Análise do movimento Caindo nas molas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do movimento Caindo nas molas"

Transcrição

1 Análise do movimento Caindo nas molas 1

2 Projeto de Pesquisa Trançados musculares saúde corporal e o ensino do frevo Análise do movimento Observador: Giorrdani Gorki Queiroz de Souza (Kiran) Orientação para realização do movimento: Ana Valéria Vicente Movimento para análise: Caindo nas molas Segmentos analisados: Extremidades inferiores Articulações: coxofemoral, joelho e tornozelo 1 Objetivo Analisar a atividade dos seguintes grupos musculares: flexores, extensores, adutores e abdutores do quadril, flexores e extensores do joelho e os dorsiflexores e flexores plantares durante a execução do passo do frevo Caindo nas molas e identificar os tipos de contração destes grupos musculares durante as diferentes fases do movimento. 2 Descrição do movimento Caindo nas molas: O movimento tem como posição inicial o corpo na vertical (posição ortostática) com joelhos estendidos ou ligeiramente flexionados e com o peso do corpo apoiado sobre os dois pés. O passo consiste em através de um impulso inicial gerado pela pequena flexão dos quadris, joelhos e tornozelos seguida de uma extensão, impulsionar o tronco no sentido cranial o suficiente para que o tornozelo tenha espaço para uma máxima flexão plantar e com isto haja uma mudança da superfície de descarga de peso. O peso que estava apoiado sobre a região plantar do pé vai sendo transferido do calcanhar aos dedos e passa a ser descarregado sobre o dorso do pé enquanto o corpo se lança em uma trajetória no sentido caudal. O joelho e o quadril vão flexionando até que o CGM esteja o mais próximo do solo e o peso do corpo seja totalmente descarregado sobre a face anterior da perna e pé. Durante a execução do movimento os joelhos permanecem ligeiramente flexionados. Os braços estão sempre posicionados no lado da perna de base. 2.1.Orientação para realização do movimento Cair nas molas significa apoiar o corpo sobre o peito dos dois pés e, nesta posição, descer até sentar sobre os calcanhares ou até o chão, sentando entre as duas pernas. O movimento exige já ter alcançado alongamento e fortalecimento dos músculos anteriores das pernas e do abdômen, no entanto, o mesmo só acontece através de um jogo de contrapeso que permite controlar a velocidade da descida e o posicionamento das articulações. Assim, apesar de o movimento ser descendente, o quadril deve ser suspendido para cima e projetado para frente, deixando o corpo na diagonal. À medida que o quadril desce na direção dos pés, os joelhos devem ser projetados para cima, para evitar contato direto com o chão e, em seguida, o tronco deve aproximar-se do centro para alinharse com o quadril. Uma dica para desenvolver a habilidade deste movimento é trabalhar com uma dupla que suspenda o peso e contribua na coordenação do movimento. 3 Plano de análise Sagital 2

3 4 Fases do movimento

4

5 13 5

6 5 Forças externas - Análise do Centro Geral de Massa V = velocidade CGM = centro geral de massa (Centro de gravidade) Vv = velocidade vertical Vh = velocidade horizontal Av = aceleração vertical Ah = aceleração horizontal Não há movimento no sentido horizontal durante este movimento Fp = força do peso Fn = força de reação ou força normal Durante este movimento o CGM traça uma trajetória descendente e tem deslocamento mais acentuado no sentido vertical que horizontal. O movimento como um todo consiste em levar o CGM ao ponto mais próximo do solo possível. Na posição inicial Fp > Fn Fase 1 (fase de impulso inicial) 1 2 V = CGM = move-se na horizontal da direita para esquerda no plano sagital. Vv < Vh Av < Ah Fp > Fn o corpo através da flexão das articulações das EEII acumula energia para o impulso. Fase 2 (fase de impulso inicial) V = CGM = move-se horizontalmente da direita para esquerda e verticalmente de cima para baixo. Vv Vh Av Ah Fp > Fn 2 3 6

7 Fase 3 (fase de transferência 1) V = CGM = pequeno deslocamento no sentido vertical e horizontal. Vv = Vh Av = Ah Fp < Fn o CGM desloca-se para cima e para frente. 3 4 Fase 4 ( fase de transferência 2) 4 5 V = CGM = a partir desta fase o CGM inicia sua trajetória descendente até o final do movimento; Vv = Vh = 0 Av = Ah = 0 Fp = Fn - o deslocamento nesta fase é imperceptível. O tronco se mantém na mesmo posição para que o tornozelo possa transferir a base de apoio da região plantar para o dorso do pé. Fase 5 (Fase descendente 1) V = CGM = desloca-se anterior e caudalmente; Vv < Vh Av < Ah Fp > Fn o peso do corpo se encontra distribuído nos dois pés e o CGM se encontra sobre a base de apoio em uma trajetória descendente

8 Fase 6 (Fase descendente 2) V = CGM = desloca-se verticalmente no sentido caudal; Vv > Vh Av > Ah Fp > Fn o dorso do pé recebe toda a carda do peso do corpo. 6 7 Fase 7 (Fase descendente 3) V = CGM = continua em sua trajetória descendente; Vv > Vh Av > Ah Fp > Fn 7 8 Fase 8 (Fase descendente 4) V = CGM = continua em sua trajetória descendente; Vv > Vh Av > Ah Fp > Fn 8 9 8

9 Fase 9 (Fase descendente 5) V = CGM = continua em sua trajetória descendente; Vv > Vh Av > Ah Fp > Fn 9 10 Fase 10 (Fase descendente 6) V = CGM = continua em sua trajetória descendente e inicia nesta fase a desaceleração. Durante esta fase o movimento acontece também no sentido anterior; Vv = Vh Av < Ah Fp > Fn Fase 11 (Fase descendente 7) V = CGM = continua em sua trajetória descendente e a desaceleração. Durante esta fase o movimento acontece também no sentido anterior no intuito de deslocar o CGM para cima da base de apoio; Vv < Vh Av < Ah Fp < Fn

10 Fase 12 (Fase de descarga de peso) V = CGM = chega ao ponto mais baixo de sua trajetória e finaliza o movimento se posicionando sobre a base de apoio; Vv < Vh Av < Ah Fp < Fn Forças internas análise do centro parcial de massa (PCM) Análise articular cinética e cinemática φ = ângulo ω = velocidade angular α = aceleração angular Articulação coxofemoral Posição inicial: na posição inicial do Caindo nas molas o corpo se encontra em ortostatismo com o peso distribuído entre os dois pés. Os quadris se encontram em posição neutra (anatômica). Fase 1 (fase de impulso inicial) Quadril D: Quadril E: 1 2 ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; Flexores do quadril (Reto femoral, Iliopsoas) D e E: contração concêntrica flexão do quadril; Isquiotibiais D e E: contração excêntrica controlar o torque flexor; 10

11 Adutores D e E (pectíneo, adutor longo, adutor breve, grácil, adutor magno, obturador externo, glúteo máximo - fibras inferiores): Contração isométrica estabilizar a Abdutores D e E (psoas maior, íleo, sartório, tensor da fáscia lata, glúteo mínimo, glúteo médio, gêmeo inferior, glúteo máximo (fibras superiores), piriforme, gêmeo superior, obturador interno;): contração Rotadores externos do quadril D e E (psoas maior, íleo, sartório, obturador externo, glúteo médio (fibras posteriores), gêmeo inferior, quadrado femoral, glúteo máximo, piriforme, gêmeo superior, obturador interno, cabeça longa do bíceps femoral): contração isométrica estabilizar a Fase 2 (fase de impulso inicial) Os quadris continuam flexionando sem alterar a altura do corpo. Quadril D: Quadril E: 2 3 ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: contração concêntrica flexão do quadril; 11

12 Isquiotibiais D e E: Contração excêntrica contrapor o torque flexor e estabilizar o quadril;; Adutores D e E: Contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a Fase 3 (Fase de transferência 1) O corpo agora se prepara para a sua trajetória descendente onde haverá a transferência de peso da face plantar para a dorsal. Quadril D:» φ ângulo de flexão = Quadril E:» φ ângulo de flexão = 3 4 ω quadril D» flexão: 0; α quadril D» ; ω quadril E» flexão: 0; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: contração isométrica manter a flexão do quadril; Isquiotibiais D e E: contração quadril;; Adutores D e E: contração Abdutores D e E: contração 12

13 Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a Fase 4 (fase de transferência 2) O corpo agora tem todo o peso do corpo descarregado sobre o dorso dos dedos dos pés e inicia sua trajetória descendente. Quadril D:» φ ângulo de flexão = Quadril E:» φ ângulo de flexão = 4 5 ω quadril D» flexão: 0; α quadril D» ; ω quadril E» flexão: 0; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: contração isométrica manter a flexão do quadril; Isquiotibiais D e E: Contração quadril; Adutores D e E: Contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a 13

14 Fase 5 (Fase descendente 1) Mais uma fase intermediária onde o peso do corpo está dividido entre os dois pés ainda com maior percentagem sobre o pé direito e o corpo acelera para o lado direito. 5 6 Quadril D: Quadril E: ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: contração concêntrica flexão do quadril; Isquiotibiais D e E: contração excêntrica controlar o torque flexor; Adutores D e E: contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a 14

15 Fase 6 (Fase descendente 2) Quadril D: Quadril E: 6 7 ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: contração isométrica manter a flexão do quadril; Isquiotibiais D e E: contração quadril; Adutores D e E: contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a Fase 7 (Fase descendente 3) Quadril D: Quadril E: 7 8 ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; 15

16 Flexores do quadril D e E: inativos na porção proximal os quadris são flexionados pelo peso do corpo; Isquiotibiais D e E: contração excêntrica controlar torque flexor; Adutores D e E: contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a Fase 8 (Fase descendente 4) 8 9 Quadril D: Quadril E: ω quadril D» flexão: 0; α quadril D» ; ω quadril E» flexão: 0; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: inativos os quadris são flexionados pela força da gravidade atuando sobre o corpo em sua trajetória descendente; Isquiotibiais D e E: contração excêntrica controlar torque flexor; Adutores D e E: contração 16

17 Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a Fase 9 (Fase descendente 5) Quadril D:» φ ângulo de flexão = Quadril E:» φ ângulo de flexão = 9 10 ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: contração excêntrica contrapor o torque extensor; Isquiotibiais D e E: contração concêntrica torque extensor; Adutores D e E: contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a 17

18 Fase 10 (Fase descendente 6) Quadril D:» φ ângulo de flexão = Quadril E:» φ ângulo de flexão = ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: inativos; Isquiotibiais D e E: contração excêntrica contrapor o torque extensor; Adutores D e E: contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a Fase 11 (Fase descendente 7) Quadril D: Quadril E: ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; 18

19 Flexores do quadril D e E: contração excêntrica contrapor o torque extensor; Isquiotibiais D e E: contração concêntrica torque extensor; Adutores D e E: Contração Abdutores D e E: contração Rotadores externos do quadril D e E: contração isométrica estabilizar a Fase 12 (Fase de descarga de peso) Quadril D: Quadril E: ω quadril D» ; α quadril D» ; ω quadril E» ; α quadril E» ; Flexores do quadril D e E: contração concêntrica flexão do quadril; Isquiotibiais D e E: contração excêntrica controlar torque flexor; Adutores D e E: inativos; Abdutores D e E: inativos; Rotadores externos do quadril D e E: inativos; 19

20 Articulação do joelho Posição inicial: O joelho e o tornozelo são as articulações mais sobrecarregadas durante este movimento. O movimento como um todo consiste basicamente em uma flexão máxima do joelho em uma trajetória de desaceleração onde a patela é pressionada contra a fossa intercondilar do fêmur. O Caindo nas molas exige muita força nos músculos extensores dos joelhos para controlar a velocidade do movimento e não permitir que o impacto seja tão grande contra esta articulação. Na posição inicial os joelhos se encontram estendidos. Fase 1 (fase do impulso inicial) Joelho D: Joelho E: 1 2 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E (quadríceps, tensor da fáscia lata): contração excêntrica controlar o torque flexor; Flexores do joelho D e E (sartório, grácil, poplíteo, plantar, semimembranoso, semitendíneo, cabeça curta do bíceps femoral, cabeça longa do bíceps femoral, gastrocnêmico): contração concêntrica flexionar os joelhos; 20

21 Fase 2 (fase de impulso inicial) Tanto os quadris como os joelhos são flexionados para criar o espaço necessário para a transferência de peso das duas fases seguintes. Joelho D: Joelho E: 2 3 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar o torque flexor; Flexores do joelho D e E: contração concêntrica flexionar os joelhos; Fase 3 (fase de transferência 1) Joelho D:» φ ângulo de flexão = Joelho E:» φ ângulo de flexão = 3 4 ω Joelho D flexão: 0 α Joelho D ω Joelho E flexão: 0 α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração isométrica manter a angulação da 21

22 Flexores do joelho D e E: contração isométrica manter a angulação dos joelhos; Fase 4 ( fase de transferência 2) Após a descarga de peso o corpo precisa de impulso para voltar à posição inicial e isto é feito através de força muscular e energia elástica armazenada. Joelho D:» φ ângulo de flexão = Joelho E:» φ ângulo de flexão = 4 5 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração concêntrica estender os joelhos; Flexores do joelho D e E: contração excêntrica controlar velocidade do movimento; Fase 5 (Fase descendente 1) Joelho D: Joelho E: 5 6 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E 22

23 Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar o torque flexor; Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; Fase 6 (Fase descendente 2) Joelho D: Joelho E: 6 7 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar a velocidade do torque flexor; Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; Fase 7 (Fase descendente 3) Joelho D: Joelho E: 7 8 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar a velocidade do torque flexor; 23

24 Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; Fase 8 (Fase descendente 4) Joelho D: Joelho E: 8 9 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar a velocidade do torque flexor; Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; Fase 9 (Fase descendente 5) Joelho D: Joelho E: 9 10 ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar a velocidade do torque flexor; Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; 24

25 Fase 10 (Fase descendente 6) Joelho D: Joelho E: ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar o torque flexor; Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; Fase 11 (Fase descendente 7) Joelho D:» φ ângulo de flexão = Joelho E:» φ ângulo de flexão = ω Joelho D flexão: 0 α Joelho D ω Joelho E flexão: 0 α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar o torque flexor; Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; 25

26 Fase 12 (Fase de descarga de peso) Joelho D: Joelho E: ω Joelho D α Joelho D ω Joelho E α Joelho E Extensores do Joelho D e E: contração excêntrica controlar o torque flexor; Flexores do joelho D e E: (porção distal) inativos; Articulação do tornozelo Posição inicial: Durante o Caindo na molas o tronco permanece quase que todo o tempo na mesma posição relativa e as articulações das EEII se movimentam para deslocá-lo para o plano mais baixo. Para que isto aconteça os quadris e os joelhos são flexionados e o tornozelo vai da dorsiflexão à flexão plantar transferindo a superfície de contato e descarga de peso da face plantar do pé para a face dorsal. A articulação é exposta a uma grande sobrecarga no sentido flexão plantar, uma vez que durante este movimento todo o peso do corpo é descarregado sobre o dorso do pé. Os músculos inversores e eversores são ativados para direcionar o movimento e estabilizar a articulação, protegendo-a. A articulação do tornozelo consiste nas articulações talocrural (tibiotalar e talofibular) e tibiofibular distal. Fase 1 (Fase de impulso inicial) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = ω Tornozelo D flexão plantar: horário α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: anti-horário 26

27 1 2 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E (Tibial anterior, extensor longo dos dedos, fibular terceiro, Extensor longo do hálux): Inativos a angulação é mantida pelo peso do corpo; Flexores plantar D e E: (Gastronemios, sóleo, flexor longo do hálux, flexor longo dos dedos, plantar, tibial posterior, fibular longo e curto) contração concêntrica flexão plantar do Inversores D e E (Tibial anterior, extensor longo do hálux, tibial posterior, flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux): contração Eversores D e E (extensor longo dos dedos, fubular terceiro, fibular longo, fibular curto): contração isométrica estabilizar a Fase 2 (fase de impulso inicial) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = 2 3 ω Tornozelo D flexão plantar: horário α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: anti-horário α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: inativos; Flexores plantar D e E: contração 27

28 concêntrica flexão plantar do Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração Fase 3 (fase de transferência 1) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = 3 4 ω Tornozelo D flexão plantar: horário α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: anti-horário α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: inativos; Flexores plantar D e E: contração concêntrica flexão plantar do Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração 28

29 Fase 4 ( fase de transferência 2) Tornozelo D:» Φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = 4 5 ω Tornozelo D flexão plantar: horário α Tornozelo D flexão plantar: anti-horário ω Tornozelo E flexão plantar: anti-horário α Tornozelo E flexão plantar: horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; Flexores plantar D e E: contração concêntrica flexão plantar do Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração Fase 5 (Fase descendente 1) Com a mudança de superfície para a descarga de peso, os tornozelos passam a contar tanto com os músculos dorsiflexores como com as estruturas não contráteis (cápsula e ligamentos) para estabilizar a articulação. 5 6 Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D 29

30 flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: contração Flexores plantar D e E: inativos; Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração Fase 6 (Fase descendente 2) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = 6 7 ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; Flexores plantar D e E: inativos; Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração 30

31 Fase 7 (Fase descendente 3) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = 7 8 ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; Flexores plantar D e E: inativos; Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração Fase 8 (Fase descendente 4) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = 8 9 ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; 31

32 Flexores plantar D e E: inativos Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração Fase 9 (Fase descendente 5) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = 9 10 ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; Flexores plantar D e E: inativos Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração 32

33 Fase 10 (Fase descendente 6) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; Flexores plantar D e E: inativos Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração Fase 11 (Fase descendente 7) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D flexão plantar: horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: anti-horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; 33

34 Flexores plantar D e E: inativos Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração Fase 12 (Fase de descarga de peso) Tornozelo D:» φ ângulo de flexão plantar = Tornozelo E:» φ ângulo de flexão plantar = ω Tornozelo D flexão plantar: 0 α Tornozelo D flexão plantar: anti-horário ω Tornozelo E flexão plantar: 0 α Tornozelo E flexão plantar: horário Dorsiflexores D e E: contração isométrica contrapor o torque plantar flexor; Flexores plantar D e E: inativos Inversores D e E: contração Eversores D e E: contração 34

35 7 Tipos de contração Quadris direito e esquerdo Total = 120 contrações Isométricas = 78 (65 %) Excêntricas = 18 (15 %) Concêntricas = 12 (10 %) Inativos = 12 (10 %) Flexores Isquiotibiais Adutores Abdutores Rotadores externos D E D E D E D E D E Fase 1 CON CON EXC EXC ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 2 CON CON EXC EXC ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 3 ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 4 ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 5 CON CON EXC EXC ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 6 ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 7 INA INA EXC EXC ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 8 INA INA EXC EXC ISO ISO ISO ISO ISSO ISO Fase 9 EXC EXC CON CON ISO ISO ISO ISO ISO ISO Fase 10 INA INA EXC EXC ISO ISO ISO ISO ISO ISO Fase 11 EXC EXC CON CON ISO ISO ISO ISO ISO ISO Fase 12 CON CON EXC EXC INA INA INA INA INA INA Joelhos direito e esquerdo Total = 48 contrações Isométricas = 4 (8,4 %) Excêntricas = 20 (41,6 %) Concêntricas = 8 (16,6 %) Inativos = 16 (33,4 %) Extensores Flexores D E D E Fase 1 EXC EXC CON CON Fase 2 EXC EXC CON COM Fase 3 ISO ISO ISO ISO Fase 4 CON CON EXC EXC Fase 5 EXC EXC INA INA Fase 6 EXC EXC INA INA Fase 7 CON CON INA INA Fase 8 EXC EXC INA INA Fase 9 EXC EXC INA INA Fase 10 EXC EXC INA INA Fase 11 EXC EXC INA INA Fase 12 EXC EXC INA INA 35

36 Articulações subtalares direita e esquerda Total = 96 contrações Isométricas = 66 (68,7 %) Excêntricas = 0 (0 %) Concêntricas = 8 (8,4 %) Inativos = 22 (22,9%) Dorsiflexores Flexores plantar Inversores eversores D E D E D E D E Fase 1 INA INA CON CON ISO ISO ISO ISO Fase 2 INA INA CON CON ISO ISO ISO ISO Fase 3 INA INA CON CON ISO ISO ISO ISO Fase 4 ISO ISO CON CON ISO ISO ISO ISO Fase 5 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO Fase 6 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO Fase 7 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO Fase 8 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO Fase 9 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO Fase 10 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO Fase 11 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO Fase 12 ISO ISO INA INA ISO ISO ISO ISO 8 Conclusão O movimento caindo nas molas é um movimento que visualmente parece muito perigoso tanto para os tornozelos quanto para os joelhos. Ele consiste basicamente de uma trajetória descendente do corpo sobre o dorso dos pés, com os joelhos e quadris flexionados. É preciso bastante prática para que se possa realizá-lo sem se lesionar. Deve-se ter muito cuidado quando se está dançando o frevo em um concurso ou no carnaval ou em algum local com terreno instável ou irregular e áspero, pois nesta situação o caindo nas molas estará inserido entre outros passos e, no fervor da dança a lesão pode acontecer. O perigo aqui é o de não controlar a desaceleração e bater com os joelhos no chão o que, dependendo da velocidade de impacto, pode lesionar gravemente os joelhos. Além disso, se no momento de transferência de peso da face plantar para a dorsal do pé, essa não for feita com precisão e cuidado, pode-se também lesionar os pés. O passo foi dividido em doze fases organizadas da seguinte forma: duas fases de impulso inicial, duas de transferência de peso, sete fases descendentes (desaceleração) e uma fase de descarga de peso. As tabelas que mostram as porcentagens dos tipos de contração muscular nos revelam que na articulação do quadril e do tornozelo há uma predominância visível de contrações isométricas, o que nos revela uma necessidade do corpo de proteger e estabilizar estas duas articulações durante o movimento. Quanto ao joelho, há uma predominância de contrações excêntricas dos extensores, denotando o caráter desacelerador que esta articulação tem na realização deste passo. Enquanto os joelhos vão flexionando até o máximo, os adutores e abdutores do quadril direcionam e estabilizam a coxa através de contrações isométricas. Os flexores do joelho não apresentam contrações visíveis quase que durante todo o movimento, uma vez que a descida do tronco através da flexão dos joelhos acontece por aceleração da gravidade. 36

37 Para identificar a direção da velocidade e da aceleração angular das articulações foi levado em consideração o que acontece na articulação durante o movimento no plano onde este seria mais visível. Por exemplo, quando descrevemos a velocidade e aceleração angular do tornozelo dizemos que a articulação esta angulando no sentido horário ou anti-horário no plano sagital (flexão/extensão), do lado do tornozelo que está sendo avaliado. No movimento caindo nas molas, os músculos abdominais precisam estar ativos durante toda a execução do movimento para diminuir a carga sobre os membros inferiores, estabilizar a pelve, assim como estabilizar a coluna lombar que está sendo exposta a altas cargas compressivas exercidas pelo peso do tronco. 37

38 Músculos dos membros inferiores (Fonte: KENDALL & KENDALL. Muscles Testing and Function. 4ª Ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 1993) (listagem por ação muscular) Articulação coxofemoral Flexão Psoas maior, Íleo, sartório, pectíneo, adutor longo, adutor breve, reto femoral, adutor maior (fibras anteriores), tensor da fáscia lata, glúteo mínimo; Extensão Adutor maior (fibras posteriores), glúteo médio posterior, semimembranoso, semitendíneo, glúteo máximo, piriforme, cabeça longa do bíceps femoral; Adução pectíneo, adutor longo, adutor breve, grácil, adutor magno, obturador externo, glúteo máximo (fibras inferiores); Abdução psoas maior, íleo, sartório, tensor da fáscia lata, glúteo mínimo, glúteo médio, Gêmeo inferior, Glúteo máximo (fibras superiores), piriforme, gêmeo superior, abturador interno; Rotação interna (medial) Adutor longo, adutor breve, tensor da fáscia lata, glúteo mínimo, glúteo médio (fibras anteriores), semimembrenoso, semitendíneo; Rotação externa (lateral) psoas maior, íleo, sartório, obturador externo, glúteo médio (fibras posteriores), gêmeo inferior, quadrado femoral, glúteo máximo, piriforme, gêmeo superior, obturador interno, cabeça longa do bíceps femoral. Articulação do joelho Extensão quadríceps, tensor da fáscia lata; Flexão sartório, grácil, poplíteo, plantar, semimembranoso, semitendíneo, cabeça curta do bíceps femoral, cabeça longa do bíceps femoral, gastrocnêmico; Quando fletidos: Rotação lateral cabeça curta do bíceps femoral, cabeça longa do bíceps femoral; Rotação medial sartório, grácil, poplíteo, semimembranoso, semitendíneo; Articulação do tornozelo Dorsiflexão tibial anterior, extensor longo dos dedos, fibular terceiro, extensor longo do hálux; Flexão plantar fibular longo, fibular curto, tibial posterior, plantar, flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux, sóleo, gastrocnêmico. Articulação Talo-calcâneo-navicular ou subtalar Eversão extensor longo dos dedos, fubular terceiro, fibular longo, fibular curto; Inversão Tibial anterior, extensor longo do hálux, tibial posterior, flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux. 38

Análise do movimento Parafuso

Análise do movimento Parafuso Análise do movimento Parafuso 1 Projeto de Pesquisa Trançados musculares saúde corporal e o ensino do frevo Análise do movimento Observador: Giorrdani Gorki Queiroz de Souza (Kiran) Orientação para realização

Leia mais

MEMBROS INFERIORES. Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega

MEMBROS INFERIORES. Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega MEMBROS INFERIORES Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega INTRODUÇÃO A Anatomia Segmentar divide o corpo humano em diferentes segmentos para melhor analisá-los. Considerando

Leia mais

Músculos do membro inferior. Carlomagno Bahia

Músculos do membro inferior. Carlomagno Bahia Músculos do membro inferior Carlomagno Bahia Ossos do quadril Superficiais; Região glútea: Profundos. Músculos do membro inferior Coxa: Compartimento anterior; Compartimento medial; Compartimento posterior.

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc.

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc. MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Iliopsoas MÚSCULOS QUE ACIONAM A COXA Psoas maior

Leia mais

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos Conhecimento Técnico Construir Argumentos 1 Manhã (9:00 12:00) 04/10 (terça-feira) Principais 05/10 Lesões das 06/10 (quarta-feira) Modalidades Esportivas (quinta-feira) (Corrida e Futebol) Ms Andrea Bloco

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

DEFINIÇÃO. Forma de locomoção no qual o corpo ereto e em movimento é apoiado primeiro por uma das pernas e depois pela outra.

DEFINIÇÃO. Forma de locomoção no qual o corpo ereto e em movimento é apoiado primeiro por uma das pernas e depois pela outra. ANÁLISE DA MARCHA DEFINIÇÃO Forma de locomoção no qual o corpo ereto e em movimento é apoiado primeiro por uma das pernas e depois pela outra. Constitui-se se de movimentos automatizados que variam de

Leia mais

É importante compreender a biomecânica do joelho (fêmoro tibial e patelo femoral ao prescrever exercícios para o joelho em um programa de

É importante compreender a biomecânica do joelho (fêmoro tibial e patelo femoral ao prescrever exercícios para o joelho em um programa de É importante compreender a biomecânica do joelho (fêmoro tibial e patelo femoral ao prescrever exercícios para o joelho em um programa de reabilitação, seja qual for o diagnóstico Fêmur Tíbia Fíbula Patela

Leia mais

Apostila de Cinesiologia

Apostila de Cinesiologia 1 FACIS - Faculdade de Ciências da Saúde Fisioterapia Apostila de Cinesiologia Aula Prática Coxo Femoral Este material é fruto do trabalho iniciado na monitoria de 2009. Ainda esta em fase de construção.

Leia mais

Marcha normal. O ciclo da marcha

Marcha normal. O ciclo da marcha Marcha normal O ciclo da marcha Deambulação: método de locomoção que envolve o uso dos membros inferiores, de forma alternada, em apoio e propulsão, com pelo menos um pé em contato com o solo durante todo

Leia mais

Dr. Ricardo Anatomia dos membros inferiores junho site recomendado para estudar anatomia KENHUB

Dr. Ricardo Anatomia dos membros inferiores junho site recomendado para estudar anatomia KENHUB WWW.cedav.com.br Dr. Ricardo Anatomia dos membros inferiores junho 2017 site recomendado para estudar anatomia KENHUB Ossos da bacia Sacro Ilíacos Crista ilíaca Espinhas ilíacas anteriores Ísquios Espinhas

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia MÚSCULOS DO QUADRIL E COXA Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão

Leia mais

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Músculos do Quadril e Coxa Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão e Extensão -Adução e Abdução -Rotação Medial e Rotação

Leia mais

Tornozelo - Pé. Tornozelo - Pé Cinesiologia. Renato Almeida

Tornozelo - Pé. Tornozelo - Pé Cinesiologia. Renato Almeida Tornozelo - Pé Questão de Concurso Treinando... (SERTANEJA - PR) Os músculos fibular longo, fibular curto e terceiro fibular realizam qual movimento? a) Flexão do joelho. b) Eversão do pé. c) Plantiflexão

Leia mais

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Profª Esp.Flávia Medeiros M. Oblíquo Externo Origem: Margem inferior e face anterior da 5ª à 12ª costela Inserção: lábio externo da

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

08/08/2016 CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO INFERIOR COMPONENTES DO COMPLEXO DO QUADRIL

08/08/2016 CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO INFERIOR COMPONENTES DO COMPLEXO DO QUADRIL CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DOS SEGMENTOS ARTICULARES DO MEMBRO INFERIOR COMPONENTES DO COMPLEXO DO QUADRIL PELVE (isquio, ilio, pubis) FÊMUR 1 COMPLEXO DO QUADRIL ARTICULAÇÃO SINOVIAL, TIPO ESFERÓIDE 3

Leia mais

Miologia. Mio Músculo Logia Estudo Quatrocentos músculos esqueléticos 40 50% da massa corporal.

Miologia. Mio Músculo Logia Estudo Quatrocentos músculos esqueléticos 40 50% da massa corporal. Prof. Amir Curcio Miologia Mio Músculo Logia Estudo Quatrocentos músculos esqueléticos 40 50% da massa corporal. Miologia Funções Geração de força para locomoção e respiração. Sustentação postural. Geração

Leia mais

Quadril. Quadril Cinesiologia. Renato Almeida

Quadril. Quadril Cinesiologia. Renato Almeida Quadril Questão de Concurso Treinando... (QUEIMADAS - PB) A capacidade do corpo de transformar movimentos angulares estereotipados das articulações em movimentos curvilineares mais eficientes das partes

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

Trançados musculares: análise das exigências musculares sobre as extremidades inferiores (EEII) durante a prática do frevo

Trançados musculares: análise das exigências musculares sobre as extremidades inferiores (EEII) durante a prática do frevo Trançados musculares: análise das exigências musculares sobre as extremidades inferiores (EEII) durante a prática do frevo SOUZA, Giorrdani G. Q. de; VICENTE, Ana Valéria. Resumo: Sendo o frevo um Patrimônio

Leia mais

MÚSCULOS DO QUADRIL. Glúteo Máximo (Maior) Músculos dos Membros Inferiores. Inervação: Ação: Músculos do Quadril T12 L1 PLEXO LOMBAR.

MÚSCULOS DO QUADRIL. Glúteo Máximo (Maior) Músculos dos Membros Inferiores. Inervação: Ação: Músculos do Quadril T12 L1 PLEXO LOMBAR. Músculos dos Membros Inferiores Marcelo Marques Soares Prof.Didi PLEXO LOMBAR T12 L1 MÚSCULOS DO QUADRIL L2 L3 L4 L5 Glúteo Máximo Glúteo Médio Glúteo Mínimo Piriforme Gêmeo Superior Interno Gêmeo Inferior

Leia mais

Músculos da Perna e Pé

Músculos da Perna e Pé UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos da Perna e Pé Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Dorsiflexão Flexão plantar Dorsiflexão Flexão Plantar Art.

Leia mais

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA CAMPOS, Yuri Michael Rodrigues de 1 SERPA, Erica Paes 2 1 Acadêmico do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências

Leia mais

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade

28/03/2018 MIOLOGIA. Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel. GENERALIDADES Propriedades. Contratilidade Elasticidade MIOLOGIA Prof. Maurício Mandalozzo Ruppel 1 GENERALIDADES Propriedades Contratilidade Elasticidade 2 1 3 4 2 5 Classificação das fibras musculares Fibras estriadas esqueléticas Fibras estriadas cardíacas

Leia mais

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo Cinesiologia Aplicada Quadril, Joelho e tornozelo Cintura Pélvica - Ossos Ossos Pélvicos: Ílio Isquio Púbis Femúr Cintura Pélvica - Movimentos Movimentos da Cintura Pélvica Rotação Pélvica posterior Retroversão

Leia mais

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch QUADRIL / PELVE Prof. Gabriel Paulo Skroch 1. ANATOMIA Mulher Homem Ilíaco e extremidade superior do fêmur Vista anterior Vista posterior Superfícies articulares da articulação coxo-femural, cápsula e

Leia mais

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Prof. Drt. Mauro Guiselini Prof. Ft. Rafael Guiselini EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Exercícios Mul%Funcionais Educa%vos Básico Auxilio Reação NeuroMuscular EME - CONCEITO São Exercícios Mul0Funcionais

Leia mais

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO.

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. Orientar o membro em relação a sua posição in vivo. Usando os esqueletos da sala de dissecação, como auxílio, orientar o membro e decidir se você

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Av. Andrômeda, 500 Alphaville Barueri SP CEP 06473-000 Disciplina: Educação Física 6ª Série Ensino Fundamental

Leia mais

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Músculos da Perna e Pé Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Movimentos Angulares do Tornozelo e Pé Dorsiflexão Flexão

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior NERVOS Os nervos que inervam o membro inferior originam-se do plexo lombar, situado no abdome, e do plexo sacral, situado na pelve. Plexo Lombar: Plexo Sacral: Nervos

Leia mais

Ossos da Perna Vista Anterior

Ossos da Perna Vista Anterior TORNOZELO Ossos da Perna Vista Anterior FÍBULA TÍBIA MALÉOLO LATERAL MALÉOLO MEDIAL Ossos do Pé Vista Lateral TÁLUS CALCÂNEO NAVICULAR CUBÓIDE TARSO METATARSO FALANGES Ossos do Pé Vista Dorsal FALANGES

Leia mais

Anatomia Humana. A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor. B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório

Anatomia Humana. A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor. B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório Anatomia Humana A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório C- Anatomia dos Sistemas Endócrino e Digestório D- Anatomia do Aparelho Genitourinário E- Anatomia do

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL. Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro

AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL. Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro AVALIAÇÃO FÍSICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Aulas 12 e 13 AVALIAÇÃO POSTURAL Prof.ª Ma. Ana Beatriz M. de C. Monteiro AULAS 12 e 13 SUMÁRIO Introdução Avaliação Postural e Puberdade Metodologia Desvios posturais

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL

CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL Françoise Mézières - supremacia do tônus muscular da cadeia posterior em função da necessidade de sustentação Herman Kabat Movimentos em espirais para levar ao completo

Leia mais

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS ÍNDICE DE ASSUNTOS CINTURA PÉLVICA E QUADRIL PROF. DR. Wouber Hérickson de B. Vieira DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA - UFRN hericksonfisio@yahoo.com.br INTRODUÇÃO ANATOMIA FUNCIONAL Estrutura óssea Estrutura

Leia mais

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII)

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) 1 SÓLEO GASTROCNÊMIO FIBULAR TIBIAL POSTERIOR FLEXORES CURTO DOS DEDOS L C (Marques, 2005) 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE O PÉ BIPEDESTAÇÃO /MARCHA MECANISMO ANTIGRAVITACIONAL

Leia mais

OSSOS DO MEMBRO INFERIOR

OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR Articulação SacroiIíaca: Ligamento sacrotuberal Lig. sacroespinal Lig. Sacroilíacos post. e ant. Lig. Sacroilíacos interósseos Articulação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Clique para adicionar texto

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Clique para adicionar texto AVALIAÇÃO DO JOELHO Clique para adicionar texto ANATOMIA PALPATÓRIA Fêmur Côndilos femurais ( Medial e Lateral ) Sulco Troclear ou Fossa Intercondiliana Epicôndilos femurais ( Medial e Lateral ) Tíbia

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão. Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão. Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar - Ponte - Fortalecimento Deitado, vagarosamente eleve os quadris o mais alto possível e mantenha. Dica: Contraia os glúteos e tente diminuir a lordose lombar. Faça 3 série(s) de 25 segundo(s) Lombar

Leia mais

Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: Execução: Tempo: Músculos envolvidos

Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: Execução: Tempo: Músculos envolvidos Exercício da 1º Semana de Abril 2012 Professora: PI - Em pé, MMII unidos, joelhos semiflexionados, MMSS ao longo do tronco. Execução: Flexionar o quadril e o tronco, entrelaçar os dedos na parte posterior

Leia mais

Fémur Acidentes Anatómicos

Fémur Acidentes Anatómicos Fémur Acidentes Anatómicos Osso mais longo e mais pesado do corpo Transmite o peso do corpo do osso do quadril para a tíbia quando a pessoa está de pé Comprimento osso = ¼ Comprimento do indivíduo Possui

Leia mais

ANATOMIA DO MOVIMENTO HUMANO RELACIONADA AOS MOVIMENTOS DA MANIFESTAÇÃO FOLCLÓRICA QUADRILHA 1

ANATOMIA DO MOVIMENTO HUMANO RELACIONADA AOS MOVIMENTOS DA MANIFESTAÇÃO FOLCLÓRICA QUADRILHA 1 ANATOMIA DO MOVIMENTO HUMANO RELACIONADA AOS MOVIMENTOS DA MANIFESTAÇÃO FOLCLÓRICA QUADRILHA 1 MARTINS, Yasmin Guedes 1 ; SILVA, Daliny Lima da 2 ; ARANTES, Leonardo Jesus Fróes 3 ; MATA, Matheus Araújo

Leia mais

05/11/2014. Técnicas dos nados Culturalmente determinados NADOS PEITO E BORBOLETA NADO PEITO. Nado Peito - Braçada

05/11/2014. Técnicas dos nados Culturalmente determinados NADOS PEITO E BORBOLETA NADO PEITO. Nado Peito - Braçada Técnicas dos nados Culturalmente determinados NADOS PEITO E BORBOLETA NADO PEITO Nado Peito - Braçada O movimento dos braços do nado peito são simultâneos e caracteriza-se por haver maior ênfase na lateralidade

Leia mais

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes Cinesiologia aplicada a EF e Esporte Prof. Dr. Matheus Gomes 1 Cinesiologia PARTE I Descrição dos movimentos e ações musculares 2 Planos e Eixos Plano Frontal ou Coronal (eixo sagital ou ânteroposterior)

Leia mais

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina Tradicional Chinesa MEMBROS SUPERIIORES E INFERIIORES 1 IV - MEMBROS SUPERIORES E INFERII IORES 1 1 MEMBROS SUPERIORES 5 Ombro Deltóide 5 5 MANGUITO ROTADOR: 5 Músculos do Ombro - Vista Anterior 7 Músculos do Ombro - Vista

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

POSICIONAMENTOS DOS MEMBROS INFERIORES. Prof.ª Célia santos

POSICIONAMENTOS DOS MEMBROS INFERIORES. Prof.ª Célia santos POSICIONAMENTOS DOS MEMBROS INFERIORES Prof.ª Célia santos DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS DEDOS PÉ PÉ PÉ PÉ PÉ PÉ PÉ CALCÂNEO CALCÂNEO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO TORNOZELO

Leia mais

18/03/2018. Avaliação Ortopédica MEMBROS INFERIORES. Hugo Leonardo Miranda Coelho Ortopedista Médico do Trabalho Perito Médico

18/03/2018. Avaliação Ortopédica MEMBROS INFERIORES. Hugo Leonardo Miranda Coelho Ortopedista Médico do Trabalho Perito Médico Avaliação Ortopédica MEMBROS INFERIORES Hugo Leonardo Miranda Coelho Ortopedista Médico do Trabalho Perito Médico 1 Quadril Diagnósticos a considerar: Coxartrose Impacto femoroacetabular Osteonecrose da

Leia mais

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES 2 SISTEMA MUSCULAR MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR 3 MÚSCULOS MOVIMENTOS OMOPLATA 4 MÚSCULOS TRAPÉZIO MOVIMENTOS OMOPLATA 5 ELEVADOR DA OMOPLATA Origem: Apófises transversas

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM LESÕES NO ESPORTE E PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO

ESPECIALIZAÇÃO EM LESÕES NO ESPORTE E PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO ESPECIALIZAÇÃO EM LESÕES NO ESPORTE E PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO Prof.Msc.Moisés Me des U i ersidade Estadual do Piauí- Teresi a. oises e des.co professor oises300@hot ail.co FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR

Leia mais

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS

The Hundred. MANUAL PoCKet MOVIMENTO RESPIRAÇÃO NOTAS MANUAL PoCKet 1 The Hundred básico intermediário avançado Subir e descer os braços em um movimento rápido e coordenado com a respiração; e Contar mentalmente 5 inspirações e 5 expirações fracionadas até

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DO MÉTODO PILATES LUCIANA DAVID PASSOS

ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DO MÉTODO PILATES LUCIANA DAVID PASSOS ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DO MÉTODO PILATES LUCIANA DAVID PASSOS O CORPO É FEITO PARA OBSERVAR, PERCEBER, REAGIR, MOVIMENTAR. O HOMEM EM ORTOSTATISMO DEVERÁ SE ADAPTAR À GRAVIDADE, ASSEGURAR SEU EQUILÍBRIO

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado PILATES noladder BARREL Por Vinicius G. Machado Exercícios COM FOTOS passo a passo quem somos? A VOLL PILATES atua em todas as áreas de capacitação em Pilates, da formação básica inicial à workshops avançados,

Leia mais

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força de reação exercida pelo piso sobre os pés. Um corpo em

Leia mais

CASO CLÍNICO BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO O pé é considerado como uma das mais importantes articulações do corpo, pois além de possuir importantes funções no suporte de peso e na marcha, ele é causa

Leia mais

ABSORÇÃO DE IMPACTO NA PREVENÇÃO DE LESÕES JOÃO FERREIRINHO

ABSORÇÃO DE IMPACTO NA PREVENÇÃO DE LESÕES JOÃO FERREIRINHO ABSORÇÃO DE IMPACTO NA PREVENÇÃO DE LESÕES JOÃO FERREIRINHO João Ferreirinho - Licenciatura em Fisioterapia pela ESSCVP; - Mestrado em Fisioterapia do desporto de alta competição pela Universidade Autónoma

Leia mais

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR)

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) Puxar uma perna para o tronco 1 - Alongamento da região posterior da coxa:

Leia mais

Anatomia de superfície e palpatória da coxa e joelho

Anatomia de superfície e palpatória da coxa e joelho 2010 Anatomia de superfície e palpatória da coxa e joelho http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve a anatomia de superfície e procedimentos palpatórios simples para a coxa e articulação

Leia mais

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado

PILATES. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado PILATES nastep CHAIR Por Vinicius G. Machado Exercícios COM FOTOS passo a passo quem somos? A VOLL PILATES atua em todas as áreas de capacitação em Pilates, da formação básica inicial à workshops avançados,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO

EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO BÁSICOS SUPINO RETO Peitoral maior parte esterno costal (medial) Descer a barra na direção do esterno até que toque a região peitoral. Subir a barra até a extensão dos cotovelos

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

JOELHO INTRODUÇÃO ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA 28/08/2015. Mais complexa articulação do corpo

JOELHO INTRODUÇÃO ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA 28/08/2015. Mais complexa articulação do corpo INTRODUÇÃO Mais complexa articulação do corpo JOELHO PROF. DR. Wouber Hérickson de B. Vieira DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA - UFRN hericksonfisio@yahoo.com.br Local mais comum de lesões desportivas Resiste

Leia mais

Informações de Impressão

Informações de Impressão Questão: 109543 Na fase de desaceleração em um chute no futebol, é correto afirmar que 1) a articulação do tornozelo no membro dominante se mantém em flexão plantar e é realizada pelo gastrocnêmio e o

Leia mais

ALONGAMENTOS 1. Músculos que movimentam o braço para a frente A. Tensionar B. Alongar 2. Musculatura Peitoral A. Tensionar B.

ALONGAMENTOS 1. Músculos que movimentam o braço para a frente A. Tensionar B. Alongar 2. Musculatura Peitoral A. Tensionar B. ALONGAMENTOS 1. Músculos que movimentam o braço para a frente Músculo deltóide/porção ventral/m. peitoral maior. Função: Mover o braço levantado para a frente. Cruze as mãos atrás da nuca e segure-as contra

Leia mais

Princípios da Mecânica & Análise de Movimento. Tarefa Casa DESCRIÇÃO MOVIMENTO. s, t, v, a, F. Â, t,,, T

Princípios da Mecânica & Análise de Movimento. Tarefa Casa DESCRIÇÃO MOVIMENTO. s, t, v, a, F. Â, t,,, T Princípios da Mecânica & Análise de Movimento Tarefa Casa PREPARAÇÃO PARA PRÓXIMA AULA Atlas Leitura capitulo Tornozelo e pé (cap. 7) Finalizar exercício de planos e eixos DESCRIÇÃO MOVIMENTO Mecânica

Leia mais

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM ANATOMIA. SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM ANATOMIA SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Aula 4 Profª. Tatiane da Silva Campos Ossos do pé mantêm-se unidos por meio de fortes ligamentos que lhe permitem sustentar o peso corporal e funcionar como

Leia mais

Sobotta. Atlas Prático de Anatomia Humana. Friedrich Paulsen Jens Waschke. Tradução da 3ª Edição

Sobotta. Atlas Prático de Anatomia Humana. Friedrich Paulsen Jens Waschke. Tradução da 3ª Edição Sobotta Atlas Prático de Anatomia Humana Friedrich Paulsen Jens Waschke Tradução da 3ª Edição F. Paulsen e J. Waschke Sobotta Atlas Prático de Anatomia Humana Design da capa: Stefan Hilden, hildendesign,

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS CURVAS DA COLUNA VERTEBRAL

ALTERAÇÕES DAS CURVAS DA COLUNA VERTEBRAL PROBLEMAS POSTURAIS * Profª Érica Verderi ALTERAÇÕES DAS CURVAS DA COLUNA VERTEBRAL Hipercifose É aumento da curvatura da região dorsal, ou seja, é o aumento da convexidade posterior no plano sagital,

Leia mais

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP MEMBROS INFERIORES: OSSOS Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP FUNÇÃO DOS MMII LOCOMOÇÃO SUSTENTAÇAO DE PESO OSSOS DO MEMBRO INFERIOR (62) OSSO DO QUADRIL (ILÍACO) (2)

Leia mais

Exercícios de potência e explosivos

Exercícios de potência e explosivos TODO O CORPO Exercícios de potência e explosivos TODO O CORPO DVD 1 MÚSCULOS PREDOMINANTES ENVOLVIDOS Descrição da Grupo muscular ou Nome ação concêntrica região corporal Músculos Arranque Extensão dos

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO Formas Elementares de : O movimento humano énormalmente descrito como sendo um movimento genérico, i.e., uma combinação complexa de movimentos de translação e de movimentos de rotação. Translação (Rectilínea)

Leia mais

TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA 4- CADEIAS CINÉTICAS 19/8/2011 PESOS LIVRES:

TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA 4- CADEIAS CINÉTICAS 19/8/2011 PESOS LIVRES: PESOS LIVRES: MENOR CUSTO, MOVIMENTOS FUNCIONAIS VS RESISTÊNCIA VERTICAL, LIMITE DE CARGA, COMPENSAÇÕES POSTURAIS. MÁQUINAS: ELÁSTICOS E MOLAS: MAIOR CARGA, (maior seletividade?, postura de execução?)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Articulação Tibiofibular Superior: É uma articulação sinovial plana entre a tíbia e a cabeça da fíbula.

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Articulação Tibiofibular Superior: É uma articulação sinovial plana entre a tíbia e a cabeça da fíbula. AVALIAÇÃO DO JOELHO 1. Anatomia Aplicada: Articulação Tibiofemoral: É uma articulação em dobradiça modificada que possui 2 graus de liberdade; Posição de repouso: 25 de flexão; Posição de aproximação máxima:

Leia mais

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro Avaliação Integrada slpecoraro@yahoo.com.br Prof. Silvio Pecoraro Corrente cinética: sistema muscular + sistema articular + sistema neural. Anatomia Funcional Biomecânica Funcional Educação Motora Definições

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA O homem que se esvazia do orgulho, dá espaço ao conhecimento. ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

Categoria Classic Games

Categoria Classic Games Categoria Classic Games Nova categoria criada em 2016 pelo Conselho Executivo da IFBB e pelo Congresso da IFBB em 04 de novembro de 2016 (Benidorm, Espanha). Destina-se a homens menos musculosos, com limites

Leia mais

TERAPIA MANUAL APLICADA AO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES DAS EXTREMIDADES INFERIORES

TERAPIA MANUAL APLICADA AO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES DAS EXTREMIDADES INFERIORES TERAPIA MANUAL APLICADA AO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES DAS EXTREMIDADES INFERIORES A articulação do quadril é composta pelo acetábulo (côncavo) e a cabeça do fêmur (convexa). Repouso articular: 30º flex,

Leia mais

Estudo dos momentos e forças articulares. Problema da dinâmica inversa. Ana de David Universidade de Brasília

Estudo dos momentos e forças articulares. Problema da dinâmica inversa. Ana de David Universidade de Brasília Estudo dos momentos e forças articulares Problema da dinâmica inversa Ana de David Universidade de Brasília Estudo dos momentos e forças articulares Momentos atuam para produzir acelerações lineares enquanto

Leia mais

Roteiro de Aula Prática Femoropatelar

Roteiro de Aula Prática Femoropatelar Roteiro de Aula Prática Femoropatelar Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Ortopedia e Traumatologia Docente: Profa. Dra. Débora Bevilaqua-Grossi 1) Palpação de estruturas Responsáveis: Marcelo Camargo

Leia mais

Anatomia de superfície e palpatória da perna, tornozelo e pé

Anatomia de superfície e palpatória da perna, tornozelo e pé 2010 Anatomia de superfície e palpatória da perna, tornozelo e pé http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve a anatomia de superfície e procedimentos palpatórios simples para a perna, tornozelo

Leia mais

CASO CLÍNICO Sentido dos vetores de força Maior contração do tibial posterior Insuficiência do músculo tibial posterior - principalmente a medida que se vai envelhecendo Coluna Vertebral Equilíbrio

Leia mais

PILATES. no REFORMER. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado

PILATES. no REFORMER. Exercícios COM FOTOS. passo a passo. Por Vinicius G. Machado PILATES no REFORMER Por Vinicius G. Machado Exercícios COM FOTOS passo a passo quem somos? A VOLL PILATES atua em todas as áreas de capacitação em Pilates, da formação básica inicial à workshops avançados,

Leia mais

CADEIAS MUSCULARES E ARTICULARES GDS. Elizabeth Alves G.Ferreira

CADEIAS MUSCULARES E ARTICULARES GDS. Elizabeth Alves G.Ferreira CADEIAS MUSCULARES E ARTICULARES GDS Elizabeth Alves G.Ferreira n Ter forma é estar vivo, n mas permanecer fixado n numa forma n é estagnar. n n Nosso destino é continuar a formar. Modelos de Saúde Cartesiano

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA MELHORAR SUA DOR NO JOELHO

EXERCÍCIOS PARA MELHORAR SUA DOR NO JOELHO Núcleo de Atividade Física Adaptada e Saúde-NAFAS Escola de Postura - CEPEUSP Luzimar Teixeira e Milena Dutra EXERCÍCIOS PARA MELHORAR SUA DOR NO JOELHO A execução dos exercícios deste manual irá levar

Leia mais

Instituto de Cultura Física

Instituto de Cultura Física Página 1 Instituto de Cultura Física ANÁLISE BIOMECÂNICA Nome: Sexo: Data Nasc: Idade: Cafi Otta M 16/08/78 35 Objetivo: Av. fís. anterior: Av. fís. atual: Alto Rendimento Físico 24/09/12 08/10/13 AVALIAÇÃO

Leia mais

ARTICULAÇÕES DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E PÉ

ARTICULAÇÕES DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÕES DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E PÉ TORNOZELO-PÉ Ajuste à superfícies irregulares; Estabilização do membro inferior; Absorver impactos; Impulsionar o corpo. Composto por : 34 articulações;

Leia mais

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico ESQUELETO APENDICULAR Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR Ombro - Escápula Braço - Úmero Antebraço Rádio e Ulna Joelho - Carpos Canela - Metacarpos

Leia mais