RELATÓRIO RENDA FIXA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO RENDA FIXA"

Transcrição

1 RELATÓRIO RENDA FIXA MAIO 2017 MERCADO DE TÍTULOS PÚBLICOS ECONOMIA E MERCADO Continuamos atentos aos acontecimentos. Nas últimas semanas foram intensas as negociações em torno das reformas, Trabalhista e Previdenciária. Na da Previdência, destaque para a aprovação do projeto em Comissão Especial, por 23 a 14, não tão folgada, já que o mínimo necessário eram 19 votos. Ingressa-se agora na fase das negociações para o projeto do relator Arthur Maia, bem alterado nesta comissão, a ser votado em duas rodadas na Câmara e no Senado. Serão necessários dois terços, ou seja, o mínimo de 308 votos para a primeira casa. Pesquisas preliminares da Agência Estado, por exemplo, indicavam ainda faltar muitos votos para os necessários. Outras, mais otimistas, acham que pode chegar a mais, como a Arko Adivise que, baseada em entrevistas com parlamentares, achava possível 313 votos. No conteúdo destas mudanças essenciais, seguem em discussão os tratamentos diferenciados para as várias categorias profissionais, como servidores públicos em geral, policiais, agentes penitenciários, professores, etc. Estudos indicam já haver 30% perdido em economia dos R$ 720 bilhões antes programados no projeto original da Previdência. Devemos destacar, porém, que segue como mudança mais importante a manutenção da idade mínima, mesmo que diferenciada entre homens e mulheres (65 e 62 anos). Sobre a Reforma Trabalhista um dos pontos inegociáveis é a definição da livre negociação entre as partes, se sobrepujando sobre a lei. Outros merecem destaque como o consolidação da Lei de Terceirização, agora regulamentada, a definição do trabalho intermitente, do remoto, dentre outros. Esta reforma ainda deve passar por três comissões no Senado para depois ser votada uma única vez, valendose a metade mais um. Sobre a economia, a inflação segue comportada, o juro sinaliza fechar este ano em 8,5%, atenção deve ser dada aos movimentos do mercado de câmbio, por estes dias pressionado, próximo a R$ 3,20, em função das tensões políticas na apuração da Lava-Jato e no trâmite destas reformas. Mesmo assim, acreditamos na ausência de pressões inflacionárais pelo lado dos preços agrícolas, dada a super safra obtida neste ano, 25% melhor do que à de O IPCA-15 de abril fechou em 0,21%, acumulando em 12 meses 4,41%, com o mercado, pela Focus, projetando 4,0% para o ano. Sobre o ritmo da atividade, continua errática, com recuperação ainda muito lenta, dadas as incertezas no cenário político, no ritmo das reformas e nas negociações no Congresso. Para este primeiro trimestre, estimativas indicam um crescimento em torno de 0,4% a 0,6%, alguma perda de fôlego no segundo trimestre, período mais agudo nas negociações, para haver no segundo um desempenho mais favorável mai.17 - Pág. 1/6

2 Este, no entanto, só deve se confirmar se as reformas passarem no Congresso até junho. Se não, a economia continuará meio de lado, à espera desta definição. No front fiscal as notícias não são alvissareiras. A situação segue muito delicada, até com revisão para o resultado de 2018, antes em déficit de R$ 79 bilhões, agora elevada a R$ 129 bilhões. A meta deste ano segue em R$ 139 bilhões, mas poucos acreditam na sua obtenção, dado o fraco desempenho da arrecadação federal neste ano. Falando do resultado fiscal mais recente, em março o déficit foi a R$ 11 bilhões, acumulando no ano R$ 2 bilhões, possível pelo superávit de R$ 36,7 bilhões em janeiro. Em 12 meses o déficit estava em torno de R$ 147,8 bilhões, 2,34% do PIB. Em função disto, a dívida bruta seguia em patamar elevado, em torno de 71,6% do PIB. Ao fim deste ano deve se elevar a 76%, podendo gravitar próxima a 80% em 2018 e 2019, para começar a recuar em 2020, caso as reformas já comecem a gerar seus frutos e os ajustes nas contas públicas aconteçam. Falando das contas externas, em março o saldo surpreendeu, superavitário em US$ 1,4 bilhão, mas negativo em US$ 4,6 bilhões no ano e US$ 20,6 bilhões em 12 meses, 1,1% do PIB. Boa parte deste resultado foi possível pela balança comercial de abril, superavitária em US$ 6,7 bilhões, no ano em torno de US$ 21,4 bilhões. Por fim, no mercado de trabalho as informações são alarmantes. Saímos, em poucos anos, entre 2010/2014, de uma situação de pleno emprego, com a taxa de desocupação em torno de 5% a 6% da PEA, para em março deste ano em 13,7%, com mais de 14 milhões de desempregados. Pelo Caged os indicadores não são menos dramáticas. Até esboçamos alguma melhoria em fevereiro, com a geração de 35 mil vagas no mercado formal de trabalho, mas em março veio a ressaca, com perda de mais de 60 mil vagas. São estas perdas no mercado de trabalho, aliás, que tendem a atrasar na retomada da economia, já que o setor de serviços representa quase 70% da renda e é o que mais sofre com a crise, dada a precariedade dos empregos no setor. Sendo assim, acreditamos que a indústria, liderada pelo setor extrativo e as exportações de automóveis, até deve esboçar alguma reação, impulsionada também pela agropecuária, dada a super safra deste ano. Por outro lado, diante da perda de renda e de empregos, o comércio varejista e os serviços devem se recuperar mais lentamente. ALOCAÇÃO - CARTEIRA DE TÍTULOS PÚBLICOS A nossa sugestão de carteira ótima dos títulos disponíveis para compra em maio ainda se baseia nos títulos Tesouro Prefixado (LTN) e Tesouro IPCA+ (NTN-B Princ), com rentabilidade assegurada, se levados até o vencimento para o período de curto a médio prazo (até cinco anos), pratimente zerando qualquer risco de mercado nesses ativos. No entanto, seria importante estar atento aos cenários político, fiscal e econômico. Decorrente disto, não estimulamos, por ora, a exposição aos títulos com vencimentos muito longos mai.17 - Pág. 2/6

3 No mercado, as taxas continuam sinalizando recuo, dada a atual política monetária do BACEN e os indicadores básicos, como inflação desacelerando e nível ainda fraco da atividade. No entanto, dado o cenário político e as reformas em andamento encontrando resistências, é de ser prever um posicionamento do investidor exigindo prêmios maiores, o que pode reduzir o ritmo de diminuição das taxas, com possibilidades até de elevações repentinas (correções). Cabe destacar que os títulos atrelados à inflação (IPCA) continuam sendo os mais atraentes para aqueles que pensam em horizonte de até o médio prazo, mesmo com exposição maior à volatilidade. O Tesouro IPCA+2035 (NTNB Princ) atingiu rentabilidade de -5,11% em abril, vindo de uma queda de 2,35% em março, mas acumulando no ano alta de 7,27%, chegando a 24% em doze meses. Já os títulos prefixados (LTN e NTNF) ainda continuam convidativos diante da boa previsibilidade na decisão de ciclo de cortes da taxa Selic ao longo de Em abril, o Tesouro Prefixado 2023 (LTN) registrou queda de 0,75%, lembrando que a variação se deveu à marcação a mercado (rentabilidade mensal bruta acumulada antes do vencimento), podendo em outro período (dependendo da demanda) registrar alta. Este acumula elevação de 9,05% no ano e 25,57% em doze meses. Já os pós-fixados, atrelados à Selic (Tesouro Selic - LFT), com menor volatilidade na carteira sugerida, são recomendados para clientes de perfil mais conservador. Além disso, o Tesouro Direto segue oferecendo um deságio de 0,05% no Tesouro Selic 2021 e de 0,06% no Tesouro Selic O Tesouro Selic 2021 rendeu 0,64% no mês, acumulando 3,65% no ano e 13,25% em doze meses. Indexados ao IPCA Vencimento Conservador Moderado Arrojado Tesouro IPCA+ (NTNB Princ) 15/8/2024 Tesouro IPCA+ (NTNB Princ) 15/5/2035 Tesouro IPCA+ (NTNB Princ) 15/5/2045 5% 40% 50% Tesouro IPCA+ JS (NTNB) 15/8/2026 Tesouro IPCA+ JS (NTNB) 15/5/2035 Tesouro IPCA+ JS (NTNB) 15/8/2050 Prefixados Tesouro Prefixado (LTN) 1/1/2020 Tesouro Prefixado (LTN) 1/1/2023 5% 17% 40% Tesouro Prefixado + JS (NTNF) 1/1/2027 Indexados à Taxa Selic (pós-fixados) Tesouro Selic (LFT) 1/3/ % 43% 10% JS = juros semestrais 08.mai.17 - Pág. 3/6

4 RENTABILIDADE* DOS TÍTULOS DISPONÍVEIS EM ABRIL (%) Indexados ao IPCA Vencimento Mês Referência Mês Anterior No ano 12 Meses Tesouro IPCA+ (NTNB Princ) 15/8/2024-0,75 0,10 6,25 16,79 Tesouro IPCA+ JS (NTNB) 15/8/2026-0,88 0,32 6,00 16,52 Tesouro IPCA+ (NTNB Princ) 15/5/2035-5,11-2,35 7,27 24,00 Tesouro IPCA+ JS (NTNB) 15/5/2035-2,72-0,79 6,19 18,66 Tesouro IPCA+ (NTNB Princ) 15/5/2045-8,12-4, Tesouro IPCA+ JS (NTNB) 15/8/2050-3,08-1,95 7,99 21,83 Prefixados Tesouro Prefixado (LTN) 1/1/2020 0,20 1, Tesouro Prefixado (LTN) 1/1/2023-1,25 0,90 9,05 25,57 Tesouro Prefixado + JS (NTNF) 1/1/2027-1,34 0,89 9,21 25,44 Indexados à Taxa Selic (pós-fixados) Tesouro Selic (LFT) 1/3/2023 0,56 0, *Rentabilidade bruta acumulada que o investidor obteria se vendesse o título público no dia da posição (antes do vencimento). Posição em 27/04/2017 A rentabilidade média acumulada dos títulos de abril ficaram bem aquém dos números do mês anterior, dado o atual nível de volatilidade dos ativos em face dos revezes no cenário político e econômico. TAXA MÉDIA DOS TÍTULOS ATRELADOS À INFLAÇÃO (IPCA) E PREFIXADOS Quanto aos prêmios exigidos pelos investidores, em média, as taxas ficaram próximas aos números do mês anterior. O prêmio de abril findou, em média, à taxa de 5,2% nos títulos do Tesouro IPCA (NTN- B), repetindo a taxa de março, e de 9,9% no Tesouro Prefixado (LTN e NTN-F), apenas 0,1 ponto percentual abaixo da taxa do mês anterior. Já o Tesouro Selic (LFT) apresentou deságio médio de 0,06%, igual ao de março mai.17 - Pág. 4/6

5 MERCADO DE ATIVOS PERSPECTIVAS Maio tem início sob o égide das incertezas. As reformas estarão em negociações intensas no Congresso e o País ainda deve se manter em suspense pelos avanços da Lava-jato, agora mais próximo do ex-presidente Lula da Silva. Com isso o dólar deve volatilizar um pouco, assim como o risco país. No entanto, a inflação deve se manter comportada, assim como os juros futuros devem continuar apontando reduções nos próximos meses. T-Bonds Taxa de Câmbio T-Bonds. Continuamos monitorando os títulos públicos norte-americanos diante das movimentações mais recentes do governo Trump, passando pela política externa, o tão propalado ajuste fiscal e suas intervenções intempestivas. Analisando a cotação dos títulos, no dia 28/abr os T-Bonds de 6 meses estavam a 0,98%, depois de 0,90% há um mês e 0,40% há 12 meses; os de 5 anos, no dia 28/abr em 1,81%, há um mês a 1,92% e 12 meses a 1,32%. Nos de 10 anos, respectivamente, 2,28%, 2,38% e 1,88% e nos de 30 anos, mais voltados para financiamentos de imóveis, 2,95%, 3,01% e 2,71%. Estes últimos indicam estarem em linha com as projeções para o longo prazo, em torno de 3,0%. Taxa de Câmbio. O mercado cambial estressou um pouco ao fim do mês passado, dado o acirramento da Lava-Jato e os atrasos no trâmite das reformas. Decorrente disso, ao fim de abril a moeda norte-americana fechou em R$ 3,1984, com depreciação de 0,94%. Para maio são esperadas mais volatilidades no mercado, o que deve afetar na cotação da moeda norte-americana, dados os avanços da Lava-Jato e o complicado andamento das reformas. Ao fim deste ano, estamos prevendo o dólar a R$ 3,30 e em 2018 a R$ 3,40. Já a Focus trabalha com R$ 3,23 neste ano e R$ 3,40 em Risco País. Embora as boas notícias na atividade econômica andem escassas, o risco país segue em trajetória de melhoria, pelo lado do EMBI em torno de 250 pontos, e nos CDSs, ainda melhores, em torno de 210 pontos. Para os próximos meses, avançando as reformas, será possível pensar numa redução ainda maior do risco País, dada a perspectiva de melhoria do ambiente de negócios. Estimamos o risco país abaixo de 200 pontos ao fim deste ano, caso as reformas sejam aprovadas neste meio tempo. Inflação Inflação. A inflação segue sob controle, baixa, ao sabor de uma economia desaquecida, choques agrícolas favoráveis e câmbio mais comportado. Em março, os índices da FGV fecharam deflacionários e os da ponta do consumidor, em torno de 0,2%. O IPCA-15 de abril acelerou um pouco, de 0,15% a 0,21%, mas ainda muito baixo, embora o IPC da Fipe tenha registrado 0,61%. Já os IGPs, em sua maioria, fecharam no negativo, decorrente da menor pressão dos preços no atacado, com os agrícolas em forte queda. Ao fim deste ano estamos trabalhando com o IPCA a 4,0% pela Focus e 3,8% pela nossa projeção. O IGP-M deve fechar o ano a 2,6% pela Focus, com as nossas projeção a 2,9%. Apenas a Top 5, pelo IPCA destoa um pouco, prevendo 3,89% para este ano e 4,25% em Juros Futuros. Tudo leva a crer que o Copom da reunião de junho deve manter os cortes agressivos da taxa Selic. Deve ficar em 1 ponto percentual, mas não surpreenderá se vier acima disso. O IPCA segue desacelrando, agora mais próximo de 4,0% ao fim deste ano e no ano que vem. Por isso, a taxa Selic, ao final deste ano em 8,5%, deve se manter neste patamar no ano que vem. O Top5 mantém a mesma toada mai.17 - Pág. 5/6

6 TABELA DE INDICADORES DO MERCADO Rentabilidade Indicadores de mercado Data Mês Ano 12 Meses CDI ABR/17 0,79 3,84 13,45 Selic Over ABR/17 0,79 3,84 13,47 CDB ABR/17 0,79 3,33 11,13 Poupança ABR/17 0,50 2,37 8,06 TJLP ABR/17 0,57 2,40 7,46 Ouro (BM&F) ABR/17 3,20 8,59-9,79 Dólar (Ptax) ABR/17 0,95-1,89-7,31 IMA-B (IPCA) ABR/17-0,32 6,55 17,82 IRF-M (Prefixado) ABR/17 0,53 6,48 18,18 IMA-S (Pós-fixado) ABR/17 0,80 3,87 13,47 Este Relatório de Análise foi preparado pela Lopes Filho & Associados, Consultores de Investimentos Ltda. para uso exclusivo do destinatário, não podendo ser reproduzido ou distribuído por este para qualquer pessoa sem expressa autorização da Lopes Filho. Este Relatório de Análise é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro. As informações contidas neste Relatório de Análise são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, a Lopes Filho não pode garantir a exatidão e a qualidade das mesmas. As opiniões contidas neste Relatório de Análise são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudanças. Sem prejuízo do disposto acima e em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483/10, o(s) analista(s) de valores mobiliários responsável(eis) pela elaboração deste Relatório de Análise declara(m) que: (I) é (são) certificado(s) e credenciado(s) pela APIMEC. (II) as análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Lopes Filho. (III) sua(s) remuneração(ões) é (são) fixa(s). Informações adicionais sobre quaisquer emissores objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas diretamente, por telefone, com o(s) analista(s) responsável(eis). Os Relatórios de Análise podem ser consultados no website cujo acesso é restrito aos assinantes e usuários do serviço de Assessoria em Mercado de Capitais da Lopes Filho. Informações sobre emissores que não são objeto dos Relatórios de Análise podem ser obtidas através de solicitação ao Departamento Comercial mai.17 - Pág. 6/6

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA MARÇO 2017 MERCADO DE TÍTULOS PÚBLICOS ECONOMIA E MERCADO Ingressamos em março já considerando que não será um período fácil. As escaramuças políticas seguem acontecendo, com as delações

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA ABRIL 2017 MERCADO DE TÍTULOS PÚBLICOS ECONOMIA E MERCADO Iniciamos abril mobilizados com a pesada agenda de eventos. Muitos consideram que a tempestade perfeita se materializa neste

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA DEZEMBRO DE 2016 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA O mês de novembro registrou significativa volatilidade nos mercados, tanto pelo acirramento político e o difícil panorama econômico internos

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA FEVEREIRO DE 2017 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA Em janeiro, período de recesso parlamentar, os investidores estiveram atentos à divulgação de indicadores econômicos domésticos, o rumo

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando principalmente o desafio fiscal nos próximos anos como principal

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando os desdobramentos das medidas fiscais e as incertezas da economia

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando principalmente o desafio fiscal (reforma da previdência no curto

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera a queda consistente da inflação concomitante ao risco fiscal ainda presente nas

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias ainda considera o cenário fiscal como o principal fator de risco para a esperada queda

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera os dois principais fatores impactando a curva de juros, a melhora recente do

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA NOVEMBRO DE 2016 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA O mês de outubro foi favorável para o atual governo nas esferas política e econômica, tendo relação direta com a evolução do prêmio exigido

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera principalmente o desafio fiscal nos próximos anos e o possível impacto desse

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera o cenário inflacionário favorável concomitante ao risco fiscal ainda presente

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico 08/12/2015 DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume que o cenário fiscal e a inflação continuarão sendo as principais variáveis

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera a queda consistente da inflação e a falta de visibilidade em relação a situação

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANCEIRA Agosto/17 INTRODUÇÃO Neste relatório disponibilizamos a conjuntura econômica financeira para

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando a tendência de queda da expectativa de inflação para este ano e o

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume que o cenário político deve continuar refletindo nas taxas de juros, principalmente

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA JANEIRO DE 2017 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA Em 2016 a preocupação do mercado com o nível de incertezas no processo de ajuste fiscal e a interferência da crise política (impeachment

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA JUNHO DE 2016 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA O mês de maio foi politicamente turbulento, mas histórico, pois oficialmente a presidente Dilma Rousseff foi notificada do seu afastamento

Leia mais

Cenários para Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China

Cenários para Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China Cenários para 2017 2018 Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China 1 O FIM DE UM CICLO... 2 ... O INÍCIO DE OUTRO 3 Cenário Doméstico Político e Econômico 4 Cenário AGENDA PESADA Principais TEMAS

Leia mais

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 10/04/ :36. Curva do DI.

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 10/04/ :36. Curva do DI. Tesouro Direto Atualização: 10/04/2017 14:36 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, projetamos crescimento do PIB de 2,1% para este ano, que deverá acelerar para 2,5% em 2018, devido aos estímulos fiscais

Leia mais

Curva do DI. 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 7,0 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6, ago-11

Curva do DI. 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 7,0 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6, ago-11 Tesouro Direto Atualização: 21/09/2017 15:03 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, esperamos um crescimento do PIB modestamente acima do potencial de 2,1% em 2017 e vemos o crescimento acelerar para 2,6%

Leia mais

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 07/06/ :14. Curva do DI.

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 07/06/ :14. Curva do DI. Tesouro Direto Atualização: 07/06/2017 14:14 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, continuamos projetando um crescimento de 2,1% em 2017. Prevemos que o crescimento irá acelerar para 2,6% em 2018, devido

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume um cenário de inflação ainda pressionada, com o indicador de maio superando expectativas,

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA MARÇO DE 2016 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA A principal recomendação para a gestão de renda fixa é manter alguma cautela, dado o momento econômico e político, cercado de incertezas.

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais.

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais. 28 de Outubro de 2013 Juros encerram a semana em queda seguindo comportamento da Treasury; Dólar encerrou a semana em alta de 0,5%, cotado a R$ 2,189; Ibovespa cai na semana contrariando comportamento

Leia mais

Carta Econômica Mensal - Abril de Ainda Incertezas...

Carta Econômica Mensal - Abril de Ainda Incertezas... Cuiabá, 09 de Maio de 2017. Carta Econômica Mensal - Abril de 2017 Ainda Incertezas... Em Abril, a trajetória do IMA-Geral e seus subíndices que refletem a carteira dos títulos públicos em mercado indica

Leia mais

No cenário externo, ambiente segue estável; no Brasil, o governo interino tomou posse e propõe reformas fiscais

No cenário externo, ambiente segue estável; no Brasil, o governo interino tomou posse e propõe reformas fiscais 1- Overview Macroeconômico No cenário externo, ambiente segue estável; no Brasil, o governo interino tomou posse e propõe reformas fiscais Internacional Nos EUA, dados mais fracos do mercado de trabalho

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 Data: 07/07/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 13/08/2013

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 13/08/2013 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada Nossa estratégia de investimento para a Carteira Recomendada do Tesouro Direto neste mês de Agosto reflete o atual cenário de alta na taxa de juros ao longo

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

25-nov Ibovespa cai em semana com muita oscilação; Dólar se deprecia beneficiado por leilão de aeroportos; Juros futuros encerra semana em alta.

25-nov Ibovespa cai em semana com muita oscilação; Dólar se deprecia beneficiado por leilão de aeroportos; Juros futuros encerra semana em alta. 25-nov-2013 Ibovespa cai em semana com muita oscilação; Dólar se deprecia beneficiado por leilão de aeroportos; Juros futuros encerra semana em alta. O Ibovespa encerrou a semana com queda de 1,22%, cotado

Leia mais

Curva do DI. 11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0. jul-11

Curva do DI. 11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0. jul-11 Tesouro Direto Atualização: 08/08/2017 18:03 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, mantemos nossa projeção de crescimento de 2,2% para o PIB de 2017. Prevemos que o PIB irá acelerar para 2,6% em 2018, devido

Leia mais

11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 11,5 10,5 9,5 8,5 7,5 6,5 5,5 4,5. 3,5 mai-11.

11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 11,5 10,5 9,5 8,5 7,5 6,5 5,5 4,5. 3,5 mai-11. Tesouro Direto Atualização: 05/07/2017 16:52 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, fizemos uma sutil revisão da projeção para o PIB de 2017, de 2,1% para 2,2% e prevemos que o crescimento irá acelerar para

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume ainda instabilidade no cenário fiscal, com consequente reflexo nas principais variáveis

Leia mais

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 06/12/ :33. Curva do DI.

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 06/12/ :33. Curva do DI. dez-10 jul-11 fev-12 set-12 abr-13 nov-13 jun-14 jan-15 ago-15 mar-16 out-16 out-10 fev-11 jun-11 out-11 fev-12 jun-12 out-12 fev-13 jun-13 out-13 fev-14 jun-14 out-14 fev-15 jun-15 out-15 fev-16 jun-16

Leia mais

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil;

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; 01-nov-2013 Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; Dólar inicia novembro em alta respondendo aos dados ruins de economia brasileira; Ibovespa em ligeira queda

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA JANEIRO DE 2016 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA Muitos fatos no cenário político, fiscal e econômico ainda deverão ser esclarecidos ao longo de 2016, com previsão de se iniciar os embates

Leia mais

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%)

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%) PETROBRÁS S/A Empresa: É uma companhia que atua na exploração, produção e distribuição de petróleo e derivados. A Petrobrás possui atividades operacionais em 25 países, estando presente em todos os continentes.

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA FEVEREIRO DE 2016 TESOURO DIRETO NOSSA CARTEIRA Com o retorno do recesso, voltamos a acompanhar os imbróglios na tensa relação entre Executivo, Legislativo e Judiciário, o que deve

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015?

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? 13/11/2014 Relatório Mensal-Novembro Rua Laplace 74, conj. 51 São Paulo - SP CEP: 04622-000 Tel.: 11-4305-03-29 E-mail: comercial@fmdassset.com.br R E L A

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume ainda uma instabilidade no quadro fiscal a medida que a votação no congresso das

Leia mais

Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017

Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017 Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017 1. Vendas e Resgates Em agosto, as vendas do Tesouro Direto atingiram R$ 1.349,3 milhões. Já os resgates totalizaram R$ 1.408,2 milhões, sendo R$ 1.275,2 milhões

Leia mais

RELATÓRIO PREVI NOVARTIS. 1- Overview Macroeconômico. 18 de abril de No compasso de espera doméstico, cenário externo favorável

RELATÓRIO PREVI NOVARTIS. 1- Overview Macroeconômico. 18 de abril de No compasso de espera doméstico, cenário externo favorável 1- Overview Macroeconômico No compasso de espera doméstico, cenário externo favorável Internacional O crescimento das economias avançadas está se estabilizando, reduzindo os riscos de recessão. O FED sinalizou

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Junho de 2013 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação VI. Boxes 2 I. Introdução

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014 Data: 28/01/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Manutenção do ritmo de queda da Selic A divulgação dos dados de inflação e varejo dos EUA mais fracos que os esperados levaram à queda da moeda norte-americana (-3,1%), com o mercado precificando uma desaceleração

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Uma luz no final do túnel?

ECONOMIA BRASILEIRA. Uma luz no final do túnel? Cuiabá, 05 de Março de 2017. ECONOMIA BRASILEIRA Uma luz no final do túnel? De acordo com o IBGE, a economia brasileira contraiu, em 2016, cerca de 3,6% frente ao ano de 2015. Com esse resultado negativo,

Leia mais

Produto Interno Bruto por setor de atividade

Produto Interno Bruto por setor de atividade Dezembro de 2011 Um ano de crescimento em meio a uma nova crise internacional A economia brasileira fechou o terceiro trimestre com crescimento acumulado no ano de 10,6%. Isso equivale a uma taxa de expansão

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana contou com a divulgação de importantes dados do cenário interno e, principalmente, do cenário externo, dentre eles: vendas

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Inflação abaixo do piso da meta A semana apresentou um aumento na aversão ao risco por causa das tensões geopolíticas e pelas incertezas quanto à trajetória das contas públicas no Brasil. O índice que

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Novembro 2016 DEZEMBRO BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA

BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Novembro 2016 DEZEMBRO BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Novembro 2016 DEZEMBRO 2016 BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Brasil Atividade Econômica: recessão persiste mesmo com leve melhora do consumo das famílias. Inflação:

Leia mais

Carta Mensal Fevereiro 2017

Carta Mensal Fevereiro 2017 Carta Mensal Fevereiro 2017 Estratégia Macro Os fundos dentro da estratégia macro da Mauá Capital tiveram um mês de fevereiro bastante positivo, principalmente nas seguintes estratégias: Juros-Brasil Play

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 04/2014 JULHO E AGOSTO DE 2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 04/2014 JULHO E AGOSTO DE 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 04/2014 JULHO E AGOSTO DE 2014 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência e

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 27 de outubro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana O cenário internacional foi marcado por informações sobre a China e as expectativas a respeito do resultado dos

Leia mais

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015 Milhões ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 215 R$ 12 R$ 1 R$ 8 R$ 6 R$ 4 R$ 2 R$ Evolução do Patrimônio no Ano 89,7

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO. Novembro 2015

CENÁRIO ECONÔMICO. Novembro 2015 CENÁRIO ECONÔMICO Novembro 2015 CENÁRIO ECONÔMICO Internacional - Destaques Mercados globais: avanço (moderado) da economia americana, bom desempenho da China e melhora (discreta) da Zona do Euro são os

Leia mais

Riscos Crescentes. Roberto Padovani Junho 2017

Riscos Crescentes. Roberto Padovani Junho 2017 Riscos Crescentes Roberto Padovani Junho 2017 Política volta a ser crítica 1. Política duração da crise - voltou a ser variável de controle; 2. Há impasse político: Economia ajuda manter governabilidade

Leia mais

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

Relatório de Recomendações de Investimentos

Relatório de Recomendações de Investimentos Relatório de Recomendações de Investimentos Este relatório foi elaborado de acordo com as especificações da Synoro investimentos e destinado apenas para os clientes e funcionários da mesma. 24/07/2017

Leia mais

Terça 28 de março 05:00 IPC (semanal) FIPE. 08:00 Sondagem da Construção (mar) FGV - INCC-M (mar) FGV

Terça 28 de março 05:00 IPC (semanal) FIPE. 08:00 Sondagem da Construção (mar) FGV - INCC-M (mar) FGV Informe Semanal 45/2017 Publicado em 29 de março de 2017 Brasil Relatório Focus 10/03/2017 Agenda da Semana Conjuntura ISAE SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 27 de março Sondagem do Consumidor (mar)

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 01/2016 Data: 08/01/2016 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

Opinião ABC Brasil /06/2017

Opinião ABC Brasil /06/2017 09/06/2017 As questões políticas continuam a ser o ponto focal do mercado. Hoje, o presidente Michel Temer passou pelo seu primeiro teste, o julgamento do TSE, mas outros virão. Na 2ª feira teremos a reunião

Leia mais

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 Iochpe-Maxion Recomendação Neutro MYPK3 Preço em 04/01/17 (R$) 12,59 Ações (MM) 95 Valor Mercado (R$ MM) 1.187 Mín. 52 semanas (R$) 8,34 Máx. 52 semanas (R$) 20,31

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre. PIB Trimestral em %

Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre. PIB Trimestral em % Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre, ) ( Figura 1: PIB Trimestral variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior PIB Trimestral em % 5.1 4.6 3.5 2.5 1.7 1 2.5 2.5 2.8 4.1

Leia mais

Cenário Econômico e perspectivas para o IMA

Cenário Econômico e perspectivas para o IMA Cenário Econômico e perspectivas para o IMA RUA DOM JAIME CÂMARA, 170 PRIME TOWER - 8 ANDAR - CENTRO - FLORIANÓPOLIS - SC - CEP 88015-120 5,0 PIB - EUA Expectativa 4,0 3,0 2,0 4,1 1,8 2,5 3,5 3,1 2,7 1,9

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Federal Reserve sinaliza porta de saída para o atual afrouxamento quantitativo Como já era esperada, a decisão do FOMC (o comitê de política monetária do Federal Reserve) ao término de sua reunião foi

Leia mais

Nota de Crédito PJ-PF

Nota de Crédito PJ-PF Nota de Crédito PJ-PF Maio 2015 Fonte: BACEN Base: Março de 2015 Sumário Executivo A Nota de Crédito com dados das operações relativas ao mês de março apresenta maior abertura das operações, tanto para

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA Nível de Atividade - PIB 2T/12

CONJUNTURA ECONÔMICA Nível de Atividade - PIB 2T/12 CONJUNTURA ECONÔMICA Nível de Atividade - PIB 2T/12 CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido,

Leia mais

ANO 1 - Nº 2 Janeiro/Fevereiro 2005

ANO 1 - Nº 2 Janeiro/Fevereiro 2005 ANO 1 - Nº 2 Janeiro/Fevereiro 2005 1 12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212 12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 03/2014 MAIO E JUNHO DE 2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 03/2014 MAIO E JUNHO DE 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 03/2014 MAIO E JUNHO DE 2014 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência e Assistência

Leia mais

Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão

Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão 19 de junho de 2017 Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão Na semana que passou, houve a divulgação, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e

Leia mais

COMENTÁRIO ECONÔMICO Avaliação da Economia no 3T17

COMENTÁRIO ECONÔMICO Avaliação da Economia no 3T17 COMENTÁRIO ECONÔMICO Avaliação da Economia no 3T17 No terceiro trimestre de 2017 (3T17) foram apresentados dados presentes e de expectativas mais positivos da economia brasileira do que nos trimestres

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI

CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI RETROSPECTIVA 2011 2011 foi um ano ímpar! Vimos a Europa entrar em uma crise sem precedentes e o crescimento econômico brasileiro desapontou os investidores.

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI BRASÍLIA 30/10/2017 30/10 SEGUNDA-FEIRA - Boletim FOCUS/Banco Central - Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPCS)/ FGV - Notas para a imprensa Política Fiscal / Banco Central - IGP-M / FGV EDIÇÃO 0008

Leia mais

Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta;

Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta; 30-ago-2013 Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta; Agenda com o mercado de trabalho nos EUA e proximidade do FOMC de setembro elevou novamente rendimento das

Leia mais

Raia Drogasil Teleconferência de resultados

Raia Drogasil Teleconferência de resultados Destaques Participação de mercado crescendo significativamente na região Nordeste (2,3% no 3T15 contra 4,7% no 3T16); Ganho de margem bruta proveniente da existência de estoque comprado antes dos aumentos

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada de 11 a 16 de setembro/2015 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa de Projeções Macroeconômicas

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Maio, 2016 Roteiro Internacional Ambiente segue favorável para mercados emergentes A retomada da alta de juros nos EUA depende de uma aceleração

Leia mais

Carta Econômica Mensal - Maio de Um mês partido ao meio

Carta Econômica Mensal - Maio de Um mês partido ao meio Cuiabá, 05 de Junho de 2017. Carta Econômica Mensal - Maio de 2017 Um mês partido ao meio O mês de maio de 2017 pode ser dividido em duas partes: os primeiros 15/16 dias, onde as (boas) notícias de cunho

Leia mais