Ilicitude, ou antijuridicidade, é a relação de antagonismo, de contrariedade entre a conduta do agente e o ordenamento jurídico.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ilicitude, ou antijuridicidade, é a relação de antagonismo, de contrariedade entre a conduta do agente e o ordenamento jurídico."

Transcrição

1 2) Ilicitude ou Antijuridicidade Ilicitude, ou antijuridicidade, é a relação de antagonismo, de contrariedade entre a conduta do agente e o ordenamento jurídico. Todo fato típico, em princípio, contraria o ordenamento jurídico sendo, também um fato ilícito (Teoria da ratio cognoscendi). Assim, cometido um fato típico, presume-se que ele é ilícito ou antijurídico, a menos que esteja presente, no caso concreto, uma das causas de excludentes de antijuridicidade (ilicitude) expressamente prevista em lei, ou aceita como causa supra legal: Exclusão de Ilicitude Art Não há crime quando o Agente pratica o fato: I - em estado de necessidade; II - em legítima defesa; III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito. Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou culposo. Obs.: Há excludentes em outras partes da legislação, por exemplo: Artigos 128 e 142 do CP. I Estado de necessidade Diz-nos o art. 24 do CP: Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se. 1º - Não pode alegar estado de necessidade quem tinha o dever legal de enfrentar o perigo. 2º - Embora seja razoável exigir-se o sacrifício do direito ameaçado, a pena poderá ser reduzida de um a dois terços. Requisitos: *O perigo seja atual. É o perigo presente, a ameaça concreta ao bem jurídico. Aceita-se o perigo iminente, majoritariamente. *Ameaça a direito próprio ou alheio. O direito no sentido amplo. Logo, se não tiver o bem jurídico a proteção do ordenamento jurídico, não se fala em estado de necessidade. *Situação de perigo não tenha sido causada voluntariamente (seja a título de culpa ou de dolo) pelo agente. *Inexistência do dever legal de enfrentar o perigo ( 1º)

2 *Inevitabilidade de conduta. O comportamento (lesão ao bem jurídico alheio) deve ser absolutamente inevitável. *Razoabilidade do sacrifício. O sacrifício tem que ser razoável de acordo com o senso comum. Ex.: Não se admite que uma pessoa mate outra para proteger bem material de ínfimo valor. Obs.: Elemento Subjetivo Obs.: Art. 146 do CP Constrangimento Ilegal Art Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido, por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que ela não manda:... 3º - Não se compreendem na disposição deste artigo: I - a intervenção médica ou cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou de seu representante legal, se justificada por iminente perigo de vida; II - a coação exercida para impedir suicídio. II Legítima defesa Diz-nos o art. 25 do CP: Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem. Assim, diante de uma injusta agressão, o Estado deu ao particular o direito de se proteger, é um reconhecimento da incapacidade estatal em promover a segurança da população durante todo o tempo. Tal como ocorre com o estado de necessidade, a legítima defesa exige alguns requisitos como:. A agressão deve ser injusta. No sentido de agressão ilícita, contrária ao ordenamento jurídico, pois, caso contrário, não haveria justificativa para a legítima defesa. Não precisa ser criminosa, apenas injusta. Por exemplo, cabe legítima defesa contra agressão de inimputável, seja ele louco, menor, etc.. Agressão atual (que está ocorrendo) ou iminente (esta preste a acontecer). Não se admite contra agressão futura (suposta).. Meios necessários. Meios menos lesivos. Obviamente, vai depender do caso concreto.. Moderação. Não deve a reação ir além do necessário para proteger o bem jurídico agredido, caso contrário, haverá excesso.

3 Diferenças entre estado de necessidade e legítima defesa Estado de necessidade Legítima Defesa - Conflito entre bens jurídicos. - Repulsa contra uma agressão injusta. - O bem é exposto ao risco. - Bem sofre uma agressão atual ou iminente. - Perigo que não deu causa nem - Perigo proveniente de conduta de outra forma poderia evitar. humana (animal, só quando esse for um meio utilizado pela conduta - Pode atingir bem jurídico de terceiro inocente. humana). - A conduta pode ser dirigida apenas contra o agressor. III Estrito cumprimento do dever legal (art. 23, III do CP) Primeiramente, é preciso que haja um dever legal imposto ao agente, dirigido àqueles que fazem parte da Administração Pública, tais como policiais e oficiais de justiça, pois o dever legal compreende os deveres de intervenção do funcionário na esfera privada para assegurar o cumprimento da lei ou de ordens de superiores na administração pública, que podem determinar a realização justificada de tipos legais, como a coação, privação de liberdade, lesão corporal, etc. Em segundo lugar, é necessário que o cumprimento a esse dever se dê nos termos exatos impostos pela lei, não podendo em nada ultrapassá-los. IV Exercício regular de direito (art. 23, III do CP) Consiste na atuação do agente dentro dos limites conferidos pelo ordenamento legal. Devemos entender que a palavra direito está em sentido amplo. Ex: Nas lesões esportivas, como o boxe, desde que dentro das regras; Correção aplicada pelos pais aos seus filhos menores (desde que não configure maus-tratos ou tortura pelo seu excesso). Requisitos: indispensabilidade e proporcionalidade. Causas supralegais: 1) O consentimento do ofendido. O consentimento do ofendido terá duas conseqüências na teoria do delito, poderá afastar a tipicidade ou excluir a ilicitude do fato. Mas, no que se baseia tal consentimento? Será a hipótese em que a própria vítima consente ao agente cometer que em tese seria uma ação delituosa. Excluirá a tipicidade formal quando o constrangimento ou clandestinidade forem elementos explícitos ou implícitos do tipo, como nos casos de consentimento para a prática do ato sexual, subtração do bem, no furto etc. Excluir-se-á a ilicitude nas demais hipóteses. Contudo, tal consentimento para ser relevante (produzir efeitos jurídicos para que possam excluir a tipicidade), exige:

4 Que o bem seja disponível (patrimônio, por exemplo), logo, se atentar contra a vida, não se poderá falar em consentimento, pois se trata de bem indisponível, como no caso da eutanásia. Que o ofendido tenha capacidade para consentir. Maior de 18 anos e perfeito estado de higidez mental. Que o consentimento tenha sido dado anteriormente ou pelo menos numa relação de simultaneidade à conduta do agente. Ex: Uma pessoa maior permite que outra destrua seu carro. 2) Adequação social da conduta. Conduta socialmente aceita, ex:furar a orelha para a colocação de brincos, tatuagens etc. 3) Culpabilidade É o juízo de reprovação pessoal da conduta praticada, ou seja, sobre o fato típico e ilícito praticado pelo agente. A culpabilidade (dentro da Teoria Normativa Pura) possui os seguintes elementos: - Imputabilidade; - potencial consciência da ilicitude; - exigibilidade de conduta diversa. 3.1) Imputabilidade É o conjunto de condições pessoais que dá ao agente a capacidade para lhe ser juridicamente imputada a prática de uma infração penal. A imputabilidade é a regra. A inimputabilidade é a exceção. Trataremos da exceção, ou seja, dos inimputáveis. Segundo o nosso Código são casos de inimputabilidade: - doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado; - menoridade; - embriaguez completa, proveniente de caso fortuito ou força maior. a) Doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado; O legislador adotou o critério biopsicológico para tais casos. Trata-se da soma dos critérios biológico(delimitação da patologia mental) e psicológico(grau de discernimento no momento da ação ou omissão). Inimputáveis e Semimputáveis Art. 26 do CP: É isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

5 Redução de pena Parágrafo único - A pena pode ser reduzida de um a dois terços, se o agente, em virtude de perturbação de saúde mental ou por desenvolvimento mental incompleto ou retardado não era inteiramente capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. Pela leitura do artigo 26 caput e seu parágrafo único, devemos distinguir: O caput do art. 26, ou seja, em razão de sua condição mental, era no tempo da ação ou omissão, totalmente incapaz de entender o caráter ilícito do fato e de determinar-se de acordo com tal entendimento. Já no seu parágrafo único, o agente será condenado, mas o juízo de censura deverá ser menor, razão pela qual a lei determina ao julgador que reduza a sua pena entre um a dois terços. Obs: Convém mencionar que tratamos aqui de sanidade psíquica, no momento do crime, Art 4 o do CP, ou seja, devem ser avaliadas as condições de sanidade mental no momento da ação ou omissão, culposa ou dolosa. b) Menoridade Menores de dezoito anos Art. 27- Os menores de 18 (dezoito) anos são penalmente inimputáveis, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial. A mesma delimitação consta do Art. 228 da CF/88. A inimputabilidade por imaturidade natural ocorre em virtude de uma presunção legal, onde, por questões de política criminal, entendeu o legislador que os menores de 18 anos não gozam de plena capacidade de entendimento que lhes permita compreender a pena ante a prática de um fato típico e ilícito. Adotou-se o critério biológico, ou seja, que presume de forma absoluta, ser o menor de 18 anos inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato e de determinar-se de acordo com esse entendimento. A menoridade cessa no primeiro instante do dia em que o agente completa os 18 anos, ou seja, se o crime é praticado na data do 18º aniversário, o agente já é imputável e reponde pelo crime. Depende de prova, em caso de dúvida, conforme STJ, Súmula nº 74 - Para efeitos penais, o reconhecimento da menoridade do réu requer prova por documento hábil. c)embriaguez completa, proveniente de caso fortuito ou força maior (art. 28 do CP). Embriaguez Art Não excluem a imputabilidade penal:

6 II - a embriaguez, voluntária ou culposa, pelo álcool ou substância de efeitos análogos. 1º - É isento de pena o agente que, por embriaguez completa, proveniente de caso fortuito ou força maior, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. 2º - A pena pode ser reduzida de um a dois terços, se o agente, por embriaguez, proveniente de caso fortuito ou força maior, não possuía, ao tempo da ação ou da omissão, a plena capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. Entende-se embriaguez como uma intoxicação aguda e passageira provocada pelo álcool ou por substância de efeitos análogos (cocaína, maconha, etc), que apresenta uma fase inicial de euforia, passando pela depressão e sono, podendo levar até ao coma. Só isentará o agente de pena, quando o motivo for por: caso fortuito (evento atribuído a natureza, exemplo: o homem que escorrega e cai dentro do alambique) e força maior (evento provocado pelo homem, exemplo: homem que durante um roubo, amarra a vítima e a obriga a beber). Mesmo nesses dois casos, em que a embriaguez é involuntária, ela também tem que ser completa, ou seja, a total incapacidade do agente entender o caráter do ato ilícito, daí verificar-se que o critério adotado é o biopsicológico. A embriaguez involuntária, mas não de forma completa, irá levar a redução da pena. Já se for a embriaguez de forma voluntária (dolosa intenção de se embriagar ou culposa quando ingere doses excessivas de forma imprudente ), não haverá exclusão de culpabilidade, pois, nestes casso, o agente ao se embriagar, queria tal fato ou sabia da possibilidade de praticar o delito e era livre para decidir. Obs: A emoção e a paixão (ar. 28, I do CP) não excluem a imputabilidade, mas podem funcionar como atenuantes genéricas (art. 65, III, a), ou causas de diminuição de pena (art. 121, 1º). 3.2) Potencial consciência da ilicitude: É a maior ou menor consciência do agente em relação a proibição implicitamente contida no tipo penal. Estabelece o art. 21 do CP: Erro sobre a ilicitude do fato. Art O desconhecimento da lei é inescusável. O erro sobre a ilicitude do fato, se inevitável, isenta de pena; se evitável, poderá diminuí-la de um sexto a um terço. Parágrafo único - Considera-se evitável o erro se o agente atua ou se omite sem a consciência da ilicitude do fato, quando lhe era possível, nas circunstâncias, ter ou atingir essa consciência.

7 O erro sobre a ilicitude do fato é sinônimo de erro de proibição, que sendo inevitável, vai retirar do agente a consciência da ilicitude do fato, e vai excluir a culpabilidade. Nesse tipo de erro (proibição), não há um desconhecimento da lei, e sim o desconhecimento que o fato praticado seja ilícito/antijurídico. Em outras palavras, o agente pode ou não conhecer a lei, o essencial para a sua responsabilização é que conheça a vedação àquela prática. Ex: Turista que vê um filme brasileiro em que estão fumando um cigarro de palha, chega no Brasil e acredita que no país o uso de maconha é liberado, ele acredita, por erro, que a sua conduta não importa na prática em infração penal. Ex: caipira que mata a esposa em legítima defesa da honra. O que ele desconhece não e a inexistência do instituto da excludente, mas se equivoca sobre o que a mesma ampara ou não. Conseqüências do erro de proibição: Se inevitável, invencível ou escusável (desculpável) vai isentar de pena. Se evitável, vencível ou inescusável (indesculpável) diminui a pena. 3. 3) Exigibilidade de conduta diversa. Existe um princípio de só devem ser punidas as condutas que poderiam ser evitadas. Assim, se no caso concreto, era inexigível conduta diversa por parte do agente, fica excluída a culpabilidade (isenta de pena). Pode ser excluída pos dois motivos: coação moral irresistível e a obediência hierárquica. Art Se o fato é cometido sob coação irresistível ou em estrita obediência a ordem, não manifestamente ilegal, de superior hierárquico, só é punível o autor da coação ou da ordem. Coação poderá ser: a) Moral Irresistível: Há a grave ameaça. É aquela que não poderia ser vencida, superada pelo agente no caso concreto. Não há culpabilidade. Ex: Quem é obrigado causar a morte de alguém, pois quem seria morto seria seu filho, porque está nas mãos de seqüestradores. Resistível: Neste caso, há crime e o agente é culpável, mas terá a atenuante genérica prevista no art. 65, III, c, do CP.

8 b) Física Dá-se com o emprego de violência física, quando uma pessoa obriga outra a praticar um crime. Ex: Forçar a mão da vítima para que ela aperte o gatilho de um revólver. Nesse caso, não existe fato típico, por ausência de seu primeiro requisito a ação humana voluntária, isto é, inexiste conduta. Obs: A que se reporta o art. 22 do CP é a coação moral irresistível. Obediência hierárquica É a decorrente das relações de direito público, ou seja, a obediência de um funcionário público a uma ordem proferida por outro funcionário que, na hierarquia administrativa, lhe é superior. a) Se a ordem for manifestamente ilegal (ilegalidade for facilmente perceptível), nesse caso ambos irão responder (superior e subordinado); b) Se a ordem não for manifestamente ilegal (ilegalidade não perceptível, de acordo com o senso médio), exclui-se a culpabilidade do subordinado, respondendo pelo crime, somente o superior hierárquico.

DIREITO PENAL Professor: Eduardo Fernandes - Dudu

DIREITO PENAL Professor: Eduardo Fernandes - Dudu DIREITO PENAL Professor: Eduardo Fernandes - Dudu www.eduardofernandesadv.jur.adv.br CONCEITO: ANTIJURIDICIDADE OU ILICITUDE é a relação de antagonismo, de contrariedade entre a conduta do agente e o ordenamento

Leia mais

Direito Penal. Erro de Tipo, Erro de Proibição e Erro sobre a Pessoa. Professor Joerberth Nunes.

Direito Penal. Erro de Tipo, Erro de Proibição e Erro sobre a Pessoa. Professor Joerberth Nunes. Direito Penal Erro de Tipo, Erro de Proibição e Erro sobre a Pessoa Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Penal ERRO DE TIPO, ERRO DE PROIBIÇÃO E ERRO SOBRE A PESSOA TÍTULO II

Leia mais

CRIME = FT + A + C AULA 16. Vamos agora dar prosseguimento, já que falamos do primeiro elemento que foi

CRIME = FT + A + C AULA 16. Vamos agora dar prosseguimento, já que falamos do primeiro elemento que foi Turma e Ano: Master A (2015) 13/05/2015 Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 16 Professor: Marcelo Uzeda de Farias Monitor: Alexandre Paiol AULA 16 CONTEÚDO DA AULA: - Ilicitude, exclusão de ilicitude

Leia mais

Direito Penal é o ramo de Direito Público que define as infrações penais, estabelecendo as penas e as medidas de segurança.

Direito Penal é o ramo de Direito Público que define as infrações penais, estabelecendo as penas e as medidas de segurança. DIREITO PENAL Direito Penal é o ramo de Direito Público que define as infrações penais, estabelecendo as penas e as medidas de segurança. I N F R A Ç Ã O P E N A L INFRAÇÃO PENAL Existe diferença entre

Leia mais

ILICITUDE PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

ILICITUDE PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES ILICITUDE PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Ilicitude ou antijuridicidade? Conceito. Há doutrina ensinando que os termos são sinônimos. Ocorre que o CP apenas fala em ilicitude. Isto se dá, pois o FT é um

Leia mais

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar:

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL P á g i n a 1 Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: a) O fato punível praticado sob coação irresistível é capaz de excluir

Leia mais

ERRO DE TIPO E ERRO DE PROIBIÇÃO

ERRO DE TIPO E ERRO DE PROIBIÇÃO ERRO DE TIPO E ERRO DE PROIBIÇÃO Erro de tipo é o que incide sobre s elementares ou circunstâncias da figura típica, sobre os pressupostos de fato de uma causa de justificação ou dados secundários da norma

Leia mais

ILICITUDE (ANTIJURIDICIDADE)

ILICITUDE (ANTIJURIDICIDADE) ILICITUDE (ANTIJURIDICIDADE) ILICITUDE (ANTIJURIDICIDADE) Conceito: É a relação de contrariedade entre o fato humano e as exigências do ordenamento jurídico (sentido amplo), representando uma lesão ou

Leia mais

DUCTOR ONLINE DIREITO PENAL

DUCTOR ONLINE DIREITO PENAL ONLINE CONCURSO PARA CARTÓRIOS EXTRAJUDICIAIS DIREITO PENAL DO (CP, artigos 13 a 25) O QUE É? Conceito analítico ANTIJURÍDICO ou ILÍCITO CULPÁVEL TIPICIDADE ANTIJURIDICIDADE ou ILICITUDE CULPABILIDADE

Leia mais

1 TIPICIDADE CONCEITO RESUMO DA AULA. DIREITO PENAL Tipicidade, Antijuridicidade e Culpabilidade. Profº Lenildo Márcio da Silva

1 TIPICIDADE CONCEITO RESUMO DA AULA. DIREITO PENAL Tipicidade, Antijuridicidade e Culpabilidade. Profº Lenildo Márcio da Silva DIREITO PENAL Tipicidade, Antijuridicidade e Culpabilidade Profº Lenildo Márcio da Silva lenildoadvogado@hotmail.com RESUMO DA AULA 1 TIPICIDADE; 2 ANTIJURIDICIDADE; 3 CULPABILIDADE; 4 - QUESTÕES COMENTADAS.

Leia mais

PONTO 1: Ilicitude PONTO 2: Das Causas Legais de Exclusão da Ilicitude

PONTO 1: Ilicitude PONTO 2: Das Causas Legais de Exclusão da Ilicitude 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Ilicitude PONTO 2: Das Causas Legais de Exclusão da Ilicitude OBS: ADPF 130 revogou totalmente a Lei 5.250/67 (Lei de Imprensa). Hoje aplica-se o CC e o CP nesses casos. STF, HC

Leia mais

1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO FATO TÍPICO

1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO FATO TÍPICO 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria Constitucionalista do Delito PONTO 2: Legítima Defesa PONTO 3: Exercício Regular de Direito PONTO 4: Estrito Cumprimento do Dever Legal 1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO

Leia mais

3- Qual das seguintes condutas não constitui crime impossível?

3- Qual das seguintes condutas não constitui crime impossível? 1- Maria de Souza devia R$ 500,00 (quinhentos reais) a José da Silva e vinha se recusando a fazer o pagamento havia meses. Cansado de cobrar a dívida de Maria pelos meios amistosos, José decide obter a

Leia mais

Polícia Legislativa Senado Federal

Polícia Legislativa Senado Federal CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Penal Polícia Legislativa Senado Federal Período: 2008-2017 Sumário Direito Penal... 3 Princípios Modernos de Direito Penal... 3 Nexo de Causalidade... 3 Arrependimento

Leia mais

ILICITUDE PENAL. 1. Exclusão da ilicitude

ILICITUDE PENAL. 1. Exclusão da ilicitude ILICITUDE PENAL Ilicitude ou antijuridicidade é a relação de contrariedade entre o fato típico e o ordenamento jurídico, de modo a causar lesão a um bem jurídico. Essa definição abrange dois aspectos:

Leia mais

PONTO 1: Excesso Punível PONTO 2: Culpabilidade PONTO 3: Institutos da emoção e da paixão PONTO 4: 1. EXCESSO PUNÍVEL. Art. 23, parágrafo único do CP.

PONTO 1: Excesso Punível PONTO 2: Culpabilidade PONTO 3: Institutos da emoção e da paixão PONTO 4: 1. EXCESSO PUNÍVEL. Art. 23, parágrafo único do CP. 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Excesso Punível PONTO 2: Culpabilidade PONTO 3: Institutos da emoção e da paixão PONTO 4: 1. EXCESSO PUNÍVEL Art. 23, parágrafo único do CP. Cabe em quaisquer das quatro excludentes.

Leia mais

ENCONTRO 04. Ocorrência de ato ilícito. Que este ato tenha causado dano à alguém

ENCONTRO 04. Ocorrência de ato ilícito. Que este ato tenha causado dano à alguém ENCONTRO 04 1.4. Imputabilidade - A responsabilidade decorre apenas da conduta? - A reprovabilidade depende da capacidade psíquica de entendimento do agente? (Sim. - Que significa imputar? - Há como responsabilizar

Leia mais

Direito Penal. Tentativa. Professor Joerberth Nunes.

Direito Penal. Tentativa. Professor Joerberth Nunes. Direito Penal Tentativa Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Penal TENTATIVA Art. 14. Diz-se o crime: Crime consumado TÍTULO II Do Crime I consumado, quando nele se reúnem todos

Leia mais

Conceito de Erro. Falsa representação da realidade.

Conceito de Erro. Falsa representação da realidade. ERRO DE TIPO Conceito de Erro Falsa representação da realidade. Existem dois tipos de erros: ERRO DE TIPO art. 2O (exclui a tipicidade) ERRO DE PROIBIÇÃO art. 21 (exclui a culpabilidade) ERRO DE TIPO O

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO. RIO Polícia Rodoviária Federal DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME EXCLUDENTES DE CONDUTA. b) Vis absoluta

CURSO PREPARATÓRIO. RIO Polícia Rodoviária Federal DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME EXCLUDENTES DE CONDUTA. b) Vis absoluta CURSO PREPARATÓRIO RIO Polícia Rodoviária Federal CONCEITO DE CRIME CH DIREITO PENAL T A Professora Lidiane Portella C EXCLUDENTES DE CONDUTA a) Coação física f irresistível b) Vis absoluta c) Movimentos

Leia mais

CONHECIMENTOS DE LEGISLAÇÃO

CONHECIMENTOS DE LEGISLAÇÃO CONHECIMENTOS DE LEGISLAÇÃO TEORIA, LEGISLAÇÕES E 243 QUESTÕES POR TÓPICOS DIREITO PENAL Ricardo S. Pereira ( 76 Questões) DIREITO ADMINISTRATIVO Vítor Alves (167 Questões) Coordenação e Organização: Mariane

Leia mais

Culpabilidade. Aula 7

Culpabilidade. Aula 7 Culpabilidade Aula 7 CONCEITO DE CULPABILIDADE Culpabilidade é o juízo de reprovação pessoal que se realiza sobre a conduta típica e ilícita praticada pelo agente. A culpabilidade é reprovabilidade do

Leia mais

1. CRIMES QUALIFICADOS OU AGRAVADOS PELO RESULTADO. Art. 19 do CP Agente deve causar pelo menos culposamente.

1. CRIMES QUALIFICADOS OU AGRAVADOS PELO RESULTADO. Art. 19 do CP Agente deve causar pelo menos culposamente. 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Qualificados ou Agravados pelo Resultado PONTO 2: Erro de Tipo PONTO 3: Erro de Tipo Essencial PONTO 4: Erro determinado por Terceiro PONTO 5: Discriminantes Putativas PONTO

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE 2. FORMAS DA ANTIJURIDICIDADE (ILICITUDE): 2.1 Antijuridicidade formal. 2.2 Antijuridicidade material

ANTIJURIDICIDADE 2. FORMAS DA ANTIJURIDICIDADE (ILICITUDE): 2.1 Antijuridicidade formal. 2.2 Antijuridicidade material ANTIJURIDICIDADE 1. CONCEITO a antijuridicidade ou ilicitude deve ser entendida como um juízo de desvalor objetivo que recai sobre a conduta típica e se realiza com base em um critério geral: o ordenamento

Leia mais

1. Sobre a aplicação da lei penal, assinale a alternativa correta: a) b) c)

1. Sobre a aplicação da lei penal, assinale a alternativa correta: a) b) c) 1. Sobre a aplicação da lei penal, assinale a alternativa correta: Tanto o local da conduta como o local do resultado são considerados local do crime. A lei penal pode retroagir independente de beneficiar

Leia mais

CULPABILIDADE. 1. CONCEITO não foi conceituada no CP. Doutrina Majoritária crime = fato típico, antijurídico e culpável

CULPABILIDADE. 1. CONCEITO não foi conceituada no CP. Doutrina Majoritária crime = fato típico, antijurídico e culpável CULPABILIDADE 1. CONCEITO não foi conceituada no CP Doutrina Majoritária crime = fato típico, antijurídico e culpável A culpabilidade pode ser conceituada então como a reprovação pessoal pela realização

Leia mais

(D) extinguem a punibilidade. (E) excluem a tipicidade.

(D) extinguem a punibilidade. (E) excluem a tipicidade. Maratona Fiscal ISS Direito penal 1. A regra que veda a interpretação extensiva das normas penais incriminadoras decorre do princípio constitucional da (A) culpabilidade. (B) igualdade. (C) legalidade.

Leia mais

A)Dolo direto ou determinado: quando o agente visa certo e determinado resultado.

A)Dolo direto ou determinado: quando o agente visa certo e determinado resultado. CRIME DOLOSO Conceito: considera-se doloso o crime quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo. Na primeira hipótese temos, o dolo direto e, na segunda, o dolo eventual. No dolo direto,

Leia mais

Super Receita 2013 Direito Penal Teoria Geral do Crime Emerson Castelo Branco

Super Receita 2013 Direito Penal Teoria Geral do Crime Emerson Castelo Branco Super Receita 2013 Direito Penal Teoria Geral do Crime Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. TEORIA GERAL DO CRIME CONCEITO DE CRIME O conceito

Leia mais

SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL

SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 DIREITO PENAL: NOÇÕES INTRODUTÓRIAS PARTE 1 Noções introdutórias 1 PARTE 2 Noções introdutórias 2 PARTE 3 Noções introdutórias 3 CAPÍTULO 2 PRINCÍPIOS

Leia mais

TEORIA GERAL DO ERRO NO DIREITO PENAL

TEORIA GERAL DO ERRO NO DIREITO PENAL Sumário Nota explicativa da 6ª edição... 13 Parte I TEORIA GERAL DO ERRO NO DIREITO PENAL Considerações iniciais... 17 Capítulo I Erro de tipo... 23 1. Conceito... 23 2. Espécies de erro de tipo... 25

Leia mais

1 - Conceito de Crime

1 - Conceito de Crime 1 - Conceito de Crime A doutrina do Direito Penal tem procurado definir o ilícito penal sob três aspectos diversos. Atendendo-se ao Aspecto Externo, puramente nominal do fato, obtém-se um Conceito Formal;

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: DIREITO Período: 2º DEPARTAMENTO: DIREITO PÚBLICO Ano:2016 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (Parte Geral) CARGA HORÁRIA:80 HORAS SEMANAL:

Leia mais

TJ - SP Direito Penal Dos Crimes Praticados Por Funcionários Públicos Emerson Castelo Branco

TJ - SP Direito Penal Dos Crimes Praticados Por Funcionários Públicos Emerson Castelo Branco TJ - SP Direito Penal Dos Crimes Praticados Por Funcionários Públicos Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO

Leia mais

Relatório - Plano de Aula 14/03/ :54

Relatório - Plano de Aula 14/03/ :54 Página: 1/8 Disciplina: CCJ0101 - TÓPICOS INTERDISCIPLINARES Semana Aula: 7 Direito Penal e Processual Penal (Aula 1/5) Ao final da aula, o aluno deverá ser capaz de: DESCRIÇÃO DO PLANO DE AULA OBJETIVO

Leia mais

Interpretação e integração da lei penal Interpretação...11

Interpretação e integração da lei penal Interpretação...11 Sumário Notas Preliminares Finalidade do Direito Penal...2 Bens que podem ser protegidos pelo Direito Penal...2 Códigos do Brasil...3 Código Penal atual...3 Direito Penal...3 Garantismo...3 Garantias...4

Leia mais

Sumário PRINCÍPIOS DO DIREITO PENAL NORMA PENAL... 33

Sumário PRINCÍPIOS DO DIREITO PENAL NORMA PENAL... 33 CAPÍTULO 1 PRINCÍPIOS DO DIREITO PENAL... 13 1. Noções preliminares...13 2. Peculiaridades dos princípios do Direito Penal...13 3. Princípio da legalidade ou da reserva legal...14 3.1 Abrangência do princípio

Leia mais

PONTO 1: Introdução. PONTO 2: Culpabilidade continuação. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução. PONTO 2: Culpabilidade continuação. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução. PONTO 2: Culpabilidade continuação. 1. Introdução: - Informativo 625 STF, H.C. 104286, J.03-05-11: admite a utilização do princípio da insignificância no caso do ex-prefeito que

Leia mais

DA IMPUTABILIDADE PENAL

DA IMPUTABILIDADE PENAL 1 DA IMPUTABILIDADE PENAL Renata CONSTANTINO 1 Resumo: O que se pretende buscar com o presente trabalho é a discussão que gira em torno da redução menoridade penal, em virtude do aumento da criminalidade

Leia mais

Regência: Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes Colaboração: Catarina Abegão Alves, David Silva Ramalho e Tiago Geraldo. Grelha de correção

Regência: Professor Doutor Paulo de Sousa Mendes Colaboração: Catarina Abegão Alves, David Silva Ramalho e Tiago Geraldo. Grelha de correção Grelha de correção 1. Responsabilidade criminal de Alfredo (6 vls.) 1.1 Crime de coação [art. 154.º/1 CP], contra Beatriz. Crime comum, de execução vinculada, pois realiza-se por meio de violência ou de

Leia mais

DESISTÊNCIA ARREPENDIMENTO

DESISTÊNCIA ARREPENDIMENTO DESISTÊNCIA E ARREPENDIMENTO A tentativa é perfeita quando o agente fez tudo o que podia, praticando todos os atos executórios, mas não obteve o resultado por circunstâncias alheias a sua vontade. Aplica-se

Leia mais

Princípio da intervenção mínima Conflito aparente de normas 3.3 Sujeito ativo do crime Sujeito ativo Capacidade penal do

Princípio da intervenção mínima Conflito aparente de normas 3.3 Sujeito ativo do crime Sujeito ativo Capacidade penal do Sumário 1 Introdução 1.1 Conceito de Direito Penal 1.1.1 Nota introdutória 1.1.2 Denominação 1.1.3 Conceito de Direito Penal 1.1.4 Caracteres do Direito Penal 1.1.5 Posição enciclopédica 1.1.6 Direito

Leia mais

A Reforma do Código Penal Brasileiro ACRIERGS 2012

A Reforma do Código Penal Brasileiro ACRIERGS 2012 A Reforma do Código Penal Brasileiro ACRIERGS 2012 Reforma e Consolidação de Leis Os Ganhos da Consolidação e Atualização das Leis Penais Os riscos do açodamento Omissão de Socorro Art. 394. Deixar de

Leia mais

26/08/2012 DIREITO PENAL IV. Direito penal IV

26/08/2012 DIREITO PENAL IV. Direito penal IV DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 6ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 1 1 - Roubo impróprio 1º - Na mesma pena incorre quem, logo depois de subtraída a coisa, emprega violência

Leia mais

Primeira e principal fonte Constituição. Segunda fonte Previsão da lei, que irá estabelecer penas e os crimes.

Primeira e principal fonte Constituição. Segunda fonte Previsão da lei, que irá estabelecer penas e os crimes. DIREITO PENAL Conceito Magalhães Noronha Direito Penal é o conjunto de normas jurídicas que regulam o poder punitivo do Estado, visando a natureza criminal e as medidas aplicáveis a quem os pratica. Fontes

Leia mais

Culpabilidade É PRESSUPOSTO DE IMPOSIÇÃO DA PENA

Culpabilidade É PRESSUPOSTO DE IMPOSIÇÃO DA PENA Culpabilidade 1 Culpabilidade Culpa idéia que remete a um conceito de reprovação; Culpabilidade possibilidade de se considerar alguém culpado pela pática de uma infração. Juízo de censurabilidade, reprovação

Leia mais

CULPABILIDADE DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

CULPABILIDADE DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco CULPABILIDADE DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco ASPECTOS GERAIS - Culpabilidade é o JUÍZO DE REPROVABILIDADE OU CENSURA QUE INCIDE SOBRE A FORMAÇÃO E A EXTERIORIZAÇÃO DA VONTADE

Leia mais

DIREITO PENAL. 1. Roubo art. 157, CP:

DIREITO PENAL. 1. Roubo art. 157, CP: 1 PONTO 1: Roubo PONTO 2: Extorsão PONTO 3: Apropriação Indébita Previdenciária 1. Roubo art. 157, CP: Art. 157 - Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Inimputabilidade Penal e a Teoria da "actio libera in causa" Leonardo Marcondes Machado* Sumário: I. Imputabilidade Penal. Noções Gerais. 2. Elementos Estruturais da Inimputabilidade

Leia mais

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes Lei de Tortura Liana Ximenes 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Lei de Tortura -A Lei não define o que é Tortura, mas explicita o que constitui tortura. -Equiparação

Leia mais

TEORIA DO CRIME. Prof: Luís Roberto Zagonel. Pós-graduado em Direito Penal e Processo Penal Academia Brasileira de Direito Constitucional

TEORIA DO CRIME. Prof: Luís Roberto Zagonel. Pós-graduado em Direito Penal e Processo Penal Academia Brasileira de Direito Constitucional TEORIA DO CRIME Advogado Criminalista Prof: Luís Roberto Zagonel Pós-graduado em Direito Penal e Processo Penal Academia Brasileira de Direito Constitucional Bacharel em Direito Universidade Tuiuti do

Leia mais

Direito Penal Princípios Emerson Castelo Branco Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Direito Penal Princípios Emerson Castelo Branco Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Direito Penal Princípios Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PRINCÍPIOS E CARACTERÍSTICAS DO DIREITO PENAL Reserva legal - Art. 1.º do CP

Leia mais

Direito Penal TEORIA DO CRIME TEORIA DO CRIME. Professor Rafael Machado. Culpabilidade: grau de reprovabilidade da conduta.

Direito Penal TEORIA DO CRIME TEORIA DO CRIME. Professor Rafael Machado. Culpabilidade: grau de reprovabilidade da conduta. Direito Penal Professor Rafael Machado Culpabilidade: grau de reprovabilidade da conduta. Elementos: imputabilidade: Causa de exclusão: critério biológico: menor de 18 anos art. 27 do CP critério Biopsicológico:

Leia mais

RESUMO DE DIREITO PENAL PARA OAB. consentimento do ofendido

RESUMO DE DIREITO PENAL PARA OAB. consentimento do ofendido RESUMO DE DIREITO PENAL PARA OAB CULPABILIDADE fato típico ilicitude culpabilidade Conduta. estado de necessidade imputabilidade resultado nexo causal tipicidade legítima defesa estrito cumprimento do

Leia mais

EXIGIBILIDADE DE CONDUTA CONFORME O DIREITO

EXIGIBILIDADE DE CONDUTA CONFORME O DIREITO EXIGIBILIDADE DE CONDUTA CONFORME O DIREITO Irving Nagima Advogado, formado pela Faculdade de Direito de Curitiba. CONCEITO, PRINCÍPIOS E NOÇÕES BÁSICAS A teoria da culpabilidade (1) completa-se com o

Leia mais

11 a a a 28

11 a a a 28 Tabela de Correspondência de Questões: PROVA PROVA PROVA A B C 11 a 16 35 a 40 23 a 28 Olá queridos alunos prolaborianos, Fiquei muito feliz ao ver a prova do CFSD. O nível de dificuldade está de acordo

Leia mais

PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 2.2 CIRCUNSTÂNCIAS ATENUANTES (art. 65 e 66 do CP) Circunstâncias Atenuantes Art. 65 - São circunstâncias que sempre atenuam a pena: I - ser o agente menor de 21 (vinte e

Leia mais

4.8 Comunicabilidade das condições, elementares e circunstâncias 4.9 Agravantes no concurso de agentes 4.10 Cabeças 4.11 Casos de impunibilidade

4.8 Comunicabilidade das condições, elementares e circunstâncias 4.9 Agravantes no concurso de agentes 4.10 Cabeças 4.11 Casos de impunibilidade Sumário NDICE SISTEMÁTICO EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DO CÓDIGO PENAL MILITAR 1. DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL MILITAR 1.1 O princípio da legalidade e suas funções de garantia 1.2 Abolitio criminis e novatio legis

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO DIREITO PENAL : PARTE ESPECIAL. Prof. Joerberth Pinto Nunes. Crimes contra a Administração Pública

ROTEIRO DE ESTUDO DIREITO PENAL : PARTE ESPECIAL. Prof. Joerberth Pinto Nunes. Crimes contra a Administração Pública ROTEIRO DE ESTUDO DIREITO PENAL : PARTE ESPECIAL Prof. Joerberth Pinto Nunes Crimes contra a Administração Pública 01) art. 312, CP -Espécies : caput : peculato-apropriação e peculato-desvio -Parágrafo

Leia mais

ASPECTOS BIOÉTICOS (e legais)

ASPECTOS BIOÉTICOS (e legais) Perícias P e r ícias médicas médicas ASPECTOS BIOÉTICOS (e legais) Prof.Dr. Daniel Romero Muñoz Daniel Romero Muñoz 1 Perícias médicas: aspectos bioéticos e legais 1. INTRODUÇÃO 1.1. Conduta ética Não

Leia mais

Recusa em permitir transfusão de sangue - Resolução CFM 1021 de 26/9/ *****

Recusa em permitir transfusão de sangue - Resolução CFM 1021 de 26/9/ ***** Recusa em permitir transfusão de sangue - Resolução CFM 1021 de 26/9/1980 - ***** Ementa: Adota os fundamentos do parecer no processo CFM n.º 21/80, como interpretação autêntica dos dispositivos deontológicos

Leia mais

Objetivos: 1. Definir Infrações Penais, apresentando as diferenças entre o Crime e Contravenção. Distinguir o Crime Doloso do Culposo.

Objetivos: 1. Definir Infrações Penais, apresentando as diferenças entre o Crime e Contravenção. Distinguir o Crime Doloso do Culposo. Assunto: Infrações Penais Objetivos: 1. Definir Infrações Penais, apresentando as diferenças entre o Crime e Contravenção. Distinguir o Crime Doloso do Culposo. Sumário: 1. Introdução 2. Desenvolvimento

Leia mais

Maioridade Penal e os Reflexos no Trânsito

Maioridade Penal e os Reflexos no Trânsito Maioridade Penal e os Reflexos no Trânsito Carteira Nacional de Habilitação: Requisitos básicos (art. 140 do CTB): I - ser penalmente imputável*; II - saber ler e escrever; III - possuir Carteira de Identidade

Leia mais

Exercício da Medicina e Direito Penal

Exercício da Medicina e Direito Penal Exercício da Medicina e Direito Penal Prof. Dr. Alexandre Wunderlich Disciplina de Bioética, Medicina e Direito/PPGCM-UFRGS HCPA, 10 de agosto de 2016. Direito Penal Clássico Direito Penal na Sociedade

Leia mais

A pessoa que possui apenas o desejo de praticar um fato típico. criminosa, motivo pelo qual não são punidos os atos preparatórios do crime.

A pessoa que possui apenas o desejo de praticar um fato típico. criminosa, motivo pelo qual não são punidos os atos preparatórios do crime. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA A pessoa que possui apenas o desejo de praticar um fato típico não pode ser considerada criminosa, motivo pelo qual não são punidos os atos preparatórios do crime. Excepcionalmente,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TIPICIDADE E ILICITUDE: TEORIAS

RELAÇÃO ENTRE TIPICIDADE E ILICITUDE: TEORIAS RELAÇÃO ENTRE TIPICIDADE E ILICITUDE: TEORIAS Existem 4 teorias discutindo essa relação: 1. Teoria da Autonomia ou Absoluta Independência 2. Teoria da Indiciariedade ou "Ratio Cognoscendi" 3. Teoria da

Leia mais

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015

CURSO DE DIREITO 1 PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 PLANO DE ENSINO CURSO DE DIREITO 1 Disciplina Carga Horária Semestre Ano Direito Penal I 80 4º 2015 Objetivos Específicos da Disciplina Inicialmente, concluir-se-á a matéria da parte geral. Em seguida,

Leia mais

MODELO DE RAZÕES DE RECURSO - QUESTÃO n CADERNO A - PROVA - Soldado PMMG

MODELO DE RAZÕES DE RECURSO - QUESTÃO n CADERNO A - PROVA - Soldado PMMG MODELO DE RAZÕES DE RECURSO - QUESTÃO n. 16 - CADERNO A - PROVA - Soldado PMMG À DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Recurso relativo a questão n. 16 (caderno A ) da prova de

Leia mais

Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Paulo Caliendo

Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Paulo Caliendo + Multa Qualificada Paulo Caliendo Multa Qualificada Paulo Caliendo + Importância da Definição: mudança de contexto Modelo Anterior Sentido Arrecadatório Modelo Atual Sentido repressor e punitivo Última

Leia mais

Aula 24. CONCURSO DE PESSOAS (continuação)

Aula 24. CONCURSO DE PESSOAS (continuação) Turma e Ano: 2015 (Master A) Matéria / Aula: Direito Penal Aula 24 Professor: Marcelo Uzeda Monitor: Paula Ferreira Aula 24 CONCURSO DE PESSOAS (continuação) CONCEITO DE AUTORIA A compreensão deste tema

Leia mais

05/05/2017 PAULO IGOR DIREITO PENAL

05/05/2017 PAULO IGOR DIREITO PENAL PAULO IGOR DIREITO PENAL (VUNESP/ ASSISTENTE JURÍDICO PREFEITURA DE ANDRADINA SP/ 2017) A conduta de patrocinar indiretamente interesse privado perante a Administração Pública, valendo-se da sua qualidade

Leia mais

Polícia Civil-CE Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco

Polícia Civil-CE Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco Polícia Civil-CE Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01. Direito Penal Disciplina - Assunto Noções Fundamentais Ano:

Leia mais

Em várias situações a legislação consagra da junção das jurisdições civil e criminal.

Em várias situações a legislação consagra da junção das jurisdições civil e criminal. Ação civil ex delicto Objetivo: Propiciar a reparação do dano causado pelo delito. Sentença penal condenatória e reparação do dano Art. 91, I, CP: Obrigação de indenizar o dano Art. 63, CPP e 475-N, II,

Leia mais

Capítulo 1 Noções Preliminares... 1 Capítulo 2 Aplicação da Lei Penal... 29

Capítulo 1 Noções Preliminares... 1 Capítulo 2 Aplicação da Lei Penal... 29 Sumário Capítulo 1 Noções Preliminares... 1 1. Introdução... 1 2. Princípios... 4 2.1. Princípio da legalidade... 5 2.2. Princípio da anterioridade da lei penal... 5 2.3. Princípio da irretroatividade

Leia mais

CULPABILIDADE. e normativa pura.), na culpabilidade nos ficamos sabendo se iremos

CULPABILIDADE. e normativa pura.), na culpabilidade nos ficamos sabendo se iremos CULPABILIDADE Lucas de Menezes VERGANI¹ RESUMO: Na Culpabilidade existem três teorias, (psicológica, psicológiconormativo, e normativa pura.), na culpabilidade nos ficamos sabendo se iremos ou não responder

Leia mais

Disciplina: Direito Penal Parte Geral Professor: Michel Reiss Aula 03

Disciplina: Direito Penal Parte Geral Professor: Michel Reiss Aula 03 Disciplina: Direito Penal Parte Geral Professor: Michel Reiss Aula 03 Elementos objetivos do tipo: - descritivos - normativos Temos os seguintes elementos do tipo: Verbo: todo crime tem uma conduta, e

Leia mais

7/4/2014. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. + Sumário. Multa Qualificada. Responsabilidade dos Sócios

7/4/2014. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. + Sumário. Multa Qualificada. Responsabilidade dos Sócios + Multa Qualificada Paulo Caliendo Multa Qualificada Paulo Caliendo + Sumário Multa Qualificada Responsabilidade dos Sócios 1 + Importância da Definição: mudança de contexto Modelo Anterior Sentido Arrecadatório

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO Capacidade de expressão na modalidade escrita e do uso das normas do registro formal culto da língua portuguesa 2. Responsabilidade do juiz, do Estado ou de ambos por ato jurisdicional doloso.00

Leia mais

22/9/2010. UNESP Biologia Marinha Gerenciamento Costeiro LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A RESPONSABILIDADE DO INFRATOR AMBIENTAL NO ÂMBITO PENAL AULA 4

22/9/2010. UNESP Biologia Marinha Gerenciamento Costeiro LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A RESPONSABILIDADE DO INFRATOR AMBIENTAL NO ÂMBITO PENAL AULA 4 UNESP Biologia Marinha Gerenciamento Costeiro LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AULA 4 A RESPONSABILIDADE DO INFRATOR AMBIENTAL NO ÂMBITO PENAL I- INTRODUÇÃO Resp. PENAL - Lei 9.605/98 Resp. ADMINISTRATIVA Resp. CIVIL

Leia mais

Sumário Tempo do Crime Local do crime Territorialidade/Extraterritorialidade Conceito...28

Sumário Tempo do Crime Local do crime Territorialidade/Extraterritorialidade Conceito...28 Sumário INTRODUÇÃO... 11 PARTE GERAL... 13 CAPÍTULO 1 DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL MILITAR... 15 1.1. Tempo do Crime...19 1.2. Local do crime...20 1.3. Territorialidade/Extraterritorialidade...21 CAPÍTULO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O aborto da estuprada: onde está o cinismo? Roberto Carvalho Veloso* Não sou teólogo, portanto não pretendo discutir os aspectos religiosos do aborto. Acaso me intrometesse em seara

Leia mais

I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Específicos Geral PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina Direito Penal I Curso Direito Nível 3º Ano/Semestre 2013/1 N Horas/Aula 72 N de Créditos Dias e Horários Sextas-feiras,

Leia mais

26/08/2012 DIREITO PENAL III. Direito penal IV

26/08/2012 DIREITO PENAL III. Direito penal IV DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 1 INDUZIMENTO, INSTIGAÇÃO OU AUXÍLIO A SUICÍDIO Art. 122 - Induzir ou instigar alguém a suicidar-se

Leia mais

Resumo de Direito Penal para OAB Professor Lúcio Valente

Resumo de Direito Penal para OAB Professor Lúcio Valente fato típico ilicitude culpabilidade Conduta. estado de necessidade imputabilidade resultado nexo causal tipicidade legítima defesa estrito cumprimento do dever legal exercício regular do direito potencial

Leia mais

TÍTULO VI CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL

TÍTULO VI CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL TÍTULO VI CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL MORAL PÚBLICA SEXUAL DIREITO PENAL IV Prof. Hélio Ramos Art. 213. Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar

Leia mais

Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido...

Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido... Sumário Homicídio (art. 121 do cp) Introdução...2 Classificação doutrinária...2 Sujeitos...3 Objeto material...3 Bem juridicamente protegido...3 Exame de corpo de delito...3 Elemento subjetivo...3 Modalidades

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Responsabilidade objetiva do Estado Elaine Rodrigues de Paula Reis A responsabilidade do Poder Público não existirá ou será atenuada quanto a conduta da Administração Pública não

Leia mais

1. REQUISITOS DO CONCURSO DE PESSOAS 2) RELEVÂNCIA CAUSAL DE CADA UMA DAS AÇÕES 3) LIAME SUBJETIVO ENTRE OS AGENTES

1. REQUISITOS DO CONCURSO DE PESSOAS 2) RELEVÂNCIA CAUSAL DE CADA UMA DAS AÇÕES 3) LIAME SUBJETIVO ENTRE OS AGENTES 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Requisitos do Concurso de Pessoas PONTO 2: Autoria PONTO 3: Autoria Mediata ou Indireta PONTO 4: Formas de Concurso de Pessoas PONTO 5: Punibilidade no Concurso de Pessoas PONTO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº. 0034199-92.2013.8.19.0000 ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE EMENTA: AÇÃO PENAL PORTE DE ARMA POLICIAL MILITAR INCREMENTO DO RISCO ATIPICIDADE

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. Introdução histórica 2. Natureza jurídica 3. Referências normativas 4. Legitimidade 5. Finalidade 6. Hipóteses de cabimento

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. Introdução histórica 2. Natureza jurídica 3. Referências normativas 4. Legitimidade 5. Finalidade 6. Hipóteses de cabimento CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução histórica 2. Natureza jurídica 3. Referências normativas 4. Legitimidade 5. Finalidade 6. Hipóteses de cabimento Habeas corpus - Tenhas corpo (...) a faculdade concedida

Leia mais

Iter Criminis. 2. Preparação (fase externa): em regra, no Brasil também é impunível. Por vezes, pode ser punida como crime autônomo.

Iter Criminis. 2. Preparação (fase externa): em regra, no Brasil também é impunível. Por vezes, pode ser punida como crime autônomo. Iter Criminis São fases pelas quais passa o delito. 1. Cogitação (fase interna): é subjetiva, sendo impunível no Brasil. 2. Preparação (fase externa): em regra, no Brasil também é impunível. Por vezes,

Leia mais

DIREITO PENAL. 1) Princípios Penais Fundamentais:

DIREITO PENAL. 1) Princípios Penais Fundamentais: 1 PONTO 1: Princípios Penais Fundamentais: I) Princípios relacionados ao direito penal: - Princípio da insignificância. II) Princípios relacionados ao direito penal: a) princípio da materialização do fato;

Leia mais

ERRO NO DIREITO PENAL

ERRO NO DIREITO PENAL ERRO NO DIREITO PENAL Emanuella Drummond Resende Acadêmica de Direito 5º período Centro Universitário Newton Paiva Ignorar é não saber; errar é saber mal Paulo José 1 O erro é um vício de vontade que gera

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL 1. Sobre a teoria materialista/dialética da pena, pode-se afirmar: A) que a pena criminal representa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Causas de justificação da transgressão disciplinar militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* 1. Introdução O militar (federal ou estadual) no cumprimento de suas funções deve observar

Leia mais

PARTE I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA

PARTE I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA SUMÁRIO Notas do autor... 33 O livro e sua atualização... 35 Introdução... 37 I. PARTE GERAL E PARTE ESPECIAL DO CÓDIGO PENAL... 37 II. NORMAS DA PARTE ESPECIAL... 37 III. CLASSIFICAÇÃO DA PARTE ESPECIAL...

Leia mais

Corujinha Cursos e Concursos Curso Preparatório para Agente da Polícia Civil 2014 Direito Penal

Corujinha Cursos e Concursos Curso Preparatório para Agente da Polícia Civil 2014 Direito Penal ERRO DE TIPO Fonte: Capez, Fernando. Curso de direito penal, volume 1, parte geral : (arts. 1º a 120) / Fernando Capez. 15. ed. São Paulo : Saraiva, 2011. Conceito: trata-se de um erro incidente sobre

Leia mais

Direito Penal III. Aula 10 04/04/2012. Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A. Aula 11 18/04/ Difamação art.

Direito Penal III. Aula 10 04/04/2012. Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A. Aula 11 18/04/ Difamação art. Aula 10 04/04/2012 Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A Aula 11 18/04/2012 2.5.2 Difamação art. 139 a) Objeto jurídico honra objetiva. b) Tipo Objetivo Difamar é o ato imputar a alguém

Leia mais