Soldabilidade dos Aços Inoxidáveis Soldabilidade dos Aços Inoxidáveis Austeniticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soldabilidade dos Aços Inoxidáveis Soldabilidade dos Aços Inoxidáveis Austeniticos"

Transcrição

1 Soldabilidade dos Aços Inoxidáveis Soldabilidade dos Aços Inoxidáveis Austeniticos Ramón Sigifredo Cortés Paredes LABATS DEMEC UFPR

2

3 Aços inoxidáveis: Austeníticos Tipo %C (máx.) %Cr %Ni %Mn (máx.) %Si (máx.) outros 201 0, ,5 5,5 5,5 7,5 1,0 até 0,25%N 301 0, ,0 1, , ,0 1, , ,5 2,0 1,0-304L 0, ,0 1,0-304N 0, ,5 2,0 1,0 0,16-0,30%N 316 0, ,0 1,0 2 3%Mo 316L 0, ,0 1,0 2 3%Mo 317 0, ,0 1,0 3 4%Mo 321 0, ,0 1,0 %Ti = 5 x %C 347 0, ,0 1,0 %Nb = 10 x %C 310 0, ,0 1,5-310S 0, ,0 1,5 -

4

5

6

7

8

9 Esquemas de estruturas de solidificação de aços inoxidáveis a solidificação começa com a precipitação da ferrita delta primária com morfologia dendrítica. No caso 3 a região interdendrítica é formada por um eutético separado, composto por austenita e ferrita delta. Durante o resfriamento posterior, a austenita do eutético cresce consumindo parte da ferrita eutética e da ferrita primária por meio da transformação de fases no estado sólido, controlada pela velocidade de resfriamento.

10 ESQUEMAS DE ESTRUTURAS DE SOLIDIFICAÇÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS Nos aços da série AISI/ASTM que tem uma relação entre o cromo equivalente e níquel equivalente menor que 1,48 (Cr eq /Ni eq <1,48) solidificam em austenita primaria. A morfologia da ferrita interdendrítica é do tipo vermicular, típica das estruturas de fundição. Impurezas, como o enxofre, aparecem segregadas fortemente na forma interdendrítica. 1,48 Cr eq /Ni eq 1,95 3b, 3c e 3d mostram precipitações de austenita do tipo Wismanstaten, gerando uma estrutura formada por placas de austenita e ferrita delta retida entre as placas

11 ESQUEMAS DE ESTRUTURAS DE SOLIDIFICAÇÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS Quando a relação Cr eq /Ni eq é maior que 1,95, a fase primária é ferrita delta, nucleando na austenita só no estado sólido preferentemente nos contornos de grão, geralmente o crescimento da austenita é em forma de placas através dos grãos primários, como mostra o caso 4 da Figura. O resultado é uma estrutura de placas de austenita com ferrita delta retida A característica principal da solidificação em fase ferrítica se relaciona com a distribuição do enxofre, que resulta mais uniforme dentro dos grãos primários. As relações de Cr eq /Ni eq que delimitam a aparição dos diferentes tipos de morfologias da ferrita, associados com as diferentes formas de solidificação, podem ser modificados em função da velocidade de resfriamento.

12 ESQUEMAS DE ESTRUTURAS DE SOLIDIFICAÇÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS Principais elementos estruturais presentes no metal de solda de aços austeníticos: Originados durante a solidificação: - Austenita primária (%) - Ferrita delta primária (% e localização) - Ferrita delta eutética (% e localização) - Microsegregação (conteúdo de P + S e distribuição) - Inclusões não metálicas (tipo, tamanho e distribuição). Originados durante as transformações de fase em estado sólido: - Austenita poligonal (% de austenita em contorno de grão + austenita poligonal) - Placas de austenita (%)

13

14

15 Trinca de Solidificação

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29 H V I v S O aporte de calor tem relação direta com o tamanho da poça de fusão, com a largura da regiões aquecidas ZTA e com as transformação da estrutura que possam ocorrer nessas regiões. Na soldagem dos aços inoxidáveis é possível prever o tempo de resfriamento entre 1200 e 800 ºC em função da energia de soldagem utilizada.

30 Tempo de resfriamento entre 1200 o C e 800 o C: v R t 12/ 8 f ( e, H, T dt vr o, C...) Fonte: A. J. Ramiréz-Londono, S. D. Brandi, Soldagem & Inspeção, ano 3, vol. 4 (1996) pp

31

32

33

34

35

36 Trinca de Solidificação segregação T1 = Tensão gerada pela expansão térmica T2 = Tensão de contração gerada pela solidificação T1 > T2 Trinca

37 Trinca de Solidificação

38 Trinca de Solidificação

39 Trinca de solidificação na cratera e não cordão de solda

40 Trinca de Solidificação Trinca a quente Ocorre no metal de solda devido à segregação de impurezas (S,P,C,...). Se agrava com o aumento do aporte de calor. Para evitá-la o metal de solda deve conter de 3 a 8% de ferrita delta. Consumíveis com alto Mn também são recomendados.

41 EFEITO DA FERRITA DELTA Há pelo menos duas explicações para o efeito benéfico da ferrita delta: 1 ela tem maior capacidade de se deformar em altas temperaturas, o que seria importante para aliviar as tensões geradas durante o processo; e 2 mesmo em percentuais de 5 a 10%, há um efeito de refino de grão, impedindo que se obtenha uma estrutura de grãos colunares com alta concentração de elementos deletérios. Ferrita em solda de aço inoxidável austenítico

42 EFEITO DA FERRITA DELTA Outros efeitos da ferrita delta no cordão de solda são o aumento da resistência mecânica e a diminuição da tenacidade. Ela também provoca o aumento da resistência à corrosão sob tensão por cloretos. Por outro lado, aços contendo Mo (AISI 316 e 317) sofrem corrosão seletiva da ferrita quando em contato com uréia aquecida e, se utilizados em altas temperaturas, experimentam a formação de fase sigma a partir da ferrita rica em Cr. 42

43 Recomendações para evitar ou minimizar a trinca a quente -Utilizar aporte de calor adequado e controlar a largura e a forma do cordão. - reduzir ao máximo a diluição para evitar introduzir contaminação do metal de base na solda. - se possível reduzir a restrição ou realizar uma almofada com o próprio consumível antes de soldar com restrição. - se possível utilizar consumível bifásico em ligas monofásicas, mas tendo cuidado principalmente com a resistência à corrosão.

44

45

46

47

48 SENSITIZAÇÃO EM SOLDAS MULTIPASSE Regiões da ZTA experimentam temperaturas na faixa de sensitização. O problema pode se agravar com o aumento do aporte de calor e em operações de soldagem multipasse 24.0 m 12.0 m

49 SENSITIZAÇÃO EM SOLDAS Tampa de Bolier: AISI 304 para aquecimento de água para piscina

50 SENSITIZAÇÃO EM SOLDAS Corrosão intergranular na Tampa de Bolier de aço AISI 304 para aquecimento de água para piscina

51 CORROSÃO EM SOLDAS Diversos tipos de corrosão na soldagem na Tampa de Bolier de aço AISI 304 para aquecimento de água para piscina

52 Trincas e Corrosão intergranular

53 Medidas para se evitar a corrosão intergranular nos aços inoxidáveis austeníticos: - Regenerando um aço sensitizado o C 1100 o C resfriamento em água o C (healing) - Utilizando aços com baixo teor de carbono ( L ): - 304L, 316L, 317L (%C < 0,03%) - Reduzindo o teor de carbono retarda-se a cinética de precipitação dos carbonetos - Utilizando aços estabilizados ao Ti (AISI 321) ou Nb (AISI 347): - O Nb e o Ti formam carbonetos (NbC e TiC) evitando a formação dos carbonetos de cromo (Cr 23 C 6 ). - Estes aços devem passar por um tratamento de estabilização após a soldagem ou antes da utilização na faixa de 600 o C a 700 o C.

54 Problemas relacionados à soldagem dos aços estabilizados ao Ti/Nb Corrosão risco de faca Trinca de reaquecimento Como realizar o tratamento de estabilização após a soldagem?

55 MEDIDAS PARA SE EVITAR A CORROSÃO INTERGRANULAR NOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS: - O tratamento térmico de estabilização deve provocar a precipitação de NbC ou TiC, retirando todo o carbono de solução sólida - O tratamento térmico de estabilização deve ser feito na faixa de 850 o C a 950 o C.

56 TENSÕES RESIDUAIS O nível de tensões residuais em aços inoxidáveis austeníticos pode ser bem alto devido a esta classe de materiais apresentar um coeficiente de expansão elevado Este é um problema que pode provocar o surgimento de trincas de corrosão sob tensão durante o uso. Tratamentos térmicos de alívio de tensões em aços inoxidáveis austeníticos, entretanto, não são de fácil realização, pois requerem temperaturas elevadas (>900 o C) para serem efetivos e se evitar a sensitização. No setor nuclear, para certos usos, tais tratamento são especificados, selecionando-se aços estabilizados ao Ti ou Nb.

57 ALÍVIO DE TENSÕES RESIDUAIS Alívio de Tensões Térmico [forno, chama, aquecimento indutivo] Mecânico [martelamento, shot peening]

58 SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENITICOS Previsão da soldabilidade dos aços inoxidáveis austeniticos 58

59

60

61 DIAGRAMA DE SHAEFFLER

62 Exemplo de utilização do diagrama de Shaeffler: Soldagem dissimilar de um aço SAE 4340 (aço baixa liga de alta temperabilidade) com eletrodo austenítico. Selecionar o eletrodo mais apropriado entre os tipos AWS 308L, 309L, 309MoL e 312, considerando um processo de soldagem com diluição de 25%. Material %Cr %Mo %Ni %C %Nb %Si %Mn Ni eq. Cr eq. Figura SAE4340 [1] 1,85 0,25 0,80 0,40-0,03 0,40 7,0* 2,15 1 AWS308L [2] 19,5 0,5 10, ,90 1,5 12,15 21,35 2 AWS309L [3] 23,5 0,5 13,0 0,03-0,90 1,5 14,65 25,35 3 AWS309MoL [4] 23,5 2,5 13,0 0,03-0,90 1,5 14, AWS312 [5] 29,0 0,5 9,25 0,10-0,90 1,5 13,00 30,85 5 Exercício: a) Qual o objetivo de se utilizar um eletrodo de aço inox austenítico para soldar um aço SAE 4340? b) Existe alguma desvantagem neste procedimento?

63 CONTINUAÇÃO EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO DO DIAGRAMA DE SHAEFFLER Com o eletrodo AWS 308L obtém-se uma microestrutura de martensita e austenita, não recomendada por ser susceptível à trinca a frio. Com o eletrodo AWS 309L obtém-se uma estrutura quase que totalmente austenítica, contendo menos que 5% de ferrita delta e, portanto, susceptível a trinca a quente. O eletrodo AWS 309MoL fornece uma estrutura de austenita com 10% de ferrita delta, que é considerada ideal. O eletrodo AWS 312 neste caso vai fornecer uma estrutura contendo cerca de 15% de ferrita delta teor já considerado elevado demais

64 CONTINUAÇÃO EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO DO DIAGRAMA DE SHAEFFLER

65 Diluição na Soldagem 65 A = A2 B = A1

66 Diluição na Soldagem Processo Diluição [%] Observações Brasagem 0 Neste processo não funde o metal de base Oxigas 1-5 Com material de aporte Eletroescória 5 Eletrodo revestido 30 Primeira passada em junta a topo com chanfro Eletrodo revestido Passadas seguintes Arco submerso 60 Resistência 100 Não tem material de aporte MIG TIG 20-30

67 SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS 67 Autor Ano Cromo equivalente [%] Níquel Equivalente [%] Schaeffler 1949 Cr + Mo + 1,5Si + 0,5 Nb Ni + 0,5Mn + DeLong et al Cr + Mo + 1,5Si + 0,5 Nb Ni + 0,5Mn N Hull 1973 Hammar e Svennson Siewert et al. WRC Cr + 1,21Mo + 0,48Si + 0,14Nb + 2,27V + 0,72W + 2,20Ti + 0,21Ta + 2,48Al Ni + (0,11Mn 0,0086Mn 2 ) + 14,2N + 0,41Co + 0,44Cu 1979 Cr + 1,37Mo + 1,5Si + 2Nb + 3Ti Ni + 0,31Mn ,2N + Cu 1992 Cr + Mo + 0,7Nb Ni N + 0,25Cu

68 Diagrama de DeLong

69 Diagrama WRC-1992 Permite prever a estrutura da poça de solidificação que utiliza os cálculos de Creq. e Nieq. Ainda neste diagrama observa-se 4 formas de solidificação: A = austenita como fase primária e monofásica, F = ferrita como fase primária e monofásica, AF = austenita primária e um eutético de austenita e ferrita no espaço interdendritico, FA = ferrita primária e um eutético de austenita e ferrita no espaço interdendritico.

70 DIAGRAMA WRC-1992 Finalmente, o efeito do cobalto não é considerado pelos diagramas de Schaeffler e WRC. No entanto o cobalto é um importante elemento para a resistência à cavitação. Assim desenvolveu-se, a partir do diagrama de Schaeffler, o diagrama de Hull que inclui o cobalto e o manganês. Nieq = Ni + (0,11Mn 0,0086Mn 2 ) ,2N + 0,41Co + 0,44Cu Creq = Cr + 1,21Mo + 0,48Si + 0,14Nb + 2,27V + 0,72W + 2,20Ti + 0,21Ta + 2,48Al

71 Normas de eletrodos

72 CONSUMÍVEIS AWS C Cr Ni Mo Mn Si P S Cu E E E308L E308MoL E E309L E309MoL E E E

73 CONSUMÍVEIS (seleção) Metal de base Metal de adição recomendado AISI UNS 1 a opção 2 a opção 201 S / 308L 316L 202 S / 308L 316L 301 S / 308L 316L 302 S / 308L 316L 304 / 304L S30400 / S / 308L 316 / 316L 316 / 316L S31600 / S / 316L S S S Se * S Mo

74 PREPARAÇÃO E LIMPEZA 74

75 DIAGRAMA DE SHAEFFLER E CrEQ E NiEQ DE ELETRODOS

76 DIAGRAMA DE DELONG E CrEQ E NiEQ DE ELETRODOS

77 PREVISÃO DA FERRITA DELTA % δ = 3 (Creq 0,93 Nieq 6,7) 77

78 Desvantagens de um alto teor de ferrita delta - Precipitação de nitreto de cromo na ferrita queda de tenacidade e de resistência à corrosão (?) - Perda parcial do efeito de refino de grão da estrutura bifásica queda de tenacidade. Medidas para se evitar - Utilização de arames de soldagem com + alto teor de elementos austenitizantes. - Adição de nitrogênio (2-3%) ao gás de soldagem. - Controle do aporte de calor (não pode ser muito baixo). - (Temperatura de pré-aquecimento)

79 Desvantagens de um alto teor austenita: - Se associada a um resfriamento muito lento, pode ocorrer fase sigma e/ou carbonetos de cromo na austenita; - Mesmo que se precipitem fases deletérias, o excesso de austenita pode causar perda de resistência à corrosão sob tensão, pois a austenita é a fase susceptível a este problema. Medidas para se evitar: - Controle do aporte de calor (não pode ser muito alto)

80 Procedimento de Soldagem: Fatores importantes - Projeto de junta - Processo de Soldagem - Aporte de calor - Consumível - Pre-aquecimento - Pós-aquecimento - Controle da temperatura interpasse - Alívio de tensões

81 PROCEDIMENTO DE SOLDAGEM Problemas de soldabilidade: - Susceptibilidade à formação de trincas a quente. - Perda de resistência à corrosão intergranular para soldas com ligas com C (0.20%) se o ciclo térmico for muito lento. - Possível perda de resistência a meios agressivos pela presença de Ferrita Delta elevado. - Perda de tenacidade no trabalho criogênico ou trabalho a quente pela presença de grande quantidade de ferrita delta. 81

82 Projeto da Junta Depende muito da Aplicação - estrutural, componente mecânico, componente pressurizado; - componente sujeito ao calor, componente sujeito à corrosão; - área de vedação, área de desgaste ou de corrosão. O projeto de uma junta que vai estar exposta a meio agressivo deve prever raiz rasa (sem frestas), adoçamento quando possível.

83 Processo e procedimento de soldagem Processo de soldagem processos com proteção gasosa são os mais adequados, embora outros processos possam ser utilizados. Posição de soldagem influencia a penetração e sempre que possível deve-se adotar a posição plana. T de preaquecimento e de interpasse influenciam diretamente nas características de troca de calor e devem ser bem controlados. Aporte de calor o controle de aporte de calor somente é requerido para revestimentos ou quando se requer tenacidade, mas deve ser controlado quando se requer obter resistência à corrosão.

84 Consumíveis em termos de resistência à corrosão deve-se dar especial atenção às características dos consumíveis e a soldagem similar é sempre preferida. [segundo a agressividade do meio corrosivo ligas de níquel]. Técnica de soldagem alguns processos variam muito as características metalúrgicas em função da forma de soldagem Pós-aquecimento, alívio de tensões quando a união soldada seja submetido à corrosão sob tensão

85 AÇOS INOXIDÁVEIS ESPECIAIS SÚPER-AUSTENÍTICOS 904L AUSTENITA SÚPER-AUSTENITICO

86 Aços inoxidáveis súper-austeníticos AISI 904L O aço inoxidável súper-austenítico AISI 904L com 25 % Ni e 20 % Cr com adições de molibdênio (4 a 4,8%) e cobre (entre 1 e 2 %). Distingue-se pela sua excelente resistência à corrosão localizada, à corrosão por pites, à corrosão galvânica e em forma especial à corrosão em ambientes fortemente agressivos. É especialmente empregado em meios sulfurosos, fosfóricos, hidroclóricos, na indústria de fertilizantes, instalações offshore, indústria química e petroquímica, assim como também na produção de papel e celulose. A adição de cobre melhora a resistência à corrosão nos meios ácidos

87 Soldabilidade dos aços SuperAusteniticos Algumas dificuldades ocorrem nestes aços quando soldados: Pode ocorrer trincas a quente, - sensitização, - formação de fase sigma e segregação, que podem afetar as propriedades mecânicas e a resistência à corrosão. Nos aços súper-austeníticos, a estrutura austenítica estável, é produzida pelo elevado teor de níquel e controle do teor de nitrogênio, a desvantagem deste tipo de estrutura é que ela só pode ser obtida por solidificação primária da austeníta, o que incrementa a tendência à fissuração a quente.

88 SOLDABILIDADE DOS AÇOS SUPERAUSTENITICOS Esse fenômeno, associado à segregação de constituintes de baixo ponto de fusão, é acentuado pelo maior coeficiente de dilatação da rede cristalina austenítica, que produz no material grandes esforços de contração térmica, o que facilita a fissuração a quente na forma de trincas de solidificação no metal de solda, ou como trincas de liquação na zona termicamente afetada (ZTA), seja no metal de base como na zona fundida de uma soldagem multipasse. 88

89 SOLDABILIDADE DOS AÇOS SUPERAUSTENITICOS As trincas de liquação são favorecidas pelo crescimento da ZTA, aumenta a segregação nos contornos de grão, fases de baixo ponto de fusão, e na região parcialmente fundida apresenta segregação do Mo. Com relação à precipitação da fase sigma ( ), se o Cr equivalente for > 17,8 % é esperada a precipitação da fase e se o aço contiver Mo também pode precipitar a fase qui ( ). As fases e são consideradas negativas para as propriedades mecânicas e corrosivas dos aços súper-austeníticos.

90 SOLDABILIDADE DOS AÇOS SUPERAUSTENITICOS (a) Microestrutura da zona de ligação mostrando a formação das microtrincas de liquação, (a) Soldagem com eletrodo revestido e (b) Soldagem MIG/MAG (b)

91 Tabela 1. Composição química do metal de base e eletrodos. Composição [%] C Cr Ni Mo Cu Mn Si P S Metal base* 0, ,0 0,5 0,03 0,01 ER1 0,02 20,3 25,1 3,5 2,0 2,0 0,6 0,02 ER2 0,25 20,0 25,5 4,8 1,5 1,0 0,9 ND ND MIG1 0,13 20,0 25,0 4,5 1,5 1,7 0,4 ND ND MIG2 Dados do fabricante do aço; ** 0.07% Nitrogênio; ND = não determinado. 0,02* * 0,02 20,0 25,0 4,5 1,5 1,7 0,35 ND ND

92 SOLDABILIDADE DOS AÇOS SUPERAUSTENITICOS 92

93 Bibliografia Consultada [1] Márcio de Almeida Ramos, Metalurgia, Edição da PETROBRAS [2] Paulo J. Modenesi, Soldagem dos Aços Inoxidáveis,Ed. Senai. [3] Frederick N. Rhines, Phase Diagrams in Metallurgy - their development and application, McGraw Hill, [4] ASM Handbook Heat Treatments [5] Apostila Tensões Residuais em soldagem curso de formação de Eng. Inspeção PETROBRAS [6] Tarcísio Reis de Oliveira. Curso de Especialização em Soldagem UFU [7] Pedro Silva Teles, Tubulações Industrias - Materiais, projeto e desenho [8] R. Columbier e J. Hochmann, Aceros Inoxidables Aceros Refractarios, Ediciones Urmo / Bilbao [9] Béla Leffler, Stainless stainless steel and their properties [10] A. F. Padilha, Aços Inoxidáveis Austeníticos, Ed. Hemus, 1994

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR 1 Diagrama de Schaeffler (1) Formação de trincas de solidificação ou

Leia mais

Soldagem de Aços Inoxidáveis

Soldagem de Aços Inoxidáveis Soldagem de Aços Inoxidáveis Conceito de Soldabilidade Previsão da soldabilidade Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR Soldagem de Aços Inoxidáveis A Americam Welding AWS define Soldabilidade

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 METALURGIA DA SOLDAGEM A JUNTA SOLDADA Consiste: Metal de Solda, Zona Afetada pelo Calor (ZAC), Metal

Leia mais

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III Eng. Ricardo Fedele, MSc. Engenheiro de Aplicação da Boehler Thyssen Técnica de Soldagem Ltda Prof. do Dep. de Eng. Mecânica e Metalúrgica da Escola

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico Ronaldo Paranhos Esta é uma aplicação muito comum na indústria. Os motivos para esta grande utilização incluem, do lado dos aços carbono e C-Mn de grau estrutural, o seu menor custo em relação aos aços

Leia mais

Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor

Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor Soldadura de Aços Inoxidáveis e Resistentes ao Calor Cn > 11% Resistência à corrosão Forma-se uma película de óxido de crómio superficial que não permite a oxidação do material no interior. Ni, Mo, Cu,

Leia mais

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira Aços Inoxidáveis Aços inoxidáveis Aços de alta liga específicos para a resistencia a corrosão Principal elemento de liga: Cr normalmente superior a 12% Cr forma um fino filme de óxido de Cr aderente a

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Trabalho de solidificação Soldagem João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Introdução A soldagem é um processo de fabricação, do grupo dos processos de união, que visa o revestimento,

Leia mais

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS Prof. Dr. Vicente A. Ventrella UNESP Campus de Ilha Solteira C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS 1. Introdução 2. Terminologia de Soldagem 3. Simbologia de

Leia mais

Soldagem dos Aços Inoxidáveis Austeníticos

Soldagem dos Aços Inoxidáveis Austeníticos Soldagem dos Aços Inoxidáveis Austeníticos Prof. Valtair Antonio Ferraresi FEMEC/UFU Aços Inoxidáveis Austeníticos Os aços inoxidáveis austeniticos formam o maior grupo de aços inoxidáveis em uso, representando

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Aspectos Térmicos da Soldagem

Metalurgia da Soldagem Aspectos Térmicos da Soldagem Metalurgia da Soldagem Aspectos Térmicos da Soldagem Neste texto você conhecerá os aspectos térmicos relacionados com o processo de soldagem, que compreendem a Energia, o Ciclo Térmico, a Repartição Térmica

Leia mais

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire PHYWELD 625 Baixo Carbono - Baixo Ferro - Elementos de liga Níquel-Cromo-Molibdênio-Nióbio PHYWELD 625 offers > Destacada resistência à corrosão em diversos meios. > Resistência à corrosões localizadas

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães SOLDAGEM TIG Prof. Dr. Hugo Z. Sandim Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães Soldagem TIG Processo de soldagem TIG Fonte: www.infosolda.com.br e Welding Metallurgy

Leia mais

Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis

Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis Aços inoxidáveis Aços de alta liga contendo ao menos 10% Cr Originados no início do século XX Stainless Steel Aço sem mancha Principal característica: resistência

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni))

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) Ligas à base de Fe, com um mínimo de 11%Cr em solução para prevenir a corrosão Podem apresentar estrutura ferrítica, austenítica, martensítica, ou mista, consoante às % de

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A ArcelorMittal Inox Brasil Inoxidável Ferrítico ACE P444A transformando o amanhã 2 3 ACE P444A Tabela I Composição Química C Mn P S Si Cr Ni Outros 0,025 1,00 0,040 0,030 1,00 17,5-19,5 1,00 0,2+4(C+N)

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 70 CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 71 DESCONTINUIDADES MAIS FREQÜENTES NAS OPERAÇÕES DE SOLDAGEM Podemos definir descontinuidade como sendo uma interrupção das estruturas típicas de uma junta

Leia mais

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO AÇO-CARBONO Aço é a liga ferro-carbono contendo geralmente 0,008% ate aproximadamente 2,11% de carbono. AÇO-LIGA Aço que contem outros elementos de liga ou apresenta os teores residuais acima dos que são

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

Eletrodos Inoxidáveis

Eletrodos Inoxidáveis Eletrodos Inoxidáveis ÍNDICE ELETRODOS INOXIDÁVEIS... 1 CÁLCULO DE FERRITA O DIAGRAMA DE DE LONG... 6 ARMAZENAGEM DE ELETRODOS INOXIDÁVEIS EM EMBALAGENS ABERTAS.. 10 SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS COM ELETRODOS

Leia mais

Microdureza de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205

Microdureza de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Projeto de iniciação científica Microdureza de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Relatório final 27/02/2003 Bolsista: Luciane Emi Oiye e-mail: luciane_oiye@hotmail.com Orientador: Prof. Dr.

Leia mais

Revestimentos e Metalização

Revestimentos e Metalização Revestimentos e Metalização Conteúdo Iniciação à engenharia de superfície (conceitos e aplicações); Revestimento x tratamento de superfícies; Aspersão térmica a gás fundamentos, processos, equipamentos,

Leia mais

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J.

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX 2205 S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. Marcelo Av. dos Trabalhadores, n 420, Vila Santa Cecília, Volta Redonda,

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

SOLDAGEM MULTIPASSE DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 POR ELETRODO REVESTIDO.

SOLDAGEM MULTIPASSE DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 POR ELETRODO REVESTIDO. SOLDAGEM MULTIPASSE DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 POR ELETRODO REVESTIDO. Eng. Ricardo Fedele, MSc. Engenheiro de Aplicação da Boehler Thyssen Técnica de Soldagem Ltda Prof. do Dep. de Eng. Mecânica

Leia mais

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 1 3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO O processo de soldagem com eletrodo revestido é um processo no qual a fusão do metal é produzida pelo aquecimento de um arco elétrico, mantido entre a ponta

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

Soldabilidade do Aço Inoxidável

Soldabilidade do Aço Inoxidável Soldabilidade do Aço Inoxidável Introdução Os aços inoxidáveis são um grupo de aços de alta liga que contêm pelo menos 12% de crómio. Em geral, são ligados por um número de outros elementos que os tornam

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES Prof. Dr. Anael Krelling 1 São mapas que permitem prever a microestrutura de um material em função da temperatura e composição de cada componente; Informações sobre fenômenos de fusão,

Leia mais

SOLDABILIDADE DO AÇO INOXIDÁVEL FERRÍTICO

SOLDABILIDADE DO AÇO INOXIDÁVEL FERRÍTICO 16º POSMEC Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica SOLDABILIDADE DO AÇO INOXIDÁVEL FERRÍTICO Demostenes Ferreira Filho Universidade Federal de Uberlândia UFU/FEMEC, Av. João

Leia mais

Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205

Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Projeto de iniciação científica Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Relatório Final Bolsista: Clemente Kuntz Sutto e-mail:

Leia mais

METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA.

METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA. METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA ENGENHARIA MECÂNICA Prof.(a) : Graziele Braga Email: grazi_gbraga@hotmail.com Betim 2016 DIAGRAMAS DE EQUILÍBRIO Fases presentes Composição dessas fases

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO. A.S.D Oliveira

SOLIDIFICAÇÃO. A.S.D Oliveira SOLIDIFICAÇÃO Temperatura de fusão = T de solidificação? L L interface S G1 G2 = G1+ G G Gv T Gsólido Glíquido T Tf T Nucleação homogênea G 2 =V S G v + V L G V +A SL SL Para uma particula esférica: G

Leia mais

Soldagem I Lista de Exercícios

Soldagem I Lista de Exercícios Soldagem I Lista de Exercícios 1. Defina soldagem com base em (a) suas características operacionais e (b) seus mecanismos de união. (c) Dois blocos de gelo colocados em contato com uma pequena pressão

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

Grupo I Caso Prático (10 valores) tempo estimado: 1h05min

Grupo I Caso Prático (10 valores) tempo estimado: 1h05min 1ª Época 24 de Janeiro de 2009 Complementos de Tecnologia Mecânica Mestrado em Engenharia Mecânica Professor Pedro Vilaça 1º Semestre do ano lectivo 2008/2009 Duração: 2h00 Grupo I Caso Prático (10 valores)

Leia mais

Estudo comparativo do reparo por soldagem dos aços inoxidáveis martensíticos aisi 410 e ca-6nm

Estudo comparativo do reparo por soldagem dos aços inoxidáveis martensíticos aisi 410 e ca-6nm Aldo Santos Pereira Augusto J. A. Buschinelli1, Carlos E. Niño2 Sérgio L. Henke Resumo. Esse trabalho reúne resultados de um estudo comparativo entre o aço inoxidável martensítico tradicional AISI 410

Leia mais

Soldagem de Alumínio MIG/TIG

Soldagem de Alumínio MIG/TIG Soldagem de Alumínio MIG/TIG Eng Augusto Franco Gerente de Produtos e Serviços Eutectic do Brasil Programa O Alumínio na industria brasileira Ligas de alumínio Seleção do material de adição Qualidade do

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos Têmpera superficial Modifica a superfície: alta dureza superficial e núcleo mole. Aplicação: engrenagens Pode ser «indutivo» ou «por chama» Tratamentos Térmicos Têmpera superficial

Leia mais

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel)

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) Diz a história que os aços inoxidáveis foram descobertos por acaso. Em 1912 o inglês Harry Brearly, estudava uma liga Fe-Cr (13%) e justamente quando tentava fazer algumas

Leia mais

Processos de Soldagem. Valter V de Oliveira

Processos de Soldagem. Valter V de Oliveira Processos de Soldagem Valter V de Oliveira Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes, de forma que estes passem a apresentar um movimento de corpo rígido. O termo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO REPARO POR SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS MARTENSÍTICOS AISI 410 E CA-6NM

ESTUDO COMPARATIVO DO REPARO POR SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS MARTENSÍTICOS AISI 410 E CA-6NM ESTUDO COMPARATIVO DO REPARO POR SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS MARTENSÍTICOS AISI 410 E CA-6NM Aldo Santos Pereira Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET PR, Departamento de Mecânica Curitiba,

Leia mais

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR Willian Moreira de Lima 1 ; Susana Marraccini Giampietri Lebrão 2 1 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS Humberto Jorge Valosio valosio@hotmail.com Jéferson da Silva jef.silva@bol.com.br José Ivanildo Miranda Oliveira jose_ivanildo.oliveira@legrand.com.br

Leia mais

Beneficiamento de Aços [21]

Beneficiamento de Aços [21] [21] Tratamentos para beneficiamento de aços: Têmpera: aumento de resistência i mecânica e dureza dos aços causado pela formação da martensita, um microconstituinte que usualmente apresenta um comportamento

Leia mais

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos:

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos: Recozimento Objetivos: Reduzir a dureza; Aumentar a usinabilidade; Facilitar o trabalho a frio; Atingir microestrutura e propriedades desejadas Recozimento pleno Conceitos: Tratamentos Térmicos - TEMPERATURAS

Leia mais

Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO

Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO Prof. Luiz Gimenes Jr. Prof. Manuel Saraiva Clara Os precursores do processo começaram ainda no século passado com a soldagem na posição vertical em um único

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FUNDIÇÃO E SOLDAGEM Código da Disciplina: EMC238 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: 9 o Faculdade responsável: Engenharia Mecânica Programa

Leia mais

INFLUÊNCIA DO APORTE TÉRMICO NA QUANTIDADE DE FERRITA EM SOLDAS INOXIDÁVEIS COM OS ELETRODOS ER308LSi ER312

INFLUÊNCIA DO APORTE TÉRMICO NA QUANTIDADE DE FERRITA EM SOLDAS INOXIDÁVEIS COM OS ELETRODOS ER308LSi ER312 7º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 7 th BRAZILIAN CONGRESS ON MANUFACTURING ENGINEERING 20 a 24 de maio de 2013 Penedo, Itatiaia RJ - Brasil May 20 th to 24 th, 2013 Penedo, Itatiaia RJ

Leia mais

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8.

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8. 5 Discussão O estudo da fragilização ao revenido com base nos fenômenos de segregação tem como ponto de partida os resultados obtidos de experiências com pares de elementos liga e/ou impurezas, correspondendo

Leia mais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais 3 aula Aços ligados e ferros fundidos Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Para que servem

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

4. SOLDAGEM 4.1. A SOLDAGEM POR FUSÃO

4. SOLDAGEM 4.1. A SOLDAGEM POR FUSÃO 82 4. SOLDAGEM O processo de soldagem constitui uma das maneiras mais práticas e econômicas de se unir partes de um material, contudo, esse processo pode apresentar alguns problemas que devem ser avaliados,

Leia mais

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira Aços Ferramenta Classificação das ligas ferrosas Aços Ferros Fundidos Inoxidáveis Aços Ferramenta Aços ao C Aços Ferramenta Classe de aços de alta liga projetado para serem utilizados em ferramentas de

Leia mais

Introdução e Conceitos Básicos dos Aços Inoxidáveis

Introdução e Conceitos Básicos dos Aços Inoxidáveis SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução e Conceitos Básicos dos Aços Inoxidáveis Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS/DEMEC/UFPR SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS São compatíveis os aços inoxidáveis

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA SOLDAGEM DO AÇO AISI 444 EM APLICAÇÕES DE REVESTIMENTO DE TORRES DE DESTILAÇÃO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA SOLDAGEM DO AÇO AISI 444 EM APLICAÇÕES DE REVESTIMENTO DE TORRES DE DESTILAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PRODUÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA SOLDAGEM DO AÇO AISI

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Principais elementos de liga. Cr Ni V Mo W Co B Cu Mn, Si, P e S (residuais)

Principais elementos de liga. Cr Ni V Mo W Co B Cu Mn, Si, P e S (residuais) Aços Ligas Aços ligas A introdução de outros elementos de liga nos aços-carbono é feita quando se deseja um ou diversos dos seguintes efeitos: Aumentar a resistência mecânica e dureza. Conferir resistência

Leia mais

ALEXANDRE DE CASTRO LOPES

ALEXANDRE DE CASTRO LOPES Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (PG-Mec) ALEXANDRE DE CASTRO LOPES AVALIAÇÃO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7 Página: 1 de 7 1) Considerando as responsabilidades do Inspetor de Soldagem Nível 1, em relação à qualificação e certificação dos procedimentos de soldagem e às normas técnicas, identifique a única opção

Leia mais

Sistema Ferro - Carbono

Sistema Ferro - Carbono Sistema Fe-C Sistema Ferro - Carbono Diagrama de equilíbrio Fe-C Ferro comercialmente puro - < 0,008% Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de C Ferro alfa dissolve

Leia mais

Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel

Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel Mota, C. A. M. (1); Nascimento, A. S.(1); Silva, D. A. S.(1); Sodré, R. M. R. (1); Medeiros, F. P.(1); Gil,

Leia mais

Processo de Soldadura com Eléctrodo não consumível de Tungsténio e Protecção Gasosa Inerte TIG / GTAW / WIG / 141

Processo de Soldadura com Eléctrodo não consumível de Tungsténio e Protecção Gasosa Inerte TIG / GTAW / WIG / 141 Processo de Soldadura com Eléctrodo não consumível de Tungsténio e Protecção Gasosa Inerte TIG / GTAW / WIG / 141 Direcção de Formação EWE / IWE Módulo 1.7 Italo Fernandes EWE / IWE - Módulo 1.7 EWE/IWE

Leia mais

Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox superduplex

Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox superduplex Departamento de Tecnologia Mecânica E Materiais Coordenação de Área de Materiais Projeto de Pesquisa Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox

Leia mais

Conceitos de metalurgia física de aços inoxidáveis austeno-ferríticos para evitar problemas em serviço

Conceitos de metalurgia física de aços inoxidáveis austeno-ferríticos para evitar problemas em serviço Conceitos de metalurgia física de aços inoxidáveis austeno-ferríticos para evitar problemas em serviço Sérgio Souto Maior - UFF Universidade Federal Fluminense Tipos de aços inoxidáveis Austeno- Ferríticos

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA DE INTERPASSE DE SOLDAGEM SOBRE A MICROESTRUTURA, DUREZA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX

EFEITO DA TEMPERATURA DE INTERPASSE DE SOLDAGEM SOBRE A MICROESTRUTURA, DUREZA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX EFEITO DA TEMPERATURA DE INTERPASSE DE SOLDAGEM SOBRE A MICROESTRUTURA, DUREZA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX J.M. Gomes (1); J.A. Castro (1); C.J. Marcelo (1); C.R. Xavier (2);

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE PROCESSOS DE SOLDAGEM NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL ASTM A743 CA-6NM

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE PROCESSOS DE SOLDAGEM NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL ASTM A743 CA-6NM ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE PROCESSOS DE SOLDAGEM NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL ASTM A743 CA-6NM Vinicios Elieser Araldi* João Henrique Bagetti* Resumo O presente

Leia mais

Previsão Automática de Propriedades de Material para a Simulação de Processos de Fundição e Sua Influência nos Resultados Obtidos (1)

Previsão Automática de Propriedades de Material para a Simulação de Processos de Fundição e Sua Influência nos Resultados Obtidos (1) Previsão Automática de Propriedades de Material para a Simulação de Processos de Fundição e Sua Influência nos Resultados Obtidos (1) Arthur Camanho (2) Um dos desafios da simulação de processos é a disponibilidade

Leia mais

Obtenção e Formação de Ligas de Titânio

Obtenção e Formação de Ligas de Titânio Obtenção e Formação de Ligas de Titânio PRODUÇÃO DO TITÂNIO PROCESSO DE KROLL TiCl4 (gás) + 2Mg (liquido) Ti (sólido) + 2 MgCl2 (liquido) Mecanismo de alimentação do eletrodo Vedação Corrente direta -

Leia mais

Aula 01: Introdução à Metalurgia

Aula 01: Introdução à Metalurgia Disciplina : - MFI Professor: Guilherme Ourique Verran - Dr. Eng. Metalúrgica Fundamentos da Metalurgia Introdução à Fundamentos da Metalurgia O que é Metalurgia? Metalurgia é o ramo da Engenharia dos

Leia mais

Eletrodos Revestidos

Eletrodos Revestidos Eletrodos Revestidos O eletrodo revestido é um consumível composto formado por duas partes: uma metálica, chamada de alma, e outra na forma de massa, chamada de revestimento. Na soldagem de aços-carbono

Leia mais

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos:

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos: O que é Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo, elemento químico que garante ao material elevada resistência à corrosão. Distribuído de forma

Leia mais

SOLDAGEM MIG/MAG. Prof. Marcos Dorigão Manfrinato 1 MIG/MAG BIG MAC

SOLDAGEM MIG/MAG. Prof. Marcos Dorigão Manfrinato 1 MIG/MAG BIG MAC SOLDAGEM MIG/MAG Prof. Marcos Dorigão Manfrinato 1 MIG/MAG BIG MAC MIG 2 SOLDAGEM MIG/MAG A soldagem a arco com proteção gasosa (gás metal arc welding GMAW). A proteção do arco e da região da solda contra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA i UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA INFLUÊNCIA DO METAL DE ADIÇÃO NA SUSCEPTIBILIDADE À CORROSÃO SOB TENSÃO DE JUNTAS SOLDADAS

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA Normalmente o cordão de solda é caracterizado pela

Leia mais

Formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 efeito de rápido aquecimento entre 700 e 900ºC

Formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 efeito de rápido aquecimento entre 700 e 900ºC Projeto de iniciação científica Formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 efeito de rápido aquecimento entre 700 e 900ºC Relatório final Bolsista: Maurício Magalhães e-mail: maumagalhaes@yahoo.com.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA E MICROESTRUTURAL DO AÇO INOX DÚPLEX SUBMETIDO A DIFERENTES PROCESSOS DE SOLDAGEM. Introdução

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA E MICROESTRUTURAL DO AÇO INOX DÚPLEX SUBMETIDO A DIFERENTES PROCESSOS DE SOLDAGEM. Introdução CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA E MICROESTRUTURAL DO AÇO INOX DÚPLEX SUBMETIDO A DIFERENTES PROCESSOS DE SOLDAGEM Simoni Maria Gheno 1 *, Jeferson de Oliveira 1 Tecnologia em Mecânica: Processos de Soldagem -

Leia mais

Biomateriais Aços inoxidáveis

Biomateriais Aços inoxidáveis Biomateriais Aços inoxidáveis Bibliografia Jef A Helsen, HJ Breme: Metals as Biomaterials J. Wiley, 1998. DT Llewellyn: Steels, Metallurgy and Applications, Butterworth Heinemann, 1992. BD Ratner et al:

Leia mais

Gases de Proteção. Gases de Proteção. Produtos e Processos

Gases de Proteção. Gases de Proteção. Produtos e Processos Gases de Proteção. Gases de Proteção Produtos e Processos 02 Linde Índice Índice. Selecionando o gás de proteção Processos de soldagem Linha de produtos Gases de proteção para soldagem de aços carbono

Leia mais

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS A classificação dos aços não obedece a um único critério, existindo classificações quanto à composição química, processamento, microestrutura, propriedades

Leia mais

Aula 6: Lista de Exercícios. Engrenagens Rolamentos Soldagem

Aula 6: Lista de Exercícios. Engrenagens Rolamentos Soldagem Aula 6: Lista de Exercícios Polias e Correias Engrenagens Rolamentos Soldagem São tipos de correias, exceto: a) CorreiasemV b) Correias dentadas c) Correias planas d) Correias auto-esticáveis Sãoperfisdepolias:

Leia mais

Tratamentos Termoquímicos

Tratamentos Termoquímicos Tratamentos Termoquímicos Tratamento Termoquímicos Objetivos: adição (difusão) de C, N, B e outros na superfície dos metais (maioria aços). aumento da dureza superficial ( desgaste, fadiga ) e o núcleo

Leia mais

CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG

CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG SOLDAGEM DOS METAIS 46 CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG SOLDAGEM DOS METAIS 47 PROCESSO DE SOLDAGEM TIG (Tungsten Inert Gas) GTAW É um processo de soldagem por fusão, a arco elétrico que utiliza o calor gerado

Leia mais

SOLDAGEM DO FERRO FUNDIDO CINZENTO FC-200 UTILIZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci

SOLDAGEM DO FERRO FUNDIDO CINZENTO FC-200 UTILIZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci SOLDAGEM DO FERRO FUNDDO CNZENTO FC-200 UTLZANDO OS ELETRODOS E Ni-Ci e E NiFe-Ci Autores: Elson Arnaldo N. de Medeiros 1, Carlos Eduardo A. Lima Rodrigues 1, Francisco Antônio Vieira 2, Demmys Kelsen

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas. Dissertação de Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas. Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas Dissertação de Mestrado Soldagem de Estruturas Pesadas de Aço Inoxidável Ferrítico Autora: Erika Braga Moreira

Leia mais

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn 3 Materiais e Procedimentos Experimentais 3.1 Materiais Utilizados Com o objetivo de se avaliar o efeito do Mn no comportamento do metal de solda depositado, foram produzidos experimentalmente pela CONARCO

Leia mais

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas 1 Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas Liga / tratamento resistência escoamento Alongamento em 50mm 1 [%] Resistência à corrosão (geral) 2 Conformação a frio 3 Usinagem

Leia mais

Soldadura de Aços Carbono, Carbono Manganês, Baixa Liga e Microligados

Soldadura de Aços Carbono, Carbono Manganês, Baixa Liga e Microligados Liga e Microligados Aços Carbono C < 0,3% Mn < 0,9% Aços Carbono-Manganês Mn 1,5% Aços Microligados Aços Baixa-liga Derivam dos anteriores com elemento de liga no total < 0,15% (N b, T i, U, Al, Z r )

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Fundição Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PARÂMETRO CORRENTE DE SOLDAGEM NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE JUNTA SOLDADA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS

INFLUÊNCIA DO PARÂMETRO CORRENTE DE SOLDAGEM NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE JUNTA SOLDADA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS INFLUÊNCIA DO PARÂMETRO CORRENTE DE SOLDAGEM NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE JUNTA SOLDADA EM AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS Francisco Sartori * Sergio Luis Marquezi ** Resumo Este trabalho foi desenvolvido

Leia mais

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas Corrosão e degradação de materiais Modificação aparência Interação Comprometimento pp mecânicas Deterioração é diferente para os diversos tipos de materiais: M Dissolução (corrosão) Formação de crosta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL

CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL E. J. Ramos 1,3, L. H. Guilherme 1,2,3 elielramos2003@yahoo.com.br 1 Centro Universitário

Leia mais

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais

Leia mais

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE.

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. HISTÓRICO O processo de soldagem a Plasma (PAW) foi introduzido na indústria em 1964 como um método que possuía um melhor controle de soldagem em níveis mais baixos

Leia mais