Julio Nascif Xavier

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br"

Transcrição

1 abraman Congresso de Manutenção EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier

2 Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que agregam competitividade, baseada em uma relação de parceria. É uma ferramenta estratégica como tantas outras que pode trazer resultados bastante positivos se usada corretamente, mas que pode trazer, também grandes prejuízos quando usada incorretamente.

3 EMPREITERIZAÇÃO Não parceria Desconfiança Levar vantagem em tudo Ganhos de curto prazo Pluralidade de fornecedores O preço decide Antagonismo Contratada como adversária Descompromisso gerencial da contratada Contrata mão de obra Parceria Confiança TERCEIRIZAÇÃO Política do ganha ganha Ganhos estratégicos Fornecedor único Enfoque no resultado Qualidade preço Cooperação Contratada como parceira Autonomia gerencial da contratada Contrata soluções

4 CONTRATAÇÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA 2001 Fonte abraman Segmento % ALIMENTOS E BEBIDAS 17,0 AUTOMOVEIS E METALURGIA 15,4 BORRACHA E PLÁSTICO 8,5 CIMENTO E CONSTRUÇÃO CIVIL 25,0 ELETROELETRONICA E TELECOMUNICAÇÕES 34,4 ENERGIA ELÉTRICA 26,1 FARMACEUTICA 21,7 FERTILIZANTES AGRO INDÚSTRIA QUIMICA 25,7 HOSPITALAR 34,0 MÓVEIS E DIVISÓRIAS 10,0 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 41,7 MINERAÇÃO 13,1 PAPEL E CELULOSE 22,5 PREDIAL 29,5 PETROLEO 35,5 PETROQUIMICA 37,5 SANEAMENTO E SERVIÇOS 21,4 SIDERÚRGICO 19,1 TEXTIL 20,0 TRANSPORTE 20,7 M é d i a 24,8

5 POR QUE TERCEIRIZAR VOCAÇÃO atividade meio para contratante é atividade fim para a contratada. Cuidado com a Manutenção, que mesmo não sendo uma atividade fim, é estratégica para a organização. EFICIÊNCIA É impossível ser especialista em tudo, ainda mais em época de maior diversidade e rápida evolução. CUSTO DIRETO Manutenção de recursos humanos com baixo grau de utilização. CUSTO INDIRETO Toda atividade meio requer gerenciamento equivalente a qualquer atividade fim da empresa

6 DIFICULDADES PARA A TERCEIRIZAÇÃO Poucas empresas vocacionadas e capacitadas para a atividade de manutenção. Legislação trabalhista, ainda restritiva. Baixa integração entre contratantes e contratadas com prática da política perde-ganha. Pouca mão de obra qualificada no mercado Baixo índice de treinamento e qualificação entre as empresas prestadoras de serviço. Possibilidade de cartelização em alguns setores Não cumprimento (ainda) de obrigações trabalhistas por parte de algumas prestadoras de serviço. Maior taxa de acidentes entre os contratados Cultura gerencial, média gerência, em manter pessoal próprio

7 VANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO Aumento da qualidade Redução de custos Transferência de processos suplementares a quem os tenha como atividade fim Aumento da especialização Flexibilidade organizacional Redução de áreas ocupadas Melhor atendimento Melhor administração do tempo para gestão do negócio

8 DESVANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO Aumento da dependência de terceiros Aumento de custos quando se empreiteriza Aumento do risco empresarial pela possibilidade de queda na qualidade Aumento do risco de acidentes pessoais Aumento do risco de passivo trabalhista, função da baixa qualidade de contratação Perda de know-how

9 CONDIÇÕES BÁSICAS PARA TERCEIRIZAR Definir quais atividades podem ou devem ser terceirizadas no todo ou em parte tomando especial cuidado com as atividade fim e estratégicas, onde se inclui parte da manutenção Verificar a existência, no mercado, de empresas prestadoras de serviço ou mesmo a possibilidade de serem desenvolvidas. Procurar resultados de médio e longo prazo ao invés de redução de custo no curto prazo Estabelecer relações de parceria (as duas partes ganham) Procurar a melhoria contínua dos resultados, com ganhos divididos entre as duas partes

10 CONDIÇÕES BÁSICAS PARA TERCEIRIZAR Estabelecer indicadores de resultados nas áreas de Qualidade, Atendimento, Custo, Segurança, Moral e Meio Ambiente. Ter como premissa o desenvolvimento tecnológico do prestador de serviço. Desenvolver um instrumento contratual claro e justo. Lembrar que o instrumento contratual não deve ser uma fonte de ameaça para a contratada nem para a tomadora de serviços. Exigir a qualificação necessária para as funções que estão sendo contratadas.

11 TENDÊNCIAS DA CONTRATAÇÃO NA MANUTENÇÃO, NO BRASIL Aumento Manter o nível atual Diminuir Fonte-abraman

12 FORMAS DE CONTRATAÇÃO Mão de obra Serviços Resultados

13 Contratação por Mão de Obra Forma mais antiga Estrategicamente a mais incorreta Ainda muito praticada pelas empresas brasileiras Nada mais é que a transferência de obrigações trabalhistas com a finalidade de mascarar a relação de emprego com a mão de obra. Estreita relação de trabalho entre as gerências e supervisão da Contratante com a mão de obra da contratada. Em muitos casos, o fiscal da contratante supervisiona os serviços da contratada. É a forma de contratação que apresenta a maior probabilidade de criação de passivos trabalhistas. (a menos que sejam serviços temporários ou de vigilância) Leis 6019 e 7102

14 Contratação por Mão de Obra E F E I T O S Mão de obra menos qualificada Mão de obra mais barata Baixa produtividade ( o ônus é exclusivamente da contratante) Não há qualquer compromisso com os resultados Maior índice de acidentes Baixa qualidade final do trabalho Menor comprometimento dos empregados (não têm identidade com nenhuma das duas empresas) Tendência de descumprimento de obrigações trabalhistas (como fonte de aumento de renda)

15 Contratação por Mão de Obra E F E I T O S Interferência da contratante na administração da atividade da contratada Pagamento por homem hora ou homem dia A disponibilidade, que é o grande resultado da manutenção, é afetado negativamente. Para a contratada quanto mais gente tiver melhor Para a contratante o excesso de gente tumultua a instalação e não significa, absolutamente, maior volume de serviço. RELAÇÃO PERDE - PERDE

16 Contratação por Serviço Apresenta um grande avanço em relação à contratação por mão de obra. Apresenta (ou pode apresentar) as seguintes características: Mão de obra de melhor qualificação Maior produtividade ( o ônus da menor produtividade passa a ser problema da contratada) Responsabilidade técnica da contratada (apesar disso ainda se observa muita interferência da contratante) Melhor qualidade do trabalho (contrato pode incluir item de garantia do serviço executado, por exemplo 3 meses) Melhor atendimento por parte da contratada em função do ser maior interesse em fazer maior número de serviços.

17 Contratação por Serviço E F E I T O S Menor desperdício Melhor aplicação da mão de obra existente Quadro mais enxuto Pessoal mais qualificado, serviço de maior qualidade Supervisão da contratada experiente capaz de tomar decisões para continuidade do serviço e preocupada com a produtividade Redução significativa de retrabalhos No entanto OBJETIVOS DA CONTRATANTE E CONTRATADA SÃO ANTAGÔNICOS

18 Contratação por Serviço E F E I T O S OBJETIVOS ANTAGÔNICOS Contratante Quer maior Disponibilidade Quanto menos intervenção melhor Contratada Quanto mais serviço tiver mais ela vai faturar RELAÇÃO PERDE - GANHA

19 Contratação por Resultados CONTRATANTE E CONTRATADA TEM O MESMO OBJETIVO D I S P O N I B I L I D A D E Equipamento rodando Maior TMEF Instalação disponível para operar

20 Contratação por Resultados Principais características desse tipo de contratação Contratante tem como meta maior disponibilidade Como consequência, menor demanda de serviço Responsabilidade técnica totalmente da contratada Contratada, cuja meta é a mesma da contratante, terá maior lucro se a demanda for menor (mesmo que o faturamento seja menor, o que não foi gasto é dividido entre as duas partes)

21 Contratação por Resultados Indicadores básicos desse tipo de contrato: Disponibilidade mínima dos equipamentos ou sistemas estabelecida contratualmente Um teto de recursos contratados estabelecidos de modo coerente, que pode ser referido, inclusive, em homem-hora (não confundir com contratação por homem hora) A PARTIR DE UM BOM BANCO DE DADOS ou NEGOCIAÇÃO FRANCA E ABERTA

22 Contratação por Resultados DISPONIBILIDADE DEMANDA DE SERVIÇOS FATURAMENTO CUSTOS LUCRO AUMENTA DIMINUI DIMINUEM AUMENTA Exemplo: Uma empresa foi contratada por uma determinada fábrica. A disponibilidade foi definida em contrato e o teto de recursos contratados foi de hh-ano. Caso o teto não seja consumido, o ganho será dividido igualmente entre as partes. Supondo que o lucro da contratada seja 10% do seu faturamento, temos:

23 Caso 1 Todo recurso previsto foi consumido Faturamento da contratada hh Lucro da contratada hh Caso 2 Foram consumidos apenas hh Faturamento da contratada hh Lucro sobre faturamento hh Sobra de recursos hh Premio da contratada hh Pagamento pela contratante hh Lucro total da contratada hh RELAÇÃO GANHA - GANHA

24 A FORMA DE CONTRATAÇÃO PROVOCA EFEITOS DIRETOS SOBRE A MANUTENÇÃO E, EM CONSEQUÊNCIA, NOS RESULTADOS DA EMPRESA DISPONIBILIDADE QUALIDADE CUSTOS ATENDIMENTO AO CLIENTE COMPORTAMENTO DO PESSOAL

25 ,69 FORMA DE CONTRATAÇÃO NO BRASIL 24,18 43,14 16, HH TAREFAS SERV FECHADO RESPONSABILIDADE Fonte:abraman

26 CONCEITO DA TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO , ,35 12,68 3,52 0,7 0 EXC MBOM BOM REG DEF INSUF Fonte:abraman

27 ABRANGÊNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO Somente serviços complementares e de baixo know how Alguns serviços específicos que necessitem capacitação Serviços em todas as áreas, como complementação Entrega toda a manutenção para Terceiros (contrato global) Contratação específica para grandes serviços e paradas Limpeza, serviços pesados Mecânica, Tubulação contrata Instrumentação pessoal próprio Divide áreas entre pessoal próprio e Contratadas com know-how Mantém apenas pequeno núcleo (2 pessoas) para fiscalização Conhecido como serviço fechado

28 A ABRANGÊNCIA DA CONTRATAÇÃO PROVOCA EFEITOS SOBRE A MANUTENÇÃO ABRANGÊNCIA Apenas tarefas Complementares Tarefas complementares e específicas Contrata em todas as áreas como complementação Entrega manutenção a terceiros EFEITOS NOS RESULTADOS Bom Depende de como é feita a contratação Idem Perda de know how Dependência Resultado função da empresa contratada EFEITOS NO PESSOAL Sem problemas. MO própria em serviços mais nobres Bom quando divide Ruim quando mistura Idem Não há pessoal próprio na Manutenção. Perguntar à Produção.

29 RESUMINDO Terceirização na Manutenção Terceirização é uma ferramenta gerencial e sua maior ou menor aplicação vai depender da estratégia da empresa. Decisões radicais ou apressadas, no sentido de terceirizar tudo ou não terceirizar nada, não parecem sensatas e, via de regra, provocam retrocesso cedo ou tarde. Os efeitos mais danosos da contratação estão sempre, e diretamente, ligados à má contratação. Terceirização só será eficaz quando as partes forem parceiras. Parceria pressupõe respeito, confiança e objetivos comuns.

30 ALGUMAS PERGUNTAS PARA REFLEXÃO 1 - Qual a forma de contratação que predomina na manutenção de sua empresa? 2 Os instrumentos contratuais são bem elaborados e claros? 3 A licitação tem aspectos seletivos ou nivela todo mundo por baixo? 4 Você sabe como o(s) seu(s) clientes avaliam seu serviço? Os terceiros e você são a mesma entidade para êle(s)

31 PODE... Ser isso ou isso DEPENDE DE NÓS.

32 Bibliografia: Livro Manutenção Função Estratégica Alan Kardec Pinto e Julio Nascif Xavier Editora QualityMark Rio de Janeiro 2a. Edição revisada e ampliada 2001 TECÉM TECNOLOGIA EMPRESARIAL LTDA Rua Inconfidentes, 657 sala 402 Funcionários Belo Horizonte MG Fone fax

33 Cadastre-se e participe

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

GESTÃO DE CONTRATOS DE MANUTENÇÃO PREDIAL - UM ESTUDO DE CASO NO EDIFÍCIO SEDE DA PETROBRAS EDISE : ANÁLISE E PROPOSTA DE MELHORIAS

GESTÃO DE CONTRATOS DE MANUTENÇÃO PREDIAL - UM ESTUDO DE CASO NO EDIFÍCIO SEDE DA PETROBRAS EDISE : ANÁLISE E PROPOSTA DE MELHORIAS GESTÃO DE CONTRATOS DE MANUTEN PREDIAL - UM ESTUDO DE CASO NO EDIFÍCIO SEDE DA PETROBRAS EDISE : ANÁLISE E PROPOSTA DE MELHORIAS Autores: ANDRÉ LUIZ RAEDER GABRIEL MARCELO CONTENTE ARESE NELSON PINTO DA

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA?

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? João Luiz Kovaleski (2) Rui Francisco Martins Marçal (3) Luiz Alexandre Barbosa Pinto (1) Resumo A área de manutenção de

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Trabalhamos para que você não Pare. Sistema de incêndio (hidrantes) / Sprinklers ; Redes de ar comprimido / vapor / gases ; Sistema de Água Industrial ; Infra Estrutura em Geral ; Transportes Pneumáticos

Leia mais

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL PRINCIPAIS TEMAS DESAFIOS E FATORES DE SUCESSO NA GLOBALIZAÇÃO. OBJETIVO DA EMPRESA. DIVIDENDOS:

Leia mais

Estrutura do sistema de franchising

Estrutura do sistema de franchising Estrutura do sistema de franchising Negócio Estruturado Empreendedor Estratégias de Ampliação de Mercado Comercializa o conceito do negócio Marca Tecnologia Know-how Compra o conceito de negócio já implantado

Leia mais

FRATTINI. Associados. Econômico. Agosto/14

FRATTINI. Associados. Econômico. Agosto/14 Agosto/14 Sumário ECONOMIA MELHORES & MAIORES 2014 ECONOMIA Inflação PIB Fonte: Veja, Julho 2014 Fonte: Veja, Julho 2014 Inflação Inflação continua preocupando em 2015. Fonte: Itaú BBA, Julho/14 Inflação

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

http://www.investnews.com.br/in_news.aspx?parms=2396439,29,1,1

http://www.investnews.com.br/in_news.aspx?parms=2396439,29,1,1 Página 1 de 5 Usuários cadastrados São Paulo, quinta-feira, 19 de março de 2009. - 12:12 RSS PDA Mobile Loja InvestNews TV Destaques de Administração & Serviços, Caderno C 18/03-01:08 Programa Madeira

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos INTRODUÇÃO. CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I

GESTÃO DE PROJETOS. Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos INTRODUÇÃO. CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I GESTÃO DE PROJETOS INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 PLT 692 A natureza de um Projeto (Keeling, Ralph) Parte I Profa. Me. Giuliana Elisa dos Santos Antes de começar... Defina projeto em uma imagem... Defina projeto

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO André Peixoto Graduação Engenharia Mecânica - UFMG Especialização Condicionamento de Ambientes

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL

MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL Júlio Nascif Xavier * 1 - INTRODUÇÃO Nos países do primeiro mundo, notadamente nos Estados Unidos, é bastante nítida a reocupação, que todos têm, em situar suas empresas no 1

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

HOME. Você livre para cuidar do que mais interessa na sua empresa.

HOME. Você livre para cuidar do que mais interessa na sua empresa. HOME Você livre para cuidar do que mais interessa na sua empresa. Terceirizar serviços de portaria, limpeza, copa, entre outros é fundamental para que a empresa tenha olhos para o que realmente interessa:

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

DADOS CADASTRAIS. Administração e Vendas. Edinei Monteiro Cel.: (51) 9321.6629 e 9727.6550 E-mail: autec.vendas@terra.com.br

DADOS CADASTRAIS. Administração e Vendas. Edinei Monteiro Cel.: (51) 9321.6629 e 9727.6550 E-mail: autec.vendas@terra.com.br PORTFÓLIO COMERCIAL DADOS CADASTRAIS Razão Social: AUTEC INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL LTDA. Atividade econômica principal: Fornecimento de serviços de representação comercial, comércio e manutenção de instrumentos

Leia mais

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental Ferramentas de Análise: abordagens iniciais Gestão Ambiental Gestão Ambiental: por onde começar? NORTH (1992) recomenda as seguintes abordagens: Verificar o Posicionamento da empresa em relação ao desafio

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

OS 10 INDICADORES DE RH

OS 10 INDICADORES DE RH OS 10 INDICADORES DE RH Oportunidades para aumentar as margens da Concessionária Francisco Nunes Administrador de Empresas; Especialista em Recursos Humanos; Especialista em Gestão da Qualidade; MBA em

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA TOTAL Ano 4 Número 2 ISSN 2317-7330 Julho de 2014 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Insegurança jurídica é principal dificuldade enfrentada pelas empresas que terceirizam 70% das empresas industriais (transformação,

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Seguro de Crédito Comercial

Seguro de Crédito Comercial Seguro de Crédito Comercial seguro de crédito O que é:... uma modalidade de seguro que protege o seu negócio contra o risco de inadimplência ou atrasos no pagamento de vendas de produtos ou serviços. A

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

Despesas de Viagem. Estudo

Despesas de Viagem. Estudo Despesas de Viagem 2014 Estudo SOBRE O ESTUDO A Carreira Muller, empresa especializada em consultoria de gestão de pessoas, desenvolveu o estudo Despesas de Viagens com o objetivo de publicar valores e

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

SOLUÇÕES E EQUIPAMENTOS

SOLUÇÕES E EQUIPAMENTOS SOLUÇÕES E EQUIPAMENTOS A Empresa Fundada em 1964 com o propósito de dedicar-se integralmente a projetar e fabricar equipamentos para elevação e movimentação de cargas. A FEBA está sediada no município

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

DIFERENTES ALTERNATIVAS, PARA DIFERENTES NECESSIDADES.

DIFERENTES ALTERNATIVAS, PARA DIFERENTES NECESSIDADES. Trabalhamos para que você não Pare. Instalação de Tubulação Industrial, Ar Comprimido, Sistema de hidrantes, Efluentes industriais, Montagem de Estruturas, Montagem de Máquinas e Equipamentos, Mudanças

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Disciplina: Gestão da Manutenção Apresentações Iniciais

Disciplina: Gestão da Manutenção Apresentações Iniciais Disciplina: Gestão da Manutenção Apresentações Iniciais Prof. Geraldo Sales dos Reis Curso Técnico em Mecânica Apresentação Pessoal Nome: Geraldo Sales dos Reis Graduação: Engenheiro Mecânico Especialização:

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução Considerações iniciais Qualidade: Grau de perfeição, de precisão, de conformidade a um certo padrão. É conceito multidimensional, isto é, o cliente avalia a qualidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Transformamos a assessoria jurídica em poderosa ferramenta de gestão empresarial

Transformamos a assessoria jurídica em poderosa ferramenta de gestão empresarial Transformamos a assessoria jurídica em poderosa ferramenta de gestão empresarial Atualmente, é preciso agregar aos negócios uma engenharia jurídica que permita a seu advogado conhecer a estrutura interna

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva.

Leia mais

LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO

LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO A EMPRESA Desde a sua fundação, a LABORE CONSULTORIA & TREINAMENTO atua nas áreas de Recrutamento & Seleção, Gestão de Cargos e Salários, Gestão de Desempenho, Levantamento

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO MARKETING:

A EVOLUÇÃO DO MARKETING: A EVOLUÇÃO DO MARKETING: ( 4 Gerações ): Primeira Geração - Ajudar a Vender - antes da II Guerra até o início dos anos 60 Segunda Geração - Ajudar a fazer o melhor para os consumidores - início dos anos

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Pessoa física que deseja constituir um negócio

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

1. Perfil de experiência 2. Carreira profissional

1. Perfil de experiência 2. Carreira profissional Klaus Hüssner Eng Químico Carreira profissional Marca Registrada KHProjekte Consultoria Empresarial Ltda. Rua São Paulo Antigo 500 Sala 193C 05684-011 São Paulo SP Brasil Tel: +55 (11) 7206 4752 Fax: +55

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Chaves

Prof. Dr. Francisco Chaves GESTÃO DE PROJETOS - 1 Escola de Engenharia de Lorena (Depto. Engenharia Química) Prof. Dr. Francisco Chaves chaves@dequi.eel.usp.br Características do Mundo Empresarial Velocidade das mudanças: Impacto

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor Aula 3 Consolidação do profissional como consultor Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Capítulo 2 OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de consultoria empresarial: conceitos,

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Mudanças sofridas nos últimos 20 anos Nas Organizações Aumento e diversificação das instalações e equipamentos; projetos mais complexos; surgimento de novas

Leia mais