O PAPEL DO GESTOR DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO The role of the Construction Project Manager

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DO GESTOR DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO The role of the Construction Project Manager"

Transcrição

1 Tema 4 Quadro Legal e Inovação 1 O PAPEL DO GESTOR DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO The role of the Construction Project Manager Ana Vasconcelos Eng. Civil, Bolseira de Doutoramento Departamento de Edifícios, LNEC António Cabaço Eng. Civil, Assistente de Investigação Departamento de Edifícios, LNEC Armando Manso Eng. Civil, Investigador Coordenador Departamento de Edifícios, LNEC Resumo A nível internacional, existe legislação sobre o Gestor de Projectos, sendo aplicadas diferentes metodologias de qualificação profissional nessa área. No entanto, a figura de Gestor de Empreendimentos de Construção (GEC) não encontra, em Portugal, um enquadramento legislativo que defina quais as suas atribuições no âmbito das suas funções de gestão. Nesta comunicação, pretende-se contribuir para a definição das atribuições de um GEC. São identificadas metodologias internacionais de referência, sendo apresentada uma proposta de adaptação à realidade nacional. Palavras-chave: Gestor de Empreendimento, Projecto, Construção, Funções de gestão. Abstract At an international level, there is legislation on the Project Manager, and some methodologies are applied for a professional qualification in this area. The figure of Construction Project Manager (CPM) does not have in Portugal a legislative framework to define its assignments under its management functions. This communication is aimed to help defining the responsibilities of a CPM. Some international reference methodologies are identified, and a proposal to adapt them to national realities is presented. Keywords: Project Manager, Project, Construction, Management variables.

2 2 Vasconcelos, Cabaço, Manso 1 Introdução A Gestão de Projecto ou Project Management é uma actividade que, a nível internacional, se encontra normalizada e é objecto de legislação específica, sendo aplicadas diferentes metodologias de qualificação profissional nesta área. Em Portugal, não existe legislação sobre esta matéria, sentindo-se a necessidade de serem definidas, em particular no sector da construção, as atribuições da figura do Gestor de Empreendimentos de Construção (GEC) no âmbito das suas funções de gestão. Com esta comunicação, pretende-se contribuir para a definição das atribuições de um Gestor de Projecto no âmbito da construção de empreendimentos. São identificadas e caracterizadas, para o efeito, metodologias internacionais de referência e é apresentada uma proposta de adaptação ao contexto nacional. No capítulo 2 do presente documento, são definidos os conceitos fundamentais no âmbito da gestão de Projectos. No capítulo 3, é contextualizada a actividade da gestão de Projectos a nível internacional e nacional. No capítulo 4, são apresentadas as áreas de conhecimento em gestão de Projectos definidas pelo PMBOK e que foram assumidas como a base para a apresentação de uma proposta de adaptação ao contexto nacional. Por último, no capítulo 5, são apresentadas algumas conclusões sobre a actividade de Gestão de Empreendimentos de Construção (GEC). 2 Definição de conceitos No presente capítulo, são definidos alguns conceitos relevantes para o objecto em análise nesta comunicação, nomeadamente os associados a Projecto, Gestão de Projecto, Gestor de Projecto e Empreendimento de Construção. 2.1 Projecto O Projecto ou Project, tal como é referido na norma ISO 10006:2003(E) [1], é definido como um processo único, consistindo num conjunto de actividades coordenadas e controladas com datas de início e fim, empreendido para alcançar um objectivo de acordo com requisitos específicos, tendo em conta as limitações de tempo, custo e recursos. Em Portugal, o termo projecto é também aplicado com outro significado, designadamente o equivalente ao que se designa na terminologia anglo-saxónica por design. Neste sentido, e recorrendo à definição constante da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho [2], projecto é o conjunto coordenado de documentos escritos e desenhados, integrando o projecto ordenador e demais projectos, que definem e caracterizam a concepção funcional, estética e construtiva de uma obra, bem como a sua inequívoca interpretação por parte das entidades intervenientes na sua execução. No âmbito desta comunicação, utiliza-se a palavra minúscula projecto para designar o conjunto de peças escritas e desenhadas, e a palavra maiúscula Projecto para designar o processo único constituído por actividades para alcançar objectivos e requisitos definidos. 2.2 Gestão de Projecto A Gestão de Projecto é, segundo a norma ISO 10006:2003 [1], o planeamento, a organização, a monitorização, o controlo e a informação de todos os aspectos de um Projecto e a motivação de todos os envolvidos para alcançar os objectivos do Projecto. Segundo o Project Management Institute (PMI) 1, a Gestão de Projecto é a aplicação de metodologias, conhecimentos, ferramentas e técnicas ao conjunto de actividades que compõem o Projecto, de forma a atender ou exceder as expectativas e as necessidades dos stakeholders, cumprindo indicadores fundamentais do Projecto como o tempo, custo, qualidade e realização do objectivo proposto [3]. Constitui objectivo da Gestão de Projecto mitigar os riscos 1 O Project Management Institute (PMI) é uma organização sediada nos EUA, fundada em 1969, que tem definida e aplica uma metodologia para a acreditação de Gestores de Projecto, sendo uma entidade de referência nesta área específica.

3 O papel do Gestor de Empreendimentos de Construção 3 envolvidos e diminuir desta forma a probabilidade de insucesso face às incertezas associadas às diferentes fases que compõem o Projecto. 2.3 Gestor de Projecto O Gestor de Projecto é a entidade nominal (indivíduo) a quem está acometida a Gestão do Projecto. Esta entidade raramente participa directamente nas actividades que produzem o resultado final do Projecto; ao invés, trabalha para manter o progresso e a interacção mútua progressiva dos diversos participantes do Projecto, de modo a atingir da melhor forma os objectivos traçados e reduzir o risco de insucesso. 2.4 Empreendimento de Construção Um Empreendimento de Construção pode ser definido como o conjunto de infraestruturas físicas e de equipamentos que são realizadas num ou em diferentes locais, no mesmo período de tempo ou repartidos temporalmente, com a participação de diversos intervenientes que se mantêm ou que se podem alterar, e que pretende satisfazer requisitos e objectivos definidos inicialmente e que motivaram a sua realização [4]. Frequentemente, identifica-se empreendimentos de construção com empreitadas de construção. Importa distinguir e esclarecer os dois conceitos, porquanto um empreendimento encerra um conceito mais alargado do que uma empreitada e esta integra-se no primeiro. Um empreendimento não se reduz necessariamente a uma empreitada, podendo inclusive incluir uma ou diversas empreitadas e ainda diversos fornecimentos. Um empreendimento está relacionado com a satisfação de um objectivo geral realizada através da execução de infraestruturas físicas de acordo com um planeamento definido para o efeito. Uma empreitada, por seu lado, constituindo-se como uma parcela das actividades desse planeamento, corresponde à execução de uma infraestrutura de acordo com um contrato estabelecido para o efeito [4]. 3 Enquadramento da actividade de Gestão de Projecto A Gestão de Projecto ou Project Management é uma actividade que tem vindo a ser exercida ao longo de vários anos. No entanto, foi a partir dos anos 50 do séc. XX que surgiram as primeiras organizações a aplicar ferramentas e técnicas de Gestão de Projecto a complexos Projectos de engenharia. 3.1 A nível Internacional Na Europa, foi constituída, em 1965, a International Project Management Association (IPMA) que é uma das mais antigas e prestigiadas organizações internacionais de Gestão de Projecto. A IPMA foi constituída através de um grupo de gestores de Projectos internacionais e funciona como uma rede de associações nacionais, espalhadas pelos vários continentes, cada uma responsável pelo desenvolvimento da Gestão de Projecto no seu país, de acordo com os princípios orientadores da IPMA e em função das especificidades económicas, políticas e culturais do local. O programa de certificação do IPMA compreende quatro níveis. Nos Estados Unidos, foi fundado em 1969 o Project Management Institute (PMI), tal como foi referido anteriormente. O PMI publicou o Guia PMBOK (Project Management Body of Knowledge), um guia que identifica o subconjunto do conjunto de conhecimentos em gestão de Projectos, amplamente reconhecido como boa prática na maioria dos Projectos na maior parte do tempo e que é utilizado como base pelo PMI. Com a terceira edição, o Guia PMBOK tornou-se, em 2004, uma norma ANSI, sendo utilizado internacionalmente na formação e certificação dos gestores de Projecto 2. 2 O PMBOK e o PMI estão registados como marcas do Project Management Institute, Inc.

4 4 Vasconcelos, Cabaço, Manso 3.2 A nível Nacional A tradução do conceito Project para o português apresenta duas definições e âmbitos de aplicação distintas, tal como foi referido no ponto 2.1. Deste modo, optou-se por designar o indivíduo responsável pela gestão de Projectos de construção como Gestor de Empreendimentos de Construção (GEC). A nível nacional, o papel do GEC não se encontra ainda claramente definido, nem existe um enquadramento legislativo que defina quais as suas atribuições no âmbito das suas funções de gestão. No relatório do Tribunal de Contas n.º 17/2009 Auditoria a empreendimentos de obras públicas por gestão directa [5], recomenda-se que o Governo [ ] proceda à definição legal da figura de gestor de empreendimento, que indique as características dos empreendimentos que deverão obrigatoriamente ter um gestor e que precise as funções, as responsabilidade e as qualificações profissionais que os mesmos devem possuir. Recomenda-se ainda no mesmo relatório que a intervenção do Gestor de Empreendimento seja iniciada com a preparação do Programa preliminar e a elaboração dos estudos sobre os terrenos e termine após a entrada em exploração da obra produzida. 4 Gestor de Empreendimentos de Construção (GEC) Neste capítulo, é apresentada a metodologia utilizada pelo PMBOK na definição das áreas de conhecimento em gestão de Projectos, sendo apresentada uma proposta de adaptação à realidade nacional. 4.1 Fases de um Empreendimento A contratação tradicional associada à realização de Empreendimentos de Construção assenta essencialmente em duas grandes etapas principais: a fase de concepção e a fase de realização ou de construção. Estas constituem as fases do maior enfoque da contratação tradicional de Empreendimentos de Construção traduzido não apenas em actividade efectiva, como em legislação aplicável, embora se saiba que o maior período do ciclo de vida de um empreendimento diz naturalmente respeito às fases de manutenção e de exploração / utilização das infraestruturas construídas, devendo portanto as mesmas ser objecto de maior atenção por parte dos contraentes. Associada à fase de concepção ou para a desencadear, existe o planeamento e os necessários estudos prévios que suportarão a decisão de executar o Empreendimento. A última fase a desconstrução quase aparece despercebida, embora tenha vido a assumir uma importância crescente, aliás como acontece com as duas que a precedem [4]. Embora não seja corrente, o Empreendimento de Construção poderá ser realizado com o acompanhamento de um Gestor de Empreendimento de Construção (GEC), o qual será contratado ou designado pelo Dono de Obra. Esta entidade terá o objectivo de planear a metodologia de execução do empreendimento, de a pôr em prática, de a controlar e monitorizar e de assegurar que os objectivos e os requisitos iniciais são cumpridos e eficientemente satisfeitos, particularmente em termos de prazos, de custos, de qualidade, de segurança, de ambiente e de responsabilidade social. A metodologia de realização do empreendimento será definida pelo Dono de Obra, com recurso ao GEC ou a outras entidades consultadas, estabelecendo-se por exemplo se a obra será executada de uma só vez ou se haverá faseamentos na sua execução (no projecto e/ou na obra). Os financiamentos disponíveis e a calendarização a eles associadas, o compromisso de prazos, a necessidade de assegurar serviços de interesse público, a conjuntura económica e as opções políticas poderão constituir factores que determinarão a metodologia mais adequada a adoptar [4]. O GEC é normalmente contratado pelos Donos de Obra já em fase tardia de construção ou de concepção, interessando contudo que o seja o mais cedo possível, para ajuda e envolvimento no estabelecimento dos objectivos do empreendimento. Deste modo, e tal como recomenda o Tribunal de Contas no seu relatório n.º 17/2009, considera-se que o GEC deverá estar presente desde a fase de planeamento do empreendimento até ao fim da sua construção, sendo a responsabilidade da exploração/manutenção do edifício a cargo de uma outra entidade. Na Fig. 1, é apresentado o ciclo de vida de um empreendimento, referindo as várias fases do mesmo nas quais o GEC deverá incidir a sua intervenção.

5 O papel do Gestor de Empreendimentos de Construção 5 Fig. 1 Ciclo de vida de um empreendimento (adaptado da norma ISO :2008(E) [6]) 4.2 Áreas de conhecimento na gestão de Projectos O Guia PMBOK refere que os conhecimentos e práticas em gestão de Projectos, em termos dos processos que as compõem, estão organizados em nove áreas de conhecimentos: integração, âmbito, prazo, custo, qualidade, recursos humanos, comunicação, risco e aquisições. Nos pontos que se seguem, são apresentadas as diferentes áreas de conhecimento em gestão de Projectos que o guia PMBOK propõe [3] Gestão da Integração do Projecto (GIP) A gestão da integração do Projecto (GIP) inclui os processos necessários para assegurar que os diversos elementos do Projecto estão adequadamente coordenados. Esta gestão passa por compensar objectivos e alternativas eventualmente concorrentes, a fim de serem atingidas ou mesmo superadas as necessidades e expectativas do Projecto. Esta área de gestão assegura que é feita a coordenação dos vários elementos do Projecto, através das seguintes actividades: - desenvolvimento do plano do Projecto - integração e coordenação de todo o planeamento do Projecto para construir um documento coerente e consistente; - execução do plano do Projecto - realização das actividades incluídas no Projecto; - controlo integrado das alterações - coordenação e ajuste das mudanças da globalidade do Projecto Gestão do Âmbito do Projecto (GAP) A gestão do âmbito do Projecto (GAP) pretende assegurar que o Projecto ao longo do seu desenvolvimento inclui somente as actividades necessárias para o cumprimento do Projecto. A preocupação fundamental consiste em definir e controlar o que está ou não incluído no Projecto. As principais actividades da gestão do âmbito do Projecto são as seguintes: - iniciação - autorização do Projecto ou fase do mesmo; - planeamento do âmbito - elaboração de uma declaração escrita do âmbito como base para decisões futuras do Projecto; - definição do âmbito - subdivisão dos principais subprodutos do Projecto em componentes menores e mais controláveis; - verificação do âmbito - formalização da aceitação do Projecto pelos seus intervenientes; - controlo de mudanças do âmbito - controlo das possíveis alterações do âmbito do Projecto ao longo do mesmo.

6 6 Vasconcelos, Cabaço, Manso Gestão do Tempo do Projecto (GTP) A gestão do tempo do Projecto (GTP) inclui os processos necessários para assegurar que o Projecto será implementado no prazo previsto. As actividades que contribuem para este objectivo poderão ser, de uma forma geral, as seguintes: - definição das actividades - identificação das actividades específicas que deverão ser realizadas para produzir os diversos subprodutos do Projecto; - sequência das actividades - identificação e documentação das relações de dependência entre as actividades; - estimativa da duração das actividades - estimativa da quantidade de períodos de trabalho que serão necessários para a implementação de cada actividade; - desenvolvimento do planeamento do Projecto - análise da sequência e das durações das actividades e dos requisitos de recursos para a elaboração do cronograma do Projecto; - controlo do planeamento do Projecto - controlo das mudanças no cronograma do Projecto Gestão do Custo do Projecto (GCP) A gestão do custo do Projecto inclui os processos necessários para assegurar que o mesmo se conclua respeitando o orçamento aprovado. Estas actividades consistem no seguinte: - planeamento dos recursos - determinação dos recursos (materiais, equipamentos e pessoas) e respectivas quantidades necessárias para executar as actividades do Projecto; - estimativa dos custos - elaboração de uma estimativa dos custos dos recursos necessários à implementação das actividades do Projecto; - orçamento dos custos - determinação dos custos globais do Projecto; - controlo dos custos - controlo das alterações no orçamento do Projecto Gestão da Qualidade do Projecto (GQP) A gestão da qualidade do Projecto (GQP) inclui os processos necessários para garantir que o Projecto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi empreendido. Esta área inclui todas as actividades da função de gestão geral que determinam as políticas da qualidade, os objectivos e as responsabilidades para a implementação da qualidade, recorrendo-se ao planeamento da qualidade, ao controlo da qualidade, à garantia da qualidade e à melhoria da qualidade, no seio do sistema da qualidade. As principais actividades de GQP são: - planeamento da qualidade - identificação dos níveis de qualidade relevantes para o Projecto e determinação da forma de os satisfazer; - garantia da qualidade - avaliação periódica do desempenho geral do Projecto procurando assegurar a satisfação dos níveis de qualidade relevantes; - controlo da qualidade - monitorização dos resultados específicos do Projecto para determinar se estão de acordo com os níveis de qualidade relevantes e identificação das formas para eliminar as causas de desempenhos insatisfatórios. No âmbito da gestão da qualidade e na gestão do Projecto, constituem objectivos relevantes a satisfação do cliente, a abordagem por processos e a melhoria contínua, adoptando-se como metodologia de acção a descrita por Deming no seu ciclo repetitivo de planear, executar, verificar e actuar (plan-do-check-act - PDCA) Gestão dos Recursos Humanos do Projecto (GRHP) A gestão dos recursos humanos do Projecto (GRHP) inclui os processos necessários para possibilitar o uso mais efectivo das pessoas envolvidas no Projecto. Esta área incide sobre todos os interessados do Projecto patrocinadores, clientes, parceiros e outros, e consiste nas seguintes actividades: - planeamento organizacional - identificação, documentação e designação das funções, responsabilidades e relações de dependência;

7 O papel do Gestor de Empreendimentos de Construção 7 - constituição da equipa - designação e recrutamento dos recursos humanos necessários para o Projecto; - melhoria das capacidades da equipa - desenvolvimento de aptidões individuais e de grupo para aumentar o desempenho do Projecto. Neste âmbito, o gestor de Projectos deverá reunir um conjunto de características que lhe permita saber liderar, comunicar, negociar, delegar, motivar, treinar, monitorizar, formar equipas, resolver conflitos, avaliar desempenhos, recrutar, entre outras Gestão das Comunicações do Projecto (GCoP) A gestão das comunicações do Projecto (GCoP) inclui os processos necessários para garantir a geração apropriada e oportuna, a recolha, a divulgação, o armazenamento e a disposição final das informações do Projecto. Proporciona o fluxo de ideias e de informações críticas entre os diversos intervenientes no Projecto. A GCoP integras as seguintes actividades: - planeamento das comunicações - determinação do tipo de informações e de comunicações necessárias para os diversos interessados (quem, quando e como); - distribuição das informações - disponibilização das informações necessárias para os interessados do Projecto; - descrição do desempenho - elaboração de relatórios do ponto de situação do Projecto e da previsão de actividades futuras; - encerramento administrativo - geração, reunião e disseminação das informações para formalizar a conclusão de uma fase ou de todo o Projecto Gestão do Risco do Projecto (GRP) A gestão de risco é o processo sistemático de identificar, analisar e responder ao risco do Projecto. Com esta gestão, pretende-se minimizar a probabilidade e consequências dos eventos adversos para o objectivo do Projecto. Esta tarefa de gestão pode ser composta pelas seguintes actividades: - plano de gestão do risco - definição de como abordar e planear as actividades de gestão de risco para um Projecto; - identificação do risco - determinação de quais os riscos que podem afectar o Projecto e documentação das suas características; - análise qualitativa do risco - realização de uma análise qualitativa dos riscos e das condições em que os seus efeitos são determinantes relativamente aos objectivos do Projecto; - análise quantitativa do risco - quantificação da probabilidade e definição das consequências dos riscos e estimativa das suas implicações para os objectivos do Projecto; - plano de respostas ao risco - desenvolvimento de procedimentos e de técnicas para melhoria das oportunidades, para mitigação do risco e redução das ameaças aos objectivos do Projecto; - monitorização e controlo do risco - acompanhamento dos riscos residuais, identificação dos novos riscos, execução de planos de redução de risco e avaliação da sua eficácia durante todo o ciclo de vida do Projecto Gestão das Aquisições do Projecto (GAqP) A gestão das aquisições do Projecto (GAqP) inclui os processos necessários à obtenção de bens e serviços externos à organização para concretizar os objectivos do Projecto. Esta gestão consiste nas seguintes actividades: - planeamento das aquisições - determinação do que contratar e quando; - preparação das aquisições - documentação dos requisitos do produto e identificação dos potenciais fornecedores; - obtenção de propostas - obtenção de propostas de fornecimento conforme apropriado a cada caso (cotações de preço, cartas convite, licitação);

8 8 Vasconcelos, Cabaço, Manso - selecção de fornecedores - escolha dos fornecedores; - administração de contratos - gestão da relação com os fornecedores; - fecho de contratos - conclusão e liquidação de contratos incluindo a resolução de qualquer item pendente. 4.3 Áreas de intervenção A intervenção do GEC irá depender da fase em que o Empreendimento se encontre. Neste capítulo, são propostas as diversas actividades que compõem cada uma das fases em que o GEC participará, recorrendo-se, para tal às áreas de conhecimento definidas pelo PMBOK Fase de Planeamento Nesta primeira fase estão englobadas todas as acções que se desenvolvem desde que surge a ideia ou necessidade da construção do empreendimento até que se inicia o projecto. O Dono de Obra deverá definir, primeiramente, e de forma clara, os níveis de desempenho e de qualidade que pretende para o seu empreendimento. Assim, o GEC poderá identificar os objectivos da obra e as suas principais características. Durante esta fase, o GEC colaborará com o Dono de Obra na definição de um conjunto de elementos, tal como se encontra estabelecido no art.º 2.º da Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de Julho [7], que são os seguintes: 1) objectivos da obra; 2) características gerais da obra; 3) dados sobre a localização do empreendimento; 4) elementos topográficos, cartográficos e geotécnicos, levantamento das construções existentes e das redes de infra-estruturas locais, coberto vegetal, características ambientais e outros eventualmente disponíveis, a escalas convenientes; 5) dados básicos relativos às exigências de comportamento, funcionamento, exploração e conservação da obra, tendo em atenção as disposições regulamentares; 6) estimativa de custo e respectivo limite dos desvios e, eventualmente, indicações relativas ao financiamento do empreendimento; 7) indicação geral dos prazos para a elaboração do projecto e para a execução da obra. No Quadro 1, são apresentadas as áreas de conhecimento que o GEC deverá considerar durante as diferentes actividades da fase de planeamento de um empreendimento. Após esta fase, ficarão definidos os aspectos relativos aos espaços e suas funcionalidades, às interligações preferenciais desses espaços, às necessidades de equipamentos e de instalações técnicas, às restrições de natureza orçamental e de prazo, ou seja, aos objectivos a atingir e às características gerais do empreendimento. O documento elaborado pelo Dono de Obra que contém todos estes elementos é o Programa Preliminar. Quadro 1 Áreas de conhecimento do GEC vs. actividades da fase de planeamento de um empreendimento Fase Área de Gestão GIP GAP GTP GCP GQP GRHP GCoP GRP GAqP 1) ) ) ) ) ) )

9 O papel do Gestor de Empreendimentos de Construção Fase de Projecto/Concepção O projecto desenvolve-se, segundo o art.º 3.º da Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de Julho [7], de acordo com as fases a seguir indicadas: 1) Programa base; 2) Estudo prévio; 3) Anteprojecto; 4) Projecto de execução e Assistência técnica. O GEC deverá acompanhar o desenvolvimento de todas estas fases, em particular as actividades de coordenação do projecto, de aprovação das fases de projecto e da própria revisão de projecto. Após a entrega do Programa Base por parte do projectista, o GEC deverá confirmar a viabilidade da obra, analisar as eventuais propostas de soluções alternativas e elaborar um parecer sobre a sua aprovação, o qual será posteriormente submetido à apreciação do Dono de Obra. Na fase de estudo prévio, o GEC deverá, após a aprovação do Programa Base por parte do Dono de Obra, confirmar se a solução proposta pelo projectista é a que melhor se adequa ao programa preliminar, elaborando um parecer com as devidas recomendações que será posteriormente submetido à aprovação do Dono de Obra. Deverá ainda avaliar as memórias descritivas e justificativas da solução adoptada, as quantidades de trabalho a realizar, a estimativa de custo, o programa geral de trabalhos, assim como todas as restantes peças escritas e desenhadas. Finalizada a fase do estudo prévio, a solução aprovada é desenvolvida pelo projectista, podendo dar lugar à elaboração de um anteprojecto se for necessária a confirmação de alguma solução e melhor detalhe desta previamente à elaboração do projecto de execução. Finalmente, o projecto de execução é desenvolvido e integrará, tal como consta no art.º 7 da Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de Julho [7], um conjunto coordenado das informações escritas e desenhadas de fácil e inequívoca interpretação por parte das entidades intervenientes na execução da obra. O GEC avaliará durante esta fase todos os elementos entregues pelo projectista e verificará se as recomendações do Dono de Obra foram contempladas. Antes de ser utilizado como peça do procedimento de execução da empreitada, o Projecto de Execução poderá ser submetido a uma revisão / verificação de projecto por parte de um projectista independente e com capacidade técnica adequada ao projecto em questão, de modo a poderem ser detectadas eventuais anomalias e incongruências formais e técnicas e a poderem ser adequadamente corrigidas [4]. Esta revisão / verificação de projecto poderá ser acompanhada pelo GEC, que emitirá parecer sobre as conclusões tiradas. Deste modo, o GEC deverá focar-se, durante toda a fase de projecto, na coordenação e na integração das actividades de todos os intervenientes, garantindo que foram entregues todos os elementos necessários para a execução do empreendimento e assegurando a compatibilidade dos intervenientes com o Dono de Obra (ou o seu representante). Importará também assegurar que o projecto nas suas diferentes peças permita a satisfação dos objectivos definidos para o empreendimento e a sua adequação à realidade. No Quadro 2, são apresentadas as áreas de conhecimento que o GEC deverá ter durante as diferentes actividades da fase de projecto de um empreendimento. Quadro 2 Áreas de conhecimento do GEC vs. actividades da fase de projecto de um empreendimento Fase Área de Gestão GIP GAP GTP GCP GQP GRHP GCoP GRP GAqP 1) - 2) ) ) Fase de Construção Após a elaboração do projecto, e nos casos em que a construção do Empreendimento seja alvo de um procedimento concursal, o GEC deverá elaborar o programa do procedimento e o respectivo caderno de

10 10 Vasconcelos, Cabaço, Manso encargos. O GEC deverá também ser responsável pela apreciação técnica das propostas, elaborando para o efeito um relatório onde justifique a escolha do empreiteiro. Durante esta fase em que a obra é executada, o empreiteiro contratado assume um forte papel de gestão operacional da obra. Este será o responsável pela preparação das actividades de obra; o contacto, a selecção e a contratação dos fornecedores de materiais e de equipamentos a incorporar em obra; a submissão de marcas e fabricantes de materiais à aprovação do Dono de Obra; a selecção de entidades de controlo técnico, em particular de laboratórios de ensaio; a garantia atempada dos aprovisionamentos; e a gestão das actividades de construção. O GEC terá assim, durante esta fase, a principal responsabilidade de controlar e assegurar o cumprimento do contrato estabelecido entre o Dono de Obra e os empreiteiros, verificando que todas estas actividades são correctamente desenvolvidas e que a obra está a ser executada nos termos do projecto e do contrato. Durante toda a fase de construção, o GEC deverá ter conhecimento nas várias áreas de gestão de Projectos definidas pelo PMBOK, tal como se encontra indicado no Quadro 3. Quadro 3 Áreas de conhecimento do GEC vs. actividade da fase de construção de um empreendimento Área de Gestão GIP GAP GPP GCP GQP GRHP GCoP GRP GAqP Fase Construção 5 Conclusões Nesta comunicação, foram apresentados os conceitos relevantes da actividade do Gestor de Projecto, definidos internacionalmente, tendo-se feito a analogia e adaptação para o Gestor de Empreendimentos de Construção (GEC) no contexto nacional. Foram definidas as principais atribuições das áreas de conhecimento definidas no guia PMBOK e as principais actividades que se desenvolvem nas diferentes fases de um empreendimento de construção. Referências [1] ISO 10006:2003(E). Quality management systems Guidelines for quality management in projects. ISO. Second edition. Geneva, Switzerland. 32 p. [2] Lei n.º 31/2009. Diário da República, 1.ª série - N.º de Julho de p [3] Project Management Institute. A Guide to the Project Management Body of Knowledge- 3 rd Edition. USA, [4] CABAÇO, A. Contratação de Empreendimentos de Construção. Análise de modelos tradicionais e não-tradicionais e contributos para o seu aperfeiçoamento. Dissertação de Doutoramento, Instituto Superior Técnico, [5] GARCIA, A., et. al. Auditoria a Empreendimentos de Obras Públicas por Gestão Directa. Conclusões e Recomendações do Tribunal de Contas. Relatório Global. Relatório n.º 17/2009 AUDIT. Tribunal de Contas, Maio de [6] ISO :2008(E). Buildings and constructed assets Service life planning: Part 5: Life cycle costing. ISO. Geneva, Switzerland. 41p. [7] Portaria n.º 701-H/2008. Diário da República, 1.ª série N.º de Julho de p 5106-(37) (80).

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI)

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI) 5 NORMALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS 5.1 Introdução Embora tradicionalmente o esforço de normalização pertença à International Standards Organization (ISO), no caso da gestão de projetos a iniciativa tem

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge Project Management Body of Knowledge José Filipe Barbosa de Carvalho José Mário Ferreira Castelo Branco Luís Jorge Trindade Certo Rui Pedro Silva Soares Licenciatura em Engenharia Faculdade de Engenharia

Leia mais

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES 10 COMUNICAÇÕES O gerenciamento das comunicações do projeto é a área de conhecimento que emprega os processos necessários para garantir a geração, coleta, distribuição, armazenamento, recuperação e destinação

Leia mais

i 3.2 Assegurar Integridade e Profissionalismo 43 9 3.2.1 Lucro Pessoal 44

i 3.2 Assegurar Integridade e Profissionalismo 43 9 3.2.1 Lucro Pessoal 44 ICE Introdução 1 PARTE I - CONTEXTO DA GESTÃO DE PROJECTOS E NORMAS DO MERCADO 1. Enquadramento da Gestão de Projectos 7 1.1 Definição de Projecto 7 1.2 Intervenientes no Projecto 9 1.3 Triângulo de Restrições

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A série de normas ISO 9000 foi inicialmente publicada em 1987, e desde então já sofreu dois ciclos de melhoria, incluindo uma revisão menor em 1994 e uma modificação mais profunda em 2000. A

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Micro-Curso de fundamentação em Gerenciamento de Projetos Padrão PMI CAPM - 2014.

Micro-Curso de fundamentação em Gerenciamento de Projetos Padrão PMI CAPM - 2014. Micro-Curso de fundamentação em Gerenciamento de Projetos Padrão PMI CAPM - 2014. Estrutura Acadêmica FGV 2 Livros FGV Management FGV Management A mais capacitada organização brasileira em Gestão de Projetos.

Leia mais

Artigo Engenharia de Software 23 - Gestão de Projetos segundo o PMBOK Artigo da Revista Engenharia de Software edição 23.

Artigo Engenharia de Software 23 - Gestão de Projetos segundo o PMBOK Artigo da Revista Engenharia de Software edição 23. 1 de 9 03/04/2012 21:49 www.devmedia.com.br [versão para impressão] Artigo Engenharia de Software 23 - Gestão de Projetos segundo o PMBOK Artigo da Revista Engenharia de Software edição 23. Esse artigo

Leia mais

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO Visão Geral do PMBOK As três dimensões da GP Ciclo de Vida de s Operação Grupo de Processos Encerramento Teste / Pré Operação Execução Execução Monitoramento

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Manual de Apoio à Apresentação de Candidaturas ao PRODESA, vertente do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Manual de Apoio à Apresentação de Candidaturas ao PRODESA, vertente do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretário Regional da Presidência para as Finanças e Planeamento Direcção Regional de Estudos e Planeamento Manual de Apoio à Apresentação de Candidaturas ao PRODESA, vertente

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Aula 4. Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos

Aula 4. Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos Aula 4 Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos Objetivo Visualizar a gerência de projetos como um conjunto de processos encadeados e integrados. Lidar com as interações que podem ser:

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS 1 INTRODUÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS Ao abordarmos o conceito de projecto de investimento começaremos por citar algumas definições propostas por alguns autores e instituições de reconhecido

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO project management - management personal effectiveness

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO project management - management personal effectiveness CATÁLOGO DE FORMAÇÃO project management - management personal effectiveness 2015 Rua Bombarda 58 Santa Joana 3810-013 Aveiro, Portugal emete@emete.com 1 ÍNDICE PREPARAÇÃO PARA A CERTIFICAÇÃO PMP...4 GESTÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aílson José Senra 1 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS A Administração é um conjunto de normas e funções elaboradas para disciplinar elementos de produção, que têm como objetivo alcançar um resultado eficaz

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

PMBOK e Gerenciamento de Projetos

PMBOK e Gerenciamento de Projetos PMBOK e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos (GP) é uma área de atuação e conhecimento que tem ganhado, nos últimos anos, cada vez mais reconhecimento e importância. Um dos principais difusores

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Gerência de Projetos O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Introdução e Conceitos Conceitos importantes para o entendimento da disciplina O que é um projeto? Um projeto

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Programa AconteSER. Gestão de Projetos. Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013

Programa AconteSER. Gestão de Projetos. Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013 Programa AconteSER Gestão de Projetos Torres Vedras 12 de Dezembro de 2013 Agenda Enquadramento dos projetos na mudança Conceitos de gestão de projetos Iniciação Organização e planeamento Execução, monitorização

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam fornecer uma visão geral do processo empregado para se administrar a aquisição, no mercado, dos produtos necessários

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação. Guião de Planificação de Aquisições Procurement

República de Moçambique Ministério da Educação. Guião de Planificação de Aquisições Procurement República de Moçambique Ministério da Educação Guião de Planificação de Aquisições Procurement 2012 1. Apresentação O presente guião foi elaborado pela Direcção de Administração e Finanças com o objectivo

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO FICHA TÉCNICA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Direcção do Projecto

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI 2010 TenStep Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos)

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NP EN ISO 9001:2008 CAPITULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES CAPÍTULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES ÍNDICE 1. ESTRUTURA

Leia mais