Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade IV GESTÃO DA QUALIDADE EM TI Entregar serviços de TI com qualidade é uma tarefa extremamente importante, porém muito difícil, logo é um desafio de qualquer CEO. Diante destes desafios, muitas empresas utilizam processos de gestão da qualidade como ISO 9001, CMMI, Cobit, ISO 006, ISO 9001, entre outros, com o objetivo de satisfazer aos seus clientes. A utilização de processos para gestão da qualidade inicialmente pode parecer complicada e onerar a operação, mas a sua maturidade torna a gestão mais simples. De forma a padronizar a gestão da qualidade muitas organizações criaram normas técnicas que estabelecem os procedimentos e melhores práticas para atingir a gestão de qualidade, como a famosa ISO Controle da qualidade 1 20 Controle da qualidade é um processo pelo qual é realizada a revisão de todos os fatores envolvidos na produção com ênfase em três aspectos: elementos como controles, gerenciamento de tarefas, processos definidos e bem gerenciados, desempenho e critérios de integridade e identificação de registros; competência, tais como conhecimento, habilidades, experiência e qualificações; 9

2 Unidade IV elementos de software, tais como a integridade pessoal, confiança, cultura organizacional, motivação, espírito de equipe e os relacionamentos de qualidade. Para melhor controlar a qualidade, diversas metodologias e normas foram criadas conforme veremos adiante..1.1 NBR ISO 9001: Sistema de Gestão da Qualidade A NBR ISO 9001 é a norma brasileira baseada na norma internacional ISO 9001 que define os requisitos necessários para o sistema de gestão da qualidade, conhecido como SQC, em uma organização. Desta forma, o principal objetivo da norma é prover a confiança de que o provedor poderá fornecer de forma consistente e repetitiva, bens e serviços de acordo com o que o cliente especificou. 1 A norma atualmente é utilizada em todo o setor, desde pequenas a grandes empresas, e cada dia é mais comum o uso de termos como qualidade, auditoria, processos, requisitos, especificações, conformidades e não conformidades. A norma ISO é baseada no PDCA, que significa: Plan (Planejar), Do (Fazer), Check (Verificar), Act (Agir), criando um ciclo contínuo, conforme demonstrado na figura abaixo: Plan Act ISO Do Check Figura 30: PDCA 60

3 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI É importante clarificar que a norma não define requisitos sobre a gestão empresarial, ou seja, não define quais devem ser as características de seu produto ou como o mesmo deve ser produzido. São apresentadas exigências para gerenciar os requisitos do cliente e garantir que os mesmos sejam atendidos de forma eficaz. Um exemplo básico de aplicação da ISO seria criar um processo de envio e recebimento de computadores para um laboratório. Imagine que a empresa XPTO é responsável pela manutenção de computadores da marca Xingling. Assim, sempre que um computador é levado por um cliente, a empresa registra os dados do equipamento e do cliente e envia para seu próprio laboratório a fim de identificar o problema. Uma vez identificado o problema, a empresa, então, pode solucioná-lo, enviar para a fábrica para solução ou mesmo registrar como sem solução. As tarefas descritas acima serão realizadas inúmeras vezes pela empresa, assim é importante que todos os funcionários a executem da mesma forma para garantir a consistência e repetitividade. Desde modo, a empresa deveria documentar este processo e compartilhar com seus funcionários para garantir que todos o conhecem. A documentação e o compartilhamento dos processos não garantem que os funcionários o conhecem e o seguem, assim é necessário executar auditorias. Elas podem ser comparadas a uma prova, onde o auditor vai verificar se o funcionário conhece os processos e os utiliza de forma correta. 30 A ideia do PDCA é garantir a melhoria constante do processo, pois inicialmente o processo é planejado, executado e verificado se pode tomar ações corretivas para melhorá-lo, caso necessário. Um dos pontos mais criticados na norma ISO 9001 e em outras é que elas aumentam em muito a burocracia, pois exigem 61

4 Unidade IV procedimentos, maior controle de documentos e registros, manuais, reuniões auditorias, etc. Isto tudo tende a aumentar os custos de produção de bens ou serviços, por isso muitos veem a norma como uma forma de aumentar os custos internos da empresa. É bem verdade que se a norma não for implantada corretamente ela pode prejudicar a empresa aumentando os custos internos, porém se a implantação acontecer com coerência e os processos forem melhorados continuamente a ISO aumenta a qualidade de entrega por um custo aceitável. Melhoria contínua do sistema de gestão da qualidade Responsabilidade da gestão C li e n te R eq u is i t o s Gestão de recursos Input Realização do produto (e/ou serviço) Medição, análise, melhoria Output Produto Serviço S at i s f a ç ã o C li e n te Sistema de gestão da qualidade Figura 31: Sistema de gestão da qualidade. Fonte: <http://3.bp.blogspot.com/_-cxmcw9ds9w/sx9bzgl7wqi/aaaaaaaaale/ svumc7jfkcc/s1600-h/sgq.bmp>. A norma possui basicamente oito princípios conforme abaixo: 1. foco no cliente; 2. liderança entre objetivos comuns; 1 3. envolvimento de todos; 62

5 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI 4. abordagem de processos;. considerar o impacto de decisões em outros processos; 6. melhoria contínua; 7. decisão baseada em dados; 8. benefícios mútuos entre clientes e fornecedores. A norma ISO 9001 faz parte de uma família de normas ISO 9000, conforme explicado abaixo: ISO 9000:1987: foi a primeira norma que tinha como base a norma britânica BS 70, sendo subdividida em três modelos: ISO 9001:1987 Modelo de garantia da qualidade para preto, desenvolvimento, produção, montagem e prestadores de serviço aplicava-se a organizações cujas atividades eram voltadas à criação de novos produtos. ISO 9002:1987 Modelo de garantia da qualidade para produção, montagem e prestação de serviço compreendia essencialmente o mesmo material da anterior, sem abranger a criação de novos produtos. ISO 9003:1987 Modelo de garantia da qualidade para inspeção final e teste abrangia apenas a inspeção final do produto e não se preocupava como o produto era feito. ISO 9000:1994: Apresentava os termos e definições da norma ISO 9001:1994. ISO 9001:1994: Enfatizava a qualidade através de ações preventivas ao invés da validação apenas no produto final. 63

6 Unidade IV ISO 9001:2000: Combina os três padrões 9001, 9002, e 9003 em um único. ISO 9000:200: Sistema de Gestão da Qualidade, Fundamentos e Vocabulário. ISO 9001:2008: Sistema de Gestão da Qualidade, Requisitos. ISO 9004:2009: Sistema de Gestão da Qualidade, Diretrizes para Melhoria de Desempenho. Um dos pontos mais importantes é sem dúvida a certificação. Assim, para uma empresa receber o certificado ISSO deve passar pela auditoria de uma empresa externa, que irá avaliar os processos internos da empresa com a finalidade de comprovar que todos são seguidos de forma correta..1.2 NBR ISO 006: Gestão da Qualidade Diretrizes para a qualidade no gerenciamento de projetos A NBR ISO 006:2000 é um padrão escrito pela ISO com diretrizes de qualidade para o gerenciamento de projeto. Define como os princípios e práticas da gestão de qualidade relacionam-se com o gerenciamento de projetos. A norma pode ser aplicada a projetos de complexidade variada, ou seja, desde projetos pequenos a grandes, pequena ou longa duração, independente do tipo de produto ou serviço. Os seguintes processos fazem parte da norma: processo estratégico; processos de gerenciamento de interdependências; processos relacionados ao escopo; processos relacionados ao tempo; processos relacionados ao custo; 64

7 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI processos relacionados aos recursos; processos relacionados ao pessoal; processos relacionados à comunicação; processos relacionados ao risco; processos relacionados aos suprimentos. DICA: Uma boa fonte de leitura para comparação entre a norma ISO e o PMBOOK poder ser acessada em: <http://www. pmimg.org.br/artigos/combinando006epmbok.pdf>..1.3 Maturidade em desenvolvimento de software CMMI 1 CMMI, Capability Maturity Model Integration, é um modelo, um conjunto de práticas de gerenciamento e de melhoria de qualidade a ser aplicado no processo de desenvolvimento de software. Foi criado em 1987 por Watts Humphrey, na Universidade de Carnegie Mellon, ligada ao Software Engineer Instute (SEI), com a finalidade de garantir maturidade na capacidade de desenvolvimento de software. O CMMI é uma evolução do CMM, também conhecido como software CMM ou SW-CMM. A versão atual do CMMI 1.2 apresenta três modelos: 20 2 CMMI for Development (CMMI-DEV) publicada em agosto de 2006: dirige-se ao processo de desenvolvimento de produtos e serviços; CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ) publicada em novembro de 2007: dirige-se aos processos de aquisição e terceirização de bens e serviços; CMMI for Services (CMMI-SVC) publicada em fevereiro de 2009: dirige-se aos processos de empresas prestadoras de serviços. 6

8 Unidade IV O modelo CMMI permite a representação da maturidade no desenvolvimento de software através de cinco níveis, conforme a figura abaixo: 4 Gerenciando Otimização Processo aperfeiçoado continuamente Processo previsível e controlado 3 Definido Processo consistente e padronizado 2 Repetível Processo disciplinado 1 Inicial Processo imprevisível e sem controle Figura 32: Níveis de maturidade CMMI 1 1. Inicial: neste nível, os processos são improvisados e geralmente não são seguidos. Estimativas são realizadas sem nenhum planejamento. Compromissos de prazos e custos não são cumpridos. Procedimentos e conhecimentos pertencem às pessoas e não ao projeto. 2. Repetível: aqui, as políticas e os procedimentos para gerenciar o desenvolvimento de software estão definidos e são obedecidos. O planejamento é baseado em estimativas e na experiência anterior de outros projetos. Os projetos utilizam processos definidos, usados, disseminados, documentados, medidos e fiscalizados com rotinas de melhoria. Processos afetados são apenas os gerenciais. 3. Definido: os processos utilizados são estabelecidos e padronizados em toda a organização. Processos técnicos 66

9 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI passam a ser considerados ao lado dos processos gerenciais. 4. Gerenciado: nesta fase são estabelecidas metas quantitativas para os processos e produtos, medidas de qualidade e produtividade são coletadas em todos os projetos. A gestão é realizada com base em informações quantitativas.. Otimizado: nesta fase a organização utiliza a melhoria contínua do processo identificando pontos fracos e defeitos através de ações preventivas..1.4 Governança em TI 1 20 Nos dias atuais, todas as organizações fazem uso da Tecnologia da Informação para trabalhar os dados operacionais e prover informações gerenciais aos executivos da organização. A criação e a operação de uma infraestrutura de TI exigem um alto investimento pela organização e o gerenciamento deste ambiente nem sempre é fácil, podendo levar a organização ao fracasso. Para ajudar este cenário surgiu a Governança de TI, uma subdisciplina da Governança Corporativa focada no departamento do TI, em sua performance e no gerenciamento de risco. O grande interesse pela Governança em TI surgiu principalmente pelas iniciativas de conformidade como a Sarbanes Oxley, nos Estados Unidos, e a Basel II, na Europa, e também por perceber que os projetos de TI podem facilmente sair de controle e afetar profundamente as organizações. 2 De forma geral, a Governança Corporativa tem o objetivo de recuperar e garantir a confiabilidade em uma determinada empresa para os seus acionistas. Suas principais características são: participação; estado de direito; 67

10 Unidade IV transparência; responsabilidade; orientação por consenso; igualdade e inclusividade; efetividade e eficiência; suporte à auditoria. Para suportar as implementações da Governança em TI existem alguns frameworks, conforme abaixo: 1 Control Objectives for Information and related Technology (Cobit); IT Infrastructure Library (ITIL); ISO/IEC (ISO 27001); IT Baseline Protection Catalogs; Information Security Management Maturity Model ISM3; AS Australian Standard for Corporate Governance of Information and Communication Technology; ISO/IEC 3800:2008 Corporate governance of information technology.1. CobiT 20 CobiT significa Control Objectives for Information and related Technology, que é um guia, formulado como framework para gestão de TI, recomendado pelo ISACF (Information Systems Audit and Control Foundation, <www.isaca.org>). 2 Foi publicado em 1996 com foco no controle e análise de sistemas da informação. Em sua segunda edição, em 1998, foi 68

11 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI adicionado um guia prático de implementação e execução. A versão atual 4.1 pode ser obtida no próprio site da ISACA e introduziu as recomendações de gerenciamento de ambiente de TI dentro do modelo de governança. O CobiT é orientado ao negócio, fornece informações para gerenciar os processos alinhados aos objetivos de negócios, ajuda a otimizar os investimentos de TI e fornece métricas para avaliação dos resultados. Tem como objetivo auxiliar três audiências distintas: 1. gerentes que precisam avaliar o risco e controlar os investimentos em TI; 2. usuários que precisam ter garantias de que seus serviços de TI são bem gerenciados; 1 3. auditores que podem se apoiar nas recomendações Cobit para avaliar o nível de gestão e aconselhar o controle interno. O CobiT é organizado em quatro domínios de conhecimento, conforme demonstrado na figura abaixo: 69

12 Unidade IV Objetivos de negócios Governança em TI CobiT Informação Monitoração Efetividade Eficiência Confidencialidade Integridade Disponibilidade Fidelidade Confiabilidade Recursos de TI Planejamento e organização Entrega e suporte Pessoas Sistemas de aplicação Tecnologia Infraestrutura Dados Aquisição e implementação Figura 33: Domínio do CobiT De acordo com o professor Eduardo (Fagundes), as características de cada domínio são: Planejamento e organização: define o plano estratégico de TI; 70

13 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI define a arquitetura da informação; determina a direção tecnológica; define a organização de TI e seus relacionamentos; gerencia os investimentos de TI; gerencia a comunicação das direções de TI; gerencia os recursos humanos; assegura o alinhamento de TI com os requerimentos externos; avalia os riscos; gerencia os projetos; gerencia a qualidade. Aquisição e implementação: identifica as soluções de automação; adquire e mantém os softwares; adquire e mantém a infraestrutura tecnológica; desenvolve e mantém os procedimentos; instala e certifica softwares; gerencia as mudanças. Entrega e suporte: define e mantém os acordos de níveis de serviços (SLA); gerencia os serviços de terceiros; gerencia a performance e capacidade do ambiente; assegura a continuidade dos serviços; assegura a segurança dos serviços; identifica e aloca custos; 71

14 Unidade IV 1 treina os usuários; aconselha e assiste aos usuários; gerencia a configuração; gerencia os problemas e incidentes; gerencia os dados; gerencia a infraestrutura; gerencia as operações. Monitoração: monitora os processos; analisa a adequação dos controles internos; provê auditorias independentes; provê segurança independente. O principal benefício do CobiT para as organizações é possibilitar a compreensão de seu desempenho e medir o seu progresso. Da mesma forma como a maturidade é avaliada no CMMI, o CobiT também utiliza um modelo semelhante, que pode ser classificado em: 0. inexistente; 1. inicial / ad hoc; repetitivo, mas intuitivo; 3. processos definidos; 4. processos gerenciáveis e medidos;. processo otimizados. 72

15 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Desta forma, é possível avaliar onde a organização está hoje e aonde pretende chegar, traçando assim os planos para atingir seus objetivos. 6 ATUAL PARADIGMA DE GESTÃO DE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO 6.1 O que é um processo de desenvolvimento de software? O processo de desenvolvimento de software e/ou sistema consiste basicamente em um conjunto de atividades ordenadas com a finalidade de obter um produto final, que pode ser um software ou um sistema. Geralmente o processo de desenvolvimento de software é estudado dentro da área de engenharia de software, pois é considerado um dos principais elementos para obter qualidade no produto final e cumprir corretamente prazo, custos e funcionalidades conforme contratado. Diante disso, podemos citar que o principal objetivo de um processo de desenvolvimento de software é garantir a qualidade do produto desenvolvido conseguindo uma boa produtividade O processo possui diversos componentes que ajudam a responder as questões: Quem, O que?, Como?, Por quê?, Quando? (Who?, What?, How?, Why?, When?). Os principais componentes são: papéis, artefatos, atividades, técnicas, práticas e ferramentas. De forma geral, o processo de desenvolvimento de software pode ser dividido em fases: planejamento, definição de requisitos, construção de protótipos; construção do sistema (inclui codificação e testes); implantação (colocar em produção, treinar usuários). 73

16 Unidade IV Atualmente, existem diversos modelos e frameworks que podem ser utilizados para o desenvolvimento de software, conforme segue: 1 20 ágil; cleanroom; iterativo; RAD; RUP; espiral; cascata; XP; Scrum. Cada um destes modelos utiliza um processo para o desenvolvimento de software. Basicamente podemos citar três modelos: cascata, interativo e ágeis. No modelo cascata, os desenvolvedores seguem os passos em ordem, estabelecem os requisitos, analisam, projetam, implantam e mantém. Muitas vezes, o resultado final não atende a necessidade do cliente, pois após o planejamento atividades serão executadas até o final sem reavaliação. 2 No método interativo, os passos são revistos em todas as atividades, assim é o método preferido, pois a cada interação, os requisitos podem ser alterados. É muito comum um cliente pedir uma coisa e no meio do caminho reavaliar e mudar os requerimentos. Os métodos ágeis parecem ser melhores que os antigos, pois usam menos tempo dos programadores. Geralmente suas fases são extremamente pequenas, não durando mais que 1 mês, como é o caso do Scrum ou XP. 74

17 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI 6.2 IBM Rational Unified Process RUP é um processo proprietário de desenvolvimento de software criado pela Rational Software Corporation, adquirida pela IBM, que ficou conhecido como IRUP Utiliza a abordagem da orientação a objetos em sua concepção e é projetado e documentando utilizando a linguagem UML. É um processo considerado pesado e preferencialmente aplicável a grandes equipes de desenvolvimento e a grandes projetos. O RUP toma como premissa seis práticas de engenharia de software. São elas: desenvolvimento interativo; gerenciamento de requisitos; arquitetura baseada em componentes; modelagem utilizando a UML como ferramenta; melhoria contínua de processos e produtos de software; configuração e gerenciamento de mudança. De forma geral, o modelo RUP faz uso de três entidades, que são os trabalhadores (papéis), as atividades e os artefatos. Através da utilização de fluxogramas é possível relacionar as atividades e os papéis em sequências para a produção do resultado. 2 Como este modelo se baseia no modelo incremental e interativo, busca resolver os problemas clássicos do desenvolvimento de software que são: mudança de requisitos, falta de gerência de riscos, estouro de prazos, falta de produtividade e de documentação e atualização de documentos. 7

18 Unidade IV O RUP é dividido em quatro fases distintas: 1. concepção: ênfase no escopo do sistema; 2. elaboração: ênfase na arquitetura; 3. construção: ênfase no desenvolvimento; 4. transição: ênfase na implantação. Workflows Phases Inception Elaboration Construction Transition Business modeling Requeriments Analysis & Design Implementation Test Deployment Configuration & Change Mgmt Project management Enviroyment Initial Elab #1 Elab #2 Const #1 Const #2 Const #N Tran #1 Tran #2 Iterations Figura 34: Processo RUP Como pode ser visto na figura acima, cada etapa do projeto (Business Modelling, Requirements, etc.) passa-se pelas quatro fases do RUP: concepção, elaboração, construção e transição. Desta forma, podemos assegurar que todas as etapas serão revistas em cada uma das fases facilitando assim o gerenciamento do projeto. 6.3 SCRUM Scrum é um framework para desenvolvimento ágil e gerenciamento de projetos, inicialmente concebido para o 76

19 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI gerenciamento de projetos em empresas de fabricação de automóveis por Takeuchi e Nonaka através do artigo The New Product Development Game (Takeuchi; Nonaka, 1986). Takeuchi e Nonaka notaram que utilizando equipes pequenas e multidisciplinares produziam melhores resultados, e associaram estas equipes à formação Scrum do rugby. Em 1993, Jeff Sutherland, John Scumniotales e Jeff McKenna conceberam, documentaram e implementaram o Scrum na empresa Easel. Mais tarde, em 199, o Scrum foi implementado por Ken Schwaber para o desenvolvimento de software. De forma simplificada, o Scrum possui os seguintes componentes: Product Backlog: são as funcionalidades de um produto requeridas pelas pessoas envolvidas no projeto, como: usuários, clientes, executivos, desenvolvedores e outras pessoas do time; Product Owner: representa o usuário e o cliente, e tem o objetivo de verificar se as funcionalidades exigidas estão no projeto; Scrum Master: sua função é garantir que o projeto está caminhando de forma correta e que cada indivíduo do time tem a ferramenta necessária para desempenhar sua função. Tem a função ainda de agendar reunião, verificar andamento dos trabalhos, etc. Este indivíduo é essencialmente um gerente de projetos; Developers: são os indivíduos responsáveis pelo desenvolvimento do produto; Testers: são os indivíduos responsáveis pelo teste do produto de acordo com as funcionalidades exigidas para cada versão; 77

20 Unidade IV Customers: são os clientes que estão pagando pelo produto; Subject Matter Especialist: especialistas em determinadas áreas que podem avaliar o tempo necessário para cada tarefa; Sprints: são Milestones de curta duração (Milestone é um marco dentro do projeto); Bugs: são problemas que aparecem durante o desenvolvimento do produto; Daily Scrum: reuniões diárias de curta duração para avaliar o andamento do projeto. O processo do Scrum começa com a criação do product backlog, onde todas as funcionalidades necessárias do produto são identificadas. Em seguida, é criado um release backlog, com todas as funcionalidades que deverão ser implementadas neste release (versão). Uma vez criado o release backlog, o time prioriza as funcionalidades e identifica o esforço necessário para cada atividade através do uso de, no mínimo, 2 ou 3 especialistas, de forma a obter o tempo necessário para desenvolver esta versão. Agora é necessário dividir as atividades do release backlog em sprints de forma que suas atividades tenham duração entre 3 e 30 dias. É importante lembrar que quanto menor for o ciclo de criação de novas versões, menor será o tempo dos sprints. Ao término de cada sprint deve ser possível testá-lo e validar o seu funcionamento, assim, caso haja algum problema é fácil identificar os atrasos no projeto. 30 Nota-se então que é imprescindível monitorar o progresso de cada sprint para ter um controle adequado do projeto, e para 78

21 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI isso pode-se utilizar gráficos burndown que mostram o trabalho efetuado pelo tempo, conforme a figura abaixo: Trabalho Figura 3: Gráfico Burndown (trabalho x tempo) É necessário ainda que o Scrum Master organize reuniões diárias de aproximadamente 1 minutos para verificar como as tarefas estão sendo executadas e quais são os problemas e/ou bugs encontrados. Em geral, as seguintes perguntas devem ser realizadas nesta reunião: O que vocês fizeram ontem? O que vocês estão fazendo hoje? Quais são os problemas? 1 Que ferramentas vocês precisam? Que obstáculos estão em seu caminho? Diante do que foi exposto é possível avaliar que o Scrum é muito útil no desenvolvimento de software por ser ágil e tratar os problemas de forma rápida, objetivando a entrega. Um ponto principal é identificar quais funcionalidades serão desenvolvidas em cada release, a fim de criar ciclos curtos de desenvolvimento. 79

22 Unidade IV A figura abaixo demonstra de forma simples o processo Scrum: Reunião de scrum diária Product backlog Sprint backlog 24 horas 2-4 semanas Incremento no produto Figura 36: Processo Scrum 6.4 Estratégias para o sucesso em projetos Para um bom gerenciamento de projetos é necessário combinar o conhecimento contido tanto no PMBOK quanto na ISO 006. É fácil perceber que existem muitos pontos semelhantes, porém há também muitas diferenças. Em geral, a combinação deles pode dar suporte para uma gestão eficiente de projetos. A estratégia que as organizações deveriam seguir para implementar a ISO 006 é: 1. reavaliar e entender as informações do PMBOK; 2. reavaliar e entender as informações da ISO 006; 3. desenvolver um processo ou metodologia para o gerenciamento de processos desde seu início até seu encerramento; 1 4. o processo deve ser adaptável para permitir o uso em projetos de tamanhos diversos, não engessando as pessoas que estão trabalhando; 80

23 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI. criar processos para os elementos-chaves dentro de um processo, de forma que todos os projetos sigam o mesmo direcionamento, como: gerenciamento de mudança e de riscos, alocação de recursos, etc.; 6. criar padrões de qualidade de forma a garantir que os resultados originais foram obtidos, as partes interessadas estão satisfeitas e que os recursos do projeto são bem gerenciados; 7. Auditar os projetos de forma a garantir que os processos estão sendo utilizados e que a qualidade é observada; 8. Garantir que os projetos tenham um processo de encerramento e que a lições aprendidas sejam divulgadas e armazenadas de forma correta para que erros e/ou problemas não sejam repetidos novamente. 7 CONCLUSÃO 1 20 Diante do que foi exposto nesta apostila, pode-se observar o quanto é importante o gerenciamento de projetos para uma organização. Existem diversas ferramentas, metodologias e frameworks para ajudar na gestão, porém é fundamental que os gerentes de projeto façam o controle adequado dos requisitos e da gestão de risco. 2 Pode-se observar que em todo projeto o passo mais importante é compreender o que o cliente realmente quer e garantir que a entrega final esteja de acordo com o solicitado. Sabemos que muitas vezes o próprio cliente não sabe exatamente o que deseja como resultado final. Assim, cabe ao fornecedor do serviço identificar as possibilidades e demonstrá-las para que o cliente faça a escolha. Devemos utilizar as informações recebidas aqui para evitar a todo custo que a figura abaixo aconteça em um projeto. 81

24 Unidade IV Figura 37: Modelo de entrega padrão de serviços ao cliente ANEXO Sarbanes-Oxley É uma lei americana assinada em 30 de julho de 2002, pelos senadores Paul Sarbanes (Democrata de Maryland) e Michael Oxley (Republicano de Ohio), que busca garantir a criação de mecanismos de auditoria e segurança confiáveis nas empresas. Inclui regras para a criação de comitês e comissões encarregadas de supervisionar suas atividades e operações, de modo a mitigar riscos aos negócios, evitar a ocorrência de fraudes ou ter meios de identificar quando elas ocorrem, garantindo a transparência na gestão das empresas. 82 A lei, conhecida pelo nome SOX ou Public Company Accounting Reform and Investor Protection Act foi motivada por escândalos financeiros coorporativos, dentre eles o da Enron, que acabou por afetar drasticamente a empresa de auditoria Arthur Andersen.

25 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Basel II É o segundo acordo da família Basel, que são recomendações sobre leis e regulamentações bancárias feitas pelo Basel Committee on Banking Supervision na Europa. O objetivo do acordo, primeiramente publicado em junho de 2004, é criar padrões internacionais que os reguladores bancários podem usar ao criar regras sobre quanto capital os bancos precisam possuir para se proteger de operações financeiras de risco. UML UML ou Unified Modeling Language é uma linguagem de modelagem não proprietária, que permite aos desenvolvedores visualizarem o produto de seus trabalhos através de diagramas padronizados. Um exemplo de UML pode ser visto na figura abaixo: Order Receive Date paid: Boolean number: String price: Currency send ( ) close ( ) 1 * 1 {If Order.Client.creditHistory( ) = low Them Order.paid should be TRUE} CorporateClient contactname credithistory creditlimit remind ( ) monthbill (Integer) purchase report 0.1 Employee Client name address credithistory( ): String IndividualClient creditcardnumber {credithistory( )= low } * Enventory OrderString quality: Integer price: Currency satisfied: Boolean 1 Product Figura 38: UML 83

26 Unidade IV Scrum do Rugby De acordo com o site brasileiro Rugby Mania (), o Scrum do rugby é o seguinte: Acontece na disputa pela bola em casos de penalidades ou faltas. É normalmente formado por 3 linhas de jogadores, sendo 3 na primeira, 4 na segunda e 1 na terceira, totalizando 8 jogadores. A bola é jogada no meio do túnel do Scrum pelo Half Scrum do time lesado pela penalidade pela esquerda do seu time. Neste momento, um time tenta empurrar o outro até a bola sair entre as pernas dos jogadores e continuar o jogo. A bola não pode sair pelo túnel e a formação não pode cair nem girar mais de 90º sob pena de ter de repetir o Scrum ou inclusive inverter a posse da bola a critério do juiz. Índice de figuras Figura 1: Triângulo do projeto... 4 Figura 2: Standish Group Report... 7 Figura 3: Ciclo de vida de um projeto... 9 Figura 4: Modelo básico gerenciamento projeto...18 Figura : Exemplo de gráfico PERT...22 Figura 6: CPM...24 Figura 7: Tela principal Project...2 Figura 8: Detalhes tabela de tarefas...26 Figura 9: Informações do projeto...27 Figura : Tarefas no Microsoft Project...28 Figura 11: Gráfico com relacionamento entre atividades...29 Figura 12: Criando um milestone...29 Figura 13: Projeto com fase piloto e de implantação...30 Figura 14: Gráfico com detalhes das atividades do projeto...30 Figura 1: Definindo milestone no Project...31 Figura 16: Avaliação de trabalho das atividades...31 Figura 17: Assinalando recursos

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Unidade V GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade V GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade V GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Control Objectives for Information and Related Technology - Cobit O CobiT é um guia para a gestão de TI recomendado pelo Information Systems Audit

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Victor Halla

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Victor Halla Unidade IV GERENCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA Prof. Victor Halla O que é governança corporativa? É o sistema pelo qual as sociedades empresariais são dirigidas e monitoradas pelo mercado de capitais através

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Unidade V GOVERNANÇA DE TI

Unidade V GOVERNANÇA DE TI GOVERNANÇA DE TI Unidade V CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY (COBIT) 1 O CobiT é um guia para a gestão de TI recomendado pelo Information Systems Audit and Control Foundation (ISACF)

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira Governança Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira 1 Definição de Governança Governança Corporativa: É a Estrutura que identifica os objetivos de uma organização e de que forma pode-se

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos ISO 20.000 / 2011 Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de ISO 20.000 Foundation tem como premissa fornecer uma visão geral da publicação da norma ISO/IEC 20000 capacitando o aluno a entender

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI)

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) Os principais modelos de melhores práticas em TI Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP, ITIL

Leia mais

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios Sandra Sergi Santos, PMP Governança de TI Vamos começar este artigo analisando Governança de TI. A Governança de TI é a área mais crítica de uma governança

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

GTI Governança de TI

GTI Governança de TI GTI Governança de TI Modelos de Melhores Práticas e o Modelo de Governança de TI Governança de TI FERNANDES & ABREU, cap. 4 1 COBIT Control Objectives for Information and Related Technology. Abrangente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br Autor: Julio Cesar Fausto 1 RESUMO Em um cenário cada vez mais competitivo e em franca

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Integrando o PSM ao COBIT

Integrando o PSM ao COBIT Integrando o PSM ao COBIT Diana Baklizky, CFPS Qualified PSM Instructor ti MÉTRICAS Ltda www.metricas.com.br 1 Agenda Objetivo Governança de TI COBIT 4.1 Como o PSM pode ajudar Caso Prático Conclusão Referências

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI

IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI 1 IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI André Luiz Guimarães dos Reis 1 1 João Souza Neto 2 1 Tomas Roberto C. Orlandi 3 1 andrer@correios.com.br szneto@correios.com.br tomasroberto@correios.com.br 1 Empresa

Leia mais

Diretrizes para Governança de T.I.

Diretrizes para Governança de T.I. Diretrizes para Governança de T.I. Karina Campos da Silva 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Departamento de Ciências da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Barbacena,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G.

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. Magda A. Silvério Miyashiro 1, Maurício G. V. Ferreira 2, Bruna S. P. Martins 3, Fabio Nascimento 4, Rodrigo Dias

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Arlei Calazans. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco

ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Arlei Calazans. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco ITIL Information Technology Infrastructure Library Arlei Calazans Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco ajcm@cin.ufpe.br 24 de setembro de 2007 Agenda 1 Fundamentação

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Apresentação Apresentação Professor Alunos Representante de Sala Frequência e Avaliação Modelos das aulas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Orlando Ovigli 1, Arthur Gomes 1, Patrícia Kimie 1, Márcia Ito 1,2 1 Gestão e Engenharia de Processos para desenvolvimento de Software

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna 24/09/2013 COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna Luiz Claudio Diogo Reis, MTech, CISA, CRISC, COBIT (F), MCSO Luiz.reis@caixa.gov.br Auditor Sênior Caixa Econômica Federal Currículo

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais