SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN"

Transcrição

1 SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN

2 1. A REFORMA DO ARRENDAMENTO URBANO: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL E OBJETIVOS 2. ALTERAÇÕES NO REGIME SUBSTANTIVO 3. O REGIME TRANSITÓRIO 4. A POSSIBILIDADE DE NEGOCIAÇÃO ATUALIZAÇÃO DAS RENDAS 5. ALTERAÇÕES NO REGIME PROCESSUAL PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO

3 LEGISLAÇÃO: - Obras em prédios arrendados LEI Nº 30/2012, 14.08: procede à segunda alteração ao DL nº 157/2006 de que aprova o regime jurídico das obras em prédios arrendados (Declaração retificação nº 59-B/2012 de 12.10)

4 - Regime jurídico do arrendamento urbano LEI Nº 31/2012, 14.08: procede à revisão do regime jurídico do arrendamento urbano; altera o Código Civil, o Código do Processo Civil e a Lei nº 6/2006, de 27 de fevereiro Declaração de retificação nº 59-A/2012, de Entrada em vigor:

5 - Reabilitação urbana LEI Nº 32/2012, 14.08: procede à primeira alteração do DL nº 307/2009 de que estabelece o regime jurídico da reabilitação urbana e ao Código Civil, aprovando medidas destinadas a agilizar e a dinamizar a reabilitação urbana alteração dos artigos 1424º, 1425º e 1426º do CC

6 - Regime de determinação do nível de conservação dos prédios urbanos DL nº 266-B/2012, 31.12: determinação do nível de conservação de um prédio urbano ou de uma fração autónoma é ordenada pela Câmara Municipal, oficiosamente ou a requerimento

7 - Regimes de determinação do rendimento anual bruto corrigido (RABC) e de atribuição do subsídio de renda; elementos do contrato de arrendamento e requisitos da sua celebração (alteração ao DL nº 160/2006, 08.08) DL nº 266-C/2012, 31.12

8 - DL nº 1/2013, de 7 de janeiro: procede à instalação e à definição das regras de funcionamento do Balcão Nacional do Arrendamento (BNA) e do procedimento especial de despejo (PED)

9 - Portaria nº 9/2013, de 10 de janeiro: regulamenta vários aspetos do procedimento especial de despejo (PED) Exemplos: formas de apresentação, modelos de requerimento, forma da oposição, indicação do agente de execução e notário e respetiva remuneração pelos atos praticados

10 Artigo 1º Lei nº 31/2012, º alteração do regime substantivo: alargamento da liberdade contratual na estipulação das regras relativas à duração dos contratos de arrendamento; 2º alteração do regime transitório dos contratos de arrendamento celebrados antes da entrada em vigor da Lei nº 6/2006, de 27.02; reforço da negociação, facilitando a transição desses contratos para o novo regime

11 3º criação do procedimento especial de despejo do local arrendado: permitir a célere recolocação do local arrendado no mercado de arrendamento Objetivos para contratos novos e para os antigos: autonomia contratual reforçada; possibilidade de negociação

12 GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA 2013 PONTO 5.3. MERCADO DO ARRENDAMENTO O objetivo destas reformas é claro: criar um mercado de arrendamento mais dinâmico que, em conjunto com o impulso à reabilitação urbana, possa oferecer soluções de habitação mais ajustadas às necessidades e a preços mais acessíveis. Visa-se atingir uma maior mobilidade das pessoas, a redução do endividamento das famílias e do desemprego, a requalificação e revitalização das cidades e a dinamização das atividades económicas associadas ao setor da construção. A reforma do regime do arrendamento urbano estabelece, entre outras, medidas de flexibilização do regime aplicável aos contratos novos, de agilização do procedimento de desocupação do imóvel e de transição dos contratos antigos para o novo regime e atualização das correspondentes rendas. Razões de justiça social justificaram a previsão, no novo regime, de medidas de exceção para os arrendatários que, pela sua situação económica, idade ou condição física, carecem de proteção social. Para o período , o Governo propõe -se monitorizar a aplicação das novas reformas e a promover o esclarecimento dos cidadãos e das empresas quanto às suas novidades.

13 ALTERAÇÃO DOS ARTIGOS: 1048º (falta de pagamento da renda ou aluguer resolução do contrato), 1054º (renovação do contrato caducidade), 1055º (oposição à renovação), 1069º (celebração, forma), 1072º (uso efetivo do locado), 1080º (regras imperativas), 1083º (fundamento da resolução), 1084º (modo de resolver), 1085º (caducidade do direito de resolver), 1087º (desocupação), 1094º a 1098º (duração dos contratos), 1100º a 1103º (denúncia nos contratos de duração indeterminada), 1106º (transmissão por morte) e 1110º (contratos para fins não habitacionais)

14 art. 1069º: O contrato de arrendamento deve ser celebrado por escrito, independentemente do prazo (antes a forma escrita só era obrigatória para contratos de prazo superior a seis meses) falta de forma gera a nulidade (art. 220º CC) Sua falta e implicações processuais: impossibilidade de recorrer ao PED (art. 15º Lei nº 6/2006)

15 Elementos do contrato de arrendamento e requisitos a que deve obedecer a sua celebração: art. 1070º CC e DL nº 160/2006, 8.08 com redação do DL nº 266-C/2012, Conteúdo necessário (art. 2º) Conteúdo eventual (art. 3º)

16 - Uma das obrigações do arrendatário é o uso efetivo do local arrendado, para o fim contratado, não deixando de o utilizar por mais de um ano (art. 1072º) causa de resolução: art. 1083º, nº 2 d) - Exceções previstas no nº 2: alteração = aditamento da alínea d): licitude do não uso por mais de um ano se a ausência se dever à prestação de apoios continuados a pessoas com deficiência com grau de incapacidade superior a 60%, incluindo a familiares

17 Passaram a ser imperativas as normas sobre a resolução, a caducidade e a denúncia do arrendamento urbano: art. 1080º (antes reportava-se apenas às normas da subsecção IV sobre a cessação) Motivos da cessação: art. 1079º (acrescentese oposição à renovação )

18 Nº 1: Incumprimento de qualquer das partes: possibilidade de resolução Nº 2: É fundamento de resolução o incumprimento que, pela sua gravidade ou consequências, torne inexigível à outra parte a manutenção do arrendamento, designadamente, quanto à resolução pelo senhorio: ALTERAÇÕES a) desaparece a exigência de violação reiterada e grave;

19 c) retira dúvidas sobre as consequências do uso para fim diverso: é qualquer uso para fim diverso daquele a que o contrato se destina, ainda que a alteração do uso não implique maior desgaste ou desvalorização do prédio consequência para o incumprimento do artigo 1038º, alínea c); e) acrescentou-se a expressão do gozo do prédio : clarificação

20 Nº 3 (nova redação com negrito nas alterações): É inexigível ao senhorio a manutenção do arrendamento em caso de mora superior a dois meses no pagamento da renda, encargos ou despesas que corram por conta do arrendatário ou de oposição por este à realização de obra ordenada por autoridade pública, sem prejuízo do disposto nos nºs. 3 a 5 do artigo seguinte.

21 MORA EXIGÍVEL: DOIS MESES (antes eram três meses) MORA: na falta de pagamento da renda e na falta de pagamento de encargos ou despesas que sejam da responsabilidade do arrendatário regime supletivo do artigo 1078º CC

22 MORA: Superior a oito dias, no pagamento da renda, por mais de 4 vezes, seguidas ou interpoladas, num período de 12 meses, com referência a cada contrato articulação com o artigo 1041º, nº 1 e nº 2 Não se aplica o disposto no nºs. 3 e 4 do artigo 1084º (possibilidade de colocar fim à mora)

23 MODO DE OPERAR A RESOLUÇÃO: 1084º - Causas do nº 2 do artigo 1083º: meio judicial; ação de despejo artigo 14º da lei nº 6/ Causas previstas no nº 3 e nº 4 do artigo 1083º: hipótese de resolução extrajudicial (mora há mais de 2 meses no pagamento da renda ou outros encargos da responsabilidade do arrendatário, reiterado atraso do arrendatário no pagamento e oposição à realização de obras ordenadas por autoridade pública).

24 MODO DE OPERAR POR VIA EXTRAJUDICIAL A RESOLUÇÃO: 1084º, Nº 2 COMUNICAÇÃO À CONTRAPARTE FORMA DESTA COMUNICAÇÃO: artigo 9º, nº 7 da Lei nº 6/2012 redação alterada): a) notificação avulsa: 84º CPC b) contacto pessoal de advogado, solicitador ou agente de execução, sendo feita na pessoa do notificando, com entrega de duplicado da comunicação e cópia dos documentos que a acompanham, devendo o notificando assinar o original

25 - Recusa ou paradeiro desconhecido do arrendatário: regime do artigo 10º, nº 5 a) e b) da lei nº 6/2006 c) escrito assinado e remetido pelo senhorio nos termos do nº 1, nos contratos celebrados por escrito em que tenha sido convencionado o domicílio: neste caso é inoponível ao senhorio qualquer alteração do local, salvo se este tiver autorizado a modificação (regime art. 237º -A CPC)

26 REGRA: A comunicação feita por carta registada com AR considera-se efetuada: a) em caso de devolução ao remetente, motivada por recusa em receber ou falta de levantamento b) se o AR for assinado por terceira pessoa

27 EXCEÇÕES: 1. Quando a comunicação se destina a operar a transição para o NRAU e atualização de renda 2. Quando serve de título para pagamento de rendas, encargos ou despesas ou que possam servir de base para o PED, salvo em caso de domicilio convencionado (art. 9, nº 7 c) e 82º a 88º CC)

28 EXCEÇÕES: COMO PROCEDER - O senhorio deve remeter nova carta registada com AR no prazo de 30 a 60 dias sobre a data de envio da primeira - Se a nova carta for igualmente devolvida (att. aos motivos = regra), considera-se a comunicação recebida no 10º dia posterior ao do envio

29 E se o destinatário recusar assinar o original ou receber o duplicado da comunicação e a cópia dos documentos? O advogado, solicitador ou agente de execução lavra nota do incidente: a comunicação considera-se efetuada no próprio dia

30 E se não for possível localizar o destinatário da comunicação? O senhorio remete carta registada com AR para o local arrendado no prazo de 30 a 60 dias sobre a data em que o destinatário não foi localizado: considera-se a comunicação recebida no 10º dia posterior ao do seu envio

31 Nº 3 do art. 1084º: a resolução feita extrajudicialmente pelo senhorio, quando se funde na falta de pagamento de renda, encargos ou despesas, fica sem efeito se o arrendatário puser fim à mora no prazo de 1 mês (antes eram 3 meses); mesmo regime para a oposição à realização de obra Nº 4: tal faculdade só pode ser usada uma única vez em cada contrato (antes não havia limite)

32 Art. 1085º Prazo geral: um ano a contar da data do conhecimento do facto Prazo para as causas previstas no nº 3 e 4 do artigo 1083º: três meses Direito de resolução e direito de cobrança dos valores em divida

33 Desocupação exigível após o decurso de um mês a contar da resolução se outro prazo não for judicialmente fixado ou acordado pelas partes (antes eram três meses)

34 1048º CC Desaparecimento da expressão oposição à execução no nº 1: em caso de resolução extrajudicial sem que seja entregue o arrendado, o meio processual deixou de ser a execução para entrega de coisa certa, passando a ser o procedimento especial de despejo? Referência ao preâmbulo da Portaria nº 9/2013, 10.01

35 1048º CC Consequentemente desaparece, no nº 2, a referência à fase judicial; sendo extrajudicial, o procedimento, é extrajudicial também quanto ao despejo? Acrescentou-se o nº 4: aplicação aos contratos de aluguer, resolução extrajudicial aplicação do 1084º, nº 3 e 4

36 Tipos de contratos: com prazo certo e por duração indeterminada: 1094º Regime jurídico: Com prazo certo: artigos 1095º a 1098º De duração indeterminada: artigos 1099º a 1103º ALTERAÇÃO no 1094º Duração do contrato no silêncio das partes: o contrato considera-se celebrado com prazo certo, pelo período de dois anos (antes considerava-se celebrado por duração indeterminada)

37 Contrato com prazo certo: art. 1095º 1. o prazo deve constar de clausula inserida no contrato 2. limite máximo de 30 anos e eliminação do limite mínimo Nota: desaparecem as referências aos contratos para habitação não permanente e fins especiais transitórios

38 Renovação automática: art. 1096º - Regra: o contrato celebrado com prazo certo renova-se automaticamente no seu termo por períodos sucessivos de igual duração (salvo estipulação em contrário das partes) - Exceção: não há lugar a renovação automática nos contratos celebrados por prazo não superior a 30 dias (salvo estipulação em contrário das partes)

39 Renovação automática e oposição à renovação: 1096º e 1097º OPOSIÇÃO À RENOVAÇÃO PELO SENHORIO: através de comunicação ao arrendatário com a antecedência mínima de: a) 240 dias: contratos com prazo superior a 6 anos

40 b) 120 dias: contratos com prazo superior a 1 ano e inferior a 6 anos c) 60 dias: contrato com prazo igual ou superior a 6 meses e inferior a 1 ano d) 1/3 do prazo de duração do contrato: contrato de prazo inferior a 6 meses

41 1098º: OPOSIÇÃO À RENOVAÇÃO PELO ARRENDATÁRIO: através de comunicação ao senhorio com a antecedência mínima de: a) 120 dias: contratos com prazo superior a 6 anos b) 90 dias: contratos com prazo superior a 1 ano e inferior a 6 anos

42 c) 60 dias: contrato com prazo igual ou superior a 6 meses e inferior a 1 ano d) 1/3 do prazo de duração do contrato: contrato de prazo inferior a 6 meses

43 DENÚNCIA PELO ARRENDATÁRIO: 1098º, 3, º, nº 3: após ter decorrido 1/3 do prazo de duração inicial do contrato ou da sua renovação, o arrendatário pode denunciar o contrato a todo o tempo, através de comunicação ao senhorio, com a seguinte antecedência: a) 120 dias se o prazo do contrato for igual ou superior a 1 ano b) 60 dias se o prazo do contrato for inferior a 1 ano

44 1098º, nº 4: no caso do senhorio se opor à renovação automática do contrato, o arrendatário pode denunciar o contrato mediante comunicação ao senhorio com uma antecedência não inferior a 30 dias do termo pretendido do contrato.

45 NOS CONTRATOS DE DURAÇÃO INDETERMINADA 1100º, nº 1: após 6 meses de duração efetiva do contrato, o arrendatário pode denunciá-lo, sem justificação, através de comunicação ao senhorio, com a antecedência mínima de: a) 120 dias: se o contrato, à data da comunicação, tiver 1 ano ou mais de duração efetiva; b) 60 dias: se o contrato, à data da comunicação, tiver até 1 ano de duração efetiva

46 NOS CONTRATOS DE DURAÇÃO INDETERMINADA 1100º, nº 2: quando o senhorio denunciar o contrato com a antecedência não inferior a 2 anos sobre a data em que pretenda a cessação, o arrendatário pode denunciá-lo, sem motivo, por comunicação ao senhorio com uma antecedência não inferior a 30 dias do termo pretendido (Declaração de retificação nº 59-A/2012)

47 Artigo 1101º (alterações a negrito) O senhorio pode denunciar o contrato de duração indeterminada nos casos seguintes: a) necessidade de habitação pelo próprio, ou pelos seus descendentes em 1º grau; b) para demolição ou realização de obra de remodelação ou restauro profundos que obriguem à desocupação do locado;

48 c) mediante comunicação ao arrendatário com antecedência não inferior a 2 anos sobre a data em que pretenda a cessação Revogada a norma que obrigava à confirmação da denúncia: artigo 1104º revogado

49 DENÚNCIA PARA HABITAÇÃO: 1102º Requisitos para que possa existir: pagamento ao arrendatário do montante equivalente a um ano de renda e a) ser o senhorio proprietário, comproprietário ou usufrutuário do prédio há mais de 2 anos, ou, independentemente desse prazo, se o tiver adquirido por sucessão;

50 b) não ter o senhorio, há mais de 1 ano, na área dos concelhos de Lisboa ou do Porto e seus limítrofes ou no respetivo concelho quanto ao resto do país, casa própria (na redação anterior falava-se em casa própria ou arrendada ) que satisfaça as necessidades de habitação própria ou dos seus descendentes em 1º grau.

51 Desaparece a condição relativa ao número de prédios arrendados e àquele que estiver arrendado há menos tempo: revogado o nº 2 do artigo 1102º do CC

52 Denúncia justificada nos termos do artigo 1101, a) e b): comunicação feita ao arrendatário com antecedência não inferior a 6 meses sobre a data pretendida para a desocupação e da qual conste de forma expressa o fundamento da denúncia forma extrajudicial

53 Requisitos suplementares: a) para o caso do senhorio necessitar do arrendado para si ou para descendente em 1º grau: dever de dar ao local a utilização invocada no prazo de 3 meses e por um período mínimo de 2 anos (requisito póscontratual) sob pena do senhorio ser obrigado a pagar ao arrendatário uma indemnização equivalente a 10 anos de renda

54 b) para o caso de demolição ou realização de obra de remodelação ou restauro profundos que obriguem à desocupação do locado: a comunicação ao arrendatário deve ser acompanhada de outros documentos relativos aos meios de controlo da operação urbanística e outros, emitidos pelas entidades competentes att necessidade de confirmação da denúncia: art. 1103º, nº 3

55 Neste caso demolição. a denúncia é acompanhada pelo pagamento de uma indemnização correspondente a 1 ano de renda (é também o regime supletivo), ou à garantia do realojamento do arrendatário em condições análogas às que este detinha, quer quanto ao local quer quanto ao valor da renda e encargos

56 Lei nº 30/2012, 14.08: alteração ao RJOPA Att. Regime transitório previsto para os contratos de arrendamento para fim habitacional celebrados antes da vigência do RAU (DL nº 321-B/90, 15.10) nos seguintes casos: a) quando o arrendatário tem 65 anos ou mais ou deficiência com incapacidade comprovada superior a 60%; b) para realização de obras pelo arrendatário

57 Na falta de acordo, o senhorio é obrigado a garantir o realojamento do arrendatário em condições análogas às que este detinha, devendo o novo local encontrar-se em estado de conservação médio ou superior. Não pode o senhorio optar, nestes casos, pelo pagamento de uma indemnização correspondente a um ano de renda Em vez da denúncia o senhorio pode optar pela suspensão (RABC do arrendatário é inferior a 5 RMNA)

58 Art. 6º da lei nº 30/2012 Realojamento em condições análogas quanto ao local, significa realojamento: - na área da mesma freguesia ou freguesia limítrofe - em fogo em estado de conservação igual ou superior ao do locado primitivo - em fogo adequado às necessidades do agregado familiar do arrendatário

59 Critérios objetivos fixados na lei, estabelecendo limites mínimos e máximos para o local em que o arrendatário e o seu agregado devem ser realojados. Exemplos: - 1 pessoa - T0 - T1/2-2 pessoas - T1/2 - T2/4-5 pessoas - T3/5 - T4/8

60 Art. 1106º O arrendamento para habitação não caduca por morte do arrendatário quando lhe sobreviva: a) cônjuge com residência no locado b) pessoa que com quem ele vivesse em união de facto há mais de 1 ano art. 1º Lei nº 7/2001, c) pessoa que com ele residisse em economia comum há mais de um ano art. 2º Lei nº 6/2001, 11.05

61 UNIÃO DE FACTO E ECONOMIA COMUM Cessa o direito à transmissão se à data da morte do arrendatário, o titular do direito tiver outra casa, própria ou arrendada nos concelhos de Lisboa ou Porto e limítrofes ou no respetivo concelho quanto ao resto do país

62 Pluralidade de titulares do direito à transmissão: hierarquia sucessiva 1º cônjuge sobrevivo ou pessoa que vivesse com o arrendatário em união de facto 2º parente ou afim mais próximo ou, de entre estes, para o mais velho ou para a mais velha de entre as pessoas que com ele residissem em economia comum

63 Disposição especial alterada PRAZO SUPLETIVO: na falta de estipulação quanto ao prazo do contrato, este considerase celebrado pelo período de 5 anos (antes eram 10 anos), não podendo o arrendatário denunciá-lo com antecedência inferior a 1 ano: art. 1110º, nº 2

64 Diplomas a ter em consideração RAU: Regime do arrendamento urbano DL nº 321-B/90 de 15 de outubro (início de vigência em ) DL nº 257/95 de 30 de setembro: revê o regime de arrendamento urbano para o exercício de comércio, indústria, profissões liberais e outros fins lícitos não habitacionais (início de vigência em ) NRAU: Novo regime do arrendamento urbano Lei nº 6/2006 de 27 de fevereiro (início de vigência em )

65 Divisão a considerar I) Contratos habitacionais celebrados na vigência do RAU e contratos não habitacionais celebrados depois do DL nº 257/95 de 30.09, e II) Contratos habitacionais celebrados antes da vigência do RAU e contratos não habitacionais celebrados antes do DL nº 257/95 de 30.09

66 Vigência do RAU: de a (em entrou em vigor o NRAU, Lei nº 6/2006 de 27.02) Estes contratos passam a estar submetidos ao regime do NRAU, com as seguintes especificidades: a) à transmissão por morte aplica-se o disposto nos artigos 57º e 58

67 NOTAS: - união de facto: pessoa que vivesse com o arrendatário em união de facto há mais de 2 anos, com residência no locado há mais de 1 ano - ascendente em 1º grau que com ele convivesse há mais de um ano; situação de sobreviver mais de um ascendente transmissão entre eles; transição para o regime do NRAU quando o ascendente tem menos de 65 anos à data da morte do arrendatário

68 - filho ou enteado: menos de 1 ano; mais de 1 ano e menos de 26 ou que vivesse com ele há mais de 1 ano e tenha incapacidade superior a 60% regime do NRAU - transição para o regime do NRAU quando o filho ou enteado menor, atinge a maioridade ou perfizer 26 anos caso seja maior e frequente 11º ou 12º ano ou cursos de ensino pós-secundário não superior ou ensino superior

69 b) contratos de duração limitada, se não forem denunciados, renovam-se automaticamente pelo período de dois anos se não tiver sido previsto período de renovação superior

70 c) contratos sem duração limitada: regem-se pelas regras aplicáveis aos contratos de duração indeterminada, com as seguintes especificidades: - continua a aplicar-se o artigo 107, nº 1, alínea a) do RAU: o senhorio não pode denunciar o contrato se o arrendatário tiver 65 anos ou mais ou, independentemente da idade se encontre em situação de reforma por invalidez absoluta, ou, não beneficiando de pensão de invalidez, sofra de incapacidade total para o trabalho.

71 - para efeitos das indemnizações previstas no nº 1 do artigo 1102º (indemnização em caso de denúncia para habitação), na alínea a) do nº 6 do RJOPA (indemnização por demolição do arrendado ou obra de restauro profundo) e no nº 9 do artigo 1103º (indemnização por incumprimento pelo senhorio), a renda é calculada de acordo com os critérios previstos nas alíneas a) e b) do nº 2 do artigo 35º

72 - o disposto no artigo 1101º, alínea c) (denúncia injustificada com 2 anos de antecedência mínima) não se aplica se o arrendatário tiver idade igual ou superior a 65 anos ou deficiência com grau comprovado de incapacidade superior a 60%

73 NOTAS: - Cessa o disposto supra quanto ao artigo 107º, nº 1, a) do RAU e a obrigatoriedade das indemnizações referidas na alínea b) do nº 4 do artigo 26º, após a transmissão por morte que ocorra para filho ou enteado após Desaparece a referência aos contratos não habitacionais e à exceção que antes existia em caso de trespasse ou outra transmissão inter vivos

74 Contratos habitacionais: contratos celebrados antes de Regras para estes contratos encontram-se no capítulo II: disposições gerais quanto ao regime e benfeitorias; arrendamento para habitação; arrendamento para fim não habitacional; transmissão

75 Regime supletivo: vigora o regime previsto no artigo 26º, ou seja, o regime transitório previsto para os contratos celebrados na vigência do RAU, com as especificidades seguintes: 1. Não é possível a denúncia injustificada prevista na alínea c) do artigo 1101º do CC 2. Nos arrendamentos para fins não habitacionais, esta denúncia é possível desde que com antecedência de 5 anos e desde que ocorra alguma transmissão inter vivos (artigo 28º, nº 3) após a entrada em vigor da Lei nº 31/2012

76 3. Se o arrendatário tiver 65 anos ou mais, ou deficiência com grau comprovado de incapacidade superior a 60%, a denúncia por motivo de demolição ou obra de restauro profundo, obriga o senhorio, na falta de acordo, a garantir o realojamento do arrendatário em condições análogas às que este já detinha, quer quanto ao local quer quanto ao valor da renda e encargos.

77 4. Benfeitorias: caso o arrendatário denuncie o contrato em virtude da sua opção face a uma tentativa de negociação para transição para o NRAU: o arrendatário tem direito a uma compensação pelas obras licitamente feitas, nos termos aplicáveis às benfeitorias realizadas por possuidor de boa fé (artigos 1036º e 1046º), independentemente do estipulado no contrato de arrendamento.

78 TRANSIÇÃO PARA O REGIME DO NRAU E ATUALIZAÇÃO DA RENDA art. 30º - Dependem da iniciativa do senhorio - Deve comunicar a sua intenção ao arrendatário, propondo: - uma nova renda - um novo tipo de contrato - um novo prazo de contrato e

79 - Deve: - Indicar o valor do locado, avaliado nos termos do artigo 38º e seguintes do CIMI, constante da caderneta predial urbana - Juntar cópia da caderneta predial urbana

80 Valor renda atual: 56,00 Valor CIMI: Valor proposto pelo senhorio: 250,00 Valor apresentado em resposta pelo arrendatário: 80,00 Valor da renda: 222,22

81 Resposta do arrendatário (art. 31º): prazo de 30 dias a contar da receção da comunicação do senhorio Reações possíveis e consequências: 1. não responde: falta de resposta = aceitação do valor da renda, bem como do tipo e duração do contrato propostos pelo senhorio (a partir do 1º dia do 2º mês após o termo do prazo que tinha para resposta)

82 2. aceita o valor da renda proposto; neste caso, o silêncio, ou a falta de acordo, quanto ao tipo e duração do contrato = contrato considera-se celebrado por 5 anos 3. denuncia o contrato nos termos do artigo 34º: denúncia produz efeitos no prazo de 2 meses a contar da receção pelo senhorio, da resposta do arrendatário; o arrendatário deve entregar o locado no prazo de 30 dias; neste caso não há lugar à atualização da renda

83 4. opõe-se ao valor da renda proposto pelo senhorio: a) e nada propõe = proposta de manutenção do valor da renda em vigor à data da comunicação do senhorio; b) e propõe um novo valor; pode opor-se também ao tipo e à duração do contrato, propondo outros. Neste caso, o senhorio tem 30 dias para aceitar ou não a proposta e pode:

84 1. Não responder = vale como aceitação da proposta feita pelo arrendatário 2. Aceitar o valor da renda proposto 3. Não aceitar o valor proposto e neste caso, pode: a) atualizar a renda de acordo com os critérios previstos no artigo 35º, nº 2, a) e b); considera-se o contrato celebrado com prazo certo pelo período de 5 anos; ou

85 b) denunciar o contrato : pagando ao arrendatário indemnização equivalente a 5 anos de renda resultantes do valor médio das propostas formuladas por senhorio e arrendatário (simulação = 9.900,00 ) Notas: I) Esta denúncia produz efeitos: 1. No prazo de 6 meses, ou 2. No prazo de 1 ano: se o arrendatário tiver a seu cargo filho ou enteado menor de idade, ou que, tendo menos de 26 anos, frequente o 11º ou o 12º ano ou curso superior ou pós secundário

86 II) Até à produção dos efeitos da denúncia, vigora a renda mais elevada entre a antiga e aquela que foi proposta pelo arrendatário, III) A indemnização referida é agravada para o dobro ou em 50% se a renda oferecida pelo arrendatário não for inferior à proposta do senhorio em mais de 10% ou de 20% respetivamente.

87 Se o arrendatário invocar e comprovar que o rendimento anual bruto corrigido (RABC; DL nº 266-C/2012 de 31.12) do seu agregado familiar é inferior a 5 retribuições mínimas nacionais anuais (RMNA), o regime do NRAU só se aplica: a) ou por acordo das partes; b), ou, na falta de acordo, no prazo de 5 anos

88 RMNA = 14 retribuições mínimas mensais garantidas RMMG em 2012 = 485,00 RMNA em 2012 = 6.790,00 5 RMNA em 2012 = ,00

89 ATUALIZAÇÃO EM 5 ANOS limites para o valor da renda: a) Limite máximo: valor anual correspondente a 1/15 do valor do locado; e b) Máximo de 25% do RABC do agregado familiar do arrendatário; c) Máximo de 17% do RABC do agregado familiar se o rendimento do agregado familiar for inferior a 1500 mensais; d) Máximo de 10% do RABC do agregado familiar se o rendimento deste for inferior a 500 mensais.

90 Decorridos os 5 anos, o senhorio pode propor a transição do contrato para o regime do NRAU e neste caso: a) o arrendatário já não pode invocar as circunstâncias inerentes ao seu RABC ser inferior a 5 RMNA nem o facto de ter 65 anos ou deficiência com incapacidade superior a 60% b) no silêncio ou na falta de acordo, o contrato considera-se celebrado por dois anos

91 Arrendatário com idade igual ou superior a 65 anos ou com deficiência com grau de incapacidade superior a 60% Se o arrendatário invocar uma destas circunstâncias, o contrato só transita para o regime do NRAU com o acordo das partes e quanto ao renda, aplica-se o seguinte:

92 1. Aceitação pelo arrendatário do novo valor: será este que vigora 2. Recusa pelo arrendatário e proposta de novo valor: senhorio tem prazo de 30 dias para responder e: a) silêncio = aceitação do valor b) aceita c) oposição do senhorio: mantém-se regime anterior, podendo ter lugar a atualização em 5 anos

93 Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil 2012 16ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO CIVIL Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Luísa Lopes Mestre em Direito, Advogada Docente do Instituto Superior de Ciências Empresariais e Turismo (ISCET) Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Delegação de Matosinhos

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano Agosto de 2012 Nova Lei do Arrendamento Urbano O objectivo da presente reforma é criar um mercado de arrendamento, que, em conjunto com o impulso à reabilitação urbana, possa oferecer aos portugueses soluções

Leia mais

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações A revisão do regime do arrendamento urbano foi finalmente aprovada pela Lei nº 31/2012, de 14 de Agosto, a

Leia mais

Imobiliário. ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO AGOSTO 2012 01

Imobiliário. ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO AGOSTO 2012 01 Briefing AGOSTO 2012 01 ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO Decorridos seis anos, sobre o Novo Regime do Arrendamento Urbano ( NRAU ), aprovado pela Lei 6/2006 de 27 de Fevereiro (que

Leia mais

Área de Prática - Imobiliário. Junho 2012. Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano. I - Rendas Antigas

Área de Prática - Imobiliário. Junho 2012. Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano. I - Rendas Antigas Área de Prática - Imobiliário Junho 2012 Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Foi aprovada na Assembleia da República a Proposta de Lei n.º 38/XII/1.ª, que procede à revisão do regime jurídico do

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Procede à revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil, o Código de Processo Civil e a Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro A Assembleia da República decreta, nos termos da

Leia mais

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 11 ÍNDICE GERAL Prefácio..................................................... 5 Nota do Autor................................................

Leia mais

meses ou por oposição pelo arrendatário à realização de obras coercivas.

meses ou por oposição pelo arrendatário à realização de obras coercivas. Lei n.º 31/2012, de 14 de Agosto, que procede à revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil, o Código de Processo Civil e a Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro A reforma

Leia mais

I Alteração do grau de incapacidade mínimo relevante.

I Alteração do grau de incapacidade mínimo relevante. Lei n.º 79/2014, de 19 de Dezembro A Lei em apreço revê o regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil e procedendo à segunda alteração à Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro (Novo Regime

Leia mais

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano

IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano 5 de Janeiro de 2012 IMOBILIÁRIO Nova Lei do Arrendamento Urbano Em concretização de compromissos assumidos ao abrigo do Memorando de Entendimento celebrado entre Portugal e a Comissão Europeia, o Banco

Leia mais

Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano

Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Código Civil Artigo 1048º(redacção anterior) 1 - O direito à resolução do contrato por falta de pagamento da renda ou aluguer caduca logo que o locatário, até

Leia mais

CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015. Assunto: NRAU. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015. Assunto: NRAU. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015 Assunto: NRAU Exmos. Senhores, Junto se envia para conhecimento, informação relativa ao Novo Regime do Arrendamento Urbano, conforme resultante da alteração pela

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano 1 Nova Lei do Arrendamento Urbano A Nova lei do Arrendamento Urbano é um dos compromissos assumidos por Portugal com a Troika ao abrigo do Memorando de Entendimento Celebrado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS

ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS SEMANA DA SOLICITADORIA IPCA 6 MAIO 2015 Por Márcia Passos Advogada e Mestre em Direito Márcia Passos - Advogada e Mestre em Direito Contrato de arrendamento RELAÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 38/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 38/XII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos A presente proposta de lei inscreve-se num amplo e profundo conjunto de reformas centrado na aposta clara do XIX Governo Constitucional na dinamização do mercado de arrendamento, na

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 245/2014, Série I, de 19/12, Páginas 6146 6166

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 245/2014, Série I, de 19/12, Páginas 6146 6166 Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Lei n.º 79/2014, de 19 de dezembro Estado: vigente Legislação Resumo: Revê

Leia mais

Novidades em matéria de despejo

Novidades em matéria de despejo Reabilitação Urbana e Arrendamento: oportunidades do novo regime jurídico Novidades em matéria de despejo Rute Raimundo Alves 1 2 Resumo do procedimento 1.º Comunicação especial do n.º 7 do artigo 9.º

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 29.novembro.2012 Reforma do Regime Jurídico do Arrendamento Urbano Novo Enquadramento Legal Publicado a 14 de agosto de 2012 Lei n.º 30/2012 - Regime das

Leia mais

TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII. Maria Teresa Lopes Vicente

TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII. Maria Teresa Lopes Vicente TEMA: CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO (HABITAÇÃO) PROPOSTA DE LEI 38/XII Maria Teresa Lopes Vicente Lisboa, 19 de Junho de 2012 INDICE 1. Introdução pag.3 2. Motivos para a necessidade da alteração do

Leia mais

Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto. Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio

Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto. Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio Os artigos

Leia mais

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Jornal i, por Liliana Valente 30-12-2011 Os idosos com mais de 65 anos que tenham 2400 euros de rendimento mensal bruto corrigido

Leia mais

eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1

eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1 eabilitação As novidades em matéria de Reabilitação Urbana e Arrendamento maio 2012 1 1. Enquadramento Quase uma centena de anos de congelamento de rendas gerou custos: centros das cidades estão degradados,

Leia mais

ARRENDAMENTO URBANO. Novo Regime do ANOTADO E COMENTADO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO

ARRENDAMENTO URBANO. Novo Regime do ANOTADO E COMENTADO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO MANTEIGAS MARTINS CARLOS NABAIS CARLA SANTOS FREIRE JOSÉ M. RAIMUNDO Novo Regime do ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO INCLUI: Código Civil Regime da Locação Regime do Arrendamento Urbano Alteração

Leia mais

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), dando resposta à necessidade, por todos sentida, de reformar profundamente

Leia mais

REGIME DO ARRENDAMENTO 2012 ALTERAÇÕES. Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho

REGIME DO ARRENDAMENTO 2012 ALTERAÇÕES. Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho ALTERAÇÕES REGIME DO ARRENDAMENTO 2012 ESCRITORIOS: - Rua São João de Deus, nº 72 - Edifício D. Sancho I, 1º Andar - Sala C - Apartado 524 4764-901

Leia mais

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO 7 JANEIRO - PORTO

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO 7 JANEIRO - PORTO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO 7 JANEIRO - PORTO A T&T desenvolve, comercializa e presta suporte a software de diversas áreas: gestão comercial, gestão de condomínios, contratos de arrendamentos,

Leia mais

1/7. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 2293/2012

1/7. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 2293/2012 1/7 Decreto-Lei n.º 266-B/2012, de 31 de dezembro, Estabelece o regime de determinação do nível de conservação dos prédios urbanos ou frações autónomas, arrendados ou não, para os efeitos previstos em

Leia mais

A NOVA LEI DO ARRENDAMENTO URBANO

A NOVA LEI DO ARRENDAMENTO URBANO A NOVA LEI DO ARRENDAMENTO URBANO OS PRINCIPAIS TEMAS O DIREITO SUBSTANTIVO O NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO (NRAU) Código Civil O DIREITO PROCESSUAL CIVIL - A FORMAÇÃO DE TÍTULOS T TULOS EXECUTIVOS

Leia mais

NRAU Novo Regime do Arrendamento Urbano

NRAU Novo Regime do Arrendamento Urbano NRAU Novo Regime do Arrendamento Urbano Aprovado pela Lei n o 6/2006, de 27 de fevereiro. O presente diploma entrou em vigor 120 dias após a sua publicação, com exceção do consagrado nos artigos 63 o e

Leia mais

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO compilações legislativas VERBOJURIDICO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO INCLUI LEGISLAÇÃO REVOGADA NÃO DISPENSA A CONSULTA DO DIÁRIO DA REPÚBLICA verbojuridico ABRIL 2006 VERBOJURIDICO NOVO REGIME DO

Leia mais

Requisitos do Contrato de Arrendamento

Requisitos do Contrato de Arrendamento Requisitos do Contrato de Arrendamento Tendo sido aprovado o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, importa publicar os diplomas necessários à sua completa

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Renda de Casa (4008 v4.12) PROPRIEDADE

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano Nova Lei do Arrendamento Urbano O actual regime jurídico do Arrendamento Urbano, designado por Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), foi aprovado pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, e vigora

Leia mais

PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO URBANA

PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO URBANA IMOBILIÁRIO N.º 03 / 2012 AGOSTO DE 2012 PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Contactos Madalena Azeredo Perdigão map@cca-advogados.com PACOTE ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS No passado dia 14 de Agosto de 2012, foi

Leia mais

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários INFORMAÇÕES JURÍDICAS 1.Serviços mínimos bancários Desde o passado dia 23 de Maio que qualquer consumidor pode ter acesso aos serviços mínimos bancários, com custos reduzidos, e não somente aqueles que

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

A REFORMA DO ARRENDAMENTO URBANO

A REFORMA DO ARRENDAMENTO URBANO 22 de Fevereiro de 2006 c) Na terceira, o referido diploma irá integrar um conjunto de normas transitórias, algumas das quais aplicáveis aos contratos de arrendamento habitacionais celebrados na vigência

Leia mais

Lei n.º 6/2006 de 27 de Fevereiro

Lei n.º 6/2006 de 27 de Fevereiro Lei n.º 6/2006 de 27 de Fevereiro Aprova o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), que estabelece um regime especial de actualização das rendas antigas, e altera o Código Civil, o Código de Processo

Leia mais

ARRENDAMENTO URBANO. Nota: Este documento contém a seguinte legislação relevante relativa ao arrendamento urbano:

ARRENDAMENTO URBANO. Nota: Este documento contém a seguinte legislação relevante relativa ao arrendamento urbano: ARRENDAMENTO URBANO Nota: Este documento contém a seguinte legislação relevante relativa ao arrendamento urbano: 1. Lei 6/2006, de 27/2 - aprova o NRAU, Novo Regime do Arrendamento Urbano 2 2. Capítulo

Leia mais

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU)

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro (com a rectificação das incorrecções, de acordo com a Declaração de Rectificação n.º 24/2006, de 17 de Abril) Aprova o Novo

Leia mais

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU)

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) Lei nº 6/2006, de 27 de Fevereiro Diário da República nº 41, Série I-A, Pág. 1558 a 1587 Não dispensa a consulta do Diário da República. www.legix.pt Aprova o

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino)

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) Anexo 4 (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO PARA FIM HABITACIONAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE RENDA CONVENCIONADA (Prazo Certo Artigo 1095.º do Código

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

Propostas da CDU ao Regulamento de Gestão do Parque Habitacional do Município do Porto

Propostas da CDU ao Regulamento de Gestão do Parque Habitacional do Município do Porto Propostas da CDU ao Regulamento de Gestão do Parque Habitacional do Município do Porto A CDU na reunião da Câmara Municipal do Porto de 26 de Novembro de 2013, no seguimento dos seus compromissos eleitorais,

Leia mais

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido e atribuição do Subsídio de Renda A revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, uma das medidas prioritárias do XVII Governo Constitucional, culminou

Leia mais

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015

Procedimento Especial de Despejo / BNA. II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial de Despejo / BNA II Congresso NRAU 30 de Outubro de 2015 II Congresso Novo Regime Arrendamento Urbano Local: Hotel Altis Park - Lisboa Data: 30 de Outubro de 2015 Procedimento Especial

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Programa RENDA CONVENCIONADA? O programa renda convencionada tem como objeto o arrendamento de fogos municipais em bom estado de conservação ou a necessitar de pequenas reparações

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte:

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte: DELIBERAÇÃO CONTRATO DE GESTÃO DE CENTRO DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS A Lei n.º 11/2011, de 26 de abril, que estabelece o regime jurídico de acesso e permanência na atividade de inspeção técnica a veículos

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO INDIVIDUAL TRIPARTIDO PARA FIM HABITACIONAL

CONTRATO DE ARRENDAMENTO INDIVIDUAL TRIPARTIDO PARA FIM HABITACIONAL CONTRATO DE ARRENDAMENTO INDIVIDUAL TRIPARTIDO PARA FIM HABITACIONAL Entre a Figueira Domus - Empresa Municipal de Gestão de Habitação da Figueira da Foz, EM, com o número de identificação 505 003 929,

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE MEDIDAS DE APOIO SOCIAL A FAMÍLIAS CARENCIADAS DO CONCELHO DE VALENÇA Preâmbulo A atual situação económica tem provocado o aumento das situações de desemprego e como tal um elevado

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

AS NOVIDADES EM MATÉRIA DE ARRENDAMENTO

AS NOVIDADES EM MATÉRIA DE ARRENDAMENTO AS NOVIDADES EM MATÉRIA DE ARRENDAMENTO 1 OBJECTIVOS DAS ALTERAÇÕES À LEI DO ARRENDAMENTO URBANO O Programa do XIX consagrou o objectivo de proceder à revisão do regime do arrendamento urbano no sentido

Leia mais

Novas regras na habitação

Novas regras na habitação Novas regras na habitação PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 7 DE JANEIRO DE 2013 POR JM A lei n.º 59/2012, de novembro, cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o decreto-lei

Leia mais

Dr. Manteigas Martins

Dr. Manteigas Martins ABERTURA DOS TRABALHOS E SESSÃO DE BOAS VINDAS Dr. Manteigas Martins Manteigas Martins & Associados, RL O NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO A PRESPETIVA DOS PROPRIETÁRIOS Prof. Dr. Luís Menezes Leitão

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013)

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013) Fevereiro 2013 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CLÁUSULAS GERAIS Artº. 1º Âmbito de aplicação As cláusulas

Leia mais

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) (Lei nº 6/2006 de 27.02)

Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) (Lei nº 6/2006 de 27.02) Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) (Lei nº 6/2006 de 27.02) ÍNDICE Título I Novo Regime do Arrendamento Urbano Artigo 1.º Objecto Capítulo I Alterações legislativas Artigo 2.º Alteração ao Código

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Preâmbulo De acordo com o disposto no artigo 64.º, n.º 4, alínea c) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante O que são serviços de comunicações eletrónicas? São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante remuneração e que consistem no envio de sinais através de redes de comunicações

Leia mais

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO Decreto-Lei n.º 210/2015 de 25 de Setembro - Regimes Jurídicos do fundo de Compensação do Trabalho e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

Morada Código Postal - Localidade. N.º Identificação Bancária talão comprovativo) Banco Balcão

Morada Código Postal - Localidade. N.º Identificação Bancária talão comprovativo) Banco Balcão PRESTAÇÕES DE ENCARGOS FAMILIARES REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL REQUERIMENTO DE SUBSÍDIO POR MORTE DESTINADO AOS SERVIÇOS Registo de Entrada Núcleo de Pessoal Docente/Não Docente Registo de Entrada

Leia mais

DENÚNCIA E CADUCIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO NO ENSINO PÚBLICO E PARTICULAR/COOPERATIVO

DENÚNCIA E CADUCIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO NO ENSINO PÚBLICO E PARTICULAR/COOPERATIVO CONTRATO A TERMO - 1 DENÚNCIA E CADUCIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO NO ENSINO PÚBLICO E PARTICULAR/COOPERATIVO 1. ENSINO PÚBLICO (O regime aplicável à cessação dos contratos a termo é

Leia mais

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES A Microsoft deu a conhecer a Plataforma LinkCities propriedade da Link Think. Esta Plataforma liga as cidades e autarquias locais, através das suas

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal Regulamento Cartão Sénior Municipal Artigo 1º Objeto 1- O Cartão Sénior Municipal é um cartão emitido pela Câmara Municipal de Alcanena que tem como destinatários os cidadãos residentes no concelho de

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução CAPÍTULO I PROCESSO DE CEDÊNCIA Artigo 1.º Do regime Os lotes de terreno serão vendido em regime de direito de superfície sempre e quando se destinem a agregados familiares para habitação própria. Artigo

Leia mais

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de atribuição Artigo 4.º - Destinatários Artigo 5.º

Leia mais

SESSÕES TÉCNICAS DE ESCLARECIMENTO Sobre o Novo Regime de Arrendamento Apoiado

SESSÕES TÉCNICAS DE ESCLARECIMENTO Sobre o Novo Regime de Arrendamento Apoiado SESSÕES TÉCNICAS DE ESCLARECIMENTO Sobre o Novo Regime de Arrendamento Apoiado Março e Abril de 2015 Índice da apresentação 2 1. BREVE HISTORIAL DAS RENDAS SOCIAIS Os regimes de renda do Estado Novo O

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de outubro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 191/2015 Regulamenta o Programa

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Foram ouvidos o Conselho Superior da Magistratura, o Conselho Superior do Ministério Público, a Ordem dos Advogados, a Câmara dos Solicitadores, o Conselho dos Oficiais de justiça, o Instituto de Seguros

Leia mais

Lei nº 59/2012, de 9 de novembro

Lei nº 59/2012, de 9 de novembro Lei nº 59/2012, de 9 de novembro Cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o Decreto-Lei nº 349/98, de 11 de novembro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ CADERNO DE ENCARGOS. Artigo 1.º Âmbito de Aplicação

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ CADERNO DE ENCARGOS. Artigo 1.º Âmbito de Aplicação CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Âmbito de Aplicação As cláusulas gerais deste caderno de encargos aplicam-se aos

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

A transmissão da posição contratual do arrendatário no contrato de arrendamento urbano para habitação

A transmissão da posição contratual do arrendatário no contrato de arrendamento urbano para habitação A transmissão da posição contratual do arrendatário no contrato de arrendamento urbano para habitação Maria Raquel Guimarães, Faculdade de Direito da Universidade do Porto/CIJE, Abril 2016 (raquel@direito.up.pt)

Leia mais

A NOVA LEI DO ARRENDAMENTO URBANO EM PORTUGAL. Pontos relevantes da nova regulamentação do arrendamento urbano

A NOVA LEI DO ARRENDAMENTO URBANO EM PORTUGAL. Pontos relevantes da nova regulamentação do arrendamento urbano 88 Actualidad Jurídica Uría Menéndez / 22-2009 Agora, não só o empregador se vê obrigado a reintegrar trabalhadores validamente contratados através de empresas de trabalho temporário, tratando-se ou não

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL (1ª ALTERAÇÃO À LEI N.º 5/2012, DE 9 DE NOVEMBRO) Exposição de motivos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

Lei n. o 64/2014 26-08-2014

Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Assunto: Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n. os 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de

Leia mais

O DESPEJO NO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO - Tramitação a utilizar quando está em causa a falta de pagamento das rendas -

O DESPEJO NO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO - Tramitação a utilizar quando está em causa a falta de pagamento das rendas - 169 O DESPEJO NO NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO - Tramitação a utilizar quando está em causa a falta de pagamento das rendas - Miguel Serra 1 RESUMO I No início de vigência do Novo Regime de Arrendamento

Leia mais

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objeto O presente Procedimento

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

Nível de Conservação

Nível de Conservação Nível de Conservação O Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) foi aprovado pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, dando resposta a uma necessidade há muito, e por todos, sentida. A reforma empreendida

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 7 10 de janeiro de 2013 137 b) Relativamente aos ETM, no posto de segundo-sargento na data do início do estágio. Artigo 34.º Regulamento da Escola do Serviço de Saúde

Leia mais

Regime do Arrendamento Apoiado para Habitação

Regime do Arrendamento Apoiado para Habitação Regime do Arrendamento Apoiado para Habitação Aprovado pela Lei n o 81/2014, de 19 de dezembro. O presente diploma entrou em vigor no primeiro dia do terceiro mês seguinte ao da sua publicação. Gerado

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA RENDA CONVENCIONADA

NORMAS DO PROGRAMA RENDA CONVENCIONADA NORMAS DO PROGRAMA RENDA CONVENCIONADA 1.OBJECTO O presente programa tem como objeto o arrendamento de fogos municipais publicitados na bolsa de arrendamento constante do sítio http://rehabitarlisboa.cmlisboa.pt

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste

Comunidade Intermunicipal do Oeste -------------------------------------------------ATA Nº 8--------------------------------------------------- ----- Aos onze dias do mês de abril de dois mil e catorze, pelas 11H00, reuniu na sua sede em

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais