ADM PUBLICA IV -LOZANO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADM PUBLICA IV -LOZANO"

Transcrição

1 BENS PÚBLICOS - PRIVATIZAÇÃO E DELEGAÇÂO Prof.MSc. José Ricardo Leal Lozano 1 A Privatização de Bens Públicos De forma abrangente o processo de privatização compreende a transferência da propriedade e do controle de uma empresa do Estado para o setor privado. Pode, também, ser conceituado como processo de privatização a simples venda de qualquer parcela de participação (mesmo inferior a 50%) do capital votante de uma empresa estatal a investidores privados (Lagemann, 1996). O movimento de privatização desenvolveu-se no mundo a partir do final da década de 70, tendo como principais razões (Lagemann, 1996, p ): a. A mudança no pensamento econômico e na política econômica : uma das saídas encontradas para a crise vivida pelas economias no início da década de 1970 consistiu no aumento da eficiência produtiva. Portanto, nas condições de oferta dos bens e serviços. Como o Estado é tido como um produtor estruturalmente menos eficiente do que o setor privado, impõe-se a privatização para obter uma economia nacional mais eficiente e competitiva e, assim, em condições de retomar o crescimento. Encontrada b. A mudança do papel do Estado na economia : o Estado reduz sua participação no setor produtivo da economia e libera recursos humanos e financeiros a serem realocados em novas áreas prioritárias como a educação e a saúde, ou até deslocando-os de setores de produção tradicionais para os setores de pesquisa de tecnologia de ponta. c. A crise fiscal : praticamente, todos os governos dos países desenvolvidos e grande parte dos países em desenvolvimento se encontram endividados e gerando déficits. A privatização é uma alternativa de resolver parte da crise fiscal: a venda de empresas públicas rentáveis propicia-lhes uma receita extra e a venda de uma empresa com constantes prejuízos reduzem-lhes a despesa. Os recursos podem ser utilizados no reembolso de uma parte da dívida pública ou na constituição de um fundo para sua amortização. d. A necessidade de maior flexibilidade : as empresas públicas estão geralmente sujeitas a regramentos para controle, o que lhes retira a agilidade, e sujeita a critério políticos, como, por exemplo, privilegiar produtos nacionais ou regionais. Elas também tendem a ser utilizadas para realizar política de combate à inflação através do congelamento das tarifas, com efeitos nefastos sobre sua saúde financeira e sobre sua capacidade de realização de investimentos. e. A exigência de melhor qualidade dos bens e serviços produzidos pelas empresas públicas': a busca da qualidade total, a orientação do atendimento para o cliente, está mais adiantada em empresas do setor privado. f. O estímulo ao mercado de capitais e ao capitalismo popular : a disseminação das ações entre a população é caracterizada como uma democratização do controle das empresas estatais. g. O desenvolvimento tecnológico : o desenvolvimento tecnológico está a exigir investimentos nem sempre disponíveis no Estado sufocado na crise fiscal.

2 h. O efeito-demonstração : as experiências de privatização bem-sucedidas em determinados países servem de estímulo ao processo em outros. 2 Privatização e Delegação É de fundamental importância conceitual estabelecer as diferenças entre privatização e delegação. Privatização, conforme já evidenciado, implica na transferência de patrimônio do setor público para o setor privado. A propriedade do bem passa definitivamente para o âmbito privado. A delegação, de outra parte, constitui transferência da prestação de serviço do setor público para o setor privado. Em síntese, bens públicos podem ser privatizados ou ter delegado a particular sua utilização. Serviços públicos podem ser tão-somente delegados. 3 Bens Públicos Bens públicos em sentido amplo são todas as coisas corpóreas ou incorpóreas, imóveis, móveis ou semoventes, créditos, direitos e ações, que pertencem a qualquer título, às entidades estatais, autárquicas e paraestatais (Meirelles, 1989). São características dos bens e serviços públicos: a) uso simultâneo e não excludente; b) CMg = 0 (Custo marginal = 0 )para o usuário, e demanda crescente, tendente ao infinito. 4. Classificação dos Bens Públicos Quanto à sua propriedade os bens públicos são classificados em: federais, estaduais e municipais. A totalidade dos bens públicos, entretanto, nacionais haja vista que integrantes do patrimônio da Nação (Art. 20, CF). Quanto à sua destinação os bens públicos podem ser classificados em três categorias: a) de uso comum (domínio público); b) de uso especial (administrativo); c) dominiais (patrimônio disponível). 5. Categorias de Bens Públicos a) de uso comum (domínio público); Constituem todos os locais de uso coletivo, sem discriminação de usuários ou ordem especial para sua fruição. Sua utilização não requer qualquer autorização ou consentimento especial, tampouco admite freqüência limitada ou remunerada. Para esse uso são admitidas somente regulamentações gerais de ordem pública, com o intuito de preservar a ordem, segurança, saúde, moral, etc. Qualquer restrição à utilização de bem público (cobrança de pedágio, p. ex.) acarreta a especialização do uso, e quando se tratar de bem efetivamente necessário à coletividade, pode ser feita somente em caráter opcional. b) de uso especial (patrimônio administrativo) É aquele que, por um título individual, a Administração atribui a determinada pessoa para fruir de um bem público com

3 exclusividade, nas condições convencionadas. c) dominiais (patrimônio disponível) Constituem o patrimônio disponível, como objeto de direito pessoal ou real. São aqueles que, embora integrado ao patrimônio público como os demais, deles diferem pela possibilidade de serem utilizados em qualquer fim, ou mesmo alienados pela Administração (Meirelles, 1993). Além desses bens originariamente integrantes do patrimônio disponível da Administração, por não terem destinação pública determinada nem um fim administrativo específico, outros poderão ser transferidos, por lei, para esta categoria ficando desafetados de sua primitiva finalidade pública. A desafetação da área é realizada mediante edição de lei específica. Constituem exemplos de bens dominiais: imóveis em geral não utilizados para fins administrativos ou uso comum, bens e direitos em geral, etc. 6. Formas Administrativas de Uso dos Bens Públicos a) Autorização de Uso: É ato unilateral, discricionário e precário mediante o qual a Administração consente a prática de determinada atividade individual incidente sobre determinado bem público. Visa apenas a atividades transitórias e irrelevantes para o Poder Público. b) Permissão de Uso: Ato unilateral, discricionário e precário, pelo qual a Administração faculta ao particular a utilização individual de determinado bem público. Independe de lei autorizadora, e licitação; mas nada impede sua utilização. A permissão não confere exclusividade de uso, que é característica da concessão, mas excepcionalmente pode ser conferida com privatividade. Caso não haja interesse para a coletividade, mas somente para o particular, o uso especial de bem público não deve ser permitido, tampouco concedido, mas sim somente autorizado, em caráter precaríssimo. c) Cessão de Uso: Dá-se de uma entidade ou órgão para outro. É ato de colaboração entre repartições públicas, onde aquela que detém bens desnecessários aos seus serviços cede seu uso a outra que o está precisando. d) Concessão de Uso: Processa-se por contrato administrativo. Atribui utilização exclusiva de um bem de domínio público a particular para que o explore segundo sua destinação específica. É precedida de autorização legislativa. Exige processo licitatório específico. Exemplo: hotel municipal, áreas em mercado, restaurantes em edifícios públicos, extração de areia às margens e nos leitos de rios, pedágios explorados por empresas privadas, etc. O Patrimônio Público

4 Na esfera Federal, compete ao Ministério do Planejamento e Gestão administrar o patrimônio da União. O patrimônio, de natureza tão diversificada, está composto por imóveis próprios nacionais e terrenos de marinha, áreas de preservação permanente, terras indígenas, florestas nacionais, terras devolutas, áreas de fronteira e bens de uso comum. Por intermédio da Secretaria do Patrimônio da União, o Ministério tem condições de contribuir para amenizar os problemas sociais existentes no País, influindo diretamente em questões relacionadas com a geração de emprego e renda. Programa de ocupação da orla brasileira e implantação de projetos turísticos, em parceria com outros Órgãos das esferas federal, estadual e municipal, prestigiando a conservação ambiental, tendo como diretriz a valorização dos imóveis da União, também é prioridade da Secretaria do Patrimônio da União. Há que se considerar, ainda, a busca pela regularização e utilização racional dos imóveis de uso do Governo Federal. 7. Bens da União São bens da União (art. 20 da CF): - "os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser atribuídos; - as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em lei; - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros países, ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham, bem como os terrenos marginais e as praias fluviais; - as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com outros países; as praias marítimas; as ilhas oceânicas e as costeiras, excluídas, destas, as áreas referidas no art. 26, II ; - os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva; - o mar territorial; - os terrenos de marinha e seus acrescidos; - os potenciais de energia hidráulica; - os recursos minerais, inclusive os do subsolo; - as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré-históricos; - as terras tradicionalmente ocupadas por índios". (MEIRELLES, 1993) "As terras públicas compõem-se de terras devolutas, plataforma continental, terras ocupadas pelos silvícolas, terrenos de marinha, terrenos acrescidos, ilhas dos rios públicos e oceânicos, álveos abandonados, além das vias e logradouros públicos e áreas ocupadas com as fortificações e edifícios públicos". (MEIRELLES, 1993, p.442) 1. Terras Devolutas "Terras devolutas são todas aquelas que, pertencentes ao domínio público de qualquer das entidades estatais, não se acham utilizadas pelo Poder Público, nem destinadas a fins administrativos específicos. São bens públicos patrimoniais ainda não utilizados pelos

5 respectivos proprietários". (MEIRELLES, 1993) 2. Plataforma Continental Plataforma continental ou plataforma submarina é o prolongamento das terras continentais sob o mar, até a profundidade aproximada de duzentos metros a partir da qual o solo submarino descende abruptamente para as regiões pelágicas e abissais". (MEIRELLES, 1993) 3. Terras Tradicionalmente Ocupadas pelos Índios As terras ocupadas pelos índios são as porções do território nacional necessárias à sobrevivência física e cultural das populações indígenas que as habitam, assegurando aos índios a posse permanente das terras por eles habitadas e o usufruto exclusivo das riquezas naturais e de todas as utilidades nelas existentes." (MEIRELLES, 1993) 4. Terrenos de Marinha "Terrenos de marinha são todos os que, banhados pelas águas do mar ou dos rios navegáveis, em sua foz, vão até a distância de 33 metros para a parte das terras, contados desde o ponto em que chega a preamar média.(meirelles, 1993) 5. Terrenos Acrescidos Terrenos acrescidos são todos aqueles que se tiverem formado, natural ou artificialmente, para o lado do mar ou dos rios e lagoas, em seguimento aos terrenos de marinha. 6. Ilhas As ilhas dos rios e lagos públicos interiores pertencem aos Estados membros e as dos rios e lagos limítrofes com Estados estrangeiros são do domínio da União. As ilhas marítimas classificam-se em costeiras e oceânicas. Ilhas costeiras são as que resultam do relevo continental ou da plataforma submarina; ilhas oceânicas são as que se encontram afastadas da costa e nada têm a ver com o relevo continental ou com a plataforma submarina. As ilhas costeiras, por se encontrarem no mar territorial, sempre foram consideradas domínio da União, porque este mar e tudo o que nele se encontra é bem federal. As ilhas oceânicas sujeitas à Soberania Nacional, ou sobre as quais o Brasil manifeste interesse de ocupação, foram oficialmente integradas no patrimônio da União com a Constituição de 1967 (art. 4o, II), conquanto seu domínio sobre elas jamais tenha sido contestado pelos Estados-membros. (MEIRELLES, 1993) 7. Álveos Abandonados "Álveo é a faixa de terra ocupada pelas águas de um rio ou lago; é o leito das águas perenes. Enquanto coberto pelas águas, o álveo segue a condição das mesmas; abandonado, acede aos terrenos marginais, ou passa a pertencer ao Poder Público, conforme o caso. (MEIRELLES, 1993) 8. Faixa de Fronteira A faixa de fronteira, destinada à defesa nacional, é de cento e cinqüenta

6 ADM PUBLICA III -LOZANO quilômetros de largura, paralela à linha divisória do território brasileiro." (MEIRELLES, 1993) 9. Vias e Logradouros Públicos "As terras ocupadas com as vias e logradouros públicos pertencem às Administrações que os construíram. Tais áreas podem constituir bens de uso comum do povo ou bens de uso especial." (MEIRELLES, 1993)

Bens da União no litoral. Novembro 2015

Bens da União no litoral. Novembro 2015 Bens da União no litoral Novembro 2015 Histórico da propriedade no Brasil regime das sesmarias Lei de Terras (Lei nº 601/1850) Repartição Geral de Terras Públicas Bens Públicos Município, Estado, Distrito

Leia mais

BENS PÚBLICOS. Roteiro de aula Direito Administrativo II DES0312 Diurno

BENS PÚBLICOS. Roteiro de aula Direito Administrativo II DES0312 Diurno BENS PÚBLICOS Roteiro de aula Direito Administrativo II DES0312 Diurno Introdução: noção e histórico Sumário Classificação Afetação e desafetação A moldura constitucional Características frequentes Uso

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Direito Administrativo UNISO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Bens Públicos Bens públicos. Conceito. Classificação. Características. Uso dos bens públicos por particular. Bens públicos

Leia mais

IUS RESUMOS. Bens públicos Parte I. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Bens públicos Parte I. Organizado por: Samille Lima Alves Bens públicos Parte I Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. BENS PÚBLICOS PARTE 1... 3 1. Caracterizando os bens públicos... 3 1.1. Conceito... 3 1.2. Classificação dos bens públicos... 4 1.3 Características

Leia mais

BENS PÚBLICOS ARTIGO 20 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

BENS PÚBLICOS ARTIGO 20 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL BENS PÚBLICOS ARTIGO 20 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Bens Públicos são aqueles que fazem parte do domínio da União, dos Estados e dos Municípios (uso público) e divide-se em três grandes grupos: Os terrestres

Leia mais

Parecer sobre a Proposta de Emenda Constitucional - PEC nº 39-A/2011

Parecer sobre a Proposta de Emenda Constitucional - PEC nº 39-A/2011 Audiência Pública Comissão Especial da Câmara dos Deputados Parecer sobre a Proposta de Emenda Constitucional - PEC nº 39-A/2011 Dulce Bentes dubentes@gmail.com Fernando Costa (*) fernando.costa@abea.org.br

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO Superintendência do Patrimônio da União no Estado de Alagoas

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO Superintendência do Patrimônio da União no Estado de Alagoas Julho 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO Superintendência do Patrimônio da União no Estado de Alagoas BENS PÚBLICOS São Bens os que Pertecem á União,

Leia mais

SEMINÁRIO CAPACIDADE DE SUPORTE PLANO DIRETOR DE FLORIANÓPOLIS

SEMINÁRIO CAPACIDADE DE SUPORTE PLANO DIRETOR DE FLORIANÓPOLIS SEMINÁRIO CAPACIDADE DE SUPORTE PLANO DIRETOR DE FLORIANÓPOLIS BLOCO 1 O AMBIENTE E A PRESERVAÇÃO Florianópolis/SC, 06 de agosto de 2016. BENS DA UNIÃO Constituição Federal de 1988: Art. 20. São bens da

Leia mais

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos Política e Sistema Nacional de Gestão de Recursos Hídricos. Aspectos Legais e Institucionais da Gestão de Recursos Hídricos. Gestão de Recursos Hídricos Retrospectiva

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO II: APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, SISTEMAS DE AVALIAÇÃO, REGRAS E INTRODUÇÃO AO DIREITO ADMINISTRATIVO II. Prof.

DIREITO ADMINISTRATIVO II: APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, SISTEMAS DE AVALIAÇÃO, REGRAS E INTRODUÇÃO AO DIREITO ADMINISTRATIVO II. Prof. : APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, SISTEMAS DE AVALIAÇÃO, REGRAS E INTRODUÇÃO AO DIREITO ADMINISTRATIVO II Prof. Thiago Gomes Apresentação da Disciplina 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Direito Administrativo

Leia mais

2. CLASSIFICAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS I - E

2. CLASSIFICAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS I - E 1. CONCEITO Para a Prof. MSZP são bens públicos especiais não só os bens das entidades de direito público, mas também os das entidades de direito privado prestadoras de serviço público, desde que afetados

Leia mais

O ESTADO E SUA ATIVIDADE FINANCEIRA. Nívea Cordeiro 2012

O ESTADO E SUA ATIVIDADE FINANCEIRA. Nívea Cordeiro 2012 O ESTADO E SUA ATIVIDADE FINANCEIRA Nívea Cordeiro 2012 www.cordeiroeaureliano.com.br nivea@cordeiroeaureliano.com.br 2012 2 A existência de um Estado se deve ao fato de que uma sociedade para sobreviver

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

Profa. Me. Larissa Castro

Profa. Me. Larissa Castro Vedações constitucionais impostas à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios Profa. Me. Larissa Castro Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: I -

Leia mais

Constituição Federal de TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS

Constituição Federal de TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS Constituição Federal de 1988 TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

DEMARCAÇÃO DAS TERRAS DE MARINHA. Engº Agrº José Octavio de Azevedo Aragon M.Sc.

DEMARCAÇÃO DAS TERRAS DE MARINHA. Engº Agrº José Octavio de Azevedo Aragon M.Sc. DEMARCAÇÃO DAS TERRAS DE MARINHA Engº Agrº José Octavio de Azevedo Aragon M.Sc. 2 1 - Definição Legal O Decreto-Lei nº 9.760, de 15 de setembro de 1946, que dispõe sobre os Bens Imóveis da União e dá outras

Leia mais

Ratificação de Títulos Incidentes em Faixa de Fronteira Agosto de 2014

Ratificação de Títulos Incidentes em Faixa de Fronteira Agosto de 2014 Ratificação de Títulos Incidentes em Faixa de Fronteira Agosto de 2014 Índice 1 Aspectos Históricos e Constitucionais 2 Faixa de Fronteira x Faixa de Segurança Nacional 3 Ratificação de Títulos incidentes

Leia mais

Carlos Eduardo Nascimento Alencastre

Carlos Eduardo Nascimento Alencastre Carlos Eduardo Nascimento Alencastre 1º ENCONTRO DE ORGANISMOS DE BACIAS DA AMÉRICA LATINA E CARIBE FOZ DO IGUAÇU (BRASIL). DE 18 A 21 DE NOVEMBRO DE 2009 Evolução Histórica A evolução histórica pode ser

Leia mais

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público Diana Pinto e Pinheiro da Silva 1. Execução de Serviço Público Execução de serviço público Dificuldade de definição [...] o conceito de serviço público

Leia mais

Direito Ambiental. Competências Legislativa e Material. Professor Mateus Silveira.

Direito Ambiental. Competências Legislativa e Material.  Professor Mateus Silveira. Direito Ambiental Competências Legislativa e Material Professor Mateus Silveira www.acasadoconcurseiro.com.br direito ambiental COMPETÊNCIAS LEGISLATIVA E MATERIAL COMPETÊNCIA EM MATÉRIA AMBIENTAL: COMPETÊNCIA

Leia mais

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Organização Estatal Vedação aos entes federativos: I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles

Leia mais

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos Política e Sistema Nacional de Gestão de Recursos Hídricos. Aspectos Legais e Institucionais da Gestão de Recursos Hídricos. Gestão de Recursos Hídricos Retrospectiva

Leia mais

Aula 16. Bens Públicos I. Prof. Wander Garcia

Aula 16. Bens Públicos I. Prof. Wander Garcia Aula 16 Bens Públicos I Prof. Wander Garcia 1. Conceito: são os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público (art. 98 do CC) - Bens pertencentes aos entes políticos (União, Estados, DF e Municípios),

Leia mais

Prof. Francisco C. E. Mariotti

Prof. Francisco C. E. Mariotti Prof. Francisco C. E. Mariotti A RECEITA PÚBLICA Receitas públicas são os recursos previstos em legislação e arrecadados pelo poder público com a finalidade de realizar gastos que atenda as necessidades

Leia mais

É o ramo da biologia que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem, bem como suas recíprocas influências.

É o ramo da biologia que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem, bem como suas recíprocas influências. Da Ordem Social: do Meio Ambiente e dos Índios. Cretella Júnior e Cretella Neto Direito Ambiental Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Do meio ambiente A CF de 1988 consagra o direito

Leia mais

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados

O meio ambiente na CF/1988. José Antônio Tietzmann e Silva - Todos os direitos reservados O meio ambiente na CF/1988 Japão (1946), Polônia (1952), Tchecho-Eslováquia (1960), Bulgária (1971), Confederação Helvética (1971), Hungria (1972), Panamá (1972), Ioguslávia (1974), Grécia (1975), Cuba

Leia mais

Bens Públicos. RAD Profa. Dra. Emanuele Seicenti de Brito

Bens Públicos. RAD Profa. Dra. Emanuele Seicenti de Brito Bens Públicos Conceito Classificação Atributos Requisitos para alienação dos bens públicos Afetação e desafetação Uso privativo de bens públicos por particulares mediante autorização, permissão e concessão

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS

DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS Atualizado em 16/10/2015 BENS PÚBLICOS São públicos os bens do domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares,

Leia mais

BENS PÚBLICOS. I - os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças;

BENS PÚBLICOS. I - os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças; BENS PÚBLICOS 1. Código Civil arts. 98 a 103: 1.1 Conceito: Art. 98. São públicos os bens do domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL (1946) (Parte) (DOU 19/09/1946)

CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL (1946) (Parte) (DOU 19/09/1946) CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL (1946) (Parte) (DOU 19/09/1946) Com as emendas introduzidas pela Emenda Constitucional nº 10/1964 (em negrito) Promulgada a 18 de setembro de 1946 Art. 5 Compete

Leia mais

Direito. Administrativo. Serviços públicos

Direito. Administrativo. Serviços públicos Direito Administrativo Serviços públicos Serviços Públicos - Constituição Federal Art. 175. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 23 de setembro de 2013. MENSAGEM Nº 523/2013 DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG EXMO. SR. FRANCISO RICARDO GATTINI Senhor Presidente, Submeto à consideração da Augusta Casa

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 09. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 09. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 09 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva BENS O tema é tratado nos artigos 79 a 103 do Código

Leia mais

Direitos fundamentais propriedade. João Miguel da Luz Rivero Fundamento constitucional

Direitos fundamentais propriedade. João Miguel da Luz Rivero Fundamento constitucional Direitos fundamentais propriedade João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Fundamento constitucional O regime jurídico da propriedade tem seu fundamento na Constituição. Esta garante o direito de

Leia mais

Direito Civil. Bens Públicos. Professora Tatiana Marcello.

Direito Civil. Bens Públicos. Professora Tatiana Marcello. Direito Civil Bens Públicos Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Institui o Código Civil. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

I - a água é um bem de domínio público;

I - a água é um bem de domínio público; POLÍTICA NACIONAL DOS RECURSOS HÍDRICOS CF/88 São bens da União:; III - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros

Leia mais

Direito Administrativo. Serviços Públicos. Professor Leandro Velloso

Direito Administrativo. Serviços Públicos. Professor Leandro Velloso Direito Administrativo Professor Leandro Velloso www.leandrovelloso.com.br www.colecaooab.com.br leovelloso@hotmail.com Conceituação Serviços Públicos Prestação estatal direta ou indireta dirigida à coletividade

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais Projeto de Lei de Iniciativa Popular Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais O projeto de lei de iniciativa popular é uma ferramenta que possibilita aos cidadãos a apresentação de propostas de

Leia mais

QUESTÕES TRF 5ª REGIAO CESPE

QUESTÕES TRF 5ª REGIAO CESPE QUESTÕES TRF 5ª REGIAO CESPE - 2011 1 - ( CESPE - 2011 - TRF - 5ª REGIÃO - Juiz) Entre os setores do Estado, destaca-se o denominado terceiro setor conceito surgido com a reforma do Estado brasileiro,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO ESTRUTURA ADMINISTRATIVA O estudo da Administração Pública em geral, compreendendo a sua estrutura e as suas atividades, devem partir do conceito de ESTADO, sobre o qual repousa

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis.

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Ainda hoje no Brasil, são raras as pesquisas e publicações na área da Contabilidade Pública

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 2/4 Ato Administrativo, Responsabilidade Civil do Estado E Bens Públicos 2 ATO ADMINISTRATIVO 3 Requisitos( Art. 2º da Lei 4.717/65): Elementos constitutivos do Ato Administrativo.

Leia mais

Nota, xi Nota à 9a edição, xiii

Nota, xi Nota à 9a edição, xiii Nota, xi Nota à 9a edição, xiii 1 Direito Administrativo, 1 1.1 Introdução ao estudo do Direito Administrativo, 1 1.2 Ramo do direito público, 3 1.3 Conceito de Administração Pública e de Direito Administrativo,

Leia mais

LEI Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE 1997

LEI Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE 1997 LEI Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE 1997 Dispõe sobre a política energética nacional, as atividades relativas ao monopólio do petróleo, institui o Conselho Nacional de Política Energética e a Agência Nacional

Leia mais

Dia Regional Norte do Engenheiro 2016

Dia Regional Norte do Engenheiro 2016 Agenda 1. Ponto de Situação 2. O Conceito 3. Construção do Projeto de Portugal 4. Um Mapa de Potenciais Disputas 5. Por um Futuro de Sucesso O Projecto de Portugal A Lista de Espera não Dia Regional Norte

Leia mais

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 Dispõe sobre o Regime de Concessão e Permissão da Prestação de Serviços Públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público 1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, DIRETA E INDIRETA: CONCESSÕES E PERMISSÕES 1.1 FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL:

Leia mais

SUMÁRIO. 3 PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Poder-dever... 57

SUMÁRIO. 3 PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Poder-dever... 57 SUMÁRIO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO... 15 1.1 Introdução ao estudo do Direito Administrativo... 15 1.2 Ramo do direito público... 17 1.3 Conceito de Administração Pública e de Direito Administrativo... 19

Leia mais

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe.

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe. Orçamento Público CF/88 (CESPE SAD/PE Analista de Controle Interno Especialidade: Finanças Públicas/2010) - A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados

Leia mais

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Lei de Uso e Ocupação do Solo Paulo Roberto Secretário de Planejamento Ponte Nova 31 99989-1636 23/11/2016 Mobilidade Urbana: é a condição em

Leia mais

CURSO ON-LINE DIREITO ADMINISTRATIVO TEORIA PROFESSOR: FABIANO PEREIRA BENS PÚBLICOS

CURSO ON-LINE DIREITO ADMINISTRATIVO TEORIA PROFESSOR: FABIANO PEREIRA BENS PÚBLICOS BENS PÚBLICOS 1. CONCEITO A nossa aula de hoje versará sobre um tema bastante tranqüilo, de fácil assimilação e que não tem sido muito cobrado nos últimos concursos públicos de âmbito nacional: bens públicos.

Leia mais

BENS PÚBLICOS CONCEITO DE BEM PÚBLICO

BENS PÚBLICOS CONCEITO DE BEM PÚBLICO BENS PÚBLICOS CONCEITO DE BEM PÚBLICO - São todos os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público, isto é, Administração direta, autarquias e fundações públicas de direito público, bem como

Leia mais

Conceitos Sentidos subjetivo e objetivo. Serviços Públicos. Classificação Individuais (uti singuli) Classificação Gerais (uti universi)

Conceitos Sentidos subjetivo e objetivo. Serviços Públicos. Classificação Individuais (uti singuli) Classificação Gerais (uti universi) Serviços Públicos Direito Administrativo Prof. Armando Mercadante Nov/2009 Sentidos subjetivo e objetivo 1) Sentido subjetivo serviço público é aquele prestado pelo Estado; 2) Sentido objetivo o serviço

Leia mais

LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas. ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM

LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas. ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM Junho/2010 Relevância da atividade mineral A atividade mineral apresenta-se como uma atividade

Leia mais

DIREITO NO BRASIL AULA DE DIREITO ADMINISTRATIVO II Profª Lúcia Luz Meyer atualizada em

DIREITO NO BRASIL AULA DE DIREITO ADMINISTRATIVO II Profª Lúcia Luz Meyer atualizada em DIREITO NO BRASIL AULA DE DIREITO ADMINISTRATIVO II Profª Lúcia Luz Meyer atualizada em 08.2010 PONTO 32 BENS PÚBLICOS Roteiro de Aula (19 fls) SUMÁRIO: 32.1. Conceito. 32.2. Classificação no Direito Brasileiro.

Leia mais

Organização Administrativa BOM DIA!!!

Organização Administrativa BOM DIA!!! BOM DIA!!! 1. Introdução 2. Administração Pública 3. Órgão Público 4. Classificação dos Órgãos 5. Descentralização e Desconcentração 6. Função Pública 7. Cargo Público 8. Agente Público 1. Introdução Regime

Leia mais

Projeto financiado pela

Projeto financiado pela Projeto financiado pela Enquadramento Literacia dos Oceanos Estratégia Nacional para o Mar IPMA e EMEPC Candidatura ao Escolher Ciência financiamento Ciência Viva Objetivos gerais Despertar a curiosidade,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO

CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO Hendrick Pinheiro Raquel Lamboglia Guimarães Advogados em Manesco, Ramires,

Leia mais

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1.1 CONCESSÃO A concessão é um contrato

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01 PRÁTICAS CONTÁBEIS Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01 Estática Patrimonial: o Balanço, Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido A contabilidade deve tratar a pessoa

Leia mais

Direito Internacional Público

Direito Internacional Público Direito Internacional Público Atores de DIP, sujeitos das RI Prof. Dr. José Antônio Tietzmann e Silva jates@uol.com.br DIP Atores e sujeitos Estados OI's intergovernamentais Indivíduos Coletividades não-estatais

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais"

PAINEL 3: Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais" PLS 229: Inovações, Riscos e oportunidades NATAL - RN 20 de Outubro de 2016

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO QUESTÃO 1 - Quanto aos princípios constitucionais da Administração Pública, assinale a alternativa correta. A. O princípio da supremacia

Leia mais

Prof.ª Dr.ª Karoline Marchiori de Assis

Prof.ª Dr.ª Karoline Marchiori de Assis Entrada e Receita Prof.ª Dr.ª Karoline Marchiori de Assis Receitas Atividades Financeiras do Estado Mecanismos Universais para Dinheiro para as Despesas Públicas Extorsões sobre outros povos Doações voluntárias

Leia mais

EXPEDIÇÃO CIENTÍFICA

EXPEDIÇÃO CIENTÍFICA EXPEDIÇÃO CIENTÍFICA Autorização para Coleta e Pesquisa por Estrangeiros A Autorização do MCTI é concedida aos pesquisadores estrangeiros que pretendam vir ao Brasil para participar, de atividades de pesquisa

Leia mais

U SC/ C PR P O R DE D MA

U SC/ C PR P O R DE D MA Guilhardes de Jesus Júnior MS. Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente UESC/PRODEMA 1 Geleiras: 2% Oceanos e mares: 97% Rios, lagos e lençóis subterrâneos: 1% 2 Distribuição da água no Brasil 3 UTILIZAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 26/2009 Cria a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro CDURP e dá outras providências. Autor : Poder Executivo A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS As primeiras manifestações de gestão ambiental procuraram solucionar problemas de escassez de recurso, mas só após a Revolução Industrial os problemas que concernem à poluição

Leia mais

Receitas e Despesas Públicas. Prof. Ms Paulo Dantas

Receitas e Despesas Públicas. Prof. Ms Paulo Dantas Receitas e Despesas Públicas Prof. Ms Paulo Dantas Considera-se, como receita pública, todo o recurso obtido pelo Estado para atender às despesas públicas. As receitas públicas efetiva provem dos serviços

Leia mais

Organização político-administrativa brasileira: Federação brasileira. União. Estados-Membros. Municípios. Distrito federal. Repartição de competências

Organização político-administrativa brasileira: Federação brasileira. União. Estados-Membros. Municípios. Distrito federal. Repartição de competências Organização político-administrativa brasileira: Federação brasileira. União. Estados-Membros. Municípios. Distrito federal. Repartição de competências CAPÍTULO 2 Organização políticoadministrativa brasileira:

Leia mais

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento Eleições Programas partidários Coalisão Plataforma eleitoral Plano de Desenvolvimento e outros em andamento na Administração Pública Médio prazo

Leia mais

Parte Geral: domicílio e bens

Parte Geral: domicílio e bens Parte Geral: domicílio e bens Domicílio O domicílio pode ser voluntário, legal (ou necessário) e convencional. O domicílio voluntário da pessoa natural é o lugar onde ela fixa sua residência (elemento

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Receita Pública

Resumo Aula-tema 03: Receita Pública Resumo Aula-tema 03: Receita Pública A fim de fazer face às próprias necessidades de manutenção e investimentos, o Estado dispõe de recursos ou rendas que lhe são entregues pela contribuição da coletividade.

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 28/2017. TÍTULO: A transferência da União para os Municípios da gestão das praias marítimas urbanas.

NOTA TÉCNICA Nº 28/2017. TÍTULO: A transferência da União para os Municípios da gestão das praias marítimas urbanas. NOTA TÉCNICA Nº 28/2017 Brasília, 14 de julho de 2017. ÁREA: Estudo Técnicos, Finanças, Turismo, Meio ambiente e Habitação. TÍTULO: A transferência da União para os Municípios da gestão das praias marítimas

Leia mais

Propriedade. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio Carlos Morato

Propriedade. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio Carlos Morato Propriedade Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio Carlos Morato Propriedade Relevância do Direito de Propriedade e sua inserção nas normas

Leia mais

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei nº /2012

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei nº /2012 O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei nº. 12.651/2012 BRASIL 8.514.876,599 km² 26 Estados e DF 5.565 Municípios Fonte: www.cennysilva.blogspot.com Bioma Amazônia Bioma Cerrado Fonte: www.biologo.com.br Fonte: www.socerrado.com.br

Leia mais

AULA 12: DESPESA PÚBLICA

AULA 12: DESPESA PÚBLICA 1 AULA 12: DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Introdução 2 Glossário do Tesouro Nacional: Despesa pública é a aplicação (em dinheiro) de recursos do Estado

Leia mais

Sumário. Introdução... 13

Sumário. Introdução... 13 Sumário Introdução... 13 Capítulo 1 Teoria Geral do Direito Agrário... 17 1.1 Aspectos históricos do direito agrário no Brasil... 17 1.1.1 Regime Sesmarial (1500 a 17/07/1822)... 18 1.1.2 Período Extra

Leia mais

SERVIÇOS PÚBLICOS. Para desenvolvermos os serviços públicos, obrigatoriamente, precisamos saber alguma coisa, embora mínima, sobre necessidade pública

SERVIÇOS PÚBLICOS. Para desenvolvermos os serviços públicos, obrigatoriamente, precisamos saber alguma coisa, embora mínima, sobre necessidade pública SERVIÇOS PÚBLICOS Para desenvolvermos os serviços públicos, obrigatoriamente, precisamos saber alguma coisa, embora mínima, sobre necessidade pública 1. NECESSIDADE PÚBLICA = É toda aquela de interesse

Leia mais

Empresas brasileiras de capital estrangeiro. Limites à aquisição de imóveis rurais e de organização societária

Empresas brasileiras de capital estrangeiro. Limites à aquisição de imóveis rurais e de organização societária Empresas brasileiras de capital estrangeiro Limites à aquisição de imóveis rurais e de organização societária Bueno, Mesquita e Advogados O Bueno, Mesquita e Advogados é um escritório de advocacia empresarial

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Mestrando: Iran Alves Moraes

Mestrando: Iran Alves Moraes Seminário: Apuração das infrações penais ambientais. Atribuições Mestrando: Iran Alves Moraes Seminário: Apuração das infrações penais ambientais. Atribuições constitucionais e infraconstitucionais do

Leia mais

TERRENOS DE MARINHA. O Sr. FEU ROSA (PP-ES) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a

TERRENOS DE MARINHA. O Sr. FEU ROSA (PP-ES) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a TERRENOS DE MARINHA O Sr. FEU ROSA (PP-ES) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a PEC n 603, de 1998, de autoria da Deputada Laura Carneiro e demais signatários,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

Data: 14 de novembro de A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei:

Data: 14 de novembro de A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1. 1 7 2 Data: 14 de novembro de 2005. Súmula: Dispõe sobre a Transferência do Direito de Construir e dá outras providências. A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

MINISTÉRIO DA QUALIDADE DE VIDA

MINISTÉRIO DA QUALIDADE DE VIDA MINISTÉRIO DA QUALIDADE DE VIDA Decreto-Lei n.º 321/83 de 5 de Julho O primeiro passo na concretização de uma política de ordenamento do território à escala nacional foi dado com a institucionalização

Leia mais

CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento)

CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) LEI Nº 15.413, DE 20 DE JULHO DE 2011 (Projeto de Lei nº 288/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Dispõe sobre a concessão

Leia mais

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Prof. Me. Hélio Esperidião Objetivos: Compreender os princípios elementares da contabilidade. Surgimento A Contabilidade teve seu surgimento reconhecido durante

Leia mais

BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR

BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE 2014 RESUMO: 1. NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR 1 NÚMEROS, PROGRAMAS E INSTRUMENTOS 84 artigos 76 EXCEÇÕES - INV. GAS. 36 DECRETOS REGULAMENTARES - DECRETOS A PUBLICAR: CRA

Leia mais

Assentamentos, Territórios Quilombolas e Mineração Gilda Diniz dos Santos Procuradora-Chefe da PFE/Incra

Assentamentos, Territórios Quilombolas e Mineração Gilda Diniz dos Santos Procuradora-Chefe da PFE/Incra ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA DO INCRA Assentamentos, Territórios Quilombolas e Mineração Gilda Diniz dos Santos Procuradora-Chefe da PFE/Incra

Leia mais

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs CONCESSÕES PPPs LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n 8.987/1995 Lei n 11.079/2004 e Lei nº 12.766/2012 Objetivos: atrair investimentos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001 Prof. Dr. Giovanni Pacelli Agradecimentos aos alunos: Andressa Giglioli, Lin Chan, Regiane Aparecida pelo envio da

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO PROF. GUSTAVO SANTANNA. PONTO 1: CONTRATOS (FINAL) PONTO 2: a) BENS PÚBLICOS PONTO 3: b) INTERVENÇÃO DO ESTADO

DIREITO ADMINISTRATIVO PROF. GUSTAVO SANTANNA. PONTO 1: CONTRATOS (FINAL) PONTO 2: a) BENS PÚBLICOS PONTO 3: b) INTERVENÇÃO DO ESTADO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: CONTRATOS (FINAL) PONTO 2: a) BENS PÚBLICOS PONTO 3: b) INTERVENÇÃO DO ESTADO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS CLÁUSULAS EXORBITANTES (CONTINUAÇÃO)... ALTERAÇÕES REFLEXOS DESSAS

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins aprova e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins aprova e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.160, DE 19 DE JUNHO DE 2000. Publicado no Diário Oficial nº 937 Reestrutura a Fundação Universidade do Tocantins e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins, Faço saber que

Leia mais

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 1 de agosto de 2016 ROTEIRO Instituições e Atribuições do Estado Quem faz o que? Constituição Federal Competências

Leia mais

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA O DESAFIO DE FAZER CIDADE NO BRASIL 90% da população mora em cidades Saneamento, habitação, saúde, educação, transporte, meio ambiente. A CONTA NÃO

Leia mais