PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:"

Transcrição

1

2 PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: Página 2

3 0. Objetivos deste treinamento Quem está fazendo este módulo avançado II é porque já passou pelos módulos anteriores. Portanto não serão abordados aqui os tópicos já visto nos cursos anteriores. Aqui o aluno já deve dominar suficientemente a linguagem C e o ambiente de trabalho IAR. O estudo dos periféricos será feito diretamente na fonte: manual da família 4 e datasheet do dispositivo, o que pode ser obtido da internet nos endereços abaixo. Manual da família: Datasheet do MSP430FG4618: Este material será apenas um descritivo dos exercícios que devem ser feitos ao longo deste treinamento. Página 3

4 1. FLL+ Clock Module Carregue o primeiro exercício feito no curso de linguagem C, onde um LED fica piscando de acordo com a velocidade de um loop infinito, como pode ser visto abaixo. //****************************************************************************** // MSP430xG46x Demo - Software Toggle P5.1 // // Description: Toggle P5.1 by xor'ing P5.1 inside of a software loop. // ACLK = kHz, MCLK = SMCLK = default DCO // // MSP430xG461x // // / \ // // -- RST // // P5.1 -->LED // // K. Quiring/M. Mitchell // Texas Instruments Inc. // October 2006 // Built with IAR Embedded Workbench Version: 3.41A //****************************************************************************** #include <msp430xg46x.h> void main(void) { volatile unsigned int i; } WDTCTL = WDTPW+WDTHOLD; P5DIR = 0x02; while(1) { P5OUT ^= 0x02; for(i=50000;i>0;i--); } // Stop WDT // P5.1 output // Delay 1.1. Freqüência atual do clock Analise a configuração do módulo FLL+ no programa exemplo. Qual é a freqüência atual do clock? 1.2. Aumentando e diminuindo a freqüência de clock durante a execução de um programa Reescreva o programa anterior de modo que um toque no botão 1 faça com que a freqüência do clock aumente gradativamente, chegando até ao valor máximo possível para este dispositivo. Um toque no botão 2 deverá fazer com que a freqüência diminua gradativamente, chegando até o valor mínimo possível. Isto deve ser realizado em LPM. O que se deve observar como saída é que o LED aumentará e diminuirá a freqüência das piscadas proporcionalmente a variação de velocidade de processamento do MSP430. Página 4

5 2. Flash Memory Controller Durante o curso de linguagem C foi desenvolvido um RTC (Real Time Clock), onde um relógio passa a funcionar a partir da interação com o usuário, que informa qual é o horário inicial (dia, mês, ano, dia da semana, hora, minuto e segundo). Estes valores, depois de inseridos, passam a ser mostrados no display da Experimenter Board. Carregue este programa e verifique o seu funcionamento. Ele servirá como base para o nosso próximo exercício Criando um data looger com o MSP430 A partir do programa do RTC do curso anterior, crie um novo software que faça o seguinte: Uma vez que o RTC foi inicializado de acordo com o programa anterior, ele passa a operar normalmente, mostrando a hora inicial no display; Quando o usuário pressionar o botão S1, o valor atual do RTC (dia, mês, ano, dia da semana, hora, minuto e segundo) deve ser gravado na memória flash. Isto deve ocorrer por tantas vezes quanto forem os pressionamentos deste botão, ou até esgotar o espaço de armazenamento da memória flash; Quando o usuário pressionar o botão S2, a primeira posição de memória flash é mostrada no display. Pressionamentos seguidos deste botão fazem aparecer no display, seqüencialmente, todos os dados que foram armazenados, até o fim do último dado armazenado antes de pressionar S2 pela primeira vez. 3. Supply Voltage Supervisor SVS 3.1. Medindo o nível de tensão da bateria do MSP430 Escreva um programa, utilizando o periférico SVS, que indique no display da Experimenter Board qual é o nível de tensão atual da bateria. O programa deve acender o seguimento do display que indica a carga da bateria proporcionalmente à tensão de alimentação do chip, de acordo com a tabela e a figura mostrada a seguir. Deve ser feita uma verificação em tempo real da tensão de alimentação. Caso hajam variações de tensão, estas devem ser mostradas no diplay. Página 5

6 4. ADC Voltímetro medidor de tensão com o ADC12 do MSP430 Será inserido na entrada do ADC do MSP430 um potenciômetro. Isto fará com que a tensão de entrada neste pino varie de +Vcc (~ 3 V, com as pilhas carregadas) até GND (0 V). Escreva um programa que faça a leitura deste valor de tensão e escreva no display, em tempo real, qual é o valor da tensão, no formato: Página 6

7 4.2. Termômetro medidor de temperatura com o ADC12 do MSP430 O ADC12 pode ter como referência de entrada uma junção de um transistor que indica qual é a temperatura do encapsulamento. Escreva um programa que faça a leitura deste valor de temperatura e escreva no display, em tempo real, qual é o valor da temperatura, no formato: 4.3. Múltiplas conversões com o ADC12 Tensão e temperatura no display da Experimenter board Escreva um programa que mostre, ao mesmo tempo e em tempo real, a temperatura do encapsulamento do MSP430 e o valor de tensão colocado na entrada no conversor ADC12, mostrando as informações no display da Experimenter Board no seguinte formato: Página 7

8 5. DAC Gerador de funções com o DAC12 Escreva um software que faça o seguinte: Ao pressionar o botão S1 será colocada na saída do DAC12 uma forma de onda, de acordo com o mostrado abaixo. Estas formas de onda deverão ter a amplitude máxima permitida para este dispositivo. Cada pressionar de botão troca a forma de onda da saída, de modo seqüencial. o 1ª: SENOIDAL 100 Hz o 2ª: QUADRADA 1 Khz o 3ª: TRIANGULAR 100 Hz Ao pressionar o botão S2 a freqüência da forma de onda que estiver no terminal de saída naquele instante deverá ser aumenta ciclicamente, chegando a um limite e retornando ao valor incial proposto, de acordo com o número de pressionamento do botão. O número de toques no botão pode ser limitado a 5, para facilitar a elaboração do código fonte. A forma de onda que estiver sendo colocada na saída deve ser indicada no display da Experimenter Board, através de nomes que possibilitem reconhecer que determinada forma de onda está em ação naquele momento. 6. DMA (Direct Memory Access) ControlerAC12 A Texas Instruments disponibiliza em seu site um software de exemplo que faz o uso do DMA: é o Voice Recorder, cuja cópia pode ser obtida nos links mostrados abaixo: ame=slaa361 Neste exemplo é feito um tratamento da voz utilizando todos os recursos estudados até este momento do curso: conversão AD, uso de DMA, armazenamento em memória Flash, e conversão DA. O funcionamento deste programa exemplo pode ser visto em blocos, na figura a seguir. Página 8

9 6.1. Data looger utilizando o DMA Será inserido o potenciômetro na entrada do conversor AD. Ao pressionar o botão S1 será gravado na memória Flash todas as variações de sinal que entrarem no conversor AD, através da variação do cursor do potenciômetro. Isto deve acontecer, obrigatoriamente, utilizando o recurso do DMA. É interessante mostrar ao usuário qual o valor de tensão que se está salvando na memória, através do display. Um indicação de que o sinal está sendo armazenado também é desejável (pode ser a utilização do símbolo de TX ou RX no display). Para efeitos didáticos, podemos limitar a gravação de dados a um tamanho de 5 Kbytes na memória flash. Após a gravação de dados, se o usuário pressionar o botão S2 será feita a leitura de dados gravados na memória Flash. O sinal será entregue a saída do conversor DA e ao conectar um osciloscópio a saída do dispositivo, a mesma forma de onda da entrada deve ser observada na saída. Página 9

10 Também é interessante mostrar no display quais são os valores de tensão que foram armazenados e indicar que a operação de saída está acontecendo (pode ser a utilização do símbolo de TX ou RX no display). 7. Watch Dog Timer Recarregue o software do gerador de funções, desenvolvido durante o estudo do DAC12. Acrescente neste software o uso do WDT, escolhendo quais são os pontos corretos de inserir a limpeza deste hardware, e verifique o seu funcionamento. Retire alguns destes pontos colocados estrategicamente durante o programa e verifique se realmente o software é resetado quando uma rotina excede o tempo previsto no WDT. Modifique a configuração do WDT para outros valores de tempo e veja como isto afeta o funcionamento do programa. 8. Comunicação Serial: Máquina USART Para esta série de exercícios serão necessárias duas placas Experiementer Board. Então os alunos deverão trabalhar em dupla. Será conectado um potenciômetro em cada placa, que deve estar ligado ao conversor ADC12. As variações de sinal decorrente da atuação no cursor do potenciômetro deve ser mostrado no display da outra placa. Assim, o sinal do potenciômetro A, ligado na placa A, deve ser mostrado no display da placa B. Por outro lado, o sinal do potenciômetro B, ligado na placa B, deve ser mostrado no display da placa A. A troca de informações deve ocorrer através da interface de comunicação serial pedida a seguir. Serão conectados os sinais entre as placas através de fios fornecidos pelo professor UART Configurar a máquina USART para atuar como uma UART e fazer o programa acima rodar na máxima velocidade possível. Página 10

11 8.2. SPI Configurar a máquina USART para atuar como uma SPI e fazer o programa acima rodar na máxima velocidade possível. 9. Comunicação Serial: Máquina USCI Para esta série de exercícios também serão necessárias duas placas Experiementer Board. Então os alunos deverão trabalhar em dupla. Será conectado um potenciômetro em cada placa, que deve estar ligado ao conversor ADC12. As variações de sinal decorrente da atuação no cursor do potenciômetro deve ser mostrado no display da outra placa. Assim, o sinal do potenciômetro A, ligado na placa A, deve ser mostrado no display da placa B. Por outro lado, o sinal do potenciômetro B, ligado na placa B, deve ser mostrado no display da placa A. A troca de informações deve ocorrer através da interface de comunicação serial pedida a seguir. Serão conectados os sinais entre as placas através de fios fornecidos pelo professor SPI Configurar a máquina USCI para atuar como uma SPI e fazer o programa acima rodar na máxima velocidade possível I 2 C Configurar a máquina USCI para atuar como uma I 2 C e fazer o programa acima rodar na máxima velocidade possível. Página 11

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa DataLogger (21)4063-9798 (11)4063-1877 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da Cerne Tecnologia

Leia mais

Automação de Instrumentação de Laboratório

Automação de Instrumentação de Laboratório Automação de Instrumentação de Laboratório Alunos: Henrique Vaisman Pinto e Pedro Bittencourt Orientador: Raul Almeida Nunes Introdução Um sistema embarcado é um sistema de computação projetado com propósito

Leia mais

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N O Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N foi desenvolvido tendo em vista a integração de vários periféricos numa só placa, além de permitir a inserção de módulos externos para

Leia mais

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1 Placa de Desenvolvimento McLab1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO...3 2. HARDWARE...4 2.1. MICROCONTROLADOR PIC16F628A...4 2.2. DISPLAYS DE 7 SEGMENTOS...5 2.3. TECLAS...5 2.4. LEDS...6 2.5. LÂMPADA...6 2.6. BOTÃO

Leia mais

26.1. Máquinas de comunicação serial no MSP430.

26.1. Máquinas de comunicação serial no MSP430. 26. USART 26.1. Máquinas de comunicação serial no MSP430. Os dispositivos MSP430 tem dois tipos de máquinas para comunicação serial: USART: Universal Synchronous/Asynchronous Receive/Transmit; USCI: Universal

Leia mais

APRESENTAÇÃO SOBRE O DSP ADSP-21160M

APRESENTAÇÃO SOBRE O DSP ADSP-21160M [ ADSP-21160M ] APRESENTAÇÃO SOBRE O DSP ADSP-21160M RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES ORIENTADOR Marcelo Portes de Albuquerque (CBPF) LPS Laboratório de Processamento de Sinais (UFRJ) CAT - Coordenação de Atividades

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

AULA2 Introdução a Microcontrolador

AULA2 Introdução a Microcontrolador AULA2 Introdução a Microcontrolador Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Profa. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com Tópicos: Microcontroladores - Evolução Principais características

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

WiFiShield. Introdução

WiFiShield. Introdução WiFiShield Obrigado por adquirir o WiFiShield do Laboratório de Garagem. Através deste manual, você conhecerá maiores detalhes sobre este produto, para iniciar seus projetos com Arduino e integração com

Leia mais

TEM VÁRIOS ESTADOS: 0V,0.1V,3V,3.3V,4V,5V,10V, ETC.

TEM VÁRIOS ESTADOS: 0V,0.1V,3V,3.3V,4V,5V,10V, ETC. CONVERSOR ANALÓGICO / DIGITAL SINAL DIGITAL ASSUME APENAS 2 ESTADOS: 0V E 5V SINAL ANALÓGICO TEM VÁRIOS ESTADOS: 0V,0.1V,3V,3.3V,4V,5V,10V, ETC. 1 FONTE DESTES SINAIS ANALÓGICOS UM DOS NOSSOS OBJETIVOS

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

CE N T R AI S TELEFÔNICAS HDL

CE N T R AI S TELEFÔNICAS HDL Assistência Técnica HDL CE N T R AI S TELEFÔNICAS HDL Diagr ama de Sinais HDL Processamento e Controle Microcontrolador 80C251: Placa CPU HDL 80P / HDL 368P / HDL 4-12 Microcontrolador 80C32: Placa de

Leia mais

(21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br

(21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br (21) 4063-9798 (11) 4063-1877 (21) 8831-6621 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Manual do Usuário Placa CLPIC Índice 1. Introdução... 03 2. Chapeado da Placa... 04 3. Conector

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3 Índice Dia 05 de fevereiro de 2014....2 Apresentação... 2 Dia 12 de fevereiro de 2013....3 -Processador... 3 -Von Neumann... 3 -Harvard... 4 -Von Neumann x Harvard... 4 -Equipamentos que utilizam a arquitetura

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A AD / DA M-1116A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Objetivos 3 2. Experiência

Leia mais

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Manual do Usuário Versão 3.9f 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA DE

Leia mais

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 -

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - T e c n o l o g i a Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Manual (versão 1.4) Kit 8051 Study

Manual (versão 1.4) Kit 8051 Study Manual (versão 1.4) Kit 8051 Study Microgenios Soluções Eletrônicas Ltda. ME - ano 2010 Todos os direitos reservados Proibida cópia integral ou parcial do material aqui contido www.microgenios.com.br Sumário

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605 Suporta os microcontroladores: PIC16F877A, PIC18F452, PIC18F4520, PIC18F4550, PIC 18F876A, PIC18F252, PIC18F2550 e outros com 28 e 40 pinos O Kit de desenvolvimento ACEPIC PRO V2.0 foi projetado tendo

Leia mais

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1 MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES P19165 - Rev. 1 MONDIALE 1 ÍNDICE DIAGRAMA DE CONEXÕES...4 Principais características... 5 Funções do led SN...5 Entrada PARA Trava...6 botões (+)

Leia mais

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução Os microcontroladores AVR vem a cada dia tomando cada vez mais espaço nos novos projetos eletrônicos microcontrolados.

Leia mais

MEMÓRIA. MEMÓRIA RAM (Randon acess memory) Memória de acesso aleatório

MEMÓRIA. MEMÓRIA RAM (Randon acess memory) Memória de acesso aleatório O papel do processador é apenas um, pegar os dados e processa-los não importando de onde vem ou para onde vão estes dados. Como os processadores não possuem uma área de armazenamento grande, ele buscas

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

Figura 01 Visão Geral da Placa

Figura 01 Visão Geral da Placa 1. Hardware O kit de FPGA é formado por periféricos que possibilitam sua interação com sinais de áudio, display gráfico e alfanumérico, comunicação serial e USB, codec de áudio, chaves para simulação e

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

D-Fly2 Manual do Usuário

D-Fly2 Manual do Usuário D-Fly2 Manual do Usuário Introdução O D-Fly2 é fácil de usar. Basta pressionar o botão de disparo para ligar o scanner e o pressionar novamente para digitalizar um código de barras. As cores e a frequência

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Introdução ao Arduino. Pessanha Santos ASPOF EN-AEL

Introdução ao Arduino. Pessanha Santos ASPOF EN-AEL Introdução ao Arduino Pessanha Santos ASPOF EN-AEL Programa 1. Introdução à plataforma de desenvolvimento Arduino 2. Análise à sua constituição 3. Software de desenvolvimento Arduino 4. Estrutura e Sintaxe

Leia mais

Minicurso Arduino JACEE 2012

Minicurso Arduino JACEE 2012 Minicurso Arduino JACEE 2012 1. Introdução O que é o Arduino? Arduino é uma plataforma de prototipagem eletrônica criado com o objetivo de permitir o desenvolvimento de controle de sistemas interativos,

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI

Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI PROXSYS Versão 1.0 Março-2013 Controlador Industrial CP-WS1

Leia mais

11.3) Circuitos conversores D/A

11.3) Circuitos conversores D/A 11.3) Circuitos conversores D/A Conversor com rede R2R: Se o R MSB for de 1KΩem um conversor de 12 bits, o R LSB seria 2 12 1KΩ=4096KΩ. Não é possível garantir precisão nesta faixa. Nas redes R/2R usamos

Leia mais

UBEE AN01 - Modo Modem REV 01. Site: www.fractumrf.com - Email: suporte@fractumrf.com

UBEE AN01 - Modo Modem REV 01. Site: www.fractumrf.com - Email: suporte@fractumrf.com UBEE AN01 - Modo Modem REV 01 Fractum Indústria e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA - Av. Antônio Américo Junqueira 335 Pôr do Sol - Santa Rita do Sapucaí-MG - CEP 37540-000 - TEL: 55 35 3471 0019

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

Sistema embebido de georreferenciação e controlo. Ricardo Alexandre Vaz Gomes 20 de julho, de 2012

Sistema embebido de georreferenciação e controlo. Ricardo Alexandre Vaz Gomes 20 de julho, de 2012 Sistema embebido de georreferenciação e controlo Ricardo Alexandre Vaz Gomes 20 de julho, de 2012 Estrutura da apresentação 1. Introdução Estrutura da apresentação; Objetivos do projeto. 2. Estado da Arte

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital DEZEMBRO / 2010 NEXTCALL GRAVADOR TELEFÔNICO DIGITAL Obrigado por adquirir o NextCall. Este produto foi desenvolvido com o que há de mais atual em

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETO FINAL REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO

Leia mais

Laboratório de Arquitetura de Computadores IST - Taguspark 2014/2015 Introdução ao simulador Guião 1 23 a 27 fevereiro de 2015

Laboratório de Arquitetura de Computadores IST - Taguspark 2014/2015 Introdução ao simulador Guião 1 23 a 27 fevereiro de 2015 Laboratório de Arquitetura de Computadores IST - Taguspark 2/25 Introdução ao simulador Guião 23 a 27 fevereiro de 25 (Semana 2) Objectivos Com este trabalho pretende-se que os alunos se familiarizem com

Leia mais

Manual do Usuário Balança SA-110 WWW.ELGIN.COM.BR

Manual do Usuário Balança SA-110 WWW.ELGIN.COM.BR Manual do Usuário Balança SA-110 WWW.ELGIN.COM.BR Índice Capítulo 1: O Produto Acessórios que compõem o produto Função do modelo Capítulo 2: Instalação do Produto Instalação física Conexão a tomada Cabo

Leia mais

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II Electrónica dos Sistemas Embebidos Guia de Laboratório II IST-2014 A -Objectivos Com este guia pretende-se tomar contacto com cada um dos blocos fundamentais do sistema de comunicações em PCM. Os sinais

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

APOSTILA DE HARDWARE V2.0 ABRIL 2012

APOSTILA DE HARDWARE V2.0 ABRIL 2012 APOSTILA DE HARDWARE V2.0 ABRIL 2012 1 Sumário Introdução 3 Hardware Curumim 4 Cuidados ao manusear o robô 5 1. Visão geral da unidade móvel 6 2. Rádio base 7 3. Transceiver 8 4. Alimentação 9 5. Locomoção

Leia mais

Projeto No. 10 Relógio com LCD

Projeto No. 10 Relógio com LCD Projeto No. 10 Relógio com LCD O objetivo deste projeto é criar um relógio digital a partir de um módulo Real Time Clock (RTC) e um display LCD 16x2. Neste projeto usaremos as bibliotecas RTClib.h e LiquidCrystal.h.

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA C A P Í T U L O T R Ê S ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA Neste capítulo, você aprenderá os fundamentos do gerenciamento de energia e como usá-los para adquirir uma vida média da bateria mais

Leia mais

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões Conv. USB-Serial Baudrate, stop bit e nro de dados programável. Baudrate de 1200 a 38400 bauds. Emula porta COM virtual. Led de indicação de operação como conversor USB-serial. Não possui linhas de controle

Leia mais

Caneta Espiã NOVY. Página1. 1 - Introdução:

Caneta Espiã NOVY. Página1. 1 - Introdução: Página1 1 - Introdução: A NOVA CANETA ESPIÃ representa um novo conceito no universo da espionagem. Trazendo um novo design e uma nova tecnologia, a nova caneta oferece a você, um produto elegante, discreto

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes no conversor RS232 Ethernet (21)4063-9798 (11)4063-1877 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

Guia do Usuário Starterkit NXP

Guia do Usuário Starterkit NXP Guia do Usuário Starterkit NXP Starterkit NXP 02/03/2011 Sumário Apresentação... 4 1. Microcontroladores suportados... 6 2. Hardware... 9 2.1. Microcontrolador LPC2104... 9 2.2. Botões... 9 2.3. LED s...

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

Medidor de campo para sinais de TV digital HD padrão Brasileiro ISDB-T

Medidor de campo para sinais de TV digital HD padrão Brasileiro ISDB-T Medidor de campo para sinais de TV digital HD padrão Brasileiro ISDB-T LCD 3.5 : Colorido de Alta Resolução Monitor: Sintoniza o canal selecionado com áudio e vídeo Leituras de: Pre BER, Post BER, MER,

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Ambiente de Programação dos Painéis de Operação Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Índice 1)Introdução...2 2)Instalação do Oppe...3 3)Descrição do OPPE...4 3.1 Selecionar

Leia mais

SISTEMAS INFORMÁTICOS

SISTEMAS INFORMÁTICOS SISTEMAS INFORMÁTICOS Nesta apresentação, aprenderá a distinguir Hardware de software, identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções. Hardware e Software Estrutura de

Leia mais

Tutorial de Auxílio. figura 1.0 programa de gravação

Tutorial de Auxílio. figura 1.0 programa de gravação Tutorial de Auxílio O intuito deste material é facilitar o uso, por parte do aluno, das ferramentas de software indispensáveis para o trabalho com os microcontroladores, neste tutorial abordaremos o processo

Leia mais

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 -

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - T e c n o l o g i a Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO Plataforma de desenvolvimento

Leia mais

Thunder Pro II Gold Edition Manual de operações v 8.7 Rev:b

Thunder Pro II Gold Edition Manual de operações v 8.7 Rev:b Thunder Pro II Gold Edition Manual de operações v 8.7 Rev:b Este manual foi escrito exclusivamente para o chip Thunder Pro II Gold e será atualizado juntamente com as atualizações do chip, portanto acesse

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Heber A. Scachetti RA 004933 heber_augusto@yahoo.com.br RESUMO Este artigo apresenta algumas das principais características encontradas em

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX. Manual V2.2

Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX. Manual V2.2 Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX Manual V2.2 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200, orgulhosamente desenvolvido e fabricado no Brasil. Este é um produto de alta confiabilidade

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co.

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. Programação Daniel Corteletti Aula 2 Página 1/6 Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. O microcontrolador PIC16F877 pode ser encontrado em diversos encapsulamentos: PDIP, QFP,

Leia mais

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia Ltda não

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais