Instituto Superior de Economia e Gestão Departamento de Gestão Mestrado em Ciências Actuariais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Superior de Economia e Gestão Departamento de Gestão Mestrado em Ciências Actuariais"

Transcrição

1 Instituto Superior de Economia e Gestão Departamento de Gestão Mestrado em Ciências Actuariais Gestão de Empresas Seguradoras Produtos e serviços Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano lectivo: 2007/2008

2 1.OS PRODUTOS OS SEGUROS DE VIDA OS SEGUROS NÃO VIDA UMA NOVA ABORDAGEM DOS SEGUROS: RISCOS DE RENDIMENTO, RISCOS DE PATRIMÓNIO E RISCOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL OS SEGUROS OBRIGATÓRIOS E OS SEGUROS SOCIAIS OS SERVIÇOS ESPECIACIALIZADOS E FINANCEIROS: AS OPERAÇÕES DAS COMPANHIAS DE SEGUROS A ORGANIZAÇÃO TRADICIONAL DE UMA COMPANHIA DE SEGUROS O SISTEMA DE NEGÓCIO A DISTRIBUIÇÃO O UNDERWRITING TARIFICAÇÃO As Tarifas de Prémio nos Seguros Não Vida Decomposição do Prémio Comercial O Cálculo do Prémio de Risco O Prémio Comercial A tarificação com base na experiência O melhor exemplo é o sistema de bonus malus aplicado no Seguro Automóvel. O prémio base é reduzido em cada anuidade sem sinistro participado As Tarifas dos Seguros de Vida SERVIÇO DE APÓLICES SERVIÇO DE SINISTROS SERVIÇO DE INVESTIMENTO O CICLO DE NEGÓCIOS ANEXO DOS RAMOS EVOLUÇÃO DO PESO DA ACTIVIDADE SEGURADORA NA ECONOMIA... 25

3 I ENQUADRAMENTO 1. Noção de risco e Incerteza A existência de um programa de gestão de riscos empresariais contribui para a manutenção da solvência da empresa, elimina a incerteza acerca dos resultados da exploração estabilizando por isso os fluxos financeiros futuros, constitui uma informação pertinente que sinaliza positivamente a empresa no seu meio ambiente gerando confiança aos accionistas, satisfação aos clientes e segurança aos fornecedores.

4 Num livro famoso[1], a noção de risco aparece sempre associada aos aspectos empresariais, que na teoria do risco e da incerteza se denomina risco especulativo (aquele onde se pode ganhar ou perder) em contraposição ao risco puro (aquele onde na melhor das hipóteses se fica na mesma). A consequência dos riscos puros em termos da empresa está completamente fora da preocupação do analista. Esta visão está correcta se se admitir que a empresa está perfeitamente segura, ou, numa hipótese mais forte, ela funciona num mundo onde não existem tais riscos. Ao analisar-se o contexto da decisão do gestor, apercebemo-nos que o risco puro influencia a actividade, não só a de produção e de distribuição, mas também a própria gestão dos recursos humanos (endividamento social). [1]Helfert. E.[1991] Tecnhiques of financial analysis. 7 ed. Irwin

5 S investimento operações financiamento disponibilidades despesas fornecedores devedores vendas emp.curto praz. S stocks custo merc o.dívidas S activos fixos desp. venda divida longa S outr.activo rendimento situaç. liquida Os S correspondem a pontos críticos em termos de risco puro. A obtenção de um excedente sobre os custos dos factores, que aumente a riqueza da empresa é incerta, quer por razões de mercado, o que é do conhecimento de qualquer gestor, quer por razões de riscos aleatórios, o que deve ser do conhecimento do risk manager da empresa.

6 Já em 1921 Knight[1] na sua tese de doutoramento, associava à noção de lucro o conceito de incerteza e medida do risco. Para Knight risco é correntemente usado no sentido de perda para referir qualquer tipo de incerteza analisada de um ponto de vista de contingência desfavorável, e o termo incerteza, de forma similar, em referência ao resultado favorável. Fala-se assim de um "risco" de perda e "incerteza" de um ganho. Podemos também empregar o termo probabilidade objectiva para designar o risco e probabilidade subjectiva para designar a incerteza. [1]Knight, F. Risk,[1921] Uncertainty and Profit. Uni. Chicago Press

7 A diferença prática entre as duas categorias, risco e incerteza, é que: no risco, a distribuição do resultado num grupo de possibilidades é conhecido (seja por cálculo à priori ou a partir de estatísticas da experiência passada) na incerteza isto não é verdade, devido à impossibilidade de formar um grupo de resultados, uma vez que a situação com que se trabalha ser em alto grau, única. O risco que dá origem ao lucro é uma incerteza que não pode ser avaliada em ligação com uma situação tal que não existe qualquer possibilidade de agrupamento em qualquer base que se imagine.

8 2. Os problemas do risco na empresa O circuito produtivo e de distribuição da empresa pode ser posto em causa pelos seguintes tipos de riscos: Riscos especulativos ou empresariais relacionados com a escolha da combinação de recursos óptima, as necessidades da clientela e a particular situação de mercado Riscos financeiros derivados da estrutura de capital utilizada pela empresa Riscos puros relacionados com acontecimentos aleatórios que podem pôr em causa a sobrevivência da empresa.

9 Em relação à primeira categoria de riscos o empresário deve assumir a sua gestão, ganhar por esse facto e aceitar em contrapartida a falência quando deixar de satisfazer as necessidades da sua clientela. Nos segundos o empresário só deve emitir dívida à taxa de rentabilidade interna do seu projecto de forma a imunizar os riscos de rendimento e de capital. Nos terceiros o empresário protege-se organizando um programa de gestão de riscos, que inclui necessáriamente a transferência de riscos para terceiros.

10 Parte II-Produtos e Funções das Seguradoras 1.Os produtos O negócio Companhia de Seguros é liquidar obrigações resultantes de promessas, em contrapartida dos prémios pagos Normalmente identificam-se os produtos de seguro como ramos de seguro de acordo com a definição legal (decreto lei 94-B/98). -Seguros de Vida -Seguros Não Vida 1.1. Os seguros de Vida Consideram-se no ramo Vida duas grandes subdivisões: os seguros em caso de morte e os seguros em caso de vida. Muitos dos seguros de vida comercializados pelas seguradoras têm uma componente de morte, variável em função da idade e necessidades do cliente, e uma componente de poupança, em caso de vida, função do objectivo da capitalização

11 Os seguros em caso de morte, temporários ou vitalícios, cobrem os riscos de morte, natural ou acidental, que interrompem o curso normal da vida humana e impedem que o segurado termine o processo de acumulação da riqueza destinada a um beneficiário. Por exemplo um seguro em caso de morte de prazo n e capital C é igual a: P = C v l 12 / x n 1 k = 0 k v d x+ k Muitos segurados não dispõem do montante do prémio único, a seguradora concede-lhes um crédito, aceitando que seja amortizado periodicamente através do pagamento de uma anuidade, mas garantindo simultaneamente o pagamento do capital em caso de morte, ainda que a totalidade da dívida de prémio não esteja amortizada. Os seguros em caso de vida, temporários ou vitalícios, para constituição de um capital ou pagamento de uma renda, tendo em conta técnicas combinadas de capitalização e de mortalidade. Muitos possuem uma opção implícita de conversão do capital em renda vitalicia a uma taxa de juro garantida durante um certo prazo

12 Este capital constitui uma verdadeira poupança, cujo fim é cobertura de necessidades de consumo diferidas. Por exemplo o prémio único de um capital diferido é: l x + k ( k ) PU = C * v l Prémio que também pode ser nivelado e pago em prestações periódicas. Mais recentemente, e ainda numa óptica tradicional, tende a utilizar-se preferencialmente a subdivisão em seguros de Previdência e seguros de Poupança e Reforma. x Os seguros de Previdência tem como objectivo a cobertura de riscos aleatórios (morte, invalidez) que afectam a vida das pessoas. Incluem-se assim nesta subdivisão certos ramos não vida (Acidentes Pessoais e Doença) que entram em programas de cobertura de necessidades de previdência privada. Os seguros de Poupança e Reforma têm como objectivo programar a cobertura de necessidades de consumo diferidas, seja durante o período de vida activo para aquisição e substituição de bens e serviços, seja durante o período de vida na reforma, para fazer face a necessidades de rendimento adicional.

13 1.2. Os seguros não vida Os seguros não vida são classificados em três grandes subdivisões: seguros de coisas, seguros de pessoas e seguros de responsabilidades, destacando-se nestes últimos os seguros obrigatórios por lei (Acidentes de Trabalho e Responsabilidade Civil Automóvel). Os seguros de coisas, destinam-se à garantia do valor da riqueza, dos bens e das mercadorias e cuja utilidade pode ser destruída pela ocorrência de sinistros aleatórios. nos seguros de coisas, existe uma relação entre o valor do património e o montante da amortização que o segurado tem de fazer para o reconstituir. O problema que se põe é o que fazer quando o património é destruído antes de estar terminado o processo de amortização. O prémio de seguro é, em certa medida, o valor actuarial das amortizações futuras ponderado pela probabilidade de ocorrência do sinistro. A seguradora gere estas amortizações por conta dos segurados que subscreveram apólices de seguro de coisas.

14 Os seguros de pessoas pretendem fornecer protecção à vida e à saúde das pessoas em consequência de acidentes ou doença, que interrompem a sua actividade corrente. seguros de acidentes pessoais (morte, invalidez, incapacidade) e os seguros de doença (com ou sem subsídio por incapacidade) tendem a ser associados a coberturas do ramo vida com o objectivo de criação de pacotes de coberturas de previdência privada. Antes da generalização das coberturas de previdência da Segurança Social era normal, as pessoas pouparem para os tempos difíceis, ou para fazerem face a situações de doença, principalmente. O facto de se substituir a poupança de precaução, de montante aleatório e dependente do rendimento disponível, por um prémio de seguro facilmente quantificável, não retira a essência do objectivo dessa poupança.

15 Os seguros de responsabilidade civil geral, de produtos ou profissional, cobrem danos a terceiros e/ou à sua propriedade, em consequência de sinistros da responsabilidade do segurado, no sentido em que são por este provocados ou tenham origem no seu património ou actividade. Nos seguros de responsabilidade civil geral consideramse os danos resultantes de acidentes provocados pelo segurado (por exemplo na sequência de um incêndio propagado, de uma inundação iniciada na propriedade do segurado, etc) e os sinistros devido a riscos ecológicos ligados à economia; Nos seguros de responsabilidade civil de produtos pretende-se cobrir os danos provocados pela utilização de produtos fabricados ou comercializados pelo segurado; Nos seguros de responsabilidade civil profissional pretende-se garantir cobertura de actos negligentes, seja sobre o terceiro seja sobre o seu património, independentemente de procedimento criminal a que o segurado possa estar sujeito pelas consequências desses actos.

16 Por exemplo, a responsabilidde civil profissional dos médicos pode ser transferida para uma seguradora que cobre a negligência médica, mas que não impede o procedimento criminal se o acto for merecedor de passar em juízo. Nos seguros de responsabilidade civil não existe um verdadeiro mecanismo de captação da poupança dado que o montante da perda pode ser ilimitado. Qualquer reserva constituída pelo segurado pode ser insuficiente para fazer face à indemnização (é o caso de desastres ecológicos) pelo que a subscrição de uma apólice de seguros parece conveniente.

17 1.3. Uma nova abordagem dos Seguros: riscos de rendimento e financeiros, riscos de património e riscos de responsabilidade civil Inconveniente das abordagens tradicionais :obrigam à partição da função de utilidade do consumidor de seguros ( separação entre vida e não vida) e forçando, no interior de cada uma destas categorias, à consideração de aspectos parcelares de cobertura de riscos, por exemplo, incêndio, automóvel, etc. A impossibilidade de respeitar a unidade do indivíduo avesso ao risco, que procura um serviço global de cobertura de riscos, impede a passagem de uma visão de seguros em termos de oferta de produtos, para uma visão em termos de procura de serviços. Estes inconvenientes são atenuados quando se olha para o cliente em termos de riscos de rendimento e financeiros, riscos de património e riscos de responsabilidade civil. Nesta óptica, o indivíduo que compra seguros é visto como um agente diversificador que adquire activos de seguros para representar a sua riqueza ao lado de outros activos financeiros.

18 Os riscos de rendimento e financeiros têm como objectivo a garantia de um rendimento pré-fixado ou um valor do capital em risco: a reparação de um prejuízo ou o pagamento de um capital. Nesta classificação incluir-seiam não só seguros de pessoas (acidentes de trabalho, doença, reforma) como seguros económicos ( como o desemprego, invalidez profissionale riscos de crédito e caução. Os riscos de património incluem todos os seguros de coisas (Auto, incêndio, etc.) bem como certos seguros de vida cuja finalidade é a manutenção do capital (ex. um seguro de vida para garantia de um empréstimo). Preservar a riqueza dos agentes económicos, adquirindo uma opção de venda de um sinistro mediante o pagamento de um prémio de seguro. Os riscos de responsabilidade civil podem igualmente subdividir-se em - responsabilidade civil por riscos de rendimento incluem-se todos os riscos que afectam a vida e o rendimento das pessoas - responsabilidade civil por riscos de património incluem-se todos os riscos que envolvem danos ao património público e privado. - A negligência profissional e os danos por poluição podem afectar indistintamente o rendimento e a riqueza dos agentes económicos

19 2. Os seguros obrigatórios e os seguros sociais A existência de seguros obrigatórios ou quase obrigatórios (clausulas contratuais impondo seguros) constitui uma interferência importante na relação da procura, uma vez que a liberdade de escolha do consumidor fica diminuída. A existência de ligações cruzadas entre produtos (por exemplo empréstimo/seguro de vida) também contribui para reduzir a liberdade de escolha do segurado Os principais seguros obrigatórios são os do Ramo Acidentes de Trabalho e a Responsabilidade Civil Automóvel. O primeiro é na realidade um seguro de responsabilidade civil do empregador. É este que tem a obrigação de o pagar, sendo a responsabilidade da gestão das seguradoras. O segundo é da responsabilidade civil do proprietário do veículo e tem por objectivo indemnizar os danos causados a terceiros até um montante definido legalmente. São seguros geridos em concorrência pelas seguradoras dos ramos não vida.

20 3. Os serviços especializados e financeiros: 3.1 As funções operacionais das Companhias de Seguros Cinco grandes funções: 1. Gestão das mutualidades( prémios, sinistros, provisões) 2. Gestão financeira dos recursos financeiros; 3. Gestão do resseguro; 4. Gestão de fundos por conta (Fundos de Pensões, Operações de Capitalização e Fundos de Investimento). 5. Gestão do sistema de informações e serviços de apoio;

21 A estas cinco funções corresponde uma estrutura organizacional do tipo funcional Função Técnica Função Administrativa e Financeira Função Marketing Função Pessoal Função Informática e Sistemas No entanto a organização poderá privilegiar os aspectos de mercados/ produtos. Teremos assim uma estrutura organizacional do tipo divisional em que cada divisão é simultâneamente um centro de custos e de rentabilidade. Mercado de Particulares/Produtos de Previdência Poupança e Reforma Mercado de Empresas/Orçamento de Seguros-Risk Management Mercado de Agências e Corretores/Serviços de Risk Management Canais Alternativos Serviços Assistência e Saúde

22 3.2. Estrutura Matricial Finalmente podemos combinar as estruturas anteriores sob a forma matricial. Teremos neste caso uma estrutura em linha dos mercados cruzando-se com a coluna das funções. Direcção Geral Mercado Particulares Mercado Empresas Função Financeira Função Técnica Função Marketing Função Pessoal Mercado agências/corretores

23 3.3. A organização tradicional de uma Companhia de Seguros Existem duas maneiras principais de estruturar os departamentos de uma Companhia: por função e por divisão. A organização por função é a forma tradicionalmente utilizada e é apropriada para pequenas Companhias vendendo uma gama limitada de produtos. Todos os empregados que efectuam a mesma actividade estão organizados num departamento (marketing, finanças, etc.) A vantagem da estrutura funcional é que os empregados podem especializar-se no tipo de trabalho que realizam. As desvantagens é que tal organização pode ser inflexível e difícil de coordenar..

24 A maior parte dos grandes Companhias multiproduto estão organizadas por divisão e esta organização está a tornar-se corrente especialmente nas Companhias detidas por bancos ou que diversificam a sua actividade noutras áreas de negócio (pensões, fundos de investimento, etc.). A divisão pode assumir diferentes maneiras, tal como produto, clientela, área geográfica, etc. cada divisão é suposta ser parcialmente autónoma e desenha, produz e coloca os seus próprios produtos. Contudo, a actividade do chefe de divisão é restrita porque deve reportar à sede, particularmente no que diz respeito às questões que afectam o trabalho de outras divisões. O grau de autonomia das divisões depende do tipo de controle instituído que pode ser mais ou menos centralizado

25 1. A gestão das mutualidades engloba as seguintes funções: -Subscrição de negócios (underwriting); -Emissão e cobrança de prémios; -Liquidações de sinistros; -Constituição de reservas de garantia de responsabilidades. 2. A gestão financeira dos recursos financeiros desdobra-se em: -Gestão da carteira de investimentos; -Gestão dos activos de cobertura da margem de solvência; -Gestão dos saldos correntes e de tesouraria. 3. A gestão do mecanismo do resseguro tem a ver com as funções de refinanciamento ao nível: -da Tesouraria; -da Margem de Solvência.

26 4. A gestão de Fundos por conta. Enquanto a gestão de recursos financeiros é realizada ao nível do Balanço, com os riscos financeiros a serem assumidos pela Seguradora, a gestão de fundos por conta é feita ao nível das contas extra-patrimoniais, sendo os riscos financeiros, da responsabilidade do Fundo. 5. A gestão do Sistema de Informações permite assegurar o funcionamento do circuito de produção da informação necessária aos outros mecanismos, seja ao nível da tarificação, do provisionamento, da análise de mercado ou do mercado financeiro. O quadro seguinte sintetiza estas funções:

27 Resseguro Prémios Indemnizações Segurados Prémios Serviço de Prov. Serviço da Aplic. Mercado mutualidade Técnicas Gestão Financeiras Financeiro ----> Financeira < > -> ---- < < Indemnizaçõ es Part. Rend. Resultados Financeiros Informaç Informação ão Intermediári Operadores os de dos Seguros mercados mobiliários/ Imobiliários

28 4. O Sistema de negócio O sistema de negócio de seguros contempla (pelo menos) seis funções: - distribuição - underwriting (subscrição) - tarificação - serviço de apólices - sinistros - investimento 4.1. A distribuição A distribuição de seguros é realizada actualmente por diferentes canais: - rede de agentes independente - balcões dos bancos - correios/diversos/internet - directos/rede de agentes exclusiva Nos ramos não vida a distribuição é ainda efectuada preferencialmente por agentes profissionais independentes e no caso de grandes empresas industriais e comerciais por corretores. A principal diferença entre os dois canais reside apenas na dimensão e na forma jurídica da organização.

29 As formas de distribuição por correio são pouco significativas. A utilização de uma rede de agentes exclusiva tem vindo a adquirir importância., sobretudo no ramo vida. A distribuição por internet está ainda na sua fase inicial. A distribuição aos balcões dos bancos adquiriu importância nos conglomerados financeiros de bancassurance. As companhias podem ajudar os agentes independentes através de -relações estaveis -resposta rápida a pedidos de cotação ou ajuda no serviço de apólices e de sinistros -desenvolvimento de uma filosofia de underwriting estavel que forneça aos agentes uma base de trabalho previsivel 4.2. O underwriting O underwriting é a segunda função do negócio de seguros. Nos ramos de negócio individuais, existe uma base estatística extensa, que permite ao segurador predizer com alto grau de confiança, a classificação de um risco em particular. A única preocupação a ter em conta é assegurar que o risco é classificado correctamente e compreender o grau de julgamento por parte dos agentes.

30 Nos ramos de negócio comerciais, existem 3 especializações chave: - encontrar a classificação de risco certa - modificar os termos e condições da apólice - underwriting do risco Aqui o papel do subscritor do risco é o de acompanhar o agente na análise do risco e propor soluções para a sua cobertura. O Underwriting é o processo pelo qual o segurador decide aceitar ou não a proposta de seguro, em que condições, em que proporção e a que preço. Normalmente o underwriter possui uma experiência sobre casos anteriores com ocorrências favoráveis (sinistro) e consegue utilizar essa informação para tarificar o risco. Ele consegue determinar os factores chave de influência do custo anual dos sinistros e classifica os riscos de acordo com esse factores. Os elementos de um underwriting objectivo são os seguintes:

31 a)avaliação dos factores chave que afectam a experiência de sinistros num tipo particular de seguro. Trata-se de repartir os riscos em grupos homogéneos, com os indivíduos de um mesmo grupo associado em função da experiência similar em matéria de sinistros. Por exemplo em vida, o sexo, a idade, a saúde e o tipo de contrato. b)uma estimativa da experiência de sinistros do indivíduo médio de cada grupo. O underwriting precisa de estimar o custo anual dos sinistros do indivíduo médio e também a decomposição da frequência anual e da severidade média dos sinistros. Esta experiência média é então reflectida na taxa de prémio média. c)uma estimativa do efeito dos diferentes factores na experiência de sinistros, que permitem ao underwriter variar as taxas de prémio. d)uma comparação das características do proponente com as do membro (médio) do grupo, de forma a determinar se o proponente é melhor ou pior do que a experiência média. e)uma comparação do prémio com o montante a ser pago em caso de sinistro (o valor do prémio não deve ser igual ao valor do sinistro).

32 4.3. Tarificação Distingue-se entre ramos individuais e ramos comerciais. Nos ramos de negócio individuais é possível fornecer-se uma taxa com base na experiência devido à dimensão da base estatística. Para fixar as taxas é suficiente elas disporem de uma frequência provável e de um custo médio esperado. Nos ramos de negócio comerciais, a tarificação é mais complexa. Muitas vezes utilizam-se as tarifas propostas pelo ressegurador, dada a insuficiência da informação disponível. A experiência do subscritor, é nesta matéria, relevante As Tarifas de Prémio nos Seguros Não Vida Objectivo da construção de tarifas Fixar um preço apropriado para o seguro. Este preço, ou prémio comercial, pode ser definido como o montante de dinheiro pago pelo tomador que cobre a sua justa parte nas indemnizações da mutualidade e as despesas envolvidas pelo segurador. Ao fixar esse preço, um subscritor tenta balancear diferentes forças em conflito:

33 a)equidade entre segurados. Os prémios devem reflectir o encargo que cada segurado espera impor ao fundo da mutualidade. b)suficiência. Os prémios devem ser suficientemente grandes para cobrirem as perdas e as despesas administrativas. A aplicação de prémios consistentemente baixos poderão acarretar a insolvência do segurador. c)rendibilidade. Todas as Companhias de Seguros desejam obter lucros adequados e devem por isso fixar os seus prémios de forma a produzirem um nível de lucro adequado. Preço e Prémio não são equivalentes.

34 Decomposição do Prémio de seguro não vida Teóricamente os prémios comerciais têm 4 componentes principais: a) Prémio de risco; b) Carga de despesas; c) Margem de lucro; d) Margem de segurança. a)o prémio de risco (prémio puro) é a porção que o segurador deve obter de qualquer segurado para cobrir o valor actual esperado das perdas da carteira no período do seguro. A perda esperada de cada segurado será o custo médio ocorrido num período longo. O valor actual significa que o segurador cobra à cabeça uma soma de dinheiro que capitalizada há-de gerar a perda provável no momento da sua ocorrência. Prémio Risco = Perda esperada (1+i) n n = período de cobertura

35 b)a carga de gestão, é o montante que é adicionado ao prémio puro para cobrir todas as despesas relacionadas com a gestão da mutualidade. Esta contribuição inclui as comissões, os salários, os consumíveis, a amortização do capital produtivo e os impostos e taxas para o Estado e organismos de supervisão e representação. c)a margem de lucro é a componente do prémio destinada à remuneração do capital accionista investido na empresa. d)a margem de segurança. Destinada a cobrir desvios anormais de sinistralidade em relação à sua esperança.

36 O Cálculo do Prémio de Risco Virtualmente todos os prémios de risco, quer em Vida quer em Não Vida, são derivados a partir de dois factores: uma medida de exposição e uma taxa de prémio. A medida de exposição ou unidade de exposição reflecte a extensão ao risco de perda à qual a propriedade segura está exposta. De maneira geral, quanto maior é a propriedade ou o negócio, tanto maior será a perda esperada; por isso, frequentemente existem unidades de exposição que tentam medir a dimensão do risco assumido ou a intensidade de uma operação segura. Alguns tipos de seguros utilizam várias unidades de exposição alternativas. O quadro seguinte resume alguns exemplos mais comuns.

37 Tipo de Seguro Unidade de Exposição - Acidentes Pessoais e Doença - Saúde e Vida - Automóvel - Transportes Marítimos - Incêndio - Responsabilidade - Empregador - Produtos - Profissional - Resseguro - Pessoas/ano - Número de Pessoas - Veículos/ano; Veículos/Km - Soma Segura, número de viagens, milhas navegadas - Soma Segura, sinistro máximo possível, número de edifícios - Turnover, folha de férias - Turnover - Turnover, capacidade - Prémios da companhia cedente

38 Nalgumas Classes de Seguro a extensão da exposição ao risco não pode ser conhecida antes do fim da anuidade Isto acontece devido ao facto da unidade de exposição ser baseada em factores tais como a folha de salários, nos ramos de acidentes de trabalho, e os stocks no incêndio. O Segurado paga um prémio inicial, baseado numa estimativa da exposição provável, e no final da anuidade um ajustamento do prémio baseado na exposição efectiva. Esta técnica de tarificação é chamada retrospectiva ou retroactiva. A taxa de prémio éexpressacomoumataxa por unidade de exposição - por exemplo percentagem da folha de salários ou percentagem da soma segura. As taxas de prémio são elas próprias o produto de dois factores: a frequência média do sinistro por ano e por unidade de exposição e o valor presente do custo médio. O cálculo das taxas de prémio exige normalmente a realização dos seguintes passos:

39 1) Os segurados são divididos em grupos de acordo com as suas características de subscrição. 2) Para cada um destes grupos análise da experiência de sinistralidade passada e determinar - o número total de sinistros de todos os segurados do grupo, - o número total de unidades de exposição -a dimensão (ou valor presente) do custo médio do sinistro (cm) pago aos segurados. 3) A frequência média dos segurados no grupo (f) é determinada dividindo o número total de sinistros pelo número de unidades em risco. 4) A taxa de prémio é então calculada multiplicando o custo médio pela frequência média do sinistro. Prémio Puro= Frequência x custo médio

40 O Prémio Comercial As despesas, lucro e a carga de segurança são adicionados ao prémio de risco para se obter o prémio comercial. - Alguns destes encargos são adicionados ao prémio de risco para permitir aos seguradores pagarem custos proporcionais ao prémio comercial tais como comissões e custos de peritagem. - Outros são adicionados como custos fixos para cobrir as despesas não ligadas ao volume de negócios: salários, rendas e impostos e taxas. Seja P o prémio comercial e R o prémio de risco a pagar pelo segurado. - Se por cada escudo de P o segurador gasta k de despesas proporcionais (k 1) então kp deve acrescentar-se a R para cobrir as despesas. -Se para além disso o segurado deve pagar um custo fixo de c para cobrir as despesas fixas, então o prémio comercial é igual a:

41 P= R+ kp+ c 1 P= ( R+ c) 1 k O prémio comercial é composto de duas partes: a) O prémio de risco ajustado pelo factor ; 1 1 k b) Uma carga fixa independente do prémio de risco 1 k Muitas vezes este montante forma a base do prémio mínimo exigido pelo segurador. c

42 A tarificação com base na experiência O método de tarificação anterior é conhecido como tarificação manual ou de grupo: o custo esperado é determinado a partir da experiência passada com apólices similares - ou seja, aquelas que têm factores de subscrição similares. Mas em certas classes de seguro o prémio a pagar pelo segurado depende da sua própria experiência passada: este método é conhecido como tarificação com base na experiência. O melhor exemplo é o sistema de bonus malus aplicado no Seguro Automóvel. O prémio base é reduzido em cada anuidade sem sinistro participado.

43 4.3.2 As Tarifas dos Seguros de Vida O prémio de risco é o valor actual esperado das perdas provaveis e resulta da multiplicação da taxa de prémio pela unidade de exposição. No ramo vida a dimensão da perda é ou fixada em montante(capital em risco) ou determinada em função dos investimentos da Seguradora, não tendo pois sentido a noção de perda média ou frequência do sinistro. A questão crucial é se o sinistro pode ocorrer e, em caso afirmativo, quando. A Seguradora combina criteriosamente tábuas de mortalidade da população com taxas de juro técnicas e constroi os elementos actuariais necessários para a determinação do prémio. A natureza longa dos contratos de seguro de vida é muito importante uma vez que influencia o montante do prémio pago pelo segurado. O Segurado pode adquirir a cobertura do ramo vida pagando um prémio único para toda a duração do contrato. O segurador permite o nivelamento dos prémios. Assim o valor actuarial dos prémios a pagar há-de ser igual ao valor actuarial do compromisso do segurador durante a vigência do contrato.

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

ISEG Mestrado Ciências Actuariais. Gestão de Empresas Seguradoras CUSTOS E RENTABILIDADE NAS COMPANHIAS DE SEGUROS

ISEG Mestrado Ciências Actuariais. Gestão de Empresas Seguradoras CUSTOS E RENTABILIDADE NAS COMPANHIAS DE SEGUROS ISEG Mestrado Ciências Actuariais Gestão de Empresas Seguradoras CUSTOS E RENTABILIDADE NAS COMPANHIAS DE SEGUROS Ano lectivo 2005/2006 Carlos M. Pereira da Silva 1 4. Análise dos custos e da rentabilidade

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR OBTENÇÃO E ELABORAÇÃO DOS DADOS ACTUARIAIS E ESTATÍSTICOS DE BASE NO CASO DE EVENTUAIS DIFERENCIAÇÕES EM RAZÃO DO SEXO NOS PRÉMIOS E PRESTAÇÕES INDIVIDUAIS DE SEGUROS E DE

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS Com a presente Norma Regulamentar estabelece-se o regime de cálculo das provisões técnicas segundo

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a Clientes com perfil de risco conservador, que privilegiam a preservação do capital investido e a

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES Cartão Ordem dos Advogados Um cartão de crédito PERSONALIZADO E DIFERENCIADOR com vantagens únicas para a classe profissional COMPRE AGORA

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I CUSTOS conceitos fundamentais Custo Sacrifício de um recurso para atingir um objectivo específico, ou, dito de outro modo, valor associado à utilização ou consumo de um recurso. A determinação dos custos

Leia mais

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa Produto a comercializar Perfil do Cliente alvo da solução O é um produto financeiro complexo que resulta da comercialização combinada de um depósito a prazo simples, denominado SDA, com um seguro de capitalização

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS Nos termos da alínea f) do artigo 58.º do Decreto-lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES.Nº 83/99 GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Recomendação Nº

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SUBSCRIÇÃO E ACEITAÇÃO DE RISCOS Jean Carlo de Borba Diretor SindsegSC PDES Subscrição e

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões O Decreto-Lei n.º 12/2006, de 20 de Janeiro - que estabelece o regime jurídico da constituição

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho O que é um acidente de trabalho? Por acidente de trabalho, entende-se o acidente: a) Que se verifique no local de trabalho ou no local onde é prestado

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR PLANO PROTECÇÃO ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR PLANO PROTECÇÃO ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Mod. Versão 62-03 Informação actualizada a: 09/09/2009 Designação Comercial: Data início de Comercialização: 17/07/2009 Empresa de Seguros, Sociedade Anónima com endereço da sede social na Av. Columbano

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS Produtos e serviços CGD para profissionais liberais e jovens advogados: CONTAS À ORDEM Conta Extracto A informação onde preferir. Com esta conta recebe um extracto com toda a informação da sua conta, na

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros Conselho de Ministros Book 1.indb 43 10-05-2010 11:52:06 Book 1.indb 44 10-05-2010 11:52:06 DECRETO N.º 25/98 DE 7 DE AGOSTO Conselho de Ministros Publicado na Iª Série do Diário da República n.º 34 de

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje.

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje. POUPANÇA PPR Capital Garantido Crie o futuro hoje. Simplifica Já pensou como vai ser quando se reformar? E se começar já a poupar? Assegure agora o seu futuro! No ActivoBank com o PPR Capital Garantido,

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais