1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO"

Transcrição

1 1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO QUESTÃO 1 - Sobre o positivismo é CORRETO dizer que: P á g i n a 1 A. Para o positivismo a teoria do direito deve ser caracterizada por propriedades valorativas, prescindindo de propriedades descritivas. B. A ideia chave da obra Teoria Pura do Direito de Hans Kelsen se coloca no sentido da construção de uma análise epistemológica, ou seja, de uma teoria do conhecimento para análise do Direito que seja pura, distanciada de outros saberes. C. Para os positivistas não é fundamental a distinção entre o direito que é daquele que deve ser. D. Pode ser classificado em diferentes correntes: teológico, histórico e racionalista. E. Para Kelsen as definições propostas para o conceito de justiça são fundamentais na determinação do conceito de direito, eis que a justiça determina todo o conteúdo cognoscitivo dos ordenamentos jurídicos. QUESTÃO 2 - Quanto às afirmações abaixo, assinale a alternativa CORRETA I. I para Kelsen as condutas humanas só são objeto da ciência jurídica se forem II. III. IV. objeto de uma norma jurídica; II para Kelsen o fundamento de validade de uma norma jurídica só pode ser a validade de outra norma jurídica; III a norma hipotética fundamental kelseniana limita-se a atribuir poder a uma autoridade legisladora; IV o problema da justiça, para Kelsen, é o principal aspecto de análise da ciência jurídica. A. todas as afirmações são falsas; B. todas as afirmações são verdadeiras; C. apenas a alternativa I é verdadeira; D. apenas a alternativa IV é verdadeira; E. as alternativas I, II e III são verdadeiras.

2 P á g i n a 2 QUESTÃO 3 - Sobre o jusnaturalismo assinale a alternativa CORRETA: A. Para o jusnaturalismo há uma separação necessária entre o direito e a moral. B. Para reconhecer um sistema normativo como uma ordem jurídica ou uma regra como uma norma jurídica, não basta constatar que o sistema ou a regra em questão satisfazem certas condições fáticas, deve-se determinar também sua adequação principiológica a parâmetros de justiça. C. O jusnaturalismo reconhece a autonomia do direito em relação a axiomas de justiça, de modo que estes são históricos e contextuais. D. Os juízes possuem ampla liberdade para julgar, seja de acordo com a lei vigente em um local, ou de acordo com valores que entender adequados, desde que fundamentem suas decisões; E. Contemporaneamente a dicotomia direito natural X direito positivo está completamente ultrapassada. QUESTÃO 4 - Sobre a resolução das antinomias é CORRETO afirmar que: A. O critério cronológico prevalece sobre o hierárquico. B. Os juízes não têm qualquer obrigação em conservar as normas previamente instituídas no ordenamento, podendo inovar na aplicação das normas e no critério de resolução das antinomias. C. Quando é aplicado o critério da lei especial não acontece a eliminação total de uma das duas normas incompatíveis mas somente daquela parte da lei geral que é incompatível com a lei especial. D. O critério hierárquico é considerado um critério forte e os critérios cronológico e da especialidade são considerados fracos. E. Duas normas antinômicas podem conviver no ordenamento jurídico sem que essa antionomia precise ser resolvida.

3 P á g i n a 3 QUESTÃO 5 - Acerca das afirmações abaixo sobre os diferentes enfoques teóricos, marque a alternativa CORRETA : I. I a concepção dogmática concentra-se nas perguntas; II. II para tratar de premissas abertas, deve-se estudar o objeto de conhecimento por uma concepção zetética; III. III a concepção dogmática dá ênfase no sentido informativo da linguagem; IV. IV a concepção dogmática assume algo como pressuposto, tal qual um dogma. A. somente a alternativa II é correta; B. todas as alternativas são corretas; C. somente as alternativas II e IV são corretas; D. as alternativas I e IV são corretas; E. todas as alternativas são incorretas. QUESTÃO 6 - Tomando como base o pensamento de Hans Kelsen: A. É correto afirmar que os planos do ser e do dever ser, para Kelsen, confundem-se. B. Tanto as normas jurídicas, como as proposições jurídicas, são comandos imperativos e cogentes. C. Para Kelsen, a questão da justiça, por ser uma questão valorativa, situase fora da ciência do direito; D. As proposições jurídicas podem ser válidas ou inválidas, ao passo que as normas jurídicas serão sempre falsas ou verdadeiras. E. Segundo Kelsen a atividade do magistrado é absolutamente passiva, sendo o juiz a boca que pronuncia as palavras da lei.

4 P á g i n a 4 QUESTÃO 7 - Para Hans Kelsen, em sua obra Teoria Pura do Direito, é incorreto afirmar que: A. Kelsen procura libertar a ciência do direito de todos os elementos que lhe são estranhos, fundamentando uma ciência do direito autônoma. B. Segundo Kelsen a Norma Fundamental não é uma norma escrita, é uma norma necessariamente pressuposta. C. Kelsen defende e acredita na pureza do próprio direito, ou seja, para ele é possível um direito absolutamente puro. D. Kelsen acredita na possibilidade de uma pureza metodológica para a ciência jurídica. E. Uma preocupação fundamental de Kelsen é com a estrutura lógica das normas jurídicas e não com o conteúdo propriamente do direito. QUESTÃO 8 - Na obra Formação do Pensamento Jurídico Moderno, de Michel Villey, são consideradas como características típicas e gerais do pensamento jurídico moderno: A. Laicidade e Individualismo. B. Formalismo e Teocentrismo. C. Legalismo e Racionalismo. D. Antropocentrismo e Personalismo. E. Reicentrismo e Personalismo.

5 P á g i n a 5 QUESTÃO 9 - Para Paolo Grossi a Ordem Jurídica Medieval caracterizase fundamentalmente por ser: A. Um direito absolutista, baseado especialmente em atos de vontade de um monarca. B. Um direito sem a figura do Estado Nação e pluralista. C. Um direito monista, formalista e voluntarista. D. Um direito profundamente arbitrário, rústico e precário. E. Um direito individualista, corporativista e voluntarista. QUESTÃO 10 - De acordo com Paolo Grossi, em sua obra Primeira Lição sobre Direito, é correto afirmar: A. O direito, para Grossi, está diretamente relacionado à figura do Estado. Assim, para além desta conformação política (Estado) não há direito. B. Grossi defende e concorda com o absolutismo jurídico e suas consequências para o direito contemporâneo. C. Segundo Grossi, só há direito se houver sanção externa e institucionalizada. D. Grossi defende a ideia de resgatar os traços essenciais de humanidade e socialidade do direito. E. Para Grossi, o papel principal do historiador do direito é revelar a evolução temporal do direito e demonstrar a importância do direito presente. GABARITO: A E B C C C C A B D

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Correntes de pensamento que tem o objetivo de explicar a origem do direito; Cada uma afirma que o direito provém de uma fonte

Leia mais

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS Prof. Dr. João Carlos Medeiros de Aragão Currículo Lattes: Lattes.cnpq.br/49114444160 OBJETIVOS Objetiva-se apresentar a definição de Sistema Jurídico, com base

Leia mais

Teoria Geral do Direito

Teoria Geral do Direito Professor Alexandre Travessoni Teoria Geral do Direito Ponto 1.1: Conceito da norma jurídica A norma é um juízo prescritivo Para Kelsen, existe uma clara distinção entre SER e DEVER SER. 1. SER: Âmbito

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO lugafap@yahoo.com.br jlgabriel.blogspot.com POSITIVISMO JURÍDICO: O NORMATIVISMO DE HANS KELSEN BITTAR e ALMEIDA, Curso de Filosofia do

Leia mais

HANS KELSEN ( )

HANS KELSEN ( ) HANS KELSEN (1881-1973) TEORIA PURA DO DIREITO Contextualização: O Movimento para o Direito Livre estava em plena ascensão na Alemanha e parecia que o formalismo jurídico havia sido superado. A diversidade

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Contratos Internacionais à luz dos Princípios do UNIDROIT Soft law, Arbitragem e Jurisdição. Editora RENOVAR

Contratos Internacionais à luz dos Princípios do UNIDROIT Soft law, Arbitragem e Jurisdição. Editora RENOVAR LAURO GAMA JR. Doutor em Direito (Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, 2004). Master of Laws (Institute of Comparative Law, McGill University, Canadá, 1999). Mestre em Relações Internacionais

Leia mais

Biografia Básica. Austríaco. Judeu

Biografia Básica. Austríaco. Judeu Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico Revolução francesa. Liberdade, igualdade

Leia mais

ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1. A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana.

ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1. A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana. ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1 Ildemar Egger 2 A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana. Uma vez que, com as críticas ao positivismo

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Abreviaturas e siglas usadas. Apresentação

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Abreviaturas e siglas usadas. Apresentação ÍNDICE SISTEMÁTICO Abreviaturas e siglas usadas Apresentação Capítulo 1 Gênese do direito 1. Escola jusnaturalista ou do direito natural 1.1. Origem do jusnaturalismo 2. Escola teológica 2.1. Origem da

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina - INTRODUÇÃO AO ESTUDO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A aplicabilidade da norma jurídica frente o problema da revogação e o controle da constitucionalidade Rafael Damaceno de Assis SUMÁRIO: 1. Teoria da Norma Jurídica 2. Poder Constituinte

Leia mais

A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII. 1. O ordenamento jurídico como sistema:

A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII. 1. O ordenamento jurídico como sistema: A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII 1. O ordenamento jurídico como sistema: - No capítulo anterior ao falar da unidade do ordenamento jurídico, o autor demonstrou que esta pressupõe uma norma fundamental,

Leia mais

O NORMATIVISMO JURÍDICO DE HANS KELSEN: a norma jurídica como objeto da Ciência do Direito

O NORMATIVISMO JURÍDICO DE HANS KELSEN: a norma jurídica como objeto da Ciência do Direito O NORMATIVISMO JURÍDICO DE HANS KELSEN: a norma jurídica como objeto da Ciência do Direito Sulamita Crespo Carrilho Machado Professora Titular do Centro Universitário Newton Paiva Advogada RESUMO: Apresentação

Leia mais

AS PROPOSIÇÕES PRESCRITIVAS - VII

AS PROPOSIÇÕES PRESCRITIVAS - VII AS PROPOSIÇÕES PRESCRITIVAS - VII I. Um ponto de vista formal/norma como proposição: - o objeto do estudo a ser desenvolvido será a norma jurídica, na sua estrutura lógico-lingüistica, ou seja, que tipo

Leia mais

I Noções e Problemas Elementares

I Noções e Problemas Elementares Introdução ao Estudo do Direito I 1.º Ano Noite, 2015/ 2016 Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa PROGRAMA 1 I Noções e Problemas Elementares 1. Primeiros olhares; ideias geralmente associadas ao «direito»

Leia mais

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política S u m á r i o Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política CAPÍTULO I Filosofia do Direito I: O Conceito de Justiça, O Conceito de Direito, Equidade, Direito e Moral...3 I. O conceito

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

INTRODUZINDO O PENSAMENTO DE HANS KELSEN. Renata Salgado Leme¹

INTRODUZINDO O PENSAMENTO DE HANS KELSEN. Renata Salgado Leme¹ INTRODUZINDO O PENSAMENTO DE HANS KELSEN Renata Salgado Leme¹ Advogada, professora das disciplinas Filosofia Jurídica e Direitos Humanos, Doutora em Filosofia e Teoria Geral do Direito/USP. Resumo: O artigo

Leia mais

Exemplos das Normas sobre Fumo

Exemplos das Normas sobre Fumo Exemplos das Normas sobre Fumo Exemplo 1: CRFB determina que a vida humana é o bem maior a se proteger; LC determina que é proibido fumar; LO estabelece que é permitido fumar. (Localize-se! Volte à pirâmide:

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO DO TRIBUTÁRIO

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO DO TRIBUTÁRIO 1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO DO TRIBUTÁRIO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Quanto à sujeição passiva tributária, assinale a alternativa correta: A. O sujeito passivo é sempre aquele que pratica um fato signo-presuntivo

Leia mais

Norberto Bobbio. Prof. Nogueira

Norberto Bobbio. Prof. Nogueira Norberto Bobbio Prof. Nogueira Norberto Bobbio 3 e 4 Teoria da Norma Jurídica (item 3 do edital) Teoria do Ordenamento Jurídico (item 4 do edital) Variedade e Multiplicidade das Normas 3.1 Além das normas

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL 1. Sobre a chamada constitucionalização do Direito Civil, assinale a alternativa correta: A) A constitucionalização do Direito Civil preconiza,

Leia mais

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura:

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Data: 10/outubro/2011 Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: 1. O que é interpretação autêntica da lei? Critique-a do ponto de vista hermenêutico. (0,5

Leia mais

Verdade e Justiça em suas três dimensões

Verdade e Justiça em suas três dimensões Verdade e Justiça em suas três dimensões Carloto Rocha Pereira Pinto* Cristiane Martins Vilar Alves* Fabrício Oliveira de Lima Santos* Mariana Ferreira Vitor* Meire Ellem Diniz Costa Galvão* Raísa Valério

Leia mais

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos 6 Conclusão Foi visto no segundo capítulo que, de acordo com Raz, uma teoria dos sistemas envolve quatro questões diferentes: a questão de sua existência, de sua identidade, de sua estrutura e de seu conteúdo.

Leia mais

Professora Edna Ferraresi. Aula 2

Professora Edna Ferraresi. Aula 2 Aula 2 Escolas e Teorias Jus filosóficas Modernas: a Escola da Exegese: positivismo jurídico ideológico; redução do Direito à lei; "In Claris NON cessat interpretatio"; aplicação mecânica do Direito. Escolas

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 Escrita 10.º e 11.º de Escolaridade (Portaria n.º 207/2008, de 25 de Fevereiro - Cursos Tecnológicos de informática; Contabilidade

Leia mais

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Tercio Sampaio Ferrazjunior - INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Técnica, Decisão, Dominação 8ª Edição Revista e ampliada SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 1987 by Editora Atlas SA 1.ed. 1988; 2. ed. 1994;

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO 1 AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Movimento teórico de revalorização do direito constitucional, de uma nova abordagem do papel da constituição no sistema jurídico 2 Surgiu a partir da segunda metade do

Leia mais

Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA

Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com Graduado em Direito pelo Centro Universitário Eurípides de Marília - UNIVEM. Título da Monografia: Epistemologia do Processo de Conhecimento

Leia mais

Dogmática Jurídica. A função social da dogmática jurídica. por Irma Pereira Maceira outubro de 2009

Dogmática Jurídica. A função social da dogmática jurídica. por Irma Pereira Maceira outubro de 2009 Dogmática Jurídica A função social da dogmática jurídica. por Irma Pereira Maceira outubro de 2009 Artigo originalmente escrito para e publicado no Jornal Jurid, em outubro de 2009. Pág.! 2 de! 5 Dogmática

Leia mais

Os 10 Anos do Código Civil

Os 10 Anos do Código Civil Os 10 Anos do Código Civil 273 Viviane Tovar de Mattos Abrahão 1 INTRODUÇÃO A primeira questão que se coloca é a de se saber se, na verdade, temos um novo Código Civil ou se, ao contrário, uma atualização

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

EDITAL Nº 047/2010-DCV

EDITAL Nº 047/2010-DCV DIRETORIA DE CONCURSO VESTIBULAR EDITAL Nº 047/2010-DCV GABARITO PROVISÓRIO E CADERNO DE PROVA DA SEGUNDA ETAPA DO SEGUNDO PROCESSO SELETIVO DE 2010 PARA OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NA UNIOESTE, NO

Leia mais

Aula 3. LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO LINDB Dec. Lei n /42 Lei n /2010

Aula 3. LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO LINDB Dec. Lei n /42 Lei n /2010 Aula 3 LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO LINDB Dec. Lei n. 4.657/42 Lei n. 12.376/2010 Lei de introdução ao Direito Civil X Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Principais

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA

FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA CURSO DE DOUTORADO EM DIREITO Área de Concentração: Linha de Pesquisa: Disciplina: RETÓRICA JURÍDICA E FILOSOFIA DO DIREITO Professor: João Maurício Adeodato (Professor

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vigência e validade da lei Luiz Flávio Gomes * O Estado constitucional e democrático de Direito, que é muito mais complexo e garantista que o antigo Estado de Direito, caracteriza-se

Leia mais

DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL

DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL 1 Surgimento do Estado de Direito e o Direito Moderno Necessidade de ordenamento jurídico sob tutela do Estado. Criação de órgãos jurisdicionais.

Leia mais

MISAEL DUARTE A ANÁLISE DA OMISSÃO IMPRÓPRIA EM FACE DA ATUAÇÃO DO BOMBEIRO E AS CONSEQUÊNCIAS NA ESFERA CIVIL E PENAL

MISAEL DUARTE A ANÁLISE DA OMISSÃO IMPRÓPRIA EM FACE DA ATUAÇÃO DO BOMBEIRO E AS CONSEQUÊNCIAS NA ESFERA CIVIL E PENAL MISAEL DUARTE A ANÁLISE DA OMISSÃO IMPRÓPRIA EM FACE DA ATUAÇÃO DO BOMBEIRO E AS CONSEQUÊNCIAS NA ESFERA CIVIL E PENAL CURITIBA 2014 MISAEL DUARTE A ANÁLISE DA OMISSÃO IMPRÓPRIA EM FACE DA ATUAÇÃO DO BOMBEIRO

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Introdução ao Estudo do Direito Código TDI0011 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 1º II Ementário O direito como fenômeno social e universal.

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FILOSOFIA DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60110) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Autonomia da vontade é aquela sua propriedade graças à qual ela é para si mesma a sua lei (independentemente da natureza dos objetos do querer). O princípio

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CIVIL

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CIVIL 1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CIVIL P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - A respeito da propriedade e da posse, assinale a alternativa correta: A. As concepções doutrinárias que entendem a função social como limite

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura:

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Data: 27/junho/2014 Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: 1. Segundo uma certa teoria do direito (Viehweg; Ferraz Jr) existem diferentes enfoques teóricos

Leia mais

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO (Construção de normas jurídicas concretas a partir de fatos, normas jurídicas abstratas, enunciados normativos e valores) Aldemario Araujo Castro Mestre

Leia mais

Informação-Exame Final Nível de Escola para N.E.E. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Prova de Filosofia 10º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 225 2015 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ação humana e teoria do discurso

Ação humana e teoria do discurso Ação humana e teoria do discurso Prof. Dr. Luiz Vergilio Dalla-Rosa abril de 2006. A ação Humana Estrutura da ação humana Sujeito/Agente Ação Destinatário Finalidade Motivo e sentido da ação humana Eficácia/eficiência

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2015/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

Palavras- Chave: Norberto Bobbio, Hans Kelsen, justiça, validade, eficácia, normas jurídicas

Palavras- Chave: Norberto Bobbio, Hans Kelsen, justiça, validade, eficácia, normas jurídicas Justiça, validade e eficácia das normas jurídicas - uma comparação entre a Teoria da Norma Jurídica de Norberto Bobbio e a Teoria Pura do Direito de Hans Kelsen Resumo Isabel Helena Andrade Petruceli 1

Leia mais

2 A ATIVIDADE INSTRUTÓRIA DO JUIZ E OS SISTEMAS PROCESSUAIS

2 A ATIVIDADE INSTRUTÓRIA DO JUIZ E OS SISTEMAS PROCESSUAIS 15 2 A ATIVIDADE INSTRUTÓRIA DO JUIZ E OS SISTEMAS PROCESSUAIS O mundo contemporâneo apresenta-se unificado, principalmente, em razão da globalização. Já não se pode mais isolar um Estado de outro, todos

Leia mais

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Filosofia 2016 Prova 161 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA

LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA RENÉ DESCATES (1596-1650) HANS KELSEN (1881-1973) Kelsen pregava uma objetividade ao ordenamento jurídico, a tal ponto que o juiz, ao prolatar uma sentença, por exemplo,

Leia mais

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza?

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? O princípio básico da soberania popular, segundo Rousseau, é: a) o poder absoluto b) o poder do suserano c) a vontade de todos

Leia mais

História do Direito Português Turma A Regente: Prof. Doutor António Pedro Barbas Homem. Introdução

História do Direito Português Turma A Regente: Prof. Doutor António Pedro Barbas Homem. Introdução História do Direito Português 2015-2016 Turma A Regente: Prof. Doutor António Pedro Barbas Homem Introdução Capítulo 1 Idade Média Capítulo 2 Idade Moderna Capítulo 3 Idade Contemporânea: século XIX (1820-1910)

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular:HERMENÊUTICA E LÓGICA JURÍDICA Código: DIR 164 CH Total: 60h Pré-requisito: Metodologia

Leia mais

Uma proposição composta é uma contradição, se for sempre falsa, independentemente do valor lógico das proposições simples que a compõem.

Uma proposição composta é uma contradição, se for sempre falsa, independentemente do valor lógico das proposições simples que a compõem. Tautologia Uma proposição composta é uma tautologia, se for sempre verdadeira, independentemente do valor lógico das proposições simples que a compõem. Exemplos: Contradição Uma proposição composta é uma

Leia mais

Sumário. Introdução... 31

Sumário. Introdução... 31 Sumário Introdução..................................................................... 31 Parte I. Teoria e significado da igualdade jurídica............................ 33 Capítulo I. Teorias fundamentais

Leia mais

2. DA NORMA JURÍDICA AO ORDENAMENTO JURÍDICO

2. DA NORMA JURÍDICA AO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. INTRODUÇÃO Segundo Kelsen, estudar o direito é estudar a norma jurídica posta. O positivismo jurídico é uma dogmática jurídica Os dogmas do positivismo são: A Unidade: O direito funciona como um sistema

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM PLANO DE ENSINO 2017-1º Semestre CURSO: DIREITO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO SEMESTRE: 1º SEMESTRE DE 2017 TURNO: NOTURNO CARGA HORÁRIA: 40 h/a PROFESSOR Me. DANILO CÉSAR SIVIERO RÍPOLI

Leia mais

Guilherme de Souza Demaria

Guilherme de Souza Demaria Guilherme de Souza Demaria O USO DA HERMENÊUTICA NO CASO DO RECONHECIMENTO JURÍDICO DA UNIÃO HOMOAFETIVA (ADI 4277) NA COMPREENSÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A PARTIR DO POSITIVISMO E DO PLURALISMO JURÍDICO

Leia mais

TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS

TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS Aula 01 Apontar bases tecnológicas relacionadas VOCÊ CONCORDA COM ISSO? 1 CONTEXTUALIZAÇÃO O homem como ser social. O papel das organizações na vida em sociedade. As relações

Leia mais

DIREITO, PSICOLOGIA E

DIREITO, PSICOLOGIA E DIREITO, PSICOLOGIA E COMPORTAMENTO 1. Breve Introdução à Filosofia do Direito 2. Interfaces entre Direito e Psicologia 3. Conceitos Básicos da AC do Direito 4. A Análise Econômica do Direito Seminário

Leia mais

DIREITO. 08. URCA/ Não é um dos caracteres da Norma Jurídica: a) Unilateralidade; b) Bilateralidade; c) Generalidade; d) Coercitividade.

DIREITO. 08. URCA/ Não é um dos caracteres da Norma Jurídica: a) Unilateralidade; b) Bilateralidade; c) Generalidade; d) Coercitividade. DIREITO 01. URCA/2011.2 Sobre os Valores Jurídicos, indique a assertiva incorreta: a) Os valores jurídicos se apresentam em escala hierárquica dotada de rigidez, sendo, pois, impossível que se sacrifique

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO ANOTAÇÕES DA AULA 2

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO ANOTAÇÕES DA AULA 2 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO ANOTAÇÕES DA AULA 2 DIREITO E MORAL Direito Mundo da Cultura Realizações Humanas Regras para ordenar a vida em sociedade atividade valorativa. SISTEMA ORGANIZADO DE VALORES

Leia mais

Curso: Direito. Unidade Curricular: 2º Semestre Disciplina: Filosofia do Direito Turma: 2014/1

Curso: Direito. Unidade Curricular: 2º Semestre Disciplina: Filosofia do Direito Turma: 2014/1 UMC VILLA-LOBOS Curso: Direito PLANO DE AULA - PREVISTO Unidade Curricular: 2º Semestre Disciplina: Filosofia do Direito Turma: 2014/1 Tema: Verdade, Vontade e Consciência : conhecimento e moral no direito

Leia mais

4 A interpretação do Direito em Kelsen: A revelação da moral

4 A interpretação do Direito em Kelsen: A revelação da moral 4 A interpretação do Direito em Kelsen: A revelação da moral Como já buscamos evidenciar, no que diz respeito a discussão quanto à justiça, imprescindível se faz a referência de que o positivismo jurídico

Leia mais

3 O jusnaturalismo segundo Hans Kelsen

3 O jusnaturalismo segundo Hans Kelsen 3 O jusnaturalismo segundo Hans Kelsen Como pretendemos confrontar o positivismo de Kelsen com o Direito natural finissiano, torna-se imprescindível delimitarmos que, apesar de ambos os autores não serem

Leia mais

do Direito de Eugen Ehrlich. Curitiba: Juruá,

do Direito de Eugen Ehrlich. Curitiba: Juruá, RESENHA RESENHAS MALISKA, Marcos Augusto. Introdução à Sociologia do Direito de Eugen Ehrlich. Curitiba: Juruá, 2001 1. Maiquel Ângelo Dezordi Wermuth Eugen Ehrlich nasceu na Áustria em 1862. É um dos

Leia mais

INTERPRETAÇÃO JURÍDICA COMO ATO DE CONHECIMENTO E ATO DE VONTADE UMA ANÁLISE CRÍTICA ACERCA DA TEORIA INTERPRETATIVA DE HANS KELSEN

INTERPRETAÇÃO JURÍDICA COMO ATO DE CONHECIMENTO E ATO DE VONTADE UMA ANÁLISE CRÍTICA ACERCA DA TEORIA INTERPRETATIVA DE HANS KELSEN INTERPRETAÇÃO JURÍDICA COMO ATO DE CONHECIMENTO E ATO DE VONTADE UMA ANÁLISE CRÍTICA ACERCA DA TEORIA INTERPRETATIVA DE HANS KELSEN Cíntia Garabini Lages 1 Rafael Faria Basile 2 RESUMO O presente artigo

Leia mais

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética Analisa a ética enquanto influenciadora da conduta ideal e da conduta real dos indivíduos. Demonstra divergência doutrinária entre os conceitos de moral e ética, juízo de fato e juízo de valor e analisa

Leia mais

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÂO E CIÊNCIA DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia 10.º e 11.º

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL 1 ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL Wellington de Lucena Moura Mestrando em Filosofia Universidade Federal da Paraíba O objetivo deste trabalho é o exame das críticas à filosofia

Leia mais

Matrizes teóricas do pensamento jurídico

Matrizes teóricas do pensamento jurídico Matrizes teóricas do pensamento jurídico Do positivismo ao pós-positivismo Curso de Especialização IDDE Prof. Dr. Felipe Magalhães Bambirra fmbambirra@gmail.com www.felipebambirra.com.br O positivismo

Leia mais

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar:

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL P á g i n a 1 Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: a) O fato punível praticado sob coação irresistível é capaz de excluir

Leia mais

Sociológico Político Jurídico

Sociológico Político Jurídico A CONSTITUIÇÃO Sociológico Político Jurídico Ferdinand Lassalle; Soma dos fatores reais de poder; A Essência da Constituição / O Que é Constituição? Constituição escrita é uma simples folha de papel. Carl

Leia mais

O Direito e o Pensamento Jurídico. Programa (versão provisória) Rui Pinto Duarte

O Direito e o Pensamento Jurídico. Programa (versão provisória) Rui Pinto Duarte O Direito e o Pensamento Jurídico Programa (versão provisória) Rui Pinto Duarte 2011/2012 1. Ideia Geral de Direito 1.1. Sentidos da palavra direito 1.2. Perspectivas sobre o direito; adopção de uma perspectiva

Leia mais

Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Bateria de Questões Cespe. Prof. Dicler Forestieri

Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Bateria de Questões Cespe. Prof. Dicler Forestieri Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Bateria de Questões Cespe Prof. Dicler Forestieri LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO Professor Dicler Forestieri Ferreira EXERCÍCIOS DA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO CIVIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO CIVIL 1. Estrutura do direito civil e Evolução Histórica. O direito civil e relações privadas. A estrutura do direito civil é fácil, é binária, se divide em (I) parte geral e (II) parte especial. A evolução

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

Colômbia proíbe juízes de citar e usar a Bíblia nos seus julgamentos

Colômbia proíbe juízes de citar e usar a Bíblia nos seus julgamentos Depois de uma recente decisão do Tribunal Constitucional da Colômbia, os funcionários públicos que estão no exercício das suas funções não podem citar passagens da Bíblia. Esta decisão surge quando o supremo

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES TEORIA GERAL DO DELITO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Introdução 1.1 - Infração penal no Brasil O Brasil é adepto do sistema dualista ou dicotômico, ou seja, divide a infração penal em duas espécies:

Leia mais

ArvssoN Lpextno MascARo. Introduçáo. aoestudo. dodireito. 3a EorçÃo. são pruro EDITORAATLAS S.A. - 2OI2

ArvssoN Lpextno MascARo. Introduçáo. aoestudo. dodireito. 3a EorçÃo. são pruro EDITORAATLAS S.A. - 2OI2 ArvssoN Lpextno MascARo Introduçáo aoestudo dodireito 3a EorçÃo são pruro EDITORAATLAS S.A. - 2OI2 @ 2010 by Editora Atlas S.A. 1. ed. Quartier Latin; 2. ed.2ott;3. ed.2o72 Capa: Leandro Guerra Composíção;

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV I A pluralidade dos ordenamentos: - Um outro problema pertinente ao ordenamento jurídico é o das relações entre ordenamentos. Assim, para que possamos falar

Leia mais

A DOUTRINA JUSNATURALISTA OU DO DIREITO NATURAL: Uma Introdução

A DOUTRINA JUSNATURALISTA OU DO DIREITO NATURAL: Uma Introdução A DOUTRINA JUSNATURALISTA OU DO DIREITO NATURAL: Uma Introdução ENSAIO Gilmar Antonio Bedin Doutor em Direito do Estado pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC e professor da Unijuí e da URI.

Leia mais