Formanda: Curso: Módulo: Formador(a): Data: Introdução 2 Conceitos de Migração, Imigração, Emigração e Êxodo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formanda: Curso: Módulo: Formador(a): Data: Introdução 2 Conceitos de Migração, Imigração, Emigração e Êxodo."

Transcrição

1 Fluxos Migratórios

2 Introdução 2 Conceitos de Migração, Imigração, Emigração e Êxodo. 4 Principais fluxos migratórios portugueses ao longo dos tempos. 4 Vantagens e desvantagens dos fluxos migratórios... 5,6 Direitos e Deveres dos Imigrantes em Portugal... 7 Instituições nacionais de assistência aos imigrantes. 7,8 Conclusão. 9 Referências 10 2

3 Neste trabalho irei abordar os conceitos de migração, imigração, emigração e êxodo. Estão presentes e identificados os principais fluxos migratórios portugueses ao longo dos tempos, como uma pequena abordagem histórica, focando principalmente a emigração e o êxodo rural dos anos 60. Refiro alguns pontos e factores de vantagens e desvantagens acerca dos movimentos migratórios, a nível económico, político e cultural. No trabalho exponho os direitos e deveres dos imigrantes em Portugal e faço um levantamento das instituições nacionais de assistência aos imigrantes, que tipo de actividades desenvolvidas, quer ao nível político e ao nível cultural para integrar os imigrantes. 3

4 Conceitos de Migração, Imigração, Emigração e Êxodo Designa-se migração todos os movimentos de pessoas de um país a outro, ou dum lugar geográfico a outro dentro dum mesmo país, com mudança de residência. No primeiro caso trata-se de migração internacional e, no segundo, de migração interna. Chama-se emigração ao movimento de saída de pessoas de uma determinada área geográfica, ou seja, de um país para outro, e imigração ao movimento de chegada para a mesma. Êxodo significa a saída massiva de pessoas. Pode-se dizer êxodo rural que é saída de pessoas do meio rural para meio urbano, e êxodo urbano é a saída de pessoas do meio urbano para o meio rural. Principais fluxos migratórios portugueses ao longo dos tempos O Brasil foi um dos primeiros países para onde muitos Portugueses emigraram no início do século XIX. A partir dos anos 50, os Portugueses passaram a procurar trabalho na Europa, principalmente para a França e Alemanha. Mais tarde também foram para a Suíça, Holanda e Luxemburgo. A grande maioria destes emigrantes eram homens, que deixavam as suas famílias para traz e procuravam um melhor nível de vida económico e financeiro. Quando a situação económica o permitisse, regressavam ao seu país ou chamavam os seus familiares para junto deles. Na década de 60 começou a delinear-se um novo fluxo migratório, induzido pela progressiva abertura da economia portuguesa por um lado, pela escassez de mão-deobra derivado do êxodo emigratório para a Europa e do recrutamento militar para ex 4

5 colónias. Neste contexto, o novo fluxo emigratório apresentou duas componentes principais bem distintas, uma predominantemente europeia constituída por quadros técnicos e empresárias mas também por reformados que se estalam no Algarve, e a outra por trabalhadores não qualificados oriundos de Cabo Verde. Vantagens e desvantagens dos movimentos migratórios A nível económico O nível económico é provavelmente a causa fundamental que leva as pessoas a migrarem, quase sempre resultante da diferença de desenvolvimento socioeconómico entre países ou entre regiões. Quase sempre, nestes casos, as pessoas migram porque querem assegurar noutros locais um melhor nível de vida, onde os salários são mais elevados, as condições de trabalho menos pesadas, onde a assistência social é mais eficaz, enfim, vão para onde pensam encontrar uma vida mais agradável o que, nem sempre acontece. Um dos factores que posso considerar, simultaneamente, como vantagem e desvantagem, prende-se com a mão-de-obra, isto é, se por um lado Portugal com a partida da sua população mais jovem para outros países perde força de trabalho por outro as divisas que enviam para a terra natal favorecem o seu crescimento económico, embora essas divisas na actualidade sejam diminutas. Por exemplo, ir trabalhar para a Alemanha, pois dum modo geral, os salários lá, são mais elevados. De uma forma natural as pessoas também emigram dos seus países devido ao clima, este motivo, leva a que sejam migrações forçadas, pois devido a causas naturais como, cheias, terramotos, secas ou vulcões, a vida e a sobrevivência das pessoas ficam em risco, pelo que se vêem forçadas a abandonar os seus locais de residência. 5

6 A nível político A nível político as pessoas emigram devido a mudanças nos governos, para governos ditatoriais e repressivos, levando alguns habitantes a saírem desse país. Como aconteceu com a política Salazarista, que proibia as mulheres de trabalhar, perseguia os opositores ao regime, iniciou a guerra colonial, entre outros. Embora indirectamente, as decisões políticas influenciam as migrações, por exemplo, em caso de um governo decidir entrar em conflito com outro país, levando muitas vezes à partida massiva (êxodo) das suas populações para outros territórios. Existem pessoas que sofrem de violência doméstica, abusos, perseguição ou perda de familiares, e por isso procuram novos conhecimentos e uma vida estável noutro país desconhecido. A nível cultural Actualmente em Portugal as relações interculturais são mais evoluídas em termos de gastronomia, vêem-se muitos restaurantes chineses, indianos, tailandeses entre outros. Alguns portugueses também levaram a nossa cultura gastronómica para além de outros países. A indústria também é muito vasta como as lojas chinesas e marroquinos que vendem artigos do seu país em feiras e até mesmo nas praias. 6

7 Direitos e Deveres dos Imigrantes em Portugal Os imigrantes têm direito à saúde, ao trabalho, educação e à assistência social. Têm como deveres o respeito pela organismo português, usufruir de um contracto de trabalho, trabalho, respeito pelas regras de conduta e ao facto de respeitar a nação. Instituições nacionais de assistência aos imigrantes Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI) O Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I. P. tem como missão colaborar na concepção, execução e avaliação das políticas públicas relevantes para a integração dos imigrantes e das minorias étnicas, bem como promover o diálogo entre as diversas culturas, etnias e religiões. Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas (ACIME), órgão dependente do Primeiro-ministro e do Ministro da Presidência. É-lhe atribuída como missão promover a integração dos imigrantes e minorias étnicas na sociedade portuguesa, assegurar a participação e a colaboração das associações representativas dos imigrantes, parceiros sociais e instituições de solidariedade social na definição das políticas de integração social e de combate à exclusão, assim como acompanhar a aplicação dos instrumentos legais de prevenção e proibição das discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica. 7

8 Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) A sua missão é dar execução à política de imigração e asilo de Portugal, de acordo com as disposições da Constituição e da Lei e as orientações do Governo. Associação de mulheres ciganas portuguesas (AMUCIP) A AMUCIP é uma associação de mulheres ciganas, de âmbito nacional, que trabalha para o desenvolvimento das crianças e mulheres ciganas em Portugal, e que tem como objectivos estatutários: Promover a defesa e o desenvolvimento das mulheres e crianças ciganas em Portugal, com respeito pela identidade cultural. Defender as mulheres e crianças ciganas portuguesas de políticas e de acções injustas. Promover informação, junto das mulheres e crianças nas comunidades ciganas relativamente aos direitos, deveres, oportunidades educacionais e de emprego e perspectivas de evolução na sociedade em que se inserem e junto das entidades e instituições portuguesas europeias sobre o papel da mulher na cultura e na sociedade ciganas. Promover actividades culturais, recreativas, desportivas e outras que estejam em harmonia com as restantes finalidades estatutárias. 8

9 Com a realização deste trabalho aprendi de facto que a mobilidade é uma característica de praticamente todos os seres vivos. Principalmente para as migrações que são movimentos de entrada e saída de pessoas de um país para outro, como é óbvio, é realizado muitas vezes por motivos económicos, políticos ou sociais. O êxodo rural também tem um grande significado no que diz respeito à saída em massa de pessoas do campo para a cidade ou da cidade para o campo. Os motivos destas mudanças são de qualquer modo por factores pessoais e também profissionais. Muitas pessoas efectuam estas mudanças por falta de condições financeiras ou até mesmo por motivos sociais, porque os meios de saúde e apoios sociais estão longe e realmente estão no meio urbano. Os conhecimentos que adquiri neste trabalho foram sem dúvida favoráveis para as minhas competências e claro para a minha cultura. 9

10 10

Conceito de emigração Trabalho elaborado por: Sandra Jacinto e Paulo Luz. O conceito de imigração e emigração.

Conceito de emigração Trabalho elaborado por: Sandra Jacinto e Paulo Luz. O conceito de imigração e emigração. O conceito de imigração e emigração. Os principais fluxos migratórios para a Europa e Portugal. A politica de imigração dos países comunitários. As vantagens e desvantagens da imigração. Sandra Jacinto

Leia mais

Sandra Jacinto...Paulo Luz

Sandra Jacinto...Paulo Luz 1 O conceito de imigração e emigração. Os principais fluxos migratórios para a Europa e Portugal. A politica de imigração dos países comunitários. As vantagens e desvantagens da imigração. 2 Os direitos

Leia mais

CLC- 6 URBANISMO E MOBILIDADE FLUXOS MIGRATÓRIOS

CLC- 6 URBANISMO E MOBILIDADE FLUXOS MIGRATÓRIOS CLC- 6 URBANISMO E MOBILIDADE FLUXOS MIGRATÓRIOS pág. 2 Imigrantes Pessoas vão e vêm sem norte e sem destino vivendo a única vida que têm chorando pelo que hão perdido Trabalho duro e esforçado tentando

Leia mais

RETRATO DA REALIDADE EMIGRATÓRIA EM PORTUGAL

RETRATO DA REALIDADE EMIGRATÓRIA EM PORTUGAL Emigração em Portugal 2002 17 de Junho de 2003 RETRATO DA REALIDADE EMIGRATÓRIA EM PORTUGAL Portugal, à semelhança de outros países do sul da Europa, viu alterada a sua tradição migratória, de uma forma

Leia mais

Localização: Cabo Verde, Portugal e Espanha. Orçamento: euros. Duração: De janeiro de 2009 a dezembro de 2011

Localização: Cabo Verde, Portugal e Espanha. Orçamento: euros. Duração: De janeiro de 2009 a dezembro de 2011 Projeto Strengthening the capacity of Cape Verde to manage labour and return migration within the framework of the Mobility Partnership established with the EU mais conhecido por Localização: Cabo Verde,

Leia mais

A Integração Local e a Garantia dos Direitos Humanos dos Refugiados no Brasil. Denise Salles Unilasalle/RJ

A Integração Local e a Garantia dos Direitos Humanos dos Refugiados no Brasil. Denise Salles Unilasalle/RJ A Integração Local e a Garantia dos Direitos Humanos dos Refugiados no Brasil Denise Salles Unilasalle/RJ Migrações e Direitos Humanos Migrar movimento de pessoas, grupos ou povos de um lugar para outro

Leia mais

QUESTIONÁRIO "A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA E O EMIGRANTE EM PORTUGAL" D ADOS DO INQUIRIDO

QUESTIONÁRIO A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA E O EMIGRANTE EM PORTUGAL D ADOS DO INQUIRIDO QUESTIONÁRIO "A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA E O EMIGRANTE EM PORTUGAL" O presente questionário faz parte dum estudo sobre a emigração portuguesa para os outros países europeus - como Alemanha, França, Suiça ou

Leia mais

Ricardina Bridges Solicitors Advogados

Ricardina Bridges Solicitors Advogados Ricardina Bridges Solicitors Advogados 47 South Lambeth Road SW8 1RH London Reino Unido Tel: (+44) 0207 5825108 Fax: (+44) 0207 5825250 www.rbsolicitors.com Emigração Angolana e o Associativismo na Diáspora

Leia mais

Migração, Desenvolvimento e Multiculturalismo: O caso italo-australiano Pedro Martins

Migração, Desenvolvimento e Multiculturalismo: O caso italo-australiano Pedro Martins Conferência Internacional - Aproximando Mundos: Emigração, Imigração e Desenvolvimento em Espaços Insulares Migração, Desenvolvimento e Multiculturalismo: Pedro Martins pscmartins@gmail.com Centro Cultural

Leia mais

Estatísticas Demográficas 2014

Estatísticas Demográficas 2014 Estatísticas Demográficas 214 3 de outubro de 215 Saldos natural e migratório negativos atenuam-se face ao ano anterior Em 214 verificou-se uma diminuição da população residente, mantendo a tendência observada

Leia mais

Introdução A mobilidade é uma característica de praticamente todos os seres vivos. Fundamentalmente, as migrações são movimentos horizontais

Introdução A mobilidade é uma característica de praticamente todos os seres vivos. Fundamentalmente, as migrações são movimentos horizontais Introdução A mobilidade é uma característica de praticamente todos os seres vivos. Fundamentalmente, as migrações são movimentos horizontais (deslocamentos), que tendem a um equilíbrio demográfico à superfície

Leia mais

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 O REGIME DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS NO ÂMBITO DA CONVENÇÃO E DA RECOMENDAÇÃO SOBRE O TRABALHO DECENTE PARA OS TRBALHADORAS E OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO

Leia mais

Causas dos movimentos migratórios

Causas dos movimentos migratórios Causas dos movimentos migratórios Acredita-se que os primeiros grupos ancestrais dos humanos atuais viveram na, ocorrendo indícios de que, em algum momento dos últimos dois milhões de anos, eles tenham

Leia mais

Estrangeiros Governo já aprovou o Cartão Azul português

Estrangeiros Governo já aprovou o Cartão Azul português Estrangeiros 23-03-12 - Governo já aprovou o Cartão Azul português Na Europa, os estrangeiros que residam num dos 27 países terão um Cartão Azul UE. Em Portugal, o novo tipo de autorização de residência

Leia mais

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA Portugal é por tradição um país de migrações, dado que apesar do incremento da imigração, os portugueses continuam a emigrar... CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA A motivação económica, que se traduz pela

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL MNE DGAE

A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL MNE DGAE A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL O CAMINHO PARA A UNIÃO EUROPEIA O QUE SE COMEMORA NO ANO EUROPEU 2008 QUIZ O CAMINHO PARA A UNIÃO EUROPEIA No século XX, depois das Guerras Mundiais (a 2ª foi

Leia mais

DATA : NÚMERO : 270 SÉRIE I-A EMISSOR

DATA : NÚMERO : 270 SÉRIE I-A EMISSOR DATA : Sexta-feira, 22 de Novembro de 2002 NÚMERO : 270 SÉRIE I-A EMISSOR : Presidência do Conselho de Ministros DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 251/2002 (Rectificações). SUMÁRIO : Cria, na dependência

Leia mais

CURSO BREVE. 12 de Novembro 27 de Novembro h 30m-20h 30m, Sextas-feiras 10h-13h e 14h 30m-17h 30m, Sábados

CURSO BREVE. 12 de Novembro 27 de Novembro h 30m-20h 30m, Sextas-feiras 10h-13h e 14h 30m-17h 30m, Sábados ANTÍGONA Livres e Iguais FDUNL CURSO BREVE Direitos Humanos dos Imigrantes e Refugiados 12 de Novembro 27 de Novembro 2010 17h 30m-20h 30m, Sextas-feiras 10h-13h e 14h 30m-17h 30m, Sábados 1. Apresentação

Leia mais

MULTICULTURALIDADE. Contributos para Melhor Cuidar. Nursing Perspectives Contributions to Better Care

MULTICULTURALIDADE. Contributos para Melhor Cuidar. Nursing Perspectives Contributions to Better Care MULTICULTURALITY Nursing Perspectives Contributions to Better Care MULTICULTURALIDADE Perspectivas da Enfermagem: Contributos para Melhor Cuidar JoséCarlosdosReisLopes Margarida Coutinho Santos Maria Salomé

Leia mais

Boas Práticas de Acolhimento O exemplo de São Brás de Alportel

Boas Práticas de Acolhimento O exemplo de São Brás de Alportel Boas Práticas de Acolhimento O exemplo de São Brás de Alportel Seminário: POLÍTICAS E PRÁTICAS DE ACOLHIMENTO E INTEGRAÇÃO 24 de Junho 2015 Auditório do Museu Municipal de Portimão São Brás de Alportel*

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas Constança Urbano de Sousa Notas preliminares Imigração e Asilo Conceito comunitário de estrangeiro Cidadão comunitário Estrangeiro: nacional de Estado

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 45/XIII. Exposição de Motivos Exposição de Motivos A livre circulação de trabalhadores é uma liberdade fundamental dos cidadãos da União Europeia (UE) e assume um relevo determinante para o desenvolvimento de um verdadeiro mercado

Leia mais

04. POPULAÇÃO BRASILEIRA E SEUS MOVIMENTOS

04. POPULAÇÃO BRASILEIRA E SEUS MOVIMENTOS 04. POPULAÇÃO BRASILEIRA E SEUS MOVIMENTOS O povo brasileiro Darcy Ribeiro (1922-1997) renomado antropólogo brasileiro teve a educação como grande causa de sua vida dedicou-se a tentar entender a alma

Leia mais

Movimentos Migratórios em Portugal. Paulo Carvalhuço

Movimentos Migratórios em Portugal. Paulo Carvalhuço Movimentos Migratórios em Portugal Paulo Carvalhuço Instituto de Emprego e Formação Profissional Centro de Formação e Reabilitação Profissional de Alcoitão Imigração em Portugal 1. Que mudanças se registaram

Leia mais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais A População e o Território 1 A População e o Território Parte 1 2 Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais 1 Uma ocupação progressivamente mais intensa do território nacional: 3 A ocupação do solo em

Leia mais

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012 9 95 29 9 954 958 9 974 391 1 8 659 1 43 693 1 84 196 1 133 758 1 186 634 1 249 22 1 33 774 1 394 669 1 444 592 1 473 5 1 494 672 1 511 988 1 532 588 1 553 339 1 563 14 1 573 479 1 572 721 1 542 398 1

Leia mais

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Sugestões pedagógicas para orientar a leitura dos livros da Biblioteca Digital Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Atividades para trabalhar os temas: Tolerância intercultural

Leia mais

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 1948: BENELUX, primeiro bloco econômico do mundo (pós 2ª Guerra Mundial). HISTÓRICO Integrantes: Bélgica, Holanda e Luxemburgo. 1952: CECA

Leia mais

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes?

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? MADALENA RAMOS, ISCTE-IUL, CIES-IUL (madalena.ramos@iscte.pt) ANA CRISTINA FERREIRA, ISCTE-IUL, DINÂMIA/CET-ISCTE-IUL (cristina.ferreira@iscte.pt)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM Módulo A1: Empregabilidade I: Comunicação e Relações Interpessoais 1º Período Estratégias de autoconhecimento e de promoção da auto-estima. A Comunicação nas relações interpessoais. Tipos de comunicação

Leia mais

EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA

EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA Estatísticas Migratórias - Emigração 2003 11 de Junho de 2004 EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA Não tendo as características e o volume de outros tempos, a emigração portuguesa

Leia mais

V PROGRAMA INTERAÇÕES IMPROVÁVEIS

V PROGRAMA INTERAÇÕES IMPROVÁVEIS V PROGRAMA INTERAÇÕES IMPROVÁVEIS VEM e VAI: imigração, migração, emigração ANA LUZIA LAPORTE São Paulo - Setembro de 2014 ROTEIRO Conceitos: Migração, emigrante e imigrantecausas da migração 3. Causas

Leia mais

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências.

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências. Migrações - Mobilidade Espacial Externas, internas, causas e consequências. Classificação Internas: dentro de um país. Externas: de um país para outro. De retorno: de volta ao país de origem Imigração:

Leia mais

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A luta das mulheres para conseguir espaços de igualdade é difícil, mas temos de ter a capacidade de tomar decisões

Leia mais

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA?

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? O QUE É A UNIÃO EUROPEIA? A União Europeia é uma união de países democráticos europeus, que partilham valores comuns e que se encontram empenhados num projeto

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016 oem Observatório da Emigração Saldos migratórios 2000-2013 Rui Pena Pires e Inês Espírito-Santo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL),

Leia mais

Alice Mendonça Universidade da Madeira INTERCULTURALIDADE. O QUE É?

Alice Mendonça Universidade da Madeira INTERCULTURALIDADE. O QUE É? Alice Mendonça Universidade da Madeira INTERCULTURALIDADE. O QUE É? Apartheid sistema de segregação social Até há uma década, cada sul africano era classificado numa destas categorias: Branco, pessoa de

Leia mais

Condições laborais dos emigrantes e imigrantes

Condições laborais dos emigrantes e imigrantes Condições laborais dos emigrantes e imigrantes Imigrantes Portugueses 1 Os portugueses que estão alegadamente a ser vítimas de exploração laboral na Holanda são jovens à procura do primeiro emprego ou

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Migração no Mundo Obs 1 : conflitos armados, étnicos, intolerância, religiosos ou políticos, e a fome formam os principais fatores repulsivos;

Leia mais

Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual

Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual Este regime foi aprovado em 2009 pelo Decreto-Lei n.º 249/2009, de 23 de Setembro. Trata-se dum regime especial de tributação de rendimentos, com múltiplos

Leia mais

ELEMENTOS PARA UMA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO. Constança Urbano de Sousa Praia, 25 de março de 2013

ELEMENTOS PARA UMA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO. Constança Urbano de Sousa Praia, 25 de março de 2013 ELEMENTOS PARA UMA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO Constança Urbano de Sousa Praia, 25 de março de 2013 Objetivos Implementação da ENI Regime jurídico adaptado à nova realidade de Cabo Verde como país de imigração

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS Como pode cair no enem (ENEM) As migrações transnacionais, intensificadas e generalizadas nas últimas décadas do século XX, expressam aspectos particularmente

Leia mais

EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA

EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 65 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA PRIMAVERA 2006 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 65 / Spring 2006 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Raça, Etnicidade e Migração. Anthony Giddens, cap. 9

Raça, Etnicidade e Migração. Anthony Giddens, cap. 9 Raça, Etnicidade e Migração Anthony Giddens, cap. 9 1. Compreendendo a raça e a etnicidade Raça é um conjunto de relações sociais que permitem situar os indivíduos e os grupos e determinar vários atributos

Leia mais

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições ANEXO III BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO 1 Artigo 14.º Base jurídica Descrição Elementos processuais 1 Artigo 15.º, n. 3 Artigo 16.º, n. 2 Artigo 18.º Artigo 19.º, n. 2 Artigo 21.º,

Leia mais

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE Conselho Português para os Refugiados (CPR) O CPR, associação de solidariedade social e organização não governamental para o desenvolvimento (ONGD), foi constituído

Leia mais

Muito mais do que turismo de adegas ou turismo de vinhos ; Desenvolvimento das actividades turísticas, de lazer e tempo livre cultural e enológico da

Muito mais do que turismo de adegas ou turismo de vinhos ; Desenvolvimento das actividades turísticas, de lazer e tempo livre cultural e enológico da Câmara Municipal de Melgaço Vale d Algares Cartaxo, 30 de Junho de 2009 Muito mais do que turismo de adegas ou turismo de vinhos ; Desenvolvimento das actividades turísticas, de lazer e tempo livre dedicadas

Leia mais

Paulo Tumasz Junior. Tipos de Migração

Paulo Tumasz Junior. Tipos de Migração Paulo Tumasz Junior Tipos de Migração APRESENTAÇÕES Slides - Migrações: Deslocamentos de pessoas no decorrer do tempo; - Mudança de endereço por diversos fatores e motivos; - As migrações podem ser forçadas

Leia mais

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA 0/04 Geografia 8º ano Planificação a longo prazo Filipe Miguel Botelho TOSHIBA Planificação a longo prazo 8º ano - Geografia º Período Aulas º Período Aulas º Período Aulas TEMA B MEIO NATURAL Tema C População

Leia mais

ZA5968. Flash Eurobarometer 408 (European Youth) Country Questionnaire Portugal

ZA5968. Flash Eurobarometer 408 (European Youth) Country Questionnaire Portugal ZA98 Flash Eurobarometer 08 (European Youth) Country Questionnaire Portugal FL08 European Youth PT D Poderia dizer-me a sua idade? (ESCREVER - SE "RECUSA" CÓDIGO '99') D Sexo Masculino Feminino D Que idade

Leia mais

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Joint Africa Institute World Bank Institute World Health Organization Sandton, África

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) RELATÓRIO DE ACTIVIDADES Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2016 Relatório de Actividades 2016 (síntese) Objectivos Gerais Articular

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 6. TEMA EM ANÁLISE Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 Graça Magalhães* Instituto Nacional de Estatística 1. Introdução

Leia mais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais

Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Matemática para todos: questões das salas de aula multiculturais Darlinda Moreira Universidade Aberta ProfMat-2003 Santarém A complexidade da realidade social O mundo foi sempre multicultural, sempre coexistiram

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto!

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL 1 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL (EDL) A EDL incide em traços gerais nas seguintes problemáticas: Acesso

Leia mais

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal José Rebelo dos Santos ESCE / IPS jose.rebelo@esce.ips.pt Lisboa, 7 de outubro de 2016 Sumário: Objetivos Contextualização do desemprego

Leia mais

ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO LATINO AMERICANA

ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO LATINO AMERICANA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO LATINO AMERICANA RECOMENDAÇÃO: Migração nas relações UE-ALC com base na proposta de Recomendação do Grupo de Trabalho "Migração nas relações entre a União Europeia, a América

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA CRI(98)30 Version portugaise Portuguese version COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA RECOMENDAÇÃO DE POLÍTICA GERAL N. 4 DA ECRI: INQUÉRITOS NACIONAIS SOBRE A EXPERIÊNCIA E A PERCEPÇÃO DA

Leia mais

OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012

OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012 OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012 Número de emigrantes em 2012 foi superior ao total de nascimentos Público.pt - 30/10/2013 Num só ano, mais de 120 mil portugueses deixaram o país. São ordens

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas (continuação da matéria do 7º ano) Distinguir estado do tempo de clima. Definir clima; Identificar os principais elementos de clima. Identificar os

Leia mais

CONCLUSÕES DO ENCONTRO NACIONAL DOS SECRETARIADOS DIOCESANOS DE MIGRAÇÕES E CAPELANIAS DE IMIGRANTES

CONCLUSÕES DO ENCONTRO NACIONAL DOS SECRETARIADOS DIOCESANOS DE MIGRAÇÕES E CAPELANIAS DE IMIGRANTES Migrações: Presente e Futuro CONCLUSÕES DO ENCONTRO NACIONAL DOS SECRETARIADOS DIOCESANOS DE MIGRAÇÕES E CAPELANIAS DE IMIGRANTES De 4 a 8 de Julho na Casa Diocesana da Diocese de Aveiro, em Albergaria-a-Velha,

Leia mais

Primeira Reunião Ministerial Euro-Mediterrânica sobre Migrações (Algarve 18, 19 Novembro de 2007) Conclusões

Primeira Reunião Ministerial Euro-Mediterrânica sobre Migrações (Algarve 18, 19 Novembro de 2007) Conclusões Primeira Reunião Ministerial Euro-Mediterrânica sobre Migrações (Algarve 18, 19 Novembro de 2007) Conclusões Os Ministros: RECORDANDO os princípios e objectivos da Declaração de Barcelona de 1995, que

Leia mais

PROVA ESCRITA DE GEOGRAFIA A 10+11º Anos

PROVA ESCRITA DE GEOGRAFIA A 10+11º Anos ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO MANUEL DA FONSECA (Prova de Exame a nível de escola ao abrigo do Decreto-Lei nº 357/2007, de 29 de Outubro) Duração da Prova: Cursos científico-humanísticos 90 minutos + 30

Leia mais

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012 Estatísticas Demográficas 29 de outubro de 2013 Número de nados vivos volta a diminuir em O número de nados vivos desceu para 89 841 (96 856 em 2011) e o número de óbitos aumentou para 107 612 (102 848

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração. Portimão, 24 de junho de 2015

Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração. Portimão, 24 de junho de 2015 Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração Portimão, 24 de junho de 2015 Plano Estratégico para as Migrações Plano Estratégico para as Migrações 2015-2020 Novos desafios» Governação integrada para

Leia mais

Escola: Nome: Nº: Turma:

Escola: Nome: Nº: Turma: Escola: Nome: Nº: Turma: Skimming e scanning Skimming e scanning são duas técnicas de leitura de textos. Utilizamos frequentemente estas duas técnicas em conjunto para poupar tempo na identificação, localização

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

PORTUGAL - GLOBAL SERVICE CENTERS SURVEY

PORTUGAL - GLOBAL SERVICE CENTERS SURVEY PORTUGAL - GLOBAL SERVICE CENTERS SURVEY Attracting talent to top hiring companies Nov. 2016 ENQUADRAMENTO 1. A atratividade e disponibilidade dos Recursos Humanos qualificados em Portugal vem impulsionando

Leia mais

Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT

Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT CES - Seminário sobre Apoio domiciliário e Trabalho doméstico: Perpectivas de emprego Lisboa, 29 de Novembro de 2013

Leia mais

COMPÊNDIO DE INDICADORES FICHA DE INDICADORES Indicadores Específicos de Concurso Tipologia de Operações Programa Escolhas V1.0.

COMPÊNDIO DE INDICADORES FICHA DE INDICADORES Indicadores Específicos de Concurso Tipologia de Operações Programa Escolhas V1.0. Enquadramento 1 Justificação dos Indicadores O objetivo específico consiste no reforço da coesão social, aumentando o número de pessoas e territórios vulneráveis abrangidos. O Programa Escolhas enquadra-se

Leia mais

Causas dos movimentos migratórios

Causas dos movimentos migratórios Causas dos movimentos migratórios As migrações iniciadas na Pré-História, visavam suprir uma necessidade de sobrevivência de homens e mulheres (alimento, abrigo). A expansão marítima provocou a ocupação

Leia mais

O Processo de Concessão de Direito de Asilo:

O Processo de Concessão de Direito de Asilo: Assistente estagiário da FDUAN, pesquisador convidado no ILPI. O Processo de Concessão de Direito de Asilo: Uma Perspectiva Comparativa entre Angola e Noruega Riveraldo Adolfo SUMÁRIO i. Parte introdutória

Leia mais

Lei Orgânica do VII Governo Constitucional

Lei Orgânica do VII Governo Constitucional Decreto-Lei n.º 28/81, de 12 de Fevereiro (Aprova a orgânica do VII Governo Constitucional) Lei Orgânica do VII Governo Constitucional Criação do Ministério da Qualidade de Vida (MQV) (Transferência da

Leia mais

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal Dia da Comunidade Luso-Brasileira (22 de Abril) Censos 11 19 de abril de 13 Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal De acordo com os Censos 11, na última década a comunidade

Leia mais

Distinguir estado de tempo e clima. Descrever estados de tempo

Distinguir estado de tempo e clima. Descrever estados de tempo ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 8º Aulas previstas 1º Período: 30 (45 ) 2º Período: 32 (45 ) 3º Período: 20 (45 ) UNIDADE

Leia mais

DISCIPLINA:GEOGRAFIA PLANIFICAÇÃO Trimestral DE GEOGRAFIA 8º ANO...

DISCIPLINA:GEOGRAFIA PLANIFICAÇÃO Trimestral DE GEOGRAFIA 8º ANO... DISCIPLINA:GEOGRAFIA PLANIFICAÇÃO Trimestral DE GEOGRAFIA 8º ANO... Competências a desenvolver Conteúdos Tempo 1 (continuação da matéria do 7º ano) Distinguir estado do tempo de clima. Definir clima; Identificar

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Porto, novembro de 2016 Criadas em 2001 LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Objectivo Promover os direitos da criança e do jovem

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

MIGRAÇÕES E DESENVOLVIMENTO HUMANO

MIGRAÇÕES E DESENVOLVIMENTO HUMANO RESUMO Interpreta-se a defesa do desenvolvimento humano, abordando as naturezas da migração e os seus fatores, bem como os reflexos estatais, desde o planeamento à repulsa cidadã. PALAVRAS-CHAVE desenvolvimento

Leia mais

Portugal ainda é cais de partida: alguns dados da emigração no período

Portugal ainda é cais de partida: alguns dados da emigração no período Portugal ainda é cais de partida: alguns dados da emigração no período 1992-2003 1 Dulce PIMENTEL e-geü Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade

Leia mais

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 I. APRESENTAÇÃO 2 Objectivos...2 Âmbito de Actuação..3 Projectos para 2010..4 II. PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2010.. 5 Actividades de Intervenção Social

Leia mais

(ALMEIDA, Lúcia Marina de; RIGOLIN, Tércio Barbosa. Fronteiras da globalização: geografia geral e do Brasil. São Paulo, Ática, 2004, p. 228).

(ALMEIDA, Lúcia Marina de; RIGOLIN, Tércio Barbosa. Fronteiras da globalização: geografia geral e do Brasil. São Paulo, Ática, 2004, p. 228). Migrações Mundiais 1. (FUVEST 2009) Com base no mapa e nos seus conhecimentos sobre as migrações internacionais, assinale a alternativa INCORRETA: a) Alguns países europeus e os EUA apresentam um significativo

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães Cláudia Pina, Graça Magalhães A desaceleração do crescimento demográfico e, mais recentemente, o decréscimo dos volumes populacionais a par com um continuado processo de envelhecimento demográfico consubstanciam

Leia mais

Estatísticas Demográficas 30 de Setembro de

Estatísticas Demográficas 30 de Setembro de Estatísticas Demográficas 3 de Setembro de 24 23 Em 23, e face ao ano anterior, a natalidade decresceu 1,6%, enquanto que a mortalidade aumentou 2,3%. A mortalidade infantil e fetal continuaram em queda.

Leia mais

Igualdade de Género, e Não-discriminação.

Igualdade de Género, e Não-discriminação. 2016 Igualdade de Género, e Não-discriminação. INSTITUTO PORTUGUÊS DO SANGUE E DA TRANSPLANTAÇÃO, I.P. Igualdade de Género, e Não-discriminação. O IPST, I.P., está sujeito às normas legais previstas no

Leia mais

Políticas de Integração dos Imigrantes em Portugal. APA, 19 de Novembro de ACIDI,IP (Duarte Miranda Mendes)

Políticas de Integração dos Imigrantes em Portugal. APA, 19 de Novembro de ACIDI,IP (Duarte Miranda Mendes) / ACIDI Políticas de Integração dos Imigrantes em Portugal APA, 19 de Novembro de 2012 (Duarte Miranda Mendes) 1 / ACIDI 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

Enquadramento institucional da actividade do Governo em matéria de Sociedade da Informação

Enquadramento institucional da actividade do Governo em matéria de Sociedade da Informação Enquadramento institucional da actividade do Governo em matéria de Sociedade da Informação Pela Resolução do Conselho de Ministros nº 16/96 (2ª série), de 21 de Março foi criada a Equipa de Missão para

Leia mais

MEIO ENVOLVENTE TRANSACCIONAL. O meio envolvente transaccional é constituído pelos elementos que interagem directamente com a indústria.

MEIO ENVOLVENTE TRANSACCIONAL. O meio envolvente transaccional é constituído pelos elementos que interagem directamente com a indústria. MEIO ENVOLVENTE TRANSACCIONAL O meio envolvente transaccional é constituído pelos elementos que interagem directamente com a indústria. Clientes: consumidores actuais e potenciais dos bens e serviços oferecidos

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Imigração (uma visão geral)

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Imigração (uma visão geral) FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Imigração (uma visão geral) Ana Brás Coimbra, Dezembro 2007 Ficha Técnica Título: Imigração em Portugal Trabalho realizado por: Ana Sofia da Silva Brás Nº

Leia mais

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS População Estrangeira em Portugal 23 28 de Junho de 24 POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS Em 23, segundo informação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a população estrangeira

Leia mais

QUESTÃO CENTRAL O QUE SIGNIFICA SER DIFERENTE?

QUESTÃO CENTRAL O QUE SIGNIFICA SER DIFERENTE? QUESTÃO CENTRAL O QUE SIGNIFICA SER DIFERENTE? Basicamente, ser diferente é não ser igual Mas será que ser diferente será sinónimo de ser desigual? Ter uma diferença, ser diferente, significa, de forma

Leia mais