Tópico Especial. TÓPICO ESPECIAL 10 de março de O ajuste assimétrico do mercado de trabalho. José Luciano da Silva Costa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tópico Especial. TÓPICO ESPECIAL 10 de março de O ajuste assimétrico do mercado de trabalho. José Luciano da Silva Costa"

Transcrição

1 Tópico Especial O ajuste assimétrico do mercado de trabalho José Luciano da Silva Costa O desempenho recente da economia tem indicado um processo mais prolongado de ajuste que o antecipado inicialmente, e uma das razões por trás dessa dinâmica é o elevado nível de indexação de parte dos salários. O mercado de trabalho manteve o ritmo de contração do emprego formal acima do esperado ao longo do terceiro e quarto trimestres do ano passado, e frustrou as expectativas de melhora que vários indicadores de confiança apontavam. Por outro lado, parte do ajuste esperado dos salários tem sido anulada pelo elevado processo de indexação, em especial para os trabalhadores formais. A consequência dessa rigidez de parte dos salários é a necessidade de ajuste maior da ocupação para compensar a inflexibilidade dos rendimentos. O objetivo desse tópico é discutir esse processo de ajuste assimétrico do mercado de trabalho e avaliar qual a trajetória futura de emprego considerando nossa expectativa de recuperação da atividade nos próximos dois anos. A rigidez salarial dos empregos formais implica em ajuste maior da ocupação da economia. Um modelo simples para a dinâmica salarial mostra que os salários são determinados pelo equilíbrio entre a oferta e a demanda por trabalho¹, como pode ser visto no gráfico 1. Nesse modelo estilizado de funcionamento do mercado de trabalho, uma mudança da demanda por trabalho, que poderia ser resultante de um choque recessivo sobre a economia, deveria resultar num deslocamento paralelo da curva de demanda de trabalho. Considerando que a oferta de trabalho é relativamente constante, isso implicaria em um novo equilíbrio de salários reais mais baixos e menor ocupação. Essa dinâmica levaria o mercado de trabalho para o novo equilíbrio descrito pelo ponto B, no gráfico 2. Contudo, a rigidez salarial dos trabalhadores formais não permite essa correção dos salários reais e, portanto, a queda da ocupação deverá ser maior para acomodar essa inflexibilidade dos salários. Assim, o ajuste ocorrerá com o aumento do ritmo de demissões e a elevação rápida da taxa de desemprego. Uma característica adicional do mercado de trabalho no caso brasileiro é a elevada participação de trabalhadores informais, o que determina um ajuste desigual nos salários e na ocupação entre os trabalhadores. ¹ Ehrenberg, Ronald G. e Smith, Robert Stewart (2012). Modern Labor Economics: Theory and Public Policy. Addison Wesley, 11th edition. 1

2 Gráfico 1: Salário x Ocupação Gráfico 2: Salário x Ocupação Fonte: BRAM A dinâmica recente do mercado de trabalho confirma a presença de elevada inflexibilidade de parte dos salários. Os trabalhadores podem ser divididos em dois grupos de acordo com sua ocupação: os empregados formais² (com carteira) e os empregados informais (sem carteira). Os trabalhadores do setor formal estão em tese mais protegidos da perda inflacionária devido às renegociações salariais, o que implica em elevada rigidez salarial. Os sinais dessa rigidez podem ser vistos no comportamento dos rendimentos nominais desse grupo, que estão flutuando em torno de 8,0% ao ano de ganho nominal. Após um período no início de 2016 no qual os salários nominais desaceleram e atingiram 6,0% de alta em termos anuais em junho do ano passado, houve uma clara aceleração dos rendimentos dos trabalhadores formais e os salários atingiram alta de 9,4% de ganho nominal em novembro do ano passado. Uma consequência dessa rigidez salarial é elevar o peso do ajuste dos rendimentos sobre os trabalhadores informais menos protegidos da aceleração inflacionária. Isso pode ser visto na dinâmica salarial dos empregados sem carteira, que tiveram os ganhos salariais nominais desacelerando para 4,0% em abril do ano passado, o que representou a perda real de 4,8% dos salários. Os dados mais recentes indicam alguma recuperação dos salários, mas em patamar bastante aquém dos trabalhadores formais, o ² A ocupação sem carteira ou informal será constituída pelo (i) emprego no setor privado sem carteira, (ii) trabalhador doméstico sem carteira, (iii) empregado do setor público sem carteira, (iv) empregadores, (v) ocupações por conta própria e (vi) trabalhadores familiares auxiliares. 2

3 que resulta em perda real de 0,7% em janeiro desse ano. Por outro lado, os trabalhadores com carteira voltaram a acumular ganho real de 1,6% dos salários nesse mesmo período. A rigidez dos salários dos trabalhadores formais tem levado ao ajuste maior da ocupação total da economia. O processo de ajuste da ocupação havia dado sinais de moderação na primeira metade de Entretanto, a ocupação voltou a acelerar sua contração para o ritmo de 2,6% em termos anuais até outubro do ano passado, após ter moderado para 1,5% na média do segundo trimestre na comparação anual. Em janeiro desse ano, a contração da ocupação ainda permaneceu elevada e houve sinais de precarização adicional do emprego com a ocupação com carteira contraindo fortemente, como discutido mais à frente. Uma outra evidência que a inflexibilidade dos salários reais resultou no ajuste maior da ocupação é a decepção com a geração de vagas formais ao longo do segundo semestre de Considerando os dados de geração de vagas fornecido pelo CAGED, a média móvel de três meses registrou fechamento líquido de 107 mil e 80,4 mil vagas no fechamento do terceiro e quarto trimestres de 2016, respectivamente. Em janeiro deste ano, houve nova frustração com manutenção do ritmo de fechamento de vagas em 70 mil postos de trabalho em termos dessazonalizados. Essa trajetória do 3

4 emprego contrariou as expectativas de emprego contidas nas diferentes pesquisas de confiança do consumidor, da indústria e do comércio. As expectativas setoriais de emprego são resumidas pelo indicador antecedente de emprego (IAEmp) calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Como pode ser visto no gráfico abaixo, o indicador de emprego (IAEmp) adiantado três meses tem uma correlação elevada com o saldo líquido de vagas de trabalho do CAGED. Segundo o indicador de emprego, o ritmo de contração de vagas deveria moderar para a faixa de 50 a 100 mil ao longo do terceiro trimestre desse ano e passar a ser positiva no início de Considerando a trajetória do emprego até dezembro, na qual houve fechamento líquido de quase cem mil vagas, há um elevado grau de frustração dessas expectativas. Uma provável explicação para esse desempenho ruim pode ser o ajuste assimétrico da ocupação ao longo desse ciclo, em especial no período mais recente. Fonte: FGV, MTE, BRAM O emprego informal foi mais resiliente com relação à ocupação formal no início do ciclo de ajuste do mercado de trabalho, mas essa tendência mudou nos últimos meses. A ocupação sem carteira teve um comportamento distinto do emprego formal a partir de 2015, quando a taxa de desemprego começou a subir. No início do processo de piora da ocupação, o emprego informal passou a crescer como sinal que a perda do emprego formal poderia ser compensada pela ocupação sem carteira (em especial, o emprego por conta própria). Entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015, quando o emprego informal atinge o maior patamar nesse ciclo, houve o aumento de 540 mil postos de trabalho sem carteira. Durante esse período, a ocupação com carteira recuou 1,2 milhão de postos. Entretanto, com a continuidade da desaceleração da atividade, esse tipo de trabalho também passou a deteriorar e passou a ser negativo a partir de junho do ano passado. O ritmo de contração da ocupação sem carteira acelerou rapidamente nos últimos meses e atingiu queda anual de 2,4% em outubro de 2016 e se aproximou da velocidade de redução do emprego formal, que contraiu 2,8%. Recentemente, a ocupação total manteve a intensidade de queda em patamar elevado de 1,9% na comparação anual e, paralelamente, um sinal preocupante foi a precarização do emprego com a contração do emprego com carteira e diminuição da queda do emprego informal, como pode ser visto no gráfico abaixo. Segundo nossas estimativas, o percentual de trabalhadores informais superou pela primeira vez a participação de trabalhadores com carteira desde 2012, quando a série passou a ser calculada pela nova pesquisa de emprego do IBGE. 4

5 A deterioração das condições do mercado de trabalho resultou no efeito desalento, o que limitou a piora da taxa de desemprego. Com a piora da situação do mercado de trabalho, ocorreu a saída substancial de pessoas do mercado de trabalho, ou seja, ocorreu a desistência de procurar emprego por parte dos trabalhadores desempregados, caracterizando um quadro mais grave de desalento. Esse efeito fica mais evidente quando se espera que a perda de trabalho juntamente com a contração da renda familiar deveria resultar no aumento do número de pessoas procurando emprego e, portanto, a elevação da taxa de desemprego. O desalento fica claro no aumento da participação da população fora do mercado de trabalho em relação à população em idade ativa (PIA), que representa o estoque total de trabalhadores disponíveis. O efeito desalento poderá amortecer a deterioração do mercado de trabalho no curto prazo, mas deverá limitar a velocidade de melhora da taxa de desemprego no momento de recuperação da economia, pois a tendência é a volta das pessoas ao mercado de trabalho quando as condições melhorarem. Entre as regiões, a deterioração da ocupação tem sido distinta e o efeito desalento é maior na região Nordeste. A taxa de desemprego média atingiu 12,0% no Brasil em dezembro do ano passado. A tendência de piora da taxa de desemprego é comum a todas as regiões, entretanto, a velocidade de deterioração da desocupação é mais acentuada nas regiões Sudeste e Nordeste, que atingiram níveis de 5

6 desemprego de 12,3% e 14,4%, respectivamente, em dezembro. Apesar dessas duas regiões apresentarem os maiores aumentos da taxa de desocupação ao longo do ano passado, a natureza dessa piora é claramente distinta entre essas regiões. Enquanto na região Sudeste, a deterioração da ocupação é acompanhada pelo aumento da procura por emprego, na região Nordeste, a perda de emprego não gerou o aumento das pessoas buscando trabalho. Na região Sudeste, observou-se a diminuição de 288 mil postos de trabalho no quarto trimestre desse ano na comparação anual, o que foi seguido pelo aumento da força de trabalho, que se deveu a maior procura por emprego, de 1,1 milhão de pessoas. Esse aumento da procura por emprego resultou no aumento da taxa de participação, ou seja, a razão população economicamente ativa e população em idade ativa se elevou. Assim, a piora da taxa de desemprego foi resultado da menor ocupação e da maior entrada de trabalhadores no mercado de trabalho. Fonte: IBGE Na região Nordeste, a dinâmica do emprego e da procura por trabalho é distinta, o que conteve a deterioração do desemprego até esse momento do ciclo. A ocupação também teve forte piora na região Nordeste, com a diminuição de 1,2 milhão de postos de trabalho no quarto trimestre na comparação anual. Porém, a procura por trabalho não aumentou e foi registrada a saída de 311 mil pessoas do mercado de trabalho no quarto trimestre na mesma base de comparação, pois não estavam em busca de emprego. O efeito desalento é mais presente nessa região, o que fica claro no comportamento da taxa de participação que teve forte recuo de 1,6 p.p. no quarto trimestre frente ao mesmo período do ano passado na região Nordeste. Essa dinâmica difere da observada na região Sudeste, que registrou o maior aumento entre as regiões da taxa de participação, com alta de 1,0 p.p. na comparação anual do quarto trimestre. Caso a taxa de participação da região Nordeste tivesse permanecido estável, a taxa de desemprego da região subiria para 17,3%, e assim a taxa média nacional seria 0,8 p.p. maior e atingiria 12,8%. A normalização da procura por emprego nessa região deverá ocorrer com a recuperação da economia e essa tendência de aumento da busca do trabalho deverá ser uma força que impedirá a queda mais rápida da taxa de desemprego ao longo de 2017 e

7 Fonte: IBGE A expectativa de recuperação lenta da economia para 2017 ainda resultará em queda da ocupação e aumento da taxa de desemprego. A retomada do emprego é historicamente defasada em um trimestre com relação ao crescimento do PIB, como pode ser visto no gráfico abaixo. Considerando a nossa expectativa de recuperação, a ocupação da economia ainda deverá recuar 1,0% neste ano. O emprego formal deverá contrair no primeiro semestre desse ano em termos dessazonalizados, e somente a partir do quarto trimestre deverá ocorrer geração líquida de empregos. Ao longo de 2017, o emprego formal deverá contrair em 500 mil vagas. Nesse contexto, a taxa de desemprego deverá seguir em elevação devido ao crescimento da procura por emprego combinado com a contração da ocupação. A taxa de desemprego deverá atingir o patamar de 13,6% em meados desse ano e encerrar o ano em 12,8%. Essas projeções indicam que a retomada da atividade deverá ser acompanhada no seu início pela continuidade da deterioração do mercado de trabalho. Entretanto, a consolidação do crescimento em 2018 deverá permitir uma dinâmica mais positiva do emprego, com expectativa de geração líquida de 400 mil vagas formais e a taxa de desemprego 11,2% ao final de Fonte: MTE, IBGE 7

8 MARCELO CIRNE DE TOLEDO Economista Chefe ANA PAULA DE ALMEIDA ALVES DANIEL XAVIER FRANCISCO DANILO OLIVEIRA IMBIMBO HUGO RIBAS DA COSTA JOSE LUCIANO DA SILVA COSTA MARIANNE KOMORI GEHRINGER THIAGO NEVES PEREIRA Tel.: Material produzido em 10/03/2017 às 10h00 Outras edições estão disponíveis no Site: As opiniões, estimativas e previsões apresentadas neste relatório constituem o nosso julgamento e estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio, assim como as perspectivas para os mercados financeiros, que são baseadas nas condições atuais de mercado. Acreditamos que as informações apresentadas aqui são confiáveis, mas não garantimos a sua exatidão e informamos que podem estar apresentadas de maneira resumida. Este material não tem intenção de ser uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. BRAM - Bradesco Asset Management é a empresa responsável pela atividade de administração de recursos de terceiros do Banco Bradesco S.A. BRAM - Bradesco Asset Management - Todos os direitos reservados. 8

Tópico Especial. Os salários reais em ciclos recessivos no Brasil. TÓPICO ESPECIAL 24 de agosto de José Luciano da Silva Costa

Tópico Especial. Os salários reais em ciclos recessivos no Brasil. TÓPICO ESPECIAL 24 de agosto de José Luciano da Silva Costa Tópico Especial Os salários reais em ciclos recessivos no Brasil José Luciano da Silva Costa O comportamento do mercado de trabalho no ciclo recessivo atual evidencia que o processo de ajuste foi desigual

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Processo de desinflação acelera e pavimenta espaço para flexibilização monetária no Brasil. A divulgação do IPCA-15 de março (0,15%) sinalizou a intensificação no processo

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Indicadores domésticos de atividade exibem estabilização na margem. Nos EUA, produção industrial confirma expansão moderada da economia. No âmbito doméstico, os dados de

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS O Relatório Trimestral de Inflação do primeiro trimestre corrobora nosso cenário de aceleração do processo de afrouxamento monetário. O documento divulgado pelo Banco Central

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, a atividade econômica iniciou o segundo trimestre em alta. Nos Estados Unidos, o Banco Central elevou a taxa de juros pela segunda vez no ano. Com relação aos

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, o quadro inflacionário favorável dá suporte à continuidade da distensão da política monetária. No Brasil, o Presidente do Banco Central (BC) reafirmou que o atual

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Banco Central sinalizou a manutenção do ritmo de corte para a próxima reunião. Nos Estados Unidos, o crescimento do PIB acelerou no terceiro trimestre. No Brasil,

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Na Europa, o BCE sinalizou que pode reavaliar as medidas de estímulos monetários nas próximas reuniões. No Brasil, o Copom considerou que não há espaço para flexibilizar

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 19 de agosto de 2016

INFORME ECONÔMICO 19 de agosto de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Nos EUA, a alta de juros está mais próxima. No Brasil, o movimento da Selic permanece condicionado ao controle da inflação e à aprovação do ajuste fiscal. Nos EUA, membros

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 12 de agosto de 2016

INFORME ECONÔMICO 12 de agosto de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS A tendência é de moderação da atividade na Europa, bem como na China e nos EUA. Em sentido oposto, no Brasil os indicadores apresentam alguma reação. Nos Estados Unidos,

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, a política monetária continuará estimulativa e a atividade econômica prossegue em gradual retomada, com baixas pressões inflacionárias. No Brasil, o presidente

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de setembro de 2016

INFORME ECONÔMICO 9 de setembro de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Copom sinaliza condições para cortes de juros, mas ciclo não é iminente. Nos EUA, indicadores de confiança mais fracos afastam alta de juros no curto prazo. No

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, os dados de inflação e atividade surpreenderam para baixo. Nos EUA, a robustez do mercado de trabalho reforça a perspectiva de normalização dos juros No Brasil,

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, COPOM surpreende no ritmo do corte de juros. Nos EUA, consumo se mantém com desempenho robusto no quarto trimestre No Brasil, o Banco Central intensificou o ritmo

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 1 de julho de 2016

INFORME ECONÔMICO 1 de julho de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Na Europa, os líderes europeus sinalizaram que há pouco espaço para concessões ao Reino Unido. No Brasil, o banco central sugeriu estabilidade da Selic nas próximas reuniões.

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Ata do Copom expõe o aumento da incerteza, mas queda da inflação ancora ciclo de queda de juros. No cenário global, o BCE manteve política expansionista. A ata do Copom reforçou

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

Serviços tem o melhor desempenho entre os setores em agosto de 2017

Serviços tem o melhor desempenho entre os setores em agosto de 2017 Serviços tem o melhor desempenho entre os setores em agosto de 2017 Os dados de agosto do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida de vagas em âmbito nacional e no estado

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, os dados da Produção Industrial, assim como os números do CAGED apontam para uma recuperação ainda mais lenta da atividade econômica. Os dados

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS jan-09 jun-09 nov-09 abr-10 set-10 fev-11 jul-11 dez-11 mai-12 out-12 mar-13 ago-13 jan-14 jun-14 abr-15 set-15 fev-16 dez-16 mai-17 out-17 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Com processo de desinflação disseminado,

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

Setor de Serviços tem o melhor desempenho na RARP

Setor de Serviços tem o melhor desempenho na RARP Brasil e estado de São Paulo criam vagas pelo quarto mês consecutivo em Julho de 2017 Os dados de Julho de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam destruição líquida de vagas

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Julho

TÓPICO ESPECIAL Julho Julho Inflação de serviços e ancoragem de expectativas Daniel Xavier Francisco Fernando Honorato Barbosa A inflação de serviços registrou, recentemente, a menor variação em quase cinco anos (Gráfico 1).

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XIII - Número 156-08 de setembro de 2016 Alta do emprego informal e por conta própria tem contribuído para menor queda da população ocupada Ariana Stephanie Zerbinatti Departamento

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo

EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo Boletim 1143/2017 Ano IX 31/01/2017 EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo Por Rodrigo Polito A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) prevê o aumento do consumo de energia do setor industrial

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL NOVEMBRO

TÓPICO ESPECIAL NOVEMBRO NOVEMBRO Dispêndios do governo com os programas de abono e seguro-desemprego Hugo Ribas da Costa Luciano Costa As despesas de abono salarial e seguro desemprego se destacaram pelo montante alcançado dentro

Leia mais

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 11 NOVEMBRO 2016 1 ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04

Leia mais

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Divulgação ano 2008 BALANÇO DE 2008 MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA 1. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, em 2008, a População

Leia mais

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 186/15 02/12/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Novembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Outubro

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 5 de agosto de 2016

INFORME ECONÔMICO 5 de agosto de 2016 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 jun-14 set-14 dez-14 mar-15 jun-15 set-15 dez-15 mar-16 jun-16 Jan-10 May-10 Sep-10 Jan-11 May-11 Sep-11 Jan-12 May-12 Sep-12 Jan-13 May-13 Sep-13 Jan-14 May-14

Leia mais

Congresso mantém veto à indexação de aposentadorias ao salário mínimo

Congresso mantém veto à indexação de aposentadorias ao salário mínimo Boletim 877/2015 Ano VII 19/11/2015 Congresso mantém veto à indexação de aposentadorias ao salário mínimo BRASÍLIA - O Congresso manteve nesta quarta-feira, 18, o veto da presidente Dilma Rousseff ao atrelamento

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, o resultado das transações correntes corroborara um cenário tranquilo pelo lado do setor externo. Por outro lado, dados fiscais continuam indicando urgência no

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, a ata do Copom sinalizou a possibilidade de intensificação do ritmo de corte da Selic. Nos EUA, os discursos oficiais dos dirigentes do FED indicam alta de juros

Leia mais

RARP e municípios analisados destroem vagas em Junho de 2017

RARP e municípios analisados destroem vagas em Junho de 2017 Agropecuária é o único setor que contrata no Brasil, estado de São Paulo e RARP Os dados de Junho de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida de vagas em âmbito

Leia mais

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 173/15 30/10/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Outubro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Setembro

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS jan-09 jun-09 nov-09 abr-10 set-10 fev-11 jul-11 dez-11 mai-12 out-12 mar-13 ago-13 jan-14 jun-14 nov-14 abr-15 set-15 fev-16 jul-16 dez-16 mai-17 out-17 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Copom

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL 17 de junho de 2016

TÓPICO ESPECIAL 17 de junho de 2016 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 51,8 51,3 55,6 55,8 55,5 59,2 56,7 56,0 53,8 51,7 59,2 57,2 62,2 66,5 76,0 TÓPICO ESPECIAL A busca pelo equilíbrio fiscal Thiago

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Deterioração das vendas varejistas no Brasil acompanham dinâmica do mercado de trabalho. Por outro lado, dados de atividade nos EUA continuam mostrando recuperação. No Brasil,

Leia mais

Mercado de trabalho. Mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal. Expansão da ocupação

Mercado de trabalho. Mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal. Expansão da ocupação Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal 71 Mercado de trabalho Mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal André

Leia mais

A Construção Civil destrói postos de trabalho em Setembro de 2016

A Construção Civil destrói postos de trabalho em Setembro de 2016 A Construção Civil destrói postos de trabalho em Setembro de 2016 Os dados de Setembro de 2016 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam destruição de vagas nas regiões analisadas,

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 18 de novembro de 2016

INFORME ECONÔMICO 18 de novembro de 2016 jan-14 mai-14 jul-14 nov-14 jan-15 mai-15 jul-15 nov-15 jan-16 mai-16 jul-16 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 dez-13 jun-14 dez-14 jun-15

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 23 de dezembro de 2016

INFORME ECONÔMICO 23 de dezembro de 2016 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, o Relatório de Inflação (RI) reforçou nossa expectativa de aceleração no ritmo de cortes na taxa de juros na próxima reunião. O relatório de

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL

DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE JUNHO DE 2007 1 2 3 DESEMPREGO MANTÉM-SE ESTÁVEL Divulgação junho 2007 1. Para junho, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de apontam estabilidade

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Federal Reserve sinaliza porta de saída para o atual afrouxamento quantitativo Como já era esperada, a decisão do FOMC (o comitê de política monetária do Federal Reserve) ao término de sua reunião foi

Leia mais

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO (0-200) EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 79,9 pontos em dezembro, com queda de 1,4% em relação a novembro, descontados

Leia mais

Perspectiva econômica 2017

Perspectiva econômica 2017 Perspectiva econômica 2017 Redução das restrições para a retomada da atividade Equipe Bram O comportamento da atividade é o foco natural do cenário econômico, tendo em vista a substancial queda do PIB

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

Indicador de vendas e de inadimplência

Indicador de vendas e de inadimplência Indicador de vendas e de inadimplência CNDL SPC Brasil Janeiro de 2014 Presidentes Roque Pellizzaro Junior (CNDL) Roberto Alfeu Pena Gomes (SPC Brasil) Publicado em fevereiro de 2014 1 Inadimplência abre

Leia mais

Taxa de desemprego segue em alta em maio

Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de 6,5% representará o maior aumento em 12 meses desde 2003 A taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas acompanhadas pela PME/IBGE deve ficar em 6,5%

Leia mais

Agosto/ ª edição

Agosto/ ª edição Agosto/2017-53ª edição Agosto/2017-53ª Edição 1 ANÁLISE SETORIAL 1.1 Análise das atividades do segmento 1.2 Inflação do segmento A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE, revela a evolução recente

Leia mais

ÍNDICE DESEMPREGO COM VIDA LONGA? EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE DESEMPREGO COM VIDA LONGA? EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 07 JULHO 2016 1 ÍNDICE DESEMPREGO COM VIDA LONGA?... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04 1.2 SALDO ANUAL DE

Leia mais

REVISÃO DE EXPECTATIVAS

REVISÃO DE EXPECTATIVAS 16 CONJUNTURA CONJUNTURA DA CONSTRUÇÃO SETEMBRO 213 REVISÃO DE EXPECTATIVAS O processo de retomada da atividade na construção está sendo mais demorado do que se esperava Ana Maria Castelo e Robson Gonçalves

Leia mais

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação Resumo * A produção industrial voltou a registrar fraco desempenho em junho. * Com o resultado de junho, completam-se quatorze meses

Leia mais

TST autoriza mudança em cobrança sindical

TST autoriza mudança em cobrança sindical Boletim 1071/2016 Ano VIII 29/09/2016 TST autoriza mudança em cobrança sindical Ministros entenderam que é possível um sindicato renunciar à sua parte em imposto e recolher, no lugar, a chamada contribuição

Leia mais

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016

DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 Ano 25 - Número Especial DESEMPENHO DO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE EM 2016 Em 2016, de acordo com as

Leia mais

Macro Brasil. Reduzimos a previsão de taxa de desemprego média anual para 7,2% em de junho de 2010 Emerging Markets Research Brasil

Macro Brasil. Reduzimos a previsão de taxa de desemprego média anual para 7,2% em de junho de 2010 Emerging Markets Research Brasil Emerging Markets Research Brasil Macro Brasil Análise Econômica Credit Suisse Brasil Nilson Teixeira +55 11 341 62 nilson.teixeira@credit-suisse.com Nilto Calixto +55 11 341 6345 nilto.calixto@credit-suisse.com

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 28º Edição - Setembro 2015 Sumário Conjuntura - Saúde Suplementar Seção Especial 3 Nível de Atividade 4 Emprego 5 Emprego direto em planos de saúde 6 Renda 6 Inflação 7 Câmbio

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012 Ano 18 Nº 13-2012 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE EM 2012 Os resultados apresentados referem-se aos valores

Leia mais

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira de Crédito no SFN Em 2016, o mercado de crédito fechou com retração de 3,5%. Esta performance frustrante reflete o processo de desalavancagem das famílias e

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Maio, 2016 Roteiro Internacional Ambiente segue favorável para mercados emergentes A retomada da alta de juros nos EUA depende de uma aceleração

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Série Estudo das Desigualdades Regionais

Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais BREVE RADIOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 19 de novembro de 2015

INFORME ECONÔMICO 19 de novembro de 2015 Jan-14 Mar-14 May-14 Jul-14 Sep-14 Nov-14 Jan-15 Mar-15 May-15 Sep-15 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS As atas do FED e BCE sinalizam

Leia mais

AGOSTO 1 DE 2007 Ocupação mantém-se em crescimento

AGOSTO 1 DE 2007 Ocupação mantém-se em crescimento ME RCADO DE TR ABALHO N A RE GIÃO METROPOLITANA DE PORTO AL EGRE Ano 16 - N úmero 8 AGOSTO 1 DE 2007 Ocupação mantém-se em crescimento As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 Elaboração:VIFIN CAIXA Vice-Presidência de Finanças SUPLA CAIXA SN de Planejamento Financeiro 1 Relatório Conjuntura

Leia mais

2 MERCADO DE TRABALHO

2 MERCADO DE TRABALHO 2 MERCADO DE TRABALHO SUMÁRIO Ao longo dos primeiros meses de 2014, o mercado de trabalho revela um cenário de acomodação, que conjuga estabilidade da taxa de desemprego em baixo patamar e desaceleração

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Banco Central sinaliza manutenção do ritmo de cortes. Nos Estados Unidos, mercado de trabalho segue apertado. No Brasil, a ata do Copom reforçou a estratégia de

Leia mais

Sondagem da Construção do Estado de São Paulo

Sondagem da Construção do Estado de São Paulo Sondagem da Construção do Estado de São Paulo Atividade do setor de construção chega ao pior nível em julho Agosto/14 O nível de atividade em julho recuou 13,7 pontos, após registrar queda (-5,2 pontos)

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 2 de dezembro de 2016

INFORME ECONÔMICO 2 de dezembro de 2016 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 mar-14 jun-14 set-14 dez-14 mar-15 jun-15 set-15 dez-15 mar-16 jun-16 set-16 dez-16 2001.III 2002.II 2003.I 2003.IV 2004.III

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 15 de abril de 2016

INFORME ECONÔMICO 15 de abril de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia mundial prossegue em moderação e a atividade na China dá sinais de retomada. No Brasil, comércio surpreende positivamente, mas mantém tendência de desaceleração.

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Setembro/2017 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 15 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 26 Número 01 Janeiro de 2017 * Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011

O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 O crescimento da produção industrial em maio não altera a perspectiva de fraco desempenho da indústria em 2011 Resumo * Em maio com relação a abril a produção industrial cresceu 1,3%, livre de efeitos

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. Taxa de desemprego se eleva

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. Taxa de desemprego se eleva PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 JANEIRO 2 DE 2012 Taxa de desemprego se eleva 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese,

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Banco Central sinaliza maior rigor em relação ao avanço de preços Levando em consideração o cenário mais desfavorável ao arrefecimento da inflação e o maior rigor adotado pelo Banco Central nos recentes

Leia mais

Setor de Serviços cria postos de trabalho em Fevereiro de 2016

Setor de Serviços cria postos de trabalho em Fevereiro de 2016 Brasil e estado de São Paulo contratam após 22 meses consecutivos de demissões Os dados de Fevereiro de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) sinalizam um cenário mais otimista para

Leia mais

MULHERES SOFREM MAIS COM O DESEMPREGO E GANHAM MENOS QUE OS HOMENS NA RMBH

MULHERES SOFREM MAIS COM O DESEMPREGO E GANHAM MENOS QUE OS HOMENS NA RMBH A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO - 2008 MULHERES SOFREM MAIS COM O DESEMPREGO E GANHAM MENOS QUE OS HOMENS NA RMBH A inserção ocupacional feminina no mercado

Leia mais

CONFIANÇA DO COMÉRCIO AUMENTA PELA SÉTIMA VEZ NAS VÉSPERAS DO NATAL

CONFIANÇA DO COMÉRCIO AUMENTA PELA SÉTIMA VEZ NAS VÉSPERAS DO NATAL CONFIANÇA DO COMÉRCIO AUMENTA PELA SÉTIMA VEZ NAS VÉSPERAS DO NATAL O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 98,9 pontos em novembro, ante os 97,3 pontos observados em outubro. Na série

Leia mais

BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul

BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul Janeiro de 2009 BALANÇO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 SETOR DA BORRACHA Rio Grande do Sul SINBORSUL Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha no Estado do Rio Grande do Sul PERSPECTIVAS PARA

Leia mais

Operações de Crédito do SFN

Operações de Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) caem 0,2% em mai/17 e 2,6% em 12 meses. A retomada ainda não veio. O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

16 a 31 de dezembro de 2014

16 a 31 de dezembro de 2014 16 a 31 de dezembro de 2014 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 11 de dezembro de 2015

INFORME ECONÔMICO 11 de dezembro de 2015 Jan-01 Oct-01 Jul-02 Apr-03 Jan-04 Oct-04 Jul-05 Apr-06 Jan-07 Oct-07 Jul-08 Apr-09 Jan-10 Oct-10 Jul-11 Apr-12 Jan-13 Oct-13 Jul-14 Apr-15 Mar-87 Aug-88 Jan-90 Jun-91 Nov-92 Apr-94 Sep-95 Feb-97 Jul-98

Leia mais

Elaboração: Economia Pesquisa & Mercado. Divulgada Pesquisa Mensal do Comércio Out.16

Elaboração: Economia Pesquisa & Mercado. Divulgada Pesquisa Mensal do Comércio Out.16 Elaboração: Economia Pesquisa & Mercado Ana Paula Bastos - Economista Sarah Ribeiro Estatística André Correia Analista de Economia Amanda Santos Analista de Pesquisa Luciana Marques - Analista de Pesquisa

Leia mais

A Engenharia também está em crise?

A Engenharia também está em crise? A Engenharia também está em crise? Jun/ 2016 Uma análise do impacto da crise econômica a partir dos dados sobre admissões e demissões no mercado da Engenharia Leonardo de Melo Lins Mário Broering Galvão

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 2011 Ano 4 Número Especial MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2011 Os resultados apresentados referem-se aos

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada de 11 a 16 de setembro/2015 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa de Projeções Macroeconômicas

Leia mais

Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016

Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016 Nota de Crédito Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016 Sumário Executivo Índices de confiança menos desfavoráveis para o empresariado e para as famílias ainda não são refletidos na atividade real

Leia mais

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Estimativa da Fipe e da Catho para a taxa de desemprego do décimo mês do ano é de 5,0%, 0,1 ponto percentual maior do que

Leia mais

CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO

CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO (0-200) CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 99,1 pontos em dezembro, ante os 98,9 pontos observados

Leia mais

ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER? EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER? EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 02 FEVEREIRO 2017 1 ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER?... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04 1.2

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/2015 Resumo de desempenho ho 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No ano

Leia mais

Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009

Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009 Queda no salário médio de admissão do brasileiro já é maior de que na crise de 2009 Novos profissionais estão sendo contratados por um salário 10,7% menor se comparado àqueles que deixaram seus empregos

Leia mais

PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Evolução da População Metropolitana de São Paulo

PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Evolução da População Metropolitana de São Paulo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Agosto de 2003 Nota Técnica Nº 9: Atualização dos Valores Absolutos das Séries Divulgadas pela Com a divulgação dos dados definitivos

Leia mais