, cromossomos e outros complexos. - Movimento de organelas do interior para a superfície celular, frequentemente estudado em axônio gigante de lula. - Movimentação interna no citoplasma - Movimento de vesículas contendo pigmentos para mudanças de coloração com fins de proteção - Descarte de vesículas contendo água no processo de regulação em protozoários. - Divisão celular - citocinese. - Movimento dos cromossomos durante mitose e meiose.

31 MOVIMENTO CELULAR EXTERNOS POR CÍLIOS E FLAGELOS. Cílios Cílios são estruturas finas tipo cabelo que se movimentam em sincronia promovendo a movimentação de organismos unicelulares como por ex. Paramaecium Cílios são também encontrado em orgãos especializados de eucariotos. Por exemplo, células da traquéia e do oviduto em mulheres.

32 MOVIMENTO CELULAR EXTERNO POR CÍLIOS E FLAGELOS. Flagelos São mais longos que os cílios, mas apresentam estrutura interna similar feita de microtubulos. Ambos flagelo e cílios possuem um arranjo de 9/2 microtubulos. Este arranjo se refere a 9 pares de microtubulos com fusão de pares no lado externo do flagelo, e 2 microtubulos não fundidos no centro. Dineína anexada ao microtubulo serve como motor molecular. Defeitos na dineína causa infertilidade em homem.

33 Molecular Cell Biology Harvey Lodish Arnold Berk Lawrence S. Zipursky Paul Matsudaira David Baltimore James Darnell Fourth EditionW. H. FREEMAN Molecular Biology of the Cell Fourth Edition Bruce Alberts, Alexander Johnson, Julian Lewis, Martin Raff, Keith Roberts, Peter Walter The Cell A Molecular Approach Geoffrey M. Cooper Boston University

Citoesqueleto. Organização dos componentes celulares Interação mecânica com o ambiente Movimentos coordenados. Ações dependentes do citoesqueleto

Citoesqueleto. Organização dos componentes celulares Interação mecânica com o ambiente Movimentos coordenados. Ações dependentes do citoesqueleto Citoesqueleto Citoesqueleto Organização dos componentes celulares Interação mecânica com o ambiente Movimentos coordenados Ações dependentes do citoesqueleto ossos e músculos celulares Micrografia de fluorescência

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV MED049 - BIOLOGIA E BIOQUIMICA. Citoesqueleto

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV MED049 - BIOLOGIA E BIOQUIMICA. Citoesqueleto UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV MED049 - BIOLOGIA E BIOQUIMICA Citoesqueleto Profª MsC. Polyanna Carôzo de Oliveira Salvador - BA 2017 FUNÇÕES Definição de diversas

Leia mais

CITOSQUELETO. Microfilamentos de actina. Microtúbulos. Filamentos intermédios

CITOSQUELETO. Microfilamentos de actina. Microtúbulos. Filamentos intermédios CITOSQUELETO Microfilamentos de actina Microtúbulos Filamentos intermédios O citosqueleto é composto por 3 elementos principais de filamentos proteicos: Microfilamentos (Filamentos de actina) Microtúbulos

Leia mais

CITOESQUELETO 4/10/2012 TRÊS TIPOS DE FILAMENTOS PRESENTES NO CITOESQUELETO. Diâmetros: 10nm, 25nm, 7nm MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

CITOESQUELETO 4/10/2012 TRÊS TIPOS DE FILAMENTOS PRESENTES NO CITOESQUELETO. Diâmetros: 10nm, 25nm, 7nm MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS CITOESQUELETO TRÊS TIPOS DE FILAMENTOS PRESENTES NO CITOESQUELETO FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS DE ACTINA Diâmetros: 10nm, 25nm, 7nm 1 MICROTÚBULOS Introdução Geral Diâmetro de 25nm

Leia mais

CITOESQUELETO. Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO

CITOESQUELETO. Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Adesões Celulares Transporte Vesicular Manutenção da Forma Movimentos Celulares Coordenados Contração Muscular Transporte de substâncias em massa Divisão Celular Actina

Leia mais

Características gerais Composição Filamentos de Actina Filamentos Intermediários Microtúbulos Proteínas Motoras

Características gerais Composição Filamentos de Actina Filamentos Intermediários Microtúbulos Proteínas Motoras Características gerais Composição Filamentos de Actina Filamentos Intermediários Microtúbulos Proteínas Motoras Rede tridimensional localizada no citoplasma que forma o arcabouço celular. Formado de proteínas.

Leia mais

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Filamentos de actina Encontrados em todas as células eucarióticas Essenciais

Leia mais

Citoesqueleto e Matriz extracelular

Citoesqueleto e Matriz extracelular Citoesqueleto e Matriz extracelular OBJETIVOS da aula os estudantes deverão ser capazes de Descrever os componentes do citoesqueleto (microtúbulos, microfilamentos e filamentos intermediários), suas funções

Leia mais

Filamentos Intermediários, Microfilamentos e Microtúbulos

Filamentos Intermediários, Microfilamentos e Microtúbulos Filamentos Intermediários, Microfilamentos e Microtúbulos Prof. Dr. Luis Lamber0 Junho 2017 Citoesqueleto: Organização e Mo5lidade celular - Diversidade de formas e movimentos - Diversidade das adesões

Leia mais

Citoesqueleto e movimento celular

Citoesqueleto e movimento celular Citoesqueleto e movimento celular Prof. Vinicius Farias Campos, BSc., MSc. fariascampos@gmail.com Abordagens... O que é e qual é a constituição do citoesqueleto Quais funções o citoesqueleto desempenha

Leia mais

Citoesqueleto e movimento celular

Citoesqueleto e movimento celular Citoesqueleto e movimento celular Prof. Dr. Vinicius Farias Campos GBIOTEC - PPGB fariascampos@gmail.com Abordagens... O que é e qual é a constituição do citoesqueleto Quais funções o citoesqueleto desempenha

Leia mais

UNIDADE 9 CITOESQUELETO

UNIDADE 9 CITOESQUELETO UNIDADE 9 CITOESQUELETO 1. VISÃO GERAL O citoesqueleto é um sistema de proteínas filamentosas presente tanto em organismos eucariotos quanto em organismos procariotos. O termo citoesqueleto (originalmente,

Leia mais

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma CITOESQUELETO Citoesqueleto Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma 1 Citoesqueleto Garante a estrutura da célula e de suas organelas; Ajuda a organizar a atividade

Leia mais

3. MATRIZ CITOPLASMÁTICA E CITOESQUELETO

3. MATRIZ CITOPLASMÁTICA E CITOESQUELETO 3. MATRIZ CITOPLASMÁTICA E CITOESQUELETO Citoesqueleto, com microscópio de fluorescência (Raven, P.H., R. F. Evert & S. E. Eichhorn. 1992. Biology of Plants, 5th ed. Worth Publishers). Organelos celulares

Leia mais

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina

Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos. MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Componentes do citoesqueleto: filamentos protéicos MT = microtúbulos IF = filamentos intermediários AF = filamentos de actina Filamentos de actina Encontrados em todas as células eucarióticas Essenciais

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR. Msc. Jessica Borges de Oliveira

BIOLOGIA CELULAR. Msc. Jessica Borges de Oliveira BIOLOGIA CELULAR Msc. Jessica Borges de Oliveira Citoplasma Citoplasma Citoesqueleto Organelas Celulares Citoplasma Também chamado de hialoplasma. Em células eucariontes o citoplasma compreende o espaço

Leia mais

INTRODUÇÃO Conjunto de elementos que, em sintonia, são responsáveis pela integridade estrutural das células e por uma ampla variedade de processos din

INTRODUÇÃO Conjunto de elementos que, em sintonia, são responsáveis pela integridade estrutural das células e por uma ampla variedade de processos din CITOESQUELETO INTRODUÇÃO Conjunto de elementos que, em sintonia, são responsáveis pela integridade estrutural das células e por uma ampla variedade de processos dinâmicos CITOESQUELETO Contrariamente ao

Leia mais

Ciclo Celular e mitose

Ciclo Celular e mitose REGULAÇÃO DO CICLO CELULAR DOS EUCARIOTOS Ciclo Celular e mitose Célula de rim de rato em metáfase. Cromossomos condensandos (azul), microtúbulos (vermelho) e uma proteína do envelope nuclear POM121 (verde).

Leia mais

Citoplasma. Citoesqueleto e organelas. Natália Paludetto

Citoplasma. Citoesqueleto e organelas. Natália Paludetto Citoplasma Citoesqueleto e organelas Natália Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Citoplasma celular Sinônimos hialoplasma, matriz citoplasmática, citossol; Acreditava-se que era um fluido homogêneo e

Leia mais

1 Introdução O citoesqueleto é formado por redes proteicas presentes no citossol que estão relacionadas a diversas funções celulares.

1 Introdução O citoesqueleto é formado por redes proteicas presentes no citossol que estão relacionadas a diversas funções celulares. 1 Introdução O citoesqueleto é formado por redes proteicas presentes no citossol que estão relacionadas a diversas funções celulares. Dentre elas podemos citar: manter a forma da célula e dar suporte a

Leia mais

Citoplasma. Compreende a região entre a membrana plasmática e o núcleo. Do grego kytos (célula) e plasma (molde).

Citoplasma. Compreende a região entre a membrana plasmática e o núcleo. Do grego kytos (célula) e plasma (molde). Citoplasma Compreende a região entre a membrana plasmática e o núcleo. Do grego kytos (célula) e plasma (molde). Neste local ocorrem diversas reações químicas do metabolismo celular. Citoplasma Organelas

Leia mais

Células procarióticas. Disponível em: <http://www.uic.edu/classes/bios/bios100/lectures/prok02.jpg>. Acesso em: 12 mar

Células procarióticas. Disponível em: <http://www.uic.edu/classes/bios/bios100/lectures/prok02.jpg>. Acesso em: 12 mar Citoplasma Células procarióticas Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2012. Células eucarióticas Preenchido pelo hialoplasma ou citosol Possui

Leia mais

Biologia Celular e Molecular. Prof a Dr a. Iêda Guedes

Biologia Celular e Molecular. Prof a Dr a. Iêda Guedes Biologia Celular e Molecular Prof a Dr a. Iêda Guedes Função do Citoesqueleto -rede de filamentos / dinâmica -manutenção da forma da célula -organização da estrutura interna da célula -crescimento e adaptação

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 Os microtúbulos são constituídos por tipos de cadeias polipeptídicas denominadas tubulinas alfa e tubulinas beta. Cada cadeia é formada por um conjunto de 13 protofilamentos dispostos paralelamente.

Leia mais

Disciplina de Biologia Celular

Disciplina de Biologia Celular Universidade Salgado de Oliveira Disciplina de Biologia Celular Biomembranas, Matriz Extracelular e Junções Intercelulares Profª Larissa dos Santos Estrutura e composição química das membranas biológicas

Leia mais

Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações

Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações Tecido: comunidade organizada de células estabelecimento de interações moléculas de adesão permitem que as células mantenham o contato umas com as outras e com componentes da matriz extracelular Interações

Leia mais

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia Ramo da Biologia que estuda os tecidos; Tecido - é um conjunto de células, separadas ou não por substâncias intercelulares e que realizam determinada

Leia mais

Biologia Celular. Organitos (continuação)

Biologia Celular. Organitos (continuação) Biologia Celular Organitos (continuação) Organitos Ribossomas Retículo endoplasmático Aparelho / Complexo de Golgi / Dictiossomas Lisossomas, Endossomas, e outras vesículas Vacúolos Mitocôndrios Cloroplastos

Leia mais

Membrana Celular. Membrana Celular 08/03/13. Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica

Membrana Celular. Membrana Celular 08/03/13. Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica Membrana Celular Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica Membrana celular -Membrana plasmática -Endomembranas Membrana Celular Membrana plasmática: limite celular Sistema de

Leia mais

Citoesqueleto Biologia Molecular e Celular II

Citoesqueleto Biologia Molecular e Celular II Citoesqueleto Biologia Molecular e Celular II - 2015 Citoesqueleto Organização dos componentes celulares Interação mecânica com o ambiente = forma Movimentos coordenados Direcionamento do trânsito intracelular

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS. Prof. Piassa

CITOPLASMA E ORGANELAS. Prof. Piassa CITOPLASMA E ORGANELAS Prof. Piassa A CÉLULA 1 Citosol (Hialoplasma) Constituído de água e proteínas, as quais formam um colóide, o qual é mais viscoso na periferia da célula. Local de ocorrência de reações

Leia mais

CITOLOGIA. Equipe de Biologia Leonardo da Vinci

CITOLOGIA. Equipe de Biologia Leonardo da Vinci CITOLOGIA Equipe de Biologia Leonardo da Vinci CITOLOGIA Unicelulares x Pluricelulares Procariontes x Eucariontes CÉLULA ANIMAL CÉLULA ANIMAL Citoplasma (Citosol ou Hialoplasma) Substância gelatinosa (aquosa)

Leia mais

BIOLOGIA. Moléculas, células e tecidos. Estrutura e fisiologia da Membrana Plasmática - Parte 3. Professor: Alex Santos

BIOLOGIA. Moléculas, células e tecidos. Estrutura e fisiologia da Membrana Plasmática - Parte 3. Professor: Alex Santos BIOLOGIA Moléculas, células e tecidos Professor: Alex Santos Tópicos em abordagem: Parte 2 Transporte e especializações de membrana V Transporte através de membrana VI Especializações de membrana II Especializações

Leia mais

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3 Junções intercelulares HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3 Vera Regina Andrade, 2015 São estruturas da membrana plasmática que contribuem para a adesão e comunicação entre as células Também podem ser vedantes,

Leia mais

REVISÃO BIOCEL E MOL DO OR DO NOT, THERE IS NO TRY.

REVISÃO BIOCEL E MOL DO OR DO NOT, THERE IS NO TRY. REVISÃO BIOCEL E MOL DO OR DO NOT, THERE IS NO TRY. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CITOESQUELETO MICROFILAMENTOS MICROTÚBULOS FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS Estrutura geral dos monômeros 8 nm CARACTERÍSTICAS GERAIS

Leia mais

Membrana Celular (Membrana Plasmática)

Membrana Celular (Membrana Plasmática) Partes da Célula: Membrana Celular (Membrana Plasmática) Citoplasma - citosol - organelas (compartimentalização funcional) Núcleo A Membrana Plasmática: estrutura geral O Modelo do Mosaico Fluido A Membrana

Leia mais

23/02/2014. Vera Andrade

23/02/2014. Vera Andrade Vera Andrade http://histologiavvargas.wordpress.com/ O que são células? Quais os tamanhos, as formas e as funções das células? Como se classificam? Algumas características celulares Organelas celulares

Leia mais

CÉLULAS. 8 ano Profª Elisete

CÉLULAS. 8 ano Profª Elisete CÉLULAS 8 ano Profª Elisete Quanto ao número de células Os seres vivos podem ser: UNICELULARES apresentam uma única célula. Ex: bactérias e protozoários. PLURICELULARES apresentam mais células. Ex: seres

Leia mais

Os cartões à seguir devem ser recortados, dobrados ao meio e colados.

Os cartões à seguir devem ser recortados, dobrados ao meio e colados. Os cartões à seguir devem ser recortados, dobrados ao meio e colados. CASO A Herpes é uma doença infecciosa muito contagiosa, causada pelo vírus Herpes simplex. Como todo vírus, ele é muito pequeno, não

Leia mais

Junções Celulares Adesão Celular Matriz Extracelular Iêda Guedes

Junções Celulares Adesão Celular Matriz Extracelular Iêda Guedes Junções Celulares Adesão Celular Matriz Extracelular Iêda Guedes Molecular Biology of the Cell Alberts et al., 2002 quarta edição JUNÇÕES CELULARES junções oclusivas junções de ancoramento junções comunicantes

Leia mais

CITOPLASMA ÚNICO PROFESSOR BELLINATI

CITOPLASMA ÚNICO PROFESSOR BELLINATI CITOPLASMA ÚNICO PROFESSOR BELLINATI CÉLULAS UNIDADE FUNDAMENTAL DA VIDA membrana plasmática; citoplasma com citosol e organelas; material genético (DNA). Célula Bacteriana (procariota) CITOPLASMA PROCARIOTO

Leia mais

Membrana plasmática (plasmalema)

Membrana plasmática (plasmalema) Membrana plasmática (plasmalema) Bicamada lipídica (fosfolipídio + colesterol) responsável pela proteção e pelo controle da entrada e saída de substâncias da célula (permeabilidade seletiva). Modelo do

Leia mais

Permeabilidade da Bicamada Lipídica. Barreira hidrofóbica impermeável a solutos e íons. tamanho da molécula. solubilidade da molécula (em óleo)

Permeabilidade da Bicamada Lipídica. Barreira hidrofóbica impermeável a solutos e íons. tamanho da molécula. solubilidade da molécula (em óleo) Permeabilidade da Bicamada Lipídica Barreira hidrofóbica impermeável a solutos e íons tamanho da molécula solubilidade da molécula (em óleo) TRÂNSITO ATRAVÉS DA MEMBRANA MEMBRANA PLASMÁTICA TRÂNSITO ATRAVÉS

Leia mais

09/08/2017. Do que a membrana plasmática é composta? Qual sua estrutura morfológica? Biologia Celular e Molecular. Joana Da Mata. Membrana Plasmática

09/08/2017. Do que a membrana plasmática é composta? Qual sua estrutura morfológica? Biologia Celular e Molecular. Joana Da Mata. Membrana Plasmática Biologia Celular e Molecular Joana Da Mata Membrana Plasmática Do que a membrana plasmática é composta? Qual sua estrutura morfológica? Como o espermatozoide reconhece o oócito? Qual seu tipo sanguíneo?

Leia mais

TECIDO MUSCULAR (parte 1)

TECIDO MUSCULAR (parte 1) TECIDO MUSCULAR (parte 1) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br COMO OCORREM OS MOVIMENTOS? As atividades musculares são

Leia mais

I DEFINIÇÃO

I DEFINIÇÃO CITOPLASMA I DEFINIÇÃO MOVIMENTOS CITOPLASMÁTICOS: A) Ciclose: corrente citoplasmática orientada num certo sentido, sendo bem visível especialmente no endoplasma de muitas células vegetais. Proporciona

Leia mais

Conceitos fundamentais de Biologia Celular

Conceitos fundamentais de Biologia Celular Conceitos fundamentais de Biologia Celular Principais estruturas da célula eucariótica O NÚCLEO Contém nos cromossomos todo o genoma (DNA) das células; Responsável pela síntese e processamento dos RNAs

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS CELULARES. BIOLOGIA AULA 5 Professor Esp. André Luís Souza Stella Professora Esp. Lúcia Iori

CITOPLASMA E ORGANELAS CELULARES. BIOLOGIA AULA 5 Professor Esp. André Luís Souza Stella Professora Esp. Lúcia Iori CITOPLASMA E ORGANELAS CELULARES BIOLOGIA AULA 5 Professor Esp. André Luís Souza Stella Professora Esp. Lúcia Iori CITOPLASMA CITOPLASMA Também chamado de hialoplasma; É o fluido intracelular, onde estão

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO. Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares.

ROTEIRO DE ESTUDO. Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares. ROTEIRO DE ESTUDO Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares. Tópicos abordados 1)Visão Geral da Célula: Origem celular. Células como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Farmácia (02) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Biologia Celular (Cell Biology) Carga Horária Total: 60 Teórica: 45 Atividade Prática: 15 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

TRANSPORTE INTRACELULAR, SECREÇÃO, ENDOCITOSE E FAGOCITOSE

TRANSPORTE INTRACELULAR, SECREÇÃO, ENDOCITOSE E FAGOCITOSE TRANSPORTE INTRACELULAR, SECREÇÃO, ENDOCITOSE E FAGOCITOSE VISÃO GERAL DA CÉLULA COMPARTIMENTALIZAÇÃO DELIMITADA POR MEMBRANAS Visão geral da principal via de distribuição de proteínas nas células eucarióticas

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Organelas celulares Estruturas encontradas no interior do citoplasma das células que realizam diversas funções relacionadas com a sobrevivência da célula. Célula Vegetal As células

Leia mais

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira.

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. Morfologia Humana Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br -A visualização das células só é possível por meio de diferentes metodologias de coloração e de microscopia; -Há

Leia mais

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citosol é a porção liquida do interior das células e de organismos intracelulares. O termo foi introduzido em 1965, como o conteúdo liberado quando células eram

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE CÉLULAS EM TECIDOS

INTEGRAÇÃO DE CÉLULAS EM TECIDOS INTEGRAÇÃO DE CÉLULAS EM TECIDOS Junções Celulares Matriz Extracelular Integração de células em tecidos Introdução A maioria das células animais organizam se em tecidos que se associam em unidades funcionais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Médico Veterinário Há pessoas

Leia mais

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA Adaptação Ponto de vista evolutivo Exemplos: gado Zebu X gado europeu Aclimatação Alteração fisiológica, bioquímica ou anatômica a partir

Leia mais

Cap. 6 Citoplasma e Organelas

Cap. 6 Citoplasma e Organelas Cap. 6 Citoplasma e Organelas CITOPLASMA Características gerais: Kytos célula / Plasma Líquido Em PROCARIONTES: Líquido viscoso Citosol + DNA (nucleoide + plasmídios) + ribossomos Ausência de membranas

Leia mais

FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS. Movimentação e Contração muscular

FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS. Movimentação e Contração muscular FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS Movimentação e Contração muscular 1. MOVIMENTAÇÃO Inclui locomoção, deslocamento de células e propulsão de alimentos (e líquidos). Gera calor. http://www.fillosdegalicia.com.br http://www.myspace.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR. Citoesqueleto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR. Citoesqueleto UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR Citoesqueleto Profa. Dra. Nívea Macedo Citoesqueleto Para o funcionamento celular adequado:

Leia mais

Aulas Multimídias Santa Cecília. Profª Renata Rodrigues Biologia - 9ºano EF

Aulas Multimídias Santa Cecília. Profª Renata Rodrigues Biologia - 9ºano EF Aulas Multimídias Santa Cecília Profª Renata Rodrigues Biologia - 9ºano EF CITOPLASMA 1 2 5 6 7 8 9 10 3 11 4 12 SUSTENTAÇÃO INTERNA DA CÉLULA E MOVIMENTOS CELULARES CITOESQUELETO: Conjunto de filamentos;

Leia mais

Principais eventos do ciclo celular eucarioto. G1+S+G2 = interfase M = mitose. Célulasfilha. Síntese de DNA. Cromátidesirmã.

Principais eventos do ciclo celular eucarioto. G1+S+G2 = interfase M = mitose. Célulasfilha. Síntese de DNA. Cromátidesirmã. Divisão celular Principais eventos do ciclo celular eucarioto Cromátidesirmã Célulasfilha Condensação dos cromossomos, envelope nuclear se desfaz, segregação. Descondensação dos cromossomos, formação do

Leia mais

Transcrição da informação genética

Transcrição da informação genética Transcrição da informação genética A síntese de RNA (mensageiro, por exemplo) se inicia com a separação das duas fitas de DNA. Apenas uma das fitas do DNA serve de molde para a produção da molécula de

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CBF120 Citologia e Histologia

Programa Analítico de Disciplina CBF120 Citologia e Histologia Catálogo de Graduação 06 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina CBF0 Citologia e Histologia Campus de Florestal - Campus de Florestal Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

Tecido muscular Capítulo 5

Tecido muscular Capítulo 5 Tecido muscular Capítulo 5 1 MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO As células do músculo estriado esquelético são originadas da fusão dos mioblastos. Figura 5.1 - Fusão dos mioblastos para formar o músculo estriado

Leia mais

Membrana Plasmática. Dra. Maria Izabel Gallão

Membrana Plasmática. Dra. Maria Izabel Gallão Membrana Plasmática Composição química A composição química das membranas oscila em torno dos valores médios de 60% de proteínas e 40% de lipídios. Associados às proteínas e os lipídios encontram-se açúcares,

Leia mais

REVISÃO: A CÉLULA E SEU FUNCIONAMENTO

REVISÃO: A CÉLULA E SEU FUNCIONAMENTO REVISÃO: A CÉLULA E SEU FUNCIONAMENTO 2 O que são Células? São as unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos; Envolvidas por membranas preenchidas por solução aquosa, onde estão presentes biomoléculas

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Como é a estrutura tridimensional das proteínas??? 4 níveis estruturais Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária Mantidas por: ligações covalentes (ligação peptídica

Leia mais

Membrana Plasmática e organelas Citoplasmáticas. Prof.ª Débora Lia Biologia

Membrana Plasmática e organelas Citoplasmáticas. Prof.ª Débora Lia Biologia Membrana Plasmática e organelas Citoplasmáticas Prof.ª Débora Lia Biologia MEMBRANA PLASMÁTICA MEMBRANA PLASMÁTICA MEMBRANA PLASMÁTICA MEMBRANA PLASMÁTICA Difusão simples MEMBRANA PLASMÁTICA Difusão simples

Leia mais

Disciplina de Biologia Celular

Disciplina de Biologia Celular Universidade Salgado de Oliveira Disciplina de Biologia Celular Organização Geral e Evolução das Células, Biomembranas, Matriz Extracelular e Junções Intercelulares Profª Larissa dos Santos Evolução do

Leia mais

Biologia Molecular e Celular. Aula 02 Profº Ricardo Dalla Zanna

Biologia Molecular e Celular. Aula 02 Profº Ricardo Dalla Zanna Biologia Molecular e Celular Aula 02 Profº Ricardo Dalla Zanna Plano de Ensino e Aprendizagem Conteúdo programático: o Unidade 1: Citologia o O fenômeno da vida o Origem e evolução das células o Características

Leia mais

Descrever a estrutura da membrana celular incluindo seus componentes e sua organização espacial

Descrever a estrutura da membrana celular incluindo seus componentes e sua organização espacial Biologia celular e do desenvolvimento Aula 1 Membrana celular Objetivos da aula os estudantes deverão ser capazes de... Descrever a estrutura da membrana celular incluindo seus componentes e sua organização

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial HISTOLOGIA Tecido Epitelial Geralmente avascularizado Características Escassez de matriz extracelular Membrana basal: separa e prende o epitélio ao tecido conjuntivo Células justapostas com junções intercelulares

Leia mais

CITOPLASMA ORGANISMOS PROCARIONTES

CITOPLASMA ORGANISMOS PROCARIONTES Citoplasma e organelas citoplasmáticas CITOPLASMA ORGANISMOS PROCARIONTES Ribossomos - Realiza a síntese de proteínas; Mesossomo - invaginação da membrana plasmática e tem como função realizar a respiração

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Membranas biológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Membranas biológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Membranas biológicas Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Membranas Biológicas Todas as células, sejam elas procariontes

Leia mais

CÉLULAS. 8 ano Profª Elisete

CÉLULAS. 8 ano Profª Elisete CÉLULAS 8 ano Profª Elisete Quanto ao número de células Os seres vivos podem ser: UNICELULARES apresentam uma única célula. Ex: bactérias e protozoários. PLURICELULARES apresentam mais células. Ex: seres

Leia mais

SEPARAR INTEGRAR A ilustração acima sugere que a membrana plasmática separa o ambiente intracelular do meio no qual a célula está inserida. Isso, no e

SEPARAR INTEGRAR A ilustração acima sugere que a membrana plasmática separa o ambiente intracelular do meio no qual a célula está inserida. Isso, no e Membrana Plasmática SEPARAR INTEGRAR A ilustração acima sugere que a membrana plasmática separa o ambiente intracelular do meio no qual a célula está inserida. Isso, no entanto, não quer dizer que a MP

Leia mais

AS MOLÉCULAS DA MATRIZ CELULAR. e organelas. Ela pode também ter uma participação no metabolismo.

AS MOLÉCULAS DA MATRIZ CELULAR. e organelas. Ela pode também ter uma participação no metabolismo. AS MOLÉCULAS DA MATRIZ CELULAR Klaus Weber e Mary Osborn Scientific American As proteínas no citoplasma formam uma matriz altamente estruturada, porém maleável, que afeta a forma da célula, a divisão e

Leia mais

Sistema Músculo Esquelético. Profª Talita Silva Pereira

Sistema Músculo Esquelético. Profª Talita Silva Pereira Sistema Músculo Esquelético Profª Talita Silva Pereira SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica, sendo caracterizado pela propriedade de contração e distensão de suas células, o que determina

Leia mais

Introdução à Bioquímica Celular

Introdução à Bioquímica Celular Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Introdução à Bioquímica Celular Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswendhell@gmail.com O que é Biologia Celular? É o ramo da ciência

Leia mais

Introdução à Biologia Celular.

Introdução à Biologia Celular. Introdução à Biologia Celular http://aimediaserver.com/studiodaily/videoplayer/?src=harvard/harvard.swf&width=640&height=520 O que é uma célula? Pequenas unidades envolvidas por membranas e preenchidas

Leia mais

Biologia Celular e Molecular:

Biologia Celular e Molecular: Disciplina: Biologia Celular e Molecular: Prof.Dr. Antonio Augusto L. Barboza Diferenciação Celular EUCARIONTES Célula Animal Célula Vegetal Células procariontes Pobreza de membranas (somente a membrana

Leia mais

CITOLOGIA. Professora:Me.Gilcele Berber

CITOLOGIA. Professora:Me.Gilcele Berber CITOLOGIA Professora:Me.Gilcele Berber CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula) + Logos (estudo) As células são as unidades

Leia mais

Biologia. Membranas Biológicas. Professor Enrico Blota.

Biologia. Membranas Biológicas. Professor Enrico Blota. Biologia Membranas Biológicas Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARTE 1 Todas as células, sejam elas procariontes ou eucariontes apresentam um revestimento

Leia mais

Histologia do tecido muscular. Professora: Me. Gilcele Berber

Histologia do tecido muscular. Professora: Me. Gilcele Berber Histologia do tecido muscular Professora: Me. Gilcele Berber Corpo humano 40 a 50 % músculos. OS MÚSCULOS BIOLOGIA, 1º Ano Classificação e características do tecido muscular FIBRA MUSCULAR Características

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Funções:

TECIDO EPITELIAL. Funções: TECIDO EPITELIAL Constituídoas por células poliédricas justapostas, entre as quais elas existe tem pouca substância extracelular. As células se aderem umas às outras por junções intercelulares. Funções:

Leia mais

4 VERA LÚCIA CORRÊA FEITOSA

4 VERA LÚCIA CORRÊA FEITOSA CITOESQUELETO Aula 4 VERA LÚCIA CORRÊA FEITOSA META Fazer uma descrição sobre a organização estrutural e funcional do citoesqueleto. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: definir as características

Leia mais

Plano de Ensino. Qualificação/link para o Currículo Lattes: Disciplina: Biologia Celular

Plano de Ensino. Qualificação/link para o Currículo Lattes:   Disciplina: Biologia Celular Plano de Ensino Universidade Federal do Espírito Santo Campus: Alegre Cursos: Medicina Veterinária e Nutrição Departamento Responsável: Biologia Data de Aprovação (Art. nº 91): Docente responsável: Tatiana

Leia mais

Transporte Intracelular Tráfego vesicular: secreção e endocitose

Transporte Intracelular Tráfego vesicular: secreção e endocitose Transporte Intracelular Tráfego vesicular: secreção e endocitose Prof. Dr. Luis Lamber0 Março 2017 O sistema de endomembranas RE, Complexo de Golgi, endossomos, lisossomos e membrana plasmá6ca compõem

Leia mais

Terapia Ocupacional. Fisilogia

Terapia Ocupacional. Fisilogia Curso: Terapia Ocupacional Disciplina: Fisilogia Aula: Membrana Plasmática Profº. Ms. Rafael Palhano Fedato rafapalha@gmail.com Membrana Plasmática ou Membrana celular É uma dupla camada de lipídios com

Leia mais

Trabalho realizado por: Ariana Gonçalves nº Ricardo Figueiredo nº

Trabalho realizado por: Ariana Gonçalves nº Ricardo Figueiredo nº Trabalho realizado por: Ariana Gonçalves nº. 57301 Ricardo Figueiredo nº. 57284 Composição: Lípidos (anfipáticos); Proteínas; Glícidos: Sob a forma de glicolípidos e glicoproteínas. (em proporções variáveis)

Leia mais

Movimentos Celulares ATP. ADP + Pi + Energia.

Movimentos Celulares ATP. ADP + Pi + Energia. Movimentos Celulares 1 Conceito movimento é o estado em que um corpo muda continuamente de posição com relação a um ponto fixo. 2 Movimento e Vida: 2.1 A vida depende de movimento. 2.2 O movimento depende

Leia mais

Enem 2015 Vestibular Vagas Sisu Bolsas Prouni Financiamento Fies Vagas Pronatec. Aulas grátis Pré-Vestibular 2014/2015. O que você quer estudar agora?

Enem 2015 Vestibular Vagas Sisu Bolsas Prouni Financiamento Fies Vagas Pronatec. Aulas grátis Pré-Vestibular 2014/2015. O que você quer estudar agora? Página 1 de 7 Enem 2015 Vestibular Vagas Sisu Bolsas Prouni Financiamento Fies Vagas Pronatec Aulas grátis Pré-Vestibular 2014/2015. O que você quer estudar agora? buscar Blog do enem O que é o Enem Notas

Leia mais

Tema B ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR

Tema B ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR 1 Constituição da fibra muscular 2 Caracterização das funções gerais dos principais elementos - Placa motora; miofibrilhas; proteínas contráteis (actina e

Leia mais

Membranas Biológicas

Membranas Biológicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC BIOQUÍMICA BIO0001 Membranas Biológicas Prof Karine P. Naidek Outubro/2016 Membranas Biológicas Membranas

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology CONTRAÇÃO MUSCULAR Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Letícia Lotufo Discos Intercalares Músculo Tipos de músculo Estrutura Função Esquelético Cardíaco Liso Célula cilíndrica

Leia mais

Citohistologia Animal

Citohistologia Animal Citohistologia Animal Aula 1 Introdução Profa. Melissa Kayser Visão Geral Corpo humano organizado em 4 básicos: tecidos Epitelial Muscular Nervoso Conjuntivo Visão Geral - Tecidos consistem em celúlas

Leia mais

Aulas 21 a 24 Capítulo 9 do livro texto

Aulas 21 a 24 Capítulo 9 do livro texto Orgânulos do citoplasma Aulas 21 a 24 Capítulo 9 do livro texto Como estudar a célula? Na década de 50 microscópio eletrônico 1milímetro = 1m/1000 = 0,1 cm 1micrômetro = 1m/1.000.000 = 0,0001 cm 1 nanômetro

Leia mais