UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Thayse Guilherme Ferreira Curitiba MARÇO 2014

2 THAYSE GUILHERME FERREIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Relatório apresentado como conclusão do Estágio Supervisionado do Curso Superior de Tecnologia em Processos Ambientais. Professora Orientadora: Drª. Fátima de Jesus Bassetti Período: 01/10/2013 a 14/03/2014. Curitiba MARÇO 2014

3 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EMPRESA ESTÁGIO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS DOCUMENTAÇÃO LICITAÇÕES MAPAS ELABORAÇÃO DE PGRS ELABORAÇÃO DE CERTIFICADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 13

4 3 IDENTIFICAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGIO Identificação da Empresa: HMS Transportes e Locação de Caçambas Endereço: R. Julio Maito Sobrinho, 6, Uberaba Curitiba/PR Telefone: (41) Área da empresa onde foi realizado o estágio: Setor de Meio Ambiente Data de início: 01/10/2013 Data de término: 14/03/2014 Duração em horas: 400 horas Nome do profissional responsável pelo estágio: Jonathan David Karp APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A HMS é uma empresa brasileira, formada por uma equipe multidisciplinar especializada na realização do gerenciamento de resíduos sólidos. Foi constituída em 1998 e conta com uma frota própria de caçambas, compactaineres de 8m³ e 17m³, diversos caminhões para atender às necessidades dos mais de 650 clientes cadastrados, como: indústrias, shopping centers, construtoras, setor público, comércios, residências e grandes geradores.

5 4 1 INTRODUÇÃO 1.1 EMPRESA A HMS realiza a coleta de resíduos de diversos estabelecimentos, incluindo indústrias, instituições de ensino, construtoras etc. Após a coleta, os resíduos são transportados até o destinador final, que vai depender do tipo de resíduo, podendo ser usinas de reciclagem, aterro sanitário ou industrial. A HMS possui uma usina de reciclagem de resíduos da construção civil para onde são destinados resíduos como caliça e madeira. Os demais resíduos orgânicos, contaminados, plásticos, sucata etc. são encaminhados para outras empresas de reciclagem ou aterros. 1.2 ESTÁGIO Este relatório é apresentado de forma a atender os requisitos para aprovação na disciplina de Estágio Obrigatório do curso superior de Tecnologia em Processos Ambientais. O estágio foi realizado na HMS Resíduos, uma empresa voltada à coleta, transporte e destinação final de resíduos sólidos urbanos e industriais. O estágio foi desenvolvido no setor de Meio Ambiente da empresa e teve como principais atividades: Acompanhar e manter atualizada a documentação da empresa junto aos órgãos ambientais; Manter atualizadas as documentações dos fornecedores de serviços (destinadores finais de resíduos); Organizar documentação necessária para participação em licitações, bem como elaborar planos de trabalho; Elaborar Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS);

6 5 Elaborar certificados de destinação final de resíduos; Elaborar relatórios referentes à quantidade de resíduos transportados e seu destino; Criar e editar mapas com setorização de municípios para coleta de resíduos sólidos urbanos; Preparar documentação e acompanhar requerimentos de licenciamento ambiental. A seguir, essas atividades serão detalhadas e alguns trabalhos realizados serão mostrados com o intuito de ilustrar as atividades desenvolvidas. 2 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 2.1 DOCUMENTAÇÃO Além de ter o objetivo de cumprir as exigências legais, o controle da documentação se faz necessário por exigências dos clientes. Os principais documentos que são exigidos pelos clientes são: Licença de Operação expedida pelo IAP e Cadastro Técnico Federal (CTF) do IBAMA. O CTF deve ser renovado trimestralmente, fazendo com que seja necessário enviar a versão atualizada aos clientes a cada renovação. Esses documentos também são requeridos aos destinadores finais de resíduos para controle e fiscalização da empresa e dos clientes, que em grande parte devem apresentar esses documentos a auditores internos e externos. 2.2 LICITAÇÕES A empresa participa frequentemente de licitações referentes a coleta, ao transporte e a destinação de resíduos sólidos urbanos municipais.

7 6 Para participar dessas licitações é preciso analisar as exigências do edital e organizar os documentos solicitados. Além disso, muitas vezes é solicitada pelo edital a elaboração de um Plano de Trabalho com informações como: Planejamentos e Métodos, Equipamentos utilizados, dimensionamento de setores e planos de coleta. O tratamento e destino final dos resíduos coletados são encaminhados a outras empresas, bastando incluir no projeto da licitação os documentos legais das empresas em questão. Figura 1 Sumário de Plano de Trabalho realizado para participação de licitação no município de Santo Antônio da Platina.

8 7 2.3 MAPAS Dentro da execução dos planos de trabalho, pode ser solicitada a elaboração de mapas que mostrem os setores de coleta que serão adotados para prestação de serviços. Para elaboração desses mapas, é utilizado o software ArcGIS. A utilização desse software me permite colocar em prática os conhecimentos adquiridos durante intercâmbio pelo programa Ciência Sem Fronteiras, onde cursei uma disciplina introdutória do programa e outra disciplina voltada à sua aplicação na área ambiental. As Figuras 2, 3 e 4 são exemplos de como o software é utilizado. Figura 2 Tela do programa ArcGIS mostrando setorização do município de Santo Antônio da Platina. Figura 3 Bairros do Município de Irati destacados e a população e geração de resíduos correspondentes.

9 Figura 4 Setorização e Cronograma de coleta adotado para o município de Irati. 8

10 9 2.4 ELABORAÇÃO DE PGRS A HMS também presta serviços de consultoria para licenciamento e elaboração de PGRS. Para este serviço, realiza-se uma visita à empresa contratante para levantamento de dados. Durante a visita, tiram-se fotos e é feito um diagnóstico qualitativo e quantitativo dos resíduos, especificando o setor da empresa e onde são gerados dentro do processo, dentre outros aspectos necessários. Após a análise desses dados é elaborado o Plano de Gerenciamento, apresentando as melhorias necessárias. Através dessa atividade é possível colocar em prática os conhecimentos adquiridos nas disciplinas de Resíduos Sólidos Urbanos e Industriais. Figura 5 PGRS Elaborado para indústria Fibracem

11 ELABORAÇÃO DE CERTIFICADOS Após a destinação, é necessário elaborar certificados que comprovem a correta destinação dos resíduos. Esses certificados são enviados às empresas geradoras via e junto com os certificados da HMS são enviados também os certificados das empresas destinadoras. Figura 6 Exemplo de certificado de destinação final emitido pel HMS Gestão O certificado deve apresentar a identificação da empresa, o período a que se refere e sua classificação de acordo com a norma NBR (ABNT, 2004), bem como a quantidade destinada e a empresa receptora.

12 11 Na Figura 6 é possível observar também que outra informação presente no certificado é o número de identificação dos MTRs Manifesto de Transporte de Resíduos, que acompanha a movimentação dos resíduos conforme norma NBR (ABNT, 2003). A Figura 7 é um exemplo de certificado de destinação final de empresa receptora de resíduos Classe II, que é enviado juntamente ao certificado emitido pela HMS. Figura 7 Certificado de Destinação Final de receptora de resíduos Orgânicos (Classe II)

13 12 3 CONCLUSÕES A experiência de estágio na HMS Resíduos proporciona oportunidades de colocar em prática conceitos vistos em disciplinas como Resíduos Sólidos Urbanos, Resíduos Sólidos Industriais e Licenciamento Ambiental. Bem como aplicar os conhecimentos adquiridos na experiência de intercâmbio. Paralelo à aplicação destes conhecimentos estão sempre em prática habilidades como organização e planejamento. O contato direto com o setor ambiental de diversas outras empresas expandem tanto o conhecimento como meu network, podendo gerar oportunidades de trabalho no futuro. De modo geral, a experiência tem um saldo positivo e continua a acrescentar competências à minha formação, diariamente, à medida que surgem os problemas e desafios.

14 13 4 REFERÊNCIAS ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR Resíduos sólidos Classificação. Rio de Janeiro, ABNT, ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR Transporte terrestre de resíduos. Rio de Janeiro, ABNT, BRASIL. Lei Federal N.º de 2 de agosto de Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras previdências. ArcGIS for Desktop Advanced, versão Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute, 2012.

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais

PROCEDIMENTO CADASTRAL

PROCEDIMENTO CADASTRAL PROCEDIMENTO CADASTRAL SERVIÇOS DE LIMPEZA CONTROLE DE PRAGAS COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE PILHAS E BATERIAS COLETA, TRANSPORTE DESCONTAMINAÇÃO E DESTINAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ OBRIGATORIEDADE DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

Submódulo 11.2 Avaliação de desempenho dos sistemas de proteção

Submódulo 11.2 Avaliação de desempenho dos sistemas de proteção Submódulo 11.2 Avaliação de desempenho dos sistemas de proteção Rev. Nº. 0.0 0.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental.

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. OBRAS E CONSTRUÇÕES Sistema de Esgotamento Sanitário Sistema de Coleta e Tratamento de Esgoto Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. 1 - Procedimentos de

Leia mais

Roteiro de Solicitação

Roteiro de Solicitação Roteiro de Solicitação Número Roteiro.LP. 6-01 Nome Roteiro: Licença Prévia para comércio varejista de produtos farmacêuticos sem manipulação de fórmulas Objetivo: Requerer a Licença Prévia para comércio

Leia mais

ANEXO I a que se refere o art. 1º do Decreto nº 8.016, de 23 de janeiro de 2015

ANEXO I a que se refere o art. 1º do Decreto nº 8.016, de 23 de janeiro de 2015 ANEXO I a que se refere o art. 1º do Decreto nº 8.016, de 23 de janeiro de 2015 VALORES DAS MULTAS Infração Não apresentação do Plano de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil - PGRCC Destinação

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-003-01-13 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Dezembro de 2013 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA Á EMPRESA A ECOPRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA é uma empresa prestadora de serviços ambientais, formulada em 2004, atuando com ênfase na Gestão, Coleta, Transporte,

Leia mais

Eng. Ivanor Fantin Júnior Celular: (041)

Eng. Ivanor Fantin Júnior Celular: (041) Eng. Ivanor Fantin Júnior Celular: (041) 9229-9900 engenharia@sindusconpr.com.br Logística Reversa de Resíduos da Construção Civil no Estado do Paraná Situação Atual Estimativa da quantidade coletada de

Leia mais

SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS

SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS SEMINÁRIO SUL-BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS A SITUAÇÃO ATUAL DO GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FRENTE A RESOLUÇÃO CONAMA nº420/2009 Eng. Quím. Mário

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde da população. Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo

Resíduos de Serviços de Saúde da população. Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo T Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo Anos 70 - Incineração realizada pelos estabelecimentos 1976 - CETESB/LIMPURB fecham os incineradores instalados nos Hospitais 1977 - Coleta

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto aprovado pelo Decreto

Leia mais

NORMAS DE MEIO AMBIENTE

NORMAS DE MEIO AMBIENTE ANEXO III REF. EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 001/2017 NORMAS DE MEIO AMBIENTE PÁG 1 DE 5 NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE BOMBEAMENTO E REFRIGERAÇÃO DOS MANCAIS DAS UNIDADES

Leia mais

ANEXO X PROJETO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC

ANEXO X PROJETO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC ANEXO X PROJETO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC Tomando como base que o empreendedor tem a obrigação de gerenciar os resíduos gerados durante as obras de implantação

Leia mais

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004 PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ São Paulo, 04 de novembro de 2004 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução CONAMA Nº 264/99, dispõe sobre o co-processamento de resíduos sólidos; Resolução

Leia mais

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE OBRA METROVIÁRIA Katia Harue Kamimura Fabíola Pagliarani Lucas Campaner Alves Flavia Rodrigues 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

Leia mais

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras

Tratamento e Descarte de Resíduos de Obras PROCEDIMENTO DO SMS Tratamento e Descarte de de Obras PR-99-992-CPG-003 Revisão: 02 Página: 1/6 1. OBJETIVO Definir padrões para o manuseio e descarte de resíduos produzidos pelas empresas contratadas

Leia mais

Manual de Documentos Exigidos dos Fornecedores

Manual de Documentos Exigidos dos Fornecedores PRIMAX TRANSPORTE PESADOS LTDA. Manual de Documentos Exigidos DG.SUP.004 REV04 Aprovado por Julio Apolinário 8/9/2017 Revisão: 004 Folha: 1 de 13 1 OBJETIVO... 3 2 SUBCONTRATADA OU PRESTADORES DE SERVIÇOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF - IBAMA

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF - IBAMA CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF - IBAMA Vitória, 11 de Novembro de 2014 SUSTENTABILIDADE A nova ordem ambiental para o Setor Automotivo As concessionárias devem ser: Cenário Atual Pesquisa in loco" com mais

Leia mais

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 3.326, de 29 de novembro de 1994 Publicada no DOERJ de 09 de dezembro de 1994

Leia mais

Seminário Construção Sustentável Gestão de Resíduos da Construção. Lilian Sarrouf

Seminário Construção Sustentável Gestão de Resíduos da Construção. Lilian Sarrouf Seminário Construção Sustentável Gestão de Resíduos da Construção Lilian Sarrouf Resíduos da Construção Civil 28 PNRS e a Construção Civil 28 Membro do GT Técnico MMA Política Nacional de Resíduos e a

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO EDITAL PIBIC-EM

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO EDITAL PIBIC-EM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO EDITAL PIBIC-EM 2016-2017 O da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPEP) abre as inscrições para solicitações de Bolsas do PROGRAMA

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES EDITAL Nº 01, DE 29 DE JANEIRO DE 2013 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS/CONHECIMENTOS

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL

INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL SINDICATOS PARTICIPANTES SINDICOURO Sindicato das Indústrias de Artefatos de Couro do

Leia mais

EDITAL Nº 85 DE 24 DE JUNHO DE 2016

EDITAL Nº 85 DE 24 DE JUNHO DE 2016 EDITAL Nº 85 DE 24 DE JUNHO DE 2016 O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia - IFRO, no uso de suas atribuições legais, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação

Leia mais

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição PARECER ÚNICO nº 176 /2008 PROTOCOLO Nº 556469/2008 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº LO DEFERIMENTO Outorga Nº: (Não Aplicável) xxx xxx APEF Nº: (Não Aplicável) xxx xxx Reserva legal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde 2008 ANTECEDENTES LEGAIS RES. CONAMA 05/1993 RES. CONAMA 283/2001 RDC ANVISA 306/2004

Leia mais

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores, assim definidos como pessoas físicas ou jurídicas,

Leia mais

Novo Sistema de Manifesto de Transporte de Resíduos

Novo Sistema de Manifesto de Transporte de Resíduos Novo Sistema de Manifesto de Transporte de Resíduos Novo Sistema de Manifesto de Resíduos Justificativa Aprimorar o controle da movimentação de resíduos no ERJ Ampliar os tipos de resíduos controlados

Leia mais

Manual de Documentos Exigidos dos Fornecedores

Manual de Documentos Exigidos dos Fornecedores PRIMAX TRANSPORTE PESADOS LTDA. Manual de Documentos Exigidos DG.SUP.004 REV03 Aprovado por Julio Apolinário 5/7/2017 Revisão: 003 Folha: 1 de 13 1 OBJETIVO... 3 2 SUBCONTRATADA OU PRESTADORES DE SERVIÇOS

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA 2.3 - Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes

Leia mais

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental.

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. INDÚSTRIA MÉDIO PORTE Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. 1 - Procedimentos de licenciamento: 1. Os responsáveis pelas atividades a licenciar, instituído

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto aprovado pelo Decreto

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de...

Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de... 1 Deliberação Normativa COPAM nº..., de... de... Dispõe sobre a utilização da areia descartada de fundição na produção de artefatos de concreto sem função estrutural. O Conselho Estadual de Política Ambiental

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO Juliana Biluca (*), Karen Meridiana Rodrigues de Conto, Douglas Alcindo da Roza,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO NO CENTRO REGIONAL DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 2013

PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO NO CENTRO REGIONAL DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 2013 PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO NO CENTRO REGIONAL DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 2013 O Diretor do Centro de Ciências da Saúde e a Coordenação do Centro Regional

Leia mais

Plano de gerenciamento de resíduos sólidos - PGRS

Plano de gerenciamento de resíduos sólidos - PGRS Plano de gerenciamento de resíduos sólidos - PGRS Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil Marco mundial: Agenda 21 (ECO-92): busca do desenvolvimento sustentável e é o principal

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO NOME DO ALUNO Jaguariúna 2010 REGISTRO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

Leia mais

Treinamento TRABALHO

Treinamento TRABALHO TÍTULO Portaria DO de Treinamento TRABALHO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS GRUPO TÉCNICO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS Estabelece Diretrizes para

Leia mais

Vantagens de um Sistema de Gestão da Qualidade nos Serviços de Saneamento Básico indicadores e resultados

Vantagens de um Sistema de Gestão da Qualidade nos Serviços de Saneamento Básico indicadores e resultados IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um Sistema de Gestão da Qualidade nos Serviços de Saneamento Básico indicadores e resultados 09 de dezembro de 2015

Leia mais

Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil

Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil 1 Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil 2 Definição PGRS é parte integrante da Lei 12.305, de 2010, que instituiu o PNRS Plano Nacional de Resíduos Sólidos; PGRCC é um documento que aponta

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1. COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES 1.1 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Cabe a CDP, enquanto Autoridade Portuária, a implantação, o gerenciamento e a fiscalização de

Leia mais

RELATÓRIO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO NOME DO ALUNO(A): REGISTRO ACADÊMICO: ORIENTADOR DO UNIBRASIL: SEMESTRE LETIVO: EMPRESA: PERÍODO DE REALIZAÇÃO: TOTAL DE DIAS DE ESTÁGIO: TOTAL DE HORAS: NOME DO(A) RESPONSÁVEL NA EMPRESA: FUNÇÃO: Data

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto aprovado pelo Decreto

Leia mais

Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos

Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos O desafio das CEASA S Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos QTC Visão Sobre a Saúde no Brasil A CLÍNICA Privilegia o indivíduo. O processo Saúde Doença tem a ver apenas com o agente e o homem.

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AOS PROCESSOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL JUNTO A AMMA EUSÉBIO EMPRESAS JÁ INSTALADAS ANÁLISE DOCUMENTAL

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AOS PROCESSOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL JUNTO A AMMA EUSÉBIO EMPRESAS JÁ INSTALADAS ANÁLISE DOCUMENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AOS PROCESSOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL JUNTO A AMMA EUSÉBIO EMPRESAS JÁ INSTALADAS FOI APRESEN TADO (A)? Nº ÍTEM 1 ANÁLISE DOCUMENTAL Preencher o Requerimento (formulário de solicitação),

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

EDITAL PROJETA EMPRESA JÚNIOR CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS

EDITAL PROJETA EMPRESA JÚNIOR CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS EDITAL PROJETA EMPRESA JÚNIOR CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS PROCESSO SELETIVO PROJETA 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: A mais nova Empresa Júnior Do Instituto Federal do Piauí- Campus Zona Sul, PROJETA, lança o processo

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

DADOS: RODOVIA BR 235

DADOS: RODOVIA BR 235 DADOS: RODOVIA BR 235 CONSTRUTORA CONSÓRCIO EMPA/CCM/CCL SUPERVISÃO ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA Rodovia : BR 235/BA Trecho : Div. SE/BA Entr. BR 122/407/423/BA (Div. BA/PE) (Juazeiro/Petrolina Subtrecho

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2017

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2017 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2017 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE TUTORIAL APRESENTAÇÃO DO PGR - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ONLINE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE TUTORIAL APRESENTAÇÃO DO PGR - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ONLINE PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE TUTORIAL APRESENTAÇÃO DO PGR - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ONLINE Acesso aos geradores de resíduos de construção civil (PGR da obra) Primeiro

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 2 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO PETROBRÁS 2013

PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO PETROBRÁS 2013 PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO PETROBRÁS 2013 O Instituto Euvaldo Lodi IEL/MA está realizando o processo seletivo para o Programa de Estágio da Petrobrás. O objetivo deste estágio é que o aluno

Leia mais

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA www.trconstrucao.eng.br Somos uma empresa de consultoria que atua no segmento de orçamento e planejamento para a construção civil. Atuamos no mercado de incorporação, arquitetura,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

SELEÇÃO DE FORNECEDORES

SELEÇÃO DE FORNECEDORES SELEÇÃO DE FORNECEDORES Elaboração Juscelino Bourbon NOR - GADS - 03-00 Versão Data Histórico Aprovação 00 08/11/11 Emissão de procedimento. Rafael Gomes Avaliação da Necessidade de Treinamento Requer

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS COM ÊNFASE NOS PAÍSES ÁRABES 1º Semestre de 2018

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS COM ÊNFASE NOS PAÍSES ÁRABES 1º Semestre de 2018 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS COM ÊNFASE NOS PAÍSES ÁRABES 1º Semestre de 2018 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente

Leia mais

1.1. Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações. Período Integral: 15 vagas.

1.1. Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações. Período Integral: 15 vagas. Edital CE nº 002/2016 Transferência Interna 2017 Estarão abertas na Seção Técnica de Apoio Acadêmico do Câmpus de São João da Boa Vista, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, localizada

Leia mais

BOLSAS DE APOIO À INOVAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPOS OU PRODUTOS INOVADORES FEIRA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFPR - IFTECH EDITAL N

BOLSAS DE APOIO À INOVAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPOS OU PRODUTOS INOVADORES FEIRA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFPR - IFTECH EDITAL N BOLSAS DE APOIO À INOVAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPOS OU PRODUTOS INOVADORES FEIRA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFPR - IFTECH EDITAL N.º 006/2014 PROEPI/IFPR A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

2.1.2 Resolução CONAMA nº 283, de 12 de julho de Dispõe sobre o tratamento e a destinação final dos resíduos dos serviços de saúde.

2.1.2 Resolução CONAMA nº 283, de 12 de julho de Dispõe sobre o tratamento e a destinação final dos resíduos dos serviços de saúde. IT-1318.R-2 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA UNIDADES DE RECICLAGEM E COMPOSTAGEM Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.225, de 21 de novembro de 2002. Publicada no DOERJ de

Leia mais

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO 14.001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA O SGA é parte do Sistema de Gestão da IFSM Campus Inconfidentes-MG, englobando a estrutura organizacional, as atividades de

Leia mais

Manual do Módulo Estágios no SUAP Professor Orientador

Manual do Módulo Estágios no SUAP Professor Orientador Manual do Módulo Estágios no SUAP Professor Orientador Procedimentos relacionados ao Estágio Etapas do estágio Documentos necessários Responsável 1. Cadastro Plano de atividades e Termo de Compromisso

Leia mais

Instrução Normativa nº 03/ PPGEN

Instrução Normativa nº 03/ PPGEN Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza-PPGEN. Campus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA RESOLUÇÃO CSTGP Nº 02/2015 Regulamenta o Estágio Supervisionado obrigatório do Curso

Leia mais

Gerente do Departamento de Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e Eficiência dos Recursos Naturais da CETESB

Gerente do Departamento de Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e Eficiência dos Recursos Naturais da CETESB João Luiz Potenza Gerente do Departamento de Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e Eficiência dos Recursos Naturais da CETESB POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS -PNRS Lei Federal n 12.305, de 2 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR Câmpus Londrina Departamento Acadêmico de Engenharia de Produção

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR Câmpus Londrina Departamento Acadêmico de Engenharia de Produção MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR Câmpus Londrina Departamento Acadêmico de Engenharia de Produção NORMAS E PROCEDIMENTOS COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Coordenadora: Marina Petzen Vieira dos Santos Componentes: Vilmar Pereira, Rosiléa França, Flávia Badalotti, Luciana da Costa, Paulo Pasin

Leia mais

Resíduos sólidos no município de Campos dos Goytacazes/RJ

Resíduos sólidos no município de Campos dos Goytacazes/RJ Resíduos sólidos no município de Campos dos Goytacazes/RJ Leziane Machado de Oliveira Elza Maria Senra de Oliveira No presente relatório, intitulado Educação no Processo de Gestão Ambiental no Cefet Campos

Leia mais

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²):

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²): PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PGRI Página 1/5 1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Classificação Fiscal: 2. Caracterização do Empreendimento Contato (Fone

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores do IFPB Campus João Pessoa EDITAL Nº 11, 23 DE OUTUBRO DE 2016 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS/CONHECIMENTOS

Leia mais

equipamentos eletrônicos de trânsito e segurança pública

equipamentos eletrônicos de trânsito e segurança pública equipamentos eletrônicos de trânsito e segurança pública Nós somos a Splice, uma empresa com orgulho de ser brasileira. A empresa Splice Mobilidade Urbana (fundada inicialmente com o nome de Splice do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CÂMPUS DE PALMAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Avenida NS 15, 109 Norte-Plano Diretor Norte Palmas/TO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CÂMPUS DE PALMAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Avenida NS 15, 109 Norte-Plano Diretor Norte Palmas/TO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CÂMPUS DE PALMAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Avenida NS 15, 109 Norte-Plano Diretor Norte 77001-090 Palmas/TO (DD) 3232-8219 www.uft.edu.br civil@uft.edu.br EDITAL N 001/2016

Leia mais

CRONOGRAMA DE AQUISIÇÕES 2014 MATERIAL DE CONSUMO E MATERIAL PERMANENTE

CRONOGRAMA DE AQUISIÇÕES 2014 MATERIAL DE CONSUMO E MATERIAL PERMANENTE MATERIAL DE CONSUMO E MATERIAL PERMANENTE TIPO DE COMPRA Pregão Eletrônico Tradicional 2014 OBJETO DA Material de consumo ou permanente SO DE CADASTRO De 24 Fevereiro a 07 de Março AJUSTE DOS CADASTROS

Leia mais

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito.

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. 1. Definição Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. Para se adaptar à Coleta Seletiva, é essencial que o material

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL - AÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS AÇOES DE GESTÃO DE RESÍDUOS - BASE LEGAL Lei nº 11.107/2005 Consórcios Públicos Decreto nº 6017/2007

Leia mais

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza (theos@usp.br) Art. 9 o da Lei 6.938/81 Padrões de Qualidade Ambiental Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente Zoneamento

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO L.O 43/2015

LICENÇA DE OPERAÇÃO L.O 43/2015 A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal Nº 88/06 e Certificado de Qualificação junto ao conselho Estadual do Meio Ambiente através da Resolução do CONSEMA Nº229/2009, com base

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

Exigências Básicas em Meio Ambiente. Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental

Exigências Básicas em Meio Ambiente. Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental Exigências Básicas em Meio Bernardo R. Souto Advogado Engenheiro Ambiental Ambiente Ligia Macedo de Paula Advogada Mestre em Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental O QUE UM POSTO PRECISA TER... LICENÇA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS Saint- Gobain Canalização Itaúna Palestrantes: Adriana Oliveira Adriano Corrêa PGR - Plano de Gerenciamento de Resíduos Parte integrante essencial do sistema de gestão de

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica EDITAL

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica EDITAL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica EDITAL 2016-2017 1. Finalidade O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Hospital de Clínicas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE POLO DE INOVAÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE POLO DE INOVAÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE POLO DE INOVAÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES BR 356, km 158, Martins Lage - Campos dos Goytacazes, RJ TEL: (22) 2737-5691 direcao.picg@iff.edu.br

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190 Cria o Programa de Monitoria da UFG, fixa os objetivos e estabelece as estruturas de funcionamento da Monitoria na UFG, e

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ANALISTA DE SUPORTE TÉCNICO PCD SESC SOROCABA

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ANALISTA DE SUPORTE TÉCNICO PCD SESC SOROCABA DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ANALISTA DE SUPORTE TÉCNICO PCD SESC SOROCABA O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA O PERÍODO 2015.1 EDITAL 13/2014 O Diretor Presidente da Faculdade Leão Sampaio, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as inscrições para seleção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS Anexo 4 Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Não-obrigatório do Curso de

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO3: Desenvolvimento de Projeto Executivo dos sistemas de esgotamento sanitário dos Povoados de Chapada e Manchão do Meio em Xambioá/TO

Leia mais

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública*

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES PARA CONSULTA PÚBLICA Este formulário tem a finalidade de identificar e orientar as contribuições para

Leia mais