9. Software de Sistema - Montadores (capítulo 9 do livro texto)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9. Software de Sistema - Montadores (capítulo 9 do livro texto)"

Transcrição

1 9. Software de Sistema - Montadores (capítulo 9 do livro texto) Compiladores Programas de Aplicação Depuradores Usuário Processador de Macro Montador Programas Utilitários Ligadores Carregadores Sistema Operacional (Gerenciador de Processador, Memória, E/S, etc) Software Aplicativo Software de Sistema Microprogramas Circuitos Físicos Hardware DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 459

2 Software de Sistema cont. Software de Sistema é um conjunto de programas que define a maneira como os diversos elementos do hardware devem operar de modo a resolver os problemas dos usuários de forma simples e eficiente. SISTEMA COMPUTACIONAL = HARDWARE + SOFTWARE DE SISTEMA DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 460

3 Software de Sistema cont. Sem um software de sistema os usuários seriam responsáveis pelo controle direto de todas as operações executadas pelos elementos de hardware. os programas seriam escritos em linguagem de máquina; o programador seria responsável pelo carregamento, na memória, do programa a ser executado; não seria fácil utilizar os mecanismos de entrada e saída, exigindo-se conhecimento das peculiaridades de cada periférico e fazendo com que o esforço de programação fosse desviado do problema a ser resolvido; o programador seria responsável pelo gerenciamento do uso da memória para garantir a completa execução de um programa; em caso de sistemas com múltiplos usuários, o gerenciamento dos recursos existentes e a sincronização entre os diversos programas seriam extremamente complexos; etc. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 461

4 9.1 Montadores (Assemblers) Um Montador é um programa cujos dados de entrada são sequências de caracteres que constituem o programa em Linguagem Simbólica, de Montagem ou "Assembly", e cujo resultado é um conjunto de palavras de máquina (sequências de bits) que constituem o programa em linguagem de máquina. O programa gerado, em linguagem de máquina, pode ser carregado na memória e executado ("load and go"), ou ser a entrada de outro programa, o Carregador, que após algum processamento para adequar os endereços ao bloco de memória disponível, carrega-o na memória para ser executado. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 462

5 Montadores (Assemblers) cont. Esquema de funcionamento de um Montador típico Programa em linguagem de montagem ( Assembly ) MONTADOR Programa em linguagem de máquina tabelas DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 463

6 9.2 Linguagem de Montagem L. Assembly FORMATO GENÉRICO DE INSTRUÇÃO <RÓTULO> <CÓDIGO DE OPERAÇÃO> <OPERANDOS/MODIFICADORES> <COMENTÁRIOS> RÓTULO - composto de variáveis alfanuméricas, iniciando com letras, identifica endereços onde são armazenados instruções e dados; CÓDIGO DE OPERAÇÃO - conjunto de letras que formam mnemônicos para as instruções; OPERANDOS - identificam variáveis, pelos rótulos, ou registradores da UCP; MODIFICADORES - identificam modos de endereçamento; COMENTÁRIOS - descrevem o programa. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 464

7 Linguagem de Montagem cont. Exemplo ROT MOVE R1,R2 ; armazena o conteúdo do registrador R1 em R2 DELIMITADORES Os campos da instrução em linguagem simbólica são separados por delimitadores. Novamente, estes delimitadores são definidos pelo projetista do MONTADOR. Exemplos de delimitadores espaço - entre campos - separa o rótulo ; - separa o comentário, - separa operandos DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 465

8 Linguagem de Montagem cont. Exemplos de Instruções Assembly Máquina de 1 endereço LDA S1 ; load S1 em Acc ou Acc (S1) ADD S2 ; Acc (Acc) + (S2) STORE R ; store R ou R (Acc) Exemplo de programa de Saída de dado (isolada) LOOP IN RS ; leitura do registrador RS TSTBIT 2 ; bit 2 de RS=1? JNZ LOOP ; loop de espera ou saída de dado? LDA dado ; Acc (dado) OUT RD ; porta RD (Acc) RS EQU ; porta de status da interface RD EQU ; porta de dados (saída) DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 466

9 Linguagem de Montagem cont. Exemplos de Instruções Assembly cont. Máquina de 2 endereços MOVE S1, R ; R (S1) ADD S2, R ; R (R) + (S2) Exemplo de programação de Interface (E/S mapeada) PROG MOVE #10, RC ; RC 10 RC EQU 1000A ; porta de controle da interface DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 467

10 Linguagem de Montagem cont. Exemplos de Pseudo-Instruções Pseudo-instruções facilitam a programação. São diretrizes para os programas montadores, não gerando código executável. DC / DW / DB - atribui a uma posição da memória um valor (dado); CINCO DW 5 ; a posição de memória referenciada por CINCO recebe o valor 5 DS - define área alocada em quantidade de palavras/bytes AREA DS 20 MOVE #3,AREA+5 ; reserva 20 posições ; acesso à área especificada EQU - define rótulo ABC EQU 1028 ; o rótulo ABC equivale à posição de memória 1028 DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 468

11 Linguagem de Montagem cont. Exemplos de Pseudo-Instruções cont. ORG - define origem ORG 1000 ; o que segue (dado ou instrução) estará na posição 1000 ADR - define que a posição contém o endereço do rótulo especificado X1 DW 12 AX1 ADR X1 ; a posição AX1 contém o endereço X1 END - define fim de programa Exemplo... ORG 5000 X1 DW 12 AX1 ADR X1 ; conteúdo de AX1 é o end. de X1 DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 469

12 9.3 Tarefas de um Montador Para traduzir o programa em linguagem simbólica para um programa em linguagem de máquina, o Montador deve a. substituir os mnemônicos da instrução e modificadores de endereço pelos equivalentes binários; b. determinar posições de memória, relativas ao programa, para os endereços simbólicos (rótulos); c. substituir todas as referências a um dado endereço simbólico pelo endereço binário correspondente. Para determinar posições de memória para os endereços simbólicos (b), o montador utiliza a informação dada pelo programador nas pseudoinstruções; estas não são traduzidas para Linguagem de Máquina, servindo somente para orientar o montador na geração do programa em linguagem de máquina. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 470

13 Tarefas de um Montador-cont. exemplo de tradução por um montador (palavra de 16 bits) Motorola N comando n Instrução A DW 10 B DW 20 C DS 7 MOVE A,D1 LOOP ADD B, D1 MOVE D1, C END End. Relativo Código Objeto DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 471

14 Tarefas de um Montador-cont. exemplo de tradução por um montador (palavra de 16 bits) Motorola N comando Instrução End. Relativo Código Objeto byte 0 A DW , 1 1 B DW , 3 2 C DS modo Abs. - Reg. 7 x 2 bytes MOVE A,D end.a 4 LOOP ADD B, D end.b 5 MOVE D1, C end.c n END DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 472

15 Código de máquina (68000) ( bytes Na transparência 472 endereços 18 a 21 (em end. 18 size op.destino op.fonte 0 0 x x y y y z z z y y y z z z word= MOVE A, D modo 000 end. 20 seguido do valor do rótulo A (seu endereço) DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 473

16 9.4 Estruturas de dados no processo de montagem T S Tabela de Símbolos P F Programa Fonte Montador (ASM) P L M Programa em Linguagem de Máquina T I M Tabela de Instruções de Máquina T P I Tabela de Pseudo-Instruções DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 474

17 Estruturas de dados no processo de montagem cont. Tabela de Instruções de Máquina - TIM TIM associa o mnemônico de uma instrução com a instrução de máquina em binário a tabela TIM a seguir - pode possuir vários campos com informações relevantes. O número de campos que compõe a tabela TIM depende de características específicas do processador e da sintaxe da linguagem simbólica. Dois campos estão sempre presentes na tabela TIM MNEMÔNICO - onde estão os mnemônicos das instruções, definidos pela sintaxe da linguagem simbólica. CÓDIGO DE OPERAÇÃO - onde estão os códigos de operação das instruções de máquina. Outros campos podem completar a informação COMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO (em bytes) - contém o comprimento da instrução. ROTINA DE TRATAMENTO DE OPERANDOS - onde estão relacionadas as rotinas que o montador deve ativar para gerar o endereço dos operandos, quando estes são expressões ou dependem dos modos de endereçamento. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 475

18 Estruturas de dados no processo de montagem cont. Tabela de Instruções de Máquina TIM cont. Exemplo de tabela TIM - TABELA DE INSTRUÇÕES DE MÁQUINA Mnemônico Código de Operação Comprimento (bytes) Rotina de Tratamento de operandos MOVE 00xx?????????????? 2 a 6 RMOV RTS RRTS 00=byte; 10=long; 11=word DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 476

19 Estruturas de dados no processo de montagem cont. Tabela de Pseudo-Instruções TPI relaciona o mnemônico da pseudoinstrução com a rotina que o montador deve ativar para processar a pseudoinstrução a tabela TPI pode possuir vários campos com informações relevantes. Dois campos estão sempre presentes na tabela TPI MNEMÔNICO - onde estão os mnemônicos das pseudoinstruções, definidos pela sintaxe da linguagem simbólica. ROTINA DE TRATAMENTO DE OPERANDOS - onde estão relacionadas as rotinas que o montador deve ativar para processar a pseudoinstrução. Outros campos podem completar a informação, como COMPRIMENTO DA PSEUDOINSTRUÇÃO - contém o número de bytes ou palavras que deve ser reservado para pseudoinstruções como em DB (Define Byte) ou DW (Define Word). DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 477

20 Estruturas de dados no processo de montagem cont. Tabela de Pseudo-Instruções TPI cont. Exemplo de tabela TPI Tabela de Pseudoinstruções Mnemônico Comprimento (bytes) Rotina de Tratamento ORG DW DC.B DC.W DC.L RORG RDW DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 478

21 Estruturas de dados no processo de montagem cont. Tabela de Símbolos - TS A Tabela de Símbolos é construída durante a montagem e relaciona cada símbolo (ou rótulo) definido no código fonte com um valor em representação binária do seu endereço de memória. Exemplo de tabela TS Tabela de Símbolos (para o exemplo da transparência 472) Símbolo A B C LOOP Valor (em decimal) DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 479

22 9.5 O processo de montagem Para realizar a tradução, os Montadores são geralmente implementados como Montadores de dois Passos. Os dois Passos significam que o Montador deverá ler o programa fonte duas vezes. Existem Montadores de 1 Passo, onde o programa fonte é lido uma única vez; porém, este fato implica em restrições no programa fonte (ver Exercícios 3, 5 e 6 do livro texto). Para o Montador de dois Passos. no primeiro passo o Montador lê o código fonte e determina os endereços para as referências simbólicas, construindo a Tabela de Símbolos.. no segundo passo o código fonte é lido novamente e os mnemônicos das instruções e referências simbólicas são substituídos por códigos de máquina. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 480

23 O processo de montagem cont. As tarefas associadas aos dois passos são PASSO 1 - Definir símbolos (rótulos) processar pseudoinstruções, utilizando a Tabela de Pseudoinstruções; determinar o comprimento da instrução de máquina, de acordo com a Tabela de Instruções de Máquina; atualizar o contador de posições CP, de acordo com o comprimento de cada instrução ou pseudoinstrução; guardar os valores dos símbolos (endereço equivalente) na Tabela de Símbolos. PASSO 2 - Gerar o programa em linguagem de máquina substituir símbolos por valores indicados na Tabela de Símbolos; gerar instruções de máquina; gerar dados (constantes definidas). DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 481

24 O processo de montagem cont. Passo 1 processar símbolos CP 0 lê ERRO não encontrou busca TPI busca TIM encontrou L comprimento da instrução encontrou não encontrou DW DS L comprimento dos dados EQU L 0 ORG END PASSO 2 CP valor guardar rótulo = CP na TS CP CP + L DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 482

25 O processo de montagem cont. CP 0 lê encontrou busca TPI DW não encontrou calcula / insere busca TIM constante encontrou L comprimento da instrução processa C.O. processa operandos insere no PLM CP CP + L DS L comprimento dos dados Passo 2 gerar códigos ORG EQU END CP valor FIM No Passo 2 o contador de posições CP é zerado e o programa fonte é lido novamente. A cada instrução lida é feita a busca nas tabelas TPI e TIM. No Passo 2 não é necessário prover um tratamento de erro quando a instrução não pertencer às tabelas TIM e TPI; o tratamento de erro é ativado no Passo 1 e o Passo 2 não é executado. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 483

26 O processo de montagem Fluxo de Dados As estruturas de dados manipuladas nos passos 1 e 2 são Programa Montador (ASM); Contador de posições (CP); Tabela de Instruções de Máquina (TIM); Tabela de Pseudoinstruções (TPI); Tabela de Símbolos (TS); Programa em linguagem de Máquina (PLM). ASM PLM CP PASSO 1 PF PASSO 2 CP TIM TPI TS DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 484

27 9.6 Exemplo ORG 0100H START MOVE DADO,R0 VOLTA DCR R0 JNZ VOLTA MVI #11H,R1 HLT DADO DW 20H END Para ilustrar as diferenças entre processadores, neste exemplo, diferentemente do apresentado na transparência 472 temos palavra de 8 bits (1 byte) bem como outros códigos de operação e comprimentos de instrução. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 485

28 Exemplo cont. TIM - TABELA DE INSTRUÇÕES DE MÁQUINA Mnemônico (*) Código de Operação (hexadecimal) Comprimento (bytes) Rotina de Tratamento de operandos MOVE R RMOV MVI R RMVI HLT 00 1 RHLT JNZ 60 3 RJMP DCR R RDCR (*) só está representada a parte que gera o C.O. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 486

29 Exemplo cont. TPI - TABELA DE PSEUDOINSTRUÇÕES Mnemônico ORG END DS DW Rotina de Tratamento RORG REND RDS RDW DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 487

30 Exemplo cont. No Passo 1 é gerada a tabela TS a partir do processamento do comprimento das instruções conforme mostrado a seguir. Endereço (CP) 0100 START MOVE DADO,R VOLTA DCR R JNZ VOLTA MVI #11H,R HLT 010A DADO DW 20H DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 488

31 Exemplo cont. No Passo 1 é gerada a tabela TS a partir do processamento do comprimento das instruções conforme mostrado a seguir. Endereço (CP) 0100 START MOVE DADO,R VOLTA DCR R JNZ VOLTA MVI #11H,R HLT 010A DADO DW 20H Tabela de Símbolos Símbolo Valor START 0100 VOLTA DADO A DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 489

32 Exemplo cont. Seguindo o algoritmo descrito no Passo 2 e utilizando a tabela gerada no Passo 1, obtemos o seguinte PLM (devemos observar que os endereços dos operandos estão armazenados em 2 bytes, por exemplo nos endereços e ) Endereço PLM (em hexadecimal) A A 20 DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 490

33 9.7 Exercícios 1. Resolva os exercícios (1) a (6) do livro texto. DCA-FEEC-UNICAMP Introdução à Computação Digital Prof. Léo Pini Magalhães 491

Linguagem de Montagem do NeanderX

Linguagem de Montagem do NeanderX Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Arquitetura de Computadores Linguagem de Montagem do NeanderX 11.5.2006 Geração Programa Executável Linguagens de Programação As linguagens de programação

Leia mais

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são:

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são: NEANDERWIN O NeanderWin é um simulador da máquina Neander, definida no livro do Raul F. Weber (UFRGS), Fundamentos de Arquitetura de Computadores, Ed. Sagra Luzzatto. A máquina original foi estendida aqui

Leia mais

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk Assembly 8051 Num sistema microprocessado, geralmente, não existe um sistema operacional; O programa desenvolvido pelo programador deve cuidar tanto da lógica do programa, bem como da configuração e acesso

Leia mais

Compiladores. Introdução à Compiladores

Compiladores. Introdução à Compiladores Compiladores Introdução à Compiladores Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/2) O meio mais eficaz de comunicação entre pessoas é a linguagem (língua ou idioma). Na programação de computadores, uma linguagem

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Prof. Pedro Carlos da Silva Lara Entrega: 21/10/2014 1 Informações Gerais Winter é um processador hipotético especificado com fim puramente acadêmico.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I. Introdução

PROGRAMAÇÃO I. Introdução PROGRAMAÇÃO I Introdução Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES AULA 03 PROFº RITIELLE SOUZA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA Arquitetura de Von Neumann Uma unidade central de processamento recebe informações através de uma unidade

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais CAP 2: Conceitos de Hardware e Software Prof. MSc. Diego R. Moraes diegorm@anhanguera.com Download de todo conteúdo da disciplina https://sites.google.com/site/diegorafaelmoraes/downloads

Leia mais

Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação

Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer. Uma seqüência adequada

Leia mais

NEANDERWIN - Resumo operacional

NEANDERWIN - Resumo operacional NEANDERWIN - Resumo operacional Sumário Listagem geral das instruções... 2 NOP... 2 LDI imed... 2 STA ender... 2 LDA ender... 3 ADD ender... 3 SUB ender... 3 OR ender... 4 AND ender... 4 NOT... 4 JMP ender...

Leia mais

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 2 Existem 4 esquemas diferentes de E/S possíveis, cada um se aplicando em uma determinada situação. E/S Programada. E/S Acionada

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

a) Calcule o valor médio de CPI apresentado na execução deste programa P, utilizando-se C1 sem e com otimização.

a) Calcule o valor médio de CPI apresentado na execução deste programa P, utilizando-se C1 sem e com otimização. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas de Computação 2016.2 Profa.: Simone Martins Lista 1 1. Um programa P foi compilado com um compilador

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Linguagem de Montagem e Linguagem de Máquina Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Conceitos básicos Linguagem/código

Leia mais

Sistemas de Computação. Instruções de Linguagem de Máquina

Sistemas de Computação. Instruções de Linguagem de Máquina Instruções de Linguagem de Máquina Linguagem de montagem do processador MIPS Operações aritméticas Instrução Exemplo Significado soma add a, b, c a = b + c subtração sub a, b, c a = b - c Compilação de

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Instrução Precisam ser entendidas pelo processador Precisam ser decodificadas e

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Site:

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos   Site: Algoritmos Prof. Jonatas Bastos Email: jonatasfbastos@gmail.com Site: http://jonatasfbastos.wordpress.com/ 1 Dúvidas! p p p Como os computadores entendem os algoritmo? Os computadores não entendem os passos

Leia mais

Compiladores e Computabilidade

Compiladores e Computabilidade Compiladores e Computabilidade Prof. Leandro C. Fernandes UNIP Universidade Paulista, 2013 GERAÇÃO DE CÓDIGO INTERMEDIÁRIO Geração de Código Intermediário Corresponde a 1ª etapa do processo de Síntese

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 1o. Semestre / 2006 Adaptado do material do prof. Fábio Moreira Costa Programa e Introdução Assunto do curso

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Introdução à Computação Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Histórico da Computação Prof. Yandre

Leia mais

TASM DEFINIÇÃO DE UMA NOVA TABELA DE CONVERSÃO

TASM DEFINIÇÃO DE UMA NOVA TABELA DE CONVERSÃO TASM O TASM (Telemark Assembler) é um assemblador baseado em tabelas de conversão que corre em MS-DOS ou Linux. Código Assembly escrito de acordo com uma determinada sintaxe pode ser compilado usando o

Leia mais

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos)

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Sistema Computacional Peopleware (usuário) Software (programas) Hardware (máquina) Hardware Corresponde à parte material, aos componentes

Leia mais

Nível da Linguagem de Montagem

Nível da Linguagem de Montagem Nível da Linguagem de Montagem (Aula 15) Linguagem de Montagem Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Introdução Tradutores Programas que convertem um programa

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Slide 1 Memória Virtual os primeiros computadores (início dos anos 60) tinham memória principal muito reduzida O PDP-1 funcionava com uma memória de 4096 palavras

Leia mais

Conceitos básicos sobre computadores

Conceitos básicos sobre computadores SSC0800 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Conceitos básicos sobre computadores Prof. Claudio Fabiano Motta Toledo Apresentação utiliza transparências elaboradas pelo prof. Vanderlei Bonato.

Leia mais

Introdução. Nível da Linguagem de Montagem. Linguagem de Montagem (2) Linguagem de Montagem (1) Linguagem de Montagem

Introdução. Nível da Linguagem de Montagem. Linguagem de Montagem (2) Linguagem de Montagem (1) Linguagem de Montagem Nível da Linguagem de Montagem (Aula 15) Linguagem de Montagem Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Introdução Tradutores Programas que convertem um programa

Leia mais

Montador (assembler)

Montador (assembler) Montador (assembler) Linguagem Assembly Linguagem de máquina Montador (assembler) Traduz um programa fonte em linguagem de montagem (linguagem assembly) em um módulo-objeto (em linguagem de máquina) não

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Computadores

Introdução ao Estudo dos Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Estudo dos Computadores A execução de instruções é um dos pontos centrais num sistema computacional. Vários aspectos na definição e implementação da arquitetura de um computador

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Conjunto de Instruções

Conjunto de Instruções Conjunto de Instruções IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 20 e 21/30 Prof. Msc. Antonio Carlos Souza Referências

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Slides trabalhados durante a quinta aula

Slides trabalhados durante a quinta aula Slides trabalhados durante a quinta aula prática Estruturas de Controle de Fluxo 3. Laços de repetição (continuação) Exercício: Construa um algoritmo, representando-o através de um pseudocódigo e de um

Leia mais

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica)

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Com base nas aulas de Prof. José Delgado (autorizado) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas de Computação 2016.2 Profa.: Simone Martins Lista 1 - Gabarito 1. Um programa P foi compilado com

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Cristina Boeres Sistema de Computação! Conjunto de componentes integrados com o objetivo de manipular dados e gerar informações úteis.

Leia mais

Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 1/21

Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 1/21 Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 Professor: Leonardo Gomes leonardog@inf.ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brazil 2016 - Segundo semestre Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 1/21

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Departamento de Ciência da Computação - UFF Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Marcos A. Guerine mguerine@ic.uff.br 1 Dipositivos periféricos ou simplesmente periféricos permitem a comunicação da máquina

Leia mais

É um sinal elétrico periódico que é utilizado para cadenciar todas as operações realizadas pelo processador.

É um sinal elétrico periódico que é utilizado para cadenciar todas as operações realizadas pelo processador. Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Disciplina de Organização de Computadores II Prof. Gabriel P. Silva - 1 o Sem. / 2005 2 ª Lista de Exercícios 1) O que é o relógio de um sistema digital?

Leia mais

Arquitetura e Organização de computadores

Arquitetura e Organização de computadores Arquitetura e Organização de computadores Aula 1: Organização e evolução de computador, parte 1 Prof. MSc. Pedro Brandão Neto pedroobn@gmail.com Sistemas de Informação - UNDB Introdução Computador Digital

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III Orientações: Esta lista de Exercícios deve ser entregue juntamente com a

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Arquitetura de Von Newmann Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Vídeos Vídeo aula RNP http://edad.rnp.br/rioflashclient.php?xmlfile=/ufjf/licenciatura_com

Leia mais

4. Modelo de Programação do DLX Introdução

4. Modelo de Programação do DLX Introdução 4. Modelo de Programação do DLX Quero que o matemático Beremiz Samir nos conte uma lenda, ou uma simples fábula, na qual apareça uma divisão de 3 por 3 indicada, mas não efetuada, e outra de 3 por 2, indicada

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

Linguagens de Programação Aula 3

Linguagens de Programação Aula 3 Aula 3 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada... Classificação das LPs (nível, geração e paradigma) Paradigmas Imperativo, OO, funcional, lógico e concorrente 2/33 Na aula de hoje...

Leia mais

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Ferramentas Programação UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Índice Seção 1 Linguagens de Programação Seção 2 Interpretador Seção 3 Compilador / Linkeditor Seção 4 Ambientes de Desenvolvimento UDESC - Prof. Juliano

Leia mais

a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1.

a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1. a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1. Estruturada 2. Orientada a eventos 3. Orientada a objetos d) Sistemas Operacionais

Leia mais

Redes Industriais. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Redes Industriais. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Redes Industriais Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Criado na década de 1970 pela Modicon. É um dos mais antigos protocolos utilizados em redes de CLPs para aquisição de sinais de instrumentos e comandar

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Cache Slide 1 Introdução Tamanho Função de Mapeamento Política de Escrita Tamanho da Linha Número de Memórias Cache Cache em Níveis Slide 2 Introdução

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Compiladores. Conceitos Básicos

Compiladores. Conceitos Básicos Compiladores Conceitos Básicos Processadores de Linguagem De forma simples, um compilador é um programa que recebe como entrada um programa em uma linguagem de programação a linguagem fonte e o traduz

Leia mais

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Programação de Microprocessadores Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários

Leia mais

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Conceitos Lógica de Programação técnica de encadear pensamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Cristina Boeres página do curso: http://www.ic.uff.br/~boeres/so.html boeres@ic.uff.br Sistemas Operacionais O que é um SO?! um gerenciador de recursos?! uma interface?! máquina virtual?

Leia mais

Aplicação. Programa Linguagem de Alto Nível. Programa em Linguagem Assembly. Programa em Linguagem Máquina

Aplicação. Programa Linguagem de Alto Nível. Programa em Linguagem Assembly. Programa em Linguagem Máquina Níveis de Abstracção Nível 5 Nível 4 Nível 3 Nível 2 Nível 1 Nível 0 Aplicação Programa de Alto Nível Programa em Assembly Programa em Máquina Micro-programa em de Transferência de Registos Sistema Digital

Leia mais

GFM015 Introdução à Computação

GFM015 Introdução à Computação GFM015 Introdução à Computação Noções básicas sobre os componentes de microcomputadores (cont...) - Terminologia: Sw, Hw, Programas, Bit, Byte e Códigos Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/ic

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Introdução a programação Assembly Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 5 de novembro de 2009 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação 1/30 Assembly

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADASS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADASS A ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADASS Ciência da Computação 1ª. Série Introdução à Organização de Computadores A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino- de atividades aprendizagem

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR Trabalho de Programação 2 Processador CESAR 1. Descrição Geral A empresa TABLETEROS S.A. assinou um contrato milionário de fornecimento de ultrabooks e teve que aumentar o número de estantes. Agora, a

Leia mais

Construção de Compiladores. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.

Construção de Compiladores. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014. Construção de Compiladores Capítulo 1 Introdução José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/22 1 Linguagens de programação 2 Compilação 2/22 Tópicos 1

Leia mais

Noções de Algoritmos

Noções de Algoritmos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Noções de Algoritmos DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Tópicos da aula Algoritmos

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA Informática Aplicada 2009.2 Campus Angicos LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Professor: Araken de Medeiros Santos INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores

Leia mais

Implementação do Analisador Léxico

Implementação do Analisador Léxico Implementação do Analisador Léxico Ricardo Mendes do Nascimento Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Santo Ângelo RS Brasil rnascom@urisan.tche.br Resumo. Este artigo tem

Leia mais

TCC Organização de Computadores I Turma :A1 Lista 3-GABARITO. 1. A figura abaixo mostra o diagrama da implementação para a UCP estudada em sala.

TCC Organização de Computadores I Turma :A1 Lista 3-GABARITO. 1. A figura abaixo mostra o diagrama da implementação para a UCP estudada em sala. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TCC4.7-Organização Computadores I Turma :A Lista 3-GABARITO. A figura abaixo mostra o diagrama da implementação

Leia mais

Sabe-se que as unidades de entrada e saída são dos dispositivos que possibilitam a comunicação entre o usuário e o computador.

Sabe-se que as unidades de entrada e saída são dos dispositivos que possibilitam a comunicação entre o usuário e o computador. Comandos de entrada e saída Sabe-se que as unidades de entrada e saída são dos dispositivos que possibilitam a comunicação entre o usuário e o computador. Seja a seguinte situação: No início da execução

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Fundamentos Evolução Estrutura

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Linguagem de Montagem Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Introdução Independente da linguagem de programação utilizada, todo programa

Leia mais

Gerenciamento de Memória

Gerenciamento de Memória Gerenciamento de Memória Conceitos básicos Swapping Alocação contígua Paginação Segmentação Segmentação com paginação Atribuição de endereços (ligação) de código e dados na memória A atribuição de endereços

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

Projeto de Algoritmos

Projeto de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução aos Sistemas Computacionais Prof. Ernani Viriato de Melo / Reginaldo Costa http://www.ernani.eti.br http://reginaldofazu.blogspot.com 2º Semestre - 2008 Conceitos Básicos

Leia mais

Unidade Central de Processamento UCP (CPU)

Unidade Central de Processamento UCP (CPU) Unidade Central de Processamento UCP (CPU)! Arquitetura Convencional (Von Neumann) UCP BARRAMENTO MEMÓRIA PRINCIPAL ENTRADA E SAÍDA ! Visão geral da CPU UC - UNIDADE DE CONTROLE REGISTRADORES A B C D ALU

Leia mais

1) Enumere e dê exemplo dos tipos de conflitos que podem ocorrer em um pipeline de instruções de um processador.

1) Enumere e dê exemplo dos tipos de conflitos que podem ocorrer em um pipeline de instruções de um processador. Arquitetura de Computadores II Bacharelado em Ciência da Computação DCC - IM/UFRJ Prof.: Gabriel P. Silva Data: 18/04/2005 1 ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores II 1) Enumere e dê exemplo

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel Unidade de Controle Prof Eduardo Appel appel@upftchebr Uma CPU de um microprocessador pode interpretar o conteúdo de uma palavra de memória como sendo o código de instrução Mas pergunta-se: Qual o número

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores SI31C. Professora Me. Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Organização e Arquitetura de Computadores SI31C. Professora Me. Sediane Carmem Lunardi Hernandes Organização e Arquitetura de Computadores SI31C Professora Me. Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 O que é Organização e Arquitetura de Computadores? 2 Organização X Arquitetura Arquitetura Refere-se aos

Leia mais

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO

Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WSMIO2DI2DO PROXSYS Versão 1.3 Abril -2015 Controlador Industrial CP-WS1 1- Configurações

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores Introdução à Arquitetura de Computadores Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais O Computador Tipos analógico => grandezas contínuas ex: termômetro digital => pulsações elétricas (0V, +5V) ex: calculadora

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Instalação e Organização de Computadores Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Prof. Diego Pereira

Leia mais