Marco Antônio Amaral Féris. Doutorando pela. Research School of Management. ANU College of Business and Economics. LF Crisp Building 26

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marco Antônio Amaral Féris. Doutorando pela. Research School of Management. ANU College of Business and Economics. LF Crisp Building 26"

Transcrição

1 Marco Antônio Amaral Féris Doutorando pela Research School of ANU College of Business and Economics LF Crisp Building 26 The Australian National University Canberra ACT 0200 Australia 1

2 MELHORANDO A QUALIDADE DO PLANEJAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE Sumário Esta pesquisa aplicada descreve o projeto e desenvolvimento de uma system thinking tool, denominada QPLAN, que visa avaliar a qualidade dos processos de planejamento de projetos de desenvolvimento do software e sugerir melhorias de forma a aumentar a taxa de sucesso de projetos, que geralmente é baixa. QPLAN é um artefato efetivo que a) permite que o gerente de projeto melhore seu planejamento; b) provê maiores informações sobre o projeto de forma a suportar decisões, tais como se o projeto deve seguir para a fase de execução, se deve continuar na fase de planejamento até atingir melhores resultados, ou mesmo encerrá-lo antes de se investir mais recursos; e c) provê evidências de forma a melhorar os processos da organização. Para atingir estes objetivos de pesquisa, este artefato avalia a qualidade dos produtos do planejamento definidos pelo PMBOK através do modelo Project Planning Quality (PMPQ) e avalia os fatores que os afetam através de mapas cognitivos. Resultados dos dois instrumentos são contrastados e os pontos fortes e fracos, bem como sugestões de melhorias, são apresentados através de um mapa de Karnaugh estendido. Esta pesquisa está em andamento e conta com dados de 57 projetos, de 12 organizações localizadas em 06 países, que adotaram diversas metodologias de desenvolvimento e linguagens de programação. Os resultados apresentados até o presente momento claramente mostram que QPLAN tem contribuído significativamente para aumentar a taxa de sucesso através da avaliação do planejamento e da adoção de melhores práticas, incluindo gerenciamento de uma forma apropriada ao projeto e aprendendo com as lições de projetos anteriores. Abstract This design science research describes the design and development of a system thinking tool, named QPLAN, which aims to evaluate the quality of planning processes of software development projects and suggest improvements in order to increase the success rate, which is generally low. QPLAN is an effective artifact that a) allows project managers to improve their current planning; b) provides more information about the project in order to support a decision, whether to allow the project to the next phase, continue in the planning phase until better results are achieved, or even terminate the project before investing more resources; and c) improve the organization s planning processes for future projects. To achieve research objectives, this artifact evaluates the quality of planning products though Project Planning Quality (PMPQ) model, and evaluates software development planning factors through cognitive maps. Results from both PMPQ model and cognitive maps are contrasted and strengths, weakness and opportunities to improve software development project planning are presented to the project manager through an extended Karnaugh map. This study is in progress and already collected 57 project data, from 12 organizations located in 06 countries, which adopted several types of methodologies and programming languages. The current results clearly show that QPLAN is contributing significantly to increase the success rate by evaluating the quality of planning and by adopting best practices, such as managing in an appropriate way, and learning from historical data. Palavras chaves: Planejamento, Qualidade, Desenvolvimento de Softwares, Sucesso 1

3 I. Introdução De acordo com o grupo Gartner (2012), uma empresa de consultoria que desenvolve pesquisas voltadas à área de tecnologia da informação (TI), a previsão de gastos mundiais em TI é de 3.8 trilhões de dólares, o que representa um aumento de 5.6% em relação ao ano anterior. Entretanto, o desenvolvimento de softwares não é um processo perfeito. Apesar dos esforços contínuos no emprego de metodologias de desenvolvimento, a taxa de sucesso é geralmente baixa (Chow e Cao, 2008). Estudos recentes demonstram que as metas de custos e de cronograma não são atingidas em mais de 60% dos projetos (Moløkken-Østvold e Jørgensen, 2009). Na área de TI, por exemplo, somente 28% dos projetos podem ser considerados como bem sucedidos, 18% foram cancelados e os demais tiveram atrasos de cronogramas e custos acima do estimado (Tesch et al., 2007). Resumindo, existe um desafio enorme no sentido de diminuir a ineficiência da indústria de software (Chow e Cao, 2008). Um dos caminhos é procurar entender as características de um projeto, tais como inerente complexidade, expectativas dos envolvidos, perfil do gerente de projeto (PM), comunicação efetiva, entre tantas outras (Bechor et al., 2010). Para complicar ainda mais esta questão, não é óbvio como estas características interagem o que faz com que muitos esforços adotados não sejam efetivos. Esta pesquisa visa endereçar esta questão propondo um modelo para a literatura de gerência de projetos que mede a qualidade do planejamento de um projeto de desenvolvimento de software, e disponibilizando uma ferramenta voltada aos gerentes de projetos e organizações que visa permitir aumentar as chances de se atingirem o sucesso de um projeto. II. Metodologia Utilizada Design Science Research (DSR) foi adotado como metodologia para o desenvolvimento e validação desta pesquisa, em função de ser largamente utilizada na comunidade de sistemas de informação, por ser voltada não só para mundo acadêmico, mas para profissionais da área, por ser um processo interativo e por visar criar um artefato para solucionar um problema real (Baskerville, 2008). Para construção e validação deste artefato, foram utilizados os métodos descritos por Hevner (2004) e Wang e Wang (2010) em três etapas: a) Execução de estudo piloto, que validou os instrumentos de coleta de dados (Kezar, 2000); b) Execução de testes de software, que verificou se o artefato desenvolvido funciona de acordo com o esperado; c) Execução de casos de estudos em organizações que desenvolvem projetos de softwares, de forma a validar o modelo e o artefato. Estes casos de estudos incluíram entrevistas com a alta gerência (para identificar qual é o significado de sucesso para a organização e quais as barreiras normalmente enfrentadas), a coleta de dados de projetos passados (para formar a base histórica), a coleta de dados de projetos atuais (para avaliar a qualidade do planejamento e introduzir melhores práticas no processo), métodos qualitativos (as discussões de resultados com os participantes) e quantitativos (testes de hipóteses). Além disto, de forma a tornar a análise de dados o mais rica possível, buscou-se organizações pertencentes a diversos tipos de indústrias, em diferentes países e que usam diversas metodologias, mas que têm em comum o desenvolvimento de softwares. 2

4 III. Modelo Proposto O modelo proposto foi planejado para avaliar a qualidade do planejamento e utiliza dois instrumentos para a aumentar a confiabilidade dos resultados. O primeiro instrumento, denominado QPM, visa avaliar a qualidade dos produtos do planejamento. Desenvolvido por Zwikael e Globerson (2004), este instrumento baseia-se em 16 processos de planejamento definidos pelo PMBOK (PMI, 2008). O segundo instrumento, denominado CM, visa avaliar os fatores que afetam o desempenho e os resultados de projetos de software, tais como recursos humanos, riscos, nível de comunicação, de confiança e suporte, ambiente que cerca a equipe de desenvolvimento, entre outros. A partir de um estudo profundo das literaturas de gerência de projetos e da ciência da computação, foram selecionados conjuntos de fatores que levam ao sucesso ou insucesso de projetos, sendo que 22 relacionados ao início da fase de planejamento e 67 relacionados ao final desta fase. Além disto, foram selecionados mais 10 fatores relacionados à fase de encerramento que servem para comparar os resultados atingidos com os planejados. Baseado num estudo publicado por Stach (2005), estes fatores foram agrupados em mapas cognitivos relacionados aos 16 processos de planejamento utilizado pelo QPM, de modo a poder contrastar os resultados dos dois instrumentos. Cabe salientar que a qualidade do gerente de projetos e do conhecimento técnico, do nível de suporte da alta gerência, do ambiente para se desenvolver o projeto e os métodos e ferramentas utilizadas pela organização também foram considerados. A figura 1 mostra o modelo proposto que avalia a qualidade do planejamento de projetos. Project Manager 4. Project Integration 5. Project Scope Technological Expertise 6. Project Time 7. Project Cost Top Support 8. Project Quality CM QPM 9. Project HR Enterprise Environment Factors Quality of Methods and Tools Used 10. Project Communications 11. Project Risk 12. Project Procurement Organisation Quality Index Figura 1: Modelo proposto que avalia a qualidade do planejamento 3

5 IV. Descrição do Artefato O artefato que implementa o modelo proposto denomina-se QPLAN e foi desenvolvido na linguagem de programação C#. Além de avaliar a qualidade do planejamento, este artefato promove práticas (independentemente da metodologia utilizada pela organização) que visam aumentar as chances de se atingir os objetivos do projeto, incluindo um gerenciamento apropriado, foco nos processos de planejamento que apresentam problemas de planejamento, e aprendizado contínuo através de lições aprendizas e dados históricos. Veja na figura 2 a tela principal deste artefato. Figura 2: Tela principal de QPLAN com um exemplo de projeto Observe que no lado esquerdo superior, existe a informação da organização e do nome do projeto. Logo abaixo, está a indicação de sucesso (ou não), em termos de eficácia, eficiência, resultado para o negócio e satisfação do cliente, que foi uma abordagem utilizada no estudo feito por Lechler e Dvir (2010). A figura no lado esquerdo implementa a teoria one size does not fit all projects (Shenhar, 2001), que defende que um projeto deve ser gerenciado de acordo com suas características, através do modelo NTCP, acrônimo de (Novelty, Technology, Complexity e Pace). Desenvolvido por Shenhar e Dvir (2007), este modelo tem como objetivo classificar o projeto, o que é feito durante a fase de planejamento e de encerramento, para fins de comparação e aprendizado. Os botões localizados abaixo permitem carregar e salvar a base de dados, exportar os dados de forma a utilizá-los numa ferramenta estatística, ter acesso aos mapas cognitivos (que são mostrados graficamente e contém a comparação entre as respostas dadas e a média da organização) e gerar três tipos de relatórios, com informações para que o PM projeto possa melhorar seu planejamento, outro 4

6 para a organização poder comparar o desempenho dos projetos que está desenvolvendo e identificar oportunidades de melhorias em seus processos organizacionais, e outro que analisa a base de dados. Na parte central da tela, está uma figura adaptada do PMBOK (PMI, 2008), e visa mostrar que o planejamento tem uma correlação positiva com o sucesso (Zwikael e Globerson, 2004), e as incertezas, nível de esforço e o custo das mudanças ao longo das fases de projeto em conjunto. Também são mostrados os níveis de risco e os índices de qualidade calculados durante o planejamento e ao final, de forma a promover a comparação entre o planejado e realizado. Logo abaixo, está a bandeira do país de onde os dados vieram e botões que dão acesso à entrevista, às informações demográficas e aos questionários, incluindo lições aprendidas, de forma a diminuir as incertezas e melhorar estimativas (Jørgensen e Gruschke, 2009). No lado direito, existe uma tabela com os 16 processos de planejamento selecionados por Zwikael e Globerson (2004) e definidos pelo PMBOK (PMI, 2008), com as medidas efetuadas pelos dois instrumentos (QPM e CM) e a média da organização para fins de comparação. Em seguida, existe a comparação das avaliações feitas por estes dois instrumentos, que servem para que o PM foque nos processos que irão trazer mais retorno, no sentido de melhorar a qualidade do planejamento. Esta é uma técnica desenvolvida por Sedoglavich (2008), que usa um mapa de Karnaugh estendido para identificar os pontos fortes, fracos do planejamento e fornecer sugestões para melhoria desta fase de projeto. Finalmente, o artefato calcula a média de todas as respostas dos projetos dentro de uma mesma organização, que servem para permitir a comparação com a o desempenho dos projetos e identificação de oportunidades contínua de melhoria de processos (Iversen, 2004). V. Coleta e Análise de Dados A fase de coleta de dados está sendo concluída e até o presente momento conta com 57 projetos, oriundos de 12 organizações localizadas em seis países (Brasil, Austrália, Estados Unidos, Itália, Israel e Alemanha), pertencentes a diversos tipos indústrias (de automação, IT, P&D, governo, serviços, defesa, farmacêutica, logística e bancaria), que adotaram diversas linguagens de programação (entre outras, C, C#, PL/SQL, Java, Cobol, Python e Matlab/Simulink), e diferentes metodologias de desenvolvimentos (tais como PMI, Agile, XP, Scrum, Seis Sigma e Stage Gate). A partir dos dados recebidos são obtidas informações sobre os projetos e sobre as organizações. O desafio da análise dos dados fornecidos pelos respondentes é procurar entender a realidade do projeto sem estar envolvido com o projeto, de forma a não influenciar a coleta, e sem coletar nenhum dado sensitivo, o que, em função das políticas de segurança de cada organização, poderia inviabilizar este processo. A coleta de dados foi estruturada da seguinte forma: uma entrevista com a alta gerência, no sentido entender o que significa sucesso para a organização e as principais barreiras que normalmente as equipes de desenvolvimento enfrentam; questionários para o gerente de projeto a serem preenchidos no início do planejamento, ao final do planejamento e ao final do projeto, de forma a abranger o ciclo de vida do desenvolvimento; e um questionário para o supervisor de modo a verificar se o projeto foi considerado sucesso. Informações demográficas também são coletadas, de forma a definir um perfil dos respondentes e das organizações. 5

7 A próxima etapa desta pesquisa será a de análise de dados, incluindo o teste das seguintes hipóteses: H1. Qualidade do planejamento possui uma correlação positiva com o sucesso de um projeto H2. Qualidade do planejamento possui uma correlação positiva com o sucesso do gerenciamento do projeto H3. Qualidade do planejamento da organização possui uma correlação positiva com a qualidade do planejamento De acordo com os comentários dados pelos participantes, a pesquisa está atingindo seu objetivo. Alguns exemplos: Os resultados fazem bastante sentido, Mesmo não estando envolvido parece mesmo que estás mesmo falando do meu projeto, Acho que os questionários estão bem abrangentes, Diria que o questionário por si só já serve como uma boa base para avaliação de um projeto do ponto de vista de um gerente., Os questionamentos feitos, mesmo sem o resultado da pesquisa, já deixa diversas perguntas no ar, do estilo estamos gerenciando corretamente este tópico?. VI. Conclusão Embora haja muitas iniciativas de aperfeiçoar o processo de desenvolvimento de projetos de softwares, a taxa de sucesso em geral é baixa e o desafio de se mudar esta realidade não é trivial. As tecnologias mudam a toda hora, as expectativas aumentam a cada dia, características dos projetos cada vez ficam mais complexas e a interação entre elas não é óbvia, o que complica ainda mais esta situação. Esta pesquisa visa endereçar esta questão propondo um modelo para a literatura de gerência de projetos que mede a qualidade do planejamento de um projeto de desenvolvimento de software, e disponibilizando uma ferramenta voltada aos gerentes de projetos e organizações, que implementa este modelo e promove melhores praticas de forma a aumentar as chances de se atingirem os objetivos de um projeto. Com este artefato, os gerentes de projetos podem atuar de forma proativa, através da identificação das características do projeto, da realidade que o cerca, dos pontos fortes e fracos do planejamento, das sugestões de melhorias e da comparação do desempenho de seu projeto com os outros desenvolvidos pela mesma organização. As organizações beneficiam-se através da monitoração e controle sobre o andamento de seus projetos, de seu desempenho médio e da identificação de oportunidades de melhorias em seus processos, incluindo a possibilidade de uso de metodologias que usam estatísticas, como por exemplo, Seis Sigma. Esta pesquisa está encerrando a fase de coleta e análise de dados e conta atualmente com uma rica e significativa quantidade de projetos de empresas que atuam em diversos tipos de indústrias, em diferentes países e que adotaram diversos tipos de linguagens de programação e metodologias. 6

8 Como esperado, de acordo com os comentários recebidos até o presente momento, os resultados apresentados estão atingindo os objetivos deste estudo. Este estudo abre oportunidades para futuros estudos, de modo a melhorar a qualidade das informações fornecidas: implementação de machine learning para calcular os dados históricos de acordo com a abordagem feita por Stach (2005), ao invés da média das respostas adotada; verificação do impacto dos dois instrumentos que avaliam a qualidade do planejamento, que hoje são iguais por definição; e implementação logica fuzzy nos mapa de Karnaugh, para identificar os pontos fortes e fracos do planejamento, de acordo com a abordagem feita por Sedoglavich (2008). Este estudo também abre oportunidades para outras aplicações, de modo a aumentar a abrangência de QPLAN: substituição das variáveis específicas de software por variáveis de projetos de hardware ou de construção civil, por exemplo, de modo a avaliar qualidade do planejamento de outros tipos de projetos, visto que o mecanismo utilizado é genérico; treinamento de gerentes de projetos, através da analise de cenários gerados a partir de dados artificiais; e identificação do perfil de desenvolvimento de projetos por tipo de indústria, através da formação de uma base de dados extensa, o que permite elevar o padrão de desenvolvimento de projetos de uma empresa através de melhores praticas utilizada em cada tipo industria. Referências Baskerville, R. (2008). What design science is not. European Journal of Information Systems, suppl. Special Issue on Design Science Research. Vol. 17, Iss. 5; p Bechor, T., Neumann, S., Zviran, M., Glezer, C. (2010). A contingency model for estimating success of strategic information systems planning. Information and. Vol.47; p Chow, T., Cao, D. (2008). A survey study of critical success factors in agile software projects. Journal of Systems and Software. Vol.81; p Gartner, (2012). Gartner Says Worldwide IT Spending to Grow 3.7 Percent in Disponível em Accessado em 16 de junho de Hevner, A. R. H., March, S. T., Park, J., Ram, S. (2004). Design Science in Information Systems Research. MIS Quarterly. Vol. 28, Iss. 1, p. 75 Iversen, J. H, Mathiassen, L., Nielsen, P. A. (2004). Managing Risk in Software Process Improvement: an Action Research Approach. MIS Quarterly Vol. 28, Iss. 3; p Jørgensen, M., Gruschke, T. M. (2009). The Impact of Lessons-Learned Sessions on Effort Estimation and Uncertainty Assessments. IEEE Transactions on Software Engineering. Vol. 35, Iss. 3; p.368 Kezar, A. (2000). The Importance of Pilot Studies: Beginning the Hermeneutic Circle. Research in Higher Education. Vol. 41, Iss. 3; p Lechler, T. G., Dvir, D. (2010). An Alternative Taxonomy of Project Structures: Linking Project Structures and Project Success. IEEE Transactions on Engineering. Vol. 57, Iss. 2; p.198 7

9 Moløkken-Østvold, K., and Jørgensen, M. (2009). A Comparison of Software Project Overruns - Flexible versus Sequential Development Models. IEEE Transactions on Software Engineering. Vol. 35, Iss. 1; p.109 PMI Standards Committee (2008). A Guide to the Project Body of Knowledge: PMBOK Guide. 4th ed. Project Institute. Sauser, B., Reilly, R., Shenhar, A. J. (2009). Why projects fail? How contingency theory can provide new insights A comparative analysis of NASA s Mars Climate Orbiter loss. International Journal of Project. Vol.27; p Sedoglavich, V. (2008). Absorptive Capacity and Internalization of New Zealand High-tech SMEs in the Agro-technology Sector. The University of Waikato. Shepperd, M., Cartwright, M. (2001). Predicting with sparse data. IEEE Transactions on Software Engineering. Vol. 27, Iss. 11; p.987 Shenhar, A. J. (2001). One size does not fit all projects: Exploring classical contingency domains. Science. Linthicum: Vol. 47, Iss. 3; p.394. Shenhar, A., Dvir D. (2007). Reinventing project management: the diamond approach to successful growth and innovation. Harvard Business School Press. Boston, MA. Stach, W., Kurgan, L., Pedrycz, W., Reformat, M. (2005). Genetic learning off fuzzy cognitive maps. Fuzzy Sets and Systems. Vol.153; p Tesch, D., Kloppenburg, T, J. Frolic, M. N. (2007). IT Project Risk Factors: The Project Professional Perspective. The Journal of Computer Information Systems. Vol. 47, Iss. 4; p.61 Wang, S., Wang, H. (2010). Towards Innovative Design Research in Information systems. The Journal of Computer Information Systems. Vol. 51, Iss.1; p Zwikael, O., Globerson S. (2004). Evaluating the quality of project planning: a model and field results. International Journal of Production Research. Vol. 42, Iss. 8, p

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

Renata Miranda Pires Boente

Renata Miranda Pires Boente Uso do Modelo Qualitativo de Análise de Risco (Karolak) na Gestão de Projetos de TI: Um estudo de caso na Justiça Federal de Primeiro Grau Seção Judiciária do Rio de Janeiro Renata Miranda Pires Boente

Leia mais

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Sumário Sumário O problema O desafio IBM Rational Portfolio Manager O problema Cenário atual 84% das organizações ou não montam o business

Leia mais

Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck

Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck Dificuldades na implantação de métodos ágeis Marcelo Werneck Apresentação - Prof. Marcelo Werneck Mestre em Ciência da Computação; Coordenador e Professor do curso de Sistemas de Informação PUC Minas no

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Gerência de Projetos O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Introdução e Conceitos Conceitos importantes para o entendimento da disciplina O que é um projeto? Um projeto

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009

Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009 Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009 Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Diferença entre projetos e operação O que uma organização procura em uma metodologia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) 2 Gerente Sênior de Projetos e Processos, 18 anos de experiência

Leia mais

José Benedito Alves Junior

José Benedito Alves Junior 1 José Benedito Alves Junior Gerenciamento de Projetos de TI: Uma análise sobre a possibilidade de aplicação da estrutura motivacional sugerida pelo Project Management Body of Knowledge - PMBOK - em uma

Leia mais

Estimativa & Planejamento de Projeto de Software.

Estimativa & Planejamento de Projeto de Software. Estimativa & Planejamento de. Capítulo I Sobre a Disciplina de Estimativas & Planejamento de Prof. M. Sc. Índice dos Capítulos. 2 1 Sobre a disciplina estimativas e planejamento de projetos. 2 Conceitos

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Gestão de Projetos. Conceitos Básicos. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br

Gestão de Projetos. Conceitos Básicos. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Gestão de Projetos Conceitos Básicos Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Objetivos da Conversa Apresentar os conceitos básicos relacionados à gestão de projetos Entender o contexto de atuação

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde*

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde* UniversidadeNovedeJulho1UNINOVE ProgramadeMestradoProfissionalemAdministração GestãoemSistemasdeSaúde Disciplina ProjetosComplexoseEstratégicosAplicadosàSaúde Códigodadisciplina GSEL04 Linhadepesquisa

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

XVI SEMEAD Seminários em Administração

XVI SEMEAD Seminários em Administração XVI SEMEAD Seminários em Administração outubro de 2013 ISSN 2177-3866 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UM PROJETO DE EVENTO PARA A CULTURA DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE ALIMENTOS DE UMA EMPRESA MULTINACIONAL BRASILEIRA

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

Indicadores de desempenho essenciais para projetos

Indicadores de desempenho essenciais para projetos Indicadores de desempenho essenciais para projetos Sérgio Fernando, SCJA, PMP Gerente de Projetos Memora Processos Inovadores Ltda Distrito Federal, Brasil E-mail: sergio.muniz@memora.com.br RESUMO Como

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE ESCRITÓRIO DE PROJETOS (PMO) CONSULTORIA

IMPLANTAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE ESCRITÓRIO DE PROJETOS (PMO) CONSULTORIA IMPLANTAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE ESCRITÓRIO DE PROJETOS (PMO) CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Utilize os serviços de consultoria da Macrosolutions para obter as competências necessárias e gerenciar os projetos

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS

UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS WAMPS 2013 IX Workshop Anual do MPS Campinas-SP, 28 a 30 de Outubro de 2013 RISAGI: UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Apresentador: Espc. Kleoson Bruno

Leia mais

Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos, Programas e Portfólio

Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos, Programas e Portfólio Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos, Programas e Portfólio Engº Paulo F. W. Keglevich de Buzin, MsC,CSM,ITILv3,CGEIT,PMP PBA, COBIT 5, MSP, P3O e PRINCE2 TM Practitioner APMG INTERNATIONAL

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Antonio Mendes da Silva Filho * The most important thing in communication is to hear what isn't being said. Peter Drucker

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS PARA O SUCESSO DE PROJETOS

APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS PARA O SUCESSO DE PROJETOS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO O USO DE TECNOLOGIAS MÓVEIS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EVERTON ROBERTO COMIN

RELATÓRIO EXECUTIVO O USO DE TECNOLOGIAS MÓVEIS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EVERTON ROBERTO COMIN RELATÓRIO EXECUTIVO O USO DE TECNOLOGIAS MÓVEIS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EVERTON ROBERTO COMIN SÃO LEOPOLDO 2014 Introdução Este relatório apresenta os resultados da pesquisa O uso de tecnologias móveis

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS DE SI E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE CUSTO

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS DE SI E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE CUSTO GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS DE SI E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO DE CUSTO Resumo Bruno Rego Salomé Universidade de São Paulo bruno.salome@usp.br Edmir Parada Vasques Prado Universidade de São Paulo

Leia mais

PLANEJAMENTO ACELERADO DE PROJETOS ATRAVÉS DOS GANHOS RÁPIDOS EM PROJETOS CONSULTORIA

PLANEJAMENTO ACELERADO DE PROJETOS ATRAVÉS DOS GANHOS RÁPIDOS EM PROJETOS CONSULTORIA PLANEJAMENTO ACELERADO DE PROJETOS ATRAVÉS DOS GANHOS RÁPIDOS EM PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA De 0 a 100% em 3 semanas! Entenda porque a nossa metodologia Ganhos Rápidos dará visibilidade aos

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO DE CARREIRAS EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

ELABORAÇÃO DO PLANO DE CARREIRAS EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CARREIRAS EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Amplie e diferencie os resultados da sua empresa através de um plano de carreira em gerenciamento de projetos.

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

10 o Congresso Brasileiro de Gestão da Inovação e Desenvolvimento de Produtos Itajubá - MG, 8 a 10 de setembro de 2015

10 o Congresso Brasileiro de Gestão da Inovação e Desenvolvimento de Produtos Itajubá - MG, 8 a 10 de setembro de 2015 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DAS METODOLOGIAS SCRUM E TRADICIONAL AO GERENCIALMENTO DE PRODUTOS ALTAMENTE COMPLEXOS ESTUDO DE CASO INDÚSTRIA AERONÁUTICA Marcelo Junio dos Santos (marcelo.santos@embraer.com.br)

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Prof. Luiz A. Nascimento. As práticas denominadas ágeis vêm sendo cada vez mais utilizadas na gerência de projetos de software.

Prof. Luiz A. Nascimento. As práticas denominadas ágeis vêm sendo cada vez mais utilizadas na gerência de projetos de software. Prof. Luiz A. Nascimento As práticas denominadas ágeis vêm sendo cada vez mais utilizadas na gerência de projetos de software. Porque metodologias ágeis? A história dos fracassos no desenvolvimento de

Leia mais

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect Cloud Computing e HP Converged Infrastructure Para fazer uso de uma private cloud, é necessário crescer em maturidade na direção de uma infraestrutura convergente. Por Antonio Couto O que é Cloud Computing?

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

CONSULTORIA NA GESTÃO DE PROJETOS ESPECÍFICOS

CONSULTORIA NA GESTÃO DE PROJETOS ESPECÍFICOS SUPORTE E CONSULTORIA NA GESTÃO DE PROJETOS ESPECÍFICOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Acelere resultados com o suporte da empresa e dos profissionais que mais entendem de gerenciamento de projetos no

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Gestão de Projetos. Introdução ao PMBOK. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br

Gestão de Projetos. Introdução ao PMBOK. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Gestão de Projetos Introdução ao PMBOK Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar o modelo de gerência de projetos definido pelo PMBOK. PMBOK 2 Ao final desta aula você será capaz

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

PRINCE2 FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING SOLUTIONS WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE

PRINCE2 FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING SOLUTIONS WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE PYLCROW Portugal LISBOA Email: info.pt@pylcrow.com Telefone: +351 21 247 46 00 http://www.pylcrow.com/portugal WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Ganhe vantagem competitiva através da gestão adequada das ameaças e oportunidades de seus projetos. A Macrosolutions

Leia mais

Gestão de Projetos PMI - PMBOK

Gestão de Projetos PMI - PMBOK Os Processos de um projeto 2 Projetos são organizados por processos, adaptados, à sua natureza e ao seu ciclo de vida. Gestão de Projetos PMI - PMBOK São realizados por pessoas que estão alocadas no projeto

Leia mais

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos RAFAEL MOREIRA

Leia mais

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Palestra 03 O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Gerente de Projetos O ICBV3 DA IPMA COMO INSTRUMENTO PARA A AUTO AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO GERENTE DE

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

O IMPACTO DAS COMPETÊNCIAS DO GERENTE DE PROJETOS NO RESULTADO DOS PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO FINANCEIRO

O IMPACTO DAS COMPETÊNCIAS DO GERENTE DE PROJETOS NO RESULTADO DOS PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO FINANCEIRO O IMPACTO DAS COMPETÊNCIAS DO GERENTE DE PROJETOS NO RESULTADO DOS PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO FINANCEIRO SANCHA DE ANDRADE REIS E FREITAS UNINOVE Universidade Nove de Julho

Leia mais

MÉTODOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS DE MARKETING ESTRATÉGICO

MÉTODOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS DE MARKETING ESTRATÉGICO MÉTODOS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS DE MARKETING ESTRATÉGICO NELSON JOSE ROSAMILHA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo rosamilha@gmail.com A PUC-SP que me propiciou a pensar fora da

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

! "! # " # $ "! $ %& %

! ! #  # $ ! $ %& % !"#"$! %& O CHAOS Empresas americanas gastam mais de US$275 bilhões a cada ano em projetos de desenvolvimento de software aplicativo. Muitos desses projetos falharão, mas não por falta de dinheiro ou tecnologia;

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais