REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA"

Transcrição

1 REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA Enfª Flavia Prestes Radioterapia Hospital Moinhos de Vento II SIMPÓSIO DE RADIOTERAPIA E FÍSICA MÉDICA

2 Radioterapia no HMV Fundada em setembro de Nº de pacientes dia = 90 (média) 2 aceleradores lineares Teleterapia tratamentos conformacionais, IMRT e IGRT Radioterapia estereotáxica fracionada e dose única; Braquiterapia;

3 Equipe da Radioterapia Médico radio-oncologista; Física médica; Enfermeiro; Nutricionista; Psicólogo; Biomédico; Técnico Radioterapia; Técnico Enfermagem; Assistentes de atendimento; Agentes de atendimento; Camareira;

4 Fluxo da Radioterapia CONSULTA COM CONSULTA COM RADIONCOLOGISTA RADIONCOLOGISTA TRATAMENTO SIMULAÇÃO CHECK-FILM/PE + CONSULTA DE ENFERMAGEM PLANEJAMENTO

5 CONSULTA DE ENFERMAGEM LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. Art. 11. O Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe: I - privativamente: i) consulta de enfermagem;

6 Consulta de Enfermagem ANAMENESE EXAME FÍSICO VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS ORIENTAÇÕES DAS REAÇÕES DA RADIOTERAPIA ORIENTAÇÕES DOS CUIDADOS ENTREGA DE IMPRESSO

7 Processo de Enfermagem EVOLUÇÃO REVISÕES 1ª CONSULTA DE ENFERMAGEM ORIENTAÇÃO DOS CUIDADOS ADMISSÃO + ASSISTENCIAL Encaminhamentos IMPLEMENTAÇÕES EVOLUÇÃO AVALIAÇÃO DE DIAGNÓSTICO DE RISCO ENFERMAGEM

8 Reações adversas da Radioterapia Região tratament o Equipamento Estado geral paciente Reação Dose fraciona da Cuidado Dose Total

9 Reações Agudas São observados nos tecidos que apresentam maior capacidade proliferativa; Aparecem após 2 a 3 semanas de tratamento ou até 3 meses após o término.

10 Reações Agudas Radiodermite Alopecia Perda do paladar e do apetite; Disfagia; Xerostomia Rouquidão; Mucosite; Alterações hematológicas; Fadiga Náuseas e vômitos; Inapetência; Plenitude gástrica; Azia; Cólicas e diarréia; Disúria; Hematúria;

11 RTOG Radiation Therapy Oncology Group Fadiga Náuseas e vômitos; Inapetência; Plenitude gástrica; Azia; Cólicas e diarréia;

12 Radiodermite LESÃO CUTÂNEA DESCAMAÇÃO INFECÇÕES ERITEMA HIPERCROMIA ALTERAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL HIPERSENSIBILIDADE DOR

13 Classificação RTOG PELE: GRAU I: Eritema leve, epilação, Descamação seca e hipercromia

14 RTOG I

15 RTOG I

16 RTOG I

17 RTOG I

18 RTOG I

19 RTOG I

20 RTOG I

21 RTOG II GRAU II: Eritema intenso, descamação úmida inicial, edema moderado

22 RTOG II

23 RTOG II

24 RTOG III Grau III Descamação úmida confluente, edema importante

25 RTOG III

26 RTOG III

27 RTOG IV Grau IV: ulceração; hemorragia; necrose

28 Rotina de prevenção de radiodermite Higiene corporal com sabonete de glicerina; Não usar nenhum produto na pele da região do tratamento sem aprovação médica ou da equipe de Enfermagem; Usar roupas de tecido de algodão; Usar sutiã de algodão quando tratamento na mama; Usar desodorante sem álcool (rolon ou creme). Usar roupas íntimas de algodão quando tratamento na pelve.

29 Rotina de prevenção de radiodermite Não depilar com cera ou lâmina (barba, axila, púbis, virilha ou tórax), usar somente barbeador elétrico. Usar creme hidratante a base de aloe Vera 1x à noite. Não usar o creme antes da aplicação da radioterapia; Aplicar compressas com chá de camomila, na temperatura ambiente, 3x ao dia; Hidratação de 2 litros de líquidos por dia.

30 Protocolo Radiodermite 1.Compressas com chá de camomila, na temperatura ambiente 3x ao dia. GRAU I: 2.Hidratação da pele com creme hidratante a base de aloe vera 1x à noite. 3.Pomada de corticosteróide, verelato de betametazona 1X à noite.

31 GRAU II:

32 GRAU III:

33 Grau IV:

34 REAÇÕES AGUDAS DE ACORDO COM AS REGIÕES DE TRATAMENTO...

35 CRANIO Reações agudas: Radiodermite; Alopécia; Fadiga; Tontura/cefaléia*

36 CRANIO Recomendações: Não expor a cabeça ao sol. Usar chapéu, boné ou lenço; Usar shampoo e condicionador neutro; Secar o cabelo ao natural ou com toalha macia; Evitar uso de secador de cabelo; Não usar tinturas no cabelo;

37 CABEÇA E PESCOÇO Reações agudas: Radiodermite Perda do paladar e do apetite; Disfagia; Xerostomia Rouquidão; Mucosite; Fadiga.

38 CABEÇA E PESCOÇO Recomendações: Alimentar-se conforme as orientações da nutricionista. Evitar bebidas alcoólicas. Manter boa higiene oral com escova macia e bochechos com (chá de camomila ou malva); Orientar avaliação com o dentista; Orientar dieta por SNE, se necessário; Orientar cuidados com a pele.

39 CABEÇA E PESCOÇO LESARTERAPIA...

40 TÓRAX Reações agudas: Radiodermite Disfagia; Fadiga; Pirose; Tosse;

41 TÓRAX Recomendações: Orientar cuidados com a pele; Estimular alimentação adequada; Ingerir alimentos líquidos e pastosos se disfagia; Evitar alimentos ácidos e temperaturas extremas. Encaminhar para nutricionista se necessário; Orientar repouso;

42 ABDOME Reações agudas: Náuseas / vômitos; Dispepsia Plenitude gástrica; Azia; Cólicas/ diarréia; Fadiga;

43 ABDOME Recomendações: Alimentar-se no mínino 2 horas antes da radioterapia; Usar antiemético uma hora antes da radioterapia; Cuidar da pele; Seguir orientações alimentares da nutricionista.

44 PELVE Diarréia/ cólicas; Dissuria; Hematúria; Desconforto para evacuar e sangramento retal ; Fadiga;

45 Colo Uterino Reações agudas: Secreção vaginal; Diarréia e cólicas; Ausência da menstruação; Estenose vaginal. Diminuição da mucosa vaginal; Dispareunia. Recomendações: Incentivar relação sexual com uso de preservativo; Lubrificante vaginal; Cuidar a pele;

46 Reto/Canal Anal Reações agudas: Diarréia/ cólicas e desconforto nas evacuações; Radiodermite, fissura anal; Disúria; Hematúria Recomendações: Comunicar se diarréia intensa ou fissura no ânus; Manter higiene perineal rigorosa com ducha; Fazer banho de assento com chá de camomila;

47 PRÓSTATA Aumento da freqüência urinária, Disuria; Hematúria; Alteração no hábito intestinal; Proctite Fadiga;

48 PRÓSTATA Recomendações: Ingerir 3 copos de água 30 minutos antes da aplicação de radioterapia; Alimentar-se conforme as orientações da nutricionista. (Dieta anti-fermentativa); Cuidados com a pele;

49 RESULTADOS

50 RESULTADOS

51 RESULTADOS

52 OBRIGADA! Flavia Prestes Enfermeira Assistencial da Radioterapia do HMV

Protocolo de cuidados com a pele. Hospital Moinhos de Vento. Congresso brasileiro de radioterapia

Protocolo de cuidados com a pele. Hospital Moinhos de Vento. Congresso brasileiro de radioterapia Protocolo de cuidados com a pele Hospital Moinhos de Vento Congresso brasileiro de radioterapia Inaugurado em 2 outubro de 1927 para atender a todos os doentes independente de raça, credo religioso, nacionalidade

Leia mais

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni Especialista em Enfermagem Oncológica- Hospital Erasto Gaertner Mestrando em Distúrbios da Comunicação UTP Coordenador do Serviço de Oncologia - Hospital

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA Janaina Pereira dos Santos Enfermeira do Centro de Radioterapia do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Especialista em Pediatria e Neonatologia Especialização

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA CONCEITO: É o tratamento realizado através s de radiações ionizantes no combate aos agentes neoplásicos com objetivo de atingir células malignas, impedindo sua

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Versão eletrônica atualizada em Julho de 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Manual de Orientação para Pacientes em Radioterapia

Manual de Orientação para Pacientes em Radioterapia Manual de Orientação para Pacientes em Radioterapia Índice Você sabe o que é Radioterapia? Onde é feito o tratamento? Qual será a sua rotina na radioterapia? O que é planejamento? Quando o tratamento

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau Versão eletrônica atualizada em Julho 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Manual de orientação aos pacientes

Manual de orientação aos pacientes Manual de orientação aos pacientes Você está iniciando o seu tratamento e acompanhamento conosco. Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas, elaboramos este guia com as informações sobre a rotina de

Leia mais

GUIA DO PACIENTE DE RADIOTERAPIA

GUIA DO PACIENTE DE RADIOTERAPIA GUIA DO PACIENTE DE RADIOTERAPIA GUIA DO PACIENTE Você está iniciando o seu tratamento e acompanhamento conosco. Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas, elaboramos este guia com as informações sobre

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Versão eletrônica atualizada em Julho 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Tomar um Banho de Assento (Sitz Bath) em Casa

Tomar um Banho de Assento (Sitz Bath) em Casa Tomar um Banho de Assento (Sitz Bath) em Casa UHN Having a Sitz Bath at Home Portuguese Para pacientes com a pele irritada ou lesionada, sob a região pélvica ou inferior (incluindo o ânus, a vagina ou

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar CP não-operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar CP não-operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar CP não-operado Versão eletrônica atualizada em Julho 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883

QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883 QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883 INTRODUÇÃO ÀS TOXICIDADES Os efeitos colaterais provocados pela quimioterapia estão relacionados à não especificidade das

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

é a vez dos homens câncer.

é a vez dos homens câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer Uma publicação do SIEMACO Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar Colo Uterino

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar Colo Uterino Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar Colo Uterino Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Maria da Conceição Muniz Ribeiro O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Guia do paciente em tratamento Quimioterápico

Guia do paciente em tratamento Quimioterápico 1- Introdução Guia do paciente em tratamento Quimioterápico Este manual foi elaborado para ajudar os pacientes, seus familiares e amigos a entenderem o que é a quimioterapia, como funciona e seus principais

Leia mais

EFEITOS COLATERAIS NA RADIOTERAPIA

EFEITOS COLATERAIS NA RADIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS NA RADIOTERAPIA ANA PAULA DOS SANTOS OLIVEIRA Discente do Curso de Radiologia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS MARCELO HENRIQUE VENTURELLI Discente do Curso de Radiologia

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Julgue os itens que se seguem, a respeito da assistência de enfermagem na prevenção e no controle de infecção hospitalar. 41 O curativo da ferida operatória em ambiente hospitalar deve ser realizado diariamente

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE Maria Inês Pinheiro Costa O problema... O problema... Podemos afirmar? Não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença no país. Anvisa e Ministério recomendaram mais

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO PACIENTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO PACIENTE MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO PACIENTE ÍNDICE Manual de orientação ao paciente. APRESENTAÇÃO... 02 O QUE É QUIMIOTERAPIA. SUAS FINALIDADES E SEUS EFEITOS COLATERAIS... 03 Efeitos colaterais... 04 Dúvidas mais

Leia mais

Enfª Élida Pereira Cabral.

Enfª Élida Pereira Cabral. Enfª Élida Pereira Cabral enfermradioterapia.hc1@inca.gov.br PRINCIPAIS DIAGNÓSTICOS DE NA ÁREA DE RADIOTERAPIA principais diagnósticos de enfermagem na área de radioterapia SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

Revista Brasileira de Cancerologia 2008; 54(3): 231-237

Revista Brasileira de Cancerologia 2008; 54(3): 231-237 Trata-se de um relato de como se deu a implantação do Projeto de Assistência de Enfermagem para o setor de Radioterapia de um hospital universitário. O objetivo deste trabalho é informar sobre a essência

Leia mais

Manual Educativo ORIENTAÇÕES DE QUIMIOTERAPIA

Manual Educativo ORIENTAÇÕES DE QUIMIOTERAPIA Manual Educativo de Pacientes e Familiares ORIENTAÇÕES DE QUIMIOTERAPIA ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 4 1. O QUE É QUIMIOTERAPIA?... 5 2. COMO É O TRATAMENTO?...5 3. TEMPO

Leia mais

Algumas perguntas frequentes nas aulas de pré-parto

Algumas perguntas frequentes nas aulas de pré-parto Algumas perguntas frequentes nas aulas de pré-parto O que a mãe pode comer? Basicamente a grávida e a mãe que amamenta pode comer de tudo, adoptando os cuidados já há muito recomendados pelo obstetra:

Leia mais

Consensos & Estratégias 2015. aeop gruporadioterapia. Linhas de Consenso. Radiodermite. Linhas de Consenso em Enfermagem para uma melhor intervenção

Consensos & Estratégias 2015. aeop gruporadioterapia. Linhas de Consenso. Radiodermite. Linhas de Consenso em Enfermagem para uma melhor intervenção Consensos & Estratégias 2015 aeop gruporadioterapia Linhas de Consenso Radiodermite Linhas de Consenso em Enfermagem para uma melhor intervenção Prefácio Durante a Reunião de Oncologia da Primavera que

Leia mais

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 04/10/2014 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer O Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Creme Embalagens contendo 6 ou 12 sachês com 250 mg cada.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Creme Embalagens contendo 6 ou 12 sachês com 250 mg cada. Ixium imiquimode FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Creme Embalagens contendo 6 ou 12 sachês com 250 mg cada. USO ADULTO VIA TÓPICA COMPOSIÇÃO Cada um grama do creme contém: imiquimode... 50 mg; excipientes

Leia mais

Recepção e acolhimento da puérpera na unidade, associados à prestação dos cuidados de enfermagem voltados à segurança, conforto e avaliação.

Recepção e acolhimento da puérpera na unidade, associados à prestação dos cuidados de enfermagem voltados à segurança, conforto e avaliação. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Admissão da Puérpera no Pós-Parto Vaginal Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 04 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor: Alojamento

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

REGISTROS DE ENFERMAGEM

REGISTROS DE ENFERMAGEM REGISTROS DE ENFERMAGEM MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ) Conceito: Os registros efetuados pela equipe de enfermagem (enfermeiro, técnico e auxiliar) têm a finalidade essencial

Leia mais

NO RINSE. Atualmente são vendidos 3 milhões de unidades nos E.U.A. A No Rinse esta presente em 14 Paises.

NO RINSE. Atualmente são vendidos 3 milhões de unidades nos E.U.A. A No Rinse esta presente em 14 Paises. NO RINSE Foi desenvolvido em 1989 pela No Rinse Lab. em Ohio, USA. A partir de uma solicitação da agência espacial americana (NASA), que precisa de um produto para higiene dos astronautas. Atualmente são

Leia mais

TRATAMENTO SEM MISTÉRIO

TRATAMENTO SEM MISTÉRIO TRATAMENTO SEM MISTÉRIO Dicas e informações importantes para o paciente em tratamento O Instituto de Oncologia Kaplan, preocupado com o bom atendimento aos seus pacientes, criou esta cartilha para esclarecer

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

Risco infecção. Coisas que podem ajudar a prevenir infecções: Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia)

Risco infecção. Coisas que podem ajudar a prevenir infecções: Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia) INFECÇÃO 2 Risco infecção Baixo número de glóbulos brancos no sangue (leucopenia) Ter um número baixo de leucócitos (glóbulos brancos) no sangue diminui a capacidade do corpo combater contra infecções.

Leia mais

O quanto você se conhece? O quanto você se cuida? Encontre aqui informações úteis e descomplicadas.

O quanto você se conhece? O quanto você se cuida? Encontre aqui informações úteis e descomplicadas. O quanto você se conhece? O quanto você se cuida? Encontre aqui informações úteis e descomplicadas. O bem-estar da mulher começa com autoconhecimento, que se conduz em equilíbrio e se traduz em saúde.

Leia mais

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla Clindoxyl Control peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel 50 mg/g (5%) ou 100 mg/g (10%) em bisnaga de 45g USO EXTERNO VIA TÓPICA USO ADULTO E PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Clindoxyl Control 5%

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFEÇÃO URINÁRIA

PREVENÇÃO DA INFEÇÃO URINÁRIA PREVENÇÃO DA INFEÇÃO URINÁRIA i Enf.ª Alda Maria Cavaleiro de Melo Enfermeira Especialista em Enfermagem de Reabilitação Serviço de Neurologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra EPE PREVENÇÃO

Leia mais

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL 1,0 mg/g e 25,0 mg/g 1 EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel contendo adapaleno 1mg/g e peróxido de benzoíla 25mg/g. Apresentado em bisnagas

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

Radioncologia em Portugal

Radioncologia em Portugal Radioncologia em Portugal 2013 Recursos humanos e técnicos Doentes tratados em 2012 Ângelo Oliveira - Colégio de Especialidade de Radioncologia da Ordem dos Médicos Lurdes Trigo Sociedade Portuguesa de

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta Divisão de Clínica Urológica Saúde da Próstata XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo Claudio B. Murta Médico Urologista Coordenador do Centro de Referência do Homem Hospital de Transplantes

Leia mais

Controle de IH em pacientes oncológicos

Controle de IH em pacientes oncológicos Aspectos essenciais no controle de IH em situações especiais Controle de IH em pacientes oncológicos Paulo de Tarso Oliveira e Castro CCIH Hospital de Câncer de Barretos Fatores de risco para IH em Quimioterapia

Leia mais

Prezado Usuário, Ambulatório de Quimioterapia

Prezado Usuário, Ambulatório de Quimioterapia Prezado Usuário, Este manual tem o objetivo de esclarecer as principais dúvidas apresentadas por pacientes durante o tratamento quimioterápico. O conteúdo foi elaborado com termos simples para facilitar

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro TUMORES CEREBRAIS Maria da Conceição Muniz Ribeiro Tumor Cerebral é uma lesão localizada que ocupa o espaço intracerebral e tende a acusar um aumento de PIC. Em adulto, a maior parte dos tumores se origina

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

Álvaro Henriques & Filhos Lda. Rua Do Casal Novo Lote 10 Casal Novo Caneças

Álvaro Henriques & Filhos Lda. Rua Do Casal Novo Lote 10 Casal Novo Caneças Álvaro Henriques & Filhos Lda. Rua Do Casal Novo Lote 10 Casal Novo Caneças Telefone: 219802759 Fax:219811303 E-mail:ahflda@gmail.com Sabonetes Sabonetes Várias Marcas Palmolive Lux Dave Outras marcas

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

Fluxograma do Manejo da Estase

Fluxograma do Manejo da Estase Fluxograma do Manejo da Estase Estase Gástrica é qualquer volume mensurado através da SNE/SNG Enfermagem verificar resíduo gástrico (estase) a cada 06 horas. Registra volume drenado. Menor que Maior que

Leia mais

Neste material, você vai obter informações sobre os produtos e dados atualizados do mercado da molécula.

Neste material, você vai obter informações sobre os produtos e dados atualizados do mercado da molécula. Caro leitor, Informação também faz bem à saúde. Por isso, a partir de agora, você receberá uma série de cartilhas sobre os Genéricos Cimed. Nesta primeira edição destacamos os produtos de verão, mais especificamente

Leia mais

Efeitos secundários do tratamento contra o cancro

Efeitos secundários do tratamento contra o cancro Side effects of cancer treatment: Portuguese Este folheto informativo centra-se nos principais efeitos secundários do tratamento do cancro. Esperamos que responda às suas perguntas. Se tiver quaisquer

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem com 12 e 200 comprimidos.

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução ALEITAMENTO MATERNO I Introdução O incentivo ao aleitamento materno continua sendo um grande desafio em saúde pública, considerando-se o alto índice de desmame precoce e o grande número de óbitos infantis

Leia mais

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP Localização dos Leitos Ala Pavimento Leito de 01 a 08 Câmara Hiperbárica Monoplace Leito de e 01 a 08 Leito de 01 a 02 Quarto 201 a 204 Quarto 205 a 207

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA - SAÚDE DA CRIANÇA

ÁREA TEMÁTICA - SAÚDE DA CRIANÇA ÁREA TEMÁTICA - SAÚDE DA CRIANÇA Elaboração: Ana Cecília Silveira Lins Sucupira Ana Maria Bara Bresolin Eunice E. Kishinami Oliveira Pedro Patrícia Pereira de Salve Sandra Maria Callioli Zuccolotto Colaboração:

Leia mais

RESUMO DE REGISTRO DE PREÇOS

RESUMO DE REGISTRO DE PREÇOS RESUMO DE REGISTRO DE PREÇOS Às 18:00 horas do dia 31 de outubro de 2012, a Prefeitura Municipal de Gravataí, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Gravataí e respectivos membros da

Leia mais

Índice. 10 Efeitos 12. O que é quimioterapia?06. O tratamento 08

Índice. 10 Efeitos 12. O que é quimioterapia?06. O tratamento 08 Apresentação V Você está recebendo agora, o Guia de Orientação ao paciente. Trata-se de uma ferramenta fundamental que vai auxiliá-lo durante este período importante da sua vida. Os profissionais do Instituto

Leia mais

Sinta-se bem, sinta-se Bella!

Sinta-se bem, sinta-se Bella! Sinta-se bem, sinta-se Bella! Sinta-se bem, sinta-se Bella! CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 PRÉ-DEPILAÇÃO DEPILAÇÃO PROFISSIONAL HIGIENIZA A PELE E OTIMIZA A DEPILAÇÃO DEPILAÇÃO COM EXCELENTE RENDIMENTO, PRATICIDADE

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais