O PERFIL DO GERENTE DE PROJETOS: UM ESTUDO SOBRE SUAS CARACTERÍSTICAS E INFLUÊNCIA NO SUCESSO DO PROJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PERFIL DO GERENTE DE PROJETOS: UM ESTUDO SOBRE SUAS CARACTERÍSTICAS E INFLUÊNCIA NO SUCESSO DO PROJETO"

Transcrição

1 FACULDADES COC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO RIBEIRÃO PRETO O PERFIL DO GERENTE DE PROJETOS: UM ESTUDO SOBRE SUAS CARACTERÍSTICAS E INFLUÊNCIA NO SUCESSO DO PROJETO Ribeirão Preto 2011

2 2 Ficha Catalográfica B212p Banzi Junior, Ailton Luiz. O Perfil do Gerente de Projetos: Um Estudo Sobre Suas Características e Influencia no Sucesso do Projeto. Ailton Luiz Banzi Junior. - Ribeirão Preto, f.. Orientador: Prof. Me. Antonio Carlos Pacagnella Junior. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário UNISEB de Ribeirão Preto, como parte dos requisitos para obtenção do Grau de Bacharel em Engenharia de Produção sob a orientação do Prof. Me Antonio Carlos Pacagnella Junior. 1. Gerenciamento de projetos. 2. Características dos gerentes de projetos. 3. Sucesso em projetos. I. Título. II. Pacagnella Junior, Antonio Carlos. CDD

3 3

4 4 O Perfil do Gerente de Projetos: Um Estudo Sobre Suas Características e Influência no Sucesso do Projeto. Ailton Luiz Banzi Junior 1) Orientador: Antônio Carlos Pacagnella Júnior 2) RESUMO Desenvolver produtos com qualidade e rapidez deixa de ser um diferencial e se torna um fator qualificador. Empresas que queiram se destacar possuem então o papel de encontrar pessoas qualificadas e com perfil adequado para gerir seus projetos. Espera-se deste estudo que sirva de referência para as empresas que queiram selecionar novos gerentes de projetos, encontrando com maior facilidade os candidatos que apresentam um número relevante de características inerentes à conquista do sucesso do projeto. O estudo utilizado teve abordagem quantitativa, com caráter descritivo e explicativo, utilizando a regressão logística como técnica de análise. Foram utilizadas 216 observações válidas, coletadas pelo método survey, em turmas de gerentes de projetos, encontrando como resultado final, as características pessoais do gerente de projetos que podem se relacionar com o sucesso dos projetos. Palavras-chave: gerenciamento de projetos, caracteristicas dos gerentes de projetos, sucesso em projetos, regressão logistica. ABSTRACT Developing products with quality and speed is no longer a differentiator and becomes a factor qualifier. Companies that want to stand out thus have the difficult role of finding qualified people with adequate profile and to manage their projects. It is hoped that this study will serve as a reference for companies that want to select new project managers, and thus more easily find those candidates who have a number of inherent characteristics relevant to the achievement of project success. The study has used a quantitative approach with a descriptive and explanatory, such as logistic regression analysis technique. Were used 216 valid observations, collected by survey method, in classes of project managers. Keywords: project management, characteristics of project managers, project success, logistic regression. SUMÁRIO: 1. Introdução Contextualização do Tema- 2. Revisão Teórica Gerenciamento de Projetos e o Papel do Gerente de Projetos Sucesso em Projetos Características do Gerente de Projetos- 3. Aspectos Metodológicos- 4. Apresentação e discussão dos resultados- 5. Considerações Finais- 6. Referências Bibliográficas.- Anexos 1) Acadêmico do Curso de Engenharia de Produção do UNISEB, Turma de ) Orientador: Prof. Ms. Em Engenharia Mecânica, docente do UNISEB Ribeirão Preto-SP.

5 5 1. Introdução 1.1. Contextualização do Tema O ritmo crescente de inovações tecnológicas surgidas no século XXI, a velocidade com que as informações atravessam o globo e a alta exigência do mercado consumidor fazem com que o desenvolvimento e gerenciamento de projetos se tornem fatores de grande competitividade entre as empresas. A condução de projetos de forma eficiente e eficaz tornase, então, um diferencial no mercado, trazendo avanços tecnológicos, destaque comercial da empresa e, claro, atendimento ao cliente no prazo, custo e qualidade. O desenvolvimento e condução de projetos são historicamente representados por grandes obras até hoje conhecidas, como por exemplo, as Pirâmides do Egito e os Aquedutos de Roma, que abasteceram a cidade por vários impérios. Projetos como esses não levavam em consideração o tempo e o custo envolvidos, o que diferencia as técnicas de gerenciamento de projetos empregadas na antiguidade das empregadas atualmente. Projetos contemporâneos possuem importantes restrições que devem ser acompanhadas de perto pelo gerente de projetos. Destacam-se a execução das Olimpíadas e das Copas do Mundo como exemplos para representar a importância dos projetos e seu gerenciamento. A FIFA (Federation Internationale de Football Association), por exemplo, como empresa, possui estrutura própria para o acompanhamento e a gestão de seus eventos, com matrizes gerenciais, organogramas estruturados e responsabilidades definidas. Os recursos orçamentários envolvidos pela entidade, somente para a Copa de 2014, atingem o valor de 854 milhões de reais (TRENGROUSE, 2010). Estudos realizados pela FGV (Fundação Getulio Vargas) mostram que os projetos envolvidos com a copa do mundo de 2014 podem gerar 142 bilhões de reais e criar 3,63 milhões de empregos, o que pode impactar em 64,5 bilhões de reais no PIB brasileiro entre os anos de 2010 e 2014 (BONATELLI, 2010). Este dado torna claro o montante financeiro envolvido com projetos e mostra também a importância que as empresas devem dar a obtenção de resultados satisfatórios com a implantação de projetos. A condução e o gerenciamento de projetos tornam-se, dessa forma, ferramentas que exercem grande influência nos resultados da empresa, e a seleção do candidato correto para o cargo de gerente de projetos surge como uma tarefa árdua para as empresas. Falhar na escolha deste candidato abre margens para que os concorrentes avancem, uma vez que os projetos se caracterizam por serem ágeis e dinâmicos, não deixando tempo para uma segunda seleção durante a execução do projeto (KEELLING, 2006).

6 6 Desta forma, identificar o perfil ideal de um gerente de projetos é considerado, atualmente, como uma vantagem para as empresas se destacarem e obterem os resultados esperados. Embora seja essencial aos gestores conhecerem as ferramentas administrativas, o sucesso na condução de um projeto depende de características mais complexas e de difícil percepção humana, dificultando assim a seleção correta. De Masi (2000) e Moresi (2001) enfatizam que a inteligência e coordenação da informação são fatores que influenciam diretamente no sucesso das organizações. Moresi (2001) ainda destaca que o conhecimento formal, adquirido nos livros, textos e manuais é o mais fácil de ser identificado pelas empresas, porém o conhecimento informal ou tácito, por conter a inteligência formal somada às ideias, questionamentos, decisões e pontos de vista, deve ser o ativo patrimonial mais valorizado e procurado pelas instituições, estando, portanto as competências do gerente de projeto envolvidas neste cenário. É importante considerar que a competitividade empresarial é influenciada pelo sucesso dos empreendimentos, sendo que a forma de gestão do gerente de projetos pode ser um fator determinante para a obtenção deste sucesso. Por isso, estudos que busquem compreender as relações entre o gerente de projetos e a conquista do sucesso são justificados por permitir a identificação de um perfil adequado para este profissional. Neste contexto, o presente artigo se propõe justamente a buscar a compreensão sobre as características dos gerentes de projeto e suas relações com a obtenção do sucesso nestes empreendimentos. Espera-se que este estudo sirva como referência às empresas que queiram selecionar novos gerentes de projetos, permitindo que encontrem com maior facilidade os candidatos que possuam um perfil associado às características aqui apontadas. Portanto, como objetivo de pesquisa pode-se definir que este trabalho busca compreender as relações entre as características do gerente de projetos e sua influência no sucesso do projeto. Este objetivo principal pode ser dividido nos seguintes objetivos específicos ou secundários: - Identificar as características dos gerentes de projetos destacadas na literatura como condicionantes ao sucesso; - Analisar as relações entre estas características e a probabilidade de obtenção de sucesso em projetos. A presente pesquisa foi estruturada da seguinte forma: introdução, referencial teórico, aspectos metodológicos, resultados encontrados e considerações finais.

7 7 2. Revisão Teórica A seguir serão discutidos temas que servem como base para este trabalho, fundamentando-se sempre em grandes autores relacionados ao gerenciamento de projetos e o comportamento humano Gerenciamento de projetos e o papel do gerente de projetos Segundo o PMI (2008) um projeto pode ser definido como um esforço temporário, com objetivo bem definido, que consome recursos e opera sobre pressão de prazos, custos e qualidade. O projeto pode também ser definido como todo empreendimento, diferente dos outros já criados, sendo dirigido por pessoas que aplicam técnicas, habilidades e ferramentas a fim de satisfazer seus requisitos (KERZNER, 2010). Nas últimas décadas, o mundo tem enfrentado grande dinamismo competitivo, e as empresas passaram a se destacar no mercado por sua flexibilidade e bom gerenciamento de projetos. Pelo fato de os projetos apresentarem características específicas, como objetivos bem definidos e serem finalizados ao atingi-los, pode-se afirmar que o gerenciamento de projetos se difere do gerenciamento típico de empresas (SILVA, 2003). O gerenciamento de projetos, então pode ser definido como um conjunto de ferramentas com a finalidade de desenvolver as habilidades, conhecimentos e capacidades individuais, permitindo o controle de eventos não repetitivos, únicos e complexos em um cenário de tempo, custo e controles pré-determinados (VARGAS, 2006). Em suma, o que se espera de um gerente de projetos é que alcance ao término do empreendimento os objetivos pré-determinados. Os propósitos mais comuns dos projetos se afunilam na criação de valor econômico para um determinado grupo de pessoas, conhecidos no mundo empresarial como stakeholders (aqueles que influenciam ou são influenciados pelo projeto). Porém, de modo geral, o projeto deve incrementar a estratégia global da empresa, seja de forma financeira, com lucros e ganhos, ou mesmo com melhorias percebidas pelo mercado, como confiabilidade ou preocupação ambiental. Essa forma de avaliação de sucesso é chamada por muitos de Shareholder value, e está se tornando cada vez mais comum no mercado de negócios (COHEN e GRAHAM, 2001; SHENHAR, 2000).

8 Sucesso em projetos Ao buscar na literatura as características dos gerentes que estão associadas com a obtenção de sucesso em um projeto é possível verificar que a própria definição de sucesso é abrangente e complexa. Apesar de a literatura apresentar alguns parâmetros como os CSFs (Critical sucess factors) e os KPIs (Key perfomance indicators) para a definição de sucesso dos projetos, atualmente um dos aspectos mais relevantes e estudados é que a percepção de sucesso ou fracasso pode ser diferente para cada stakeholder. Alguns podem classificar o projeto como de sucesso se as metas de tempo e custo forem cumpridas, enquanto outros podem perceber o sucesso quando os membros do time adquirem um grande aprendizado durante a execução do mesmo (CLELAND e IRELAND, 2004). Tradicionalmente, a gestão de projetos trazia como elemento de sucesso apenas as questões ligadas ao atendimento dos aspectos técnicos. No período do Renascimento o sucesso passou a ter relações com o tempo, o custo e o desempenho. Aproximando-se da gestão moderna, a aceitação do resultado pelo cliente passou a fazer parte dessa definição e, atualmente, acredita-se que dois novos critérios estejam sendo acrescidos ao sucesso: o projeto deve apresentar o mínimo de mudança do escopo, caracterizando um bom planejamento, e o mínimo de interferência no negócio principal da empresa (KERZNER, 2006). Corroborando com o parágrafo anterior, observações mostram que inúmeros casos de projetos cumpridos dentro do prazo, do custo e das especificações foram classificados como de fracasso (ROBIC, 1996). Pinto e Slevin (1987) conceituam sucesso englobando os fatores internos e externos. De acordo com os autores, o sucesso deve ser medido por três fatores internos (tempo, custo e desempenho) e por três fatores externos (uso, satisfação e efetividade para o cliente). Shenhar e Dvir (2007) apresentam visão semelhante, mas conceituam o sucesso com base em cinco dimensões mais abrangentes, como observado na Figura 1.

9 9 Figura 1- Fatores que compõem o sucesso de projetos Para definir exatamente se o projeto chegou ao seu término com sucesso ou fracasso é importante que seus objetivos sejam traçados antes mesmo do início de sua execução. Além disso, é relevante também, que os gerentes estejam alinhados a estes objetivos durante a implantação, para que possam se antecipar ao sucesso ou fracasso do projeto antes de sua conclusão (KERZNER, 2006) Características dos gerentes de projetos Artigos pioneiros que influenciaram a reflexão sobre as funções do gerente de projetos datam de 1959, quando Paul Gaddis escreveu para a Harvard Review, chamando a atenção das empresas e fazendo com que estas adotassem as técnicas de gerenciamento de projetos para serem mais competitivas. Segundo Pinto (2002), as razões mais importantes para as empresas buscarem gerentes de projetos com perfis adequados são: - A redução dos ciclos de vida dos produtos, que se tornam rapidamente obsoletos e obrigam as empresas a serem ágeis na criação de novas ideias; - A globalização, uma vez que as barreiras comerciais que impedem produtos e serviços de atravessarem o globo e concorrerem com produtos internos são cada vez menores; - O aumento de complexidades técnicas, forçando os produtos a estarem cada vez mais inovadores; - O aumento do poder do cliente, que se tornou mais exigente e atuante no mercado. Devido à grande importância dos itens acima descritos, os gerentes de projetos ganham cada vez mais destaque nas organizações, assim como a quantidade de estudos sobre os mesmos. Há alguns anos vários autores estudam o comportamento dos gerentes de

10 10 projetos, pois foi verificado que os estilos gerenciais apresentam variações de uma situação para outra, tendendo a mudar de acordo com o ambiente, a tarefa e a maturidade da equipe. Autores ligados a área de liderança situacional como Guest, Hersey e Blanchard (1982) apresentam a forma de preocupação de líderes eficazes afirmando que o conceito chave é o nível de maturidade da equipe. Este modelo pode ser comparado ao ciclo de vida do projeto e ao comportamento gerencial proposto por Keelling (2006), como mostra a figura 2. Figura 2 O comportamento gerencial e o ciclo de vida do projeto O modelo proposto implica que inicialmente o gerente de projeto deve se atentar aos processos e detalhamentos, seguido por questões ligadas aos recursos humanos, como seleção e treinamentos. À medida que aumenta a maturidade da equipe, é necessário que o gerente se preocupe menos com a coordenação e controle do grupo. Contudo, independente da posição em que o projeto se encontra, algumas características são sempre destacadas nos gerentes de projetos. Nesta pesquisa foram listadas algumas habilidades encontradas na literatura como sendo essenciais aos gerentes de projetos que desejam obter sucesso em seus empreendimentos. Estas características foram demonstradas na Figura 3.

11 11 Figura 3 Características dos gerentes de projetos em estudo A liderança foi a primeira característica inserida na pesquisa. Apesar de liderar e gerenciar apresentarem características distintas dentro do ambiente de projetos, ainda são duas funções muito confundidas. O gerente operacionaliza e administra o todo, utilizando-se do cargo definido e preocupando-se com as exigências do projeto, já o líder, muitas vezes informal, se mostra influente, opina e segue a frente mostrando o caminho (DINSMORE e SILVEIRA NETO, 2004). Apesar de líderes e gerentes não serem os mesmos, o gerente de projetos deve apresentar as características de ambos, uma vez que liderar é a habilidade de influenciar e entusiasmar as pessoas para que atinjam um objetivo comum (ORTH e PRIKLADNIKI, 2009). Contudo, saber quando utilizar cada uma dessas características é uma habilidade difícil e preciosa (HELDMAN, 2006). Não obstante à liderança, a comunicação é outro fator muito citado entre as características dos gerentes de projetos. A comunicação efetiva se faz necessária para garantir que as informações cheguem no tempo certo, às pessoas corretas e sem custos demasiados (VARGAS, 2006). A comunicação aumenta o poder de persuasão, o comprometimento da equipe e facilita a troca de informações entre todos os envolvidos (POSSI et al, 2006). Além disso, gerentes de projetos que exercem alto grau de comunicação, reduzem o tempo despendido com longas reuniões, aumentam a confiança da equipe e garantem o alinhamento e compartilhamento das ideias (RABECHINI JUNIOR, 2005). É também de responsabilidade do gerente de projetos que todos entendam exatamente suas atividades dentro do projeto, sendo que as informações passadas pelo gerente, tanto em

12 12 documentações quanto em reuniões e relatórios, devem ser claras e completas, livres de má interpretação (HELDMAN, 2006). A comunicação, além de exercer grande influência sobre os resultados internos, é também um fator fundamental para o poder de negociação, característica também estudada nesta pesquisa. O poder de negociação pode ser definido como um esforço conjunto para se chegar a um acordo (DAYCHOUM, 2005). Fatores como cultura, religião e geoeconomia influenciam no modo de pensar dos indivíduos, portanto, é preciso cuidado quanto ao modo de agir e argumentar por parte dos gerentes. O gerente de projetos deve se utilizar desta habilidade, por exemplo, para conseguir fundos, pessoas e tempos adicionais quando problemas no projeto são causados por forças externas, como cliente e ciclos do negócio (PHILLIPS, 2003). Cada situação de negociação deve ser muito bem analisada, para que os negócios desenvolvidos sejam direcionados buscando o que é melhor para o grupo e certificando-se que houve claro entendimento sobre o assunto. Negociar é uma luta de interesses, sendo necessário ao gerente de projetos o conhecimento de todas as particularidades e detalhes do projeto, para que tenha, assim, argumentos convincentes e possa se preparar para as possíveis reações do opositor (MORRIS e PINTO, 2007). Já a característica de solucionar conflitos é fundamental para que todos os envolvidos se mantenham alinhados (HELDMAN, 2006). Quase sempre os conflitos são imprevisíveis, desgastantes e ocorrem independentemente dos desejos dos envolvidos. Abordagens inadequadas ou impulsivas acabam por agravar a situação e, uma vez que conflitos irão aparecer em cada fase do projeto, cabe ao gerente de projetos fortalecer as parcerias e desenvolver alianças (DAYCHOUM, 2005). Outra característica muito pesquisada no gerenciamento de projetos é a capacidade de solucionar de problemas. A capacidade de solucionar problemas envolve o conhecimento de sua equipe por parte do gerente de projetos, por permitir a identificação de pessoas chaves e tomadoras de decisões (RABECHINI JUNIOR, 2005). A velocidade com que o gerente de projetos soluciona o problema influencia tanto no comportamento da equipe quanto no desempenho do projeto. Porém, para que o próprio gerente de projetos possa trazer soluções pontuais e checar o desempenho das entregas do projeto, o conhecimento técnico é exigido (BRUZZI, 2008). O nível de conhecimento técnico também pode ser considerado como uma característica relevante para a obtenção do sucesso. Diversos setores reconhecem a importância da certificação PMP (Project Management Profissional) e outras associadas à

13 13 capacidade gerencial, mas possuir conhecimentos técnicos passa aos liderados maior credibilidade nas ações e na viabilidade do projeto (HELDMAN, 2006). As habilidades técnicas são importantes para os gerentes de projetos, mas isso não quer dizer que os mesmos devam ser escolhidos somente por essa aptidão, visto que muitas pessoas são ótimas conhecedoras das técnicas, porém incapazes de trabalhar em equipe (KERZNER, 2006). A autoridade formal é automaticamente conferida aos profissionais logo no início do projeto, motivo pelo qual também foi estudada. Define-se a autoridade como o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência, tendo como consequência uma grande responsabilidade e o dever de prestar contas (CHIAVENATO, 2008). No período renascentista a autoridade foi motivo de muitos conflitos, visto que dar total autoridade aos gerentes de projetos é tirá-la de outros indivíduos. Na gestão moderna, determina-se que o responsável pelo projeto detém a autoridade máxima, mas que delegará toda a autoridade necessária, por meio de mapas e cartas de indicação, permitindo aos subordinados que identifiquem a correta hierarquia do empreendimento (KERZNER, 2006). Teorias sobre a motivação, como as de Maslow, ainda exercem grande influência sobre os estudos comportamentais. Como esta pesquisa tem cunho humanístico, a motivação exercida pelo gerente de projetos também foi uma das características analisadas. Kerzner (2006) afirma que o papel do gerente de projetos, além de guiar a equipe, é motivá-la, uma vez que há conhecimento de que equipes motivadas são mais eficazes, criativas e solucionadoras de problemas. Segundo Dinsmore (2009), a motivação da equipe pode ser afetada por algumas atitudes, críticas e envolvimento de emoções influenciando na execução e conclusão do projeto. Para algumas corporações a experiência anterior ainda faz parte dos requisitos para contratar o gerente de projetos, e por isso também foi aplicada à pesquisa. A experiência é um fator importante porque auxilia o gerente de projetos a identificar riscos e a selecionar técnicas, reconhecendo a maturidade da equipe e relacionando com o tipo de projeto a ser conduzido (KERZNER, 2006). Outro fator a ser considerado, é que a experiência facilita na resolução de problemas inerentes aos projetos, independente da natureza dos mesmos (HELDMAN, 2006). Gerentes de projetos com experiência, por conseguir prever possíveis problemas do projeto, alocam com maior facilidade os recursos ao projeto. O trabalho em equipe foi considerado outro fator importante no desenvolvimento do projeto, e por isso foi adicionada a pesquisa. Gerentes de projeto que possuem plena noção do trabalho em equipe contribuem para avanço do projeto. Algumas empresas se classificam como uma equipe, mas apenas reconhecem o desempenho da equipe com gratificações ou

14 14 participações nos lucros (KERZNER, 2006). Muitos gerentes de projetos consideram que o trabalho em equipe é severamente prejudicado por não haver uma clara definição das responsabilidades de cada individuo e da estrutura hierárquica do projeto (KERZNER, 2010). Quatro considerações são apontadas para que os gerentes de projetos possam desenvolver o trabalho em equipe: construção de um ambiente estimulante, assegurar a liderança do grupo, possuir pessoal qualificado e criar um ambiente estável (DINSMORE, 2009). O estilo participativo também fez parte das características pesquisadas do gerente de projetos. Como o gerente de projetos nunca trabalha sozinho é importante que ele saiba como se posicionar e tenha pleno conhecimento da situação do empreendimento. Com isso a participação dos gerentes de projetos em todos os momentos ou etapas da elaboração e desenvolvimento do projeto se torna fundamental. Além disso, a essência do seu trabalho é eliminar obstáculos e ser um arquiteto social (DINSMORE, 2009), estando sempre presente para oferecer segurança e suporte ao grupo. 3. Aspectos Metodológicos Segundo Gil (2010), a aproximação conceitual com o objeto de pesquisa se faz necessária para a caracterização do tipo de pesquisa estudada. Buscou-se neste trabalho o desenvolvimento de uma pesquisa com abordagem quantitativa do tipo survey, uma vez que apresenta importantes propriedades para o foco do estudo. Esse tipo de pesquisa se caracteriza por encontrar, analisar e relacionar dados ou características em uma população pré-definida e padronizada, podendo ter como objetos de estudo indivíduos, grupos, comunidades ou sistemas (FINK, 2003; PINSONNEAULT e KRAEMER, 1993). Freitas et al (2000) complementa esta ideia afirmando que o objetivo das pesquisas survey é obter dados quantitativos dentro de uma população. As pesquisas tipo survey podem ser classificadas, segundo o seu propósito, de três maneiras (PINSONNEAULT e KRAEMER, 1993). Exploratórias, quando buscam por novas possibilidades e dimensões, partindo de conceitos preliminares sobre o tema. Descritivas, onde buscam por situações, eventos, atitudes ou opiniões que discorrem em uma população. Explicativas, que tentam provar uma teoria de causas, efeitos e relações entre variáveis. A presente pesquisa foi formulada com base nos gêneros descritivos e explicativos da metodologia, uma vez que busca relacionar as opiniões de pessoas diretamente envolvidas com gerentes de projetos e também as relações destas visões com o sucesso ou fracasso do projeto.

15 15 Todos os instrumentos deste tipo de pesquisa, independentemente do formato, devem conter apenas questões que são pertinentes ao objeto de pesquisa. O objetivo de qualquer survey é produzir dados válidos e confiáveis, e para isso é necessário que todas as questões sejam claras, de fácil entendimento e que as respostas dadas sejam corretas (FINK, 2003a; GIL, 2010; LITWIN, 1995). É natural que o tamanho da amostra seja diretamente proporcional a confiabilidade dos resultados, ou seja, quanto maior o número da amostra em determinada população, mais precisos serão os resultados obtidos (FINK, 2003a). A coleta de dados desta pesquisa ocorreu por meio de um questionário estruturado conforme anexo A, aplicado a gerentes de projetos de diversos tipos, em seis cidades do estado de São Paulo que faziam parte de turmas de cursos de especialização em gerenciamento de projetos (a pesquisa foi conduzida nas unidades das Instituições de Ensino Superior que ofereciam este curso). Pesquisas deste tipo apresentam como características: a simples aplicação, a simplicidade de analisar os dados e a confiabilidade nos mesmos, visto que, caso haja mais de um entrevistador, a limitação das respostas reduz a variabilidade dos resultados (MALHOTRA, 2006). No questionário foram feitas onze afirmações sobre o gerente de projetos, que deveriam ser julgadas pelos respondentes em uma escala Likert divida em cinco pontos, variando de discordo totalmente ao concordo totalmente, respondendo ao final se o projeto obteve sucesso ou não. Os resultados obtidos foram 216 observações válidas, derivadas de pessoas experientes em gerenciamento de projetos, com uma média de 4,2 anos em experiência em projetos e desvio padrão de 1,2 anos. Os ramos de projetos inseridos na pesquisa estão descritos na Figura 4. Figura 4 Tipos de projetos inseridos na pesquisa.

16 16 A técnica de análise estatística empregada nesta pesquisa foi a regressão logística, que, segundo Greene (2002), trate-se de uma das técnicas apropriadas para relacionar o objetivo com a análise dos efeitos de variáveis dependentes, métricas ou não, sobre variáveis dependentes não métricas. Cabe informar também que a variável não métrica, também chamada de dummie, assume apenas valores inteiros, geralmente zero e um. A descrição da equação de regressão logística é descrita na Equação 1. y = β 0 + β 1 x 1 + β 2 x 2 + β 3 x β n x n + ε (1) Onde y é a variável dependente, x 1...x n as independentes, também chamadas de explicativas, e ε é o termo de erro associado. Para obter os coeficientes β 0...β n, que são interpretados como a contribuição de cada variável independente sobre a variável dependente, foi utilizada a chamada função máxima verossimilhança, apresentada por Maddala (1992), como descrita na Equação 2: p L(β) = i= 1 y* ln (exp (x i β) / 1+ exp (x i β)) + (1-y) * ln (1/ (1+ exp (x i β)) (2) As variáveis que compõem o modelo de regressão foram escolhidas previamente de acordo com o modelo conceitual demonstrado na Figura 5. Figura 5 Modelo conceitual com as variáveis explicativas do gerente de projetos para a obtenção de sucesso em projetos. 4. Apresentação e discussão dos resultados Os resultados encontrados para as características do gerente de projetos que contribuem na obtenção de sucesso em projetos estão apresentados na Tabela 1.

17 17 Tabela 1 Características do gerente de projetos que influenciam no sucesso do projeto Modelo Completo Modelo Reduzido Variáveis Explicativas B Wald EXP (Bx ) Efeitos Marginais B Wald EXP (Bx ) Efeitos Marginais Liderança 1, ,1588 6,1125 1,1105 1, ,1112 6,2134 1,1201* Comunicação 0, ,2775 1,1209 1,4010 0, ,2822 1,1211 1,4011** Negociação 1, ,1977 0,9872 1,2201 1, ,9244 1,0124 1,2230** Resolução de problemas 0, ,1532 3,2710 1,2642 0, ,2457 3,2874 1,2721* Autoridade 0, ,7517 1,1206 1,3214 0, ,1243 1,1212 1,3327** Motivação 0,9141 5,3457 1,4431 0,9841 Experiência 1,9757 2,1077 6,2114 1,0001 Trabalho em equipe 0,5254 1,8741 0,1526 0,1113 Resolução de conflitos 1, ,5412 1,2142 1,1504 1, ,6541 1,2120 1,1601** Habilidade técnica 0,9984 0,9145 0,2279 0,5784 Estilo participativo 0, ,1147 1,7647 1,4528 0, ,4244 1,8409 1,5609* -2 Log Likelyhood 8128,044 Cox & Snell R² 0, Nagelkerke R² 0, * Significante a 5% ** Significante a 1% O primeiro aspecto a ser destacado nos resultados é o poder explicativo do modelo que apresentou valor de Cox & Snell R² igual a 0,69 e de Nagelkerke R² igual a 0,71, que indica a correta especificação das variáveis explicativas no modelo, que é denotado a partir de valores de R² iguais a 0,60. Ressalta-se que foi construída uma matriz de correlações entre as variáveis do modelo conceitual, e que não foram encontrados valores relevantes de autocorrelação (a matriz foi suprimida por não haver espaço disponível neste artigo). Outro aspecto relevante foi a análise dos efeitos marginais, que indicam a contribuição líquida de cada uma das variáveis para explicar a obtenção de sucesso nos projetos. Observa-se, portanto que, dentre as características estudadas, o estilo participativo é a que apresenta maior influência sobre os projetos, aumentando as chances de sucesso do projeto em 1,5609 vezes quando comparado com projetos gerenciados por pessoas desprovidas desta característica. A justificativa para essa conclusão é dada pelo fato de que

18 18 gerentes que participam das ações da equipe estão sempre alinhados com o andamento do projeto. Além disso, por trocarem informações constantemente, tornam-se ágeis na resolução de problemas e conflitos que possam surgir ao longo da execução do projeto, adquirindo, além de tudo, a confiança do grupo. A comunicação aparece também com grande relevância, elevando em 1,4011 vezes a chance de o projeto ser bem sucedido. A perfeita compreensão das tarefas, o alto nível de interação entre as atividades, o alinhamento das ideias, o aumento da criatividade, assim como o poder de resolução de problemas e a aquisição da confiança dos envolvidos, provavelmente são os fatores que fazem da comunicação o segundo aspecto mais importante do gerente de projetos. A autoridade também se faz presente entre as características dos gerentes de projetos que o conduzem ao sucesso. Com efeitos marginais que elevam a probabilidade de sucesso em 1,3327 vezes, a relevância da autoridade pode ser explicada devido a conferir ao gerente de projetos a escolha dos recursos utilizados no projeto, a agilidade para a tomada de decisões e também a possibilidade de lidar com problemas de forma autônoma, sem ter que recorrer às instâncias superiores na organização. Outra característica relevante apontada pelos resultados foi a resolução de problemas que aumenta em 1,2721 vezes a probabilidade de sucesso em relação a projetos cujos gerentes não apresentaram esta característica. Desta forma, observa-se que o gerente de projetos se faz uma figura importante quando problemas surgem em meio ao projeto. Uma vez que o gerente de projetos resolva rapidamente os problemas, o desperdício de recursos pode ser evitado, além de garantir um melhor aproveitamento do tempo e adquirir a confiança da equipe. O poder de negociação do gerente de projetos também foi estatisticamente significativo para os envolvidos, sendo que a probabilidade de sucesso em projetos geridos por pessoas com essa característica é de 1,2230 vezes superior a projetos onde ela não ocorre. Saber negociar, portanto é uma exigência aos gerentes de projetos, que se justifica pelo fato de o projeto estar cercado de fatores que demandam essa característica, como fornecedores, stakeholders, outros gerentes e até mesmo a própria equipe. Muito próxima ao poder de negociação, a resolução de conflitos também se mostra importante estatisticamente, aumentando em 1,1601 a probabilidade de sucesso no projeto. O gerente de projetos que possui esta característica evita o desgaste de sua equipe, construindo uma atmosfera saudável e agradável, além de permitir que sua equipe caminhe sempre alinhada e com os objetivos comuns. Essas observações podem justificar a importância do gerente de projetos como solucionador de conflitos.

19 19 Por fim, à liderança do gerente de projetos, apresenta uma contribuição de 1,1201 vezes superior a projetos geridos por pessoas que não possuem tal característica. É mostrado que mesmo definindo as atividades, cobrando as entregas e solucionando os problemas/conflitos a liderança ainda se faz necessária para que a equipe não se perca no caminho e tenha como foco os resultados, sendo estimulada pelo líder. Desta forma, da avaliação dos resultados encontrados permitiu-se demonstrar que características dos gerentes de projetos como estilo participativo, comunicação, autoridade, solucionador de problemas, poder de negociação, solucionador de conflitos e liderança estão fortemente relacionados com a obtenção de sucesso em projetos. 5. Considerações Finais Os resultados encontrados neste trabalho permitem concluir que o sucesso do projeto pode ser fortemente influenciado por determinadas características do gerente de projetos. Dentre as variáveis significativas estudadas na presente pesquisa, o estilo participativo é o fator que mais contribui para tal situação, seguido pela comunicação, autoridade, solucionador de problemas, poder de negociação, solucionador de conflitos e liderança. Ressalta-se que os resultados encontrados corroboram as afirmações de alguns autores apresentados na seção 3 como Dinsmore (2009), Kerzner (2006), Orth e Priklandniki (2009) e Daychoum (2005). Assim, as características aqui destacadas, constituem um perfil que está altamente correlacionado ao sucesso do projeto, o que pode servir de referência para que organizações condutoras de projetos possam selecionar adequadamente o candidato adequado para o cargo. Não se pode afirmar, porém, que os resultados encontrados possam ser extrapolados, visto que a pesquisa foi realizada por amostragem não probabilística e que, portanto, não permite inferência, o que consiste em uma limitação do trabalho. Outra limitação relaciona-se ao número de características pesquisadas, que é pequeno em face da alta gama de elementos que compõem o perfil profissional de um gerente de projeto. Alterações que porventura venham a ocorrer nas variáveis significativas fazem com que a probabilidade de sucesso não seja a mesma, confirmando resultados encontrados por pesquisas presentes na literatura. Isso implica em afirmar também que empresas que busquem encontrar o perfil do gerente de projetos apto a conduzir o projeto ao sucesso se atentem às características aqui citadas.

20 20 Como sugestões à trabalhos futuros pode-se destacar a replicação do modelo em surveys que foquem apenas um tipo de projeto ou ainda trabalhos que abordem outras variáveis não abordadas neste artigo, permitindo ampliar a compreensão sobre o fenômeno. Espera-se, por fim, que este trabalho possa contribuir cientificamente para o entendimento do fenômeno estudado e que sirva de referência para a elaboração de trabalhos similares ou relacionados. 6. Referências Bibliográficas BLANCHARD, K. Liderança de alto nível: Como criar e liderar organizações de alto desempenho. Porto Alegre: Bookman, BONATELLI, C. Estudo prevê que copa 2014 injetará R$142 bi no Brasil. Disponivel em, Estadão. Acesso em 01 do 05 de BRUZZI, D. G. Gerência de Projetos. Brasilia: Senac-DF, CHIAVENATO, I. Administração Geral e Pública. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CLELAND, D. I. e IRELAND, L. R. Project manager s portable handbook. 2. ed. New York: McGraw Hill, COHEN, D. J., GRAHAM, R. J. Project manager s MBA, How to translate project decisions into business sucess. San Francisco: Jossey-Bass, DAYCHOUM, M. Gerência de Projetos: programa delegacia legal. Rio de Janeiro: Brasport, De MASI, D. O ócio criativo. 4. ed. Rio De Janeiro: Sextante, DINSMORE, P. C. e CABANIS-BREWIN, J. AMA: Manual de Gerenciamento de Projetos. 4. ed. Rio de Janeiro: Brasport, DINSMORE, P. C. e SILVEIRA NETO, F. H. Gerenciamento de Projetos: Como Gerenciar Seu Projeto Com Qualidade, Dentro do Prazo e Custos Previstos. Rio de Janeiro: Qualitymark, FINK, A. The Survey Kit: How to Sample in Surveys. 2. ed. London: Sage, 2003a. FINK, A. The Survey Kit: How to Design Survey Studies. 2. ed. London : Sage, 2003b. FREITAS, H.; OLIVEIRA, M.; SACCOL, A. Z.; MOSCAROLA, J. O método de pesquisa survey. Revista de Administração da USP, RAUSP, 35, 3, p , GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed.são Paulo:Atlas, GREENE, W. H. Econometric analysis. 5. ed. Upper Saddle River, New Jersey: Prentice Hall, GUEST, R. H.; HERSEY, P.; BLANCHARD, K. H. Organizational Change Through Effective Leadership. 2. ed. FT Press, HELDMAN, K. Gerência de Projetos (PMP Project Management Professional): guia para o exame oficial do PMI. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, RABECHINI JUNIOR, R. Competências e Maturidade em Gestão de Projetos. São Paulo : AnnaBlume, 2005.

O Gerente de Projetos: Um Estudo Sobre Suas Características e Influência no Sucesso do Projeto.

O Gerente de Projetos: Um Estudo Sobre Suas Características e Influência no Sucesso do Projeto. O Gerente de Projetos: Um Estudo Sobre Suas Características e Influência no Sucesso do Projeto. Ailton Luiz Banzi Junior a (banzijunior@gmail.com); Antônio Carlos Pacagnella Júnior b (acpjr1@gmail.com);

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos Orientações para o Projeto, Implantação, Gerenciamento e Avaliação de Maturidade do Escritório de Projetos Objetivo O que leva as

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Gestão de Custos Gestão de Aquisições e Contratações Autor: Prof. Dr. Valter Castelhano

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistemas de Informação Professores: Rafael Francisco Thibes thibes@uniarp.edu.br Período/ Fase: 5º Semestre:

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

PMI Project Management Institute

PMI Project Management Institute PMP - Project Management Professional desde 1998 Presidente do Project Management Institute RS 00/04 Coordenador Latino-Americano do PMI-ISSIG por Projetos na Abordagem PMI Vice-Presidente da SUCESU-RS

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Desenvolvendo líderes que se importam com pessoas e resultados

Desenvolvendo líderes que se importam com pessoas e resultados Desenvolvendo líderes que se importam com pessoas e resultados A Academia da Liderança A Academia da Liderança é um programa de desenvolvimento de liderança, de 12 módulos, em modelo de imersão total com

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 Índice 1. Gerenciamento de riscos do projeto...3 2. Gerenciamento de aquisições do projeto...4 Referências bibliográficas...5 2 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS DO

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda?

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda? Resumo Integrar é procurar tornar partes distintas em um todo e que não percam seu objetivo. Gerenciar um projeto requer uma forte atuação integradora, visto que são muitas e complexas as funções a serem

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais