FEDERALISMO E SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEDERALISMO E SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL"

Transcrição

1 FEDERALISMO E SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL Por BISMAEL B. MORAES, (Advogado, Mestre em Direito Processual pela USP, Professor Universitário, foi Presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo; é autor, dentre outros, dos livros Direito e Polícia Uma Introdução à Polícia Judiciária (Editora RT, SP, 1986), Prevenção Criminal ou Conivência com o Crime Uma Análise Brasileira (Editora RT, SP,2005) e Estado e Segurança diante do Direito (Editora RT, SP, 2008). Breves notas introdutórias O federalismo é uma forma de organização governamental em que, numa só nação, várias unidades federativas (ou Estados), embora constitucionalmente autônomas para fins de administração interna e para gestão dos interesses coletivos que lhes sejam atribuídos por lei, numa espécie de junção indissolúvel, constituem uma única entidade soberana, dotada de poderes sobre todo território nacional e independente para relações internacionais. Por exemplo, o Brasil é uma República Federativa e o federalismo brasileiro foi ampliado pelos seus legisladores constituintes, em atenção às aspirações de seu povo. Se o que deve ser buscado é um sistema integrado de segurança pública (portanto, estatal) que tenha por finalidade precípua a garantia da tranqüilidade coletiva, é imprescindível que o interesse da sociedade se sobreponha a eventuais interesses corporativos, políticos e econômicos. Mesmo porque não haverá sucesso na melhoria da segurança pública, se não houver a conjugação da família, da escola e da empresa com as instituições públicas, criando e mantendo, nacionalmente, uma cultura de prevenção social. Já está provado que, no quesito despesas, o mais temido pelos governantes -,estudiosos sérios brasileiros projetam que um real gasto com a prevenção bem feita evita o dispêndio de oito reais com a repressão veículos, armas, munições, combate, seguros, investigações, hospitais, previdência, justiça, condenações, presídios etc. As Constituições pós-2ª Grande Guerra Observe-se que Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 1946, trazia: Art. 1º - Os Estados Unidos do Brasil mantêm, sob o regime representativo, a Federação e a República. 1º - A União compreende, além dos Estados, o Distrito Federal. 1

2 A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada pela Emenda Constitucional nº 1, de (que alterava a Emenda à Constituição de ), dizia: Art. 1º - O Brasil é uma República Federativa constituída, sob o regime representativo, pela união indissolúvel dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios.(Esse texto foi mantido até a Emenda Constitucional nº 27, de ). Após mais de 20 anos de regime ditatorial e centralizador, e já respirando liberdades democráticas, nosso país restabeleceu os embates legislativos e, em 5 de outubro de 1988, a Assembléia Nacional Constituinte fez nascer a Constituição da República Federativa do Brasil, que estabelece: Art. 1º -A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos : a soberania, a cidadania, a dignidade de pessoa humana, os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. (O grifos acima são nossos). Aliás, em sua obra Direito Constitucional (Editora Forense, Rio, 1980, p.135), o Professor Paulo Bonavides, discorrendo sobre o Poder Constituinte, ensina ser ele o ato de uma sociedade estabelecendo os fundamentos de sua própria organização, e é, nesse caso, a soberania a serviço do sistema representativo, ou a caracterização diferente que a soberania toma, ao fazer-se dinâmica e criadora de instituições... Como se acham os Municípios? Dessa forma, com o trabalho dos representantes do povo, na Assembléia Constituinte de 1987/88, com a nova Consituição-Cidadã, o Brasil passou a ter a União (com soberania sobre tudo o que existe no território brasileiro terra, mar e espaço aéreo e independência diante de congêneres internacionais); os Estados (como unidades federativas autônomas internamente); os Municípios (novos entes políticos do federalismo brasileiro, com autonomia local); e o Distrito Federal (como Capital da República, com a chefia do governo da União). Salta aos olhos, no novo texto constitucional, a importância dos Municípios, não existentes nas Constituições anteriores como parte da união indissolúvel dos entes políticos do Estado brasileiro. Mesmo sendo comezinho a todos que ninguém nasce, cresce, vive e morre fora do Município, faz-se imperioso que seja aí onde as políticas públicas de interesse coletivo devem ser desenvolvidas, com melhor critério, em benefício do povo, este, elemento social que dá vida ao Estado. Portanto, inseridos no artigo 1º da nossa Lei Maior, 2

3 devendo sujeitar-se às normas por ela traçadas, no Título III Da Organização do Estado -, encontra-se o Capítulo IV Dos Municípios, dos artigos 29 e seguintes. A propósito, conforme artigo 30, compete aos Municípios, dentre outras incumbências, legislar sobre assuntos de interesse local e suplementar a legislação federal e a estadual no que couber. E como anda a Segurança Pública nos Municípios, alguns deles com população superior à de determinados Estados? Uma rasteira na segurança visando à obtenção de lucros Já tive a oportunidade de fazer uma pergunta intrigante: Até quando a imensa maioria do povo, anestesiada por processos envolventes, ficará dando vivas aos algozes, que prometem enganosamente segurança pública, como se policiais, criminosos e cidadãos pudessem ser transformados em cobaias da insegurança?. Observe-se, a propósito, que um sintoma de aspiração a cifras nasceu com a criação legal da vigilância privada, dando prerrogativas policiais aos empregados da segurança dos estabelecimentos de crédito, logo após a morte do Presidente-General Costa e Silva: pelo Decreto-Lei nº 1034, de , assinado pelo triunvirato formado pelos três Ministros Militares General Lira Tavares, do Exército; Almirante Augusto Rademaker, da Marinha; e o Brigadeiro Marcio de Souza, da Aeronáutica. Logo depois, com o Brasil sob a Presidência do General Garrastazu Médici, tendo o General-de-Brigada João Figueiredo (que fora, como coronel de cavalaria do Exército, Comandante-Geral da Força Pública de São Paulo) na Chefia da Casa Militar, e sendo o professor Alfredo Buzaid Ministro da Justiça, veio à tona o Decreto-Lei nº 1072, de , em prejuízo da segurança pública, fazendo desaparecer as Guardas Civis do Brasil, já existentes em 16 Estados, cujos integrantes (de 3ª e 4ª classes, correspondentes a soldados e cabos) tornaram-se Policiais Militares. Com isso, desapareceu das ruas a polícia preventiva uniformizada, historicamente, abrindo-se um grande filão para empresas privadas de segurança, com oficiais das Forças Armadas e das Polícias Militares, reformados, bem como Delegados federais e estaduais, aposentados e alguns até na ativa, na direção. O povo sabe disso? A indústria do policiamento privado No livro Policiamento Moderno (trad. Jacy Cardia, Edição Edusp, 2003, p.440), o professor Clifford Shearing, da Universidade de Toronto, no Canadá (portanto, de outra sociedade, de outro país, de colonização e costumes próprios, diferentes dos brasileiros), falando de policiamento privado (quando já ensinava o grande mestre Pontes de Miranda que policiar é ato de Estado e não de empresa particular), informa que estudos da Hallcrest Corporation (especializada nessa área) reconhece o seguinte: A percepção popular da segurança privada 3

4 como uma indústria que cresce rapidamente é apoiada, certamente, pelas análises das fontes disponíveis, e, no total, é um grande negócio: desde que o investigador individual e empresários de instalação de alarmes às companhias multinacionais. O contínuo desenvolvimento de produtos e inovações tecnológicas, o crime e o medo do crime, e a diminuição dos recursos públicos, vão contribuir para o crescimento dinâmico deste importante segmento da economia e para sustentálo.como para o bom entendedor, meia palavra basta, verifica-se que a violência e o crime, com a falta de segurança pública planejada e bem executada em favor da coletividade, são justificativa para o enriquecimento das empresas privadas de segurança, hoje utilizadas, por via de contratos rentáveis, até por órgãos dos governos federais, estaduais e municipais, embora todos tenham as suas polícias... Nada se parece mais com ignorância administrativa ou esperteza política, no interesse corporativo-partidário ou pessoal, sempre em prejuízo do erário e da coletividade, do que os Estados e Municípios, possuindo seus órgãos de segurança pública, realizarem contratos com empresas de vigilância para que cuidem de repartições e serviços estatais! É a prova cabal de que não se estudam a origem e a destinação do serviço policial como um bem do povo! E foram criadas as Guardas Municipais Como ninguém nasce, cresce, vive e morre foram do Município, sendo aí onde as políticas públicas devem ser bem aplicadas em benefício da coletividade, com a instituição da vigilância privada com prerrogativas policiais estabelecidas pelo triunvirato das Forças Armadas (DL-1034, de outubro de 1969) e, logo em seguida, fazendo desaparecerem as Guardas Civis do Brasil e militarizando seus integrantes (DL-1072, de dezembro de 1969), e sendo os policiais militares, em grande número (muitos à paisana), empregados no combate à subversão, o ex - Presidente da República e então Prefeito de São Paulo, Jânio Quadros, mesmo enfrentando vozes contrárias, criou, em 1986, a Guarda Civil Metropolitana GCM. No ano seguinte, a proposta das Guardas Municipais fez parte, entre 1987/1988, do texto da Constituição, que nasceu da Assembléia Nacional Constituinte, no art.144, 8º: Os Municípios poderão constituir guardas municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei. Já começou a guerra corporativa das polícias fardadas do Estados contra as Guardas Municipais. A pesquisa não mente. Observe-se que, em 1993 (cinco anos depois de promulgada a Constituição Federal), os 27 Comandantes-Gerais das PMs das unidades federativas do Brasil enviaram ao Congresso Nacional uma Proposta Consensual de Revisão Constitucional, para fins de segurança pública, sugerindo a retirada das Guardas Municipais do capítulo Da Segurança Pública da Constituição, chamando essas corporações policiais municipais de vigilância 4

5 patrimonial, para colocá-las no capítulo Dos Municípios da mesma Carta, e ainda pretendendo dar aos parlamentares federais definição de Constituição, poder de polícia, Polícia Militar, ordem pública, segurança pública, preservação da ordem pública, políciamento ostensivo, polícia ostensiva e defesa pública (E nada falam de prevenção criminal, sem a qual não há segurança pública).mesmo assim, por desconhecimento dos prefeitos e de seus assessores jurídicos, os Comandos ou as Coordenadorias das GMs, na imensa maioria dos Municípios, continuaram entregues oficiais das PMs, hoje militares stricto sensu dos Estados (pela Emenda Constitucional nº 18/98, do governo FHC), com a afirmação aberrante para o Direito de que as GMs não tinham poder de polícia, como se tal poder fosse exclusivo das Polícias Civil e Militar, e não um poder estatal, um poder público, de toda a Administração! Com isso, há um abalo permanente contra a autonomia dos Municípios, sejam eles de cinco mil habitantes ou de dez milhões, cujos prefeitos, autoridades máximas Executivo, não podem dar ordem sequer a um soldado (militar), tendo que se dirigir ao Sargento, ao Tenente, ao Capitão ou ao Coronel PM sobre qualquer problema de segurança pública em suas cidades, no interesse dos munícipes! No Direito brasileiro, temos que erradicar os hermeneutas corporativos os doutores do ouvi dizer, para que não ocorra de esquecerem até as normas jurídicas, na análise do que significam bens, serviços e instalações, constantes do 8º do art.144, pois todos que estudam o Direito a sério sabem que poderiam buscar no Código Civil de 1916, em seus arts. 65 e 66, ou deveriam ir ao atual Código Civil de 2002, em seus arts. 98 a 103, onde encontrariam a divisão dos bens públicos: bens de uso comum do povo rios, mares, estradas, ruas e praças; bens de uso especial edifícios ou terrenos destinados a serviço ou estabelecimento federal, estadual, municipal e dos Territórios; e bens dominicais patrimônio de pessoas jurídicas de direito público (da União, dos Estados, dos Municípios e Distrito Federal) objeto de direito pessoal ou real.(e muitos juristas, a serviço dos governantes, em regra, se esquecem disso, sempre em prejuízo do povo). Conivência com costumes arraigados Como o uso do cachimbo deixa a boca torta, a imensa maioria dos vícios policiais nasce do descaso ou do desconhecimento político e da conivência com os costumes arraigados, pela falta de interesse pelo estudo sobre o verdadeiro (não fantasioso ou romanesco) papel da Polícia na sociedade. Há, de fato, lapsos clamorosos praticados por governantes vaidosos ou abusados, que desejam uma organização policial a seu serviço ou ao de sua agremiação. O grande questionamento que todo governante sério deveria fazer a si mesmo é o seguinte: a Polícia, como órgão público que é, existe para a proteção do Estado, para a 5

6 garantia dela própria, corporativamente, ou para a proteção dos indivíduos na sociedade? A propósito, por vaidade ou interesses escusos, falta de estudo e de ponderação ante as reais necessidades coletivas de segurança, somados aos anestésicos dos meios de comunicação (que visam ao lucro), tornou-se moda a criação de tropas de elite, grupos de operações especiais, tropas de choque, forças-tarefa, grupos de operações estratégicas, núcleos de inteligência policial e tantas outras fantasias, que dão manchetes à imprensa, ascensão a cargos eletivos e promoções aos experts, mas não se traduzem em segurança social e na diminuição da violência e do crime! É bom que a própria universidade mantenha-se alerta e, assim, com a pesquisa e a discussão, aos poucos o joio separa-se do trigo, e todos descobrirão que os modelos e manuais estrangeiros, decorrentes de costumes e leis específicos de cada povo, não se aplicam a este país-continente chamado Brasil, que possui características próprias, incluindo a língua portuguesa.quando a universidade e suas cabeças pensantes puserem por terra o preconceito (que, em regra, ainda existe) e passarem a instigar todos a uma análise séria da Polícia à luz da ciência (que não mente), a sociedade toda será beneficiada com a segurança que atenda aos seus anseios. Controle dos órgãos de segurança pública A segurança pública, nos termos do art caput -, da Constituição Federal, é dever do Estado e responsabilidade de todos, sem a qual não há ambiente de harmonia para o crescimento social. Mas a responsabilidade de todos, sem a coordenação estatal (federal, estadual e municipal), por suas leis e seus órgãos, os bens maiores dos indivíduos (vida, liberdade, igualdade, segurança, propriedade) podem ser atingidos e até podem sucumbir. Aqui, todas as pessoas políticas devem se unir, ou melhor, se integrarem como mesmo propósito: União, Estados e Municípios, mais o Distrito Federal, são responsáveis pelo bem-estar coletivo, nos termos constitucionais e legais, e não podem atuar empiricamente, mas com base num sistema coeso, visando à segurança de toda a população, nas grandes e pequenas cidades, nas estradas e nos campos, nos montes e nos igarapés. É oportuno repetir o ensinamento do professor Dalmo de Abreu Dallari, que foi Titular de Teoria Geral do Estado, na Faculdade de Direito da USP, que assim se expressou: Existe um vício de aceitar que isso é assim: tudo que é federal é superior ao estadual, assim como o estadual é sempre superior ao municipal. Isso é essencialmente errado, porque na organização federativa não há hierarquia (cf. A Polícia à Luz do Direito, SP, Ed. RT, 1991, p.69). Ou melhor: no sistema federativo de governo democrático, o Presidente da República não manda no governador do Estado, nem este manda no prefeito do Município. A 6

7 atuação de cada um é balizada pela Constituição Federal, e não podem as Constituições do Estados e as Leis Orgânicas dos Municípios entrar em choque com as normas constitucionais federais. Esse controle social deve ser preventivo e democrático, e não ditatorial, pois é a sociedade que forma o Estado e não o contrário. Assim, o controle social (em que todos têm direitos e obrigações, que devem ser respeitados, para que haja harmonia total) é feito pelos órgãos estatais (lembre-se: estatal é tudo que é público federal, estadual ou municipal), dentro do que estabelecem as leis. No que tange à segurança pública, verifica-se que o Município (porque ninguém mora fora dele) é a pessoa política que mais necessita das atividades diuturnas dos órgãos policiais, porque a violência e o crime não marcam hora. Todavia, segurança pública não é matéria de competência apenas da Polícia (órgão de 3º escalão, sem independência), mas dever do Estado e responsabilidade de todos. Por outro lado, o chamado controle externo, quanto à regularidade e à legalidade dos atos praticados no exercício da segurança pública, deve ser realizado pelas autoridades constituídas de cada órgão, bem como pelas corregedorias dos Ministérios da União, das Secretarias de Estado e de Município, pelo Ministério Público e por todos os membros da sociedade, esta, que é destinatária do bom serviço público a lhe ser prestado. Tem havido, de algum tempo a esta parte, um movimento de conscientização para que os órgãos de segurança pública federais, estaduais e municipais tenham as suas atividades integradas, por meio de processos tecnológicos, a fim de que a sociedade melhor seja atendida, tenha seus pleitos solucionados com rapidez e possa usufruir daquilo para o que foi criado o Estado: servir aos indivíduos, independentemente de sua classe social, de sua cor, de seu sexo, de sua nacionalidade etc, e à coletividade como um todo. E isso é possível, se todo o povo quiser, porque o Brasil é uma federação democrática, nos termos de sua Constituição. Propostas da OAB para a segurança pública Embora os problemas de segurança pública não digam respeito apenas às atividades dos órgãos policiais, uma vez que englobam políticas públicas mais abrangentes e envolvem toda a estrutura social e todos os Poderes do Estado, como se verá, faz-se oportuno citar agora trechos da Proposta para uma nova política de segurança pública, apresentada pela Comissão de Direitos Humanos da OAB, Seção de São Paulo, composta por 16 membros, com 5 mulheres e 11 homens, sob a coordenação da doutora Maria Eugênia Raposo da Silva Telles e com a colaboração da professora Maria Victória de Mesquita Benevides, e que foi aprovada na XV Conferência Nacional do Conselho Federal da Ordem dos 7

8 Advogados do Brasil, realizada de 4 a 8 de setembro de 1994, em Foz do Iguaçu, no Paraná. O documento acima propunha a desmilitarização da polícia ostensiva e a municipalização da polícia preventivo-ostensiva, argumentando sobre o despreparo da Polícia Militar para atuar ao lado da população, porque a natureza do serviço policial é essencialmente civil, além de que a repressão à criminalidade comum se contaminou da filosofia de combate ao inimigo, em detrimento do exercício regular da função policial, justificando, ainda, que a existência de uma polícia militar, imune a mecanismos de controle social, representa a negação de todo o ideal republicano e democrático, sendo uma ameaça permanente aos direitos humanos, e finalizando por asseverar que a criminalidade de massa só se evita por meio de uma presença preventiva. E, na justificativa da proposta, argumentava que o dispositivo constitucional que atribui aos Municípios competência para legislar sobre assuntos de interesse local (art.30, I) não pode deixar de aplicar-se também à segurança pública, porque a experiência demonstra que a verdadeira polícia comunitária é a polícia municipal, dando como exemplo a antiga Guarda Civil de São Paulo, (extinta pela ditadura em 1969), criada em 1926, uniformizada e sujeita à disciplina e à hierarquia, mas sem quartéis, nos moldes da polícia inglesa, e que desempenhava as funções próprias da polícia preventivoostensiva patrulhamento das ruas, das escolas, do trânsito etc. O referido documento, publicado como Teses / XV Conferência Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, traz ainda proposta para Controle Externo da Atividade Policial, porque a população segue espremida entre a violência dos bandidos e a violência da polícia, fazendo-se necessário que se consolide a idéia de controle externo da polícia preventivo-ostensiva, que deve ser exercido por um conselho, composto majoritariamente por representantes de entidades da sociedade civil organizada, com competência para questões relativas à seleção e à formação do pessoal etc., acrescentando que, como a função do Estado é gerar bem-estar para todos, independentemente do dinheiro que cada um possui..., o controle externo do serviço passa a funcionar como um mecanismo para garantir serviços de boa qualidade. Ao final, a proposta da OAB / SP indicava nova redação ao art.144 da Constituição Federal, assim: Art.144 A segurança pública, dever exclusivo e indelegável do Estado, direito de todos e pela qual todos são responsáveis, é exercida para velar pela incolumidade das pessoas e pela preservação de seus direitos fundamentais. 1º - A polícia preventivo-ostensiva e o corpo de bombeiros, ambos de caráter civil, serão organizados pelos Municípios, isolados ou em consórcio, em carreiras únicas, sob controle de conselhos constituídos majoritariamente por 8

9 representantes de entidades da sociedade civil, na forma da lei. Cabe à União, aos Estados e ao Distrito Federal fazer tal controle, na defesa dos próprios públicos e interesses correspondentes. 2º - A polícia judiciária, dirigida por delegados de carreira, bacharéis em direito, será estruturada, em âmbito federal e estadual, por lei orgânica própria, permanecendo incumbida da apuração de autorias e responsabilidades, nos casos de infrações penais. E propunha, ainda, nas Disposições Constitucionais Transitórias, fossem acrescentadas, onde melhor coubessem, alguns dispositivos, dentre os quais: Art... Os atuais integrantes das polícias militares dos Estados poderão optar por sua transferência para as polícias preventivo-ostensivas civis, estaduais ou municipais, na forma da lei. E todo esse trabalho feito em 1994, que poderia ter sido talvez melhorado, foi por água abaixo, porque, já em 1996, a Mensagem de Emenda à Constituição assinada por 8 Ministros do Governo FHC ao Congresso Nacional, trazia a esdrúxula justificativa de que a Constituição não qualifica o Serviço Militar como serviço público, pois que a atividade militar transcende ao serviço público, e criticava que a atuação dos legisladores da Assembléia Constituinte de 1987/88, que deu vida à Constituição da República, dizendo que foi uma decisão equivocada qualificar os militares como servidores públicos militares, porque a situação do militar enquadrado como funcionário ou servidor público é prejudicial ao exercício de sua profissão... Dessa Mensagem do governo FHC nasceu a Emenda Constitucional nº 18/98, transformando os servidores militares e servidores policiais militares, respectivamente, em Militares das Forças Armadas e Militares dos Estados, ou seja, os integrantes do Exército, da Marinha e Aeronáutica, assim como os componentes das Polícias Militares dos Estados, constitucionalmente, não mais são servidores públicos, porém MILITARES STRICTO SENSU. (Nem os presidentes militares, na época centralizadora do Brasil ditatorial, ousaram tanta barbaridade jurídica!). Cada Estado brasileiro passou a ter, de fat, o seu Exército e, com isso, a Secretaria de Estado da Segurança passou a chefiar dois órgãos distintos, na formação, na legislação e no emprego: uma corporação Policial Militar, cujos integrantes não mais são servidores públicos, porém MILITARES por força constitucional, e uma instituição de Polícia Civil (que deveria chamar-se de Polícia Judiciária, como diz a história e como consta de todos os Códigos de Processo Penal do mundo), com autoridades e agentes, todos servidores públicos, regidos por Lei Orgânica e Estatuto dos Servidores Públicos Civis... (Perguntase: como fica a INTEGRAÇÃO entre militares e civis, com todas as implicações legais e de caserna, sem que haja prejuízo para a coletividade?). 9

10 Algumas sugestões de prevenção criminal Sabem os verdadeiros interessados nas questões de segurança pública que, basicamente, há três modos de prevenção: 1. prevenção primária, com base na educação e na socialização casa, trabalho, escola, bem-estar, qualidade de vida para neutralizar a possibilidade de crime, pelo bom entendimento da convivência pacífica da sociedade; 2. prevenção secundária, que envolve obediência aos mandamentos sociais e à lei penal, requerendo a ação policial, para evitar riscos e tudo que possa levar à pratica de infrações penais; e 3. prevenção terciária, objetivando evitar a reincidência no crime por aqueles que já foram condenados e cumpriram penas e que buscam equilíbrio fora do cárcere (embora sabendo-se que o preconceito social e falhas do próprio Estado contribuem para a reincidência). Cientes de que o Direito Penal tradicional, repressivo por excelência, só cuida dos fatos consumados, quando os prejuízos humanos e materiais já não têm volta, mostrando-se incapaz para diminuir a violência e o crime, devemos estudar e aplicar políticas públicas de prevenção criminal, para o que propomos que se institucionalizem, nacionalmente e com a mais ampla divulgação, as seguintes medidas: a) prevenção social: 1. na família, acompanhando e premiando as boas ações; 2. na escola, desmistificando os heróis violentos e valorizando o diálogo; 3. no trabalho, propondo cuidados recíprocos entre os indivíduos, em benefício de todos; 4. no lazer, freando os meios radicais e violentos, para preservar a vida; 5. nos meios de comunicação, passando mensagens construtivas, de modo a elevar o sentimento social; b) Prevenção legislativa: 1. aprovando leis de incentivo à prevenção individual e coletiva; 2. dando preferência, nos negócios com o Estado, às empresas que tenham projetos preventivos; 3. criando prêmios para as escolas, em todos os níveis, para sugestões anuais de alunos e professores sobre prevenção sem armas; 4. revendo leis federais, estaduais e municipais contrárias à prevenção, eliminando-as; 5. controlando as propostas de leis que não visem à prevenção ou que pretendam facilitar a repressão; c) Prevenção executiva; 1. com a realização de campanhas a favor da prevenção, para evitar os prejuízos do combate ao crime ; 2. ensinando ao povo, de modo didático e científico, a diferença entre polícia ostensiva e polícia preventiva, e os benefícios desta; 3. estabelecendo programas permanentes de prevenção contra a violência e o crime; 4. fiscalizando órgãos e agentes incumbidos da prevenção (pessoal e material); 5. dando preferência às estatísticas dos fatos evitados, e não aos apurados, apenas; 6. selecionando e promovendo, de preferência, o pessoal identificado e preocupado com a prevenção; 7. cobrando resultados da prevenção criminal 10

11 aos órgãos de segurança pública; 8. reciclando, constantemente, o ensino dos métodos preventivos e afastando autoridades e agentes que lhes sejam contrários; 9. mostrando as vantagens sociais e econômicas da prevenção e os prejuízos da repressão; 10. solicitando e facilitando a participação do povo na fiscalização das formas de prevenção; d) Prevenção judiciária: 1. possibilitando a aproximação do Juiz de Direito ao povo mais carente; 2. facilitando as adoções de menores, visando à segurança, à educação e ao bem-estar dos mesmos; 3. programando, de fato, visitas semanais do Juiz e do Promotor de Justiça das Varas da Infância e da Juventude aos recolhimentos de menores infratores; 4. realização, semanal e verdadeira, de visitas do Juiz da Execuções e do Promotor de Justiça dessas Varas aos condenados encarcerados; 5. comparecimento do Juiz Corregedor e do Promotor de Justiça, a qualquer dia ou hora, às unidades policiais (uniformizadas e de investigação), até acompanhados de autoridades corregedoras das respectivas corporações, para lhes dar apoio; 6. combrança do Ministério Público e do Juiz Corregedor, pelas vias administrativas mais rápidas, ao Chefe do Executivo fim de eventuais irregularidades encontradas em suas visitas aos órgãos estatais; 7. desburocratização dos órgãos judiciais, para evitar filas e atender rapidamente aos que recorrem ao Judiciário; 8. tornar mais fácil e ágil o acompanhamento da OAB nas tarefas de prevenção judiciária. Cabe, aqui e agora, uma triste constatação: a Lei de Execução Penal (Lei nº 7210, de ) já tem 25 anos e, durante todo esse tempo, no que tange a rebeliões em presídios, ante o tratamento desumano sofrido pelos encarcerados, levando a enfrentamentos e mortes de pessoas sob os cuidados do Estado (vide o massacre do Carandiru e tantos outros, no Brasil inteiro), somente carcereiros, guardas de presídio e agentes penitenciários, e muitos presos mortos e feridos, foram responsabilizados, com a perda dos cargos, com seqüelas para sempre e com a perda de vidas, mas ninguém ousou destacar que, na maioria dos casos, isso poderia ter sido evitado, caso não houvesse a negligência ou a falta da prevenção dos Juizes das Execuções e dos Promotores de Justiça: por força dessa lei federal, nos arts. 66, VIII, e 68, parágrafo único, a eles cabe visitar, mensalmente, os estabelecimentos penitenciários e verificar se existe algo errado, requisitando providências para corrigir as falhas e evitar sofrimentos, rebeliões e mortes. Se assim não agiram, indiretamente contribuíram, nesses 25 anos de omissões e falta de prevenção, para a perda de direitos e de vidas de agentes e pessoas anônimas! Basta raciocinar. 11

12 À guisa de conclusão Se a intenção dos legisladores é repensar uma policia ideal, efetivamente a serviço da coletividade, ela deverá ser uma instituição de carreira única, em que só haja uma porta de ingresso: mediante concurso público, todos devem começar por baixo, sendo testados nas primeiras atividades policiais e, dentro da organização pública policial, sendo aproveitados de acordo com sua maior aptidão: para tarefas de investigação, à paisana, realizando atos de Polícia Judiciária; para operações de rua ou de policiamento preventivo-ostensivo, uniformizados e identificados por todos. As promoções se dariam em concurso interno, entre os mais dedicados na defesa da sociedade e que não apresentassem irregularidades funcionais em seus assentamentos, fazendo-os os mais preparados para chefiar. Logo se vê que uma corporação policial assim seria o ideal para o Poder Público, para a sociedade e para os seus próprios integrantes, que poderiam ascender aos postos mais altos mediante concurso interno, como autoridades e agentes de polícia judiciária ou como oficiais e agentes de polícia preventiva. Mas, ao que parece, até este momento, uma polícia desse naipe só interessaria à coletividade, mas não às corporações existentes e a certos governantes... Do exposto, verificando-se que fora da prevenção, por todos os meios possíveis e imagináveis, não há segurança pública, e mesmo constatando-se que o Poder Público já falhou, quando uma infração penal ocorre, temos certeza de que a diminuição da violência e do crime tem remédio, se todos os órgãos públicos dos Três Poderes (Executivo, por todos os seus ministérios federais e todas as secretarias estaduais e municipais; o Legislativo, com todos os seus mecanismos parlamentares visando à prevenção; e Judiciário, por meio de mudanças contra a burocracia e em benefício social), bem como quando as empresas privadas, as famílias e as escolas também arregaçarem as mangas para aprender e exercitar a prevenção (que salva e é econômica), evitando as infrações penais, os danos físicos e morais, e as despesas com a insegurança, os tratamentos médicos e da previdência, além de falhas na máquina da persecução criminal e do sistema prisional, enfim dando um basta ao combate e à repressão, que são dispendiosos e funestos! (Se todos somos favoráveis à segurança pública e contra a violência e o crime, por que ainda não chegamos à realização dessa vontade coletiva?). 12

13 13

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. SEGURANÇA PÚBLICA Art. 144 CF Art.

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO PROJETO DE LEI Nº 7.311, DE 2002 (Apenso o Projeto de Lei nº 788, de 2003) Dispõe sobre a obrigatoriedade de presença

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF Curso de Cooperação Jurídica Internacional para membros e servidores da Procuradoria da República no Paraná 31

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ ot nojo ~ /20U Rio de Janeiro, 27 de setembro de ~OU. Do: Presidente da AMEIRJ. ;\0: ~xmo Sr. Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Assunto: Desvio de função. Esta Associação, considerando

Leia mais

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto I - INTRODUÇÃO: O presente artigo, está sendo escrito, imaginando

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo;

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo; RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 05/2012 CONSIDERANDO que, nos termos do art. 201, inciso VIII, da Lei nº 8.069/90, compete ao Ministério Público zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S P R A Z O S Processo/Procedimento Prazo Fundamento Comunicação Disciplinar 05 dias úteis art 56, parág 2º CEDM Entrada em vigor da Lei 14.310 45 dias artigo 98 CEDM Mudança de conceito cada ano sem punição

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL O QUE É DIREITO? O QUE É DIREITO FUNDAMENTAL? O QUE É SEGURANÇA? A? COMO GARANTIR O DIREITO À SEGURANÇA NUM ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO? MAPA

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES Armando Luís do Nascimento Universidade Federal de Pernambuco Pesquisador do Núcleo de Estudos

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 DISPÕE sobre a SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP, definindo suas finalidades, competências e estrutura organizacional, fixando o seu quadro de cargos

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2008 Nota Descritiva 2 2008 Câmara dos Deputados. Todos os direitos reservados. Este trabalho poderá ser reproduzido ou transmitido na íntegra,

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

CURSOS ON-LINE ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROFESSOR LEANDRO CADENAS

CURSOS ON-LINE ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROFESSOR LEANDRO CADENAS Caros alunos Este é o conteúdo do nosso rápido curso de Ética, voltado especialmente para o concurso de AFT. Inicia no dia 09/05/2006, encerrando dia 06/06/2006, num total de 5 aulas, sempre às terças,

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito do Idoso da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Maranhão 92. O Estatuto do Idoso, e suas alterações

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3431 RESOLUÇÃO N 3431 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Complementar Estadual n 85, de 27 de dezembro de 1999, tendo em vista o contido

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

PARECER. Por intermédio da indicação 129/2011, o Consócio Marcos Silas solicita

PARECER. Por intermédio da indicação 129/2011, o Consócio Marcos Silas solicita PARECER Bombeiros militares. Porte de Arma de Fogo. ínclusão dos- corpos de bombeiros militares como órgãos de segurança pública não garante direito ao porte de arma. Direito atribuído por tel, A CONSULTA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Lívia Aragão de Melo 1 O Projeto de Lei nº 213/2015, de autoria da senadora Vanessa Grazziotin, pretende alterar a Lei do Serviço

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral Abril 2013 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Presidente Desembargadora Letícia De Faria Sardas Corregedor

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte

O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte 1967/69 Constituição da República Federativa do Brasil (de 24 de janeiro de 1967) O Congresso Nacional, invocando a proteção de Deus, decreta e promulga a seguinte CONSTITUIÇÃO DO BRASIL TÍTULO I Da Organização

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 193, DE 2015 Regulamenta o 7º do art. 144 da Constituição Federal, que versa sobre organização e funcionamento dos Órgãos

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 Os participantes do I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE, representantes de Conselhos da Comunidade

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Disciplina Estrutura e Funcionamento da Educação básicab Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Ementa da Disciplina Os caminhos da educação brasileira. A estrutura e organização do ensino no

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA OBJETIVANDO GARANTIR EDUCAÇÃO INFANTIL DE QUALIDADE PARA TODOS. que firmam o ESTADUAL, por meio da Promotoria de Justiça de... e o MUNICÍPIO DE... O DO ESTADO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006

LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006 LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006 "Cria a Guarda Municipal e dá outras providências" A CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA, por seus Representantes legais, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

*5097551B21* COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

*5097551B21* COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 5.999, DE 2005 (Apensos os PLs n OS 6.076, de 2005, 6.085, de 2005, 6.118, de 2005, 6.122, de 2005, 6.257, de 2005, e 6.306, de 2005) Dispõe sobre

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS

ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS DESTAQUE E PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO PARA O PROJETO DE LEI 993/07. Artigo 1º, 1º constante no PL 993: CAPITULO

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA.

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DEPARTAMENTO DE OUVIDORIA AGRÁRIA E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS - DOAMC MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA NOVOS PARÂMETROS DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CONANDA) Carlos Nicodemos DOUTRINA DA INDIFERENÇA Até 1899: Ausência

Leia mais

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL 1. Capacidade para o exercício da empresa Atualmente, existe a possibilidade de a atividade empresarial ser desenvolvida pelo empresário individual, pessoa física, o qual deverá contar com capacidade para

Leia mais

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência O que é a Defensoria Pública? A Defensoria Pública do Estado é uma Instituição permanente

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.022, DE 8 AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12.620, DE 13 DEZEMBRO DE 2012 (Alterada pela Portaria nº 30.536/13

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL José Heitor dos Santos Promotor de Justiça/SP Silvio Carlos Alves dos Santos Advogado/SP A Lei Complementar Paulista nº. 1.062/08, que disciplina a aposentadoria

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008.

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. Autoria: Poder Legislativo Estabelece normas para as cerimônias públicas e a ordem geral de precedência no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito

Leia mais