ESCRITÓRIO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRITÓRIO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO"

Transcrição

1 ESCRITÓRIO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO HÉLIO GOMES DE CARVALHO 1 ; ARIANE HINÇA 2 1 Professor Doutor, Programa de Pós Graduação em Tecnologia CEFET-PR Av. Sete de Setembro, 3165 Curitiba PR Brasil CEP: Tel.: (041) Economista, Mestranda do Programa de Pós Graduação em Tecnologia CEFET-PR Av. Silva Jardim 1364, ap.608, Curitiba PR Brasil CEP: Tel.: (041) / Nessa época de competição baseada na rapidez, as empresas vêem-se cada vez mais pressionadas por menores prazos e menores custos, com escassez de recursos. O gerenciamento bem-sucedido de um projeto pode garantir que os produtos ou serviços de uma determinada organização ultrapassem os concorrentes e conquistem maior participação no mercado. É diante deste cenário que a Gestão de Projetos tornou-se fundamental para assegurar melhorias no nível de desempenho dos projetos e, por conseguinte no nível de competitividade e inovação nas organizações. Se as empresas estão cada vez mais se diferenciando por aquilo que fazem de melhor, o principal fator responsável por esta diferenciação, está nos conhecimentos que determinada organização detém frente às demais. Assim, o desafio da Gestão do Conhecimento é aplicar práticas de conversão do conhecimento individual dos colaboradores de uma empresa em conhecimento organizacional. O conhecimento é fundamental para garantir diferenciais competitivos, logo, a prática da Gestão do Conhecimento vem a contribuir para o sucesso das organizações. A Gestão do Conhecimento é incorporada nas organizações através de diversos mecanismos ferramentas, mas não se aproxima da disciplina de Gestão de Projetos, que também desenvolve diversas práticas para melhorar o desempenho dos projetos nas organizações, dentre elas, destaca-se o Escritório de Projetos. O Escritório de Projetos apresenta como objetivo básico orientar e dar suporte aos gerentes de projetos, permitindo à empresa desenvolver seus projetos da forma mais eficiente e eficaz possível. Assim, o objetivo deste artigo é reconhecer o Escritório de Projetos como uma nova e importante ferramenta de apoio a Gestão do Conhecimento nas organizações, uma vez que os projetos são uma grande fonte de conhecimento e que inúmeras vezes ao serem finalizados não replicam para os novos projetos as melhores práticas desenvolvidas. Palavras-Chave: Gestão do Conhecimento, Escritório de Projetos, Gestão de Projetos PROJECT OFFICE AS TOOL OF KNOWLEDGE MANAGEMENT In that competition time based on the speed, the companies is pressed by smaller periods and smaller costs, with shortage of resources. The successful project management can guarantee that the products or services of a certain organization cross the contestants and earns larger participation in the market. It is before this scenery that the Project Management became basic to assure improvements in the level of acting of the projects and consequently in the level of competitiveness and innovation in the organizations. If the companies are more and more differing for that their do best, the main responsible factor for this differentiation, it is in the knowledge that certain organization withholds front the others. Thus, Knowledge Management s challenges are to apply practices of conversion the individual collaborator s knowledge of a organizational knowledge company. The knowledge is basic to guarantee differential competitive, therefore, the Knowledge Management practice comes to contribute the organization s success. The Knowledge management is incorporated in the companies through several mechanisms "tools", but they don't approach the Project Management s discipline, that also develops several practices to improve the organizations project s actions in the organizations, among them stands out the Project Office. The Project Office presents as basic objective to guide and to give support to the project s managers, allowing to the company to develop their projects in the most efficient and effective way possible. Thus, the objective of this paper is to recognize the Project Office like a new and important support tool the Knowledge Management in the companies, a time that the projects are great knowledge source and that countless times to the they be concluded don't disseminate to the new projects the best developed practices.

2 1. Introdução O objetivo deste artigo é apresentar o Escritório de Projetos (Project Office Manager PMO) como uma nova ferramenta de apoio à Gestão do Conhecimento nas organizações. O cenário global exige cada vez mais rapidez das organizações para garantir níveis de competitividade. Portanto, o gerenciamento bem-sucedido de um projeto pode fazer com que os novos produtos cheguem mais rapidamente ao mercado, ultrapassando, deste modo, os concorrentes e conquistando fatias de mercado (FITZSINNONS, 2000, p. 189). O gerenciamento de projetos vem destacando a importância da implantação de um Escritório de Projetos para garantir incrementos no nível de sucesso dos projetos das organizações, principalmente aqueles orientados a projetos. O PMO é o local central para conduzir, planejar, organizar, controlar e finalizar as atividades do projeto. É o local onde se pode obter uma visão global e panorâmica de todo o projeto. Além disso, é a casa do time do projeto, onde todo suporte está disponível. Dessa forma, os gerentes de projetos podem liberar maior parte do seu tempo para análise de dados e tomada de decisão (VARGAS, 2002). O interessante a ser observado sob esta ótica é que os projetos reúnem e vendem conhecimento (KERZNER, 2002, p. 15). Uma vez que a casa do time de projeto passa a ser o PMO, fica facilitada a centralização dos conhecimentos adquiridos ao longo dos projetos. É relevante que sejam documentadas as melhores práticas adotadas em um projeto específico, para utilização em projetos futuros. Assim, verifica-se que a interação entre as duas disciplinas, Gestão do Conhecimento e Gestão de Projetos, tem pontos em comum, pois os projetos são grandes repositórios de conhecimentos. Porém, as empresas, na maioria das vezes, não estão preocupadas ou mesmo são incapazes de converter o conhecimento individual dos seus colaboradores em conhecimento organizacional. Neste sentido, ambas as disciplinas objetivam que as organizações lidem melhor com questões como mudança, inovação, aprendizagem, competitividade (SATO; DERGINT, 2003, p. 2). 2. Gestão do Conhecimento DAVENPORT (1998), utiliza a expressão: explosão do conhecimento para expressar esta preocupação acelerada em gerir o conhecimento nas organizações. Este

3 interesse pelo conhecimento no âmbito das organizações confirma-se através de inúmeras conferências e centenas de artigos em publicações acadêmicas e de negócios que procuram alcançar alguma compreensão desse tema nebuloso, pois há uma progressiva convicção de que entender o conhecimento é fundamental para o sucesso das empresas e talvez para a sobrevivência das organizações. O levantamento sobre gestão do conhecimento realizado em 423 organizações da Europa e EUA pela consultoria KPMG (2000) apud SATO (2001) revela que 81% das organizações possui, está implementando ou considerando a implantação de um sistema de Gestão do Conhecimento. As empresas que já desenvolvem práticas de Gestão do Conhecimento, de acordo com o respectivo levantamento, apresentam benefícios no processo de decisão (71%), diminuição no tempo gasto de resposta (68%) e melhor atendimento do cliente (64%). Assim, o que é relativamente recente, é o reconhecimento de que o conhecimento é um recurso que precisa ser gerenciado (TEIXEIRA FILHO, 2000, p. 12). A gestão do conhecimento também chamada por alguns autores de gestão do capital intelectual, está entre os temas mais discutidos atualmente. Sua importância não é uma descoberta nova, pois ao longo da história mundial sempre foram destaque os homens que se encontravam na vanguarda do conhecimento, não sendo desconhecido o fato de que, possuindo conhecimento, mais facilmente poder-se-ia triunfar e sobressair perante os demais. Por que, então, os empresários, consultores e acadêmicos cada vez mais vêm falando do conhecimento como o principal ativo das organizações, e da necessidade de compartilhá-lo como a grande chave para vantagens competitivas e sucesso empresarial? (ZABOT; SILVA, 2002, p. 13) Cada vez mais as empresas estão diferenciando-se por aquilo que fazem de melhor. O principal fator determinante para esta diferenciação está nos conhecimento que detém. Segundo o GARTNER GROUP (1999) apud GATTONI (2000, p. 34), Gestão do Conhecimento é a disciplina para desenvolvimento de métodos integrados para identificar, capturar, recuperar, compartilhar e avaliar os ativos de conhecimento de uma organização. Segundo NONAKA e TAKEUCHI (1997, p. xii), a Gestão do Conhecimento nas empresas, caracteriza-se pela capacidade de uma empresa de criar conhecimento como um ativo corporativo e entender a necessidade de administrá-lo e cercá-lo do mesmo cuidado dedicado à obtenção de outros ativos tangíveis. Observa-se que o conhecimento assume caráter fundamental no processo de inovação, logo aquelas organizações que estão orientadas a garantir maiores níveis de

4 competitividade podem buscar o fomento do desenvolvimento do conhecimento/inovação através da implantação da Gestão do Conhecimento. O desafio das organizações é converter o conhecimento de seus colaboradores em conhecimento organizacional, todavia não há uma receita pronta de como gerir o conhecimento para todas as organizações. Para SVEIBY (1997), Gestão do Conhecimento é o nome dado ao conjunto de práticas que visam à manutenção do conhecimento nas Organizações. Segundo MURRAY (1996), Gestão do Conhecimento é uma estratégia que transforma bens intelectuais da organização informações registradas e o talento dos seus membros em maior produtividade, novos valores e aumento da competitividade. Resumidamente podemos definir Gestão do Conhecimento, como a capacidade que uma empresa tem de criar conhecimento, disseminá-lo na organização e incorporálo a produtos, serviços e sistemas (NONAKA e TAKEUCHI, 1997, p. xii). As técnicas e ferramentas para administrar os fatores clássicos de produção (mão-de-obra, capital e terras) foram progressivamente refinadas, mas não se fez nenhum progresso na criação de ferramentas profissionais para administrar ativos de conhecimento. Como resultado as empresas fazem pouco uso de seus recursos intelectuais (PROBST, 2002). Citado por STRAUHS, GILL (1998) identifica a Gestão do Conhecimento e seus respectivos mecanismos como uma prática que promove uma abordagem integrada para identificar, capturar, recuperar, compartilhar e avaliar o capital de informação de uma organização. Estes ativos de informação incluem base de dados, documentos, políticas, procedimentos, tais como a experiência tácita não capturada e a experiência armazenada na cabeça de cada um dos membros da organização. No quadro 1.0, observa-se várias atividades comuns em Gestão do Conhecimento, de acordo com pesquisa realizada com várias empresas em todo o mundo.

5 Quadro 1.0 Atividades Comuns em Gestão do Conhecimento C ria ção d e eq u ip es v o ltad as a d esen vo lv er m éto d o s d e G C C o m p a rtilh a m en to d e m elh o res p ráticas, v ia utilização d e b ase d e d ad o s, interação e evento s D esenv o lvim en to d e b ases d e d ad o s e d e co nhecim en to, via reg istro d as m elh o res p rá tica s e d e d iretó rio s d e esp ecia lista s C riação d e cen tro s d e con h ecim en to, p ara o d esen vo lv im ento d e habilid ad es na área d e G C U tilização d e tecn o lo gias colaborativas, co m o in tra n ets e g ro u p w a res E q uip es d e capital intelectual, vo ltados a id en tifica r e a u d ita r b en s in ta n g ív eis, tais com o o conhecim ento. Fonte: elaborado pelo autor com base CARVALHO (2000, p.37) apud SKYRME (1997). quais sejam: Algumas das principais práticas de GC são relatadas por Teixeira Filho (2000), Memória organizacional: objetiva manter disponível acervo de conhecimentos da organização; Gestão de Processos: mapear/ reavaliar processos internos da organização; Comunicação Intraempresarial: facilitar a comunicação de conhecimentos na organização, interferindo na infra-estrutura ou até mesmo na cultura organizacional; E-business: aproveitar as oportunidades através de um contato mais direto entre clientes e fornecedores; Inteligência Competitiva: processos e ferramentas para monitoração do mercado, fortalecendo o processo de inovação e decisão; E-learning: aprendizado via recursos em web; Comunidades de prática: segundo WENGER (1998) diferenciam-se por: tratar do compartilhamento de conhecimentos e experiências de interesse comum dos seus membros, com comprometimento mútuo e desenvolvimento de novas habilidades a partir dos conhecimentos compartilhados. Portais corporativos: segundo TERRA (2002), possibilita a disponibilização sem restrições desde dados, informações, pessoas, parceiros, clientes e conhecimentos; dentro e fora da organização. Mapas de conhecimento: identificam os conhecimentos, principalmente de pessoas, na organização de uma forma estruturada. Também são conhecidos como páginas amarelas.

6 Benchmarking: comparar o desempenho da organização com o desempenho da melhor organização na sua área de atuação, objetivando melhorar o desempenho da organização. No mercado há disponível alguns produtos para tratar do conhecimento nas organizações. Entre essas, o GARTENER GROUP (1998) destaca: filtragem colaborativa, modelagem semântica, memória passiva de grupo, extração de conteúdo, groupware (Lotus Notes e o Netscape Collabra Share ); Sistemas distribuídos e de hipertexto aberto; gestão de documentos (on line), sistemas de informação geográficos, intranets, balcão de ajuda (Help Desk Technology), entre outros. Cabe enfatizar que o uso de ferramentas/técnicas não tem valor em organizações onde a inexiste a cultura de compartilhamento do conhecimento ou os funcionários busquem apenas a valorização do seu capital intelectual e não o da equipe ou da organização. Segundo Peter Drucker, 2000: Cada vez mais o desempenho nesses novos setores baseados em conhecimento dependerá de gerenciar para atrair, manter e motivar os trabalhadores do conhecimento. Isso terá de ser feito de algum modo: satisfazendo seus valores, dando-lhes reconhecimento social e poder. Isso terá de ser feito pela transformação de subordinados em colegas executivos e de empregados, por mais bem pagos que sejam, em sócios. O Conhecimento assumiu uma definição clássica quanto a sua forma, por NONAKA e TAKEUCHI (1997), que o classificaram como: explícito e tácito. Entende-se por conhecimento explícito aquele que pode ser articulado na linguagem formal, inclusive através de afirmações gramaticais, expressões matemáticas, especificações, manuais e assim por diante. Já o conhecimento tácito é o conhecimento pessoal incorporado à experiência individual e envolve fatores intangíveis como, por exemplo, crenças pessoais, perspectivas e sistemas de valor. A distinção entre conhecimento tácito e conhecimento explícito estabelecida por Michael Polanyi (1996) apud NONAKA e TAKEUCHI (1997) o conhecimento tácito é pessoal, específico ao contexto e difícil de ser formulado e comunicado. Já o conhecimento explícito, ou codificado refere-se ao conhecimento transmissível em linguagem formal e sistemática. Ainda Polany observa que os seres humanos adquirem conhecimentos criando e organizando ativamente suas próprias experiências. A Tabela 01 apresenta as principais características de diferenciação entre os tipos de Conhecimento: tácito e explícito.

7 Tabela 01 Tipos de Conhecimento Conhecimento Tácito (Subjetivo) Conhecimento da experiência (corpo) Conhecimento Simultâneo (aqui e agora) Conhecimento análogo (aqui e agora) Fonte: NONAKA e TAKEUCHI (1997) Conhecimento Explícito (Objetivo) Conhecimento da racionalidade (mente) Conhecimento seqüencial (lá e então) Conhecimento digital (teoria) Conhecimento tácito não deve ser buscado somente no âmbito do indivíduo. A organização de suas rotinas específicas, suas normas de conduta, códigos de informação, etc. pode ser considerada como unidade que detém conhecimentos, em grande parte de natureza tácita. Gerentes devem incentivar a codificação do conhecimento que constitui a organização para, por exemplo, torná-las menos vulnerável ao risco de funcionários-chave abandonarem. Os exemplos clássicos de conhecimento tácito constante na literatura são tipicamente habilidades práticas de indivíduos (como andar de bicicleta, escalar, etc.) que não podem ser tornadas explícitas e que não podem ser transmitidas, por exemplo, por telecomunicações de redes. Contudo vale ressaltar que existem outros tipos de conhecimento tácito que estão mais no centro das dinâmicas econômicas. Gerentes usam experiências com base no conhecimento tácito ao tomarem decisões complexas e cientistas menos experientes não seriam capazes de fazer (LUNDVALL, 2000). É preciso valorizar na empresa tanto os conhecimentos explícitos como aqueles intrínsecos a cada colaborador da instituição, normalmente que advém da prática. O conhecimento tácito das pessoas dependerá do processo de interação, fundamental para a transferência do conhecimento, tanto do indivíduo como no âmbito da organização. É preciso gerenciar o conhecimento presente nas organizações, tanto os de nível explicito como aqueles implícitos tácitos pois, o conhecimento é perdido e os erros do passado se repetem (KERZNER, 2002, p. 52). As organizações podem orientar-se a partir da gestão das melhores práticas e proporcionar abertura para as eventuais inovações identificadas pelos seus colaboradores. 3. Gestão de Projetos via Escritório de Projetos

8 O gerenciamento de projetos é essencial para as empresas, pois é uma arma competitiva que representa níveis crescentes de qualidade e agrega valor aos interesses dos clientes (KERZNER, 2002, p. 15). Segundo o PMI Project Management Institute (1996, p. 04): Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto ou serviço único. Temporário significa que todo projeto tem um início e um término bem definidos. Único significa que o produto ou serviço distingue-se substancialmente de todos os produtos e serviços. Indivíduos e organizações que solucionam conjuntamente problemas, ao final de um projeto específico, terão partilhado o conhecimento original do parceiro, do mesmo modo como terão partilhado o novo conhecimento tácito gerado em conjunto e implica, naturalmente, que o contexto social é importante para esse tipo de aprendizado (LUNDVALL, 2000). Segundo VIEIRA (2003) apud relatório CHAOS (2001), a pesquisa realizada pela consultoria The Standish Group com cerca de projetos de aplicações de Tecnologia da Informação em grandes empresas norte-americanas apresenta o 1º cenário mostra uma realidade de 1994, onde foram observadas as seguintes conclusões: - Somente 16% dos projetos foram entregues no tempo, custo e dento das especificações previstas; - 31% dos projetos foram cancelados ou faliram antes de serem completados; - Os projetos excedem cerca de 189% do seu orçamento original e 222% de seu prazo inicialmente previsto; O segundo cenário, resultante do relatório CHAOS de 2001, mostra a evolução do quadro anteriormente mencionado, conforme conclusões abaixo: - O percentual de projetos entregues dentro do tempo, custo e especificações previstos subiu para 28%; - O percentual de projetos cancelados ou falidos antes de serem contemplados caiu para 23%; - A extrapolação de orçamento caiu para 45% e a de prazo caiu para 63%. A pesquisa revela que o gerenciamento de projetos eleva o nível de sucesso dos projetos. A maioria das pessoas que hoje trabalha em empresas está envolvida em projetos. Hoje, temos uma inequívoca tendência a definir nossas ações em termos de

9 projetos, com início e fim delimitados, aliás, cada vez mais próximos um do outro (TEIXEIRA FILHO, 2000). Cada mudança é um projeto (PRADO, 2000, p.15). Um dos aspectos organizacionais de gerenciamento de projetos que vem recebendo muita atenção ultimamente é o Escritório de Projetos, ou como também é conhecido do termo em inglês: Project Office (PRADO, 2000). Em alguns segmentos da indústria, como por exemplo, informática, o Escritório de Projetos tem crescido enormemente, pois simplifica, facilita e otimiza a Gestão de Projetos a um custo muito baixo. Ele tem se mostrado muito útil em organizações que gerenciam muitos projetos simultaneamente, aliviando o trabalho dos gerentes dos gerentes de projetos ao compartilhar a execução das tarefas de planejamento e acompanhamento. Assim os gerentes de projetos dispõem de mais tempo para fazer as coisas acontecerem, acompanhando o desenvolvimento do produto, interagindo com clientes, liderando suas equipes, etc. (PRADO, 2000). Mas enfim, o que é o Escritório de Projetos (PMO Project Management Office)? Segundo DINSMORE (2003, p. 7) o PMO apresenta como objetivo básico orientar e dar suporte aos gerentes de projetos permitindo à empresa desenvolver seus projetos da forma mais eficiente e eficaz possível. Normalmente, podemos obter diversas definições de Escritório de Projetos, mas o principal é que, de alguma forma, eles são construídos para servir às necessidades de gestão de projetos da organização. Algumas de suas funções normalmente desempenhadas são: suporte ao projeto, treinamento, consultoria, gerenciamento de recursos, implementação de metodologia e padronização de processos (QUELHAS; BARCAUI, 2004). Existem várias formas de um PMO se estabelecer em uma empresa, desde o estabelecimento de um departamento próprio, através de um grupo de pessoas de departamentos quaisquer que estejam envolvidos em um projeto específico ou até mesmo por um ambiente em rede portal virtual para apoiar projetos com equipes espalhadas geograficamente (DINSMORE (2003). Ainda segundo Dinsmore, é importante destacar que para a implantação de um PMO é necessária a definição de um papel claro do PMO e o apoio da alta administração. Há uma variedade de responsabilidades que um escritório de projetos pode assumir, os quais podem lhe render diversas denominações, conforme segue (VERZUH, 2000):

10 - Centro de Excelência: o propósito é o de manter os padrões de gestão de projeto e promover sua utilização em uma organização. Os membros da equipe não exercem papel direto na tomada de decisões do projeto. Sua autoridade vem quase que completamente de seu conhecimento de gestão de projeto (p. 345). - Escritório de apoio a projetos (EAP): além de manter os padrões e práticas de Gestão de Projetos, o EAP apóia ativamente a variedade de projetos. - Escritório de Gestão de Projetos (EGP): a principal diferença com relação ao EAP é que irá fornecer gerente de projetos para os projetos da organização toda. Como ele é povoado pelos gerentes de projeto, o EGP tem a capacidade de impor padrões de gestão de projetos (p.347). Eles não são responsáveis pelo sucesso ou fracasso do projeto. Essa responsabilidade fica nas mãos da organização para a qual o gerente de projeto foi emprestado. - Escritório de gerenciamento de programa: Os programas são séries de projetos relacionados entre si (p.347). A principal diferença é que os programas são tão grandes e de duração longa que eles desenvolvem operações continuas dentro deles. O papel do escritório de gerenciamento de programas é fornecer o conhecimento técnico de todo o programa, vinculando assim todos os projetos em conjunto.o escritório de gerenciamento do programa tem uma vida útil ele será desmontado quando o programa acabar. - Escritório responsável pelo projeto: é a mais antiga e o mais radical dos modelos de escritório de projetos. É responsável por toda a responsabilidade por alcançar os objetivos de qualidade, custo e cronograma dos projetos que gerencia. Na Tabela 2.0 são apresentadas as principais formas de Escritório de Projetos, com suas respectivas responsabilidades.

11 Tabela Formatos e Responsabilidades do Escritório do Projeto Baixa Fonte: VERZUCH (2003, p. 346 Tabela 12.2). Legenda Responsabilidade Integral Responsabilidade Parcial Espaço em branco: sem responsabilidade Outro novo formato que o PMO está assumindo é o virtual. O Virtual PMO funciona sem um espaço pré-definido para o trabalho. Permite ao time o trabalho distribuído, porém com resultados integrados. Tem como alicerce uma forte infraestrutura de tecnologia e informática. Tem por objetivo ser um centro de apoio ao time, oferecer um ambiente de discussões entre o time o e cliente. Representar o repositório de informações o projeto; permitir o trabalho fisicamente distribuído (VARGAS, 2002). No Quadro 2.0, pode-se verificar as principais diferenças entre um PMO Tradicional e um PMO Virtual. Autoridade para influenciar os formatos dos projetos do Escritório de Projetos Responsabilidade Centro de Escritório Escritório Escritório de Excelência de suporte de gestão gerenciamento de projeto de projeto de programa Manter padrões Organizar treinamento Servir de mentor e prestar consultoria Análise do orçamento e cronograma Informações sobre o projeto empresarial Tomar decisões na gestão do projeto Supervisionar os gerentes do projeto Cumprir objetivos do projeto Crescimento na carreira dos gerentes de projeto Fornecer gerentes de projeto para a organização Participar no gerenciamento do cadastro do projeto Alta Escritório de contabilidade do projeto

12 Quadro 2.0 PMO Tradicional versus PMO Virtual Tradicional Virtual Recursos colocados Recursos distribuídos, conectados tecnicamente Trabalho serial e seqüencial Trabalho paralelo e caótico Discussões face a face Discussões eletronicamente controladas Troca de papel Troca de documentos eletrônicos Informação distribuída Informação globalizada Armazenamento local de informações Armazenamento global de informações Baseado em poder Baseado em resultado e confiança Presença marcante da hierarquia Local físico é indispensável Normalmente restrita a esfera da companhia Fonte: VARGAS 2002 Menos hierárquica e mais trabalho em rede Meio de comunicação e tecnologia é indispensável Permite contemplar outras empresas e elementos de cadeia. As empresas que integram um PMO às práticas de gerenciamento de projetos devem atentar pela necessidade que tal implantação requer (VARGAS, 2002): - Nova cultura de trabalho; - Ambiente voltado para a responsabilidade e comprometimento; - Menos poder e hierarquia; - Mais flexibilidade; - Administração por resultado; - Competitividade é um condutor do negócio; - Baseada na confiança mútua da equipe; - Encontra dificuldades e resistência em organizações funcionais e matriciais leves. Como contrapartida dessas exigências, ainda segundo PRADO 2002, podemos destacar os seguintes benefícios: - Redução do custo de controle em projetos distribuídos; - Velocidade ao processo decisório; - Permite o gerenciamento e acúmulo de conhecimento; - Permite o trabalho em ambientes mais complexos que o modelo tradicional, uma vez que a diversidade geográfica e a disponibilidade do recurso atuam como obstáculos ao trabalho.

13 Para VERZUH (2003, p. 345) como qualquer outra boa idéia, o conceito do Escritório de Projeto talvez seja implementado de várias maneiras. Os dois fatores que dirigem um Escritório Projetos são as responsabilidades e a autoridade. Uma realidade inegável do comportamento organizacional é a entropia; isso significa que, se largados à própria sorte, as políticas e processos irão se decompor e voltar ao seu estado natural. O que acontece em seguida é que, se ninguém estiver responsável pelas práticas de gestão de projetos, incluindo o gerenciamento da carteira, toda idéia a provavelmente irá se esvaecer e terminará com mais um modismo passageiro da gerencia. O último componente da organização de um projeto, por isso, mesmo, estabelece a responsabilidade pelo apoio contínuo dos padrões, práticas e sistemas de informação que definem a gestão de projeto da organização (VERZUH, 2003, p. 344). Uma característica interessante é que a maioria dos PMOs é montada somente quando as empresas não suportam mais perder dinheiro com seus projetos. A expectativa é que o PMO deva ser uma espécie de Messias ou Salvador de Projetos e organizador do desconforto da empresas no que diz respeito à Gestão de Projetos. O sucesso relacionado ao Escritório de Gestão de Projetos depende não somente da equipe que o representa como também do poder da equipe executiva da empresa e de seus principais clientes: os gerentes de projetos (QUELHAS; BARCAUI, 2004). 4. Conclusão De uma forma geral, foram abordados os conceitos básicos da importância tanto da Gestão do Conhecimento como da Gestão de Projetos, via PMO, nas organizações. Considerando que o conhecimento é um novo recurso a ser gerenciado e que a Gestão do Conhecimento é a disciplina que desenvolve métodos integrados para capturar, recuperar, compartilhar e avaliar os conhecimentos de uma organização, o desafio das organizações está em converter o conhecimento de seus colaboradores em conhecimento organizacional. A Gestão do Conhecimento aplica ferramentas tais como memória organizacional, portais corporativos, mapas de conhecimento, comunidades de prática. As organizações que administram muitos projetos simultaneamente tem benefícios na adoção de um PMO, pois simplificam e otimizam a Gestão dos Projetos através de práticas como suporte, treinamento, padronização, implementação e controle de aderência à metodologia de gerenciamento de projetos, entre outras.

14 Contudo, não identifica-se na prática uma aproximação entre essas duas disciplinas, Gestão do Conhecimento e Gestão de Projetos. Neste trabalho apresentou-se os principais benefícios que um PMO pode garantir a uma organização orientada a projetos, pois é o local onde há um acúmulo de conhecimento, o ambiente é voltado ao trabalho em equipe, com alto nível de responsabilidade e comprometimento. O PMO soma-se as práticas de Gestão do Conhecimento, na medida em que pode possibilitar a conversão do conhecimento dos colaboradores dos projetos em conhecimento organizacional, capaz de possibilitar ganhos com a utilização de melhores práticas em projetos futuros, ou simplesmente re-utilização de conhecimentos disponíveis. Assim, o PMO tem a missão de difundir conhecimentos de Gestão de Projetos em toda a organização (PRADO, 2000). 5. Referências Bibliográficas DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, DINSMORE, Paul C. Como se tornar um profissional em gerenciamento de projetos: livro base de Preparação para Certificação PMP - Project Management Professional. Rio de Janeiro: Ed. Qualitymark, DRUCKER, Peter Ferdinand. Sociedade pós-capitalista; (tradução de Nivaldo Montingelli Jr.) São Paulo: Pioneira; São Paulo Publifolha, GATTONI, Roberto L. C. Gestão do Conhecimento organizacional na condução de projetos corporativos em tecnologia da informação um caso prático. Belo Horizonte: Escola de Ciência da Informação da UFMG, p. (Dissertação, Mestrado em Informação Gerencial Tecnológica). KERZNER, Harold. Gestão de Projetos As Melhores Práticas. Porto Alegre: Bookman, KERZNER, Harold. Strategic Planning for a Project Office. Project Management Jornal: The professional Journal of the Project Management Institute, USA, v. 34, n.2, p (2003). LUNDVALL, Bengt-Ake. Políticas de inovação na era da economia do aprendizado. Revista Parcerias Estratégicas, nº 10, março de 2001; Ministério da Ciência e Tecnologia. NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de Conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1997.

15 PRADO, Darci. Gerenciamento de projetos nas Organizações. Editora de Desenvolvimento Gerencial, MG (2000). PROBST, Gilbert; RAUB, Steffen e ROMHARDT, Kai; trad. Maria Adelaide Carpigiani. Gestão do Conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman, QUELHAS, Osvaldo; BARCAUI, André. O Escritório de Projetos: Uma Visão Geral. Revista Brasileira de Gerenciamento de projetos, Vol. 02, nº 01, maio SATO, Carlos; DERGINT, Dario. A utilização do Escritório de Projetos como elemento integrador entre a Gestão do Conhecimento e a Gestão de Projetos nas organizações. Anais do KM SATO, Gilson Y. Recomendações para Gestão do Conhecimento aplicados na integração de estagiários novatos em uma estrutura de equipes multifuncionais. Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Tecnologia (PPGTE), CEFET-PR, Dezembro, TEIXEIRA FILHO, Jaime. Gerenciando conhecimento: como a empresa pode usar a memória organizacional e a inteligência competitiva no desenvolvimento de negócios. Rio de Janeiro: Ed. SENAC, TERRA, José C.C. Gestão do Conhecimento e E-learning na prática / organizador. Rio de Janeiro: Elsevier, VARGAS, Ricardo V. Virtual Project Management Office: rompendo as barreiras geográficas em projetos. Disponível em Consulta em 01/09/2004. VERZUH, Eric. MBA compacto, gestão de projetos. Tradução de André de L. Cardoso. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual

Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual Autor : Eduardo Newton Oliveira Vieira, PMP Você já parou para pensar no número de mudanças (culturais, tecnológicas,

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

PMI Project Management Institute

PMI Project Management Institute PMP - Project Management Professional desde 1998 Presidente do Project Management Institute RS 00/04 Coordenador Latino-Americano do PMI-ISSIG por Projetos na Abordagem PMI Vice-Presidente da SUCESU-RS

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa Gerência de Pesquisa e Pós-graduação Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção Ponta Grossa 2008 SISTEMA

Leia mais

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 149 26/07/2015 Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos João Lucas Nunes de Souza Analista

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Breve Currículo do Palestrante Filme Ilustrativo O Veleiro Objetivos do Tema : Projeto e Gestão Teoria x Prática de Gestão

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Hugo José Ribeiro Junior (UNIFEI) hugojrr@ibest.com.br Carlos Eduardo Sanches da Silva (UNIFEI) sanches@unifei.edu.br

Hugo José Ribeiro Junior (UNIFEI) hugojrr@ibest.com.br Carlos Eduardo Sanches da Silva (UNIFEI) sanches@unifei.edu.br Contribuições da metodologia project management body of knowledge (PMBoK) de gestão de projetos a gestão do conhecimento adaptada ao ambiente de incubadoras de empresas Estudo de caso INCIT. Hugo José

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

O GUIA PMBOK COMO REFERÊNCIA EM GERÊNCIAMENTO DE PROJETOS RESUMO

O GUIA PMBOK COMO REFERÊNCIA EM GERÊNCIAMENTO DE PROJETOS RESUMO O GUIA PMBOK COMO REFERÊNCIA EM GERÊNCIAMENTO DE PROJETOS RESUMO O objetivo deste artigo é definir o conceito de projetos, assim como as características e atribuições do gerente de projetos e apresentar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

O Papel do Escritório de Gerenciamento de Projetos na Disseminação do Conhecimento Organizacional

O Papel do Escritório de Gerenciamento de Projetos na Disseminação do Conhecimento Organizacional O Papel do Escritório de Gerenciamento de Projetos na Disseminação do Conhecimento Organizacional Dalton Chaves Vilela Junior (FUCAPI/CESF) dalton.vilela@fucapi.br Cinthia da Cunha Mendes (FUCAPI/CESF)

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado do Ceará GESTÃO DO CONHECIMENTO ARNOUDO ALVES, MsC ETICE Empresa de Tecnologia da Informação do Estado / SEPLAG DAE Departamento de Arquitetura e Engenharia

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES CDD: 658.022 A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES Danillo Leal Belmonte 1*, Luciano Scandelari 2, Antonio

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA Gerenciamento de Projetos de TI Alércio Bressano, MBA Os projetos possuem em seu código genético o fracasso! Eles nasceram para dar errado! Nós é que temos a responsabilidade de conduzí-los ao sucesso!

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

Projetos: Terminologia e Aplicações

Projetos: Terminologia e Aplicações Capítulo 1 Projetos: Terminologia e Aplicações A profissionalização da área de Gerenciamento de Projetos é cada vez maior, não somente no Brasil, mas de modo universal. Tal fato é evidenciado observando-se

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO EM PROJETOS DE INOVAÇÃO COM FOCO NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA NO CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA. Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto Brasília, 26 de Agosto de 2014 Sumário APRESENTAÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ESTUDO

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento Como e por que aumentar a Potência de Aprendizagem nas organizações. Filipe M. Cassapo, Gerente de TI, SIEMENS, Filipe@siemens.com Competição e ciclos

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Estabelecendo um Escritório de Projetos

Estabelecendo um Escritório de Projetos Estabelecendo um Escritório de Projetos Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP ricardo.vargas@macrosolutions.com.br Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP Ricardo Vargas é especialista em gerenciamento

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Escritório de Projetos: Uma Visão Geral

Escritório de Projetos: Uma Visão Geral Escritório de Projetos: Uma Visão Geral Prof. Osvaldo QUELHAS, D.Sc. Mestrado em Sistemas de Gestão /Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente/UFF R. Passo da Pátria, 156/329-A, Caixa

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade

Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade ANTONIO MENDES DA SILVA FILHO * "We cannot solve our problems with the same thinking we used when we created them." Albert

Leia mais

Por que gerenciar comunicação nos projetos?

Por que gerenciar comunicação nos projetos? Por que gerenciar comunicação nos projetos? Rogério Magno Pires Rezende Engenheiro Mecânico, Gerente de orçamento, MIP Engenharia SA e pósgraduado em Gestão de Projetos pelo Ietec. Gerenciar comunicação

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais.

Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais. Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais. Nivalde J. Castro e Fernando L. Goldman Furnas Centrais Elétricas S.A. Palavras chave: conhecimento,

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O MODELO PRADO-MMGP V4

O MODELO PRADO-MMGP V4 O MODELO PRADO-MMGP V4 Existem, atualmente, diversos modelos de maturidade para gerenciamento de projetos. Todos eles apresentam cinco níveis, mas diferem um pouco no conteúdo de cada nível [1,4,5]. Além

Leia mais

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2014 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Prof.º André Bittencourt do Valle 2. FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado,

Leia mais

O objetivo empresarial das organizações modernas é atingir excelência operacional no uso de seus recursos estratégicos: pessoas e conhecimento.

O objetivo empresarial das organizações modernas é atingir excelência operacional no uso de seus recursos estratégicos: pessoas e conhecimento. A gestão do conhecimento nos escritórios de advocacia Lara Cristina de Alencar Selem (*) O objetivo empresarial das organizações modernas é atingir excelência operacional no uso de seus recursos estratégicos:

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais