ANEXO A QUE SE REFERE A DELIBERAÇÃO Nº 04/96 REGIMENTO INTERNO DA REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B DO INSTITUTO DE SAÚDE DO PARANÁ - ISEP TÍTULO I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO A QUE SE REFERE A DELIBERAÇÃO Nº 04/96 REGIMENTO INTERNO DA REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B DO INSTITUTO DE SAÚDE DO PARANÁ - ISEP TÍTULO I"

Transcrição

1 ANEXO A QUE SE REFERE A DELIBERAÇÃO Nº 04/96 REGIMENTO INTERNO DA REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B DO INSTITUTO DE SAÚDE DO PARANÁ - ISEP TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B" Art. 1º - A Regional de Saúde - tipo "B" é uma unidade desconcentrada do Instituto de Saúde do Paraná - ISEP, regendo-se pelo Regulamento do ISEP, pela legislação aplicável e pelo presente Regimento Interno. Art. 2º - São objetivos da Regional de Saúde - tipo "B": I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - A elaboração, a execução, no que lhe couber, e o acompanhamento da execução do Plano Regional de Saúde, o qual contemple os Planos Municipais de Saúde para a atenção básica e o planejamento da atenção especializada, da vigilância epidemiológica, da vigilância sanitária, da assistência farmacêutica e dos demais serviços e atividades de atenção à saúde; O assessoramento às prefeituras na elaboração dos Planos Municipais de Saúde; O assessoramento e a elaboração, juntamente com as prefeituras, da programação da rede básica de saúde; O assessoramento e a colaboração com as prefeituras na prestação de serviços básicos de saúde, administrando, no que lhe couber, os serviços contratados e conveniados; A coordenação, a programação e a execução da prestação de serviços especializados de saúde, decidindo, inclusive, sobre o remanejamento de cotas ambulatoriais e hospitalares; A coordenação, a programação e a execução de atividades de vigilância epidemiológica; A coordenação do sistema de informações no âmbito da Regional; O assessoramento às prefeituras no planejamento das atividades de vigilância sanitária e de saneamento que lhes forem delegadas; A programação e a execução das atividades de vigilância sanitária e de saneamento, de competência da Regional; O incentivo à capacitação de recursos humanos; O assessoramento aos Diretores em assuntos relacionados à sua área de atuação; O desenvolvimento de outras ações determinadas pelo Instituto de Saúde do Paraná e constantes em seu Regulamento e Regimento Interno. TÍTULO II DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL BÁSICA DA REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B" Art. 3º - A estrutura organizacional básica da Regional de Saúde - tipo "B" compreende: I. Nível de Direção - Diretor da Regional de Saúde

2 II. Nível de Execução a. Divisão de Assistência à Saúde a.1) - Seção de Integração e Promoção da Assistência à Saúde a.2) - Seção de Epidemiologia a.3) - Seção de Ação Sobre o Meio b. Divisão de Administração Regional b.1) - Seção de Recursos Humanos b.2) - Seção Administrativa III. Nível de Prestação de Serviços a) - Centro Regional de Especialidades b) Núcleo de Hemoterapia ou Agência Transfusional c) - Central de Transplantes do Paraná d)- Hospitais Parágrafo único - A representação gráfica desta estrutura é apresentada em organograma constante do Anexo I ao presente Regimento Interno. TÍTULO III DO CAMPO FUNCIONAL DAS UNIDADES INTEGRANTES DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL BÁSICA DE REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B" CAPÍTULO I AO NÍVEL DE DIREÇÃO SEÇÃO ÚNICA DO DIRETOR DA REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B" Art. 4º - Ao Diretor da Regional de Saúde - tipo "B" compete: I - Coordenar, controlar e avaliar as atividades relacionadas com: a) - as ações de saúde no âmbito da Regional e das Unidades de Prestação de Serviços a ela subordinada; b) - a administração e desenvolvimento de recursos humanos, materiais, medicamentos, patrimônio, serviços gerais, orçamento e finanças; II - III - IV - cumprir o Regulamento do ISEP, o presente Regimento Interno e demais deliberações do Nível Central; assessorar os Diretores do ISEP em assuntos relacionados à sua área de atuação; desempenhar outras ações determinadas pelo ISEP. Parágrafo único - O Diretor da Regional de Saúde - tipo "B" contará com um assistente para o desempenho das funções relacionadas com os serviços de secretaria, compreendendo o recebimento, preparo e expedição de documentos, datilografia, organização e manutenção de arquivos da Regional e outras atividades correlatas. 2

3 CAPÍTULO II AO NÍVEL DE EXECUÇÃO SEÇÃO I DA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Art. 5º - À Divisão de Assistência à Saúde compete: I - o planejamento, a coordenação e o acompanhamento das atividades de: a) - integração e promoção da assistência à saúde, através de serviços de saúde; b) - epidemiologia, incluídas as de vigilância epidemiológicas; c) - ação sobre o meio, incluídas as de vigilância sanitária e saneamento; II - III - IV - a coordenação da elaboração das normas de funcionamento de sua Divisão; o assessoramento ao Diretor Regional de Saúde em assuntos de sua área; outras atividades correlatas. SUBSEÇÃO I DA SEÇÃO DE INTEGRAÇÃO E PROMOÇÃO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE Art. 6º - À Seção de Integração e Promoção da Assistência à Saúde compete: I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - o assessoramento às prefeituras na elaboração dos planos municipais de saúde; o assessoramento e a elaboração juntamente com as prefeituras das programações das unidades básicas; o assessoramento às unidades especializadas na elaboração da programação de suas atividades próprias e contratadas/conveniadas; a proposta de indicadores para medir eficiência e eficácia; a adequação de normas técnicas à realidade regional; a manutenção, no que lhe couber, do sistema de informações da Regional, incluindo coleta de dados, organização e atualização de cadastros e arquivos e envio de informações para o nível central; a manutenção e a atualização do cadastro dos serviços; a acompanhamento do desempenho dos serviços e produção de relatórios gerenciais; o acompanhamento da execução das metas físicas, orçamentárias e financeiras; 3

4 X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - o assessoramento às prefeituras, em conjunto com a Seção de Epidemiologia, na identificação de necessidades e programação de desenvolvimento de recursos humanos para a rede básica; a avaliação das necessidades de desenvolvimento de recursos humanos indicadas pelas unidades especializadas ou sua identificação; a participação nas atividades de desenvolvimento de recursos humanos; a avaliação das necessidades de expansão do quadro de pessoal identificadas pelas unidades especializadas; a realização, em conjunto com a Seção de Epidemiologia, do diagnóstico epidemiológico e de serviços; a avaliação das solicitações de medicamentos e de material odontológico para unidades básicas, realizadas pelas prefeituras municipais; a avaliação das necessidades de medicamentos, de material odontológico, de laboratório e de radiolagia identificadas pelas unidades especializadas; a avaliação permanente das necessidades de material permanente e de equipamentos identificados pelas unidades especializadas; XVIII - a opinião e proposta da expansão de serviços contratados/conveniados, bem como o remanejamento de cotas ambulatoriais e hospitalares; XIX - XX - XXI - XXII - a auditagem de atendimentos ambulatoriais e internações hospitalares e o acompanhamento qualitativo dos mesmos; o controle das cotas ambulatoriais e hospitalares e a autorização dos pagamentos; a autorização dos pagamentos de outras despesas, que não atendimento médico, para acidentes de trabalho e tratamento fora do domicílio; a avaliação e o acompanhamento das solicitações de afastamento por acidentes de trabalho; XXIII - a supervisão dos serviços ambulatoriais e hospitalares básicos, públicos, contratados e conveniados no que se refere aos programas especiais; XXIV - a supervisão dos serviços ambulatoriais e hospitalares especializados, públicos, contratados e conveniados; XXV - o estabelecimento e a manutenção do sistema de referência e contra referência na rede de serviços básicos e especializados e a operação da central de vagas; XXVI - outras atividades correlatas. SUBSEÇÃO II DA SEÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA Art. 7º - À Seção de Epidemiologia compete: I. a programação das atividades de vigilância epidemiológicas na rede básica e especializada; 4

5 II. o assessoramento às prefeituras na implantação do sistema de vigilância epidemiológica dos municípios; III. a colaboração com a Seção de Integração e Promoção da Assistência à Saúde no assessoramento às prefeituras e às unidades especializadas para elaboração da programação de atenção básica e especializada à saúde; IV. a proposição de indicadores para medir eficiência e eficácia; V. a adequação das normas técnicas à realidade regional; VI. a manutenção, no que lhe couber, do sistema de informações da Regional, incluindo coleta de dados, organização e atualização de arquivos e envio de informações para o nível central; VII. a agregação de dados, o cálculo dos indicadores, a análise dos resultados e a proposta de ações de vigilância epidemiológica; VIII. a avaliação qualitativa dos dados epidemiológicos; IX. a acompanhamento, no que lhe couber, no desempenho dos serviços e produção de relatórios gerenciais; X. a realização, em conjunto com a Seção de Integração e Promoção da Assistência à Saúde, de diagnóstico epidemiológico e de serviços; XI. a realização complementar nas unidades, da investigação epidemiológica; XII. o apoio aos municípios em situações emergenciais e especiais; XIII. a avaliação e a supervisão das atividades de vigilância epidemiológica, em conjunto com os municípios; XIV. a identificação das necessidades e a previsão de materiais específicos a vigilância epidemiológica para uso nos laboratórios da rede; XV. o assessoramento às prefeituras na identificação de necessidades e na programação do desenvolvimento de recursos humanos para a rede básica, em conjunto com a Seção de Integração e Promoção da Assistência à Saúde; XVI. a colaboração com a Seção de Integração e Promoção da Assistência à Saúde na avaliação das necessidades de desenvolvimento de recursos humanos para as unidades especializadas; XVII. a participação nas atividades de desenvolvimento de recursos humanos; XVIII. outras atividades correlatas. SUBSEÇÃO III DA SEÇÃO DE AÇÃO SOBRE O MEIO Art. 8º - à Seção de Ação sobre o Meio compete: I - II - o assessoramento às prefeituras no planejamento das atividades de vigilância sanitária: dos estabelecimentos de saúde, do exercício profissional, de produtos relacionados à saúde ( medicamentos, cosméticos, saneantes domissanitários e correlatos), dos alimentos, de produtos de origem animal e do controle das zoonoses; o assessoramento às prefeituras no planejamento e coordenação dos programas de módulos sanitários, de vigilância da qualidade da água de abastecimento público e da higiene das habitações; 5

6 III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - o assessoramento às prefeituras na melhoria dos sistemas de abastecimento de água e em outras ações de saneamento básico; o recebimento de solicitações e a elaboração de relatórios técnicos para a autorização de funcionamento de empresas produtoras, manipuladoras e/ou distribuidoras de produtos relacionados à saúde, junto ao DIMED ( Divisão Nacional de Vigilância Sanitária de Medicamentos), DISAD ( Divisão Nacional de Vigilância Sanitária de Produtos Saneantes e Domissanitários) e DICOP ( Divisão Nacional de Vigilância Sanitária de Cosméticos e Perfume) do Ministério da Saúde; a organização dos processos para o registro de alimentos industrializados, orientação às indústrias e procedimentos de inspeção para esse fim; o assessoramento às prefeituras no desenvolvimento de recursos humanos; a participação no desenvolvimento de recursos humanos; a promoção da integração institucional entre órgãos afins; a articulação com universidades e com laboratórios de referência para a celebração de convênios; outras atividades correlatas. SEÇÃO II DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL Art. 9º - À Divisão de Administração Regional compete: I. a coordenação das ações de desenvolvimento e administração de recursos Humanos; II. III. IV. a coordenação das ações relacionadas à administração de materiais, medicamentos e patrimônio; a coordenação das ações relacionadas ao serviço de orçamento e finanças; a coordenação das ações de serviços gerais, compreendendo telefonia, comunicação, protocolo, reprografia, administração do prédio, vigilância, limpeza, copa, cozinha, transportes e recuperação de móveis e equipamentos; V. a coordenação da elaboração das normas de funcionamento de sua Divisão; VI. VII. o assessoramento ao Diretor da Regional de Saúde nos assuntos de sua Divisão; outras atividades correlatas. SUBSEÇÃO I DA SEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Art.10º - À Seção de Recursos Humanos compete: I. a manutenção atualizada dos dados cadastrais de servidores lotados em suas unidades; II. as providências e o encaminhamento para pagamento dos benefícios sociais; 6

7 III. IV. as providências e o encaminhamento para pagamento dos direitos trabalhistas previstos em lei; a execução do recrutamento e o processo de seleção de pessoal, de acordo com orientação do nível central; V. a desencadeamento e o controle da realização da avaliação de desempenho; VI. VII. VIII. IX. a realização da movimentação de pessoal no âmbito da Regional; a realização de estudos referentes ao dimensionamento de pessoal da Regional bem como a participação, junto ao nível central, na definição do quadro de pessoal; o fornecimento de subsídios para a elaboração dos Planos Municipais e Regionais de Saúde relacionados ao dimensionamento de pessoal; a colaboração na identificação e avaliação, em conjunto com a área finalística, das necessidades de capacitação, treinamento ou reciclagem de recursos humanos; X. a elaboração, em conjunto com a área finalística, de projetos ou programas de capacitação, treinamento ou reciclagem de recursos humanos; XI. XII. XIII. a coordenação, o acompanhamento e a avaliação de programas de capacitação, treinamento ou reciclagem de recursos humanos; o fornecimento de subsídios, através da Seção de Integração e Promoção da Assistência à Saúde, para os Planos Municipais de Saúde no que se refere ao desenvolvimento de recursos humanos; o fornecimento de subsídios para o Plano Regional de Saúde, no que se refere ao desenvolvimento de recursos humanos; XIV. a manutenção de intercâmbio com entidades formadoras e especializadas no desenvolvimento de recursos humanos; XV. XVI. a manutenção e a atualização de cadastro de docentes disponíveis no âmbito da Regional; outras atividades correlatas. SUBSEÇÃO II DA SEÇÃO ADMINISTRATIVA Art.11º - À Seção Administrativa compete: I. a elaboração do planejamento e do programa de aquisição de materiais e de medicamentos para a Regional e unidades prestadoras de serviços sob a sua responsabilidade; II. III. IV. o preparo e a execução dos expedientes referentes à aquisição de materiais e de medicamentos ou à contratação de prestação de serviços, bem como a análise das propostas; a organização do almoxarifado regional e das unidades de sua área, recebendo, conferindo, guardando, distribuindo e controlando materiais e medicamentos dentro das normas e padrões exigidos; a organização e o controle do patrimônio existente na Regional; 7

8 V. a execução e controle das atividades de telefonia, reprografia, vigilância, copa, cozinha, limpeza, transporte, manutenção e administração de prédios; VI. VII. VIII. IX. a participação e o fornecimento de subsídios para a elaboração do Plano Regional de Saúde e da Programação e Orçamentação Integrada, sob a orientação do Grupo de Planejamento e Coordenação; o procedimento, em conjunto com as áreas finalísticas, para a adequação das metas físicas previstas no Plano Regional de Saúde aos valores aprovados; a elaboração trimestral do plano de aplicação e o cronograma de liberação de recursos do Sistema de Suprimento de Recursos Descentralizados SRD; o acompanhamento diário das disponibilidades bancárias; X. a aplicação dos saldos disponíveis no mercado financeiro, nos termos do convênio firmado entre o ISEP e o Banco Oficial; XI. a elaboração mensal da prestação de contas dos valores repassados pelo ISEP; XII. outras atividades correlatas. CAPÍTULO III AO NÍVEL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SEÇÃO ÚNICA DAS UNIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Art.12º - As Unidades de Prestação de Serviços constituídas pelos Centros Regionais de Especialidades, pelos Núcleos de Hemoterapia ou Agências Transfusionais, pelas Centrais de Transplantes do Paraná e pelos Hospitais terão sua organização, competência, funcionamento e situação de cargos definidos em regimentos próprios a serem aprovados por Deliberação do Conselho de Administração do ISEP, cumpridas as formalidades legais. TÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art.13º - O Diretor da Regional de Saúde tipo B, em suas ausências e impedimentos, será substituído pelo chefe da Divisão de Assistência à Saúde. Art.14º - O presente Regimento Interno poderá ser alterado por proposta do Diretor Presidente do ISEP e aprovação do Conselho de Administração, cumpridas as formalidades legais. 8

9 Art.15º - As Unidades de Prestação de Serviços tais como os Centros Regionais de Especialidades, os Núcleos de Hemoterapia ou as Agências Transfusionais, as Centrais de Transplantes do Paraná e os Hospitais estão subordinados administrativamente às Regionais de Saúde. 9

10 ANEXO 1 CARGOS DE CHEFIA INTEGRANTES DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS REGIONAIS DE SAÚDE - TIPO "B" DO INSTITUTO DE SAÚDE DO PARANÁ - ISEP Nº de cargos por Regional Nº de RS tipo "B" Nº Total de cargos DENOMINAÇÃO SÍMBOLO DIRETOR DE REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B" DCA CHEFE DE DIVISÃO CHEFE DE SEÇÃO DCA-06 DCA * ASSISTENTE** DCA * - Necessidade de criação de 02 (dois) cargos de Assistente DCA-15 (Regionais 22ª e 23ª) ** - Cargo de Chefe de Serviço de Apoio Administrativo. 10

11 ANEXO II ISEP D I R E Ç Ã O REGIONAIS DE SAÚDE - TIPO "B" DO ISEP DIRETOR DA REGIONAL DE SAÚDE - TIPO "B" N I V E I S D E A T U A Ç Ã O E X E C U Ç Ã O DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL SEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SEÇÃO ADMINISTRATIVA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA SEÇÃO DE NTEGRAÇÃO E PROMOÇÃO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE SEÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA SEÇÃO DE AÇÃO SOBRE O MEIO UNIDADES DE PRES- TAÇÃO DE SERVIÇOS CENTRO REGIONAL CENTRAL DE DE ESPECIALIDADES HEMOCENTRO TRANSPLANTES DO HOSPITAIS PARANÁ 11

CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO

CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta as atividades

Leia mais

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 24.04.2008 O Prefeito Municipal de São

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT

REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta as atribuições do Consórcio Intermunicipal

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências.

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências. DECRETO Nº 26.266, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº 25.297, de 12 de março de 2003, e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

L E I. Art. 2º. Fica criado o cargo de ASSESSOR DA JUNTA MILITAR da Secretaria. Municipal de Governo.

L E I. Art. 2º. Fica criado o cargo de ASSESSOR DA JUNTA MILITAR da Secretaria. Municipal de Governo. L E I Nº 1436 de 21 de janeiro de 2011 Altera a Lei nº 1255/2009, Extingue e Cria Cargos e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Capão do Leão, Estado do Rio Grande do Sul. Faz saber que a Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama.

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama. 24 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 de Umuarama. 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 25 ANEXO I DO REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 9510/2013 26 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 ANEXO

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA No- 2.728, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

DECRETO N.º O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso da faculdade que lhe confere o Art. 63, item X, da Lei Orgânica do Município; DECRETA:

DECRETO N.º O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso da faculdade que lhe confere o Art. 63, item X, da Lei Orgânica do Município; DECRETA: DECRETO N.º 2.856 Dispõe sobre a nova estrutura da Secretaria Municipal da Saúde e Serviço Social e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso da faculdade que lhe confere o Art.

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG (APROVADO

Leia mais

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado Folha N. 1 01 LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031 AÇÃO LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 4.543.000,00 4.728.000,00 01.031.0001.0125 INATIVOS

Leia mais

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde Brasília, 25/01/2017 Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 95, DE 4 DE DEZEMBRO DE Publicada no Diário Oficial nº Subseção VI Das Defensorias Públicas do Estado

LEI COMPLEMENTAR Nº 95, DE 4 DE DEZEMBRO DE Publicada no Diário Oficial nº Subseção VI Das Defensorias Públicas do Estado LEI COMPLEMENTAR Nº 95, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. Publicada no Diário Oficial nº4.271 O Governador do Estado do Tocantins Cria cargos de Defensor Público do Estado e Reestrutura os Cargos de Provimento

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

PORTARIA Nº 7, DE 21 DE JANEIRO DE O CORREGEDOR NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, resolve:

PORTARIA Nº 7, DE 21 DE JANEIRO DE O CORREGEDOR NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, resolve: PORTARIA Nº 7, DE 21 DE JANEIRO DE 2016 O CORREGEDOR NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, resolve: Retificar a Portaria CNMP-CN nº 6, de 12 de janeiro de

Leia mais

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO 1. OBJETO Contratação de Serviço Terceiro Pessoa Física para os seguintes projetos/programas: -Projetos,

Leia mais

Decreto n , de 31 de julho de 2000

Decreto n , de 31 de julho de 2000 Decreto n 21.397, de 31 de julho de 2000 Diário Oficial do Distrito Federal Publicado no DODF de 01.08.2000 Republicado no DODF de 14.09.2000 Dispõe sobre a estrutura orgânica da Secretaria de Estado de

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 20 DE FEVEREIRO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO RIO Nº DE 20 DE FEVEREIRO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO RIO Nº 42898 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2017 Dispõe sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Saúde - SMS. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 Aprova Regimento da Assessoria Jurídica da FUNREI ASJUR O Presidente do Conselho Deliberativo Superior da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei FUNREI,

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SUMÉ Lei n 1.176/2015. ANEXO I (art. 25)

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SUMÉ Lei n 1.176/2015. ANEXO I (art. 25) ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SUMÉ Lei n 1.176/2015 ANEXO I (art. 25) Tabela 1 ADMINISTRAÇÃO DIRETA QUADRO PERMANENTE DE PESSOAL CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO 1. ÓRGÃO DE DECISÃO

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015

PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015 PLANOS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Alceu Galvão Analista de Regulação da ARCE Fortaleza, 11 de maio de 2015 SIMPLICIDADE elaboração e implementação dos PMGIRS BAIXO CUSTO GRADATIVIDADE ESTRUTURA

Leia mais

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE 2017 1 Cartilha sobre Orçamento 1 - Entendendo o orçamento público A lei do orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a

Leia mais

Guarda Municipal de Fortaleza Legislação da Guarda LC Nº 0137/2013 Marcílio Távora

Guarda Municipal de Fortaleza Legislação da Guarda LC Nº 0137/2013 Marcílio Távora Guarda Municipal de Fortaleza Legislação da Guarda LC Nº 0137/2013 Marcílio Távora 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. LEI COMPLEMENTAR Nº 0137, DE 08 DE JANEIRO

Leia mais

SEÇÃO IV DA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

SEÇÃO IV DA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS SEÇÃO IV DA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS Art. 146 As competências da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis estão descritas no caput do art. 23 do Regimento da Reitoria. Art. 147 À Divisão de Apoio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. Dispõe sobre o Pacto de Aprimoramento da Gestão dos Estados e do Distrito Federal no âmbito do Sistema Único de Assistência Social SUAS, estabelece a revisão

Leia mais

MARIA ANTONIETA DE BRITO, Prefeita Municipal de Guarujá, no uso das atribuições que a lei lhe confere;

MARIA ANTONIETA DE BRITO, Prefeita Municipal de Guarujá, no uso das atribuições que a lei lhe confere; DECRETO Nº 9209, DE 31/01/2011. (Revogado pelo Decreto nº 10.278/2013) DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA REGIMENTAL E O QUADRO DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO E DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO A AESGA no uso de suas atribuições regimentais vem regulamentar o funcionamento do Núcleo Integrado de Práticas Administrativas. TÍTULO

Leia mais

LEI N , DE 18 DE JUNHO DE 2014

LEI N , DE 18 DE JUNHO DE 2014 LEI N. 12.998, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre remuneração das Carreiras e dos Planos Especiais de Cargos das Agências Reguladoras, das Carreiras e do Plano Especial de Cargos do Departamento Nacional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante I - INTRODUÇÃO II - OBJETO III - DOS ÓRGÃOS E UNIDADES INTEGRANTES DO REGISTRO IV - CONDIÇÕES GERAIS PARA PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII -

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-63 REGULAMENTO DO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA

Leia mais

Documento apreciado e aprovado pelo CAEX como lavrado em Ata. 1

Documento apreciado e aprovado pelo CAEX como lavrado em Ata. 1 RESOLUÇÃO DO CONSELHO ACADÊMICO DE EXTENSÃO REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE EXTENSÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO Art.1º - Os Cursos

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

Art Aos Delegados da Receita Federal e, no que couber, aos Inspetores e aos Chefes de Inspetoria, incumbe:

Art Aos Delegados da Receita Federal e, no que couber, aos Inspetores e aos Chefes de Inspetoria, incumbe: REGIMENTO ATUAL - PORTARIA MF 030/2005 Atribuições dos Delegados e Superintendentes Art. 250. Aos Delegados da Receita Federal e, no que couber, aos Inspetores e aos Chefes de Inspetoria, incumbe: bem

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica e do Estágio Supervisionado no Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

Coordenadoria de Acórdãos e Resoluções

Coordenadoria de Acórdãos e Resoluções Página 139 nº 23.326/2010 - que dispõe sobre as diretrizes para a tramitação de documentos e processos sigilosos no âmbito da Justiça Eleitoral -, vieram-me os autos conclusos. Observo que os documentos

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o Art. 81, item

Leia mais

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação.

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação. 1 Decreto Nº 94.406/87 Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 Dispõe sobre a Assistência Técnica Farmacêutica nos Estabelecimentos Farmacêuticos Públicos O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ CRF- PR, diante das atribuições legais

Leia mais

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Regimento Interno do Campus Bento

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 3089

CARTA-CIRCULAR Nº 3089 CARTA-CIRCULAR Nº 3089 Libera módulos do Sistema de Informações sobre Entidades de Interesse do Banco Central - Unicad. Em conformidade com o disposto nas Circulares 3.165 e 3.180, de 4 de dezembro de

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011 LEI Nº 1.532/2011 Dispõe sobre a autonomia financeira das unidades escolares urbanas e rurais da rede pública municipal de Ensino, orienta sua implantação, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR Resolução nº 010/2015-CUni MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Av. Capitão Ena Garcez nº 2413, Bairro Aeroporto, CEP: 69.310-000 - Boa Vista/RR Fone (095)3621-3108

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 617 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 617 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 617 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ementa: Dispõe as atribuições e competênciasdo farmacêutico nos Hemocentros Nacional e Regionais bem como em serviços de hemoterapia e/ou bancos de sangue. O

Leia mais

DECRETO Nº 4846 DECRETA:

DECRETO Nº 4846 DECRETA: DECRETO Nº 4846 Dispõe sobre requisitos para provimento de Funções Gratificadas e Cargos em Comissão. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e de conformidade com o disposto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE Palmas TO Junho 2004 ÍNDICE TÍTULO 1 Introdução... 03 Capítulo I Da Composição...

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014.

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014. Extingue a unidade Departamento dos Conselhos Municipais compreendida na estrutura do órgão Gabinete do Prefeito; cria a unidade Coordenação dos Conselhos Municipais no órgão Gabinete do Prefeito; altera

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ-IAPAR TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS DO INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ IAPAR

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ-IAPAR TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS DO INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ IAPAR 1 REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ-IAPAR TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS DO INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ IAPAR Art. 1º. O Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, instituído

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Reorganiza as atribuições gerais e as classes dos cargos da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 317 DE 31 DE DEZEMBRO DE O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 317 DE 31 DE DEZEMBRO DE O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 317 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 Dispõe sobre a criação da Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 De 17 de janeiro de 2002 Autoriza a criação do Centro de Treinamento Olímpico - CTO, como Órgão Complementar vinculado à Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA No- 2.728, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 Institui linha de crédito denominada PROGER Urbano Micro e Pequena Empresa Capital de Giro, no âmbito do Programa de Geração

Leia mais

Exemplos de situações passíveis de acumulação remunerada

Exemplos de situações passíveis de acumulação remunerada Exemplos de situações passíveis de acumulação remunerada I - Cargos da área do Magistério acumuláveis com Professor 1. Assistente de Diretor de Escola 2. Coordenador Pedagógico 3. Diretor de Escola 4.

Leia mais

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4)

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4) PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Decreto nº.13.528, de 2 de maio de 2014 QUADRO DE DETALHAMENTO DE TAREFAS QDT (ANEXO I) CÓDIGO ATIVIDADE NÍVEL 1 2 3 4 5 6 7 8 Análise e validação das propostas setoriais

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE FARMÁCIA DA CONCEPÇÃO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE FARMÁCIA DA CONCEPÇÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE FARMÁCIA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO DE ESTÁGIO Art. 1º - O Estágio é uma atividade educativa técnico-pedagógica de formação profissional dos alunos do Curso de Farmácia,

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

ORGANOGRAMA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

ORGANOGRAMA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR ORGANOGRAMA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Gerência Estagiário Apoio Administrativo Assistente Acompanhamento dos Recursos do PDDE e suas ações da rede estadual Programas e Convênios Estaduais Gestão

Leia mais

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL O Processo de Construção do PIUMA-RS Resultados e Consequências Plano Diretor de Irrigação no Contexto

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado Economia e Finanças Públicas Aula T17 Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) 5.1 Noção de orçamento e ciclo orçamental 5.1.1 Noção, âmbito e importância do OE 5.1.2 O conteúdo da Proposta de Lei do OE 5.1.3

Leia mais

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV)

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV) COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO (CV) CAPÍTULO I DA FINALIDADE DA CV - Art. 1º - A CV -, tem por finalidade: Adotar uma política institucional de atenção aos usuários

Leia mais

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20 MÓDULO I Bases Elementares para o Estudo e Compreensão do Comportamento: Aspectos Históricos INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE LONDRINA - INESUL CARGA HORÁRIATOTAL DO CURSO 4250 horas relógio CARGA HORÁRIA

Leia mais

Estrutura Organizacional da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

Estrutura Organizacional da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo Estrutura Organizacional da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo Estrutura Básica - SEE GABINETE DO SECRETÁRIO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO - CEE FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO -

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.262, DE 22 DE MARÇO DE 2012 Institui o Regulamento para a realização dos Estágios Supervisionados,

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF REGULAMENTO N. 007 /2015 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUEMA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF GARÇA/SP Vanessa Zappa, Diretora da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Lei 1.333, de 1º de Abril de 2011.

Lei 1.333, de 1º de Abril de 2011. 1.333, de 1º de Abril de 2011. DISPÕE SOBRE A ALTERAÇÃO NA LEI Nº. 1.153/09 DE 06.04.2009, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS O PREFEITO MUNICIPAL DE JACIARA, ESTADO DE MATO GROSSO, MAX JOEL RUSSI faz saber, que

Leia mais

INTERSETORIALIDADE DESAFIO PARA IMPLANTAÇÃO DO RSI(2005)

INTERSETORIALIDADE DESAFIO PARA IMPLANTAÇÃO DO RSI(2005) INTERSETORIALIDADE DESAFIO PARA IMPLANTAÇÃO DO RSI(2005) Paulo Biancardi Coury Gerente Geral Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados Anvisa. Fortaleza-CE junho 2010 A CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Sumário Prefácio à Décima Quinta Edição, xv Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Prefácio à Décima Segunda Edição, xviii Prefácio à Décima Primeira Edição, xix Prefácio

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO GRUPO ESCOTEIRO SÃO PAULO. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO GRUPO ESCOTEIRO SÃO PAULO. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DO PRIMEIRO GRUPO ESCOTEIRO SÃO PAULO CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Este regulamento contempla as normas complementares ao Estatuto da União dos Escoteiros do Brasil ( UEB ), Princípios

Leia mais

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

Art. 3º - A estrutura orgânica básica da Prefeitura Municipal de Alvorada do Gurguéia é constituída dos seguintes órgãos:

Art. 3º - A estrutura orgânica básica da Prefeitura Municipal de Alvorada do Gurguéia é constituída dos seguintes órgãos: Lei nº. 0/97, de 04 de janeiro de 1997 Dispõe sobre a Estrutura Orgânica Básica da Prefeitura Municipal de Alvorada do Gurguéia e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALVORADA DO GURGUÉIA, ESTADO

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 DE CIÊNCIAS RURAIS

Leia mais

PORTARIA Nº 13, DE 17 DE JANEIRO DE ANEXO II SUGESTÃO DE ESTRUTURA PARA PROPOSTA DE TRABALHO A SER DESENVOLVIDA POR SERVIDORES READAPTADOS

PORTARIA Nº 13, DE 17 DE JANEIRO DE ANEXO II SUGESTÃO DE ESTRUTURA PARA PROPOSTA DE TRABALHO A SER DESENVOLVIDA POR SERVIDORES READAPTADOS PORTARIA Nº 13, DE 17 DE JANEIRO DE 2017. Acrescenta os anexos II, III e IV à Portaria nº12, de 13 de janeiro de 2017. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

Estado do Tocantins MUNICÍPIO DE PIUM Lei nº 747/2012, de 12 de dezembro de 2012.

Estado do Tocantins MUNICÍPIO DE PIUM Lei nº 747/2012, de 12 de dezembro de 2012. Lei nº 747/22, de 12 de dezembro de 22. Dispõe sobre a organização e estrutura administrativa do Poder Executivo do Município de Pium, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PIUM, Estado do

Leia mais

PUBLICADO NO DOU Nº 125 SEÇÃO 1, DE 29/06/2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.338, DE 28 DE JUNHO DE 2012

PUBLICADO NO DOU Nº 125 SEÇÃO 1, DE 29/06/2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.338, DE 28 DE JUNHO DE 2012 PUBLICADO NO DOU Nº 125 SEÇÃO 1, DE 29/06/2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.338, DE 28 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre a competência para autorizar a celebração de novos contratos

Leia mais