Internet no Brasil: o acesso para todos é possível?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internet no Brasil: o acesso para todos é possível?"

Transcrição

1 Internet no Brasil: o acesso para todos é possível? Carlos A. Afonso Resumo introdutório No momento em que o governo federal prepara um plano estratégico para a sociedade da informação no Brasil, sob a égide do Ministério da Ciência e Tecnologia, temos que destacar alguns assuntos de extrema relevância para todos os brasileiros, já que as novas tecnologias digitais de comunicação e informação (TDCIs), em particular a Internet, vieram para ficar e afetar toda a sociedade como vieram o rádio, telefone e TV. Este texto procura destacar alguns aspectos importantes para o debate das políticas a serem seguidas, tanto a nível de governos como de outros setores da sociedade: A democratização do acesso às TDCIs, ou acesso universal, acesso equitativo, ou ainda a infoinclusão, é um problema fundamental a ser discutido amplamente, e não apenas no âmbito restrito de ministérios federais ou da academia. Essa democratização passa pela resolução de problemas de infraestrutura, capacitação, capilarização de serviços, participação na tomada de decisões e acesso amplo e igualitário aos conteúdos disponíveis ou que possam ser oferecidos via Internet. Tal como todos os outros recursos brasileiros, a infraestrutura básica para a disseminação da Internet é restrita aos principais municípios e prioriza as camadas mais abastadas da sociedade, tendo como paradigma de utilização o acesso individual que reproduz nossa política de transportes. Tal como esta é feita para quem tem carro, nossas autopistas da informação são feitas para quem tem microcomputador, linha telefônica e dinheiro para pagar o acesso à Internet ou seja, para os ricos. Dos mais de cinco mil municípios brasileiros, menos de 300 (ou menos de 6%) conta com a infraestrutura mínima necessária para que possam ser instalados serviços locais de acesso à Internet. Os cerca de cinco milhões de usuários da Internet no Brasil são menos de 3% de nossa população. O Brasil é de longe o pior colocado em números per capita de usuários, computadores pessais, linhas telefônicas e servidores Internet (hosts) entre as nove maiores economias do mundo. Os circuitos que conectam os provedores de serviços à Internet estão entre os mais caros do mundo, inviabilizando o pequeno provedor de serviços em áreas menos ricas. Não há no país nenhum plano em escala nacional para implantar mecanismos efetivos e abrangentes de democratização de acesso, como telecentros em áreas, cidades ou bairros de menos recursos, conexão maciça de escolas públicas, programas de treinamento básico, pesquisa em

2 alternativas de conexão a baixo custo etc. Um amplo programa poderia ser realizado em menos de dois anos gastando menos de 0,2% do PIB, mas não há sequer estudos de viabilidade planejados para isso no programa oficial da sociedade da informação até agora proposto. Não haverá nenhuma mudança efetiva dessa orientação que privilegia na prática os que já têm se a sociedade (ongs, sindicatos, associações, enfim, a sociedade civil) não se mobilizar para que tenhamos um projeto verdadeiramente nacional da sociedade do conhecimento. Tal como nas outras formas de exclusão social, cultural, econômica e política, não podemos deixar de lado o problema grave da infoexclusão, que exacerbará ainda mais a apartação brasileira com a brecha digital. O texto que segue procura ser uma modesta contribuição para essa discussão e para o planejamento das ações concretas necessárias. Rio, julho de

3 Internet no Brasil: o acesso para todos é possível? Carlos A. Afonso Estamos a menos de seis meses do novo século e vivendo o processo já mundializado de implantação de uma nova forma de comunicação baseada em uma rede digital de dados extremamente descentralizada a Internet. O conjunto das atividades que ocorrem na rede ou em decorrência desta apontam para novas formas (já em uso crescente) de atividade econômica e de interações sociais, culturais e políticas o que está sendo chamado de sociedade do conhecimento ou sociedade da informação. Que poderia ser o novo paradigma do 'acesso universal'? Deveria ser baseado apenas no acesso físico? Deveria incluir uma política justa de tarifas de telecomunicações, incluindo subsídios adequados para certas classes de usuários? Ou deveria também incluir acesso livre a certos 'conteúdos', por exemplo o acesso livre a todos os dados de domínio público e informação governamental relevante para os cidadãos imbuidos da necessidade de estarem bem informados sobre todas as atividades do Estado e interessados em garantir a democracia? Qual deveria ser o nível mínimo de serviço para os usuários? É possível avaliar o custo das obrigações da missão de serviço público de modo que tenha significado? Quais seriam os 'direitos dos consumidores'? Estão esses direitos, se limitados pelo interesse do 'mercado', interferindo com os 'direitos dos cidadãos'? Problemas de interconexão, interoperabilidade de redes e servços precisam também ser regulamentados tão bem como a alocação justa de recursos (acesso a números [IP], disponibilidade do espectro de radiofrequência, preço do espectro, concessão de frequências). - Philippe Quéau, A Sociedade da Informação e o Bem Público (UNESCO, mimeo, 1999). Além das questões óbvias, como quem lucra com essa nova sociedade, quem a controla, é preciso monitorar como ela se propaga e como a desigualdade social se reproduz nessa expansão. Historicamente (e o Brasil tem 500 anos para provar isso), os saltos de modernização são realizados em função das elites beneficiárias diretas e frequentemente únicas do desenvolvimento. O salto tecnológico para a sociedade do conhecimento não é diferente. No entanto, talvez ainda haja tempo de torná-lo mais justo, já que ele é no mínimo inevitável. 3

4 Infraestrutura: quem paga o quê e para quem? No final deste ano 2000, a Internet fará 31 anos. O aniversário de 11 anos no Brasil será mais cedo - 18 de julho, quando em 1989 o primeiro serviço Internet brasileiro começou a funcionar, operado pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) no Rio de Janeiro. Assim, a Internet começou nos EUA como uma rede doméstica acadêmica com motivação militar, mas não demorou muito para que os primeiros enlaces com redes similares em outros países fossem ativados - a começar da conexão entre Nova Iorque e Londres em Todos os enlaces internacionais iniciais partiam dos EUA - consequência natural do pioneirismo americano na iniciativa. À medida que se intensificava o uso e repositórios de informação passavam a ser crescentemente acessíveis via Internet, o coração da rede nos EUA crescia geometricamente. Essa concentração foi tal que pelo menos até meados de 1998 metade do tráfego internacional entre países europeus (e mesmo entre algumas espinhas dorsais 1 as chamadas backbones no interior dos países) passava pelas espinhas dorsais americanas. A generalização da Internet, particularmente a partir da explosão de crescimento iniciada em 1994 com o início do uso comercial em grande escala do protocolo HTTP para a montagem de sites WWW, levou à constatação de um problema crescente - o tráfego internacional essencialmente ainda passa pelos EUA, e a quase totalidade das conexões entre cada país e os EUA é paga pelos operadores de espinha dorsal dos outros países. A justificativa tradicional é que paga quem tem interesse em estabelecer a conexão - ou seja, quem quer aceder aos repositórios de informação e serviços sediados nos servidores norte-americanos. De fato, a relação 1 Ver glossário ao final do texto. 4 Como nasceu a Internet Em 1969, pesquisadores do setor público e privado nos EUA foram contratados para desenvolver uma rede para a ARPA (ARPA Advanced Research Projects Agency), Agência de Projetos de Pesquisa Avançada do Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DOD). Era o auge da Guerra Fria, e a demanda era criar um sistema de interconexões entre computadores de qualquer tipo que pudesse manter-se em operação com redundância de armazenagem de dados e de processamento mesmo que vários nós fossem destruidos. Nascia a ARPANet, precursora da Internet: quatro locais foram escolhidos como nós iniciais da rede: Network Measurements Center da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), Instituto de Matemática Interativa Culler-Fried da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara (UCSB), Universidade de Utah e o Instituto de Pesquisas de Stanford (SRI). Os métodos de transmissão de dados usados deram origem ao TCP/IP o conjunto de protocolos universal de transporte e encapsulamento de dados da Internet.

5 entre tráfego de saída (a partir dos EUA) e tráfego entrante é, no caso da América Latina, por exemplo, de pelo menos oito para um. Na melhor das hipóteses, do ponto de vista de negociação comercial, os americanos podem portanto alegar ser justo que paguem no máximo um oitavo da conectividade entre os EUA e a América Latina em média. O caso de regiões mais desenvolvidas é bem diferente. Já em 1998, a Telstra, principal operadora de telecomunicações australiana, informava que 30% do tráfego em seus enlaces com os EUA era demanda vinda deste país - mas a Telstra era obrigada a pagar pela totalidade dos enlaces. 2 O fato é que a maioria dos países (incluindo todos os latino-americanos) paga aos operadores americanos de espinha dorsal pela totalidade de suas conexões aos EUA. A rigor, claro, quem paga são os usuários finais, para os quais são repassados os custos de conectividade dos provedores de acesso às espinhas dorsais. No caso da América Latina, como ocorria até recentemente em outras regiões mais desenvolvidas, praticamente não há conectividade intrarregional - a quase totalidade desta porção do tráfego internacional passa pelas espinhas dorsais norte-americanas. Ao contrário do que já ocorre na Europa e Ásia, não há na América Latina nenhuma iniciativa regional de interconexão. Ou seja, continuaremos pagando aos EUA para trocar tráfego com os chilenos, argentinos, mexicanos etc. Portanto, ainda não existe uma Internet latino-americana. Além da transferência maciça de recursos desde cada usuário final da região aos grandes operadores dos EUA através do pagamento dos circuitos internacionais, nem sequer um PIR (Ponto de Interconexão de Redes) regional interconectando espinhas dorsais nacionais existe. Isso gera uma espécie de impasse de desenvolvimento. Por ser inexistente uma infraestrutura de rede integrada na região, todo o tráfego internacional de informação (incluindo transações confidenciais) não só passa pelos EUA, como depende da lógica de desenvolvimento (e portanto do plano de negócios) da Internet norte-americana. E muitos repositórios em nossos idiomas com conteúdos gerados por nós são ainda hospedados apenas em servidores dos EUA. Por mais boa vontade e sincero desejo de ajudar-nos que tenham certos departamentos latino-americanos das universidades do Norte, o fato é que essa informação não está em nossas mãos e, como vimos, precisamos pagar aos norte-americanos para obtê-las. Mais ainda, há considerações importantes de engenharia de tráfego a serem feitas. Se houvessem espinhas dorsais regionais com PIRs bem 2 Hubs + Spokes: a Telegeography Internet Reader (Washington, DC: Telegeography, Inc., abril de 2000). 5

6 localizados, grande parte do tráfego entrante que é repetitivamente buscado nos EUA poderia residir em servidores regionais - sem falar que o tráfego intrarregional ficaria na região. Com isso, o tráfego entre os EUA e a América Latina poderia ser otimizado, e até sofrer uma redução relativa. O benefício adicional de uma rede regional bem dimensionada é que, com a sofisticação dos atuais sistemas de roteamento dinâmico, combinada com tecnologias de repositórios automáticos ( cache servers ) e outras, pode haver um aproveitamento muito melhor de eventuais capacidades ociosas (ou, pelo menos, redução de congestionamento) nos principais circuitos das espinhas dorsais. E mais: é essencial uma estrutura regional coordenada para assumir tarefas como a distribuição regional de outros recursos Internet (como números IP), seguindo a tendência mundial de descentralização desses serviços. De fato, só a América Latina ainda não tem hoje um organismo regional para essa coordenação. Por fim, é óbvio que uma infraestrutura regional estimula o fluxo de informações e transações entre os países utilizando a rede com um evidente efeito multiplicador de iniciativas culturais, sociais, de pesquisa e de negócios. Demonstrar a importância da interconexão regional não é difícil, como vimos. O fato é que restam problemas de ordem econômica e política a serem superados: quem toma as iniciativas, quem gerencia ou controla, quais os termos ou critérios de cobrança por cada ramo das conexões aos PIRs? Pelo que já vimos, um projeto de rede regional e otimização internacional de tráfego não pode depender de decisões estritamente comerciais. Mas, se os governos locais desconfiam uns dos outros, existem atores internacionais de peso neste cenário que podem fazer a diferença. Agências multilaterais ou internacionais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Banco Mundial, PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e outras, com o apoio da iniciativa privada, poderiam coordenar uma iniciativa regional nessa direção. Esses desequilíbrios em infraestrutura refletem-se no interior dos países. Tipicamente, hoje um usuário final faz sua conexão a um provedor de acesso Internet através de uma linha telefônica e paga pelo tempo de uso ao provedor e à empresa de telefonia (no caso da chamada Internet grátis, o usuário final paga os impulsos à empresa telefônica). O provedor de acesso por sua vez está conectado a uma espinha dorsal Internet, que está conectada a outras espinhas dorsais no país e no exterior. Conectamse a essas espinhas dorsais também os provedores de outros serviços Internet, como os portais de informações, os servidores de comércio eletrônico e outros. 6

7 Todas essas interconexões, exceto a do usuário final (a chamada última milha ) são de custo fixo e cobradas como em uma cadeia alimentar: os usuários finais pagam aos provedores de acesso e à empresa telefônica; os provedores pagam às operadoras de espinhas dorsais pelos circuitos dedicados; e as espinhas dorsais nacionais negociam entre si os acordos de interconexão ou seguem regras de interconexão estabelecidas por lei. O conjunto dessas conexões a nível nacional e os enlaces internacionais compõem a infraestrutura mundial de tráfego da Internet. A nível internacional, a absoluta predominância dos EUA como centro de fato da Internet significa que as espinhas dorsais nacionais do resto do mundo pagam aos EUA hoje algo em torno de US$5 bilhões anuais este é o topo da cadeia alimentar da infraestrutura Internet. 3 Por quê os circuitos que compõem a Internet são de custo fixo? Ao contrário da telefonia tradicional, em que as conexões são sempre ponto-aponto e é fácil determinar tempos e volumes de utilização por origem e destino, na Internet os datagramas de um mesmo arquivo podem trafegar por várias rotas até chegar ao destinatário, tornando quase impossível determinar quanto cada usuário consumiu da banda passante de cada trecho da rede até o seu provedor. Há serviços especiais, como as virtual private networks (redes privadas virtuais, ou VPNs), em que por acordo entre operadoras podem-se definir canais de rota fixa entre dois pontos da Internet a custo bem mais elevado, mas quase todo o tráfego Internet é sujeito ao roteamento dinâmico dos vários operadores envolvidos nesse transporte ou seja, 3 Quéau, op.cit.. 7 A política inicial para a Internet no Brasil Originalmente, os provedores Internet eram verticalizados faziam todos os serviços da cadeia de valor a partir do nível do envio e recepção de dados: roteamento, acesso por linha telefônica, sediamento de servidores e de aplicações de clientes, produção e disseminação de conteúdo. Às empresas de telecomunicações cabia fornecer os circuitos físicos e manter os sinais básicos nesses circuitos para garantir que os mesmos se mantivessem vivos, bem como fornecer as linhas telefônicas em ambas as pontas do usuário e do provedor. Essa verticalidade inicial estimulou setores governamentais e até áreas da comunidade acadêmica no Brasil (particularmente no Rio de Janeiro, onde desconectaram em 1995 o Ibase da Rede Rio por considerá-lo um projeto comercial ) a defender uma política de verticalização integral da Internet, em que a Telebrás operaria toda a cadeia de valor para fins comerciais e uma rede de pesquisa financiada pelo governo federal e governos estaduais ofereceria serviços Internet gratuitos para a academia. Era uma proposta radicalmente anti- Internet já que o que sobraria desta seria apenas o método de transporte e troca de datagramas. Todo o resto a descentralização dos serviços de valor agregado, a horizontalidade da arquitetura e a liberdade de entrar e sair como fornecedor de serviços seria riscado do mapa. Essa proposta de regressão foi desmontada com a criação do Comitê Gestor em 1995, e a implantação de uma política de capilarização de serviços defendida por vários setores, entre os quais a Rede Nacional de Pesquisa (RNP), os ministros das Comunicações e da Ciência e Tecnologia, o Ibase e outras entidades.

8 o arquivo do usuário é decomposto em pedaços (os datagramas) que podem viajar por qualquer caminho, desde que cheguem ao destino. Isso torna quase impossível definir um método determinístico de cobrança de tráfego, tal como na telefonia. O alto custo internacional de conectividade tem impacto direto no custo do serviço de espinha dorsal. Isso no entanto não justifica o preço arbitrariamente exagerado cobrado no Brasil pelo uso de circuitos dedicados por parte das concessionárias de telecomunicações um cartel até agora sacramentado pela Anatel que continua reproduzindo o perfil de preços cobrado pela Telebrás. O preço desses circuitos contribui decisivamente para tornar o custo de operar serviços Internet no país um dos mais caros do mundo. Isso afeta particularmente os provedores menores, em que o custo dessa conexão frequentemente é mais de 30% do gasto mensal uma conexão dedicada local de 2 megabits por segundo (Mb/s) custa, no Brasil, cerca de US$14 mil mensais, enquanto nos EUA uma conexão similar custa US$1.200 ou seja, o que um provedor paga em um ano nos EUA à MCI, por exemplo, pagaria em um mês à filial da MCI (a Embratel) no Brasil. Considerando que o perfil dos outros gastos de um serviço de alta tecnologia como esse é praticamente o mesmo aqui e nos EUA, exacerba-se ainda mais a vantagem competitiva dos EUA na expansão desses serviços. Um outro componente a levar em conta na estratégia de desenvolvimento de infraestrutura é a distribuição de pontos locais de presença das espinhas dorsais os chamados POPs (do inglês, points of presence ). Esses POPs recebem as conexões dedicadas dos provedores de serviços Internet. Sem um POP na cidade, o provedor local tem que contratar um circuito interurbano a um custo inviável para esse tipo de serviço na maioria imensa dos casos sem contar que frequentemente as operadoras de telefonia evitam instalar esses circuitos. Em resumo, temos alguns problemas cruciais para a política de desenvolvimento de infraestrutura de rede a serem considerados: os altos custos nacionais dos circuitos dedicados; a péssima e extremamente insuficiente distribuição de pontos locais de acesso (POPs) às espinhas dorsais; ausência de alternativas viáveis e de relativamente baixo custo aos serviços de conexão atualmente oferecidos pelas empresas telefônicas; critérios de troca de tráfego eficaz entre espinhas dorsais ainda em discussão; 8

9 dependência nacional e regional à política de desenvolvimento e plano de negócios da Internet dos EUA. Essas questões são cruciais para o acesso universal. Como veremos, o desenvolvimento autônomo e adequado de infraestrutura é um dos componentes centrais da democratização do uso da rede. Em outras palavras, a própria política de desenvolvimento da infraestrutura depende das prioridades nacionais em relação ao acesso universal. 9

10 Um paradigma para o acesso universal O acesso universal ou acesso equitativo, ou ainda a infoinclusão, parece ser um conceito simples essencialmente, significa que o maior número possível de pessoas de uma sociedade tem igual oportunidade de utilizar as redes públicas de comunicação e informação. Essa situação ideal é confrontada com a dura realidade de exclusão social, que leva também à infoexclusão a impossibilidade de utilizar os recursos dessas redes. A exclusão social em escala mundial não parece diminuir. Atualmente, as três pessoas mais ricas do mundo têm mais patrimônio que a soma dos produtos internos brutos dos 48 países mais pobres, e metade da população mundial continua vivendo com menos de US$2 por dia. 4 Falar sobre o direito à infoinclusão para essas pessoas que travam (e frequentemente perdem) a batalha diária por comida e abrigo seria uma pregação no deserto, algo como gritar a alguém que está caindo de um prédio que ela tem o direito de protestar contra seu infortúnio. Não é preciso elaborar muito para perceber que considerar a infoinclusão como sendo o acesso individual às chamadas tecnologias digitais de comunicação e informação (TDCIs) - a cada pessoa um computador, uma linha telefônica e uma conta na Internet - é no mínimo utópico. E mais, muitas vezes o objetivo nobre do acesso universal pode ter consequências inesperadas. É interessante lembrar por exemplo que no início da década de 30 a proposta da AT&T de tornar-se um monopólio nacional de telefonia foi aceita pelo governo dos EUA sob a alegação que era o único caminho capaz de garantir a universalização do serviço. 5 E mais: a questão do acesso universal vai muito além da oferta de infraestrutura e dispositivos para a conexão e uso dos serviços na última milha (a conexão à casa do usuário, a seu escritório, a sua escola ou a um centro comunitário). Há pelo menos quatro componentes interdependentes que precisam ser levados em conta em qualquer estratégia de capilarização: infraestrutura e acesso facilidades coletivas e individuais de acesso local a baixo custo; capacitação treinamento no uso do meio e formação de quadros para configurar, operar e desenvolver serviços e sistemas; 4 Citado por Ignacio Ramonet, Stratégies de la faim, Le Monde Diplomatique (Paris: novembro de 1998). 5 Robert Cannon, The Universal Service Program for Schools, Libraries, and the Internet, The CPSR Newsletter (Palo Alto: primavera de 1998, p.4). 10

11 gestão e custeio (sustentabilidade) viabilização econômica e financeira para garantir a manutenção e atualização dos serviços locais; conteúdo oferta de conteúdos locais, serviços e sistemas de informação em nosso idioma, democratização de toda a informação legalmente pública, facilidades para a produção e disseminação de conteúdo local. Esses componentes interdependentes podem ser simbolizados no que poderíamos chamar de tetraedro da infoinclusão, mostrado na figura. 6 Assim, as estratégias viáveis de infoinclusão têm buscado disseminar o acesso a atores sociais (institucionais e individuais) que podem efetivamente agir como multiplicadores, de tal modo que um crescente número de pessoas de cada comunidade acaba recebendo os benefícios dessa disseminação mesmo que muitas delas nunca cheguem sequer a tocar num teclado, usar um telefone ou até ver um computador. Como exemplo, se os camponeses de Pernambuco não podem ter acesso individual à Internet, seus sindicatos rurais poderiam estar conectados; se uma comunidade periférica não tem recursos para o acesso individual, um telecentro sediado em uma organização local pode servir de ponto de entrada e capacitação; se os pais não podem usar a Internet, os filhos na escola pública terão acesso etc. No processo, essa estratégica busca também, sempre que possível, facilitar a capilarização individual do acesso. 6 Agradeço as preciosas sugestões da professora Vani Kenski, da Universidade de São Paulo, na configuração dos vértices do tetraedro. 11

12 O processo de infoinclusão requer uma cadeia de eventos que poderia ser resumida assim: o acesso precisa estar disponível (comunitária ou individualmente); se estiver disponível, precisa ter um custo viável para os usuários finais, levando em conta as disparidades de renda; existindo a baixo custo, precisa ser irrestrito (igualdade de oportunidade); ainda mais, tem que ser útil à comunidade (para justificá-lo como prioridade de gasto social); precisa ainda ser sustentável a longo prazo; e finalmente, pode também ser usado para o lazer (já que o direito ao lazer é um componente fundamental do desenvolvimento humano). O acesso universal requer, além dos aspectos infraestruturais já tratados, que haja oportunidade de capacitação para usar e manejar o novo meio. A Internet traz uma caracteristica excepcional, a razão maior de sua tremenda propagação a facilidade que os próprios usuários têm de oferecerem serviços à rede, e com isso se tornarem também provedores. Isso leva à participação democrática de uma verdadeira comunidade mundial de provedores-usuários (aquele que usa também pode prover Que são os telecentros Internet? O telecentro, utilizado como uma solução de conectividade e de capacitação do Canadá ao Cambodja, é um espaço para uso coletivo de recursos de acesso à Internet. O telecentro pode ser multipropósito (por exemplo, oferecendo áreas de treinamento e facilidades de processamento e impressão de documentos, além do acesso à rede) ou simplesmente um espaço aberto ao público (com ou sem fins de lucro, uma franquia por exemplo) para acesso à rede. Pode estar localizado em uma escola, casa paroquial, biblioteca, prefeitura, ou mesmo em uma entidade civil ou qualquer outro espaço de acesso comunitário. Há muitas experiências de implantação de telecentros em várias regiões do mundo, sendo a do Peru a mais extensa já realizada em países menos desenvolvidos (http://ekeko.rcp.net.pe). O International Development Research Centre (IDRC) do Canadá procura acompanhar e apoiar iniciativas de acesso universal, tendo participado de vários projetos de implantação de telecentros na África, Ásia, América Latina e Caribe (http://www.idrc.ca/acacia) É importante também acompanhar uma iniciativa regional de intercâmbio de propostas de telecentros, a TELELAC, baseada no Equador, que contém informações sobre projetos de vários países (http://www.tele-centros.org). serviços, através de sua homepage, de um servidor de pequeno porte, de teletrabalho etc). De fato, enquanto os outros meios (rádio, TV, telefonia tradicional) requerem uma infraestrutura operacional e investimentos em recursos humanos relativamente pesados para o provimento de serviços, além da obtenção de concessões estritamente (e muitas vezes politicamente) controladas pelos governos, na Internet mesmo um microcomputador portátil ligado temporariamente à rede pode ser um servidor provendo informações e serviços. Com alguns computadores pessoais e uma conexão ISDN através de uma linha telefônica muitos serviços Internet são oferecidos nos EUA e Europa, por exemplo (incluindo pequenos provedores de serviços e até centros de teletrabalho) o que permite uma espécie de 12

13 cottage industry da Internet. Na verdade, milhares de provedores de acesso e serviços espalhados pelo mundo são operações quase domésticas. É essa característica, aliada à crescente facilidade de configurar um microcomputador como um provedor de serviços, que catalisou a mundialização da rede, levando-a a uma escala há poucos anos inimaginável: Os avanços nas tecnologias de informação e a propagação da Internet estão também oferecendo benefícios significativos aos indivíduos. No ano 2000, o número de pessoas com acesso à Internet deverá chegar a 304 milhões em todo o mundo quase 80% a mais que em 1999; e, pela primeira vez, os EUA e o Canadá juntos terão menos de 50% da população online global. Ainda mais, de acordo com a Inktomi e o Instituto de Pesquisas NEC, o volume de informação disponpivel online terá crescido dez vezes nos últimos três anos, com mais de um bilhão de páginas discretas. 7 Para que oportunidades como essa se materializem e sobretudo se democratizem, no entanto, é necessário treinamento para o uso mais eficaz, para o entendimento do alcance, limitações e riscos, e também para a configuração e manutenção de serviços. Em escala nacional, do lado do provimento de serviços, é necessário formar uma base estável e reprodutível (treinamento com efeito multiplicador) de recursos humanos em toda uma gama de conhecimentos que abrange configuração de redes, sistemas operacionais, montagem de equipamentos, configuração e manutenção de serviços, além de gerenciamento e planejamento institucional e de operações. Lembrando, como vimos, que é possível para uma pequena organização local (escola, ong, associação comunitária etc) abrigar um provedor de serviços, esse tipo de formação precisa da flexibilidade, descentralização, modelos adequados de soluções e rapidez necessários para dar a essas entidades a oportunidade de participarem ativamente da capilarização do acesso. Do lado do usuário (que como vimos é sempre também um potencial prestador de serviços de conteúdo), é essencial descentralizar a formação no uso dos recursos que a rede oferece para disseminar, organizar e trocar informações. A curta e intensa história da Internet é um exemplo claro que tecnologias deste tipo florescem e se consolidam quando uma comunidade de pesquisa está ativamente presente. Lembremos que, ao contrário de algumas outras tecnologias, os caminhos de desenvolvimento técnico das TDCIs são universais em seus requerimentos (serviços Internet em San Francisco, Santiago ou Phnom Penh requerem expertises quase idênticas e componentes similares de software e hardware) e são bastante complexos. 7 U.S. Department of Commerce, Digital Economy 2000 (Washington, DC: June 2000), pp. v-vi. 13

14 No Brasil, a importância da Rede Nacional de Pesquisa (RNP) ver destaque - na alavancagem e capilarização da Internet é indiscutível. Trata-se da primeira operadora brasileira de espinha dorsal e também a primeira a operar POPs em regiões onde as operadoras comerciais chegaram muito depois. A RNP tem uma história de apoio a projetos além da academia um exemplo significativo é que o primeiro provedor Internet do país (criado pela ong Ibase, já mencionado ver destaque na próxima página) não teria existido sem o apoio infraestrutural e institucional da RNP. O papel da RNP em componentes como capacitação, suporte, pesquisa de modelos de soluções e infraestrutura na alavancagem do acesso universal no país é inevitável e imprescindível. Nosso tetraedro ainda requer medidas para estimular a produção e disseminação de conteúdo. Lembremos que 80% do conteúdo da Internet ainda está em inglês, tornando este idioma a lingua franca de fato da sociedade do conhecimento em gestação. Se ninguém pode imaginar a tradução de quase um bilhão de páginas do inglês para vários idiomas (não só porque em breve serão dois bilhões e assim por diante), pode sim pensar em programas nacionais de A Rede Nacional de Pesquisa Em 1988, já se formavam no Brasil alguns embriões independentes de redes, interligando grandes universidades e centros de pesquisa do Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre aos Estados Unidos. Com o objetivo de integrar esses esforços e coordenar uma iniciativa nacional em redes no âmbito acadêmico, o Ministério da Ciência e Tecnologia formou um grupo composto por representantes do CNPq, da FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos, da FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, da FAPERJ - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro e da FAPERGS - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul, para discutir o tema. Como resultado, surge em setembro de 1989 o projeto da Rede Nacional de Pesquisa (RNP), uma iniciativa da comunidade científica brasileira sob a égide institucional original da Secretaria de Ciência e Tecnologia da Presidência da República e posteriormente do Ministério da Ciência e Tecnologia, inspirada em iniciativas similares nos Estados Unidos (especialmente a NSFNet). A atuação da RNP é limitada aos âmbitos federal e internacional nos estados iniciativas de redes estaduais integradas ao projeto nacional seriam estimuladas para a ampliação da capilaridade da rede. Desde então, a história da RNP não deixa margem a dúvidas quanto ao seu papel pioneiro na alavancagem da Internet brasileira, consolidando uma espinha dorsal nacional de ensino e pesquisa apesar dos recursos limitados disponíveis, e estendendo seu apoio a vários projetos sociais (mesmo enfrentando eventuais oposições de setores da comunidade acadêmica), servindo portanto de alavanca fundamental do desenvolvimento da rede no país. desenvolvimento de conteúdo relevante em nosso idioma, como parte dos programas de capilarização do acesso. Finalmente, é fundamental que as iniciativas não morram por falta de recursos. Planos de auto-sustentação precisam acompanhar essas iniciativas, com o envolvimento ativo da comunidade local principal interessada na sua continuidade. Como veremos, em qualquer caso é ilusório imaginar que o acesso universal poderá ser alcançado apenas com 14

15 a força do mercado ou iniciativas locais é essencial um programa nacional que enfrente estruturalmente o problema, com investimentos significativos de alavancagem levando em conta pelo menos os vértices de nosso tetraedro. No entanto, há muitas formas de implementar iniciativas de acesso e capacitação locais, que vão desde o telecentro totalmente subsidiado a franquias bem planejadas estimulando pequenos empreendedores locais a criar centros de teletrabalho e formação. Existem iniciativas de franquia de cabinas públicas e telecentros em outros países (como no Peru, onde há mais de 600 telecentros e cabinas públicas instalados) que já entregam o projeto pronto, com especificações técnicas detalhadas, equipamento, plano de negócios, métodos simples de cobrança pelo uso dos serviços, software e até treinamento da equipe. Outras formas incluem cabinas individuais de consulta em locais públicos (como agências dos Correios, hotéis, supermercados, áreas de lazer e outros), ou mesmo áreas de acesso público acopladas a redes internas das escolas, centros comunitários, bibliotecas e universidades. A parceria entre o Ibase e a RNP Em um processo paralelo ao da implantação da RNP, iniciado em 1987 e liderado pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), do Rio de Janeiro, desenvolvia-se um esforço de implantação da Internet no âmbito das organizações não governamentais (ongs). Em julho de 1989 o AlterNex, criado pelo Ibase, passava a ser o primeiro provedor de serviços Internet do país fora da comunidade acadêmica. É importante ressaltar o papel do Ibase pelo menos nesta etapa de criação da espinha dorsal piloto da RNP, porque as duas iniciativas independentes acabaram juntando-se em um esforço comum para viabilizar o projeto Internet da UNCED 92, o que deu um impulso definitivo à viabilização dos primeiros circuitos IP da nascente espinha dorsal acadêmica brasileira com a NSFNet nos EUA. No final de 1990, o Ibase iniciava o UNCED Information Strategy Project in Rio (ISP/Rio), que viria a ser incorporado ao Acordo de País Sede entre a ONU e o Brasil para a realização da Eco 92, e consistia no projeto, montagem e operação de uma rede Internet interligando todos os espaços do evento entre si e à Internet via redes de microcomputadores. A RNP desempenhou papel crucial no êxito desse projeto. 15

16 Os caminhos no Brasil Como é sabido, as desigualdades que caracterizam o país refletem-se no campo do acesso aos benefícios das TDCIs. Apesar de o Brasil ter a maior infraestrutura de telecomunicações da região, experimentando um processo de rápida modernização principalmente nos grandes centros, menos de 3% de sua população de mais de 160 milhões tem acesso individual à Internet. A última pesquisa do Ibope mostra que há menos de cinco milhões de usuários quase todos das classes mais abastadas. Na América Latina, o Brasil é o quarto em número de hosts e de usuários em relação à população. 8 A nível internacional, o Brasil está longe da média dos nove países de maior produto interno bruto, como revela a tabela abaixo. Usuários, PCs e hosts por habitante: posição do Brasil entre os 9 maiores PIBs, 1999 (%) 9 Média dos nove países Brasil Usuários por habitante 17 <3 Computadores pessoais por 20 <3 habitante Hosts por habitante 2,2 0,1 Menos de 6% dos municípios brasileiros têm provedores de acesso local à rede. 10 São municípios de acordo com o Ibge (ou de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral) e em mais de deles a Internet ainda não chegou. Isso se agrava com a ausência de POPs (que permitem a instalação de serviços locais de acesso) na maioria imensa dos municípios. No início de 1999 existiam menos de 150 POPs operados pela RNP e pela Embratel (e várias cidades têm mais de um POP). Mesmo que esse número tenha dobrado em um ano, ainda teríamos menos de 6% das localidades do país com pontos locais de acesso para provedores. Essas disparidades agravam-se ainda mais no Nordeste e Norte do país - seguindo também o perfil das outras desigualdades nacionais. Em grande medida isso foi consequência da política de desenvolvimento da rede adotada inicialmente pelo país. 8 Carlos A. Afonso, Claudio J. Brito, Fernando Q.S. Kneese, Avaliação de Projeto: Desenvolvimento Estratégico em Informática (DESI) (Brasília: CNPq, agosto de 1999). 9 Carlos A. Afonso et al, op.cit.. 10 Os cálculos sobre provedores de acesso são do autor a partir de informações nos sites Cadê (http://www.cade.com.br) e ANPI (http://www.anpi.org.br), entre outros. 16

17 Se por um lado foi correta a noção de buscar capilaridade através da liberdade de mercado para que surgissem mais de mil provedores locais de acesso, não houve estímulo de nenhuma ordem para que os provedores pudessem surgir em áreas de menos recursos. E a instalação de POPs comerciais das espinhas dorsais (mesmo quando eram monopólio de uma estatal) também seguiu a lógica estritamente comercial, concentrando-os nos principais centros urbanos. Apenas a RNP buscou no início quebrar essa lógica, mas os poucos recursos disponíveis permitiram que ela chegasse apenas às capitais. Sem um POP na cidade, fica inviável para um provedor instalar um serviço local de acesso - já que os custos de circuitos dedicados no país estão entre os mais altos do mundo (uma herança da época do monopólio estatal que se perpetua) e a infraestrutura ainda precária de interconexão municipal torna quase impossível a ligação interurbana ao POP mais próximo na maioria dos municípios. Por outro lado, mesmo nas grandes cidades a desigualdade de acesso é gritante. Nessas áreas, não se vê nenhuma iniciativa dos grandes provedores e operadoras de serviços de telecomunicações, ou mesmo das associações e fundações ligadas a esses interesses comerciais, para apoiar ou mesmo criar alternativas de acesso a quem não tem o mínimo necessário para o uso individual da rede. Acrescente-se a isso o custo elevado dos impulsos locais, que muitas vezes é bem maior que o custo do serviço Internet - o que tem justificado o surgimento dos serviços pseudo-gratuitos (ou seja, pagos pelos impulsos telefônicos) no país. Parece claro que o caminho em países como o nosso é a busca de alternativas eficazes para estender o acesso à rede, bem como capacitar as pessoas e organizações para poderem usá-la eficazmente como instrumentos de suas atividades fins. É paradoxal que o Brasil tenha tido uma política nacional para a Internet bastante avançada em relação à maioria dos outros países, mas que não tenha havido uma única iniciativa nacional de peso em direção ao acesso universal. O Peru, por exemplo, cujo avanço de infraestrutura e tecnologia Internet está ainda muito aquém do Brasil, é o país mais avançado da região (e um dos mais avançados do mundo) na democratização do acesso. A partir da iniciativa da Red Científica Peruana (RCP), praticamente não há centro urbano no país sem pelo menos um telecentro de acesso comunitário à rede ou cabinas públicas individuais. Hoje os telecentros comunitários e para negócios no Peru disseminam-se na forma de franquias e de iniciativas sem fins de lucro, buscando de várias formas a extensão do acesso com auto-sustentação. 17

18 A pergunta que fica é: a médio e longo prazo, que país estará mais avançado na sociedade do conhecimento? Quem disseminou o acesso aos meios à maioria de sua população ou quem aposta apenas em tecnologia de ponta para a minoria mais abastada e no mercado? Esboço de uma iniciativa nacional de telecentros Uma estimativa de custos (*) População Telecentros por cada 25 mil habitantes Custo de implantação por telecentro totais R$ R$ Equipamentos e software Outras despesas de implantação totais Custos operacionais anuais por telecentro totais R$ R$ Instrutores e operadores Aluguél e outros Manutenção e materiais de escrit Conexão 128 Kb/s totais Total no primeiro ano (R$) Total em US$ Total anual de manutenção (R$) Total anual em US$ (*) Não inclúi despesas preparatórias e de seguimento, como projeto, formação de quadros, gastos administrativos globais do programa etc. Façamos alguns cálculos apenas para mostrar a extensão do problema a enfrentar (tabela acima), relativos apenas a um possível programa de telecentros multipropósito em escala nacional. Não significa que se está fazendo uma proposta de solução mágica para o acesso universal. Apenas que os telecentros, tanto em uma escola como uma prefeitura, biblioteca, casa paroquial ou o que seja, são componentes fundamentais de qualquer iniciativa de democratização de acesso em países como o nosso. Imaginemos, portanto, como modelo um telecentro que permita não só o acesso, mas tenha espaço para capacitação e para uso de outros recursos 18

19 de computação, como edição de textos, impressão, leitura óptica etc, e até mesmo possa operar um servidor Internet. Suponhamos que esse telecentro permita atender 20 usuários e 20 treinandos simultaneamente. Uma estimativa de cálculo pelos custos de mercado revela que cada telecentro como esse poderia ser implantado por aproximadamente R$80 mil (32 computadores, 2 impressora mais equipamento e infraestrutura de rede). O custo de manutenção mensal seria da ordem de R$7 mil (um instrutor e um operador com treinamento em manutenção mais custos de infraestrutura e aluguel de espaço), sem contar o custo da conexão ao POP mais próximo (incluindo serviço IP). Incluindo este custo de conexão, estamos falando de um custo no primeiro ano, incluindo implantação, de R$194 mil por telecentro pouco mais de US$100 mil. Admitamos como hipótese um programa para implantar um telecentro desse tipo por cada 25 mil habitantes no país. Teríamos telecentros, cujo porte médio teria as características já indicadas - um total no primeiro ano de implantação da ordem de US$690 milhões. Nos anos seguintes, o custo global de manutenção seria de cerca US$400 milhões, incorporando custos de reposição anual de equipamento mais atividades regulares de treinamento de instrutores e operadores. Supondo que cada telecentro esteja conectado a 128 Kb/s, ao custo comercial atual, para conexões locais estima-se um custo de cerca de R$2.500 mensais por telecentro se a conexão for feita por circuito dedicado de dados fornecido pela empresa local de telefonia. Tanto para as conexões locais como para as de longa distância, seria fundamental buscar alternativas, como a conexão via rádio (investimento inicial alto mas custo operacional baixo e de rápida amortização) e o uso de novas tecnologias via satélite. Notemos, por exemplo, que fornecedoras de serviços de satélite já oferecem conexões a um custo mensal quase três vezes menor que o de uma conexão tradicional local equivalente das empresas telefônicas brasileiras. Como no caso do rádio, a conexão via satélite requer um investimento inicial mais alto (estimado, a preço dos EUA, em cerca de US$7 mil por telecentro para a aquisição do transceptor, antena e roteador, o que aumentaria em cerca de 16% o custo de implantação estimado em nossa tabela) mas que se amortiza rapidamente na diferença de preço em relação a circuitos dedicados tradicionais especialmente em áreas onde não existem POPs locais. 19

20 Paralelamente, teria que haver um programa nacional de estímulo à propagação de POPs - pode-se usar a experiência de alavancagem da RNP, plenamente capacitada a montar essa infraestrutura no país, e contar com o apoio através de facilidades regulatórias especiais das operadoras de serviços de longa distância. Ao mesmo tempo, seria necessário desenvolver e implantar as técnicas mais eficazes de comunicação de dados via satélite e via rádio, procurando definir padrões e oferecendo também soluções de baixo custo para serem aproveitadas pela iniciativa local. Estima-se um total anual de custos brutos de conexão para telecentros da ordem de mais de US$100 milhões - na verdade, um custo arbitrário, de vez que as operadoras superfaturam o preço de conexões dedicadas no país e um programa Que é o FUST? No final de 1997, o deputado José Pimentel (PT) formulou o projeto de lei do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações - que passaria a ser conhecido pela sigla FUST. Pelo projeto originalmente publicado em 1997, o fundo, a ser gerido pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), terá por finalidade proporcionar recursos destinados a cobrir a parcela do custo exclusivamente atribuível ao cumprimento das obrigações de universalização de prestadoras de serviços de telecomunicações no regime público, que não possa ser recuperada com a exploração eficiente do serviço. Na sua formulação atual, o projeto propõe que seja recolhido ao FUST 1% do faturamento líquido anual das empresas de telecomunicações, a ser aplicado na extensão dos serviços respectivos à parcela menos favorecida da população e a localidades em situação precária em relação a telecomunicações. Estima-se que o valor anual arrecadado pelo FUST possa ultrapassar R$1 bilhão. O FUST, já aprovado pela Comissão de Ciência e Tecnologia e pela Câmara dos Deputados, ainda depende da aprovação em plenário do Senado Federal e da sanção do presidente da República. A lentidão do processo deve-se, de acordo com o autor do projeto de lei, ao forte lobby das concessionárias de serviços públicos de telecomunicações. nacional de telecentros teria que negociar esse valor para baixo. Uma solução equivalente via satélite requereria um investimento em equipamento no primeiro ano da ordem de US$ 45 milhões, mas o custo anual de conexão do conjunto dos telecentros poderia ser reduzido a US$46 milhões ou até menos (este valor é baseado em tabela de preço comercial unitário no varejo). Observemos que isso poderia ser descontado (por períodos determinados de, digamos, até dois anos) da contribuição destas ao futuro Fundo Social das Telecomunicações (FUST) atualmente em discussão no Senado. Ademais, os telecentros podem ser implantados seguindo vários modelos, desde o totalmente subsidiado por um programa nacional de telecentros até as franquias mantidas dentro de regras de uso e conduta comuns por empreendedores locais. 20

Estratégia do Projeto Cyberela

Estratégia do Projeto Cyberela Estratégia do Projeto Cyberela 1. Situação antes do começo da iniciativa Apenas 32 milhões dos 180 milhões de brasileiros tem acesso à internet. Neste contexto de exclusão digital, as mulheres se encontram

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 ATIVIDADE 1 ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 1.1 História Apesar de este livro ter um enfoque prático, com atividades no estilo mão na massa em todas as atividades que veremos a seguir torna-se necessário, em

Leia mais

PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS I. APRESENTAÇÃO Como garantir que todas as escolas públicas tenham acesso à internet veloz para que as novas tecnologias contribuam de maneira

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Igor Vilas Boas de Freitas

Igor Vilas Boas de Freitas 18ª Reunião Extraordinária da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. 26 de maio de 2010 Igor Vilas Boas de Freitas Consultor Legislativo do Senado Federal 1. Quais são os

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

O assunto é... Mariana Pezzo

O assunto é... Mariana Pezzo 4 Mariana Pezzo Todos nós, ao travarmos os primeiros contatos com os estudos de História, ainda na escola primária, passamos a nos familiarizar com termos como Idade da Pedra, do Bronze, do Ferro e assim

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Internet Aula 4 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas Diretoria de Programas - CAPES Como deveria ser a infra-estrutura de TI das nossas bibliotecas? A infra-estrutura de TI de uma

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Exclusão social e a exclusão digital, dois lados da mesma moeda?

Exclusão social e a exclusão digital, dois lados da mesma moeda? Desmistificando a Inclusão Digital Marie Anne Macadar* O fortalecimento do capital financeiro nas últimas décadas, intensificado pelo uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), tem alterado

Leia mais

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB História da Internet A Internet surgiu a partir de pesquisas militares do governo dos Estados Unidos nos períodos áureos da Guerra Fria. Na década de 1960, quando dois blocos ideológicos e politicamente

Leia mais

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos!

De Camelô a Joalheiro. Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! De Camelô a Joalheiro Todos podem vender on-line! Aprenda a montar e gerir lojas virtuais para pequenos varejos e grandes e-commerces com mais de 10.000 produtos! 2 As pessoas me chamam de E-commerce Girl

Leia mais

Informática Internet Internet

Informática Internet Internet Informática Internet Internet A Internet é uma rede mundial de computadores de acesso de público ilimitado. Na prática, pode-se dizer que ela é composta por um conjunto de muitas redes interconectadas.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Introdução ARPANET E SURGE UMA REDE... Na década de 60, militares desejavam criar um meio de comunicação que fosse robusto e não tivesse ponto

Leia mais

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA 4 de novembro de 2014 Flávia Lefèvre Guimarães flavia@lladvogados.com.br Lei Geral de Telecomunicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Introdução a Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Novembro de 2012 1 / 25 O que é Redes de Computadores? É a infra-estrutura de hardware

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet Conceitos básicos Formas de conexão Correio Eletrônico WWW Principais navegadores para Internet Para compreender a Internet faz-se necessário o conhecimento de conceitos simples e que muitas vezes causam

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM.

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM. O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM O ponto de vista dos executivos sobre a nuvem Janeiro de 2015 Computação em nuvem Mudança da função e da importância das equipes de TI Janeiro de 2015 1 Capacitação

Leia mais

INTERNET, INTRANET E EXTRANET INTERNET

INTERNET, INTRANET E EXTRANET INTERNET INTERNET, INTRANET E EXTRANET 1 INTERNET Rede de computadores que interliga milhões de usuários em todo o mundo. Não é uma rede única, mas um grupo de redes hierarquizadas. Pessoas e computadores trocando

Leia mais

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro e a Internet Brasileira Por Antonio M. Moreiras e Demi Getschko A Internet é uma construção coletiva que integra milhares de redes pelo mundo afora. Os brasileiros

Leia mais

Sintetel participa de reunião de mulheres na Colômbia

Sintetel participa de reunião de mulheres na Colômbia Mundo Sindical Sintetel participa de reunião de mulheres na Colômbia Entre os dias 2 e 3 de abril, o Sintetel participou da 11ª Reunião do Comitê Regional da UNI Américas Mulheres na cidade de Bogotá,

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP

RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP ANEXO 1 À RESOLUÇÃO Nº 04/2001, DO COMITÊ GESTOR RNP RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP Novembro de 2000 Este documento apresenta as condições e políticas de uso aceitável do backbone RNP2, incluindo

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999 INFORMATIVO Silvia M.R. Pereira Relações com Investidores tel: BR 55 21 519-9662 fax: 55 21 519-6388 Wallace Borges Grecco Relações com a Imprensa tel: BR 21 519-7282 fax: 021-519-8010 EMBRATEL PARTICIPAÇÕES

Leia mais

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações CONFIDENCIAL A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações José Antônio Guaraldi Félix Presidente da NET Serviços de Comunicação S.A. São Paulo, 29 de setembro de 2009 SUMÁRIO

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

GT Computação Colaborativa (P2P)

GT Computação Colaborativa (P2P) GT Computação Colaborativa (P2P) Djamel Sadok Julho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT Computação Colaborativa (P2P), responsável pelo

Leia mais

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet CAPÍTULO 2 Entendendo a Internet 2.1 O que é a Internet Internet é a rede mundial pública de computadores interligados, por meio da qual se transmite informações e dados para outros computadores conectados

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com 1 PRIMÓRDIOS 1950 Auge da Guerra Fria, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos realiza

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br 1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br Domínios, registros, internet. Quem administra e controla o ambiente eletrônico? Cristiane Rozicki 1 É possível, e provável, que muitas pessoas conheçam estes detalhes que passarão

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

A Política de Governo Eletrônico no Brasil

A Política de Governo Eletrônico no Brasil REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Política de Governo Eletrônico no Brasil Brasília, Brasil Setembro de

Leia mais

DIRETORIA LEGISLATIVA CONSULTORIA LEGISLATIVA

DIRETORIA LEGISLATIVA CONSULTORIA LEGISLATIVA DIRETORIA LEGISLATIVA CONSULTORIA LEGISLATIVA ORIGEM: Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica TIPO DE TRABALHO: INFORMAÇÃO TÉCNICA ASSUNTO: Avaliação preliminar sobre o projeto Um Computador

Leia mais

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.net Venha conhecer o novo Como Criar Sites HTML, agora é um mega portal para webmasters,

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord 1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network O

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA Curso: Redes de Computadores Módulo 2 - Conceitos e Fundamentos Evolução das Redes d LAN, MAN e WAN Material de Apoio 2011 / sem2 Prof. Luiz Shigueru Seo CONCEITOS e FUNDAMENTOS

Leia mais

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas ARTIGO O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas AUTORES Antonio Eduardo Ripari Neger Presidente da Associação Brasileira de Internet (ABRANET). Engenheiro formado pela Unicamp, advogado formado

Leia mais

Ata da Reunião. 1. Criação do Site em um servidor de uma EFS, com conexões das demais EFS através da Internet.

Ata da Reunião. 1. Criação do Site em um servidor de uma EFS, com conexões das demais EFS através da Internet. 1º Reunião Técnica entre as Entidades Fiscalizadoras Superiores do Mercosul e a Contraloría General de la República de Bolivia, sobre a criação da Intranet do Mercosul Ata da Reunião Nos dias 04 e 05 de

Leia mais

Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado

Desafios para a construção de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Cristiane Lima Guadagnin Cardoso I Semana Estadual de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC Maio 2015. 1 AGENDA

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN A Internet e suas aplicações Histórico da rede Iniciativa dos militares norte-americanos Sobrevivência de redes de comunicação e segurança em caso

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Como surgiu a Internet?

Como surgiu a Internet? Como surgiu a Internet? A internet nada mais é do que a conexão de várias redes de computadores interligadas entre si. O surgimento das primeiras redes de computadores datam a época em que o planeta estava

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

4/4/2007 5:09 PM. SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK

4/4/2007 5:09 PM. SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK ESTA SEMANA SAIBA COMO Solte o som no seu celular musical Memória, um item fundamental na hora da compra Lojas virtuais

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária Publicação: 7 de dezembro de 2009 A Amazon Web Services (AWS) oferece a empresas de todos os tamanhos serviços de rede

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos

Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos Grupo 2. Como o princípio da neutralidade pode ser compatibilizado

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO 1. OBJETIVO 1.1 As Interconexões previstas no presente Anexo 5 serão objeto de planejamento técnico contínuo e integrado entre as Partes,

Leia mais